Você está na página 1de 12

ABORDAGENS DIFERENCIADAS SOBRE CONCEITOS DE

EQUILÍBRO QUIMICO NO ENSINO MÉDIO: UM ESTADO DA


QUESTÃO SOBRE AS PESQUISAS PUBLICADAS ENTRE 2008 A 2017

Handerson Rodrigo Alves (PPGECN/UFMT) – handersonrodrigo@gmail.com


Marcel Thiago Damasceno Ribeiro (PPGECN/UFMT) –marceldamascenoribeiro@gmail.com

Resumo:
O Ensino do Equilíbrio Químico é um dos mais difíceis por causa do alto nível de abstração e exigência de
conhecimentos prévios. O processo de ensino-aprendizagem tem se beneficiado das novas tecnologias que
podem ser utilizadas, como: slides, aplicativos, jogos, mídias digitais, entre outros. Desta forma, a pesquisa foi
realizada verificando dissertações e teses sobre o conceito de Equilíbrio Químico através do Catálogo da Capes e
artigos da revista Química nova na escola (QNEsc) publicadas nos últimos dez anos, entre 2008 a 2017. Foram
selecionados quatro dissertações de mestrado e três artigos. O material sobre este assunto se mostra escasso, e
devido sua importância se revela de grande potencial para desenvolvimento de novas pesquisas. Em relação aos
conceitos de Equilíbrio Químico, na maioria das pesquisas, percebem-se vários obstáculos epistemológicos,
pedagógicos e didáticos. Muitos dos conceitos são fragmentados e tratados de maneira superficial. Evidencia-se,
portanto, a necessidade de novas discussões, pesquisas nesta área e formação contínuada dos professores.

Palavras-chave: Ensino de Química; Equilíbrio Químico; Ensino-aprendizagem.

1 Introdução

A utilização de analogias no ensino médio é uma aliada aos professores de Química.


Muitos profissionais da educação se apoiam nelas para relacionar conhecimentos científicos
com o conhecimento comum do estudante, na busca por uma aula mais atrativa e interativa.
Muitos autores de livros colaboram para que o professor potencialize os conceitos científicos,
que são na maioria das vezes abstratos, através de imagens, figuras animadas, na tentativa de
aproximar o estudante do mundo real, se transformando em várias situações em possíveis
obstáculos epistemológicos. Neste contexto, Bachelard (1996) colabora que não é errado ou
contrário à utilização de metáforas e imagens, no processo de ensino e aprendizagem de
Química, por exemplo, contudo sua posição é que a razão não pode se acomodar às imagens,
devendo estar pronta a desconstruí-las sempre que o processo de construção do conhecimento
científico assim o exigir.
Dentre os diversos conteúdos químicos, o conceito de Equilíbrio Químico vem a ser
um dos mais importantes para o desenvolvimento do conhecimento científico, uma vez que
engloba uma grande quantidade de outros conceitos, além de possuir uma grande riqueza
conceitual que possibilita a interação entre diversas áreas do conhecimento, assumindo assim
um papel central, seja no âmbito disciplinar, seja no âmbito interdisciplinar, tornando-se um
tema fundamental na compreensão e interpretação de diversos fenômenos do mundo no qual
estamos inseridos.( SANTOS, ANDRADE E IZAIAS, 2016).
Pesquisas indicam que o conceito de Equilíbrio Químico é considerado dos mais
difíceis de serem trabalhados devido ao seu alto nível de abstração e exigência do indivíduo
ter de conhecer outros conceitos de Química para sua compreensão (MACHADO, 1992;
MACHADO e ARAGÃO, 1996; RAVIOLO e GARRITZ, 2008; SABADINI e BIANCHI,
2007; SOUZA e CARDOSO, 2008; UEHARA, 2005).
Com o avanço das tecnologias, muito se tem ganhado em relação às abordagens
diferenciadas no contexto da Química, onde o professor busca ferramenta através de slides,
aplicativos, jogos, mídias digitais, entre outros. Além de fortalecer o processo de ensino e
aprendizagem, esses recursos possibilitam uma grande interação de conceitos relacionados
aos conteúdos de Química. No planejamento do professor na busca por uma aprendizagem
interativa e significativa ao estudante, esses recursos possibilitam ao estudante a construção
de conhecimentos em nível microscópico ao macroscópico favorecendo a aprendizagem
significativa e o desenvolvimento cognitivo do estudante.
Sobre a utilização das ferramentas tecnológicas Giordan (2013, p. 234) sugere que:

[...] a adoção dessas ferramentas em sala de aula é necessariamente precedida ao


menos pelo domínio e possivelmente é acompanhada da apropriação da ferramenta
pelo professor fora da sala de aula. Saber usar a ferramenta cultural do ambiente da
Internet é condição necessária para tomá-la como sua para organizar o ensino.

