Você está na página 1de 17

CENTRO UNIVERSITÁRIO ADVENTISTA DE SÃO PAULO

CAMPUS ENGENHEIRO COELHO


CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

MEMORIAL DE CÁLCULO DO PROJETO DE IPHS II

ENGENHEIRO COELHO
2019
CENTRO UNIVERSITÁRIO ADVENTISTA DE SÃO PAULO
CAMPUS ENGENHEIRO COELHO
CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

MEMORIAL DE CÁLCULO DO PROJETO DE IPHS II

Relatório descritivo e de cálculo


do projeto Hidráulico de um
sobrado, destinado a avaliação da
disciplina de Instalações Prediais
hidráulico-sanitárias 2 do curso de
Engenharia Civil, sob orientação
do prof. Paulo Stehling
ENGENHEIRO COELHO
2019
1. APRESENTAÇÃO
O presente memorial de cálculo refere-se ao Projeto Hidráulico que
contempla os detalhamentos das instalações de água fria e quente, de um
sobrado, esse imóvel possui 6 cômodos alimentados com água fria e quente,
essa edificação foi projetada visando atender as necessidades de seus
habitantes por um período de um dia, caso falte suprimento da concessionária.
A alimentação da água potável à edificação será feita pela concessionária
local, até o hidrômetro a ser instalado, com nicho próprio junto ao alinhamento
predial, do qual será ligada ao reservatório superior. Do reservatório superior
partirá as tubulações por gravidade que alimentará todos os ambientes.
Será utilizado um reservatório de 750L de polietileno, na entrada do
reservatório haverá uma torneira boia de modo a garantir o volume.

2. MEMORIAL DE CÁLCULO

2.1 Dimensionamento dos tubos de água fria para cada aparelho


Para os cálculos dos dimensionamentos dos ramais foi utilizada a
planilha eletrônica produzidas pelos alunos do grupo, também fizemos uso da
rotina de cálculo passo a passo, com o intuito de comprovar os resultados da
planilha eletrônica, após a rotina de cálculo constatou-se que os resultados
obtidos através da planilha eletrônica coincidiram com as respostas feitas
mediante o cálculo manual. Decorrente a essas verificações determinou-se
que os demais cálculos seriam obtidos por meio da planilha eletrônica.
Os parâmetros iniciais de dimensionamento da residência levam em
conta a quantidade de moradores da mesma. Prevendo pelo menos 1 dia de
reserva foi determinada através da equação a seguir o volume necessário a ser
reservado para uso de 4 pessoas.

● Cálculo do Consumo Diário


População x Consumo Individual
⮚ Edifício particular = 4 / pessoa
CD = 4 pessoas x 150 L / pessoa
CD = 600 L / dia

● O diâmetro adotado para o alimentador será de∅ 32mm.


● Cálculo do Consumo Total
CT = 600 L x 1 dias = 600L

● Capacidade do reservatório

VOLUME = 750LTS PARA O RESERVATÓRIO

Esse valor de consumo foi adotado através da Tabela fornecida por


Carvalho Junior em seu livro, Instalações hidráulicas e o projeto de arquitetura,
conforme Figura 1 a seguir.

Figura 1: Consumo per capita, segunda a norma.

Fonte: CREDER, 2003.

Com o valor diário de 600 litros de consumo para esta residência, foi
adotado um reservatório com capacidade de 750 L, visando uma reserva 1 dia,
extrapolando o necessário que seria uso de um reservatório de água de 600L
para a quantidade de habitantes estipulada, ao todo a residência possui dois
banheiros, um lavabo, uma cozinha e uma lavanderia que correspondem
cômodos com área molhada, as quantidades de aparelhos de todos os
cômodos estão a seguir detalhadas na Tabela 1.

Tabela 1: Quantidades de aparelhos.


Aparelho Sanitário Quantidade
Bacia Sanitária 3
Ducha Higiênica 3
Lavatório 3
Chuveiro 2
Pia da Cozinha 1
Banheira 1
Máquina de Lavar Roupas 1
Tanque 1

Lista de Materiais usados no dimensionamento de água fria estão a


seguir detalhadas na Tabela 2:
Tabela 2: Unidades de aparelhos
REDUÇÕES
TUBULAÇÃO DN (mm) JOELHO REG. REG. ENTRADA ADAP. LUVA

DN (mm) Metros 32 40 50 90° GAV. PRESSÃO BORDA REGISTRO REG. P
25 22,08 2 4 - 19 2 5 2 - 12 2
32 19,25 - 1 - 2 1 1 - - 2 -
40 7,4 - - - 1 4 1 - 1 2 -

Os critérios para garantir a pressão de chegada nos ramais desejados


são determinadas pelas distancias, alturas e aparelhos que geram perda de
carga no barrilete. Segue os resultados obtidos pela planilha de cálculo com a
pressão mínima de > 0,5 m.c.a.

