Você está na página 1de 145

KUSNETZOFF, Juan Carlos.

O homem sexualmente feliz: do mito à verdade científica. Tradução de Anilde Werneck. Rio
de Janeiro: Nova Fronteira, 1987.
SUMÁRIO
Prólogo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
Agradecimentos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
Introdução. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16

Capítulo 1

1. ESCLARECIMENTOS SOBRE EXPRESSÕES. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21


2. A vida sexual do casal. Resposta sexual masculina e resposta sexual feminina. . . . . .. 22
3. O que é um casal sexualmente feliz e qual não é? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
4. O casal em que o homem tem uma disfunção sexual. . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . . . 27

Capítulo 2

1. ALGUNS MITOS MASCULINOS SOBRE A SEXUALIDADE . . . .. . . . . . . . . . . . . . . . . . 31


2. Mitos sobre a anatomia e a fisiologia sexual. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
3. Mitos sobre o impulso sexual. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
4. Mitos sobre a homossexualidade. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
5. Mitos sobre a masturbação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39

Capítulo 3

1. MECANISMOS DA EREÇÃO NORMAL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44


2. O pênis. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
3. O sistema arterial e venoso do pênis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
4. Os nervos do pênis. . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46
5. A influência hormonal. A testosterona . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .47
6. O cérebro. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48

Capítulo 4

1. CAUSAS ORGÂNICAS. PROBLEMAS CONGÊNITOS, FERIDAS E TRAUMATISMOS.


ENFERMIDADES QUE PODEM CAUSAR DISFUNÇÃO SEXUAL . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
1. Introdução... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
2. Anormalidades no pênis. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
2.1 Problemas congênitos do pênis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
2.2 Enfermidades adquiridas do pênis.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
2.3 Feridas no pênis. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55
3. O priapismo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56
4. Obstrução arterial do pênis. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56
4.1 A enfermidade arteriosclerótica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57
4.2 Alguns problemas circulatórios que podem produzir uma disfunção sexual . . . . . . . . . 58
5. Problemas dos nervos penianos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58
5.1 O diabetes. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
5.2 Esclerose múltipla ou esclerose "em placas". . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60
6. Feridas e lesões graves na medula espinhal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61
7. Fratura da pelve . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62
8. Neurite crônica. Diálise renal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62

Capítulo 5

INTERVENÇÕES CIRÚRGICAS COMO POSSÍVEL CAUSA DE DISFUNÇÃO SEXUAL.. 65


1. A glândula prostática. Anatomia e funcionamento. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65
2. Intervenção cirúrgica na próstata. Mitos mais comuns. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66
3. Tumores malignos na próstata . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68
3.1 A extração total da próstata. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68
3.2 A radiação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68
4. Grandes cirurgias abdominais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . .. 69

Capítulo 6

O PAPEL DOS HORMÚNIOS NA DISFUNÇÃO SEXUAL MASCULINA . . . . . . . . . . . . 70


I. A testosterona. Mitos mais freqüentes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
1.1 Variações no nível da testosterona e alterações de acordo com a idade. . . . . . . . . . 72
2. O hormônio prolactina . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72
3. Hormônio da tireóide . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74

Capítulo 7

1. AÇÃO DOS MEDICAMENTOS E DE OUTROS PRODUTOS COMO CAUSA DE


DISFUNÇÃO SEXUAL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75
2. Medicamentos anti-hipertensivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76
3. Medicação psicofarmacológica. Antidepressivos e ansiolíticos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77
4. Outras medicações. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 78
5. Tabagismo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79
6. Alcoolismo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 80

Capítulo 8

1. O FATOR PSICOLÓGICO NAS DISFUNÇÕES SEXUAIS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81


2. Causas psicológicas mais freqüentes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83
2.1 O temor de ser repudiado. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83
2.2 O medo da "primeira vez" . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84
2.3 O medo do teste. O papel de espectador. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84
3.Conflitos,perdas e alterações vitais como causas psicossociais de dificuldades sexuais 86
4. Causas habituais de estresse capazes de produzir disfunção sexual. . . . . . . . . . . . . . . 88
4.1 Enfermidades orgânicas e intervenções cirúrgicas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 88
4.2 As perdas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89
4.3 O dinheiro como causa de tensão. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90
4.4 O casamento como causa de tensão. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 91
Capítulo 9

1. OS PROBLEMAS DA EJACULAÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95
2. O que é e como se produz a ejaculação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95
3. O tempo que a ejaculação leva para produzir-se. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 98
4. Métodos ineficazes para combater a ejaculação precoce. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99
5. Causas orgânicas dos distúrbios ejaculatórios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100
6. Tipos de problemas ejaculatórios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .101
7. Tratamentos dos distúrbios ejaculatórios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103

Capítulo 10

O HOMEM ATÉ OS 40 ANOS. SEUS PROBLEMAS PSICOLÓGICOS. POSSIBILIDADES


DE DISFUNÇÃO SEXUAL NESSA IDADE . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105
1. Pensamentos mais freqüentes. O medo de falhar. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105
1.1 Manifestações de culpa. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106
1.2 Manifestações de ansiedade, temor, medo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107
1.3 Manifestações de exigência excessiva . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107
1.4 Manifestações de perseguição, indicadoras de inferioridade psicológica. . . . . . . . . . 108
1.5 Manifestações de ira ou competência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 108
1.6 Manifestações de insegurança, de falta de confiança em si mesmo. . . . . . . . . . . . . 109
2. Superproteção (domínio) materna.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 109
3. Pai autoritário. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 110
4. Educação religiosa. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 111
5. Educação autoritária, não necessariamente religiosa. A manipulação dos desejos, dos
gostos, da autonomia. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 112

Capítulo 11

1. A MEIA-IDADE MASCULINA: 40-60 ANOS. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 116


2. A chamada "crise da meia-idade" . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 117
2.1 Um mito: a menopausa masculina. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 117
2.2 Que é a crise? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 118
2.3 Crise, estresse e mudança. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 119
2.4 A crise da meia-idade e o casamento. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 119
3. Crise da meia-idade e sexualidade. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 121
3.1 O homem de 40-50 anos: um ser ignorante e sugestionável . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .125
4. Um reexame evolutivo: o ciclo sexual masculino. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 126
4.1 Dois fatores condicionantes na vida sexual da meia-idade: os filhos e o trabalho. . . . 129
4.2 Algumas deficiências da meia-idade que provocam dificuldades sexuais. . . . . . . . . . 130
4.2.1 Uma deficiência importante: a perda da capacidade de comunicação. . . . . . . . . . . 130
4.2.2 A falta de experimentos: o fantasma da rotina. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. 132

Capítulo 12

1. OS PROBLEMAS DA SOLIDÃO. SEPARAÇÃO E VIUVEZ. ALGUNS PROBLEMAS


ESPECIAIS. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 133
2. O problema da viuvez. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 134
3. O problema da separação e do divórcio. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . 137
4. Alguns problemas especiais: o homem, frente à menopausa de sua mulher. O homem e
a mulher mastectomizada ou histerectomizada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 138
5. A depressão. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 141
6. Relação neuroquímica entre a depressão e a disfunção sexual. . . . . . . . . . . . . . . . . . 144

Capítulo 13

1. O HOMEM DA TERCEIRA IDADE. POSSIBILIDADE DE DISFUNÇÃO SEXUAL . . . . 146


2. Fatores que influem na persistência ou não da vida erótica ativa. . . . . . . . . . . . . . . . . 147
3. Algumas alterações na fisiologia sexual: a ereção e a ejaculação na terceira idade. . 147
4. O mito de que o sexo desgasta o homem de idade avançada . . . . . . . . . . . . . . . 149
5. Efeitos das enfermidades e cirurgias sobre a vida sexual do homem na terceira idade150
6. Enfermidades do coração. Sua possível limitação no funcionamento sexual. . . . . . . . 151

Capítulo 14

VERDADES E MENTIRAS SOBRE OS AFRODISÍACOS (estimulantes) E DIVERSAS


AJUDAS SEXUAIS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 153
1. Antecedentes ................................................... 153
2. Alimentos afrodisíacos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 153
3. Afrodisíacos farmacológicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 154
3.1 Afrodisíacos farmacológicos irritantes. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 155
3.2 As vitaminas como afrodisíacos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 156
4. Drogas ilegais usadas como afrodisíacos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 156
5. Ajudas sexuais, meios mecânicos, aparelhos eróticos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 157

Capítulo 15

1. O DIAGNÓSTICO CERTO NA DISFUNÇÃO SEXUAL MASCULlNA. PSICOLÓGICO OU


ORGÂNICO? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 158
2. O primeiro passo: uma história clínica e sexual detalhada e correta. . . . . . . . . . . . . . 159
3. Perguntas fundamentais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 159
4. O que são ereções noturnas ou matinais? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 159
5. Investigações recentes sobre as ereções noturnas e a causa da disfunção erétil . . 160
6. O registro da ereção noturna. A Monitoração da Tumescência Peniana Noturna (MTPN) .
............................. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 161
7. Exames de rotina e hormonais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . . . . . . . . 162

Capítulo 16

QUANDO A FALHA É PREDOMINANTEMENTE PSICOLÓGICA. . . . . . . . . . . . . . . . . 164


1. Resistências mais comuns. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . . . . . . . 164
2. Quando a falha é recente. . . . . . . .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . . . . . . . 165
2.1 Quando o problema da disfunção sexual de origem psicológica demora muito tempo166
3. O que é uma terapia sexual? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 166
4. A dificuldade de encontrar terapeutas especializados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . 169
5. Tratamentos alternativos não convencionais: acupuntura e homeopatia . . . . . . . . 170
5.1 A acupuntura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . 170
5.2 Homeopatia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 171

Capítulo 17

SE A FALHA É PREDOMINANTEMENTE FÍSICA.


OS modernos métodos físicos para o tratamento das disfunções sexuais: as próteses
penianas .. . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . 174
1. Antecedentes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 174
2. As próteses penianas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . 175
2.1 Próteses rígidas e semiflexíveis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . . . . . . . 175
3. Técnica de implante cirúrgico e uso de próteses semiflexíveis . . . . . . . . . . . . . . 177
3.1 Complicações da operação de prótese . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . . . . . 177
4. Em quem pode ser colocada uma prótese . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . . . .178
5. Avaliação médico-psicológica anterior à implantação cirúrgica. . . . . . . . . . . . .. . . . . . 178
6. Perguntas e respostas mais comuns sobre a prótese peniana. . . . . . . . . . . . . . . . . . . 180
7. A prótese inflável. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . 182
8. A Previdência Social pagaria uma prótese? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . 183
9. Os tratamentos da disfunção erétil por revascularização. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 183

Capítulo 18

A MULHER E A DISFUNÇÃO SEXUAL MASCULINA. O PÊNIS COMO SÍMBOLO. . . . 185

APÊNDICE
O PROBLEMA DA AIDS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 188
1. Surgimento da AIDS e evolução. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . . . . . . . . . 189
2. Quem pode contrair AIDS? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . 190
3. Grupos de risco . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 190
4. O agente virotico produtor, os anticorpos, os métodos de detecção . . . . . . . . . . . . . . . 191
5. O sistema defensivo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . . . . . . . 193
6. Como a enfermidade se apresenta? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . . . . . . . . 194
7. Algumas drogas ativas usadas contra a AIDS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . 196
8. Medidas preventivas gerais contra a AIDS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 196
9. Conseqüências psico-sociais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 198

GLOSSÁRIO. . . . . . . . . . . . . . . . .. .. . . .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . 200

..
Prólogo

O leitor desatento que consulte aleatoriamente este livro do Dr. Kusnetzoff pode pensar, por
momentos, que está diante de um manual de fisiologia, talvez de urologia, de
psicopatologia ou de divulgação sexológica.
Será necessário lê-Io por completo para entender que se trata de uma abordagem
abrangente do tema Sexualidade. O que vale dizer que vai mais além do que o título O
homem sexualmente feliz sugere.
O livro examina todos os aspectos da sexualidade, não apenas objetivamente, como um
texto clássico de Medicina, mas também com o apoio de um grande conhecimento e
experiência do autor. Ao comprometer sua opinião, o autor admite que pode tomar
vulnerável algum conceito e, por essa razão, apóia-se em fatos e referências que
constituem verdades neste final do século XX.
Quem consultar a bibliografia sobre sexo de cem anos atrás poderá comprovar o verdadeiro
avanço feito nestes dois últimos decênios num tema tão milenar como a própria biologia.
lndubitavelmente, a obra tem muitos méritos, mas, antes de me referir a ela, quero falar
sobre o autor e as circunstâncias de nosso conhecimento.
O Dr. Kusnetzoff, psiquiatra, psicanalista de sólida formação em sexologia, pretendia
integrar-se à equipe médica do hospital e praticar a docência, num momento em que eu
estava organizando um grupo multidisciplinar para o estudo das disfunções sexuais.
Os objetivos eram tão coincidentes que nos pusemos de acordo imediatamente. Desde
então e como conseqüência de sua dedicação permanente, ele conseguiu integrar-se numa
equipe médico-assistencial de importante gabarito.
Atualmente, o Dr. Kusnetzoff é o encarregado da seção de Sexologia da cátedra de
Urologia. Participa do ensino em pré-graduação e organiza e dirige cursos de Sexologia
Médica para graduados.
A melhor prova de sua capacidade docente está dada pelo interesse que suas aulas
despertam e pela influência que exerce sobre o grupo médico.
Por sua vez, o psiquiatra, o psicanalista, não saiu incólume de seu contato com a clínica e a
cirurgia, e isso fica patente nos capítulos referentes às disfunções eréteis não psicológicas,
tratadas com critério organicista.
A obra, de grande clareza conceitual, escrita num estilo que impressiona pela objetividade,
dirige-se a uma ampla e variada população de leitores.
Ao abordar, integralmente, a problemática da sexualidade, será uma fonte útil de consulta
para quem sofra uma disfunção sexual, em qualquer idade, e para sua companheira.
Orientará pais e educadores, que devem proporcionar informações a filhos e alunos.
Não há dúvida de que a harmonia sexual leva à estabilidade afetiva do casal.
O médico, o estudante, ou simplesmente o estudioso, encontrarão um livro de consulta que
sintetiza grande parte do conhecimento atual sobre o tema. Escrever este prólogo foi para
mim uma honra, não só pela grande qualidade da obra como também pela amizade que me
une ao autor.

Prof. DR. CARLOS A. SÁENZ


Prof. titular da cátedra de Urologia
Fac. de Medicina da Universidade de Buenos Aires
Agradecimentos

Ao Prof. Dr. Carlos Sáenz, para quem educar é oferecer oportunidade.


Aos meus colegas e companheiros da Seção de Andrologia-Sexologia da cátedra de
Urologia do Hospital de Clínicas Joséde San Martín (Faculdade de Medicina da
Universidade de Buenos Aires); Drs. José Vázquez, Gustavo Álvarez, Claudio Rosenfeld,
Emesto Grasso e Esther Kusnetzoff. Uma parte considerável do meu conhecimento do
tema lhes pertence.
Às famílias Zulik e Zeitune, graças às quais pude dispor de todo um verão para conceber
estas páginas.
A Evelyn Piccioli, mais do que uma tradutora, mais do que uma amiga... Uma boa parte
deste livro tem a sua marca pessoal.
A Lucila Galay. Sua revisão do texto, suas notas à margem, seu sentido e "olfato" de leitora
profissional e, sobretudo, seus conselhos editoriais foram inestimáveis.
A minha secretária EIsa de Lago; sem sua infinita paciência, passando e repassando os
originais, dificilmente este livro teria sido publicado.
A minha esposa, Esther Kusnetzoff, um estímulo permanente e um silêncio compreensivo e
tolerante, para que eu pudesse dar forma a esta pequena obra.
A meus filhos Diego e Andrés, dois adolescentes, primeiros leitores destas páginas... O pai,
cheio de esperanças, tem um ideal: que seus filhos, isto é, meus netos, não tenham
necessidade de recorrer a um livro desse tipo.

Buenos Aires, março de 1986

NOTA: Todas as palavras assinaladas com asterico figuram no Glossário.


Introdução
Em toda a comunidade científica, e especialmente na área da saúde, da medicina em geral,
já não se discute a necessidade de adquirir conhecimentos relativos à sexualidade humana.
Apesar disso, há uma crença muito difundida entre a população média: os homens, o
elemento masculino, não têm por que instruir-se em assuntos sexuais: conhecem tudo
sobre a matéria. Indiscutivelmente, e na trilha desse pensamento falso, a leitura de alguma
coisa que os informe, os enriqueça com conhecimentos sexuais, pode converter-se em
sinal de debilidade, de "ser pouco macho" e, inclusive em alguns casos, pode fazer recair
sobre ele a suspeita de homossexualidade.

Se alguns dos leitores deste livro pensam assim, será uma pena. Este trabalho dirige-se
primordialmente a homens e mulheres desejosos de conhecer e compartilhar a experiência
sexual; aos que pretendam melhorar sua vida íntima com a companheira; àqueles cujo
casamento esteja em crise, entre muitas outras coisas, por causa de um inadequado
funcionamento sexual; àqueles cujo pensamento se baseia em princípios falsos, afastados
das verdades científicas evidentes, e que, portanto, são propensos a cair nas mãos de
indivíduos inescrupulosos e aproveitadores da ignorância.

A experiência sexual é uma experiência especificamente humana. Os animais praticam o


sexo, mas neles trata-se de uma atividade predominantemente genital; o ser humano vai
muito além dessa atividade e, embora obviamente a inclua, a experiência de aproximação,
obtenção de afeto, transmissão de sensações e conservação de vínculos faz "do sexual"
uma matéria complexa, biopsicossocial. Os animais têm um período próprio para efetuar a
aproximação sexual - e esse período, o do cio, está antecipadamente determinado pelo
ritmo biológico. No homem a aproximação produz-se praticamente em qualquer momento,
obedecendo a normas fixadas pelos costumes, pelas características do ambiente
educacional onde se viveu ou se vive e, sobretudo, pela personalidade e pelo estilo próprio
do homem e da mulher, atores principais do ato sexual.

Sabe-se hoje com certeza que, em algum momento de sua vida sexual - que se estende
desde os 15-16 anos de idade até os 80-85 anos -, o homem sofrerá algum transtorno em
seu funcionamento sexual. Mais do que isso: um homem adulto normal, saudável, com uma
mulher carinhosa e que lhe dedique uma afeição sincera e estável, tem de duas a três
falhas ejaculatórias e/ou eréteis a cada dez coitos. * É óbvio que esse tipo de falhas
consideradas' 'normais" ou "habituais" é mais comum em homens após os 55-60 anos de
idade, embora - insistimos - afete também jovens de 20-25. Em todas as latitudes do mundo
ocorre esse tipo de experiência; nenhum homem está isento.

Assim como a falha erétil ou ejaculatória é freqüente num homem normal, assim também
freqüentes são os sintomas, as sensações que os acompanham. Tais sensações são
angustiosas, deixam o homem tenso e a mulher desconcertada, sem saberem o que, nem
como fazer. Se o problema ficasse simplesmente ali, não passaria de uma experiência
penosa leve, das muitíssimas existentes na vida de qualquer pessoa, sobretudo quando
sabemos que esse tipo de falha acontece quando o homem está cansado, tenso,
preocupado ou bebeu mais do que devia. Se, porém, a experiência se repete, ou se lhe
atribuímos importância maior do que a habitual nesses casos, é possível - aí sim - que se
transforme num problema.
A sexualidade humana, embora seja potencialmente um bem natural, implica hábitos,
comportamentos, atitudes e, sobretudo, significados aprendidos, relacionados com a
história pessoal de cada indivíduo. A sexualidade pode - e deve - ser uma fonte de prazer;
lamentavelmente, quando se chega ao caso descrito acima, é fonte de conflitos, de terríveis
pesadelos, de obstáculos na comunicação, de profunda infelicidade, enfim.

O homem que foi vítima de uma falha erétil ou ejaculatória sente-se - literalmente -
impotente, abatido, desgostoso... Costuma-se ouvir de alguém com problemas sexuais que
perdeu a confiança em si próprio, ou que se sente diminuído diante dos outros. A maioria,
por um erradíssimo conceito na matéria, sente-se "menos homem".

No capítulo próprio, veremos que qualquer outro problema de ordem médica ou psicológica
levaria esse homem a consultar alguém que o pudesse ajudar. A vergonha, * a culpa, * o
temor ao escárnio ou ao ridículo adiam cada vez mais uma consulta ao profissional
adequado. É fácil supor o agravamento progressivo de qualquer problema, ou ainda o
aparecimento de um problema onde inicialmente de fato não havia.

Nossa abordagem dos sintomas sexuais segue, no essencial, a das mais modernas
correntes científicas contemporâneas. Não existe o problema sexual isolado. Pela
característica intrínseca da sexualidade, é sempre um problema de dois. Alguém pode,
logicamente, sofrê-Io, padecê-Io, mas os efeitos, as conseqüências, estendem-se a ambos
os integrantes do casal. * Daí a importância e a hierarquia que este livro atribui ao
componente feminino, à necessária informação, compreensão e apoio que a companheira
deverá dispensar ao homem que sofre de um problema sexual. Estamos convencidos da
extraordinária importância atribuída à informação adequada, como parte da educação
sexual adulta da população. Inúmero~ problemas são resolvidos apenas com conversas
adequadas ou leituras e não poucos casamentos podem ser salvos da deterioração ou do
possível fracasso definitivo.

Ainda que este livro se destine aos leigos, cremos que, indiretamente, se dirige à classe
médica. O paciente de uma disfunção sexual terá um conhecimento mais preciso e objetivo,
podendo assim obter, solicitar e exigir respostas pertinentes de seu médico habitual ou
urologista ou ginecologista. Não é verdade que o médico, pelo simples fato de o ser, saiba
tudo. E muito menos que seja uma autoridade em questão de sexualidade, normal ou
patológica. * Lamentavelmente, nossas faculdades de Medicina não contam, até agora,
com programas de treinamento em Sexologia para médicos; isso faz com que muitos
profissionais, quando consultados, escondam sua ignorância, procurando diminuir a
angústia de seus pacientes com ansiolíticos, * calmantes ou qualquer outro medicamento,
na melhor das hipóteses inteiramente ineficazes para a disfunção sexual. Em outras
ocasiões, e isto é rigorosamente certo por faltarem especialistas na matéria, não sabem
onde nem a quem encaminhar seu paciente; em nosso país, são muito poucos os serviços
hospitalares que podem atender de maneira satisfatória as consultas de natureza
sexológica.

