Você está na página 1de 4

TRANSTORNOS DA ALIMENTACAO sentimento de bem estar depois de comerem, entretanto para as mulheres com anorexia, o não

comer é que desencadeia a melhora do humor e do bem estar.


Histórico Classificações
Entre os séculos XVII e XIX, a Anorexia Nervosa era denominada Anorexia Histérica, Apepsia
Existe um número diversificado de transtornos alimentares dependendo da fonte. Os mais
Histérica e Compunção Nervosa, possuindo diferentes descrições científicas. Naquele período,
conhecidos são a anorexia e a bulimia, porém existem vários outros segundo as pesquisas:
considerava-se a Anorexia Nervosa como um transtorno que acometia exclusivamente as
mulheres. Em 1939 estabeleceu-se o diagnóstico diferencial entre a Caquexia Hipofisária (uma
doença de causa orgânica, na qual puérperas sofriam uma perda de peso severa e acabavam  Anorexia
morrendo) e a Anorexia Nervosa.  Bulimia
O aumento da incidência dos Transtornos Alimentares na população feminina está intimamente  Hipergafia
relacionado às mudanças nos padrões de beleza e às exigências sociais. Assim, atualmente  Ortorexia
evidencia-se uma cultura do emagrecimento, na qual para obter êxito e aceitação social, o  Pica
indivíduo (principalmente as mulheres) deve estar dentro deste padrão estético imposto pela  Síndrome de Prader-Willi
sociedade.  Transtorno da compulsão alimentar periódica (TCAP)
 Transtorno obsessivo compulsivo por alimentos
O que são Transtornos Alimentares?  Transtorno de ruminação
Os Transtornos Alimentares são caracterizados por perturbações no comportamento alimentar,  Vigorexia
podendo levar ao emagrecimento extremo (caquexia - devido à inadequada redução da  Transtorno alimentar não especificado.
alimentação), à obesidade (devido à ingestão de grandes quantidades de comida), ou outros
problemas físicos. Os principais tipos de Transtorno Alimentar são a Anorexia Nervosa e a Devido às idiossincrasias da adolescência, mostram as estatísticas que essas disfunções
Bulimia Nervosa, e ambos têm como características comuns: uma intensa preocupação como o alimentares são mais freqüentes nessa faixa etária, quase sempre associadas a algum quadro
peso e o medo excessivo de engordar, uma percepção distorcida da forma corporal, e a auto- de disfunção emocional, na dinâmica da família, da escola, do trabalho e outras áreas
avaliação baseada no peso e na forma física. importantes da vida social. Contudo, outras faixas etárias também mostram incidência dessa
Alguns autores caracterizam os Transtornos Alimentares como síndromes ligadas à cultura de disfunção alimentar, inclusive bebês.
determinadas sociedades. O que evidencia esta hipótese é o fato de que a Anorexia e a Bulimia
têm uma prevalência maior entre mulheres jovens de países ocidentais, principalmente as que
INFORMACOES
pertencem às camadas sociais mais privilegiadas.
A ingestão de alimentos é controlada por muitos fatores incluindo o apetite, a disponibilidade de
alimentos, práticas familiares e dos amigos, tentativas de controle voluntário, além de aspectos
Quais são as causas?
culturais.
A etiologia dos Transtornos Alimentares está associada principalmente aos aspecto sócio-
Fazer dieta até um peso corporal mais baixo do que o necessário para a saúde tem sido
cultural, embora não se deva descartar os fatores biológicos, psicológicos e familiares.
comportamento incentivado pelas tendências da moda atual, pelas campanhas de venda de
A pressão cultural por manter-se magro, seja apenas para atender à um padrão estético, ou pela
alimentos especiais e também pode estar relacionado a algumas atividades e profissões.
exigência de certas profissões (moda, esportes), aliada à presença de uma baixa auto-estima,
 Os transtornos da alimentação envolvem distúrbios graves no comportamento alimentar do
tornam o indivíduo mais propenso à desenvolver um quadro de Anorexia ou Bulimia.
tipo redução extrema e pouco saudável na ingestão de alimentos – ou, ao contrário, uma
Quanto aos aspectos biológicos, sabe-se que o neurotransmissor chamado serotonina pode
ingestão excessiva, associados a sentimentos de angústia ou preocupação extrema com a
afetar o apetite, bem como o humor e o controle dos impulsos no indivíduo. Algumas pesquisas
forma do corpo ou com o peso corporal
buscam investigar como os Transtornos Alimentares podem alterar os níveis de serotonina no
 Estudos sobre a base biológica do controle do apetite e sua alteração pela ingestão ou recusa
cérebro, e também a maneira que o sistema nervoso projeta informações para o corpo sobre a
excessiva de alimento revelam uma complexidade enorme, embora tenham, a longo prazo,
fome e a saciedade. Por exemplo, a maioria das mulheres apresenta melhora do humor e do
o potencial de promover o desenvolvimento de novos tratamentos farmacológicos para os
transtornos da alimentação.
 Os transtornos da alimentação se evidenciam com freqüência durante a adolescência ou na As causas de morte mais comuns são complicações do transtorno: parada cardíaca ou distúrbios
idade adulta jovem, embora alguns estudos indiquem que seu início pode ocorrer durante a do equilíbrio eletrolítico. Também pode haver suicídio
infância ou mais tardiamente na idade adulta.
 Os transtornos da alimentação freqüentemente ocorrem concomitantemente a outros Bulimia
transtornos psiquiátricos, como depressão, abuso de drogas e transtornos ansiosos. Além Estima-se que de 1,1% a 4,2% das mulheres apresentem bulimia em sua vida. Os sintomas
