Você está na página 1de 30

1

Introdução Erro! Indicador não definido.


(Re)pensar Políticas - (Re)construindo Coletividades 4
Acadêmico 14
Secretariado 7
Agência de Comunicação (AC) 15
Secretária Geral 7
Assembleia Permanente dos Povos (ASP) 16
Secretário Administrativo 8
Comissão sobre o Status da Mulher (CSW) 17
Secretário Acadêmico 8 Conferência de Bandung (CB) 19
Conselho de Paz e Segurança da União Africana (CPSUA) 20
Identidade Visual 9
Corte Interamericana de Direitos Humanos (CorteIDH) 21
Inovações propostas 9 Conselho Econômico, Social e Cultural da União Africana (ECOSOCC) 22
Transparência 9 Internet Governance Forum (IGF) 23
Transversalidade 10 Missão das Nações Unidas para estabilização do Haiti (MINUSTAH) 24
Alinhamento com a Declaração de Brasília 10
Calendário 25
Responsabilidade socioambiental 11
Capacitação de diretores 11 Cronograma 26

Administrativo 12 Referências Bibliográficas 27


Divulgação e Arte 12
Eventos 12
Desenvolvimento de Pessoas 13
Logística 13
Socioeducacional 13
Ambiental 13
3
Um Modelo das Nações Unidas não só afeta àqueles que dela
Introdução participam como diplomatas, ele possibilita a formulação de habilidades
Um amor, uma carreira, uma revolução: outras tantas coisas que se
profissionais, logísticas e acadêmicas aos seus organizadores. Altamente
começam sem saber como acabarão. preocupada com a qualidade acadêmica de seus temas, a MundoCM
Jean Paul Sartre conta com uma tradição de produção de artigos para cada um dos
Modelos das Nações Unidas são eventos de cunho acadêmico que temas dos organismos simulados, organizados em um livro tematizado.
permitem aos participantes a experiência simulacro do ambiente Como dito, a organização administrativa é necessariamente uma
diplomático, envolvidos enquanto diplomatas, chefes de Estado, líderes experiência profissional, que tem mantido padrões de excelência desde
de organizações não governamentais e representatividades diversas; sua fundação em 2009.
desse modo, alunos de diferentes níveis educacionais podem discutir
Inspirados por sua idealização e alto padrão de qualidade que
amplamente sobre temas globais. Segundo a ONU (2017), há por volta nós, três alunos de graduação de diferentes cursos da Universidade de
de 400.000 estudantes envolvidos na organização e participação destes, Brasília (UnB), postulamos a posição de secretariado da MundoCM
consolidando-se como uma tradição de escala global. 2018.
A possibilidade de se colocar no centro de decisão das diferentes
políticas que permeiam nossa convivência internacional possibilita aos
participantes o desenvolvimento de diferentes habilidades _ tanto na
abertura para uma pesquisa autônoma dos mais diferentes temas,
quanto na negociação, oratória e tolerância para os mais diferentes
pontos de vista. Colocada como um projeto necessariamente
pedagógico, a MundoCM possui um compromisso com o crescimento
crítico de seus participantes.
Diferente de outros modelos, a MundoCM conta também com a
participação de alunos do 9º ano do Ensino Fundamental nos mesmos
ambientes de secundaristas. Acreditamos que a possibilidade de
participação de diferentes idades e contextos de educação oportuniza
maior diversidade de pensamento e possibilita crescimento que desafia
uma educação linear tradicional.
4
Fazer política é fazer governo, é fazer exercer força, é fazer movimentar
(Re)pensar Políticas - (Re)construindo Coletividades um ideal. Politizar-se é se fazer consciente do jogo político – e não
“A tradição dos oprimidos nos ensina que o estado de ingenuamente distante de projetar ideais. Ou seja, não podemos nos
exceção em que vivemos é na verdade regra geral. Precisamos
politizarmos sem também estarmos exercendo nossos ideais. De outra
construir um conceito de história que corresponda a essa
verdade. Nesse momento, perceberemos que nossa tarefa é forma, não podemos só estar conscientes, somos também força política
criar um verdadeiro estado de emergência” (FERNANDES, 2017). Nosso lema é, dessa forma, uma possibilidade de
Walter Benjamin se recolocar no jogo político, de se fazer lembrar dos nossos próprios
Elogio da Dialética ideais e a importância desses para transformar a forma como nos
“A injustiça passeia pelas ruas com passos seguros. articulamos com os coletivos sociais que estamos inseridos.
Os dominadores se estabelecem por dez mil anos. Diferentes autores de nosso século projetam uma falência
Só a força os garante.
Tudo ficará como está. estrutural do nosso modo de vida, que são diagnosticados em diferentes
Nenhuma voz se levanta além da voz dos dominadores. áreas; no meio ambiente e seus inesgotáveis impactos _ poluição de rios,
No mercado da exploração se diz em voz alta:
Agora acaba de começar:
lagos, derretimento de calotas polares, aquecimento global _, no meio
E entre os oprimidos muitos dizem: social, na superpopulação das cidades, na fome ainda presente, na
Não se realizará jamais o que queremos! pobreza de países periféricos. Este quadro deveria suscitar, ou pelo
O que ainda vive não diga: jamais!
O seguro não é seguro. Como está não ficará. menos nos fez esperançosos disso, novos ideais e modos de vida. Como
Quando os dominadores falarem nos revela Safatle (2008) o que tem acontecido de fato é o modo de
falarão também os dominados.
vida cínico, o aceitar e rejeitar simultâneos de Žižek: nosso modo de
Quem se atreve a dizer: jamais?
De quem depende a continuação desse domínio? vida é tão absurdo que não há outra forma de encará-lo senão
De quem depende a sua destruição? cinicamente.
Igualmente de nós.
Os caídos que se levantem!
Dessa lógica, surge o que Žižek (2012) conceitua como Pós-
Os que estão perdidos que lutem! política. Esse estar difere-se da política porque ignora os
Quem reconhece a situação como pode calar-se? tensionamentos, é um posicionamento que não se posiciona: é o estar
Os vencidos de agora serão os vencedores de amanhã.
E o ‘hoje’ nascerá do ‘jamais’.” neutro. A pós-política é considerar-se fora dos jogos de tensões, posição
virtualmente impossível (ŽIŽEK, 2012). Ela nada mais é do que estar
Bertolt Brecht necessariamente em prol da permanência das coisas, permanência que,
como vimos, não há como se sustentar (FERNANDES, 2017).
5
Dessa forma, o posicionamento abjeto é paradoxal e transforma O que queremos buscar enquanto secretariado, nesse sentido, é um
todo e qualquer processo de reconhecimento das opressões em sujeito que se reconhece enquanto projeto inacabado, enquanto
“parcialidade”. Sob um véu de neutralidade, os tensionamentos são empenha-se a estar sempre tensionando normatividades, a estar sempre
vistos como questionáveis, e as movimentações políticas um estar contestando os viveres, a estar sempre pensando seu Eu enquanto um
“cego” da realidade. momento – e que se reconhece enquanto ser no mundo e ser social.
A imobilização permanente que esta hegemonia de pensamento Como sintetiza Hegel, tal sujeito seria:
apresenta nos faz ansiosos por mudanças. Hoje o debate político tende essa noite, essa nada vazio que contém tudo na
a circular nas diferentes políticas de reconhecimento, de dar luz às simplicidade dessa noite, uma riqueza de
representações, de imagens infinitamente múltiplas,
opressões viventes; contudo, estar ciente das opressões não basta e nenhuma das quais lhe vem precisamente ao espírito,
nem deve ser a conclusão de nossos movimentos políticos. A estrutura ou que não existem como efetivamente presentes (...).
hoje consolidada precisa estar em movimento, ser repensada e (HEGEL apud SAFATLE, 2008, p. 229).
reconstruída.
Quando colocamos tudo isso em perspectiva, estamos falando
Em um primeiro momento, o que nos chama a atenção e nos
também de uma tradição filosófica cara aos nossos povos tradicionais,
coloca em posição contestatória é a confiança no indivíduo, e na a
resgatamos assim Teko Porã, o bem viver guarani (RAIZ, 2015).
crença na invariabilidade do ser. O indivíduo, invenção da
Opondo-se a uma noção ocidental de “viver melhor”, que baseia-se na
modernidade, é necessariamente uma fuga à indeterminação –
utilização de recursos naturais praticamente (se não literalmente) até a
característica inerente da humanidade:
exaustão, o Teko Porã fundamenta-se na interdependência humana para
Os homens só são humanos quando não agem e não se
colocam mais como pessoas; essa parte difusa da com a natureza. Os territórios e os ambientes que nos circundam não
natureza na qual os homens não são pessoas assemelha- tem como propósito subsidiar nossa existência – em verdade, para essa
se ao delineamento de um ser inteligível, a um Si que filosofia precisamos entender tal território como parte significante de
seria desprovido de Eu (...) (ADORNO apud SAFATLE,
nossas vidas e de nosso desenvolvimento. Dessa forma, o movimento
2008, p. 129).
Se colocamos como horizonte o reconhecimento de diferentes formas cidadanista propõe:
de vida como parte da humanidade, isto será por si só uma
reterritorialização; uma tentativa de resgate a algo que nos é natural,
ou a reinvenção de nossas naturezas. Modos de vida são inacabados:
não há por certo um humano pronto, um humano que sabe de todas
as possibilidade de expressão possíveis; logo, não haverá coletivo
social que não seja passível de reconstrução.
6
Por isso afirmamos um modelo de vida mais justa, Enquanto secretariado da MundoCM 2018, desejamos que os delegados
ambientalmente sustentável, economicamente solidário, que ensejem em participar desta edição possam se ver também capazes
que deve ser buscado simultaneamente pelo Estado e
pela sociedade. Queremos uma vida digna, em
de se reconectar com seu próprio viver no mundo, de tensionar os
plenitude, cheia de sentidos, em que o SER seja mais próprios limites diplomáticos, os limites e distâncias das políticas e dos
importante que o TER. Em que ESTAR no Planeta seja viveres e que possam, assim, tecer críticas e repensar concepções de vida.
muito mais que um contínuo sugar da vida alheia
(ibidem. s.p.).

