Você está na página 1de 114

Argüição de

Descumprimento de
Preceito Fundamental
Flávia C. Limmer
flaviaclimmer@puc-rio.br
Base Legal da ADPF
Art. 102, § 1º CRFB
Lei n º 9.882/99

Art. 102 § 1.º A argüição de


descumprimento de preceito fundamental,
decorrente desta Constituição, será
apreciada pelo Supremo Tribunal Federal,
na forma da lei.
Conceito
A ADPF retrata ação de competência originária do
STF, que tem por fim evitar ou reparar lesão a
preceito fundamental, resultante de ato do Poder
Público, bem como resolver controvérsia
constitucional sobre lei ou ato normativo federal,
estadual, distrital ou municipal, editados antes ou
depois da promulgação da CF em vigor.
Origens

Recurso de Amparo do Direito Espanhol,


Recurso Constitucional do Direito Alemão
Writ of Certiorari do Direito Americano.
Objeto da ADPF
Objeto da ADPF
Qualquer tipo de lei ou ato
normativo, desde que seja observado
o Princípio da Subsidiariedade e a
lesão à Preceito Fundamental

A atuação pode ser preventiva ou


repressiva
Objeto
Atos do Poder Público
Atos Privados
Atos Normativos de direito federal,
estadual e municipal
Direito Pré-Constitucional
Atos Administrativos
Atos Jurisdicionais
Ato Normativo
Anterior a CRFB
Ato Normativo Anterior a CRFB
A revogação da lei ou ato normativo
editado antes da nova CRFB não impede
o exame da matéria em sede de ADPF,
porque o que se postula nessa ação é a
declaração de ilegitimidade ou não
recepção da norma por ordem
constitucional superveniente. (ADPF 33)
Caso Concreto
O Partido Político X, com representação no
Congresso Nacional, interpôs agravo regimental
contra decisão que negou seguimento à ADPF
argüida contra Proposta de Emenda da CRFB/88,
PEC 40, que tratava da Reforma da Previdência
Social. O Partido afirma que a PEC 40 viola o
disposto no artigo 60, § 4º, da Constituição da
República Federativa do Brasil e fere, além de outros
princípios constitucionais, o da inviolabilidade do
direito adquirido, conforme o artigo 5º, inciso XXXVI.
Pergunta-se: É cabível a argüição de descumprimento
de preceito fundamental contra Proposta de Emenda
Constitucional? Resposta fundamentada.
ADPF 43
O objeto desta ADPF é a lesão de preceitos fundamentais
em uma Proposta de Emenda à Constituição.
Deve ser desprovido o agravo regimental, já que à luz da
Lei 9.882/99 a ADPF deve recair sobre ato do Poder
Público, não mais suscetível de alterações. A Proposta de
Emenda à Constituição não se insere na condição de ato
do Poder Público pronto e acabado, porque ainda não foi
ultimado o seu ciclo de formação. O inciso I, do parágrafo
único, do artigo 1º da Lei 9.882/99 refere-se
expressamente a lei ou ato normativo e não à Proposta de
Emenda à Constituição.
Assim, conclui-se não ser cabível a argüição de
descumprimento de preceito fundamental contra Proposta
de Emenda Constitucional
Cabe ADPF em face
de Súmula
Vinculante?
Caso Concreto
A Associação Brasileira de Loterias Estaduais propõe
uma arguição de descumprimento de preceito
fundamental a fim de obter a interpretação correta a
ser emprestada à Súmula Vinculante nº 2 e no
tocante à exploração dos serviços lotéricos pelos
Estados. Pretende obter do STF o reconhecimento da
competência dos Estados membros, para a
exploração de loterias no âmbito de seus territórios,
sob pretexto de que a edição da SV nº 02 teria dado
azo ao descumprimento de preceitos fundamentais.
Responda, fundamentadamente, se o processo
merece trânsito.
STF, AgRg na ADPF nº 147
AGRAVO REGIMENTAL NA ADPF. SÚMULA VINCULANTE
N. 2 DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL:
INCONSTITUCIONALIDADE DE LEI OU ATO NORMATIVO
ESTADUAL OU DISTRITAL QUE DISPONHA SOBRE
SISTEMAS DE CONSÓRCIOS E SORTEIOS, INCLUSIVE
BINGOS E LOTERIAS. INTERPRETAÇÃO.
1. A exploração de loterias não se enquadra nas
atividades inerentes ao Poder Público.
2. A arguição de descumprimento de preceito
fundamental não é a via adequada para se obter a
interpretação, a revisão ou o cancelamento de
súmula vinculante. 3. Agravo regimental ao qual se
nega provimento.
Conceito de
Preceito
Fundamental
Conceito de Preceito Fundamental

