Você está na página 1de 9

Faculdade Pitágoras

Bruno Felipe

Eu não farei esse tipo de arquivo sempre, pois consume muito o meu tempo. O ideal é
ministrar uma aula.

 Objetivo: revisão de conteúdo e auxiliar as pessoas na composição de base teórica.


Regras básicas da vida:
1. Qual a sua prioridade? Se não tiver as melhores motivações que o(a) farão
continuar a lutar: está perdido!
2. Se você não vence, ao menos é porque desiste fácil e não deseja vencer, e
ultrapassar os seus limites.
3. Não existem desculpas, para os que querem, à noite torna-se dia e cada
oportunidade é dada como prioridade.
4. Viver na desculpa é muita preguiça em mudar o que é necessário. E só mostra o
quanto tem medo da mudança e o quanto incomodará.
5. Quando se deseja mudar e conquistar horizontes, o céu nunca será o limite e o
inferno nunca será a estagnação.
6. Regra básica, ou você busca mudar, ou nunca terá o que deseja.
7. Hora de parar de chorar, faça logo o que deve ser feito.

Química Geral

Matéria e suas propriedades

A matéria é definida como uma “essência”, por exemplo, você é uma matéria, desde
seus átomos, em que cada um deles se uniu e formou as suas moléculas, e seguindo
essa sequência, cada molécula com a interação do meio externo (tudo o que está a
nossa volta), formou as suas células, destas criaturas celulares formou-se os tecidos
que compõe o seu corpo, cada tecido foi responsável por gerar os orgãos, o conjunto
desses orgãos deu início ao sistema (nervoso, digestório etc), e a união de todos esses
sistemas formau você (organismo, indivíduo). Cada indivíduo interage com outro,
portanto da mesma forma a matéria interage com o tudo o que existe. A metéria, não
apresenta um conceito específico, mas podemos definí-la como algo que apresenta
massa, como também ocupa certo lugar no espaço.

Nem tudo a nossa volta é matéria, pois a energia não pode ser classificada nessa
categoria. Bem, antes de tudo, o que é energia? A energia é definida como a
capacidade de um corpo realizar trabalho/interatividade/ação. Por exemplo, a luz é
uma forma de energia, ela é uma radiação eletromagnética, ela passa através da
matéria, como também percorre o espaço, e chega a nós, e a sentimos. Se não fosse
por ela, não haveria vida nesse planeta, ela é reponsável pela energia necessária para
a fotossíntese nas plantas (liberação de oxigênio para nós seres vivos), não ocupa lugar
no espaço, não apresenta uma massa. Entretanto, existe outra natureza relacionada à
luz, descoberta por Albert Einstein, através da sua teoria da relatividade, em que não
entraremos em detalhes agora. Bem, em síntese, você deve saber que:

1. A matéria é definida como uma essência, pois é algo que apresenta massa e
que ocupa o lugar no espaço. A matéria é a interação de tudo o que existe.
2. Nem tudo na natureza é matéria, a energia é um conceito que define a
capacidade de um corpo realizar trabalho, ou interação, ou ação. Para facilitar
a compreensão: imagine que estamos em local que existe uma queda d’água,
você observa que é grande a quantidade de volume que cai por lá, ao mesmo
tempo, você vê, no final da queda d’água, a existência de um equipamento que
gira as palhetas, quando a água entra em contato com elas. Bom, a água é
matéria, você vê, toca, apresenta uma existência material. Entretanto, o efeito
da queda que faz girar as palhetas não é a matéria em si, mas a consequência
de alguns fatores, como a altura que a água se encontra, pois caso a água se se
encontra próxima a elas (em altura), giraria muito mais devagar, porque não
teria muita força. A massa da água contida no seu volume de queda também
influenciaria, pois quanto maior a massa (maior o peso), maior a intensidade do
giro, e quanto menor a massa (menor o peso), menor será tal intensidade. As
condições estabelecidas como (altura, massa relacionada ao volume, à força
gravitacional da terra atraindo grande quantidade de massa de água para
baixo) determina uma energia denominada potencial gravitacional, e é ela a
responsável pela grande intensidade de giro que o equipamento será capaz de
realizar.