disso, as pessoas que são portadoras de transtornos da alimentação podem ter uma grande incluem:
variedade de complicações da saúde física, incluindo problemas cardíacos graves e 1) Episódios recorrentes de consumo exagerado e compulsivo de alimento, isto é, ingestão
insuficiência renal. Ambas podem levar à morte. O reconhecimento dos transtornos excessiva de alimentos num determinado período acompanhado por uma sensação de falta de
alimentares como doenças reais e passíveis de tratamento é criticamente importante. controle sobre a ingestão durante o episódio
 As mulheres têm muito maior propensão que os homens para apresentar um transtorno da 2) Comportamento compensatório inadequado, recorrente, para impedir o ganho de peso, como
alimentação. Apenas entre 5 e 15% das pessoas com anorexia ou bulimia (e uma proporção vômitos auto-induzidos ou uso incorreto de laxantes, diuréticos, enemas ou outras medicações
estimada em 35% daquelas com transtorno da compulsão alimentar periódica é do sexo (purgação), jejum, ou exercícios excessivos
masculino. 3) A ingestão excessiva e os comportamentos compensatórios inadequados ocorrem, em média,
pelo menos duas vezes por semana por 3 meses
Anorexia Nervosa 4) A auto-avaliação é extraordinariamente influenciada pela forma e pelo peso do corpo.
1. Estima-se que 0,5 a 3,7% das mulheres apresentem anorexia nervosa durante a vida. os Como a purgação e os outros comportamentos compensatórios se seguem aos episódios de
sintomas incluem: compulsão (binge), as pessoas com bulimia geralmente mantêm o peso dentro dos limites
Resistência a manter o peso corporal no que se considera minimamente normal para a idade e normais para sua idade e altura. Entretanto, da mesma maneira que os indivíduos com anorexia,
altura ou acima disso; elas podem temer ganhar peso, desejar perder peso e se sentir extremamente insatisfeitas com
2. Medo intenso de ganhar peso ou ficar gorda, ainda que esteja abaixo do peso seu corpo.
3. Alteração da maneira pela qual se vivencia o peso ou a forma do próprio corpo ou negação da Pacientes com bulimia freqüentemente executam os comportamentos às escondidas, sentindo-
gravidade do baixo peso corporal atual se enojadas e envergonhadas ao comerem em excesso embora aliviadas ao efetuarem a
4. Menstruações pouco freqüentes ou ausentes (em mulheres que já chegaram à puberdade). purgação
As pessoas com esse transtorno se vêem como se estivessem com excesso de peso, ainda que
estejam perigosamente magras. O processo de rejeitar alimento se torna uma obsessão. Transtorno da Compulsão Alimentar Periodica
Formam-se hábitos fora do comum, como evitar alimentos e refeições, escolher alguns alimentos Estudos em comunidades indicam que entre 2% e 5% dos norte-americanos apresentam um
e ingeri-los em quantidades pequenas ou pesar e dividir cuidadosamente os alimentos. As transtorno de compulsão alimentar. Eles executam verdadeiras farras (binges), ou seja, excessos
pessoas com anorexia podem verificar repetidamente seu peso corporal e muitas recorrem a alimentares agudos num período de 6 meses. Os sintomas incluem:
outras técnicas para controlar seu peso, como exercícios intensos e compulsivos ou purgação
por meio de vômitos ou abuso de laxantes, enemas e diuréticos. As mulheres portadoras de a) Episódios recorrentes de alimentação compulsiva, caracterizados pela ingestão de uma
anorexia apresentam, com freqüência, um atraso no aparecimento de seu primeiro período quantidade excessiva de alimentos num determinado período e por uma sensação de falta de
menstrual. controle sobre a ingestão desses alimentos durante o episódio;
A evolução e o resultado final da anorexia nervosa variam entre os indivíduos: alguns se b) Os episódios de compulsão alimentar se associam a pelo menos 3 das seguintes situações:
recuperam completamente após um único episódio; outros apresentam um padrão flutuante de comer muito mais rapidamente que o normal; comer até se sentir desconfortavelmente cheio;
ganho de peso e recidiva; outros apresentam uma evolução da doença deteriorante e crônica – comer uma grande quantidade de alimento sem estar fisicamente com fome; comer sozinho por
por muitos anos. ficar constrangido com o quanto ingere; e sentir nojo de si mesmo, depressão ou muita culpa
A mortalidade entre as pessoas com anorexia foi estimada como sendo de 0,56% por ano, ou após comer em excesso;
aproximadamente 5,6% por década, taxa que é cerca de 12 vezes mais alta que a mortalidade c) Angústia acentuada devido ao comportamento de alimentar-se excessivamente
anual devida a todas as causas de morte em mulheres de 15-24 anos na população geral. (compulsivamente);
d) A compulsão ocorre, em média, pelo menos 2 dias por semana por 6 meses
e) Os excessos não se associam à prática de comportamentos compensatórios inadequados (p. ex. reabilitação nutricional, intervenções psicossociais e estratégias de administração de
purgação, jejum, exercícios excessivos). medicações. O estabelecimento de um padrão de refeições regulares e sem excessos, a melhora
As pessoas com transtorno de compulsão alimentar apresentam episódios freqüentes e das atitudes relacionadas ao transtorno alimentar, o encorajamento de exercícios saudáveis,
descontrolados da ingestão de alimento, com os mesmos sintomas de excessos das pessoas porém não excessivos, e a resolução de condições concomitantes (como transtornos afetivos ou
com bulimia. ansiosos) estão entre os objetivos específicos dessas estratégias.