Apesar dessa proposta filosófica, não nos descolamos


materialmente de uma realidade díspar e injusta aos nosso próprios
povos; carregamos uma crítica necessariamente imanente de nossa
realidade social. Para que as diferentes possibilidades de ser e estar no
mundo pudessem ser melhor trabalhadas bem como seus próprios
tensionamentos políticos, propusemos fóruns de representação que
promovem o confronto entre diferentes posições de poder – como é o
caso do Conselho Econômico, Social e Cultural da União Africana
(ECOSOCC-AU), que tem em sua composição líderes regionais,
representantes populares e chefes de estado, e da Assembléia
Permanente dos Povos (parte da Cúpula dos Povos de 2012) em que
líderes tradicionais, pensadores e líderes estatais discutiam em pé de
igualdade sobre Justiça Ambiental. Também colocamos à prova
diferentes perspectivas de conflitos, diferentes versões da história –
como é o caso da conferência de Bandung, que reuniu grandes líderes
de ex-colônias durante a Guerra Fria.
7
Secretariado Secretária Geral
Milena Herrero, de 19 anos, cursa o 5º semestre de Pedagogia na
O secretariado é o responsável por supervisionar e acompanhar Universidade de Brasília. Já participou como delegada em cinco
efetivamente o trabalho do Núcleo Acadêmico e Administrativo. Como simulações durante o Ensino Médio e como diretora da área de
principal articulador, o secretariado também faz contato com o responsabilidade socieducacional da II MundoCM (2017). Como ex-
Comando da Diretoria de Educação Preparatória e Assistencial aluna do Colégio Militar de Brasília, pretende realizar com empenho a
(DEPA) do Sistema Colégios Miliares do Brasil (SCMB). Existem três comunicação entre a organização dessa edição da MundoCM e o CMB,
secretários na MundoCM 2018: uma Secretária-geral, um Secretário além dos demais encargos de Secretária Geral. Espera, em conjunto com
Acadêmico e um Secretário Administrativo. os outros secretários e diretores que participarão da edição de 2018,
A edição de 2018 tem um secretariado de número reduzido, proporcionar aos alunos do SCMB mais uma experiência simulativa de
qualidade, despertando e/ou cultivando o interesse desses por assuntos
contando com apenas três secretários ao invés dos tradicionais cinco.
políticos locais e globais e os fazendo compreender a si mesmos como
Em face de eventuais dificuldades, o secretariado coloca como
sujeitos políticos.
possibilidade deste projeto a abertura de duas vagas para Assistentes
Como responsabilidades da Secretária-Geral estão:
de Secretariado – um do núcleo administrativo e outro do núcleo
acadêmico, que prestarão o devido apoio com as mesmas
● Estabelecer contato direto com outras simulações do Brasil e
discricionariedades e responsabilidades dos outros três secretários. O
daquelas do SCMB;
preenchimento dessas vagas será realizado a partir de indicação e
● Delegar tarefas para os Secretários Acadêmico e Administrativo;
consenso do secretariado.
● Acompanhar os processos seletivos de diretores;
● Especificar, delegar, compor ou realizar as tarefas que possivelmente
O secretariado da MundoCM 2018 compromete-se com a adoção
se apresentarem à organização e não estiverem no projeto descritas;
de uma gestão democrática do projeto, de maneira a articular-se e
● Manter o contato direto da organização da MundoCM com a
manter uma relação de horizontalidade com todas as diretorias
coordenação/direção/comando do CMB e da DEPA;
acadêmicas e administrativas que construirão em conjunto mais uma
edição do projeto de modelo das Nações Unidas do Colégio Militar de
Brasília.
8
Secretário Administrativo Secretário Acadêmico

