Você está na página 1de 70
Segurança contra Incêndios em Patrimônio Histórico-Cultural FAUUSP Rosaria Ono Arquiteta, Professora Titular Faculdade

Segurança contra Incêndios em Patrimônio Histórico-Cultural

contra Incêndios em Patrimônio Histórico-Cultural FAUUSP Rosaria Ono Arquiteta, Professora Titular Faculdade

FAUUSP

Rosaria Ono

Arquiteta, Professora Titular Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Universidade de São Paulo

1
1
Proteção contra incêndio • Pessoas; • Objetos e Bens ; • Informações; • Edifício; •

Proteção contra incêndio

Pessoas; Objetos e Bens ; Informações; Edifício; Meio Ambiente.

contra incêndio • Pessoas; • Objetos e Bens ; • Informações; • Edifício; • Meio Ambiente.

FAUUSPFAUUSP

2
2

Incêndio

Incêndio • Efeito devastador; • Risco presente em toda a sociedade (independe de condições socio-culturais,

Efeito devastador; Risco presente em toda a sociedade (independe de condições socio-culturais, políticas ou geográficas); Perdas e danos irrecuperáveis.

de condições socio-culturais, políticas ou geográficas); • Perdas e danos irrecuperáveis. FAUUSPFAUUSP 3

FAUUSPFAUUSP

3
3
MAM-RJ (incêndio em 1978) “Em 40 minutos, o fogo destruiu duas telas de Picasso, duas

MAM-RJ (incêndio em 1978)

“Em 40 minutos, o fogo destruiu duas telas de Picasso, duas de Miró e centenas de obras de artistas brasileiros. Do acervo, de mais de mil peças, restaram apenas 50. O estrago foi tamanho que apenas nos anos (19)90, as instituições internacionais voltariam a confiar no país para abrigar exposições de grande porte.”

fonte: O Globo

internacionais voltariam a confiar no país para abrigar exposições de grande porte.” fonte: O Globo FAUUSPFAUUSP

FAUUSPFAUUSP

4
4
Igreja N.Sra. do Carmo - Mariana  Igreja N.Sra. do Carmo (Mariana- MG -1784) 

Igreja N.Sra. do Carmo - Mariana

Igreja N.Sra. do Carmo (Mariana- MG -1784)

Incêndio em 1999 - danos: piso, dois altares e cobertura.

N.Sra. do Carmo (Mariana- MG -1784)  Incêndio em 1999 - danos: piso, dois altares e

FAUUSPFAUUSP

5
5
Igreja N. S. Rosário (1732) Pirenópolis – GO Restaurada em 1999 •Tombada pelo IPHAN •Incêndio:

Igreja N. S. Rosário (1732) Pirenópolis – GO

Restaurada em 1999

•Tombada pelo IPHAN •Incêndio: 05/09/2002 •Perda total da construção interna (altares e outros mobiliários) e cobertura •Manutenção das paredes de taipa

total da construção interna (altares e outros mobiliários) e cobertura •Manutenção das paredes de taipa FAUUSP

FAUUSP

6
6

Centro Histórico de Ouro Preto (incêndio em 14/04/2003)

Centro Histórico de Ouro Preto (incêndio em 14/04/2003) FAUUSP
Centro Histórico de Ouro Preto (incêndio em 14/04/2003) FAUUSP
Centro Histórico de Ouro Preto (incêndio em 14/04/2003) FAUUSP
Centro Histórico de Ouro Preto (incêndio em 14/04/2003) FAUUSP

FAUUSP

Centro Histórico de Ouro Preto (incêndio em 14/04/2003) FAUUSP

Centro Cultural São Paulo

Incêndio em 17/05/2007

Causa: Queda de Balão sobre a cobertura

Ignição do componente da cobertura (placas translúcidas para iluminação zenital) e queda de material incandescente no interior do edifício

(placas translúcidas para iluminação zenital) e queda de material incandescente no interior do edifício FAUUSP 8

FAUUSP

8

Instituto Butantã – Maio/2010

Instituto Butantã – Maio/2010 FAUUSP 9
Instituto Butantã – Maio/2010 FAUUSP 9

FAUUSP

9
9
Alerta de risco de outras instituições semelhantes FAUUSPFAUUSP 10

Alerta de risco de outras instituições semelhantes

Alerta de risco de outras instituições semelhantes FAUUSPFAUUSP 10
Alerta de risco de outras instituições semelhantes FAUUSPFAUUSP 10
Alerta de risco de outras instituições semelhantes FAUUSPFAUUSP 10

