Você está na página 1de 1

No sonho eu era mais novo e conversava com uma colega de escola, chegava outra e

compartilhávamos uma pizza, então chega um mendigo, mas não um mendigo velho, era
jovial, e com a folga comum desses tipo pede um pedaço de pizza, as garotas deixam que
o mendigo pegue um pedaço (dos grandes, que na verdade eram dois pedaços juntos,
colados um menor a um maior), eu fico puto e dou um murro no mendigo, ele cai no chão
e daí se levanta e começa a dizer palavras desafiadoras, dou mais um murro, agora postado
em posição de lutador de boxe, ele toma esse murro, se coloca em posição e continua
falando, dou outro murro e ele continua falando em tom de desafio (não me lembro quais
as palavras, mas é marrento, tem essa folga característica de alguns mendigos), dou outro
murro e acordo.

Isso é um sonho nazista. O sujeito já humilhado que se recusa a perder sua dignidade, a
marra é um modo de ter alguma, ele se recusa a se postar como uma pessoa humilhada (e
esses que fazem o teatro do humilhado são tidos como, na maioria das vezes, como os
mais falsos e desprezíveis), então eu bato e como ele ainda se recusa, bato novamente e
novamente. Ele já é uma escória e sabe disso, mas se recusa a quebrar, eu o espanco para
que ele se quebre, para que ele se admita, publicamente como tal. Eu acordo antes de
mata-lo ou humilhá-lo muito. Naturalmente. Depois de três murros e ele se manter
marrento, eu deveria começar a dilacera-lo, materialmente ou com palavras.