Você está na página 1de 209

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 1

1.540 Pontos Cantados de Umbanda

2 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras


Este livro é dedicado a todos os filhos de Umbanda que,
em seu mais puro íntimo, dedicam sua vida neste plano carnal
ao amor e fraternidade para com seus irmãos, permitindo levar
a luz aos necessitados e o conhecimento aos incultos,
sem sequer saber quem são,
fazendo-os sentir e saber de Sua Onipresença,
aproximando-os cada vez mais da graça de Deus.

Pai Joaquim D’Angola

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 3


1.540 Pontos Cantados de Umbanda

4 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras


Hino de Umbanda

Refletiu a luz divina


Com todo o seu esplendor
Vem do reino de Oxalá
Onde há paz e amor

Luz que refletiu na terra


Luz que refletiu no mar
Luz que veio de Aruanda
Para tudo iluminar

A Umbanda é paz e amor


É um mundo cheio de luz
É força que nos dá vida
E à grandeza nos conduz

Avante filhos de fé
Como a nossa lei não há
Levando ao mundo inteiro
A bandeira de Oxalá

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 1


1.540 Pontos Cantados de Umbanda

2 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras


ABERTURA

Ø DEFUMAÇÃO Ø BATE A CABEÇA


Vamos incensar esta casa Bate a cabeça filhos de Umbanda
Que o dono dela chegou Bate a cabeça filhos de fé
Vamos incensar esta casa Pra você que é filho de pemba |
Casa de meu pai Xangô Pra você que é filho de fé >
Nossa Senhora incensou a Jesus Cristo Vamos, bate a sua cabeça |
Jesus Cristo incensou aos filhos seus E peça a Deus o que quiser >
Eu incenso, eu incenso esta casa | Ø SAUDAÇÃO AO ANJO DA GUARDA
Fé em Xangô, Ogum e Oxalá > Lá no céu uma luz brilhou
Estou incensando, estou defumando | Anjos do terreiro eu chamei
A casa do Bom Jesus da Lapa > Oh Deus, oh Deus
Como brilha bonito |
Corre gira pai Ogum (eles) O Anjo que está em mim >
Filho quer se defumar (elas) Se Oxalá permitir, que venha meu anjo
Umbanda tem fundamento (eles) Me guarde meu Anjo
É preciso preparar (elas) Me abençoe meu Anjo
Cheira a incenso e alecrim (eles) Meu Anjo da Guarda
Cheira arruda e guiné (elas)
Umbanda tem fundamento (eles) Me guarde meu Anjo
Defumai filhos de fé (elas) Me abençoe meu Anjo
Meu Anjo de luz.
Defuma com as ervas da Jurema |
Defuma com arruda e guiné > Ø PRECE DE ABERTURA
Benjoim, alecrim e alfazema Oxalá meu pai
Vamos defumar filhos de fé, defuma. Tens pena de mim, tens dó
A volta do mundo é grande
O teu poder é maior.
Povo de Umbanda
Vem ver os irmãos seus Ø ABERTURA DA GIRA
Defuma este ambiente Eu abro a nossa gira
Nas auras de Deus Com Deus e Nossa Senhora
Povo de Umbanda, Eu abro a nossa gira
Vem ver os irmãos seus Sandorê, pemba de Angola
Defuma estes filhos, Gira, gira, gira dos caboclos,
Nas auras de Deus Sem sua gira eu não posso trabalhar
Assim, assim na fé de Xangô meu pai,
Sem gira eu não posso trabalhar.
Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 3
1.540 Pontos Cantados de Umbanda
Ø SAUDAÇÃO À PEMBA E À TOALHA Ø SUBIDA DO PAI JOÃO
Deus salve a pemba, | A sineta do céu bateu |
Também salve a toalha > Oxalá já diz é hora >
Salve a coroa, | Eu vou, eu vou, eu vou |
É de nosso Zambi, é o maior > Ficar com Deus e Nossa Senhora >

Ø SAUDAÇÃO ÀS SETE LINHAS DE UMBANDA Ø SAUDAÇÃO A SEU TRANCA RUAS


Quando os caboclos Exú, Exú Tranca Ruas, |
Trazem as folhas da Jurema Me abre o terreiro e me fecha a rua. 3>
E os Pretos Velhos
Trazem arruda e guiné Ø SAUDAÇÃO A EXÚ TRANCA GIRA
Eles vêm trabalhar na lei de Umbanda | Seu Tranca Gira é rei lá na calunga |
Tem licença de Aruanda | Sem este Exú não se pode fazer nada |
Pra salvar a quem tem fé > 7 velas encruzadas |
O sabiá canta alegre na palmeira Em cima daquela tumba |
E Xangô lá na pedreira Saravá Seu Tranca Gira |
Os seus filhos vem salvar, Salve o povo da calunga 3>

Meu pai Ogum | Ø SALVE OGUM DE RONDA


Empunhando a sua espada | Quem está de ronda é São Jorge
Manda um toque de alvorada | Meu Pai me diz aonde é
Toda a linha vai chegar > Quem está de ronda é São Jorge
Salvai os filhos de fé
Ø SAUDAÇÃO ÀS CRIANÇAS
Quem vem lá, quem vem lá de tão longe | Rondai, rondai oh São Jorge
São os anjinhos que vêm trabalhar > Meu Pai me diz aonde é
Rondai, rondai oh São Jorge
Oi dai-nos forças | Jesus, Maria e José
Pelo amor de Deus, meu Pai |
Oi dai-nos forças aos trabalhos meus > Olha Ogum está de ronda
Quem está chamando é São Miguel
Ø SALVE O PAI JOÃO Éu, éu, éu, na linha de Umbanda
No clarão da noite, no romper do dia | Quem está chamando é São Miguel
Chama Pai João, chama Mãe Maria >
Pra me defender da feitiçaria
Saravá o Pai João, saravá a Mãe Maria
Saravá povo de Umbanda
Salve a estrela guia
Ø SAUDAÇÃO A EXÚ SETE PORTEIRAS (7X)
Lá na porteira eu deixei meu sentinela >
Eu deixei Sete Porteiras |
Tomando conta da cancela >
4 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras
Ø SAUDAÇÃO A OGUM BEIRA MAR Vibração
Beira Mar auê Beira Mar >
Ogum já jurou bandeira Ø 1. XANGÕ
Nos campos do Humaitá É Xangô o rei de lá da pedreira >
Ogum já venceu demanda É Oxum, rainha da cachoeira >
Vamos todos saravar Xangô é rei, Xangô é rei Orixá
Escreve lei pros filhos de Oxalá
Beira Mar auê Beira Mar >
Eu estava na minha gira Ø 2. OXALÁ
Eu estava no meu Congá Oxalá seus filhos lhe pedem auxílio
Eu estava na minha gira Vinde a eles ajudar
Vamos todos saravar Derramai vossos olhos piedosos
A estes filhos de fé
Beira Mar auê Beira Mar >
Ø 3. OGUM
Ø LOUVAÇÃO A XANGÔ Nesta casa de guerreiro Ogum
Quando a lua apareceu, Vim de longe pra rezar Ogum
Leão da mata roncou, Rogo a Deus pelos doentes Ogum
A passarada estremeceu, Na fé de Obatalá Ogum
Foi a Coral que piou, piou, piou Ogum salve a casa santa Ogum
Foi a Coral que piou Os presentes e ausentes Ogum
Salve o povo de Congá Salve nossas esperanças Ogum
Aí vem nosso Rei de Umbanda Salve os velhos e crianças Ogum
Saravá nosso Pai Xangô. > Nego velho ensinou Ogum
Na cartilha de Aruanda Ogum
Ø XANGÔ
E Ogum não esqueceu Ogum
Xangô, Xangô, meu Pai Xangô Como vencer as demandas Ogum
Kaô, kabecile, obá, Xangô
A tristeza foi embora Ogum
Saravá Xangô 3>
Na espada de um guerreiro Ogum
Xangô ô ô ô ô, meu Pai, Xangô
E a luz do romper da aurora Ogum
Xangô mora na pedreira Vai brilhar neste terreiro Ogum
Quem mandou relampejar
Kaô, kabecile, obá, Xangô Ø 4. YEMANJÁ
Saravá Xangô 3> Hoje é dia de Nossa Senhora
De nossa mãe Yemanjá,
Ø CHAMADA DE SEU SETE CACHOEIRAS Calunga e, e, e, e, e, e,
Ele vem de longe | Calunga a, a, a, a, a, a,
Da cidade da Jurema > Brilham as estrelas no céu
Ele é Sete Cachoeiras | Brincam os peixinhos no mar,
E vem com ordem suprema > Calunga e, e, e, e, e, e,
Calunga a, a, a, a, a, a
Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 5
1.540 Pontos Cantados de Umbanda
Ø 5. OXUM Ø 10. DESCARREGO DAS SETE LINHAS
Aieiê, Mamãe Oxum Descarrega, descarrega
Aieiê, vem nos ajudar Todo o mal que aqui está
Aieiê, Mamãe Oxum Leva, leva, leva
Das cachoeiras de Oxalá Tudo pro fundo do mar.
Aieiê, Mamãe Oxum,
Dê-me água pra beber Ø 11. SUBIDA DOS CABOCLOS
Tenho sede de esperança Ø A.
Tenho sede de aprender Já volteei lá na pedreira
E Xangô disse que sim
Ø 6. OXÓSSI Quem tem santo tem Caboclo
Eu corri terra, eu corri mar, Tá na hora de subir
Até que eu cheguei na minha raiz
Ora viva Oxóssi na mata | Ø B.
Que a folha da mangueira ainda não caiu > Xangô já vai, já vai pra Aruanda >
Sua benção meu, proteção pra nossa
Ø 7. IANSÃ banda >
Eram duas ventarolas, duas ventarolas
Que ventavam o mar Ø C.
Se a minha mãe é Iansã Eparrei Caboclo, pega a sua flecha |
Agora que eu quero ver Eparrei Pega o seu bodoque, o galo já cantou >
O galo já cantou na Aruanda |
Ø 8. NANÃ BURUQUÊ Oxalá lhe chama para sua banda >
São flores, Nanã, são flores
São flores, Nanã Burukê Ø SUBIDA DO CABOCLO SETE CACHOEIRAS
São flores, Nanã, são flores, Xangô de ouro e ouro ô |
Do seu filho Abaluaê Xangô me coroou >
Filhos de pemba, a Umbanda chora
Nas horas de agonia É Xangô que já vai embora
É ele quem vem nos valer
É ele, Nanã, é meu Pai, | A Umbanda gira, gira, girê |
É seu filho Abaluaê > A Umbanda gira, gira, gira, girá >

Ø 9. DESCARREGO DOS ORIXÁS


Ogum bateu na terra
Num raio de Xangô
Toda a poeira que sobrou
Oxum pra Aruanda levou, levou, levou
Licença de Oxóssi ela ganhou
Na onda de Yemanjá,
Iansã pro barravento de Oxalá
Tudo levou, levou, levou.

6 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras


Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 7
1.540 Pontos Cantados de Umbanda

8 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras


XANGÔ
Pontos Individuais Ø DA CACHOEIRA
Meu Pai Xangô é rei lá na pedreira
Ø SETE CACHOEIRAS Também é rei, Caboclo da Cachoeira
Ele vem de longe |
Da cidade da Jurema > Na sua aldeia tem os seu caboclos
Ele é Sete Cachoeiras | Na sua mata tem a cachoeira
E vem com ordem suprema > No seu saiote tem pena dourada |
Seu capacete brilha na alvorada >
Ø QUEBRA-PEDRA Ø DA PEDRA PRETA
Letra e música: entidade
Cheguei, sou Quebra-Pedra | Tava em cima da pedreira
Sou caboclo de Xangô > Quando o céu trovejou
Tem vez que estou aqui É o caboclo Pedra Preta
Tem vez que não estou Esse filho é de Xangô
Só venho quando pedem E de cima da pedreira
A justiça de Xangô Ele vem neste Congá
Kaô, kaô, kaô | Tem licença de Xangô
Sou Quebra-Pedra | Ele vem pra trabalhar.
Sou guerreiro de Xangô > Ø SERRA NEGRA
Seu Serra Negra
Ø SETE PEDREIRAS Vem chegando de Aruanda
Seu juramento ele fez Trazendo pemba
Em cima da cachoeira Pra salvar filhos de Umbanda
Foi ouvido por Xangô
Que lhe deu sete pedreiras Ele é guerreiro, é flecheiro, atirador |
Na sua mata, Serra Negra é caçador >
Sua lança é o raio Na sua serra, Serra Negra é de Xangô >
O seu brado é o trovão
Ele reina nas montanhas Ø SERRA NEGRA
A pedreira é seu chão No alto da serra, capitão da serra
Na serra negra onde caboclo mora
É justiceiro, é guerreiro, é Orixá | No alto da serra, capitão da serra
Ele é Sete Pedreiras | A sua seta é uma jibóia
E seus filhos vem salvar > Estava no alto da serra
Grande jibóia que por mim passou
Ø SETE PEDREIRAS Trazia um grande diadema |
Por detrás daquela serra > Dizendo que era o rei dos caçadores >
Tem uma linda cachoeira > Seu Serra Negra vem chegando de Aruanda
É de meu Pai Xangô > Trazendo pemba
É de Xangô Sete Pedreiras > Pra salvar filhos de Umbanda
Ele é guerreiro, é flecheiro, atirador |
Na sua mata, Serra Negra é caçador |
Na sua serra, Serra Negra é de Xangô >

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 9


1.540 Pontos Cantados de Umbanda
Ø SERRA NEGRA
Ele é do reino de Xangô
Ele é da força de Oxalá
Caboclo Serra Negra |
É quem chegou pra trabalhar >

Ø VENTANIA
Oi, rouxinol Ventania
Rouxinol Ventania na raiz da Urucaia
Sua cobra é um segredo
Ele mora num lajedo
Sentado na Beira Mar

Ø VENTANIA
Mas que caboclo é aquele
Ele vem de Aruanda
Ele vem trabalhar
Eparrei, Eparrei, Iansã
Saravá a Rainha do Mar
Eparrei, Eparrei Iansã
Saravá a Mamãe Yemanjá

Ø DA PEDRA BRANCA
Saravá Meu Pai Xangô, Kaô >
Caboclo da Pedra Branca
Vem gira na Umbanda
Saravá Meu Pai Xangô

Ø DA PEDRA BRANCA
Subi na pedreira |
Encontrei um caboclo de Xangô >
Era Seu Pedra Branca, caboclo de
Umbanda
Saravá Xangô
Seu Pedra Branca vem salvar seus filhos
E vencer demanda

Ø SETE MONTANHAS
Xangô brada na pedreira
Seu machado de ouro não se apanha
Ele é o rei, mas ele é o rei da Aruanda
Saravá meu filho Caboclo Sete Montanhas
10 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras
XANGÔ
Pontos de Linha Ø 7.
Pedra rolou, Pai Xangô, lá na pedreira
Ø 1. Segura o ponto, meu Pai, na cachoeira
Xangô é corisco |
Nasceu na trovoada > Tenho o meu corpo fechado
Trabalha na pedreira | Xangô é meu protetor
Acorda na madrugada > Firma esse ponto, meu filho
Pai de cabeça chegou
Longe, tão longe |
Aonde o sol raiou > Ø 8.
Saravá Umbanda | Xangô, meu pai, atende essa romaria >
Oi, saravá Xangô > Dos filhos que vem de longe |
E não podem vir outro dia >
Ø 2.
Escureceu, a noite chegou > Ø 9.
Firma ponto na pedreira, saravá Xangô > Xangô mostrai a força que vós tendes >
Saravá Xangô 3> Xangô é o rei da justiça
E não engana ninguém
Ø 3. Xangô Kaô, Xangô Agodô 3>
Subi na pedreira, subi
Uma pedra rolou no corisco de Xangô Ø 10.
Dizem que Xangô mora na pedreira | Meu Pai Xangô chegou no reino |
Mas não é lá sua morada verdadeira > Meu Pai Xangô já vai girar >
Xangô mora na cidade de Luz Olha seus filhos lhe pedem meu pai |
Aonde está Maria e o Menino Jesus Não deixe os filhos tombar >
Dizem que Xangô mora na pedreira |
Mas não é lá sua morada verdadeira > Ø 11.
Na beira do Cariri, eu vi Xangô sentado
Ø 4. Yemanjá e Oxum e Santa Bárbara ao seu lado
Lá em cima daquela pedreira | Na beira do Cariri
Tem um livro que é de Xangô >
Kaô, kaô | Ø 12.
Kaô é kabecile é de Xangô > Xangô, Xangô, meu pai Xangô
Ø 5. Xangô mora na pedreira
Deixei meu filho em cima da pedreira Quem mandou relampejar
E de repente ele escorregou Kaô Kabecile, obá, Xangô
Me ajoelhei e olhei pra baixo Saravá Xangô 3>
Estava nos braços de meu pai Xangô
Ø 13.
Ø 6. Machadinha de cabo de ouro
Meu pai Xangô | De ouro, de ouro
Deixa essa pedreira aí > Machadinha de cabo de ouro
A Umbanda está lhe chamando | É machadinha de Xangô
Deixa essa pedreira aí >

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 11


1.540 Pontos Cantados de Umbanda
Ø 14. Ø 19.
Ele vem de Aruanda Senhor dono da casa
Ele vem trabalhar Me dá licença de entrar
Ele vence demanda Minha banda é de Xangô,
Ele é seu Pangará É de Zambi e Oxalá
Kaô, kaô, kaô, kaô
A justiça chegou, Xangô Ø 20.
Xangô é rei de Yorubá
Ele vem de Aruanda Xangô é rei da pedreira
Ele vem trabalhar Xangô é rei dos astros
Ele vence demanda Xangô é rei de Umbanda
Ele é seu Arirá
Kaô, kaô, kaô, kaô Os teus filhos te chamam
A justiça chegou, Xangô Xangô, Xangô, Xangô Agodô
Ø 21.
Ø 15. Meu pai Xangô sentado na pedreira
Quem rola pedra na pedreira é Xangô | Com sua machadinha
Vivô a coroa de Zambi 2> Cravejadinha de estrelas
Vivô a coroa de Zambi é maior
Ø 22.
Ø 16. Naquele tempo em que Agodô escrevia
Xangô chegou na terra Pena de ouro ele trazia
Xangô girou na Umbanda
Com seu grito de guerra Ø 23.
Xangô venceu demanda Meu pai Xangô, olhai seus filhos
Que eu também sou filho seu
Ø 17. Seu Agodô,
Quebra pedra na pedreira | Yemanjá Sobá, Yemanjá Sobá
Quero ver arrebentar > Seu Aganju,
Quem demanda com meus filhos | Yemanjá Sobá, Yemanjá Sobá
Eu também sei demandar >
Ø 24.
Ø 18. Oh, Gino. Olha a sua banda
Sentado na pedreira de Xangô Oh, Gino. Olha o seu Congá
Eu fiz um juramento até o fim Aonde o rouxinol cantava
Se um dia me faltar a fé em meu Senhor Aonde Xangô morava
Que role esta pedreira sobre mim Oh, ele é Gino da Cobra Coral >
Meu Pai Xangô chegou do Reino
Meu Pai Xangô é Orixá Ø 25.
Olha, seus filhos lhe pedem meu Pai | Eu vi Santa Bárbara e Xangô
Fé e proteção neste congá > Estavam sentados em cima da pedra
Estavam rezando para os seus filhos
Xangô é homem que vai pra guerra.

12 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras


XANGÔ
Ø 26. Ø 31.
Eu fui lá nas matas buscar minhas guias Xangô mora na pedreira |
E lá encontrei pai Xangô que dizia Onde canta o rouxinol >
Zum, zum, zum, pai Xangô é Kaô Sua pedreira é tão linda
Zum, zum, zum, pai Xangô é Agodô Pai Oxalá abençoou
Toda coberta de estrelas
Ø 27. Saravá meu pai Xangô
É na mesa de Umbanda
Que Xangô faz refeição Ø 32.
Xangô vem cuspindo fogo Xangô, ele rei da pedreira
Pra levantar filhos do chão Rei da pedreira ele é o rei de Umbanda
Xangô ele é o nosso Pai
Ø 28. E filhos de Xangô
Ecoou lá na mata da Jurema Bambeia mas não cai
Não muito longe, num pé de caneleira
Estou ouvindo o eco do infinito, Ø 33.
O que será? Estava sentado na pedra
É o ronco da pedreira, Esperando meu Pai Xangô
Xangô, Kaô, meu pai Xangô na Aruanda
Me cubra com sua bandeira Xangô na quimbanda
Xangô na linha das almas
Ø 29. Com Ogum venceu demanda
Xangô, Kaô
Xangô meu pai, venha me ajudar Ø 34.
Xangô é meu guia, Xangô é meu pai Segura a pedra Xangô
A pedra na pedreira ela rola, mas não cai Não deixa a pedra rolar
Vem trabalhar Xangô, vem trabalhar Pega no livro e na pena
No terreiro ele é caboclo Para a justiça firmar
Na pedreira ele é Orixá
Ø 35.
Ø 30. Eram seis horas quando o sino tocou
Eu pedi a meu pai Xangô Na Marambaia, cidade da Jurema
Que me tirasse desta aflição Eram dez horas quando o galo cantou
Olha o seu bom filho Com licença de Zambi, saravá Pai Xangô
Ele tem fé e lhe traz no coração
Sofrer como eu sofri Ø 36.
Só mesmo um filho de fé Na pedreira da mata virgem
Hoje eu agradeço a Xangô Aonde mora meu Pai Xangô
Eu tinha esperança Água minou, Nanã Buruquê |
Que a bonança voltaria e voltou. Pedra rolou, saravá Pai Xangô >

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 13


1.540 Pontos Cantados de Umbanda
Ø 37. Ø 44.
Que pedreira tão alta Xangô é dono da pedreira |
Que nem limo criou Segura o meu destino até o fim >
Oh não me quebra pedra Se algum dia eu perder
Que a morada é de Xangô A fé no meu Senhor
Rolai essa pedreira sobre mim
Ø 38. Meu Pai Xangô
Seu Ariri, Ariri, Ariri
Seu Ariri ele é o Rei da Mata Virgem Ø 45.
Aonde o sabiá cantava Oxossi é rei das matas
Na pedra onde Xangô morava Xangô é da pedreira
Iansã da ventania
Ø 39. Mãe Oxum da cachoeira
Lá no alto da pedreira Xangô, Xangô, Xangô, kaô, Kabecilê
A faísca vem rolando
Agüenta a mão cabra de força Ø 46.
Que a faísca vem queimando O Ganga ô
A terra é da Jurema
Ø 40. O leão é lá das matas
Minha mãe cadê Xangô A pedra é tão forte
Xangô foi passear O rei, é Xangô
Minha mãe cadê Ogum
Foi pra guerra guerrear Ø 47.
Xangô veio das virgens matas
Ø 41. Com seu bastão de prata
Meu Pai Xangô, olhai seus filhos Para nos salvar Xangô kaô
Que eu também sou filho seu Xangô no reino é meu Senhor
Kaô, Kabecilê, saravá congá >
Ø 48.
Ø 42. Graças a Deus, meu Deus
Xangô, Xangô, Xangô, Xangô meu Pai Pelo dia de hoje
Foi o Senhor mesmo quem disse Louvado seja Deus
Filho de Umbanda não cai Meu Pai Xangô, muito obrigado
Que Deus nos dê muita luz em nossos
Ø 43. caminhos
Tererê Xangô, ô tererê Xangô
Na calunga, Ø 49.
Segura filhos de Umbanda Cacheoria da mata virgem
Não deixa filhos cair Onde mora meu pai Xangô
Pedra rolou da cachoeira
Pedra rolou, saravá pai Xangô
Saravá, pai Xangô

14 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras


XANGÔ
Ø 50. Subida de Xangô
Eram seis horas quando o sino batia
Na Marambaia, cidade da Jurema
Eram seis horas quando o sino tocou Ø 1.
Com licença de Zambi, saravá Pai Xangô Xangô já vai |
Já vai pra Aruanda >
A bênção meu pai |
Proteção pra nossa banda >

Ø 2.
Camboteei lá na pedreira
E Xangô disse que sim
Quem tem Santo tem Caboclo
Tá na hora de subir

Ø 3.
Xangô de ouro e ouro ô |
Xangô me coroou >
Filhos de pemba, a Umbanda chora
É Xangô que já vai embora
A Umbanda gira, gira, girê |
A Umbanda gira, gira, gira, girá >

Ø 4.
Meu pai Xangô já berimbou na aldeia >
Kaô, cunhanha, ô cunhanha |
Kaô cunhanha >

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 15


1.540 Pontos Cantados de Umbanda

16 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras


OXALÁ
Pontos de Linha Ø 7.
Bendito, bendito Jesus
Filho da Virgem Maria
Ø 1. Expande a Vossa Luz
Abre a porta, oh gente No reinado deste dia
Que aí vem Jesus
Ele vem cansado Ø 8.
Com o peso da cruz Estrela de Oxalá brilhou, brilhou
Vem de porta em porta Estrela de Oxalá no jacutá chegou
Vem de rua em rua
Pra salvar as almas Ø 9.
Sem culpar nenhuma Salve o mar sagrado
Por onde caminhou Jesus
Ø 2. Abençoai meus passos
Oxalá, meu Pai Para que eu possa carregar a minha cruz
Oxalá, meu Pai
Quem é seu filho de fé Ø 10.
Balanceia, mas não cai. Oh pescador da Galiléia
Ø 3. Tu és discípulo de Jesus
Oxalá, seus filhos lhe pedem auxílio Segue com esse filho amado
Vinde a eles ajudar Que no espaço segue a luz
Derramai vossos olhos piedosos
A estes filhos de fé. Ø 11.
Lá no alto da montanha
Ø 4. Eu ouço o grito de Jesus
Maior do que Deus ninguém Eu sofro tanto, oh Virgem Santa
Maior do que Deus não há Ajuda a carregar a cruz
Ora viva Deus, meus irmãos >
São tantos os que mandam nesta terra Oh Maria, oh Maria
Maior é Deus Vós que sois enviada por Deus
Oh Maria, oh Maria
Ø 5. Auxiliai esses filhos seus
Jesus Cristo é nosso Pai aruê
É filho da Virgem Maria aruê Ø 12.
Lá do alto do calvário aruê Olha que cruz tão pesada, senhor
É a estrela que nos guia aruê Foi que Jesus carregou

Ø 6. Ø 13.
Nós vamos nos curvar Justina, tu és uma estrela
Perante a luz de Deus Que guiou o nosso guia ao redentor
Rogamos ao nosso Pai Guiai-me com o seu castelo
As bênçãos pros filhos seus Aos pés da Virgem Maria Imaculada

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 17


1.540 Pontos Cantados de Umbanda
Ø 14. Ø 21.
Nossa Senhora pediu Oi dai licença meu Pai Oxalá
Ao seu filho redentor Dai-me licença minha mãe Yemanjá
Que não deixasse esse mundo Se meu pai é o rei do mundo
Tenha dó dos pecadores Minha mãe é a rainha do mar

Ø 15. Ø 22.
Ora viva Deus, ora viva Jesus Rosa vermelha representa Ogum
Ora viva a fé, na Santa Cruz Rosa amarela Iansã, Oxum
A rosa branca representa Yemanjá
Ø 16. Representa também nosso pai Oxalá
A nós desceu divina luz >
No mais profundo abismo Ø 23.
Sem fim, sem fim e sem errar Andorinha voou
Os anjinhos foram buscar
Ø 17. Quando voltou
Estrela do céu que guiou nosso Pai Salve grande Oxalá
Guiai esse filho que vai Tenham fé meus cafios
Viva Jesus nosso redentor Que em mesa de Umbanda
Que na Santa Cruz Oxalá tem que vencer
Seu sangue derramou
Ø 24.
Ø 18. Como gira ê como gira
Pombinho branco mensageiro de Oxalá Como gira dentro do gongá
Leva esta mensagem Oh gira para filhos de fé >
De todo coração até Jesus Como gira ê como gira
Diga a ele Como gira dentro do gongá
Que somos soldados de Umbanda Oh como gira filhos de fé
Saravá nossa banda, nosso pai é Oxalá Vamos salvar a guia
Do nosso Pai Oxalá
Ø 19.
Ela é uma pombinha branca, mas não é Ø 25.
Ela é uma pombinha branca Jesus Cristo é nosso Pai, aruê
Ela é Jesus, é de Nazaré. É filho da Virgem Maria, aruê
Por entre espadas e lanças, aruê
Ø 20. O santo nome de Jesus, aruê
Bendito e louvado seja |
O nome de Oxalá a a > Ø 26.
E manda pro fundo do mar, Yemanjá Oxalá, enviai teus Guias
Os pedidos dos filhos de Oxalá És o nosso protetor
Nós somos filhos de Deus
E Oxalá Nosso Salvador

18 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras


OXALÁ
Ø 27.
Eu vi brilhar >
Lá no horizonte eu vi brilhar
Era uma Luz >
Era uma Estrela Nosso Rei Oxalá
Ele vem, ele vem,
Do além, do além
Traz paz e amor a quem no mundo faz

Ø 28.
Oxalá, Senhor do sétimo céu
Dá sua benção, meu Pai >
Aos meus irmãos cá na terra
Aos meus irmãos de missão
Dai sua benção, meu Pai >

Ø 29.
Quando Jesus nasceu uma estrela brilhou
Anunciando ao mundo a vinda do Senhor
Oxalá Divino venha nos salvar
Abençoai seus filhos e também o congá

Ø 30.
Oxalá vai abençoar
Os seus filhos no Congá
Vai pedir a Virgem Santa
Pra seus filhos ajudar
Oxalá é Rei na Umbanda
E seu Reino é de Luz
Ilumina os caminhos
Que até Ele conduz

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 19


1.540 Pontos Cantados de Umbanda

20 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras


YEMANJÁ
Pontos Individuais Ø 3.
Mãe d’água, rainha das ondas Sereia do mar
Mãe d’água, seu canto é bonito
Ø CABOCLA DO MAR Quando faz chuá
Quando as águas do rio Êh, Yemanjá >
Encontrarem as ondas do mar Rainha das ondas, sereia do mar >
Eu farei um pedido
Pra Cabocla na areia firmar Como é lindo o canto de Yemanjá
Sempre faz o pescador chorar
A lua no céu clareou Quem escuta a mãe d’água cantar |
Os filhos de Yemanjá Vai com ela pro fundo do mar >
Salve a mãe sereia
Saravá a Cabocla do Mar. Ø 4.
Eu vou à praia grande, eu vou pro mar
Pontos de Linha Levar botões de rosas à Yemanjá
Eu vou à praia, vou riscar ponto na areia
Ø 1. Vou pedir à Mãe Sereia
Yemanjá é a rainha do mar 4> Todas as forças do mar
Salve o povo de Aruanda Que nos proteja
Salve meu Pai Oxalá Com seu manto inteiro branco
Salve Oxóssi, salve os guias Que nos cubra com os encantos
Salve Ogum Beira Mar Que tem as ondas do mar
Yemanjá
Ø 5.
Yemanjá é a rainha do mar 4> Quem quiser viver sobre a terra
Vai ter festa na Aruanda Quem quiser viver sobre o mar
Vai ter reza no Cantuá Do mar salve as sereias
Vai ter gira a noite inteira Salve as ondinas do mar
E muitas flores no mar Ruê, ruê, ruê, ruá, ruá, ruá, Yemanjá
Yemanjá
Ø 6.
Ø 2. Saia do mar, linda sereia
Eu fiz um pedido à mamãe Sereia | Saia do mar, venha brincar na areia
A Yemanjá, para nunca mais penar > Saia do mar, sereia bela
Foi na areia, numa noite linda | Saia do mar, venha brincar com ela
Na areia branca do mar >
Ø 7.
Oh lua clara no céu
Salve as conchinhas de prata
Iluminou seu divino manto, Sereia.
Salve quem aqui está
Oh rainha do mar, Sereia.
Salve a Mãe Sereia
Oh mamãe Yemanjá, Sereia.
Rainha, Mãe Yemanjá.
Oh rainha do mar, Sereia.

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 21


1.540 Pontos Cantados de Umbanda
Ø 8. Ø 13.
Eu fui na beira da praia | Yemanjá é sereia do fundo do mar
Pra ver o balanço do mar > Yemanjá, Yemanjá
Eu vi um retrato na areia Trabalha na areia junto com Beira-Mar
Me lembrei da sereia Ogum-yê, Ôdoiá
Comecei a chamar Rainha sereia, minha mãe Yemanjá
Oh Janaína vem ver | Ø 14.
Oh Janaína vem cá | Retira a jangada do mar |
Receber suas flores | Mãe d’água mandou avisar |
Que venho lhe ofertar > Que hoje não pode pescar |
Pois hoje tem festa no mar >
Ø 9. Ê Ê Ê Ê Ê Ê Yemanjá |
Vamos saravar mãe Yemanjá Ela é, ela é a rainha do mar >
Vamos todos juntos jogar flores no mar Traz pente traz espelho Ô Ô Ô Ô
É do mar, é do mar, é do mar Pra ela se enfeitar Ô Ô Ô Ô
É do mar minha mãe sereia Traz flores traz perfume e enfeita todo mar
É do mar, é do mar, é do mar
É do mar, é nas águas, é nas areias Ø 15.
A lua branca traz o mar |
Vamos saravar mãe Yemanjá Para lhe enfeitar >
Vamos todos juntos jogar flores no mar Ela quer amor, ela quer a paz
É do mar, é do mar, é do mar Ela é harmonia em todo lugar
É do mar minha sereia Filha de Yemanjá, Odocia
Papai risca ponto nas pedras Filha de Yemanjá, vamos saravar
Mamãe risca ponto na areia Ela é alegria aonde vai
No seu coração ela traz a paz
Ø 10. A lua branca traz o mar |
O que é que me deram para levar Para lhe enfeitar >
Pra dona Janaína no fundo do mar?
Frasco de cheiro, laço de fita Ø 16.
Pra dona Janaína que é muito bonita E vem, vem, vem e vem beirando o mar
E vem a mãe Sereia para todo o mal levar
Ø 11. Chegou, chegou, chegou a mãe sereia
A onda do mar rolou > Para todo o mal levar
Saravá a rainha do mar | E foi , foi, foi e foi beirando o mar
Saravá minha mãe Yemanjá | E foi a Mãe Sereia para todo o mal levar
Mamãe Yemanjá >
Ø 17.
Ø 12. Eu sou filha de Yabá |
Filha de Yemanjá, toda de azul Yabá é minha mãe >
Filha de Yemanjá, de corpo azul A rainha do tesouro |
Oh doce Yabá no fundo do mar 3>
22 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras
YEMANJÁ
Ø 18. Ø 26.
Yemanjá sobá, baba ebô Uma estrela lá no céu brilhou
Baba ebô Yemanjá, baba ebô E o clarão refletiu no mar
Era uma estrela guia
Ø 19. Que refletia o lindo manto de Yemanjá
Yemanjá, sereia bonita, rainha do mar Yemanjá, Yemanjá, Yemanjá.
Sereia bonita, rainha do mar, Yemanjá Se nessas águas eu pudesse navegar
Como é lindo o canto de Yemanjá Eu traria um pedacinho do seu manto
Ela faz o pescador chorar E essa luz que brilha em seu olhar
Quem escuta a mãe d’água cantar
Vai com ela pro fundo do mar Ø 27.
Com uma dúzia de velas,
Ø 20. Numa noite tão linda
A estrela brilhou lá no alto mar Eu fui para o mar, rezando e chorando...
Quem vem nos salvar é nossa mãe Fazer meus pedidos para Yemanjá
Yemanjá Ô Yemanjá, venha me ajudar
Ô mãe Oxum, venha me salvar
Ø 21. Sou peregrino trazendo flores
Botei meu barco n’água para navegar Frutas e velas pra mãe Yemanjá
Pedi licença à primeira embarcação de
Yemanjá Ø 28.
Yemanjá, ô Yemanjá, Ajoelhei-me na beira da praia
Rainha das águas é Yemanjá Pra pedir proteção a minha mãe Yemanjá
A água que me batia, Yemanjá respondia
Ø 22. Filho vou te ajudar.
Yemanjá, Yemanjá, Yemanjá >
Venha me ajudar, Odoiá Ø 29.
Vem nas ondas do mar Yemanjá, Yemanjá.
Sou pescador, moro nas ondas do mar...
Ø 23. Também sou filho de Yemanjá
Sou filho do mar, das ondas do mar Quero morrer no mar
Da espuma do mar, sou filho do mar Nos doces braços de Yemanjá
Minha mãe Yemanjá, Yemanjá minha mãe
Rainha ela é do mar Ø 30.
Quem vem vindo na crista da onda
Ø 24. É sereia, rainha do mar
Yemanjá coroou é de arariou > Quem vem vindo na crista da onda
É de doce malembe é de arariou > É sereia, mamãe Yemanjá
Vem senhora das águas do mar
Ø 25. Abençoe esse nosso Congá
Yemanjá ô
Iô cindô rê rê Yemanjá

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 23


1.540 Pontos Cantados de Umbanda
Ø 31. Ø 38.
Oh, como é lindo as flores brancas de Yemanjá Se as ondas do mar são verdes
Chegou a hora Me leva pro fundo do mar
Vindes com Deus e Nossa Senhora Yemanjá Sereia, sereia...
Um buquê de rosas brancas, ê ê Sereia é a mãe Guiomar
Vou levar pra Yemanjá, ê á
Ø 39.
Ø 32. Em cima de uma pedra
A minha mãe é mãe de mesa Em cima da pedra, outra pedra
É a rainha do mar Embaixo da pedra tem areia
Pede a Deus a proteção Quem manda no mar sereia >
Para seus filhos salvar
Ø 40.
Ø 33. Como ela nada no mar >
Yemanjá, Yemanjá, Com as ondas bem fundas
No fundo do mar tem areia Como ela nada no mar
Areia do fundo do mar
Em cima do mar tem as ondas Ø 41.
Ondas que vão me levar A sereia canta, os peixinhos nadam
Num barco enfeitado de flores Levando o barco de Yemanjá
Pra ouvir a sereia cantar Êêêá >

Ø 34. Ø 42.
Mãe, mãe, mãe Sereia, sereia, minha rainha do mar
Por que é que tu vives no fundo do mar? Todo o mal de seus filhos, sereia
Eu sou a mãe sereia, rainha de Oxalá Leva para o fundo do mar
Eu venho trazer forças
Para os meus filhos salvar Ø 43.
Minha mãe é sereia, rainha do mar
Ø 35. Oh sereia tá no mar
Brilhou, brilhou, brilhou, brilhou no mar Sereia tá no mar, sereia tá no mar
O manto da nossa mãe Yemanjá
Brilhou, brilhou no mar Ø 44.
E agora vai brilhar nesse Congá Sereia, sereia
Ø 36. Olha a sereia que nada no mar >
Como está tão lindo o altar Ela é dona do reinar
Com as flores de nossa mãe Yemanjá
Salve a caridade pura Ø 45.
Salve a sereia do mar É vem, é vem, é vem, e vem beirando o mar
E vem a mãe sereia, chegou beirando o mar
Ø 37. Chegou, chegou, chegou, chegou a mãe sereia
Sereia, sereia, como ela nada no mar Pra nos auxiliar
Se minha mãe é sereia, oh sereia Baixou, baixou, baixou, beirando o mar
Baixou a mãe sereia pra todo o mal levar
24 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras
YEMANJÁ
Ø 46. Ø 51.
Minha jangada de vela Adormeceu, sob o amparo da mãe d’água
Corre um vasto do mar Sentindo o amor que não se esgota
De dia o vento é na terra Dessa fonte que é Deus, Yemanjá,
De noite o vento é no mar Doce Yemanjá
Remai! Remai! > Sou pequenino grão de areia
Nossa Senhora da Luz Na imensidão desse seu mar
Mãe do povo do mar É a tua luz que me clareia
Levai a vossa barquinha O caminho e o trabalho
Pra Jesus adorar Que Oxalá me concedeu
Remai! Remai! > E é por isso que, serena,
A minha alma adormeceu
Ø 47.
Veio navegando pelas ondas do mar Ø 52.
Para saravar no recinto de Yemanjá Quando as ondas brancas vem rolar na areia
Viva mamãe Oxum, viva a sereia do mar Eu sinto saudades da minha mãe sereia
E quando na Umbanda
Ø 48. Eu canto pra Yemanjá
No clarear de uma manhã Eu sinto saudades das águas rolando o mar
Eu tive um sonho tão bonito Odoiá minha mãe Yemanjá
Sonhei que as águas de Yemanjá Odoiá sereia do mar.
Me transportavam ao infinito
Ø 53.
De suas águas generosas A Rainha das Ondas é tão bela
As suas mãos me estendeu Como bela nos campos é a flor
E na carícia das marolas Salve Ogum Beira Mar, seu guerreiro
A minha alma adormeceu Ela é a Rainha do Amor
Salve, salve Yemanjá no terreiro
Ø 49. Salve os campos do seu jacutá
Que caminho de espinho Salve Ogum Beira Mar, seu guerreiro
Que caminho de areia Ela é a Rainha do Mar
Saravá mãe Yemanjá
Nossa Senhora das Candeias Ø 54.
Ela vem beirando o mar |
Ø 50. Oi, ela vem berando a areia >
Ela é uma flor nos jardins do Senhor Saravá a mamãe Yemanjá
Ela é uma Rosa, uma rosa em botão Saravá a sua aldeia
Ela é toda a pureza, ela é toda ternura
Ela é todo Amor, ela é Senhora da Conceição

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 25


1.540 Pontos Cantados de Umbanda
Subida

Ø 1.
A onda do mar rolou 4>
Os filhos de Yemanjá |
A onda do mar levou >

Ø 2.
A marola do mar vai levando
Yemanjá é quem vai navegando
A marola do mar vai levando
E seus filhos ela vai deixando

Ø 3.
A onda que te trouxe
É que te leva para o mar
Auê, auê, auê Yemanjá >

Vai com a onda vai


Vai com a onda vem
Vai com a onda vai
Que com a onda eu vou também

26 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras


YEMANJÁ
Ø CONTO DE AREIA
Toninho Nascimento
É água no mar, é maré cheia oi...
Mareia oi, mareia, é água no mar!
É água no mar, é maré cheia oi...
Mareia oi, mareia

Contam que toda a tristeza que têm na Bahia


Nasceu de uns olhos morenos molhados de mar
Não sei se é conto de areia ou se é fantasia
Que a Luz da Candeia ilumina pra gente contar

Um dia, a morena enfeitada de rosas e rendas


Abriu seu sorriso de moça e pediu pra dançar
A noite emprestou as estrelas bordadas de pratas
E as águas de Amaralina, eram gotas de luar

Era um peito só, cheio de promessa era só >

Quem foi ...quem mandou o seu amor


Se fazer de canoeiro
O vento que rola nas palmas
Arrasta o veleiro
E leva pro meio das águas de Yemanjá

E o Mestre Valente vagueia


Olhando pra areia sem poder chegar

Adeus amor

Adeus meu Amor não me espera


Porque eu já vou embora,
Pro reino que esconde os tesouros de minha Senhora,
Desfia colares, conchas pra vida passar
E deixa de olhar pros veleiros
Adeus meu amor eu não vou mais voltar

Foi Beira Mar, foi Beira Mar quem chamou


Foi Beira Mar ê, foi Beira Mar >

É água no mar é maré cheia.

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 27


1.540 Pontos Cantados de Umbanda
Ø A LENDA DAS SEREIAS
Beth Carvalho
Oguntê, Marabô, Caiala e Sobá |
Oloxum, Inaê, Janaína e Yemanjá >
São rainhas do mar

Mar, misterioso mar, que vem do horizonte


É o berço das sereias, lendário e fascinante

Olha o canto da sereia, que Ialaô, Okê, Ialoá


Em noite de lua cheia, ouço a sereia cantar.

E o luar? E o luar sorrindo


Então se encanta
Com as doces melodias
Os madrigais vão despertar

Ela mora no mar, ela brinca na areia |


No balanço das ondas, a paz ela semeia >

Ai quem é?