Tabela 3 - Cálculo de Vazão

Dado pela fórmula: 𝑄𝑑 = 0,3 × √∑ 𝐶𝐴𝐹


Trechos Qd
Nó i Nó f l/s
1 2 0,753
2 3 0,657
2 13 0,402
3 4 0,391
3 5 0,502
5 6 0,355
5 11 0,355
6 7 0,315
7 8 0,190
7 10 0,251
8 9 0,095
11 12 0,190
13 14 0,251
13 18 0,315
14 15 0,164
14 16 0,190
16 17 0,095
18 19 0,164
18 20 0,268
20 21 0,212
21 22 0,190
Tabela 3 -– Cálculo do Diâmetro Interno Di [m]
Para cada trecho determina-se o diâmetro interno da tubulação Di [m]
para esse cálculo será usado a fórmula dada pelo Professor Ítalo R. dado
pela fórmula
1
𝐷𝑖 = 32 × 𝑄𝑑 2,5
DI
Trechos Qd Teórico DI Sugerido DN Sugerido DN Adotado DI Adotado
Nó i Nó f l/s mm mm mm mm mm
1 2 0,753 28,57 35,20 40 40 35,2
2 3 0,657 27,05 27,80 32 40 35,2
2 13 0,402 22,24 27,80 32 40 35,2
3 4 0,391 21,98 27,80 32 32 27,8
3 5 0,502 24,29 27,80 32 40 35,2
5 6 0,355 21,15 21,60 25 25 21,6
5 11 0,355 21,15 21,60 25 25 21,6
6 7 0,315 20,15 21,60 25 25 21,6
7 8 0,190 16,46 17,00 20 25 21,6
7 10 0,251 18,41 21,60 25 32 27,8
8 9 0,095 12,47 17,00 20 32 27,8
11 12 0,190 16,46 17,00 20 32 27,8
13 14 0,251 18,41 21,60 25 25 21,6
13 18 0,315 20,15 21,60 25 25 21,6
14 15 0,164 15,54 17,00 20 25 21,6
14 16 0,190 16,46 17,00 20 25 21,6
16 17 0,095 12,47 17,00 20 25 21,6
18 19 0,164 15,54 17,00 20 25 21,6
18 20 0,268 18,91 21,60 25 25 21,6
20 21 0,212 17,21 21,60 25 25 21,6
21 22 0,190 16,46 17,00 20 25 21,6

Tabela 4 – Cálculo da perda de Carga Unitária


Para cada trecho determina-se a perda carga, que e dada pela fórmula:
𝑄1,751313
𝐽 = 880087,003 × 4,753065
𝐷𝑖

Trechos Qd DI Adotado J
Nó i Nó f l/s mm m/m
1 2 0,753 35,2 2,387
2 3 0,657 35,2 1,882
2 13 0,402 35,2 0,797
3 4 0,391 27,8 2,328
3 5 0,502 35,2 1,174
5 6 0,355 21,6 6,516
5 11 0,355 21,6 6,516
6 7 0,315 21,6 5,276
7 8 0,190 21,6 2,176
7 10 0,251 27,8 1,070
8 9 0,095 27,8 0,195
11 12 0,190 27,8 0,656
13 14 0,251 21,6 3,552
13 18 0,315 21,6 5,276
14 15 0,164 21,6 1,691
14 16 0,190 21,6 2,176
16 17 0,095 21,6 0,646
18 19 0,164 21,6 1,691
18 20 0,268 21,6 3,992
20 21 0,212 21,6 2,645
21 22 0,190 21,6 2,176
Tabela 5 – Cálculo do Comprimento Virtual
Para cada trecho determina-se o comprimento virtual, que e dada pela
fórmula: 𝐿𝑣 = 𝐿𝑟 + 𝐿𝑒𝑞 (𝑚)

