Você está na página 1de 3

O Náufrago – Thomas Bernhard:

- Bernhard: narra a existência do ser humano como um sofrimento profano.

- Estilo: uma personagem narra o que uma pessoa falou ou o que ela pensou. Anti-

mimética, só representa discurso. Fluxo de repetições e exageros das palavras com

pequenas variações.

- Temas que reaparecem: suicídios, doença pulmão, ódio à Salzburg.

- Pelo seu virtuosismo em tocar piano, Glenn Gould – personagem com mesmo nome do

famoso pianista canadense – causou o “náufrago” artístico de seus dois amigos

(Wertheimer e o personagem narrador). Confrontados com a perfeição de Glenn e seu

virtuosismo ao interpretar Goldberg Variation de Bach, acabam se imobilizando. O

náufrago diante da impossibilidade de ultrapassá-lo musicalmente: “Nosso náufrago é um

fanático; vive morrendo quase ininterruptamente de autocomiseração” (p. 29). Definição

de náufrago do narrador: pessoas presas em becos sem saída.

- Narração através do pensamento do narrador enquanto espera a chegada da dona da

pousada que vivia próxima a Wertheimer.

- “Glenn tinha o maior apreço pela palavra náufrago e por seu significado; lembro-me

bem; foi na Sigmund-Haffner-Gasse que o náufrago lhe veio à mente. Quando

observamos as pessoas, só vemos mutilados, Glenn nos disse certa vez; mutilados

interiormente, exteriormente ou ambas as coisas, é só o que se vê, pensei. Quanto mais as

observamos, mais mutiladas elas nos parecem, porque estão de tal forma mutiladas que

não queremos admitir, mas é como estão. O mundo está cheio de mutilados. Caminhamos

pelas ruas e só vemos mutilados. Convidamos alguém para nos visitar e recebemos um

mutilado em casa, disse Glenn, pensei.” (p.31).

- “Nós existimos, não temos outra escolha.” (p. 38).

- “Viver significa apenas desaparecer”. (p.42).

- “Somos incapazes de viver, incapazes de existir: somos existidos!” (p. ?)


- O narrador-personagem se considera um artista de visão de mundo/contemplação da

vida (ver termo em alemão).

- “Wertheimer era viciado em gente porque era viciado em infantilidade” (p. 55).

- “É somente pela via da infelicidade que podemos ser felizes” (p. 55).

- “Passamos à vida fugindo do diletantismo e ele sempre nos alcança” (p. 64).

- “Quem não é capaz de rir não pode ser levado a sério” (p.69).

- “A natureza está contra mim, dizia Glenn, expressando um modo de ver as coisas

semelhantes ao meu, e eu também repito sempre essa frase, pensei. Nossa existência

consiste em contrariar a natureza, em investir contra ela, dizia Glenn, e investir até

desistirmos, porque ela é mais forte que nós, por arrogância somos transformados em

produtos da arte. Sim, porque não somos seres humanos, nós somos produtos da arte, o

pianista é um produto repugnante dela, disse concluindo. Somos os que continuamente

buscam escapar da natureza, mas como é natural, não conseguimos, ficamos no meio do

caminho, ele disse, pensei. No fundo, queremos ser o piano, disse; não seres humanos,

mas o piano; a vida toda queremos ser o piano e não gente, fugimos da pessoa humana

que somos com o intuito de nos transformar no piano, um intuito que, no entanto, só pode

fracassar, mas não queremos acreditar que seja assim, disse. (p. 69).

- “Eu [o narrador] queria ser o melhor de todos ou nada” (p. 72).

- “O chamado intelectual odeia seu intelectualismo e acredita que vai encontrar sua

salvação entre os chamados pobres e desfavorecidos, que antes eram chamados de

oprimidos e injuriados; em vez de salvação, porém, o que ele encontra é a mesma

crueldade” (p. 76).

- “Não podemos escapar de nós mesmos, a não ser por meio da morte” (p. 76).

- “[Wertheimer] não era capaz de ver a si próprio como uma pessoa única, como todos

fazem e precisam fazer, se não querem para si o desespero; seja a pessoa quem for ela é

única, vivo dizendo a mim mesmo, o que me salva” (p. 78).

- Dona da pousada (simbolizando os “oprimidos”): nunca teve tempo de pensar na

infelicidade, diferentemente do narrador-personagem e Wertheimer.


- O efeito letal de uma palavra (náufrago) quando proferida por Glenn para Wertheimer.

E se ele não tivesse encontrado ou ouvido Glenn? Teria ou não se suicidado?

- Wertheimer contrata pessoas para ouvi-lo tocar Bach por vários dias: tortura.