Não há definição legal ou mesmo do


próprio STF
Conceito aberto
Base para a interpretação das
demais normas constitucionais
Conceito de Preceito Fundamental
Princípios fundamentais da república
Direitos e garantias fundamentais
Princípios constitucionais sensíveis
Clausulas Pétreas
Princípios da Administração Pública
(Art. 37)
Princípios relativos a Ordem
Econômica
Meio Ambiente
Deve haver nexo de causalidade entre a
lesão a preceito fundamental e o ato do
Poder Público
Princípio da
Subsidiariedade
Princípio da Subsidiariedade
Art. 4º A petição inicial será indeferida
liminarmente, pelo relator, quando não for
o caso de argüição de descumprimento de
preceito fundamental, faltar algum dos
requisitos prescritos nesta Lei ou for
inepta.
§ 1º Não será admitida argüição de
descumprimento de preceito fundamental
quando houver qualquer outro meio
eficaz de sanar a lesividade.
ADPF 33
Princípio da subsidiariedade (art. 4o ,§1o, da Lei
no 9.882/99): inexistência de outro meio eficaz
de sanar a lesão, compreendido no contexto da
ordem constitucional global, como aquele apto a
solver a controvérsia constitucional relevante de
forma ampla, geral e imediata.
14. A existência de processos ordinários e
recursos extraordinários não deve excluir, a
priori, a utilização da argüição de
descumprimento de preceito fundamental, em
virtude da feição marcadamente objetiva dessa
ação."
Caso Concreto
Determinados partidos políticos da base de
sustentação do governo propõem ADPF que tem por
objeto central analisar a compatibilidade entre o rito
de impeachment de Presidente da República previsto
na Lei nº 1.079/1950 e a Constituição de 1988. Alguns
partidos de oposição foram admitidos como amicus
curiae no procedimento. Esses partidos alegam que a
ADPF não deve ser conhecida, uma vez que
Mandado de Segurança seria suficiente para sanar
eventuais irregularidades.
Caso Concreto
Sustentam ainda que, ao ditar as regras para o
procedimento, o papel da Corte se transmudaria em
mero órgão consultivo, rebaixando assim sua função
constitucional. Por fim, alegam que o Requerente
buscaria, "por via transversa", a declaração de
inconstitucionalidade de dispositivos dos Regimentos
Internos de ambas as Casas do Poder Legislativo da
União, o que supostamente só seria impugnável por
ação direta de inconstitucionalidade Responda,
fundamentadamente, se a ação merece trânsito.
ADPF 378 MC / DF
1. A presente ação tem por objeto central analisar a
compatibilidade do rito de impeachmentde Presidente da
República previsto na Lei nº 1.079/1950 com a
Constituição de 1988. A ação é cabível, mesmo se
considerarmos que requer, indiretamente, a declaração de
inconstitucionalidade de norma posterior à Constituição e
que pretende superar omissão parcial inconstitucional.
Fungibilidade das ações diretas que se prestam a
viabilizar o controle de constitucionalidade abstrato e em
tese. Atendimento ao requisito da subsidiariedade,
tendo em vista que somente a apreciação cumulativa
de tais pedidos é capaz de assegurar o amplo
esclarecimento do rito do impeachment por parte do
STF
ADPF 378 MC / DF
Se considerarmos que o direito ao devido processo
legislativo possui estatura constitucional, então a via
objetiva parece ser a mais promissora para equacionar as
dificuldades identificadas acima. Uma ação, em especial,
parece ajustar-se bem a esse propósito: a Arguição de
Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF).
O recurso à ADPF resolve, de imediato, os problemas
apontados acima. Seu caráter objetivo, em princípio, afasta
a possibilidade de desistência, converte os potenciais
problemas referentes a litisconsórcio em possíveis
contribuições de amicus curiae, e assegura estabilidade à
ação ainda que o partido político que a tenha proposto
venha a perder representação no Congresso Nacional
ADPF 378 MC / DF
Além disso - e mais importante - na hipótese de o
processo legislativo questionado concluir-se
antes do julgamento da ação, ele poderá
prosseguir normalmente, quando muito com sua
conversão em ação direta de
inconstitucionalidade, tendo em vista a
fungibilidade de ambas
ADPF 378 MC / DF
A meu ver, também acredito ser inconsistente
juridicamente a alegação de que o Requerente
buscaria, "por via transversa", a declaração de
inconstitucionalidade de dispositivos dos Regimentos
Internos de ambas as Casas do Poder Legislativo da
União, o que supostamente só seria impugnável por
ação direta de inconstitucionalidade. Isso porque o
objeto da presente arguição é a Lei 1.079/50, que
dispõe sobre os crimes de responsabilidade, e foi
promulgada sob a égide da Constituição da República
de 1946. Trata-se, portanto, de um juízo de recepção
sobre diploma legislativo anterior à ordem
constitucional atual.
Cabimento da ADPF
Objeto da ADPF
Cabível como arguição autônoma
(direta) e como arguição incidental
Arguição Incidental
Arguição Incidental
Art. 1º Lei nº 9.882/99
Deve-se comprovar a controvérsia judicial
relevante na aplicação do ato normativo
que viola preceito fundamental
pressupostos específicos da
ADPF incidental
relevância do fundamento da controvérsia
constitucional: para que haja a ADPF
incidental é necessário que a controvérsia seja
de repercussão geral, que transcenda o
interesse das partes do litígio originário.
lei ou ato normativo federal, estadual ou
municipal, inclusos os anteriores a C.Fna
ADPF incidental será cabível apenas contra
atos de cunho normativo.
DIFERENÇAS ENTRE A ARGUIÇÃO
AUTÔNOMA E A ARGUIÇÃO INCIDENTAL
Arguição autônoma Arguição Incidental
(direta ou principal) (paralela ou incidente processual de
constitucionalide)