FAUUSPFAUUSP

10
10
Arquivo Público do Estado de São Paulo – incêndio em 18/02/2012 FAUUSPFAUUSP 11

Arquivo Público do Estado de São Paulo – incêndio em 18/02/2012

Arquivo Público do Estado de São Paulo – incêndio em 18/02/2012 FAUUSPFAUUSP 11

FAUUSPFAUUSP

11
11

Base brasileira na Antártida

Base brasileira na Antártida • Incêndio: 25/02/2012 FAUUSP 12

Incêndio: 25/02/2012

Base brasileira na Antártida • Incêndio: 25/02/2012 FAUUSP 12
Base brasileira na Antártida • Incêndio: 25/02/2012 FAUUSP 12

FAUUSP

Base brasileira na Antártida • Incêndio: 25/02/2012 FAUUSP 12
12
12
Memorial da América Latina – incêndio em 29/11/2013 • Estrutura resiste ao fogo • Todo

Memorial da América Latina – incêndio em

29/11/2013

Estrutura resiste ao fogo

Todo o conteúdo combustível é destruído pelo incêndio, inclusive obras artísticas

Muita dificuldade no combate ao fogo por dificuldade de acesso e produção de muita fumaça

• Muita dificuldade no combate ao fogo por dificuldade de acesso e produção de muita fumaça

FAUUSPFAUUSP

13
13
Centro Cultural do Liceu de Artes e Ofícios - 04/02/2014 • Incêndio na área de

Centro Cultural do Liceu de Artes e Ofícios -

04/02/2014

Incêndio na área de guarda de acervo (mobiliário)

do Liceu de Artes e Ofícios - 04/02/2014 • Incêndio na área de guarda de acervo

FAUUSPFAUUSP

14
14
Museu da Língua Portuguesa – incêndio em 21/12/2015 Perda significativa da estrutura do edifício Não

Museu da Língua Portuguesa – incêndio em

21/12/2015

Perda significativa da estrutura do edifício Não houve perda de acervo

Edifício já sofreu perdas com incêndio anterior, ocorrido no dia 06/11/1946.

Não houve perda de acervo Edifício já sofreu perdas com incêndio anterior, ocorrido no dia 06/11/1946.

FAUUSP

15
15
Cinemateca Brasileira – incêndio em 03/02/2016 (São Paulo) • Abrigado num edifício histórico (antigo Matadouro)

Cinemateca Brasileira – incêndio em 03/02/2016 (São Paulo)

Abrigado num edifício histórico (antigo Matadouro)

Incêndio atingiu 20m 2 de um galpão de 80 m 2 : Local de guarda de filmes de nitrato de celulose (edifício separado)

20m 2 de um galpão de 80 m 2 : Local de guarda de filmes de

FAUUSP

16
16

Castelo de Windsor - Inglaterra

(incêndio em 20/11/1992)

Custos do Restauro

5 anos;

37 milhões de libras (US$ 59,2 milhões);

mais de 200 empresas e 4.000 pessoas envolvidas na recuperação.

de libras (US$ 59,2 milhões); • mais de 200 empresas e 4.000 pessoas envolvidas na recuperação.

FAUUSPFAUUSP

de libras (US$ 59,2 milhões); • mais de 200 empresas e 4.000 pessoas envolvidas na recuperação.
17
17
Segurança contra Incêndio Medidas de Prevenção Medidas de Proteção Educação do público Gerenciamento da
Segurança
contra Incêndio
Medidas de
Prevenção
Medidas de
Proteção
Educação do
público
Gerenciamento
da segurança
de edifícios
Proteção
Passiva/
Construtiva
Proteção Ativa /
Instalações
Prediais
da segurança de edifícios Proteção Passiva/ Construtiva Proteção Ativa / Instalações Prediais FAUUSP

FAUUSP

da segurança de edifícios Proteção Passiva/ Construtiva Proteção Ativa / Instalações Prediais FAUUSP

Medidas de Prevenção

Educação do público

campanhas educativas;

programas permanentes na escola;

formação de profissionais.

permanentes na escola; • formação de profissionais. • Gerenciamento da segurança do edifício • programas

Gerenciamento da segurança do edifício

programas periódicos de manutenção preventiva e corretiva;

conscientização do pessoal envolvido.

programas periódicos de manutenção preventiva e corretiva; • conscientização do pessoal envolvido. FAUUSPFAUUSP 19

FAUUSPFAUUSP

19
19

Medidas de Proteção

Proteção Passiva

Medidas de Proteção • Proteção Passiva • Medidas incorporadas ao edifício e que não necessitam de

Medidas incorporadas ao edifício e que não necessitam de um acionamento para desempenharem sua função num incêndio.

