Você está na página 1de 61

Centro: Centro de Ciências Matemáticas e da Natureza (CCMN).

Unidade: Instituto de Física.


Turma: FÍSICA IV-A Semipresencial TURMA 1 (7491)

Aula 2: Equações de Maxwell.

Professor: Bruno de Moura Escher


(coordenador)
Sala: A318-4
e-mail: bmescher@if.ufrj.br
2018/2
Aula 2: Equações de Maxwell.

• Revisão da Aula 1.

• Equações de Maxwell na forma integral e diferencial;

• Lei de Gauss para o campo Elétrico;

• Lei de Gauss para o campo Magnético;

• Lei de Faraday;

• Lei de Ampère;

• Vetor densidade de corrente de deslocamento.


Aula 2: Equações de Maxwell.

• Revisão da Aula 1.

• Equações de Maxwell na forma integral e diferencial;

• Lei de Gauss para o campo Elétrico;

• Lei de Gauss para o campo Magnético;

• Lei de Faraday;

• Lei de Ampère;

• Vetor densidade de corrente de deslocamento.


Aula 2: Equações de Maxwell.

Revisão da Aula 1:

• Apresentação do Curso;

• Avaliações Extras, Provas de 2 Chamada, vistas de


provas, inscrição no AVA, site do curso, monitoria, etc;

• Revisão Matemática;

• Discussão sobre Divergente e Rotacional de um Campo


Vetorial.
Aula 2: Equações de Maxwell.
Interpretação física do divergente:
O significado do divergente e do rotacional aparece diretamente
na análise do escoamento de fluidos. Considere um vetor que
representa o fluxo de um fluido. O divergente desse vetor
fornece a taxa com que a densidade desse fluido diminui.
O gráfico do campo vetorial, com divergente não nulo e rotacional
~ (~r) = xî + y ĵ é
nulo, F 2

-1

-2
Aula 2: Equações de Maxwell.

Interpretação física do rotacional:


O significado do divergente e do rotacional aparece diretamente
na análise do escoamento de fluidos. Considere um vetor que
representa o fluxo de um fluido. O rotacional desse vetor possui
a direção do eixo de rotação instantâneo do fluido.
O gráfico do campo vetorial, com divergente nulo e rotacional não
~ (~r) = y î + xĵ é
nulo, F 2

-1

-2

-2 -1 0 1 2
Aula 2: Equações de Maxwell.

Exercício: Calcule todas as primeiras derivadas parciais, em


relação a x, y, z e t, o divergente e o gradiente do campo

⇣ ⌘
F~ (~r, t) = f~0 cos (kx x + ky y + kz z !t) = f~0 cos ~k • ~r !t

Como esse campo se comporta no espaço e no tempo? O que


significa o vetor que faz o produto escalar com o vetor posição?
O que significa fisicamente a constante que multiplica o tempo?
Aula 2: Equações de Maxwell.

• Revisão da Aula 1.

• Equações de Maxwell na forma integral e diferencial;

• Lei de Gauss para o campo Elétrico;

• Lei de Gauss para o campo Magnético;

• Lei de Faraday;

• Lei de Ampère;

• Vetor densidade de corrente de deslocamento.


Aula 2: Equações de Maxwell.

Introdução:

• A interação eletromagnética é essencial para entendermos a


dinâmica/física dos elementos em nossa volta, a estrutura
da matéria (+ física quântica), os processos físicos e
biológicos etc;

• Intensidade das interações: Forte (nuclear), 1;


Eletromagnética, 10^(-2); Fraca (decaimentos), 10^(-5);
Gravitacional, 10^(-38);
Aula 2: Equações de Maxwell.

Introdução:
• Gregos já conheciam o Ambar (resina amarela - filme Parque dos
Dinossauros), que se eletrizava, e os ímãs;

• Antes de ~1700: Eletricidade e Magnetismo eram separados;

• Eletricidade: Cavendish (1771-1773) e Coulomb (1785);

• Magnetismo: W. Gilbert (1600 - Terra é um ímã);

• Eletromagnetismo: H.C. Oersted (1820) -corrente elétrica e ímãs,


A.M. Ampère (~1820) -lei de Ampère (entre fios); M. Faraday
(~1831) -indução eletromagnética;

• Reformulação do Eletromagnetismo: J.C. Maxwell (1831-1879) -


existência de ondas eletromagnéticas (demonstrado 1888, Hertz).
Aula 2: Equações de Maxwell.