Previsão: Lei 9882/99 - art. 1º, caput Previsão: Lei 9882/99 - art. 1º, §ú, I *

Processo originário - Há processo pré-existente em qualquer


Juízo ou Tribunal;
- Gera suspensão do processo originário

Objeto: evitar ou reparar lesão a preceito Objeto: dirimir controvérsia constitucional


fundamental relevante sobre lei ou ato normativo

O ato atacado pode ter natureza omissiva ou O ato atacado só pode ter natureza
comissiva comissiva

Controle de constitucionalidade concentrado e Controle de constitucionalidade


abstrato concentrado e concreto
Competência para
julgar
Competência para julgar
Apenas o STF
Legitimidade Ativa
Legitimação Ativa – Mesma da Adin
Art. 103. Podem propor a ação direta de inconstitucionalidade e a ação
declaratória de constitucionalidade:

I - o Presidente da República;
II - a Mesa do Senado Federal;
III - a Mesa da Câmara dos Deputados;
IV - a Mesa de Assembléia Legislativa ou da Câmara Legislativa do Distrito
Federal;
V - o Governador de Estado ou do Distrito Federal;
VI - o Procurador-Geral da República;
VII - o Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil;
VIII - partido político com representação no Congresso Nacional;
IX - confederação sindical ou entidade de classe de âmbito nacional

Obs: Pertinência Temática.


Rito da ADPF
Rito da ADPF
ADPF poderá ser preventiva ou
repressiva

A ADPF poderá ser autônoma (para


controle abstrato) ou incidental
(nesse caso deve se comprovar a
divergência jurisprudencial)

