Você está na página 1de 3

matA11 – funções

Funções racionais
Uma função racional é uma função cuja expressão analítica é um quociente de polinómios.
A x
f  x 
B  x
Resolução de equações fracionárias
A x
 0  A x  0  B  x  0
B  x
Resolução de inequações fracionárias
A x
• Começar por reduzi-la à forma  0 (ou  0 , ou  0 ou  0 ).
B  x
• Determinar, caso existam, os zeros dos polinómios A  x  e B  x 
• Elaborar uma tabela de sinais e concluir o conjunto de solução da inequação
Ponto aderente
Seja A um conjunto de números reais e a  , então a é considerado um ponto aderente a A quando existe uma sucessão
 xn  de elementos de A de tal forma que lim xn  a .
Limite de uma função num ponto (definição segundo Heine)
Se f é uma função real de variável real e a, b  , o limite de f  x  quando x tende a é b se a é um ponto aderente do
domínio de f e, para toda a sucessão  xn  de elementos desse domínio convergente para a, lim f  xn   b
Observações:
• A notação para limite de f  x  quando x tende para a é lim f  xn 
x a

• O limite de f  x  quando x tende para a, se existir, é único


• A definição de limite de uma função num ponto estende-se ao caso de limites infinitos
Limite laterais
Se f é uma função real de variável real e a , b  , então:
• b é o limite de f  x  quando x tende para a por valores inferiores a a (b é limite de f  x  à esquerda de a) se
b  lim f |, a  x  . A notação utilizada é lim f  x   b
x a xa

• b é o limite de f  x  quando x tende para a por valores superiores a a (b é limite de f  x  à direita de a) se


b  lim f |a ,   x  . A notação utilizada é lim f  x   b
x a xa

Propriedades
• Se a  D f e se lim f  x  e lim f  x  existirem e forem iguais a f  a  , então diz-se que lim f  x  existe e é igual a
x a x a x a

f a
• Se a  D f mas é um ponto aderente a esse domínio e se os limites lim f  x  e lim f  x  existirem e forem iguais, então
x a x a

diz-se que lim f  x  existe e é igual ao valor comum dos limites laterais
x a
Limite no infinito
 
Se f é uma função real de variável real em que o domínio D f não é majorado (respetivamente, minorado)
• b é o limite de f  x  quando x tende para  (respetivamente,  ) e escreve-se b  lim f  x  (respetivamente,
x 

b  lim f  x  )
x 
Operações com limites
Sejam f e g duas funções, a um ponto aderente de D f  Dg e os limites lim f  x   L1 e lim f  x   L2 , L1 , L2 
x a x a

• lim  f  g  x   lim f  x   lim g  x  • lim  f  x    lim f  x  ,  


x a x a x a x a x a

• lim  f  g  x   lim f  x   lim g  x 


 
r
• lim  f  x    lim f  x  , r 
r
x a x a x a (existem situações
xa x a

 f  lim f  x 
• lim    x   x  a , se lim g  x   0
particulares em que f e L1 poderão ter de ser
xa g
  lim g  x  x a
 0,  0,  0 )
xa

www.matematicaonline.pt 1/3
geral@matematicaonline.pt
matA11 – funções

Indeterminações

Tipo Situação mais frequente para resolver


• Com polinómios, considera-se o limite do termo de maior grau
 • Com frações racionais, efetua-se a soma ou diferença das frações
• Com binómio que envolvem radicais, efetua-se a multiplicação e divisão pelo binómio conjugado
• Com frações racionais, considera-se o limite da fração com os termos de maior grau do numerador e do
 denominador
 • Com expressões que envolvem radicais, colocar em evidência o termo de maior grau no numerador e
denominador
0 • Com frações racionais, fatoriza-se o numerador e o denominador, de forma a simplificar a fração
• Com binómios que envolvem expressões com radicais, efetua-se a multiplicação e divisão pelo binómio
0 conjugado
 0
0 • Efetua-se a multiplicação de modo a obter a indeterminação ou
 0

Produto de uma função limitada por uma função de limite nulo


Se f e g são funções reais de variável real, a é um ponto aderente ao domínio de ambas
• lim f  x   0
x a