Um tipo de INTERAÇÃO entre partículas que compõe a matéria


conhecida é: Interação Eletromagnética.

A interação eletromagnética está relacionada com uma


propriedade fundamental: a carga elétrica (positiva ou negativa e
quantizada - J.J. Thompson e R.A. Millikan).

Q = Ne
19 19
e = 1, 602110 C ' 1, 610 C
Aula 2: Equações de Maxwell.

Um tipo de INTERAÇÃO entre partículas que compõe a matéria


conhecida é: Interação Eletromagnética.

A interação eletromagnética está relacionada com uma


propriedade fundamental: a carga elétrica (positiva ou negativa e
quantizada - J.J. Thompson e R.A. Millikan).

Q = Ne
19 19
e = 1, 602110 C ' 1, 610 C

Dada uma partícula com carga q, a força sentida por essa carga
devido à presença de outras é (Força de Lorentz):

F~ = q[E
~ + ~v ⇥ B]
~
Aula 2: Equações de Maxwell.

Interpretação: partículas carregadas eletricamente produzem


campos elétrico e magnético no espaço, os quais afetam o
movimento de outras partículas com carga elétrica.

Como um conjunto de partículas carregadas produz os campos


elétrico e magnético no espaço?
Aula 2: Equações de Maxwell.

Interpretação: partículas carregadas eletricamente produzem


campos elétrico e magnético no espaço, os quais afetam o
movimento de outras partículas com carga elétrica.

Como um conjunto de partículas carregadas produz os campos


elétrico e magnético no espaço?

As equações de Maxwell são a resposta para essa questão. Além


disso, as quatro equações de Maxwell explicam toda a interação
elétrica, magnética, eletromagnética e a radiação
eletromagnética.
Aula 2: Equações de Maxwell.

Lei de Gauss para o campo elétrico:


I
~ r, t) • ~uN dS = Q(t)
E (t) = E(~
S ✏0
Lei de Gauss para o campo magnético:
I
B (t) =
~ r, t) • ~uN dS = 0
B(~
S
Lei de IFaraday-Henry: Z
~ r, t) • d~l = d ~ r, t) • ~un dS = d B (t)
E(~ B(~
L dt S dt
Lei de Ampére-Maxwell:
I Z
~ r, t) • d~l = µ0 I(t) + µ0 ✏0 d ~ r, t) • ~un dS
B(~ E(~
L dt S

Corrente de Deslocamento
Aula 2: Equações de Maxwell.

• Revisão da Aula 1.

• Equações de Maxwell na forma integral e diferencial;

• Lei de Gauss para o campo Elétrico;

• Lei de Gauss para o campo Magnético;

• Lei de Faraday;

• Lei de Ampère;

• Vetor densidade de corrente de deslocamento.


Aula 2: Equações de Maxwell.

Lei de Gauss para o campo elétrico:


I 2
~ Q(t) 12 C
E (t) = E(~r, t) • ~uN dS = , ✏0 = 8, 854 ⇥ 10
S ✏ 0 N m 2
O fluxo total do campo elétrico sobre uma superfície fechada é
proporcional à CARGA TOTAL no interior dessa superfície:
Aula 2: Equações de Maxwell.

Lei de Gauss para o campo elétrico:


I 2
~ Q(t) 12 C
E (t) = E(~r, t) • ~uN dS = , ✏0 = 8, 854 ⇥ 10
S ✏ 0 N m 2
O fluxo total do campo elétrico sobre uma superfície fechada é
proporcional à CARGA TOTAL no interior dessa superfície:
Aula 2: Equações de Maxwell.

Exemplos: Calcule o campo elétrico produzido por uma partícula


de carga “q" em repouso com a lei de Gauss. Considere que o
campo elétrico é divergente.
Aula 2: Equações de Maxwell.

• Revisão da Aula 1.

• Equações de Maxwell na forma integral e diferencial;

• Lei de Gauss para o campo Elétrico;

• Lei de Gauss para o campo Magnético;

• Lei de Faraday;

• Lei de Ampère;

• Vetor densidade de corrente de deslocamento.


Aula 2: Equações de Maxwell.

Lei de Gauss para o campo magnético:


I
B (t) =
~ r, t) • ~uN dS = 0
B(~
S
O fluxo total do campo magnético sobre uma superfície fechada é
sempre nulo! O que isso quer dizer?
Aula 2: Equações de Maxwell.

