Você está na página 1de 6

Fichamento - História Antiga 1

CHAMOUX, François. A civilização grega - na época arcaica e clássica. Lisboa:

Edições 70, 2010.

Introdução

1. Biografia do autor e obras:

2. Resumo:

3. Identificar os objetivos principais: listá-los em forma de citação.

a)- Trata-se sim de oferecer ao leitor, numa forma acessível e sucinta, uma espécie de meditação acerca dos principais aspectos do helenismo arcaico e clássico, tal como hoje surgem a um homem que os estudo desde há umas dezenas de anos - Pg. 8.

4. Identificação do tema: o tema não é o problema ou o objetivo do texto, mas o

assunto que está sendo tratado. Por isso é só listar os temas principais abordados pelo (s) autor/es.

5. Tese (s) do autor (es): nem sempre a tese está explicita, nem mesmo no início do

texto; ela pode estar nas entrelinhas ou no final do texto.

6. Ideias:

a)- A dívida do mundo moderno para com o povo grego é enorme. Foi este povo quem definiu, pela primeira vez, as categorias de pensamento que continuam a ser as nossas - Pg. 7

b)- A língua grega está representada por textos literários desde o século VIII a.C.

outra língua humana

oeferece ao estudo uma literatura tão rica, repartida por um tão longo período da

até aos nossos dias, sem qualquer interrupção

Nenhuma

história, ou seja, quase três mil e quinhentos anos - Pg. 7

c)- A Grécia constitui a extremidade meridional da península balcânica. Tem dimensões modestas: não são mais de 400 quilômetros desde o maciço do Olimpo,

que marca o limite setentrional da Tessália, até ao Cabo Ténaro (ou Cabo Matapão),

o ponto mais meridional do Peloponeso - Pg. 10.

d)- A fraca produção de cereais fazia pesar sobre ela uma constante ameaça de carência: por pouco que a população crescesse, sofria de falta de terra (em grego, stenokhoria) que foi uma das principais causas da emigração grega para o estrangeiro - Pg. 12.

A civilização micênica

e)- É esta opinião tão geralmente admitida que devemos agora abandonar [povo micênico como pré-helênico]. Ao lerem pela primeira vez os documentos em Linear B, Ventris e Chadwick demonstram que o povo micênico era grego, ou que pelo

menos falavam grego, o que, na nossa opinião, é o essencial, uma vez que a pertença ao helenismo manifesta-se, antes de mais, pela língua - Pg. 14.

f)- A língua grega passa desde então a ser conhecida por textos que se estendem desde o séc. XV antes da nossa era até aos nossos dias - Pg. 14.

g)- Michael Ventris, partindo da hipótese de a língua escrita em Linear B ser grego,

Desde então, e

apesar da morte acidental de Ventris, em 1956, a decifração foi prosseguida com entusiasmo e tenacidade, confirmando, no essencial, a descoberta do jovem estudioso prematuramente desaparecido - Pg. 15.

estabeleceu, com a ajuda do seu compatriota John Chadwick [

]

h)- Com efeito, verifica-se que os valores atribuídos aos diferentes signos do silabário devem admitir um certo jogo para se chegar a uma transcrição coerente num dialecto grego, mesmo de um tipo muito arcaico - Pg. 15.

i)- Neles, podem ler inventários de bens, provisões, arrendamento de gado e objetos mobiliários; lista de funcionários, de operários ou de soldados; inventário das rendas ao soberano ou das oferendas às divindades - Pg. 16.

