Você está na página 1de 19

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

FACULDADE DE BIBLIOTECONOMIA E COMUNICAÇÃO


CURSO DE BIBLIOTECONOMIA

Ana Carolina Raimundo


Carla Chaves
Luciana Monteiro
Nalin Ferreira
Natália Gastaud

OLEGÁRIO TRIUNFO:
Biografia

Porto Alegre
2008
1

Ana Carolina Raimundo


Carla Chaves
Luciana Monteiro
Nalin Ferreira
Natália Gastaud

OLEGÁRIO TRIUNFO:
Biografia

Trabalho apresentado como requisito parcial


para aprovação na Disciplina de Fontes Gerais
de Informação, do curso de Biblioteconomia.
Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação.
Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Orientador: Prof.: Jussara Santos

Porto Alegre
2008
2

AGRADECIMENTOS

Gostaríamos de agradecer à Ivanise Machado, filha de Vanius Olegário, pois


nos concedeu uma entrevista, fotos do artista e nos abriu as portas de casa para
mostrar os trabalhos do pai.
Nosso agradecimento à equipe da Biblioteca Pública Coronel João Maia, de
Triunfo, e em especial à equipe da biblioteca, chefiada pela diretora Sandra
Essvaim, que nos prestaram informações, e nos acompanharam na entrevista.
À Câmara de Vereadores de Triunfo, que nos guiou no recinto para mostrar
os quadros do artista que foram comprados pela Câmara.
À Ângela Koeber, que nos forneceu informações sobre Olegário Triunfo, além
de quadros feitos pelo artista, para que pudéssemos mostrar em aula.
Ao grupo da personalidade Lauro Franco, que nos forneceu foto do jazigo do
biografado.
À cidade de Triunfo, que nos recepcionou tão carinhosamente.
3

"Ser filho de Triunfo tem dois momentos: antes e


depois do Pólo Petroquímico. Antes, o pessoal
tinha vergonha de dizer que era de Triunfo. Mas
eu, mesmo antes do Pólo, sempre tive orgulho de
dizer que era de Triunfo."

Vânius Olegário Triunfo (1934 - 2001)


4

RESUMO

Apresenta a proposta do trabalho de biografar uma personalidade da cidade de


Triunfo, no Rio Grande do Sul. Focaliza na biografia do artista plástico Olegário
Triunfo, sendo que esta foi dividida em: Família (onde é explorado o casamento e o
amor pela mulher), Político (a prisão durante a Ditadura Militar e o período como
vereador), Artista (aborda o início da carreira, os temas, exposições) e Triunfense
(onde mostra o amor pela cidade). Por fim, apresenta as conclusões, depoimentos,
homenagens e algumas obras do artista.
Vanius Olegário Machado nasceu na década de trinta, na cidade de triunfo, Onde
residiu com sua família e manteve seu atelier. Pintor autodidata, foi atraído pela
pintura e escultura desde criança. Adotou o nome de sua cidade natal como nome
artístico. Foi também vereador, lutando sempre pela conservação do patrimônio
cultural e artístico existente na cidade.

PALAVRAS-CHAVE: Olegário Triunfo. Artista Plástico. Município de Triunfo.


5

ABSTRACT

The purpose of this paper is to biography a personality of Triunfo's city, at Rio


Grande do Sul. Focusing on the biography of Olegário Triunfo , an artist, which was
divided in: Family (where the marriage and the love for his wife are exploited),
Political (the prison during the military dictatorship and his period being alderman),
and Triunfense (where is noticed his love for the city), Artist (the beggining of his
career, the paintings and expositions). Finally, it presentes the conclusions,
tesminonials, tributes and some works of the artist.

KEYWORDS: Olegario Triunfo. Artist. Triunfo’s City.