Otto Leone possui 20 Anos e atualmente cursa o 5º semestre de Luís Porto, 19 anos, cursa o 5º semestre de História na
Psicologia na Universidade de Brasília. É atualmente pesquisador do Universidade de Brasília. Participa de simulações das Nações Unidas
Laboratório de Família, Grupo e Comunidade e sua linha de pesquisa desde o 2º ano do Ensino Médio e hoje conta com cerca de 25 realizadas
está em processos de desenvolvimento adolescente e acompanhamento – entre elas as edições de 2016 e 2017 da MundoCM como diretor dos
psicoterápico sistêmico. Apaixonado por infâncias e adolescências, gabinetes de guerra. Em conjunto com o secretariado, pretende fazer
acredita muito no potencial transformador da juventude, principal com que esta edição da MundoCM seja uma experiência diferenciada
razão pela qual optou por postular o seguinte projeto. Com experiência para os delegados.
em 5 organizações de eventos acredita que desempenhará um trabalho Cabe ao Secretário Acadêmico:
de excelência em seu posto de Secretário Administrativo. ● Formular o cronograma de atividades acadêmicas;
É da alçada do Secretário Administrativo: ● Decidir conjuntamente com os outros dois secretários os
● Formular o cronograma de atividades administrativas responsáveis por cada diretoria acadêmica, priorizando
● Decidir conjuntamente com os outros dois secretários os experiências com o tema, familiaridade com simulações, interesse
responsáveis por cada diretoria, priorizando experiências com a e disponibilidade;
área, familiaridade com simulações, interesse e disponibilidade; ● Acompanhar e supervisionar Processos Seletivos de Diretores
● Acompanhar e supervisionar Processos Seletivos de Diretores Assistentes;
Assistentes ● Acompanhar o trabalho acadêmico dos 8 comitês propostos para
● Liderar efetivamente as células administrativas; a simulação;
● Fazer transparente a possibilidade de se realizar ou não os ● Supervisionar e revisar as produções textuais, atentando-se ao
projetos propostos dos diretores; cumprimento de regras e procedimentos acadêmicos formais de
● Avaliar e acompanhar os feedbacks de Desenvolvimento de escrita e referenciamento;
Pessoas; ● Propor e agendar oficinas de capacitação metodológica e técnica
● Administrar e acompanhar o plano orçamentário da MundoCM; de todo o corpo de diretores, tanto acadêmico quanto
● Realizar oficinas de capacitação de ferramentas de trabalho administrativo;
importantes, tais como trello, slack, entre outras; ● Auxiliar e incentivar a busca de revisores externos com afinidade
temática para os artigos produzidos.
9
Identidade Visual Inovações propostas
Decidimos escolher como cor predominante desta edição a cor A partir da avaliação cuidadosa das edições passadas, propomos
Magenta, em esquema de cor triádico. Magenta é a possibilidade de inovações que possam contribuir positivamente ao projeto bem como
melhora frente a tempos difíceis, despertando sentimentos de ter maior alinhamento temático com seu eixo estruturante, tais como
compaixão, cooperação e gentileza. A flor como ícone auxiliar foi se seguem:
desenvolvida com inspiração em flores de cactos – também símbolo de
resistência e renovação diante de ambientes desafiadores; como reflexo Transparência
de nossa própria tentativa de perspectiva para um futuro na nossa atual A construção de um projeto que proponha repensar políticas
crise estrutural. precisa estar necessariamente consciente dos jogos de força que
Os elementos auxiliares e a arte completa que figuram na acontecem também em micropolíticas, tais como a própria organização
diagramação deste arquivo, bem como nas próximas produções de de uma simulação. Para que as reivindicações e novas propostas
material propostas, estão alinhadas com o movimento artístico zapatista; possam ser feitas – e principalmente maiores intervenções coletivas em
o sol reconstruído é o ícone mais utilizado na arte enquanto composição como gerimos nosso projeto – propomos uma maior transparência de
central. Os raios de sol serão parte das diagramações e papéis timbrados. processos e tomadas de decisão por parte do secretariado. Para tanto
Em consonância com nossos ideais, o movimento revolucionário de teremos como estratégias:
Zapata buscava um uso mais democrático do território Mexicano e (i) Disponibilização de todos os arquivos digitais que
novos ideais de vida. concernem a logística do projeto, como outras simulações de ensino
Por fim, como escolha tipográfica de comunicações oficiais médio têm realizado de forma bem sucedida nos últimos anos;
escolhemos a fonte Average. Outros elementos de cunho técnico da logo (ii) Abertura nas reuniões para manifestações de dúvida,
poderão ser melhor observados no nosso Manual de Identidade Visual. questionamento e posicionamento político possíveis para nossas
tomadas de decisão. Essa estratégia baseia-se em intervenção bem
sucedida, como aconteceu nos dias de simulação da II MundoCM em
2017, quando somente mulheres foram reconhecidas por uma sessão;
10
Transversalidade (iv) Destaque da Agência de Comunicação como maior eixo
Compreendendo as problemáticas globais discutidas em ambientes transversal do evento, com incentivo às suas produções e o
diplomáticos como eventos interligados sociopoliticamente e reconhecimento de seus jornais, tweets e quaisquer outro meio de
reconhecendo que o tema desta edição permeia todos comitês propostos comunicação por eles utilizados como documentos de trabalho oficiais.
pelo secretariado, pretendemos desenvolver os estudos, produção de
textos e discussões – realizadas tanto pelos diretores anteriormente Alinhamento com a Declaração de Brasília
quanto pelos delegados na própria atividade simulativa – de maneira A MundoCM foi, em 2017, signatária da Declaração de Brasília –
mais transversal possível. Desse modo, pretendemos evitar que comitês documento final produzido no Encontro Nacional de Organizadores
se isolem do restante da simulação e estimular a comunicação e tomada de Modelos das Nações Unidas (ENOMUN), sendo a única simulação
de decisões em conjunto, a fim de não perder de vista a necessidade de de Ensino Médio a participar do evento. Na II MundoCM, foram
elaborar soluções articuladas para sanar adversidades sociais, políticas e adotadas medidas de transição para começar a adotar as regras
econômicas. Para tanto, o secretariado propõe: definidas no Modelo Brasileiro de Regras de Procedimento (MBRP)
(i) Proposta de comitês que dialogam entre si e possuem eixo de proposto pela Declaração. Propomos, assim:
interconexão, seja por facilidade regional e/ou temas que se (i) A adoção das medidas propostas na Declaração de Brasília
interseccionem. Propomos confluência da Corte Interamericana de que couberem ao evento;
Direitos Humanos com a Assembléia Permanente dos Povos no tangente (ii) O cumprimento efetivo do Modelo Brasileiro de Regras de
aos povos tradicionais e tomadas de decisão, do Conselho Econômico Procedimento;
Social e Cultural da União Africana e o Conselho de Paz e Segurança da (iii) O comparecimento à reunião do ENOMUN de 2018 – que
União Africana (CPSUA) em relação à corrupção e desmantelamento de tem como pauta a fundação de uma federação de Modelos das Nações
Estados Africanos; e a aproximação temática da Decolonialidade entre Unidas a fim de melhor integrá-los.
Conferência de Bandung e CPSUA. (iv) A utilização do MBRP já na MiniMundo, de forma a
(ii) A partir da transparência de arquivos, incentivo à produção preparar os delegados de 9º ano para as regras que serão utilizadas no
conjunta e/ou troca de materiais que possa levar a crises conjuntas e evento e compreender como os alunos se adequam a essas.
experiências compartilhadas entre-comitês.
(iii) Incentivo à troca de informações entre delegados sobre as
discussões e resoluções que surgirem nos comitês, visando possíveis
projetos de resolução em conjunto.
11

Responsabilidade socioambiental Capacitação de diretores


Temos em mente que a MundoCM ocupa lugar privilegiado para Além de continuar com a capacitação acadêmica quanto à
impacto social no Sistema Colégio Militar do Brasil, reunindo escrita de artigos, a adaptação da MundoCM às regras de
representação de todos os colégios durante a execução do evento. procedimento propostas pela Declaração de Brasília torna necessária a
Enquanto corpo organizador, estamos sempre realizando intervenções realização de treinamentos de moderação para capacitar os diretores
que possam colocar à luz sistemas de poder social desiguais, seja por acadêmicos a lidar adequadamente com a moderação por parte dos
produção de artigos preocupados com a realidade social brasileira – com alunos e as novas regras. Da mesma forma, incentivamos as diretorias
temáticas de raça, classe, gênero, sexualidade, seja por intervenções que administrativas a capacitar seus diretores assistentes quanto a funções,
acontecem durantes os dias de evento. Visando um maior enfoque habilidades e utilização de programas necessários e relevantes para
ambiental no projeto da III MundoCM, propomos como estratégias suas atribuições dentro do projeto.
desta edição:
(i) Política de redução de consumo de papel;
(ii) Registro e controle de material que foi utilizado, extraviado
ou excedente;
(iii) Redução de produção de lixo antes, durante e após o evento.
(iv) Criação da célula Ambiental, como uma diretoria
responsável pela formulação da Avaliação de Desempenho Ambiental
(ADA) para uma melhor gerência de recursos e novas propostas de
efetividade ambiental para as próximas edições;
12
São responsabilidades comuns das células:
Administrativo I. Elaborar Plano de Atividades contendo um provável
É do âmbito do Núcleo Administrativo a operacionalização e calendário e cronograma;
planejamento do evento, fazendo jus à idealização e teorização presentes II. Manter registro de atividades e documentos para
neste documento. Para que isso seja possível, as células precisam de memória institucional no arquivo digital;
intercomunicação efetiva e compromisso com a realização do evento.
Divulgação e Arte
Como alinhamento do eixo temático desta edição, ao núcleo É de responsabilidade da diretoria de Divulgação e Arte: (i) a
administrativo serão encorajadas ações mais coletivas de decisão e a efetiva aplicação e desenvolvimento da identidade visual da
possibilidade de recondução das próprias políticas internas da simulação. MundoCM, com propostas de material complementar e (ii) o
Isso possibilitará que as práticas já consolidadas de sucesso da simulação gerenciamento das redes sociais do projeto. Pretende-se com as redes
possam ser ainda melhoradas e oportunizará um devido olhar crítico aos sociais maior visibilidade do projeto antes, durante e depois de sua
processos políticos próprios à instituição MundoCM. realização, criando possibilidade e atratividade de eventuais parceiros
Como diretorias desta edição, propomos: do projeto. As propostas de material complementar são referentes ao
Diretorias Administrativas
kit-delegado, às artes de divulgação e eventuais itens que se mostrem
Diretores Diretores
Diretoria Acrônimo Diretores necessários.
Assistentes I Assistentes II