No mais o rito é igual ao da ADIn


Petição Inicial
A petição inicial deverá conter:
a indicação do preceito fundamental que se
considera violado;
a indicação do ato questionado;
a prova da violação do preceito fundamental;
o pedido, com suas especificações;
se for o caso, a comprovação da existência de
controvérsia judicial relevante sobre a aplicação
do preceito fundamental que se considera
violado.
Indeferimento liminar da
petição inicial
Art. 4o A petição inicial será indeferida
liminarmente, pelo relator, quando não for o
caso de argüição de descumprimento de
preceito fundamental, faltar algum dos requisitos
prescritos nesta Lei ou for inepta.
§ 1o Não será admitida argüição de
descumprimento de preceito fundamental
quando houver qualquer outro meio eficaz de
sanar a lesividade.
§ 2o Da decisão de indeferimento da petição
inicial caberá agravo, no prazo de cinco dias.
Liminar
Por maioria absoluta
Em caso de extrema urgência ou perigo de lesão
grave, ou ainda, em período de recesso, poderá o
relator conceder a liminar, ad referendum do Tribunal
Pleno.
§ 3o A liminar poderá consistir na determinação de
que juízes e tribunais suspendam o andamento de
processo ou os efeitos de decisões judiciais, ou de
qualquer outra medida que apresente relação com a
matéria objeto da argüição de descumprimento de
preceito fundamental, salvo se decorrentes da coisa
julgada.
LIMINAR
Liminar: poderá consistir na determinação
para que juízes e tribunais suspendam o
andamento de processos ou os efeitos de
decisões judiciais, ou de qualquer outra
medida que apresente relação com a
matéria objeto da arguição, salvo
decorrentes de coisa julgada.
Rito da ADPF
Pedido de informações às autoridades responsáveis
pela prática do ato questionado, no prazo de dez dias.
Se entender necessário, poderá o relator ouvir as partes
nos processos que ensejaram a argüição, requisitar
informações adicionais, designar perito ou comissão de
peritos para que emita parecer sobre a questão, ou
ainda, fixar data para declarações, em audiência
pública, de pessoas com experiência e autoridade na
matéria.
Poderão ser autorizadas, a critério do relator,
sustentação oral e juntada de memoriais, por
requerimento dos interessados no processo.
Procedimento
Informações das autoridades – 10 dias
Poderá ouvir AGU
PGR
Poderá ouvir partes nos processos que ensejaram a
argüição, requisitar informações adicionais, designar
perito – ADPF 54.
Poderá fixar data para audiência pública – ADPF 1010
Poderá ouvir amicus curiae, em razão de relevância
da matéria e representatividade dos postulantes
(ADPF 33, 46,73,132,183, 205)
Efeitos da ADPF
Efeitos da ADPF
Erga Omnes

Ex Tunc

Vinculante

Modulável

Classificação da ADPF
Fungibilidade
ADPF – ADI
Fungibilidade ADPF – ADI
A ADPF pode ser conhecida como ADI, em
razão da subsidiariedade da primeira (ADPF
72, ADPF 143, ADPF 178)

A ADI também pode ser reautuada como ADPF


“É lícito conhecer ADI como ADPF, quando
coexistentes todos os requisitos de
admissibilidade desta, em caso de
inadmissibilidade daquela (ADI 4163)
Fungibilidade ADPF – ADI
Deve haver dúvida razoável
Possibilidade de fungibilidade quando há
alteração superveniente de normas
constitucionais
E se há erro grosseiro?
A fungibilidade NÃO é admitida – ADPF
158, ADPF 134
ADI 2.231-8.
Pendente de
julgamento
alegações de
inconstitucionalidade da ADPF
Generalidade da formulação do parágrafo único do
art. 1º
Esse dispositivo autorizaria, além da argüição
autônoma de caráter abstrato, a argüição incidental
em processos em curso, a qual não poderia ser
criada pelo legislador ordinário, mas, tão-só, por via
de emenda constitucional
ADPF 77
referendou medida cautelar deferida pelo
ministro Sepúlveda Pertence, então relator da
ADPF 77, suspendendo todos os processos na
justiça do país que envolvam a discussão da
legalidade do artigo 38 da Lei 8.880/94, que
estabeleceu a Unidade Real de Valor (URV),
no escopo do Plano Real. Por meio da ADPF, a
Confederação Nacional do Sistema Financeiro
(Consif) pretende que o STF declare a
constitucionalidade desse dispositivo.
ADPF 79
2. AÇÃO OU ARGUIÇÃO DE DESCUMPRIMENTO DE
PRECEITO FUNDAMENTAL - ADPF. Liminar concedida.
Suspensão de processos e efeitos de sentenças. Servidor
público. Professores do Estado de Pernambuco. Elevação
de vencimentos com base no princípio da isonomia. Casos
recobertos por coisa julgada material ou convalidados por lei
superveniente. Exclusão da eficácia da liminar. Agravo
provido em parte e referendo parcial, para esse fim.
Aplicação do art. 5º, § 3º, in fine, da Lei federal nº 9.882/99.
Não podem ser alcançados pela eficácia suspensiva de
liminar concedida em ação de descumprimento de preceito
fundamental, os efeitos de sentenças transitadas em julgado
ou convalidados por lei superveniente.
Análise da jurisprudência
do STF sobre a ADPF
contra ato judicial
Análise da jurisprudência do STF
sobre a ADPF contra ato judicial
Luís Roberto Barroso: os atos judiciais, como regra
geral deverão eles ser impugnados mediante os
recursos cabíveis, portanto, será necessário esgotá-
los sem sucesso para ingressar com ADPF (caráter
subsidiário da ADPF).