Oguntê, Marabô, Caiala e Sobá |


Oloxum, Inaê, Janaína e Yemanjá >

Olha o canto da sereia, que Ialaô, Okê, Ialoá


Em noite de lua cheia, ouço a sereia cantar

Ela mora no mar, ela brinca na areia |


No balanço das ondas, a paz ela semeia >

A paz ela semeia >

Oguntê, Marabô, Caiala e Sobá |


Oloxum, Inaê, Janaína e Yemanjá >
São rainhas do mar

28 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras


YEMANJÁ

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 29


1.540 Pontos Cantados de Umbanda

30 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras


NANÃ BURUQUÊ
Pontos de Linha Ø 5.
Saravá Nanã, oi Nanã Buruquê >
Ø 1. A sua saia é roxa
Atraca, atraca | O seu telhado é de sapê.
Que aí vem na onda, é Nanã >
Ø 6.
É Nanã, é Oxum, Nanã, oh minha mãe Nanã >
É quem vem saravar, ei ah Protege os seus filhos
É Nanã, é Oxum, Segure o meu Congá
É a sereia do mar, ei ah Eu sou de Jurema
Ø 2. E eu quero trabalhar
São flores, Nanã, são flores
São flores, Nanã Burukê Ø 7.
São flores, Nanã, são flores, Nanã vem das neves,
Do seu filho Abaluaê Ela vem das ondas do mar >
Saravá Oxumaré
Nas horas de agonia Saravá a sereia do mar
É ele quem vem nos valer Saravá Nanã Buruquê
É ele, Nanã, é meu Pai, | Saluba >
É seu filho Abaluaê >

Ø 3. Ø 8.
O mar roncava, entre as pedras se batia Atraca, atraca, que eu vi Nanã
Ao gemido da mãe d’água, Bangu, Bangulê
A sereia respondia Atraca, atraca, que eu vi Nanã auê
São flores, são flores... Atraca, atraca, que eu vi Nanã
São flores, Nanã Buruquê Que eu vi Nanã Buruquê
São flores, são flores > Pergunte à sua canhanha
Se eu vi Nanã, se eu vi Nanã Buruquê
Ø 4.
Minha mãe é Nanã Ø 9.
É o Orixá mais velho do céu Senhora Santana, mãe de misericórdia
Nanã, oh Nanã Buruquê Eu vou pedir a ela
Firma seu filhos, agora eu quero ver Pra ela pedir a Deus
Oh, minha mãe, rogai por mim
Senhora Santana
Dai-nos vossa proteção Ø 10.
Valei-nos avó de Aruanda Nanã é mãe dos Orixás
Valei-nos com sua benção Está na terra e na cachoeira e está no mar
Com seu manto consagrado Eu vou pedir à boa Nanã
Com sua estrela bendita Que abençoe seus filhos e seu Ogã
Valei-nos senhora Nanã
Livrai-nos das horas aflitas

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 31


1.540 Pontos Cantados de Umbanda
Ø 11. Ø 16.
Oh Nanã, cadê Oxum Nanã é a Velha Mãe
Oxum tá nas ondas do mar De todos os Orixás
Ela é dona do reinar Nanã manda muitas flores
Salve Oxum Pra enfeitar o nosso Congá
Ø 12. Ø 17.
Oi nas ondas do mar eu vi Nanã | Se Nanã não chegar >
Oi Nanã Buruquê > Como é que eu vou girar >
Oi nas ondas do mar Nanã teu filho pede >
Dá forças pra trabalhar >
Ø 13.
Oh Yemanjá, oh Yemanjá Ø 18.
Que linda sereia nadando Saluba ê, saluba ê Nanã
Areia nas águas do mar Saluba ê Nanã, ê Nanã Buruquê
Vai dizer pra Santana
Que toda semana eu rezo pra ela Ø 19.
Em seu louvor Saluba Nanã, saluba
É Nanã Buruquê > Saluba Nanã, na lagoa e no mar
Ø 14.
Nas cachoeiras de Nanã Buruquê
Só se lava a cabeça do filho de Umbanda
Quando é pra valer
Mas se você não é, então não vai lá
Porque Nanã Buruquê, meu filho
Pode não gostar

Ø 15.
Maleime Velha Nanã
Maleime Deus é quem dá
Maleime Meu Pai Oxossi
Maleime
Maleime Deus é quem dá
Maleime Velha Nanã
Maleime Deus é quem dá
Maleime Meu Pai Xangô
Maleime
Maleime Deus é quem dá
Maleime Velha Nanã
Maleime Deus é quem dá
Maleime Meu Pai Ogum
Continua.......para todas as linhas
32 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras
NANÃ BURUQUÊ

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 33


1.540 Pontos Cantados de Umbanda

34 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras


OXUM
Pontos Individuais Pontos de Linha

Ø DA AREIA BRANCA Ø 1.
Oxum quando canta na beira do rio | Olha o barquinho de Cinda |
Faz o peixe ciscar na areia > Cinda é quem vem trabalhar >
É o Caboclo da Areia Branca | Cinda é Mamãe Oxum, aiêiêo |
Que traz o ouro pra minha senhora > Cinda é a Cobra Coral >
Aieiê
Ø 2.
Oxum quando canta na beira do rio | Oxum estava na beira do rio |
Faz o peixe ciscar na areia > Colhendo lírios pro seu Congá >
A Aruanda já está em festa | Iluminou lá na pedreira |
Seu Areia Branca ilumina a terra > Os lírios brancos da cachoeira >
Aieiê
Ø 3.
Ø DA AREIA BRANCA Eu sou da mina |
Na beira daquele rio | Eu sou da mina de ouro >
Tem uma areia branca > Onde mora mamãe Oxum |
Onde passa um cavaleiro | Guardiã do meu tesouro >
Cavaleiro de Umbanda > Mamãe Oxum rainha cheia de luz |
Caboclo da beira do rio Cubrai-nos com vosso manto |
Caboclo da beira do mar Rogai por nós a Jesus >
Ele vem cavalgando de Aruanda Ø 4.
Vem trazendo sua Umbanda No céu uma estrela vem brilhando
Pra seus filhos ajudar Nas águas o amor refletindo
Aiêiê Oxum |
Ø DA AREIA De alegria estou sorrindo >
Na beira do rio verde |
Eu vi um caboclo na areia > Também nas cachoeiras
Pegando peixe miúdo | Tem a força de Oxum
Pra levar pra sua aldeia > Oxum é minha mãe
E meu Pai é Ogum aiêiêo

Ø 5.
Se minha mãe é Oxum |
Na Umbanda e no Candomblé >
Aiêiê, aiêiê, minha mãe |
Aiêiê, minha mãe Oxumaré >
Mas ela vem beirando o rio
Colhendo lírios pra nos ofertar
Aiêiê, aiêiê minha mãe |
Orixá desça e vem nos abençoar >
Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 35
1.540 Pontos Cantados de Umbanda
Ø 6. Ø 12.
Eu vi mamãe Oxum na cachoeira | Mamãe Oxum dona dos rios e dos lagos
Sentada na beira do rio > Mamãe Oxum olha nossos lares
Colhendo lírios, lírios ê | Ela vem na banda nos traz felicidades
Colhendo lírios, lírios á | Mamãe Oxum, quando vai deixa saudades
Colhendo lírios pra enfeitar nosso Congá >
Ø 13.
Ø 7. No alto da cachoeira
Oxum, Oxum Tem uma gruta do lado de lá
Oxum é minha mãe Tem um banquinho de ouro, mamãe
É a rainha do meu congá > Onde Oxum vai se sentar
Ø 8. Ø 14.
Meu pai me diga quem é | Eu vi mamãe Oxum
Quem é que vem de Aruanda > Sentada na cachoeira
É mamãe Oxum, das cachoeiras E ela cantava tanto
Meu pai me diga quem é | Chamava Ogum para jurar bandeira
Quem é que vem de Aruanda >
É mamãe Oxum na lei de Umbanda Ø 15. ÁGUAS DE OXUM
Ø 9. O rio é de Oxum, aiê-iê-o
Mamãe Oxum chegou O lago é de Oxum, aiê-iê-o
Na gira dos Orixás Águas de Oxum, aiê-iê-o
E traz das águas dos rios Aiê-iê, Oxum, aiê-iê
Sua mensagem de paz Águas de Oxum, aiê-iê-o
Aiê-iê, Oxum, aiê-iê
Mamãe Oxum, malei-me mamãe Oxum | Água da cachoeira, aiê-iê-o
Olhai pros seus filhos da gira | Força da cachoeira, aiê-iê-o
Na fé de meu pai Ogum > Água cristalina, aiê-iê-o
Oi gira gira gira | Aiê-iê, Oxum, aiê-iê
Oi gira e torna a girar | Águas de Oxum, aiê-iê-o
Pra chamar povo de pemba | Aiê-iê, Oxum, aiê-iê
Na gira dos Orixás > O rio passa na mata, aiê-iê-o
Na pedra uma cascata, aiê-iê-o
Ø 10. Oxóssi e Xangô, aiê-iê-o
A água que sai da cachoeira Aiê-iê, Oxum, aiê-iê
E vai correndo pelo rio afora Águas de Oxum, aiê-iê-o
Salve Oxum! Salve Yemanjá Aiê-iê, Oxum, aiê-iê
Salve Nanã! Salve a sereia do mar Um vento na campina, aiê-iê-o
Ø 11. O rio corta a campina, aiê-iê-o
Ela é flor de maio > Iansã e Ogum, aiê-iê-o
Se a minha mãe é linda flor de maio Arerê Aiê-iê, Oxum, aiê-iê
É flor de maio Águas de Oxum, aiê-iê-o
Aiê-iê, Oxum, aiê-iê
36 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras
OXUM
O rio encontra o mar, aiê-iê-o Ø 22.
Nos braços de Iemanjá, aiê-iê-o Mamãe Oxum, mamãe Oxum
Mãe de Oxalá, aiê-iê-o Mamãe Oxum, Nanã
Aiê-iê, Oxum, aiê-iê Me leva pras águas claras
Águas de Oxum, aiê-iê-o Eu quero ver a sereia cantar
Aiê-iê, Oxum, aiê-iê. Eu quero ver os caboclinhos da areia
Trabalhando pra mãe Yemanjá
Ø 16.
Arerê... arerê mamãe Oxum > Ø 23.
Arerê mamãe Oxum! Arerê Oxumaré Mamãe Oxum, mamãe Oxum lá do infinito
Ai vem ouvir, ai vem ouvir o nosso pranto
Ø 17. Nós te adoramos com amor e com carinho
Com sua saia bordada de ouro Na esperança de sentir o vosso manto
E o seu saiote todo rendado Mamãe Oxum, que vem de Aruanda
Auê oh minha mãe Oxum auê Com o divino espírito santo
Os anjos do céu dizem amém. Vem salvar filhos de Umbanda
Ø 18.
Caiu uma estrela dentro desse Congá > Ø 24.
Era uma estrela azul Estrela D’Alva, estrela que brilha
Era uma estrela bendita É a mamãe Oxum
Do manto sagrado da mamãe Oxum É a mamãe Oxum que ilumina
Ilumina a terra, ilumina o mar
Ø 19. Estrela matutina que ilumina esse Congá
A Lua vem surgindo
Por detrás da cachoeira Ø 25.
Arerê mamãe Oxum... Arerê Oxumaré Eu fui na cachoeira chorando
Ø 20. Levava comigo uma dor
Oxum linda morena Ela surgiu dentre as águas
Pra você eu vou girar Olhando me disse assim
O teu canto de sereia “Não chores meu filho querido
Agora vai me encantar Pois sempre ao seu lado estarei”
Ela me deu uma rosa
Se você inda não sabe E entre as flores desapareceu
Quem é este Orixá Arerê! Arerê!
É Oxum a mãe do ouro Arerê mamãe Oxum olha eu
Rainha deste Congá
Ø 21. Ø 26.
Oxum e mamãe Yemanjá Salve a Estrela Guia |
És a rainha do céu, és a rainha do mar Salve o Cruzeiro do Sul >
Oxum vem acender os candeeiros Salve nossa Mãe Santíssima
Iluminar nosso terreiro E o manto sagrado de Mamãe Oxum
E a seus filhos abençoar

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 37


1.540 Pontos Cantados de Umbanda
Ø 27. Subida de Oxum
Nas águas serenas da lagoa
Uma estrela apareceu
E foi como num sonho Ø 1.
A estrela desapareceu Mamãe Oxum
Eu seu lugar eu vi Salve a banda da senhora
A deusa das águas aparecer Mamãe Oxum
Formou-se arco-íris Aiêiê já vai embora
Eu gritei para ele me valer
Oxum, Oxumaré venha me socorrer Ø 2.
O rio que te trouxe
Ø 28. É quem te leva pro mar
Oxum, teu nome eu trago Auê, auê, auê seu canzuá
Na palma de minha mão
Oh! Oxum, teu filho roga Ø 3.
De ti muita proteção E vai, vai, vai
E vai beirando o rio
Ø 29. E vai mamãe Oxum
Eu vi, eu vi Nanã, eu vi Oxum na beira do rio Para todo mal levar
As aves cantam ao romper da Aurora
É Mamãe Oxum que vai chegar agora

Ø 30.
Foi na beira do rio aonde Oxum chorou >
Chora iêiêiêô, choram os filhos seus >

38 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras


OXUM

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 39


1.540 Pontos Cantados de Umbanda

40 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras


IANSÃ
Pontos Individuais Ø 5.
Iansã tem um leque que venta |
Pra abanar dias de calor >
Ø CABOCLO DA LUA E DO SOL Iansã mora na pedreira |
Caboclo da Lua, Caboclo do Sol Eu quero ver meu pai Xangô >
São irmãos Gêmeos como Cosme e Damião
Povo de Umbanda manda, mas não vai Ø 6.
Filho de Umbanda tomba, mas não cai. Iansã cadê Ogum? Foi pro mar >
Iansã penteia os seus cabelos macios
Quando a luz da lua cheia
Pontos de Linha Clareia as águas do rio
Ogum sonhava com a filha de Nanã
Ø 1. E pensava que as estrelas
Iansã, Orixá de Umbanda Eram os olhos de Iansã
Rainha de nosso Congá
Mas Iansã, cadê Ogum? Foi pro mar 3>
Saravá Iansã lá na Aruanda
Eparrei, eparrei Na terra dos Orixás, o amor se dividia
Iansã venceu demanda Entre um Deus que era de paz
E outro que combatia
Iansã, saravá Pai Xangô
No céu trovão roncou Como a luta só termina
E lá na mata o leão bradou Quando existe um vencedor
Saravá Iansã, saravá Xangô Iansã virou rainha
Da coroa de Xangô
Ø 2. Mas Iansã, cadê Ogum? Foi pro mar >
Oh, Iansã menina, é do cabelo louro.
Sua espada é de prata, sua coroa é de ouro. Ø 7.
Ventou nas matas ventou nas pedreiras |
Ø 3. Que vento forte nas cachoeiras >
Eram duas ventarolas |
Duas ventarolas ventando o mar > Não é Oxóssi, nem é Xangô
Uma era Iansã, ô Eparrei | É Iansã com seu patakotô
A outra era Yemanjá, oh dociá > Deusa dos ventos e do trovão
Oh minha mãe, quero sua proteção
Ø 4.
Eram duas ventarolas > Ø 8.
Que ventavam o mar Saravá Iansã dos cabelos louros |
Se a minha é Iansã, o Eparrei No seu mar tem água, |
Agora que eu quero ver Na sua pedra tem ouro >
Seu ariri, seu arirá
Saravá Iansã, a Rainha do Mar

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 41


1.540 Pontos Cantados de Umbanda
Ø 9. Ø 15.
Na beira do cariri Eu vi Santa Bárbara no céu
Eu vi Xangô sentado A trovoada roncou lá no mar
Com Yemanjá e Oxum Ai como gira meu Congo oiô >
E Santa Bárbara ao seu lado Gira com fé
Na beira do cariri
Ø 16.
Ø 10. Yemanjá é a rainha do mar
Ela é a senhora dos ventos E minha Santa Bárbara é rainha do Jacutá
Ela é a mais linda Orixá É rainha do Jacutá
Ela veio acalmar a tormenta
Quem mandou foi meu pai Oxalá Ø 17.
Iansã, minha mãe Iansã Oh lírio, oh lírio, como lírio é
Sua espada de ouro no céu brilhou Na linha de Umbanda formosa ela é
Iansã, minha mãe Iansã
Obrigada senhora Ø 18.
Porque a bonança chegou Guena guena agogô
Vai na Angola girar
Ø 11. Minha sambarerê é quirombo
Ela é Matemba, ela é Oiá | Santa Bárbara no Jacutá
Ela é Iansã neste Jacutá >
Ela é Matemba do cabelo louro Ø 19.
Senhora dos ventos, da espada de ouro Eparrei na Aruanda auê
Arerê na Aruanda auá
Ø 12. Salve Yemanjá que é a rainha do mar
Mas que caboclo é aquele Salve Xangô Kaô Kabecile
Ele vem de Aruanda É de quá quá quá
Ele vem trabalhar
Eparrei, Eparrei Iansã Ø 20.
Saravá a rainha do ar É mina mina agogô >
Eparrei, Eparrei Iansã É de angomé, em terra de angomá
Saravá a Mamãe Yemanjá É de Santa Bárbara rainha do Jacutá
Ø 13. Ø 21.
Moça rica, com sua estrela luminosa Auê venta aqui venta no mar
Sua coroa, seu ramo de rosa Santa Bárbara é rainha da seita
Umbanda ê! Umbanda á! Ela é dona do seu Jacutá
E minha Santa Bárbara rainha do Jacutá Quando ela chega no reino
Filho da seita ela vem saravar
Ø 14.
Oh Iansã, é dona do Jacutá
Guena guena agogô, guena guena orirá

42 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras


IANSÃ
Ø 22. Ø 29.
Espia o que vem pelo céu Eparrei Oiá
Olha o que vem pelo mar Dona do vento, mensageira de Oxalá
Mas ela é nossa mãe Iansã Eparrei Oiá, eparrei Oiá
Mas ela é dona do Jacutá Dona do vento, mensageira de Oxalá
Saravá Santa Guerreira
Ø 23. Deusa do fogo e da luz
Vento, mas que ventania > Minha Santa Padroeira
Iansã é nossa mãe Que meu destino conduz
Yemanjá é nossa guia
Proteção para seus filhos
Ø 24. Eparrei Oiá
A sua espada é de ouro Moça rica da Umbanda
A sua saia bem rodada Venha nos abençoar
Ela vem na ventania
Santa Bárbara abençoada Ø 30.
Iansã o seu leque é de ouro
Ø 25. Vem do céu, Oxalá quem mandou
Iansã chegou no reino Para salvar os seus filhos Iansã
Chegou com a chuva e com vento Na hora da agonia e da dor
Ela é dona de Jacutá, veio saravar
Os seus filhos no Congá Ø 31.
Moça rica com sua espada luminosa
Ø 26. Sua espada é cravejada de brilhantes
Numa bela noite eu caminhava Quimbanda auê, quimbanda auá
Sozinho, pedindo proteção Santa Bárbara do Jaracutá
Deu um relâmpago, o céu clareou
Me ajoelhei e Iansã me abençoou Ø 32.
Santa Bárbara virgem
Ø 27. Dos cabelos louros
Ela é moça bonita Ela vem descendo
Ela é dona do seu Jacutá Pela escada de ouro
Auê, auê, auê
Oh mamãe de Aruanda Ø 33.
Segura esses filhos que eu quero ver Saravá Iansã dos cabelos louros |
Seu luar tem prata, sua coroa tem ouro >
Ø 28. Auê, auê, auê, auá
Ela é Santa Bárbara Saravá Iansã, rainha do Jacutá
Rainha do Jacutá
Arererê! Arererá
A mamãe de Aruanda já virou janga no mar

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 43


1.540 Pontos Cantados de Umbanda
Ø 34. Subida
Êh Iansã, só vós podeis me ajudar
Chame meu Pai Ogum Ø 1.
Mande ele vir me salvar, êh Iansã O vento que te trouxe
Porque tem alguém trabalhando É que te leva para o ar
Comigo querendo acabar, êh Iansã Auê, auê, auê, seu canzuá >
Avisa meu Pai Oxalá, êh Iansã
Êh Iansã, avisa meu Pai Oxalá, Ø 2.
Eu peço justiça pra todos Beri, beri mas elas vão beirando o mar >
Em nome de Xangô êh Iansã Iansã já vai embora e elas vão beirando o
mar
Ø 35. Beri, beri mas elas vão beirando o mar >
Oiá, olha eu, Oiá, eparrei, eparrei Iansã >
Viaja na ponta do vento
No corisco do trovão
Senhora da tempestade
Me dê sua proteção
Oiá, olha eu, Oiá, eparrei, eparrei Iansã >
Vencedora de demanda
Ela é Orixá Guerreira
Na Coroa de Xangô
Yansã é a primeira
Oiá, olha eu, Oiá, eparrei, eparrei Iansã >

44 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras


IANSÃ

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 45


1.540 Pontos Cantados de Umbanda

46 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras


OGUM
Pontos Individuais Ø SETE ONDAS
Ogum de lei, |
Não me deixe sofrer tanto assim meu pai >
Ø BEIRA MAR Quando eu morrer vou passar na Aruanda |
Beira Mar, auê Beira Mar > Saravá Ogum, saravá Seu Sete Ondas >
Ogum já jurou bandeira
Nas matas do Humaitá Ø NARUÊ
Ogum já venceu demanda Magia, magia que faz o meu corpo tremer
Vamos todos saravá Magia, magia que chega em silêncio
Beira Mar, auê Beira Mar > Sem a gente ver
É o Senhor Ogum
Eu estava na minha gira É o rei da magia que vem nos socorrer
Eu estava no meu Congá É o Senhor Ogum
Eu estava na minha gira Quem vence a magia é Ogum Naruê,
Vamos todos saravá Ogunhê
Beira Mar, auê Beira Mar >
Ø IARA
Ø BEIRA MAR Se meu pai é Ogum, Ogum |
A sua espada brilha no raiar do dia | Vencedor de demanda |
Seu Beira Mar é filho da Virgem Maria > Ele vem de Aruanda |
Seu Beira Mar, beirando a areia | Pra salvar filhos de Umbanda >
Seu Beira Mar é filho da mamãe sereia > Ogum, Ogum, Ogum, Ogum Iara >
Salve os campos de batalha
Ø MEGÊ Salve as sereias do mar
Ogum Megê, general de Umbanda Ogum, Ogum Iara
Com seu cavalo Seu Ogum foi guerrear
Com sua espada, com sua lança Ø IARA
Venceu demanda nos campos de Humaitá Seu cavalo corre, sua espada reluz
Ogum Megê Sua bandeira cobre todos os filhos de Jesus
O seu cavalo corre, sua espada reluz
Ø MEGÊ Auê, Ogum Iara aos pés da Santa Cruz >
Na porta da Romaria |
Eu vi um cavaleiro de ronda > Ø BEIRA RIO
Trazia um escudo no peito uma lança na mão Beira Rio, Beira Rio, Beira Mar |
Ogum venceu a guerra e matou o dragão O que se ganha de Ogum |
A primeira espada quem ganhou foi ele> Só Ogum pode tirar >
Mas ele é, ele é Ogum Megê | Seu Ogum de Ronda ele vem girar |
Ele vem de Aruanda | E vem trazendo folhas |
Pros seus filhos proteger > Pra descarregar >

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 47


1.540 Pontos Cantados de Umbanda
Ø AKUAN Ø BEIRA-MAR
Ogum chamou das matas Estrela clareia a terra |
Akuan pra trabalhar Estrela clareia o mar >
Sua lança e sua flecha Clareia o Congá de Beira-Mar clareia
São armas deste Congá Clareia os filhos do seu Congá
É vencedor de demanda
E seus filhos vem salvar Ø BEIRA-MAR
É guerreiro, é valente Quando Ogum pisou na lua
Vamos todos saravar. Fez tremer a terra
Nos campos de batalha
Ø BEIRA MAR Seu Ogum venceu a guerra
Seu Ogum Beira Mar | Ê ê ê... ê ê ê
O que trouxe do mar? > Vamos saravar nosso pai Seu Beira-Mar
Quando ele vem beirando a areia |
Vem trazendo no braço direito | Ø BEIRA-MAR
O rosário da mãe Sereia > Sua espada rebrilha e rebrilha no mar
Seu Ogum é guerreiro e só pode brilhar
Ø BEIRA MAR Na sua morada que lhe deu Yemanjá
Auê, auê Ogum Beira Mar, auê Seu Ogum Beira-Mar vem a seu filho ajudar
Iansã virou o tempo
Pra Ogum não governar Ø BEIRA-MAR
Mas durante o barravento Beira-Mar, auê, Beira-Mar
Oxum se pôs a cantar Beira-Mar, quem está de ronda é militar
Ogum já jurou bandeira
Ø BEIRA MAR Nas matas de Humaitá
Meu Pai, que guerreiro é esse Ogum já venceu demanda
Que vence na terra | Vamos todos saravar
Que vence no mar >
Ele é lanceiro, ele é flecheiro Ø BEIRA-MAR
Ele é marinheiro, ele é de Yemanjá Minha espada é de aço,
Salve esse guerreiro | Minha espada vai brilhar
Saravá Seu Ogum Beira Mar > Minha espada é de fogo e Ogum Beira-Mar
Ø BEIRA-MAR Ø BEIRA-MAR
Ogum, Iansã, Xangô, Yemanjá Na lua mora um cavaleiro |
Salve os Caboclos das matas É, é, é o seu Ogum guerreiro >
Salve Seu Ogum Beira-Mar
Oi lá na lua tem, oi lá na lua há
Ø BEIRA-MAR Oi lá na lua mora seu Ogum Beira-Mar
Ogum Beira-Mar o que trouxe do mar? Oi saravá Ogum e a falange de Yemanjá
Quando ele vem do mar, na mão direita Oi lá na lua mora seu Ogum Beira-Mar >
Ele traz uma guia de mamãe sereia

48 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras


OGUM
Ø MEGÊ Ø MATINATA
Oxóssi assobiou | Que Ogum é aquele
Pra passar no Humaitá > Que vem cavalgando no céu azul
Pra falar com Ogum Megê | É Ogum Matinata
Mensageiro de Oxalá > Ele é defensor do Cruzeiro do Sul
Ø MEGÊ Com a espada na cinta
Ogum Megê, Ogum Megê > Escudo no braço ele vem cavalgando
Ogum Iara > É Ogum Matinata
Saravá cavaleiros de Umbanda > Ele é o defensor do Cruzeiro do Sul
A noite é linda, é de luar
Ogum Megê, Ogum Megê Ø GUARACY
É que vai chegar Salve a falange do Caboclo Guaracy
Deus do céu permita
Ø MEGÊ Que ele chegue até aqui
Não bota fogo que é de Oxalá Salve Tupã, Itatiaia e Poti
Não quebre a pedra que é de Xangô Salve Blazô e viva Guaracy
Não facilite com filho de pemba Salve o Sol, salve as estrelas e o Cruzeiro
Ogum Megê sempre foi vencedor Salve Guaracy que chegou neste terreiro
Ø MEGÊ
Lá vem Ogum em seu cavalo Ø ROMPE MATO
Com sua espada e sua lança na mão A sua terra é longe
A mata é vossa, deixa correr Uma estrela brilhou
E vamos saravar Ogum Megê Mas o seu filho de Umbanda
Já lhe procurou
Ø MEGÊ Oi, já lhe procurou >
Ele vem de longe montado em seu cavalo Cadê Seu Rompe Mato de Umbanda
Com sua espada na cinta ele vem pra Que até agora ainda não chegou
guerrear Ainda não chegou >
Ele guerreia por este mundo Cadê Seu Rompe Mato de Umbanda
O seu nome é Ogum Megê neste Congá Que até agora ainda não chegou
Ø MEGÊ Ø ROMPE MATO
O homem que bebe e fuma ô Ganga Que cavaleiro é aquele
É Ogum Megê ô Ganga Que vem cavalgando no céu azul
Xerê, xerê, xerê ô Ganga É Seu Ogum Rompe Mato
É Ogum Megê ô Ganga Ele é defensor do Cruzeiro do Sul
Ø MATINATA E, e, e, e, e, a
Quem vem de lá? Pisa na Umbanda, oi Canjira
Quem vem lá de tão longe? Pisa no Congá
Ele é Ogum Matinata
Que vem no reino saravar

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 49


1.540 Pontos Cantados de Umbanda
Ø ROMPE MATO Ø OGUM SETE ESTRELAS
Ouvi o toque do clarim lá no Humaitá Eh cavaleiro de Umbanda
Toque do maior do dia Ogum vencedor de demanda
Meu pai é Ogum Rompe Mato Salve os filhos de mamãe sereia
Filho da Virgem Maria Seu Ogum Sete Estrelas
Ilumina meu congá.
Ø ROMPE MATO
Eu vi raiar do dia, eu vi estrela brilhar Ø OGUM SETE ESPADAS
Eu vi Seu Rompe Mato, Ogum das matas Eu tenho Sete Espadas pra me defender |
Vir morar à beira-mar Eu tenho Ogum em minha companhia >
Mas Ogum é meu Pai, Ogum é meu guia
Ø ROMPE MATO Ogum vai baixar
Ogum disse que ele é Rompe Mato Na fé de Zambi e da Virgem Maria
É Rompe Mato auê, ele é Rompe Mato
Porque rompe as matas auê Ø OGUM NARUÊ
É Rompe Mato auê, saravá Ogum Rompe Mato Ei gente de Umbanda
Sopra o vento no mar
Ø ROMPE MATO Baixou Ogum Naruê
Ogum Iara, Ogum Megê Chegou a falange dos filhos de Umbanda
Onde está Seu Rompe Mato auê Baixou Ogum Naruê
Abre a gira de Umbanda auê
Ø SETE ONDAS Ø AKUAN
Oh filhos de Umbanda Akuan, Akuan, caboclo guerreiro
Seu Sete Ondas vem do Humaitá Altivo e bom companheiro
Que bela surpresa Akuan, Akuan
Vem de Aruanda nos abençoar Amigo de dar a mão
Irmão, de dividir o prato
Oh bela surpresa Retrato da Consolação
Bela surpresa, como está você Oxalá abençoe teu coração
Que bela surpresa! Salve Ogum...Salve São Miguel |
Vem da Aruanda pra nos proteger Mamãe Oxum, Akuan, me põe no céu >
Ø SETE ONDAS AKUAN!...
Estava na beira da praia
Quando vi Sete Ondas passar Ø AKUAN
Abra a porta oh gente que aí vem Ogum Seu Akuan é caboclo guerreiro |
No seu cavalo branco ele veio saravar Ele vem na falange de Ogum >
Ele olha por todos seus filhos, meu pai |
Ø TUCURUVU E não esquece de nenhum >
Aí vem Tucuruvu > Ele gira com o sol e com a lua |
Ele é filho das selvas das linhas de Ogum Ele gira com a terra e com o mar >
Chegou Tucuruvu > Ele vem com sua falange, meu pai |
Ele é filho das selvas das linhas de Ogum Pra firmar o seu Jacutá >
É Ogum de Cariri 4>

50 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras


OGUM
Ø DA PANTERA Pontos de Linha
Ninguém domina o bicho
Ninguém domina a fera Ø 1. SAUDAÇÃO A OGUM
Porque ninguém pode Saravá São Jorge, ogum-iê-ô |
Com o Caboclo da Pantera Saravá Ogum, ogum-iê-ô >
Ô-ô, ô-ô, ogum-iê-ô 4>
Caboclo não veio Salve Ogum Akuan, ogum-iê-ô
Nem com o corisco do trovão > Salve Ogum Yara, ogum-iê-ô
Mas mandou Seu Akuan Salve Ogum Naruê, ogum-iê-ô
Que é seu guardião E Seu Beira Mar, ogum-iê-ô
Ô-ô, ô-ô, ogum-iê-ô 4>
Ø CURUGUÇU Salve Ogum de Lei, ogum-iê-ô
Eu vem lá da Aruanda Salve Ogum Nagô, ogum-iê-ô
Trazendo a luz, a luz da Umbanda Salve Ogum Megê, ogum-iê-ô
Eu vem com o clarim de Ogum E seu Matinata, ogum-iê-ô
Anunciar que a Umbanda vai chegar Ô-ô, ô-ô, ogum-iê-ô 4>
Eu é caboclo de Umbanda Ø 2.
Eu vem do Cruzeiro do Sul Filho de pemba bebe água no rochedo |
Eu é caboclo Curuguçu Filho de Ogum corre campo |
Meu grito já ecoou E não tem medo >
É a Umbanda que chegou Eu vou pedir ao Criador |
Meu grito ecoou Que derrame o seu amor |
Pai Oxalá quem me mandou Aos nossos guias e ao nosso Babalaô >
Eu é Curuguçu
Da corrente de Ogum Ø 3.
Que aqui chegou Pisa na linha de Umbanda
Que eu quero ver Ogum Sete Ondas
Ø OGUM DE RONDA Pisa na linha de Umbanda
Um cavaleiro na porta bateu > Que eu quero ver Ogum Beira Mar
Passei a mão na pemba para ver quem é > Pisa na linha de Umbanda
Era seu Ogum de Ronda Que eu quero ver seu Sete Espadas
Ogum é a força maior Ogum Iara, Ogum Megê >
Olha a banda aruê
Pisa na linha de Umbanda
Que eu quero ver Ogum Matinata
Pisa na linha de Umbanda
Que eu quero ver Ogum Sete Estrelas
Pisa na linha de Umbanda
Que eu quero ver seu Rompe Mato
Ogum Iara, Ogum Megê >
Olha a banda aruê

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 51


1.540 Pontos Cantados de Umbanda
Ø 4. Ø 10.
Por entre matas, por entre mares e terras Ogum já venceu, já venceu, já venceu |
Eu entendi o que meu Pai quis dizer Ogum vem de Aruanda |
Que Ogum não devia beber E quem lhe manda é Deus >
Que Ogum não devia fumar Ele vem beirando o rio |
Mas a fumaça são as nuvens que passam| Ele vem beirando o mar |
E a espuma, as ondas do mar > Oi salve Santo Antônio na Calunga |
Benedito e Beira Mar >
Ø 5.
Se meu pai é Ogum vencedor de demanda| Ø 11.
Ele vem de Aruanda | De quem sou eu, meu Pai me diga lá |
Pra salvar filhos de Umbanda > Me diga lá, Obatalá >
Ogum, Ogum, Ogum, Ogum Iara > Eu sou da terra, sou do vento ou sou do mar
Ogum Megê, Ogum de Lei > Sete cavaleiros, todos sete encantados
Filhos da inocência, pai de todos os pecados
Ø 6. Sete feiticeiros, sete cores da manhã
Ogum, guardai pedreiras mandado por São guerreiros e amantes,
Oxalá Companheiros de Tupã
Com a espada e com a lança, Ogum Sete cavaleiros, todos sete concebidos
Seus filhos vem ajudar, Ogum Pela chama dos amantes,
Pelo medo dos vencidos
Ø 7. Sete bandoleiros, eram sete, resta um
Oxalá está chamando | Vem chegando triunfante
Ogum lá no Humaitá | Num cavalo de Ogum
Pra lhe dar uma bandeira | Ø 12.
E mandar ele jurar > Lua bonita que clareia o mundo inteiro
Se ele é capitão, ele vem jurar E São Jorge no espaço, iluminai este
Se for de Angola, também vai jurar terreiro
Se for Ogum de Lei, ele vai jurar Oh meu São Jorge
E se for de Nagô, também vai jurar Os seus filhos vêm chegando
Os seus filhos vêm descendo
Ø 8. Protegei esses irmãos
Yemanjá cadê Ogum | Ele é guerreiro, ele quebra macumbeiros
Foi com Oxóssi ao Rio Jordão > Ele quebra os feiticeiros, debaixo do alazão
Foram saudar São João Batista |
E batizar Cosme e Damião > Ø 13.
Quem está de ronda é São Jorge |
Ø 9. Deixa São Jorge rondar >
Ogum Iara, Ogum Megê, São Jorge é guerreiro
Olha Ogum Rompe Mato, auê Que manda na terra e manda no mar
Ogum Iara, Ogum Megê, Saravá, meu pai, girar é bom 3>
Tranca gira de Umbanda, auê. É bom girar
52 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras
OGUM
Ø 14. Ø 19.
Bendito guerreiro São Jorge Ele é soldado de cavalaria
Que traz na espada o sinal da cruz Tem muitos anos de infantaria
Trazendo a paz e a harmonia É capitão, é o maior do dia
Aos filhos benditos de Jesus É ordenança da Virgem Maria
Ó São Jorge Ø 20.
Com sua espada de luz No Humaitá, no Humaitá
Salvai os vossos filhos É o rei de Umbanda
Em nome da Santa Cruz São Jorge venceu demanda
Seu cavalo branco, sua espada e seu escudo
Ø 15. Rompendo cerca de espinhos, porta fechada
Em seu cavalo branco ele vem montado
Calçado de botas ele vem armado Ø 21.
Vinde, vinde, vinde | Foi lá no Humaitá aonde Ogum guerreou
São Jorge é nosso protetor > Foi lá no alto mar que Yemanjá o coroou

Ø 16. Ø 22.
No alto da romaria Oh Jorge, oh Jorge, vem de Aruanda
Eu vi um cavaleiro de ronda Tem compaixão de seus filhos
Mas ele é São Jorge São Jorge venceu demanda
São Jorge o nosso protetor Ogum, Ogum, Ogum meu pai
Foi o senhor mesmo quem disse
Ø 17. Filho de Umbanda não cai
Ogum venceu a guerra
Ogum é ordenança de Oxalá Ø 23.
Quando Ogum vem de Aruanda Marchai, marchai Ogum do dia
Ele vem na Umbanda Com a estrela D’Alva e a Virgem Maria
Pra seus filhos abençoar Oh, vem com a sua espada
Trazer a fé aos filhos
Saravá Ogum Megê Que se acham em agonia
Saravá Ogum Sete Ondas
Saravá Ogum Iara Ø 24.
Saravá Seu Beira-Mar Ô mamãe eu vi um lindo menino
Ia montado em um cavalo branco
Ø 18. Ô mamãe que santo eu vi?
No Humaitá, no Humaitá São Jorge passou por aqui
É o rei de Umbanda
São Jorge venceu demanda Ø 25.
Seu cavalo branco São Jorge é guerreiro de Umbanda
Sua espada e seu escudo Ele segura a sua espada no ar
Rompendo cerca de espinhos Ele ganhou a sua lança de ouro
Porta fechada Pois venceu demanda no campo do Humaitá

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 53


1.540 Pontos Cantados de Umbanda
Ø 26. Ø 32.
Oh quem tem guia, guiou Tem cangerê, tem cangerê na terra
Oh quem tem guia guiou mesmo Eu chamo Seu Ogum para me ajudar
Papai Ogum marchou pra guerra Os inimigos estão fazendo guerra
Oxalá deu carta branca Eu chamo Seu Ogum para guerrear
Ogum venceu na guerra Odé, odé, odé Ogum Rompe Mato
Seu filho venceu demanda Beira-Mar, Ogum Megê
Salve Ogum na força e na lei
Ø 27. Salve Ogum de Ronda, Sete Ondas e Naruê
Ogum, Ogum vem de Aruanda
Vem salvar os vossos filhos Ø 33.
Em nossa lei de Umbanda Ogum de Lei, Zambi quem manda
Filho de pemba não cai Corre a gira na porteira
Pra salvar filhos de Umbanda
Ø 28.
Ogum quando vem lá de Aruanda Ø 34.
Traz uma espada e uma lança na mão Mamãe que cavaleiro é aquele
Ogum é cavaleiro Que pisa com arrogância nesta terra?
Venceu a guerra e matou o dragão Mas ele é Ogum Megê
Ele é São Jorge guerreiro Que veio da batalha com sua lança de
Guerreiro no Humaitá guerra
No terreiro de Umbanda
Vem seus filhos saravar Ø 35.
Bandeira branca de Ogum
Ø 29. Que está hasteada lá no Humaitá
Quando Ogum apontou na terra Representando general de Umbanda
Sua espada brilhou na Umbanda Ogum venceu demanda
Pela fé acabou com a guerra Nos campos de Humaitá
E seus filhos venceram demanda
Ø 36.
Ø 30. Pai Ogum, General lá de Aruanda
Longe, bem longe um cavaleiro surgia Pai Ogum, é vencedor de demanda
Ele é São Jorge filho da Virgem Maria Pai Ogum, vence todo quimbandeiro
A sua espada é de ouro, sua coroa é de lei Pai Ogum, herói do nosso terreiro
Mas ele é São Jorge filho da Virgem Maria Em seu cavalo vem da Aruanda |
Para defender toda a sua banda >
Ø 31.
Ogum e mamãe sereia Ø 37.
São dois cabos de guerra Ogum de Lei, Orixá de Lei
Sereia é rainha do mar Êêêaa
Ogum é rei na terra Salve a coroa de Ogum de Lei
Ogum de Lei
Ogum de Nagô
54 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras
OGUM
Ø 38. Ø 42.
Nesta casa de guerreiro Ogum Lanceiros de Umbanda
Vim de longe pra rezar Ogum Ouvi os seus clarins
Rogo a Deus pelos doentes Ogum Avançai todos os lanceiros
Na fé de Obatalá Ogum Que Ogum já vêm aí
Ogum salve a casa santa Ogum
Os presentes e os ausentes Ogum Ø 43.
Salve nossas esperanças Ogum Ele jurou bandeira, ele tocou clarim >
Salve os velhos e crianças Ogum E o exército todo, é comandado por Ogum
Salv Ogum Iara, salve Ogum Megê |
Nego velho ensinou Ogum Salve Ogum Matinata, salve Ogum Naruê >
Na cartilha de Aruanda Ogum
E Ogum não esqueceu Ogum Ø 44.
Como vencer as demandas Ogum Capitão da Mata mandou avisar
Caminho não tem, tempo não há
A tristeza foi embora Ogum É militar que está de ronda
Na espada de um guerreiro Ogum É militar
E a luz do romper da aurora Ogum
Vai brilhar neste terreiro Ø 45.
Ø 39. Eu tenho sete espadas pra me defender |
Quem está de ronda é São Jorge Eu tenho Ogum em minha companhia >
São Jorge é quem vem rondar Mas Ogum é meu Pai, Ogum é meu Guia |
Abre a porta ô minha gente Ogum vai baixar |
Deixa a falange de São Jorge entrar Na fé de Zambi e da Virgem Maria >
Quem está de ronda é São Jorge
Toda noite, todo dia
Quem está de ronda é São Jorge
Nossa Senhora da Guia
Quem está de ronda é São Jorge
Minha mãe diga o que é
Quem está de ronda é São Jorge
Velando os filhos de fé

Ø 40.
Ele vem beirando o mar |
Ou ele vem beirando a areia >
Ogum, Ogum, Ogum |
Saravá na sua aldeia >

Ø 41.
Seu Ogum de Ronda
Já mandar rodar, mariô

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 55


1.540 Pontos Cantados de Umbanda
Subida
Ø 1.
Ogum já me Saravou...ohooo... |
Ogum já me abençoou >
Filhos de Pemba, a Umbanda chora
É o Seu Ogum que já vai embora
A Umbanda gira, gira, gira, girê
A Umbanda gira, gira, gira, girá

Ø 2.
Selei, selei (eles)>
O seu cavalo eu selei (elas)>
Meu Pai Ogum já vai embora (eles)>
O seu cavalo eu selei... (elas)>

Ø 3.
Seu sentinela veio avisar
Seu cavalo está selado
Para Ogum ir viajar
Como é bonito o romper da aurora |
Seu Ogum vai cavalgando |
Pela estrada afora >

Ø 4.
Mandei selar o seu cavalo
Para seu Ogum viajar
Ele vai para a cidade de Aruanda, ele vai
Ele vai, mas ele torna a voltar >

Ø 5.
Seu Ogum vai, vai
Vai, deixa saudades
Seu Ogum vai
Sua banda, ela lhe chama
Seu Ogum vai
Descobrir se tem demanda

56 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras


OGUM

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 57


1.540 Pontos Cantados de Umbanda

58 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras


OXÓSSI
Abertura Ø JUNCO VERDE
Vem Junco Verde, vem trabalhar
Tumba ê caboclo, Tumba lá e cá Das terras da Jurema
Tumba ê, guerreiro, Tumba lá e cá Os seus filhos vem salvar
Tumba ê meu pai, Tumba lá e cá Salve o sol, salve a lua
Não me deixe só, Tumba lá e cá Salve Oxóssi também
Salve o caboclo, índio guerreiro |
Ø Salve Junco Verde que está no terreiro >
A mata estava escura
Um anjo iluminou Ø UBIRAJARA
No centro da mata virgem Neste lindo céu de anil
Foi Seu Oxóssi que chegou Que reflete nas ondas do mar
Mas ele é rei, ele é rei, ele é rei | Com o sol chegou Ubirajara
Mas ele é rei de Aruanda, ele é rei > E veio nos abençoar
Esta correndo mares e matas
E o horizonte que nos seduz
Por trás das montanhas é onde se esconde
Pontos Individuais Com este astro cheio de luz
Ø CIPÓ É nosso guia nas escaladas
Caboclo firma ponto na rodilha do cipó > Companheiro nas grandes jornadas
É meia-noite na lua , é meio-dia no sol > Nossa fé, é nossa trilha
Seguindo seu rastro que sempre brilha
Ø CIPÓ
Esta correndo mares e matas
Lá na Jurema, lá no jardim de Ingá
E o horizonte que nos seduz
A mata escureceu, meus caboclos
Por trás das montanhas é onde se esconde
Eu vi Seu Cipó caçador chegar
Com este astro cheio de luz
Ø FOLHA VERDE
Ø UBIRAJARA DO PEITO DE AÇO
Como é tão lindo assistir festa na mata
Corto língua, corto mironga
Ouvir o som da cascata e o lindo canto do
Corto língua de falador
sabiá
Quando chego não há embaraço
Que noite linda, bela noite de luar
Chegou Ubirajara do peito de aço
Foi no clarão da lua que eu vi Folha Verde chegar
A mata está em festa, toda coberta de flor Ø UBIRAJARA
Até os passarinhos cantam, meu caboclo Ai que penacho é aquele
Eles cantam em seu louvor É um penacho de arara
Ô, ô, ô, ô, quanta beleza Ai quando rompe a mata virgem |
Ô, ô, ô, ô, belo esplendor É o caboclo Ubirajara >
Como é bom ter a certeza
Que Seu Folha Verde é meu protetor

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 59


1.540 Pontos Cantados de Umbanda
Ø UBIRAJARA Ø TUPINAMBÁ
Ubirajara é caboclo, é flecheiro Tupinambá é ganga na macaia
Ubirajara veio no terreiro Tupinambá, ê ê, Tupinambá
Ele veio de Aruanda Tupinambá guerreiro de Oxóssi
Veio pra vencer demanda > Tupinambá, ê ê, Tupinambá
Tupinambá não perde uma demanda
Ø MATA VIRGEM Tupinambá, ê ê, Tupinambá
Caboclo, é Seu Mata Virgem Tupinambá vem defender seus filhos
Quando ele rufa seu tambor lá na Jurema Tupinambá, ê ê, Tupinambá
Auê, ele é Caboclo bamba Só não apanhe as folhas da Jurema
Vem lá das matas pra salvar filhos de Umbanda Sem ordem suprema do Pai Oxalá