Proteção Ativa

Medidas e instalações que necessitam de um acionamento manual ou automático para garantir seu funcionamento num incêndio.

que necessitam de um acionamento manual ou automático para garantir seu funcionamento num incêndio. FAUUSPFAUUSP 20

FAUUSPFAUUSP

20
20
Segurança contra Incêndio Medidas de Prevenção Medidas de Proteção Educação do público Gerenciamento da
Segurança
contra Incêndio
Medidas de
Prevenção
Medidas de
Proteção
Educação do
público
Gerenciamento
da segurança
de edifícios
Proteção
Passiva/
Construtiva
Proteção Ativa /
Instalações
Prediais
da segurança de edifícios Proteção Passiva/ Construtiva Proteção Ativa / Instalações Prediais FAUUSP

FAUUSP

da segurança de edifícios Proteção Passiva/ Construtiva Proteção Ativa / Instalações Prediais FAUUSP
Medidas Urbanísticas de Proteção • Objetivos: • Facilitar o acesso para a intervenção externa (ações

Medidas Urbanísticas de Proteção

Objetivos:

Facilitar o acesso para a intervenção externa (ações de corpos de bombeiros e outras equipes de apoio);

Meios:

Medidas relacionadas diretamente ao tecido urbano e à infraestrutura urbana existente ou a ser construída.

relacionadas diretamente ao tecido urbano e à infraestrutura urbana existente ou a ser construída. FAUUSPFAUUSP 22

FAUUSPFAUUSP

22
22
Medidas Urbanísticas de Proteção  Parâmetros de projeto  Existência de serviços urbanos de apoio;

Medidas Urbanísticas de Proteção

Parâmetros de projeto

Existência de serviços urbanos de apoio; Condições de acesso dos veículos de socorro pelas vias públicas; Facilidade de acesso ao lote; Facilidade de acesso ao edifício; Distância segura entre edificações;

de acesso ao lote;  Facilidade de acesso ao edifício;  Distância segura entre edificações; FAUUSPFAUUSP

FAUUSPFAUUSP

23
23

Características urbanísticas das cidades

Características urbanísticas das cidades FAUUSPFAUUSP 24
Características urbanísticas das cidades FAUUSPFAUUSP 24

FAUUSPFAUUSP

Características urbanísticas das cidades FAUUSPFAUUSP 24
24
24

Infraestrutura de apoio:

hidrantes públicos (ou urbanos)

Infraestrutura de apoio: hidrantes públicos (ou urbanos) FAUUSPFAUUSP

FAUUSPFAUUSP

Infraestrutura de apoio: hidrantes públicos (ou urbanos) FAUUSPFAUUSP
Infraestrutura de apoio: hidrantes públicos (ou urbanos) FAUUSPFAUUSP

Características do traçado urbano e dos veículos

Características do traçado urbano e dos veículos FAUUSPFAUUSP
Características do traçado urbano e dos veículos FAUUSPFAUUSP
Características do traçado urbano e dos veículos FAUUSPFAUUSP

FAUUSPFAUUSP

Características do traçado urbano e dos veículos FAUUSPFAUUSP
Características do traçado urbano e dos veículos FAUUSPFAUUSP
Características do traçado urbano e dos veículos FAUUSPFAUUSP
Condições de acesso ao lote FAUUSP 27

Condições de acesso ao lote

Condições de acesso ao lote FAUUSP 27

FAUUSP

Condições de acesso ao lote FAUUSP 27
27
27
Afastamento entre Edificações FAUUSPFAUUSP 28

Afastamento entre Edificações

Afastamento entre Edificações FAUUSPFAUUSP 28

FAUUSPFAUUSP

28
28

Regulamentação de Segurança contra Incêndio

No Brasil:

de Segurança contra Incêndio • No Brasil: • Regulamentações estaduais (Corpos de Bombeiros

Regulamentações estaduais (Corpos de Bombeiros Estaduais);

Objetivam a proteção à vidas dos ocupantes dos edifícios e ao meio ambiente;

Não contemplam suficientemente as especificidades de edifícios que abrigam acervos ou edifícios de valor histórico-cultural.