Lei de Gauss para o campo magnético:


I
B (t) =
~ r, t) • ~uN dS = 0
B(~
S
O fluxo total do campo magnético sobre uma superfície fechada é
sempre nulo! O que isso quer dizer?

Interpretação física: Não existem monopolos magnéticos. Até o


momento, nunca se observou essas cargas de campo magnético. Se
existissem, poderíamos explicar/demonstrar teoricamente a
quantização da carga elétrica.
Aula 2: Equações de Maxwell.

• Revisão da Aula 1.

• Equações de Maxwell na forma integral e diferencial;

• Lei de Gauss para o campo Elétrico;

• Lei de Gauss para o campo Magnético;

• Lei de Faraday;

• Lei de Ampère;

• Vetor densidade de corrente de deslocamento.


Aula 2: Equações de Maxwell.

Lei de IFaraday-Henry: Z
~ r, t) • d~l = d ~ r, t) • ~un dS = d B (t)
E(~ B(~
L dt S dt
A variação temporal do fluxo magnético, sobre uma superfície "S"
de contorno "L", produz um campo elétrico.
Aula 2: Equações de Maxwell.

Exemplos: Calcule o campo elétrico produzido por um campo


magnético variável no tempo. O campo magnético é diferente de
zero apenas no interior da circunferência de raio “r”, cujo valor
em qualquer ponto é: B(~
~ r, t) = B0 (t)ẑ

r
Aula 2: Equações de Maxwell.

• Revisão da Aula 1.

• Equações de Maxwell na forma integral e diferencial;

• Lei de Gauss para o campo Elétrico;

• Lei de Gauss para o campo Magnético;

• Lei de Faraday;

• Lei de Ampère;

• Vetor densidade de corrente de deslocamento.


Aula 2: Equações de Maxwell.

Lei de IAmpère-Maxwell: Z
~ ~ d ~ r, t) • ~un dS
B(~r, t) • dl = µ0 I(t) + µ0 ✏0 E(~
L dt S

Ampère: a corrente elétrica I total que atravessa uma superfície


“S”, de contorno “L”, gera um campo magnético.

7 N
µ0 = 4⇡ ⇥ 10
A2
C
A=
s
Aula 2: Equações de Maxwell.

Exemplos: Calcule o campo magnético produzido por uma corrente


estacionária "i" que passa por um fio linear e retilíneo . Considere
que o campo magnético é rotacional.
Aula 2: Equações de Maxwell.

• Revisão da Aula 1.

• Equações de Maxwell na forma integral e diferencial;

• Lei de Gauss para o campo Elétrico;

• Lei de Gauss para o campo Magnético;

• Lei de Faraday;

• Lei de Ampère;

• Vetor densidade de corrente de deslocamento.


Aula 2: Equações de Maxwell.

Lei de IAmpère-Maxwell: Z
~ ~ d ~ r, t) • ~un dS
B(~r, t) • dl = µ0 I(t) + µ0 ✏0 E(~
L dt S

Maxwell: a variação temporal do fluxo elétrico, sobre uma


superfície “S”, de contorno “L”, gera um campo magnético.
Aula 2: Equações de Maxwell.

Lei de IAmpère-Maxwell: Z
~ ~ d ~ r, t) • ~un dS
B(~r, t) • dl = µ0 I(t) + µ0 ✏0 E(~
L dt S

Maxwell: a variação temporal do fluxo elétrico, sobre uma


superfície “S”, de contorno “L”, gera um campo magnético.

As três primeiras equações do eletromagnetismo são válidas


tanto nos casos eletro e magnetostáticos quanto na
eletrodinâmica. Como Maxwell percebeu que as equações do
eletromagnetismo estavam incompletas e como resolveu esse
problema?
Aula 2: Equações de Maxwell.
As equações do eletromagnetismo na forma integral podem ser
transformadas na forma diferencial através dos teoremas de
Gauss (divergência) e de Stokes/Green (demonstração no fim):
I Z
~ r) • ûN dS =
A(~ ~ • A(~
r ~ r)dV
S V
O fluxo total de um campo A sobre uma superfície fechada “S”,
que engloba o volume “V" é igual à integral volumétrica do
divergente do campo.
Aula 2: Equações de Maxwell.
As equações do eletromagnetismo na forma integral podem ser
transformadas na forma diferencial através dos teoremas de
Gauss (divergência) e de Stokes/Green (demonstração no fim):
I Z
~ r) • ûN dS =
A(~ ~ • A(~
r ~ r)dV
S V
O fluxo total de um campo A sobre uma superfície fechada “S”,
que engloba o volume “V" é igual à integral volumétrica do
divergente do campo.
I Z h i
~ r) • d~l =
A(~ ~ ⇥ A(~
r ~ r) • ûN dS
L S
O fluxo do rotacional do campo A sobre uma superfície “S”, com
contorno “L", é igual à integral (fechada) de linha do campo.
Aula 2: Equações de Maxwell.

