Você está na página 1de 3

Plano

de Aula: O Código Civil Brasileiro


DIREITO CIVIL I - CCJ0006

Título

O Código Civil Brasileiro

Número de Aulas por Semana

Número de Semana de Aula

Tema

O Código Civil Brasileiro

Objetivos

- Discorrer sobre a importância da disciplina Direito Civil I para os objetivos do


curso e empregabilidade do aluno.

- Apresentar as competências e habilidades desenvolvidas, em articulação com


outras disciplinas do curso.

- Discorrer sobre a metodologia de ensino centrada na resolução de casos


concretos.

- Apresentar a bibliografia básica e complementar.

- Apresentar o Plano de Ensino e o Mapa Conceitual da Disciplina.

- Orientar a utilização do material didático.

- Contextualizar o Direito Civil como principal ramo do Direito Privado.

- Fornecer ao aluno o campo estrutural do Código Civil Brasileiro e sua base


principiológica.

- Discorrer sobre a relação do Direito Civil com a Constituição Federal de 1988.


Estrutura do Conteúdo

Unidade I - O Código Civil Brasileiro.

O Direito Civil como ramo do Direito Privado.

O fenômeno da codificação.

A codificação civil brasileira.

O Código Civil de 2002: estrutura, princípios norteadores e campo de


incidência.

Direito Civil e a Constituição da República de 1988.

Aplicação Prática Teórica

Caso concreto

Rebeca comprou terreno em loteamento empreendido por Amaranta. Sem que


constasse do instrumento contratual, Amaranta garantiu a Rebeca que teria
vista definitiva a um belo monte, que era a grande atração do
empreendimento, tendo inclusive assegurado que a legislação local não
permitia edificações nos terrenos a frente do seu. Após alguns meses da
aquisição do terreno, Amaranta solicitou uma alteração no plano de
urbanização da cidade, que passou a permitir a edificação nos lotes em frente
ao terreno de Rebeca, fazendo com que ela perdesse a visão para o monte.

Inconformada, Amaranta moveu uma ação contra Rebeca, tendo obtido êxito
porque o órgão jurisdicional entendeu que pela boa-fé objetiva, existe um
dever de não adotar atitudes que possam frustrar o objetivo perseguido pela
autora, ou que possam implicar, mediante o aproveitamento da antiga
previsão contratual, a diminuição das vantagens ou até infligir danos ao
contratante.

Diante dos fatos narrados acima e com base no conteúdo das aulas desta
semana, responda:

a) A boa-fé objetiva é uma cláusula geral? Em caso afirmativo, explique o


porquê de a boa-fé objetiva adequar-se ao conceito de cláusula geral. Em caso
negativo, indique de maneira justificada a que categoria pertence a boa-fé
objetiva.

b) Qual(is) dos princípios estruturantes do CC/2002 foi(ram) levado(s) em


consideração para que o magistrado interpretasse a boa-fé objetiva?
Justifique.

Questão objetiva

(MP/GO – 2005) O atual Código Civil optou “muitas vezes, por normas genéricas
ou cláusulas gerais, sem a preocupação de excessivo rigorismo conceitual, a
fim de possibilitar a criação de modelos jurídicos hermenêuticos, quer pelos
advogados quer pelos juízes para a contínua atualização dos preceitos legais”
(trecho extraído do livro História do novo Código Civil, de Miguel Reale e Judith
Martins-Costa). Considerando o texto, é correto afirmar que:

a) Cláusulas gerais são normas orientadoras sob a forma de diretrizes,


dirigidas precipuamente ao juiz, vinculando-o ao mesmo tempo em que lhe dão
liberdade para decidir, sendo que tais cláusulas restringem-se à Parte Geral
do Código Civil.

b) Aplicando a mesma cláusula geral, o juiz não poderá dar uma solução em
um determinado caso, e solução diferente em outro.

c) São exemplos de cláusulas gerais: a função social do contrato como limite à


autonomia

privada e que no contrato devem as partes observam a boa-fé objetiva e a


probidade.

d) As cláusulas gerais afrontam o princípio da eticidade, que é um dos


regramentos básicos que sustentam a codificação privada