Este livro responde a uma necessidade: necessidade tanto dos pacientes quanto dos
médicos. Os pacientes costumam indagar: "O que devo ler, doutor? Onde posso me
informar?" Os médicos costumam consultar-se mutuamente: "Há alguma coisa sobre
sexualidade para recomendar aos pacientes? Onde posso encontrar um texto escrito de
maneira simples, para ajudar meus pacientes?
Levar ao conhecimento do público os progressos na sexualidade médico-psicológica dos
últimos quarenta ou cinqüenta anos é quase uma obrigação, sob o ponto de vista
profissional interessado em educar e orientar.

Com este livro o leitor terá acesso à diferenciação mais importante que cumpre estabelecer
quando aparece um problema sexual: esse problema é orgânico ou psicógeno? Sendo
orgânico, ou psicógeno, ou de natureza mista, que orientação tenho agora? O que devo
fazer? Quem pode me ajudar?

Para poder adotar uma orientação correta de assistência terapêutica, toma-se necessário
saber de que se trata. É por isso que este livro estuda a descrição psicofisiológica
masculina em diversas fases da vida ativa, os mecanismos da ereção, * do orgasmo* e da
ejaculação, * os problemas mais comuns na função sexual masculina, os desequilíbrios
hormonais, as perturbações orgânicas mais freqüentes, incluindo a ação dos medicamentos
sobre a sexualidade, o papel do diabetes, * da arteriosclerose* e de algumas situações
psicológicas nocivas. Para chegar a essas conclusões diagnósticas, deve-se seguir um
método racional, passo a passo, o qual, em alguns casos, toma imperiosa a ação do
especialista, clínico geral, * diabetólogo, * urologista, * cardiologista, * cirurgião vascular, *
psicólogo, * psicoterapeuta* ou psicanalista. *

É muito escassa a literatura ao alcance do público, que possa informar sem


sensacionalismo. Em alguns casos, o público tem acesso a uma informação que, pela
primeira vez, o faz tomar consciência de seus problemas. É verdade que, além de tender
para o sensacionalismo, essa literatura de divulgação maciça é excessivamente
simplificada e parcial, mas também se percebe, a cada dia, que ela tem êxito, em virtude da
acentuada avidez do público necessitado de ciência e informação. É tarefa dos
especialistas da área escutar esse apelo e responder a essa crescente demanda. Uma
informação verdadeira, com discrição, mas também sem ocuItações nem ambigüidades,
constitui parte dos objetivos de uma educação permanente, com a clara perspectiva de que
supõe considerar a ignorância como uma forma sutil de escravidão.
CAPÍTULO 1

1. Esclarecimento sobre expressões

Uma dificuldade na ereção ou na ejaculação é tão comum entre os homens que,


praticamente, não existe ser humano que não tenha passado por isso alguma vez. O
homem costuma ser muito orgulhoso e, nos "papos de botequim", com companheiros, não
deixa de ufanar-se com expressões como: "Eu nunca falhei. "

Entre as muitas crendices, mantidas através de anos de ocultamento e ignorância, está a


suposição de que a disfunção sexual, seja ejaculatória ou erétil, tem alguma coisa a ver, ou,
diretamente, é sinônimo de não-fecundidade, quer dizer, a impossibilidade de gerar filhos.
Um homem pode ter uma falha na sexualidade, mas todo o seu sistema reprodutivo
(testículos, hormônios, condutos, etc.) estar em perfeitas condições. Inversamente, um
homem, por qualquer fator, pode ser estéril,* mas ter uma vida sexual perfeita, ereções
adequadas e ejaculações sem inconvenientes. Ambos os mecanismos e sistemas - os da
fecundidade/reprodução e os da função sexual - são completamente separados e
independentes.

O termo "disfunção sexual" abarca toda uma série de problemas. Em primeiro lugar, os
problemas ejaculatórios.

E, embora venhamos a abordá-los de maneira mais abrangente, podemos dizer que são de
dois tipos: ejaculação rápida, * também chamada de "precoce", * e a dificuldade de
ejacutar, ou ejaculação retardada. * Na verdade, a disfunção ejaculatória é um distúrbio
muito freqüente e, por essa razão, merece um capítulo mais detalhado.

O outro problema freqüente é o da ereção. Alguns homens nunca conseguiram alcançar a


ereção, ou apenas em pouquíssimas vezes, ou só parcialmente. Vamos chamar este
distúrbio de disfunção sexual primária". * Outros problemas da ereção podem surgir depois
de um período em que nada havia de anormal. Vamos chamá-Ios de .. disfunção sexual
secundária", * quer dizer, depois de um período mais ou menos prolongado em que o
paciente funcionava perfeitamente bem. Alguns homens funcionam bem com uma mulher,
com outras, não; ou tendo relações sexuais em determinada posição, em outras, não; ou
em determinados lugares, em outros, não. Chamaremos isso de "disfunção circunstancial".
Não podemos confundir o distúrbio ejaculatório nem o distúrbio erétil com o chamado"
distúrbio do desejo", * sofrido por homens que não têm problemas com a ereção nem com a
ejaculação, mas não têm desejo, não estão motivados. A esse caso também dedicaremos
um pequeno item.

2. A vida sexual do casal. Resposta sexual masculina* e resposta sexual feminina*

Hoje sabemos que as respostas fisiológicas de homens e mulheres têm muitos pontos em
comum e alguns - que são essenciais - diferentes.
A figura 1 mostra-nos as quatro fases comuns a ambos os sexos: Fase A: fase de excitação
ou desejo. Ter desejo sexual* é sinônimo, praticamente, de vida. É sentir-se atraído pelo
sexo oposto, ter fantasias* eróticas e, de um modo geral, é percebido como uma tensão
interior, acompanhada da necessidade de liberar-se dela.

Também como descrição geral, diremos que todos os apetites são semelhantes, no que se
refere a essa tensão já mencionada; a fome, a sede, o sonho. É algo que, em determinado
momento, se toma imperioso e tem de ser satisfeito.

O desejo sexual humano se põe em movimento ou em atividade ante estímulos externos


concretos ou, inclusive, por fantasias internas, evocadoras de momentos agradáveis
passados em companhia de pessoas queridas. O lugar de recepção desses estímulos, e de
onde se originam "ordens" complexas, é o cérebro. Ali se produzem complicadas reações
neuroquímicas, das quais falaremos ligeiramente mais adiante. Quando, por diversos
fatores, essas reações não ocorrem, ou ocorrem de maneira ineficaz, o desejo sexual está
ausente.

Esses fatores inibitórios são vários. Alguns são conhecidos, de outros apenas há suspeitas,
e muitos mais são desconhecidos. Uma pessoa pode mostrar-se apática em relação ao
sexo por estar enferma. Uma simples gripe é suficiente para nos deixar sem ânimo e
desprovidos de qualquer tipo de desejo. A depressão* é outro grande fator capaz de
interferir no desejo sexual. A ansiedade, * a ira, * a raiva* são alguns outros fatores
inibitórios.

O desejo sexual, tanto em homens como em mulheres, varia de intensidade e de


características, segundo a idade e, com toda a segurança, segundo a personalidade de
cada um. Contudo, o que pode ser estimulante para os homens pode não o ser para as
mulheres. O homem é mais sensível aos estímulos visuais, enquanto os estímulos táteis
suaves exercem uma influência mais decisiva sobre a mulher, que também não deixa de
ser sensível aos estímulos visuais e auditivos. Acredita-se que esses parâmetros são
originários da educação recebida. O homem é "educado" desde pequeno para apreciar
visualmente a mulher. Em troca, a mulher está, em geral, "proibida" de olhar um homem
com desejo; mais que isso, ensinaram-na a fazer-se ver, a ser admirada.

O desejo sexual parece ampliar-se nas mulheres com idade variando entre 35 e 40 anos,
quando as experiências vitais se tomaram mais marcadas e, em certo sentido, se livraram
de alguns daqueles tabus estabelecidos durante sua educação infanto-juvenil.
Fase B: ou fase chamada de excitação em meseta, * pelo tipo de excitação que, neste
período, tende a manter-se e a estabilizar-se por algum tempo. A essa altura da excitação
sexual, ocorreram e ocorrem fenômenos de ordem psicológica e fisiológica bem marcados
em ambos os sexos.

Homem e mulher sentem-se agora profundamente atraídos; algumas zonas do corpo se


encheram de sangue, devido a um complexo mecanismo, em que intervêm o sistema
nervoso* e o sistema hormonal. * Os genitais, masculinos e femininos, tornam-se mais
sensíveis. Os corpos cavernosos, * ao se encherem de sangue, começaram a distender os
espaços internos e o pênis, * agora, está quase completamente ereto. Os nervos penianos,
tanto os superficiais como os profundos, estão conectados com os centros reflexos do
sistema nervoso, e qualquer estímulo tátil promove maior sensibilidade e entrada de
sangue.
A mulher tem um tipo de resposta semelhante, mas ela prefere ser estimulada e acariciada
nos genitais um pouco mais tarde que o homem. Isso ê de grande importância para o
adequado e intenso estímulo da mulher. Geralmente, ela começa a tomar-se sensível em
zonas bem distantes dos genitais: quer ser acariciada no rosto, na nuca, no pescoço, nas
orelhas, na cintura, nos seios, etc. São poucas as mulheres que gostam de ser acariciadas,
desde o começo, na zona genital, e isso costuma ser motivo de discussões e desencontros
prejudiciais ao erotismo* de ambos.

O equivalente à ereção, na mulher, é o umedecimento intenso de seus genitais externos e


internos. Graças à dilatação dos vasos sangüíneos antes comentada, há uma secreção de
pequenas glândulas, e essa secreção facilita, sem dúvida, a penetração do membro viril.

Ao contrário do que se acredita, não é a ereção do clitóris* o equivalente à ereção do pênis,


mas, sim, a secreção concentrada na entrada vaginal, que é o sinal quase indispensável
para reconhecer-se a intensa excitação da mulher. A quantidade de líquido segregado varia
muito de mulher para mulher e sua abundância apenas indica a boa saúde e o estado de
excitação sexual. Depois dos 50-55 anos, o líquido segregado tende a ser escasso e é
conveniente, em tais situações, complementá-Io com cremes vitaminados ou óleos minerais
(de marcas farmacêuticas comerciais).

Fase C: ou fase do orgasmo. O orgasmo é a fase de culminação do prazer* sexual. Sua


produção é complexa e está, indubitavelmente, condicionada por experiências psicológicas.
No homem, as caricias e fricções, primeiro, suaves e, logo, cada vez mais enérgicas,
realizadas com um ritmo constante, na região da glande e na parte anterior do pênis,
produzem uma estimulação crescente que, conduzida pelos nervos pelvianos à medula
espinhal* e aos centros cerebrais, faz com que estes enviem "ordens" aos músculos
pelvianos e aos localizados nas vesícuIas seminais. *

Esse fenômeno produz contrações de todos esses músculos, que parecem sacudidos por
pequenos golpes ou pulsações, acompanhados de intenso prazer. Todo o acúmulo de
tensão das fases de desejo* e meseta* alcança o "clímax" nessa fase e se precipita na
descarga aliviante e cheia de prazer, chamada orgasmo. *

Na mulher, a reação é semelhante; o acúmulo de tensão vai-se concentrando cada vez


mais ao redor do clitóris e da parte anterior da vagina. * O pênis, que ali penetrara minutos
antes, roça a parte anterior da vagina intensamente umedecida e o púbis* (normalmente
coberto de pêlo), golpeia ou roça suavemente o clitóris. Esses estímulos terminam com as
contrações semelhantes às descritas no homem, com a diferença substancial de que, na
mulher, não existe ejaculação. A sensação de prazer e as contrações musculares são
exatamente iguais às do homem.

Aqui, temos de fazer um importante esclarecimento. Enquanto o homem costuma ter um só


orgasmo, a mulher pode chegar a ter mais de um, ou até vários, a cada orgasmo do
homem. Algumas mulheres, especialmente quando podem alcançar, com o companheiro,
um grau de tranqüilidade e de confiança suficientemente intenso, uma vez obtido o primeiro
orgasmo, podem ter outro, imediatamente, e, às vezes, muitos mais. Tudo isso depende de
muitos fatores, mas, sobretudo, da relação de confiança existente e da capacidade de dar
prazer, do carinho e da suavidade do companheiro.
Fase D: fase de resolução. * Em ambos os sexos, é uma fase de relaxamento. Depois do
orgasmo, em que há ativas contrações musculares, acompanhadas de movimentos, a
maioria das vezes, involuntários, com emissão de sons, segue-se uma relativamente rápida
volta de todo o organismo à tranqüilidade, e o que se chama de "detumescência", * ou o
retomo do sangue que inundava os tecidos. Vagina e pênis retomam, depois de um período
variável segundo a pessoa e a idade, a seu tamanho habitual. É perfeitamente normal que
o pênis - logo depois da ejaculação e do orgasmo - continue ereto por algums minutos, até
15, aproximadamente.

Outra consideração importante: depois do orgasmo, o homem (a mulher, não) tem um


período chamado refratário,* durante o qual não há possibilidade de nenhuma excitação.
Esse período é curto - cerca de 20 a 30 minutos - quando se é jovem. Quando se é adulto,
ou já se está na chamada "terceira idade" (50-60 anos), o período refratário pode durar 24-
48 horas ou mais. As mulheres não têm esse período de não-excitabilidade e esta é a razão
por que podem ter mais de um orgasmo numa mesma relação sexuai.

3. O que é um casal sexualmente feliz e qual não é?

O subtítulo destaca sexualmente; é que queremos deixar bem claro que é difícil ser
sexualmente feliz, se não houver felicidade emocional em qualquer outro campo da vida em
comum.

A comunicação, o intercâmbio de opiniões, de gostos, de desejos íntimos, é componente


essencial das boas relações conjugais. Quando existem essas características, é muito fácil
querer ir para a cama com o parceiro ou parceira. É possível compartilhar a sensibilidade, o
intercâmbio corporal e as emoções simultâneas, se já houve uma experiência semelhante
em outras atividades, se já foram compartilhadas outras pequenas ou grandes sensações,
fatos, dificuldades cotidianas...

Em tais circunstâncias, o ato sexual adquire as características de uma festa, um ritual


sumamente simples, talvez o primeiro a que o ser humano teve acesso. O ato sexual se
converte, desse modo, em um momento relaxante, de íntima união, em que, por um
instante, ficam entre parênteses as preocupações e os desgostos. Não existe, nesse ato
sexual assim concebido, nenhum planejamento. Ambos os membros do casal se
interpenetram mutuamente, mas muito além do ato genital que consiste na introdução de
uma parte do corpo - o pênis - dentro de outra - a vagina. Existe algo assim como uma
transfusão mútua de sensualidade, de ternura e, sobretudo, de zelo um pelo outro. Há um
provérbio que explica plenamente esse quadro: "Amor é zelo e cuidado, muito bem
cuidado."

No casal em que há falhas, total ou parcialmente, na sexualidade, não existe esse


intercâmbio global. Há desconfiança, rancor mútuo; não faltam as discussões e as
acusações. Cada um considera que o outro é o responsável por sua infelicidade. Em certos
casos, é o contrário. Um dos membros do casal se auto-acusa, bem além do razoável,
constituindo-se, assim, um quadro que se instala com características fortemente
patológicas.

No que se refere à experiência sexual em si, o comum nos casais estremecidos é a


negativa de um dos membros a proporcionar prazer ao outro, tanto em quantidade como
em qualidade suficientes. Muitas vezes, como veremos nos próximos capítulos, há
pensamentos profundamente enraizados nos casais, verdadeiros mitos* compartilhados,
que se erguem como obstáculos ao entendimento e à compreensão mútua.

4. O casal em que o homem tem uma disfunção sexual

O distúrbio sexual, embora esteja alojado em um dos membros do casal, no homem, neste
caso, nunca é apenas desse membro. O problema sexual é sempre de ambos. Essa
premissa é fundamental para que sejam entendidos alguns fenômenos que ocorrem no seio
da intimidade de homens e mulheres e não pode, de nenhuma forma, ser ignorado, quando
uma equipe médico-psicológica se dispõe a tratar o problema sexual.

O homem com problemas sexuais, ejaculatórios Ou eréteis, não pode conformar-se,


relaxar, dispor-se a conviver com a experiência. Não pode permitir que sua preocupação
"roube" praticamente toda a atenção de que sua companheira necessita. Algumas
mulheres, altamente sensíveis e com muitos anos de conhecimento do marido, descrevem
muito claramente esta situação: sentem-se abandonadas; têm um sentimento de estar
compartilhando a cama com duas pessoas - uma, o marido propriamente dito, e outra, "o
problema", com o qual o marido está mais intimamente ligado do que com ela.

O homem não é capaz de relaxar e sua única, grande preocupação é imaginar" se vai
funcionar ou não". Esses pensamentos e maneira de agir, prevalecendo durante meses e,
por vezes, anos, ficam enraizados na mente do homem e não lhe permitem sequer sentir os
mais elementares sinais de prazer erótico. O bloqueio da sensibilidade e da afetividade
pode chegar a ser bem marcante. Esses homens têm dificuldades de entender que a
ereção e a ejaculação são respostas fisiológicas involuntárias. Não é possível controlá-Ias
pela própria vontade, a não ser numa parte mínima. O que ocorre, então, é uma espécie de
orgulho ferido, quando um médico ou um psicólogo revela a esse homem que ele tem uma
disfunção sexual. A frustração que se segue, por não poder controlar o incontrolável,
provoca uma série de tratamentos, por um lado, e a necessidade de se recuperar o controle
a qualquer custo; por exemplo, através de medicamentos, afrodisíacos* inexistentes ou
tratamentos nocivos à saúde.

O homem que não entenda ou não aceite a idéia do mecanismo natural e espontâneo da
ejaculação e da ereção estará bloqueando as mais elementares sensações, necessárias
para um bom estímulo sexual, dele e da parceira. O prazer se perturba, a companheira se
irrita e todo o ato sexual se converte em uma experiência desagradável, mecânica.
Não é difícil adivinhar as próximas etapas. O homem e a mulher têm medo de ter relações
sexuais. Direta ou indiretamente, as evitam. Por muitas vezes, apresentam-se desculpas
que ocultam todos esses medos: "estou cansado", "trabalhei muito", "estou com dor de
cabeça", "não me sinto bem".

Esse problema, se não for interrompido com uma conduta adequada, com um tratamento
imediato, estende-se a outras áreas, e as carícias, os agrados, a conversação passam a
ser evitados.

Simultaneamente, começa a instalar-se a desconfiança entre o homem e a mulher. Ela


passa a achar que ele tem outra mulher. Ele se sente incompreendido. .Começa a aparecer
um sentimento de vergonha que impede a consulta a um especialista. Em certas ocasiões,
o homem com problemas toma-se desconfiado, inquieto, mal-humorado, com tendência a
enclausurar-se cada vez mais em si mesmo. Já não é um homem com um problema. O
problema se apossou dele.

Não são poucos os homens, nesse estado, que procuram outras mulheres. E costumam
fazê-Io contra suas convicções íntimas, contra pensamentos éticos profundamente
arraigados. Isso permite que se constate a dor e o sofrimento íntimos por que passam
esses homens. E nem seria preciso dizer que a busca de outra mulher não atenua o
problema e costuma ser contraproducente, se ocorre a violação de sentimentos íntimos. O
sentimento de culpa se amplia e isso só pode resultar num isolamento maior, na ausência
de comunicação.

Com variações e ingredientes de toda espécie, o leitor pode imaginar, facilmente, que essa
história é comum e costuma terminar com o fracasso da união, o fim de uma relação, por
vezes, de muitos anos.

A companheira de um homem com disfunção sexual, como dissemos anteriormente, não


está alheia ao problema. Costuma preocupar-se com sua participação: "O que é que eu
fiz?" Muitas companheiras são carinhosas e compreensivas, tolerantes e pacientes, mas
muitas ficam indignadas, se aborrecem e, em verdadeiros ataques de ciúmes, recriminam
seus companheiros, buscando indícios de infidelidade.

O primeiro pensamento da mulher é que não é compreendida ou não é amada e, segundo


mostra a experiência, esse tipo de pensamento conspira contra toda possibilidade de ajuda
a um homem que muito precisa dela. Nesse caso, uma consulta a um urologista, a um
psicoterapeuta especializado em casais e famílias, a um clínico compreensivo e tolerante, a
um ginecologista ou a um sexólogo, pode ser o começo de uma solução.
CAPÍTULO 2

1. Alguns mitos masculinos sobre a sexualidade

Lamentavelmente, a imensa maioria de homens e mulheres está muito pouco informada


sobre a sexualidade humana. Esse problema é de nível crítico no que se refere à
sexualidade masculina. E esta falta de informação se estende. a todas as classes sociais;
não é certo que as classes pobres ou marginais vivam dominadas por erros grosseiros em
educação sexual. Isso é um mito. O leitor se surpreenderia ao saber que pessoas de níveis
de renda muito altos, ou de educação universitária, têm idéias bem distantes da realidade
científica referente ao sexo. Muitos médicos não estão isentos desse problema. A formação
médica, na maioria dos países do Terceiro Mundo, até o momento, não inclui matérias
específicas para capacitar o profissional a tratar do tema da sexualidade humana. O mesmo
ocorre com psicólogos ou sociólogos.

Não é de estranhar, então, que, diante de quadro tão envolto em ignorância, surjam, em
forma de alternativas, mitos, crendices, mal-entendidos generalizados e meias-verdades.
Os mitos são pensamentos coletivos - em geral, invenções populares -, criados com a
finalidade de explicar o inexplicável. O mesmo tipo de gente que os inventou cuida de sua
manutenção, preservando-os através do tempo, porque lhe parecem uma proteção contra a
angústia ante o desconhecido, oferecem uma falsa segurança. Enfim, constituem-se, por
vezes, numa couraça muito difícil de penetrar.

Como essas crendices, em geral, permanecem por muito tempo na mente das pessoas,
acredita-se - e isto é outro mito - que alguém, com autoridade, as instituiu e, portanto, não
devem ser questionadas e muito menos denunciadas como falsas.

Desse modo, e quase sempre por omissão, as autoridades educacionais, médicas e


religiosas, partilham a cumplicidade de eternizar esses mitos que, para um antropólogo ou
para um estudioso de Sociologia, podem ser fonte de interessantes e compensadores
estudos, mas que, para um médico, um psicólogo ou qualquer outra pessoa amante da
Verdade (com maiúscula), representam apenas uma dificuldade ou um obstáculo para
ajudar, aliviar e curar.

Com muito esforço e resistência, a comunicação moderna consegue, pouco a pouco,


executar sua difícil tarefa de educar, com conhecimentos próximos à ciência deste último
período do século XX.