Ø SETE FLECHEIRO Ø TUPINAMBÁ


Sete Caboclo, sete flechas, sete flecheiro Lá bem no alto da serra
Firma seu ponto na cachoeira Eu escutei uma coral piar
Que o Caboclo vem descendo Era uma linda jibóia
Firma seu ponto, saravá meu pai Xangô | Ferida com a flecha de Tupinambá
Quem manda lá nas matas é Oxóssi caçador>
Ø TUPINAMBÁ
Ø ROXO Ouvi naquela mata, Oxóssi assobiar
Caboclo Roxo, da pele morena | Ele é meu Pai e mandou chamar
É o Senhor Oxóssi caçador lá da Jurema > O seu Tupi, o seu Guarani
Ele jurou e tornou a jurar pelos conselhos | E também mandou chamar o seu
Que a Jurema vai lhe dar > Tupinambá
Oi, não me mate a cobra | Tupinambá, Tupinambá
Não me pise na coral > Chefe guerreiro, Tupinambá, Tupinambá
Está no terreiro, Tupinambá, Tupinambá
Ø TUPINAMBÁ Filho de Umbanda, Tupinambá, Tupinambá
Estava na beira do rio sem poder atravessar | Venceu demanda
Chamei pelo caboclo, Caboclo Tupinambá >
Ø TUPINAMBÁ
Tupinambá, chamei | Piava, piava de arrepiar
Chamei, tornei a chamar, ê a > Era uma enorme jibóia
Ø TUPINAMBÁ Enrolada no bodoque
No centro da mata virgem De Tupinambá
Ouvi uma coral piar Ø TUPINAMBÁ
Ela piava por detrás da pedra O meu manacá já não dá mais flor >
Enrolada no bodoque de Tupinambá Ai eu vou plantar
Uma semente do meu manacá
Ø TUPINAMBÁ Ai como é linda essa madrugada
Batuque no terreiro é Tupinambá > Povo de Umbanda vem trabalhar
Se é pele vermelha, se é Tupinambá oi Tupinambá é Pai de Terreiro
Flecha, flecha, flecha para todo o mal levar > Tupinambá no reino está
60 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras
OXÓSSI
Ø TUPINAMBÁ Ø COBRA CORAL
No centro da mata virgem Cobra Coral é caboclo >
Eu vi uma coral piar Trabalha lá na mata
Ela piava porque estava presa Junto com Arranca Toco
Amarrada no bodoque de Tupinambá
Auê, auê, auê, auê, meu Caboclo, auê Ø PENA BRANCA
Saravá seu Pena Branca
Ø AYMORÉ Saravá seu Abacé
A água com areia não pode demandar Traz na frente o seu bodoque
A água vai embora, a areia fica no lugar Pra defender filho de fé
Zum, zum, zum, zum, chegou Seu Aymoré
Caboclo Flecheiro pra salvar filhos de fé Ele vem de Aruanda
Trabalhar neste Abaçá
Ø SETE FLECHAS Saravá seu Pena Branca
Ê, ê ê, ê ê ê ê ê ê ê ê ê á, ê á O guerreiro de Oxalá
Ê, ê ê, Caboclo Sete Flechas no Congá
Saravá seu Sete Flechas ele é o rei da mata Sua flecha vai certeira
A sua bodoca atira paranga Vai pegar no feiticeiro
A sua flecha mata Que fez juras de mandingas
Para os filhos do terreiro
Ø SETE FLECHAS Pega o arco, atira a flecha
Com sete dias de nascido Que este bicho é corredor
A Jurema o encontrou Mas deve ser castigado, ele é merecedor
Deitado na folha seca
O caboclinho ela criou Ø PENA BRANCA
Curimbembê, curimbembá | Ele é o rei, o rei do Panaiá >
Sete Flechas, o grande Orixá > Ele é Oxóssi, Pena Branca Panaiá
Vencedor de pemba de mãe Jurema
Nasceu na mata de Oxóssi
Na aldeia de Juremá Ø PENA BRANCA
O caboclinho Sete Flechas Na mata virgem a coral piou
Iluminado por Oxalá Um filho passou e ficou escutando
Curimbembê, curimbembá | Cadê Seu Pena Branca de Umbanda
Sete Flechas, o grande Orixá > Que até agora ainda não chegou

Ø SETE FLECHAS Ø PENA BRANCA


Foi numa tarde serena Eu estava na mata, eu estava trabalhando |
Lá nas matas da Jurema Seu Pena Branca passou me chamando >
Que eu vi o caboclo bradar Egô, egô, onde é que mora
Quiô, quiô, quiô, quiô, quiera Eu moro nas matas de Nossa Senhora
Sua mata está em festa Ele vem, ele vem, ele vem trabalhar
Saravá seu Sete Flechas Ele é Seu Pena Branca da tribo Guará
Que ele é o rei da floresta

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 61


1.540 Pontos Cantados de Umbanda
Ø PENA BRANCA Ø FOLHA VERDE
Um grito na mata ecoou | Seu Folha Verde vem descendo a serra
Foi Seu Pena Branca que chegou > Seu Folha Verde vem do Juremá
Com sua flecha com seu cocar | Seu Folha Verde vem com seu capacete
Seu Pena Branca vem nos ajudar > Na Aruanda
Oi, pisa na Umbanda ê ê
Ø PENA BRANCA
Seu Pena Branca puxa a corimba Ø TABAJARA
A sua banda manda chamar Jirundidaiba de Catenguá
Ajuda Seu Pena Branca Jurundidaiba já vai girar
Pra todo mal destes filhos levar Seu Caboclo Tabajara já chegou pra trabalhar
Ø PENA BRANCA Ø TABAJARA
Que penacho é esse que eu vejo brilhar Soou o tambor na mata
É Seu Pena Branca que aqui vai chegar Seu Tabajara bradou
Firma seu ponto ora veja seu cocar Okê Okê ...Odê 3>
É Seu Pena Branca que aqui vai chegar O bodoque firmou
Mas que Luz é essa que eu vejo brilhar A flecha atirou
É Seu Pena Branca que aqui vai chegar Foi Seu Oxóssi quem abençoou...
Firma seu ponto saravá Pai Oxalá Okê Okê Odê 3>
É Seu Pena Branca que aqui vai chegar
Ø FLECHA DOURADA
Ø PENA BRANCA Caboclo vai, caboclo vem >
Vem oh caboclo Caboclo Flecha Dourada é quem vem
Vem Pena Branca Mas ele é o Caboclo da mata >
Vem trabalhar É Flecha Dourada que vem
Vem dar esperança
És caboclo da fé e esperança Ø ÁGUIA BRANCA
Da luz vibrante Um grito na mata ecoou |
Da força branca Foi seu Águia Branca que chegou >
Com sua flecha, com seu cocar |
Ø JUNCO VERDE Seu Águia Branca vem nos ajudar >
Estava na mata caçando
Quando ouvi Oxóssi bradar Ø TUPAÍBA
Seu brado me dizia Nós somos dois guerreiros, dois irmãos
Que Junco Verde vinha trabalhar unidos
A estrela de Oxalá ilumina Meu nome é Tupaíba, sou filho de Aymoré
Iluminando Junco Verde no congá Lá na tribo Guarani, meu irmão chama Peri

Ø JUNCO VERDE Ø TUPAÍBA


O, filhos de Umbanda Tupaíba, caboclo valente
Seu Junco Verde veio ajudar Tupaíba, caboclo de fé
Que bela surpresa Tupaíba quebra mandinga
Vem de Aruanda nos abençoar Com a força de Jesus de Nazaré >

62 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras


OXÓSSI
Ø FLECHEIRO Ø JURUÁ
Ele é caboclo ele é flecheiro Ai se não fossem as folhas da Jurema
Bumba na calunga Lá na mata o que seria do Caboclo Juruá
É matador de feiticeiro E a Jurema, a Jurema, a Jurema
Bumba na calunga E a Jurema do Caboclo Juruá
Ele vem firmar seu ponto
Bumba na calunga Ø DO RIO
Firma aqui neste terreiro O rio vem descendo, o Caboclo vem junto
Bumba na calunga No tronco da Jurema o Caboclo vem gritando
Oxóssi é meu pai, demanda eu venço
Ø FLECHEIRO Sou o Caboclo do Rio, aiêiê ooo
Ele vem de tão longe |
Cansado de caminhar | Ø JUPIARA
Salve o caboclo Flecheiro | Eu vi no céu uma estrela que brilhou
Que vem saravar seu congá > Foi o caboclo Jupiara que chegou
Pra chegar neste terreiro | A sua lança é da nação,
Ele cortou tanto cipó | O seu bodoque a união
Atravessou a mata virgem | A mata sua morada, ele brilha na estrada
Veio na fé do Pai Maior > Vem trazendo amor, ele é caboclo Jupiara
Ø ROMPE MATO Trazendo força e bondade
Auê, Rompe Mato 4> Ele é caboclo de Oxóssi
Rompe Mato puía mato | Ele é caboclo guerreiro
Pra fazer seu jacutá > No seu peito traz a paz
Rompe Mato é caboclo brasileiro Traz esperança e caridade
Rompe Mato é chefe de terreiro
Ø VENTANIA
Ø ROMPE MATO Ogam segura o toque
Vermelho é a cor do sangue do meu Pai Com Deus e a Virgem Maria
E verde é a cor das matas Oxalá é meu Pai
Oi, saravá Seu Rompe Mato da Jurema > Saravá seu Ventania
Oi, saravá a banda que ele mora >
Ø ROMPE MATO Ø DA AREIA
Seu Rompe Mato coroou Na beira do rio verde |
Sete Pereiras na floresta Eu vi um caboclo na areia >
E as matas se enfeitaram Pegando peixe miúdo |
Era uma cidade em festa Pra levar pra sua aldeia >
E os caboclos se enfeitaram Caboclo pega o anzol
Com as folhas da guiné Em noite linda e clara
E depois que curiavam Pra pescar no rio verde |
Cantavam que bom Odé Por ordem de Mãe Iara >

Mas que bom Odé


Mas que bom Odé >
Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 63
1.540 Pontos Cantados de Umbanda
Ø SETE ESTRELAS Ø ARRUDA
Sete Estrelas é caboclo no céu Fui buscar no meu congá
Sete Estrelas é caboclo na terra Que eu deixei lá na Aruanda
Veio brilhando Aqui está o Caboclo Arruda
Na banda veio saravá Pra vencer esta demanda
Todo mal veio cortar A falange do Arruda é de força é de ação
Caboclo vem da mata Da Virgem Nossa Senhora
Da mata traz seu poder Eles têm a proteção
Arreia caboclo, arreia
Arreia que eu quero ver Ø PENA VERDE
Caboclo Pena Verde
Ø SETE ESTRELAS É minha luz, é meu guia
E vem a barra do dia Éle é de Oxóssi, filho da Virgem Maria
Juntamente com a barra do mar A sua luz ilumina o escuro
É a falange do Sete Estrelas Todos seus filhos no terreiro estão seguros
Que veio trabalhar
Estrela ô, estrela ô Ø PELE VERMELHA NORIGUÁ
Estrela que é nossa guia Mato kiamba ê |
Chegou seu Sete Estrelas Mato kiambá |
Com Deus e a Virgem Maria Mato kiamba ê, Noriguá |
Mato kiambá >
Ø SETE ESTRELAS É caboclo de pele vermelha
Seu Sete Estrelas vem descendo a serra Que veio da aldeia do Canadá
Seu Sete Estrelas vem de Juremá Seu Noriguá é um cacique herói
Seu Sete Estrelas | Que veio da mata para nos salvar
Com seu capacete de Aruanda | Noriguá ê, aiê Noriguá >
Pisa na Umbanda auê >
Ø SAMAMBAIA
Ø JUPIRA Quanto tempo que eu não bambeio |
Oh, lá no alto da serra sua cobra piou Hoje eu vim pra trabalhar >
Foi no alto da serra onde Jupira passou Sou Caboclo Samambaia
Cobra que pia, cobra que chora Vim aqui pra te ajudar
É no alto da serra onde Jupira mora
Ø ARAÚNA
Ø CABOCLINHO(A) DO MAR Na mata virgem da Jurema
Pronto cheguei | O Uirapuru cantou
Eu venho da beira do mar > Ao revoar lá nas campinas
Atirando a minha flecha, auê Um rouxinol anunciou
Minha tribo vai chegar, auê, auê, auê Oi, saravá nesta Aruanda
A ordem é de Deus quem dá Seu Araúna chegou
Eu sou, eu sou, a Caboclinho(a) do Mar Ele é caboclo lá, ele é caboclo aqui
Pronto eu cheguei, Oi saravá Seu Araúna
Caboclinho(a) é de Yemanjá E a falange Guarani
64 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras
OXÓSSI
Ø DA MATA VIRGEM Ø GUARÁ
Caboclo da Mata Virgem Quando a lua dormiu
Da mata cerrada lá na Jurema O sol raiando a esperança surgiu
Quem manda na mata é Oxóssi Eu caminhei pra mata que meu Pai é rei >
Quem manda no céu é Oxalá
Okê caboclo, quero ver girar Sol no céu passeando,
Quero ver caboclo de Umbanda arriar Eu na mata a caminhar
Folhas verdes sombreando,
Ø UBIRAJARA Não deixando o sol passar
Ele é Ubirajara > Sombras que vão se formando,
Seu saiote é de pena Pelas terras de Guará
Seu capacete é de Arara Pelas matas vão guiando,
Esse filho de Oxalá
Ø UBIRAJARA
Oh, que penacho é aquele Eu vou lá pra ver o meu Caboclo Guará >
Ë um penacho de arara De repente o sol dormiu
É quem rompe a mata virgem > Toda mata escureceu
É o Caboclo Ubirajara Com a lua que surgiu
Seu Guará apareceu
Ø DO MATO Em suave Ave Maria
Caboclo do Mato trabalha | Que no céu o anjo cantou
Com São Cipriano e Jacó | Seu Guará de lá descia
Trabalha com chuva e com vento Com a noite que chegou
Trabalha com a lua e com sol
Eu chorei quando seu Guará me abençoou >
Ø DA LUA
Luar, luar Ø DAS SETE ENCRUZILHADAS
Caboclo da Lua já chegou Eles são três caboclos
Vai dizer a sua mãe Caboclos do Jacutá
Que o Terreiro ele salvou Eles giram noite e dia
Para os filhos de Oxalá
Ø SETE FOLHAS 7 com mais 7 com mais 7 vinte e um
Cadê seu Sete Folhas Salvando os três 7, todos 3 de 1 a 1
Da raiz do Oricá
Vai chegar Seu Sete Folhas Sete Montanhas giram
Com licença de Oxalá Quando a noite vai chegar
Seu irmão Sete Lagoas
Ø REI GUINÉ Quando o dia clarear
Quando a Aruanda se abre E ao romper da aurora
Eu quero ver quem é Até alta madrugada
É o teimoso de Aruanda Gira o Caboclo
É o Caboclo Rei Guiné Das Sete Encruzilhadas

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 65


1.540 Pontos Cantados de Umbanda
Ø DAS SETE ENCRUZILHADAS Ø TURURI
Chegou, chegou Um instante meus irmãos
Chegou, com Deus, chegou Eu vos quero saudar
Chegou, Há muito que aqui ando
O Caboclo das Sete Encruzilhadas Querendo vos ajudar
Sou filho de Urutã
Ø URUBATÃO DA GUIA Nas matas onde eu nasci
Chegou Urubatã de Guia Lá recebi o nome
Que veio para seus filhos salvar De Caboclo Tururi
Rebenta corrente de ferro e de aço
Estoura cadeias de bronze Meu Pai é Caboclo guerreiro
O sol e a lua vem saindo Minha Mãe é Mamuri
E vem a Estrela da Guia Quando quiseres auxílio
Eu trago em meu bronze gravado É chamar por Tururi
O nome da Virgem Maria Deus é Pai de todos
Somos irmãos de Javari
Ø JANGUARÁ Quando tiveres demanda
Rompendo matos e ventos É chamar pelo Tururi
Para seus filhos salvar
Chegou, chegou agora Quando tiveres demanda
O Caboclo Janguará Dessas que vejo aqui
Chamai pelo vosso irmão
Lá na Aruanda O Caboclo Tururi
Onde o galo cantou
Trabalhos de Janguará Que Deus proteja a todos
Nosso Senhor coroou E dê forças ao chefe Timbiri
Pois quem pede nesse momento
Chegou, chegou É o Caboclo Tururi
Deixa meu povo chegar
Chegou o rei dos Bugres Que o manto da Virgem Mãe
Com Caboclo Janguará A todos possa cobrir
E que debaixo desse manto
Ø BRANCA LUA Trabalhe sempre Tururi
Ele veio de tão longe Boa noite meus irmãos
Da cidade da Jurema Que a paz fique aqui
Saravá seu Branca Lua Quem pede nesse momento
Vem com a ordem suprema É o Caboclo Tururi
Ø BRANCA LUA Ø VIRA PAU
Seu Branca Lua quando vem d’aldeia Com tanto pau no mato eu não tenho guia
Ele traz na cinta uma cobra coral Caboclo Vira Pau vai trazer a guia
Oh, é uma cobra coral Com tanto pau no mato eu não tenho guia
Eu trago esta pemba pra cruzar a guia

66 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras


OXÓSSI
Ø COSTEIRO Ø TUPI
Salve o Caboclo das Matas O Seu Tupi já vem chegando
Salve o Caboclo Costeiro De Aruanda
Que ronda a beira das praias Trazendo Pemba pra salvar
E é filho lá do coqueiro Filhos de Umbanda
Ele é guerreiro, ele é flecheiro,
Ø JARACUTINGA Atirador
Caboclo Jaracutinga bebe água no coité Lá na Jurema Seu Tupi é vencedor
Tira ponto na Jurema, atira flecha sem ver
Ø TAPUÍ
Ø TIMBI Tapuí..... Tapuí.......
De onde vens Timbí? Venho do reino do céu É índio, é guerreiro, é Orixá
Descamba a ladeira, Oh Timbí Vem lá das matas pra quebrar
Passa pro lado de cá Demanda neste Congá
Tapuí..... Tapuí.......
Ø DA CACHOEIRA Com seu arco e sua flecha
É o índio 3> É filho de Sete Flechas, é Orixá
Ele é o índio aonde o sol nasceu Vem lá das matas pra quebrar
Seu Cachoeira na Umbanda Demanda neste Congá
Ele é o índio aonde o sol nasceu

Ø JIBÓIA
A coral é sua cinta,
A Jibóia é sua lança
Oi, que zoa, que zoa, que zoa, e
Caboclo mora na mata.............bis

Ø PONTA DO MAR
A obrigação que eu fiz
Com minha Mãe Yemanjá
Pedindo sua licença
Pra no terreiro vir trabalhar
Oh minha Mãe Yemanjá
Rainha do Céu, da Terra e do Mar
Quem pede a sua licença
É o Caboclo da Ponta do Mar

Ø TIRA-TEIMA
Lá na mata eu vi um caçador da Jurema
Eu vi Seu Tira-Teima
Com seu saiote de pena
Oi lá na mata da Jurema

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 67


1.540 Pontos Cantados de Umbanda
Pontos de Linha Ø 6.
Quem manda na mata é Oxóssi
Ø 1. Oxóssi é caçador, Oxóssi é caçador
Bota fogo na mata, Ouvi meu Pai assobiar, ele mandou chamar
Chama, chama que ele vem Vem de Aruanda, ê
Ele vem de Aruanda, Vem de Aruanda, á
Chama, chama que ele vem
Ø 7.
Ø 2. Oh Oh Oh Oh. oh oh..Oh Oh Oh Oh ohoh
Quem tem santo tem caboclo Oxossi gritou, Ogum ouviu
Agora que eu quero ver Um guerreiro mandou
Se o caboclo é confirmado O filho da lei >
No Terreiro vai descer Ogum ou Oxóssi, Oxóssi ou Ogum
De um lado a espada, o bodoque na mão
Ø 3. Caboclo de Oxóssi a flecha atirou
Quem é o cavaleiro Oxalá atendeu e a flecha guiou...
Que vem de Aruanda
É Oxóssi em seu cavalo Ø 8.
Com seu chapéu de banda Caboclo venceu demanda |
Quem é este cacique, Para o povo de Umbanda |
Glorioso e guerreiro Na ponta de sua flecha |
Vem montado em seu cavalo, Quando veio de Aruanda >
Vem descer neste terreiro Venceu, caboclo venceu
Vem de Aruanda, auê | Do fundo da mata virgem
Vem de Aruanda, auá > Oxalá gritou
Esse filho é meu 3>
Ele é filho do verde, ele é filho da mata |
Saravá, Nsa. Senhora, a sua flecha mata > Ø 9.
Vem de Aruanda, auê | A coral é sua cinta |
Vem de Aruanda, auá. > A jibóia é sua laça >
Quizoa, quizoa, quizoa ê |
Ø 4. Caboclo mora na mata >
Caboclo não tem caminho pra caminhar >
Caminha por cima das folhas | Ø 10.
Por baixo das folhas, em todo lugar > Caboclo baixou na terra, é caboclo
Okê, Caboclo Levantou poeira, é caboclo, baixou na terra

Ø 5. Ø 11.
Vestimenta de caboclo é samambaia | Oxóssi mora na raiz da gameleira >
É samambaia, é samambaia > Ogum lá na Aruanda |
Saia caboclo, não me atrapalha | Pai Xangô, lá na pedreira >
Saia do meio da samambaia >

68 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras


OXÓSSI
Ø 12. Ø 20.
Oxóssi mora no tronco da amendoeira É Zambi quem governa o mundo
Ogum mora na lua e Xangô lá na pedreira É Zambi quem vem governar
É Zambi que governa a estrela
Ø 13. Que clareia Oxóssi lá no Juremá
Estava chovendo e relampejando Okê! Okê! Okê! >
Mas mesmo assim o céu estava azul Okê! , meus caboclos, okê!
Firma seu ponto na folhas da Jurema
Que Oxóssi é dono do aracajú Ø 21.
Oh viva São Sebastião
Ø 14. Nos caminhos que passou
Oxóssi é rei no céu, Oxóssi é rei na terra Salvar filhos de Umbanda
Ele não desce do céu sem coroa Jesus Cristo é quem mandou
E sem a sua missão cá na terra Oh viva São Sebastião
Ø 15.
Viva Oxóssi ê, meu São Sebastião Ø 22.
Oxóssi é caboclo morador lá do sertão Xangô na pedreira bradou
Viva Oxóssi, viva São Sebastião Ogum lá na lua confirmou oh Juremá
Viva todos os caboclos, Oxóssi na mata é caçador
Morador lá do sertão
Ø 23.
Ø 16. Oh ele é capitão na marambaia 3>
Em forma, em forma Oh, ele é Seu Oxóssi na urucaia
Em forma Oxóssi Sete Ondas
No recinto de Umbanda ele é de lei Ø 24.
Viva Oxóssi, ele é de lei E o veado figiu e Oxóssi chegou na Bahia
Sete Ondas reluziu quando Oxóssi surgiu Segura o ponto, mamãe sereia Oh Ganga

Ø 17. Ø 25.
O Seu Oxóssi mora lá nas matas Oxóssi não há Tatá Nuarou oh
Onde pia a cobra, lá na Jurema É babá é barebou
Seu capacete é de penas de ema Oxóssi, vossos filhos ele salvou
Ele é Oxóssi, capangueiro da Jurema É babá é barebou

Ø 18. Ø 26.
Oxóssi é cassutê de Umbanda Eu já cansei de pedir, senhor
É na Aruanda! É na Aruanda auê Uma choupana pra eu poder morar
Ele me disse com firmeza
Ø 19. Precisa ordem de nosso pai Oxalá
Atira, atira, eu vai atirar!
No rei bamba eu vai atirar! Ø 27.
Veado no mato é corredor Oxóssi vem, vem chegando de Aruanda
Oxóssi na mata é caçador Oxóssi vem, vem salvar filhos de Umbanda
Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 69
1.540 Pontos Cantados de Umbanda
Ø 28. Ø 34.
Naquela estrada de areia, Oxóssi quando vem lá de Aruanda
Aonde a lua clareou Trazendo forças pra seus filhos de Umbanda
Onde os caboclos pararam Ele é caboclo, ele é flecheiro atirador
Para ver a procissão de São Sebastião Na Aruanda todo Oxóssi é caçador
Okê, okê caboclo
Meu pai Oxóssi é São Sebastião Ø 35.
Oxóssi mora na lua
Ø 29. Só vem ao mundo para clarear
Oxóssi assobiou lá no Humaitá Queria ver um Oxóssi
Ogum venceu demanda Para com ele eu falar
Companheiro de Oxalá
Ø 36.
Ø 30. Caboclo não tem caminho pra caminhar |
Estava na minha praia, Caminha por cima da folha |
vi a sereia cantando Por baixo da folha |
As ondas do mar chorando, Por todo lugar |
Yemanjá, Yemanjá Okê, caboclo >
Sou Beira-Mar, Beira-Mar Caboclo não tem caminho pra caminhar
Deixa a sereia cantar Seu caminho está aberto, caboclo pode passar
Não deixa as ondas chorar Ele vai girar e vai girar
Caboclo filho de Umbanda
Ø 31. Filho de Oxóssi e Oxalá
O vento na mata zuniu Quando a lua surgir, ele vai girar >
Folha seca balançou
Saravá Oxóssi, nossa banda saravá Ø 37.
Ele vem com Deus nosso senhor Oxóssi na mata é rei |
Oxóssi na mata é >
Ø 32. Que passa pelos caminhos |
Oxóssi assobiou na mata Sem deixar marca no pé >
Ogum bradou no Humaitá Caboclo não desacata
Filhos de Umbanda louvaram Caboclo sabem quem é
Saravá, Oxóssi, saravá Quem anda dentro da mata
Sem deixar marca no pé
Ø 33. Oxóssi na mata é rei |
Fez barulho na cachoeira, Oxóssi na mata é rei >
Sobre a pedra ela rolou Quem passa pelos caminhos |
Com sua flecha certeira Sem deixar marca no pé >
É Oxóssi que chegou Ele tem flecha e bodoque
Ele tem lança e cocar
Na mata está o seu reino
E na mata reinará

70 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras


OXÓSSI
Ø 38. Ø 43.
Oxóssi ê ê, Oxóssi ê á Naquela mata tTem sete coqueiros |
Oxóssi é rei das matas São sete cobras todas a piar >
Onde canta o sabiá Mas eles são |
Eu vou pedir licença para Oxóssi Todos os caboclos da Umbanda |
Para saravar nas matas da Jurema Sua mironga lá no Juremá >
Saravá pai Xangô lá na pedreira
Firma seu ponto, mãe Oxum, na cachoeira Ø 44.
Caboclo vem da Aruanda
Ø 39. Caboclo vem trabalhar
Como é bonito o pisar dos caboclos | Caboclo tem sete penas
Andando na mata | Amarradas com caruá
No rastro um do outro >
Salve os caboclos, salve Iemanjá | Ø 45.
Salve a sereia, rainha do mar > Se és caboclo, se és guerreiro
Se és filho de Umbanda
Ø 40. Pega a pemba, risca o ponto
Ai não mexa na espada de Ogum E vem trabalhar
Ai não mexa no penacho de Oxóssi
Ai não mexa no machado de Xangô Ø 46.
Oxóssi na mata é caçador Oxóssi é o rei da mata,
Seu reino é o Juremá
Ø 41. Oxóssi firma ponto por ordem de Oxalá
Eu vim da mata E quando o sol desponta
Ó que mata é a sua? > Passarinhos a cantar
É de lá e é de cá Saúdam meu Pai Oxóssi
É onde pia a cobra, onde canta o sabiá E o reino de Juremá
Eu vim da mata, sou da tribo do Cajá
Vim trazer minha falange Ø 47.
Pra todos descarregar Soltei a coral no mato
Pra caçar meus inimigos
Ø 42. A coral foi e voltou
Auê. auê meus caboclos, auê 4> Ninguém quer brigar comigo
Caboclo mora na mata
Na beira da Sapucaia Ø 48.
Caboclo come folha Os caboclos desceram lá do alto da serra |
Se veste de samambaia E traziam no peito uma cobra coral >
Auê, meus caboclos, auê 4> Mas hoje é dia de alegria
Salve Cabocla Jupira No terreiro de Umbanda
Salve Cabocla Jurema Saravá meus Caboclos de ronda
Saravá seu Sete Flechas
Saravá, seu Tira Teima

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 71


1.540 Pontos Cantados de Umbanda
Ø 49. Ø 55.
Vento que vem Caboclo da Mata Virgem
Oi que vem das matas Plantou raiz nasceu flor
Olhas as matas quebrando
E os Caboclos chegando Ø 56.
Eu deu um tiro, meu pai, na sapucaia
Ø 50. Não há caboclo que não ouça
Ajoelha caboclo, tu não é judeu E aqui não caia
Tu foi batizado pela lei de Deus
Padrinho e Madrinha Ø 57.
Foi Deus quem te deu Okê caboclo, vem ver a sua aldeia >
Meu Ananá, meu Ananá (Nome) vem ver a sua aldeia
Todos os caboclos vêm ver a sua aldeia
Ø 51.
Caiu uma folha na Jurema Ø 58.
Veio o sereno e molhou Oxossi gira, ele gira na macaia >
E depois veio o sol, enxugou, enxugou Gira, gira no meu terreiro |
E as matas se abriram toda em flor Gira, gira na minha banda >

Ø 52. Ø 59.
Mangueira, mangueira No centro da mata eu vi |
Mangueira de Umbanda Dois nomes gravados num toco de pau >
Folhas por folhas Umbanda De uma lado o Seu Rompe Mato |
Lá no mato tem Umbanda No outro o Seu Cobra Coral >
Vamos cruzar para salvar No centro da mata eu vi |
Filhos de Umbanda com seu patuá Seu Rompe Mato falava na |
língua dos Guaranis >
Ø 53.
É lá na Jurema que o caboclo luta Ø 60.
E vence demanda com Oxossi seu rei Auê, auê, caboclo
Com o arco e a flecha e o canto de guerra Auê, auê, eu quero ver
Atira-se a luta e sai vencedor Auê, auê, caboclo
De joelhos em terra o chefe da tribo Trabalha que eu quero ver
Agradece a vitória a Jesus Redentor
Ø 61.
Ø 54. Ele é caboclo, ele é Juremeiro
Eu vim da mata, o que mata é a sua Que na Alvorada tem penas carijós
É de lá do Oricá, aonde pia a cobra Bateia, oi bateia
Aonde canta o sabiá Bateia, meu caboclos na aldeia
Eu vim da mata Bateia, oi bateia
Sou da tribo do Guajá Bateia com o vento na areia
Eu vim trazer minha falange Bateia, meu caboclos bateia
Para vir descarregar Os caboclos na aldeia e a Sereia na areia
72 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras
OXÓSSI
Demanda Ø 5.
Ele é caboclo, ele é flecheiro
Bumba na calunga
Ø 1. É matador de feiticeiro
Ai quem cortou meu pé de árvore Bumba na calunga
Ai não fui eu Oxóssi Quando eu vai firmar meu ponto
Onde eu passava o meu dia Bumba na calunga
Ai não fui eu Oxóssi Eu vai firmar é lá na Angola
Que puderam lhe fazer Bumba na calunga
Foi amarrar de pé e mão
Amarrado num tronco de árvore
Ai como um cão, cão de verão
Ai quem cortou meu pé de árvore
Ai não fui eu Oxóssi
Ai foi São Jorge quem mandou
Ai não fui eu Oxóssi
E depois de tudo isso
As sete flechas ele alcançou
São Jorge gritou na Aruanda
Foi seu irmão quem te amarrou

Ø 2.
Rei caçador, rei caçador
Rei caçador na beira do caminho
Oi não me mate esta coral na estrada
Ela abandonou sua choupana, caçador
Foi no romper da madrugada

Ø 3.
Rei caçador, rei caçador
Rei caçador na beira do caminho
Oi não me mate esta coral na estrada
Ela já venceu sua demanda, caçador
Foi no romper da madrugada
Que a folha da mangueira ainda não caiu

Ø 4.
O meu São Sebastião
Fostes preso e amarrado
Livrai-nos dos inimigos
Que nos traz acorrentado

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 73


1.540 Pontos Cantados de Umbanda
Subida Caboclas

Eu vi chover, eu vi relampear
Ø 1.
Mas mesmo assim o céu estava azul
A sua mata é longe
Firma seu ponto nas folhas da Jurema |
E eles vão embora
Que Oxóssi reina de norte a sul >
E vão beirando o rio azul
Adeus, Caboclos, adeus flecheiros Pontos Individuais
Eles vão embora
E vão beirando o rio azul Ø JUREMA
O Juremê, O Juremá
Ø 2. Suas folhas caem serenas, ó Jurema
Caboclo pega a sua flecha | Dentro deste Congá
Pega o seu bodoque o galo já cantou > Salve o sol e salve a lua
O galo já cantou na Aruanda | Salve São Sebastião
Oxalá lhe chama para sua banda > Salve São Jorge Guerreiro
Que nos deu a proteção
Ø 3. Ó Jurema
Na aldeia de Juremá
Ø JUREMA
O Caboclo Sete Flechas
No centro da mata virgem
Iluminado por Oxalá
Uma linda cabocla eu vi
Curimbembê, curimbembá |
Com seu saiote, feito de penas
Sete Flechas, um grande Orixá >
É a Jurema, filha de Tupi
Jurema, Jurema, Jurema
Linda cabocla filha de Tupi
Ela vem lá do Juremá
Vem firmar seu ponto neste congá

Ø JUREMA
Jurema, Jurema, cabocla ela é |
Trabalha com flechas pros filhos de fé >
Oxóssi bambaruê,
Jurema bambaruá

Ø JUREMA
Lá nos campos de Jurema |
Ouvi tambores tocar >
E na mata iluminada |
Os passarinhos a cantar >
Não sei se era noite
Não sei se era dia
Só sei que na Jurema era tudo alegria
74 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras
OXÓSSI
Ø JUREMA Ø JUREMA
Brilhou um clarão no céu Chegou Jurema |
Ai, ai, ai meu Deus, o que será? No terreiro ela baixou >
Onde estarão as caboclas da Jurema | A Cabocla vem sorrindo |
Que até agora não apareceram > Demonstrando o seu amor >
A Cabocla Jurema está |
Ø JUREMA Protegendo esse congá >
É o rei da mata virgem | Ela veio de Aruanda |
Dá licença que eu venho saravar > Pro terreiro saravar >
Cabocla Jurema e os seus caboclos
Da mata virgem na fé de Oxalá Ø JUREMA
Jurema é o seu filho | Lá naquela floresta |
Quem lhe chama, Jurema | Tem uma pele morena >
Salve o povo da Umbanda > Quando a lua clareia |
Pra saravar todo povo da Jurema >
Ø JUREMA Jurema de Juremá |
Onde está a Jurema Jurema de Juremá >
A Jurema onde está É uma cabocla de pena
Está procurando os capangueiros Vamos todos saravar
Que ainda estão no Juremá Ai, quiô, quiô, quiá, quiá >
Quem mandou chamar
Em nome do Pai Oxalá Ø JUPIRA
Foi seu Oxóssi o caçador Jupira é uma cabocla tão linda |
Que já baixou no seu congá Quando vem da mata |
Salve todo o povo da Jurema Ela vem sorrindo >
Salve a sua luz, seu jacutá Saravá Pemba, saravá nosso Congá |
Levando todos os males de seu filhos Saravá mamãe Oxum e nosso Pai Oxalá >
Deixando paz e amor
Na fé de Oxalá Ø JANDIRA
Quem quer viver sobre a terra
Ø JUREMA Quem quer viver sobre o mar
Enfeitei a Cabocla de Pena Chama a Cabocla Jandira
Soltei na mata para passear Chama a Sereia do Mar
Botei dois índios para procurar E Jandira e Jurema >
Pra ver a força que a Jurema tem
Ø GUARACIRA
Ø JUREMA Tupã é o meu rei
Jandira traz nos cabelos uma rosa Oxóssi é rei também
Jupira traz no peito um jasmim Sou filha de Jurema e de Tupi >
Jussara é uma linda Cabocla de pena Sou filha de Tupã |
Jurema tem pena de mim Cabocla Guaracira >
Jurema, Jurema
Jurema tem pena de mim
Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 75
1.540 Pontos Cantados de Umbanda
Ø JANDIRA Ø FALANGE DE CABOCLA
Quem quiser viver sobre a terra Cabocla quando desce
Quem quiser viver sobre o mar Não vem sozinha
Chama a Cabocla Jandira Ela traz sua falange
Chama as sereias do mar Pra firmar a sua gira
Aruê ruê, aruê ruá Gira ê, ê, gira ê, a |
Aruê Jandira Salve a falange |
Da Cabocla (dar o nome) >
Ø IRACEMA
Iracema cabocla guerreira Capangueiros da Jurema
Dona do seu Ariri
Do centro da mata virgem Ø
Comanda a tribo Tupi Arreiam os capangueiros
Seu grito ecoou na mata Os capangueiros da Jurema >
Sua flecha zuniu no ar Na mata quem manda é
Iracema cabocla morena Caboclo arriando
Dona do seu Ariri
Ø
Ø IRACEMA Oxalá chamou e já mandou buscar
Salta pra aqui Iracema Os caboclos da Jurema no seu Juremá
Quem te chama é Tabajara Pai Oxalá, Pai Oxalá
Vem linda como Açucena É o rei do mundo inteiro
Entre espinhos da Jussara Já deu ordens pra Jurema
Coroa troa nas matas Mandar seus capangueiros
Em busca do Pitangui Mandai, mandai, minha cabocla Jurema
Salta para aqui Iracema Os seus guerreiros, esta é a ordem suprema
Quem te chama é Tabajara
Vem linda como Açucena Ø
Entre espinhos da Jussara Arreiam os capangueiros
Capangueiros da Jurema
O mato queimando
Ø SETE FLECHEIRA Caboclo arriando
Sou cabocla de Oxóssi
Caboclinha guerreira Ø
Sou Sete Flecheira Pedi a Ogum lá na mata
Eu venho lá da mata Pedi a Xangô na pedreira
Com meu arco e flecha Pedi a Mamãe Oxum
Com ordem de Oxalá Do meio da cachoeira
Vem trabalhar, cabocla flecheira | A Zambi eu peço a benção
Vem trabalhar, cabocla guerreira | À Virgem proteção
Vem trabalhar neste congá Que livre seus filhos do mal
E afaste da tentação >

76 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras


OXÓSSI
Subida Pontos de Curumins
Ø 1. Ø
Mas eles vão embora Pronto, cheguei! |
Pra cidade da Jurema Eu venho da beira do mar >
Oxalá está lhe chamando Atirando minha flecha, auê
Pra cidade da Jurema Toda a tribo vai chegar, auê, auê, auê, auê
Eles vão ser coroados A ordem Deus é quem dá
Na cidade da Jurema Eu sou, eu sou, Caboclinho do Mar >
Com a coroa de Arerê Pronto, cheguei! |
Na cidade da Jurema Caboclinho é de Yemanjá >
Atirando minha flecha, auê
Ø 2. Toda a tribo vai chegar, auê, auê, auê
Troncos verdes da Jurema A ordem Deus é quem dá
Aonde meu pai Oxóssi mora Eu sou, eu sou a estrela do mar 4>
Aonde Jesus passou e disse amém
Nossos caboclos vão embora Ø
Eu me perdi, Oxóssi me achou
Ø 3. Oxóssi não é caça, Oxóssi é caçador
Caboclo pega sua flecha |
Pega seu bodoque o galo já cantou > Ø
O galo já cantou em Aruanda | Oi, tava na mata, tava na mata
Oxalá lhe chama para sua banda > Tava bem escondidinho
Tava na mata, tava na mata
Ø 4. Caçando meu passarinho
Caboclo pega sua flecha |
Pega seu bodoque o galo já cantou > Ø TUPÃZINHO
Tupã, olha é Tupãzinho
É Zambi que está lhe chamando | Que desce lá do céu
Pois chegou a hora e Oxalá mandou > Trazendo a luz dos Orixás
Pra dentro desse Congá
Ø 5.
A sua mata é longe e eles vão embora
E vão beirando o rio azul
Adeus caboclos, adeus flecheiros
Eles vão embora
E vão beirando o rio azul

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 77


1.540 Pontos Cantados de Umbanda

78 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras


PRETOS VELHOS
Abertura Ø PAI JOÃO
Na Angola tem um velho
Chora meu cativeiro, | Que caminha devagar
Meu cativeiro, meu cativerá > Chama Pai João, vamos trabalhar
Chama Pai João, vamos saravar
Preto Velho que veio da Costa
Veio do Congo, Luanda e Guiné Ø PAI JOAQUIM D’ANGOLA
Preto Velho de Nossa Senhora, Firma ponto minha gente
Vem no terreiro olhar filho de fé Preto Velho vai chegar
Chora meu cativeiro, | Ele vem de Aruanda
Meu cativeiro, meu cativerá > Ele vem pra trabalhar
Preto Velho que gira na Angola Saravá o Pai Joaquim
Gira no Gege, Bantu e Nagô Saravá, saravá, saravá
Preto Velho de Nossa Senhora Ele chegou no terreiro
Filho de Zambi ele é meu protetor Ele vem nos ajudar
Chora meu cativeiro, | Ø PAI JOAQUIM D ‘ANGOLA
Meu cativeiro, meu cativerá > Na aroeira de São Benedito
Preto Velho aqui na terra Santo Antônio mandou me chamar
Trabalhou, tanto trabalhou Pai Joaquim ê, ê, Pai Joaquim ê, á
Até que um dia, lá na Aruanda Pai Joaquim veio de Angola
Nossa Senhora o abençoou Pai Joaquim vem de Angola, Angolá
Ø
Nego está molhado de suor Ø PAI AMBRÓSIO
Está feliz porque Deus o libertou Chegou Pai Ambrósio, chegou
Para salvar os filhos de fé
Oi sinhá, sinhá Na Umbanda só se vence por amor |
Segura chibata, não deixa bater E ele vem na linha do Senhor >
Faz uma prece pra nego morrer
Nego não quer mais sofrer Ø TIO ANTÔNIO
Pedi licença à Mamãe Oxum
Pontos Individuais Pedi licença à Papai Oxalá
Pedi licença ao Sr. do Bonfim
Ø PAI JOÃO Pra Tio Antônio vir trabalhar
No clarão da noite, no romper do dia | Quem vem lá é de paz
Chama Pai João, chama a Mãe Maria > Quem vai chegar no Congá
Pra me defender da feitiçaria É um baiano formoso
Saravá o Pai João, saravá a Mãe Maria É Tio Antônio que vem trabalhar
Saravá povo de Umbanda
Saravá a estrela guia

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 79


1.540 Pontos Cantados de Umbanda
Ø PAI JEREMIAS Ø PAI LOURENÇO DE GUINÉ
Canoeiro, canoeiro, o que traz nessa canoa Preto Velho vem
Trago pemba, trago guia Com a folha verde na mão
Jeremias vem na proa Vem benzendo os seus filhos
Canoeiro, canoeiro, o que traz nessa canoa Saravando seus irmãos
Trago pemba, trago guia Pai Lourenço é Preto Velho
E o rosário de Maria Vem trazendo o seu axé
Vem benzendo os seus filhos
Ø PAI CHICO DA LUZ Com a folha de guiné
Ainda bem já era dia
Oxalá mandou chamar Ø PAI SERAFIM
Firma a cabeça, meu filho Pai Serafim vem no meio das flores, |
Que tem Preto pra chegar Olhando o céu, beirando o mar >
Mas ele é Preto Velho de Umbanda |
Ø ZÉ PILINTRA Que vem de Aruanda para nos salvar >
Seu Zé Pilintra não teve pai
Seu Zé Pilintra não teve mãe Ø PAI SERAFIM
Ele foi criado por Ogum Beira Mar Kenguelê, kenguelê, Xangô |
Na fé de Zambi e de todos os Orixás Ele é filho da Cobra Coral >
Olha o Preto está trabalhando |
Ø PAI JOÃO E o branco não está, está olhando >
Pai João na capoeira
Entoava cantos nos tempos de Zambi Ø PAI BENEDITO
Foi escravo na fazenda Pai Benedito veio de Angola |
Mão e pé dos senhores na casa grande Pai Benedito veio de lá >
Negro é bicho não é homem Firma a cabeça pra Pai Benedito
Quando o couro come fica sossegado Vir trabalhar neste Congá
Lua cheia noite clara Ø ZÉ DO PITO
Negro na senzala Meu pito tá apagado |
Vira então danado Minha marafa acabou |
Pai João sentado em toco, cachimbo, marafo Vou trabalhar pra suncê |
Velho curandeiro Porque sou trabalhador >
Nos sobrados nos terreiros
Conheceu o mais cruel dos cativeiros Eu vou trabalhar |
Conta do amor de Catarina Suncê vai ganhar |
Pelo valente negro Mateus Muito bangô, meu filho |
Sabe o quanto a dor magoa E depois vem me pagar >
Mesmo assim perdoa todos seus filhos
Pai João então se cala Ø PAI JOAQUIM DE BENGUELA
Limpa uma lágrima Pai Joaquim ê, ê
Estende a mão Pai Joaquim ê, á
Bate asas como um pássaro | Pai Joaquim veio de Benguela
Desapareceu na escuridão Pai Joaquim vai trabalhar

80 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras


PRETOS VELHOS
Ø PAI TOMÁS Ø PAI FRANCISCO
Oh! Pai Tomás. Oh! Pai Tomás Hoje é dia de gira de Preto
Vem no terreiro, vem trabalhar Pai Francisco vamos chamar
Filho de Zambi, ele é filho de Oxalá Hoje é dia de gira de Preto
Oh! Pai Tomás. Oh! Pai Tomás Pai Francisco vai chegar
Vem no terreiro, vem trabalhar Pai Francisco é de Congo
Sua falange tem licença de Oxalá Ele é filho de Yemanjá
Ele vem nesse terreiro
Ø PAI LUIZ DE XANGÔ Ensinar filho a rezar
Kaô, Kaô, Xangô |
Kaô, Kaô, Xangô me chamou > Ø PAI ANDRÉ
Olha o nego arriou no terreiro, kaô Com flores brancas
Kaô Cabecile, ele é meu protetor Minhas almas vou louvar
Kaô, kaô, Xangô | Com seu perfume também
Kaô, kaô, Xangô me chamou > Vou me perfumar
Salve a linha de Quequelê
Pai Luiz de Aruanda Mamãe Oxum ilumina a minha fé
Ele vem me valer Vem de Aruanda, vem chegando Pai André >
Pai André é de Guiné
Ø PAI JOAQUIM DE XANGÔ
Xangô chamou Pai Joaquim lá na Pedreira Ø PAI TIBÚRCIO
Veio de longe Pai Joaquim Preto velho Pai Tibúrcio |
Trabalhar na cachoeira Nos ajuda a caminhar |
Xangô chamou Pai Joaquim lá na pedreira Nesta estrada tão longa |
Pai Joaquim chama seus filhos Ele vem nos ensinar >
Pra benzer na cachoeira Que nosso Pai Oxalá
Traga amor e caridade
Ø PAI JOAQUIM DE XANGÔ Às crianças de esperança
Xangô está no alto da pedreira | Ao senhor a eternidade
E Pai Joaquim, guarda a cachoeira >
Águas limpas, cristalinas | Ø PAI JOSÉ DA PRAIA
Correm pro rio | Pai José da Praia vem |
Onde Oxalá se batizou > Vem aqui nos ajudar >
Preto Velho Pai Joaquim Pai José da Praia vem |
É filho de Xangô Vem aqui neste congá >
É guardião da cachoeira Ele vem nos ensinar
E do rio que Oxalá se batizou As palavras de Yemanjá
Águas limpas, cristalinas
Correm pro rio
Onde Oxalá se batizou
Na pedreira, junto da cachoeira |
Preto velho abençoou >

