Você está na página 1de 19

ADOÇÃO

 Vânia Maria Marques Marinho


 Promotora de Justiça –Titular da 28° PJIJ
 Professora da Faculdade de Direito da UEA
ATO JURÍDICO PELO QUAL SE
ESTABELECE, INDEPENDENTEMENTE
DO FATO NATURAL DA PROCRIAÇÃO, O
VÍNCULO DE FILIAÇÃO, TRATANDO-SE
DE FICÇÃO LEGAL, QUE PERMITE A
CONSTITUIÇÃO, ENTRE DUAS PESSOAS,
DO LAÇO DE PARENTESCO DE 1°
GRAU, EM LIHA RETA (GOMES)‫‏‬
A adoção é medida excepcional e
irrevogável, à qual se deve recorrer
apenas quando esgotados os recursos de
manutenção da criança ou adolescente na
família natural ou extensa, na forma do
parágrafo único do art. 25 desta Lei. (LEI
8.069/90)

Art. 25. Entende-se por família natural a comunidade formada


pelos pais ou qualquer deles e seus descendentes.
Parágrafo único. Entende-se por família extensa ou ampliada
aquela que se estende para além da unidade pais e filhos ou da
unidade do casal, formada por parentes próximos com os quais
a criança ou adolescente convive e mantém vínculos de
afinidade e afetividade.
 ADOÇÃO DE CRIANÇAS E
ADOLESCENTES REGIDA PELO ECA
 ADOÇÃO NO CCB
 CONDUTA DE REGISTRO DE FILHO DE
OUTREM COMO SEU PRÓPRIO
 PLENITUDE DA ADOÇÃO
 FIM DOS VÍNCULOS PARA COM A FAMÍLIA
BIOLÓGICA
ADOÇÃO UNILATERAL
 UM DOS CÔNJUGES ADOTA O FILHO DO
OUTRO

 CONSERVAÇÃO DOS VÍNCULOS COM O


CÔNJUGE DO ADOTANTE, E AQUISIÇÃO
DOS VÍNCULOS COM O ADOTANTE

 CONSENTIMENTO
ADOÇÃO
CONJUNTA/BILATERAL
 UM DOS ADOTANTES COM MAIS DE 18
 ESTABILIDADE FAMILIAR COMPROVADA
 POR PESSOAS CASADAS/UNIÃO
ESTÁVEL
 DIVORCIADAS OU SEPARADAS
JUDICIALMENTE
 NOS ÚLTIMOS CASOS, O ESTÁGIO DE
CONVIVÊNCIA DEVE TER INICIADO NA
CONSTÂNCIA DA SOCIEDADE
CONJUGAL
 ACORDO SOBRE GUARDA E VISITAS
ADOÇÃO PÓSTUMA
 FALECIMENTO DO ADOTANTE OCORRIDO
NO CURSO DO PROCESSO

 SENTENÇA RETROATIVA À DATA DO ÓBITO


REQUISITOS PARA O
ADOTANTE
 TER, NO MÍNIMO, 18 ANOS
 DIFERENÇA DE IDADE 16 ANOS
 NÃO SER ASCENDENTE OU IRMÃO
 INDEPENDE DO ESTADO CIVIL
 ADOTANTE CASADO – ANUÊNCIA
 TUTOR/GUARDIÃO – APÓS DAR CONTA
DA ADMINISTRAÇÃO E SALDAR
EVENTUAIS DÉBITOS
 CONVENIÊNCIA
 CADASTRO NACIONAL DE ADOTANTES
CADASTRO DE ADOTANTES
LEI 8069/90(LEI 12.010/09)
 Art. 50. A autoridade judiciária manterá, em cada comarca
ou foro regional, um registro de crianças e adolescentes em
condições de serem adotados e outro de pessoas
interessadas na adoção.

 § 5o Serão criados e implementados cadastros estaduais e


nacional de crianças e adolescentes em condições de
serem adotados e de pessoas ou casais habilitados à
adoção.

 § 8oA autoridade judiciária providenciará, no prazo de 48


(quarenta e oito) horas, a inscrição das crianças e
adolescentes em condições de serem adotados que não
tiveram colocação familiar na comarca de origem, e das
pessoas ou casais que tiveram deferida sua habilitação à
adoção nos cadastros estadual e nacional referidos no § 5o
deste artigo, sob pena de responsabilidade.
EXCEÇÕES LEGAIS AO CADASTRO

 § 13. Somente poderá ser deferida adoção


em favor de candidato domiciliado no Brasil
não cadastrado previamente nos termos desta
Lei quando:

 I - se tratar de pedido de adoção unilateral;


 II - for formulada por parente com o qual a
criança ou adolescente mantenha vínculos de
afinidade e afetividade;
 III - oriundo o pedido de quem detém a tutela
ou guarda legal de criança maior de 3 (três)
anos ou adolescente, desde que o lapso de
tempo de convivência comprove a fixação de
laços de afinidade e afetividade, e não seja
constatada a ocorrência de má-fé ou qualquer
das situações previstas nos arts. 237 ou 238
desta Lei.
 § 14. Nas hipóteses previstas no § 13 deste
artigo, o candidato deverá comprovar, no curso
do procedimento, que preenche os requisitos
necessários à adoção, conforme previsto nesta
Lei
 Art. 237. Subtrair criança ou adolescente ao poder de
quem o tem sob sua guarda em virtude de lei ou ordem
judicial, com o fim de colocação em lar substituto:

 Pena - reclusão de dois a seis anos, e multa.


 Art. 238. Prometer ou efetivar a entrega de filho ou
pupilo a terceiro, mediante paga ou recompensa:

 Pena - reclusão de um a quatro anos, e


multa.Parágrafo único. Incide nas mesmas penas quem
oferece ou efetiva a paga ou recompensa.
Da Habilitação de Pretendentes à Adoção
(LEI 12.010/2009)
 Deferida a habilitação, o postulante será inscrito
nos cadastros referidos no art. 50 desta Lei, sendo
a sua convocação para a adoção feita de acordo
com ordem cronológica de habilitação e conforme a
disponibilidade de crianças ou adolescentes
adotáveis.(Art.187-E)

 A ordem cronológica das habilitações somente


poderá deixar de ser observada pela autoridade
judiciária nas hipóteses previstas no § 13 do art.
50 desta Lei, quando comprovado ser essa a
melhor solução no interesse do
adotando. (§1°)
CONSENTIMENTO
 CONFERIDO POR PAIS/REPRESENTANTES
LEGAIS

 DISPENSA EM CASOS DE DESTITUIÇÃO DO


PODER FAMILIAR/DESCONHECIMENTO

 OITIVA DO ADOLESCENTE (maior de 12


anos)
ESTÁGIO DE
CONVIVÊNCIA
 OBSERVA-SE A ADAPTAÇÃO
 NÃO HÁ LIMITE DE PRAZO
 CASOS DE DISPENSA: SE JÁ ESTIVER SOB
A TUTELA OU GUARDA LEGAL

 OU NA CONVIVÊNCIA
 EM QUALQUER CASO VERIFICADO O
VÍNCULO AFETIVO
 VÍNCULO GERADO POR SENTENÇA
INSCRITA NO REGISTRO CIVIL
 EFEITOS A PARTIR DO TRÂNSITO EM
JULGADO, EXCETO NA ADOÇÃO
PÓSTUMA
 DETERMINA O CANCELAMENTO DO
REGISTRO DE NASCIMENTO ORIGINAL
 SEGREDO DE JUSTIÇA
 ALTERAÇÃO DO PRENOME
 CARÁTER IRREVOGÁVEL
 NÃO ENCERRA COM A MORTE
 O adotado tem direito de conhecer
sua origem biológica, bem como de
obter acesso irrestrito ao processo no
qual a medida foi aplicada e seus
eventuais incidentes, após completar
18 (dezoito) anos. (Art. 48)
ADOÇÃO
INTERNACIONAL
 COMPROVAÇÃO DE HABILITAÇÃO,
SEGUNDO AS LEI DO PAÍS DE RESIDÊNCIA
DOS ADOTANTES
 ESTUDO PSICOSSOCIAL POR AGÊNCIA
ESPECIALIZADA E CREDENCIADA EM SEU
PAÍS
 LEGISLAÇÃO DO PAÍS, COM
COMPROVAÇÃO DE VIGÊNCIA
 AUTENTICAÇÃO E TRADUÇÃO DE
DOCUMENTOS
 ADOTANDO NÃO PODE SAIR DO PAÍS ANTES DA
SENTENÇA
 ESTÁGIO DE CONVIVÊNCIA OBRIGATÓRIO DE 30
DIAS NO TERRITÓRIO NACIONAL
 COMISSÃO ESTADUAL JUDICIÁRIA DE ADOÇÃO
(CEJAI)