Você está na página 1de 10

Irene de Lima Paiva

Daniel Victor/12/3E

Portfolio de Sociologia

São Paulo
2018
Índice
1 a 3-Fichamento do Livro
4-Fichamento da Apostila
5-Pesquisa: O que não é Cidadania
6-Relatorio dos Seminários
7-Seminario do Meu Grupo: Nelson Mandela
Fichamento-Livro
A democracia (poder do povo) surgiu na Grécia antiga e se transformou com o passar
da história, adquirindo diversas formas dependendo do lugar e contexto histórico, a
democracia pode ser desde votar e ser votado em cargos executivos e legislativos até
uma participação na administração econômica,social,culturale demais esferas da
sociedade.
A democracia nem sempre foi o modelo dominante, começou em poucos lugares e foi
se espalhando através da luta por esse modelo.
Formas de democracia
Democracia Direita:foi a primeira forma de democracia, aplicada em Athenas, onde os
cidadãos se reunião em um conselho, discutiam e tomavam a decisões de como a
sociedade seria organizado, porem no caso de Athenas era limitada apenas aos que
eram considerados cidadãos.
Democracia Indireta: surgiu na República Romana e foi resgatado pelasrepúblicasdo
início do período contemporâneo, nesse modelo os cidadãos elegem representantes
para exercer funções legislativas e executivas do estado, o problemasdeste modelo
está em que muitas vezes os representantes eleitos não representam os eleitores
Democracia participativa: funciona como a democracia indireta, porem tem
mecanismos de democracia direta, como plebiscitos, referendos e pesquisas de
opinião.
Teoria da Democracia Moderna
Com o surgimento das ideias liberais surge um debate se a democracia deve priorizar
o indivíduoou o coletivo e também a discussão sobre quanto poder o soberano deve
ter.
Hobbes defende que o soberano deve ser um monarca absoluto e que depois de eleito
não pode ser questionado,tendo seus poderes acima das liberdades individuais,
Hobbes diz que esse é o modelo ideal pois a democracia representativa gera conflitos
entre diferentes grupos políticos e dificulta o funcionamento da sociedade.
Locke defende que a democracia deve ser representativa e buscar a liberdade
individual e igualdade coletiva
Rousseau defende que a democracia deve ser direta, deve haver independência dos
três poderes e um contrato social que assegure o funcionamento do regime e que
combata as mazelas da propriedade privada em busca da igualdade.
Para Montesquieu a democracia apenas funciona quando os poderes são equilibrados
e a liberdade moderada pelas leis.
Por fim Marx e Engels acreditam que a democracia não pode ser plenamente exercido
no capitalismo por conta das relações econômicas explorativas e de controle da
burguesia sobre o processo democrático, assim para haver democracia plena é precisa
e superar o capitalismo.
Teoria democrática contemporânea
Foi desenvolvida com base no confronto entre as ideias liberais e socialistas. Os liberais
defendem que o estado deve defender as liberdades individuais e a propriedade
privada, Sturd Mill criou o ‘’princípiodo domo’’ onde diz que sua liberdade individual
apenas pode ser contestada quando prejudica o outro indivíduo. A democracia liberal
gerou o aumento na quantidade de eleitores e dos órgãos de estado, porém não
aumentou a participação popular direta.
Os socialistas defendem que a democracia liberal não pode ser plena porque a
burguesia exerce influência sobe seu funcionamento, assim para que a democracia
seja plena o capitalismo deve ser superado e a democracia ser exercida diretamente
através de conselhos populares.
Na metade do século XX surgem os pluralistas, que defendem que a democracia não
pode ser meramente formal, deve cumprir com determinadas requisitos, como ter
funcionários eleitos, eleições livres, justas e frequentes, liberdade de expressão, fontes
de informação diversificadas, autonomia para associação e cidadania.
Com base nesses critérios os pluralistas definiram quatro estruturas de governo:
Hegemonias Fechadas: regimes em que não há disputa de poder e a participação
política é limitada.
Hegemonias Inclusivas: Não há disputa de poder mas há participação política.
Oligarquias Competitivas: Há disputa de poder mas com limitada participação política.
Poliarquias: Há disputas de poder e participação política ampliada.
Também existem os liberais elitistas, que defendem que as massas são irracionalistas e
atrapalham a organização da sociedade com a democracia, por tanto ela só deve ser
organizada pelas elites, uma ideia minoritária e contestada pelos demais liberais que
acreditam que a democracia é pilar da liberdade.
Cidadania e Direitos humanos
O sociólogo T.H. Marshall estabeleceu uma divisão dos direitos da cidadania em três
estágios, O primeiro é a conquista dos direitos civis, o segundo dos direitos políticos e
o terceiro aos direitos sociais, ele coloca esses estágios como universais, porém é
criticado por outros estudiosos que mostram que esses estágios não são universais.
De acordo com Marshall o cidadão é aquele que exerce seus direitos de maneira
afetiva, direitos esses que devem ser garantidos pelo estado, porem apenas algumas
pessoas usufruem plenamente desses direitos.
Direitos Humanos
Após a segunda guerra mundial foi criada a ONU e os direitos humanos, que
teoricamente tem o objetivo de garantir direitos básicos universais e hoje são muito
utilizados para ativismo de direitos a minorias.
Democracia, Cidadania e Direitos Humanos no Brasil
O Brasil formalmente cumpre os requisitos mínimos de uma poliarquia, porem tem
uma democratização social e economia ainda muito limitada.
O mesmo corre com a cidadania onde ela apenas é plena para algumas camadas da
sociedade, o que também acontece com os direitos humanos.
Fichamento-Apostila
Situação de Aprendizagem 1: Nela aprendemos conceitos básicos da organização de
um estado moderno como a divisão dos poderes e seus componentes de população,
povo, território e governo, utilizando como exemplificação a organização do estado de
Israel.