6

SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO ........................................................................................................ 7
2 BIOGRAFIA DE OLEGÁRIO TRIUNFO ................................................................. 8
2.1 A Família ............................................................................................................. 8
2.2 O Político .......................................................................................................... 10
2.3 O Triunfense ..................................................................................................... 11
2.4 O Artista ............................................................................................................ 11
3 CONCLUSÃO ....................................................................................................... 14
ANEXO A ................................................................................................................ 16
ANEXO B ................................................................................................................ 17
ANEXO C ................................................................................................................ 18
7

1 INTRODUÇÃO

O presente trabalho, elaborado para a disciplina de Fontes Gerais de


Informação no semestre de 2008/2, consta da elaboração de uma biografia de uma
personalidade da cidade de Triunfo, Rio Grande do Sul.
A viagem para cidade ocorreu no dia 2 de outubro de 2008. Durante a viagem
recebemos o nome do personagem que deveríamos biografar, e sobre o qual
deveríamos colher informações de fontes pessoais, institucionais, documentais,
bibliográficas e reália.
A partir de uma fonte pessoal o grupo planejou uma estratégia, para que
buscas em outras fontes fossem feitas, assim foi composta a biografia de Vânius
Olegário Machado, artista plástico, conhecido como Olegário Triunfo.
8

2 BIOGRAFIA DE OLEGÁRIO TRIUNFO

ILUSTRAÇÃO 1: Olegário Triunfo


Fonte: Acervo de Ivanise Machado

Filho de Olavo de Andrade Machado, exator estadual, e Selma Olegário


Machado, do lar, Vânius Olegário Machado nasceu na cidade de Triunfo, Rio
Grande do Sul, em 10 de maio de 1934.
Faleceu aos 67 anos em 23 de julho de 2001, à noite, no Hospital São
Francisco, em Porto Alegre. Muitos amigos e autoridades locais acompanharam o
sepultamento de Olegário Triunfo pela cidade, que teve cortejo funerário percorrido
pelos amigos e familiares presentes juntamente com a Banda Municipal.

2.1 A Família

Conheceu a esposa, Tereza Pereira Machado, quando esta tinha apenas 12


anos e morava na Olaria, em Triunfo. A diferença de idade não impediu o romance
(Vanius tinha na época 19 anos), e o casamento ocorreu quatro anos mais tarde, em
18 de outubro de 1957.
Tiveram quatro filhos: Vanuza, Ivanise, Luiz Henrique e Luiz Augusto, e nove
netos, mas apesar da convivência com a arte, nenhum seguiu a carreira do pai ou
do avô.
9

ILUSTRAÇÃO 2: Casamento Vânius e Teresa Machado


Fonte: FREITAS, José. Na História do Rio Grande do Sul: Triunfo
1754. Porto Alegre: Meridional, 1963. V. 1.

Vânius Olegário era um homem caseiro, não gostava da vida social,


considerava sua casa como seu “paraíso”, mas apesar disto, gostava muito de
viajar, principalmente à Bahia e Rio de Janeiro. Nutria o sonho de algum dia morar
em Parati. Sua mulher Tereza sempre o acompanhava nestas viagens.
Sempre teve grande apreço por literatura, poesia, música, arte e história.
Olegário Triunfo mantinha um pequeno museu em sua casa, que continha
boleadeiras, espadas e armas com valor histórico, que, segundo o relato do próprio,
teriam sido usadas na Guerra dos Farrapos.
Sua casa sempre estava cheia, já que amigos de Triunfo, Porto Alegre ou
cidades vizinhas vinham visitá-lo a todo instante. Até hoje, turistas que vêm para
Triunfo perguntam onde fica a casa de Olegário Triunfo.
Tereza Machado faleceu em 1998, e depois disso, Olegário Triunfo não pintou
mais. Somente dois anos mais tarde, pintou um único quadro, onde representava
Nossa Senhora grávida. A pintura recebeu menção honrosa e ganhou prêmio no
concurso Jesus Cristo - Novo Milênio na mitra de Porto Alegre. Mais tarde o quadro
foi vendido.
A morte da esposa abalou profundamente o pintor, que sofria pela ausência da
esposa. Desejava ser enterrado ao seu lado, mas isto não foi possível. Quando o
pintor faleceu, não havia decorrido o tempo legal suficiente para que o túmulo fosse
aberto, por isso foi enterrado em outro lugar.
10

Na lápide de Tereza Machado, encontra-se um poema de autoria do próprio


Olegário, ao lado de um espaço para foto e epitáfio que permaneceram em branco.