Aprovação do Projeto de Segurança contra Incêndio;

Emissão / Manutenção dos Autos de Vistorias do Corpo de Bombeiros (ou documentos semelhantes).

• Emissão / Manutenção dos Autos de Vistorias do Corpo de Bombeiros (ou documentos semelhantes). FAUUSPFAUUSP

FAUUSPFAUUSP

29
29

Instrução Técnica 43/2011

Instrução Técnica 43/2011 FAUUSPFAUUSP 30
Instrução Técnica 43/2011 FAUUSPFAUUSP 30
Instrução Técnica 43/2011 FAUUSPFAUUSP 30

FAUUSPFAUUSP

30
30

Instrução Técnica 43/2011

Instrução Técnica 43/2011 FAUUSPFAUUSP 31
Instrução Técnica 43/2011 FAUUSPFAUUSP 31
Instrução Técnica 43/2011 FAUUSPFAUUSP 31

FAUUSPFAUUSP

31
31
32 FAUUSPFAUUSP
32
FAUUSPFAUUSP
33 FAUUSPFAUUSP
33
FAUUSPFAUUSP

Instrução Técnica 40/2011

Instrução Técnica 40/2011 FAUUSPFAUUSP 34
Instrução Técnica 40/2011 FAUUSPFAUUSP 34
Instrução Técnica 40/2011 FAUUSPFAUUSP 34

FAUUSPFAUUSP

34
34

Instrução Técnica 40/2011

Instrução Técnica 40/2011 FAUUSPFAUUSP 35
Instrução Técnica 40/2011 FAUUSPFAUUSP 35

FAUUSPFAUUSP

35
35

Instrução Técnica 40/2011

Instrução Técnica 40/2011 FAUUSPFAUUSP 36

FAUUSPFAUUSP

Instrução Técnica 40/2011 FAUUSPFAUUSP 36
Instrução Técnica 40/2011 FAUUSPFAUUSP 36
36
36

Instrução Técnica 40/2011

Instrução Técnica 40/2011 FAUUSPFAUUSP 37
Instrução Técnica 40/2011 FAUUSPFAUUSP 37

FAUUSPFAUUSP

Instrução Técnica 40/2011 FAUUSPFAUUSP 37
37
37

Instrução Técnica 40/2011

Instrução Técnica 40/2011 • 5.1.1 – Plano de emergência • 5.1.2 – Brigada de incêndio •
Instrução Técnica 40/2011 • 5.1.1 – Plano de emergência • 5.1.2 – Brigada de incêndio •

5.1.1 – Plano de emergência

5.1.2 – Brigada de incêndio

5.1.3 - Sistema de gases limpos]

•

FAUUSPFAUUSP

5.1.4 - Compartimentação

38
38

Instrução Técnica 40/2011

Instrução Técnica 40/2011 FAUUSPFAUUSP 39
Instrução Técnica 40/2011 FAUUSPFAUUSP 39

FAUUSPFAUUSP

39
39

Instrução Técnica 40/2011

Instrução Técnica 40/2011 FAUUSPFAUUSP 40
Instrução Técnica 40/2011 FAUUSPFAUUSP 40
Instrução Técnica 40/2011 FAUUSPFAUUSP 40

FAUUSPFAUUSP

40
40

Instrução Técnica 40/2011

Instrução Técnica 40/2011 FAUUSPFAUUSP 41
Instrução Técnica 40/2011 FAUUSPFAUUSP 41

FAUUSPFAUUSP

41
41

Instrução Técnica 40/2011

Instrução Técnica 40/2011 FAUUSPFAUUSP 42
Instrução Técnica 40/2011 FAUUSPFAUUSP 42
Instrução Técnica 40/2011 FAUUSPFAUUSP 42

FAUUSPFAUUSP

42
42
Planejamento e projeto de sistemas de segurança contra incêndio • Identificação dos riscos e vulnerabilidades