Relação entre matéria e a massa

Definimos a matéria como tudo àquilo que apresenta massa, mas o que seria a
massa?

Bem, você sabe que todo algo que apresenta massa (objeto) é composto por
moléculas, e que as moléculas são formadas por átomos. Os átomos são as partículas
que constituem tudo o que existe e que está a nossa volta. Tudo o que tem existência
real estará relacionado ao número de partículas (quantidade de átomos) que compõe
uma determinada limitação da matéria (objeto). Chegamos à conclusão de que a massa
é a medida da quantidade de matéria (números de átomos), e quanto mais átomos e o
tipo do átomo (cada um possui uma massa característica própria), maior será a massa.
Para entendermos sobre a massa, deveremos entender sobre o passado do mesmo.

Vamos entender uma ideia, depois abordarei sobre o que a massa realmente
significa. Existe uma balança de dois pratos, mas ela não me indica numericamente a
massa de um objeto que desejo medir, mas eu disponho de vários pesos de massa 1kg.
Então, no prato esquerdo coloquei um objeto de 6 kg e devo equibrar os dois pratos,
portanto devo adicionar 6 pesos de massa 1kg para obter 6kg no braço direito. Para um
objeto de 12 kg, devo colocar 12 pesos de 1 kg para obter 12 kg no braço direito.
Seguindo, então, tal princípio, determinou-se que pegassem um átomo de carbono 12,
a massa atômica é medida em “u” (unidades de massa atômica), em que sua massa
vale 12u, em seguida, o dividiram em 12 partes iguais, onde cada parte agora do átomo
de carbono 12 pesasse 1u (essa parte do carbono será o nosso peso de massa).

Imaginemos que existe uma balança de dois pratos capaz de comparar a massa do
átomo qualquer com a parte do carbono 12, que possui a massa de 1u, bem, o
primeiro átomo que colocarei no braço esquerdo é o hidrogênio, mas o braço direito,
após ter colocado apenas um pedaço da parte do carbono 12, que pesa 1u, equilibrou.
Então se chegou à conclusão que o hidrogênio possui uma massa de 1u. Fizeram
também com o oxigênio e foi necessário colocar 16 pedaços do átomo do carbono 12,
que pesa 1u, para equilibrar a balança, então chegamos à conclusão que oxigênio pesa
16u. Os químicos, naquela época eram ambiciosos, e queriam determinar uma
equivalência entre “u” (unidade de massa atômica) e o grama (a massa que utilizamos
e temos a capacidade de analisar em equipamentos normais). Para tal façanha,
Avogadro determinou uma constante de número de partículas, chamada também de
mol, em que se eu pega-se um total de partículas equivalentes a
602.000.000.000.000.000.000.000 partes de carbono 12 de massa 1u para obter uma
massa de 1g (grama). Isso quer dizer que se eu tivesse que pesar em gramas uma
quantidade de átomos oxigênio de massa 16u, deveria possuir
602.000.000.000.000.000.000.000 átomos de oxigênio para obter uma massa de 16g
(gramas).

Em síntese, a massa representa nada mais do que uma quantidade de átomos


presente no corpo, quanto mais átomos, mais quantidade de matéria esse corpo terá e
maior será a sua massa. Dependendo do tipo de átomo, a massa tende a ser ainda
maior.

Por exemplo, o hidrogênio é muito mais leve que o oxigênio. O hidrogênio possui
massa 1u e o oxigênio, 16u. Se eu pegasse um mol (602.000.000.000.000.000.000.000
átomos, moléculas, partículas, o que for) de cada um, teria que a massa do hidrogênio
seria de 1g e do oxigênio, 16g. E quantos mais moles de substância, mais a quantidade
em gramas tende a aumentar. Por isso, caros, a massa jamais será o peso (que é uma
propriedade física que mede atração do corpo para o centro de massa de um planeta).
O que seria o peso?