Menina
Menina linda, linda menina, minha noiva meu grande Amor.
te conheci jovem ainda. companheira amada, minha luz.
Felicidade, Amor que não finda, minha Deusa, Meu tudo,
namoro, noivado, casamento minha lagrima, minha Paixão
nas nossas vidas, grandes momentos. Minha Virgem Maria
Meu sogro Bento, Minha Sogra Emídia Do tanto que te amo. As palavras
obrigado por terem me dado que te diria todos os Poetas do Mundo,
a Tereza minha esposa não inventaram
minha namorada, minha Santa, Ainda.

Hoje, a casa da família encontra-se a venda, mas a família tem o projeto de


transformá-la em uma Casa de Cultura, que abrigará as obras e resgatará a
trajetória o artista.

2.2 O Político

Em 1964, durante a Ditadura Militar, foi perseguido e preso durante um mês,


sob acusação de conduta subversiva e comunista, assim como ocorreu a diversos
artistas da época. Vânius Olegário contava então com trinta anos. A prisão ocorreu
em casa, sob os olhares da família. Ficou detido por 30 dias. Na prisão adquiriu uma
úlcera que o levaria à morte, anos depois.
Na época da anistia, entrou com processo e recebeu indenização por este
período em que esteve detido. O Estado do Rio Grande do Sul indenizou nos termos
da Lei n.º 11.042/97, completada pela Lei n.º 11.815/02, as pessoas que, presas ou
detidas, legal ou ilegalmente, por motivos políticos entre os dias 02 de setembro de
1961 e 15 de agosto de 1979.
A prisão não refletiu em sua arte, mas infelizmente afetou sua saúde pois além
da ulcera, teve que receber tratamento psicológico também. Tudo isto ocorreu antes
de começar a expor seu trabalho nos anos 70.
Vânius Olegário foi candidato e eleito vereador, pelo MDB, no município de
Triunfo em 1972, exercendo mandato entre 1973 e 1976. Sua maior preocupação
enquanto vereador sempre foi em relação à cultura. A maior festa cultural da cidade
11

– Semana Cívico Cultural de Triunfo – foi um projeto seu. Assim como a criação de
uma estrada asfaltada ligando o Pólo Petroquímico à Triunfo e o Camping da cidade.
Como vereador comprou brigas ao batalhar pela aprovação de um projeto seu
que propunha o tombamento dos prédios do Centro Histórico do município.

2.3 O Triunfense

A simpática e acolhedora Triunfo, terra do Gal. Bento Gonçalves e Qorpo


Santo, de aspecto colonial luso brasileira, foi fundada em 1754. Vânius Olegário
Machado adotou Triunfo no nome, não por acaso. Amava sua cidade, a
simplicidade e a pureza do interior, a calma que nela existe.
Livre de poluição, a bela Triunfo foi uma das mais importantes inspirações
para o artista, que relutava em fazer cursos para não perder a expontaneidade
criativa de seu trabalho.
"Quando estou fazendo um quadro, penso que é melhor mostrar para as
pessoas, presas em apartamentos e automóveis, a pureza do interior e a calma
que existe na minha cidade. [...] Eu quero mostrar a criança de pé no chão, o
misticismo, a crença em algo superior". (OLEGÁRIO apud AGLAUROS, 1982,
p.21). A religiosidade da pacata Triunfo e que não se vê mais na cidade grande é
motivo freqüente em seus retratos, nos casarios e procissões.
Até seu envolvimento político teve um fim na preservação da cultura e da
história de Triunfo. Mesmo depois de freqüentar o sofisticado meio artístico, não
deslumbrou-se, continuou simples e fortemente ligado às suas raízes, à sua
gente.
Um cidadão devotado, que preservou até o fim da vida a ingenuidade do
interior, o artista foi também autor do brasão da cidade, que estampou inclusive
na parede de sua própria casa.