Entretanto, em casos graves de erro in procedendo e


in iudicando, com ameaça de lesão a preceito
fundamental e havendo relevância na controvérsia
constitucional, não sendo possível produzir o
resultado constitucionalmente adequado pelos
mecanismos do processo subjetivo, será possível
cogitar o cabimento de ADPF.
Análise da jurisprudência do STF
sobre a ADPF contra ato judicial
Gilmar Mendes: duas possibilidades de cabimento da
ADPF contra ato judicial, oriundas da jurisprudência
alemã:
(i) lesão a preceito decorrente de mera interpretação
judicial
(ii) contrariedade à Constituição decorrente de
decisão judicial sem base legal
Controle de
Constitucionalidade pelos
Tribunais Estaduais
Art. 125 § 2º CRFB
Compete "ao Estado a instituição de
representação de inconstitucionalidade de
leis ou atos normativos estaduais ou
municipais em face da constituição
estadual, vedada a atribuição da
legitimação para agir a um único órgão".
Representação de
Inconstitucionalidade (ADI Estadual)
Base no princípio da Simetria
Objeto: somente leis estaduais e municipais
face à Constituição Estadual

ADI 347: É pacífica a jurisprudência do STF,


antes e depois de 1988, no sentido de que não
cabe a tribunais de justiça estaduais exercer o
controle de constitucionalidade de leis e demais
atos normativos municipais em face da CF.
ADI 209, ADI 5.089 AgR
Em se tratando de lei municipal, o controle de
constitucionalidade se faz pelo sistema difuso –
e não concentrado –, ou seja, apenas no
julgamento de casos concretos, com
eficácia inter partes, e não erga omnes, quando
confrontado o ato normativo local com a CF. O
controle de constitucionalidade concentrado,
nesse caso, somente será possível, em face da
Constituição dos Estados, se ocorrente a
hipótese prevista no § 2º do art. 125 da CF.
Representação de
Inconstitucionalidade (ADI Estadual)
O TJ Estadual NÃO pode realizar controle
concentrado de lei federal, seja em face da CRFB ou da
CE

O TJ Estadual NÃO pode realizar controle abstrato em


face da CRFB

A constitucionalidade de lei federal, ou de lei estadual


/ municipal em face da CRFB só pode ser feita pelo TJ
em Controle Difuso
Representação de
Inconstitucionalidade (ADI Estadual)