• G é uma função limitada


então lim  f  x   g  x    0
x a

Limite da função composta


Sejam f e g funções de variável real e a um ponto aderente ao domínio da função g f
Se lim f  x   b e lim g  x   c , então lim  g f  x   c , com b, c  .
x a x b x a
Continuidade de funções

f é uma função contínua em a se existe limite nesse ponto lim f  x   f  a 
xa

Nota
• f é contínua num subconjunto do seu domínio se for contínua em todos os pontos desse subconjunto
• f diz-se contínua se o for em todos os pontos do seu domínio
• As funções polinomiais, racionais e as funções trigonométricas são contínuas em todo o seu domínio
• Se f e g são funções reais de variável real contínuas em a, então também são contínuas em a as funções: f  g ; f  g ;

 g  a   0 ; f r
f
f g ;
g
Assíntotas
Assíntota vertical
• A reta x  a é uma assíntota vertical ao gráfico de f se pelo menos um dos limites laterais de f no ponto a for infinito.
Nota:
• O gráfico de uma função pode ter uma infinidade de assíntotas verticais
• Se x  a é assíntota ao gráfico de f, então a  D f ou f não é contínua no ponto a

Assíntota não vertical


• A reta y  mx  b,  m, b   é uma assíntota não vertical ao gráfico de f em  se:
lim  f  x    mx  b    0
x 
Nota:
• Se m  0 a assíntota diz-se horizontal
• Se m  0 a assíntota diz-se oblíqua
f  x
• m  lim ; b  lim  f  x   mx 
x  x x 

• O gráfico de f tem, no máximo, duas assíntotas não verticais, que podem ser horizontais ou oblíquas
• Se o domínio de f for um conjunto limitado, não existem assíntotas não verticais

www.matematicaonline.pt 2/3
geral@matematicaonline.pt
matA11 – funções

Taxa média de variação de uma função


Considerando uma função real de variável real f, se a e b são dois pontos do respetivo domínio, a taxa média de variação de
f entre a e b é dada por
f b   f  a 
t.m.v. a, b 
ba
Geometricamente, a taxa média de variação representa o declive da reta secante ao gráfico de f nos pontos de abcissas a e b.
Derivada de uma função num ponto
Considerando uma função real de variável real f e a um ponto do seu domínio, a taxa instantânea de variação de f no ponto
a, também designada por derivada de f no ponto a  f '  a   é dada por
f  x  f a f  x  h  f a
f '  a   lim  lim , quando este limite existe e é finito
x a xa h 0
h
Geometricamente, f '  a  é o declive da reta tangente ao gráfico de f no ponto de abcissa a.
Nota: Diz-se que f é diferenciável em a de f '  a  existir e for finita.
Diferenciabilidade e continuidade
Se f é uma função real de variável real que é diferenciável em a então f é continua em a.
A afirmação reciproca não é necessariamente verdadeira (uma função pode ser contínua num ponto e não ser diferenciável
nesse ponto)
Regras de derivação

k   0 
 x  1 x2   2x  
 x   3x
3 2
 1 
   2
1  x   2 1 x
x x

 kf   kf , k   f  g   f   g   f  g   f  g  f  g

 1  f  f  f   g  f  g   x    x
  1
, 
   2   
f f g g2

 
n
x 
 1
n n 1
n x
,n  g f   a   f   a   g   f  a  
Relação entre a variação e os extremos de f e o sinal da derivada
• Se f   x   0 , x  a, b , então f é estritamente crescente em a, b (Também é em  a, b  se f for contínua em  a, b  )
• Se f   x   0 , x  a, b , então f é estritamente decrescente em a, b
• Se f   x   0 , x  a, b , então f é estritamente crescente em sentido lato em a, b
• Se f   x   0 , x  a, b , então f é estritamente decrescente em sentido lato em a, b
• Se f   x   0 , x  a, b , então f é constante em a, b
• Nulidade da derivada num extremo
Seja f uma função real de variável real cujo domínio contém um intervalo não vazio I  a, b . Se f atinge um extremo
relativo em x0  I e se f é diferenciável em x0 , então f   x0   0
Nota: A derivada pode ser nula num ponto sem ser um extremo da função e pode também existir um extremo sem que
exista derivada nesse ponto.
Teorema de Lagrange
Seja f uma função real de variável real contínua no intervalo  a, b  , e diferenciável em a, b , então existe c  a, b tal que
f b   f  a 
f  c 
ba
Geometricamente: Existe um ponto no gráfico com abcissa entre a e b em que a reta tangente é paralela à reta que passa nos
pontos do gráfico de abcissas a e b.

www.matematicaonline.pt 3/3
geral@matematicaonline.pt