2.4 O Artista

Pintor autodidata, exercitou seu talento artístico desde criança, com pequenos
projetos de aviões em madeira e desenhos. Na calçada em frente a casa da família,
12

passava horas desenhando nas lajes com um prego e um pequeno martelo que
ganhara do pai. Gostava de fazer pinturas gauchescas, com cavalos, bois e a figura
de gaúchos em couro.
Adotou Triunfo como nome artístico, como uma maneira de homenagear sua
cidade. É considerado símbolo da arte popular no estado.
Se descobriu artista com aproximadamente vinte anos, época em que era
funcionário público estadual e municipal. Pintava para os vizinhos, que sempre
escoltavam turistas e compradores até sua casa. Em uma dessas visitas que lhe
disseram que sua arte classificava-se como primitiva.
A grande chance aconteceu no começo dos anos 70, quando leu em um jornal
que o Museu de Belas Artes do Rio de Janeiro preparava um levantamento para
exposição de pintores primitivos e ingênuos do Brasil. Olegário veio para Porto
Alegre para mostrar seus quadros ao critico de arte Jaime Mauricio, que era o
responsável pela seleção no Estado. Hospedou-se no mesmo hotel que o critico, e
apresentou-se a ele. Todos os seus quadros foram selecionados e levados para a
exposição no Rio de Janeiro.
Com este incentivo, resolveu comprar um espaço no Mercado das Artes, no

Largo da Epatur, em Porto Alegre, para realizar sua primeira exposição. A partir dali

não parou mais de expor.


Recebeu apoio de personalidades como Tânia Carvalho, Tatata Pimentel,
Danúbio Gonçalves, Roberto Gigante, Paulo Santana, Gasparoto, entre outros.
Diversos artistas eram amigos do pintor e costumavam freqüentar sua casa.
Retratava, a vida em sua mais simples expressão, temas como crianças, vacas,
cachorros, procissões e o casas açorianas de sua terra natal. Mais conhecido por
sua faceta de pintor naïf1, Olegário Triunfo era, também, escultor, historiador e
poeta. Os poemas tinham como temas recorrentes a cidade de Triunfo, a família e
seu trabalho.
Confeccionou troféus para a Escaramuça de Triunfo, um festival de musica
tradicionalista do município de Triunfo, além de carros alegóricos para a Festa da
Uva em Caxias do Sul, Festa do Arroz em Cachoeira do Sul e carnaval de São
Jerônimo e Porto Alegre.

1
O adjetivo naïf é o mais empregado para o gênero de pintura chamado também de ingênuo e também primitiva (no Brasil).
13

Olegário foi o responsável pela mais recente restauração interna na igreja da


cidade, com intervenções nos afrescos e nas pinturas.

ILUSTRAÇÃO 3: Sem título, Autor Olegário Triunfo, 1980.


Fonte: Folder exposição na Casa de Cultura Mário Quintana

Realizou mostras no Museu de Arte do Rio Grande do Sul (MARGS), e, com


artistas do mesmo gênero, na Galeria de Arte Independência, em Porto Alegre.
Pouco antes de sua morte, pintou madonas e namorados, temas que originaram
uma exposição em Montevidéo, capital uruguaia.
Entre as personalidades que possuem trabalhos confeccionados por Olegário,
está o ex-presidente da República, Fernando Henrique Cardoso, que recebeu um
troféu assinado pelo artista durante uma visita ao Pólo Petroquímico de Triunfo. Há
quadros de Olegário também na Alemanha e Estados Unidos. Na praça de Triunfo
há uma escultura sua, em metal, que representa um gaúcho.
Definido por pessoas próximas à ele como uma pessoa simples, acessível e
extrovertida, Olegário Triunfo tinha a casa sempre cheia de amigos. No entanto, não
foi uma personalidade muito reconhecida pela cidade que acolheu no próprio nome,
segundo testemunhas. O prestígio ficava mais entre a família e parceiros de
profissão.
14

3 CONCLUSÃO

Olegário Triunfo, artista plástico, autodidata, é descrito como pintor primitivo.