A diferença principal é que os indivíduos com transtorno de compulsão alimentar periódica não A psicoterapia individual (especialmente psicoterapia cognitivo-comportamental ou interpessoal),
purgam o corpo das calorias excessivas. Por esta razão, muitos dos portadores do transtorno uma psicoterapia de grupo que também use a abordagem cognitivo-comportamental e a terapia
apresentam excesso de peso para sua idade e altura. familiar ou de casal foram relatadas como eficazes.
Os sentimentos de nojo e vergonha de si mesmo podem levar a novos episódios compulsivos, As medicações psicofarmacológicas, principalmente os antidepressivos inibidores seletivos da
criando um círculo vicioso de farras alimentares. recaptação de serotonina (ISRS), mostraram-se úteis em pessoas com bulimia, sobretudo
aquelas com sintomas significativos de depressão ou ansiedade ou aquelas que não
Estratégias de Tratamento responderam adequadamente ao tratamento psicossocial tão somente. Essas medicações
Os transtornos da alimentação podem ser tratados e o peso saudável restaurado. Quanto mais também podem ajudar a prevenir recidivas.
cedo esses transtornos forem diagnosticados e tratados melhor vai ser a evolução final. Os objetivos e as estratégias de tratamento no transtorno do comer compulsivo se assemelham
Devido à sua complexidade, os transtornos da alimentação requerem um plano de tratamento àqueles da bulimia e alguns estudos estão avaliando a eficácia de diversas intervenções.
abrangente, envolvendo cuidados e monitoramento por médicos, intervenções psicossociais, As pessoas com transtornos alimentares muitas vezes não reconhecem ou admitem que estão
aconselhamento nutricional e, quando apropriado, tratamento medicamentoso.Por ocasião do doentes. Como conseqüência, elas podem resistir fortemente para aceitarem e permanecerem
diagnóstico o clínico determinará se a pessoa está em perigo imediato e necessita de em tratamento. Membros da família ou outros indivíduos de confiança podem ser úteis para
hospitalização. assegurar que a pessoa com um transtorno da alimentação receba os cuidados e a reabilitação
O tratamento da anorexia exige um programa específico que envolve três fases principais: necessários. O tratamento pode ser prolongado para muitos daqueles que são acometidos pelos
problemas alimentares.
A. Restaurar o peso perdido devido à dieta e à purgação graves;
B. Tratar os distúrbios psicológicos como a distorção da imagem corporal, a baixa auto-estima e os  Obesidade
conflitos interpessoais; Sabe-se atualmente que algumas pessoas possuem mais facilidade para acumular gordura do
C. Obter a remissão e a reabilitação por um período prolongado, ou a completa recuperação. que outras. Esta informação envolve aspectos metabólicos, genéticos, culturais e
O diagnóstico precoce e o tratamento imediato aumentam a freqüência de êxito do tratamento. comportamentais, descartando-se assim a antiga idéia de que o obeso era uma pessoa gulosa,
O uso de medicações psicofarmacológicas em pessoas com anorexia deve ser considerado desprovida de controle e de vontade de cuidar de si próprio.
depois de ter-se estabelecido o ganho de peso. Alguns inibidores seletivos da recaptação de Certas doenças endócrinas, como hipotireoidismo ou outros desequilíbrios hormonais, podem
serotonina (ISRS) foram demonstrados como úteis para a manutenção do peso e para resolver colocar o indivíduo sob uma maior propenão a tornar-se obeso, porém estes casos significam
os sintomas afetivos e ansiosos associados à anorexia. apenas 2% do total.
No caso de graves perdas de peso, o tratamento agudo é, geralmente, efetuado num contexto Em relação ao componente emocional da obesidade, estudos revelam que entre os pacientes
hospitalar onde os planos de alimentação atendem às necessidades clínicas e nutricionais da obesos há uma alta incidência (cerca de 75%) de comportamentos de compulsão alimentar.
pessoa. Pacientes obesos com compulsão alimentar apresentam uma propenão maior a desenvolver
Em alguns casos é recomendada a alimentação endovenosa. Depois de corrigida a desnutrição co-morbidades, como Transtornos de Humor, Transtornos de Ansiedade e Bulimia Nervosa, e
e ao ser iniciado o ganho de peso, a psicoterapia (freqüentemente psicoterapia cognitivo- não apresentam resultados positivos em programas de perda de peso, quando comparados a
comportamental ou interpessoal) pode ajudar as pessoas com anorexia nervosa a superarem a pacientes obesos sem compulsão alimentar. Tal fato mostra que é necessário desenvolver
baixa auto-estima e restaurarem os padrões de comportamento e pensamento distorcidos. As programas diferentes para pacientes compulsivos e não-compulsivos.
famílias são ocasionalmente incluídas no processo terapêutico.
O objetivo primário do tratamento da bulimia é reduzir ou eliminar as compulsões alimentares e Vigorexia
o comportamento de purgação. Com essa finalidade, são freqüentemente empregadas a
Apesar de não estar caracterizado estritamente como um quadro de Transtorno Alimentar, mas lançamento de estratégias e habilidades para melhor lidar com os desequilíbrios emocionais
como uma patologia obsessivo-compulsiva, a Vigorexia se caracteriza pela obsessão por (Veja maiores detalhes na seção "Processo Psicoterápico").
músculos, pela compulsão aos exercícios e pelo consumo de substâncias que prometem o
aumento da massa muscular (como anabolizantes). Assim como as pessoas que têm Anorexia
ou Bulimia, os portadores da Vigorexia apresentam uma percepção distorcida da imagem
corporal.