Nas páginas seguintes, vamos tentar demonstrar apenas alguns - os que nos parecem mais
comuns - dos mitos masculinos. Seria necessário mais de um volume para falar sobre
todos.

2. Mitos sobre a anatomia e a fisiologia sexual


Vida
FEL IZ
"Os que se abstêm de sexo são os que gozam de mais saúde."
Não há evidências científicas, até agora, que permitam uma afirmação desse tipo. Primeiro,
era preciso esclarecer a que nos referimos, quando falamos de "mais saúde". Na verdade,
há muitas pessoas motivadas por incentivos religiosos que praticam a abstinência* sexual.
Ainda assim, e para justificar a tese, seria necessária a possibilidade de confrontar estudos
sérios sobre o efeito da abstinência em tais pessoas, por sua vez, legitimamente orientadas
dentro dos princípios de sua vocação. Não há dúvida de que o abster-se "não mata
ninguém"; o problema principal é saber se pode ou não tomar o indivíduo enfermo, quando
o "vírus" for mais forte que suas crenças.
Algumas pessoas psiquicamente enfermas - neuróticas se abstêm, numa atitude
involuntária. Neste caso, fica ditlcil saber se os problemas dessas pessoas - instabilidade,
insônia, indisposições diversas, etc. - são produzidos pela abstinência ou pela neurose em
si. (A única verdade que se pode atribuir à abstinência é que é o melhor meio de controlar a
natalidade).
Vida

"O tamanho do pênis influi no prazer."


FEL IZ

O tamanho do pênis é fonte de uma infindável mitologia masculina. O tamanho do pênis


oscila muito entre os homens. Num adulto, há tamanhos que variam de seis centímetros a
dez centímetros em estado de flacidez. * Quando ereto, o pênis pode alcançar de 14 a 16
centímetros de comprimento.

O certo é que há uma relação ínfima entre o tamanho do pênis em estado de flacidez e em
estado de ereção. Por sua vez, não existe relação entre o físico do indivíduo e o tamanho
do pênis. Os homens costumam achar que as mulheres dão muita importância ao tamanho
do pênis. Os que cultivam essa crença nunca se atreveram a consultar uma mulher sobre
esse assunto. E, se um dia o fizerem, vão obter como resposta que os atributos físicos mais
importantes são, para elas, os músculos, o cheiro da pele, a proporção dos ombros, etc. E,
ainda mais importante, a capacidade de ser agradável, atencioso, de opiniões firmes,
envolventes, etc.

Desde tempos imemoriais, o tamanho do pênis é associado à força e ao poder masculinos.


Desde pequenos, os homens são habituados a esse mito. Não é estranho, portanto, que
tudo, absolutamente tudo o que se relacione com força, potência sexual, virilidade, etc.,
esteja condicionado ao tamanho do pênis.

A partir dos quatro, cinco anos de idade, os meninos costumam comparar, naturalmente, o
tamanho do pênis. Com isso, comparam tudo o que, para uma criança, pode ser medido:
pênis, estatura, distância, mundo infantil e mundo adulto. Nesse sentido, para uma criatura,
o corpo do pai (ou do tio, ou do avô) pode parecer-lhe tão grande que considerará
inatingível a possibilidade de igualar-se a ele. Essa sensação natural (natural, repetimos),
por vezes, recebe reforços externos. Os meninos são duramente advertidos, e até
rudemente castigados, quando espiam outros órgãos sexuais ou quando fazem
comentários alusivos a eles, ou, ainda, quando, ingenuamente, tocam ou olham o pênis.
Fica claro, assim, como um menino pode, muito facilmente, associar a curiosidade ou uma
idéia normal para a idade com a repreensão e o castigo. (" Há alguma coisa errada nisso!
Devo ter feito alguma coisa errada!") O mito que relaciona a pequenez do pênis com a
impossibilidade de conseguir ereção, ou de obter ou dar prazer, já está em formação.

É preciso dizer, claramente, que o prazer do homem e da mulher não têm absolutamente
nenhuma relação com o tamanho do pênis. E por uma simples razão. Hoje se sabe, com
segurança, que a área de maior sensibilidade feminina é o clitóris e a entrada do conduto
vaginal. Todo órgão masculino capaz de roçar a parte inicial da vagina estará tocando
direta ou indiretamente o clitóris e o tecido ao seu redor: a parte anterior da vagina. Então,
não passa de uma ingenuidade pretender ter alguns centímetros a mais de pênis do que o
vizinho. O mais importante será, no momento do coito, que o homem e a mulher busquem a
zona de maior sensibilidade, apoiando, na introdução do pênis, a base deste contra a parte
anterior vaginal. Além disso, a metade posterior da vagina é praticamente insensível. E esta
é a explicação por que alguns homens que têm um pênis muito curto, mesmo de dois a três
centímetros, em conseqüência de uma cirurgia, podem ter uma vida sexual normal e plena,
para si e para suas companheiras.

Ser um bom amante não depende da anatomia, mas do aprendizado, da sutileza, do bom
gosto e da delicadeza, atributos indispensáveis nas relações de um casal.

Vida
FEL IZ
"A ereção indica necessidade de relações sexuais imediatas."
Pensar assim é desconhecer totalmente a fisiologia da ereção. Praticamente, os homens
têm ereção desde pequenos. Como ficará esclarecido em outros capítulos, a ereção é, às
vezes (enquanto dormimos, quando despertamos e em muitas ocasiões durante o dia), uma
atividade reflexa, absolutamente normal no homem sadio, despertada por numerosos
estímulos, não necessariamente sexuais.

O cansaço pode produzir, por um fenômeno nervoso complicado, a liberação de


determinados centros inferiores, que provoca o estado de ereção. O movimento de um
veículo de transporte, especialmente quando se viaja sentado, pode provocar, por via
reflexa, ereções freqüentes.
Vida
FEL IZ
"O homem nunca falha."
Este mito provocou mais "falhas" do que nenhuma outra causa conhecida. Também, como
veremos no capítulo correspondente, o homem adulto normal costuma ter uma "falha" erétil
em cada cinco ou seis tentativas de coito. Pode-se ter como certo que quem disser que
nunca falhou está mentindo. Uma simples preocupação, uma distração no momento de
máxima tensão, é suficiente para provocar a perda do reflexo produtor da ereção.

Vida

"Quanto maior a freqüência, maior é o desgaste" (sexual, físico, psíquico, etc.)


FEL IZ

Esta crença tão difundida leva a supor que o homem tem um "estoque" de orgasmos já
determinado congenitamente. Uma vez superado esse limite, a vida sexual está terminada.
A verdade é exatamente o oposto. Temos insistido, há muito tempo, e a bibliografia e a
experiência demonstram claramente: a sexualidade é como um acumulador, uma bateria de
automóvel; quanto mais for usada, mais e melhor funcionará. "A atividade faz o órgão" e um
bom funcionamento provoca um maior recarregamento de energia, com todos os benefícios
que isso implica.

3. Mitos sobre o impulso sexual


Vida
FEL IZ
"O desejo e a potência sexual diminuem sensivelmente depois dos 40-45 anos."
Esta crença não tem o menor fundamento científico. A capacidade de ter ereções, enquanto
o sistema nervoso central e o resto do organismo estejam sadios, é mantida, com ligeiras
variações lógicas, por toda a vida. É claro, como logo veremos, que os estímulos
necessários para produzir uma ereção aos 20 anos não serão os mesmos em quantidade e
qualidade aos 50 anos. Nenhum homem, com mais de 40 anos, pretenderá correr os 100
metros rasos em menos de 10 segundos. Mas, em se tratando de sexualidade, é provável
que sim. Os homens de 45-50 anos querem ter a sexualidade (e os nervos, a pele e as
artérias) de um rapaz de 20. Como isso, evidentemente, é impossível, passam a achar que
estão "acabados", que chegaram à idade senil. * Será surpresa para muitos saber que um
grande número de velhos, adequando seu desempenho à idade, têm uma vida sexual
saudável e feliz, e muitos homens de 40 anos há tempos que já são velhos.
Vida
FEL IZ
"O álcool é um estimulante sexual."
Em outro capítulo vamos aludir mais amplamente ao uso ou à crença nos afrodisíacos
(estimulantes sexuais). O mais famoso de todos é o álcool.

Devemos observar - e toda insistência com este tema será insuficiente - a notável ação
depressora, fortemente inibitória que o álcool exerce sobre o sistema nervoso. Retarda os
reflexos e dilata os vasos sangüíneos (esta a razão por que os alcoólatras têm o rosto
congestionado). A inibição dos reflexos dificulta a ereção, de modo algum a facilita. A longo
prazo, a inibição da ereção tende a instalar-se, porque o álcool lesiona o fígado, onde a
testosterona* é metabolizada. Nos alcoólatras, há uma evidente redução desse hormônio,
essencial para o mecanismo da ereção.

Contudo, para algumas pessoas tímidas, inibidas ou que tenham sentimentos de culpa, o
álcool funciona, nos primeiros momentos, como um tranqüilizante; desinibe e permite uma
aproximação mais relaxada entre as pessoas. Daí sua fama de afrodisíaco. * Esse efeito
ocorre por igual entre homens e mulheres. O que as pessoas que bebem não sabem, ou
não querem saber, é da ação depressora posterior e, a longo prazo, pelo consumo
continuado, do efeito nocivo que o álcool exerce sobre a saúde em geral e a sexualidade
em particular.

4. Mitos sobre a homossexualidade

Há muito tempo, o campo da homossexualidade é usado como elemento preferencial para


que façamos desaguar nele nossos mais profundos preconceitos e, em muitas ocasiões,
nossos mais recônditos problemas pessoais.

A homossexualidade é tão antiga como a História; já havia tanto na Grécia Gomo em


Roma. Do ponto de vista biológico, é muito comum no reino animal. Não pretendemos
dedicar-nos especificamente ao tema, mas apenas assinalar alguns mitos relacionado~
com ele. Desejamos assinalar que a grande maioria de conhecimentos existentes hoje
sobre a homossexualidad& provém dos homossexuais que se submetem a tratamentos
(psíquicos, hormonais, físicos, etc.). Os dados originários dessas fontes são muito parciais,
pois deixam de lado uma grande massa da população homossexual; os que não se
consultam ou nunca se trataram, nem médica nem psicologicamente, e constituem, desse
modo, uma subcultura muito particular e que precisa ser plenamente diferenciada dos
casos clínicos submetidos a um tratamento. Pela lógica, estes últimos tendem a ser vistos
como" enfermos", "pervertidos" ou "patológicos".
Vida
FEL IZ
"Os indivíduos ou são totalmente heterossexuais ou totalmente homossexuais."
Quem faz uma afirmação como esta jamais leu os profundos estudos estatísticos
modernos, a partir do chamado Relatório Kinsey. * Nesses estudos, pode-se constatar que
uma grande parte da população já teve experiências de caráter homossexual alguma vez.
Esta "alguma vez" atinge homens e mulheres adolescentes, solteiros, depois casados
convencionalmente, pessoas de diversos níveis de renda e de informação e de diferentes
graus de convicção religiosa.

O que esses estudos mostram é óbvio e não nos deve surpreender. Congenitamente, o ser
humano tem dois sexos. Ocorre que, geneticamente, se decide por um. Mas o outro, o que,
aparentemente, não se mostra, fica como um traço potencial. Seria impossível uma
amizade entre dois homens, se não houvesse um componente homossexual que os
motivasse. Uma coisa é a tendência ou impulso e outra, a relação homossexual em si.
Vida
FEL IZ
"O desequilíbrio hormonal é causa da homossexualidade."
Quando se faz uma análise hormonal em homens e mulheres normais, encontramos
hormônios de ambos os sexos nos dois, embora predominem os que correspondem ao
sexo biológico. Lamentavelmente, não é possível comprovar a afirmação de que a
homossexualidade é de origem hormonal. Dissemos lamentavelmente, porque assim seria
relativamente fácil modificar condutas complexas e que costumam trazer inconvenientes de
todo tipo. Sem descartar a existência de algum fator orgânico ainda não descoberto, a
maioria das pesquisas, em todas as partes do mundo, tende a considerar a
homossexualidade resultado de pressões ou influências ambientais, decisivas na formação
psicossocial do indivíduo.
Vida
FEL IZ
"O sexo orogenital entre um homem e uma mulher é indicador de tendências
homossexuais."
Muita gente considera "suja" a região genital. A proximidade do ânus, por onde se eliminam
as fezes, e da uretra, por onde se elimina a urina, parece ser a base para essa afirmação.
Mas é muito difícil encontrar um casal que não tenha experimentado, alguma vez, essa
prática tão difundida. Pesquisas sérias, realizadas já nos anos 1948 e 1953, indicaram que
mais de 60% dos casais praticavam com freqüência o estímulo orogenital. Pensar que o
sexo oral é manifestação de tendências homossexuais não tem nenhum fundamento
científico. O mito serve para afastar os casais mal informados de urna prática que integra a
bagagem do jogo erótico normal numa vida a dois.

5. Mitos sobre a masturbação*


Vida
FEL IZ
"A masturbação é fonte de diversas afecções: pêlos nas palmas das mãos, verrugas,
raquitismo, tuberculose na coluna vertebral, idiotice, debilidade crônica, loucura,
esgotamento sexual, homossexualidade, etc. "
Vida
FEL IZ
"A masturbação é urna prática restrita exclusivamente aos homens. "
Vida
FEL IZ
"Depois de casado, o homem deixa de masturbar-se; 'cura-se' dessa' doença' . "

A masturbação deu origem a mitos, preconceitos e idéias errôneas, e diversos males que
afligem a humanidade lhe são atribuídos. Mas o que é a masturbação? Em que consiste?
Por que suscita tanto escândalo? Se estas, ou outras perguntas similares, forem feitas a
pessoas de qualquer camada social ou cultural, vai-se concluir, pelas surpreendentes
respostas, que os mitos sobre a masturbação se originam da ignorância. Muito poucas
pessoas podem falar claramente sobre essa prática, sem evidenciar idéias equivocadas,
preconceitos disparatados e crendices pouco menos que irracionais.
Entende-se por masturbação a excitação, habitualmente rítmica, efetuada com a mão, na
zona genital, própria ou do parceiro, com ou sem orgasmo. Destaquemos alguns conceitos
dessa definição:

1) É um processo de excitação que consiste num movimento (ritmo). Recordemos que a


vida toda é rítmica.
2) É feito com a mão.
3) Na zona genital, isto é, não restrita aos genitais propriamente ditos.
4) Também na zona genital do companheiro ou companheira. O processo masturbatório,
armal, é uma carícia, uma íntima comunicação sensorial, imprescindível durante o jogo
amoroso, antes ou não do coito.
5) Não é indispensável a obtenção do máximo efeito da excitação: o orgasmo. Como ficou
dito, é possível seu uso como elemento excitante apenas.
6) A masturbação é efetuada tanto por meninos como por meninas, tanto por homens
adultos como por mulheres adultas.

Qualquer observador - e, para isto, não é preciso ser um cientista - constata que 100% dos
homens se excitam com a mão à altura dos genitais, desde que são bebês. Esta prática,
feita na intimidade e já provocando ejaculação e orgasmo, torna-se mais intensa durante a
adolescência. É freqüente em grupos de garotos, com finalidade competitiva, para ver quem
ejacula mais longe, prática originária do desafio para ver "quem urina mais longe", muito
comum entre meninos na idade pré-pubere (8-11 anos).

Na idade adulta e na velhice, a excitação dos próprios genitais com a mão é uma prática
complementar da atividade genital e sexual, de freqüência, intensidade e qualidade
altamente variáveis, dependendo, como qualquer outra prática sexual, dos costumes, do
contexto, ou seja, do ambiente psicoafetivo, das circunstâncias, culpas, tristezas, alegrias,
companhias, solidão, etc.

Entre as mulheres, embora a prática seja um pouco menos freqüente do que entre os
homens, é perfeitamente normal em qualquer época da vida. Não é difícil os pais
surpreenderem sua menininha tentando introduzir o dedinho no orifício vaginal. Essa
curiosidade natural das meninas e seu conseqüente desejo de saber, explorar, conhecer e
tomar posse soberana de seu corpo, levam-nas .a olhar-se, tocar-se, experimentar
sensações diversas como dores, prazeres, atrações, excitações, repulsas, aceitações e
repúdios.

A curiosidade - e a masturbação é um instrumento ideal para manifestá-Ia - é um


componente natural no ser humano. Diríamos essencial. Sem curiosidade, não haveria
criatividade, imaginação, inventiva... E a primeira curiosidade começa pelo próprio corpo.
Daí a imperiosa necessidade de não coagir, de não impedir o desenvolvimento dessa
curiosidade. Qualquer impedimento - e, muito mais, uma censura severa ou um castigo
físico - costuma ter conseqüências desastrosas para o desenvolvimento evolutivo, bem
além do aspecto especificamente sexual.

Onde está o limite? Então, o que é o patológico? Como qualquer outra prática, o limite está
no senso comum. Andar de bicicleta, jogar futebol e nadar são práticas saudáveis. Mas, se
alguém anda de bicicleta oito horas por dia, fica na água por várias horas ou joga futebol
mais tempo do que o habitual, está passando de determinado limite e o senso comum
indica que há algo de suspeito, de enfermo. Se um adolescente passa o dia todo praticando
esportes, sem descanso, dizemos que deixou de praticar um esporte para tomar-se uma
espécie de viciado, de maníaco. O esporte deixou de ser um meio para o desenvolvimento
físico, para ser utilizado como um fim em si mesmo.

Critério idêntico aplicamos - com as variações e adaptações do caso - à prática da


masturbação. Se um adolescente ou um adulto, homem ou mulher, só se masturba, se
passa grande parte do dia recolhido, não trabalha, não estuda, chegou o momento de
pensar que uma prática habitual e necessária, como a carícia excitante dos genitais,
passou a ser utilizada, então, como um fim em si mesma. Produziu-se um déficit notório na
relação desse indivíduo com o mundo exterior, com o contato necessário e alternante com
outras pessoas e objetos, para seu crescimento e enriquecimento evolutivo.

A repressão social converte a masturbação, de uma prática agradável, em um ato


vergonhoso. É difícil que um homem adulto confesse sua prática habitual ou ocasional.
Acredita-se que o auto-excitar-se é algo anormal, uma perversão injustificável. Para o
homem comum, a vida sexual é uma atividade que tem uma finalidade: a relação
heterossexual* que culmina com o orgasmo. Qualquer outra atividade erótica intermediária
não é considerada A Meta, o "troféu máximo". Desse modo, apenas acariciar ou beijar uma
mulher é quase um fracasso. O mais importante é possuí-Ia totalmente, introduzir o pênis
em sua vagina, chegando ao orgasmo, e quantas vezes mais, melhor. A quantidade é
sempre um "troféu" superior ao da qualidade. Pergunta-se, sempre, "quantas vezes" e não"
como" .

Dentro desse quadro, a masturbação, como prática solitária e que não conduz ao coito, não
é aceitável. Nela, não há "troféu" algum para exibir. Devido às advertências e, em muitos
casos, aos castigos recebidos em criança, a maioria dos homens sente-se culpada,
envergonhada, quando pratica a masturbação. E aqui vai um ensinamento: é o sentimento
de culpa, e não a masturbação, o responsável pela angústia e pelos possíveis problemas
decorrentes desta prática.

O sentimento de culpa é o principal obstáculo para que se desfrute plenamente toda a


atividade sexual e, obviamente, as agradáveis carícias exploratórias de nossos genitais.
Disse Barry McCarthy:

"Insistimos em afirmar para nós mesmos que esses deslizes ocasionais servem
apenas a uma finalidade: aliviar a tensão acumulada. Por conseguinte, em geral
terminamos o ato o mais rapidamente possível, quanto mais rápido melhor. Raramente
nos concedemos a oportunidade de perceber que a masturbação, longe de ser uma
vergonhosa necessidade, é na verdade uma das melhores maneiras possíveis de
aprender sobre nossas reações sexuais ou de aumentar nossa sensibilidade ao
estímulo sexual, lições essas que podem ser depois aplicadas, com enormes
vantagens, na relação sexual propriamente dita."

Para alguns leitores pode ser angustiante ou muito chocante ver recomendada a prática
das autocarícias, ouvir falar delas como de algo que pode ter conteúdo positivo. Mas é hora
de enfrentar os mitos e desmascarar hipocrisias. A masturbação não é recomendada como
uma prática indiscriminada. Mas é importante assinalar que, freqüentemente, os transtornos
ejaculatórios em homens adultos originam-se de uma prática masturbatória carregada de
culpa e, sobretudo, de ansiedade. É preciso entender, contudo, que um homem que tenha
problemas ejaculatórios, especialmente ejaculação precoce, não poderá atribuí-Ios à
masturbação em si. O problema não está aí. O problema é "como" o indivíduo se
masturbava. A maioria dos adolescentes se masturba com culpa e ansiedade. Sabem ou
sentem que seus pais ou a sociedade desaprovam essa prática e os ameaçam com todo o
repertório habitual de calamidades. É lógico, então, que o adolescente se masturbe, mas
com urgência, como uma descarga na qual ele mesmo não se envolve muito. Na idade
adulta, esse mesmo adolescente conserva dentro de si a voz censora, que se evidenciará
no hábito de "terminar rápido". A ejaculação, as carícias ou o próprio ato sexual podem já
ter perdido o caráter clandestino, mas os hábitos incorporados, os reflexos nervosos
associados à culpa e à angústia estão tão consolidados dentro do homem adulto, que se
elevam como verdadeiros obstáculos a seu desenvolvimento e gozo, ao qual, logicamente,
tem direito.

Na adolescência, quando o jovem aprende a tomar contato com sua fisiologia, suas
reações peculiares e seus limites, é quando se pode fazer uma adequada prevenção de
qualquer transtorno ejaculatório adulto. Como? Simplesmente não se considerando um
atleta erótico, um projeto de homem-máquina, estimulando os genitais para ejacular o mais
rápido possível e a maior quantidade de vezes possível. O aparelho genital e a sexualidade,
em geral, não são máquinas, mas uma parte muito complexa do ser humano, inseparável
de seu mundo, não facilmente descartável, nem auto-infamante, nem passível de ser
escondida com vergonha delituosa.
Além disso, os genitais não são a única fonte de prazer, embora reconheçamos que, por
seus terminais nervosos, são os preferidos. Todo o corpo humano pode ser fonte de
sensações eróticas.
CAPÍTULO 3

1. Mecanismos da ereção normal

É necessário entender, em forma esquemática, algumas noções simples sobre a


composição dos genitais masculinos e seu funcionamento correspondente, antes de nos
referirmos às disfunções sexuais. O mecanismo da ereção é algo complexo e nele
interferem numerosos elementos de ordem anatômica, hormonal, nervosa e química.
Vamos falar, separadamente, de cada um deles.