Ambiental AMB 1 1 0 Eventos


A diretoria de eventos será responsável pelas confraternizações
Divulgação e Arte DIV 2 1 0
e eventos festivos que ocorrerão na Mundo CM, oportunizando a
Eventos EVE 2 3 3 interação informal entre delegados de diferentes colégios militares,
Desenvolvimento diretores e demais envolvidos na simulação. Os diretores de eventos
DP 2 2 0
de Pessoas ficarão responsáveis por organizar as cerimônias de abertura e de
Logística LOG 2 3 2 encerramento, a Gincana e uma festa temática de integração. Suas
SOC 2 3 0
responsabilidades incluirão definir temas para os eventos, planejar e
Socioeducacional
solicitar previamente os recursos que serão utilizados e prestar amparo
Subtotais: 10 12 5
para quaisquer eventualidades que ocorrerem durante as
TOTAL: 29 confraternizações.
13
Desenvolvimento de Pessoas internacionais e sobre os procedimentos de simulação. Somadas à
experiência prática de uma simulação reduzida entre esses alunos, o
A diretoria de Desenvolvimento de Pessoas (DP) é a responsável
objetivo da MiniMundo é preparar esses alunos tanto para a MundoCM
por promover o bom relacionamento dentro do corpo organizador,
quanto para quaisquer outras simulações que desejem participar. A
minimizando os efeitos de conflitos e desentendimentos internos e
diretoria socioeducacional também deverá auxiliar os delegados
buscando uma experiência positiva para os diretores acadêmicos e
durante a realização da MundoCM, assim como na organização da Feira
administrativos. Assim, cabe à diretoria: (i) realizar ouvidoria quanto a
Global, propiciando uma realização simulativa enriquecedora para
situações desagradáveis dentro do corpo organizacional e durante os dias
estes.
de evento; (ii) auxiliar o secretariado na realização dos processos
seletivos; (iii) auxiliar o secretariado e as diretorias administrativas na Ambiental
preparação de treinamentos de capacitação.
A diretoria ambiental está responsável pela condução da
Logística Avaliação de Desempenho Ambiental (ADA), uma ferramenta para
avaliação permanente de resultados ambientais. Desenvolvendo um
Cabe à diretoria de Logística promover o bom funcionamento da
trabalho pioneiro na MundoCM, a diretoria Ambiental dará indicadores
simulação. Essa diretoria é responsável por: (i) realizar orçamentos e
de boas práticas com mensurações de impactos ambientais fixos, como
pesquisas de preço para o evento; (ii) auxiliar os alunos participantes do
toneladas de papel utilizado, índices de reciclagem, assim como
evento, os organizadores, funcionários do colégio e visitantes quanto a
sugestões de melhora para as próximas edições do evento.
questões administrativas no decorrer do evento.