Trechos Leq Lreal Lvirtual


Nó i Nó f m m m
1 2 1,95 4,822 6,7724
2 3 1,1 5,139 6,2392
2 13 1,6 5,139 6,7392
3 4 8,7 5,393 14,0932
3 5 2,75 5,139 7,8892
5 6 3,96 8,035 11,9952
5 11 2,9 7,344 10,244
6 7 0,45 0,972 1,422
7 8 0,35 4,964 5,314
7 10 4,15 10,119 14,2692
8 9 0,4 3,169 3,5692
11 12 2,65 24,714 27,3642
13 14 5,4 9,526 14,9256
13 18 3,42 4,190 7,6104
14 15 0,4 4,644 5,044
14 16 0,55 5,616 6,166
16 17 0,4 1,938 2,338
18 19 0,45 3,655 4,105
18 20 0,75 4,126 4,8756
20 21 0,4 4,126 4,5256
21 22 2,65 19,894 22,5436
Tabela 6 – Cálculo da perda de Carga a Jusante
Para cada trecho determina-se a carga jusante, que e dada pela fórmula:
∆𝐻 = 𝐽 × 𝐿𝑣 (𝑚)

Trechos J Lvirtual ∆H
Nó i Nó f m/m m m.c.a.
1 2 2,387 6,7724 0,162
2 3 1,882 6,2392 0,117
2 13 0,797 6,7392 0,054
3 4 2,328 14,0932 0,328
3 5 1,174 7,8892 0,093
5 6 6,516 11,9952 0,782
5 11 6,516 10,244 0,668
6 7 5,276 1,422 0,075
7 8 2,176 5,314 0,116
7 10 1,070 14,2692 0,153
8 9 0,195 3,5692 0,007
11 12 0,656 27,3642 0,179
13 14 3,552 14,9256 0,530
13 18 5,276 7,6104 0,402
14 15 1,691 5,044 0,085
14 16 2,176 6,166 0,134
16 17 0,646 2,338 0,015
18 19 1,691 4,105 0,069
18 20 3,992 4,8756 0,195
20 21 2,645 4,5256 0,120
21 22 2,176 22,5436 0,490
Tabela 7 – Pressão dinâmica no ponto a jusante e montante
Para cada trecho determina-se a pressão da jusante e montante, que
é dada pela fórmula:

𝑃 𝑃
𝑌𝑗
= 𝑌𝑚 ± 𝑑𝑒𝑠𝑛í𝑣𝑒𝑙 𝑙𝑜𝑐𝑎𝑙 − ∆𝐻

Trechos ∆H Desnível PDm PDj


Nó i Nó f m.c.a. ± m.c.a. m.c.a.
1 2 0,162 1,25 0,7 1,79
2 3 0,117 0 1,79 1,67
2 13 0,054 0 1,79 1,73
3 4 0,328 4,35 1,67 5,69
3 5 0,093 0 1,67 1,58
5 6 0,782 1,9 1,58 2,70
5 11 0,668 2,4 1,58 3,31
6 7 0,075 0,45 2,70 3,07
7 8 0,116 0 3,07 2,96
7 10 0,153 2,2 3,07 5,12
8 9 0,007 0 2,96 2,95
11 12 0,179 -1,7 3,31 1,43
13 14 0,530 5,1 1,73 6,30
13 18 0,402 2,35 1,73 3,68
14 15 0,085 -0,4 6,30 5,82
14 16 0,134 0 6,30 6,17
16 17 0,015 0 6,17 6,16
18 19 0,069 -0,45 3,68 3,16
18 20 0,195 0 3,68 3,49
20 21 0,120 0 3,49 3,37
21 22 0,490 -1,7 3,37 1,18
Tabela 8 – Cálculo da Velocidade de Projeto
Para cada trecho determina-se a velocidade de projeto, que e dada pela
fórmula
𝑄𝑑 𝑚
𝑉𝑑 = 1273,2395 × 2 ( )
𝐷𝑖 𝑠

Trechos Qd DI Adotado V
Nó i Nó f l/s mm m/s
1 2 0,753 35,2 0,77
2 3 0,657 35,2 0,68
2 13 0,402 35,2 0,41
3 4 0,391 27,8 0,64
3 5 0,502 35,2 0,52
5 6 0,355 21,6 0,97
5 11 0,355 21,6 0,97
6 7 0,315 21,6 0,86
7 8 0,190 21,6 0,52
7 10 0,251 27,8 0,41
8 9 0,095 27,8 0,16
11 12 0,190 27,8 0,31
13 14 0,251 21,6 0,68
13 18 0,315 21,6 0,86
14 15 0,164 21,6 0,45
14 16 0,190 21,6 0,52
16 17 0,095 21,6 0,26
18 19 0,164 21,6 0,45
18 20 0,268 21,6 0,73
20 21 0,212 21,6 0,58
21 22 0,190 21,6 0,52