O peso (P) é uma propriedade física que determina a atração de um corpo para o
centro de massa de um planeta. A massa compõe a expressão de cálculo do peso, mas
ela não é o peso em si. Como se calcula o peso? É através do produto entre a massa
(m) e aceleração da gravidade local (g).

A expressão para o cálculo é: P = m.g, perceba que quanto maior a massa, maior será
o peso de um corpo (a isso nós chamamos de uma relação diretamente proporcional),
à medida que uma grandeza cresce, outra crescerá na mesma proporção. E a massa é
algo característico do corpo, intrínseco ao corpo, cada corpo possui a sua massa, então
cada corpo possui um peso diferente. A aceleração da gravidade (g) depende de uma
série de fatores para a sua determinação (a massa do planeta e a distância do objeto
ao centro de massa). Por favor, a massa é algo intrínseco do corpo, NÃO MUDA, pois
ela é determinada pelos átomos e o seu número contido no corpo. Já o peso, depende
de (g) e esta grandeza pode variar conforme as características físicas que a inflenciam.

O que seria inércia?

A inércia determina o estado de movimento de um corpo. Quanto mais pesado for


corpo, por apresentar uma maior massa, já que nos encontramos na terra, maior será a
dificuldade em colocá-lo em movimento, ou uma vez em movimento, fazê-lo parar.
Existe uma problematização física, entretanto, entendendo-se essa perspectiva, a
definição estará conceituada.

Delimitações da Matéria

Quando consideramos a matéria em si, estamos afirmando qualitativamente quem é


ela, mas não a determinamos quantitativamente. Quando digo madeira, como
exemplo, estou considerando todo o globo terrestre que contenha a matéria madeira
em análise, a isso chamamos de substância, uma classificação qualitativa, então tal
abrangência impossibilita imaginar uma dimensão que se pode medir. Porém quando
começo atribuir limitações, a dar forma, dimensão imaginável a matéria proposta,
consequentemente começamos a limitá-la. Quando considero o alumínio, por exemplo,
existe um conceito muito aberto em relação a ele, todavia quando afirmo que agora
possuo uma placa de alumínio, além de essa placa ser determinada qualitativamente,
ela é determinada quantitativamente, se torna limitada, imaginável, medível. Ao
conceito limitado e sem utilidade prática ao homem, damos o nome de corpo, pois a
matéria foi delimitada em uma porção menor do que o universo oferecido. E quando
se pega o corpo (placa de alumínio) e o transforma em objeto, teremos o corpo
delimitado em que possui uma função prática ao homem.

Propriedades da Matéria

As propriedades da matéria podem ser divididas em gerais e específicas. Uma


propriedade geral é comum a qualquer espécie de matéria, todos, sem dúvida, terão
tais características. Entretanto, a propriedade específica é dependente de cada meio
material e não são comuns entre si e, a partir destas atribuições a serem discutidas,
poderemos classificar e identificar uma substância através dos dados obtidos por meio
de tais análises (contexto específico) e comparada às informações existentes na
literatura, identificarmos a substância e o seu tipo.

Algumas propriedades gerais que foram discutidas anteriormente, a essas apenas


serão complementados algumas informações ou apenas mencionarei o nome:

 Inércia

m(b)

m(a)

Objeto A Objeto B

O objeto A e o objeto B são constituídos da mesma substância (mesma espécie de


matéria ou mesma qualificação material), então a densidade de ambos os objetos são
os mesmos (d{DENSIDADE} = m{MASSA}/V{VOLUME}), então a massa será dada pelo
PRODUTO da densidade e volume, conforme a expressão descrita:

m{MASSA} = d{DENSIDADE}. V{VOLUME}

Como a densidade é a mesma, o que tornará a massa maior será o volume dos
objetos, quanto maior for esse, então maior será também a massa, com isso chegamos
à conclusão de que o objeto B possui muito mais massa do que o objeto A. Lembre-se
que agora destacarei o peso, e esse é diferente do conceito de massa, mas lembre-se
que o peso é um fator dependente da massa, veja a seguinte expressão:

P(peso) = m(massa) . g(aceleração da gravidade local) . Cos(α)

Quanto maior a massa de um objeto, maior será o seu peso, claro, respeitando o
ângulo com o qual o peso estará submetido, enfim, não leve em consideração esse
detalhe agora. Chegaremos à conclusão de que o objeto B é muito mais pesado do que
o objeto A. Agora, meu caro leitor, você tentará empurrar ambos os objetos, e verá que
terá que impor uma força maior para empurrar B (por ser mais pesado) e uma força
menor para empurrar A (por ser mais leve), e também você é a força externa ao
sistema, a essa dificuldade de colocarmos o objeto em movimento (por causa da sua
massa e aceleração gravitacional considerável) através da sua força, daremos o nome
de inércia.

 Massa

Foi o conceito bem explanado anteriormente.

 Impenetrabilidade

Dois corpos não ocupam o mesmo espaço e ao mesmo tempo. Um bom exemplo é a
uma vasilha cheia com água e tentarmos colocar um cubo desses, como a matéria não
pode ocupar o mesmo espaço e ao mesmo tempo, então o volume de água derramado
será o mesmo volume do cubo colocado na vasilha, para que esse permaneça em
conjunto com a água restante.

 Compressibilidade
Força Externa

Volume final Volume inicial

O efeito da compressibilidade atuará na redução do volume de um objeto, claro,


conservando a massa, uma vez que a massa é a quantidade de átomos. Todo átomo,
segundo o modelo Rutherford e Bohr, está associado a um modelo planetário em que
os átomos interagem compartilhando ou cedendo seus elétrons para adquirir uma
maior estabilidade eletrônica, mas o átomo não é maciço, possui uma infinidade de
espaço vazio, quando você aplica uma força externa, como o caso da seringa acima,
você tende aproximar mais os átomos e diminuir mais os espaços vazios entre eles.
Após cessar (terminar) a força externa, a compressibilidade será desfeita ou a matéria
delimitada é moldada e deferida de sua forma original.

Distância

Início da força
Início da força
Externa.
Externa

Final da força Externa e maior


Final da força Externa e maior
do que a força Inicial.
do que a força Inicial.

 Elasticidade
Força Externa

É o efeito reverso da compressibilidade, através de uma força externa, ocorre o


aumento de volume do material com a quantidade de massa da substância constante,
ou seja, a massa permanece inalterável ou conservada.

Início da força
Início da força
Externa
Externa

Distância

Final da força
Final da força
Externa.
Externa

Após cessar (terminar) a força externa, a elasticidade será desfeita ou a matéria


delimitada é moldada e deferida de sua forma original.

 Divisibilidade
A matéria, como vimos, pode ser delimitada em porções menores como corpo,
objeto, moléculas e átomos. O que garante a essência da matéria são as moléculas,
quando divididas em átomos, estes se combinam em diferentes formas e proporções
para formar novas composições. Quando o átomo é subdividido, a matéria perde a sua
identidade, pois ocorrerão formações de novos átomos e o que foi dividido perde sua
essência.

 Descontinuidade

Como os átomos não são maciços e existem espaçamentos vazios entre eles
(eletrosfera), então, não existe uma continuidade da matéria, portanto a classificamos
como descontínua. Se isso não fosse verdade, jamais teríamos a propriedade da
compressibilidade e elasticidade. Pegue uma esponja, por exemplo, e mergulhe ela na
água, as moléculas dessas tendem a preencher todos os espaçamentos vazios (os
poros) que a esponja apresenta.

 Indestrutibilidade

Toda a matéria não pode ser destruída e nem criada, mas transformada em outra.

As propriedades específicas da matéria podem ser classificadas como organolépticas


(percebidas pelos órgãos dos sentidos), químicas (ocorre a transformação da matéria
em outra) e físicas ( não ocorre transformação da matéria em outra, porém ocorre
modificação na estrutura geométrica dos átomos).