Socioeducacional

Essa diretoria será responsável por organizar o evento da


MiniMundo, aulas e simulação anterior à MundoCM voltadas para os
alunos do nono ano do Colégio Militar de Brasília. O projeto visa
oportunizar aos delegados principiantes do ensino fundamental aulas
prévias sobre problemática sociopolíticas, organizações e intervenções
14
Às diretorias são responsabilidades comuns:
Acadêmico
O núcleo acadêmico é parte estruturante da simulação, é de sua Antes do evento:
responsabilidade toda a produção textual que sustentará teoricamente as I. Produção do artigo temático inspirado em seu eixo estruturante
discussões promovidas durante sua execução. A simulação não tem por como descrito neste projeto;
princípio apenas a contribuição científica, mas também possui como II. Produção de material complementar de estudo para simulação;
possibilidade a desmistificação do elitismo que envolve as produções III. Busca por revisão externa para o artigo produzido;
acadêmicas; ela funciona como um primeiro contato dos alunos com o IV. Conhecimento técnico das Regras de Procedimento;
Ensino Superior e produções científicas brasileiras e internacionais. V. Planejamento de Logística Interna para a condução das sessões;
Para os diretores que fazem parte desse, o Núcleo Acadêmico VI. Contato prévio e interação com delegados para familiarização
serve a um propósito autoral e de crescimento metodológico de jovens com o projeto.
pesquisadores. Eles podem escrever e conduzir pesquisas inovadoras,
passando pela revisão de pares com experiência consolidada conduzida Durante o evento:
pelo secretariado. Dessa forma, o Núcleo Acadêmico representa uma I. Credenciamento de delegados e efetiva passagem de regras
oportunidade de crescimento não só para os delegados envolvidos, mas durante o primeiro dia de simulação;
também para seus diretores. II. Auxílio aos delegados na condução das sessões e bom
Extensamente conectado com um compromisso pedagógico, o funcionamento do comitê;
núcleo acadêmico também é responsável por acompanhar e estruturar os III. Revisão de documentos produzidos pelos delegados;
dias de debate, podendo organizar de forma profícua as participações de IV. Repassagem de avisos paroquiais;
delegações. Pode-se notar uma possibilidade de crescimento em oratória, V. Encorajamento de um ambiente livre de opressões com
retórica, de vocabulário e de formalidade escrita de documentos - que propostas de intervenções pertinentes a ambientes hostis.
também passarão por revisão dos diretores envolvidos no núcleo
acadêmico.
15
16
Agência de Comunicação (AC) resolvemos não escolher um eixo guia para os diretores que assumirem o
A Agência de Comunicação (AC) é o comitê mais dinâmico e comitê. A proposta de novos artigos acadêmicos será sempre bem vinda
vivencial de uma simulação. No papel de jornalistas, os delegados que a para acrescentar maior valor acadêmico ao evento.
simulam participam efetivamente de toda a rotina envolvida na
profissão, com a produção, edição e publicação de materiais; sejam eles Assembleia Permanente dos Povos (ASP)
impressos ou audiovisuais. A AC carrega o papel de ser o eixo transversal Tema: Novos paradigmas às economias verdes
de todos os comitês, fazendo a troca de informações mais viável e fácil a A Assembleia Permanente dos Povos (ASP) foi o principal espaço
partir de suas produções. Não só preocupada com o que acontece político da Cúpula dos Povos, evento paralelo à Rio +20 (2012)
durante as simulações, a AC também funciona como uma forma de construído por e para diversos representantes da sociedade civil,
divulgar e acompanhar o entre-simulações, festividades e a vida social de organizações não governamentais e movimentos sociais. O principal
delegados nos dias de simulação. objetivo da assembleia, alinhado às pautas gerais da Cúpula dos Povos,
A AC carrega três eixos de trabalho: (a) Núcleo Impresso, (b) foi discutir as problemáticas ambientais e as soluções que já haviam sido
Núcleo Audiovisual e (c) Núcleo Virtual. O núcleo Impresso é propostas (não necessariamente aplicadas) para sanar tais crises,
responsável pela produção de duas linhas editoriais presentes na analisando também a intervenção corporativa e da iniciativa privada
simulação, rotineiramente funcionado como um retrato fidedigno de nessas soluções antigas e em possíveis novas soluções desenvolvidas
como linhas editoriais também assumem uma posição política, as duas (RIO +20, 2012).
linhas têm um viés que se antepõe ao outro. O núcleo Audiovisual tem Como resolução de algumas das pautas discutidas durante a
como responsabilidade a produção da MundoTV, fazendo a cobertura Assembleia Permanente dos Povos, movimentos sociais e comunidades
geral do evento. O Núcleo Virtual fica a cargo da utilização das redes envolvidas diretamente com crises ambientais analisaram a principal
sociais do evento durante os dias de simulação, como twitter e facebook: pauta do evento Rio +20, a Economia Verde, e consideram essa solução
agilizando a troca de conteúdo entre delegados e trazendo mais como ineficiente diante das problemáticas ambientais debatidas (RIO
dinamismo ao comitê. É ainda responsabilidade da AC conduzir +20, 2012). Isso vai de encontro com certas resoluções da ONU que,
efetivamente as coletivas de imprensa, tradição das Mundos anteriores, é através do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente
o momento no qual os comitês têm a possibilidade de vivenciar ainda (PNUMA), recomenda fortemente essa alternativa econômica-ecológica
mais a transversilidade e as possibilidades do mundo jornalístico. como colaboradora na resolução de crises ambientais globais. A agência
Enquanto secretariado entendemos que a Agência de define “economia verde como uma economia que resulta em melhoria
Comunicação tem tido autonomia nas últimas edições para escolher do bem-estar da humanidade e igualdade social, ao mesmo tempo em
realizar ou não o artigo acadêmico de seu próprio comitê. Nesse sentido,
17
Que reduz significativamente riscos ambientais e escassez ecológica”, Comissão sobre o Status da Mulher da Entidade das Nações
indicando uma série de constatações em prol desse modelo econômico Unidas para a Igualdade de Gênero e o Empoderamento das
alternativo (PNUMA, 2011). Mulheres (CSW)
A Economia Verde viria então, para diversas organizações e Tema: Participação e acesso das mulheres às mídias;
corporações, como uma medida capaz de aliar o progresso econômico a É amplamente reconhecida a influência dos recursos midiáticos
um uso sustentável de recursos naturais. Contudo, uma série de críticas para a formação, perpetuação e transformação de padrões sociais, como
de âmbito ecológico e social foram levantadas durante a Assembleia estereótipos e padrões de beleza. Esses padrões tem sido uma temática
Permanente dos Povos, como: apropriação e domínio de territórios e bastante discutida pela literatura científica nos últimos anos, tentando
recursos; entraves à auto-organização e gestão dos povos; manutenção traçar um perfil mais ou menos vulnerável às influências midiáticas.
de uma cultura de produção e consumo excessivos; investimentos Em anos recentes, artigos tentam se debruçar sobre epidemiologias
públicos destinados a organizações privadas aparentemente “verdes”, causadas por tais influências - fazendo, por exemplo, associações entre
entre outros (CÚPULA DOS POVOS, 2012). os padrões de beleza retratados pela mídia e o surgimento de
A economia verde foi considerada uma falsa solução para a crise psicopatologias da alimentação (SPETTIGUE; HENDERSON, 2004).
ambiental e um mecanismo de reinvenção do capitalismo, o qual se Nota-se que o problema de transtornos alimentares se apresenta
apropriou de pautas verdes para atingir seus objetivos (não sustentáveis como estrutural: presente em diferentes realidades, essas
nem preocupados com justiça social e ambiental) de garantir a psicopatologias figuram uma mortalidade alta entre adoecimentos
produção, o consumo e o lucro. De acordo com a Fundação Heinrich psíquicos, 19% de mortes em 20 anos de diagnóstico após primeira
Böll, é uma nova fase do capitalismo de acumulação e apropriação internação. Apesar de existirem estatísticas masculinas desses
sustentado em um discurso ecológico (BITTENCOURT; VIEIRA E transtornos, a preponderância feminina é um consenso na comunidade
MARTINS, 2012). médica: das pessoas com algum diagnóstico de transtorno alimentar nos
Tendo em vista essas divergências e críticas que surgiram em EUA, 90% são mulheres entre 12 e 25 anos de idade (SHARAN;
relação a Economia Verde e a necessidade ainda existente de se sanarem SUNDAR, 2015; AUSTIN et al, 2008)
problemáticas ambientais de âmbito local e global, o secretariado A crítica feminista de 1970 já prenunciava a realidade feminina
propõe o presente comitê como possibilitador de uma discussão entre desse fenômeno, tecendo inúmeras consequências para os padrões de
membros governamentais, ONG’s, da sociedade civil, de povos beleza que se desenvolviam nessa década:
tradicionais e movimentos sociais. Desse modo, espera-se que crises
socioambientais e possíveis soluções para essas sejam revistas e
reformuladas pelos delegados participantes.
18
Padrões de beleza descrevem em termos precisos a relação que uma A CSW é uma comissão criada pelo Conselho Econômico e
pessoa terá com seu próprio corpo. Eles prescrevem sua mobilidade, Social das Nações Unidas (ECOSOC) em 1946. O órgão é uma tentativa
postura, maneira de andar, porte, os usos que ela pode dar ao seu
das Nações Unidas de mapear a desigualdade de gênero ao redor do
corpo. Eles definem precisamente as dimensões de sua liberdade
física. E é claro, a relação entre liberdade física e desenvolvimento mundo, estabelecendo padrões de equidade entre gêneros e novos
psicológico, possibilidade intelectual e potencial criativo é umbilical instrumentos de avaliação. Contando com a representação da sociedade
(DWORKIN, 1974, p 112, tradução nossa). civil, representantes Estatais e entidades da própria ONU, o conselho se
reúne anualmente, chegando a 62ª reunião este ano. Hoje a CSW
Não despropositalmente, os corpos femininos retratados pela mídia também é responsável pelo acompanhamento da Agenda 2030 de
como padrão de beleza são também vendidos como propaganda. Como Desenvolvimento Sustentável no que tange às questões de gênero e o
prática consolidada da indústria comercial, não é difícil reconhecer fim da violência direcionada a mulheres e meninas (CSW, 2018).
propagandas direcionadas aos homens com o uso de corpos femininos – Desse modo, a comissão torna-se um núcleo importante para o
cervejas, carros, cigarros, perfumes. Como Dworkin (1974) elucida, o início das discussões de violências simbólicas contra mulheres
debate não é de uma potencial vulnerabilidade de indivíduos facilmente provocadas pela mídia, que levam ao adoecimento psíquico e físico de
influenciáveis pelo padrão de beleza – ou pela real “escolha” do uso de meninas e mulheres. Esperamos que os delegados possam discutir e
dietéticos, cosméticos e cirurgias estéticas; mas sim de um real consumo desenvolver resoluções de um assunto pouco discutido em organismos
masculino do corpo feminino; das expectativas e pressionamentos que internacionais e que muito se aproxima da realidade dos delegados,
se concretizam como uma tecnologia da hierarquia de gênero. especialmente das delegadas que participarem desse comitê.
Apesar da dimensão do fenômeno, ele ainda não figura como
uma pauta entre os organismos internacionais hoje, com pedidos da
sociedade civil à própria ONU para incluir o debate em sua agenda
(UNMULTIMEDIA, 2016). Por esse motivo, decidimos elencar como
pauta da Comissão sobre o Status da Mulher das Nações Unidas o tema
"Participação e acesso das mulheres às mídias", procurando dar vazão a
debates relacionados à objetificação do corpo feminino, do falecimento
mental de mulheres consequentes da representação midiática desse
grupo social e de quaisquer outros problemas relevantes a nível
internacional que envolvam tanto a representação midiática de
mulheres como as consequências dessa representação.
19
Conferência de Bandung (CB) especial entre aqueles que já eram independentes – para manter a paz
Tema: A emergência do Terceiro Mundo no cenário mundial (THE JAKARTA POST, 2015).
internacional A exemplo do conflito na Península Coreana e das tensões em
Após a Segunda Guerra Mundial, os esforços dos Estados Taiwan, era cada vez mais essencial para uma Ásia independente (em
Unidos voltaram-se para a reconstrução da Europa e para a sua maioria) – que via uma polarização entre Leste e Oeste cada vez
cooperação norte-norte, assegurando um controle das potências mais firmada por acordos de defesa coletiva e alianças entre poderes –
do norte sobre a política internacional. O fracasso do Brasil em se garantir o não-alinhamento dos Estados afro-asiáticos a nenhuma das
tornar um membro permanente do Conselho de Segurança potências. Em vez de uma luta política Leste-Oeste, deveria ser travada
evidenciou que o Terceiro Mundo não teria voz nas questões uma luta econômica Norte-Sul. Cabe lembrar que o não-alinhamento
estratégicas internacionais (PEREIRA; MEDEIROS, 2015). não significa equidistância, mas sim liberdade para que os países se
Precedida pela Conferência de Colombo de Primeiros- posicionem da maneira que acharem melhor (BURKE, 2011; PEREIRA;
Ministros Asiáticos de 1954 – na capital do então Ceilão (hoje Sri MEDEIROS, 2015).
Lanka), o evento reuniu chefes de Estado de cinco países asiáticos A África, que só contou com cinco países na Conferência, passava
–, a Conferência de Bandung apresenta-se como um marco na por um momento político ao mesmo tempo semelhante e distante do
emergência do movimento não-alinhado e na criação do Terceiro continente asiático. Somente Gana e Sudão encontravam-se perto de
Mundo (BURKE, 2011). Alguns autores chegam a apontá-la como alcançar a soberania completa, enquanto os movimentos armados
ponto de partida para o desenvolvimento das relações sul-sul prosseguiam na Tunísia, Marrocos, Algéria e Quênia (com uma menção
(PEREIRA; MEDEIROS, 2015). importante à ANC na África do Sul, movimento independentista que
A reunião ocorreu em um momento em que a Guerra Fria ressurgia; e à Etiópia, que não foi colonizada) (BURKE, 2011). Apesar
já havia se consolidado como um fenômeno no sistema mundial. disso, a questão do não-alinhamento ainda era um peso sobre as cabeças
Os movimentos nacionalistas e de independência, bem-sucedidos dos governantes de um continente que lutava contra o domínio colonial.
nas ex-colônias da Ásia, começavam a surgir na África e Mais do que evitar uma nova guerra mundial ou o fortalecimento
ameaçavam o domínio colonial europeu de décadas na região. das grandes potências mundiais a custo do alinhamento dos recém-
Com isso, os Estados Unidos e a União Soviética buscavam formados países afro-asiáticos, a Conferência de Bandung aparece como
influenciar estrategicamente os rebeldes como maneira de uma oportunidade de buscar um lugar para as nações periféricas no
aumentar suas respectivas áreas de influência. Nessas condições, sistema mundial.
o primeiro-ministro indonésio, Ali Sastroamidjojo, afirma em
1953 ser necessária a cooperação entre países asiáticos e africanos
– em
20
Conselho de Paz e Segurança da União Africana (CPSUA) de treinamento e cooperação com o Exército Nacional da Somália,
Tema: Somália pós 2020 instituição que tomará seu lugar (OKIROR, 2017; RÝDLOVÁ, 2007)
A República da Somália foi fundada em 1960 com a união do Apesar da comunidade internacional ver este passo como um
Protetorado Britânico da Somalilândia ao norte da Somália com a ponto de partida importante para que novas missões humanitárias
Somália Italiana, ao sul do país. Essa tentativa de união estatal, decidida possam tomar parte da Somália, os conflitos entre diferentes forças
por metrópoles colonizadoras, não levou em conta o clima de falência insurgentes ainda é uma realidade. Somado ao cenário de disputa
estatal das duas colônias. Apesar disso, cidadãos da Somalilândia ainda política, a Somalilândia conseguiu ao longo dos anos se consolidar como
possuíam certo alinhamento político; a ideia de formar uma grande força estatal - distante das tentativas internacionais de integração, o
Somália fazia sentido com o clima pan-africanista vivenciado durante o território se organizou paralelamente à República da Somália,