O próximo Oriente no final do 2º Milênio a.C.

a)- Os recém-chegados impuseram a sua língua a estes antigos habitantes, uma

A partir do início do

Bronze Recente (ca. 1600-1100), os Helenos do continente, que até então tinham mantido relaçõs sobretudo com o nordeste do mar Egeu e com as Cíclades, começaram a estabelecer contactos frequentes com a Creta minóica. Estes contactos tiveram uma importância decisiva. Os guerreiros gregos encontravam-se agora em contacto com uma civilização antiga, brilhante e desenvolvida. Nesta época, Creta era um Estado centralizado, com uma capital, Cnosso, povoada por mais de 50.000 habitantes - Pg. 17.

língua indo-europeia que se tornaria o grego micênico [

]

b)- Os gregos desembarcaram na grande ilha por volta de 1450 a.C. e aniquilaram o Estado minóico para se instalarem em seu lugar - Pg. 18.

c)- A Guerra de Tróia, que aconteceu realmente - como o demonstraram as escavações americanas - por volta do final do séc. XIII ou início do séc. XII, é um dos últimos episódios dessa expensão que logo a serguir iria dar lugar, no decurso do século XII, a uma decadência profunda e duradoura - Pg. 18.

d)- É, portanto, no decurso deste período privilegiado, que vai desde o final do século XV até o final do século XIII antes da nossa era, que devemos considerar a primeira civilização grega, então no seu apogeu - Pg. 18.

e)- Esta civilização deve o nome de micênica, pelo qual é geralmente conhecida [ ] porque foi toda a civilização helênica do 2º milênio, até então inteiramente esquecida, que surgiu do solo de Micenas - Pg. 18.

f)- Túmulos micênicos - O mais impressionante destes túmulos, construído na segunda metade do século XIV, é aquele a que tradicionalmente se chama o Tesouro de Atreu - Pg. 19.

g)- As mesmas características de construção podem ser admiradas a alguma distância deste local, nas fortificações da muralha principal que cerca a Acrópole [ ] Porta dos Leões - Pg. 19.

h)- É aqui [Micenas] que vemos aparecer pela primeira vez uma forma arquitectónica à qual os Gregos iriam ficar ligados: os propileus, ou seja, uma entrada monumental em que a porta aberta numa parede é precedida em cada um dos lados por um alpendre de colunas - Pg. 21.

i)- Foi numa sela à esquerda da entrada que foram descobertos os arquivos Linear

B que tornaram célebre esta escavação: as placas de argila mole ficaram cozidas

no incêndio do palácio e foram por isso miraculosamente preservadas - Pg. 21.

j)- O pintor micênico transformou a graciosa visão num puro esquema gráfico que

O desenho é normalmente

muito tosco nestas obras ousadamente inovadoras; mas, mais do que quaisquer outras, elas fazem-nos penetrar diretamente no mundo da história, como o célebre vaso dos guerreiros Micenas, ou no da lenda, como a cratera de Enkomi, em Chipre, em que alguns dizem reconhecer uma cena mítica de que se teriam conservados ecos na Ilíada - Pg. 23.

abraça a curva do vaso com uma soberana elegância [

]

k)- Placas em Linear B, túmulos, fortalezas e palácios, cerâmicas e peças de marfim são, pois, os documentos que nos permitem esboçar um quadro ainda muito

provisório da civilização micênica [

a partir do Peloponeso e da própria Grécia, cobre já, nos séculos XIV e XIII, toda a bacia oriental do Mediterrâneo e começa a fazer-se notar às portas do Ocidente -

Pg. 25.

É assim que uma primeira expansão helénica,

]

l)- A decifração do Linear B forneceu nomes de numerosas divindades a quem o povo micênico levava oferendas e revelou assim, para nossa surpresa, que a maioria dos Olímpicos do panteão clássico eram já objeto de culto durante o segundo milênio - Pg. 26.

m)- Ainda em tempos recentes se invocava a invasão dórica para explicar a ruína do mundo micênico e a decadência tão profunda que, entre os séculos XII e X, marca o período conhecido por Idade Média helênica. Os Dórios eram Gregos menos evoluídos que, a partir das regiões montanhosas do Noroeste da península, ocuparam a pouco e pouco a Grécia Central, a maior parte do Peloponeso e, por

fim, as ilhas do Sul do mar Egeu e mesmo Creta, no decurso de uma longa e lenta progressão que se estendeu por todo o século XI e por uma parte do século X - Pg.