2.2 Dimensionamento dos tubos de Água Quente


Para água quente o sistema utilizado foi aquecimento por meio de placas
solares, e o barrilete dimensionado adotando o material resistente a
temperaturas mais elevadas, neste caso o AQUATHERM.
Vale lembrar que durante a execução a tubulação de AQUATHERM, e é
aquecida conduz calor sendo assim o ideal é que seja protegida por um tubo
isolante térmico esponjoso.
Os chuveiros deverão ser instalados a uma altura adotada de 2,10 m nível
do piso caso esta determinação seja desconsiderada a pressão no aparelho
poderá ser menor ou maior do que o projetado, também seus respectivos
registros de água quente e fria a uma altura de 1,20m. Os lavatórios ficam a
uma altura de 80cm do chão.
Esse imóvel possui 5 cômodos alimentados com Água Quente, sendo, dois
banheiros e um lavabo, essa edificação foi projetada visando atender as
necessidades de seus habitantes por um período de 01(um) dia, caso falte
suprimento da concessionária.

Tabela 9: Unidades de aparelhos abastecido com Água Quente


Aparelho Sanitário Quantidade
Lavatório 3
Chuveiro 2
Pia da Cozinha 2
Banheira 1
Tanque 1

De acordo com a NBR 15.569 não é recomendado a alimentação de


duchas higiênicas com Água Quente. O uso da ducha higiênica poderá causar
misturas indesejáveis nas redes hidráulicas de Água Quente e Água Fria.
Recomenda se um fator de utilização de área das banheiras seja considerado
no dimensionamento caso ela efetivamente seja usada todos os dias, o fator
deve ser 100%. Caso contrário, pode se utilizar um fator de utilização menor e
acionar o aquecimento complementar nos dias de uso efetivo.
Foi usado para dimensionamento do boiler o consumo médio registrado
na NBR15569 ilustrado na Figura 2 logo abaixo:

Figura 2: Tabela de consumo médio segundo a NBR 15.569.

Fonte: NBR 15.569.


Com esses dados foram calculados a vazão de cada aparelho e qual
seria a reserva de Água quente de um dia, conforme ilustrado na Figura 3 na
próxima página:

Figura 3: Cálculo do Boiler (reservatório de Água Quente).

Fonte: Autores, 2019.

Por recomendação do fabricante SOLETROL, fabricante de sistema de


aquecimento solar, a cada 100L deverá ter 1 m² de área coletora (placas
solares), logo recomenda se 5 m², ou 5 placas solares de 1x 1 m.
1º Passo: Calcular trecho a trecho a vazão de projeto hipotética, “Qd”,
podendo ser:
A NBR 15.569 que prescreve as recomendações de projeto e cálculo
para as tubulações prediais de Água Quente, cita para o cálculo da vazão de
projeto de uso não simultâneo.
Qd = 0,3 (∑ pesos dos aparelhos)1/2

Tabela 10 - Cálculo de Vazão para Água Quente

Dado pela formula: 𝑄𝑑 = 0,3 × √∑ 𝐶𝐴𝐹

Trechos Qd
Nó i Nó f l/s
1 2 0,5848
2 3 0,4648
2 8 0,3000
3 4 0,3000
3 6 0,3550
4 5 0,2510
6 7 0,1897
8 9 0,1643
8 10 0,2510
10 11 0,1897

2 º Passo: Para cada trecho determina-se o diâmetro interno da


tubulação Di [m]
Para esse cálculo será usado a formula dada pelo Professor Ítalo R.
1
Di ≅ 32×Qd 2,5

Tabela 11 -– Cálculo do Diâmetro Interno Di [m], para Água Quente


Trechos Qd DI Teórico DI Sugerido DN Sugerido DN Adotado DI Adotado
Nó i Nó f l/s mm mm mm mm mm
1 2 0,5848 25,82 28,50 35 35 28,5
2 3 0,4648 23,55 28,50 35 35 28,5
2 8 0,3000 19,77 23,40 28 28 23,4
3 4 0,3000 19,77 23,40 28 28 23,4
3 6 0,3550 21,15 23,40 28 35 28,5
4 5 0,2510 18,41 23,40 28 28 23,4
6 7 0,1897 16,46 18,00 22 28 23,4
8 9 0,1643 15,54 18,00 22 22 18
8 10 0,2510 18,41 23,40 28 28 23,4
10 11 0,1897 16,46 18,00 22 22 18