período. Essa última “cooperação” provou-se rapidamente fracassada apresentando bons índices de reestabilização e inclusive crescimento
quando o Reino Unido anunciou que as terras produtivas da econômico (BARAWANI, 2017).
Somalilândia fariam parte do território Etíope - negligenciados pelas O que se põe em questão para o futuro da Somália é de fato o
metrópoles, somalilandeses passam a boicotar o estado recém-formado. próprio tensionamento das narrativas ocidentais em tentar fazer valer
Com o clima de desestruturação e rivalidade, a República da Somália um estado estrangeiro aos Somali - a militarização dos estados Africanos
presencia um golpe de estado de Mohamed Siyad Barre, que se provou um efeito pós colonial evidente. Como ponto de partida o
rapidamente inicia mais rivalidades entre clãs e dá início à limpeza esvaziamento das tropas na Somália, trazemos ao debate dos delegados
étnica dos somalilandenses (BARAWANI, 2017; RÝDLOVÁ, 2007). o que há de se construir para o futuro da Somália, ou a possibilidade de
Hoje, após quase 60 anos de sua fundação, a Somália ainda se repensar os processos de colonização e as fracassadas missões de paz
vivencia sua pulverização: os altos índices de mortalidade, pobreza, fome conduzidas pelos países internacionalmente ao longo do tempo. Como
e conflitos civis ainda continuam colocando-a como um estado de um caso emblemático, a pulverização do Estado da Somália representa
exceção. Entre diferentes tentativas de intervenção internacional, como um debate chave para o entendimento de nossas próprias posições de
Missões de Paz da Onu, da intervenção direta da Força Tarefa das poder.
Nações Unidas (UNITAF); a atual Missão de Paz da União Africana
para a Somália (AMISOM) anuncia em 2017 seu estágio final. A Missão
se compromete a esvaziar o território a partir de 2018 com prazo final
até 2020. Esse encerramento faz parte de uma longa agenda
21
Corte Interamericana de Direitos Humanos (CorteIDH) gado após 12 anos (em 30 de abril de 2001) garantindo formal e
Tema: Direito ao território: O caso Xucuru vs. Brasil legalmente o direito dos Xukuru sobre o território ocupado e utilizado
O direito histórico das comunidades indígenas sobre o território por esse povo indígena. Contudo, alegando demora no processo de
no qual se desenvolveram social, política e culturalmente já é homologação e descaso do Estado com a garantia dos direitos indígenas,
reconhecido pela ONU, através de acordos como o da Convenção sobre movimentos e organizações em prol da causa indígena fizeram uma
Povos Indígenas e Tribais (C169) e a Declaração sobre os Direitos dos petição e encaminharam o caso para a Comissão Interamericana de
Povos Indígenas, a qual admite o “fato de os povos indígenas terem Direitos Humano no ano de 2002 (CIDH, 2015).
injustiças históricas como resultado, entre outras coisas, da colonização Após anos de análise do caso povo Xukuru vs. Brasil, saiu o
e da subtração de suas terras, territórios e recursos” (NAÇÕES relatório da comissão em 2015, que alegava o Estado como responsável
UNIDAS, 2008). pela violação dos direitos indígenas e prescrevia uma série de
O reconhecimento formal e legal desse direito indígena foi recomendações que deveriam ser tomadas. Como o Brasil não seguiu as
realizado pelo Brasil através do artigo 231 da Constituição Federal de recomendações, e levando em consideração o histórico da negligência
1988, o qual prevê o direito originário dos indígenas sobre suas terras do Estado para com o povo Xukuru, o caso foi levado para a Corte
ocupadas tradicional e permanentemente e utilizadas para a produção e Interamericana de Direitos Humanos em 2016 (SANTANA, 2017).
reprodução física e cultural da comunidade indígena. Afirma também a Desde então, a CorteIDH ainda não deu a sentença em relação
posse de indígenas sobre essas terras como um direito inalienável e ao caso Xukuru vs. Brasil; contudo, organizações já tem posicionado
imprescritível (BRASIL, 1988). Contudo, nota-se que esse direito muitas afim de colaborar com a decisão do tribunal, como através do Amicus
vezes é ferido por indivíduos e/ou grupos interessados em explorar os Curiae lançado em abril do ano passado (CLÍNICA DE DIREITOS
recursos materiais da área ocupada pela comunidade indígena, e as HUMANOS et al, 2017). Sendo assim, o secretariado espera que esse
transgressões acabam sendo negligenciadas pela União que, de acordo comitê proporcione aos alunos a possibilidade de resolucionar um caso
com a CF 1988, deveria não só demarcar o território de direito, mas que já se estende por anos, entrando em questões como direitos
também protegê-lo e garantir o respeito sobre a comunidade indígena. humanos e possíveis violações desses que podem ser cometidas,
Uma das grandes ocorrências de descaso do Brasil para com inclusive por parte do Estado.
comunidades indígenas, que ganhou destaque internacional, é em
relação ao povo Xukuru, maior comunidade indígena do Nordeste (com
aproximadamente 7 mil habitantes) localizada em Pernambuco. O
processo de demarcação das terras iniciou em 1989, sendo homolo-
22
possuem nenhum tipo de efetividade (UNITED NATIONS
Conselho Econômico, Social e Cultural da União Africana COMMISSION FOR AFRICA GOVERNANCE, 2016). O que o relatório
(ECOSOCC-UA) aponta é exatamente a necessidade de um debate mais produtivo sobre
Tema: Vencendo a Luta Contra a Corrupção esse contexto que circunda os números; envolvendo necessariamente
A União Africana (UA) escolheu como eixo temático de 2018 uma perspectiva multilateral e de diversos agentes, entre sociedade civil,
“Vencendo a Luta Contra a Corrupção” — os países africanos tem representantes estatais e organismos internacionais.
colocado a temática como a responsável pela perpetuação de pobreza e O Conselho Econômico, Social e Cultural da União Africana
baixos índices de desenvolvimento em todo o país, como resultado e (ECOSOCC) tem uma posição privilegiada nesse cenário. Como um
causa também de gurras civis. Apesar da ampla discussão que já existe órgão intersecional, diferentes líderes regionais e internacionais podem
sobre o tema, o debate é permeado por mitos e erros conceituais. Tanto discutir tais dificultates em um novo paradigma Afro-centrista - isto é,
a Organização das Nações Unidas (ONU) quanto a UA têm declarações africanos podendo decidir sobre os próprios governos e governanças.
em relação à corrupção que se insentam de definir conceitualmente o Historicamente, a corrupção e as falências estruturais de governos
problema; suas definições são de cunho prático e mensurável. Apesar de africanos têm sido apontadas como um problema de incapacidade inata
ser uma resposta pragmática - fazendo possível intervenções para as de africanos, fazendo valer inúmeras intervenções e colonizações
consequências do problema, isso não põe em discussão os debates imperalistas no continente. Em verdade, imperalismo e colonização
teóricos sobre como a corrupção funciona ou suas causes; de fato, podem ser ligados essencialmente com as falências estatais dos Estados,
inexiste qualquer convenção internacional que tente tratar da definição ou seja, aquilo que os próprios estrangeiros viam como solução se
de corrupção internacionalmente, fazendo comparações entre países tornou o problema central. Por anos, países europeus e americanos têm
uma tarefa árdua e imprecisa (UNITED NATIONS ECONOMIC coordenado agendas políticas, recursos financeiros e outros esquemas
COMMISSION FOR AFRICA, 2016; AFRICAN UNION, 2003; que deslegitimavam a agência africana de decidir por si mesma
EDEBOR, 2014). (ACHIENG, 2014)
No IV Relatório das Nações Unidas para a Governança Africana Dada a urgência para novos debates em corrupção, e
(UNITED NATIONS COMMISSION FOR AFRICA GOVERNANCE, principalmente possibilitar aos delegados o contato com iniciativas de
2016) podemos observar a falência de estatísticas de corrupção. Quando desafio à ordem hegemônica, pensamos no ECOSOCC como um comitê
se trata de criar novas políticas, números e porcentagens possui um a ser simulado na MundoCM 2018. Os delegados poderão atuar como
papel muito importante - dando aos políticos um retrato de realidade verdadeiros líderes em propor novas respostas a problemas estruturais,
necessário para a formulação de internvenções eficientes. Mas números traçando um futuro possível.
não funcionam sem um contexto socio-histórico preciso e bem
discustido entre aqueles que o utilizam, sem os quais os números não
23
Internet Governance Forum (IGF) In the Ninth Annual IGF (Istanbul, 2014), the participants were unable
Topic A: Network Neutrality to reach consensus on this point. The European Union delegation
Topic B: Human Rights Online argued in favor of net neutrality – even issuing a statement that noted
In 2005, the World Summit on the Information Society (WSIS) – that in the wake of “large-scale Internet surveillance and reduced trust in
sponsored by the United Nations – defined internet governance as ""the the Internet, governance of the Internet must become more transparent,
development and application by governments, the private sector and accountable, and inclusive” (KROES et al apud HAMMOND, 2014, p.
civil society, in their respective roles, of shared principles, norms, rules, 25). In the same meeting, United States Federal Communications
decision-making procedures, and programs that shape the evolution and Commissioner Mignon Clyburn pledged that reports that the FCC had
use of the internet" (WSIS, 2005). abandoned open internet were untrue, reaffirming its commitment to
The UN felt the need to respond after the controversy spawned “transparency, no blocking of legal content, no unreasonable
by the Internet Corporation for Assigned Names and Numbers discrimination” as its principles (CLYBRUN apud HAMMOND, 2014, p.
(ICANN), a private non-profit organization headquartered in California. 25).
Mueller (apud MASTERS, 2014) points that ICANN "significantly Silva (2013, p. 17) states that “today, the Internet is a space in
reduced the power of national governments and existing which state regulations are superimposed on cybercrime, consumer
intergovernmental organizations over communication and information protection, personal data, electronic commerce, and so on. And it is a
policy" by being one of the few centralized points of control over the setting in which human rights are fully applicable”. The Internet has
internet – since it manages the Domain Name System (DNS) –, while become an indispensable tool for the promotion of human rights,
also being transnational and controlled by corporations. In an attempt to becoming a means in which affected people can have their voice heard –
decentralize the United States' unilateral oversight over the biggest the denunciation of repression against indigenous communities in Latin
stakeholder in, the Internet Governance Forum (IGF) was created in America is an example (SILVA, 2013).
2006 at the WSIS. However, the Internet also became a space of violation of human
Net neutrality is a widely debated policy issue that could rights. It helped identify political dissent in Iran, intensify state
fundamentally alter the dynamics of providing and accessing online surveillance in the UK, increase the threat to the linguistic and cultural
content through the Internet. (...) do we want – as the proponents of
identity of individuals, and broadened everywhere the gap between
net neutrality would frame the issue – the Internet to be a neutral
carrier of information packets, without any regard to what the those with access and those without. As we display more and more
packets contain (...) – and therefore want legislation to enforce that information online and the Internet becomes a crucial part of our lives, a
principle? Or (...)– do we want the free market to decide what series of individuals have voiced their worries about it (SILVA, 2013).
services should be charged and how, and who should be charged for
these services? (GUO, 2009, p. 13).
24
Missão das Nações Unidas para estabilização do Haiti (MINUSTAH) provado posteriormente, pelo governo e pelo exército da República
A Missão das Nações Unidas para estabilização do Haiti Dominicana; assim como possivelmente as inteligências francesa e
(MINUSTAH) foi aprovada pelo Conselho de Segurança da ONU em estadunidense); e os protestos estudantis chegaram a um ápice após o
2004 e permaneceu no território caribenho por 13 anos, sendo ataque a uma universidade em 2003. Com isso, o presidente foi forçado a
encerrada oficialmente no dia 15 de outubro de 2017. A Missão teve renunciar ao cargo, sendo escoltado – ou, segundo ele, forçado – por
comando brasileiro e contou com a participação de capacetes azuis do oficiais dos Estados Unidos para fora do país.
Exército, da Marinha e da Força Aérea; além do tropas vindas de outros Os grupos armados que o General Augusto Heleno Pereira ( apud
15 países. A MINUSTAH foi substituída pela Missão das Nações Unidas OLIVEIRA, 2004, p. 23) classificou como “os grandes adversários da
para Apoio à Justiça no Haiti (MINUSJUSTH) (EXÉRCITO missão (...) tiveram como seus integrantes ex-militares e rebeldes, as
BRASILEIRO, 2017). gangues e os chimère”. Com a extinção das Forças Armadas, em 1994, os
A crise política, social e econômica no país desde 2000 – embora oficiais foram dispensados sem receber qualquer amparo do Estado; as
Corbellini (2009) defenda que as condições para essa venham sido gangues eram formadas por fugitivos das prisões e outros criminosos; e
forjadas desde a independência da ex-colônia francesa – culminou em os chimère eram praticamente uma polícia paralela ilegal dentro das
uma revolta armada no norte do país em 2004, se espalhando para favelas. Enquanto os primeiros mostraram-se contrários à presença de
outras cidades. O controle dos insurgentes sobre uma considerável parte Aristide, os dois últimos grupos desejavam seu retorno (OLIVEIRA,
daquela região e a incapacidade do governo haitiano em oferecer 2004).
segurança à sua população atestaram uma ameaça à segurança Um gabinete ambientado em uma missão de paz da ONU
internacional – motivando o estabelecimento da MINUSTAH por meio possibilita aos delegados lidar, além da pura movimentação de tropas
da resolução 1542 (2004) do Conselho de Segurança (OLIVEIRA, 2013; militares, com o caráter político que a Missão traz – uma vez que seu
ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS, 2004). mandato exige o apoio ao processo para a realização de eleições e que é
O então presidente do Haiti, Jean-Bertrand Aristide, havia necessário lidar com personagens ligados ao Departamento de Missões
atingido grande impopularidade dentro e fora do país. A oposição de Paz (DPKO) –; com a UNPOL – a polícia especial da Missão –; e
haitiana e o governo norte-americano acusaram Aristide de ter fraudado com a logística e inteligência. Além disso, este comitê muda o ambiente
as eleições; seu pedido de reparação à França – que a custaria mais de 21 geral de gabinetes de guerra para uma situação de promoção da paz.
milhões de dólares – não foi bem recebido pelo país; grupos
paramilitares de direita apoiados pela elite haitiana (e, como seria
25
Calendário
26
Cronograma
27
CLÍNICA DE DIREITOS HUMANOS, et al. Amicus Curiae - Caso Povo Indígena v.
Referências Bibliográficas
Brasil. “Jurisprudência Internacional e Comparada sobre Reconhecimento,
Demarcação e Titulação de Territórios Indígenas” Corte Interamericana de
ACHIENG, R. M. Can We Speak of African Agency  ?: APRM and Africa ’ s Agenda
Direitos Humanos. Curitiba, Ottawa e Washington D.C., 2017.
2063. African Sociological Review, v. 18, n. 1, p. 49–64, 2014.
CORBELLINI, Mariana D. Haiti: da crise à MINUSTAH. 2009. Dissertação
AFRICA, U. N. E. C. FOR. African Governance Report IV: Measuring corruption
(Mestrado em Relações Internacionais) – Instituto de Filosofia e Ciências
in Africa. Addis Ababa: United Nations Economic Comission for Africa, 2016.
Humanas. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.
AFRICAN UNION. African Union Convention on Preventing and Combating
CÚPULA DOS POVOS. Documentos Finais da Cúpula dos Povos na Rio +20 por
Corruption. 2nd Ordinary Session of the Assembly of the Union. Maputo: 2003
Justiça Social e Ambiental. Rio +20. Rio de Janeiro, junho de 2012. Disponível
AUSTIN, S. B. et al. Screening high school students for eating disorders: results of em: https://drive.google.com/drive/folders/1yvSolyLFH1Q_RX5IBhu4-
a national initiative. Prev Chronic Dis, v. 5, n. 4, p. A114, 2008. R8HAXEnSBLF. Acesso em: 13 de jan de 2017.