Lei de Gauss para o campo elétrico:


Z I Z
~ • E(~
~ r, t)dV = ~ Q(t) 1
r E(~r, t) • ûN dS = = ⇢(~r, t)dV
V S ✏0 ✏0 V
Obtemos o resultado:
~ ~ ⇢(x, y, z, t)
r • E(x, y, z, t) =
✏0
Aula 2: Equações de Maxwell.

Lei de Gauss para o campo elétrico:


Z I Z
~ • E(~
~ r, t)dV = ~ Q(t) 1
r E(~r, t) • ûN dS = = ⇢(~r, t)dV
V S ✏0 ✏0 V
Obtemos o resultado:
~ ~ ⇢(x, y, z, t)
r • E(x, y, z, t) =
✏0
I Lei de Ampère: Z Z
~ r, t) • d~l = µ0 I(t) = µ0
B(~ ~ r, t) • ûN dS =
J(~ ~ ⇥ B(~
r ~ r, t) • ûN dS
L S S
Obtemos o resultado:
~ ⇥ B(~
r ~ r, t) = µ0 J(~
~ r, t)
Aula 2: Equações de Maxwell.

Qual a conexão entre a densidade de carga e o vetor densidade


de corrente elétrica?
Z
I Z
~ r, t) • ûN dS = I(t) = dQ(t) @⇢
J(~ = (~r, t)dV
S dt V @t
Aula 2: Equações de Maxwell.

Qual a conexão entre a densidade de carga e o vetor densidade


de corrente elétrica?
Z
I Z
~ r, t) • ûN dS = I(t) = dQ(t) @⇢
J(~ = (~r, t)dV
S dt V @t
Ou seja, vale a lei da conservação local de carga elétrica:

~ • J(~
~ r, t) + @⇢
r (~r, t) = 0
@t
Aula 2: Equações de Maxwell.

Qual a conexão entre a densidade de carga e o vetor densidade


de corrente elétrica?
Z
I Z
~ r, t) • ûN dS = I(t) = dQ(t) @⇢
J(~ = (~r, t)dV
S dt V @t
Ou seja, vale a lei da conservação local de carga elétrica:

~ • J(~
~ r, t) + @⇢
r (~r, t) = 0
@t
Tome o divergente da lei de Ampère para obter:
h i
~ • r
r ~ ⇥ B(~
~ r, t) = 0 = µ0 r
~ • J(~
~ r, t)

Logo, a lei de Ampère não pode estar completa!


Aula 2: Equações de Maxwell.

Vamos considerar o processo de carga de um capacitor com fios


longos. O contorno L (círculo preto da figura) que escolhemos
para usarmos está na figura. Escolhemos a superfície "S" de tal
forma a não encostar no fio e nenhuma corrente elétrica a
atravessa. Como modificar a Lei de Ampère para obtermos um
campo magnético não nulo?
Aula 2: Equações de Maxwell.

As Eq. de Maxwell na forma diferencial são:


~ • E(x,
~ ⇢(x, y, z, t)
r y, z, t) =
✏0
~ • B(x,
r ~ y, z, t) = 0
@ ~
B
~ ⇥ E(x,
r ~ y, z, t) = (x, y, z, t)
@t ~
~ ⇥ B(x,
~ ~ y, z, t) + ✏0 @ E
r y, z, t) = µ0 [J(x, (x, y, z, t)]
@t
Aula 2: Equações de Maxwell.

As Eq. de Maxwell na forma diferencial são:


~ • E(x,
~ ⇢(x, y, z, t)
r y, z, t) =
✏0
~ • B(x,
r ~ y, z, t) = 0 vetor Densidade de
@ ~
B Corrente de deslocamento.
~ ~
r ⇥ E(x, y, z, t) = (x, y, z, t)
@t ~
~ ⇥ B(x,
~ ~ y, z, t) + ✏0 @ E
r y, z, t) = µ0 [J(x, (x, y, z, t)]
@t
Aula 2: Equações de Maxwell.