27.

n)- A decadência parece ter conhecido várias etapas e a insegurança instalou-se a pouco e pouco, provocando o abandono progressivo das regiões menos bem defendidas - - Pg. 27.

o)- Povos do mar - uma coligação heterogênea na qual participaram certamente

contingentes gregos. Estas invasões, de início repelidas e depois parcialmente

As

condições que tinham favorecido o comércio na bacia oriental do Mediterrâneo desapareceram face ao aumento da pirataria - - Pg. 27.

vitoriosas, afectaram gravemente o equilíbrio político do Oriente Próximo [

]

A civilização Geométrica ou a Época de Homero

a)- A decadência dos Estados aqueus e a invasão das tribos dorias provocaram,

durante três séculos, movimentações de população que modificaram profundamente

a repartição do povo na bacia do Mar Egeu - Pg. 29

b)- Conhecem-se mal os pormenores destas migrações que se prolongaram durante séculos e cuja recordação apenas se conservou na memória dos gregos na forma de lendas, nas quais é muito difícil de perceber claramente o substrato histórico [ ] Como as mais importantes destas colônias falavam o dialecto jônico, designa-se normalmente por migração jônica o fenômeno histórico que levou à sua fundação - Pg. 29.

c)-

chegada dos colonos gregos aos diferentes pontos da Costa asiática [

os gregos teriam chegado a Mileto e a Claro no século XIV, talvez depois de os

cretenses já aí estarem estabelecidos - Pg. 29

] parece que

são as pequeníssima arqueológicas que permitem precisar a data da

[

]

d)- Os próprios dorios acompanharam o movimento, conquistando as ilhas do Sul - Creta e Rodes - e vários pontos da Ásia Menor. No séc. IX, termina a parte essencial destas migrações - Pg. 30

e)- O antigos distinguiam os gregos em função de grandes divisões linguísticas

] fala-se o

dialecto eólico [

o dialecto eólico, após a sua partida, sofreu influências norte-ocidentais [ ]

populações de língua jônica estabeleceram-se na Ática, na Eubéia, nas Cíclades (exceto no sul) e no litoral anatólio desde Esmirna até ao norte de Halicarnasso,

tribos dóricas submeterem,

impondo aí a sua língua, a região de Mégara, Corinto, a Argólida, Lacônia, as

por fim, em duas regiões muito

distantes entre si, na Arcádia e na ilha de Chipre, conservou-se um dialeto chamado arcádio-cipriota que parece ter mantido grandes afinidades com o antigo grego micênico - Pg. 30.

assim como nas grandes ilhas de Quio e de Samos [

os colonos eólicos são originários da Tessália e da Beócia, onde

fundadas nos dialetos, que pensavam corresponder a divisões étnicas [

]

]

Cíclades do Sul, Creta, Rodes, e o Dodecaneso [

]

f)- É verdade que a comunhão das tradições religiosas, que, tanto para os jonios como para os dorios, se juntava à comunhão da língua, teve um importante papel na conservação do sentimento de seu parentesco original - Pg. 31

g)- No plano da civilização, a diversidade dos dialectos continuou a ser durante muito

tempo um traço essencial do helenismo [

tempo, o mais antigo é o da língua épica na qual se combinam, numa síntese tão complexa quanto harmoniosa, elementos jônicos e elementos eólicos submetidos

às exigências de uma métrica apurada - Pg. 32

O exemplo mais notável, e, ao mesmo

]

h)- Os séculos IX e VIII são habitualmente designados por época geométrica devido

linhas retas e motivos geométricos

o estilo geométrico destacou-se, de forma lenta e progressiva, da

ao caráter original da cerâmica deste tempo [

simples [

tradição micênica - Pg. 33

]