Neste contexto, e com objetivo de mapear as abordagens diferenciadas sobre os


conceitos de Equilíbrio Químico a questão que permeará a pesquisa em desenvolvimento, a
partir do ano de 2018 no Mestrado em Ensino de Ciências do Programa de Pós-Graduação em
Ensino de Ciências Naturais da UFMT, é compreender: como se expressam as estratégias e
atividades didáticas pelos pesquisadores ao relatarem o ensino sobre conceito de Equilíbrio
Químico no Ensino Médio? Em busca de esclarecer a questão levantada, optou-se por fazer
um levantamento bibliográfico no banco de pesquisas divulgados no catálogo Capes e nos
periódicos da Química Nova na Escola (QNEsc), dos últimos dez anos de publicação, nos
períodos de 2008 a 2017, de modo, a dar subsídios para o prosseguimento da pesquisa que
está em desenvolvimento.
2 Metodologia

A metodologia do trabalho envolveu, primeiramente, a identificação de teses e


dissertações sobre o ensino de Equilíbrio Químico por intermédio de consultas pelo Catálogo
da Capes e também artigos pela Química Nova na Escola nos períodos de 2008 a 2017. O
critério para escolha do período de um levantamento dos últimos 10 anos, se justifica em
virtude de ser um período em que minha trajetória sempre percorreu o chão das escolas,
deixando lacunas para a pesquisa acadêmica. A partir de busca pelo Catálogo da Capes, foram
selecionadas as pesquisas acadêmicas referentes ao ensino de Equilíbrio Químico, com as
palavras-chaves: Equilíbrio Químico, Hipermídia, Ensino de Química. Destes foram
levantados 70 trabalhos, entre eles teses e dissertações, ao realizar o filtro, relacionando as
categorias: multidisciplinar, ensino, ensino de Ciências Naturais, educação. O total de
trabalhos reduziram para 11 dissertações. Ao realizar leitura flutuante destes trabalhos, foram
selecionados quatro que relacionavam abordagens diferenciadas no ensino e conceitos sobre
Equilíbrio Químico. A partir da consulta realizada pela QNEsc no período de 2008 a 2017,
foram encontrados cinco artigos com a temática Equilíbrio Químico. Destes, após leitura dos
resumos e introdução, apenas três trabalhos contemplavam a temática estudada. Ao realizar a
consulta dos oito cadernos temáticos da QNEsc, nenhum material foi encontrado sobre o
Ensino de Equilíbrio Químico.

3 Fundamentação teórica

A busca pela compreensão e conhecimento sobre o tema investigado, dedicou-se sobre


materiais consoante a esta investigação, mapeando e filtrando informações nos períodos de
2008 a 2017, e como os pesquisadores vem tecendo e discutindo sobre conceitos e estratégias
relacionadas ao ensino de Equilíbrio Químico.
Poucos trabalhos são encontrados relacionados a conceitos de Equilíbrio Químico, um
dos motivos que desperta ainda mais o interesse e investigação de um estado da questão sobre
o tema pesquisado. Neste sentido Soares afirma que:

Essa compreensão do estado de conhecimento sobre um tema, em determinado


momento, é necessária no processo de evolução da ciência, a fim de que se ordene
periodicamente o conjunto de informações e resultados já obtidos, ordenação que
permita indicação das possibilidades de integração de diferentes perspectivas,
aparentemente autônomas, a identificação de duplicações ou contradições, e a
determinação de lacunas e vieses. (1989, p.3).

Os Catálogos da Capes oferecem condições para que os pesquisadores, além de ter


oportunidades de divulgar seus escritos, conheçam a gama de trabalhos em áreas diferentes,
proporcionando-lhes uma grande interação com o mundo acadêmico. Neste contexto Ferreira
(2002) destaca:

De qualquer maneira, os catálogos se instalam criando condições para que um maior


número de pesquisadores interessados em temas afins estabeleça um primeiro
contato, recuperem determinado trabalho, possibilitando a circulação e intercâmbio
entre a produção construída e aquela a construir (p. 261).

O Catálogo da Capes e também outros ambientes de pesquisas, como, por exemplo,


artigos da QNEsc, entre outros, favorecem o aumento de informações, a formação continuada
do professor e, também contribuem com as opções das possíveis pesquisas futuras por parte
do pesquisador, proporcionando ao leitor condições necessárias para compreender a
comunidade científica e também fazer parte dela.

4 Resultados e Discussões

Para uma melhor compreensão sobre o levantamento bibliográfico, optou-se por


organizar através de quadro e tabela as dissertações encontradas no Catálogo da Capes e
também os artigos encontrados na QNEsc.
Relacionamos as dissertações de mestrado encontradas em três partes: título/ano, autor
(a) e universidades. Os artigos foram organizados em título/ano, autor e volume.
As dissertações de mestrado serão representadas pela letra M, os artigos representados
pela letra A. As iniciais serão sequenciadas com respectivos números de um a quatro para o
mestrado e de um a três para os artigos analisados.
Quadro 1: Dissertações selecionadas para revisão

Nº TITULO/ANO AUTOR(A) UNIVERSIDADE


Uma proposta de Ambiente
Virtual de Aprendizagem Universidade de
M1 no ensino de conceitos Zaira Zangrando Brasília, Mestrado
relacionados a Equilíbrio Cardoso profissional em Ensino
Químico. de Ciências
2013

A concepção do conceito Universidade Estadual


Iury José Sodré
de Equilíbrio Químico dos de Roraima Mestrado
estudantes do curso de Medeiros profissional em Ensino
M2
licenciatura em Química da de Ciências
Universidade Estadual de
Roraima campus Boa Vista
após a utilização do
software Equil.
2014

Análise de estratégias
Joseane da
didáticas, atividades e
ConceiçãoSoares da
padrões de interações em Universidade Federal
M3 Silva
salas de aula de química Rural de Pernambuco
para a abordagem do Mestrado em Ensino de
conceito de Equilíbrio Ciências
Químico
2015

M4 Utilização e Avaliação de Francielle Siqueira Universidade Estadual


Software Educacional para de Maringá
o Ensino de Equilíbrio Educação para a Ciência
Químico e a Matemática
2017
Fonte: Elaboração dos autores, 2018.

Percebe-se, ao analisar o quadro, que cada dissertação compreende uma região


diferente. M1 encontra-se na região Centro-Oeste, M2 região Norte, M3 Nordeste e M4 região
Sul.
A dissertação M1, Cardoso, (2013), buscou examinar os principais obstáculos
envolvidos no conceito relacionado a Equilíbrio Químico. A autora desenvolveu uma
proposta de um ambiente virtual de aprendizagem (AVA) como produto, para estratégia de
ensino e aprendizagem. Também foi elaborada uma sequência de atividades desenvolvidas
pela plataforma Moodle.
Segundo Ferreira (1998, p. 781), “o dito ensino tradicional pode tornar-se muito mais
eficiente e atraente quando se utiliza de tecnologias interativas” e, para Moran et al. (2003, p.
22), “o uso de mídias interativas em sala de aula pode estimular o interesse dos alunos e
facilitar a aprendizagem significativa de conceitos”.
A dissertação M2, Medeiros, (2014) teve como objetivo demonstrar a utilização do
software Equil, através de concepções prévias dos estudantes e construção de conceitos
relacionados ao Equilíbrio Químico, tendo como produto deste trabalho um tutorial do
software Equil.
Moran (1997, 2001 e 2003) e Assmann (2000) destacam o processo de metamorfose
no processo de ensino-aprendizagem na sociedade informatizada. Segundo os autores, novas
estratégias de ensino foram e estão sendo formadas com o uso das novas tecnologias da
informação e da comunicação no campo da educação. A utilização de internet e os softwares
educacionais auxiliam alunos e professores a introduzirem formas diferenciadas para lidar
com a informação e o conhecimento.
A dissertação M3, Silva, (2015) buscou analisar as atividades didáticas propostas por
dois professores para abordagem do conceito de Equilíbrio Químico e como os padrões
estabelecidos na interação contribuem para o processo de ensino-aprendizagem dos
estudantes.
O processo de ensino e aprendizagem demanda de um adequado planejamento, no
qual o professor deve saber o que vai ensinar, como vai ensinar e onde deseja chegar, elaborar
estratégias que devem ser utilizadas e avaliar com muita responsabilidade e cuidado a
aprendizagem dos seus alunos.
Bodernave e Pereira (2012) reconhecem que definir as estratégias é o passo seguinte
após a demarcação dos objetivos, sendo elas trampolim para a passagem dos alunos da
situação em que se encontram até alcançarem os objetivos esperados.
A dissertação M4, Siqueira, (2017) teve como objetivo principal a utilização e
avaliação do uso do software educacional “The Law of Mass Action”, caracterizado como
Recurso Educacional Aberto (REA), para o ensino de conceitos de Equilíbrio Químico para
alunos do ensino médio de uma escola pública da rede estadual de ensino. O objetivo geral da
pesquisa baseou-se na verificação do potencial pedagógico do software Educacional The Law
of Mass Actionpara o ensino do Equilíbrio Químico referente à construção dos conceitos de
Reversibilidade de Reação e a relação entre Constante de Equilíbrio e a formação de produtos
numa reação química.
Afirma Cirino (2012, p.213):
(...) a utilização de uma ferramenta sociocultural como os Objetos de
Aprendizagem, em ambientes de ensino, não apenas facilita a ação e aumenta sua
eficácia, como também pode modificar de maneira substancial a forma e o caráter
dessa ação e a própria estrutura das funções mentais empregadas.

Conclui-se que das quatro dissertações selecionadas três delas relacionam sua pesquisa
com as TICs ficando evidenciado a importância de trabalhar conceitos relacionados ao ensino
de Equilíbrio Químico com abordagens informatizadas e interativas, revelando alta
complexidade do tema ao ser trabalhado de maneira tradicional e mecânica, propondo
caminhos diferenciados para construir conceitos significativos para os estudantes.

Tabela 1: artigos selecionados QNEsc

Nº TITULO/ANO AUTOR(A) VOLUME

Analogias no ensino do
Andrés Raviolo e
A1 equilíbrio químico, fev. 27
AndoniGarritz
2008

Aspectos macro e ,
microscópicos do conceito Karina Aparecida de
27
de equilíbrio químico e de Freitas Dias de Souza e
A2
sua abordagem em sala de Arnaldo Alves Cardoso
aula, fev.2008.

Modelagem e o "Fazer Poliana Flávia Maia 28


Ciência" Ferreira e Rosária da
A3
Maio de 2008. Silva Justi

Fonte: Elaboração dos autores, 2018.

No primeiro artigo analisado, destaca-se no A1 de Raviolo e Garritz (2008) os


obstáculos epistemológicos encontrados em algumas analogias, as quais ilustram um estado
de equilíbrio de composição constante, porém este é definido como estático. A minoria das
analogias encontradas mostra o dinamismo de uma reação química com a ruptura de ligações
e redistribuição dos átomos nas moléculas. Foi reunido um grande conjunto de analogias
empregadas no ensino de Equilíbrio Químico e elencadas as limitações do emprego de muitas
delas, com o objetivo de orientar os professores em sua prática em sala de aula, superando os
obstáculos encontrados no campo das analogias.
O artigo destaca as dificuldades encontradas pelos professores de Química ao fazer
analogias com o conceito de Equilíbrio Químico, principalmente sobre as perturbações de
sistemas e o princípio de Le Chatelier.
O artigo acima analisado corrobora a pesquisa de Fabião e Duarte (2006) que
investigaram as dificuldades de futuros professores de ciências em elaborar analogias sobre o
Equilíbrio Químico, em especial sobre perturbações de sistemas em Equilíbrio e o princípio
de Le Chatelier.
O artigo A2, de Souza e Cardoso (2008) discutem a importância do raciocínio abstrato
na construção e manejo do conceito de Equilíbrio Químico, bem como o prejuízo que a
memorização de regras qualitativas pode representar à elaboração dessa forma de
pensamento. Busca, juntamente com os educandos, a construção e reconstrução de novos
modelos conceituais partindo dos conhecimentos prévios dos estudantes. O artigo faz
reflexões em relação ao processo de ensino-aprendizagem no que diz respeito ao ensino
tradicional e empírico, onde o professor atribui conceitos prontos e acabados e os estudantes
reproduzem na forma de repetição.
Ao analisar o A2 considera-se o Quílez Pardo et.al (1993) nos revelam em sua pesquisa
quando atribuem as dificuldades no aprendizado e na resolução de problemas que
compreendem o conceito de Equilíbrio Químico à falta de reflexão qualitativa prévia, fato que
conduz a um operativismo mecânico.
No artigo A3 os autores Justi e Ferreira (2008), discutem sobre a importância da
construção de novos modelos, a integração dos conhecimentos prévios e as evidências
observadas, onde os estudantes possam construir novos caminhos para chegar a um modelo
conceitual, que não seja necessariamente o modelo aceito cientificamente pela comunidade de
usuários.
Nessa perspectiva os estudantes, através de experimentação, conseguem relacionar os
conhecimentos comuns com o conhecimento científico, relacionando o conceito
macroscópico e microscópico, sem dar prioridade a um dos conceitos, integrando e unificando
a construção de uma aprendizagem significativa.
Um modelo pode ser definido como uma representação parcial de um objeto, evento,
processo ou ideia que é produzida com propósitos específicos como, por exemplo, facilitar a
visualização; fundamentar elaboração e teste de novas ideias; e possibilitar a elaboração de
explicações e previsões sobre comportamentos e propriedades do sistema modelado
(GILBERT e BOULTER, 1995).
5 Considerações finais