Definido por pessoas próximas como uma pessoa simples, acessível e extrovertida,
tinha a casa sempre cheia de amigos. Possuía uma arte simples, porém de forte
valor intelectual, e também para a Triunfo que representava. No entanto, não foi
uma personalidade muito reconhecida pela cidade que acolheu no próprio nome,
segundo testemunhas. O prestígio ficava mais entre a família e parceiros de
profissão.
15

REFERÊNCIAS

ACERVO da Luta Contra Ditadura. Porto Alegre, [s.n.], 2002. Disponivel em:
<http://www.acervoditadura.rs.gov.br/indenizacao.htm>. Acesso em: 06 out. 2008.

AGLAUROS, Lourdes. O Primitivo na Pintura de Olegário Triunfo. 1982. 150 f. Trabalho de


Conclusão de Curso (Especialização) – Pós-graduação em História da Arte Brasileira. Faculdade de
Musica Palestrina, Porto Alegre, 1982.

FREITAS, José. Na História do Rio Grande do Sul: Triunfo 1754. Porto Alegre: Meridional, 1963. v.
1.

GALERIA DE ARTE BEAL. Olegário Triunfo: pinturas primitivas: de 02 a 19 de maio de 1978, Porto
Alegre, 1978. 1 folder.

RIO GRANDE DO SUL. INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO DO ESTADO.


Olegário Triunfo: Arte e arquitetura – memória compartilhada: de 17 de abril a 25 de maio de 2008,
Porto Alegre: Casa de Cultura Mário Quintana: 2008. 1 folder.

MACHADO, Ivanise. Ivanise Machado: depoimento sobre Olegário Triunfo. [2 out. 2008.
Entrevistadores: A. Raimundo, C. Chaves, L. Monteiro, N. Ferreira e N.Gastaud. Triunfo. ]. 1
gravação em mp3.

NOTA de Falecimento: Olegário Triunfo. ZeroHora, Porto Alegre, 25 jul. 2001. Seção Obituário, p.
37.

OLEGÁRIO Triunfo Expõe Hoje: MARGS. Correio do Povo, Porto Alegre, 15 jul. 1982.

ROSA, Renato; PRESSER, Decio. Olegário Triunfo. In: ______. Dicionário de Artes Plásticas do Rio
Grande do Sul. Porto Alegre: UFRGS, 1997. P.308.
16

ANEXO A – Depoimento de Roberto (Tatata) Pimentel

"Olegário Triunfo, antes de tudo, é um homem completamente de acordo


consigo mesmo. Seu universo mental é a sua obra. Seus olhos só vêem
as cores em um mundo encantado e de reminscências da infância, sua
composição é a mesma de sua cidade da qual até adotou o sobrenome."
(CORREIO DO POVO, 1982)‫‏‬
17

ANEXO B – Depoimento de Ado Malagoli

"Olegário Triunfo capta aspectos da vida popular com profundo senso de


observação, onde transparece discreto humor suburbano. De uma técnica
simples, sua pintura é direta, luminosa e retrata com espírito o próprio
ambiente do pintor." (MALAGOLI, 1978 apud GALERIA DE ARTE BEAL).
18

ANEXO C – Poema de Luiz Coronel para Olegário Triunfo


(In: GALERIA DE ARTE BEAL)

Poema para Olegário Triunfo

Triunfo
como Olegário

Arte de menino travesso?


ou de um anjo estabanado?

Só os olhos da inocência
vêem o mundo como Olegário.

Naquele armazém de esquina


só vendem tintas vivazes?
Os personagens de Olegário
habitam um mundo recém-criado
Negrinho do Pastoreio
sai de dentro uma chama.
Trapezistas e palhaços,
Fiéis de navegantes
formam a extrana [sic] fauna
do mundo ingênuo de Olegário.

Triunfo como Olegário


e tenho certeza tamanha
seriam assim os quadros
fosse pinto o Quintana.

Triunfo
como Olegário.