Base no princípio da Simetria

Até que ponto o princípio da simetria deve ser


seguido? O estado pode implementar outros
meios de controle? Ex ADPF Estadual?
Caso Concreto
O Procurador-Geral do Estado do Rio de Janeiro ajuizou
Representação de Inconstitucionalidade junto ao Tribunal
de Justiça, figurando como representada a Assembleia
Legislativa do Estado do Rio de Janeiro e tendo como
objeto a Lei Estadual nº 4.901/2006, que disciplina a
instalação de medidores de água, eletricidade, telefonia e
gás.
O representante amparou-se no art. 162 da Constituição
Estadual e aduziu, como causa de pedir, que a lei
impugnada extrapolou os limites da competência estadual,
por ser competência privativa da União legislar sobre
eletricidade e telefonia, na forma do art. 72 da
Constituição Estadual e do art. 22, inciso IV, da
Constituição Federal.
Caso Concreto
Pergunta-se:
a) Qual a espécie de controle de constitucionalidade
exercido pelo Tribunal de Justiça em sede de
Representação de Inconstitucionalidade?
b) Deve ser acolhida a pretensão do representante?
Respostas objetivamente justificadas.
TJRJ. 0030618-16.2006.8.19.0000
(2006.007.00161)
REPRESENTAÇÃO DE INCONSTITUCIONALIDADE.
LEI ESTADUAL EM TESE CONFRONTADA COM A
CONSTITUIÇÃO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO.
JURISPRUDÊNCIA DO STF QUE É FIRME NO
SENTIDO DE QUE O PARADIGMA A SER
UTILIZADO PARA A DECLARAÇÃO DE
INCONSTITUCIONALIDADE PERANTE O TRIBUNAL
DE JUSTIÇA ESTADUAL EM SEDE DE CONTROLE
ABSTRATO DE CONSTITUCIONALIDADE É
UNICAMENTE A CONSTITUIÇÃO DO ESTADO, À
EXCEÇÃO DAS NORMAS DE REPRODUÇÃO
OBRIGATÓRIA.
TJRJ. 0030618-16.2006.8.19.0000
(2006.007.00161)
JULGAMENTO DE RECLAMAÇÃO NO STF QUE
ASSENTOU A USURPAÇÃO DE COMPETÊNCIA DO
SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL POR ESTA
DEMANDA, JÁ QUE O CONFRONTO DO ATO
NORMATIVO IMPUGNADO COM A CONSTITUIÇÃO
DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SÓ FOI
POSSÍVEL APÓS O EXAME DA NORMA À LUZ DO
ART. 22, IV, DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL.
TJRJ. 0030618-16.2006.8.19.0000
(2006.007.00161)
FALTA DE CONDIÇÃO DA AÇÃO, POIS
JURIDICAMENTE IMPOSSÍVEL A DEMANDA
AJUIZADA NO TRIBUNAL DE JUSTIÇA ESTADUAL,
VISANDO A DECLARAÇÃO DE
INCONSTITUCIONALIDADE DE LEI CUJO
PARADIGMA É A CONSTITUIÇÃO FEDERAL.
EXTINÇÃO DA REPRESENTAÇÃO SEM
RESOLUÇÃO DO MÉRITO, NA FORMA DO ART.
267, VI, CPC.
Caso Concreto
Deputado Estadual propõe representação de
inconstitucionalidade em face de lei estadual, que
instituiu o Bilhete Único nos Serviços de Transportes
Coletivo Intermunicipal de Passageiros na Região
Metropolitana do Estado do Rio de Janeiro, sob a
alegação de que a legislação impugnada permite a
apropriação indevida dos créditos dos usuários não
utilizados, por parte do Estado, uma vez que, segundo a
norma, quando os usuários do sistema de transportes
efetuam a recarga do seu cartão pré-pago (Bilhete
Único), terão prazo de validade de 1 (um) ano, a contar
da sua aquisição, para utilização dos mesmos, sob pena
de perda do crédito remanescente.
Caso Concreto
Alega que o TCE instaurou o Relatório de Auditoria
Governamental, no qual apontou uma série de
irregularidades, entre elas que o Estado se apropriou
indevidamente dos créditos dos usuários em
montante extremamente elevado ao longo de alguns
anos e que ele próprio apresentou projeto de lei com
o objetivo de suprimir a legislação impugnada, mas
que até o presente não conseguiu que o mesmo
entrasse em pauta.
Caso Concreto
Em resumo, o Representante alega a contrariedade
da Lei impugnada à CR, ao CC, a Lei 12.527/11 e ao
CDC, apenas mencionando na parte conclusiva da
peça inicial (apresentação dos pedidos liminar e final),
suposta violação aos arts. 5º e 77 da CERJ.
Responda, fundamentadamente, se a representação
merece trânsito.
0000292-24.2016.8.19.0000
Representação por inconstitucionalidade. Objeto de
controle: artigo 19 e seus §§ 1º e 2º da Lei Estadual n.
5.628, de 29 de dezembro de 2009.
Inexistência de indicação de parâmetro na
Constituição Estadual. Cabimento que não contempla
a verificação da incompatibilidade de legislação
estadual em face da Constituição da República (Carta
Federal) e nem da legislação infraconstitucional.
Necessidade legal da indicação dos fundamentos
jurídicos na petição inicial, embora não fique o Órgão
Julgador adstrito a eles na apreciação que faz da
constitucionalidade dos dispositivos questionados
(causa petendi aberta).
0000292-24.2016.8.19.0000
No caso, o representante sequer estabeleceu a
relação de antagonismo da legislação de menor
positividade jurídica e o texto da Constituição
Estadual, além de não fundamentar as razões da
pretensão de suposta inconstitucionalidade.
Indeferimento da petição inicial com a consequente
extinção do processo sem análise de seu mérito, com
fulcro nos artigos 330, I e § 1º c/c 485, I do
Normas de
reprodução
Compulsória
Normas de reprodução
Compulsória
Matérias que são de observância obrigatória
Não há possibilidade do estado inovar
Forma, sistema e regime de governo
Separação de poderes
Direitos fundamentais
Processo legislativo
Competências legislativas
Processo eleitoral, imunidades eleitorais
Princípios constitucionais sensíveis
Normas de imitação
Normas de imitação
Estados membros possuem liberdade para
inovar, mas optam por seguir aquilo que a
CRFB determina
EX: art 70, pu, Constituição de Alagoas
“membros da Mesa Diretora (da Assembléia
Legislativa) cumprirão mandato de dois anos,
vedada a reeleição, para o mesmo cargo, na
eleição imediatamente subseqüente”
Norma Duplicada
Norma Duplicada
Regra contida na Constituição do Estado
e na CRFB
Artigo da CE que remete à CRFB –
técnica de remissão
A remissão normativa incorpora o artigo
da CRFB ao texto da Constituição do
Estado (STF, Rcl 10.500)
RE 598.016 AgR
A omissão da Constituição estadual não
constitui óbice a que o Tribunal de Justiça
local julgue a ação direta de
inconstitucionalidade contra lei municipal
que cria cargos em comissão em
confronto com o art. 37, V, da CB, norma
de reprodução obrigatória.
Legitimados Ativos
Legitimados Ativos
Simetria com o art. 103 CRFB