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 81


1.540 Pontos Cantados de Umbanda
Ø PAI JOAQUIM DA COSTA Ø REI CONGO
Saravá, saravá, saravá Sou Rei do Congo
Chega pra lá mandingueiro Sou rei da magia
Pai Joaquim nasceu lá na costa Sua terra é muito longe
Lá na costa ele foi batizado Seu congá é na Bahia
Pai Joaquim quando risca seu ponto
Desmancha feitiço malvado Ø PAI MALAQUIAS
Saravá, saravá, saravá Ele veio lá de Aruanda
Chega pra lá mandingueiro Com a luz da estrela guia
Pai Joaquim veio lá da costa Saudar filhos de Umbanda
Já chegou no nosso terreiro Ele é Pai Malaquias
Ele vem pra nos afastar Nas suas mãos raios de luz
Da mira do feiticeiro No coração traz a sua guia
A Oxalá pede pra abençoar
Ø REI CONGO O preto velho Pai Malaquias
Congo, rei Congo, Congo chegou Com arruda e guiné |
Congo é maravilha no terreiro trabalhou. Reza os filhos que tem fé |
Preto velho veio trabalhar |
Ø REI CONGO E este congá abençoar >
Um lindo sol apareceu
E preto velho já está trabalhando Ø PAI TIÃO
Navegando, remando Nasce o sol bem de mansinho
Trabalhando e pescando > E Pai Tião está a apreciar
Filho de Congo Caminhando a beira do mar
Filho do Velho Veio saudar Iemanjá
Não reme contra a maré Quem é do Congo |
Siga em frente Congo aruê |
Com muita fé Firma na areia |
Navegando, remando Que eu quero ver >
E vento soprando > Preto velho veio trabalhar
E na praia gosta de morar
Ø REI CONGO Vive aqui no seu cantinho
Arriou na linha do Congo, Com seu barco pra pescar
É Congo, é Congo aruê Quem é do Congo |
Arriou na linha de Congo, Congo aruê |
Agora que eu quero ver Firma na areia |
Que eu quero ver >
Ø REI CONGO Pai Tião gosta do mar
Congo, rei Congo é maravilha E aqui vem meditar
É Congo é congo aruê Saravá Sua grande devoção
Olha os congo estão chegando aruê É a Senhora da Conceição
aruê saravá > Quem é do Congo... >

82 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras


PRETOS VELHOS
Ø PAI JOSIAS Ø PAI CIPRIANO QUIMBANDEIRO
Oi salve Deus Sua Quimbanda tem ponto firme
Salve os pretos de Aruanda O seu ponteiro não erra
Pai Josias chegou Pai Cipriano Quimbandeiro
No terreiro de Umbanda Protegei-nos nesta terra

Ø MESTRE CIPRIANO Ø PAI CIPRIANO QUIMBANDEIRO


Mestre Cipriano vai chegar agora | Com um belo galo preto
No navio negreiro | E linda fita encarnada
Com escravos de Angola > Cipriano Quimbandeiro
Veio com bantus, congos e guinés Vai fazer sua arriada
Trazer à Umbanda a capoeira a quem tem fé
Ø PAI BENEDITO
Ø PAI CIPRIANO DAS ALMAS Quem é aquele velhinho
Pai Cipriano chegou no reino Que vem no caminho andando devagar
Meu Deus, que maravilha Com seu cachimbo na boca
Quando Pai Cipriano chega Pitando a fumaça e soltando pro ar
Vem pra salvar as suas filhas Ele é do cativeiro |
É Pai Benedito ele é mirongueiro >
Ø PAI CIPRIANO DAS ALMAS
Feitiço, mandinga, quebranto Ø PAI TOMÉ
Só ele sabe rezar Mãe Maria, cadê Pai Tomé
Sua bengala e seu cachimbo Foi pro mato buscar guiné
Servem para trabalhar Pai Tomé, quando voltar
Pai Cipriano das Almas Peça pra ele me benzer
É um velho mandingueiro
Quando chega na Umbanda Ø PAI BERNARDO
Encruza todo o terreiro Com sua pemba, com sua guia |
Pai Bernardo vem >
Ele é velho rezador Ele vem do Congo, vem, vem,
Com seu patuá de valia Vem de Mujongo, vem, vem |
Por Deus e Nossa Senhora Ele vem tirar |
Nos tira da agonia Toda a mandinga que o filho tem >
Pai Bernardo vem
Ø PAI CIPRIANO QUIMBANDEIRO
Pai Cipriano é de Congo Ø PAI GUINÉ
É um grande curandeiro É o vento que balança a folha Guiné |
Com rezas e mesinhas É o vento que balança a folha >
Saravá Cipriano Quimbandeiro É, é, é Pai Guiné, |
É o vento que balança a folha. >

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 83


1.540 Pontos Cantados de Umbanda
Ø PAI JACINTO Ø PAI BENEDITO DAS ALMAS
Quem vem de longe é Pai Jacinto de Angola> Minhas almas santas
Os seus cabelos brancos e encaracolados Valei-me Nossa Senhora
Tem a brancura da pureza e da alegria Pai Benedito das Almas
São abençoados pelo filho de Maria > Valei-me em todas as horas

Ø PAI JOAQUIM DE XANGÔ Ø PAI BENEDITO DAS ALMAS


Xangô, chamou > Pai Benedito é Preto-Velho Calunga
Mora lá no roseiral
Pai Joaquim lá na pedreira Preto-Velho rezador na calunga
Veio de longe, Pai Joaquim Chefe de Congá
Trabalhar na cachoeira
Ø PAI BENEDITO DO CRUZEIRO
Xangô chamou > Meu Deus, que barulho é esse
Pai Joaquim lá na pedreira No morro do Quequelê
Pai Joaquim chama seus filhos Pai Benedito do Cruzeiro
Pra benzer na cachoeira Por Deus, venha me valer

Ø PAI MANECO Ø PAI BENEDITO DO CRUZEIRO


Ele é Preto Velho, Preto sim senhor Quando ele vem
Ele é Pai Maneco, meus filhos Vem louvando a Jesus
Nego rezador Vem dizendo que seu pai
Ele tem chicote não pra revidar Que seu pai morreu na cruz
Ele aponta uma estrela, meus filhos Ele vem do tempo do cativeiro
No reino de Yemanjá Ele é Pai Benedito do Cruzeiro
Ele vem na Umbanda saravar
Ø PAI MANECO FEITICEIRO Porque tem permissão de Oxalá
Maneco chama feitiço
Quem faz feitiço é feiticeiro Ø PAI BENEDITO DO CRUZEIRO
De Aruanda vem ordem do Velho Cambinda chamou seu irmão
Quem manda é o velho faceiro Para vir lhe ajudar
Feiticeiro pega o patuá Benedito do Cruzeiro
Mandinga e suas ervas Também ele foi chamar
E no Terreiro vem dançar Três velhos trabalham juntos
Bate o pé, levanta a poeira Para a nossa salvação
E queima coisa ruim Valei-nos meus Pretos-Velhos
Salve o feitiço do Velho Feiticeiro Valei-nos meus bons irmãos
Ø PAI BENEDITO DAS ALMAS Ø PAI BENEDITO DE ARUANDA
Nas almas tem um velho mandingueiro > Benedito já chegou, já chegou lá de Aruanda
Ele é Pai Benedito já chegou nesse terreiro > Ele veio ajudar a salvar filhos de Umbanda
Oi salve o guia! Oi salve o guia! Benedito já chegou, veio a mando de Jesus
Oi salve o guia Pai Benedito das Almas Para ajudar os seus filhos a carregar a sua cruz
84 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras
PRETOS VELHOS
Ø ZÉ DO PITO Ø PAI JOAQUIM DE ANGOLA
Meu pito tá apagado > Já preparei meu pandeiro
Minha marafa acabou | Já peguei minha viola
Vou trabalhar pra suncê | Agora vou pro terreiro
Porque sou trabalhador | Saravar com Pai Joaquim de Angola
Eu vou trabalhar > Ô dim, dim, dim, dim
Suncê vai ganhar | Vamos saravar Pai Joaquim
Muito Bango, meu filho | Ø PAI JOAQUIM D’ANGOLA
E depois vem me pagar > O rosário do Pai Joaquim
Tem mironga pra vencer
Ø TIO TONHO DA ANGOLA Tem dendê, meu zi fio
Meu senhor da casa grande Oi tem dendê >
Não me bata, por favor
Não me amarre no seu tronco A bengala do Pai Joaquim
Me conceda o seu perdão Tem mironga pra vencer
Trago a minha força armada Tem dendê, meu zi fio
Luz, amor e gratidão Oi tem dendê >

Sou Tio Tonho de Angola Ø PAI JOSÉ DE ANGOLA


Que chegou nesse Congá Pai José, cadê Pai Mané?
Sou Tio Tonho de Angola Tá no mato apanhando guiné
Que veio pra trabalhar Diga a ele que quando vier
Que suba as escadas sem bater o pé
Ø PAI MANOEL DE ANGOLA
Pai Manoel tomai conta de filhos Ø PAI JOSÉ DE ANGOLA
Tira areia do fundo do mar Ele é Pai José, vem lá de Angola
Eu vi Pai Manoel de Angola Com seu patuá, com a sua sacola
Eu vi a sereia do mar A fumaça vem, a fumaça vai
Pai José de Angola tem mironga, tem
Ø PAI JOAQUIM DE ANGOLA
Deixei meu cachimbo no toco Ø PAI JOSÉ DE ANGOLA
Mnadei o moreque buscá Pai José veio de Angola
Na hora da derrubada Veio de Angola, Angolá
Meu cachimbo ficou lá Quando chegou no terreiro
Encruzou seu jacutá
Pai Joaquim sentou no toco
Fez o Sinal da Cruz Ø PAI JOSÉ DE ANGOLA
Pediu proteção à Zambi Ele vive no meio das flores
Para os filhos de Jesus Beijando a lua
Cada conta de seu rosário No fundo do mar
É um filho que aqui está Oh meu pai, que é Pai José
Se não fosse o Pai Joaquim Que veio de Angola
Eu não sabia caminhar Oi que vem saravar
Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 85
1.540 Pontos Cantados de Umbanda
Ø PAI JOÃO DE ANGOLA Ø PAI ANTÔNIO
Quando ele vem nesta banda Oi dai-me forças Jesus de Nazaré
Vem na Umbanda saravar Congá Oi dai-me forças pra mim vir trabalhar
Oi saravá Pai João de Angola Dizem que a Umbanda tem mironga
Que a seus filhos de pemba Tem mironga, Pai Antônio tem congá
Ele vem abençoar
Ø PAI ANTÔNIO
Ø PAI JOSÉ DE ANGOLA Tira o cipó do caminho, criança
Quem quiser ver, que veja auê Deixa o vovô passar
Quem quiser ver, que veja auá Pai Antônio que vem de Angola
Eu é preto feiticeiro, eu chegô pra trabaiá Para trabalhar
Eu é filho de Angola
O meu pai é de Guiné Ø PAI TOMÁZ
Minha mãe é de Carangola Ele é preto é >
Eu me chamo Pai José É neto de Pai Joaquim,
Sobrinho de Pai José
Ø PAI JOÃO DE ANGOLA
Quando ele vem nesta banda Ele veio da Bahia, ele veio de Aruanda
Vem na Umbanda saravá o Congá Ele é Pai Tomáz, vencedor de demandas
Oi saravá Pai João de Angola Ele veio da Bahia, a mironga ele faz
Que a seus filhos de pemba É irmão de Pai Tomé, saravá nosso Pai
Ele vem abençoar Tomáz

Ø PAI ANTÔNIO
Dá licença Pai Antônio
Que eu não vim lhe visitar
Eu estou muito doente
Vim pra você me curar
Se a doença for feitiço
Bulalá em seu congá
Se a doença for de Deus ai
Pai Antônio vai curar
Coitado de Pai Antônio
Preto Velho curandô
Foi parar na detenção ai
Por não ter um defensor
Pai Antônio é quimbanda, é curandô
Pai Antônio é quimbanda, é curandô
É pai de mesa, é curandô
É pai de mesa, é curandô
Pai Antônio é quimbanda, é curandô
Pai Antônio é quimbanda, é curandô

86 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras


PRETOS VELHOS
Pontos de Linha Ø 5.
Olêlê, meu Deus do céu, que alegria
Ø 1. O Preto-Velho não carrega soberbia
Preto-Velho está cansado Meu Deus isso aqui eu preferia
de tanto caminhar A estrela Dalva no ponto do meio-dia
Preto-Velho está cansado
de tanto trabalhar Eu vou plantar nesse quintal pé de pinheiro |
Para mostrar como se quebra macumbeiro >
Firma o ponto no terreiro Olêlê, meu Deus do céu, que alegria
Que é longa a caminhada O Preto-Velho não carrega soberbia...
Quem tem fé tem tudo
Pega o penacho bota abaixo na campanha|
Quem não tem fé não tem nada
Nesse terreiro galo velho não apanha >
Ø 2.
Ainda bem que era dia Ø 6.
Papai mandou chamar Na Bahia tem eu vou mandar buscar
Firma a cabeça, meus filhos Lampião de vidro oi ‘sa dona, para clarear
Que tem Preto pra chegar
Ø 7.
Ø 3. É preto, é preto
Tizorerê, orerê, orará > É no meu congá
Os Pretos Velhos quando vem pra trabalhar É preto, é preto
Vem trazendo a sua gente para todo o mal levar Ora vamos saravá
Agô, agô, vem saravar filhos de Umbanda
Agô, agô, vem saravar nesse Conga Ø 8.
Saravá eles como chefes de terreiro Preto Velho que coisa é essa |
Saravá eles com todos seus companheiros Que me deixa o corpo mole >
Ø 4. É mironga de terreiro,
O Preto Velho, no tempo do cativeiro Preto Velho vai tirar
Trabalhava o dia inteiro, na senzala a matuscar Vai fazer reza bem forte
Uma maneira de domingo ir no terreiro Pra mandinga afastar
Com arruda e guiné saravar seu Orixá
Preto Velho que coisa é essa |
Ajuda eu, Preto Velho, ajuda eu a rezar Que me deixa o corpo mole >
Ajuda eu, atabaque, ajuda eu a girar.
Parece que é coisa feita,
Hoje o Preto quando desce no terreiro Preto Velho vai tirar
Vem saravando os seus filhos Mas não fique assustado
Com licença de Oxalá Deste mal vou lhe livrar
Vem ensinando humildade e caridade
E depois você vai embora,
E a todos que tem fé um jeito de se salvar
Vai pra casa descansar
Ajuda eu, Preto Velho, ajuda eu a rezar E depois que passar o tempo,
Ajuda eu, atabaque, ajuda eu a girar. Volte aqui me visitar

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 87


1.540 Pontos Cantados de Umbanda
Ø 9. Ø 14.
Ai meu tempo, faz tanto tempo Que navio é aquele que vem lá do mar
Que meu tempo não volta mais O navio é dos pretos que vêm trabalhar
Quando negro de Aruanda Em alto mar o navio balanceou
Cantavam todos iguais Salve todos os Pretos-Velhos
Faz tanto tempo Que no reino já chegou
Na cachanga de Aruanda
A Conceição ia prova Ø 15.
Aladaee êê, aladaê ê a Pretos-Velhos na senzala padeceu, padeceu!
Preto Velho ficava sentado Preto-Velho não chorava
No batente do velho portão Só dizia: ai meu Deus!
Preto Velho com sua viola Ai meu Deus, ai meu Deus! >
Preto Velho com seu violão
Ø 16.
Lá na festa da Conceição Na linha de Umbanda tem dendê
Todo mundo pedia e implorava Tem força divina de Orixá
O menino pegava a viola Na linha de Umbanda eu quero ver
Preto Velho então cantarolava Esse filho de pemba balançar
Ai meu tempo, faz tanto tempo
Que meu tempo não volta mais Balança filho na força desse Congá >
O menino pegava a viola Que ver vovô descer
Preto Velho então cantarolava Quero ver vovô chegar

Ø 10. Ø 17.
Mexe na cumbuca, repenica no Congá Abre a engira, risca ponto
Chama nosso povo e vamos trabalhar Acende a vela, cachimbo pitô,
Ø 11. Canta curimba: Preto-Velho chegô
Preto-Velho quando vem Chama filho que começa a pedir
Vem beirando a beira mar Preto-Velho escuta triste história de dó
Bota a canga no sereno Canta curimba: Preto-Velho chegô
E deixe a canga serenar Pita cachimbo, segura pemba, seu dotô
Canta curimba: Preto-Velho chegô
Ø 12. Pitando cachimbo, enxuga as lágrimas
Preto-Velho tem muita mironga Suaviza a dô
Xangô nas pedreiras mandou lhe chamar Canta curimba: Preto-Velho chegô
Quero ver Preto-Velho descer
Sem seu cavalo balancear Ø 18.
Preto-Velho batia zabumba
Ø 13. Preto-Velho batia tambor
Preto chegou no reino Preto-Velho riscava seu ponto
Olha Preto já chegou Batia cabeça pra meu pai Xangô
Preto é filho de pemba
Nosso Senhor é quem mandou
88 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras
PRETOS VELHOS
Ø 19. Ø 24.
Lá no céu eu vi uma estrela correr Acorda! Acorda
Lá na pedreira vi as pedras rolar Quem está dormindo, acorda!
E os Pretos-Velhos sentadinhos na areia Estás dormindo na porta deste Congá
Quando a sereia começou a cantarolar Quem tem inimigo não dorme
E no seu canto ela sempre dizia Acorda pra corimá
Eu só queria ter asas para voar Vem firmar ponto pra Ogum e Oxalá
Pra ir ao céu buscar a estrela que brilha Estás dormindo em vez de trabalhar
E os Pretos-Velhos pra enfeitar nosso Congá Quem tem inimigo não dorme
Acorda pra vigiar
Ø 20.
No cruzeiro das Santas Almas Ø 25.
Eu vi um velhinho rezar As almas têm, as almas dá,
Na mão trazia sua bengala de guiné As almas dá pra quem sabe aproveitar
Na outra mão trazia seu patuá Olha lá meu irmão,
As almas não enganam ninguém
Ø 21. Olha lá meu irmão, adorei as almas
Seu doutorzinho quer que chame de doutor Olha lá meu irmão, as almas vêm trabalhar
É desaforo, cativeiro já acabou Olha lá meu irmão, vêm na fé de Oxalá
Branco sabe ler, branco sabe escrever
Mas não sabe dia em que morre Ø 26.
O Preto é quem vai dizer Cajueiro bento aonde nasceu Jesus
Minha Virgem Imaculada
Ø 22. Chora nos pés da cruz
Estava na beira da praia Abre a porta do céu, São Pedro
Lá no céu deu um clarão Deixa as almas trabalhar
A ordem era de Aruanda Minha Virgem Imaculada
Livrando preto da escravidão Chora nos pés da cruz

Foi de Oxalá a ordem suprema Ø 27.


Mão Yemanjá quem mandou Bum, bum, bum
Meu pai Xangô escreveu lá na pedreira Bateram na porta do céu
Pai Ogum cumpriu a ordem, Bum, bum, bum
Pai Oxóssi confirmou São Pedro abriu pra ver quem é
Hoje eu tenho alegria 3> Mas eram as almas, oh Velha Conga
Preto-Velho hoje é sinhô Que se pesavam na balança de São Miguel

Ø 23.
Seu cachimbo está no toco Ø 28.
Manda moleque buscar Ele é Preto-Velho e anda todo de banda
E no sertão da mata virgem No cachimbo dele é que tem mironga
Seu cachimbo ficou lá

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 89


1.540 Pontos Cantados de Umbanda
Ø 29. Ø 36.
Arreia Pedro com sua falange A fé que eu tenho no meu Orixá |
Nossa Senhora Hoje está no terreiro pra me ajudar |
Carregando sua bandeira Saravá, saravá, saravá >
O Preto Velho não pode chorar >
Ø 30. Vencedor de batalha, não pode tombar |
Ele é zi Preto, velho e cansado Saravá, saravá, saravá >
Que passa os dias a trabalhar
Mas quando pensa que está de folga Ø 37.
Tem os seus filhos pra ajudar ha ha ha ha A lua lá no céu surgiu
E clareou os caminhos de Umbanda
Ø 31. Aqui na terra filho de pemba é guerreiro
Se eu não fosse filho de pemba Preto Velho surgiu
São Cipriano não vinha cá Como é linda a sua banda
Aruê aruê São Cipriano mandou me chamar A estrela lá no céu brilhou
Aruê aruá filho de pemba não pode tombar E clareou os caminhos de Umbanda
E lá na terra filho de pemba pediu |
Ø 32. Preto Velho ouviu |
Na linha de Pretos-Velhos Como é linda a nossa Umbanda >
Ninguém pode atravessar
Oi segura a pemba ê ê Ø 38.
Oi segura a pemba ê á A estrela lá no céu brilhou
Oi segura a pemba ê ê E clareou os caminhos de Umbanda
Oi segura a pemba no Congá E lá na terra, filho de pemba pediu
Preto Velho ouviu
Ø 33. Como é linda a nossa Umbanda
Eu estava no terreiro
Vendo os Pretos-Velhos trabalhar Ø 39.
Cada volta que eles davam É Preto, é Preto oh Cambinda
Eles cruzavam meu Congá Todo mundo é Preto oh Cambinda
Em terra de Preto oh Cambinda
Ø 34. Eu também sou Preto oh Cambinda
Ele vem de longe, sem conhecer ninguém
Veio colher as rosas que na roseira tem Ø 40.
Eu choro meu cativeiro >
Ø 35. Meu cativeiro, meu cativerá |
Oh salve os santos da Bahia No tempo da escravidão
Oh salve a mesa de Xangô Preto Velho sempre trabalhou
Junto com seu patuá Sentado em sua senzala
Não há mesa na Bahia Batia tambor, saravá Pai Xangô >
Que não tenha vatapá
Não há santo bem seguro
Que não tenha patuá
90 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras
PRETOS VELHOS
Ø 41. Ø 47.
O Preto Velho que nasceu no cativeiro Zum, zum, bateu na porta,
Hoje desce no terreiro Saravá vou ver quem é
De cachimbo e pé no chão É o povo de Aruanda
Pega na pemba, risca ponto e faz mironga E a falange de Guiné
Saravá, Maria Congá, saravá, meu Pai João
Ø 48.
Ø 42. Pisa na linha de Congo, meu filho, filho meu
Quem é aquele velhinho Pisa na linha de Congo devagar, filho meu
Que vem no caminho andando devagar Pisa na linha de Congo, destemido filho meu
Com seu cachimbo na boca Pai Congo trabalha na Umbanda
Pitando a fumaça e soltando pro ar Para caminhar olha Congá girar
Ele é do cativeiro
Ele é Preto Velho, ele é mirongueiro Ø 49.
Na fazenda de Santa Rita
Ø 43. Nego duro de se acordar
Santo Antônio, que santo é aquele Não trabalha porque não quer
Que vem no andor Tem cavalo pra arriar
É São Benedito coberto de flor >
Ø 50.
Ø 44. Bate tambor lá na Angola |
Tira o cipó do caminho, oh criança Bate tambor 3>
Deixa esse velho passar Pai Maneco Bate tambor
É Preto Velho Pai José Bate tambor
Que vem de Aruanda para trabalhar Pai Joaquim Bate tambor
Bate tambor lá na Angola
Ø 45. Bate tambor >
Oi que brilha no céu, é lua nova
Mas que tem lá céu, é lua nova Ø 51.
E esse nego que veio de Aruanda
Ø 46. No terreiro de Umbanda
Toda segunda-feira tem feitiço na ladeira > Ele vem pra trabalhar
As velas queimando no asfalto E olha o passo da girafa o nego dá
Chorando alto, chorando alto E olha o jeito desse nego trabalhar
Mendigo sentado no asfalto E olha o passo da girafa o nego dá
Cheirando álcool, cheirando álcool E esse nego já foi dono de congá
Os carros passando no asfalto Lá nas matas tem as folhas da Jurema >
Buzinam alto, buzinam alto
Bandido correndo no asfalto Ø 52.
Foi um assalto, foi um assalto É preto, é preto, oi Cambinda
Patrão padroeiro das almas Na terra de preto, oi Cambinda
Bendito seja o rosário Eu também sou preto, oi Cambinda
Patrão padroeiro das almas Na terra de preto, oi Cambinda
Nós cumprimos nosso horário
Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 91
1.540 Pontos Cantados de Umbanda
Ø 53. Ø 57.
Eu cheguei no terreiro Eiê, eiê, eiê, eiê, eiê
Risquei o meu ponto Oi, eiê, eiê, eiê, eiá |
Quem é o primeiro? O jongo é bom de lasca |
Eu cheguei no terreiro no terreiro de dona Sinhá >
Risquei minha pemba Preto Velho baixa na terra
Quem é o primeiro? Faz coisas de admirar
O primeiro é aquele Planta um pé de banana
Que está lá no canto Na mesma hora ela dá
Com cara de pranto O tronco solta o cacho
Qué falar com o homem > Se vê amadurecer
Venha cá mizi filho Preto Velho tira a banana
Jogaram feitiço em suncê E dá pra todos comer
Agora vá lá na encruza Isto que quero ver |
Acenda uma vela com fita amarela Pai de Santo que saiba fazer >
Farofa e dendê, que eu vai te proteger
Que eu vai te proteger Ø 58.
Eu vai te proteger, mas peça maleime Oiê, Senhor Macuta
Meu filho de fé Oiê Senhor Macutá
Confia em mim, eu sou Embaé > Ele vem de Angola Senhor Macutá
Chegou agora, Senhor Macutá
Ø 54. Com a mão na pemba
Não vou plantar café de meia Alcançou vitória, Senhor Macutá.
Eu vou plantar canavial
Café de meia não dá lucro Sinhá dona Ø 59.
Canavial, marafo dá Quem vem descendo
Amarra o boi, Preto Velho | Aquela estrada tão comprida
Na porteira do congá > São os Pretos Velhos
Ø 55. Eles desceram pra ajudar
Preto Velho quando vem da Aruanda Os filhos que caíram
Vem com Deus e a Virgem Maria E não podem levantar
Saravá o povo de Aruanda l
Saravá o povo da Bahia > Ø 60.
Nas matas tem folhas e
Ø 56. Tem rosário de Nossa Senhora
Ô meu São Benedito | Tem arueira de São Benedito
Na coroa de Zambi tem congá > Os Pretos Velhos
Seu carreteiro toca o carro devagar Que nos valham nessa hora
Que senão o carro vira
E o carreteiro passa mal
Sou Preto Velho e não gosto de lambança |
Curo moço, curo velho e também curo criança >

92 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras


PRETOS VELHOS
Ø 61. Ø 64.
Corisco o céu rasgou Negro carreiro
O chão do terreiro brilhou Toque o carro devagar
Com a sua cruz e o seu machado Cuidado que o carro vira
O Preto Velho, sua presença marcou E o carreiro passa mar
Xangô, Deus do céu
No Preto sua voz ecoou Ø 65.
Xangô, Justiceiro e humilde Saravá, saravá, saravá
Sua falange ilumine Esse filho de pemba
Que fica de pé no congá
Ø 62. Saravá, saravá, Oxalá
Chora meu cativeiro, | Ele é pai de cabeça
Meu cativeiro, meu cativerá > E não deixa seus filhos tombar
No tempo do cativeiro, Lua, oh, lua
Quando o senhor me batia, Ilumina o terreiro
Eu rezava pra nossa senhora, meu Deus, Que o Preto Velho chegou
Como a pancada doía.
Lua, oh, lua
Chora meu cativeiro, | Já deu meia noite
Meu cativeiro, meu cativerá > Meu galo de pemba cantou
O branco batia no negro
De tarde, de noite, de dia
E o negro amarrado no tronco
Chorava e rezava pra virgem Maria
Chora meu cativeiro, |
Meu cativeiro, meu cativerá >
A lágrima é branca do branco
É branca do negro também
Se o sangue do negro é vermelho
Do branco é vermelho, de Cristo é
também

Ø 63.
O galo bateu asas e cantou |
Na hora em que o Preto-Velho chegou >
Se o galo não cantasse
Muita gente não sabia
Preto Velho aqui chegava
Antes de raiar o dia

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 93


1.540 Pontos Cantados de Umbanda
Demanda Subida
Ø 1. PAI JOAQUIM D’ANGOLA Ø 1.
Preto Velho quando trabalha E vai Preto Velho subindo pro céu
Usa as folhas da arruda e guiné E nossa Senhora cobrindo com véu
Leva os males pra Aruanda
Salva seus filhos de fé Ø 2.
Pisa aqui nesse terreiro Eu lhe dei boa noite ‘sa dona
Vem trabalhar velho curador Boa noite ele já deu ô ‘sa dona
Derruba demanda de macumbeiro
Mostra o caminho do amor Ø 3.
Preto-Velho vai se embora
Pega o pito, risca seu ponto A saudade no meu peito vai ficar
Acende a vela, lança ponteiro Ele vai pra sua Aruanda
Cura doença de qualquer filho Saravá filhos de Umbanda |
Com Oxalá que é seu protetor Quem chamou foi Oxalá

Ø 2. Ø 4.
Lá no cruzeiro O galo vai cantar
Tem fita preta e amarela Quando chegar a hora
Quem não acredita nas almas Pai João vai pra Aruanda
Eu acho bom não mexer nelas Vai de volta na aurora

Ø 3. Ele vai deixar


Lá no cruzeiro divino Muito amor, muita alegria
Aonde as almas vão rezar Vai pra junto de Yemanjá
As almas choram de alegria E da Virgem Maria
Quando os filhos se combinam
Também choram de tristeza
Quando não quer combinar

Ø 4.
Oh Santas Almas do rosário de Maria
Ajude esse filho a caminhar pelos seus dias

Ø 5.
Macumba nas almas amanhece o dia
Ô amanhece o dia
Tenho fé nas almas e na Virgem Maria
Ô na Virgem Maria

94 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras


PRETOS VELHOS
Pretas Velhas - Pontos Individuais Ø VOVÓ BENEDITA DO CRUZEIRO
Benedita você tem |
Ø MARIA REDONDA Um congá que é uma beleza >
Quem vem lá quem combate demanda Um terreiro enfeitado |
Ela é filha de Congo e Maria Redonda Muitos doces sobre a mesa >

Ø MARIA SACAMBINA Ø VOVÓ CAMBINDA


Maria Sacambina lavadeira de Sinhá Cambinda mamanhê, Cambinda mamanhá
Lavou roupa de Congo Segura Cambinda que eu quero ver
Não é dela, é de Yemanjá Filho de pemba não tem querer
Ø MÃE MARIA DE MINA Ø VOVÓ CATARINA DO CONGO
Mãe Maria de Mina vem de Aruanda | Saravá pra Vovó Catarina
Pra salvar seus filhos, pra vencer Que é dona da gira no meu terreiro
demanda > Saravá pra Vovó Catarina
O Preta Velha você não me engana E pra todas as almas do cativeiro
Amarra a saia com palha de cana
E o cigarro que ela fuma A Vovó Catarina é do Congo, é
É de palha de Aruanda A Vovó Catarina é quem faz chá
Pra Vovó Catarina
Ø VOVÓ CATIRA É quem os filhos de Umbanda
Vovó tem sete saias | Vão saravar
Na última saia tem mironga |
Vovó veio de Angola | Ø VOVÓ RITA
Pra salvar filhos de Umbanda > Vovó Rita chegou no terreiro |
Com seu patuá Demandar com feiticeiro >
E a figa de guiné Ela tem mandinga forte |
Vovó veio de Angola Seu rosário e patuá |
Pra salvar filhos de fé Quando chega na lei de Umbanda |
Vem na fé de Oxalá >
Ø VOVÓ DOLORES
Eu fui no canaviá Ø VOVÓ MARIA CONGA
Eu fui lá, eu fui colher cana É do Cruzeiro das Almas
Encontrei foi muitas flores Que vem Maria Conga
Encontrei Vovó Dolores Vem para cortar mironga
Pra salvar a quem quiser
Ø VÓ JOAQUINA Com seu Auá Auacaué...
Vó Joaquina quando vem de Mina | Pra salvar filhos de fé
Traz arruda, dendê e guiné >
Ela corta mironga ela vence demanda | Corta mironga, corta demanda |
Ela vem trabalhar > Na Umbanda e na Quimbanda >

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 95


1.540 Pontos Cantados de Umbanda
Ø VOVÓ MARIA CHICA Ø MÃE MARIA DA PRAIA
Acabou meu cigarro de palha | Ai vem Mãe Maria
Vó Chica é quem foi buscar > Que vem do lado de lá
Rasgou a barra da saia | Vem pedindo licença a Oxalá
Pra fazer meu patuá > E a grande Sereia do Mar
Demanda com ponto de fogo | Ai vem Mãe Maria
Vó Chica sabe desmanchar > Que vem neste congá
Sua Umbanda é pro bem | Abençoar os filhos de fé
E todo o mal vai levar > E todo mal levar

Ø VOVÓ MARIA CHICA Ø VOVÓ MARIA DE ANGOLA


Preta Velha que vem no terreiro saravá Saravá Maria de Angola
Preta Velha que vem no terreiro trabalhar Preta Velha guerreira
Ela é Maria Chica de Aruanda Saravá Maria de Angola
Ela vem neste terreiro saravá Nega benzedeira
Ela é Maria Chica de Aruanda Vovó Maria no terreiro
Ela vem neste terreiro trabalhar Faz mandinga com arruda e patuá
Dá a sua proteção
Ø VOVÓ CATARINA E vem seus filhos ajudar
Vovó Catarina ê, ê
Vovó Catarina ê, á Ø VOVÓ MARIA DE ANGOLA
Vovó Catarina vem de Angola Vestida de branco está Maria de Angola
Vovó Catarina ê, á Veio trabalhar no congá de Oxalá
Perfuma com arruda e guiné
Ø VOVÓ CATARINA E no terreiro firma a sua fé
Vovó Catarina que tem poder | Ela reza pra Jesus, Maria e José
Tem na Umbanda muito haver > Que firme este terreiro
Ela vem da Aruanda E não deixe cair filho de fé
Com a fé de Oxalá
Traz arruda e guiné É de Angola |
Pra rezar filhos de fé Só veste branco |
Vovó Maria |
Ø VOVÓ MARIA CONGA No congá firma seu ponto >
Abre este terreiro
Abre este congá Ø VOVÓ MARIA DAS DORES
Chegou Maria Conga Vózinha Maria das Dores |
Que vem trabalhar Acende seu pito na banda de cá >
Saravá Umbanda Pegou um pouco d’água |
Saravá Quimbanda Misturou com erva |
Saravá quem manda E fez um remédio |
Saravá você Pros filhos curar >

96 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras


PRETOS VELHOS
Ø MÃE JACIRA Ø TIA MARIA DA BAHIA
Ela vem do mar, ela vem da areia Ê Tia Maria, preta velha da Bahia >
Ela é Preta Velha, de mamãe Sereia Segura a barra da saia
Ela é lavadeira, ela é de Sinhá Dança na ponta do pé
Ela é a Mãe Jacira, preta de Yemanjá Quando pega no rosário
Traça Umbanda e Candomblé,
Ø VOVÓ CHICA
Gira, gira, girou, Vovó Chica chegou Ê Tia Maria, preta velha da Bahia >
Gira, gira, girou, perto da Chica estou Rezadeira de quebranto
Vovó Chica é parteira e rezadeira Mal olhado e desencanto
Com tanta luz, também é curandeira Feiticeira, curandeira
De mãos postas com devoção Domadora de Junqueira,
Chica reza com o coração Ê Tia Maria, preta velha da Bahia >
Gira, gira, girou, Vovó Chica chegou Ninguém segura seu ponto
Gira, gira, girou, perto da Chica estou Sua pemba e muita fé
Seu tercinho branco está abençoado E quem quiser falar com ela
Junto do seu peito está guardado Ganha figa de guiné,
Cristo deu-lhe força e a luz Ê Tia Maria, preta velha da Bahia >
E, com humildade, agradece a Jesus
Gira, gira, girou, Vovó Chica chegou Ø VOVÓ BENEDITA
Gira, gira, girou, perto da Chica estou Figa cruzada, o bem trabalhada
Veio da Bahia
Ø VOVÓ MARIA DA BAHIA Vovó Benedita chegou com sua magia
Vovó Maria, ela veio da Bahia No seu patuá do Senhor do Bonfim
Ela vem pra trabalhar Ela acredita
Tem licença de Pai Oxalá Saia engomada e bata rendada
Vovó Maria, ela veio da Bahia Veste Benedita
Vem trazendo a sua pemba, sua guia Figa cruzada, corpo fechado
E o rosário da Virgem Maria É com Benedita
Seus búzios jogados em pano amassado
Ø VOVÓ MARIA Ela confia
Vovó Maria | Curimba marcada em ponto riscado
Ela vem da Bahia > É sua gira >
Ela vem pra trabalhar No seu patuá do Senhor do Bonfim
Com licença do Pai Oxalá Ela acredita
Vem trazendo sua pemba, a sua guia Curimba marcada em ponto riscado
Seu rosário da Virgem Maria É sua gira >

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 97


1.540 Pontos Cantados de Umbanda
Ø TIA MARIA DE MINA Ø VOVÓ JOAQUINA DA BAHIA
Quem é a preta velha sentada no toco Saravá Vovó Joaquina |
Meu Senhor das Almas, me diga quem é? Saravá o seu Congá |
É Tia Maria de Mina, meu filho Ela vem lá da Aruanda |
Trabalhando com fé Ela vem pra trabalhar >
Trouxe arruda e guiné Com suas mirongas e seu patuá |
Pra benzer filhos de fé Saravá Vovó Joaquina na fé de Oxalá >
Ø VOVÓ CHICA Ø VOVÓ CATARINA
Acabou meu cigarro de palha Vovó Catarina o dia que vem
Vó Chica é quem foi buscar A senhora é quem sabe e mais ninguém
Rasgou a barra da saia Vovó Catarina olha seus filhos no Congá
Pra fazer meu patuá A senhora é quem sabe e mais ninguém
Demanda com ponto de fogo
Vó Chica sabe desmanchar Ø VOVÓ CATARINA DE ANGOLA
Sua Umbanda é pro bem Lá na Angola ê >
E todo mal vai levar Catarina de Angola, Umbanda
É de angolê
Ø VOVÓ MARIA CONGA
Abra este terreiro, abre este Congá Ø VOVÓ CAMBINDA
Chegou Maria Conga, que vem nos ajudar Eu plantei café de meia
Eu plantei canaviá
Ø MÃE MARIA DA PRAIA Café de meia não dá lucro, sinhá dona
Aí vem, Mãe Maria que vem do lado de lá Canaviá é quem dá
Vem pedindo licença a Oxalá Ô deixa a Umbanda melhorar 3>
E à grande Sereia do Mar Meu Deus do céu
Aí vem Mãe Maria que vem neste Congá Ô deixa a Umbanda melhorar
Abençoar os filhos de fé Pega touro, Cambinda
E todo o mal vai levar E prende no curral
Ø VOVÓ CAMBINDA Ø VOVÓ CAMBINDA
Cambinda mamanhê, Cambinda, Cambinda vem lá de Angola
Cambinda mamanhá Trazendo a sua sacola
Segura Cambinda que eu quero ver Seu rosário e seu patuá
Filho de pemba não tem querer Cambinda vem na Umbanda saravá
Ø MÃE MARIA Vem trazer para os seus filhos
Mãe Maria vem das águas do mar As bençãos de Oxalá
Trazer a benção da mãe Yemanjá
E com ela vai levar Ø VOVÓ CAMBINDA
Toda demanda para o fundo do mar Vovó Cambinda plantou manacá
Pros seus filhos vai deixar E nasceu uma rosa branca
A estrela de Yemanjá Pra oferecer à minha filha
Que brilha com as águas do mar À minha filha de Umbanda

98 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras


PRETOS VELHOS
Ø VOVÓ CAMBINDA Pontos de Linha
Cambinda de Guinéeu pai é Zambi
Cambinda, velha Cambinda Ø 1.
Que no tronco padecia Vovó não quer casca de coco no terreiro
Chorava e abençoava o feitor que lhe batia Só porque faz lembrar os tempos do cativeiro

O orgulho dessa velha Ø 2.


