Você está na página 1de 17

DISLEXIA DE DESENVOLVIMENTO: INTERVENÇÃO A PARTIR DA

EDUCAÇÃO MUSICAL

Áureo DeFreitas

Ph.D. em Educação Musical do Instituto de Ciências da Arte da UFPA

aureo_freitas@yahoo.com

João Paulo NOBRE

Mestrando do Núcleo de Teoria e Pesquisa do Comportamento da UFPA

Bolsista CnPQ

joaopaulonobre@gmail.com

Letícia SILVA

Graduanda em Licenciatura em Música da Universidade Federal do Pará

Bolsista da Pró-Reitoria de Extensão (PROEX/UFPA)

lethitiasilva@gmail.com

Allana VILHENA

Graduanda em Psicologia da Universidade Federal do Pará

Bolsista de Iniciação Científica (PIBIC/UFPA)

lanapsic@gmail.com

Obs. Todos os autores são pesquisadores do Projeto “Transtornos do Desenvolvimento e

Dificuldades de Aprendizagem” do Programa Cordas da Amazônia, coordenado pelo

Prof. Dr. Áureo DeFreitas

Resumo
Dislexia de desenvolvimento: intervenção a partir da educação musical
A aprendizagem do ponto de vista construtivista, é a tomada de consciência da relação
entre a coordenação e a ação. O aprendizado da leitura e escrita, envolve múltiplas
variáveis, consistindo em um processo altamente complexo, que relacionam aspectos
neurológicos, sensoriais, psicológicos, sócio-culturais, socioeconômicos e educacionais.
Deficiências em um destes aspectos podem refletir em distúrbios da aprendizagem. A é
um destes distúrbios e se caracteriza por dificuldades específicas na realização da leitura
e da escrita. A revisão da literatura foi realizada de forma eletrônica, nas Bases de
Dados Scielo, BIREME, PsicInfo, MedLine e LILACS, utilizando-se os descritores:
“dislexia”, “educação musical”, “psicologia”, “crianças”, e “aprendizagem”. Observa-se
com estes resultados obtidos a atenção especial nos artigos para o levantamento acerca
da possível etiologia da dislexia, a interação entre variáveis orgânicas (neuroanatômicas)
e ambientais (estimulação pedagógica).

Palavras – Chave: “dislexia”, “educação musical”, “psicologia”, “crianças”, e


“aprendizagem”.

Abstract

Dyslexia of development: intervention from music education


The learning from the constructivist point of view is the relationship between
coordination actions according to ones conscience. The learning of the reading and
writing, involves multiple variables, consisting to a complex process, that relates
neurological, sensorial, psychological, partner-cultural, highly socioeconomics and
educational aspects. Deficiencies in one of these aspects can reflect in deficit of the
learning process. The dyslexia is the learning deficit that is characterized for specific
difficulties in the accomplishment of the reading and the writing. The researchers used
the electronic database ERIC, Scielo, BIREME, PsicInfo, MedLine e LILACS, to search
the following describers: “dyslexia”, “musical education”, “psychology”, “children”,
and “learning”. The researchers paid special attention for the articles concerning the
possible origin of the dyslexia, the interaction among variables that are organic
(neuroanatômicas) and ambient (pedagogical stimulation).

Key-words: “dyslexia”, “musical education”, “psychology”, “children”, and “learning”

INTRODUÇÃO
A aprendizagem e o desenvolvimento da linguagem são abordados por diferentes
correntes científicas. Do ponto de vista construtivista, a aprendizagem é a tomada de
consciência da relação entre a coordenação e a ação, que em uma linguagem
comportamental seria a discriminação da relação funcional entre a regra e a resposta
(NEGRÃO, MIYAGAWA & SILVA, 2000). Segundo Schimer & cols. (2004) a
aprendizagem é propiciada por uma história individual, tendo como estrutura um
aparato biológico, que é disparado a partir do contato com variáveis ambientais
específicas. Mansur & Senaha (1996) afirmam que no aprendizado específico de leitura
e escrita, há a inter-relação de um conjunto de variáveis internas e externas que atuam
no processo de simbolização e domínio da linguagem.
Jakubovicz & Cupello (1996) afirmam que a fala pré-estabelece a elaboração de
um pensamento pré-linguístico, envolvendo um funcionamento cognitivo complexo,
que envolve funcionamento adequado de áreas específicas da anatomia cerebral em
consonância com variáveis ambientais. No estabelecimento da fala, inicialmente há a
seleção de signos lingüísticos (a palavra), que são ferramentas de expressão do peno, em
um segundo momento desse processo há a seleção de padrões sensório – motores
correspondentes a articulação verbal (ROCHA, 1996 citado por NEGRÃO,
MIYAGAWA & SILVA, 2000).
A aprendizagem, portanto, é um processo que envolve múltiplas variáveis, e no
caso da leitura, processo altamente complexo, envolvem-se aspectos neurológicos,
sensoriais, psicológicos, sócio-culturais, socioeconômicos e educacionais (PESTUN,
CIASCA & GONÇALVES, 2001). Deficiências em um destes aspectos podem refletir
em distúrbios da aprendizagem, e um dos mais freqüentes na população em idade pré-
escolar é a dislexia, uma disfunção do sistema nervoso central, caracterizada por
dificuldade na aquisição ou no uso da leitura e/ou escrita. Estima-se que afete em torno
de 5 a 10% de escolares, acometendo crianças sem déficit cognitivo ou sensorial,
expostas a instruções educacionais supostamente adequadas, e sem problemas físicos ou
emocionais significativos (GERBER, 1996; CAPELLINI, 2001; CIASCA, CAPELLINI
& TONELLOTO, 2003).
Sendo considerada uma alteração de aprendizagem, a dislexia caracteriza-se por
dificuldades específicas na realização da leitura e da escrita, havendo, de maneira geral,
dois tipos de dislexia: (a) dislexia de desenvolvimento, relacionada a alterações no
aprendizado, com referência ao modelo de ensino, ou seja, o ambiente é determinante na
dislexia do desenvolvimento, nesse caso ocorre a dificuldade no aprendizado de escrita
e leitura, associada à disfunção cerebral e (b) dislexia, adquirida, que é originada a partir
de lesões no cérebro (MCCANDLISS & NOBLE, 2003 CITADOS POR SCHIMER,
FONTOURA & NUNES, 2004).
Na dislexia do desenvolvimento temos como fatores determinantes: déficit
cognitivo, fatores neurológicos (neuroanatômicos e neurofisiológicos), prematuridade e
baixo peso ao nascimento, influências genéticas e ambientais. No entanto, fatores
externos (ambientais) devem ser considerados, já que aspectos como instrução
inadequada, distúrbios emocionais e pobreza de estímulos na infância podem interferir
negativamente no desenvolvimento neurológico e cognitivo, sendo descritos na
literatura como precedentes de distúrbios da aprendizagem como a dislexia.
(PINHEIRO, 1995; LANDRY, SMITH & SWANK, 2002; SCHOT, LICHT &
HORSLEY, 2002).
Uma outra classificação para a dislexia a caracteriza como central, na qual há
alterações no processo de conversão da ortografia para fonologia e periférica, quando
ocorre o comprometimento do sistema de análise visuo-perceptiva para leitura,
refletindo em uma compreensão deficitária do material lido. Entre as dislexias centrais,
destacam-se a fonológica, a de superfície e a profunda; e entre as dislexias periféricas, a
dislexia atencional, a por negligência e a literal (CAPELLINI & COLS., 2000).
Apesar da vasta literatura acerca da dislexia, não está claramente definido qual o
modelo ideal de intervenção. O que parece ser consenso entre pesquisadores é que a
formação de uma equipe multidisciplinar na atenção ao portador de dislexia pode ser
muito eficiente, tanto na identificação do transtorno e nível de comprometimento das
habilidades de leitura e escrita, quanto na identificação de um modelo de intervenção
adequado a cada caso, dadas às especificidades da história de desenvolvimento de cada
indivíduo (PESTUN, CIASCA & GONÇALVES, 2002).
A necessidade de estabelecer novas diretrizes de intervenção em portadores de
dislexia suscita a adoção de estratégias em níveis que ultrapassem os da escola regular.
Já se sabe que para minimizar as dificuldades de aprendizagem do disléxico, é
necessário que se ative todo o seu sistema sensorial. O processo de aprendizagem é
reconhecidamente um processo neurocognitivo. A estimulação sensorial é então uma
ferramenta eficaz para sublimar déficits cognitivos e também para estimular a
participação em atividades programadas sem que isso seja uma experiência traumática
para o disléxico, visto que as dificuldades que ele enfrenta no processo de
aprendizagem, têm conseqüências emocionais, por vezes severas (ESTILL, 2004).
É com este foco nas possíveis modificações na plasticidade cerebral que a
atividade musical pode ser uma ferramenta bastante eficaz na intervenção em disléxicos.
Andrade (2004) tratou das bases neurológicas da música, evidenciando a alta
complexidade do sistema sensorial e do funcionamento cerebral, de forma geral, durante
a atividade musical. Foram revelados a partir de exames de neuroimagem, o
compartilhamento de áreas do cérebro entre as atividades relacionadas à linguagem e a
atividade musical, sendo que a esta última ativa uma área mais complexa que a da fala
(KOELSCH, 2002 citado por ANDRADE, 2004).
Com isso, é possível que distúrbios que se originam de deficiências no
desenvolvimento da fala, como a dislexia, podem interferir no processo de aprendizado
musical. Por outro lado, se a atividade musical abarca uma área mais ampla do cérebro,
circundando a área responsável pela fala, pode se investigar os efeitos da atividade
musical contínua no processo de desenvolvimento da linguagem (DEFREITAS &
COLS., 2008).
A atividade musical poderia agir em comportamentos não específicos dos
disléxicos, mas sim, naqueles que são conseqüências do distúrbio, como a atenção, por
exemplo. As investigações nesta área são recentes e ainda não há indícios concretos dos
benefícios da atividade musical em portadores de condições educacionais especiais. No
entanto pesquisadores investigando a influência da qualidade da instrução identificaram
a seqüência padrão completa e correta de instrução do professor e a adoção de
comportamentos não verbais adequados pelo professor como determinantes para manter
a atenção do aluno durante a aula, atuando como variáveis ambientais facilitadoras no
processo de aprendizagem do disléxico (PRICE & YARBROUGH, 1991; 1991;
WEEKS, 1991; YARBROUGH & HENDEL, 1993; YARBROUGH, PRICE, &
HENDEL, 1994; MADSEN, 2003; DEFREITAS, 2005).
Assim, com este estudo objetiva-se realizar a revisão sistemática da literatura
acerca do tema dislexia, educação musical, e psicologia, identificado, caso haja, as
metodologias que são utilizadas nas intervenções e os principais instrumentos de
avaliação da dislexia. Visto que este grupo de pesquisa tem por objetivo a
implementação de turmas de alunos com dislexia no Programa Cordas da Amazônia
(PCA) da Escola de Música da Universidade Federal do Pará (EMUFPA).
METODOLOGIA

A revisão da literatura foi realizada de forma eletrônica, nas Bases de Dados


Scielo, BIREME e PsicInfo, MedLine e LILACS, utilizando-se os descritores:
“dislexia”, “educação musical”, “psicologia”, “crianças”, e “aprendizagem”. Também
foram localizados livros, capítulos de livros e monografias sobre o tema.
Os artigos selecionados atenderam aos seguintes critérios: (a) veículo de
publicação: selecionou-se artigos indexados, devido à sua ampla divulgação e facilidade
de acesso aos pesquisadores; (b) período de publicação: foram selecionados entre os
anos de 1995 e 2007; (c) idioma de publicação: os artigos selecionados foram escritos
nos idiomas português, inglês, e espanhol; e, (d) modalidade de produção científica:
foram selecionados trabalhos originais relacionados à educação musical, dislexia e
psicologia (relato de experiência profissional, trabalhos teóricos e relatos de pesquisa)
bem como aqueles cuja proposta era investigar a relação entre a dislexia, educação
musical, psicologia e desenvolvimento cognitivo, foi dada atenção ainda à trabalhos
cujo objetivos foi avaliar ou validar instrumentos para análise de dimensões
comportamentais relacionadas à dislexia, e àqueles que se propuseram a comparar o
desenvolvimento de crianças e adolescentes com dislexia com o desenvolvimento
daquelas com outros transtornos.
Na pesquisa realizada nas bases PsicInfo e MedLine foram utilizados os
seguintes cruzamentos (palavras-chave): dislexy of care burden; dislexy and quality of
life; dislexy and family; asthma and caregiver; dislexy and family and coping; dislexy
and family and psychosicial impact; dislexy and emocional impact, dislexy and quality
of life of children and adolescents, dislexy and music education, e music education and
cognition development
Nas bases de dados Scielo, LILACS e Bireme foram utilizados os descritores:
dislexia e cuidadores; dislexia e qualidade de vida; dislexia e família; dislexia e o
impacto na família; dislexia em crianças e adolescentes; qualidade de vida em crianças
e adolescentes; dislexia e o impacto emocional, avaliação da qualidade de vida e
dislexia, dislexia e desenvolvimento cognitivo, dislexia e educação musical, e educação
musical e desenvolvimento cognitivo.
Atendendo aos critérios de inclusão estabelecidos, procedeu-se a leitura prévia
dos resumos encontrados, em seguida foram recuperados os artigos originais
selecionados. Os artigos recuperados na íntegra foram lidos de modo analítico,
identificando as idéias-chave e a metodologia utilizada no estudo, fazendo ainda uma
síntese dos resultados e das conclusões. Para tanto, os artigos selecionados e
recuperados foram organizados no programa Excel, de acordo as seguintes dimensões:
a) modalidade de produção científica, se estudo de caso, relatos de experiências, ou
revisão da literatura; b) período de publicação; c) fonte, bases em que o artigo está
indexado; d) descritores utilizados na busca; d) título do artigo; e) metodologia
utilizada no estudo; f) síntese dos objetivos; g) síntese dos resultados; h) síntese da
conclusão; i) Palavras-chave do artigo, e j) referência bibliográfica.

RESULTADOS

Foram encontrados 187 artigos, sendo recuperados 30, que foram lidos e
analisados a partir dos critérios já mencionados. Feita a análise, foram utilizados 20
artigos. Optou-se por incluir artigos que foram desenvolvidos por outras especialidades
da área da educação, educação musical, psicologia e saúde, mesmo que não estivesse
fazendo a relação entre a educação musical e a dislexia, isto porque se notou a
deficiência de produção literária envolvendo este tema. Os 20 artigos selecionados
foram divididos em duas categorias: a) Estudos empíricos, e b) Estudos teóricos.

Estudos Empíricos

Foram recuperados 10 artigos empíricos, relacionados aos temas Dislexia,


Educação musical e Psicologia. (PINHEIRO, 2001); (PESTON, CIASCA &
GONÇALVES, 2002); (KOEHLER, LEITE & PINHO, 2003); (CAPOVILLA,
CAPOVILLA & SUITER, 2004); (PAVÃO, 2006); (SALLES & PARENTE, 2006);
(LEANDRO, LIZ, PUHL, CAMARGO, BUENO & GALDINO, 2006); (GARCIA,
PEREIRA & FUKUDA, 2007); (CAPELLINI, PADULA, SANTOS, LOURENCETI,
CARRENHO & RIBEIRO, 2007); (SALGADO & CAPELLINI, 2008)
Nestes estudos os principais objetivos identificados foram: a) caracterizar o
desempenho em consciência fonológica, memória operacional, sequenciamento, leitura
e escrita; b) avaliar a utilização da arte como elemento facilitador na aprendizagem da
leitura, c) comparar a habilidade de leitura entre os participantes, d) caracterizar a
dislexia e sua ligação com outros transtornos, e) analisar os métodos de atenção seletiva
em crianças com e sem distúrbio de aprendizagem, f) estabelecer um indicador de
execução de leitura eficiente, g) música e cognição propiciando o desenvolvimento de
disléxicos e outros transtornos, h) música e inclusão e/ou interação social.
Dentre os estudos analisados observou-se a seleção de participantes com idades
variando entre 5 a 12 anos, de ambos os gêneros, estudantes da pré-escola até o ensino
fundamental, com queixas específicas de dislexia e dificuldades de leitura, e
compreensão. Encontraram-se ainda estudos em que os participantes eram os familiares
de disléxicos.
Foram utilizados instrumentos para avaliação habilidades, como: leitura, escrita,
consciência fonológica, vocabulário, memória, aritmética, processamento visual e
raciocínio. Foi avaliado o desempenho escolar dos participantes, as possíveis influências
genéticas e ambientais. Como também a capacidade de reflexão sobre a linguagem no
que se refere aos aspectos fonológicos, sintáticos, semânticos e pragmáticos.
Com a análise dos resultados obtidos nestes estudos observou-se que no Brasil,
cerca de 40% das crianças em séries iniciais de alfabetização apresentam dificuldades
escolares, e, em países mais desenvolvidos, a porcentagem diminui para 20% em
relação ao número total de crianças também em séries iniciais (SCHIMER & COLS.,
2004). “A dislexia pode ser tanto familial quanto hereditária, validando ser esse um dos
mais importantes fatores de risco, pois 23% a 65% de crianças com dislexia apresentam
pais também com a anormalidade, sendo a taxa entre irmãos de pessoas afetadas
aproximadamente 40% e entre pais de 27% a 49%” (CAPELLINI & COLS., 2007).
Assim, foi revelado que a prevalência da dislexia entre os parentes do gênero masculino
de todos participantes foi consideravelmente menor com relação aos familiares do
gênero feminino (CAPELLINI, 2005).
Além disso, observou-se que estudos com aplicação de treino em habilidades
fonológicas apresentaram resultados expressivos no melhoramento desta habilidade,
visto que os disléxicos submetidos a este treinamento obtiveram desempenho melhor
que os não submetidos em provas de nível e velocidade de leitura, consciência
fonológica e nomeação automatizada rápida. Além de demonstrar evolução da
percepção fonológica para atividades relacionadas à leitura e escrita. Estes resultados
são consoantes com a literatura que indica que alterações em consciência fonológica,
memória de trabalho, leitura e escrita tem susceptibilidade genética que possivelmente
em interação com o meio ambiente determinam o quadro de dislexia (CAPELLINI &
COLS., 2007; SALGADO & CAPELLINI, 2008).
Estudos Teóricos

A partir da revisão sistemática da literatura foram selecionados 10 artigos


teóricos que foram ordenados nos seguintes temas: (a) distúrbios da aquisição da
linguagem e aprendizagem (ALMEIDA, 2002; SCHIMER, FONTOURA & NUNES,
2004; CIASCA, 2004; SIXEL, 2004; PAVÃO, 2006; TULESKI & EIDT, 2007); (b)
dislexia (ALMEIDA, 2002; CIASCA, 2004; SIXEL, 2004; MOUSINHO, 2004); (c)
dislexia e processos cognitivos (ALMEIDA, 2002; CIASCA, 2004; PAVÃO, 2006;
CAPOVILLA, 2007); (d) problemas de aprendizagem, música e neurociências
(ALMEIDA, 2002; ANDRADE, 2004); (e) dislexia e o papel dos educadores
(ALMEIDA, 2002; MOUSINHO, 2004; TULESKI & EIDT, 2007).

Distúrbios da aquisição da linguagem e aprendizagem

De acordo com estes autores a aquisição da linguagem tem relação com os


processos de expressão e recepção verbal e/ou escrita, e qualquer intercorrência no
processo de desenvolvimento de uma destas habilidades pode resultar no que a literatura
descreve como distúrbio da aquisição de linguagem (SCHIMER, FONTOURA &
NUNES, 2004). De acordo com Pavão (2006) o locus dos problemas de aprendizagem é
o desenvolvimento deficiente da fala, isto porque no processo de aquisição da
linguagem, está envolvida a representação da realidade, expressa de modo gestual, oral e
escrita. É a partir das experiências com o meio social que a criança, experiência e
internaliza os conceitos e símbolos e nesse processo se desenvolve o aprendizado
individual, baseado em fatores biológicos e ambientais (TULESKI & EIDT, 2007).
Dessa forma os distúrbios de aprendizagem, se caracterizam por dificuldades na
aquisição e no uso da audição, fala, escrita e raciocínio matemático, sendo desordens de
bases biológicas, com comprometimento das funções do sistema nervoso central
(ALMEIDA, 2002; CIASCA, 2004). Os distúrbios de aprendizagem podem ser
acompanhados de outras desordens (distúrbio sensorial, retardo mental, distúrbio
emocional e social), bem como, podem ter relação com fatores ambientais (diferenças
culturais, descrição ineficiente de regras e fatores psicogênicos (SIXEL, 2004;
TULESKI & EIDT, 2007).

Dislexia
A dislexia é um transtorno de leitura, caracterizado por um funcionamento
deficiente do cérebro para o processamento da linguagem; um déficit lingüístico, e mais
especificamente uma falta de habilidade no nível fonológico, resultando em dificuldade
específica para aprendizagem da leitura e para reconhecer, soletrar e decodificar
palavras. Isso, considerando a ausência de problemas visuais, auditivos, emocionais,
distúrbios neurológicos ou dificuldades socioeconômicas (ALMEIDA, 2002; CIASCA,
2004; MOUSINHO, 2004; SIXEL, 2004).
Além disso, é necessário diferenciar seu diagnóstico do que é conhecido como
dificuldade de aprendizagem, que tem sua origem em fatores ambientais (métodos de
ensino inadequados, ambiente educacional desprivilegiado, professores sem treinamento
adequado) e não congênitos como na dislexia (Mousinho, 2004).
O acompanhamento do desenvolvimento cognitivo da criança pode auxiliar no
diagnóstico e no estabelecimento de estratégias de intervenção junto ao disléxico. No
entanto o desenvolvimento global da criança com dislexia proporciona indícios bem
mais simples para a identificação do distúrbio. Indicadores como: atraso de linguagem,
dificuldade em nomeação, dificuldade na aprendizagem de música com rimas, palavras
pronunciadas incorretamente, persistência de fala infantilizada, dificuldade em aprender
e se lembrar dos nomes das letras, falha em entender que palavras podem ser divididas
(sílabas e sons), dificuldade de alfabetização (ALMEIDA, 2002; CIASCA, 2004,
MOUSINHO, 2004; SIXEL, 2004).

Dislexia e processos cognitivos

O processo básico da aprendizagem envolve relações contingenciais


determinantes; de forma simplificada temos a associação: ambiente adequado +
estímulo + motivação + organismo. Dessa forma, aprendizagem consiste em um
processo evolutivo e constante que resulta em uma gama de modificações
comportamentais, observáveis e reais, estabelecendo uma rede de eventos em que
promovem alterações tanto no indivíduo, quanto no ambiente, tornando o aprendizado
uma via de mão dupla (Ciasca, 2004).
Para avaliação do desenvolvimento cognitivo de indivíduos com dislexia e com
outros distúrbios de aprendizagem há atualmente alguns instrumentos já validados para
a população brasileira. Na Tabela 1 destacam-se os instrumentos descritos por Capovilla
(2007).
Tabela 1.
Instrumentos para avaliação de dislexia.
01. Para avaliar o vocabulário: (a) Lista de avaliação do vocabulário expressivo
(Rescorla, 1989); (b) Teste de Vocabulário por Imagens Peabody (Capovilla &
Capovilla, 1998); (c) Teste infantil de nomeação (Capovilla, Montiel, Macedo &
Capovilla, no prelo); (d) Teste Informatizado de Nomeação de Figuras por Escolha
(Capovilla, Viggiano, Raphael, Bidá, Capovilla, Neves & Mauricio, 2004).
02.. Para avaliar habilidades de metalinguagem: (a) Prova de Consciência Fonológica
(Capovilla & Capovilla, 2004) e Prova de Consciência Sintática (Capovilla, Capovilla
& Soares, 2004); (b) Teste de Repetição de Palavras e Pseudopalavras (Capovilla, em
preparação), incluindo a versão informatizado; (c) Teste de Competência de Leitura de
Palavras – TCLP (Capovilla, Viggiano, Capovilla, Raphael, Mauricio & Bidá, 2004);
(d) Teste de Competência de Leitura de Sentenças (Capovilla, Viggiano, Capovilla,
Raphael, Bidá, Neves & Mauricio, 2004); (e) Prova de Escrita sob Ditado (Capovilla &
Capovilla, 2004).
03. Para avaliar a atenção: (a) Teste de Atenção por Cancelamento (Montiel &
Capovilla, 2006a); (b) Teste de Trilhas (Montiel & Capovilla, 2006b); (c) Teste de
Stroop computadorizado (Capovilla, Montiel, Macedo & Capovilla, 2005) e emocional
(Montiel, Capovilla, Capovilla & Macedo, no prelo).
04. Para avaliar as funções executivas: (a) Teste de geração semântica (Capovilla,
Cozza, Capovilla, Macedo & Dias, 2006); (b) Torre de Londre.
05. Para avaliar habilidades aritméticas: (a) Prova de Aritmética (Capovilla, Montiel &
Capovilla, 2006).
06. Para avaliar o processamento visoespacial: (a) Teste ImagéticaBaby (Lopes,
Capovilla, Berberian, Capovilla & Macedo, 2006).

Problemas de aprendizagem, música e neurociências

A música é descrita na história como um meio eficaz de coesão social, mas além
disso, ela tem um forte envolvimento em nível neurológico, isto é, o aprendizado ou
desenvolvimento musical é capaz de provocar alterações na morfologia cerebral,
favorecendo a aquisição de habilidades que foram prejudicadas por intercorrências no
desenvolvimento. Dessa forma é possível fazer a relação entre a música como estímulo
ambiental e o desenvolvimento cognitivo (ANDRADE, 2004).
Alguns pesquisadores sugerem haver uma relação entre distúrbios do
desenvolvimento da linguagem e aprendizagem e deficiências relacionadas à
aprendizagem da música, isto porque ambas envolvem áreas comuns no cérebro. Em
testes envolvendo músicos e não-músicos, observou-se o aumento na plasticidade
cerebral no primeiro grupo, e ainda, o melhor desempenho destes em teste matemáticos
e de desempenho lingüístico. Estes resultados revelam a possibilidade da utilização da
música em intervenções com indivíduos com disfasia, discalculia e dislexia. Dado o
envolvimento da linguagem e a música em áreas comuns no cérebro, presume-se que
uma deficiência na linguagem pode ser solucionada ou amenizada pelo uso da música
como ferramenta e vice-versa (PLATEL & COLS., 1997; NAKAMURA & COLS.,
1999 citados por ANDRADE, 2004).

Dislexia e o papel dos educadores

A leitura é um processo gradual não natural. Esta não pode reservar-se apenas a
análise, pois envolve aspectos mais complexos como compreender, interpretar,
estabelecer relações, e realizar inferências. Esta premissa adequa-se também em relação
à leitura fundamentada apenas na construção que acarreta problemas como adivinhação
de palavras e pouca habilidade para manipulação dos elementos menores das palavras.
Ressalta-se que estas deficiências não são exclusivas da leitura e ocorrem também na
linguagem oral com freqüência. A base relacionada à leitura fundamentada é o ponto
culminante que leva o indivíduo com dislexia a apresentar déficits na capacidade
analítica, fundamental para a leitura (MOUSINHO, 2004).
O educador tem um contanto direto e cotidiano com seus alunos. A partir dessa
condição fundamenta-se a importância do professor no intuito do diagnóstico precoce de
alguma disfunção por parte de seus alunos. Vivenciamos condições muito adversas no
sistema de ensino público e privado no Brasil, visto que as instituições de ensino
deveriam possuir professores habilitados a identificar qualquer tipo de disfunção e saber
assim como agir quando elas aparecem, evitando que o aprendizado do aluno seja
prejudicado, porém esta não é a realidade (ALMEIDA, 2002).

DISCUSSÃO

A análise destes artigos torna evidentes alguns pontos acerca da relação entre a
dislexia, educação musical e psicologia. Em primeiro lugar, os achados nesta pesquisa
demonstram o quanto são recentes os modelos e estratégias de identificação e
intervenção em portadores de dislexia. Além disso, observa-se uma atenção especial nos
artigos para o levantamento acerca da possível origem da dislexia, a interação entre
variáveis orgânicas (neuroanatômicas) e ambientais (estimulação pedagógica) são
bastante evocadas, podemos observar um levantamento bastante consistente na literatura
(CIASCA, 2004; MOUSINHO, 2004; SCHIMER, FONTOURA & NUNES, 2004;
CAPOVILLA, 2007).
O que parece ser consenso entre pesquisadores é a necessidade de diagnosticar
de forma precisa e precoce a dislexia e as alterações que ela provoca no processo de
desenvolvimento da linguagem e aprendizagem, visto que isso pode evitar futuramente
possíveis conseqüências como problemas de leitura e escrita. Além disso, estes
pesquisadores afirmam que podem ser observados sinais apresentados pelas crianças
ainda nos primeiros meses de vida, assim como apontam também as conseqüências ao
longo do desenvolvimento do indivíduo, tanto em aspectos cognitivos, quanto em
aspectos emocionais/sociais, visto que a escola, ou qualquer outro ambiente relacionado
à aprendizagem podem se tornar aversivos (CIASCA, 2004; ESTILL, 2004;
MOUSINHO, 2004; SIXEL, 2004).
Além disso, o diagnóstico não é o fim do processo, mas apenas seu início, a
identificação do distúrbio é o ponto de partida para se estudar um modelo de intervenção
eficaz. Ciasca (2004) afirma que identificar quais as dimensões do desenvolvimento são
mais afetadas em cada indivíduo, pode auxiliar na eleição de atividades que propiciem o
desenvolvimento da habilidade deficiente. Nesse sentido, nos parece bastante clara a
necessidade de atenção multidisciplinar ao disléxico, dada a complexidade do
transtorno, e também a necessidade de diferenciar quem tem dislexia de quem tem
atraso na aprendizagem (PESTUN & COLS., 2002; CIASCA, 2004).
A adoção de modelos pedagógicos eficazes e adequados às necessidades de um
aluno com dificuldades de aprendizagem é necessária (ESTILL, 2004). Neste campo,
nos propomos a investigar a relação entre a educação musical e a dislexia. No entanto,
encontramos referências que indicam os efeitos da atividade musical em nível cerebral.
O que fornece indícios de que atividade musical orientada pode ser um instrumento
eficaz em intervenções com alunos portadores de dislexia. Descrições da literatura
indicam o funcionamento da música como instrumento regulador de emoções, e também
regulador de atividade, principalmente no que se refere à variabilidade e freqüência de
comportamentos. Alguns autores atribuem a produção relativamente baixa de pesquisas
na área de educação musical, ao fato dos próprios educadores musicais estarem só agora
se envolvendo com pesquisas, e ampliando o campo de atuação para além da sala de
aula (BEN, 2003)
Dessa forma sugerimos que mais pesquisas sejam realizadas, atentando
principalmente para o efeito da exposição à atividade musical regular, a fim de
estabelecer quais os possíveis efeitos dessa exposição ao aprendizado de forma geral.
Identificar os possíveis benefícios da música no desenvolvimento cognitivo do
indivíduo pode ser um modo eficiente, não só de solidificar o papel da música como
ferramenta para o desenvolvimento cognitivo, mas solidificar também o papel do
educador musical como um pesquisador, cujos objetivos vão além do ensinar uma
criança a tocar um instrumento ou cantar, mas sim, tornar o aprendizado musical uma
estratégia para o desenvolvimento cognitivo e também um meio de inclusão social.

REFERÊNCIAS
ALMEIDA, Rejane M. As dificuldades de aprendizagem: repensando o olhar e a
prática no cotidiano da sala de aula. Florianópolis. 132 p. Dissertação (msc –
engenharia de produção). programa de pós graduação em engenharia de produção e
sistemas, área de concentração em mídia e conhecimento, UFSC, 2002.

ANDRADE, Paulo E. Uma abordagem evolucionária e neurocientífica da música.


Neurociências. Volume 1. no 1. Julho-Agosto, 2004.

BEN, L. D. A pesquisa em educação musical no Brasil. Periódico de música. Belo


Horizonte (mg). v.7.pp.76-82, 2003.

BERGER, M., YULE, W. & RUTTER, M. Attainment and adjustment in two


geographical areas. ii – the prevalence of specific reading retardation. Journal of
Psychiatry. 126:510-9, 1975.

CAPELLINI, Simone A. POLET, F. S., RENZO, L. ARRUDA, P. D., PIERONI, R. &


MIURD, R. Y. Formação de interlocutores para a construção da linguagem escrita:
manual de orientação a pais e professores de crianças com dificuldades escolares.
Temas sobre desenvolvimento. 9(50):33-9, 2000.

CAPELLINI, Simone A. PADULA, Niura A. M. R. SANTOS, Lara C. A.


LOURENCETI, Maria D. CARRENHO, Erika H. & RIBEIRO Lucilene A.
Desempenho em consciência fonológica, memória operacional, leitura e escrita na
dislexia familial. Pró-fono revista de atualização científica. Out-Dez;19(4 ):374-80,
2007.

CAPELLINI, Simone A. Problemas de aprendizagem relacionados às alterações de


linguagem. iberpsicología, http://fs-morente.filos.ucm.es, v. 10, n. 3, p. 10-20, 2005.

CAPOVILLA, Alessandra G. S., CAPOVILLA, Fernando C. & MACHADO, N.


Avaliação das estratégias de leitura fonológica e lexical em português e alemão: efeito
da ortografia. Boletim de psicologia, 55(122), 59-82, 2005.

CAPOVILLA, Alessandra G. S. Contribuições da neuropsicologia cognitiva e da


avaliação neuropsicológica à compreensão do funcionamento cognitivo humano.
Caderno de. psicopedagia. v.6, no.11. ISNN 1676-1049, 2007.

CIASCA, Sylvia M. CAPELLINI, Simone A. TONELLOTO, J. M. F. Distúrbios


específicos de aprendizagem. in: CiascA, Sylvia. M. organizadora. Distúrbio de
aprendizagem: proposta de avaliação interdisciplinar. São Saulo: Casa do psicólogo.
pp. 55-66, 2003.

CIASCA, Sylvia M. Distúrbios de aprendizagem: uma questão de nomenclatura.


Revista sinpro. Rio de Janeiro. p 4-8, 2004.

DEFREITAS, Aureo. The influence of complete teacher sequential instruction patterns,


teacher delivery style, and student attentiveness on evaluation of teacher effectiveness.
Columbia, SC: USC publication, 2005.
GARCIA, Vera L. PEREIRA, Liliane D. & FUKUDA, Yotaka. Atenção seletiva em
crianças com distúrbio de aprendizagem. Revista brasileira de
otorrinolaringologia. vol.73(3) São Paulo (sp). May/June, 2007.

GERBER, Adele. Problemas de aprendizagem relacionados à linguagem. Porto Alegre


(RS): Artes médicas, 1996.

JAKUBOVICZ, R. & CUPELLO, R. C. M. Introdução à afasia. Rio de Janeiro:


Revinter, 1996.

KOEHLER, S. M. F., LEITE, C. O. & PINHO, F. Um estudo sobre as dificuldades de


aprendizagem das crianças: contribuição da arte. Congreso internacional la nueva
alfabetización: um reto para la educación del siglo xxi, 2003.

LANDRY, S. H., SMITH, K. E. & SWANK, P. R Environmental effects on language


development in normal and high-risk child population. Seminário de pediatria e
neurologia. 9(3):192-200, 2002.

LEANDRO, J. A., LIZ, A. M. J., PUHL, A., CAMARGO, A. E., BUENO, R. M. S. &
SUELEN, G. Promoção da saúde mental: música e inclusão social no centro de atenção
psicossocial de Castro/PR. Revista conexão UEPG, v. 3, p. 57-61, 2007.

MADSEN, M. K. The effect of accuracy of instruction, effective/ineffective teacher


delivery, and student attentiveness on musicians’ evaluation of teacher effectiveness.
JournAal of research in music education. 41(1), 38-50, 2003.

MANSUR, Letícia L. & SENAHA, M. L. H. Distúrbios da linguagem oral e escrita e


hemisfério esquerdo. in : Nitrini, R., Caramelli, P. & Mansur, L. L. neuropsicologia,
das bases anatômicas à reabilitação. São Paulo, fmusp, 1996. 373p, 2006.

MOUSINHO, Renata. Conhecendo a dislexia. Revista sinpro. Rio de Janeiro. p26-33,


2004.

NEGRÃO, Alexandra M. G. MIYAGAWA, Patrícia M. & SILVA, Valquíria F.


Neurofisiologia da linguagem: como o cérebro funciona na comunicação. Trabalho de
conclusão de curso da faculdade de fisioterapia. Universidade da Amazônia
(UNAMA/PA), 2000.

PAVÃO, Vania. “Dislexia e disortografia: a importância do diagnóstico”.


<http://www.igt.psc.br/artigos/dislexia_e_disortografia_a_importancia_do_diagno
stico.htm>, 2006.

PESTUN, Magda S. V. CIASCA, Sylvia M. & GONÇALVES, Vanda M. G. A


importância da equipe interdisciplinar no diagnóstico de dislexia do desenvolvimento.
Arquivos de neuropsiquiatria. 60(2-a):328-332, 2002.

PINHEIRO, Angela M. V. Dificuldades específicas de leitura: a identificação de déficits


cognitivos e a abordagem do processamento de informação. Psicologia: teoria e
pesquisa. 11(2):107-15, 1995.
PINHEIRO, Ângela M. V. Heterogeneidade entre leitores julgados competentes pelas
professoras. Psicologia: reflexão e crítica. 14(3):537-551, 2001.

PRICE, H. E. & YARBROUGH, C. Validation of sequential instruction patterns of


instruction in music. Canadian journal of research in music education. Research
edition, 33, 165-175, 19, 1991.

SALGADO Cíntia A. & CAPELLINI, Simone A. Programa de remediação fonológica


em escolares com dislexia do desenvolvimento. Pró-fono revista de atualização
científica. Jan-Mar; 20(1):31-6, 2008.

SALLES, Jerusa F. & PARENTE, Maria A. M. P. Funções neuropsicológicas em


crianças com dificuldades de leitura e escrita. psic.: teor. e pesq. , Brasília, v. 22, n. 2,
2006.

SCHIMER, Carolina R. FONTOURA, Denise R. & NUNES, Magda L. Distúrbios da


aquisição da linguagem e da aprendizagem. Jornal de pediatria - vol. 80, nº2(supl),
2004.

SIXEL, A. Dificuldades de aprendizagem em uma perspectiva interacionista. Revista


sinpro. Rio de Janeiro. pp 18-25, 2004.

STIIL, C. A. Dislexia em sala de aula: o papel fundamental do professor. Revista


sinpro. Rio de Janeiro. pp. 62-77, 2004.

TULESKI, S. C. & EIDT, N. M. Repensando os distúrbios de aprendizagem a partir da


psicologia histórico-cultural. Psicologia em estudo. v.12 n.3 Maringá. Set./Dez, 2007.

VAN DER SCHOOT, M., LICHT, R., HORSLEY, T. M. & SERGEANT, J. A.


Frontocentral dysfunction in reading disability depend on subtype: guessers but not
spellers. Dev. neuropsychology. 22(3): 533-64, 2002.

WEEKS, K. L. A comparison of seventh and eleventh grade student perceptions of


music teacher effectiveness. Unpublished master’s thesis. University of massachusetts at
Lowell, 1991.

YARBROUGH, C. & HENDEl, C. The effect of sequential patterns on rehearsal


evaluations of high school and elementary students. Journal of research in music
education, 41, 246-257, 1993.

YARBROUGH, C., PRICE, H. E., & HENDEL, C. The effect of sequential patterns and
modes of presentation on the evaluation of music teaching. Bulletin of the council for
research in music education, 120, 33-45, 1994.