BARAWANI, M. A. M. Somamiland and Somalia Peace-Building Process: Actors, DWORKIN, A. Woman Hating. Boston: E. P. Dutton, 1974.
Interventions, and Experiences. International Journal of Development
FERNANDES, S. Crisis of Praxis: Depoliticization and Leftist Fragmentation in
Research, v. 7, n. 8, p. 14248–14259, 2017.
Brazil. Tese (Doutorado em Sociologia) - Carleton University, Ottawa, 2017.
BITTENCOURT, A. L.; VIEIRA, R. S.; e MARTINS, Q. J. N. Economia verde: conceito,
GUO, Hong. For whom the net tolls: a two-sided market analysis and public
críticas e instrumentos de transição. Revista Eletrônica Direito e Política,, Itajaí,
policy implications for the net neutrality debate. 2009. Thesis (Doctorate degree
v.7, n.2, 2012. Disponível em:
in Philosophy) – University of Florida.
https://siaiap32.univali.br/seer/index.php/rdp/article/viewFile/5606/3009.
Acesso em: 13 de jan de 2017. HAMMOND, Brian. Internet Governance Forum Participants Find Little Consensus
on Net Neutrality, Seek IGF’s Extension. Telecommunications Reports, vol. 80,
BURKE, Roland. Decolonization and the Evolution of International Human
n. 18, sep. 15, 2014.
Rights. Filadélfia: University of Pennsylvania Press, 2011.
28
MASTERS, Jonathan. What is Internet Governance? Council on Foreign RAIZ. Teko Porã, 2015. Disponível em: <http://www.raiz.org.br/teko-pora>.
Relations, 2014. Disponível em: <https://www.cfr.org/backgrounder/what- Acesso em: 10 jan. 2018.
internet-governance>. Acesso em: 27 jan. 2018.
RIO +20. Cúpula dos Povos. Disponível em:
NEWS & MEDIA UNITED NATIONS RADIO. Depression and eating disorders <http://www.rio20.gov.br/sobre_a_rio_mais_20/o-que-e-cupula-dos-
“should be part of gender debate”. Disponível em: povos.html>. Acesso em: 13 jan. 2018.
<http://www.unmultimedia.org/radio/english/2015/03/depression-and-
RÝDLOVÁ, B. Civil War in Somalia - a Colonial Legacy? PRAHA: UNIVERZITA
eating-disorders-should-be-part-of-gender-debate/#.Wl-V-ainHIV>. Acesso
KARLOVA FAKULTA, 2007.
em: 10 jan. 2018.
SAFATLE, V. Grande Hotel Abismo: Por uma Reconstrução da Teoria do
OKIROR, S. Countdown to AMISOM withdrawal: is Somalia ready? Disponível
Reconhecimento. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2012.
em: <https://www.irinnews.org/analysis/2017/02/28/countdown-amisom-
withdrawal-somalia-ready>. Acesso em: 10 jan. 2018. SHARAN, P.; SUNDAR, AS. Eating disorders in women. Indian Journal of
Psychiatry, v. 57, n. 6, p. 286, 2015.
PEREIRA, Analúcia D.; MEDEIROS, Klei. A emergência da periferia no sistema
mundial: da Conferência de Bandung à Conferência de Buenos Aires (1955- SILVA, Alberto J. C. Internet freedom is not enough: towards an internet based
1978). Austral: Revista Brasileira de Estratégia e Relações Internacionais, v. on human rights. SUR – International Journal on Human Rights, São Paulo, n.
4, n. 7, p. 119-138, jan./jun. 2015. 18, v. 10, jun. 2013.