Síndrome do Gourmet
Os indivíduos que apresentam este quadro estão insistentemente preocupados na preparação,
compra, apresentação e ingestão de pratos especiais e/ou exóticos, colocando em segundo
plano suas relação sociais, familiares e ocupacionais.

Transtorno Alimentar Noturno


Caracteriza-se pelo comportamento alimentar durante a noite, mesmo que a pessoa continue
dormindo. não lembram de nada ao despertar, e negam sobre o fato quando informados por
outra pessoa. Um fato importante é que são pessoas que geralmente fazem algum tipo de
regime alimentar durante o dia.

Pica
Este é um transtorno que se caracteriza pela ingestão de substâncias não comestíveis como
sabonete, tijolo, argila, cascas de pintura, gesso, giz, cinzas de cigarro, etc. As pessoas com
maior propenão a desenvolver o Transtorno de Pica são mulheres com tendência histérica,
grávidas, pessoas de certos grupos étnicos nos quais estes comportamentos são considerados
normais, e indivíduos que passaram por sérias restrições no comportamento alimentar

Tratamento
O tratamento dos Transtornos Alimentares busca restaurar o comportamento alimentar
adequado, e restabelecer o peso considerado normal para a idade e a altura do indivíduo. O
objetivo do tratamento é tirar o indivíduo do desequilíbrio clínico que a gravidade dos sintomas
pode gerar.
Por serem quadros de extrema complexidade, os Transtornos Alimentares requerem um
tratamento realizado por equipe multiprofissional, com psicólogo, nutricionista, médico
endocrinologista e médico psiquiatra.
Em relação ao restabelecimento da saúde mental, o psiquiatra e o psicólogo são os
profissionais melhor preparados para realizar a avaliação e traçar estratégias para o tratamento
do transtorno. O psiquiatria poderá medicar o paciente de acordo com patologia original e as
comorbidades mentais, a fim de resgatar o equilíbrio do humor. Já o trabalho do psicólogo tem
o objetivo de tratar as relações do indivíduo, quer seja com sua família, com a sociedade e,
principalmente, consigo mesmo. O processo psicoterápico auxilia na recuperação da auto
estima, oferecendo um caminho de descoberta das causas dos sintomas, possibilitando o