2. O pênis

É um órgão cilíndrico, composto, em sua maior parte, por tecidos que podem enrijecer-se
quando se enchem de sangue. Esses tecidos estão imediatamente abaixo da pele e
separados do conduto urinário; estão agrupados em duas espécies de cilindros, um ao lado
do outro, chamados "corpos cavernosos" e se estendem desde o osso púbico até a glande.
* Normalmente, as paredes que constituem esses corpos cavernosos estão quase secas,
pregadas uma à outra. Quando, durante a excitação sexual, o sangue entra nesse tecido,
fica retido lá dentro. Produz-se, então, uma clara expansão, tanto no sentido longitudinal,
como na largura. E este, finalmente, é o mecanismo estrito da ereção: o enchimento, com
sangue, desses tecidos habitualmente vazios. Enquanto o sangue fica retido dentro dos
corpos cavernosos, a ereção se mantém. Inversamente, quando o sangue flui, escapa
pelas veias penianas para o interior do abdome, ocorre a chamada detumescência, cuja
conseqüência final é a ausência de ereção, a flacidez.

Fizemos referência, no capítulo dedicado a mitos masculinos, às questões relativas ao


tamanho do pênis. Vamos lembrar aqui que essa preocupação pode levar o ser adulto a
uma excessiva atenção com a anatomia do pênis, com o conseqüente enfraquecimento da
qualidade erótica de suas sensações e sentimentos. A conseqüência mais comum é uma
possível perda na qualidade da ereção, não porque o pênis seja pequeno, mas por excesso
de atenção em pontos que não se justificam.

O sentimento de ser possuidor de um pênis pequeno recebe um reforço considerável das


revistas ou filmes pornográficos. Por exigências demonstrativas, exibicionistas e comerciais,
facilmente compreensíveis, as fotos mostram primeiros planos ampliados ao máximo.
Alguns homens cometem o erro imprudente de não levar em conta as considerações acima
comentadas e comparam com sua própria anatomia. O final é previsível: supõem que
“esses homens”, os que aparecem nos filmes e nas fotos, estão mais bem capacitados para
a vida sexual.

3. O sistema arterial e venoso do pênis

Como ficou evidenciado no item anterior, a ereção tem uma relação, de forma
predominante, com a circulação do sangue. Cada corpo cavernoso do pênis tem dois vasos
sangüíneos conectados. Um é uma artéria e, como toda artéria, conduz sangue oxigenado
no pulmão, e que, bombeado pelo coração, se dirige, neste caso, à intimidade do tecido
cavernoso peniano.
O outro vaso sangüíneo é uma veia. Como toda veia, recolhe o sangue não oxigenado, em
direção oposta à circulação arterial; dirige-se, primeiro, ao coração, depois, ao pulmão, para
receber o oxigênio que o transformará em sangue arterial. A artéria de cada caverna é
sumamente pequena e não excede a grossura de um fio de cobre. Acredita-se - a
demonstração de sua existência não é definitiva - que, na entrada do tecido cavernoso, haja
uma válvula* microscópica, composta por pequenas fibras musculares. Habitualmente,
essas válvulas estariam fechadas, mantendo o pênis em estado de flacidez, de repouso.
Com a excitação sexual, elas se abririam, deixando entrar o sangue nos corpos
cavernosos, produzindo-se a ereção.

Também foi medida a velocidade de entrada das artérias com relação à velocidade de
saída venosa. A velocidade arterial é claramente superior e, por esse motivo, o sangue fica
retido no tecido cavernoso; ocorre, então, a ereção. Para que esta se mantenha, toma-se
necessário um equilíbrio entre a velocidade arterial e a velocidade de saída venosa.

4. Os nervos do pênis

Cada válvula descrita sobre suposições, no item anterior, receberia controles nervosos de
dois tipos. Cada um deles funcionaria regulando, independentemente, a abertura e o
fechamento das válvulas que permitem o acesso e o escoamento do sangue. Ambos os
tecidos nervosos correspondem ao chamado sistema nervoso autônomo. * É um tipo de
sistema nervoso que, como seu nome indica, é totalmente involuntário e, praticamente, não
pode ser comandado pela vontade.

Dissemos que, seguramente, chegam às válvulas dois tipos de nervos do sistema nervoso
autônomo: o do sistema parassimpático e o do sistema simpático. Cada tipo de nervo
responde a estímulos neuroquímicos diferentes. Os nervos do sistema paras simpático são
sensíveis à carícias, a toques suaves do corpo, em geral, e, mais especificamente, da pele
genital. Por via reflexa, as válvulas se ativariam e se abririam. O sangue flui livre até os
corpos cavernosos e se produz a ereção.

Os nervos simpáticos são sensíveis aos estímulos psicogênicoso Que são estímulos
psicogênicos? Em primeiro lugar, pensamentos de todo tipo, em especial, eróticos,
evocativos de momentos de prazer. Logo, estímulos visuais, fotos eróticas, por exemplo;
estímulos auditivos, como sons característicos do ato sexual (suspiros, respiração
arquejante, gemidos); olfativos (perfumes) que podem ativar o simpático. Pode-se observar
também que cada um desses estímulos potencia outros; assim, ouvir determinada música
evoca uma situação erótica e o homem pode "ver", imaginar a cena que, por sua vez, evoca
certos odores, etc.

Esses estímulos complexos se dirigem a centros cerebrais onde está acumulada a memória
sexual da espécie humana, que enviam ordens através do sistema nervoso correspondente
e "mandam" as (supostas) válvulas arteriais relaxarem: produz-se, então, a ereção.
Podemos extrair, até agora, várias conclusões interessantes. A primeira delas é que
qualquer afecção do aparelho circulatório pode afetar o funcionamento arterial ou venoso
do pênis. Como veremos no capítulo correspondente, a arteriosclerose é a principal dessas
enfermidades.
Portanto, temos afecções que atacam especificamente os nervos periféricos, aqueles que
se dirigem às válvulas dos corpos cavernosos. Algumas neurites, * às vezes tumorações do
abdome ou da pelve, interrompem ou pressionam esses nervos, podendo provocar
dificuldades para a chegada das ordens emanadas do sistema nervoso central.

5. A influência hormonal. A testosterona

A testosterona é o hormônio masculino por excelência. É um verdadeiro "motor" da


atividade sexual masculina e, além disso, responsável pelo desenvolvimento, crescimento e
manutenção dos órgãos sexuais correspondentes. Sua presença é necessária para que o
processo da ereção se realize, embora seja importante assinalar que não é o único fator
interveniente. Que é um hormônio?* É um produto químico segregado por um órgão ou
glândula e destinado a excitar outro órgão, a distância, ou a exercer uma função
determinada.

Para isso, ao contrário do sistema nervoso, utiliza o sangue para seu transporte. Há
numerosos hormônios no organismo, muitos deles indispensáveis à vida, como são a
insulina, produzida no pâncreas, e a tiroxina, produzida na tireóide.

A testosterona é produzida, nos testículos, por um grupo de células chamadas de Leydig,


em homenagem ao histologista que as descobriu. Produzida pelas células de Leydig, a
testosterona é acumulada e armazenada nos testículos. Algumas complexas mensagens
neuroquímicas põem esse armazenamento de sobreaviso e lançam no sangue grande
quantidade de hormônio testiçular. Então, a testosterona "viaja" através do sangue até o
pênis e a próstata, mantendo-os desenvolvidos e evolutivamente maduros.

Além disso, a testosterona "viaja" até o cérebro, onde atua nos centros gerais a que nos
referimos em parágrafos anteriores. Ali, estimula a produção de "ordens" cerebrais em
direção aos órgãos genitais produtores da ereção.

6. O cérebro

O leitor já terá aquilatado a importância do cérebro na produção das ereções. Mas devemos
esclarecer um mal-entendido comum. Cérebro não é sinônimo de vontade. A maior parte
das funções cerebrais está conectada ou programada involuntariamente e se põe em
funcionamento de forma automática, por complexos neuroquímicos intermediários, a
maioria dos quais só se tomou conhecida na última década. Ainda nesse campo, o futuro
nos tem reservado - com certeza - agradáveis surpresas.

As áreas cerebrais envolvidas na sexualidade humana são várias e estão muito


profundamente conectadas entre si. Existem centros de prazer e centros de atração sexual
localizados em pequenos locais chamados sistema límbico* e hipotálamo. * O estímulo
dessas áreas conduz a sensações de prazer. Quando, em experimentos, se consegue
estimular o sistema límbico, ocorrem as ereções. Esses centros estão conectados com
todos os centros cerebrais dos sentidos. Assim, é fácil deduzir que os estímulos auditivos,
olfativos, visuais, etc., convergem, como avenidas, para esse sistema sexual cerebral, e dali
são distribuídos, comandando a ereção.
Próximo desses centros, produz-se a gonadotrofina, * que, por sua vez, estimula a
produção de hormônio das células de Leydig, ou seja, a testosterona. É evidente, então,
que, se por qualquer motivo, o hipotálamo não funciona, a produção de testosterona
testicular diminui e a ereção pode ser perturbada.

Como ficou estabelecido, a ereção é uma resposta complexa e reflexa, inteiramente


involuntária. O córtex cerebral, a parte mais externa do cérebro e que é a parte com a qual
pensamos, é, em troca, voluntário, no que se refere à sua ativação. Contudo, pensar ou
concentrar-se, querer uma ereção, não terá efeito. O córtex cerebral, para fins de ereção,
se especializa em concentrar estímulos, intennediá-Ios e distribuí-Ios.

Nessa função de distribuição, pode inibir e bloquear os estímulos que levam ao incitamento
dos sentidos dirigidos à zona do hipotálamo. O resultado será uma não-ativação das zonas
responsáveis pela ereção. Observe-se como o lugar de máximo desenvolvimento cerebral-
o córtex - pode inibir, em vez de favorecer, a ereção. Quando nos referirmos, mais adiante,
à disfunção sexual de origem psíquica. veremos que um córtex cerebral, sobrecarregado de
estímulos, preocupações, estresse, cansaço ou conflitos que abalem sua estrutura, inibe os
centros sexuais e provoca uma conseqüente inibição da ereção.
CAPÍTULO 4

Causas orgânicas. Problemas congênitos, feridas e traumatismos.


Enfermidades que podem causar disfunção sexual

1. Introdução

Uma perfeita saúde física é condição indispensável para um desempenho sexual


adequado.
Dos capítulos anteriores, pudemos deduzir que é necessário contar com órgãos sexuais
masculinos maduros e sadios; sistema arterial intacto, capaz de assegurar um afluxo de
sangue suficiente ao pênis e aos testículos; sistema nervoso, tanto central como periférico,
em condições de garantir a abertura e o fechamento das válvulas arteriais penianas;
sistema hormonal e, principalmente, níveis de testosterona adequados e, por fim, um
cérebro, um sistema nervoso central, sem problemas.

De forma sumária e muito esquemática, descreveremos as afecções mais importantes,


suscetíveis de impedir o funcionamento sexual masculino. O leitor compreenderá que se
trata de uma orientação mínima, capaz de adverti-lo da necessidade de consultar um clínico
geral ou um urologista de sua confiança, a quem, em última análise, caberá estabelecer o
diagnóstico para uma terapêutica correta.

2. Anormalidades no pênis

Podem ser de dois tipos: congênitas, isto é, presentes no momento do nascimento, ou


adquiridas, que surgem depois, na vida adolescente ou adulta, como resultado de feridas
ou enfermidades.

2.1 Problemas congênitos do pênis

a) Ausência do pênis
É muitíssimo rara e deve ser atribuída a um defeito embrionário. Pode provocar problemas
de vários tipos, desde psicológicos e familiares até médico-cirúrgicos. Normalmente,
espera-se o começo da puberdade, administram-se hormônios femininos, extraem-se os
testículos por meio de uma intervenção cirúrgica e efetua-se o implante de uma vagina
artificial. As características externas serão as mesmas de uma mulher perfeitamente
desenvolvida e o único inconveniente é a impossibilidade de conceber.
Esse tipo de intervenção cirúrgica não é permitido na maioria dos países e a autorização
deverá ser solicitada a um juiz, com um atestado de um médico legista.

b) Hermafroditismo* verdadeiro
Também é uma afecção congênita rara. É caracterizada pela ambigüidade dos traços
sexuais. (Não confundir com homossexualidade.) O indivíduo que sofre de hermafroditismo
verdadeiro tem testículos e também ovários; ou, pelo menos, fragmentos ativos de ambos.
Daí, a aparência ambígua, que impossibilita determinar se se trata de um homem ou de
uma mulher.
O aparelho genital apresenta uma combinação, por vezes quase monstruosa, de órgãos
sexuais masculinos e femininos. Esses indivíduos costumam ter pênis capaz de ereção.
O que afirmamos quanto à solução médico-cirúrgica e legal da ausência de pênis vale
também para os casos de hermafroditismo. Em geral, impõe-se a consulta a vários
especialistas: clínicos, cirurgiões, urologistas, endocrinologistas, geneticistas e legistas.

c) Pseudo-hermafroditismo masculino
São denominados pseudo-hermafroditas os indivíduos que aparentam ser hermafroditas,
mas não têm testículos e ovários, apenas um dos dois. Acontece que os genitais externos
se apresentam sem uma distinção clara, o que toma necessários estudos genéticos e
hormonais muito minuciosos.
Qualquer desses transtornos mencionados em a), b) e c) requer estudos complexos e
profundos, com inevitáveis consultas médico-legais. O tratamento psicológico é
imprescindível para esses indivíduos, e deve ser estendido, sempre que possível, a seu
meio familiar.

d) Hipospadia*
É uma afecção do pênis não muito rara. É um defeito congênito, mas não hereditário.
Consiste numa abertura uretral, por onde sai a urina, localizada no corpo do pênis e não na
ponta da glande, como é o normal. Urina e sêmen, durante a ejaculação, passam por esse
conduto aberto habitualmente por baixo do corpo peniano.
O transtorno mais freqüente que resulta da hipospadia é a esterilidade, já que o sêmen se
deposita na parte anterior da vagina, e não em seu fundo. A cirurgia corretora,
relativamente simples, deve ser realizada o mais cedo possível, com a finalidade de
assegurar o desenvolvimento, sem inconvenientes, dos corpos cavernosos e da uretra.

e) Fimose*
Anomalia muito freqüente, na qual o prepúcio - a pele que recobre a glande - é
anormalmente comprido e não pode ser retraído. Formam-se, às vezes, aderências que
tendem, com o passar do tempo, a fixar o prepúcio à glande, impedindo-o, total ou
parcialmente, de deslizar. Esse impedimento costuma ser doloroso, dificultando a ereção.
Em algumas ocasiões, o prepúcio desliza, mas muito ajustadamente sobre a glande,
apertando-a: isto é conhecido como parafimose, * o que exige uma pequena intervenção
cirúrgica, que soluciona o problema imediatamente. A extirpação do prepúcio se denomina
circuncisão. * Nestes casos, é realizada por indicação médica. A circuncisão é um ato
cirúrgico antiqüíssimo, que era praticado - e ainda é, entre os judeus - com finalidades
rituais. Os judeus a consideram uma união ou pacto entre o homem e Deus e a executam
quando o bebê tem sete dias de nascido.

2.2 Enfermidades adquiridas do pênis

a) Enfermidade de La Peyronie*
Afeta somente os homens e, a rigor, não chega a constituir-se uma enfermidade. Sua causa
é desconhecida; consiste no desenvolvimento de um tecido fibroso, endurecido, calcificado,
no espaço existente entre os dois corpos cavernosos, imediatamente abaixo da pele. Seu
nome é o do médico francês que a descobriu, no ano de 1743: François Gigot de Ia
Peyronie.
Quando o pênis está flácido, em repouso, as pequenas placas não são vistas nem
provocam transtornos. Quando o pênis está em ereção, às vezes produz dor e,
progressivamente, com o correr dos anos, aparece um ligeiro desvio do pênis. Em muitos
casos, os pacientes costumam corrigir o desvio com a mão para introduzi-Io na vagina,
mas, em outros, esse mecanismo não épossível. São recomendados diversos tratamentos.
Algumas vezes, a afecção desaparece com radioterapia; outras, com altas doses de
vitamina E; em muitos casos, é necessária uma cirurgia para extrair as placas. Só uma boa
e profunda avaliação clínico-urológica poderá decidir, em cada caso, a melhor conduta a
ser adotada.

b) Infecções dos genitais, viróticas e não viróticas


Aí se inclui um grupo muito pequeno de afecções, relativamente comuns, que afetam os
órgãos genitais, não porque produzam disfunção sexual, mas porque, ao produzir, em
quase todos os casos, ardor e dores, e, em alguns, inflamação e edema, podem deter,
durante certo tempo, a atividade sexual. Ao.reiniciá-la, uma vez totalmente curado, .o
paciente pode passar a apresentar ejaculação precoce ou dificuldades na ereção. Como
teve, recentemente, algum tipo de afecção, atribui a elas as dificuldades sexuais.

O problema a ser considerado é que, nessas ocasiões, o indivíduo está muito sensível e
suscetível, temendo a próxima atividade, logo depois de sofrer a afecção. A ansiedade, o
temor, a expectativa excessiva, como veremos no capítulo correspondente, influem
notoriamente em seu desempenho e podem perturbar, psicologicamente, a função sexual.

Em outras ocasiões, acontece que, para curar a afecção, são administrados medicamentos
(sulfamidas, antibióticos, antimicóticos, analgésicos, etc.) e, como já assinalamos, muitos
medicamentos podem ser causa direta ou indireta de disfunção sexual.

a) Afecções da pele (dermatose)


Muito freqüentes, podem ser produzidas por fungos (micose), por germes (dermatite
infecciosa) ou por parasitas (sarnas e piolhos). Uma afecção freqüente é a alergia em toda
a .zona genital por excesso de automedicação. O organismo se defende com intensa
reação inflamatória, pruridos e lesões que podem chegar à infecção.

b) Afecções da bexiga e da uretra


As inflamações da bexiga são denominadas cistite* e as da uretra, uretrite. * Em ambos os
casos, os germes invadiram a mucosa e produzem irritações muito incômodas que podem
até impedir o coito. Quando se urina, sente-se dor, a urina é turva ou, em algumas
ocasiões, pode conter sangue. Costuma ser acompanhada de mal-estar, febre e dores
abdominais. É necessário o tratamento com o antibiótico correspondente.

c) Afecções do epidídimo*
O epidídimo é um canal muito delgado, localizado acima do testículo, que armazena
espermatozóides. Epididimite* é a palavra que designa sua inflamação. Em geral, produz
incômodo, dores e, às vezes, a inchação pode estender-se a todo o testículo. O tratamento
requer antiinflamatórios e antibióticos.

d) Afecções da próstata*
A próstata é uma glândula com a forma aproximada de um coração, que se encontra muito
próxima da bexiga e tem a peculiaridade de "abraçar" a uretra posterior, no trecho que vai
da bexiga ao pênis. Sua inflamação é muito freqüente, principalmente em homens de mais
de 40-45 anos. Denomina-se prostatite e pode ser aguda ou crônica.
A próstata se esvazia quase completamente com a ejaculação. Desse modo, é fácil
compreender que uma ausência prolongada do processo ejaculatório tenderá a aumentar o
tamanho da próstata e o risco, inicialmente, de sua congestão e, depois, de infecção.
Quando ocorre a prostatite, o incômodo e as dores ao urinar são freqüentes. Pode haver
reação geral, com febre e inapetência. As ereções podem ser dolorosas, com a ejaculação
acompanhada, em alguns casos, de pequenos traços de sangue. É conveniente uma visita
ao médico, aos primeiros sintomas.

e) Afecções inflamatórias do pênis


São denominadas balanite, * se afetam a glande, ou postite, * se afetam o prepúcio. Muito
freqüentemente estão associadas e se denominam balanopostite.
É comum que reações de toda espécie, favorecidas pela falta de higiene, produzam ardor,
inflamação e pruridos na região. O resultado é um edema avermelhado e a impossibilidade
de manter relações sexuais. Requerem cuidados especiais, com antibióticos e aplicação
local de cremes.
Uma afecção virótica relativamente freqüente é o herpes genital, localizado na glande e na
parte anterior da uretra. Formam-se pequenas vesículas que podem romper-se e ulcerar-
se, produzindo dotes. Pode haver febre, com a inchação dos gânglios da zona inguinal
(adenite). Diversos tratamentos vêm sendo tentados. Recomenda-se uma visita a um
dermatologista ou a um urologista. Normalmente, a enfermidade tem um desenvolvimento
de três a quatro semanas, mas, depois de algum tempo, tende a voltar, embora não em
todas as pessoas.

2.3 Feridas no pênis

Incluímos este item, não por sua gravidade, mas pela freqüência com que ocorrem. As mais
comuns são as feridas de profundidade e importância variáveis, produzidas pelo zíper das
calças. Dificilmente por mordeduras de animais ou por coitos prolongados. A ferida mais
freqüente é a chamada "fratura" do pênis em ereção total. Como sabemos, o pênis não tem
osso. A "fratura" é, na realidade, um corte profundo em um dos corpos cavernosos
penianos. Não é nada freqüente e costuma produzir-se como resultado de uma agressão
intencional. Requer pronta atenção cirúrgica e, em alguns casos, pode afetar a ereção
normal.

Na guerra ou em acidentes graves, é possível ocorrer a amputação total ou parcial do


pênis. Às vezes, um doente mental pode atentar contra seu próprio pênis. Em todos os
casos, é necessária uma intervenção cirúrgica imediata e cuidados médico-psicológicos
posteriores. Uma vez alcançada certa estabilidade na zona genital, é possível reconstruir
plasticamente o pênis, com enxertos e com a colocação de uma prótese* peniana
adequada ao caso.

3. O priapismo*

O priapismo é uma ereção duradoura, que se estende por horas, ou dias, sem que se
manifeste o desejo sexual. Acredita-se que sua causa seja neurológica ou inflamatória e
seja acompanhada de dores e de um quadro de intensa angústia. Se continuar por muitos
dias, pode dar origem a um estancamento do sangue nos vasos penianos e requerer uma
intervenção cirúrgica, com a finalidade de evitar complicações mais graves.
4. Obstrução arterial do pênis

Ficou estabelecido, anteriormente, que o fenômeno da ereção é um fato


predominantemente arteriovenoso. Daí a importância de se estudar tudo o que possa
contribuir para obstruí-Io. As artérias que chegam ao pênis são bastante delgadas e são
ramificações de uma espécie de "cano" arterial grosso, chamado aorta, que sai do coração,
passa pelo abdome e se divide na pelve, com ramificações para todos os órgãos e
membros inferiores.
A causa mais comum da obstrução arterial é a arteriosclerose, responsável por uma grande
porcentagem de disfunções, a partir dos 50 anos de idade.

