Você está na página 1de 4

1. Atente nos seguintes atos de fala proferidos por D. Madalena.

1.1. Classifique-os quanto à sua força ilocutória.

Atos de fala Classificação


a. “Viveu-se, pode-se morrer.” (ll.20-21, cena I, ato I)

b. “Oh! Que o não saiba ele ao menos” (ll.21-22, cena I,


ato I)
c. “Ouve, espera; uma só, uma palavra, Manuel de
Sousa!” (l.49, cena IX, ato III)
d. “Cruz do meu Redentor, ó cruz preciosa, refúgio de
infelizes, ampara-me tu” (ll.52-53, cana IX, ato III)
e. “E agora, que mais quereis de mim, Senhor?” (l.56,
cena IX, ato III)
f. “E eu vou.” (l.61, cena IX, ato III)

2. Releia o excerto: “Oh! Que o não saiba ele ao menos, que não suspeite o estado em que
vivo…este medo, estes contínuos terrores que ainda me não deixaram gozar um só
momento de toda a imensa felicidade que me dava o seu amor.” (ll21-25, cena I, ato I)

2.1 Indique o referente do pronome “o” presente na oração “que o não saiba ele ao
menos”.

2.2. Explique o processo de coesão referencial aqui presente.

2.3. Classifique as orações sublinhadas.

2.3.1. Identifique os tempos em que se encontram as formas verbais dessas orações.


2.4. Explique por que motivo a forma verbal “deixaram gozar” se
encontra no plural.

2.5. Indique a função sintática de “o seu amor”.

Atenta na cena VIII do ato I

1. A cena começa e acaba com falas de Manuel de Sousa que contêm formas verbais
com valor de futuro.
1.1. Retire do excerto essas formas verbais.

1.2. Refira o seu valor aspetual.

1.3. Explicite a sua função relativamente à caracterização de Manuel de Sousa.

2. Atente no seguinte quadro.


2.1. Sublinhe as orações subordinadas.
2.2. Agrupe-as de acordo com a sua classificação.

Orações
a. “nunca soube que coisa era ter outra vontade diferente da tua” (ll.76-77)
b. “Eu não tenho ciúmes de um passado que me não pertencia” (ll.90-91)
c. “Sei decerto que vou ser infeliz” (l.102)
d. “nunca pensei que tivesses a franqueza de acreditar em agouros.” (ll.107-
108)
e. “e não me tires, querida mulher (…), a tranquilidade do espírito e a força
do coração, que as preciso inteiras nesta hora.” (ll.116-117)
f. Vou dar um exemplo a este povo que os há de alumiar…”(l.121)
Orações subordinadas adjetivas
relativas:__________________

Orações subordinadas substantivas


completivas:____________

Orações subordinadas adverbiais


causais:_________________

3.

a. Na oração “e que é preciso sair desta casa, senhora.” (l.76), o termo “senhora”
desempenha a função sintática de vocativo.
b. Em “E o presente, esse é meu, meu só, todo meu” (ll. 91-92), as palavras
sublinhadas são pronomes possessivos.
c. Em “E o presente, esse é meu” (L.91), o pronome “esse” assegura a coesão
referencial.
d. A frase “é preciso partir” (l.92) corresponde a um ato ilocutório
compromissivo.
e. Na frase “em tudo o mais sou mulher” (l.94), o nome desempenha a função
sintática de modificador apositivo.
f. A frase “vou dar uma lição (l.120) constitui um ato ilocutório diretivo.
4. Lê os seguintes enunciados:

A- “(…) eu nunca me opus ao teu querer, nunca soube que


coisa era ter outra vontade diferente da tua; estou pronta a
obedecer-te (…)” (ll.76-78)

B- “Viveste ali com ele?” (l.90)

4.1. Sublinhe, nos enunciados A. e B., as palavras que apresentam valor deítico.

4.1.1 De entre as palavras assinaladas na questão anterior, indique as que


correspondem a deíticos espaciais.

4.1.2. Destaque também as palavras que correspondem a pronomes e/ou


determinantes que assinalam a deixis pessoal.

4.2. Aponte os sinónimos presentes no enunciado A.

4.2.1 Refira a classe de palavras a que pertencem.

4.2.2 Identifique o processo de formação que deu origem ao primeiro vocábulo.

4.3. Reescreva a primeira oração do enunciado A na forma afirmativa e coloque a forma


verbal no futuro do indicativo, fazendo as transformações necessárias.