Situação de Aprendizagem 2: O capitulo nos apresenta algumas das formas de


governos, sendo essas a monarquia e as repúblicas democráticas e aristocráticas,
apresentando também seus ramos, como a monarquia absoluta, de estamentos,
constitucional e parlamentar, já nas republicas o presidencialismo e o
parlamentarismo e suas características.

Situação de Aprendizagem 3:Nos introduz a organização política do estado brasileiro,


explicando o funcionamento do nosso federalismo, seus órgãos e a divisão dos
poderes executivos, legislativos e judiciários.

Situação de Aprendizagem 4: Explica o funcionamento das eleições no Brasil, dos


cargos, processos de voto e a organização dos partidos políticos, além de introduzir
outras formas de organização eletiva.

Situação de Aprendizagem 5: Apresenta o conceito de “desumanização e coisificação


do outro” através dos processos de escravidão, semi-escravidão, exploração do
trabalho, exploração sexual, tráfico de pessoas e outras diversas formas de exploração
que levam a “desumanização e coisificação do outro”.

Situação de Aprendizagem 6: O capitulo mostra a reprodução da violência e da


desigualdade social, gerada pelos problemas sócio-economicos, pela marginalização,
não cidadania e vulnerabilidade social, utilizando como exemplo o caso da Candelária.
Situação de Aprendizagem 7: A aprendizagem trata sobre o papel da esperança na
sociedade, utilizando como primeiro exemplo a música de Chico Buarque “Apesar de
Você”, onde ele critica o regime militar e traz como mensagem de esperança que ele
ainda vai acabar, o seguinte exemplo é de um texto de Jose de Souza Martins, que
retrata o sonho e a esperança de renovar a sociedade. O próximo tema é o conceito de
“utopia” segundo Karl Mannheim, que diz que a utopia é o ideal de romper com o
velho e buscar o novo. Por fim o capítulo trata de algumas figuras que tiveram esse
papel, sendo elas Gandhi no combate pacifico ao colonialismo britânico na Índia,
Nelson Mandela no combate ao apartheid sul africano e Martin Luther King no combate a
segregação racial nos EUA
Pesquisa-O Que Não é Cidadania
É quando uma pessoa com status de cidadão não cumpre seus direitos e deveres, por
tanto, não colabora com o funcionamento da sociedade. Isso pode acontecer por
diversos motivos, seja porque o cidadão não quer, porque está à margem da lei,
porque não recebeu educação cívica ou porque sua cidadania é meramente formal,
não sendo garantida em pratica pela pelo estado
Relatórios dos Seminários
Martin Luther King: King lutou contra as políticas de segregação racial nos EUA,
apoiava os ideais do socialismo democrático, tendo promovido diversas manifestações
pacificas contra essas políticas e gerado diversos avanços a causa, seu ativismo o
rendeu intimidações do FBI e o seu assassinato por segregacionistas, tendo King se
tornado uma das principais figuras de combate a segregação racial e aos racismo.