4.1 A enfermidade arteriosclerótica

Preferimos a denominação de enfermidade, porque não está localizada em um órgão, em


particular, mas se estende a todo o organismo. Chegou a um tal nível de expansão e
difusão, no mundo ocidental, que quase constitui uma epidemia. Normalmente, as artérias
são de tecido elástico e, portanto, podem expandir-se com facilidade. A enfermidade
arteriosclerótica consiste no acúmulo de gordura, que se deposita no interior das artérias. O
hábito de fumar e alguns outros fatores, como a hipertensão sangüínea e o diabetes, são
agentes que predispõem a esses depósitos gordurosos. Passado algum tempo, as
plaquetas sangüíneas se precipitam sobre essas saliências gordurosas, formando
pequenos coágulos, e estes, por sua vez, tendem a calcificar-se, endurecendo e obstruindo
ainda mais o fluxo no interior das artérias.

Embora as gorduras, os ácidos graxos e o colesterol sejam produzidos no interior do


organismo, a maior parte deles provém da comida que ingerimos. Nas comunidades em
que a alimentação é de baixo teor de gordura, constata-se um baixíssimo nível de risco de
sofrer obstruções arteriais.

Como vimos, o fluxo sangüíneo arterial é essencial para a produção e manutenção da


ereção. Em indivíduos com processos arterioscleróticos, esse fluxo tende a diminuir. Quase
sempre, essa diminuição pode ser verificada com aparelhos adequados ou com o
correspondente exame clínico.

Para evitar o processo arteriosclerótico, recomenda-se que todo homem de mais de 45


anos tente:
a) deixar de fumar;
b) fazer exercícios diários moderados;
c) deixar de consumir: miolos, rins de gado bovino, fígado, camarões, queijo do tipo
Roquefort, leite in natura e chocolate;
d) comer mais peixes e aves, leite desnatado, não mais que dois ou três ovos por semana e
frituras feitas apenas com margarina e óleos vegetais polissaturados.

4.2 Alguns problemas circulatórios que podem produzir uma disfunção sexual

Quando um homem de mais de 50 anos sente cansaço ao caminhar, dores, frio e palidez
nas panturrilhas ou nas pernas, é preciso uma rápida consulta a um clínico ou cardiologista.
Se for constatado um déficit de pulsação nas pernas, é muito provável que estejamos
diante de uma enfermidade obstrutiva arterial. Muitas vezes, essa obstrução está localizada
no abdome ou na pelve, à altura da ramificação da artéria aorta. Então, os reduzidos
condutos que levam o sangue ao pênis receberão também pouco sangue. O resultado será
uma disfunção sexual erétil.

Um bom exame clínico e circulatório, acompanhado da medição da pressão sangüínea no


pênis, orientará o diagnóstico. O tratamento costuma ser através de cirurgia, para
desobstruir as artérias.

Bloqueios semelhantes podem ocorrer em qualquer órgão. O mais comum é o infarto do


miocárdio. Contudo, o déficit de sangue na artéria do pênis não apresenta os sintomas
dramáticos da obstrução das coronárias. Às vezes, a redução da ereção é muito lenta.
Processa-se, gradativamente, ao longo de meses. Às vezes, ocorre a ereção, mas por
pouco tempo; em outras, não há suficiente rigidez.

Depois de constatado o déficit arterial, o tratamento é muito variado. Às vezes, aconselha-


se um tratamento médico muito rigoroso. Um dos mais comuns é a revascularização, * com
técnicas microcirúrgicas, capazes de fazer enxertos arteriais (by-pass), mas os resultados,
em todas as partes do mundo, não têm sido muito satisfatórios. Por estas e outras razões,
recomendase, então, a aplicação de próteses penianas.

5. Problemas dos nervos penianos

Como ficou explicado anteriormente, o sistema nervoso autônomo, em suas duas seções,
paras simpático e simpático, é o encarregado de regular a abertura e o fechamento das
válvulas que dão passagem ao sangue nas artérias dos corpos cavernosos.

Duas enfermidades freqüentes afetam os nervos responsáveis pela ereção: o diabetes e a


esclerose múltipla, ou "em placas". Descreveremos também as feridas e fraturas da pelve.

5.1 O diabetes

É uma afecção muito comum e consiste em um distúrbio glandular pancreático, cuja


conseqüência é uma menor produção de insulina. * A insulina é essencial para o
metabolismo do açúcar e das gorduras. Quando há escassez. de insulina, o açúcar do
sangue não é utilizado nas células. O resultado é um acúmulo excessivo de glicose no
sangue, que pode passar, depois, à urina, onde normalmente não existe.

Aparentemente existe uma certa predisposição familiar ao diabetes e se apresenta tanto em


jovens como em adultos. Em muitos destes últimos está associado com a obesidade. Os
sintomas do diabetes são: micção excessiva, sede intensa e aumento exagerado do apetite,
particularmente por doces. Esses sintomas têm a peculiaridade de não ser influenciados
pelo clima. Quer dizer, então, que, quando um indivíduo urina demais e tem sede demais, é
preciso ficar alerta: pode estar com diabetes.

A não ser em casos muito sérios, atualmente, o diabetes é fácil de controlar. Muitas vezes,
basta a combinação de uma dieta rigorosa com antidiabéticos tomados por via oral. A
insulina injetável só é necessária quando o diabetes se manifesta na juventude ou, em
alguns casos especiais, em adultos.
A associação do diabetes com a arteriosclerose é muito freqüente. O mesmo pode ser dito
da hipertensão arterial e a obesidade. É fácil chegar à conclusão de que, seja por
disfunções dos nervos encarregados de abrir as válvulas dos corpos cavernosos, ou por
distúrbios das pequenas artérias do pênis, o diabetes pode ter efeitos negativos na ereção.
Na verdade, a disfunção sexual erétil é muito comum no diabético. As disfunções dos
pequenos nervos ou das artérias que, entupidas, impedem um fluxo adequado de sangue,
são, em geral, irreversíveis. Em muitos homens adultos que têm diabetes em grau menor e
não sabem, um distúrbio progressivo da ereção costuma ser o primeiro sintoma. Uma
análise do nível de glicose no sangue pode revelar essa disfunção de forma fácil e rápida e
o problema retrocederá com uma dieta adequada determinada por um clínico ou um
diabetólogo, especialmente nos primeiros momentos, quando as lesões são ainda
minúsculas.

Como em todos os casos orgânicos, a disfunção sexual de origem diabética não exclui os
fatores psicológicos. Pelo contrário. Em razão do diabetes e do trauma que ele causa ao
paciente (por restrições alimentares, cuidados circulatórios, tensões e temor de adoecer
gravemente), toma-se necessário um maior apoio psicológico, inclusive de seu próprio
clínico geral. Muitas vezes, os quadros de disfunções sexuais são mistos e podem ser
provocados por conflitos de ordem psíquica ou desencadeados pelo diabetes. Outras
vezes, o .mecanismo é mais complicado. Os conflitos psíquicos e o estresse desencadeiam
o diabetes que, até então, estava latente, "adormecido". Uma vez instalado o diabetes,
surge o transtorno erétil, não produzido pelo diabetes, mas pelo problema psíquico. Então,
o paciente, assustado com a aparição do diabetes, tende a atribuir-lhe seu problema sexual
e se apressa a declarar-se "incurável". A depressão está em marcha, agravando o
problema da ereção e o diabetes em si.

Na maioria dos casos, é preciso o trabalho conjunto de, pelo menos, dois especialistas: um
diabetólogo ou clínico e um urologista especializado em problemas sexuais, ou,
diretamente, um sexólogo. O tratamento do diabetes, o controle do peso e da pressão
arterial são indispensáveis para a melhora da ereção. Uma atitude firme e compreensiva da
companheira, o afastamento de todos os fatores de gerar ansiedade e a adoção de
algumas atividades capazes de restabelecer o estímulo entre o casal podem ajudar.

Se, passado algum tempo de observação, entre seis e oito meses, não houver melhora da
função, o tratamento mais indicado, de acordo com assessoramento urológico e
psicossexológico, é a prótese peniana.

5.2 Esclerose múltipla ou esclerose "em placas"

Embora não seja uma afecção tão comum como o diabetes, não pode deixar de ser
considerada; provoca danos permanentes nos nervos. Sua causa é desconhecida, embora
se suspeite de que tenha origem virótica. O quadro sintomatológico é muito variável em
intensidade e em manifestações. Pode haver perda de equilíbrio ou distúrbios de
insensibilidade na pele. Por vezes, é acompanhada de visão dupla.

As perturbações da função erétil são freqüentes, mas não no começo, só depois de alguns
anos. Como no diabetes, os problemas conflitivos psíquicos, a angústia e a depressão
acompanham esse quadro clínico. Desse modo, não é estranho o surgimento de um
distúrbio na função sexual, de caráter combinado: psíquico e orgânico. Algumas
determinações hormonais, como a testosterona, têm seu índice reduzido e a administração
desse hormônio pode aliviar temporariamente esses pacientes. Como com os diabéticos, é
possível a inclusão de uma prótese peniana, com bons resultados posteriores, sempre com
o assessoramento de uma equipe urossexológica.

6. Feridas e lesões graves na medula espinhal

A medula espinhal é uma parte do sistema nervoso, onde nascem os nervos destinados a
cada um dos órgãos (coração, pulmões, intestinos, etc.) e para os músculos voluntários dos
braços e pernas. Corre por dentro da coluna vertebral, estendendo-se desde a base do
crânio até a parte baixa da cintura (osso sacro). Desse modo, pode-se entender como as
lesões e fraturas dos ossos da coluna podem chegar a afetar a medula e, por conseguinte,
os nervos destinados a governar a função sexual.

Um transtorno freqüente é a chamada "hérnia de disco". Pode ocorrer uma ruptura ou


pequena hérnia do disco cartilaginoso localizado entre as vértebras, pressionando a medula
no canal vertebral. A conseqüência é uma dor intensa (lumbago ou lumbociática), que se
estende ao longo de uma das pernas. Quando uma radiografia revela a lesão, torna-se
necessário um tratamento ortopédico-cirúrgico. Como à altura em que habitualmente ocorre
a hérnia está o centro medular da ereção, muitas vezes a função sexual pode ser afetada.
Na grande maioria dos casos, a reabilitação é cirúrgica e é necessária a implantação de
uma prótese peniana.

Nos traumatismos ou grandes lesões da coluna vertebral, observam-se, regularmente,


perda da função erétil ou distúrbios variáveis na ejaculação. Costumam ocorrer, por via
reflexa, ereções espontâneas, totalmente desvinculadas dos estímulos sexuais
correspondentes. É muito freqüente, nos casais em que o homem esteja incapacitado,
serem empregados métodos sexuais alternativos, como, por exemplo, o uso da boca, para
satisfazer a mulher. O filme Amargo regresso ilustrou, magnificamente, essa situação. (É
bom observar ainda que, nesse filme, a mulher, que se manifesta completamente
anorgásmica [frígida] com um marido a quem não ama, consegue ter uma relação sexual
satisfatória com um incapacitado, sem possibilidade alguma de ereção e penetração, mas a
quem ama. Esta é uma ilustração a mais da diferença entre genitalidade e sexualidade).

Em todos esses casos, sugere-se o assessoramento matrimonial por parte de um psicólogo


ou psicoterapeuta especializado, o estudo urológico necessário e o assessoramento por um
sexólogo e, se for possível, a colocação de uma prótese peniana.

7. Fratura da pelve

A popularização do uso da motocicleta multiplicou a estatística de fraturas dos ossos


pélvicos. Em muitos acidentes o aparelho urinário - bexiga e/ou uretra - é lesionado. As
conseqüências podem chegar a ser o desenvolvimento de uma disfunção sexual. É
conveniente, antes da intervenção cirúrgica reparadora, efetuar um estudo da capacidade
erétil, mediante o Monitoramento da Tumescência Peniana Noturna.*

8. Nefrite crônica. * Diálise renal*


Algumas infecções, como a glomerulonefrite crônica, vulgarmente chamada de nefrite, ou a
própria arteriosclerose, podem prejudicar a função depuradora (excretora) renal.

A diálise renal - tecnicamente chamada de hemodiálise – é um aparelho complexo que faz


as vezes de rim artificial. Posto em funcionamento desde os anos 1960, já salvou
numerosas vidas. A ação desse aparelho consiste em depurar o sangue da pessoa afetada
e devolvê-lo em forma quase pura para sua utilização adequada. O processo é lento, é
realizado durante várias horas e deve ser aplicado de duas a três vezes por semana.

É freqüente, em alguns pacientes em diálise renal, o surgimento de disfunção erétil. Mas


existem outros grupos de pacientes que, com a hemodiálise, se beneficiam de uma melhora
de seu funcionamento sexual: ao melhorarem suas condições tóxicas internas, melhoram
também todas as funções, entre elas, a sexual.

Contudo, existem evidências de fortes conflitos psicológicos nos indivíduos submetidos à


diálise renal. É facilmente compreensível: a absoluta dependência de uma máquina para
sobreviver, somado a todo o processo de adaptar-se a ela, cria condições psicológicas de
se sentir "à mercê" de uma espécie de inimaginável robô, ao qual se deve a vida, mas
também o ódio por não poder prescindir dele.

Uma adequada solução para esses pacientes é o transplante renal, que, quando tem êxito,
acaba com a dependência da máquina. Normalmente, há uma melhora de todas as
funções, inclusive da sexual. Em pacientes que não têm bom funcionamento sexual e estão
em diálise renal ou que foram submetidos a um transplante, pode-se suspeitar de danos
nervosos ou nos vasos sangüíneos. Habitualmente, há uma queda no nível sangüíneo da
testosterona. Alguns autores mencionam uma diminuição de zinco no sangue de pacientes
em diálise renal. E, além disso, parece haver uma relação entre o metabolismo do zinco e a
produção de testosterona por parte dos testículos.

Outro fato freqüente está relacionado com o hormônio hipofisário prolactina, * a que nos
referiremos no próximo capítulo. Esse hormônio costuma estar em concentrações
anormalmente altas no sangue dos pacientes renais crônicos. Como existe uma ação
relacionada entre prolactina e testosterona, pode existir algum tipo de correlação para
justificar a disfunção sexual desses pacientes. Costuma ser necessária a administração de
um medicamento que corrija o alto nível de prolactina; em alguns casos, administra-se
testosterona por via injetável.

O metabolismo do cálcio também está afetado nos pacientes com problema renal crônico. É
necessário, então, o exame do hormônio paratireóideo* e dosagens freqüentes dos níveis
de cálcio no sangue e na urina. É provável que outros minerais e hormônios estejam
afetados com graus de importância variável. As pesquisas têm conseguido progressos que
permitem esperar para um futuro próximo a descoberta de recursos mais efetivos para o
tratamento dessa afecção.
CAPÍTULO 5
Intervenções cirúrgicas como possível causa de disfunção sexual

É facilmente compreensível que algumas intervenções cirúrgicas praticadas na parte baixa


do abdome ou na profundidade da pelve podem lesionar, direta ou indiretamente, a função
sexual normal do homem adulto. Uma delas é a operação da próstata, órgão que tanto atiça
a mitologia popular. É conveniente, aqui, explicar o funcionamento da próstata e mencionar
algumas de suas afecções mais comuns. Desde já é importante assinalar que nem todas as
afecções desse órgão são passíveis de tratamento cirúrgico, mas, do mesmo modo, podem
afetar a função sexual masculina.

1. A glândula prostática. * Anatomia e funcionamento

A função da glândula prostática é produzir um líquido nutritivo, alimentício e fluidificante do


esperma proveniente dos testículos. Esse líquido se une com o das vesículas seminais* e,
junto com ele, se deposita, normalmente, no fundo da vagina, através do processo de
ejaculação.

O tamanho da próstata não excede o de uma noz pequena. Mas, depois dos 40-45 anos,
por causas até agora desconhecidas o órgão prostático começa a crescer. Em alguns
casos, esse crescimento implica inconvenientes. Os homens cuja próstata cresceu mais do
que o habitual começam a ter dificuldades para urinar.

Como a uretra posterior passa pelo meio da próstata, pode comprimi-Ia, daí surgindo a
dificuldade de urinar. Os primeiros sintomas são uma redução da força ao urinar,
acompanhada de jorros de urina de menor intensidade. Também há dificuldades para
começar a micção. Por esse motivo, a bexiga não se esvazia totalmente, sendo necessário,
então, urinar maior quantidade de vezes, especialmente durante a noite.

É comum que quem tenha a próstata dilatada urine duas ou três vezes Por noite,
independentemente da quantidade de líquido ingerido. Não é raro que a bexiga seja
infectada e o quadro costuma ser acompanhado de febre, ardor ao urinar e dores.

2. Intervenção cirúrgica na próstata. Mitos mais comuns

Uma vez tratada a afecção, é conveniente a consulta a um uroIogista. Em grande


quantidade de casos, é necessária uma intervenção cirúrgica para resolver o problema da
dificuldade para urinar. Essa operação é muito freqüente depois dos 55-60 anos.

Existem anticongestivos prostáticos, mas não são eficientes. A intervenção cirúrgica, até o
momento, é a melhor opção terapêutica.
Nos casos de dilatação simples, extrai-se somente a parte da glândula que está obstruindo
o canal. Para eliminar essa parte, são utilizadas duas vias cirúrgicas: uma, por dentro da
uretra, a outra, por fora, por via abdominal.

A intervenção pela uretra se denomina resseção intra-uretral. Mediante um aparelho


especial, com um sistema óptico de iluminação, chega-se a visualizar, por dentro do canal
uretral, a parte dilatada da próstata que será extirpada. A urina, então, volta a circular
livremente. Quando a parte a ser extirpada é muito grande, pode-se chegar à glândula
mediante uma incisão na parte baixa do abdome. Essa intervenção denomina-se
prostatectomia suprapúbica.

Uma das crendices populares mais difundidas - e que não teve suficiente esclarecimento
por parte dos médicos - é que o homem fica com uma disfunção sexual logo depois da
cirurgia da próstata. Como em toda intervenção cirúrgica, mas muito mais nesta, é preciso
explicar, esclarecer e informar, previamente, ao paciente o que se vai fazer, como será
efetuada a intervenção e quais seriam as possíveis conseqüências ou complicações
posteriores.

Não existem razões diretas pelas quais um indivíduo operado da próstata tenha um
problema de ereção. Pode ser que, anteriormente, este homem tenha tido problemas
sexuais, leves, às vezes, ou enfermidades urinárias, como ardor ou dores, e agora, embora
livre delas, surgem as tensões normais quando há intervenções cirúrgicas na zona genital.
Esse homem tenderá a atribuir à operação as falhas em seu desempenho sexual.

Um excelente recurso é comunicar ao urologista todas as tensões ou prevenções que o


paciente tem antes da intervenção cirúrgica. Isto permitirá esclarecer, entre os dois, uma
série de questões relativas ao funcionamento sexual; o cirurgião conhecerá as possíveis
falhas e poderá antecipar certas condutas pós-operatórias. É necessário admitir que
muitíssimos pacientes não confessam facilmente seus problemas, muito menos as
intimidades sexuais, a um médico. Além disso, imaginam que uma intervenção na próstata
pode resolver um problema sexual. Isto é errôneo, já que, embora esta glândula esteja na
esfera genital, não se liga diretamente com sua vida erótica.

Normalmente, há uma conseqüência na vida sexual do homem submetido a uma


intervenção na próstata, que é a denominada ejaculação retrógrada. * Depois deste tipo de
cirurgia, a ejaculação, que normalmente sai através do conduto urinário (a uretra), nestes
casos pós-operatórios, vai para trás e se dirige à bexiga. O líquido seminal passa a ser
eliminado com a urina, através da micção. Mas este problema nada tem a ver com a
ereção, nem com o desejo. Tem a ver apenas com a fertilidade,* isto é, com a possibilidade
de produzir fIlhos.

3. Tumores malignos na próstata

Os tumores malignos da próstata não são os mais freqüentes entre todos os tumores, mas
afetam uma grande quantidade de homens. Na grande maioria dos casos, são descobertos
quando estão em estado muito avançado de desenvolvimento. Podem também produzir
sintomas similares à dilatação simples da próstata.

O diagnóstico se baseia no toque retal* e todos os médicos recomendam, quando o homem


chegue aos 45-50 anos, um exame urogenital que inclua o toque retal prostático, pelo
menos uma vez por ano. A suspeita de malignidade leva o urologista a realizar uma biópsia
para um diagnóstico correto. Em outras ocasiões, O problema maligno prostático é
descoberto por sintomas alheios ao aparelho urinário. Normalmente, são usados dois tipos
de intervenções para a malignidade da próstata. Podem também ser usadas conjuntamente
a cirurgia total da glândula e as radiações. *

3.1 A extração total da próstata


Este método é utilizado nos primeiros momentos do tumor. A intervenção cirúrgica é
diferente da empregada na dilatação e pode ser usada a via abdominal (prostatectomia total
retropúbica) ou a via perineal, entre os testículos e o reto (prostatectomia total perineal).
Esta cirurgia, sim, danifica os nervos destinados à ereção. Por este motivo, é muito
freqüente um distúrbio disfuncional sexual, depois de extraída a próstata. Não há outro
recurso senão o implante de uma prótese peniana.

3.2 A radiação*

É utilizada como complemento da cirurgia ou como única indicação. Lamentavelmente, em


muitos casos - não em todos -, por possíveis danos aos nervos destinados à ereção, o
homem fica com uma disfunção sexual. A solução é também um implante de prótese
peniana.

4. Grandes cirurgias abdominais

Por muitas circunstâncias e, geralmente, por processos malignos ou por sérias obstruções
vasculares, às vezes é necessário remover, manipular ou extirpar órgãos, vasos, nervos,
gânglios, etc., na cavidade abdominal ou na profundidade da pelve, como é o caso da
extração total da bexiga e das operações da parte inferior do intestino grosso, o cólon. *

Em muitos casos, é inevitável a lesão dos nervos e gânglios destinados à ereção. Na


cirurgia dos grandes vasos sangüíneos, como a aorta, ao nível do abdome, também
ocorrem lesões nervosas que, posteriormente, perturbam a função sexual. Nesses casos, o
mecanismo da perda da ereção pode ser duplo: por uma parte, em razão da lesão nervosa,
por outra, pelo déficit no fluxo de sangue que chega aos corpos cavernosos.