]

i)- Não é de admirar a importância atribuída à cerâmica para o estabelecimento da cronologia deste período da história grega. Não temos conhecimento sobre os fatos

políticos durante os séculos obscuros e a pesquisa arqueológica, a única que nos pode dar algumas informações deve basear-se nos documentos que normalmente se encontram nas escavações, ou seja, nos fragmentos de argila cozida - Pg. 34.

j)- Está cerâmica geométrica é conhecida em muitos pontos do mundo grego: em Corinto, em Argos, na Beócia, nas Cíclades, e mais precisamente, em Terá, em Rodes, em Chipre e até na Itália - Pg. 34

k)-

atribuída, e as correspondências ou transposições estão sutilmente dispostas numa

o elemento humano que está presença

introduz num conjunto puramente abstrato atuará como um fermento de dissolução que depressa modificará o seu caráter - Pg. 35

ordem ajustada ao mínimo pormenor [

]

motivo grego - está sempre perfeitamente adaptado à zona que lhe é

[

]

l)- Este predomínio de Atenas na cerâmica geométrica eclipsa as outras

]

pela civilização: deu-lhe o alfabeto e Homero - Pg. 36.

manifestações da civilização material desta época [

Mas a Grécia fez muito mais

m)- A adoção do alfabeto fenício pelos Gregos situa-se provavelmente no século IX

ou no início do século VIII [

obras literárias de grande envergadura, a Ilíada e Odisseia, são agora, pela maioria

dos estudiosos, datadas do século IX ou, talvez melhor, do século VIII, isto é, no momento em que os helenos começaram a usar a escrita alfabética - Pg. 36.

Certamente não é por acaso que as duas primeiras

]

n)- Embora o estilo épico, pelo seu caráter formulário, conserve ainda traços do estilo oral, deve admitir-se que o autor de Ilíada e Odisseia, ainda que uma lenda tardia o tenha feito passar por cego, transcreveu desde o início as suas grandes

composições [

é certo que o poeta compôs a sua obra no

resultado de uma longa tradição [

mundo das cidades jônicas da Ásia Menor - Pg. 37

]

A própria perfeição das duas epopeias demonstra que são o

]

o)- A Odisseia despertava a imaginação pela narração das aventuras longínquas nos mares ocidentais, tais como as que os marinheiros de Eubéia e da própria

A partir das

descobertas da arqueologia micênica e sobretudo desde a decifração do Linear B, os comentadores modernos esforçam-se por sublinhar nos poemas homéricos tudo aquilo que pode relacionar-se com esta tradição micênica e, de fato, a importância deste legado do segundo milênio é considerável - Pg. 38

Grécia, depois dos Fenícios, começavam a fazer e reviver [

]

p)- Por conseguinte, é com razão que insistimos, desde há alguns anos e por várias vezes, nas afinidades que a arte de Homero apresenta com a dos mais belos vasos

geométricos [

encontramos igualmente nas obras-primas dos oleiros áticos do século VIII - Pg. 38

as duas grandes epopeias jônicas mostram-nos tudo isto, que

]

q)- A arte do poeta e a arte do pintor assentam ambas no perfeito domínio de um ofício que lhes é fornecido por fórmulas ou esboços feitos pelos seus antecessores

O encontro entre duas formas de arte que pertencem a domínios tão diferentes, mas tão visivelmente inspiradas por mesmo espírito, é um fato de civilização revelador - Pg. 39.

[

]

7. Problematizações principais

Civilização micênica

a)- Mas costumava-se sublinhar o parentesco desta civilização com a civilização cretense, das ruínas de Cnosso em Creta, aquela que sir Arthur Evans tinha feito surgir, no início do século, das ruínas de Cnosso em Creta, e pensava-se que entre o florescimento da cultura micênica, por volta dos séculos XIV-XII, e o início da Grécia arcaica, no séc. VIII, havia um corte radical - Pg. 13.

8. Listar as fontes e os principais autores (historiografia) mencionados no texto

9. síntese crítica do texto: