Você está na página 1de 3

O RESULTADO COMO ELEMENTO NECESSÁRIO AO DIREITO PENAL DO

PERIGO

Incerteza, risco e perigo são as palavras mais marcantes da nossa sociedade moderna,
consequentemente, emerge um terror coletivo que coloca em prova, como observa Giorgi
(1998, p. 14), o maior limite do direito, qual seja sua capacidade de judicializar o risco. Nosso
problema é formulado, parafraseando Mia Couto (CE, 2011): o direito penal se perfaz por
mais medo das coisas más do que por coisas más que realmente nos afetam.

Adota-se a premissa de que tanto a política criminal circunscrita pelo risco e o medo
consegue influenciar a dogmática como também esta consegue influenciá-la, uma vez que
estão imbricadas. Por isso, deve ser levada em consideração dentro da autoprodução do
direito, pelo motivo dela ser justamente governadora desse sistema (LUHMANN, 1983, p.
45).

Isto é de extrema importância, pois o conceito do bem jurídico fica perambulando numa
linha cinzenta, devido a sua formação ser inerente às variações político-criminais tomada por
diversos sujeitos valoradores. A partir da diversidade de valoração, Amelung (2003, p. 155)
começa a inserir o bem jurídico dentro do paradigma da teoria sistêmica luhmanniana.
“Constrói-se uma determinada imagem da sociedade, de modo que ela se adequa ao “código”
“bem jurídico”. Esta transformação do ambiente do sistema jurídico em um “mundo de bens”
é necessária, porque o sistema jurídico só pode receber e processar informações do mundo
exterior se as traduzir para a sua própria língua”.

Uma das traduções necessárias – e a desenvolvida nesse trabalho – se insere na capacidade


do dado externo se transformar num bem jurídico através da sua aptidão de sofrer lesão ou ao
menos um perigo de lesão. Isto porque o desvalor do resultado afasta a fundamentação do
injusto penal pela simples atuação interna do indivíduo, ou seja, a imputação pessoal não
deverá se aperfeiçoar na sua completude pela verificação de um comportamento voluntário
contrário à valoração sobre os fenômenos fáticos objetivos realizados pelo direito.

Assim, um direito penal pautado apenas no desvalor da ação não atende a complexidade
envolta da comunicação entre observador e observado. É de se levar em conta que há um
contexto subjetivo por trás das intenções do indivíduo, inclusive o fator da sorte. Isto
impossibilita ainda mais a independência do fim desvalioso se concretizar, porque o efeito é
obra da sorte (ou azar) não podendo desvincular da ação “livre”.
Em troca, é proposta uma verificação dos comportamentos indesejados na relação de
resultado e não resultado – incluindo a distinção entre resultado naturalístico e resultado
jurídico – para daí conseguir tratar adequadamente o “direito penal do perigo”.
REFERÊNCIAS:

GIORGI, Raffaele. Direito, democracia e risco. Vínculos com o futuro. Porto Alegre:
Fabris, 1998.

LUHMANN, Niklas. Sistema Juridico y Dogmatica Juridica. Centro de Estudios


Constitucionales, Madrid, 2010.

COUTO, Mia. Murar o medo. 2ª edição das Conferências do Estoril, 2011.