Em qualquer caso, depois de uma avaliação clínico-urológica e sexo lógica, requer-se uma
implantação de prótese peniana que, na grande maioria dos casos, restaura a função
perdida.
CAPÍTULO 6

O papel dos hormônios na disfunção sexual masculina

1. A Testosterona. * Mitos mais freqüentes

É difícil encontrar um homem que não pense que a causa principal de sua disfunção sexual
seja de origem hormonal. A busca de um comprimido ou de uma injeção "salvadora", ou,
como dizem alguns pacientes, "da dinamite", é quase constante. Não se pode, de nenhuma
forma, descartar a importância dos hormônios na sexualidade, mas não é tão significativa a
freqüência das perturbações hormonais como causa principal das disfunções.

Dentre os hormônios, a testosterona, produzida nos testículos, é a mais importante. É bom


lembrar que a testosterona atua não apenas em nível genital, mas também estimula os
centros cerebrais. A testosterona, por sua vez, é estimulada por hormônios produzidos
numa glândula - a hipófise* - situada na base do cérebro. Como há uma ação conjunta
entre a região do cérebro chamada hipotálamo (sede dos centros vegetativos mais
importantes) e os hormônios hipofisários e testiculares, esse sistema é denominado eixo
hipotálamo-hipofisário-testicular.* A uma produção maior de hormônio testicular
corresponde uma produção menor de hormônios hipofisários estimulantes, chamados
luteinizantes* (L. H. e F. S. H.). Inversamente, e por uma ação conjunta, a uma quantidade
menor de testosterona no sangue corresponde uma quantidade maior de hormônios
hipofisários destinados a aumentar a produção de testosterona.

Como os níveis de testosterona, L. H. e F. S. H., no sangue podem ser facilmente medidos,


é possível determinar se um problema de disfunção sexual é hormonal ou não,
independentemente, é claro, de todo exame clínico correspondente.

De todos os hormônios, a testosterona é o mais importante, não apenas por sua ação direta
sobre a ereção, mas porque, através de sua medição, se pode ter uma noção indireta do
funcionamento da hipófise. Se o nível de testosterona é baixo e o nível de hormônio
hipofisário, L. H., é normal ou alto, o problema é testicular. Os pacientes que têm testículos
pequenos não só têm problemas com a ereção como também transtornos com o desejo:
não têm vontade de dirigir-se ao outro sexo para ter contato sexual. Nesses casos, impõe-
se uma terapia com hormônio masculino, a testosterona.

Mas, quando são detectados níveis baixos de testosterona, com níveis baixos de hormônio
hipofisário, pensa-se na possibilidade de transtornos hipotalâmicos ou hipofisários. Existem
procedimentos químico-hormonais para estimular a hipófise. Se esta responde
adequadamente, o problema está no hipotálamo. É necessário, então, um estudo
neuroendócrino complexo, que inclui tomografias computadorizadas e dosagens hormonais
em série, para detectar a possibilidade de um tumor que, embora raramente, pode existir.

As pesquisas com testosterona remontam, pelo menos, a fins do século passado. O


fisiologista francês Charles E. BrownSequard, com a idade de 72 anos, injetou em si
mesmo um extrato de testículos de cachorro, preparado por ele próprio, e, posteriormente,
fez informes espetaculares sobre rejuvenescimento. Mas hoje se sabe que são necessários
aproximadamente 230 kg de extrato de testículos de touro para proporcionar uma dose
mais ou menos adequada de testosterona. Desde então, as pesquisas não cessaram e,
afinal de contas, esse tema é o mais importante no campo do sempre desejado
rejuvenescimento que estimulou o famoso cientista francês. É bom observar o exagerado
entusiasmo que, com base no inegável prestígio que Brown-Sequard desfrutou em sua
época, tem mobilizado ansiosas esperanças. Nesse sentido, não existem hoje muitas
alterações. A famosa pílula ou "elixir da juventude", ou qualquer erva que, periodicamente,
aparece no mercado, busca, com afã, especular com o desejo de prolongar a juventude,
restabelecer a potência sexual que se acredita reduzida, obter alívio para ansiedades e
tristezas cotidianas provenientes de outras causas e não exatamente da vida sexual.

1.1 Variações no nível da testosterona e alterações de acordo com a idade

Como a testosterona é um hormônio masculino por excelência e, como dissemos, é o


"motor" da sexualidade, acredita-se habitualmente que o declínio do poder sexual, com o
passar dos anos, é totalmente paralelo à redução da produção de testosterona pelos
testículos.

Há aí alguma coisa de verdade. O nível de produção de testosterona começa a declinar,


paulatinamente, por volta dos 50 anos e, até os 70, a queda é acentuada. Contudo, nem
todos os homens de 70 anos têm um baixo nível de testosterona e muitos deles têm níveis
comparáveis aos de homens jovens. Embora possa parecer bastante lógico, em princípio,
atribuir a perda da função ao baixo nível de testosterona, a realidade é outra. Parece que as
exigências de testosterona para determinadas funções, como o desejo sexual e a ereção,
variam muito de pessoa a pessoa e também de acordo com a idade.

Há fatores psicológicos e de origem social imediata, como a companhia, grau de educação


e ambientação às exigências, grau de satisfação e conformidade, altamente prejudiciais à
continuidade da vida sexual depois dos 60 anos. A testosterona é um fator importante, mas
não parece ser o único.

2. O hormônio prolactina

A prolactina é um hormônio também produzido na hipófise. * Existe tanto no homem como


na mulher, embora, como seu nome indica, estimule a secreção láctea na mulher. Sua ação
exata no homem é desconhecida e as pesquisas em tomo desse hormônio se têm
intensificado nos últimos anos, porque, por diversas razões, a alta concentração de
prolactina no sangue tem efeito de diminuir a testosterona e de provocar disfunção sexual
erétil.

Os tumores da hipófise produzem altas concentrações de prolactina no sangue; por isso,


inicialmente se acreditava que, a cada vez que se elevavam os níveis de prolactina no
sangue, estava-se diante de um tumor hipofisário. A realidade costumá ser outra. Há uma
variedade cada vez maior de causas produtoras de prolactina, que, por sua vez, é muito
sensível a alterações de todo tipo no sistema biológico. Como já se disse, uma falha crônica
na função renal afeta a produção de prolactina, do mesmo modo que os problemas da
glândula tireóide* e, em geral, qualquer estímulo que, direta ou indiretamente, tenha
incidência sobre o hipotálamo ou a hipófise. Alguns medicamentos também exercem sua
ação nociva, através do aumento da produção de prolactina.
Os tranqüilizantes, como a Clorpromazina, ou os antidepressivos, como a Imipramina ou a
Amitriptilina, podem incentivar a produção de prolactina. O mesmo se pode dizer dos anti-
hipertensivos, como a Reserpina ou a Metildopa. Devemos também levar em conta que os
antidepressivos e anti-hipertensivos são tomados por um longo período de tempo.

Uma vez constatado o elevado nível de prolactina são necessários estudos adicionais; em
primeiro lugar, para verificar se háou não a presença de um tumor hipofisário. Depois, deve
ser feita uma pesquisa cuidadosa sobre os medicamentos consumidos no último ano. A
seguir, pesquisar o metabolismo tireóideo e renal. Uma vez detectada a causa produtora da
prolactina, o paciente deve receber alguns compostos químicos, capazes de reduzir o nível
de prolactina no sangue. Em muitos casos, em particular quando se trata de problemas
produzidos por medicação psicofarmacológica ou anti-hipertensiva, a função sexual,
temporariamente perdida, pode ser restabelecida. É preciso, contudo, uma estreita
colaboração entre o clínico, o psiquiatra ou o cardiologista com o sexólogo, para não causar
danos irreparáveis, como é o caso dos pacientes com hipertensão.

3. Hormônio da tireóide

Hormônio central de todo metabolismo, o produzido na glândula tireóide, localizada no


pescoço, é essencial para o desenvolvimento normal evolutivo sexual. Quando o
funcionamento da tireóide começa a reduzir-se (hipotireoidismo), elevam-se anormalmente
os níveis de prolactina. Seja por uma queda total no metabolismo, seja por uma alta
concentração de prolactina, os pacientes com hipotireoidismo costumam sofrer de
disfunção sexual erétil. Isso será corrigido com um diagnóstico correto, seguido da
administração de hormônio da tireóide.

A ampliação do funcionamento da tireóide (hipertireoidismo*) também afeta a função


sexual, embora não seja acompanhada de aumentos de prolactina. Como os problemas
produzidos por um aumento da função da tireóide costumam ser desencadeados por
conflitos psicológicos, toma-se necessário um de
talhado diagnóstico, que inclua a exploração endocrinológica profunda da função da
glândula. Uma vez restabelecida a função da tireóide, através da medicação
correspondente, é muito provável um restabelecimento paulatino da função sexual erétil.
CAPÍTULO 7

1. Ação dos medicamentos e de outros produtos como causa de disfunção sexual

A pesquisa sobre sexologia clínica é relativamente recente, do mesmo modo como são
recentes os esforços para reunir toda a informação relativa ao efeito nocivo que alguns
medicamentos, de uso corrente na medicina, têm sobre a sexualidade masculina. São mais
antigos os estudos sobre a ação de drogas ou medicamentos sobre os hormônios que,
como já vimos, podem inibir total ou parcialmente o desejo e/ou a ereção. Muito mais
recentes e de plena atualidade são as pesquisas, tanto experimentais como clínicas, que
levam a detectar alterações no metabolismo íntimo cerebral, nos neurotransmissores*
químicos (por exemplo, a serotonina ou a dopamina) e sua vinculação com a sexualidade.
Alguns medicamentos atuam sobre esses neurotransmissores, alterando direta ou
indiretamente a resposta sexual masculina.

Existem hoje, em uso médico, medicamentos capazes de produzir distúrbios na área


sexual. Os anti-hipertensivos e os antiulcerosos apresentam, em grande maioria, problemas
de ordem clínica para os médicos que os administram. Por vezes, conhecendo os efeitos
que esses medicamentos podem provocar, os médicos não têm outra opção, a não ser
aquela "dos males, o menor". Precisam controlar um processo hipertensivo por suas
delicadas conseqüências possíveis, ou regular uma úlcera gástrica ou duodenal. Uma das
soluções possíveis é variar a medicação, quando, por qualquer circunstância, não há como
interrompê-Ia temporariamente.

Por outro lado, quando a disfunção se apresenta, fica muito difícil avaliar se é devida à
medicação ou a causas de ordem psicogênica, ou a ambas. O que os médicos que
atendem a esse tipo de paciente têm de fazer é um minucioso interrogatório sobre os
medicamentos usados nos últimos meses anteriores à consulta. É prática corrente entre
pessoas acostumadas à ingestão indiscriminada de comprimidos, pílula, pastilhas
efervescentes, ervas para emagrecimento, xaropes para a memória, vitaminas energizantes
e mil e um produtos de consumo maciço (de efeitos mágicos, mas para os bolsos dos
fabricantes) a resposta ao médico que lhes pergunta que medicação consomem: "Nada,
doutor. Não tomo nada." Uma ou duas consultas depois, às vezes muitos meses depois, o
mesmo paciente costuma trazer papeizinhos com anotações, ou os prospectos dos
medicamentos. "Doutor, eu me esqueci", é a frase mais comum. Em algumas ocasiões, e
para surpresa do profissional, a explicação é: "Não lhe disse nada, porque, para mim, é tão
habitual que já nem considero remédio." Esta frase evidencia a verdadeira "epidemia
medicamentosa" que aflige a população, tão nociva e de efeitos tão imprevisíveis como
qualquer epidemia infecciosa grave.

2. Medicamentos anti-hipertensivos

A hipertensão arterial é uma enfermidade. Numa grande maioria de casos sua causa
original é desconhecida, embora hoje se saiba muito mais sobre ela do que há duas
décadas. O que é absolutamente certo é que ela aparece com muito mais freqüência, tanto
em homens como em mulheres, depois 'dos 45 anos. Os efeitos sobre o coração, o sistema
arterial, os rins e o cérebro, em geral, são bastante nocivos. Daí, a necessidade de
controlá-Ia, mantendo-a sob constante vigilância. Hoje sabemos da estreita relação
existente entre a hipertensão arterial e a arteriosclerose, * as dietas ricas em cloreto de
sódio e em ácidos graxos e colesterol, a obesidade, a falta de exercício físico regular e,
quase infalivelmente, as tensões psicológicas, o estresse e o esgotamento mental.

Cabe a um clínico ou a um cardiologista fazer a avaliação da hipertensão arterial, assim


como prescrever as medidas higiênicas, dietéticas e de medicação necessárias. Devemos
lembrar que a alta pressão sangüínea pode provocar disfunção sexual, por problemas
arteriais em nível do pênis, mesmo que não se tome nenhum medicamento. A isso se
acrescenta o fato de que muitos pacientes precisam tomar diuréticos ou betabloqueadores,
com os quais o problema tende a confundir-se e, em muitos casos, como num círculo
vicioso, a agravar-se.

Seria muito bom para o leitor informar-se, através deste capítulo, mas de nenhuma forma
deve pensar que os medicamentos anti-hipertensivos provocam disfunção sexual. Em
primeiro lugar, porque nem todos os medicamentos a provocam. Em segundo, porque cada
paciente reage de maneira distinta, de acordo com sua vida sexual anterior e seu grau de
suscetibilidade psicológica (se tem ou não tendência à auto-observação, a pensar,
permanentemente, na possível disfunção; se é ou não extremadamente sensível; se tem ou
não temor às enfermidades, etc.). Um clínico ou um cardiologista compreensivos e
informados são de ajuda decisiva nesses casos.

A seguir, apresentamos uma lista, logicamente incompleta, de medicamentos cuja ingestão


prolongada pode provocar disfunção sexual:

Reserpina
Metildopa
Cloratolodina
Spirolactona
Prazosina
Propranolol
Rawolfia serpentina

Alguns desses medicamentos diminuem o volume de sangue dirigido ao pênis ou influem


indiretamente sobre a testosterona.

3. Medicação psicofarmacológica. Antidepressivos e ansiolíticos

O uso de psicofármacos está tão difundido no mundo ocidental de hoje que se situam entre
os dois ou três medicamentos mais vendidos. E, embora sua venda seja restrita, são um
dos principais produtos de consumo por automedicação. Esse alto consumo está ligado à
necessidade de combater (embora o resultado seja apenas sintomático) a tensão, o
estresse, os fenômenos de ansiedade e tristeza a que estão submetidos os seres humanos,
particularmente nas grandes cidades.

Uma boa quantidade de agentes medicamentosos tranqüilizantes, * maiores ou menores,


como os antidepressivos, * podem provocar disfunção sexual, embora em menor medida do
que os medicamentos anti-hipertensivos. * É difícil determinar quando um paciente tem um
problema sexual como resultado da medicação ou quando já o tinha antes. Como esses
pacientes sofrem de problemas psicológicos, provocadores, muitas vezes, de disfunção
sexual, fica muito difícil saber se os sintomas de déficit são ou não efeito dos
medicamentos. Às vezes, é necessário usar esse tipo de medicação para o tratamento de
uma ansiedade incontrolável ou de uma depressão aguda, e obtém-se uma melhora da
disfunção sexual.

Eis alguns antidepressivos:

Imipramina
Amitriptilina
Nortriptilina

Alguns psicofármacos e sedativos:

Haloperidol
Tiodirazina
Clorpropamicina
Benzodiazepinas

4. Outras medicações

Muitos outros grupos de medicamentos são capazes de provocar disfunção sexual. Em


geral, são menos conhecidos, menos pesquisados e sua ação nociva não está totalmente
comprovada, pelo menos em comparação com a medicação anti-hipertensiva ou
antidepressiva.

a) Medicação antiulcerosa
Depois de alguns tipos de hormônios, é a maior suspeita de exercer uma ação nociva.

Cimetidina
Propantelina
Brometo de propantelina

b) Medicação para reduzir o peso (anoréxicos)


Quimicamente falando, não são anfetaminas, mas seu efeito é muito semelhante. Algumas
pessoas inescrupulosas afirmam que não são anfetaminas - para facilitar seu consumo - e
não faltam com a verdade. Mas não dizem tudo sobre esses medicamentos. O fato de,
quimicamente, não serem anfetaminas não significa mais do que isto: que não são. Mas,
com relação a seus efeitos bastante nocivos sobre o sistema nervoso central, sobre o
psiquismo e sobre a sexualidade, são como anfetaminas.

Clorfentermina
Fenfloramina

c) Anticolesterolêmicos

Clofibrate

d) Hormônios femininos
estrogênos (usados durante muito tempo e em altas doses nos homens).
5. Tabagismo

É conhecida, há muito tempo, a ação constritora que tem o fumo sobre os vasos arteriais.
As artérias penianas, assim como as dos membros inferiores, são sensíveis li esse agente
de uso tão disseminado. Alguns tabagistas são mais sensíveis do que outros e
desenvolvem sintomas com mais facilidade. A quantidade de cigarros consumida e o tempo
de duração do vício são dados que devem ser levados em conta na avaliação da circulação
periférica.

Um exame cardiovascular completo, que inclui uma medição da pressão arterial peniana,
com efeito Doppler,* deverá ser efetuado em todo homem adulto com disfunção sexual e
que seja um fumante crônico de mais de dez cigarros por dia.

6. Alcoolismo

Desde os tempos bíblicos, associado a orgias, festejos, conspirações, tristezas e alegrias, o


álcool, em todas as suas formas, tem acompanhado o desenvolvimento humano. No trecho
do Antigo Testamento em que Ló e suas fIlhas cometem incesto, o álcool é administrado a
ele em forma de vinho. O líquido embriagador, servido por sua mulher e suas fIlhas, faz
com que Ló perca totalmente o controle de seu comportamento. No relato bíblico, Ló é
absolvido. Sodoma e Gomorra são incendiadas pela ira de Deus, e a mulher de Ló é
convertida em sal por olhar o que não devia. Dificilmente, Ló poderia ter cometido incesto:
uma bebedeira desse calibre impede a ereção e a ejaculação.

A verdade moderna sobre o álcool é que ele narcotiza os centros cerebrais, retarda os
reflexos e dilata os vasos sangüíneos, três razões mais do que suficientes para criar
problemas para o desejo e para a ereção. A longo prazo e antes da intoxicação da célula
hepática, o álcool perturba o metabolismo da testosterona, agravando ainda mais a
disfunção sexual dos bebedores crônicos. Contudo, em doses muito pequenas, o álcool
desinibe os centros superiores cerebrais e libera os inferiores, funcionando como um
eliminador de ânsias e de culpas. Seu uso excessivo constitui um problema.

Aqui o autor comete ligeiro equívoco. A mulher de Ló não participou da trama do incesto.
Na verdade, Ló não fora absolvido de nada. Ele era bom e foi poupado da destruição das
duas cidades. Morta sua mulher, por curiosa, na fuga, ele foi viver numa caverna distante,
com as duas filhas. Estas, sim, embriagaram o pai e cometeram o incesto, por julgá-Io o
último homem no mundo. Mas o professor não deixa de ter razão ao duvidar da
participação de Ló no incesto, pois segundo a Bíblia, ele dormia profundamente e nem se
dava conta do que acontecia, circunstância que toma, realmente, difícil uma relação sexual
para efeitos de procriação, que era o que se pretendia. (N. do T.)
CAPÍTULO 8
1. O fator psicológico nas disfunções sexuais
O temor, o medo e a ansiedade, em geral, são algumas das grandes causas, em nível
psicológico, da ejaculação precoce e das dificuldades de ereção. Contudo, o homem tem
muito mais medo do medo do que de contrair uma enfermidade orgânica, como um tumor
ou uma lesão dificilmente reversível. Se um paciente tem um problema sexual, achará
melhor que seu médico o atribua a uma causa orgânica do que a um conflito de ordem
psicológica.

Por quê? Os preconceitos - aos quais os médicos não estão alheios - sobre a psicologia, a
psiquiatria, a psicanálise ou a psicoterapia, em geral, estão ainda muito arraigados. Por
outro lado, há um maior volume de informações sobre enfermidades capazes de provocar a
morte, por exemplo, o câncer, a tuberculose, o infarto do miocárdio, etc., do que sobre
afecções não visíveis, mas que são paralisantes. A ciência biológica é ainda nova em
relação a outras ciências básicas, como a biologia, a química e a física. Além disso, e
coroando todas essas explicações, devemos citar o Grande Preconceito: acredita-se que
tudo o que se relacione com a psicologia é sinônimo de loucura. O medo de ser tachado de
louco, ou marginal, predomina, quando um médico recomenda a um paciente que deve
buscar a ajuda de um psicoterapeuta.

Apesar do exposto, atualmente as ciências médicas não põem em dúvida a extraordinária


importância dos fatores psicológicos, dos conflitos correlatos (impossíveis de serem
"vistos", de aparecerem numa radiografia), capazes de desencadear úlcera gastroduodenal,
colite ulcerosa, enfermidades das coronárias, muitíssimas afecções crônicas da pele e,
logicamente, uma boa parte das afecções da sexualidade humana.

Mesmo nas enfermidades de origem ”puramente" orgânica, como o diabetes ou a


arteriosclerose, o indivíduo tem distúrbios psicológicos, pelo simples fato de padecer de
uma enfermidade. Isso quer dizer que estamos falando apenas de causas predominantes.
Quando o paciente tem uma enfermidade orgânica, fica preocupado, tem medo; os vínculos
com seus parentes imediatos se perturbam; rende menos no trabalho e, inevitavelmente, a
própria afecção orgânica tende a agravar-se. Tudo isso é psicológico e tem muito pouco a
ver com a loucura.

Felizmente, houve um grande avanço no conhecimento desse campo. Hoje, não é raro
solicitar-se ajuda a um profissional da área de psicologia ou de psicoterapia. As emissoras
de rádio e televisão difundem programas que explicam o desenvolvimento evolutivo-
psicológico da criança e do adolescente e, na área da educação, recorre-se cada vez mais
ao assessoramento psicológico e psicopedagógico. Mas os médicos formados dentro da
tradição biológica sabem mais sobre fisiologia, patologia, técnicas de diagnóstico e
abordagens cirúrgicas do que sobre os fatores psicológicos incidentes sobre qualquer
enfermidade. A carência mais acentuada se evidencia no que se refere aos problemas
sexuais.

A questão sexual está estreitamente ligada às emoções. E, entre as emoções destacadas,


não figuram o prazer,* o gozo da companhia, a vibração comovedora da sexualidade com o
companheiro ou companheira a quem se ama; pelo contrário, as emoções que se expõem
primeiro são a vergonha, o temor irracional e a culpa. * Essas emoções erguem-se como
obstáculos duríssimos, difíceis de superar; estão arraigadas em nossa educação. E é
preciso entender - repetimos - que os profissionais não estão alheios a elas.