Tabela 12 – Cálculo da perda de Carga Unitária para Água Quente

3º Passo: Calcular a perda de carga unitária, conforme equação


empírica de F.W.H. recomendado pela NBR 5626.
Para cada trecho determina-se a perda carga, que e dada pela formula

𝑄 1,751313
𝐽 = 709021,918652 × 𝐷𝑖 4,753065

Trechos Qd DI Adotado J
Nó i Nó f l/s mm m/m
1 2 0,5848 28,5 3,370
2 3 0,4648 28,5 2,254
2 8 0,3000 23,4 2,673
3 4 0,3000 23,4 2,673
3 6 0,3550 28,5 1,406
4 5 0,2510 23,4 1,956
6 7 0,1897 23,4 1,198
8 9 0,1643 18 3,240
8 10 0,2510 23,4 1,956
10 11 0,1897 18 4,168

Tabela 13 – Cálculo do Comprimento Virtual para Água Quente

4º Passo: Calcular o comprimento virtual “Lv”.

𝐿𝑣 = 𝐿𝑟 + 𝐿𝑒𝑞

Da qual...
Lv = comprimento virtual [m];
Lr = comprimento real no projeto [m];
Leq = comprimento equivalente devido às conexões e válvulas [m].

Trechos Leq Lreal Lvirtual


Nó i Nó f m m m
1 2 1,3 3,905 5,205
2 3 1,94 4,161 6,101
2 8 2,86 2,668 5,528
3 4 4,3 5,288 9,588
3 6 4,41 7,956 12,366
4 5 4,54 6,154 10,694
6 7 0,88 2,052 2,932
8 9 4,89 3,870 8,76
8 10 2,7 6,084 8,784
10 11 2,66 2,052 4,712

Tabela 14 – Cálculo da perda de Carga a Jusante

5º Passo: Para cada trecho determina-se a perda de carga localizada a


jusante, que e dada pela formula:
∆𝐻 = 𝐽 × 𝐿𝑣 (𝑚)
Lv = comprimento virtual [m];
∆H = perda de carga localizada a jusante do trecho em estudo [m] ou
[mca].
J = perda de carga unitária [m/m].

Trechos J Lvirtual ∆H
Nó i Nó f m/m m mca
1 2 3,370 5,205 0,175
2 3 2,254 6,101 0,138
2 8 2,673 5,528 0,148
3 4 2,673 9,588 0,256
3 6 1,406 12,366 0,174
4 5 1,956 10,694 0,209
6 7 1,198 2,932 0,035
8 9 3,240 8,76 0,284
8 10 1,956 8,784 0,172
10 11 4,168 4,712 0,196

Tabela 15 – Pressão dinâmica no ponto a jusante e montante Água Quente

Para cada trecho determina-se a pressão da jusante e montante, que é


dada pela formula:

𝑃 𝑃
𝑌𝑗
= 𝑌𝑚 ± 𝑑𝑒𝑠𝑛í𝑣𝑒𝑙 𝑙𝑜𝑐𝑎𝑙 − ∆𝐻

Trechos ∆H Desnível PDm PDj


Nó i Nó f mca ± mca mca
1 2 0,175 0,65 0,7 1,17
2 3 0,138 0 1,17 1,04
2 8 0,148 0 1,17 1,03
3 4 0,256 1,87 1,04 2,65
3 6 0,174 2,36 1,04 3,22
4 5 0,209 2,7 2,65 5,14
6 7 0,035 0 3,22 3,19
8 9 0,284 4,65 1,03 5,39
8 10 0,172 1,87 1,03 2,73
10 11 0,196 0,48 2,73 3,01

Tabela 16 – Cálculo da Velocidade de Projeto Água Quente

Para cada trecho determina-se a velocidade de projeto, que e dada pela


formula
𝑄𝑑 𝑚
𝑉𝑑 = 1273,2395 × 2 ( )
𝐷𝑖 𝑠

Da qual...
Qd = vazão do projeto [l/s].
Dia = diâmetro interno adotado [mm].
Trechos Qd DI Adotado V
OBS
Nó i Nó f l/s mm m/s
1 2 0,5848 28,5 0,92 Ok
2 3 0,4648 28,5 0,73 Ok
2 8 0,3000 23,4 0,70 Ok
3 4 0,3000 23,4 0,70 Ok
3 6 0,3550 28,5 0,56 Ok
4 5 0,2510 23,4 0,58 Ok
6 7 0,1897 23,4 0,44 Ok
8 9 0,1643 18 0,65 Ok
8 10 0,2510 23,4 0,58 Ok
10 11 0,1897 18 0,75 Ok