Mahatma Gandhi: Mahatma Gandhi foi um ativista do anti-colonialismo pacifista


indiano, além de sua luta pela independência da índia, também ficou conhecido por
seus pensamentos e sua filosofia, nas manifestações utilizava de jejuns, marchas,
desobediência civil e boicotes, tendo sido assassinado um ano após a independência
da Índia, Gandhi se tornou uma das figuras políticas mais populares pela luta anti-
colonialista pacifista e sua filosofia.

Rosa Parks: Foi uma ativista do movimento dos direitos civis dos negros nos EUA, ela
ficou reconhecida após recusar ceder o lugar no ônibus para os brancos, que era uma
lei segregacionista, a partir daí diversos negros passaram a fazer o mesmo e ela ficou
conhecida como “mãe do moderno movimento dos direitos civis”, sofreu diversas
dificuldades e ameaças mas continuou lutando pelos direitos negros até o final de sua
vida.

Anne Frank: Frank foi uma menina judia que, durante a segunda guerra mundial teve
que se esconder e se exilar para fugir da repressão da Alemanha nazista, tendo ficado
exilada dois anos na holanda ate que ela, familia e demais companheiros foram
descobertos e enviados para campos de concentração apos a ocupação nazista na
Holanda. O pai de Anne, Otto Frank, foi o único das oito pessoas que sobreviveu,
depois da sua morte, Anne torna-se famosa no mundo inteiro por causa do diário que
escreveu quando ainda estava escondida, se tornando referencia literaria sobre a
repressão nazista.

Malala:
Seminario do Grupo-Nelson Mandela
Nelson Rolihlahla Mandela foi um importante líder político da África do Sul, que lutou contra o
sistema de apartheid no país. Nasceu em 18 de julho de 1918 na cidade de Qunu.
Mandela, formado em direito, foi presidente da África do Sul entre os anos de 1994 e
1999.

O Apartheid foi o regime de segregação racial imposto na África do Sul pelo governo
colonialista e pós-colonialista britânico, onde os negros tinham menos direitos, não
podiam ficar em determinadas áreas, usufruir de alguns serviços do estado e eram
inferiorizados e discriminados.

Mandela começa sua luta em 1942, ainda estudando Direitos. Entrou para a oposição
ingressando no Congresso Nacional Africano, um partido que unia militantes de diversas
ideologias socialistas. Em 1944, participou da Liga Jovem no CNA. E foi o principal membro
antiapartheid e participou da divulgação da “Carta da Liberdade” em 1950.

A 26 de junho de 1952 tem início a Campanha de Desafio, com o Dia do Protesto e


Mandela torna-se seu porta-voz e chefe nacional; por todo o país os negros são
convidados a usarem os espaços reservados aos brancos em banheiros, escritórios
públicos, correios, etc. Resultando na prisão de Mandela por dois dias, junto a outros
companheiros de luta.

Em 1960 Mandela abandona sua defesa a luta pacifica por conta do Massacre de
Sharpaville, quando policiais sul-africanos atiraram contra manifestantes negros, matando
69 pessoas, depois desse ocorrido ele passou a defender a luta revolucionaria armada
contra o regime e em 1961 tornou-se comandante do braço armado do CNA, conhecido
como Lança da Nação”.

É preso em várias ocasiões e passa vários dias encarcerado; sendo condenado em 1964
junto a outros dezenove companheiros, com base na Lei de Repressão ao Comunismo,
com isso o CNA é proibida, condenado à prisão perpétua, passara a ser então um dos
prisioneiros políticos mais célebres do mundo e numerosas campanhas em todos os
quadrantes do globo eram levadas a cabo pela sua libertação e Mandela é liberto em 11
de fevereiro de 1990, graças ao enfraquecimento do regime, a pressão internacional e sua
popularidade mundial com as denúncias de sua prisão.

Em 27 de abril de 1994, Nelson Mandela é eleito presidente da África do Sul nas primeiras
eleições democráticas levadas a efeito após a derrocada do sistema do apartheid.

Mandela conseguiu organizar um governo hegemônico e pôde edificar o estado


democrático de direito, o estado de bem estar social, efetuou uma reforma agrária e
organizou uma economia desenvolvimentista, assim avançando as bases da social
democracia, porem a África do Sul continuou a sofrer com muitos problemas como
epidemias de doenças como HIV, a desigualdade social e uma economia fraca e
dependente do capital estrangeiro em alguns setores.

Mandela faleceu em 2013 e até hoje é lembrado como símbolo internacional do


socialismo democrático, do pan-africanismo e o combate ao racismo.