Planejamento e projeto de sistemas de segurança contra incêndio

Identificação dos riscos e vulnerabilidades

Identificar o nível de segurança necessário e custos envolvidos

Checar a necessidade de complementação/ substituição dos sistemas ativo e passivo exigidos pela regulamentação

de complementação/ substituição dos sistemas ativo e passivo exigidos pela regulamentação FAUUSPFAUUSP 43

FAUUSPFAUUSP

43
43
Normas estrangeiras de referência • BS (British Standard) PD 5454:2012 Guide for the storage and

Normas estrangeiras de referência

BS (British Standard) PD 5454:2012 Guide for the storage and exhibition of archival materials

Introduction

Scope

Terms and definitions

The storage environment for archival materials

Storage repository site

Repository construction

Fire protection and prevention

materials • Storage repository site • Repository construction • Fire protection and prevention FAUUSPFAUUSP 44

FAUUSPFAUUSP

44
44
FAUUSPFAUUSP http://www.framemethod.net/indexen_html_files/wg1finalreport.pdf 45
FAUUSPFAUUSP http://www.framemethod.net/indexen_html_files/wg1finalreport.pdf 45
FAUUSPFAUUSP http://www.framemethod.net/indexen_html_files/wg1finalreport.pdf 45

FAUUSPFAUUSP

http://www.framemethod.net/indexen_html_files/wg1finalreport.pdf

45
45

Normas estrangeiras de referência

Normas estrangeiras de referência • National Fire Protection Association (EUA) • NFPA 914 – Code for

National Fire Protection Association (EUA)

NFPA 914 – Code for Fire Protection of Historic Structures NFPA 909 – Code for Protection of Cultural Resource Properties – Museums, Libraries and Places do Worship

909 – Code for Protection of Cultural Resource Properties – Museums, Libraries and Places do Worship

FAUUSPFAUUSP

46
46
FAUUSPFAUUSP NFPA 914/2015 Processo de decisão, análise, implementação e manutenção do projeto 47

FAUUSPFAUUSP

FAUUSPFAUUSP NFPA 914/2015 Processo de decisão, análise, implementação e manutenção do projeto 47
FAUUSPFAUUSP NFPA 914/2015 Processo de decisão, análise, implementação e manutenção do projeto 47

NFPA 914/2015

Processo de decisão, análise, implementação e manutenção do projeto

47
47
NFPA 914/2015 Code for Fire Protection of Historic Structures • Abordagem Prescritiva 8.1.1 Aplicação 8.1.1.1

NFPA 914/2015 Code for Fire Protection of Historic Structures

Abordagem Prescritiva

8.1.1 Aplicação

8.1.1.1 Os requisitos prescritivos de códigos aplicáveis podem ser

atendidos com o propósito de atingir os objetivos definidos no

Capítulo 4 deste documento.

8.1.1.2 A aplicação de requisitos prescritivos pode incluir alternativas,

equivalências, modificações ou qualquer combinações destes.

8.1.1.3 Alternativas. Métodos prescritivos alternativos de códigos

podem ser identificados

destes. 8.1.1.3 Alternativas. Métodos prescritivos alternativos de códigos podem ser identificados FAUUSPFAUUSP 48

FAUUSPFAUUSP

48
48
NFPA 914/2015 Code for Fire Protection of Historic Structures • Abordagem com base no desempenho

NFPA 914/2015 Code for Fire Protection of Historic Structures

Abordagem com base no desempenho

9.1 Generalidades

9.1.1.Aplicação. Os requisitos deste capítulo podem ser aplicados para sistemas de proteção contra incêndio, de gerenciamento de operações

e

de segurança à vida, projetados de acordo com as opções permitidas

e

com base no desempenho definidas em 7.5.3.

9.1.2. Objetivos. O projeto com base no desempenho pode atingir os

objetivos deste código atendendo às sessões 4.2. e 4.3.

9.1.3. Qualificações aprovadas. O projeto com base no desempenho

pode ser preparado por pessoas com qualificação aceita pela autoridade local.