Comoveu toda a Aruanda Aí vem vovó |
Que chamou de Preto-Velho Descendo a ladeira com sua sacola |
Essa energia que nos manda Com seu rosário e seu patuá |
Ø VOVÓ CAMBINDA Ela vem de Angola >
Vovó Cambinda tem a sua guia Eu quero ver vovó, eu quero ver |
Trabalha de noite e reza de dia Eu quero ver |
Vovó Cambinda quer encruzar Se filho de pemba tem querer >
Ponto de pemba no meu Congá
Ø 3.
Ø VOVÓ MARIA CONGA A fumaça do cachimbo da vovó
O galo já cantou Maria Conga já chegou Sobe no ar, não vê quem não quer
O galo já cantou Maria Conga já saravou A Preta Velha trabalha, trabalha
Oh no terreiro de meu pai tem pemba A mironga da velha está debaixo do pé
Oh no terreiro de meu pai tem mironga
Oh no terreiro de meu pai eu quero ver Ø 4.
A velha Maria Conga Aí vem, vem, vem as vovós de Aruanda
Elas vêm goivando na Lei de Umbanda
Ø VOVÓ MARIA CONGA
Todo mundo está se rindo Ø 5.
Da corrente do cipó Ela vem do mar, ela vem pra areia
Eu vou chamar Maria Conga Ela é Preta Velha de mamãe Sereia
Pra coser meu paletó Ela é lavadeira, ela é de Sinhá
Ela é Preta Velha, Preta de Yemanjá
Ø VOVÓ MARIA CONGA
Lá no cruzeiro santo e bendito Ø 6.
Vovó Maria Conga não trabalha só Pelo dia de hoje |
Tem um velho ao seu lado Eu quero alegria neste terreiro >
Pai Benedito está sentado Foi dia 13 de maio que acabou o cativeiro>
Na porta do roncó
Ø 7.
Ø VOVÓ MARIA CONGA Vovó Sabina lavadeira, lava roupa de sinhá >
É Maria Conga é quem vence demanda Lava roupa de sinhá
E no seu saiote ela traz mironga Mas sua mãe é Yemanjá
Abre zi terreiro, abre zi Congá
Chegou Maria Conga, que veio trabaiá

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 99


1.540 Pontos Cantados de Umbanda
Ø 8. Ø 12.
Na Angola tem uma velha Vovó viveu no tempo da escravidão
Que trabalha com vela acesa Corria milharal com a enxada na mão
Com galhinhos de arruda Benzia, fazia mironga
E um copo sobre a mesa Ajudava seus irmãos
A sua mironga é forte E um dia lá no céu
Mas não faz mal a ninguém Jesus lhe deu a redenção
Trabalha com as almas santas
Com o rosário de Belém Ø 13.
Navio negreiro no meio do mar >
Ø 9. Correntes pesadas na areia a arrastar
O cachimbo é da vovó E a negra escrava tristonha a chorar
Vamos saravar no Congá Saravá nossa mãe Yemanjá
Auê, auê, auá Saravá nosso pai Oxalá
Oh, vamos saravar no Conga
Ø 14.
Ø 10. Tiana chegou aqui nesse gongá
Flor de laranja vovó pegou E veio com ordens para trabalhar
Trouxe pro terreiro cuscuz e marafo Tiana trabalha, para os filhos teus
Cuscuz e marafo ela entregou E vence demanda com a graça de Deus
Na encruzilhada ela saravou
Saravou, saravou

Ø 11.
Essa nega mandou fazer macumba
Pra me tirar da favela
O meu santo é muito forte
E quem vai sair é ela >
Sexta-feira meia noite
Passei na encruzilhada
Encontrei velas acesas
E farofa com marafo
Pedi a Iansã e Ogum
Pra eles me ajudarem
Tirar quisuma do meu caminho
E levar pro fundo do mar

100 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras


PRETOS VELHOS
Subida
Ø 1.
Preta Velha vai ao ló |
Mas não deixa os filhos sós >
Ela vai pra Aruanda |
Junto com Zambi menor >

Ø 2.
A sineta do céu bateu Oxalá já diz é hora >
Eu vou, eu vou, eu vou |
Fiquem com Deus e Nossa Senhora >

Ø 3.
E vai Preta Velha subindo pro céu
E Nossa Senhora cobrindo com véu

Ø 4.
A estrela brilha no céu clareia a Umbanda
Está na hora, o galo cantou
Adeus meus filhos Preta Velha vai embora
Fiquem com Deus e Nossa Senhora

Ø 5.
Pé por pé, vovó caminha devagar
Pé por pé, Nossa Senhora lhe chamou

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 101


1.540 Pontos Cantados de Umbanda

102 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras


IBEJI
Pontos Individuais Ø CARLINHOS
Oh! Doum. Oh! Doum
Ø MARIAZINHA Cosme e Damião são dois irmãos
Três estrelinhas | Oh! Doum. Oh! Doum
Todas as três amarelinhas > Vamos saravar na gira
Uma é Cosme e Damião | Que o Carlinhos já chegou
A outra é Mariazinha >
Ø MARIAZINHA Ø JUQUINHA
Mariazinha nasceu na beira do rio Juquinha da beira da praia
Na beira do rio lá no Juremá Como é se que abana o boné ?
Lá onde a lua brilha, clareia as campinas É assim, assim, assim |
Clareia a mata pra Ibejada brincar Assim que se abana o boné >

Ø MARIAZINHA
Mariazinha na beira da praia
Como é que balança a saia?
É assim, é assim, é assim.
É assim que balança a saia
Ø ESTELINHA
Com sete pedrinhas de areia
Com sete conchinhas do mar
Com sete pedrinhas brancas
Eu vi Estelinha brincar
Sete e sete são catorze
Três vez sete, vinte e um
Quem me dera Estelinha na praia
Vê-la brincar com Doum
Ø MANEQUINHO
Mãe Yemanjá abençoou
Pai Ogum se pôs a caminho
Saravá as criancinhas
Saravá o Manequinho

Ø PEDRINHO DA CACHOEIRA
Pedrinho, Pedrinho da Cachoeira
Me leva contigo pra brincar na areia
Yemanjá anunciou que os erês já vão chegar
É o Pedrinho da cachoeira
Ele vai nos ajudar

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 103


1.540 Pontos Cantados de Umbanda
Pontos de Linha Ø 8.
Oh! Cosme. Oh! Damião onde está Doum
Ø 1. Doum foi apanhar as rosas de mamãe Oxum
Cosme e Damião, Damião cadê Doum? Oh! Cosme. Oh! Damião onde está Doum
Doum tá passeando no cavalo de Ogum Doum está passeando no cavalo de Ogum
Ø 2. Ø 9.
Papai me mande um balão | São Cosme e São Damião
Com todas crianças que tem lá no céu > A sua santa casa cheira
Tem doce, meu Pai, tem doce, meu Pai | Cheira a cravo, cheira a rosa
Tem doce no meu jardim > Cheira a flor de laranjeira

Ø 3. Ø 10.
Fui no jardim colher as rosas | Eu fiz uma prece em forma de canção
E a vovozinha deu-me as rosas | Eu ofereci a Cosme e Damião
Mais formosas > Eu pedi a ele que em nome de Oxalá
Cosme e Damião, oh Doum | Que nos dê saúde e paz pra trabalhar
Crispim Crispiniano são os filhos de Ogum > E na minha prece em forma de canção
Eu lhes peço ainda, São Cosme e Damião
Ø 4. Pelas crianças, flor e botão
Ele é pequenininho, mora no fundo do mar| Pelos velhinhos que lá se vão
Sua madrinha é sereia, | Pelos soldados que à guerra vão
Seu padrinho é Beira Mar > Aceite a minha prece, São Cosme e Damião
No fundo do mar tem areia > Ø 11.
Seu padrinho é Beira Mar Hoje tem alegria 3>
Sua madrinha é Sereia Na gira de Umbanda
Hoje tem alegria
Ø 5.
Titia você tem um Congá que é uma beleza > Ø 12.
Um terreiro enfeitado | Andorinha de Nossa Senhora
Muitos doces sobre a mesa > Andorinha que voa, voa, andorinha
Firma seu ponto na hora
Ø 6. Trazendo as criançinhas
Cosme e Damião, Damião cadê Doum
Crispin e Crispiniano são os filhos de Ogum Ø 13.
Oh, bate palmas | As crianças são as flores do jardim
Dois, dois camaradinha chegou Elas são os anjinhos lá do céu
Elas são, elas são, elas são
Ø 7. Protegidas por São Cosme e Damião
Cosme e Damião a sua santa já chegou
Veio do fundo do mar, Santa Bárbara mandou Ibeji, Ibeji como vem beirando o mar >
Dois, dois, sereia do mar Mas como vem beirando o mar >
Dois, dois, mamãe Yemanjá > Ibeji, Ibeji como vem beirando o mar
104 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras
IBEJI
Ø 14. Ø 20.
Cosme e Damião, doutores do espaço Ele vem do mar, ele vem da mata
Curai-nos da moléstia, livrai-nos do fracasso Ele vem da pedreira, ele vem da cascata
Na terra foram doutores
Curavam os sofredores Ø 21.
Nunca perderam a calma Essa criança é uma índia pequenina
Curavam até a alma Vou pedir pra essa menina
Vir brincar no meu Congá
Ø 15. Cabelos longos e de pele bem morena
Crianças quando chegam de Aruanda É tão doce, tão pequena
É Oxalá que manda Mora na concha do mar
Ele vem gritando, ê, ê, ê
Rolando e brincando Ø 22.
Filho de fé estava doente
Ø 16. Filho de fé estava chorando
Criancinhas lá no céu Filho de fé viu Ibejada
Anjinhos de toda a luz Filho de fé já está cantando
Trazei sua Urucaia
Companheiros de Jesus Ø 23.
Levantai minha macaia Formiguinhas de Angola
Companheiros de falange Pai Ogum está chamando
Foi Jesus quem ordenou Vem, vem, vem, vem,
Com suas sete falanges Que Damião está girando

Ø 17. Ø 24.
Doum, Doum, Doum, Cosme e Damião Meu Deus quem é esse cavaleiro
Doum, Doum, Doum, brinca sentado no chão Que traz tanta segurança
Ele é Ogum Guerreiro
Ø 18. Que trouxe as crianças
Doum, hoje é seu dia, hoje tem alegria
Em todos os terreiros, Doum, oi Doum, Ø 25.
Saravá a Zambi na linha de Umbanda Na Bahia tem um côco,
Em todos os terreiros, mas cadê seu irmão Côco que faz a cocada
Cadê seu irmão e Cosme e Damião > Côco que faz o manjar
Para dar a Ibejada >
Ø 19. Doum, Doum, Doum, Doum
E as crianças vão fazer uma festança Cosme e Damião
Lá no jardim pular e rolar na grama Doum, Doum, Doum, Doum
Mamãe Oxum, criança é tudo pra mim Brinca sentado no chão >
Cosme, Damião e Doum , Crispiniano e Crispim

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 105


1.540 Pontos Cantados de Umbanda
Ø 26. Ø 32.
Na beira da praia Os anjos lá no céu cantavam
Sentadinhas na areia Estrela D’alva clareou
Eu vi as criancinhas Saravá Cosme e Damião
Brincando com a Mãe Sereia Neste terreiro Oxalá lhe abençoou

Ø 27. Ø 33.
O Sol está brilhando Papai mandou as criancinhas
O jardim está florido Apanhar as flores no jardim
Cada flor é uma criança Lá tem rosas pra Cosme e Damião
E cada criança é uma esperança Pra Crispim e Crispiniano tem jasmim
O jardim de Oxalá Hoje tem alegria no céu
Está sempre brilhando E também na terra e no mar
Com o sorriso de todas as crianças Com as flores do jardim
Seja de fora ou de dentro deste jardim Vamos todos saravar
Todos unidos, sempre, sempre protegendo
Ø 34.
Ø 28. Pedrinha miudinha
Oh Cosme, oh Cosme, oh Cosme Estrelinha de Aruanda, ê
Oh Cosme, oh Cosme e Damião Crianças na Umbanda
Olhai pelas as crianças, pedi a Oxalá São Mestres de Aruanda, ê
Que nos dê proteção e abençoe este Congá
Ø 35.
Ø 29. Povo de Angola
Oh! Cosme , oh Damião onde está Doum? E a falange de Ogum
Doum foi apanhar as rosas de Mamãe Oxum O do yê pras crianças
Oh! Cosme , oh Damião, onde está Doum? Cosme, Damião e Doum
Doum está passeando no cavalo de Ogum
Ø 36.
Ø 30. Pula criança, vem cá
Oh, me Ogum, meu sagrado coração > Saravá neste Congá
Criancinhas engatinhando Salve a Ibejada
Pra querer andar no chão > Salve todos os Orixás
Subi morro acima lá no alto vi o mar Salve todas as crianças
Fui levar uma rosinhas pra Mamãe Yemanjá Que vêm saravar neste Congá

Ø 31. Ø 37.
Olha a bala açucarada Quando a lua brilha no céu |
O amendoim e a rapadura Clareia a Umbanda >
Vem, vem, vem, Clareia a Ibejada |
Que tem também apindá Que vem lá de Aruanda >
Vem correndo criançada e vamos brincar

106 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras


IBEJI
Ø 38. Ø 45.
Que lindo cavalo branco Saravá Doum, Cosme e Damião
Que aquele menino vem montado Saravá as crianças, trazendo proteção
Descendo aquela serra Cosme e Damião baixar nesta banda
Dizendo ser filho de um soldado Seu cavalo está pedindo
É Damião, é Damião, é Damião
Num lindo cavalo de Ogum Ø 46.
Se criança pedir, vovô lhe dá
Ø 39. Um balancinho no fundo do mar
Que meninos bons, oi 3>
São Cosme e Damião Ø 47.
Saravá, oi, saravá > Skindim, skindim
São Cosme e Damião As crianças chegam assim

Ø 40. Ø 48.
São Cosme e Damião Tem bala de côco e peteca
Nos dê a proteção Deixa a Ibejada brincar
Pra mim e pro meu irmão Hoje é dia de festa
Nos dê a proteção Ibejada vem saravar

Ø 41. Ø 49.
São Cosme e São Damião Tem paciência, doutor
A sua casa cheira Eu sou Camisa Azul
Cheira cravo, cheira rosa Mas para o ano que vem
Cheira flor de laranjeira Dois, dois, comer caruru

Ø 42. Ø 50.
São os lírios, são as rosas Titia me deu cocada
São as alegrias da Aruanda Tio me deu guaraná
Descarrega crianças formosas Gostei foi do caruru
Filhos humildes de Umbanda Que a mamãe mandou preparar
Mamãe me deu caruru
Ø 43. Eu comi caruru de mamãe
São três meninas lá no jardim
São três meninas Ø 51.
Mariazinha, Cristina e Joaninha Vamos ver, vamos ver
Gostam de brincar onde tem conchinha Vamos ver as crianças baixar
Mariazinha da praia, ela faz ondinha Pois é Cosme e Damião
Que estão vindo saravar
Ø 44.
Saravá Cosme e Damião
Não quero balas
Só um brinquedinho
Para brincar com Cosme e Damião

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 107


1.540 Pontos Cantados de Umbanda
Ø 52. Subida
Viva Deus lá nas alturas
Salve Cosme e Damião Ø 1.
Salve as linhas de Umbanda Andorinha que voa, voa, andorinha |
Com Jesus na proteção Leva as crianças pro céu >
Vai, vai, vai andorinha |
Ø 53. Leva as crianças pro céu, andorinha >
Ere-rê, ere-á
Erezim vem trabalhar Ø 2.
Vem brincando de Aruanda Andorinha que voa, voa
Para nos abençoar Voa que estão lhe chamando, andorinha
Diz aí erezim Voa, voa, voa andorinha
O que é que você quer? Voa que estão lhe chamando
Quero vela azul pros homens
E cor de rosa pras mulher Ø 3. MARIAZINHA
Ere-rê, ere-á Lá no céu tem três estrelinhas
Erezim vem trabalhar Todas três em carreirinha
Vem brincando de Aruanda São Cosme, São Damião
Para nos abençoar A outra é Mariazinha
Diz aí erezim
Você quer vela, pra quê? Ø 4.
Pra corimbar o terreiro Criança já trabalhou, criança já saravou
E a todos proteger Volta agora pra Aruanda que Oxalá já chamou
Ere-rê, ere-á
Erezim vem trabalhar Ø 5.
Vem brincando de Aruanda E vai criançada subindo pro céu
Para nos abençoar Com eles vai Nossa Senhora
Diz aí erezim Cobrindo com véu
E vais corimbar pra quê?
Pra poder levar mironga Ø 6.
Que deixaram em você Ibejada já vai embora
Aruanda está lhe chamando
Ø 54. E vão pra um jardim lá no céu
Oi dê amor a uma criança Oxalá está lhe esperando
Oi dê amor e muita esperança E foram pra um jardim do céu
Criança é alegria Oxalá será
Criança é festa todo dia.
Din dom, din dom, din dom Ø 7.
Bate o sino do seu coração Lá na Aruanda Oxalá chamou
Criança é alegria. Chamou toda a criança
Criança é festa todos os dias Que aqui trabalhou

108 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras


IBEJI

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 109


1.540 Pontos Cantados de Umbanda

110 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras


BAIANOS
Louvação aos Baianos Ø ZÉ PILINTRA
Oi Zé, quando vem lá da lagoa
Salve Senhora Aparecida Toma cuidado com o balanço da canoa
Porque tu és a Grande Padroeira Oi, Zé, faça tudo o que quiser
Só não maltrate o coração dessa mulher
Salve Senhora do Amparo
Que Estrela Guia do teu povo e na Bahia Ø ZÉ PILINTRA
Zé Pilintra, Zé Pilintra
Salve o Senhor do Bonfim Boêmio da madrugada
Porque os Baianos são de cajueiro Vem da linha das almas
E também da encruzilhda
Salve Orixa formoso Meu amigo Zé Pilintra
Que gira gira no meu terreiro Que tem fama de doutor
Salve Orixa formoso Com o seu filho de Fé
Que gira gira no meu terreiro Seu irmão , seu protetor
Com magia e mirongas
Dando forças ao terreiro
Pontos Individuais Saravé seu Zé Pilintra
Ø ZÉ PILINTRA Meu amigo verdadeiro
Meu Senhor não maltrate esse nêgo
Esse nêgo caro me custou Ø ZÉ PILINTRA
Ele usa camisa listrada Venha cá Seu Zé, venha me valer
Calça de veludo e anel de dotô Sem sua ajuda eu não posso viver
Esse nego é doutor, é sim senhor > Ô Seu Zé, auê, o Seu Zé, auá
Ele vem aqui, não se esquece de voltar
Ø ZÉ PILINTRA
Seu Zé Pilintra não teve pai Ø ZÉ PILINTRA
Seu Zé Pilintra não teve mãe Tava em cima do muro
Ele foi criado por Ogum Beira-Mar Fumando um bagulho o moleque chegou
Na fé de Zambi e de todos os Orixás Vinha correndo e gritando
Sai daí Zé Pilintra a polícia chegou
Ø ZÉ PILINTRA Deu pancadaria, deu confusão
De terno branco Saí correndo, deixei meu bagulho no chão
Seu punhal de aço puro
O seu ponto é seguro Ø ZÉ PILINTRA
Quando vem pra trabalhar Toda manhã quando eu desço a ladeira |
A nega pensa que eu vou trabalhar >
Segura o nêgo, Eu ponho meu cachecol no pescoço |
Que esse nêgo é Zé Pilintra Meto um baralho no bolso |
Na descida do morro E vou prá Barão de Mauá >
Ele vem trabalhar
Trabalhar, trabalhar prá que? |
Se eu trabalhar eu vou morrer >
Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 111
1.540 Pontos Cantados de Umbanda
Ø ZÉ PILINTRA Ø ZÉ PILINTRA
Quando eu vejo uma linha de ferro, Quem foi que viu Zé Pilintra
Eu beijo o chão e a Deus peço paz. No meio desse salão
Pois foi no dia em que esse trem partiu Com uma garrafa de pinga
Que o seu Zé se foi e não voltou mais. E um charuto na mão
Hoje ele desce na linha de Umbanda, Skindô, skindô
Trazendo amor e muita caridade. Esse negô é doutor
Pois foi no dia em que esse trem tombou Ora viva Senhor, meu escravo Senhor
Que o seu Zé se foi para a eternidade. Se você não me queria, Bravo Senhor
Porque foi que me chamo, Bravo Senhor
Ø ZÉ PILINTRA
Sou filho de Zé Pilintra Cinco, cinco, vinte e cinco
Tenho que me orgulhar Cinco cinco Salomão
Quem não pode com a mandinga Cinco velinhas acesas
Não carrega patuá Seu Pelintra tem na mão
Saravá Seu Zé Pilintra Ø ZÉ PILINTRA
Nego do chapéu virado Moça não tenha medo do seu marido >
Na direita ele é maneiro Se ele é bom de faca eu sou de facão |
Na esquerda ele é pesado Se ele é bom de reza eu de oração >
Cuidado meu camarada
Não põe a mão em cumbuca Ø ZÉ PILINTRA
Quem mexer com Zé Pilintra Ô, Zé Pilintra
Vai ficar lelé da cuca Neguinho do pé virado
Quem mexer com Zé Pilintra
Ø ZÉ PILINTRA Ou tá doido ou tá danado
Firma o ponto Zé Pilintra
Padre Nosso e água benta Ø ZÉ PILINTRA
Na igrejinha catedral Ô Zé Pilintra, não deixe o mal me pegar >
De joelho estou > Eu confio em você, nada vai me acontecer
Reza a prece vagarosa
Padre Nosso e água benta Ø ZÉ PILINTRA
Na igrejinha catedral Seu Zé da Estrada
Onde é que tu está
De joelho estou > Ô Zé da Estrada
Quando vem de pé descalço Vem aqui pra trabalhar
Padre Nosso e água benta Vem montado em seu cavalo
Na igrejinha catedral E com seu chapéu na mão
De joelho estou >
Ø ZÉ PILINTRA
Oi Zé, oi Zé enganador
Enganou a filha alheia com palavras de amor
112 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras
BAIANOS
Ø ZÉ PILINTRA Ø SEU CHAPÉU DE COURO
Você está vendo aquela casa pequenina Ele é baiano
Bem lá no alto da colina Ele arrebenta a sapucaia
É uma casinha de malandro de 7 saias Ê ,Ê meu pai
É Seu Zé Pilintra Ele arrebenta a sapucaia
Joga a chave, meu bem Ele é da Bahia
Que aqui fora está frio Esse baiano vale ouro
Ô bem, cheguei tarde Ele é da Bahia
Tarde outra vez meu bem Salve o seu Chapéu de Couro
Mas amanhã eu voltarei
Ø ZECA DA ESTRADA
Ø ZÉ PILINTRA Axé... Bahia, axé, axé, axé
O morro de Santa Rita está de luto, ô | Chegou Seu Zeca da Estrada
Porque Zé Pilintra morreu > Chegou baiano de fé
Ele chorava por 2 mulher
Chorava por 10 mulher Ø BAIANO LAÇADOR
Chorava por uma mulher Cana aqui, cana acolá
Que ele tanto amava Cana aqui, canaviá
É o Baiano Laçador
Ø ZÉ PILINTRA Que chegou pra trabalhar
Seu Zé Pilintra
Moço do chapéu virado Ø CHICO BAIANO
Na direita ele é maneiro Chico é bom de briga
Na esquerda ele é pesado E é bom també no pé
Ø ZÉ PILINTRA Baiano bom taí
E quem quiser me ver, ô Zé | Vamos ver como é que é
Vai em cima do barranco, ô Zé >
Ø BAIANO BASTIÃO
Zé Pilintra e o baiano Bastião, nego de fé
São mais que companheiros Veio de São Salvador
Zé Pilintra na retranca | No borná traz muito axé
Eo baiano no terreiro, ô Zé > Pra ajudar o sofredor
Ø ZÉ PILINTRA Ø SEU SEVERINO
Bravo, Sr. bravo, Seu Zé Pilintra chegou > Mas olha eu camarada, camarada meu >
Ele salvou pai, salvou mãe Seu Severino que chegou aqui agora
Salvou padrinho, salvou madrinha Na Umbanda bato no peito
Salvou cego na estrada Na Quimbanda bato na Angola
E aleijado na linha

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 113


1.540 Pontos Cantados de Umbanda
Ø SEU SEVERINO Ø VIRGULINO (LAMPIÃO)
Olha meu camarada, camarada meu Eu quero um par >
E olha meu camarada, camarada meu Eu quero um par de tamanco para calçar
Sou Severino que chegou aqui agora Eu me chamo Virgulino o apelido é Lampião
Candomblé bato no Keto O cabra safado que não dá satisfação
Umbanda bato na Angola

Ø ZÉ DO COCO
Zé do Coco, por onde anda
Mexe com toda mulher
Mas quando ele chega
Faz o que tu quer
Faz e desfaz, desmancha
Toda a mandinga
E não recusa um bom gole de pinga

Ø PAI BAIANO
Estava tudo desarrumado |
Quando Pai Baiano chegou >
Não é assim que se faz |
Quando se chama o protetor >

Ø PAI BAIANO
Pai Baiano ê ê, Pai Baiano ê á
Pai Baiano tem licença
Do nosso Pai Oxalá

Ø QUEBRA-COCO
Quebra-Coco no terreiro
Quebra-Coco no congá
Quebra-Coco vem descendo
Para todo o mal levar
Que a mandinga dos seus filhos
Quebra-Coco vai levar

Ø VIRGULINO (LAMPIÃO)
É Lampi, é Lampi, é Lampi
É Lampi, Lampião
Eu me chamo Virgulino |
E o apelido é Lampião >

114 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras


BAIANOS
Pontos de Linha Ø 8.
Nheco nheco, tico tico, mela a mela
Ø 1. Eu passei pela capela
Bahia, oh África | Fui ver padre no altar
Vem cá, vem nos ajudar >
Força baiana, força africana | Eu dei um pulo
Força divina vem nos ajudar > Eu dei dois pulos
Eu dei três pulos
Ø 2. Acabei pulando o muro
Baiano é povo bom, povo trabalhador > Não parei mais de pular
Quem mexe com baiano | Meu camarada
Mexe com Nosso Senhor Venha ver a brincadeira
Nêgo planta bananeira
Ø 3. Vira de perna pro ar
Lá na Bahia ninguém pode com os baianos >
Quebra coco, arrebenta sapucaia | Já me falaram
Vamos todos saravar > Que a Umbanda é brasileira
Que esta gira é uma beleza
Ø 4. Eu também quero girar
Na Bahia tem eu vou mandar buscar Na Bahia tem vem ver
Lampião de vidro, oi sinhá, para clarear Leite de coco, xaréu e dendê...

Ø 5. Ø 9.
A Bahia é muito longe, Bahia é do lado de lá Que navio é este
A Bahia é muito longe, ahia atravesse esse mar Que chegou aqui agora
Bahia só é terra para quem sabe trabalhar É o navio negreiro
Com escravos de Angola
Ø 6. Veio de Gêge, de Angola |
Se é baiano, agora que eu quero ver E guiné trouxe a Umbanda |
Dança catira no azeite de dendê A capoeira e o candomblé >
Eu quero ver um baiano de Aruanda
Trabalhando na Umbanda Ø 10.
Pra Quimbanda não vencer Ai meu Senhor do Bonfim
Valei-me, meu Salvador
Ø 7. Povo da Bahia chegou
Quando eu vim da Bahia | Vovó Casturina saravou
Estrada eu não sabia > Valei-me, valei-me
Cada encruza que eu passava Valei-me meu Salvador >
Uma vela eu acendia
Ø 11.
Bahia, Bahia, Bahia de São Salvador
Quem nunca foi à Bahia
Pede à Deus Nosso Senhor

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 115


1.540 Pontos Cantados de Umbanda
Ø 12. Ø 19.
Balança a porteira velha Ai meu tempo, faz tanto tempo
Balança, balanceou Que meu tempo não volta mais
Balança a porteira velha Quando negro de Aruanda
Que o baiano já chegou Cantavam todos iguais
Faz tanto tempo
Ø 13. Na cachanga de Aruanda
Ê... baiana A Conceição ia prova
Ê, ê, ê, baiana, baianinha Aladaee êê, aladaê ê a
Baiana boa, gosta de samba Preto Velho ficava sentado
Entra na roda e diz que é bamba No batente do velho portão
Apronta a viola que ela quer sambar Preto Velho com sua viola
Ela gosta de samba, ela quer trabalhar Preto Velho com seu violão
Ø 14. Lá na festa da Conceição
La na Bahia corre água sem chover Todo mundo pedia e implorava
Se a água de coco é boa | O menino pegava a viola
Eu também quero beber > Preto Velho então cantarolava
Ai meu tempo, faz tanto tempo
Ø 15. Que meu tempo não volta mais
Na Bahia tem um coco | O menino pegava a viola
Esse coco tem dendê > Preto Velho então contarolava
Olha diga como é |
Que se come esse coco > Ø 20.
Esse coco que é bom de comer Oh Meu Senhor do Bonfim
Valei-me meu salvador
Ø 16. Vinde, salvai vossos filhos
Oi trepa no coqueiro, tira coco Povo da Bahia chegou
Chique, chique, nheco, nheco
No coqueiro eu chego lá Ø 21.
Baiano que é batizado
Ø 17. Entra em qualquer lugar
Tava na estação, auê Arreia, baiano, arreia
Quando o trem chegou, auê Arreia pra trabalhar
Cheio de bananas, auê
De São Salvador, auê Ø 22.
Baiano quebra côco
Ø 18. Serra em qualquer madeira
Trepa no coqueiro Baiano está no terreiro
Tira coco se quizer Não aceita brincadeira
Vou chamar a baianada
Pra dançar neste congá Baiano quebra mas reconhece
Baiano dá macumbeiro a quem merece>
116 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras
BAIANOS
Ø 23. Ø 28.
Ô sinhá, ô sinhá, quebrei meu pé | Eu bebo minha pinga
Fugindo da chibatada na colheita de café > Eu bebo muito bem
Sinhozinho me bateu Eu bebo minha pinga
Maltratei cavalo dele Não é conta de ninguém
Sinhozinho me prendeu Bebo, bebo, beberrão
I mandou até o feitor Copo na boca e garrafa na mão
I no tronco me prende
Eu careço de ajuda Ø 29.
Vou pedir a vós mecê Vem mano, vem mano meu >
Corre e avisa ao Pai João Traga seu manto pra vir samba mais eu >
Qui no tronco eu vou ficar
Té o final da escravidão Ø 30.
Ô sinhá, ô sinhá, quebrei meu pé | Baiano quando vem da Bahia
Fugindo da chibatada na colheita de café > Ele vem beirando o mar
Deixe a ganga serenar
Ø 24. Auê baiano, baiano que balanceia
Baiano tem muita ginga Auê baiano, da Serra da Mantiqueira
E gosta de bricadeira
Mas desmancha toda a mandinga Ø 31.
E quando vai leva a poeira embora Ai, ai, bem longe
Ø 25. Bem longe na Bahia
Chamei, chamei Na capital, capital São Salvador
Chamei os meu dois irmãos Hoje tem festa do santo padroeiro
Galinha de Angola E a baiana lava a escada do senhor
Que chama, chama E a baiana que é moça tão formosa
Cachorro do Mato Também lavando a escada do Bonfim
Que enrola a mandinga E no seu pote tem água perfumada
Veado no mato é corredor Que cheira cravo, cheira rosa e jasmim

Ø 26. Ø 32.
Pisa bonito baiano, pisa em cima do ouro Galo piou, piou de madrugada >
Senhor do Bonfim abençoa esse tesouro Balança porteira velha quero ver balancear >

Ø 27. Ø 33.
Iorerê, Iorerê Bahia ê ê ê, Bahia ê ê á >
Iorerê que dê, que dê Quando eu vim lá da Bahia
Iorerê que dê, que dá Eu trouxe meu patuá
Corta o cacho Terreiro que tem mironga
E joga embaixo Baiano vai mirongar
Pra ver se o baiano é macho Baiano ê ê ê, baiano ê ê á >
E dá coragem de brigar
Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 117
1.540 Pontos Cantados de Umbanda
Ø 34. Ø 41.
O bom baiano tem que saber tocar berimbau Fui fazer uma caçada
Gostar de moqueca de peixe Essa foi pequenininha
Saber jogar capoeira para poder se defender Com um facão de sete palmos
Saber dançar para Iansã, Yemanjá e Nanã Buruquê Fora o cabo e a bainha
Uma cesta de ovo e 700 galinhas
Ø 35. Eo tricô de cima da linha
Tem mironga no terreiro
Tem mironga no congá Ø 42.
Quem não pode com mandinga Fizeram um despacho
Não carrega patuá Lá na encruzilhada para poder me derrubar
Mas não adianta, não adianta
Ø 36. Eu também sou de lá.
Baiano da grande campina Se meu pai é Ogum, minha mãe é Iansã
Oxóssi das matas mandou lhe chamar Eles vão me ajudar
Quero ver o baiano descer | Mas não adianta, não adianta
Sem o médium balancear > Que eu não vou tombar
Eu não vou tombar >
Ø 37.
Oi, Quebra coco na pedreira | Ø 43.
Quero ver arrebentar > Sou da linha de congo, sou rei da magia
Não demande com meus filhos | Minha terra é muito longe
Que eu também sei demandar > Meu conga é na Bahia
Tem areia ô, tem a areia.
Ø 38. Tem areia no fundo do mar tem areia
Quem fala mau de baiano Nestas matas tem um coco
É quem não tem o que fazer Neste coco tem dendê
Cuida mais da tua vida Nestas matas tem mironga
E deixa o baiano viver Agora eu quero ver, tem areia ô

Ø 39. Ø 44.
Baiano é bom, baiano é bom Lagoa velha Seu Corisco ia pescar
Baiano é bom porque sabe trabalhar Peixe grande não me engasga
Ele trepa no coqueiro O lambari quer me engasgar
Quebra o coco, bebe a água
E deixa o coco no lugar Ø 45.
Eu dei um tiro, deu um gemido
Ø 40. Tem um baiano por aí escondido
Menina vestida de chita Eu dei um tiro na sapucaia
Chapéu de palhinha de maracatu Não tem quem ouça
Baiana se eu fosse solteiro, tivesse dinheiro Ou quem balança ou quem não caia
Eu casava com tu

118 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras


BAIANOS
Baianas Demanda
Ø 1. Ø 1.
Bota pimenta no meu prato de dendê > Marimbondo amarelo me mordeu
A mulherada na cozinha | Na capela do olho e doeu
Eu quero ver > É um tiquinho, é um tiquinho
A baiana bonitinha que cozinha só | É um tiquinho só.
Pra mim > Na esquerda eu vou dando meu nó.
Oh meu Deus do Senhor do Bonfim > Olha lá, olha lá, olha lá Zé Mateu
Pois baiano de raça aqui sou eu.
Ø 2.
Bota a mão nas cadeiras Ø 2.
E remexe mais, oh Baiana Vamos baianada pisar no catimbó
Vê se remexe mais > Amarrar os inimigos na pontinha do cipó
Na subida da ladeira Amarrei, amarrei, amarrei e dei um nó
E na descida do Bonfim Amarrei os inimigos na pontinha do cipó.
Quebra a cabaça espalha a semente
Ø 3. Oi mete no coro de quem não gosta da gente
Baiana faz e não manda
Não tem medo de demanda Ø 3.
Baiana feiticeira filha de Nagô Um baiano, um coco
Trabalha com pó de pemba Dois baiano, dois coco
Pra ajudar Babalaô Três baiano é uma cocada
Baiana sim, baiana vem E quatro baiano, é uma baianada.
Quebra mandinga com dendê
Ø 4.
Ø 4. Na Bahia tem baiano que sabe ler
Baiana da saia rendada Te dou veneno, você morre sem saber.
Tabuleiro de acarajá Me chamaram de criminoso,
A baiana ta requebrando Mas não podem me prender.
Como dança o condomblé Quem nunca viu vem ver
Êêê baiana, baiana do Nosso Senhor do Bonfim Caldeirão sem fundo ferver.
Ê baiana peça a Oxalá por mim Quem brinca com água quer se molhar
Quem brinca com fogo quer se queimar.
Ø 5. A coruja piou
Baiana bate no peito Vou mandar mandinga
Peça força a Zambi e vem trabalhar Pra cima de quem me mandou
Baiana da saia rendada
Saúda Senhor do Bonfim Oxalá Ø 5.
Tem jararaca, tem cobra no meu jardim
De noite ela me beija, de dia sorri pra mim.

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 119


1.540 Pontos Cantados de Umbanda
Ø 6. Subida
A bananeira que eu plantei a meia noite
Já deu cacho neste terreiro Ø 1.
Eu quero ver este cabra dengoso O trem apitou, baiano viajou
Firmar seu ponto e dizer que é macumbeiro Baiano viajou com Nosso Senhor

Ø 2.
A Bahia chamou, chamou |
Mandou chamar >
Foi Senhor do Bonfim
Que chamou baiano pra rezar

Ø 3.
A Bahia, ela me chama
A Bahia me chamou
É com o poder de Deus que eu venho
É com o poder de Deus que eu vou

Ø 4.
Seu baiano vai embora
Leva a poeira desta casa
Adeus Umbanda, adeus filho de fé
Quem vai embora sou eu
E quem fica na terra
Ogum é quem manda
Eu vou embora, vou embora Ceci
Meu caminho é por lá mas eu vou por aqui

Ø 5.
Cadê a sua pemba, cadê a sua guia
Já vai os baianos embora pra Bahia
Eles vão numa gira só, numa gira só, numa
gira só

120 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras


BAIANOS
Ø 6.
Minha reza é forte, Ela é de coroa
Ela vem do norte, É uma reza boa
A mandinga quem manda lá no solo do sertão
É mandinga quebrada na ponta do meu facão
Minha reza é forte, ela é de coroa
Ela vem do norte, é uma reza boa.
Na cumbuca sentada
Do lado de dentro do portão
Passa amigo e camarada,
Gente ruim não passa não.
Minha reza é forte, ela é de coroa
Ela vem do norte, é uma reza boa
Vai-te embora mal olhado,
Sem quizila e amolação
Tá cortada a inveja,
Olho gordo e obsessão
Minha reza é forte, ela é de coroa
Ela vem do norte, é uma reza boa

Ø SUBIDA DO SEU ZÉ PILINTRA


Seu Zé, feche as porteiras
Com selas e trunqueiras
Não deixe o mal entrar
O galo já cantou na Aruanda
Farofa na fundanga
Eu quero ver queimar

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 121


1.540 Pontos Cantados de Umbanda

122 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras


MARINHEIROS
Pontos Individuais Pontos de Linha
Ø CHEFE DOS MARINHEIROS Ø 1.
Tarimã, Tarimã, Tarimã | Oh marinheiro, marinheiro marinheiro só
Tarimã está no fundo do mar > Quem te ensinou a nadar marinheiro só
Oh gente cadê sereia | Foi o tombo do navio marinheiro só
A sereia está no fundo do mar > Foi o balanço do mar marinheiro só
Auê maioral Lá vem, lá vem marinheiro só
Virou zigazamba Ele vem faceiro marinheiro só
Lá no fundo do mar Todo de branco marinheiro só
Com seu bonezinho marinheiro só
Ø SEU MARTIM PESCADOR
Ô Martim Pescador, que vida é a sua? Oh marinheiro, marinheiro marinheiro só
Bebendo cachaça e caindo na rua Quem te ensinou a nadar marinheiro só
Foi o tombo do navio marinheiro só
Não vá beber, não vá se embriagar Foi o balanço do mar marinheiro só
Não vá cair na rua pra polícia te pegar
Eu já bebi, eu já me embriaguei Eu não sou daqui marinheiro só
Eu já caí na rua e a polícia não pegou Eu não tenho amor marinheiro só
Eu sou da Bahia marinheiro só
Ø SEU MARTIM PESCADOR De São Salvador marinheiro só
Meus caranguejinhos das ondas do mar
Eu trago ouro, eu trago prata Ø 2.
Dinheiro pra gastar Quem te ensinou a nadar >
Foi, foi, marinheiro
Oi quem de mim perguntar Foram os peixinhos do mar
Eu sou Martim Pescador Temos pólvora e chumbo
Quando os meus filhos me chamam Nós queremos é guerrear
Venho correndo ajudar
Ø 3.
Ø SEU MÁRIO NETO DE ABALUAIÊ Marinheiro agüenta o leme |
Senhores mestres venho das ondas do mar Não deixa a barca virar >
Sou marinheiro que acabei de chegar É contra o mar, e contra o vento |
Eu trago flores, trago rosas a Yemanjá É contra o vento, e contra o mar >
Pra seus filhos enfeitar este conga.
Quem não conhece venha conhecer Ø 4.
Mário Neto de Abaluaê ê Minha jangada vai partir pro mar
Eu trago flores, trago rosa a Yemanjá. Vou trabalhar, meu bem querer
Se Deus quiser, quando eu voltar do mar
Um peixe bom eu vou trazer
Meus companheiros também vão voltar
E a Deus do céu vamos agradecer

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 123


1.540 Pontos Cantados de Umbanda
Ø 5. Ø 10.
Marinheiro vem do mar Zum, zum, zum lá no meio do mar >
No balanço do navio É o vento que nos trazia
Vem trazendo a santa benção É o mar que nos atrapalha
Para todos os seus filhos Para no porto chegar
Yemanjá governa as águas Zum, zum, zum lá no meio do mar
Iansã a tempestade
Com a força do Divino Ø 11.
Vem trazendo a caridade São 7 velas brancas no mar
São 7 mares para navegar
No céu a lua brilha O marinheiro que vem lá do norte
As ondas do mar balançam Traz um braço forte
No dia de Nossa Senhora E a estrela de Yemanjá
Na areia as sereias cantam
Ø 6. Ø 12.
Quem é do mar não enjoa, não enjoa Olha o vento do mar
Chuva fininha é garoa, é garoa Olha o som do mar
O homem que é homem não chora É o marinheiro, olha o som do mar
Não, não chora quando a mulher vai embora É o marinheiro, olha o vento do mar
Olha o som do mar
Mas quem é do mar não enjoa, não enjoa É o marinheiro que aqui chegou
Chuva fininha é garoa, é garoa Para o mau levar
Ø 7.
Oh! Marinheiro de Aruanda Oh! Marinheiro Ø 13.
Vamos todos saravar, Oh! Marinheiro Ê marinheiro, dá licença de passar
No terreiro de Umbanda Oh! Marinheiro Seu navio entrou no porto
Com as bençãos de Oxalá Oh! Marinheiro Ele vem de alto mar
Oh! Marinheiro de Aruanda Oh! Marinheiro Já cruzou a hora grande
Paz e amor pros filhos seus Oh! Marinheiro Uma revolta ele encontrou
Ilumina o meu caminho Oh! Marinheiro Quando eu chegar em casa
Sou eu, sou eu, marinheiro Vou falar com minha velha
Meu navio vem no balanço
Ø 8. E no balanço ele vem
Que balanço é esse, oi rema devagar
Marinheiro de missão, oi rema devagar
Que balanço é esse, oi rema devagar
É amor de marinheiro, oi rema devagar

Ø 9.
Ê marinheiro que veio do porto de lá
Seu amor está no porto |
Esperando você chegar >

124 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras


MARINHEIROS
Subida Ø 7.
Ele vai embora, grumete
Ø 1. Seu navio já apitou
A onda do mar rolou > De longe ele abençoa
Os marinheiros de Yemanjá A terra em que pisou
A onda do mar levou
Ø 8.
Ø 2. E quando a lua sair ele vai girar >
Adeus Umbanda, adeus filhos de fé E lá se vão os marinheiros |
Quem vai embora sou eu Para todo o mau levar >
E quem fica na terra
Yemanjá é quem manda Ø 9.
Oh marinheiro, marinheiro marinheiro só
Ø 3. Quem te ensinou a nadar marinheiro só
O, marinheiro, é hora Foi o tombo do navio marinheiro só
É hora do barquinho a navegar Foi o balanço do mar marinheiro só
É pau, é pedra é água
O, marinheiro vai nas ondas do mar Marinheiro é meu amigo marinheiro só
Não deixa o barco afundar marinheiro só
Ø 4. Adeus, adeus eu já vou embora |
Marinheiro vai embora Eu vou com Deus e Nossa Senhora >
Toma o rumo da maré
Desta casa levo o mal Ø 10.
Que atrapalha a minha fé Se a cachaça é boa
É do pau de alho
Ø 5. Aqui mesmo eu bebo
A onda que te trouxe Aqui mesmo eu caio
É que te leva para o mar A cachaça é boa é de São Tomé
Auê, auê, auê Yemanjá > Dela só bebe quem quiser.
Vai com a onda vai
Vai com a onda vem
Vai com a onda vai
Marinheiro vai também

Ø 6.
Vai, marinheiro
Marinheiro, com o balanço do mar
É com o poder de Deus que eu venho
É com o poder de Deus que eu vou

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 125


1.540 Pontos Cantados de Umbanda

126 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras


BOIADEIROS
Ø TOCADOR DE BOI Pontos Individuais
Sérgio Reis
Se me chamam Boiadeiro
Boiadeiro, eu não sou não Ø JOÃO BOIADEIRO
Só sou tocador de boi Se me chamam Boiadeiro
Boiadeiro é o meu patrão Boiadeiro, eu não sou não
Só entendo de amor Só sou tocador de boi
Só entendo de carreira Boiadeiro é o meu patrão
No lombo desse cavalo
Eu passei a vida inteira Ø JOÃO BOIADEIRO
O patrão carrega o ouro Vem cá guria depressa
Eu carrego a bandeira Venha ventando
Que é pra ver João Boiadeiro
Bandeira boi bandeira |
Cachaça que desce queimando (homens)
Bandeira boiadeira >
Pega as coisas lá pro homem
A boiada da estrada Chicote ele estala no peito
Vai na marcha viageira Não tem boi que seja bobo
É que nem a procissão De faltar-lhe com respeito (mulheres)
Tem credo e tem bandeira Chegou, chegou, chegou
O arroio é a reza João Boiadeiro no terreiro chegou >
O incenso é a poeira Chegou João Boiadeiro chegou >
Bandeira boi bandeira |
Bandeira boiadeira > Ø VENÂNCIO
Cem anos se passaram
A boiada obediente Venâncio viveu a vida
Sobe morro cruza a porteira De amor e alegria
Vou tangendo boi de corte Era festa todo dia
Pra sua sorte derradeira Eêê Boiadeiro, Eêê Boiadeiro
Tem até a marcha fúnebre Então do céu a voz de Deus falou >
Que é a moda violeira Do cavalo a viola |
Bandeira boi bandeira | Do sol a lua |
Bandeira boiadeira > Do vento a chuva |
Você boiadeiro viveu >
Ø LOUVAÇÃO AOS BOIADEIROS E hoje no terreiro |
Ó Deus salve esta casa santa Abençoa os filhos de Umbanda |
Ó santa, ó santa Velho sábio verdadeiro |
Onde Deus fez a sua morada Em nome de Oxalá |
Morada, morada Nosso Senhor! >
Onde mora o cálice bento | Eêê Boiadeiro, Eêê Boiadeiro
E a hóstia consagrada >

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 127


1.540 Pontos Cantados de Umbanda
Ø ZEZINHO Ø ZÉ MINEIRO
Boiadeiro na porteira Sou boiadeiro dos vagões da Leopoldina
Benedito na Aruanda Onde vim matar um boi
Chama o povo Boiadeiro Lá pras bandas de Minas
Vem chegando de mansinho Zé Mineiro ê, Zé Mineiro á
Casqueador Zezinho| Quimbanda boa como a de Minas não há
Vem Ogum de mansinho >
Abrir pra mecê meu filho Ø ZÉ GAÚCHO
Todos os seus caminho Ô Zé Gaúcho na estação da Leopoldina
Estava carreando boi
Ø NHÔ ZÉ DA PORTEIRA Lá pras bandas de Minas
Boiadeiro, sou boiadeiro Oi boiadeiro ê, oi boiadeiro ã
Neste pampa sem igual Minha junta de dois pretos
Meu reino é a coxilha E meus dois braços araçã
Meu trono é meu bagual Não demande com meus filhos
Vem Nhô Zé, vem Nhô Zé Que eu também sei demandar
Boiadeiro curandeiro
Boiadeiro benzedor
Boiadeiro curandeiro
Boiadeiro rezador
Vem Nhô Zé, vem Nhô Zé
Vem, vem cá nos ajudar >

Ø CAPITÃO
Sou boiadeiro, sou sim senhor
Sou boiadeiro lá do sertão
Conhecido como Zé do Mato
Mas o apelido é Capitão
Sou caboclo de suporte
Sou temido como o trovão
Protegendo a boiada
Com meu cavalo alazão
Bebo pinga e chimarrão
E como proteção
Tenho no meu peito
Deus nosso senhor

128 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras


BOIADEIROS
Pontos de Linha Ø 8.
Boiada boa, boiada de São Vicente
Ø 1. Mas com tanto boi bonito
A abelha que faz o mel Me mandaram um boi doente
Também faz o samburá
Caboclo pega tua flecha Ø 9.
Não deixa outro tomar Cadê minha corda de laçar meu boi
E e e, e e a O meu boi fugiu eu não sei pra onde foi
Guerreiro joga a flecha para o ar Toma lá vaqueiro
Toma jaleco de couro >
Ø 2. Na porteira do curral
A menina do sobrado
Mandou me chamar por seu criado Ø 10.
Eu mandei dizer a ela Ele veio de sertão correndo pela estrada
Estou vaquejando o meu gado Estalando seu chicote, carreando sua
Olô, boiadeiro, eu gosto de samba arrojado boiada
Ø 3. Ø 11.
Abalei minha roseira para tirar do caminho Em cima do meu lageiro
Na aldeia de boiadeiro não se pisa em Eu bebi água no gravatá >
espinho Sou boiadeiro
Eu bebi água no gravatá
Ø 4. Sou gentileiro
Abre-te campestre que eu quero passar
Quero ver o meu gado eu não sei onde ele está Ø 12.
Estrela D’alva é minha guia
Ø 5. Que alumia sem parar
Ai, ai, ai, valei-me Seu Boiadeiro Alumia a mata virgem
Quem lhe pede ajuda agora Cidade do aiucá
É um filho do terreiro Alumia a mata virgem
Cidade do Juremá
Ø 6.
Boa noite, meus senhores > Ø 13.
Dá-me licença para um Cavaleiro > Eu atirei, eu atirei ninguém viu
Eu morei em mata serrada > Só boiadeiro é quem sabe
O meu nome é Caboclo Vaqueiro > Aonde a flecha caiu, eu atirei
Ø 7. Ø 14.
Deus nos salve a casa santa Eu tenho meu chapéu de couro
Aonde Deus fez a morada Eu tenho a minha guiada
Onde mora o cálice bento Eu tenho meu lenço vermelho
E a hóstia consagrada Pra tocar minha vaquejada

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 129


1.540 Pontos Cantados de Umbanda
Ø 15. Ø 23.
Folha por folha na mangueira tem > Oi quem vem lá sou eu
Minha guiada e e, minha e a Quem vem lá sou eu >
Boiadeiro sou eu
Ø 16. Da laranja eu quero um gomo
Getuá, getuá Do limão quero um pedaço
Corda de lançar meu boi Do caboclo boiadeiro
Getuá, getuá
Corda de meu boi laçar Ø 24.
Bambeia, filho de pemba Pedrinha miudinha
Que o boiadeiro já vai chegar Pedrinha na Aruanda ê
Lajeiro tão grande
Ø 17. Tão grande na Aruanda ê
O Cruzeiro do Sul no céu Esse lajeiro é muito grande
Abençoe minha missão Oi de pedrinha miúda >
Eu me chamo boiadeiro Oi de pedrinha graúda
E só ando de pé no chão
Ø 25.
Ø 18. Olha a ponta do laço, boiadeiro
O, lá nas matas lá na Jurema Boi de tocá, boi de tocá
É uma lei severa, é uma lei sem pena Pra porteira do curral

Ø 19. Ø 26.
O, na ponta do laço, o vaqueiro Seu boiadeiro por Deus eu lhe peço
Boi vem tocar, > Pela sua coroa real
Na porteira do curral Que o Senhor saia da sua aldeia
E venha dar um passeio por cá
Ø 20.
O terreiro está enfeitado Ø 27.
Meu Deus que zoada é essa Seu boiadeiro por aqui choveu >
Boiadeiro está chegando Choveu que água molhou
Vamos animar a festa Foi tanta água que meu boi nadou
Na minha boiada me falta um boi
Ø 21. Oi me falta um ou me faltam dois
Oi boiadeiro que linda boiada
Mas tá faltando boi na sua boiada Ø 28.
Tava sentado na estação da Leopoldina
Ø 22. Tava carreando boi
Quem vem lá sou eu, o maior é Deus Lá pras bandas de Minas
Quando a cancela bateu seu Boiadeiro sou Boiadeiro ê, boiadeiro á
Boiada boa como a de Minas não há