As Eq. de Maxwell na forma diferencial são:


~ • E(x,
~ ⇢(x, y, z, t)
r y, z, t) =
✏0
~ • B(x,
r ~ y, z, t) = 0 vetor Densidade de
@ ~
B Corrente de deslocamento.
~ ~
r ⇥ E(x, y, z, t) = (x, y, z, t)
@t ~
~ ⇥ B(x,
~ ~ y, z, t) + ✏0 @ E
r y, z, t) = µ0 [J(x, (x, y, z, t)]
@t
O solução formal dos problemas da eletrodinâmica consiste em
determinar (i) os campos elétricos e magnéticos, a partir da
densidade de carga e da densidade de corrente e (ii) determinar
o movimento das cargas, com a força de Lorentz, a partir dos
campos elétricos e magnéticos.
Aula 2: Equações de Maxwell.

Exercícios:
1) Demonstre que a equação de Ampère-Maxwell satisfaz a
equação da conservação local da carga (relação entre o vetor
densidade de corrente e a densidade de carga);
2) Considere um capacitor de placas
circulares de raio “R" carregando. A
corrente elétrica que passa pelo circuito é
i_c, cujo valor é igual ao da corrente de
deslocamento. Mostre que o módulo do
campo magnético no ponto “a" da figura
(raio r) vale: (dica: encontre E primeiro).
µ0 r
B= 2
iC
2⇡ R
Aula 2: Equações de Maxwell.

PARTE EXTRA DA AULA 2


Aula 2: Equações de Maxwell.

Lei de Gauss para o campo elétrico na forma diferencial:

~ • E(x,
~ ⇢(x, y, z, t)
r y, z, t) =
✏0

~ ⇢(x, y, z, t)
div[E(x, y, z, t)] =
✏0

I
~
E(x, y, z, t) • ~uN dS = [Ex (x + dx, y, z, t) Ex (x, y, z, t)]dydz
S
+[Ey (x, y + dy, z, t) Ey (x, y, z, t)]dxdz
+[Ez (x, y, z + dz, t) Ez (x, y, z, t)]dxdy
@Ex @Ey @Ez dQ
=[ + + ]dV =
@x @y @z ✏0
Aula 2: Equações de Maxwell.

Lei de Gauss para o campo magnético na forma diferencial:

~ • B(x,
r ~ y, z, t)] = 0
~
div[B(x, y, z, t)] = 0

O argumento é igual ao utilizado para o campo elétrico. A


diferença é que não se tem "cargas" magnéticas.
Aula 2: Equações de Maxwell.

Lei de Faraday-Henry na forma diferencial:


I Z b Z c Z d Z a
d c ~ • d~l = ( ~ • d~l
E + + + )E
L a b c d

a b
Aula 2: Equações de Maxwell.

Lei de Faraday-Henry na forma diferencial:


I Z b Z c Z d Z a
d c ~ • d~l = ( ~ • d~l
E + + + )E
L a b c d
= Ex (x, y, z, t)dx
a b
Aula 2: Equações de Maxwell.

Lei de Faraday-Henry na forma diferencial:


I Z b Z c Z d Z a
d c ~ • d~l = ( ~ • d~l
E + + + )E
L a b c d
= Ex (x, y, z, t)dx +Ey (x + dx, y, z, t)dy
a b
Aula 2: Equações de Maxwell.

Lei de Faraday-Henry na forma diferencial:


I Z b Z c Z d Z a
d c ~ • d~l = ( ~ • d~l
E + + + )E
L a b c d
= Ex (x, y, z, t)dx +Ey (x + dx, y, z, t)dy
a b
Ex (x, y + dy, z, t)dx
Aula 2: Equações de Maxwell.

Lei de Faraday-Henry na forma diferencial:


I Z b Z c Z d Z a
d c ~ • d~l = ( ~ • d~l
E + + + )E
L a b c d
= Ex (x, y, z, t)dx +Ey (x + dx, y, z, t)dy
a b
Ex (x, y + dy, z, t)dx Ey (x, y, z, t)dy
Aula 2: Equações de Maxwell.