9.1.4. Revisão independente. À autoridade local deve se permitir a

solicitação de revisão e avaliação por uma terceira parte, aprovada e independente.

se permitir a solicitação de revisão e avaliação por uma terceira parte, aprovada e independente. FAUUSPFAUUSP

FAUUSPFAUUSP

49
49

NFPA 915/2015

NFPA 915/2015 • Abordagem com base no desempenho: Aspectos • Procedimentos de cálculo alternativos; • Cenários

Abordagem com base no desempenho: Aspectos

Procedimentos de cálculo alternativos;

Cenários de projeto do fogo / incêndio;

Modelos de incêndio / evacuação;

Especificação de dados de entrada;

Características dos ocupantes;

Critérios de desempenho;

Fator de segurança;

Margem de segurança;

Análise de incertezas;

Métodos de verificação.

de segurança; • Margem de segurança; • Análise de incertezas; • Métodos de verificação. FAUUSPFAUUSP 50

FAUUSPFAUUSP

50
50

www.fireriskheritage.net

www.fireriskheritage.net 51 FAUUSPFAUUSP
51 FAUUSPFAUUSP
51
FAUUSPFAUUSP

Museu Britânico (Londres)

Museu Britânico (Londres) FAUUSP
Museu Britânico (Londres) FAUUSP

FAUUSP

Museu Britânico (Londres) FAUUSP
Museu Britânico (Londres) FAUUSP
FAUUSP
FAUUSP
FAUUSP
FAUUSP

FAUUSP

FAUUSP
FAUUSP
FAUUSP
FAUUSP Teste do sistema de proteção contra incêndio Shirakawa-go (Japão) Patrimônio tombado UNESCO 55

FAUUSP

FAUUSP Teste do sistema de proteção contra incêndio Shirakawa-go (Japão) Patrimônio tombado UNESCO 55

Teste do sistema de proteção contra incêndio

Shirakawa-go (Japão) Patrimônio tombado UNESCO

FAUUSP Teste do sistema de proteção contra incêndio Shirakawa-go (Japão) Patrimônio tombado UNESCO 55
55
55

Saint Patricks Cathedral (NY) Restauro (2012-2015)

Início da construção: 1858

Inaugurado em 1879.

Restauro 2012-2014

1858 • Inaugurado em 1879. • Restauro 2012-2014 • Instalação de Sistema de proteção por watermist

Instalação de Sistema de proteção por watermist no ático do edifício (sobre a cobertura )

2012-2014 • Instalação de Sistema de proteção por watermist no ático do edifício (sobre a cobertura

FAUUSP

56
56
FAUUSP Soluções dirigidas 57

FAUUSP

FAUUSP Soluções dirigidas 57

Soluções dirigidas

FAUUSP Soluções dirigidas 57
FAUUSP Soluções dirigidas 57
57
57

ICOM – International Council of Museums

ICOM – International Council of Museums FAUUSPFAUUSP • 172 Comitês • 35.000 membros • 20.000 museus
ICOM – International Council of Museums FAUUSPFAUUSP • 172 Comitês • 35.000 membros • 20.000 museus
ICOM – International Council of Museums FAUUSPFAUUSP • 172 Comitês • 35.000 membros • 20.000 museus

FAUUSPFAUUSP

172 Comitês

35.000 membros

20.000 museus

http://icom.museum/

58
58
Comitês do ICOM International Committee on Museum Security International Committee on Preventive Conservation

Comitês do ICOM International Committee on Museum Security International Committee on Preventive Conservation

do ICOM International Committee on Museum Security International Committee on Preventive Conservation FAUUSPFAUUSP 59

FAUUSPFAUUSP

59
59

ICOM-Brasil

ICOM-Brasil FAUUSPFAUUSP www.icom.org.br 60
ICOM-Brasil FAUUSPFAUUSP www.icom.org.br 60
ICOM-Brasil FAUUSPFAUUSP www.icom.org.br 60

FAUUSPFAUUSP

www.icom.org.br

60
60
Arquitetura de Museus e Segurança contra incêndio Edifício FAUUSPFAUUSP • Arquitetos • Engenheiros de

Arquitetura de Museus e Segurança contra incêndio

Edifício

Arquitetura de Museus e Segurança contra incêndio Edifício FAUUSPFAUUSP • Arquitetos • Engenheiros de
Arquitetura de Museus e Segurança contra incêndio Edifício FAUUSPFAUUSP • Arquitetos • Engenheiros de

FAUUSPFAUUSP

Arquitetos

Engenheiros de instalações prediais

Especialistas (segurança, climatização, iluminação, etc.)