130 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras


BOIADEIROS
Ø 29. Ø 34.
Zai, zai, zai, boa noite meus senhores Meu Deus lá nas alturas |
Zai, zai, zai, boa noite venham cá Meu pai é o boiadeiro >
Zai, zai, zai, eu me chamo boiadeiro Oi chibata aqui, oi chibata lá
Zai, zai, zai, aqui e em qualquer lugar Seu ponto é seguro e não pode falhar
Não nego meu natural
Ø 35.
Ø 30. Arreia boiadeiro, na boiada falta um boi >
Meu Deus que barulho é esse | Arreia boiadeiro, chama que ele vem
Não deixa ninguém dormir >
É a alma do boiadeiro Ø 36.
Tá passando por aqui Ô boiadeiro, que horas você chegou
Eu cheguei de madrugada
Ø 31. Depois que o galo cantou
Acorda Maria Bonita Boiadeiro ê, boiadeiro á >
Levanta vai fazer o café Você volte amanhã
Que o dia já vem raiando Depois que o galo cantar
E a polícia já tá de pé
Ø 37.
Seu eu soubesse que chorando Pega o boi preto, amarra na porteira
Trago a sua imagem, Para tirar o couro para fazer pandeiro
Seus olhos eram dois rios
Quem não me davam passagem Chegou boiadeiro
Que vem lá de Aruanda
Cabelos negros anelados Montado em seu cavalo
Olhos castanhos delicados Com seu chapéu na mão
Quem não ama cor morena
Morre cego e não vê nada Ø 38.
Que campos tão verdes
Ø 32. Vejo meu gado todo espalhado
Eu uso a faca, mas não é para desaforo Estou na mesa da Jurema
Aonde eu mato o boi, alí mesmo eu tiro o couro Estou avistando o reinado
Segura o touro que o mocotó é seu Meu Deus mas que suplício
Para ganhar carreira o que é que o boi lhe deu Me livre desta aflição
Salve a mestra Iracema
Ø 33. A princesa e o príncipe João
Ê patrão, eu também sei carrear
Um tal de boi vermelho Ø 39.
Um tal de boi tatá Meu Deus, que zoada é essa
Põe a ganga no boi preto Que eu não posso nem dormir
Pra puxar canaviá É zoada de boiadeiro passeando por aí >

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 131


1.540 Pontos Cantados de Umbanda
Ø 40. Músicas para Gira de Boiadeiro
Boiadeiro meu amigo, meu amigo leal >
Na passada da boiada fica o bem e sai o mal > Ø 1.
Mas que lindo caboclo chegou
Ø 41. É um lindo caboclo ligeiro
Quem vem lá é dois, dois de ouro | Saravá esta linda Umbanda
A cancela do meio bateu > Aqui chegou o Caboclo Boiadeiro
Sou eu boiadeiro, sou eu Ele veio do sertão
Boiadeiro, boiadeiro Correndo pelas estradas
Sua boiada esparramada Estalando seu chicote
Boiadeiro pega a sua guia Carreando sua boiada
E vai ver sua boiada Ai, ai, ai meu Deus do céu
Ai, ai, ai Virgem Maria
Ø 42. Umbanda de Boiadeiro
Seu boi ficou doente Vara o raiar do dia
Tá berrando no salão
Com tanta laranja doce Ø 2.
Seu boi foi chupar limão Tum, tum, tum
Bateu na porteira
Tum, tum, tum
Bateu na cancela
Chegou Boiadeiro de Umbanda
Menina, saia desta janela
Vestindo gibão de couro
Ele é bom versejador
Você tá correndo perigo, moça
Ele é bom namorador
Ele é Boiadeiro da mina
Da mina de ouro em pó
Quando a viola esquenta a umbanda
Sabe dançar até num pé só

Ø 3. CAPIM DE RIBANCEIRA
Na madrugada
E eu na beira da estrada
A lua cheia e minguada
E de repente apareceu
Um cavaleiro de bota chapéu de couro
Me lembrando o velho mouro
E lá “fiquemos” ele e mais eu
Cruzou os pés, “apiou” o seu cavalo
Deixou a “rédia” num talo
De uma roseira sem flor

132 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras


BOIADEIROS
Diz que seguia pelo mundo solitário Lá na mata a passarada |
E quebrava todo galho Principia o barulhão >
Apartando toda dor Nesta viola, eu canto e gemo de verdade
Quem não ouviu falar Cada toada representa uma saudade
Quem não quis conhecer Lá no mato tudo é triste
Aquele cavaleiro | Até o jeito de falar
Que vive pela fronteira | Pois o Jeca quando canta
Divulgando a reza brava | Da vontade de chorar
Do Capim de Ribanceira > E o choro que vem caindo |
Enquanto o bule de café, bulia a brasa Devagar vai se sumindo |
Da fogueira refletia o seu olhar Como as águas vão pro mar >
Eu pude ver Nesta viola, eu canto e gemo de verdade
Que ele sabia coisa até do outro mundo E Cada toada representa uma saudade
essa noite eu fui aluno
Do seu estranho poder Ø 5.
Com sete ponta de uma rama trepadeira Valei-me meu bom Boiadeiro
E uma arruda e a piteira Dai-me forças pra tristeza suportar
O meu corpo ele tocou Vou soltar o nó da boleadeira, Boiadeiro |
Naquele instante me bateu uma zonzeira Pra Prenda poder voar >
E duma tosse cuspideira Toca o berrante, Boiadeiro
O velhinho me livrou Toca forte que é pra Prenda escutar
E quem não ouviu falar E guia a Prenda em segurança |
Quem não quis conhecer Boiadeiro |
Aquele cavaleiro| Pra plagas do Pai Oxalá >
Que vive pela fronteira |
Divulgando a reza brava | Ø 6. CÁLIX BENTO
Do Capim de Ribanceira > Ó Deus salve o Oratório >
Onde Deus fez a morada
Ø 4. TRISTEZA DO JECA* Oia meu Deus!
Nestes versos tão singelos Onde Deus fez a morada, oiaaa
Minha bela, meu amor Onde mora o cálice bento >
Prá você quero contar E a hóstia consagrada
O meu sofrer e a minha dor Oia meu Deus!
Eu sou como o sabiá | E a hóstia consagrada, oiaaa
Quando canta é só tristeza | De Jessé nasceu a vara >
Desde o galho onde ele está > Da vara nasceu a flor,
Nesta viola eu canto e gemo de verdade Oia meu Deus!
Cada toada representa uma saudade Da vara nasceu a flor, oiaaa
Eu nasci naquela serra E da flor nasceu Maria >
Num ranchinho a beira-chão De Maria o Salvador,
Todo cheio de buraco Oia meu Deus!
Onde a lua faz clarão De Maria o Salvador, oiaaa
Quando chega a madrugada |
Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 133
1.540 Pontos Cantados de Umbanda
Ø 7. ROMARIA Ø 9. CHICO MINEIRO
Renato Teixeira
Fizemos a última viagem
É de sonho e de pó Foi lá pro sertão de Goiás
O destino de um só Fui eu e o Chico Mineiro
Feito eu perdido em pensamentos Também foi o capataz
Sobre o meu cavalo Viajamos muitos dias
É de laço e de nó Pra chegar em Ouro Fino
De gibeira o jiló Aonde passamos a noite
Dessa vida cumprida a sol Numa festa do Divino
Sou caipira, pira pora | A festa estava tão boa
Nossa Senhora de Aparecida | Mas antes não tivesse ido
Ilumina a mina escura | O Chico foi baleado
E funda o trem da minha vida > Por um homem desconhecido
Larguei de comprar boiada
O meu pai foi peão
Mataram o meu companheiro
Minha mãe solidão
Acabou o som da viola
Meus irmãos perderam-se na vida
Acabou-se o Chico Mineiro
A custa de aventuras
Depois daquela tragédia
Descasei, joguei, investi, desisti
Fiquei mais aborrecido
Se há sorte, eu não sei, nunca vi
Não sabia da nossa amizade
Sou caipira, pira pora | Porque a gente era unido
Nossa Senhora de Aparecida | Quando vi seus documentos
Ilumina a mina escura | Me cortou o coração
E funda o trem da minha vida > Vim saber que o Chico Mineiro
Me disseram porém Era o meu legítimo irmão
Que eu viesse aqui
Pra pedir em romaria e prece Ø 10. MENINO DA PORTEIRA
Teddy Vieira - Luizinho
Paz nos desaventos Toda vez que eu viajava
Como eu não sei rezar Pela estrada de Ouro Fino
Só queria mostrar De longe eu avistava
Meu olhar, meu olhar, meu olhar A figura de um menino
Sou caipira, pira pora | Que corria abrir a porteira
Nossa Senhora de Aparecida | Depois vinha me pedindo
Ilumina a mina escura | Toque o berrante seu moço
E funda o trem da minha vida > Que é pra mim ficar ouvindo
Quando a boiada passava
E a poeira ia baixando
Ø 8. Eu jogava uma moeda
Caboclo, Caboclo Boiadeiro Ele saía pulando
Sua luz chegou aqui neste terreiro Obrigado boiadeiro
Vamos saravar Caboclo boiadeiro Que Deus vá lhe acompanhando
Por este sertão afora
134 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras
BOIADEIROS
Meu berrante ia tocando Morreu de sede meu alazão >
Nos caminhos desta vida Até mesmo a Asa Branca
Muito espinho encontrei Bateu asas do sertão
Mas nenhum calou mais forte Então eu disse: “Adeus Rosinha |
Do que isto que eu passei Guarda contigo meu coração” >
Na minha viagem de volta Hoje, longe, muitas léguas
Qualquer coisa eu cismei Numa triste solidão
Vendo a porteira fechada Espero a chuva cair de novo
O menino não avistei Pra eu voltar pro meu sertão
Apeei do meu cavalo Quando o verde dos teus olhos
Num ranchinho beira-chão Se espalhar na plantação
Vi uma mulher chorando Eu te asseguro, não chore, não, viu |
Quis saber qual a razão Eu voltarei viu |
Boiadeiro chegou tarde Meu coração >
Veja a cruz no estradão
Quem matou o meu filhinho Ø 12. LUAR DO SERTÃO
Catulo da Paixão Cearense
Foi um boi sem coração
Lá pras bandas de Ouro Fino Não há, ó gente ,ó, não
Levando gado selvagem Luar como esse do sertão
Quando passo na porteira Ó, que saudade do luar
Até vejo a sua imagem Da minha terra
O seu rangido tão triste Lá na serra branquejando
Mais parece uma mensagem Folhas secas pelo chão
Daquele rosto trigueiro Esse luar da cidade tão escuro
Desejando-me boa viagem Não tem aquela saudade
A cruzinha do estradão Do luar lá do sertão
Do pensamento não sai Se a lua nasce por detrás
Eu já fiz um juramento Da verde mata
Que não esqueço jamais Mas parece um sol de prata
Nem que o meu gado estoure Prateando a solidão
E que precise ir atrás E a gente pega na viola que ponteia
Neste pedaço de chão E a canção e a lua cheia
Berrante eu não toco mais A nos nascer do coração
Não há, ó gente ,ó, não
Ø 11. ASA BRANCA Luar como esse do sertão
Luiz Gonzaga - Humberto Teixeira Coisa mais bela neste mundo
Quando olhei a terra ardendo Não existe
Qual fogueira de São João Do que ouvir um galo triste
Eu perguntei a Deus do céu, ai | No sertão se faz luar
Porque tamanha judiação > Parece até que alma da lua
Que braseiro, que fornalha É que diz, canta
Nem um pé de plantação Escondida na garganta
Por falta d’água perdi meu gado | Desse galo a soluçar
Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 135
1.540 Pontos Cantados de Umbanda
A quem me dera Porque já chorei demais
Eu morresse lá na serra Hoje me sinto mais forte
Abraçado a minha terra Mais feliz quem sabe
E dormindo de uma vez Só levo a certeza de que muito pouco
Ser enterrado numa grota pequenina Eu sei, ou nada sei
Onde a tarde à sururina Conhecer as manhas e as manhãs
Chora a sua viuvez O sabor das massas e das maçãs
Não há, ó gente ,ó, não É preciso amor pra poder pulsar
Luar como esse do sertão É preciso paz pra poder sorrir
E preciso chuva pra florir
Ø 13. SOBRADINHO Penso que cumprir a vida
Sá e Guarabira
Seja simplesmente
O homem chega, já desfaz a natureza Compreender a marcha
Tira a gente põe represa Ir tocando em frente
Diz que tudo vai mudar Como um velho boiadeiro
O São Francisco lá pra cima da Bahia Levando a boiada
Diz que dia a menos dia Eu vou tocando os dias
Vai subir bem devagar Pela longa estrada eu vou
E passo a passo Estrada eu sou
Vai cumprindo a profecia Conhecer as manhas e as manhãs
Do beato que dizia O sabor das massas e das maçãs
Que o sertão ia alagar É preciso amor pra poder pulsar
O sertão vai virar mar | É preciso paz pra poder sorrir
Dá no coração | É preciso chuva pra florir
Um medo que algum dia | Todo mundo ama um dia
O mar também vire sertão > Todo mundo chora
Adeus Remanso, Casa Nova, Sento Sé Um dia a gente chega
Adeus Pilão Arcado, vem o rio te engolir No outro vai embora
Por baixo d’água lá se vai a vida inteira Cada um de nós compõe a sua história
Por cima da cachoeira Cada ser em si carrega o dom
O “gaiola” vai subir De ser capaz, de ser feliz
Vai ter barragem no salto do Sobradinho Conhecer as manhas e as manhãs
E o povo vai se embora com medo O sabor das massas e das maçãs
De se afogar É preciso amor pra poder pulsar
O sertão vai virar mar | É preciso paz pra poder sorrir
Dá no coração | É preciso chuva pra florir
Um medo que algum dia | Penso que cumprir a vida
O mar também vire sertão > Seja simplesmente
Compreender a marcha
Ø 14. TOCANDO EM FRENTE Ir tocando em frente
Almir Sater - Renato Teixeira
Ando devagar porque já tive pressa Como um velho boiadeiro
E levo esse sorriso Levando a boiada

136 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras


BOIADEIROS
Eu vou tocando os dias Valente, lugar tenente
Pela longa estrada E o dono de gado e gente
Eu vou Porque gado a gente marca
Estrada eu sou Tange, fere, engorda e mata
Conhecer as manhas e as manhãs Mas com gente é diferente
O sabor das massas e das maçãs Se você não concordar
É preciso amor pra poder pulsar Não posso me desculpar
É preciso paz pra poder sorrir Não canto pra enganar
É preciso chuva pra florir Vou pegar minha viola
Vou deixar você de lado
Ø 15. DISPARADA Vou cantar noutro lugar
Prepare o seu coração Na boiada já fui boi
Pras coisas que eu vou contar Boiadeiro já fui rei
Eu venho lá do sertão Não por mim nem por ninguém
Eu venho lá do sertão Quem junto comigo houvesse
Eu venho lá do sertão Que quisesse ou que pudesse
E posso não te agradar Por qualquer coisa de seu >
Aprendi a dizer não Querer mais longe que eu
Ver a morte sem chorar Mas o mundo foi rodando
A morte o destino tudo Nas patas do meu cavalo
Estava fora de lugar E já que um dia montei
Eu vivo pra consertar Agora sou cavaleiro
Na boiada já fui boi Laço firme, braço forte
Mas um dia me montei De um reino que não tem rei
Não por um motivo meu Na boiada já fui boi
Ou de quem comigo houvesse Boiadeiro já fui rei
Que qualquer querer tivesse Não por mim nem por ninguém
Porém por necessidade Quem junto comigo houvesse
Do dono de uma boiada Que quisesse ou que pudesse
Cujo vaqueiro morreu Por qualquer coisa de seu >
Boiadeiro muito tempo Querer mais longe que eu
Laço firme, braço forte
Muito gado, muita gente Ø 16. VAMOS DAR AS MÃOS*
Pela vida segurei Vamos dar as mãos
Seguia como no sonho Vamos dar as mãos
Que o boiadeiro era um rei Vamos lá
Mas o mundo foi rodando E vamos juntos cantar
Nas patas do meu cavalo
Nos sonhos que fui sonhando Ø 17. VIOLA ENLUARADA*
As visões se clareando>bis A mão que toca um violão
Até que um dia acordei Se for preciso faz a guerra
Então não pude seguir Mata o mundo, fere a terra

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 137


1.540 Pontos Cantados de Umbanda
A voz que canta uma canção Este amor tão bonito
Se for preciso canta um hino Que me faz parar
Louva a morte Neste pedaço de chão
Viola em noite enluarada No coração do sertão
No sertão é como espada Encontrei meu lugar
Esperança de vingança Tem peão de boiadeiro
O mesmo pé que dança Que vive a laçar
Um samba Tem tanto amor verdadeiro
Se preciso vai a luta Que nunca vai faltar
Capoeira Lenda de animais e rios
Quem tem de noite Aves, flores, desafios
A companheira Este é o meu lugar
Sabe que a paz é passageira E no final do dia
Pra defendê-la se levanta O fogo faz companhia
E grita: Eu vou E um violeiro toca
Mão, violão, canção, espada Pra gente sonhar
E viola enluarada Aqui não se vê tristeza
Pelo campo e cidade Em meio a natureza
Porta-bandeira, capoeira No coração sertanejo
Desfilando vão cantando É que é o meu lugar
Liberda....de, liberda....de Andei, andei, andei
Até encontrar
Ø 18. LIBERDADE, LIBERDADE*
Qualquer dia eu pego a estrada Ø 20. REFAZENDA*
Sem destino, sem parada Abacateiro acataremos teu ato
Peito aberto, chuva ou sol Nós também somos do mato
De noite ou madrugada Como o pato e o leão
Vou por onde o vento me tocar Aguardaremos, brincaremos no regato
Vou soltar as asas pra voar Até que nos tragam frutos
Liberdade, liberdade pra sonhar Teu amor, teu coração
Solidão não vai me impedir Abacateiro teu recolhimento
Tenho mil razões para sorrir É justamente o significado
Liberdade, liberdade pra seguir Da palavra temporão
Os sonhos que sonhei pra mim Enquanto o tempo não trouxer
Sonhei Teu abacate
Assim como ninguém sonhou Amanhecerá tomate e anoitecerá mamão
Sonhei Abacateiro sabes ao que
Como ninguém amou Estou me referindo
Amei, amei, amei Porque todo o tamarindo
Tem o seu agosto azedo
Ø 19. CORAÇÃO SERTANEJO* Cedo antes que janeiro, doce manga
Andei, andei, andei Venha a ser também
Até encontrar Abacateiro serás o meu parceiro solitário
138 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras
BOIADEIROS
Neste itinerário da leveza pelo ar A me acompanhar (Amor)
Abacateiro saiba que na refazenda Vim de longe léguas
Tu me ensinas a fazer renda Cantando eu vim (Me leva amor)
Que eu te ensino a namorar Vou não faço tréguas
Refazendo tudo, refazenda | Sou mesmo assim
Refazenda toda, guariroba > Por onde for quero ser seu par
Já me fiz na guerra
Ø 21. ANDANÇA Por não saber (Me leva amor)
Vi tanta areia andei Que esta terra encerra
A lua cheia eu sei Meu bem querer (Amor)
Uma saudade imen..sa E jamais termina meu caminhar
Vagando em verso eu vim (Me leva amor)
Vestido de cetim Só o amor me ensina
Na mão direita ro....sas Onde vou chegar
Vou levar Por onde for quero ser seu par
Olha a lua mansa a se derramar No passo da estrada
(Me leva amor) Só faço andar (Me leva amor)
Ao luar descansa, meu caminhar (Amor) Tenho a minha amada
Seu olhar em festa se fez feliz A me acompanhar (Amor)
(Me leva amor) Vim de longe léguas
Lembrando a seresta Cantando eu vim (Me leva amor)
Que um dia eu fiz Vou não faço tréguas
Por onde for quero ser seu par Sou mesmo assim
Já me fiz na guerra Por onde for quero ser seu par
Por não saber (Me leva amor)
Que esta terra encerra Ø 22. CHALANA*
Meu bem querer (Amor) Lá vai uma chalana
E jamais termina meu caminhar Bem longe se vai
(Me leva amor) Navegando no remanso
Só o amor me ensina Do rio Paraguai
Onde vou chegar Oh! Chalana sem querer
Por onde for quero ser seu par Tu aumentas minha dor
Rodei de roda andei Nessas águas tão serenas
Dança da moda eu sei Vai levando meu amor
Cansei de ser sozi...nho E assim ela se foi
Verso encantado usei Nem de mim se despediu
Meu namorado é rei Oh! Chalana vai sumindo
Nas lendas do caminh...nho Na curva lá do rio
Onde andei E se ela vai magoada
No passo da estrada Eu bem sei que tem razão
Só faço andar (Me leva amor) Fui ingrato eu feri
Tenho a minha amada O seu meigo coração

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 139


1.540 Pontos Cantados de Umbanda
Ø 23. ESTRADEIRO* O amor nasce no peito
Bota de couro surrada Falsidade no olhar
Cheiro de boi ou viola Você nasceu para outro
Sonhos guardados na mente Eu nasci para lhe amar
Com lábios de doce melaço Eu tenho o meu canarinho
Pra todo canto que fosse, vivendo Que canta quando lhe vê
Da cantoria, muito mais que dinheiro Eu canto por tristeza
Buscava farra e corria Canário pode padecer
Não quis ser o melhor sossego De saudade da floresta
Trago de longe não sou louco poeta Eu, saudade de você
Nem sou profeta ou monge
A viajar, viajei Ø 25.
Viajar, viajei, viajar, viajei Por ser de lá do sertão
Em carro de boi litorina | Lá do serrado, lá do interior
Lombo de burro baguá | Do mato, da caatinga, do roçado
Apiava em Porto Esperança | Eu quase não saio
E pegava uma barca | Eu quase não tenho amigos
De “pranças” remando pro pantanal | E não consigo ficar na cidade
Cantava em festas de reis | Sem viver contrariado
Puxando a romaria | Por ser de lá, na certa por isso mesmo
Cantei ao velho “pião” | Não gosto de cama mole
Fiz versos pra burguesia | Não sei comer sem torresmo
E de quando, em quando | Eu quase não falo
Dono das terras falava | Eu quase não sei de nada
Pique violeiro pois tem dinheiro | Sou como rés desgarrada
E pousada eu | Nessa multidão, boiada
Viajar, viajei | Caminhando a esmo
Viajar , viajei, viajar, viajei >
Ø 26. CAVALO ENXUTO*
Ø 24. MORENINHA LINDA* Eu tenho um vizinho rico
Meu coração tá pisado Fazendeiro endinheirado
Como a flor que murcha e cai Não anda mais a cavalo
Pisado pelo desprezo Só compra carro importado
Do amor quando se vai Eu conservo a minha tropa
Deixando a triste lembrança O meu cavalo ensinado
Adeus para nunca mais O fazendeiro moderno
Moreninha linda Só me chama de quadrado
Do meu bem querer Namoramos a mesma moça
É triste a saudade Veja só o resultado
Longe de você Um dia a moça falou
O amor nasce sózinho Pra não haver discussão
Não é preciso plantar Vamos fazer uma aposta

140 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras


BOIADEIROS
A corrida da paixão Quilometros e milhas que vem e que vão
Granfino corre no carro Pelo alto sertão que agora
Você no seu alazão Se chama não mais de sertão
Eu vou pra minha fazenda Mais de terra vendida civilização
Esperar lá no portão Ventos que arrombam janelas e Arrancam
Quem dos dois chegar primeiro porteiras
Vai ganhar meu coração Espora de prata riscando as fronteiras
Ele calibrou os pneus Que nem teu cavalo maculando farto
Apertou bem as arruelas Andando ligeiro um abraço apertado e
Eu ferrei o meu cavalo Um suspiro dobrado não tem mais sertão
Que tem asas nas canelas Os caminhos mudam com o tempo
O granfino entrou no carro Só o tempo muda um coração
Pulei em cima da sela Segue seu destino boiadeiro
Ele funcionou o motor Que a boiada foi no caminhão
E fechou bem as janelas A fogueira a noite, redes no galpão
Chamei o macho na espora O paiero a moda o mate a prosa
Bem por baixo das costelas Saga a sina o causo e
Eu entrei pelos atalhos Onça tem mais não oh! Peão
Pulando cerca e pinguela Tempos e vidas compridas
Quando terminou o asfalto Pó, poeira e estrada
Ele entrou numa esparrela Histórias contidas nas encruzilhadas
Numa estrada boiadeira E noites perdidas no meio do mundo
Toda cheia de cancela Mundão cabeludo onde tudo e floresta
Cheguei no portão primeiro E campinas silvestres mundão caba não
Dei um beijo na donzela Sabido um bom viajante nada e distante
Quando o granfino chegou Pro bom companheiro
Eu já estava nos braços dela Não conta dinheiro
O progresso é coisa boa Existe uma vida uma vida vivida
Reconheço e não discuto Sentida e sofrida de vez por inteiro
Mas aqui no meu sertão Que esse é o preço por eu ser brasileiro
Meu cavalo é absoluto Os caminhos mudam com o tempo
Foi Deus e a natureza Só o tempo muda um coração
Que criou esse produto Segue seu destino boiadeiro
Essa vitória foi minha Que a boiada foi no caminhão
E do meu cavalo enxuto A fogueira a noite, redes no galpão
A menina hoje vive O paiero a moda o mate a prosa
Nos braços deste matuto Saga a sina o causo e
A onça tem mais não oh! Peão
Ø 27. PEÃO*
Diga você me conhece Ø 28. HOMENS DE PRETO*
Já fui Boiadeiro Os homens de preto trazendo a boiada Vem
Conheço essas trilhas rindo, cantando, dando gargalhada

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 141


1.540 Pontos Cantados de Umbanda
E o bicho coitado não pensa em nada Portera se acha aberta, anda gado
Só vem pela estrada direito a charqueada Vai entrando
Deus, Deus, Deus, Deus, Deus, você vê O meu cavalo de suor está moiado
Os homens de preto trazendo a boiada Vem Meu cachorro está cansado
rindo, cantando, dando gargalhada Maria tá me esperando
Deus, Deus, Deus, Deus, Deus, você vê Ere boi
Os homens de preto trazendo a boiada, Anda ligeiro esta caindo uma garoa
Vem rindo, cantando, dando gargalhada Re-re-re boi
E o bicho coitado não pensa em nada Anoitecendo não quero vê gado atoa
Só vem pela estrada, vem berrando> bis
O gado coitado nasceu foi marcado
Aí vai condenado na estrada berrando
A querência deixando os homens Malvados
correndo e gritando

Ø 29. VAQUEIRO PREVENIDO*


Re-re-re boi
Anda ligeiro está caindo uma garoa
Re-re-re boi
Anoitecendo não quero vê gado atoa
Eu vi Maria dizendo prum Boiadeiro
Qui juntá gado de tarde
É trabaio verdadeiro
Pois o estouro vive sempre com a boiada
Vaquero cum gado junto
Tem medo da estourada
Ere boi, anda ligeiro
Esta caindo uma garoa
Re-re-re boi
Anoitecendo não quero vê gado atoa
Já faiz treis dias garrote novo fugiu
Entrando na capoeira
Na caatinga ele sumiu
Toim meu guia encontrou a caipora
No matagal se perdeu
Toim vem chegando agora
Ere boi
Anda ligeiro esta caindo uma garoa
Re-re-re boi
Anoitecendo não quero vê gado atoa
Já são seis horas
Os bezerros estão berrando

142 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras


BOIADEIROS
Subida de Boiadeiro
Ø 1.
Com a licença do Senhor
Com a licença da Senhora
Vem rompendo a madrugada
Boiadeiro vai embora

Ø 2.
Mais adeus, aleluia, adeus >
Vou pra Jurema |
Quem vai embora sou eu >

Ø 3. FELICIDADE*
Felicidade foi se embora
E a saudade no meu peito ainda mora
E é por isso que eu gosto lá de fora
Porque sei que a falsidade não vigora
A minha casa fica lá detrás do mundo
Aonde eu vou em um segundo
Quando começo a cantar
O pensamento parece uma coisa atoa
Mas como é que a gente voa
Quando começa a pensar
Felicidade foi se embora... >

Ø 4. MARCAS DO QUE SE FOI*


Este ano quero paz pro meu coração
Quem quiser ter um amigo
Que me dê a mão
O tempo passa
E com ele caminhamos todos juntos
Sem parar
Nossos passos pelo chão
Vamos lá
Marcas do que se foi |
Sonhos que vamos ter |
Como todo dia nasce novo |
Em cada amanhecer, oo >

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 143


1.540 Pontos Cantados de Umbanda

144 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras


POVO DO ORIENTE
Pontos Individuais Pontos de Linha
Ø ORI Ø 1.
Ori, Ori, Ori do oriente Lá no Pólo Norte
Força de Zambi chegou Onde tudo é gelado >
Lá no oriente uma luz brilhou Tem um povo esquimó
E no terreiro tudo iluminou Que conhece a lei da Umbanda >
Lá na Groelândia onde tudo é gelado
Ø ZARTU Onde tudo é nevado
Ori, Ori, Ori do oriente, uma estrela brilhou Tem um povo esquimó
É Zartu, chefe indiano que aqui chegou Que conhece a lei da Umbanda >
Ø ZARTU Ø 2.
Um clarão apareceu no céu | São João Batista, vem, vem, vem minha gente
Ai meu Deus, o que será > Vem chegando de Aruanda
É Zartu, chefe indiano | Salve o povo cor de rosa
Com sua falange vem nos ajudar > Salve os filhos de Umbanda
São João Batista vem, vem, vem minha gente
Ø ZARTU Vem chegando de Aruanda
Zartu vem de tão longe | Salve fé e caridade
Vem trazendo aquilo que eu lhe pedi > Salve o povo de Umbanda
Afirma nossas cabeças |
E não deixa nossa fé cair > Ø 3.
Nossa Senhora me dê sua mão
Ø COROA VERDE Vem ajudar esses filhos seus
Ele tem coroa de ouro, ele tem coroa de rei Vem ajudar em meus trabalhos
E tem coroa verde, que tem coroa também Em nome do menino Deus
Ø 4.
Ø CHARLES Mãe Maria vem das águas do mar
Eu vi uma estrela brilhar Trazer a benção da Mãe Yemanjá
É Charles, chefe indiano E com ela vai levar
Que aqui chegou Toda demanda pro fundo do mar
Para nos auxiliar Pros seus filhos vai deixar
A estrela de Yemanjá
Ø MESTRE KAAB Que brilha com as águas do mar
Kaab veio com a força da luz
Trazendo a fé somente na cruz Ø 5.
E ele é quem nos conduz De quando em quando
Com grande brilho pra Jesus Quando eu venho de Aruanda
Trazendo Umbanda pra salvar filhos de fé
Ô marinheiro olhas as costas do mar
Ô Japonês, ô Japonês, olha as costas do mar

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 145


1.540 Pontos Cantados de Umbanda
Ø 6. Ø 10.
Sou marinheiro, eu sou marinheiro Na luz do Sol nascente
Sou marinheiro, sou marinheiro Há um povo muito bom
E navego nas ondas do mar São Mestres do Oriente
Egum, Egum, Egum, É Timbiri Da falange de Orion
Egum lá nas ondas do Oriente, iá
Mas quando Zambi vem de Aruanda, iá Ø 11.
Para salvar os filhos de Umbanda, iá Ori, ori, Oriente
Sou marinheiro, eu sou marinheiro Três estrelas brilham no céu
Sou marinheiro, sou marinheiro Três estrelas em glória a Deus
E navego nas ondas do mar Salve os Reis Magos
Que cobrem com o véu
Ø 7. Todos os filhos seus
Jesus e Maria, São João e São José
São Pedro abriu as portas Ø 12.
A todos que tem fé Ori, ori, Orixá
Oh, São Miguel Arcanjo Salve a falange do Cristo
Por Deus quem sois, quem és Salve as hostes de Jesus
Rogai ao Nosso Pai Salve os caboclos de Oxalá
Pra guardar a nossa fé. Salve o Povo do Oriente

Ø 8. Ø 13.
Chim, chim, chim Oriente é longe mas perto está
É da china que ele vem Quando teu povo chega pra trabalhar
Chim, chim, chim,
É do povo que faz o bem Ø 14.
Os caminhos estão fechados
Chim, chim, chim Foi meu povo que fechou
Chinês chega pra trabalhar Saravá Buda e Confúcio
Chim, chim, chim Saravá meu Pai Xangô
Chinês quer te ajudar Saravá Povo Chinês
Que trabalha direiitinho
Ø 9. Saravá eu, Seu Fecha Caminho
Melkior, Baltazar e Gaspar
São os Magos lá do Oriente Ø 15.
Que visitaram nosso Senhor Samurai chegou >
Levando os seus presentes Com sua espada branca |
Como prova de eterno amor Samurai saravou |
A nós também visitam Samurai chegou |
Trazendo sua benção Samurai entrou >
No incenso, mirra e bejoim Com sua bandeira branca
Firmando nossa proteção Samurai saravou...

146 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras


POVO DO ORIENTE
Subida
Ø 1.
Povo do Oriente, Oriente chama >
Vai com Deus, Oriente chama >

Ø 2.
Vieram do Oriente
Com a força de Oxalá
Ajudaram toda a gente
Para lá eles vão voltar

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 147


1.540 Pontos Cantados de Umbanda

148 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras


CIGANOS
Abertura

Ø SAUDAÇÃO AOS ELEMENTOS DO POVO CIGANO


Salve o Sol!
Salve a Lua!
Salve o Fogo!
Salve os Ventos!
Salve os Caminhos Abertos!
Salve as Pradarias! Ø RECONHECIMENTO CIGANO
Salve as Campinas! Cigano, nosso pranto é de alegria
Salve as Estrelas! Felicidade é sentir-se livre
De caminhar por esses campos
E sentir a emoção dominar o coração
Ø HINO DE SANTA SARA
Salve Sara, protetora dos ciganos Nossa gente vai semear
Estamos aqui para lhe pedir E nesta terra deixar raiz
Vem abrir nossos caminhos Nosso amor irá brotar
Nos mostre uma luz para prosseguir No coração deste país
Tanta luz iluminando Estes campos estão floridos
As cores do arco-íris Com o luar é mais bonito
É Santa Sara que está chegando Lindo sol vai aquecer
Pra abençoar o povo cigano Ao chegar o amanhecer
Nossa luta é constante Liberdade vamos crescer
Pra defender a liberdade Nesta terra tão querida
Minha Santa nos ajude Encontramos acolhida
A merecer esta felicidade Lutaremos até vencer
Santa Sara iluminai nossos caminhos Ciganos, um abraço de união
A nossa fé, nos ajude a construir Vamos todos dar as mãos
Leve esta prece, com os nossos destinos Finalmente reconhecidos
Para um mundo melhor que há de vir Nesta terra como irmãos
Liberdade vamos crescer

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 149


1.540 Pontos Cantados de Umbanda
Ciganos - Pontos Individuais Ø CARLOS
Todos os Ciganos são assim
Ø MANOLO Giram o mundo sem parar
Manolo vem no terreiro Gostam de ficar sob o luar
Vem saravar os seus filhos no Congá De frente ao fogo a bailar
Quando ele vem já é noite De frente ao fogo a cantar
E só vai embora quando o dia clarear
Ø RAMIREZ
Ø PABLO DAS TRÊS TRINDADES De longe eu vim
Eu vi um formoso Cigano Caminhei sete pedreiras
Sentado na beira do rio Passei por cachoeiras
Com seus cabelos negros Onde mora Aieiê >
E os olhos cor de anil
Lá na campina onde a lua é prateada
Quando eu me aproximava Sou cigano na alvorada
O cigano me chamou Sou cigano, eu sou mais eu >
Com seus dados nas mãos
O cigano me falou Ø RAMON
Seus caminhos estão abertos Na gira dos Ciganos Ramon vem trabalhar >
Na saúde, na paz e amor, Ao brilhar a lua ele vem cantar
Foi se despedindo Na gira dos Ciganos Ramon vem trabalhar
E me abençoou Na força do fogo gira mundo sem parar
Eu não sou daqui, mas vou levar saudades, Na gira dos Ciganos Ramon vem trabalhar
Eu sou o Cigano Pablo, lá das Três
Trindades. Ø RAIKO
Por todos os caminhos que meus pés pisaram
Ø PABLO DA ESTRADA Por todas as estradas de minha jornada
Longo foi o meu caminho Sou Cigano Raiko |
Andei nesse mundo, andei Guerreiro de todas armadas >
Sou um andarilho Com a força da Lua, brilho de luar
Sou cigano, hoje eu sei Cigano é guerreiro, cigano vai lutar
Sei que ao caminhar
Cumpro minha missão Ø THALLIUM
Dou o meu axé Cigano Thallium chegou agora |
A quem me estender a mão E já é hora de vir trabalhar >

Todos me chamam Pablo Cigano > E ele veio de muito longe


O céu e a terra são sua morada
Ø PABLO DA ESTRADA Pelos caminhos onde passou
Corre gira o cigano pela estrada sem parar Com o seu lenço, punhal de ouro ele
Seu destino é de andarilho mas amor tem pra dar firmou
No perfume da firmeza, no pó da tranquilidade
Pablo Cigano nos dá paz e Felicidade

150 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras


CIGANOS
Ø WOYSLER Ø XAPANÃ
Pelos caminhos ele irradia | Uma estrela clareou o céu
Toda magia do seu cristal > Uma estrela clareou o mar
Galopando, galopando | Uma estrela clareou o mundo inteiro,
Galopando na linha do vento > Xapanã
Cigano Woysler, chefe de aldeia Uma estrela tomou conta do Congá
Os corações ele incendeia E vem chegando os ciganos de Aruanda
Cigano Woysler sua energia Com suas tesouras cortando todo o mal
Transcende a vida E aqui seus manos de barraca, Xapanã
Nos traz a paz Vêm trabalhar pra ajudar filhos de Umbanda
Galopando, galopando |
Galopando na linha do vento > Ø FELIPE DI CARLO
Ei.... brincos de princesa tilintando no ar
Ø FIRMEZA DA GIRA DO CIGANO WOYSLER Ei.... é Felipe Di Carlo que aqui vai chegar>
Cigano Woysler chama teu povo
Pra louvação a Santa Sara Ø PABLO
Cigano Woysler firma tua gira Cigano vem bailar, vem bailar, vem bailar
Com alegria e muita paz Cigano vem bailar na gira de barô
Cigano Woysler vem e irradia Com Pablo a te mirar >
Toda magia do seu cristal>bis À Lua não te deixa tombar

Ø JUAN Ø PIETRO
Hoje é noite de lua cheia Pietro de Santa Maria
Povo cigano vem aí Valente soldado de cavalaria
Vem trazendo seus mistérios Cigano de sangue, de lenço na mão
Povo igual eu nunca vi Arqueiro em combate por profissão
Juan fala de amor
Com violão a tocar
Ele é cigano Juan
Aqui ou em qualquer lugar

Ø RAMON
Estrada de Luz, amores Ciganos |
Mistério e Magia nas marcas do tempo >
Cigano Ramon ele vem cantado |
Com o brilho da Luz ele vem trabalhar >
Com a Força do Fogo |
Com a Força do Vento |
Ele é Ouro e Prata |
Ele vem ajudar >

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 151


1.540 Pontos Cantados de Umbanda
Pontos de Linha Ø 7.
Cigano, amigo da Lua >
Ø 1. De noite faz farra, de dia anda na rua >
Pisa firme Cigano | Andar, andar, andar,
Quero ver o seu dançar > Vendendo ilusões para algazu comprar >
Pois na roda de Cigano | Porque Cigano tem a força da Lua >
Ninguém pode balançar > Se você podia, não devias prometer
Se você prometeu, você tem que pagar
Ø 2. Se você não pagar, jamais vai andar
Cigano bate o pé, cigano bate o pé |
Cigano entra na roda | Ø 8.
Pra salvar filhos de fé > Povo Cigano faz sentir sua energia
Quem vem de lá | Com sua magia e alegria de cantar
Quem vem de cá | Com a força da lua e a luz do dia
São Ciganos que vêm bailar > Com a natureza eles sabem trabalhar
Povo Cigano sabe o segredo |
Ø 3. Com a força da fé |
Cigano, tu tens a força da lua Ninguém vai nos derrubar >
Tu vens aqui na rua cantar a tua paixão
Cigano, teus olhos são fascinantes | Ø 9.
Arreda todo o mal que causa tanto desalento> Deu meia noite o sereno cai
Cai, cai, o sereno cai
Ø 4. Sereno de Cigano
Linda rosa no jardim amanheceu Cai, cai, o sereno cai
Minha mãe está chamando e lá vou eu
Eu sou Cigano, eu sou Cigano na aldeia Ø 10.
Eu sou Cigano e Cigano não bambeia Acampamento do povo cigano
Tem alegria, brilho e liberdade
Ø 5. Tem pedraria, tem pradaria
De onde eu vim, caminhei sete pedreiras Povo unido que vive em liberdade
Passei por cachoeiras Todos os brilhos do povo cigano
Onde mora aiê-iê > Ele ganhou em sua caminhada
Lá na campina onde a lua é prateada Brilho de sol, brilho de lua
Sou cigano na alvorada Brilho de Zambi que iluminou sua jornada
Eu sou cigano, eu sou mais eu >
Ø 11.
Ø 6. Quando Zambi andou no mundo
Todos os Ciganos são assim Seu Cigano segura seu reinado
Giram o mundo sem parar Olha espinhos da roseira |
Gostam de ficar sob o luar Cigano não deixa seus filhos cair >
De frente ao fogo a cantar
De frente ao fogo a bailar

152 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras


CIGANOS
Ø 12. Ø 16.
Numa noite de luar A fogueira a faiscar
Estão os Ciganos a cantar Vamos todos acelerar
Numa noite de luar A magia é contagiante
Estão os Ciganos a bailar Sua presença é constante
Se queres fazer um pedido Nesta noite de luar
Ou fazer uma oferenda Dançaremos até o raiar
Para o Povo Cigano A madrugada está chegando
Tem que ser numa noite de luar A fogueira se apagando
A festa já vai terminar
Numa noite de luar Agora só resta sonhar
Estão os Ciganos a cantar
Numa noite de luar Ø 17.
Estão os Ciganos a bailar Dizem que bom cabrito não berra
Os Ciganos gostam de viver Dizem que povo cigano não erra
Uma vida sempre a caminhar Te dei amor, te dei trabalho, te dei saúde
No sereno está o seu prazer Se não era isso, então o que era
De cantar numa noite de luar
Ø 18.
Numa noite de luar Cigano forte que vem chegando
Estão os Ciganos a cantar De belo porte, vem saravando
Numa noite de luar Ele é valente, é bom de briga
Estão os Ciganos a bailar Desmancha tudo, desfaz intriga
Ø 13. Ø 19.
Se meu pai é o rei Cigano quando chega na gira
O meu pai é Oxalá Ele vem sambando
Sou o cigano de pemba Ele vem dançando
Filho da estrela do mar Trazendo a sua magia
Na fantasia que vem usando
Ø 14.
Ouçam quem está chegando (palmas) Ø 20.
São os ciganos que estão cantando (palmas) Eles têm a malícia no olhar
Vamos todos cantar | A magia da dança
Vamos todos bailar > O mistério do Luar
Com os ciganos trabalhar (palmas) A natureza fica toda em festa
Porque tem cigano neste Congá
Ø 15.
Oi lua ê, oi lua ê, oi lua Ø 21.
É lua cheia Sou cigano eu sou da lei
O povo cigano vem trabalhar Aqui vim pra trabalhar
Quem quiser melhorar
É só pedir para os ciganos

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 153


1.540 Pontos Cantados de Umbanda
Ø 22. Demanda
O povo quando chega do oriente
É uma festa para nossos corações Ø 1.
Essa banda que nos deixa tão contente Eu bem que avisei pra você não jogar
São os ciganos, desfazendo ilusões Essa cartada comigo
Você jogou no valete
Ø 23. E eu joguei na dama
Povo Cigano faz sentir sua energia Amigo você não me engana
Com sua magia e alegria de cantar Essa linda cigana
Com a força da Lua e a luz do dia Vem trabalhar na Umbanda
Com a natureza eles sabem trabalhar
Povo Cigano sabe o segredo
Com a força da fé ninguém vai nos
derrubar

Ø 24.
Toda riqueza que tu tens é muito pouca
Porque te falta o principal que é o amor
De que adianta o colibri voar a toa
Se no jardim não encontra a sua flor
O que é o rio sem o mar
O que é o Sol sem ter a Lua
De que vale o trovador cantar
Se é deserta toda a rua
Tudo nessa vida tem um par
Mas você quis ser a exceção
Amigo, o dinheiro nesta vida
Compra tudo, ai
Mas não compra coração

154 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras


CIGANOS
Ciganas - Pontos Individuais Ø MADALENA
Era uma noite de lua
Ø BIA Uma estrela incandescente apareceu
Cigana, cigana eu sou | Seu brilho forte
Sou Bia, do bem e do amor > Povo cigano enxergou e logo compreendeu
Com a luz na estrela guia Era a Cigana esperança, a Cigana criança
Ela faz sua magia Que chegava para ajudar aos filhos seus
Madalena...Madalena >
Ø CARMEM DO ORIENTE
A estrela da Cigana Carmem Ø MAMA ROSA
Que lá do Oriente brilha sem parar Vem chegando a Rosa no terreiro
Essa estrela ela traz em seu peito A rosa do canteiro
E toda a Umbanda ela vem clarear Não tem a sua luz
Clareia, estrela formosa Vem trazendo a cor do seu povo
Da Cigana Carmem que é astro seu Amarelo e o roxo,
E como uma estrela do Oriente É o vermelho e o azul
Ilumina os caminhos que Cigana acolheu E azul é o céu do Cigano |
Mama Rosa chegando |
Ø CARMENCITA DA CAMPINA Me dá sua mão >
É das campinas que ela vem pra trabalhar>
É a Cigana Carmem | Ø MARIA CIGANA
Carmencita das Campinas > Mandei buscar na Aruanda
Com a força da lua, do fogo e do sol > Maria Cigana para trabalhar
Ela vem pra trabalhar >
É a Cigana Carmem | Ø MARIA CIGANA
Carmencita das Campinas > Ao som de um lindo violino cigano
Maria Cigana chegou
Ø CLARITA Cantando uma linda melodia
Clarita cigana da roda, cigana faceira Que na calada Omolú lhe ofertou
Vem me ajudar
Com seu encanto, tocando pandeiro Não sei se era noite
Trazendo amor e a paz Não sei se era dia
Ela é bonita, ela é da gira | Só sei que na calada
Girando, girando, vem ajudar > Uma linda melodia