Lei de Faraday-Henry na forma diferencial:


I Z b Z c Z d Z a
d c ~ • d~l = ( ~ • d~l
E + + + )E
L a b c d
= Ex (x, y, z, t)dx +Ey (x + dx, y, z, t)dy
a b
Ex (x, y + dy, z, t)dx Ey (x, y, z, t)dy
@Ey @Ex
=[ ]dxdy
@x @y
Aula 2: Equações de Maxwell.

Lei de Faraday-Henry na forma diferencial:


I Z b Z c Z d Z a
d c ~ • d~l = ( ~ • d~l
E + + + )E
L a b c d
= Ex (x, y, z, t)dx +Ey (x + dx, y, z, t)dy
a b
Ex (x, y + dy, z, t)dx Ey (x, y, z, t)dy
@Ey @Ex
=[ ]dxdy
@x @y
Z
d ~ • ~uN dS =
B
dt S
Aula 2: Equações de Maxwell.

Lei de Faraday-Henry na forma diferencial:


I Z b Z c Z d Z a
d c ~ • d~l = ( ~ • d~l
E + + + )E
L a b c d
= Ex (x, y, z, t)dx +Ey (x + dx, y, z, t)dy
a b
Ex (x, y + dy, z, t)dx Ey (x, y, z, t)dy
@Ey @Ex
=[ ]dxdy
@x @y
Z
d ~ • ~uN dS = d
B [Bz (x, y, z, t)dxdy]
dt S dt
Aula 2: Equações de Maxwell.

Lei de Faraday-Henry na forma diferencial:


I Z b Z c Z d Z a
d c ~ • d~l = ( ~ • d~l
E + + + )E
L a b c d
= Ex (x, y, z, t)dx +Ey (x + dx, y, z, t)dy
a b
Ex (x, y + dy, z, t)dx Ey (x, y, z, t)dy
@Ey @Ex
=[ ]dxdy
@x @y
Z
d ~ • ~uN dS = d
B [Bz (x, y, z, t)dxdy]
dt S dt

Portanto, encontra-se:
@Ey @Ex @Bz (x, y, z, t)
=
@x @y @t
Aula 2: Equações de Maxwell.

O raciocínio anterior se aplica para os quadradinhos em y-z e z-x:

@Ey @Ex @Bz (x, y, z, t)


=
@x @y @t
Aula 2: Equações de Maxwell.

O raciocínio anterior se aplica para os quadradinhos em y-z e z-x:

@Ey @Ex @Bz (x, y, z, t)


=
@x @y @t
@Ez @Ey @Bx (x, y, z, t)
=
@y @z @t
Aula 2: Equações de Maxwell.

O raciocínio anterior se aplica para os quadradinhos em y-z e z-x:

@Ey @Ex @Bz (x, y, z, t)


=
@x @y @t
@Ez @Ey @Bx (x, y, z, t)
=
@y @z @t
@Ex @Ez @By (x, y, z, t)
=
@z @x @t
Aula 2: Equações de Maxwell.

O raciocínio anterior se aplica para os quadradinhos em y-z e z-x:

@Ey @Ex @Bz (x, y, z, t)


=
@x @y @t
@Ez @Ey @Bx (x, y, z, t)
=
@y @z @t
@Ex @Ez @By (x, y, z, t)
=
@z @x @t
Uma forma mais simples de escrever essas equações é dada por
~ ⇥ E(x,
~ @ ~
r y, z, t) = B(x, y, z, t)
@t
~ @ ~
rot[E(x, y, z, t)] = B(x, y, z, t)
@t
Aula 2: Equações de Maxwell.

Lei de Ampére-Maxwell na forma diferencial.

Pode-se usar o resultado anterior, com a definição do vetor


DENSIDADE DE CORRENTE:
Z
I(t) = ~ y, z, t) • ~uN dS
J(x,
S
Aula 2: Equações de Maxwell.

Lei de Ampére-Maxwell na forma diferencial.

Pode-se usar o resultado anterior, com a definição do vetor


DENSIDADE DE CORRENTE:
Z
I(t) = ~ y, z, t) • ~uN dS
J(x,
S

Encontra-se:

@ ~
E
~ ⇥ B(x,
r ~ ~ y, z, t) + ✏0
y, z, t) = µ0 [J(x, (x, y, z, t)]
@t
@ ~
E
~
rot[B(x, ~ y, z, t) + ✏0
y, z, t)] = µ0 [J(x, (x, y, z, t)]
@t