No período analisado (2008 a 2017) na presente pesquisa, percebe-se ainda um número


baixo de publicações a respeito do tema pesquisado. Evidenciando-se a necessidade de novas
investigações sobre o processo de ensino e aprendizagem deste conceito, pois nas pesquisas
analisadas os autores relatam sobre as dificuldades na aprendizagem de conceitos de
Equilíbrio Químico e também a necessidade de novas abordagens diferenciadas para o estudo
em questão.
Em relação ao conceito de Equilíbrio Químico, na maioria das pesquisas verificadas
neste estado da questão, percebeu-se vários obstáculos epistemológicos, pedagógicos e
didáticos. E que muitos dos conceitos são fragmentados e tratados de maneira superficial por
parte dos professores da Educação Básica.
Por mais que busquemos soluções para tentar diminuir os problemas relacionados a
estratégias didático-pedagógicas, aprendizagem significativa, contextualização de conceitos
no ensino de Equilíbrio Químico, a complexidade deste assunto continuará trazendo novas
discussões no contexto de ensino-aprendizagem. Dessa forma, uma das possíveis soluções
para atenuar os problemas de ordem pedagógica é potencializar ainda mais a formação de
professores e fortalecer a pesquisa no Ensino de Ciências Naturais, caminhando para uma
educação transformadora e humanizada.
Referências
ASSMANN, H. A metamorfose do aprender na sociedade da informação. Ciência da
Informação, Brasília, DF, v. 29, n. 2, p. 7-15, 2000.

BACHELARD, G.. A formação do espírito científico: contribuição para uma psicanálise


do conhecimento. Rio de Janeiro: Contraponto, 1996.

BODERNAVE, D. J.; PEREIRA, A. M. Estratégias de ensino-aprendizagem. 32ª ed.


Petrópolis: Vozes, 2012.

CARDOSO, Z. Z. Uma proposta de ambiente virtual de aprendizagem no ensino de


conceitos relacionados a equilíbrio químico. 2013. 150 f., il. Dissertação (Mestrado
Profissional em Ensino de Ciências) — Universidade de Brasília, Brasília, 2013.

CIRINO, M. M. Objetos de Aprendizagem como ferramentas socioculturais para o


ensino de Química. 306f. Tese (Doutorado em Educação para a Ciência). Faculdade de
Ciências, UNESP, Bauru, 2012.

GIORDAN, M. Computadores e linguagens nas aulas de ciências: uma perspectiva


sociocultural para compreender a construção de significados. 1. ed. Ijuí: Unijuí, 2013.
(Coleção educação em ciências).

FABIÃO, L. S.; DUARTE, Maria da C. As analogias no ensino da Química: um estudo no


tema Equilíbrio Químico com alunos/futuros professores de Ciências. In: NARDI, Roberto;
ALMEIDA, Maria J. P. M. de (org). Analogias, leituras e modelos no ensino de ciência: a sala
de aula em estudo. v. 1, São Paulo: Escrituras Editora, 2006.

FERREIRA, N. S. A. As pesquisas denominadas “estado da arte”. Educação & sociedade,


v. 23, p. 257-272, 2002.