Museólogos

Curadores de exposições

Museógrafos

Responsáveis pela Expografia

Programadores visuais

Conservadores de acervo

Acervo

61
61

Blue Shields International

Blue Shields International FAUUSPFAUUSP http://ancbs.org/cms/en/about-us/about-icbs 62
Blue Shields International FAUUSPFAUUSP http://ancbs.org/cms/en/about-us/about-icbs 62

FAUUSPFAUUSP

Blue Shields International FAUUSPFAUUSP http://ancbs.org/cms/en/about-us/about-icbs 62

http://ancbs.org/cms/en/about-us/about-icbs

62
62

ICBS -International Committee of the Blue Shield

ICBS -International Committee of the Blue Shield • Criado em junho de 1996, com o propósito

Criado em junho de 1996, com o propósito de proteger e salvaguardar o patrimônio cultural, conforme estabelecido na Convenção de Haia (1954), para a proteção dos bens culturais em caso de conflitos armados.

Instituído por quatro organizações não governamentais:

Conselho Internacional de Arquivos - CIA

International Council of Museums - ICOM

International Council of Monuments and Sites - ICOMOS

International Federation of Associations of Librarians and Libraries - IFLA

Coordinating Council of Audiovisual Archives Associations - CCAAA (juntou-se ao Comitê em 2005)

IFLA • Coordinating Council of Audiovisual Archives Associations - CCAAA (juntou-se ao Comitê em 2005) FAUUSPFAUUSP

FAUUSPFAUUSP

63
63

Comitê Brasileiro do Escudo Azul

Criado em 09/11/2006

Membros Fundadores:

Azul • Criado em 09/11/2006 • Membros Fundadores: • Arquivo Nacional, • Biblioteca Nacional, •

Arquivo Nacional,

Biblioteca Nacional,

Federação Brasileira de Associação de Bibliotecários,

Conselho Federal de Biblioteconomia, Associação Brasileira de Arquivistas,

Conselho Nacional de Arquivos e Escritório Regional da IFLA (IFLA/LAC).

Brasileira de Arquivistas, • Conselho Nacional de Arquivos e Escritório Regional da IFLA (IFLA/LAC). FAUUSPFAUUSP 64

FAUUSPFAUUSP

64
64

Comitê Brasileiro do Escudo Azul

Comitê Brasileiro do Escudo Azul • Uma política de prevenção deve viabilizar o desenvolvimento de planos

Uma política de prevenção deve viabilizar o desenvolvimento de planos de segurança e emergência para edifícios e coleções.

Para um trabalho de resgate é importante identificar com sinalização adequada conjuntos do acervo mais significativos e valiosos para a entidade; identificar conjuntos do acervo mais frágeis e manter a documentação do acervo atualizada e com cópia de segurança.

do acervo mais frágeis e manter a documentação do acervo atualizada e com cópia de segurança.

FAUUSPFAUUSP

65
65
Edifícios tombados • Garantir medidas de segurança torna-se mais complexo se: • o edifício não

Edifícios tombados

Garantir medidas de segurança torna-se mais complexo se:

o edifício não apresentar boas condições estruturais;

os espaços não foram originalmente projetados para o fim, causando dificuldades de circulação / armazenamento, etc.;

implantado em zonas urbanas densas; etc.

No entanto, essas dificuldades não devem coibir o reaproveitamento de edifícios antigos, pois existem vantagens de ordem social e cultural que estimulam o uso e a ocupação desses espaços.

pois existem vantagens de ordem social e cultural que estimulam o uso e a ocupação desses

FAUUSPFAUUSP

66
66
FAUUSPFAUUSP 67
FAUUSPFAUUSP 67

FAUUSPFAUUSP

FAUUSPFAUUSP 67
67
67
FAUUSP 68
FAUUSP 68

FAUUSP

FAUUSP 68
68
68
FAUUSP 69

FAUUSP

69
69
FAUUSP Obrigada! rosaria@usp.br Rosaria Ono Arquiteta, Professora Titular Faculdade de Arquitetura e Urbanismo
FAUUSP Obrigada! rosaria@usp.br Rosaria Ono Arquiteta, Professora Titular Faculdade de Arquitetura e Urbanismo

FAUUSP

Obrigada!

rosaria@usp.br

Rosaria Ono

Arquiteta, Professora Titular Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Universidade de São Paulo

70
70