Ø CIGANA JUANITA Ø ROSALINA


Ela dança pra lua e também pras estrelas Em uma grande campina, numa noite de Lua
Trabalha na campina é cigana faceira Sentada junto ao fogo está a Cigana Rosalina
É cigana bonita, vem na lei da Umbanda | Com a força da Lua, com a força do Fogo
Ela é Juanita, saravá sua banda > Cigana Rosalina estende sua ajuda
Cigana Rosalina, Rosalina de Sevilha
Cigana da Campina, Cigana Rosa, Rosalina

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 155


1.540 Pontos Cantados de Umbanda
Ø ROSITA Ø SOLEÁ (GITANA SOLEÁ)
Rosita é uma moça bonita De las cuevas de Granada
Que usa vestido de chita, e vem para girar Con el fuego de su raza...
Colar, brinco e pulseira, pra todos agradar Viene por los olivares
É a Cigana Rosita | Hilando rayos de plata
Que vem pra trabalhar > Trae la magia de la luna
Ø SALUMA Y en sus dedos filigranas
Saluma, jovem ciganinha La Gitana Soleá danzando |
Longos cabelos, lindas trancinhas Toda la tribu cantando |
A sua dança traz a magia | Gitana... Gitana >
Com muito encanto | Va cortando maleficios
E grande euforia > En su chal está el secreto
Saluma, jovem ciganinha Caracolas en su pecho
Traz pra você a paz Y en sus manos sortilegios
E muita alegria
La Gitana Soleá danzando |
Ø DO SERENO Toda la tribu cantando |
Cigana, Cigana vem Gitana... Gitana >
Cigana vem trabalhar
Ela é a Cigana do Sereno Ø SORAIA
Que vem para seus filhos ajudar Soraia você é Cigana linda
Ela é bonita, ela é faceira Aonde estás que você não veio ainda?
Gosta de brincos, colar, muitas pulseiras Mas ela vem no balanço do mar
Cabelos longos, pele morena Vem das calungas, ela vem beirando o mar
Até a lua admira sua beleza
Ø TÂNIA
Ø SEZANITA Se você sentir a beleza das campinas
Ao som de um violino cigano | Verá uma Cigana junto às flores a rezar
A cigana Sezanita chegou > Salve Jesus Cristo e a Virgem Maria
Dançando uma linda melodia | Que nos protege, nos ajuda e nos guia
Que um cigano apaixonado lhe ofertou > É a Cigana Tânia da Andaluzia
Não sei se era noite | Saúda seu povo e também vem trabalhar
Não sei se era dia | A Cigana Tânia vem trazer sua amizade
Só sei que era bela a melodia > Traz felicidade, muita fé, muita emoção
A força Cigana nunca vai embora
Ø SILVANA Fortalece a fé em Deus
Da campina vem Silvana | E em Nossa Senhora
Pois foram me chamar > A Cigana Tânia vai chegar agora
Com a força da lua, do Fogo e do sol Sua mão amiga dá amparo ao coração
Seguindo as estrelas ela vem pra trabalhar
Com sua energia ela agora está aqui
Salve Silvana que chegou pra trabalhar >

156 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras


CIGANOS
Ø DOS VENTOS Ø LENITA
O vento vai trazer uma cigana Lenita é uma moça bonita >
Que as flores da campina vão vergar De saia rodada |
São uma, são duas, são três flores Ela gosta muito de água borbulhante >
De onde seu perfume vai tirar
Quando cheguei na aldeia
Senti um aroma de rosas
Havia uma cigana formosa
Qual cigana eu encontrei
Levanta a saia oh cigana
Não deixe a saia arrastar
A saia custa dinheiro
Dinheiro custa a ganhar

Ø ZAÍRA
Cigana, Cigana Zaíra
Cigana das sete linhas
Cigana dos andarilhos
Que vem aqui trabalhar
Cigana, Cigana Zaíra
Cigana dos encantados
Jogou as cartas na mesa
E disse que vai me ajudar

Ø ZOYHA
Caminhando pela campina
Vi cigana Zoyha chegar
Trazendo sorte e alegria
Para seu povo contagiar

Ø CARMÉLIA
Com força e com fé
Carmélia chega a seus pés
Com força e com fé
Mostraremos como é que é que se deve pisar
Ajudaremos a andar
Andar com os pés no chão
Na terra pisaremos com fé
E com fé chegaremos ao céu de pé
Com os pés de andarilho e mãos de mulher

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 157


1.540 Pontos Cantados de Umbanda
Pontos de Linha Ø 7.
Ela é uma Cigana faceira, ela é
Ø 1. Ela é das Sete Linhas
Cigana, ela vem dançando E não é do Candomblé
Ela vem mostrando sua dança no terreiro
Com sua saia rodada, sua bota prateada Ela vem de muito longe
Pra espantar os feiticeiros Os seus filhos ajudar
Ela vem de muito longe
Ø 2. Saravar neste Congá
Ela é Ciganinha |
Da sandália de pau > Ø 8.
Ela faz o bem, ela faz o bem | Eu bem que avisei |
Nunca faz o mal > Pra você não jogar esta cartada comigo >
Ø 3. Você apostou no Valete
Ganhei uma barraca velha | E eu apostei na Dama
Foi a Cigana quem me deu > Amigo, você não me engana |
O que é meu é da Cigana | Essa linda Cigana vem |
O que é dela não é meu > Trabalhar na Umbanda >
E a cigana puerê
O puerê, o puerá Ø 9.
Numa noite de lua, uma linda Cigana
Ø 4. Passeava na rua e sorria ao luar
Levanta a saia, oh Cigana Ela era formosa, era dona da rosa
Não deixa a saia arrastar >
A saia custa dinheiro Ø 10. CAMINHANDO PELA RUA
Dinheiro custa a ganhar Caminhando pela rua eu te vi >
Cigana eu me enamorei
Ø 5. Cigana eu me enamorei por ti >
Vinha caminhando a pé, a pé |
Para ver se encontrava | Ø 11.
Uma linda Cigana de fé > Quando cheguei na aldeia
Ela parou e leu minha mão, leu minha mão Senti um aroma de rosas
E disse toda a verdade Havia uma rosa formosa
Mas eu só queria saber onde estava | Qual cigana eu encontrei
Aquela linda Cigana de fé
Ø 6. Ø 12.
Cigana que vem dançando Eu sou cigana da Espanha
Que vem dançando A minha gira eu posso
Sua dança de terreiro Mas eu não sei o que há |
Com sua saia rodada Filho de cigano nasceu pra ganhar >
Sua bota prateada
Pra acabar com feiticeiro

158 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras


CIGANOS
Ø 13. Ø 15.
Meu Congá não me engana Na beira do mar ela desceu
Meu Congá me falou Saldando Oxum Maré
Essa moça é cigana Oh ! Cigana criança
Atotô quem mandou Sarave o fogo e o céu
Na barro do ouro de Iansã Ø 16.
A grota que banha Oxalá Ela é uma cigana faceira, ela é
A pedra que senta Nanã Ela é das sete linhas
A pérola de Egunitá E não é do Candomblé
Santo Antonio entrou na dança Ela vem de muito longe
Dança de Omolocô Os seus filhos ajudar
Deu a mão a uma criança Ela vem de muito longe
Que era filha de Xangô Saravar neste Congá
No pandeiro fez magia Ø 17.
Pra cigana ler a mão Ao acender uma fogueira
Dona Pérola é guia Traz sorte cantar
Do anel de São Miguel Destacou-se uma cigana
Na beira da praia ela desce E alegremente se pôs a dançar
Com sua corrente de fé Nesta festa colorida
Na beira da praia ela sobe Esta canção foi escolhida
Saudando Oxum na maré Novos passos a ensaiar
Até a dança começar
Ø 14. Nossa gente está dançando
Tu sabes, oh princesa Outros pares se formando
O que vai em meu coração A fogueira a faiscar
Sabes também que a beleza Vamos todos acelerar
Se consegue com o perdão
A magia é contagiante
És linda e formosa, Sua presença é constante
Trabalha só para o bem Nesta noite de luar
Com o prêmio de uma rosa, Dançaremos até o raiar
Dá muito a quem não tem
A madrugada está chegando
Salve a corrente cigana A fogueira se apagando
Que vai aqui chegar A festa já vai terminar
Ela vem em caravana Agora só resta sonhar
Pra esse povo ajudar
Prove agora que tens fé, Ø 18.
A Deus peça o seu perdão Sou índia, sou índia
Que eles mostram pra você, Sou índia, eu sou cigana
Aliviando teu coração Na minha aldeia eu sou índia
No Egito eu sou cigana

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 159


1.540 Pontos Cantados de Umbanda
Ø 19. Subida
Cigana, leia a minha mão
Conta o meu destino Ø 1.
Fale com carinho da minha desilusão Oh que lindo cantareiro
Oh que lindo sarirá
Cigana, com teus olhos tão puros Até os passarinhos choram |
Me ajude a compreender Quando os Ciganos acenam |
Essa Lei chamada Expiação Dizem adeus e vão embora >
Cigana, conta com jeitinho
Fale bem baixinho Ø 2.
Se serei feliz ou não Se precisar de mim |
É só mandar chamar >
Ø 20. Os Ciganos vão embora |
Eu vi dentro de um campo Mas logo irão voltar >
Uma cigana passar
Eu vi entre os ciganos Ø 3.
Uma cigana acenar, auê, auê, auê Cigana seu perfume é do Oriente
Onde tuas correntes iluminam
Cigano mora aonde quer morar Segue pois oh Cigana minha amiga
Traz o seu lenço preso na cintura Segue, segue os seus caminhos |
Cigano é bom e pode lhe ajudar Traz pra mim os teus perfumes >

Ø 4.
Eles chegam dançando
Trabalham sambando
E vão embora saravando
Diz adeus a toda a gente
Vão embora pro Oriente
E Oxalá iluminando
Chora, minha gente, chora
Chora, minha gente
Os ciganos vão embora

160 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras


CIGANOS

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 161


1.540 Pontos Cantados de Umbanda

162 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras


EXÚ & POMBA GIRA
Virada para Quimbanda Ø TRANCA GIRA
Seu Tranca Gira vai firmar seu ponto |
Com licença da Umbanda | Aqui nesse terreiro >
Pra Quimbanda eu vou virar > Deu meia-noite na lua, deu meio-dia no sol >
Vou chamar todos os Exús |
Para todo o mal levar > Ø TRANCA GIRA
Oi, dá licença ê, oi, dá licença á | Seu Tranca Gira me cubra com sua capa
Oi, dá licença ê, pra fechar nosso congá > Quem tem sua capa escapa >
Desci, desci, a Umbanda me chamou > A sua capa é um manto de caridade
Na minha banda sou maior | Sua capa cobre tudo só não cobre a falsidade
Oxalá ainda é maior >
Ø AMARRA NÓ
A bananeira que plantei à meia noite
E que deu cacho no meio do terreiro
Pontos Individuais Eu quero ver esse cabra ser valente
Atirar o ponto contra feiticeiro
Ø SR. OMOLÚ Exú se chama Amarra Nó |
Meu Pai Oxalá é o rei venha me valer > Arrebenta o papo da galinha carijó >
O velho é Omolú, Atotô Abaluaê >
Ø ARRANCA TOCO
Atotô Abaluaê, Atotô Babá | Oh! Meu Senhor das Almas
Atotô Abaluaê, Atotô é Orixá > De mim não faça pouco
Porque eu sou Exú, Exú Arranca Toco
Ø SR. OMOLÚ
Há quanto tempo eu andava lhe procurando> Ø BELÉM
Abaluaê Atotô > Exú Belém toma conhaque, meu povo
E toma conta do que tem
Ø SR. OMOLÚ Mas ele é o Exú Belém
Um passarinho cantava Que toma conta do que tem
E de repente ele voou, voou
Um velhinho caminhava pela estrada Ø BRASA
Seu Omolú adotou. Com ele ninguém pode
Ninguém leva pra casa
Ø TRANCA GIRA Que é que tá na gira
Seu Tranca Gira é rei lá na calunga | Ele é Seu Exú Brasa
Sem este Exú não se pode fazer nada >
7 velas encruzadas Ø CALUNGA
Em cima daquela tumba Hei, hei, hei, Calunga
Saravá Seu Tranca Gira Lá no cemitério Exú Calunga é o Rei
Salve o povo da calunga Com Calunga não se brinca
Exú Calunga quando não mata, trinca

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 163


1.540 Pontos Cantados de Umbanda
Ø CALUNGA Ø CAPA PRETA
Calunga, Calunga, Calunga Aruê Todo Exú já saravou
Seu povo é da Quimbanda Todo Exú já curimbou
Seu povo quer trabalhar Onde está Seu Capa Preta
Quem é que pode com o rodamoinho Que ele ainda não chegou
Quem é que pode com as ondas do mar
Sou eu que posso, sou o rei da Quimbanda Ø CAVEIRA
Sou Exú Calunga, sou Povo do Mar Portão de ferro cadeado de madeira >
Quem é que está na gira é o Seu Caveira >
Ø CAMPINA
Campineiro ê, rere, campineiro á > Ø CAVEIRA
Saravá Exú Campina, laroie, é mojibá > De onde vem Exú Caveira
Ena, ena, é mojibá, ê, é mojibá De onde vem o Senhor do Cemitério
Mas ele vem zoando, zoando
Ø CANTAGALO Pra quebrar toda a demanda
Deu meia-noite, o galo canta na calunga > Exú Caveira vem chegando
Cantagalo está chamando
Os filhos pra trabalhar Ø CAVEIRA
Já chegou a hora grande Oi, Caveira, oi, Caveirinha
Vamos todos saravar Oi, Caveira, oi, Caverá
Quem não pode com a mandinga
Ø CAPA PRETA Não carrega patuá
Com faca de dois gumes Tem mironga no Congá
Ninguém pode brincar Quem não pode com a mandinga
Com faca de dois gumes Não carrega patuá
Não se pode brincar
Chegou Seu Capa Preta | Ø CAVEIRA
Que vem trabalhar > Portão de ferro, cadeado de madeira >
Na porta do cemitério |
Ø CAPA PRETA Quem manda é Exú Caveira >
Ao ver Exú na encruza
Com ele não se meta Ø CAVEIRA
É ali que ele trabalha Unha grande, braço forte
O reino é de Capa Preta Exú Caveira vem trazendo a sorte

Ø CAPA PRETA Ø CAVEIRA


São sete sinos Catacumba pegou fogo
Todos os sete já bateram E o defunto deu na carreira
Onde está seu Capa Preta E no portão do cemitério |
Que inda não apareceu Está sentado Exú Caveira >

164 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras


EXÚ & POMBA GIRA
Ø CAVEIRINHA Ø GARGALHADA
Catacumba tremeu, a cruz caiu Ri, quá, quá, quá, |
Caveirinha saiu para passear Ai que linda risada que o Exú vai dar >
Ele pediu conhaque, lhe deram pinga Oi que linda risada que o Exú vai dar
Ele pediu punhal para cortar mandinga Mas que linda risada, é de quá, quá, quá
Ø CAVEIRINHA Ø GERERÊ
Exú Caveirinha venha trabalhar É uma casinha no mato, |
Levanta dessa tumba faz pedra rolar Tem telhado de sapé >
Na mão esquerda a foice Não tem porta nem janela |
Na cinta o punhal Casa de Exú, Exú Gererê >
Não sai da linha mano
Pra não se dar mal Ø GIRA FOGO
Girou lá na encruza
Ø CIGANO Girou e vai cruzar
Essa cartada ninguém vai ganhar Girou Seu Gira Fogo
O vencedor acaba de chegar Na quimbanda vai girar
Salve Exú Cigano que veio de lá Gira raio gira lua
E junto com ele eu vou girar Gira fogo na encruza
Gira nessa alegria
Ø DO CONGO Girou e vem girar >
O pinto piou na calunga
O galo cantou lá na Angola Ø GIRA MUNDO
Seu Congo que vem de Carangola Eu quero ver correr |
Trazendo miçangas na sua sacola Eu quero ver balancear >
Botando o inimigo da porta pra fora Chegou Seu Gira Mundo
Na Quimbanda vai girar
Ø DO FOGO
Valha-me meu Santo Antonio > Ø GUERREIRO
Que se defende não é bobo Galo cantou na beirada do terreiro
Eu me valho com Exú Saravá toda a encruza
Valho-me com Exú do Fogo Saravá Exú Guerreiro
Ø GANGA Ø JOÃO CAVEIRA
Eu fui no mato, oi Ganga João Caveira vem, vem me ajudar >
Cortar cipó, oi Ganga Mironga é boa só pra quem sabe girar
Eu vi um bicho, oi Ganga Eu corro o céu, eu corro a terra, eu corro o
De um olho só oi Ganga mar
Não era bicho, oi Ganga Também corro a encruzilhada
Não era nada, oi Ganga Para todo o mal levar
Era um Exú, oi Ganga
De um olho só, oi Ganga

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 165


1.540 Pontos Cantados de Umbanda
Ø JOÃO CAVEIRA Ø LALÚ
Abram alas que aí vem Seu João | Lalú era um anjo do céu
Com sua caveira na mão > E do céu foi despejado
Ele vem da calunga, ele vem no congá Na tronqueira da Calunga |
Mas ele vem pra ver seus filhos que o amam Exú Lalú tem seu ponto firmado >
Mas ele vem pra trabalhar O seu ponto é firme, ele é Exú >
Exú Lalú
Ø JOÃO CAVEIRA
A porta do inferno estremeceu Ø DO LODO
Veio todo mundo para ver quem é Cambone segura a gira |
Era João Caveira Pai de Santo segura o Congá >
Com a mulher de Lúcifer Retentor segura o atabaque |
Que Exú do Lodo vai arriar >
Ø JOÃO CAVEIRA Ø DO LODO
Abram alas que vem Seu João | Deu uma ventania, oi Ganga
Com sua caveira na mão > No alto da serra
Ele vem da Calunga, ele vem comandar E era o Exú do Lodo, oi Ganga
Mas ele vem Que veio para a terra
Pelos seus filhos que o chamam Ø MANGUEIRA
Mas ele vem pra trabalhar Viva as almas, viva a coroa e a fé
Oi, viva Exu das Almas
Ø JOÃO CAVEIRA Que ele é seu Mangueira de fé
Seu João Caveira que linda garoa Oi, viva as almas
Que tá caindo lá no cemitério
É chuva grossa com chuva miúda Ø MANGUEIRA
Seu João Caveira lá na catacumba Exú ganhou garrafa de marafo
E levou na capela pra benzer
Ø JOÃO CAVEIRA Seu mangueira correu e gritou
Mas ele mora na pedra dourada Na batina do padre tem dendê, tem
Onde não passa água Tem dendê, na batina do padre tem dendê >
Onde não brilha o sol,
Mas ele é João Caveira auê Ø MANGUEIRA
O Exú das almas da calunga ê Exú trabalha de pé
Não se senta na cadeira
Ø JOÃO CAVEIRA Gosta de beber marafo
Quem nunca viu, vem ver De brincar com seu garfo
Seu João Caveira desce Saravá Exú Mangueira
De madrugada na calunga Ø MARABÔ
No cruzeiro das almas Oi eu taí, oi eu taí |
É Exú quem trabalha Quem foi que me chamou >
Olha lá que eu sou Exú, |
Me chamam Marabô >
166 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras
EXÚ & POMBA GIRA
Ø MARABÔ Ø MARABÔ
É de Marabô, Marabô de sinhá > Na porta do cemitário
Pra poder chamar Exú Eu vi um moleque só
Exu é de querer, querer > A pular de cova em cova
A procura de um coração
Ø MARABÔ Mas que moleque é aquele, é Seu Marabô
Nas porteiras das Calungas
Nos campos de Marabo Ø MARÉ
Corre, corre toda a encruza ô Na beira da praia deram um grito de guerra
Seu Marabô é quem chegou Exú ê Escutai cá na terra o que é, o que é
É o povo quimbandeiro que vem lá do lodo
Ø MARABÔ Saravá Exú, Exú Maré, Exú Maré
Exú Marabo é bom sinhá Ø DAS MATAS
Já mandei chamar Exú Eu vi um clarão nas matas
Exú Marabô, é bom sinhá E pensava que era dia
Era o Exú das Matas
Ø MARABÔ Que fazia sua magia
Ele é Marabô, Exú Marabô, Exú Marabô
Na quimbanda ele é Doutor Ø DAS MATAS
Quando esteve aqui na terra muitas ele aprontou Exú das Matas já chegou
Enganava, trapaceava, a muitos prejudicou Lá do alto da serra Exú foi coroado
Ele é Marabô, Exú Marabô, Exú Marabô Com seu ponteiro de guerra
Na quimbanda ele é Doutor Ilumina o mundo, ilumina o mar, ilumina a terra
Mas ele foi castigado Que o Exú não traz jamais
Depois que desencarnou A lua vai o sol clareia
Pras trevas foi mandado A estrela volta e o Exú fica na aldeia
Pagar o mal que aqui causou Ø DAS MATAS
Ele é Marabô, Exú Marabô, Exú Marabô Soltei um pombo lá nas matas
Na quimbanda ele é Doutor Na pedreira não pousou
Das trevas foi resgatado Foi pousar na encruzilhada
A Quimbanda ele aceitou Exú das Matas quem mandou
E hoje paga os seus pecados
Servindo a Nosso Senhor Ø DA MEIA NOITE
Ele é Marabô, Exú Marabô, Exú Marabô Exú da Meia Noite, Exú da encruzilhada >
Na quimbanda ele é Doutor Salve o povo de Quimbanda
Sem Exú não se faz nada
Ø MARABÔ
Exú vem da encruzilhada ele é Seu Marabô Ø DA MEIA NOITE
Corre, corre a gira, Marabô Seu Meia-Noite na encruza
Exú Tiriri de Ronda, quem mandou Exú Galo canta, gato mia
Quem trabalha com Exú
Não tem hora, não tem dia
Busca sempre a melhoria
Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 167
1.540 Pontos Cantados de Umbanda
Ø MORCEGO Ø PINGA FOGO
O céu escureceu | Pinga Fogo lá na encruza
Exú bateu asas na calunga > Pinga Fogo lá na serra
Voou, voou, | Abre a porta gente
Exú Morcego saravou > Pinga Fogo tá na terra

Ø MORCEGO Ø PORTEIRA
Estava amanhecendo Portão de Ferro |
Vi um morcego no ar Cadeado é de madeira >
Pedi a proteção Na porta do cemitério |
De nosso pai Oxalá Onde mora Exú Porteira >

Ø NANGUÊ Ø PORTEIRA
Balança Figueira 3> Portão de ferro, cadeado de madeira >
Eu quero ver Exú Nanguê > Exú toma conta, Exú presta conta
Cadê Exú Nanguê | Seu Exú fecha a nossa porteira >
Que eu não vejo ele aí >
Ø PORTEIRA
Ø PAJÉ FEITICEIRO Quando eu chego
Figa com fita e gato preto Eu abro e fecho a porta
Dente de cabra em saco de couro Eu sou Exú Porteira
Tem mandinga no terreiro | Que alivia as demandas
Chamei Pajé Feiticeiro > Quem quiser que venha ver
Auê Pajé, auê Pajé Eu estou pra mostrar
Tem mandinga no terreiro Eu vejo a demanda
Chamei Pajé Feiticeiro E depois vou desmanchar
Ø PERNETA Ø QUEBRA GALHO
Quem é esse negrinho Exú, pisa no toco, pisa no galho |
Que vem da barra-funda De um galho só >
Ele é Exú Perneta Exú se chama Quebra Galho |
Perneta da Calunga Pisa no toco, pisa no galho |
De um galho só >
Ø PIMENTA
Todo mundo quer Ø REI
Só a Umbanda é que agüenta Estava curiando lá na encruza |
Chega, chega no terreiro Quando a Umbanda me chamou >
Chega, chega Exú Pimenta Exú no terreiro é rei |
Lá na encruza ele é doutor >
Ø PINGA FOGO Exú quebra a demanda |
Não bata na pedra, da pedra sai fogo > Exú é curador >
Quem é que está na gira é Seu Pinga Fogo >

168 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras


EXÚ & POMBA GIRA
Ø ROMPE MATO Ø SETE ENCRUZILHADAS
Na beira do mato tem mandinga Vou passar na 7 encruza
Na beira do mato tem dendê E o Seu Sete saravá
Na beira do mato tem despacho Vou deixar o meu despacho
Que fizeram pra você Pro Seu Sete trabalhar
No meio do misticismo Eu estou muito doente
Você precisa aprender E com a vida embaraçada
Vai falar com Rompe Mato Saravá Seu Sete Encruza
Que ele vai te defender Rei das 7 encruzilhadas
Ø SANTO ANTÔNIO Ø SETE ENCRUZILHADAS
Santo Antônio de batalha As curas do Seu Sete Encruzilhadas
Faz de mim batalhador Têm uma beleza rara
Corra a gira Pomba Gira O Seu Sete começa aonde a medicina pára
Tranca Ruas e Marabô Mas ele cura mesmo? Cura sim senhor

Ø SETE CAPAS Ø SETE ENCRUZILHADAS


Eu sou Seu Sete Capas, Dizem que Exú só bebe e dá risada
Dono das 7 encruzilhadas Mas ele é Exú das Sete Encruzilhadas
Comigo não quero graça, Sete de Nagô que só tem mistério
Eu não sou de caçoada Mas ele é Exú das Sete Encruzilhadas

Ø SETE CATACUMBAS Ø SETE ENCRUZILHADAS


No corredor do inferno Seu Sete Encruzilhadas |
Eu vi Sete Catacumbas Vai chegar pra trabalhar |
Girava num pé só A mironga dos seus filhos |
Pulava toda macumba O Seu Sete vai levar >
Lá no cemitério O Seu Sete Encruzilhadas |
Sete Catacumbas gemeu Já chegou pra trabalhar |
Saravou sua encruza A mironga de seus filhos |
E levou o mal que é seu O Seu Sete vai levar >
Ø SETE CRUZEIROS 7 + 7 + 7 = 21 |
Eu corri o mundo inteiro Saravá toda a encruza |
Sem saber seu paradeiro Uma vez de cada um
Eu corri sete calungas
Encontrei Sete Cruzeiros Ø SETE ENCRUZILHADAS
Era meia-noite |
Ø SETE CRUZES Quando o malvado chegou >
Sete Cruzes no cruzeiro Corre gira, corre gira
Está para nos ajudar Vai chegar a madrugada
Seu marafo e seu dendê Salve Exú, salve Exú
Ele gosta de cuidar Das Sete Encruzilhadas >

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 169


1.540 Pontos Cantados de Umbanda
Ø SETE ENCRUZILHADAS Ø SETE DA LIRA
Em cima daquela mesa tem 7 facas cruzadas O que vós fizeram por mim Seu Rei da Lira
Ele é o Exú, ele é o Exú das Sete Encruzilhadas Oxalá lhe dê em dobro
Só o bem constrói, só o amor constrói
Ø SETE ENCRUZILHADAS Saravá Seu Rei da Lira que o mau destrói
É para quem tem fé >
Quem tem Seu Sete não anda sozinho Ø SETE DA LIRA
É o Exú da encruzilhada Está formada a corrente, a corrente do amor
Que ilumina meus caminhos Entrelacemos os braços emanados com fervor
Seu 7 está curando os males de Oroxum
Ø DAS SETE CALUNGAS E nessa hora de um por todos e todos por um
Elegbará Bará laroiê> Seu 7 Rei da Lira é meu protetor
Sou Exú das Sete Calungas Seu 7 sara e cura, cura a minha dor
Pra quem for do mal, tremer
Não atravesse o meu caminho Ø SETE DA LIRA
Se não quiser se perder Assim não dá lhe dá >
Elegbará Bará laroiê> Você bebe para esquecer
Corri sete cemitérios Mas também bebe para lembrar
Pro inimigo vencer O Seu Sete Rei da Lira
Mas não deu nem sete dias Só bebe para trabalhar
Pus o bicho pra correr. Aonde está Seu Sete, está no canaviá
Está trabalhando pra nos ajudar
Ø SETE DA LIRA
Sou Exú, trabalho no canto Ø SOL E LUA
Quando canto desmancho quebranto Madrugada vai alta,
Sete cordas tem minha viola Pensamento distante,
Vou na gira de lenço e cartola Eu vejo um homem na esquina,
Viola é tridente > Que me faz um sinal,
Cigarro é charuto, bebida é marafo
Sou Sete da Lira Eu vou andando na rua,
Derrubo inimigo, ponteiro de Aço. > Nessa noite deserta,
E quem é esse homem,
Ø SETE DA LIRA É o Exu Sol e Lua,
Tenho 7 no meu corpo Seu sorriso me encanta, |
Tenho 7 no chaveiro Seu olhar me seduz, |
Tenho 7 meu amigo, Vou abrir seus caminhos, |
Me herói, meu companheiro Com amor e muita luz. >
Tenho 7X7, 7000, 77
Tenho 7 velas acesas Ø TATÁ CAVEIRA
Tenho 7 no valete Portão de ferro, cadeado de madeira >
Quem é que está na gira é Tatá Caveira >

170 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras


EXÚ & POMBA GIRA
Ø TATÁ CAVEIRA Ø TIRIRI
Gargalhou na porteiira ecoou na Calunga Exú não vem no clarão do Sol
É o Tata Caveira Ele só vem no romper da Lua
Saravá o Exú Tiriri
Ø TATÁ CAVEIRA Que é rei da madrugada
Ele vem, ele vem, ele vem | Junto com seu Tranca Ruas
Ele vem é de outro mundo >
É Seu Tata Caveira | Ø TIRIRI
Ele vem quebrando tudo > Quando Tiriri casou
Um grande banquete havia
Ø TIO JOÃO Tinha farofa amarela, espinhela de peixe |
Abram alas que vem Tio João E o gato lambia >
Com sua caveira na mão
Ele vem das calungas Ø TONIQUINHO
No terreiro ele vem trabalhar Pedra rolou em cima da samambaia >
Seus que não andam direito Em cima do Toniquinho
Dele não vai escapar Balança mas não caia
Seu Toniquinho no morro foi batuqueiro>
Ø TIRA TEIMA Batucava noite e dia
Ganga êh, lê, lê, Ganga êh, lá, lá > Derrubando feiticeiro
Gira com Ganga é malelê |
Exú Tira Teima é mojubá > Ø TONIQUINHO
Deu uma ventania, oi ganga
Ø TIRIRI No alto da serra
Tiriri, faca de ponta Mas era seu Toniquinho, oi ganga
Olha a capoeira que querem te pegar Que veio na terra
Olha a moça que gosta de samba
Olha o moço que quer batucar Ø TONIQUINHO
Aruê, aruê, aruê, aruê, aruê, aruá Exú Toniquinho
Entra em qualquer cantinho
Ø TIRIRI Ele é pequenininho
Exú Tiriri de Umbanda Tira todo cavaquinho
Dono da encruzilhada
Risca o ponto, presta contas Ø TRANCA RUAS DAS ALMAS
Ao romper da madrugada Quando o galo canta
O mal que aqui entrou As almas se levantam e o mar recua
Ele entrou e vai sair É quando os anjos do céu dizem amém
Pegou ele pelo rabo E o pobre do lavrador diz aleluia
E entrega pro Tiriri Diz aleluia, diz aleluia |
Seu Tranca Ruas diz aleluia >

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 171


1.540 Pontos Cantados de Umbanda
Ø TRANCA RUAS DAS ALMAS Ø TRANCA RUAS DAS ALMAS
O sino da igrejinha faz Belém, blem, blom> Estava dormindo
Deu meia noite, o galo já cantou A Umbanda me chamou
Seu Tranca Ruas que é dono da gira Se levanta minha gente
Oi corre gira, que Ogum mandou Tranca Rua já chegou
Ø TRANCA RUAS DAS ALMAS Quando a Lua sair
Ele é capitão da encruzilhada, ele é Eu vou girar, eu vou girar
Ele é ordenança de Ogum, Chegou Tranca Ruas
Pra todo mal levar
Oi salve o sol, oi salve o céu e salve a lua
Saravá Seu Tranca Ruas Ø TRANCA RUAS DAS ALMAS
Que é dono da gira, que é dono da rua Estava dormindo na beira do mar
Ø TRANCA RUAS DAS ALMAS Quando as Almas me chamaram para trabalhar
Quem é que desceu do reino, quem é? > Acorda Tranca Rua vai vigiar
Ele é Tranca Rua das Almas, ele é > O inimigo está invadindo a porteira do Congá

Ø TRANCA RUAS - PONTO DE TRABALHO Põe a mão nas suas armas e vai guerrear
Poder, poder Tranca Ruas é quem traz > Bota o inimigo pra fora pra nunca mais voltar
Cuidado com o que diz |
Tranca Ruas está por trás > Ø TRANCA RUAS DAS ALMAS
Cuidado com o que faz | Na Lua nova ele fez seu ponto
Tranca Ruas está por trás > Na Lua cheia ele confirmou
São Sete Estrelas, são sete Luas
Ø TRANCA RUAS DAS ALMAS Saravá Ogum, saravá Seu Tranca Ruas
Chegou na canjira de Umbanda |
Seu Tranca Ruas > Ø TRANCA RUAS DAS ALMAS
Quem está de ronda é meu Pai > Já deu meia noite
Tá na hora da Quimbanda
Ø TRANCA RUAS DAS ALMAS Segura a gira Exú
Seu Tranca Ruas Seu Ogum é quem manda
Me cubra com sua capa Tranca Rua está na terra
Quem tem sua capa escapa > Veio combater demanda
A sua capa é um manto de caridade Salve o Povo da Encruza
Sua capa cobre tudo Salve Exú e sua Banda
Só não cobre a falsidade
Ø TRANCA RUAS DAS ALMAS
Ø TRANCA RUAS DAS ALMAS Quem trabalha com as Santas Almas
Oh! Luar! Oh! Luar! Olha os raios da Lua Não tem medo de assombração
Está chegando na banda Seu Exú Tranca Rua Sou filho de Tranca Ruas
Salve as Almas Benditas Tenho as Almas no coração
Do cruzeiro das almas
Está chegando na banda
Tranca Rua das Almas
172 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras
EXÚ & POMBA GIRA
Ø TRANCA RUAS DAS ALMAS Ø TRANCA RUAS DA MATA
Com 7 velas eu firmei meu ponto Seu Tranca Rua da Mata
E na encruza Exú me saravou Chama, chama que ele vem
Firma seu ponto Seu Tranca Ruas | Ele é o Rei da Quimbanda na Mata
Exú da linha de Seu Marabô > Chama, chama que ele vem
Lá no meio da macaia
Ø TRANCA RUAS DAS ALMAS Seu Tranca Rua chegou
Viva as almas, viva a coroa e a fé Ele veio tirar despacho
Salve Exú das Almas Que você pra mim deixou
Ele é Tranca Ruas de fé Seu Tranca Ruas da Mata
Chama, chama que ele vem
Ø TRANCA RUAS DE EMBAÉ
Seu Tranca Ruas que nasceu no Mato Grosso Ø TRANCA RUAS DA MATA
Ele é filho de um xavante, ele é de Embaé Ouvi um barulho na mata
Mas o homem é Tranca Ruas de Embaé > Ai meu Deus o que será
É Seu Tranca Rua das Matas
Ø TRANCA RUAS DA ENCRUZILHADA Que veio trabalhar
Na sua encruza ele é o Rei
Na sua banda ele é o Senhor Ø TRANCA RUAS DA MATA
Oi, salve o Sol, oi salve a Lua Seu Tranca Ruas nas forças da mata
Salve toda a encruzilhada O seu Congá tem segurança
Oi saravá Seu Tranca Ruas É nas tronqueiras que ele gira
É meia noite que o galo canta
Ø TRANCA RUAS DA ENCRUZILHADA
Seu Tranca Ruas me abra os meus caminhos Ø TRONQUEIRA
Que me foi trancado pelo povo pequenino Chegou na canjira de Umbanda |
Saravá o sol, saravá a lua É Seu Tronqueira >
Saravá a rua, saravá Seu Tranca Ruas Está de ronda meu pai >

Ø TRANCA RUAS DA ENCRUZILHADA Ø VELHO


Está iluminando a sua banda | Encontrei com Exú velho
Está cheirando flor em seu Congá > No alto do chapadão
Seu Tranca Ruas um pedido eu lhe faço | Comendo a jaca madura
Me abre as portas | Jogando a verde no chão
Ilumina os caminhos por onde passo >
Ø VELUDO
Ø TRANCA RUAS DA ENCRUZILHADA Eu sou Exú Veludo
Exú abre os caminhos, foi Xangô quem mandou E vim lá da Quimbanda
Tranca Ruas nas encruzilhadas Eu vim neste terreiro
Corre a gira nas demandas Pra salvar filhos de Umbanda
Corre a gira nas Quimbandas,
Foi Xangô quem mandou

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 173


1.540 Pontos Cantados de Umbanda
Ø VELUDO Pontos de Linha
Sua capa de veludo quando veio, deixou lá
Quando dava meia noite Exú Veludo ia buscar Ø 1.
Inamojubá ê, inamojubá á Entrei no cemitério às onze horas do dia
Exú se levantava e a catacumba tremia
Ø VELUDO Din, din, don, a catacumba tremia
Comigo ninguém pode Exú se levantava e a catacumba tremia
Mas eu posso com tudo
Na minha encruzilhada Ø 2.
Eu me chamo Veludo Quando vou ao cemitério
Veludo, Veludo, Veludo do Mar Peço licença para entrar
Meu povo é da Quimbanda Entro com o pé esquerdo
Meu povo vem trabalhar Firmo a cabeça em Oxalá
Ø VELUDO Mas eu saravo Omolú Omolú
Lá na mata deu um berro Seu Tranca Ruas também
Derrubou cerca de arame Peço licença para as almas
Estourou portão de ferro E ao povo do além
Comigo ninguém pode Ø 3.
Mas eu posso com tudo Exú pisa no toco, Exú pisa no galho
Na minha encruzilhada O galho balança, Exú não cai oi Ganga
Eu me chamo Exú Veludo
É Exú
Comigo ninguém pode Ele pisa no toco de um galho só
E nem há de poder Mas ele é Exú
Na minha encruzilhada Ele pisa no toco de um galho só
Sou mais forte que você
Marimbondo pequenino
Ø SEU ZÉ MARMELEIRO Botou fogo no barraco oi Ganga
Zé Marmeleiro é uma beleza
Eu nunca vi um neguinho assim É Exú
Zé Marmeleiro é uma beleza Ele pisa no toco de um galho só
Ele é madeira que não dá cupim Mas ele é Exú
Ele pisa no toco de um galho só
Ø VIRA MUNDO Chuva forte não me molha
Oh, cadê Vira Mundo, pemba > Sereno quer me molhar oi Ganga
Tá no terreiro, oi pemba
Com seu cambone, pemba Ø 4.
Tá no terreiro, oi pemba Boa noite pra quem é da noite
Com seu cambone e pemba Bom dia pra quem é do dia
Galinha preta na encruzilhada Eu só queria que Deus me desse
Gato preto de madrugada Seu Tranca Gira para ser meu guia
Azeite, dendê, farofa amarela
Nego fez uma panela, oi

174 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras


EXÚ & POMBA GIRA
Ø 5. Ø 9.
Cambono segura a cantiga | Oh! Meu Senhor das Almas
Que está chegando a hora > Ai, de mim não faça pouco
Saravá toda a encruza | Olha lá que eu é Exú
Exú é quem manda agora > Eu é Exú Arranca Toco (do Lodo)
Ø 6. Oh! Meu Senhor das Almas
É mojubá, Seu Exú Rei é mojibá Dizem que eu não valho nada
Seu Tranca Ruas na Quimbanda é mojibá Olha lá que eu é Exú
É mojubá, Seu Tranca Ruas é mojibá Exú das Sete Encruzilhadas
Seu Meia Noite no retorno é mojibá
É mojubá, Seu Meia Noite é mojibá Ø 10.
Exú Veludo na magia é mojibá Oh! salve Exú, |
É mojubá, Exú Veludo é mojibá Salve o rei da encruzilhada |
É mojubá, Tata Caveira é mojibá Que sem Exú, não se pode fazer nada >
Exú Caveira na calunga é mojibá Tumba le-lê, tumba la-lá |
É mojubá, Exú Caveira é mojibá Que sem Exú não se pode trabalhar >
Seu Marabô na trunqueira é mojibá
É mojubá, Seu Marabô é mojibá Ø 11.
Seu Pinga Fogo na demanda é mojibá Seu caboclo gira girando
É mojubá, Seu Pinga Fogo é mojibá Ora vamos saravá o terreiro de Quimbanda
Seu Zé Pilintra lá nos trilhos é mojibá Quem manda, gira calunga
É mojubá, Seu Zé Pilintra é mojibá No terreiro de Quimbanda
O Exú Pimenta no terreiro é mojibá Tem barra funda
É mojubá, o Exú Pimenta é mojibá
Exú das Matas na macaia é mojibá Ø 12.
É mojubá, Exú das Matas é mojibá Exú que tem duas cabeças
É mojubá, todo Exú é mojibá Ele faz sua gira com fé
Laroyê Exú, inaê mojibá Uma é Satanás no inferno
A outra é Jesus de Nazaré
Ø 7.
Com sete velas, eu firmei meu ponto Ø 13.
E na encruza Exú me saravou Tem morador, de certo tem morador >
Firma seu ponto Exú Serpente Na casa que o galo canta
Exú da linha de Seu Marabô Seu Exú é morador
Ø 8. Na casa que o galo canta
Estava curiando na encruza | De certo tem morador
Quando a banda me chamou >
Exú no terreiro é Rei | Ø 14.
Na encruza, ele é doutor > Abre a porta da gira
Exú quebra demanda, Exú é curador > Deixa a gira girar
Exú no terreiro é Rei | São os filhos da Quimbanda
Na encruza, ele é doutor > Que aqui vêm pra trabalhar

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 175


1.540 Pontos Cantados de Umbanda
Ø 15. Ø 20.
Abre a porta do teu mundo Esse boi vermelho, oi Calunga
E deixa esse povo entrar Amarra na porteira, oi Calunga
O Exú é um povo amigo Pra tirar seu couro, oi Calunga
Ele só quer te ajudar E fazer pandeiro, oi Calunga
Eu tô cantando, eu tô louvando
Eu tô pedindo a proteção Ø 21.
A esse povo de Exú Estava curiando na encruza |
Meu camarada, meu irmão Quando a banda me chamou >
Exú no terreiro é rei |
Ø 16. Na encruza ele é doutor >
Eu fui no mato, oi Ganga Exú quebra demanda, Exú é curador >
Cortar cipó, oi Ganga Exú no terreiro é rei |
Eu vi um bicho, oi Ganga Na encruza ele é doutor >
De um olho só oi Ganga
Não era bicho, oi Ganga Ø 22.
Não era nada, oi Ganga Exú não brinca, Exú não é brincadeira
Era um Exú, oi Ganga Onze horas plantou bananeira
De um olho só, oi Ganga Meia noite banana deu cacho
Banana não madurou
Ø 17. Exú mandou bananeira abaixo
O garfo de Exú é firme
A capa de Exú me rodeia Ø 23.
Já passei na encruzilhada Exú que tem duas cabeças
Vaguei pela madrugada, Exú não bambeia Ele faz sua gira com fé
Uma é Maioral cá na terra
Ø 18. A outra é Jesus de Nazaré
Botaram um feitiço na encruzilhada
Pra me derrubar Ø 24.
Mas não adianta Exú vem dar proteção
Eu também sou de lá Pra nossa gira de Umbanda
Exú vem dar sua firmeza
Se meu Pai é Ogum Em nome de toda a Quimbanda
Minha mãe Yemanjá
Vou falar com Exú Ø 25.
Ele é meu compadre, ele vai me ajudar Foi na porteira da Calunga
Você tem que pagar, você vai pagar Foi nos campos de Marabô
Corre, corre na Calunga
Ø 19. Foi Seu Exú...........quem chegou
Cambono segura a contiga |
Que está chegando a hora >
Saravá toda a encruza
Exú é quem manda agora
176 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras
EXÚ & POMBA GIRA
Ø 26. Ø 31.
Foi dentro da Calunga Eu mandei caiuá
Eu vi uma panela de Exú Eu mandei caiuá para todo o mal levar
Galinha preta, farofa amarela
Pescoço de galo, pena de urubu Ø 32.
Meia noite auê meia noite
Ø 27. Meia noite o galo canta
Meu galo preto do pé amarelo Meia noite o cabrito berra
Canta, meu galo Meia noite a criança chora
Só faz o que eu quero No portão do cemitério

No pingo da meia noite Ø 33.


Meu galo preto cantou Diabo velho eu vou serrar seu chifre
Ele veio tirar despacho Eu vou cortar seu rabo para Exú comer
Que pra mim você deixou Com a sua língua eu vou fazer chicote
Meu galo preto do pé amarelo Para dar dar nas costas
Canta, meu galo De quem fala mau de mim
Só faz o que eu quero
Ø 34.
Porque nele tenho fé Quem disse que o diabo é feio
Na esquerda tenho o meu galo Bonito que ele não é
Que desmancha tudo com o pé Ele tem cara de homem
Cinturinha de mulher
Ø 28.
O que é que eu dou pra Exú Ø 35.
Pra Exú comer Botaram na encruzilhada
Uma farofa branca Um despacho para você
Com azeite de dendê Uma galinha preta
Com azeite de dendê
Ø 29.
Quem pensa que o céu é perto Ê ê, quero ver você penar
Das nuvens não vai passar Ê ,ê quero ver você sofrer
Todos os Exús estão rindo Quem entra na macumba
Do tombo que vai levar Tem que ter seu protetor
Porque mais cedo ou mais tarde
Ø 30. Vai virar coro chocho
Estava curiando na encruza Ê ê quero ver você penar
Quando sua banda me chamou
Exú no terreiro é Rei Ø 36.
Na encruza ele é doutor Deu meia noite, deu meia noite já
Exú pega demanda, exú é vencedor Olha o sapo que pula o lago
Andorinha que voa no espaço
Exú queria ser doutor
Mas a mesa de Umbanda lhe chamou
Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 177
1.540 Pontos Cantados de Umbanda
Ø 37. EU TÔ DE PÉ Subida
Quando pensas que eu vou, eu fico
Quando pensas que eu fico, eu vou Ø 1.
Eu sou filho de Umbanda com muita fé Cambone, camboninho meu, meu cambone |
Quando pensas que eu caio, eu tô de pé Olha que Exú vai ao ló >
Nos caminhos por onde andei Vai, vai, vai meu Cambone |
Tropecei, mas nunca fui ao chão Ele vai numa gira só >
Sou igual a madeira de lei Ø 2.
Ninguém vai me fazer de carvão Ogum mandou, te coroou
E assim continuo a seguir Filho de pemba, pra Exú ir embora
Na corrente do mal, dando nó Miz Angola
E este seu olho grande, canalha Auê, caminho de Angola
(Ele) nunca vai me ver na pior Exú vai embora
Quando pensas que eu vou, eu fico
Quando pensas que eu fico, eu vou Ø 3.
Eu sou filho de Umbanda com muita fé Chora bananeira, chora
Quando pensas que eu caio, eu tô de pé Chora bananeira, seu Exú já vai embora
Eu só peço a Deus Chorou bananeira chorou
Estrada pra caminhar Chorou bananeira, seu Exú já saravou
Sem pedras no meu caminho
E sem espinhos pra pisar Ø 4.
Que a luz divina Vai-te embora Exú
Venha sempre me seguindo Não tropeça no caminho
Quando pensas que eu tô caindo | Passa no quintal dos outros
É aí que eu tô subindo > Mas não mexa com o vizinho

Ø 38. Ø 5.
Meu senhor do campo santo A Umbanda me chamou
Nas horas santas benditas Na Umbanda eu trabalhei
Quem louva o povo de Exú Vou embora pra minha Quimbanda
Não passa horas malditas Que minha Quimbanda me chamou

Ø 39. Ø 6.
Exú chegou no reino Maria, amarra que Exú vai embora
Meu Deus quero ver quem é Maria, amarra a saia que está na hora
Com licença de Ogum > Candongueiro quando canta
Chegou meu Exú de fé É sinal que está na hora

Ø 7.
Na beirada do caminho
Esse Congá tem segurança
Na porteira tem vigia
Meia noite o galo canta
178 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras
EXÚ & POMBA GIRA
Ø 8. Pomba-Gira - Pontos Individuais
Pé, pé, pé
Encruzilhada já lhe chama Ø PONTO DE ABERTURA
Pé, pé, pé Umbanda sua Rainha chegou
Encruzilhada lhe chamou Umbanda mais uma estrela brilhou
Oi salve, salve as Pomba Giras
Ø 9. Que veio lá das encruzas
Quando a Lua surgir Para salvar nossa gira
Ele vai girar Oi salve os seus ponteiros de aço
Lá vai Seu Tranca Rua Salve as suas tesouras
Para todo mal levar Para cortar embaraços
Umbanda sua Rainha chegou
Ø 10. Umbanda mais uma estrela brilhou
Exú chegou e curiou Oi salve, salve as Pomba Giras
Vamos embora Que veio lá das calungas
Pra Exú ir embora Para salvar nossa gira
Diz Angola, auê Oi salve os seus ponteiros de aço
Caminho de Angola Salve as suas tesouras
Seu Exú já vai embora, auê Para cortar embaraços
Ø 11. Umbanda sua Rainha chegou
Adeus Umbanda Umbanda mais uma estrela brilhou
Adeus lindo Congá Oi salve, salve as Pomba Giras
Eu vou me embora Que veio lá das campinas
Mas eu torno a voltar Para salvar nossa gira
Oi salve os seus ponteiros de aço
Adeus Umbanda Salve as suas tesouras
Umbanda querida Para cortar embaraços
Eu vou me embora
Mas eu torno a voltar Ø MARIA PADILHA
Padilha eu vou precisar
De um patuá e uma figa de guiné
Padilha eu estou com mau olhado,
Eu preciso ir á Bahia, cidade do Candomblé
Se for preciso farofa amarela eu dou
Pra você tirar o mau olhado que eu estou >

Ø MARIA PADILHA
Aonde é que a Maria Padilha mora >
Ela mora na mina de ouro
Onde o galo não canta
E a criança não chora

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 179


1.540 Pontos Cantados de Umbanda
Ø MARIA PADILHA Ø MARIA PADILHA
Pomba Gira é uma moça bonita, Ai como é linda essa nossa criatura
Anda do jeito que quer Eu por ela tenho loucura
É a Maria Padilha, rainha do Candomblé É linda como a lua, é bela como a aurora
Eu daria tudo
Ø MARIA PADILHA Só para ver Maria Padilha nessa hora
Exú Maria Padilha |
Trabalha na encruzilhada > Ø MARIA PADILHA
Risca ponto, presta conta | Mas ela mora debaixo de uma roseira
Ao romper da madrugada > Mas ela samba em cima de uma fogueira
Pomba Gira, minha comadre É Maria Padilha, deu uma linda gargalhada
Me protege noite e dia Encontrou Seu Tranca-Ruas
Trabalhando na encruzilhada Na primeira encruzilhada
Com sua feitiçaria
Ø MARIA PADILHA
Ø MARIA PADILHA Dizem que a Padilha é uma rosa
Padilha soberana da estrada Que a Padilha é uma rosa
Rainha da encruzilhada Que floresceu no meu caminho
E também do Candomblé, Dizem que a Padilha é uma rosa
Suprema é uma mulher de negro Que a Padilha é uma rosa
Alegria do terreiro Então abra os meus caminhos
Seu feitiço tem axé
Mas ela é, ela é, ela é Ø MARIA PADILHA DA CAMPINA
A rainha da encruza e mulher de Lucifer > Nos sete cruzeiros
Ela é uma rainha
Ø MARIA PADILHA Ela tem a força de Omolú
Moça me dá um cigarro do seu prá fumar | É o braço forte de Ogum Megê
Que nem dinheiro eu tenho prá comprar > É o raio de luz de Iansã
Vivo sozinho, vivo na solidão, | Ela é coroada de força
Maria Padilha me dê a sua proteção > Ela é coroada de luz
ô moça, ô moça, ô moça me tira dessa poça Ela é Maria Padilha
ô moça, ô moça, ô moça me dê a sua força
Ø MARIA PADILHA DAS SETE
Ø MARIA PADILHA ENCRUZILHADAS DA CALUNGA
Maria Padilha traz linda figa de ouro > Exú Maria Padilha, trabalha na encruzilhada >
Oi, saravá rainha linda da Quimbanda |
Sua proteção é uma tesouro > Toma conta, presta conta |
Ao romper da madrugada >
Ø MARIA PADILHA Pomba Gira minha comadre |
Aquela ventania oi Ganga Me protege noite e dia |
Que sopra ao pé da serra E é por isso que eu zombo |
Exú Maria Padilha oi Ganga Da sua feitiçaria >
Que está firmando em terra
180 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras
EXÚ & POMBA GIRA
Ø MARIA PADILHA DAS SETE Ø MARIA PADILHA
ENCRUZILHADAS DA CALUNGA Nos sete cruzeiros ela é uma rainha
Se alevante minha gente, Ela tem a força de Omolú
Maria Padilha vai chegar É o braço forte de Ogum Megê
Ela é uma rainha bela e muito formosa É o raio da luz de Iansã
Se chama Maria Padilha das Sete Ela é coroada de força
Encruzilhadas da calunga Ela é coroada de luz
E vem neste Congá pra trabalhar Ela é Maria Padilha
Que na calunga tem muita luz
Ø MARIA PADILHA DAS SETE
ENCRUZILHADAS DA CALUNGA Ø MARIA PADILHA DAS SETE ENCRUZILHADAS
Chegou neste Congá Ela parou na porta da gafieira
Maria Padilha das 7 Encruzilhadas da Calunga Ela parou mas não entrou
Trabalha na Umbanda Ela deu uma linda gargalhada
E na Quimbanda também Maria Padilha Rainha da Encruzilhada
Ajuda o filho de fé
E arrebenta o inimigo também Ø MARIA PADILHA DO CABARÉ
Sua magia é muito grande Juravam que me matavam |
Sua bagagem é infinita Na porta de um cabaré >
Tem força firmada no cruzeiros das almas Mas ela é Maria Padilha |
E lá é rainha também Não mata porque não quer >
Ø MARIA PADILHA DOS 7 CRUZEIROS DA CALUNGA
Gira Maria Padilha Ø MARIA MULAMBO (LIXEIRA)
dos 7 Cruzeiros da Calunga Lá no morro tem, lá no morro há |
Ela é Pomba-Gira, ela é Pomba-Gira Uma linda lixeira |
Ela vem girar. Para a Mulambo morar >
Gira Maria Padilha Bebe Mulambo, bebe
dos 7 Cruzeiros da Calunga Ensina os seus filhos a viver
Quando ela gira, quando ela gira Gira, Mulambo, Gira
É pro mal levar Gira até o dia amanhecer
Se você não acredita, nem a ela olhe Ø MARIA MULAMBO (ROSEIRA)
Se você a olhar e ela não gostar Lá no morro tem, lá no morro há |
Todo mal pode levar Há uma linda roseira, |
Pois ela é Pomba-Gira que gira na Umbanda Pra Mulambo se enfeitar >
E na Quimbanda Gira, Mulambo, gira
Ela é Pomba-Gira que gira na Umbanda Gira pros seus filhos proteger, ê, ê
E na Quimbanda Trabalha, Mulambo, trabalha
Gira Maria Padilha Trabalha até o dia amanhecer
dos 7 Cruzeiros da Calunga
Onde ela mora ela é rainha

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 181


1.540 Pontos Cantados de Umbanda
Ø MARIA MULAMBO Ø MARIA MULAMBO
Aquela rosa que plantei na encruzilhada Maria Mulambo traz
Aquela rosa que plantei no meu jardim Linda saia com sete guizos
Maria Mulambo, Maria Mulher Quando roda nos terreiros
Maria Padilha rainha do Candomblé Trabalhando nas demandas
Mostra que tem muito juízo
Ø MARIA MULAMBO
Olha a saia dela, re rê | Ø MENINA
É mulambo só > Pomba Gira Menina, Pomba Gira ela é >
Sua saia tem sete metros | Gira, gira Menina, gira e vem trabalhar
Sete metros é mulambo só > Gira, gira Menina, gira pra trabalhar
Ø MARIA MULAMBO Pomba Gira Menina, Pomba Gira ela é >
Boa noite moça, boa noite > Pomba Gira Menina, vem, vem saravar >
Dona Maria Molambo como eu lhe procurei> Pomba Gira Menina, Pomba Gira ela é >
Andei, andei, andei | Firma, firma seu ponto, firma na encruzilhada >
Hoje eu te encontrei >
Ø MARIA MULAMBO Ø MENINA
Quem é essa moça Mas que menina linda,
Que vem estalando osso por osso Mas que menina bela
É Maria Mulambo É Pomba Gira Menina
Que mora no fundo do poço Debruçada na janela
Ela é uma beleza
Ø MARIA MULAMBO É Pomba-Gira Menina
Mas que caminho tão escuro Na demanda não bambeia
Que vai passando aquela moça Sua morada é na esquina
Com sues farrapos de chita
Estalando osso por osso Ø MARIA QUITÉRIA
Quando eu bato palmas
Ø MARIA MULAMBO Saravá a encruzilhada >
Os atabaques tocaram na encruza Saravá Exú mulher
Para saudar a Senhora Pomba Gira
Maria Molambo, Maria Molambo Quando eu bato palmas
Maria molambo que aqui vem trabalhar Saravá Maria Quitéria >
Rainha da madrugada
Ø MARIA MULAMBO Aí vem Sá Maria
Mulambo, Mulambo, por onde você andou? Dando um axé no pé
Foi presa e acorrentada Balançando a sua saia
Foi Tranca-Ruas quem salvou o seu amor Reforçando a nossa fé
Quem vir você sorri, pensa que é feliz
Mas ela traz uma marca no peito
E só Deus sabe o porque

182 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras


EXÚ & POMBA GIRA
Ø SALOMÉ
O seu reino de princesa que bandeira Ø DAS SETE CATACUMBAS
Sua corte real, vem saravar Êh, êh, êh, êh, êh, ah
Vamos todos receber Pomba Gira Salomé Agüenta a gira, segura o ponto
Ela gira, ela girá no Congá, saravá Deixa a gira girar
Êh, êh, êh, êh, êh, ah
Ø ROSA BRANCA A Pomba Gira acaba de chegar
Rosa branca, rosa vermelha e amarela Ela vai trabalhar, ela vai trabalhar
Pomba Gira é faladeira
E todo mundo gosta dela Ø POMBA GIRA DO SEU TRANCA RUAS
Salve Seu Tranca Ruas
Ø ROSA VERMELHA E também sua mulher
Eu caminhava pela alta madrugada Formosa, formosa, formosa ela é
Sob o clarão da lua ouvi uma gargalhada Trabalha na Umbanda
Linda morena formosa me diga quem você é E também no Candomblé
Eu sou a dona da rosa sou Pomba-Gira de fé Pomba Gira formosa, formosa ela é
Eu levo a vida dançando Trabalhando com seus filhos de fé
Eu sou a dona da rosa
Sou Pomba-Gira de fé. Ø CIGANA
No caminho do terreiro eu
Ø ROSA VERMELHA Encontrei uma mulher
Rosa Vermelha... Rosa Vermelha sagrada Vinha linda e perfumada
Rosa Vermelha é Pomba Gira das Sete Eu quis saber quem ela é
Encruzilhadas Pomba Gira cigana, Pomba Gira, ela é >
Quando ela vem, vem girando Ela vem caminhando, ela chega girando |
Cantando e dando risada Na ponta do pé >
Cuidado amigo, ela está de saia rodada
Ø CIGANA
Ø ROSA VERMELHA Numa noite de lua Pomba Gira Cigana
Pomba Gira você é uma rosa Passeava na rua e sorria ao luar
Uma rosa que não tem espinhos Ela era formosa, era dona da rosa
Pomba Gira você é uma rosa Pomba Gira Cigana vem o mal desmanchar
Uma rosa que abre os meus caminhos
Ø CIGANA
Ø ROSA CAVEIRA Eu bem que avisei |
Rosa Caveira, Rosa Caveira Pra você não jogar |
Ela é Exú que nasceu na porteira Essa cartada comigo >
Não se põe sobre a mata Você jogou no valete
Não se põe sobre a mesa E eu joguei na dama
Ela é Exú que acompanha o Caveira Amigo você não me engana
Pomba Gira Cigana |
Também è Exú de fama >

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 183


1.540 Pontos Cantados de Umbanda
Ø MARIA DO BALAIO Ø DE MACEIÓ
No portão do cemitério Vestidinho de chita, amarradinho de nó
Eu vi uma mulher a gargalhar > Ela é a Pomba Gira, Pomba Gira de Maceió
Mas ela é Maria do Balaio > Pomba girê, auê, auê, auê
Pomba Gira tem licença do Pai Oxalá
Ø SETE ONDAS
Eu vi um balanço no mar Ø POMBA GIRA GIRA MUNDO
Pomba Gira Sete Ondas levantou Giro, giro, gira Gira Mundo
Ela vem no terreiro de Umbanda Pomba Gira que vence demanda
Desmanchar mironga Rainha da encruza, saravá Umbanda
Pro seu filho que chamou Ê ê ê saravá Umbanda >
Ø SETE ONDAS
Ela vem no balanço do mar > Ø DA PRAIA
Pomba Gira Sete Ondas apareceu A marola do mar já vem rolando
Ela veio no terreiro de Umbanda Pomba Gira da Praia já deu sua risada
Veio remexer mironga pros filhos que tem fé Ela é mulher bonita, muito formosa
Trabalhando na areia ou na encruzilhada
Ø ROSITA
Rosita é uma moça bonita Ø DA PRAIA
Que usa vestido de chita e vem para girar Quem quiser vá ver
Colar, brinco e pulseira pra todos agradar Quem não crê que vá olhar
É a Pomba Gira Rosita que vem pra trabalhar Pomba Gira da Praia, meu sinhô
Vem nas ondas do mar >
Ø DA CALUNGA
Já mandaram me chamar Ø RAINHA DO CRUZEIRO
Pomba Gira vai girar Lá no cruzeiro da calunga
Pomba Gira da Calunga Eu vi uma farofa amarela
Vem aqui pra trabalhar Quem não acredita em Pomba Gira do
Cruzeiro
A moça que está na praia É muito bom não mexer com ela
Peixinho sabe quem é
É vermelha a sua saia Ø DAS ALMAS
Vai chegar Exú mulher Minha Senhora das Almas
Atira e não erra mira
Ø MARIA DAS SETE SAIAS Ela é minha protetora
Ela é uma moça bonita Saravá sá Pomba Gira
Ela é Cigana das Saias
Ela é Pomba Gira da Encruza
Pomba Gira das Sete Saias
Com sua saia rodada
Ela vem girar, girar
Ela vence demanda na gira
Ela vem pra trabalhar
184 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras
EXÚ & POMBA GIRA
Ø BLUES Pontos de Linha
Desempregado, ninguém pra me ajudar
Aluguel atrasado, agiota cobrando Ø 1.
A mulher me avisando que ia me deixar Arreda, homem que aí vem mulher >
Ela é a Pomba Gira rainha do seu axé
Fui na macumba para me benzer
Uma moça bonita parou na minha frente Ø 2.
E disse: “Compadre, eu ajudo você De vermelho e negro, vestindo a noite
Preste atenção no que é pra fazer Um mistério traz
Me acenda uma vela, farofa amarela De colar de ouro, brinco dourado
Com o nome dela na encruza de T” A promessa faz
Se é preciso ir, você pode ir, peça o que quiser
Hoje estou bem, toco no meu bar
Mas cuidado, amigo, ela é bonita |
Com disco gravado, carro importado
Ela é mulher >
Dinheiro aplicado, é melhor não espalhar
E no canto da rua
Só com minha mulher que não deu mais pé
Girando, girando, girando está
Mas não tem problema, nem é pra ter pena
Ela é moça bonita
Porque hoje eu tenho a mulher que eu
Oi girando, girando, girando lá
quiser
Oi girando lá, oi lê, lê
Valeu Pomba Gira da encruza de T Oi girando lá, oi lá, lá
Valeu minha Comadre, Oi girando lá, oi lê, lê
Essa eu devo a você Oi girando está
Nesta Pomba Gira minha fé ninguém tira
E o que for pra ela não vou esquecer Ø 3.
Eu não vou esquecer, não vou esquecer Olha a Pomba Girê, olha a Pomba Girá,
Olha a Pomba Girê, olha a Pomba Girê
De acender uma vela, farofa amarela Olha a Pomba Girá, olha a Pomba Girá
E o que mais for dela na encruza de T
Na encruza de T, na encruza de T Pomba Gira dos sete maridos
Olha a Pomba Girê, olha a Pomba Girá
Tudo o que for dela, farofa amarela Pomba Gira da saia rodada
Acender uma vela na encruza de T Que bebe e que fuma na encruza fechada
Na encruza de T 3> Olha a Pomba Girê
Olha a Pomba Girê, olha a Pomba Girê
Olha a Pomba Girá, olha a Pomba Girá
Pomba Gira Maria Mulambo
Maria Padilha, Rainha das Almas
Pomba Gira das Sete Encruzas
Rainha do Lodo, Cigana falada
Olha a Pomba Girê
Olha a Pomba Girê, olha a Pomba Girê
Olha a Pomba Girá, olha a Pomba Gira
Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 185
1.540 Pontos Cantados de Umbanda
Ø 4. Ø 11.
Que rosa tão bonita Agüenta a gira, segura a ponta >
Que rosa tão encarnada Deixa a gira girar >
Pomba Gira da calunga Ela vem trabalhar
E também da encruzilhada A Pomba Gira acaba de chegar
Eu quero ver Pomba Gira, eu quero ver
Eu quero ver a senhora lá na encruza Ø 12.
Pomba Gira cadê sua saia linda
Ø 5. Pomba Gira cadê sua saia rodada
Exú Maré-Maré, nascido em Belém Pomba Gira arriou
Exú Babalaô Logo deu sua gargalhada
É Pomba Gira que aqui vem
Ø 6. Ø 13.
Deu uma ventania, oi Ganga Pomba Gira, gira, gira
No alto da serra Saravá Pomba Gira na encruza
E era a Pomba Gira, oi Ganga Pomba Gira, gira, gira
Que veio para a terra Saravá os seus manos na encruza
Saravá Tranca Ruas na encruza
Ø 7. Pomba Gira, gira, gira
Está na atalaia de Pomba Gira | Saravá os Exus na encruza
De Pomba Gira para que eu não caia > Pomba Gira, gira, gira
Oi, Pomba Gira, olha a pomba girá > Saravá todo povo da encruza
Tem mironga no fundo do mar Pomba Gira oh>
No fundo do mar Pomba Gira, ê> bis
Ø 8. Ela é a rainha da encruza
Eu vi a moça na beira d’água A encruza de T
Solte os cabelos, morena e caia n’água Ela é formosa
Ela é bonita, ela é faceira Formosa e rainha
É a Pomba Gira mulher do Exú Caveira Rainha da encruza
Da encruza de T
Ø 9. Ela é bonita
Pomba Gira que dança é essa Bonita e vaidosa
Que faz a vida da gente dançar Vaidosa e rainha da encruza de T
É a dança da lua Pomba Gira, oh |
É a dança da rua Pomba Gira, ê |
É a dança que traz alegria Ela é rainha, da encruza de T >

Ø 10. Ø 14.
Exú fez uma casa Gira, gira, gira
Com sete portas e sete janelas>bis Vamos todos girar
Exu não precisa de casa Já chegou a Pomba Gira
É Pomba Gira que vai morar nela Que veio trabalhar

186 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras


EXÚ & POMBA GIRA
Ø 15. Ø 21.
Pomba Gira é mulher de sete maridos Uma rosa cor de sangue
Quem se mete com ela oi Cintila em sua mão
Corre perigo Um sorriso que nas sombras
Não diz nem sim nem não
Ø 16.
Pomba Gira parangole Põe na boca a cigarrilha
Quando é Pomba Gira E mais acende o olhar
Ela gira no seu congá Que conhece o bem e o mal
Quando é Pomba Gira De quem quiser amar
Pomba girê |
Pomba girá | Ø 22.
Chegou Pomba Gira para trabalhar > Deu uma ventania, oi ganga
No alto da serra
Ø 17. E era a Pomba Gira, oi ganga
Exu tem chifre Que veio para a terra
Seu Omolú tem coroa
Passou por lá bela moça Ø 23.
Passou por lá Está na atalaia de Pomba Gira
Foi beber marafo na encruza De Pomba Gire para que eu não caia >
E veio saravá Oi Pomba Gire, Pomba Girá oi >
Oi olha a Pomba Gire, olha a Pomba Girá
Ø 18. Tem mironga no fundo do mar
Ao subir a serra acima No fundo do mar
No rochedo eu fui morar
Quem demanda com meus filhos Ø 24.
Eu também sei demandar Eu via a moça na beira d’água
Com ajuda de Ogum Solte os cabelos morena e caia n’água
Eu também sei demandar Ela é bonita, ela é faceira, é Pomba Gira
Mulher de Exú Caveira
Ø 19.
Arreda homem que aí vem mulher > Ø 25.
Ela é a Pomba Gira Rainha do Cabaré Já mandaram me chamar Pomba Gira vai girar
Tranca Rua vem na frente Pomba Gira da Calunga vem aqui pra trabalhar
Pra dizer quem ela é
É uma velha feiticeira Ø 26.
Mandigueira é o que ela é A moça que está na praia
Peixinho sabe quem é
Ø 20. É vermelha a sua saia
Boa noite pra quem é da noite Vai chegar Exú Mulher
Boa noite pra quem vem chegando Oi bate palmas pra chamar Exú Mulher
Boa noite pra moça bonita A Pomba Gira é mulher de muita fé
É pra ela que estamos cantando
Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 187
1.540 Pontos Cantados de Umbanda
Ø 27. Ø 34.
Me juntei com Tranca Rua Pomba Gira que vem
Corri gira o mundo inteiro Ela vem lá da calunga
Hoje em dia eu é Exú Vem gargalhando
Pomba gira de terreiro Passando pelas encruzas
Ela vem girando
Ø 28. Vem trabalhar
Naquela ventania, oi ganga Moça formosa
Que sopra ao pé da serra Ela vem nos ajudar
Exú Pomba Gira, oi ganga
Que vem girar na terra Ø 35.
Umbanda sua Rainha chegou
Ø 29. Umbanda, mais uma estrela brilhou
Pomba Gira cadê sua saia linda? Oi, salve, salve a Pomba Gira
Pomba Gira cadê sua saia rodada? Que veio da encruzilhada
Pomba Gira arriou Para alegrar nossa gira
Logo deu sua gargalhada Oi salve seu ponteiro de aço
Salve a sua tesoura
Ø 30. Pra cortar embaraço
Pomba Gira é uma moça bonita
Que se veste do jeito que quer Ø 36.
Ela é a Pomba Gira Pomba Gira ah, Pomba Gira eh
É mulher de muita fé Ela é rainha da encruza em T
Ø 31. Ela é rainha, rainha e caridosa
Pomba Gira é uma moça bonita Caridosa e rainha da encruza em T
Que se veste do jeito que quer Pomba Gira ah, Pomba Gira eh
Ela é da Quimbanda Ela é rainha da encruza em T
Bonita e formosa mulher
Ela é bonita, bonita e vaidosa
Ø 32. Vaidosa e rainha da encruza em T
Pomba Gira foi confirmada
Na Umbanda e no Candomblé Ø 37.
Só tem medo quem não conhece A Pomba Gira vem descendo a serra
Quem conhece só tem fé Trazendo pinga para beber
Ela é casada, é namoradeira
Ø 33. A Pomba Gira na Aruanda é feiticeira
Pomba Gira ela é bonitinha
Ø 38.
Ela é engraçadinha
Cuidado com o prato que ele é de louça
É de ganga lo mé, é, é, é
Eu já saudei os homens
Pomba Gira é de ganga lo mé
Agora vou saudar as moças

188 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras


EXÚ & POMBA GIRA
Ø 39. Subida de Pomba Gira
Deu meia noite a lua se escondeu
Lá na encruzilhada Ø 1.
Ouvi uma gargalhada Pomba Gira que vai girar |
Pomba Gira apareceu Vai girar, vai girar |
Vai pro fundo do mar >
Ê laroiê, laroiê, laroiê, laroiê |
É mojibá, é mojibá, é mojibá, é mojibá | Vai, vai, vai, Pomba Gira |
Ela é odara que tem fé | Vai, vai, vai, vai, Pomba Gira >
Nessa levada é só pedir que ela dá >
Ø 2.
Ø 40. A Umbanda me chamou
Trago uma rosa vermelha Na Umbanda eu trabalhei
Eu arranquei lá no pé Vou embora pra minha Quimbanda
Pra dar ao homem casado, Que a minha Quimbanda me chamou
Na porta de um cabaré
Ø 3.
Amor de homem solteiro Vai Pomba Gira passear, >
É um amor inseguro Numa estrada tão bonita
Amor de homem casado Numa noite de luar
É amor diferente, é um amor melhor
Ø 4.
Ø 41. Maria amarra a saia
Pombo gira é dona, promete pra não faltar Pomba Gira vai embora
14 carros de lenha, pra casinha um gambá Maria amarra a saia que está na hora
Se pensa que o céu está perto Candongueiro quando canta
Das nuvens não vai passar É sinal que está na hora
E os anjos já estão sorrindo
Da surra que vai levar Ø 5.
Maria Quitéria se despede e vai embora
Ø 42. É na palma as mão, é na palma da mão.
Comprei um baralho de ouro Que ela vai girar
Pra Pomba Gira jogar Ela é Maria Quitéria
Embaralha eu mulher, embaralha eu mulher Mora lá no fogaréu
Embaralha eu da cabeça aos pés Não conhece Jesus Cristo
Nem pretende ir ao céu

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 189


1.540 Pontos Cantados de Umbanda
Pontos de Demanda Ø 6.
Rodeia, rodeia, rodeia |
Ø 1. Meu Santo Antônio, rodeia >
Quem nunca viu, vem ver |
Cadeirão sem fundo ferver > Santo Antônio pequenino
Amansador de burro bravo
Deu meia noite | Quem mexer com Tranca Gira
Galo preto canta | Tá mexendo com o diabo
Catacumba racha |
E o defunto geme > Ø 7.
Ø 2. Quem não é de fé |
Abre a porta, oh gente Não vai curiá comigo >
Que aí vem Jesus Ê, ê, a tem mironga >
Ele vem cansado Exú vai desmanchar
Com o peso da cruz
Ø 8.
Vem de porta em porta Comigo ninguém pode
Vem de rua em rua E nem há de poder
Pra salvar as almas Minha banda é mais forte
Sem culpar nenhuma Que a banda de você
Ø 3. Saravá Umbanda, saravá Quimbanda
Eu estava perambulando Saravá quem manda, saravá você
Sem ter nada o que fazer
Fui pedir às Santas Almas Ø 9.
Para vir me socorrer Calunga, calunga
Foi as Almas que me ajudou 3> Calunga aruê
Meu povo é da Quimbanda
Viva a Deus Nosso Senhor Agora que eu quero ver
Olha as Almas dão 3>
Pra quem sabe aproveitar Ø 10.
Sou Exú lá na encruza
Ø 4. E vim aqui pra trabalhar
Eu pedi às Almas | Quem demanda com meus filhos
As Almas me atenderam | Eu também sei demandar
São as Santas Almas lá do cruzeiro >
Ø 10.
Ø 5. Galinha preta com azeite de dendê
Mas não mexe comigo não > Não se depena pra quem não sabe fazer
Que a porta do cemitério Meu galo preto do pescoço amarelo
Será a tampa do seu caixão Você grita você canta, você faz o que eu quero

190 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras


Ø 11. Fim de trabalho com Demanda
Seu Caboclo gira giranda
Vem trabalhar no terreiro de Quimbanda Ø 1.
Hei manda, gira Calunga Comigo ninguém pode
No terreiro de Quimbanda, tem Barra Funda E nem há de poder
Minha banda é mais forte
Do que a banda de você
Saravá Umbanda, saravá Quimbanda
Saravá quem manda, saravá você

Ø 2.
Só bota fogo quem pode botar
Meu ponto é seguro, não pode falhar

Ø 3.
Eu sou filho de Umbanda
E não vou balancear
Eu tenho santo forte
Ele vai me ajudar

Descarrego com Pólvora


Ø 1.
Só manda fogo quem pode mandar
Meu ponto é seguro, meu Pai Oxalá
Só manda fogo quem pode mandar
Só pega na brasa quem pode pegar

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 191


1.540 Pontos Cantados de Umbanda
Exú Mirim
Ø 1.
Oh meu Senhor das Almas |
Não faça pouco de mim >
Eu sou pequenininho |
Eu sou Exú Mirim >

Ø 2.
Ele é Exu, é Exu Mirim
Não me nega nada
Sempre me diz sim

Ø 3.
Exu Mirim é meu Exu de fé
Exu Mirim é pequeno na Quimbanda
Exu Mirim saravando a encruza
Exu Mirim vencendo sua demanda

Ø 4.
Exu Mirim é um Exu formoso
Ele é Exu de fé
Tem um pai e tem um mano
Esse mano é Lucifer

Ø 5.
Exú Mirim nasceu lá em Lisboa
Trabalha na praia na beirada de uma proa
Mas ele é o rei, ele é o rei, ele é o rei
Mas ele é o rei na Quimbanda ele é o rei

192 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras


Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 193
1.540 Pontos Cantados de Umbanda

194 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras


ENCERRAMENTO
Fechamento da Gira

Eu fecho a nossa gira


Com Deus e Nossa Senhora
Eu fecho a nossa gira
Sandorê, pemba de Angola
Gira, gira, gira dos caboclos,
Sem sua gira eu não posso trabalhar
Assim, assim na fé de Xangô meu pai,
Sem gira eu não posso trabalhar.

Ø SAUDAÇÃO A SEU TRANCA RUAS


Exú, Exú Tranca Ruas |
Me fecha o terreiro |
E me abre a Rua 3>

Ø SAUDAÇÃO A EXÚ TRANCA GIRA


Seu Tranca Gira é rei lá na calunga
Sem este Exú não se pode fazer nada
7 velas encruzadas
Em cima daquela tumba
Saravá Seu Tranca Gira
Salve o povo da calunga
Exú o que é?
É mojibá.

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 195


1.540 Pontos Cantados de Umbanda

196 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras


DIVERSOS
Pontos de Trabalhos de Cura Ø 7.
Iansã, Senhora da banda
Ø 1. Toma conta deste jacutá
Santo Antônio pequenino Leva ele pra Aruanda
Não me deixe andar sozinho E proteje os que vão ficar
Estou na beira do caminho
Tenho medo dos espinhos Ø 8.
Ø 2. Ogum Megê, não lhe deixe sofrer
Santo Antônio pequenino As lembranças daqui
Corre gira devagar Quando seguir o meu caminho pra Aruanda
Santo Antônio pequenino São Miguel lhe guarde
Corre gira sem parar E também a sua Banda
Santo Antônio corre gira
No terreiro de Umbanda Ø 9.
Santo Antônio desamarra Eu curo esse filho
O que está me amarrando Que aqui na cangira está
É filho da minha cangira
Ø 3. Oi tá, tá, tá, na cangira tá
Santo Antônio é filho de Pemba
São Benedito é do meu Congá Ø 10.
Manda e desmanda > Estrela do céu que estais a brilhar
Santo Antônio arrebenta mironga Retira deste filho este pobre véu.
Ø 4.
Santo Antônio de Pemba
Caminhou muitos anos
A procura da Umbanda
Ai, como caminhou, 3>
Santo Antônio de Pemba
A Umbanda encontrou 3>
Santo Antônio de Pemba
A Umbanda encontrou
Ø 5.
Quando Oxalá chama seus filhos pra Aruanda
Para prestar contas com Xangô
Filho de fé da terra se despede
Louvando a Deus e a banda em que trabalhou
Ø 6.
Teus caminhos estão abertos
Com Deus e Nossa Senhora
Oxalá te abençoe
Ogum te leve embora
Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 197
1.540 Pontos Cantados de Umbanda
Defumação Ø 3.
Ovelhas abnegadas
Ø 1. Do rebanho de Maria >
Defuma, defuma 5> Salve o Sete Encruzilhadas
São Jorge defuma seus filhos de fé Salve a Estrela da Guia
Salvai, salvai doce nome de Maria
Ø 2. A virgem da Piedade há de ser a nossa guia
Este terreiro está cheirando ervas
Este terreiro está cheirando e vai cheirar Ø 4.
É na fé de Ogum e Oxalá Olha essa estrada Ogum
Este terreiro vai descarregar Olha a porta Obaluaê
Abertura dos Trabalhos É oxalá quem manda
Santa Bárbara me valer
Ø 1.
Senhora da Piedade | Cruzamentos
A sua estrela é quem nos guia >
Sete Encruzilhadas em seu terreiro | Ø 1. CRUZAMENTO DO MÉDIUM
E Ogum em toda gira > Cruza, cruza, vamos cruzar >
Estes filhos neste Congá
Ø 2. Com licença de Oxalá
Vou abrir minha Aruanda | Com as forças de Mãe Yemanjá
Vou abrir meu Juremá >
Com a licença de mamãe Oxum | Cruza, cruza, já cruzei
E de nosso Pai Oxalá > Estes filhos dentro da Lei
Com licença de Oxalá
Ø 3. Com as forças de Mãe Yemanjá
Abrindo nossos trabalhos
Nós pedimos proteção Ø 2. CRUZAMENTO DO TERREIRO
A Deus Pai Todo-Poderoso Vamos cruzar este terreiro
E à Virgem da Conceição Vamos cruzar nosso congá
Vamos bater nossa cabeça
Pontos de Tronqueira Na fé de pai Oxalá
Ø 1.
Ogum é todo Malé Ø PONTO DE COROAÇÃO
Malé ô linha Nagô Ele é filho de Umbanda
Ogum é todo Malé Nos caminhos que vai
Malé ô linha ô > Tem a luz de Aruanda
Tem a força de Deus Pai
Ø 2. Salve filho de Umbanda
Cortai, cortai, cortou Salve Pai Oxalá
Cortai a mironga de um mal protetor Salve a tua coroa
Aonde eu laço não há embaraço Feita neste Congá
Cortai o laço de um braço de aço

198 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras


DIVERSOS
Batismo Ø PONTO DE CONFIRMAÇÃO
Foi na Umbanda
Ø 1. Que ele se encontrou
Flechas de fogo correm pelo vento Foi na Umbanda
E atravessam as águas do Jordão Que ele se firmou
Vem Cristo Oxalá
Receber mais um cristão Salve filho de Umbanda
Salve Pai Oxalá
Vem banhar com teu espírito Salve a tua coroa
Este filho de Umbanda Feita neste Congá
Vem firmar a sua coroa
E os senhores da luz de sua banda Encruza, encruza
Ele vai encruzar
Ø 2. Na linha de Umbanda
São João batizou Cristo Ele vai encruzar
Nas águas do rio Jordão
Na Umbanda eu te batizo Salve filho de Umbanda
Com a sua proteção Salve Pai Oxalá
Salve a tua coroa
Ø 3. Feita neste Congá
Dai pão a quem tem fome
Dai água a quem tem sede Ø CANTO DE AMALÁ
E por Jesus dai o nome Como é que pode meu irmão >
Aquele que dele descende Cinco pães e dois peixes
Alimentar a multidão
Ø 4. É a fé, a fé, a fé
Vem, vem, vem, A fé em Pai Oxalá
Oh, chama crística, vem Aceite no dia de hoje |
Vem, vem, vem, A nossa oferenda |
Ascender neste coração O nosso Amalá >

Ø AMACI
Aniversário A todos que olham, a todos que estão aqui
Um abraço dado de bom coração Muita atenção, hoje é noite de amaci
É mais que uma benção, um aperto de mão Filhos de fé, respeita o pano branco
Que Deus lhe guarde Babalaô preparou teu banho santo
Que Deus lhe ajude Filho de fé, respeita Pemba e Congá
Que Deus lhe dê felicidade e saúde Dentro de lei vem louvar teu Orixá
Saravá Orixá, tenho a cabeça lavada
Fiz meu batismo na Umbanda
Hei de honrar o meu guia

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 199


1.540 Pontos Cantados de Umbanda
Ø RECEBIMENTO DE GUIA Ø ANJO DA GUARDA
Receba esta guia meu filho (a) O anjo da guarda bendito sejais
Esta guia sou eu mesmo quem te dou Em nome de Deus seus filhos guardai
Vai livrar nas horas do sofrimento Anjo da guarda vem chegando
Nas horas de alegrias Todos os seus filhos ele vem saravando
Nas horas de tristeza e na dor
Ø SAUDAÇÃO A COSME E DAMIÃO
Ø BATE CABEÇA Brincando no jardim das rosas
Vou bater minha cabeça Cosme e Damião vem nos abençoar
Eu vou saldar o meu Orixá Louvando o nome de Oxum
Vou saudar todos os guias Louvando o nome de Yemanjá
Eu vou saudar meu pai Oxalá
Ø CRIANCERÊ
Ø SAUDAÇÃO AOS ORIXÁS Criança-erê, Criancerê
O Lu, o lu, o lu, o Luanda Pra receber uma graça
No terreiro de Umbanda Eu vou fazer numa praça
O Lu, o lu, o lu, o Luanda Uma homenagem a você Ê-erê
Ninguém teme demanda O que mais quer erê, erê quer o que
Saravá Pai Oxalá, Quero mais bala, vamos jogar bola
Saravá o Pai Xangô Acende uma vela, me leva pra escola
Saravá meu Pai Ogum E nunca na vida me deixe sozinho >
Que é nosso guia e protetor Queremos comida e muito carinho
Saravá todas as moças Brinquedo e bebida pra alegrar o nosso ninho
Começando por Nanã E nunca na vida nos deixem sozinhos >
Saravá dona Yemanjá, mamãe Oxum Nunca na vida nos deixe Painho Ê-erê
E mãe Iansã
Saravá seu Mata Virgem Ø SAUDAÇÃO A PAI/MÃE DE SANTO
Rei da mata verdadeiro Seja bem vindo Pai/Mãe de Santo
Saravá cabocla Jurema Mensageiro(a) de Oxalá
E o caboclo Boiadeiro Tua coroa ilumina
Revelando o caminho da fé
Saravá os Pretos Velhos Tua guia conta forças e magia |
Tia Conga de Aruanda Firmada com a cor do Orixá >
Saravá toda entidade O Terreiro do Pai Maneco
Que faz o que o mestre manda Está lhe saravando
Receba amigo(a) Pai/Mãe de Santo
Ø ANJO DA GUARDA Esta homenagem dos filhos de Akuan
Lá do céu desceu um anjo
Foi o Divino quem mandou
João Batista na floresta
Seus filhos ele salvou

200 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras


DIVERSOS
Ø SAUDAÇÃO A PAI/MÃE DE SANTO Ø SAUDAÇÃO AO PAI PEQUENO
Pai de santo Vamos saravá, nosso povo de Umbanda, saravá
Vamos saravar o Pai de Santo Saravá, Pai Joaquim, saravá
Que chegou neste congá Salve Seu Junco Verde, saravá
Ele é Babalaô, Babalaô de Orixá Vamos saravá nosso povo de Umbanda, saravá
Saravá, Pai Pequeno, saravá
Mãe de santo Salve Babalaô, saravá
Vamos saravar a Mãe de Santo
Que chegou neste congá Oxóssi...
Ela é Ialorixá, Ialorixá de Orixá Umbanda tem fundamento
Tem mironga e hierarquia
Ø HOMENAGEM A PAI DE SANTO Pai Pequeno firma pemba
Babalaô, que seu sono seja calmo Babalaô firma guia
Babalaô, que seus sonhos sejam lindos
Babalaô, Babalaô, nesta noite que se finda Vamos saravá, nosso povo de Umbanda, saravá
Babalaô, que a estrela D’Alva te ilumine Saravá, Pai Joaquim, saravá
Babalaô, Babalaô, Deus te guarde e te ilumine Salve Seu Junco Verde, saravá
Babalaô, Babalaô, amanhã é um novo dia Vamos saravá nosso povo de Umbanda, saravá
Babalaô, Babalaô Saravá, Pai Pequeno, saravá
Salve Babalaô, saravá
Ø XOROGÂ DA CASA
Vamos saravá o Xorogâ > Oxóssi...
Pai Xangô mandou, Preto Velho abençoar Seu terreiro está em festa
Têm um Xorogâ neste Congá Vamos todos festejar
Bate a cabeça pro Xorogâ Chama lá o Pai Pequeno
Filho de fé lhe pede a benção Para cuidar deste Congá
Chefe do batuque vai fazer vibrar
Pai Oxalá lhe deu licença E quem cuida dos meus filhos
Merece meu patuá 3>
Vamos saravá o Xorogâ >
É Oxalá, o Rei de nossa Umbanda
Vem abençoar o Xorogâ neste Congá
Vamos saravá o Xorogâ >
Pai Oxalá livra seu filho das demandas
Ele é Xorogâ neste terreiro de Umbanda
Vamos saravá o Xorogâ >
Foi Pai Xangô que fez um pedido a Oxalá
Pra ajudar o Xorogâ a Iluminar nosso congá

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 201


1.540 Pontos Cantados de Umbanda
Ø PONTO DE CASAMENTO Ø ABERTURA PARA A ESQUERDA
Tocam os sinos lá nas alturas Eu abro a nossa gira
Os Orixás estão em festa Com Deus e Nossa Senhora
Unindo duas criaturas Eu abro a nossa gira
Numa única missão Samdorê pemba de angola
Que Zambi lhes proteja
Oxalá lhes seja o Guia Zum zum zum olha lá Jesus quem é
Sua vida sempre seja Eu juro por Deus e as almas inimigo cai
Abençoada pela Virgem Maria Eu fico em pé nesta casa tem quatro canto
Cada canto tem um santo.
Quando se unirem na terra Onde mora o cálice bento
Unam-se também no céu E o divino Espírito Santo
Com a benção da Umbanda
E também de São Miguel Zum, zum zum olha lá Jesus quem é
Que Zambi lhes proteja Eu juro por Deus e as almas
Oxalá lhes seja o Guia Inimigo cai e eu fico em pé.
Sua vida sempre seja Dim, dim, dim lá vai viola
Abençoada pela Virgem Maria Dim, dim, dim vai violero
Sô condutor de bonde maquinista do trem
Cumpra-se, pois, o juramento O viola meu bem viola
Feito por Nosso Senhor
Crescei e multiplicai
Com muita Paz e Amor
Que Zambi lhes proteja
Oxalá lhes seja o Guia
Sua vida sempre seja
Abençoada pela Virgem Maria

Ø PONTOS DE LOUVAÇÃO DAS 7 LINHAS


Rei da demanda é Ogum Megê
Quem rola pedra é Xangô Kaô
Flecha de Oxóssi é certeira, é
É Oxalá é meu senhor o,o,o
Sete linhas de Umbanda
Sete linhas para vencer
Dentro da lei de Oxalá
Ninguém pode perecer
Tem Oxum na cachoeira
Yemanjá deusa do mar
Iansã pra defender
Pai Ogum pra demandar

202 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras


DIVERSOS
A Grande Luz Ø SALVE AS LINHAS DE UMBANDA
Saravá Oxalá Epa Babá
Existe até gente grande Saravá Xangô Kaô Kabecile
Com medo da escuridão Saravá Yemanjá Odoiá
Também existem pessoas Saravá Oxum Aieiê
Temendo uma explicação Saravá Oxóssi Okê
Oxóssi Orixá das matas Saravá Iansã Eparrei Oiá
É o mesmo São Sebastião | Saravá Ogum Patacorê Ogum yê
Yemanjá é a N. Sra. da Conceição > Saravá Nanã Saluba Nanã
A Igreja tem os seus santos Saravá a Linha do Oriente
A Umbanda os seus Orixás Saravá os Pretos Velhos Babaê
As duas se sincretizam Saravá as Crianças Salve Cosme e Damião
As duas pregam a paz Saravá os Marinheiros É pra Marinheiro
Saravá os Boiadeiros Getuá
O mesmo Deus numa igreja Saravá os Ciganos Salve Santa Sara
É Zambi Obatalá Saravá os Baianos É pra baiano
Apenas mudando o nome | Saravá os Exús Laroyê Exú
Jesus Cristo é Oxalá > Saravá as Pombas-Giras Laroyê Exú
Na bondade de Sant’Ana
Um bom umbandista crê
Na figura veneranda
Da mãe Nanã Buruquê
Mudando até no espaço
O laço que não se vê
Temos São Bartolomeu |
Orixá Oxumaré >
Se alguém que está me escutando
Ainda sente temor
Permita que lhe esclareça
Que a Umbanda é paz e amor
Amor que rejuvenesce
Essa força superior
É a grande luz que nos guia |
É o nosso criador >

Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 203


1.540 Pontos Cantados de Umbanda

204 Tenda Caboclo Sete Cachoeiras


Tenda Caboclo Sete Cachoeiras 205