A vergonha e a culpa são emoções que estão sempre presentes, embora o indivíduo diga
que não as sente. São emoções arraigadas na cultura; são parte de nós, como um idioma
que, embora nos neguemos a falá-lo, nos soa familiar, porque sempre o ouvimos.

2. Causas psicológicas mais freqüentes

Embora reconheçamos que quase todos os nossos conflitos têm sua origem na infância,
existem situações psicológicas estreitamente vinculadas à questão sexual, cuja origem é
muito mais próxima. Examinaremos algumas delas.

2.1 O temor de ser repudiado

É um problema muito comum entre os homens, que se inicia muito antes de chegar-se ao
ato sexual. O desejo de ser reconhecido, de "agradar" a uma mulher, de ser desejado por
ela forma parte do contexto interpessoal necessário aos fundamentos da própria identidade.
*Ao cortejar uma mulher, o homem pode ter medo de ser repudiado, expresso de quase
infinitas maneiras. Alguns temem parecer bobos, outros; de se mostrarem inseguros, outros
temem as possíveis reações agressivas da mulher. A necessidade de ter,
permanentemente, garantias de um certo êxito pode retardar por muito tempo a mínima
aproximação ao sexo oposto.

Quando esses homens chegam ao ato sexual, não estão relaxados; estão preocupados
com o que acontecerá. O resultado é sempre uma intensa perda de espontaneidade, uma
carência de prazer e, portanto, um déficit certo na qualidade da ereção, confirmando-se,
desse modo, a antecipação do paciente: "Fracassei!" Muitos homens temem ser
repudiados, se não têm uma ereção rapidamente. Isso só é possível - e não em todos os
casos - quando se é jovem, entre os 18 e 25 anos aproximadamente. À medida que
aumenta a idade, tomam-se diferentes as condições dos sistemas nervoso e vascular. Além
disso, aumentam as exigências na qualidade de estímulos. Muitos homens de mais de 45-
50 anos querem ter a mesma qualidade e presteza de reação erétil que 20 ou 25 anos
atrás. O senso comum é o menos comum dos sensos para esses homens. A exigência
aumenta, começam a aparecer temores de fracassar, "sentem" carência de reação,
"sentem-se impotentes, acabados", velhos, e o círculo vicioso começa, provocando uma
sucessão de repúdios-fracassos, onde, originalmente, não havia.

2.2 O medo da "primeira vez"

É provável que quem leia o título deste item e não seja um adolescente passe adiante e
não se informe do que está dito. Perderá, assim, a oportunidade de saber que não nos
referimos apenas à primeira vez de todas, à denominada "iniciação sexual", mas também à
primeira vez com cada mulher, situação que costuma produzir uma forte inibição, cuja
conseqüência pode chegar à debilidade ou inexistência da ereção. Como em todas as
coisas da vida, para a consolidação da confiança e da segurança, são necessárias várias
experiências positivas. À medida que nossos conhecimentos e nossas experiências
avançam, pisamos em terreno mais firme e seguro. As primeiras experiências deixam, por
vezes, uma marca decisiva. No ato sexual inicial, o homem pode inibir-se, sentir-se
pressionado, exigido... Muitíssimos seres humanos, especialmente os homens, estão
prisioneiros do compromisso de que já "tinham que saber". A isso se acrescentam a solidão
e a falta de comunicação e as condições nada favoráveis em nossa sociedade para falar
com alguém compreensivo e tolerante.

Esse estado é passageiro numa grande quantidade de casos. Mas, em muitos outros, o
autotormento, a dúvida, o sentir-se "pouco macho" e o temor de fracassar podem fazer de
um jovem um indivíduo tímido, convencido' de ter uma falha grave. Muitos desses homens,
tempos depois e com grande esforço, conseguem reiniciar sua vida sexual, com êxito. Mas,
como lembrança daquelas primeiras vezes angustiantes, também nas primeiras vezes com
qualquer mulher costumam estar inibidos. À medida que o tempo passa e a mulher ou o ato
sexual já não constitui um ameaçador teste para sua virilidade, a ereção e a ejaculação
recuperam a função de outorgar prazer.

2.3 O medo do teste. O papel de espectador*

Muitas vezes, o homem se sente tão pressionado, exigido e atemorizado, ante a iminência
de um encontro sexual, que se toma impossível compreender como, nessas circunstâncias
tão desfavoráveis, pretende ter uma ereção, uma ejaculação e orgasmo e uma relaxação
posterior gratificante.

Seja porque tenham tido experiências anteriores fracassadas, ou porque fatores


educacionais e psicológicos os condicionam, esses homens não se dispõem a uma
experiência de dar e ter prazer. Para eles, o sexo é um torneio competitivo, em que se
ganha ou perde (nem sequer há empate). Ganha-se quando se consegue uma ereção forte
e continuada; quando se consegue a ereção mal se chega à cama (e não à companheira)
e, sobretudo, quando os orgasmos e as mulheres podem ser exibidos como troféus. O leitor
poderá dizer que há muitos homens que não se exibem à frente de ninguém, homens
adultos sem contato com outros homens diante dos quais possam "pavonear-se". Não é
necessária a existência de público exterior. O "público" está incorporado dentro de nós
mesmos, desde pequenos. Quando o homem não tem ereção, como supõe que seu
"público" interior manda ter, sente-se verdadeiramente atormentado, como se fossem
repreender, como se fossem gritar e vaiá-Io: sente que perdeu.

Aqui está, muito sucintamente descrito, o quadro desenvolvido numa cama, com a
finalidade de ter um intercâmbio de prazer, e convertê-Io, como por obra de magia, numa
mesa de exame. O indivíduo, em vez de estar inteiro, se divide em pelo menos dois. Um,
geralmente o corpo, ou, às vezes, apenas o pênis, e o outro, o psiquismo, a mente. O
indivíduo observa o que acontece genitalmente a outro homem, que é ele mesmo. Foram
desgastadas as energias mental, física, sexual... Desse modo, não há condições ótimas
para que a energia se concentre, nem em um nem em outro participante. O resultado - claro
está - é um acentuado déficit no desejo, na ereção e na ejaculação. Isso é conhecido como
o "papel de espectador". *

Não se vai para a cama com uma mulher para assistir a um espetáculo. E muito menos
quando se é o protagonista! O papel de bom amante exige uma entrega quase total; não se
pode ir para a cama pensando em problemas, ou pensando no juízo que fará a parceira.
Tudo isso, tanto o medo do teste como o papel de espectador, faz parte de uma complicada
rede de situações conflitivas, as quais são transitórias e leves e facilmente solucionadas.
Quando se prolongam por meses ou anos, vão agravando uma situação até tomá-Ia
insustentável, pela angústia que representa para ambos os membros do casal.

3. Conflitos, perdas e alterações vitais como causas psicossociais de dificuldades


sexuais

Um conflito* é um encontro de forças de características opostas e que coexistem dentro de


um indivíduo, sem que seja encontrada uma solução para ele. Habitualmente, o conflito
entre desejar algo e não poder concretizá-Io ou consegui-Io produz um sinal de alarma
chamado ansiedade ou angústia.* À maneira de uma sirena ou de uma luz vermelha,
anuncia perigo, obrigando as forças psíquicas e físicas a se mobilizarem para a defesa.
Assim, por exemplo, quando nos vemos diante de um perigo certo e real, como um animal
selvagem e bravo, a ansiedade nos leva a gritar, a pedir auxílio, a correr, a buscar proteção,
a subir numa árvore ou contra-atacar.

Mas, por muitos fatores, alguns fisiológicos e outros psicológicos, o alarma pode continuar
funcionando, embora o perigo real tenha desaparecido. Por exemplo, seguindo o exemplo
exposto acima, meses depois de ter tido contato com a fera embravecida e de ter superado,
com êxito, a situação, o indivíduo pode ter ataques de angústia. A sirena ou a luz vermelha
continuam funcionando, mas mal, fora de tempo, não tem nada que ver com a situação
atual. Quer dizer, não há leão, não há perigo evidente, e o indivíduo sente angústia, como
se o perigo estivesse ali, à frente dele. O mais comum não é o ataque de angústia, mas
sintomas equivalentes. E esses sintomas parecem uma enfermidade, e das graves. Assim,
temos palpitações (simulando uma enfermidade cardíaca), sufocações (simulando asma),
espasmos no abdome (simulando ataques de apendicite, cólicas renais ou vesiculares-
hepáticas), erupções na pele (simulando urticárias graves ou psoríase), desmaios ou
vertigens (simulando epilepsias ou enfermidades cerebrais). Isso não significa que o
indivíduo não sofra, ou seja louco, ou histérico, ou simule voluntariamente.

Tem um ataque de angústia, mas localizado no corpo; e como temos todo um aprendizado
cultural no que se refere ao corpo, o que se manifesta através do corpo é sempre sinônimo
de enfermidade, de invalidez ou morte iminente. Todas essas situações expõem um ser
humano ao estresse. *

O que é estresse? Para simplificar, podemos dizer que esse vocábulo, tão popular na
linguagem cotidiana, quer dizer tensão, esforço. Sem tensão, não podemos vier. Mas um
indivíduo submetido a uma tensão que exceda o nível tolerável tem seus sistemas
defensivos rompidos. Começam a funcionar nele diversos tipos de "alarmas" psicofísicos
que, por sua vez, provocam distúrbios que podem levá-Io a uma enfermidade crônica. Uma
das características mais importantes a considerar – pelo menos na área da sexualidade - é
que as disfunções, os distúrbios da ejaculação e da ereção, não aparecem imediatamente
após problemas psíquicos. Só meses depois e, às vezes, muito tempo depois. Por exemplo,
um indivíduo pode perder um emprego, o que, obviamente, o angustia muito, o deprime,
leva-o a um esforço extra, faz com que tente mudar de vida, talvez a adaptar-se em outro
trabalho. Durante todo o tempo que transcorre até a solução do problema, o homem lança
mão de todos os recursos psíquicos ou físicos. Não tem grandes manifestações psíquicas
ou físicas: apenas alguma dor de cabeça, ligeira insônia, cansaço. Passados alguns meses
e com o problema já solucionado, aparecem os primeiros sintomas de perda de ereção ou
ejaculação precoce. O que aconteceu? Inicialmente, todo o sistema esteve em alerta,
funcionando em sua capacidade máxima.

Os hormônios tiveram uma produção extra, foram mobilizadas as reservas de glicose e


vitaminas, os músculos foram exigidos ao máximo, o psiquismo todo, para poder lutar
contra a adversidade, exigiu o máximo de atenção e interesse para obter aquilo que
desejava. Mas, logo depois de alcançada a meta, é como se todo o sistema se relaxasse,
numa tentativa de repor o estoque de energia, já no limite do esgotamento. Em geral, o
homem se desconcerta. "Logo agora é que isto foi acontecer? Exatamente agora que já
consegui outro emprego? Se não tive problemas de ereção durante todo o tempo que o
problema durou, por que agora, quando a situação está dominada?" Passaram-se muitos
meses, às vezes 24 ou 36, e o sintoma sexual aparece como que lembrando um problema
estressante passado.

4. Causas habituais de estresse capazes de produzir disfunção sexual

4.1 Enfermidades orgânicas e interyenções cirúrgicas

Todas as causas vistas nos capítulos anteriores, incluídas as intervenções na próstata ou


qualquer outra intervenção cirúrgica em qualquer parte do corpo, são capazes de levar um
indivíduo à tensão e ao conflito, produzindo estresse. Seu pós-operatório transcorre sem
inconvenientes. Recebe alta duas ou três semanas mais tarde. A ferida cicatrizou bem e o
paciente está contente e sem dor. Passados 30 dias da operação, é autorizado a ter vida
sexual normal, o que contribui para sua satisfação. Sua vida se desenvolve normalmente e,
meses depois - quatro, seis ou doze -, e sem razão aparente, nota um decréscimo gradual
da ereção; em outras ocasiões, ejaculação precoce. Começa a preocupar-se e,
logicamente, a deprimir-se. Já se esqueceu de sua intervenção cirúrgica e, quando
pergunta a seu médico, este responde que não tem nada a ver com a intervenção de um
ano atrás. E o médico tem razão, mas não tem nada a ver, no plano físico; o exame clínico,
as radiografias, as análises mostram um panorama de normalidade. O problema é que esse
organismo foi se esgotando progressivamente em razão das tensões, preocupações e
temores produzidos pela operação e não teve tempo de repor o estoque energético. O
resultado é um sintoma - problemas eréteis ou ejaculatórios - distante, quer dizer, distante,
no tempo, da causa original.

O mesmo acontece com qualquer enfermidade orgânica que leve o indivíduo a se


preocupar em demasia, a ter tensões, justificadas ou não, ou com aquelas enfermidades
que criam tensões familiares e interpessoais. Uma intemação de dois dias apenas para
efetuar um diagnóstico pode exercer um impacto e um consumo extra de energia, embora o
diagnóstico e o prognóstico sejam altamente favoráveis.

4.2 As perdas

O ser humano é muito sensível ao desaparecimento de uma pessoa querida, de um objeto,


de uma ilusão, de um projeto não concretizado. O impacto da perda produz uma dor
chamada dor psíquica, cuja manifestação mais intensa se origina com a morte do cônjuge.
Essa perda submete o indivíduo a uma tensão muitas vezes no limite do intolerável.
Passado o período agudo, chamado de luto imediato, cuja duração varia (pode ser de dois,
três, quatro meses), lenta e progressivamente a vida segue seu curso e todos os elementos
vitais tendem a reacomodar-se. Quando se tenta reiniciar a vida a dois, um, dois ou três
anos depois, as falhas eréteis e ejaculatórias são altamente freqüentes e exigem paciência,
às vezes entrevistas com psicoterapeutas, para diminuir a ansiedade e, em muitos casos,
medicação ansiolítica e antidepressiva.

As perdas não se referem apenas à morte. Pode ser um divórcio, uma separação transitória
por viagem, até mesmo a aposentadoria, que submete o indivíduo, quase bruscamente, ao
desconcerto de abandonar uma rotina que manteve por 30 ou 40 anos. Muitas vezes, as
causas produtoras de tensões, conflitos e estresse se combinam e interpenetram,
potenciando seus efeitos. Um homem pode, em fevereiro, ser trocado de seção no trabalho;
isso é uma perda em mais de um sentido. Começa a ter problemas de relacionamento com
seu novo chefe. Ao mesmo tempo, sua mulher anuncia que está para dar à luz o primeiro
f1lho do casal (o que vai alterar a vida a dois, para a admissão de uma terceira pessoa, que
exigirá atenção). Em abril, é submetido a uma pequena intervenção cirúrgica. Em maio, sua
mãe adoece gravemente, falecendo em agosto. Isso o obriga a ocupar-se de assuntos que,
até aquele momento, eram tratados por algum irmão ou parente.

Tem discussões familiares com eles, por assuntos de dinheiro e administração de bens.
Aproximadamente em janeiro do ano seguinte, quase todos os problemas estão
solucionados, seu filho cresce bem e ele está em boas relações com a mulher. Em maio-
junho, observa falhas na ereção. Não relaciona o problema com nada... Pois se agora
estava tudo solucionado!

4.3 O dinheiro como causa de tensão

Dinheiro não traz felicidade... Mas como alivia! A ansiedade, tanto por excesso (muito raro)
ou por falta (muito comum) de dinheiro, é um fator habitual, capaz de conduzir um indivíduo
ao estresse crônico, com o risco de padecer qualquer tipo de afecção. O temor e as
incertezas que o dinheiro produz são generalizados e amplos. Esse fato afeta alguns
indivíduos mais do que outros. Como o dinheiro está intimamente ligado ao valor (mas ao
valor sob o ponto de vista psicológico, "eu valho" ou "não valho nada"), o homem é
altamente suscetível quanto a dinheiro e algumas pessoas são capazes de violentar sólidos
princípios morais por causa dele.

Devemos acrescentar a tudo isso um quadro social a que o dinheiro está vinculado: os
desastres econômico-financeiros que os países do Terceiro Mundo; especialmente do
continente latino-americano, estão sofrendo. A intensa ansiedade sofrida por grande parte
da população ao ver deteriorado seu nível de rendimentos, carcomido pelo processo
inflacionário, produziu intensos fenômenos depressivos e episódios de ansiedade em
grande escala.

No mundo dos negócios, a preocupação constante com as vendas, as atualizações de


preços e a permanente perda de lucros podem levar o indivíduo ao descontrole psicológico
e à beira do estresse máximo tolerável. A isso devemos acrescentar a velocidade da tensão
requerida, com taxas cambiais modificando-se em questão de horas e a necessidade de
tomar emprestado para continuar mantendo o negócio ou a indústria.
Uma situação peculiar domina um setor do mundo dos negócios: em certo nível e hierarquia
(banqueiros, corretores da bolsa, empresários, executivos em geral), a demonstração de
ansiedade, inquietude ou depressão não lhes dá uma boa imagem. Existe, então, uma
superexigência que leva, inconscientemente, o indivíduo a "somatizar", * já que só uma
afecção invisível lhe permitirá continuar sendo aceito.

O dinheiro como fator de prestígio é outro capítulo interessante. A disputa pela retribuição
salarial ou pelas aparências gera ansiedade, agressão contida e desencanto. O dinheiro e
sua posse converteram-se num símbolo prototípico da posição social adquirida, daí a
importância de todos os mecanismos para sua retenção. Quando, por qualquer motivo, o
dinheiro se acaba ou escasseia, o que se sente é a perda do status social que fora
conseguido através dele.

Também merece ser considerado o tema da aposentadoria. Já vimos a perda de caráter


psicológico que significa. Acrescentemos as restrições econômicas a que são submetidos
os aposentados e pensionistas, que devem recorrer, em muitos casos, à ajuda de parentes
ou voltar a trabalhar.

4.4 O casamento como causa de tensão

Apesar de todos os vaticínios e das crises sociais de toda índole, o casamento, como
instituição, sobreviveu, embora esteja sob revisão há uns 40 ou 50 anos. A nova situação
da mulher, os anticoncepcionais orais, o acesso ao mercado de trabalho, uma progressiva
delegação da educação dos filhos a instituições como a escola, o clube, etc., obriga a
repensar o casamento. São muito comuns as crises periódicas e se tomam mais freqüentes
as visitas de casais a profissionais capacitados.

O casamento típico - não nos referimos aos casos extremos de violência ou crueldade - é
caracterizado por sentimentos opostos, preconceitos, egoísmos, desvelos. A instituição
matrimonial costuma ser utilizada pelos cônjuges para depositar todos os problemas
cotidianos. Não são de estranhar, então, a emergência de crises de todos os tipos e a
possibilidade da separação como "solução" para elas. O casamento nunca é perfeito,
embora muitos casais afirmem isso enfaticamente. Mas não deixa de ser um campo perfeito
para estudar as vicissitudes da vida humana, pois quase todos os aspectos dela estão
representados nele.

Alguns supõem que o sexo é o protagonista de um casamento. Na verdade não é, mas


ocupa um lugar destacado na vida a dois. Então, fica fácil compreender que o sexo é o foco
central de ansiedade num casamento. Em outras culturas, a transição da infância para a
adolescência e para a vida adulta, com os componentes sexuais de cada etapa, é muito
menos brusca e menos dolorosa do que na nossa. Entre nós, os problemas referentes ao
sexo e ao casamento mesclaram-se com os problemas morais, éticos, religiosos e de
valores que, no fundo, têm pouco que ver com o próprio sexo. Até mesmo como bandeira
social de luta, o sexo aparece como pecado/proibição, ou então como liberação/maturidade
emocional.

É mínima, atualmente, a ansiedade ligada à moral sexual dentro do casamento, pois parece
superado, em grande parte, o sentido pecaminoso do sexo matrimonial. Contudo, tememos
que nossa atividade sexual não seja suficientemente intensa ou satisfatória. Muitas vezes, a
busca de um ideal sexual inalcançável, como é o orgasmo simultâneo* de ambos os
cônjuges, leva a transtornos no prazer e até a disfunções. As dúvidas sobre a própria
capacidade, ou a do casal; as desilusões, os ciúmes, o medo de perder o atrativo físico
ocupam boa parte das tensões capazes de levar ao estresse.

Antigamente, as mulheres nem sabiam da possibilidade de desfrutar o sexo em seus


casamentos. Agora, é muito comum a participação" deles", por indução "delas". Elas
deixaram o segundo plano e querem saber e participar. Os homens costumam sentir isso
como uma ameaça. A ansiedade sexual agora está deslocada e, em vez de culpa por
praticar o sexo, sente-se como que um estímulo, comparativo com os modelos
apresentados através de estatísticas em rádios, revistas, televisão e todos os meios de
comunicação. Hoje, o que predomina, no que se refere à ansiedade no casamento, é a
comparação com certa norma que se acredita ser a melhor ou ideal.

A tarefa de um assessor matrimonial, como pode ser um sexólogo clínico, oscila entre
dissolver uma culpa incorporada por anos de educação limitante e repressiva, e atuar como
moderador da ansiedade produzida pelo impacto da televisão ou das estatísticas quanto a
idades, número de coitos, posições, tamanho de órgãos, etc. A conduta sexual entre
adultos não pode ter regras fixas e o juiz máximo são eles mesmos e sua própria
satisfação.

Em nossos dias, há uma completa reviravolta de comportamento em comparação com a


época vitoriana de fins do século passado. Antigamente, ocultávamos, com pudor, certas
partes de nosso corpo, apenas reservadas aos momentos de máxima intimidade. Em certas
ocasiões, nem isso. Hoje, o recato não é aplicado ao corpo, mas à mente. É com bastante
tranqüilidade que nos despimos diante da pessoa com quem desejamos ter relações
sexuais, mas é para a pessoa amada que abrimos nossa mente, confidenciando-Ihe nossas
culpas, nossas fantasias, nossos temores e projetos.

Como já afirmamos em outras partes deste livro, o sexo não se limita ao coito; por isso, faz
parte das 24 horas do dia de um casal. Isso é o que toma o ato sexual em condições de ser
usado como refúgio compensatório e o que permite, muitas vezes, levar adiante o projeto
matrimonial apesar das dificuldades.