PINHEIRO, Juliana S. A atuação brasileira na MINUSTAH: estratégias de THE JAKARTA POST. Asian-African Conference timeline, 2015. Disponível em:
enfrentamento das gangues no Haiti. 2015. Dissertação (Doutorado em <http://www.thejakartapost.com/news/2015/04/23/asian-african-
Desenvolvimento, Sociedade e Cooperação Internacional) – Centro de Estudos conference-timeline.html>. Acesso em: 13 jan. 2018.
Multidisciplinares, Universidade de Brasília.
USMAN, A. The challenges of sustainable development in post-colonial african
PNUMA. Caminhos para o Desenvolvimento Sustentável e a Erradicação da states: a review of adamu usman’s. Journal of Sustainable Development Law
Pobreza – Síntese para Tomadores de Decisão, Rumo à uma Economia and Policy, v. 4, n. 1, p. 135–153, 2014.
Verde. 2011. Disponível em: http://www.fapesp.br/rio20/media/Rumo-a-uma-
Economia-Verde.pdf. Acesso em: 13 de jan de 2018.
29
WORLD SUMMIT ON THE INFORMATION SOCIETY. WSIS Outcome Documents.
Genebra: International Telecommunication Union (ITU), dez. 2005.

ŽIŽEK, S. Vivendo no fim dos tempos. São Paulo: Boitempo Editorial, 2012.