FERREIRA, P. F. M.; JUSTI, Rosária da Silva. Modelagem e o “fazer ciência”. Química


nova na escola, v. 28, p. 32-36, 2008.

FERREIRA, V. F. As tecnologias interativas no ensino. Quím. Nova, São Paulo, v. 21, n.


6, p. 780-786, Nov. 1998.

GILBERT, J.; BOULTER, C. Stretching models too far.Annual Conference of the American
Educational research Association, San Francisco, 18-22 April, 1995.
MACHADO, A. H. Equilíbrio Químico: Concepções e Distorções no Ensino e na
Aprendizagem. Dissertação (Mestrado em Educação), Faculdade de Educação, Universidade
Estadual de Campinas, Campinas, 1992.

MACHADO, A. H.; ARAGÃO, Rosália M. R. de. Como os Estudantes Concebem o Estado


de Equilíbrio Químico. Química Nova na Escola, n. 04, p. 18-20, 1996.

MEDEIROS, I. J. S.. A concepção do conceito de Equilíbrio Químico dos estudantes do


curso de licenciatura em Química da universidade estadual de Roraima campus boa
vista após a utilização do software Equil. 2014. Dissertação (Mestrado Profissional) —
Universidade Estadual de Roraima, Boa Vista, 2014.

MORAN, J. M. Como utilizar a internet na educação. Ciência da Informação, Brasília,


DF, v. 26, n. 2, p. 146-153, 1997.

MORAN, J. M. Novos desafios na educação: a internet na educação presencial e virtual.


2001. Disponível em: <http://www.eca.usp.br./prof/moran/uber.htm>. Acesso em: 23 jun.
2018.

MORAN, J. M.; MASETTO, M. T.; BEHRENS, M. A. Novas Tecnologias e Mediação


Pedagógica. 7ª edição. Campinas: Papirus, 2003.

MORAN, J. M. Mudar a forma de ensinar e de aprender com as tecnologias:


transformar as aulas em pesquisas e comunicação presencial-virtual. 2003. Disponível
em: <http://www.eca.usp.br./prof/moran/uber.htm>. Acesso em: 23 jun. 2018.

QUÍLEZ, P. J.; SOLAZ, J. J.; CASTELLÓ, M.; SANJOSÉ, V. La necesidad de un cambio


metodológico enlaenseñanzadelequilibrio químico: limitacionesdel principio de Le
Chatelier.Enseñanza de lasCiencias, v. 11, n. 3, p. 281-288, 1993

RAVIOLO, A.; GARRITZ, Andoni. Analogias no Ensino de Equilíbrio Químico. Química


Nova na Escola, n. 27, p. 13-25, 2008.

SABADINI, E.; BIANCHI, José Carlos de A. Ensino do Conceito de Equilíbrio Químico:


Uma Breve Reflexão. Química Nova na Escola, n. 25, p. 10-3, 2007.

SANTOS, A. C.O.; ANDRADE, Tatiana, S.; IZAIAS, Renata, D. Concepções de Equilíbrio


e Equilíbrio Químico: Uma alternativa para a construção do conhecimento científico. XVIII
Encontro Nacional de Ensino de Química (XVIII ENEQ). Florianópolis SC, julho de 2016.

SILVA, J. C. S. Análise de estratégias didáticas, atividades e padrões de interações em


salas de aula de química para a abordagem do conceito de equilíbrio químico. 2015.
Dissertação (Mestrado) — Universidade Federal Rural de Pernambuco, 2015.

SIQUEIRA, F. Utilização e Avaliação de Software Educacional para o Ensino de


Equilíbrio Químico.Dissertação (Mestrado) — Centro de Ciências Exatas, Universidade
Estadual de Maringá, 2017.
SOARES, M. B. Alfabetização no Brasil O Estado do conhecimento. Brasília:
INEP/MEC, 1989.

SOUZA, K. A. F. D. de; CARDOSO, Arnaldo A. Aspectos macro e microscópicos do


conceito de equilíbrio químico e de sua abordagem em sala de aula. Química Nova na
Escola, n. 27, p. 51-6, 2008.

UEHARA, F. M. G. Refletindo Dificuldades de Aprendizagem de Alunos do Ensino


Médio no Estudo do Equilíbrio Químico. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências
Naturais e Matemática), Centro de Ciências Exatas e da Terra, Universidade Federal do Rio
Grande do Norte, Natal, 2005.