Você está na página 1de 2

RESUMO

Entrevista. Osvaldo Perrenoud


Lume Arquitetura, edição nº90

Osvaldo Perrnoud é Lighting Designer gaúcho. Nesta entrevista ele fala da importância
do seu perfil multidisciplinar para a concepção dos seus projetos e a necessidade de
incorporar o processo criativo no dia a dia.

É autodidata, afirmando que aprendeu na prática pois somente bem depois de haver
iniciado sua trajetória é que algumas instituições começaram a oferecer cursos
específicos na área. Passou por diversas áreas e atualmente faz mestrado em Color
Design & Tecnology no Politecnico di Milano.

Começou trabalhando com iluminação cênica, e afirma que os profissionais desta área
sempre permanecem envolvidos com a arquitetura urbana e de interiores,
principalmente no que tange aos eventos efêmeros.

Perrenoud pensa que a profissão de Lighting Designer deveria contemplar com curso
específico, à parte dos cursos de artes cênicas, arquitetura e design de interiores.

Respondendo à questão sobre quais características da iluminação cênica acredita que


deve ser levada para a iluminação arquitetural, Perrenoud afirma que o profissional na
luminocênica é guiado pela divergência de pensamento, não existindo regras
preestabelecidas, mas sim uma conveniência maior de determinadas aplicações. Já no
projeto luminotécnico, são elencadas necessidades de segurança e qualidade lumínica
visando o conforto do usuário e que, por norma, devem ser contempladas.

Falando sobre as preocupações para a utilização das cores de forma adequada,


Perrenoud afirma que o principal fator a ser considerado é o Índice de Reprodução de
Cores (IRC ou Ra), que permite avaliar se a percepção das cores, sob uma determinada
condição de luz, é semelhante à observada sob a luz de um iluminante padrão.
Perrenoud afirma que o sol é o melhor parâmetro para tal.
A cor, a temperatura de cor e o IRC (Ra) de uma fonte luminosa podem alterar a cor
percebida dos objetos e ambientes. A percepção das cores varia conforme a luz
incidente e seu entorno, por isso o IRC (Ra) é tão importante.

Perrenoud, dono do escritório de projetos Desenhos de Luz, afirma que a introdução


do LED foi o maior avanço tecnológico desde que começou a atuar no ramo até agora.
Ele ressalta que o uso de imagens em 2D e 3D não é suficiente para apresentar a
iluminação desejada, devendo-se ter a capacidade de reproduzir as cenas com
equipamento real.

Perrenoud afirma que para o profissional de Lighting Designer se manter atualizado ele
deve ver, observar e concluir. O aprofundamento na atividade depende do talento
natural e das habilidades adquiridas pelo interesse e esforço individual.