Não é possível atribuir a legitimação ativa


a um único órgão

O Estado pode ampliar a legitimação?


ADI 119
Não é inconstitucional norma da Constituição do Estado que
atribui ao procurador da Assembleia Legislativa ou,
alternativamente, ao procurador-geral do Estado, a
incumbência de defender a constitucionalidade de ato
normativo estadual questionado em controle abstrato de
constitucionalidade na esfera de competência do Tribunal de
Justiça.
ADI 119
Previsão que não afronta a CF, já que ausente o dever de
simetria para com o modelo federal, que impõe apenas a
pluralidade de legitimados para a propositura da ação (art. 125,
§ 2º, CF/1988). Ausência de ofensa ao art. 132 da Carta
Política, que fixa a exclusividade de representação do ente
federado pela Procuradoria-Geral do Estado, uma vez que nos
feitos de controle abstrato de constitucionalidade nem sequer
há partes processuais propriamente ditas, inexistindo litígio na
acepção técnica do termo.
RE 261.677/PR
“Esse Supremo Tribunal Federal, ao interpretar o
parágrafo 2º do art. 125 da Constituição da República,
nos autos da ADI(MC) nº 558, posicionou-se no sentido
de que a única limitação contida nessa norma é a
proibição de legitimação para agir a um único órgão, e
negou o pedido de medida cautelar para suspender o
art. 159 da Constituição do Estado do Rio de Janeiro, na
parte em que conferia legitimidade às comissões
permanentes e aos membros da Assembléia Legislativa
e ao Procurador-Geral do Estado e ao Procurador-Geral
da Defensoria Pública para propor representação de
inconstitucionalidade de ato ou lei normativo estadual ou
federal em face da Constituição do Estado.”
Caso Concreto

Responda, fundamentadamente, em no máximo 15


(quinze) linhas, se a Constituição Estadual pode
prever a legitimidade de um Partido Político sem
representação na Assembléia Legislativa, para a
proposição de representação de
inconstitucionalidade.
RE 412921 AgR / MG
I - A exigência do art. 125, § 2º, da Constituição
Federal, pertinente aos legitimados para a
representação de inconstitucionalidade de leis ou atos
normativos estaduais ou municipais em face da
Constituição Estadual, é que a Carta Estadual não os
restrinja a um único órgão legitimado. Precedente.
II - No julgamento da ADI 4.048-MC/DF, Rel. Min.
Gilmar Mendes, esta Corte admitiu o exercício de
controle abstrato de leis de efeitos concretos.
III - A prorrogação não razoável de concessão de
serviço público ofende a exigência constitucional de
que ela deve ser precedida de licitação pública.....” .
RE 412921 AgR / MG
VOTO: A exigência do art. 125, § 2º, da CF,
pertinente aos legitimados para a representação de
inconstitucionalidade ou atos normativo estaduais ou
municipais em face da Constituição Estadual é que a
Carta Estadual não os restrinja a um único órgão
legitimado.
No âmbito estadual, o quadro de autorizados para a
instauração do processo de controle concentrado de
constitucionalidade, exercido pelos tribunais de justiça
com base no dispositivo citado, pode se ampliado
para além daquele previsto no art. 103, VIII da CF.
Assim, é permitido à Constituição Estadual prever
partido político, ainda que em representação no Poder
RE 412921 AgR / MG
Assim, é permitido à Constituição Estadual prever
partido político, ainda que em representação no Poder
Legislativo local, como legitimado para a mencionada
representação de inconstitucionalidade....” .
Legitimados Ativos
no RJ
CERJ, Art. 162
Governador do Estado
Mesa, por Comissão Permanente ou pelos membros
da Assembléia Legislativa
Procurador-Geral da Justiça
Procurador-Geral do Estado
Defensor Público Geral do Estado
CERJ, Art. 162
Prefeito Municipal
Mesa de Câmara de Vereadores
Conselho Seccional da Ordem dos Advogados do
Brasil
Partido político com representação na Assembléia
Legislativa ou em Câmara de Vereadores
Federação sindical ou entidade de classe de âmbito
estadual.
Pode entidade de classe de
âmbito nacional propor
representação de
inconstitucionalidade perante
TJRJ?
TJRJ, 2006.007.00034, Rel.
Des. Nagib Slaib Filho
TJRJ, 2006.007.00034, Rel.
Des. Nagib Slaib Filho
Competência para
Julgamento
Competência para Julgamento
TJ local
RE 599.633 AgR
O artigo 125, § 2º, da Constituição do Brasil
estabelece caber aos Estados instituir a
representação de inconstitucionalidade das leis ou
atos normativos estaduais ou municipais em face da
Constituição estadual, circunstancia que leva a
conclusão de que o controle de constitucionalidade
estadual -- com exceção apenas da interposição de
RE por violação de norma de repetição obrigatória da
Constituição do Brasil -- encerra-se no âmbito da
jurisdição dos Tribunais de Justiça locais.
CERJ
Art. 161 - Compete ao Tribunal de Justiça:

IV - processar e julgar originariamente: a)


a representação de inconstitucionalidade
de lei ou ato normativo, estadual ou
municipal, em face da Constituição
Estadual;
Princípio da
Reserva de Plenário
CERJ
Art. 159 - Somente pelo voto da maioria
absoluta de seus membros ou de
membros do respectivo órgão especial
poderão os tribunais declarar a
inconstitucionalidade de lei ou ato
normativo do Poder Público.
Rito na CERJ
Art. 162
§ 1º - O Procurador-Geral da Justiça deverá ser
previamente ouvido nas ações de
inconstitucionalidade.

§ 3º - Quando não for o autor da representação de


inconstitucionalidade, o ProcuradorGeral do Estado
nela oficiará.
Art. 162
§ 2º - Declarada a inconstitucionalidade, por omissão
de medida para tornar efetiva norma constitucional,
será dada ciência ao Poder competente para adoção
das providências necessárias e, em se tratando de
órgão administrativo, para fazê-lo em 30 (trinta) dias.

§ 4º - Declarada a inconstitucionalidade, a decisão


será comunicada a Assembléia Legislativa ou a
Câmara Municipal.
O Procurador Geral de Estado pode fazer
o papel da AGU, defendendo a norma
O mesmo papel pode ser exercído pelo
Procurador da Assembleia Legislativa ou
mesmo pelo Procurador Geral do Estado
(ADI 119)
Processos
Simultâneos
Processos Simultâneos
Normas estaduais atacadas tanto por ADI
no TJ e no STF
Controle estadual será suspenso,
aguardando a posição do STF (ADI 4.138)
Extinção de ADI contra
norma julgada
inconstitucional pelo TJ
Extinção de ADI contra norma
julgada inconstitucional pelo TJ
ADI 5678, julgada em 05/07/2017
ADI extinta em razão da perda de objeto
Após o ajuizamento da ação no Supremo, contudo, o TJ-RR,
em sede de controle concentrado, declarou a
inconstitucionalidade das normas questionadas.
Min. Luiz Fux: a decisão em ação direta de
inconstitucionalidade, ainda que no âmbito estadual, gera
efeitos para todos, de modo que a procedência do pedido retira
a lei inconstitucional do mundo jurídico.
Consequentemente se torna impossível o exercício da
jurisdição constitucional sobre normas que não mais
subsistem.
Recurso
Extraordinário
Recurso Extraordinário
Hipótese de norma de reprodução
obrigatória / compulsória pelos estados
Há violação da CRFB e da CE

Cabimento de controle difuso, com possível


efeito erga omnes (Rcl 383, RE 187.142)

Não caberia Recurso Extraordinário para


normas de imitação
Inconstitucionalidade
da CE
Inconstitucionalidade de artigo
da CE detectada na AI Estadual
O TJ pode conhecer a ADI Estadual e
suscitar ex officio a inconstitucionalidade
da própria Constituição Estadual
Causa de pedir aberta

Desta decisão cabe RE