Você está na página 1de 3

GUIA INSTANTÂNEO DE INDEPENDÊNCIA FINANCEIRA

- Viver de Renda

Esse texto é um guia. Como todo guia, possui natureza prática, de forma que
aqui você não encontrará discussões filosóficas ou encheção de linguiça. Ao final
do texto você será mais eficiente em investimentos e como adquirir a
independência financeira do que 99% da população brasileira (o que não é muito,
frise-se). Para tanto, basta você seguir FIELMENTE os 15 passos que este guia
contém. Você pode ser questionado, talvez até ridicularizado, mas a única
certeza é que, seguindo os passos desse guia, você se tornará RICO e, mais
importante, INDEPENDENTE FINANCEIRAMENTE.

Passo 1: GASTE MENOS DO QUE VOCÊ GANHA. Para você ser independente
financeiramente, você precisa de duas coisas: dinheiro e tempo. Quanto mais
tempo e quanto mais dinheiro, melhor. Portanto, você deve se conscientizar do
principal: QUANTO MAIS VOCÊ ECONOMIZAR, MAIS RÁPIDO VOCÊ SE
TORNARÁ INDEPENDENTE.

Passo 2: COMECE O MAIS CEDO POSSÍVEL. A relação entre tempo e riqueza


é exponencial. A uma taxa de 12% ao ano, começar 4 anos mais cedo significa
que você será 50% mais rico ao final. Portanto, comece a investir ONTEM.

Passo 3: ENTENDA COMO FUNCIONAM OS JUROS COMPOSTOS. Os juros


compostos são os mecanismos básicos de criação de riqueza, e você, antes de
investir, tem de entender por que ao final de uma vida 85-90% de um portfólio é
juro composto e 10-15% é suor (economias). Como falei acima, se dinheiro e
tempo são as duas variáveis básicas da independência financeira, o juro
composto é o modo como um se relaciona com o outro.

Passo 4: FAÇA UM COLCHÃO DE SEGURANÇA COM 3-6 MESES DOS


SEUS GASTOS LÍQUIDOS. Merdas acontecem, quase sempre sem aviso. Com
um colchão de segurança você estará mais preparado e principalmente mais
tranquilo para enfrentar as caneladas que a vida te dará.

Passo 5: AUMENTE A SUA RENDA. Uma pessoa pode tranquilamente se


aposentar com 1 milhão de reais aportando R$100,00 por mês, basta investir por
65 anos a uma taxa de retorno real de 0.5% a.m. Se o aporte passar a
R$1000,00, são 30 anos e, com R$5.000,00, chega-se lá em 11 anos e meio.
Portanto, quanto mais se ganha mais fácil será aportar valores maiores e mais
rapidamente você será rico.

Passo 6: NÃO EXTRAPOLE AO COMPRAR CASA E CARRO. Todo mundo


quer ter uma BMW (Bring My Wallet) e morar numa mansão. Esses dois bens,
junto com o divórcio, são as armas de destruição em massa da sua
independência financeira. Compre ambos de forma que você ainda consiga
aportar de forma confortável, caso contrário a caminhada ao topo será muito
mais árdua e, pior, auto-infligida.
Passo 7: INVISTA SUA IDADE EM RENDA FIXA, 10% EM IMÓVEIS E O
RESTO EM AÇÕES. Esse portfólio, apesar de genérico, é extremamente
poderoso, pelos seguintes motivos:
1- Você está investido em 3 classes diferentes de ativos, garantindo maior
diversificação
2- A medida que você envelhecer e seu portfólio crescer a volatilidade dele irá
diminuir
3- Ótima relação risco/retorno, com ações sendo o carro chefe do crescimento

Passo 8: NÃO INVISTA EM AÇÕES INDIVIDUAIS OU FUNDOS DE BANCO.


USE APENAS ETFs. Ações individuais são complicadas de se gerir de forma
adequada, e abrem ao investidor uma quantidade gigantesca de abominações
que são péssimas para ele: análise técnica, contínuas corretagens, sub-
diversificação (possuir menos de 20 ações não faz qualquer sentido pra 99,99%
dos portfolios), day-trades, lançamento de opções, etc. Já os fundos de bancos
são caríssimos e dignos de piada. Ao invés disso, invista em um fundo de índice
como PIBB ou BOVA que são baratos e extremamente eficazes em crescer o
seu portfolio.

Passo 9: INVISTA NO TESOURO DIRETO OU EM CDBs DE BANCOS


MÉDIOS. Na parte de renda fixa, esqueça poupança ou fundos de renda fixa.
Use o tesouro direto, que além de possibilitar um maior retorno é muito mais
barato que 99% dos fundos de renda fixa por aí. Quanto aos títulos em si, você
pode dividir 33% Pré-fixados (LTN ou NTNF), 33% Pré+Pós (NTNB) e 33% Pós
(LFT). Se quiser um pouco mais retorno em troca de um pouco mais de trabalho
e uma pitada a mais de risco, adquira CDBs de bancos médios tipo Inter, Sofisa,
etc., que te pagarão 1-2% a.a. a mais que o tesouro.

Passo 10: INVISTA EM FIIs. Investimento em imóveis de forma direta significa


falta de diversificação e tributação ineficiente. Prefira FIIs, que são seguros, com
tributação eficiente e com ótima relação risco/retorno.

Passo 11: CUSTOS IMPORTAM. MUITO. Corretagem, impostos e taxas de


administração são as formas que as corretoras, o governo e os bancos criaram
de separar seu suadíssimo dinheiro de você. Portanto, um custo aparentemente
pequeno composto ao longo dos anos (passo 3 se aplica aqui) tem um efeito
devastador na sua riqueza. Para se ter uma idéia, uma taxa de administração de
1,5% ao ano significa que você será aproximadamente 34% mais pobre ao final
de 30 anos.

Passo 12: NÃO INVISTA EM PREVIDÊNCIA PRIVADA. Enquanto os fundos de


previdência privada não custarem menos que 0,5% ao ano os mesmos te
deixarão menos rico que o portfólio do passo 4. Os 12% de diferimento fiscal do
PGBL não são suficientes para tornar a previdência privada atrativa.

Passo 13: REBALANCEIE NÃO MAIS QUE ANUALMENTE. Rebalancear


significa manter a proporção dos investimentos descrita no passo 4. São dois os
motivos desse passo:
1- É um método automático de se vender na alta e comprar na baixa
2- Manter a volatilidade e retorno em níveis aceitáveis.
Passo 14: CRISES VIRÃO. MANTENHA O CURSO. Uma vida é um tempo
suficientemente longo para se presenciar várias crises, tanto nacionais quanto
mundiais. No século XX os EUA passaram por duas guerras mundiais, diversas
catástrofes naturais, uma crise inflacionária e uma recessão colossal. Ainda
assim, a bolsa americana cresceu durante o período em média 10% ao ano.
Portanto, siga a disciplina e continue investindo mesmo que haja sangue nas
ruas.

Passo 15: AO OBTER A INDEPENDÊNCIA FINANCEIRA, NÃO GASTE MAIS


QUE 4% DO SEU PORTFÓLIO INICIAL AO ANO. Pode parecer pouco, mas
caso você gaste mais do que 4% ao ano, corrigido pela inflação, existe um risco
substancial de você terminar falido em até 30 anos. O valor não pode ser maior
por conta da inflação e dos inevitáveis mercados de baixa.

Esse guia é gratuito e livre para ser copiado, desde que mencionada a autoria
(viverderenda.blogspot.com)