Outro aspecto muito interessante e motivo de fortes altercações, tensões e problemas


capazes de provocar conflitos psicológicos, cujo efeito pode ser a disfunção sexual, é a
ambigüidade moderna nos papéis* masculino e feminino. Nas últimas décadas, homens e
mulheres receberam a mesma educação, freqüentaram colégios mistos, fazem os mesmos
trabalhos, vestem a mesma roupa e têm suas vidas homogeneizadas; em conseqüência,
pode haver dúvidas angustiantes sobre a diferenciação do papel, na hora de conviver ou de
tratar certos temas. Aparecerão em cena mulheres dominantes e homens pusilânimes, com
maior freqüência do que antigamente, mas o problema típico, em especial na classe média,
é a mulher jovem que quer estudar ou terminar sua carreira, que só deseja ter dois filhos e
não sufocar-se com a tarefa de criá-Ios, como fizeram suas mães e avós. A preocupação
de encontrar e sentir-se segura de sua nova feminilidade é uma conquista cotidiana.

Observando esse "casamento típico", sob o ponto de vista masculino, vemos jovens
maridos participando das tarefas domésticas, sozinhos ou acompanhados da mulher. Já
são raros os homens que pensam que seus privilégios masculinos estão em declínio, com
essa atitude. Um homem que tema ser dominado no casamento tende a transportar esse
temor a outros âmbitos fora dele. Uma mulher insatisfeita dentro da relação matrimonial, em
geral, tende a dissimular esse tipo de vínculo fora do âmbito de seu lar. Sob o clima das
novas aberturas sociais, a instituição matrimonial já não é a única meta para a realização
feminina.

Todo esse intenso e decisivo papel da mulher como protagonista é visto como uma ameaça
por muitos homens. As inevitáveis tensões têm provocado separações e divórcios.
Antigamente, a separação matrimonial era um recurso extremo; hoje, em todas as partes do
mundo, a alternativa da separação é considerada com mais freqüência. O divórcio é
matéria aceitável para o conjunto social e os que chegam a ele não são considerados
marginais ou réprobos. Embora o divórcio seja um avanço em muitos aspectos da liberdade
do indivíduo, é imperioso reconhecer sua fonte geradora de tensões, conflitos, culpas e
outras conseqüências. O divórcio leva muitos homens a situações novas, obrigando-os a
adaptações que exigem, às vezes, muito tempo e esforço psicológico. Quando o casal tem
filhos, a situação conduz, habitualmente, à tensão e ao estresse. A mudança de vida, a
solidão, a perda, embora tenham sido buscados, são acompanhados de efeitos depressivos
intensos.

Todo esse conjunto de situações conflitivas, habitualmente dentro do jogo de intercâmbio


complexo exigido pela convivência matrimonial, pode levar à disfunção sexual de qualquer
membro do casal, ou de ambos. Os contornos do surgimento de uma disfunção sexual,
especialmente no homem, acompanham o fator visto neste capítulo. Podem transcorrer
períodos de conflitos intensos, sem que o funcionamento sexual se altere. Passada a
tormenta das discussões, inimizades, às vezes de separação temporária, quando tudo faz
supor uma completa harmonia e reencontro, aparece alguma falha na ereção ou algum
distúrbio ejaculatório que, por sua vez, gera uma tensão maior e desconfiança. O transtorno
produzido pela tensão conflitiva geralmente aparece meses depois. É importante lembrar
sempre isso.
CAPÍTULO 9

1. Os problemas da ejaculação

Quase tudo o que foi escrito para o conhecimento do público - muito pouco, como vimos -
dá ênfase aos problemas da ereção;* além disso, fez dela sinônimo de potência. Contudo,
fala-se pouco sobre a ejaculação, embora seja esta, talvez, o principal motivo de consulta
masculina. Cremos que, nisso - como em muitas outras coisas -, o mito sobre a potência (e
sua contrapartida, a impotência) tem prevalecido.

O leitor poderá encontrar, neste capítulo, respostas a algumas questões e a descrição de


alguns distúrbios ejaculatórios, dependentes de intervenções cirúrgicas na zona pélvico-
genital.

2. O que é e como se produz a ejaculação

A ejaculação é a emissão do sêmen, por contrações espasmódicas, através do orifício


uretral, que se produz ao final de um coito ou ato sexual, ou por autocarícia (masturbação),
ou durante um sonho erótico. Observemos alguns detalhes dessa definição.

a) Para que o sêmen seja emitido, deve estar armazenado ou acumulado previamente.
Efetivamente, está acumulado e retido nas chamadas vesículas seminais.

b) O processo ejaculatório pode ser produzido de variadas maneiras, inclusive


involuntariamente, como acontece nos sonhos.

c) Observe-se que, na definição, não se' faz referência ao tempo que tarda a produzir-se,
nem à duração.

Devemos recordar que, nas fases da resposta sexual masculina, a ejaculação corresponde
à fase posterior à de "meseta", quer dizer, é a fase coincidente com o orgasmo.* Às vezes,
em linguagem sexológica, diferencia-se" emissão" de "orgasmo", mas, para fins práticos,
vamos descrevê-Ia junto com o orgasmo. O processo de ereção, habitualmente, precede o
da ejaculação. Recordemos que os estímulos, tanto externos como internos, os odores, o
tato, a vista, a audição, a lembrança de cenas eróticas, o estímulo hormonal, a mensagem
do cérebro à medula espinhal e dali às válvulas sangüíneas dos corpos cavernosos,
estabeleceram a ereção e a mantêm (fase de meseta).

Imediatamente depois da fase de meseta, muito variável em intensidade e duração


(falaremos disso mais adiante), sobrevém a emissão ou ejaculação. No homem, a
ejaculação é um reflexo (recordemos que um reflexo* é uma resposta automática de um
organismo vivo a um estímulo) cujo centro nervoso está na medula espinhal,
aproximadamente na zona torácica baixa.

Há uma primeiríssima fase, antes da ejaculação propriamente dita, em que se pode


observar a emissão, em pequenas gotas, de um líquido incolor, quase transparente,
produto da secreção das pequenas glândulas existentes no aparelho genital e também da
próstata. Muitos adolescentes emitem esse líquido, quando estão pensando numa garota,
dançando com ela, acariciando-a. Sua função não está defmida. Acredita-se que é
lubrificante e preparatória para a ejaculação.

A fase de ejaculação propriamente dita é uma fase de contração espasmódica dos


pequenos músculos existentes nas vesícuIas seminais, destinada a esvaziá-Ias. O
processo se faz em contrações mais ou menos regulares, a intervalos inferiores a um
segundo. Esta é uma fase sem retomo e coincide com o orgasmo, que é um complexo
grupo de sensações em que o prazer culmina. Há um sentimento de gozo e de alívio muito
difícil de expressar em palavras.

A projeção do líquido seminal é intermitente, em pequenos jatos, impulsionada pela


musculatura da base pélvica, chamada períneo. * Insistimos em que essa contração é
involuntária, mas é acompanhada, voluntariamente, por movimentos rítmicos da pélvis do
homem e da mulher, aumentando a sensação de prazer e o facilitando.

Recordemos também que, depois da ejaculação e do orgasmo, vem o período final de


resolução. O homem tem um período refratário, ou seja, de impossibilidade de reagir com
desejo e excitação, até que se passe um período de tempo, variável com a idade e com o
estado de ânimo, enquanto a mulher não tem período refratário, podendo, depois do
orgasmo, ser estimulada novamente. A força da ejaculação varia muitíssimo de um homem
para outro. Alguns homens podem emitir o sêmen até a um metro de distância, enquanto,
em outros, a ejaculação é apenas um escorrimento para fora da glande. Como é um
fenômeno muscular, depende da idade, do grau de estímulo sexual, do estado da próstata
e de outros fatores que ainda não são conhecidos. É curioso que provavelmente por
extensão do conceito sobre a qualidade de ereção, a maioria dos homens informe que
ejacula com pouca força. Mas devemos dizer que, sem descartar os fatores físicos
existentes, especialmente depois dos 50-60 anos de idade, essas sensações se referem a
estados de baixa excitação, em que o prazer é escasso e toda a atenção do indivíduo está
concentrada, do mesmo modo como na ereção, em como é a ejaculação.

A ejaculação e o orgasmo acontecem, em geral, juntos, salvo - obviamente - na emissão


noturna, chamada polução. * A ejaculação pode ocorrer, contudo, sem orgasmo nos casos
de lesão nervosa medular, se o centro de ejaculação não for danificado. A ejaculação
desses homens não é acompanhada de sensações orgásticas.

Os sonhos eróticos e as conseqüentes poluções não indicam enfermidade. Podem


acontecer até em homens sexualmente ativos e que gozam de perfeita saúde.
Habitualmente, nesses casos, ocorre em pessoas muito sensíveis a estímulos eróticos, com
um estoque de energia que precisa ser descarregado de forma extraordinária durante os
sonhos.

3. O tempo que a ejaculação leva para produzir-se

O mais comum dos problemas ejaculatórios é a inadequação. (Como todo problema sexual,
nunca o problema é de um dos componentes, mas dos dois.) Uma das dificuldades é a
ejaculação precoce,* quer dizer, rápida demais. Mas, rápida em relação a quê? Antes do
orgasmo da mulher? Antes do que falam os companheiros de trabalho, de bar? Mais rápida
do que o desejado ou imaginado? Decididamente, ainda não existe acordo científico sobre
sua definição. Um dos mitos ou crendices mais arraigados na população é pensar que o
orgasmo tem de ser simultâneo; isto é, que o homem e a mulher devem gozar juntos. Essa
crendice já produziu tantas desavenças, infelicidades conjugais e, muitas vezes, erros
grosseiros de apreciação, que tem provocado, efetivamente, disfunções, tanto masculinas
como femininas, onde não existiam anteriormente.

Já destacamos o fato de que as mulheres têm a capacidade de ser multiorgásmicas. *


Quando as mulheres estão tranqüilas e têm um companheiro afetuoso, temo e paciente,
sentem-se confiantes, relaxam e podem entregar-se mais facilmente ao prazer.

À medida que progride essa sua confiança no companheiro e em si mesmas, a capacidade


para o prazer se incrementa. O "estilo" - para denominá-Io de alguma maneira - de cada
mulher para o número e qualidade de orgasmos não segue um modelo prefixado. Há
mulheres que têm dois orgasmos: um anterior à penetração propriamente dita; e outro, com
a penetração. Com outro tipo de mulheres, dá-se exatamente o inverso: têm um primeiro
orgasmo com a penetração e, depois que o companheiro teve o seu, com a ejaculação,
podem ter o segundo, se o companheiro continuar estimulando-a convenientemente. Há
mulheres que são muito "lentas". E "lentas", aqui, não é pejorativo, é apenas a descrição de
um estilo, de uma maneira pessoal de reagir ante os estímulos e que deve ser respeitada.
Este é o seu tempo. Outras mulheres são rápidas. Quer dizer, reagem prontamente aos
estímulos eróticos. Isso também não é ruim.

A mulher costuma conter-se, sobretudo se é jovem, porque, em nossa cultura, ter prazer,
expressá-Io com gestos ou movimentos - embora na intimidade de um quarto e ante o
homem amado - não é "bem-visto". Pensa-se que é uma "louca", uma "ninfomaníaca'.' ,*
quando não é acusada de prostituta, ignorando que a maioria das prostitutas são frígidas,
porque fazem da relação sexual um comércio e a única coisa capaz de "excitá-Ias" é o
dinheiro, nunca a carícia.

Não é de admirar que o homem também se assuste com esse tipo de mulheres facilmente
excitáveis. Acredita - erroneamente - que ele, apenas ele, é o dono da iniciativa, de dirigir e
comandar quando e como deve ser a excitação de sua companheira. O homem, diante de
uma mulher com as características que estamos descrevendo, costuma inibir-se muito,
particularmente nas primeiras vezes, ocorrendo-lhe uma falha erétil ou, mais
freqüentemente, uma ejaculação rapidíssima, como expressão de ansiedade e de temor.
Ele também se excitou muito rápido.

Diante disso, diremos que é impossível definir o tempo "normal" que deve transcorrer entre
a ereção completa e a ejaculação, sobretudo em relação ao orgasmo feminino. E pode até
ocorrer o caso de muitos ejaculadores prematuros, que não sabem que o são. E isso
acontece em alguns casais muito integrados em ritmo. O homem sempre ejaculou
rapidamente dentro do conduto vaginal e a mulher sempre teve orgasmo rápido, uma vez
penetrada. Esses homens, quando, por qualquer circunstância, têm relações com outras
mulheres (separação,viuvez, relações extraconjugais, etc.), tomam conhecimento de seu
problema.

4. Métodos ineficazes para combater a ejaculação precoce


Embora os ejaculatórios sejam os mais freqüentes problemas sexuais dos homens, o
recurso à consulta só é decidido, normalmente, depois de haver experimentado muitos
métodos, alguns "caseiros" e outros - não poucos - recomendados por médicos.
Habitualmente, o método "caseiro" é distrair-se quando se está realizando o ato sexual.
Pensar em "outra coisa", Pode ser que, quando se começa a usar o método, se consiga
algum sucesso, mas, a longo prazo, é altamente prejudicial.

O erotismo se consegue com uma concentração cada vez mais intensa e não com o
contrário. A relação do casal não será beneficiada se não se pensar nela. Enfim, a
experiência mostra que o problema ejaculatório tende a agravar-se com o tempo, usando-
se esse método, que é um dos fatores de falhas eréteis.

Muitos médicos recomendam o uso de cremes ou pomadas anestesiantes da glande, para


a "cura" da ejaculação precoce. O método é, no melhor dos casos, ingênuo, porque o
processo ejaculatório não reside na pele do prepúcio* ou na glande. É apenas o reflexo,
como ficou explicado, no qual a imensa maioria dos estímulos chega ao córtex cerebral e
corre pelos centros nervosos, superiores e inferiores. Anestesiar apenas o tecido receptor é
uma ínfima parte, considerando tudo o que deveria ser anestesiado. Mas este não é o único
inconveniente da ineficácia da anestesia local. O outro - e grande inconveniente - é que não
se anestesia apenas a glande do membro masculino; também são anestesiados, dessa
maneira, o clitóris e a mucosa da entrada vaginal, e, com isso, se consegue insensibilizar
também a mulher. E, na grande maioria dos casos, apenas a ela.

Existem produtos cuja publicidade assegura que têm propriedades "mágicas" para
prolongar o ato sexual. Não há nenhuma dúvida: é a mesma pomada anestésica. Com um
perigoso componente: provavelmente, não está esterilizada, tem compostos químicos,
perfumes, corantes, etc. Se for usada, terá os mesmos efeitos da receitada pelo médico e,
além disso, pode provocar uma irritação alérgica por contato que, às vezes, acaba
convertendo-se em infecção.

5. Causas orgânicas dos distúrbios ejaculatórios

Ao contrário dos problemas eréteis, os distúrbios orgânicos na ejaculação precoce,


chamados "grandes" ou grosseiros, são excepcionais. Isso, de nenhum modo - a nosso ver
-, exclui o exame urológico e, às vezes, neurológico do indivíduo que padece de ejaculação
precoce. Estamos aludindo aos problemas ejaculatórios "puros". Quando esses problemas
estão acompanhados de distúrbios nos esfíncteres urinário ou anal, deve-se buscar logo
um diagnóstico. Deve-se consultar imediatamente um urologista.

Alguns casos de ejaculações precoces podem ser provocados por irritações ou inflamações
da próstata. Como a ignorância nessa matéria - como dissemos na introdução deste livro –
é muita, existem profissionais inescrupulosos que baseiam toda a sua reputação de
"curadores" de distúrbios ejaculatórios em "vacinas". Efetua-se um toque retaI no paciente,
que, feito com habilidade intencional, pode provocar uma ligeira dor. Isso serve de "sinal
diagnóstico característico" e convence o paciente de que padece de prostatite. Recomenda-
se um tratamento intensivo de 10 ou 20 injeções que contêm uma "vacina", e garante-se o
êxito completo depois da série receitada. Como o pagamento é adiantado, a maioria dos
pacientes se surpreende com sua boa fé e, depois das primeiras injeções, abandona o
tratamento.
É bom saber que não existe comprovação científica - até esta data - de vacinas desse tipo.
Não há informes científicos a sociedades médicas sobre a existência de tais tratamentos.

Existe um tipo de distúrbio ejaculatório, chamado ejaculação retrógrada ou "seca". Esse tipo
de distúrbio é provocado por alguma anormalidade na união do conduto ejaculatório e da
uretra dentro da glândula prostática. O distúrbio pode ter sido causado por alguma
intervenção cirúrgica, por algum acidente (traumatismo pélvico) ou pelo uso de
medicamentos anti-hipertensivos, como a guanetidina. O distúrbio não afeta o coito nem a
capacidade orgástica. Simplesmente, é uma ejaculação sem sêmen e, portanto, só a
capacidade de produzir gravidez é afetada.

6. Tipos de problemas ejaculatórios

Quase todos os problemas referentes à ejaculação são denominados precoces. Mas nem
todas as precocidades se apresentam da mesma forma. Algumas se produzem antes da
penetração, outras, depois. Neste último caso, a denominação é "ejaculação acelerada" e.
tem maiores possibilidades de melhora do que a outra. Há ejaculadores prematuros nos
quais o simples contato com a pele da mulher, mesmo antes da ereção, pode produzir a
ejaculação. Nesse caso, a denominação é "precocíssima". Por causa da ansiedade e da
inabilidade, de um modo geral, a ejaculação precoce, em qualquer de suas formas, é muito
mais freqüente na adolescência. À medida que o tempo passa, a experiência e a
estabilidade emocional tendem a corrigir a precocidade.

Existem alguns problemas ejaculatórios menos freqüentes. Um deles é a ejaculação


retardada, distúrbio funcional oposto à ejaculação precoce. A ejaculação, nesse caso, é
tardia, embora o homem tenha recebido os estímulos necessários. Esses homens, cuja
ereção é normal, têm, contudo, um bloqueio da fase do orgasmo e da ejaculação. Só ficam
na fase de meseta.

Ao contrário do que o público supõe, esses pacientes são dominados pela ansiedade, pela
angústia e pela preocupação. Não conseguem relaxar e transmitem essa ansiedade a sua
companheira, que só em raras ocasiões pode chegar ao orgasmo.

Há muitas variações nesse quadro descrito acima; talvez a mais importante é que, alguma
vez, na vida sexual de um homem, costuma acontecer um episódio de ejaculação
retardada. Com toda a segurança, nessas ocasiões, a preocupação excessiva - ou algum
fator desencadeante de ansiedade - se toma efetiva em forma de retardamento -
aparentemente inexplicável - da ejaculação.

Há casos mais raros ainda, chamados de anedonia ejaculatória* (do grego an, que significa
não, e hedonía, que significa prazer), nos quais a ejaculação não é acompanhada de
prazer. Trata-se de um fenômeno subjetivo, que tem relação com o orgasmo e pode ser
produzido por um processo depressivo (o indivíduo não sente, ou sente pouco), ou algum
distúrbio orgânico, como o diabetes.

7. Tratamentos dos distúrbios ejaculatórios


Tratando-se de um problema reflexo, os distúrbios ejaculatórios são relativamente fáceis de
controlar. Na verdade, dentro das disfunções sexuais, o mais alto índice de melhora é
alcançado, com toda a certeza, nos distúrbios do processo ejaculatório. Mas é importante
fazer um esclarecimento: a descrição do tratamento habitual, que se denomina
"dessensibilização sistemática" , * como seu nome indica, é uma administração progressiva,
e seguindo determinadas pautas, de exercícios especiais destinados a reduzir a velocidade
do reflexo ejaculatório.

Como quase todos os homens que padecem de ejaculação precoce têm uma grande
ansiedade, tentam conseguir rapidamente não apenas o orgasmo, mas tudo, inclusive a
cura. A ansiedade é contagiosa. Isso faz com que, com toda a boa intenção, o homem com
um distúrbio ejaculatório, ou a companheira que tenta colaborar com ele, se orientem por
alguma publicação de ampla distribuição. Seguindo essa improvisada auto-indicação, não
conseguem melhorar nada. E, às vezes, em razão da própria ansiedade e da desilusão,
pioram. A frustração é grande, mas, por fim, bom número de pacientes decide consultar um
profissional.

A técnica da dessensibilização sistemática é simples, mas deve ser feita adequadamente.


Não pode ser uma técnica de "confecção": Sabemos que uma roupa deve ser adequada à
estação do ano, ao tipo físico, à idade de quem vai vesti-Ia, à ocasião em que será
utilizada, ao custo, à disponibilidade de tempo para as provas, para a correção de possíveis
defeitos ou imperfeições, etc. O tratamento de dessensibilização deve também ser
adequado. Daí a imperiosa necessidade, antes de tudo, de diminuir a ansiedade do
ejaculador precoce, o que muito poucas vezes se consegue com medicação, a qual, para
cúmulo dos males, pode agravar a disfunção, ou provocar efeitos colaterais indesejáveis,
como sonolência, sede e outros.

Às vezes, quem precisa de calma e segurança psicológica é a companheira; é através dela,


pela intrincada influência sobre o companheiro, que fica mais fácil trabalhar. Qualquer
técnica de ajuda sexual será totalmente ineficaz, em caso de desavenças conjugais graves.
A hostilidade e o rancor provocam tensão e acentuam a ansiedade. Muito pouco ou
nenhum efeito terá qualquer leitura ou indicação, inclusive de um profissional, se, primeiro,
o casal não se dispuser a rever, em conjunto, com um profissional especializado, a profusa
rede de conflitos principais e derivados, capazes não apenas de provocar uma disfunção
ejaculatória, como também de mantê-Ia.

Está comprovada a eficácia de alguns medicamentos no controle ejaculatório. São de


administração e acompanhamento estrito por parte de um médico. Mas a medicação
sozinha não possibilita uma melhora notável; são necessários, além dela, conselhos
sexuais adequados, a análise da condição psicológica e sexual da companheira e,
sobretudo, verificar se é possível realizar exercícios de dessensibilização. O tratamento
pela dessensibilização - aqui só abordaremos seu fundamento - consiste em conseguir que
o ejaculador prematuro seja cada vez mais consciente dos estímulos e sensações capazes
de conduzi-lo ao orgasmo. Conhecer o conjunto de emoções anteriores ao orgasmo vai
tomá-lo mais consciente do reflexo produtor da ejaculação e, portanto, capaz de controlá-lo.

Esse esquema de tratamento deverá ajustar-se, em forma e modalidade, a cada paciente


e/ou casal. Além disso, o problema não será resolvido, de modo algum, com uma indicação.
É todo um processo de reaprendizado e isso exige tempo e implica avanços e recuos, que
devem ser avaliados e controlados por um profissional competente na matéria.
CAPÍTULO 10
O homem até os 40 anos. Seus problemas psicológicos.
Possibilidades de disfunção sexual nessa idade
1. Pensamentos mais freqüentes. O medo de falhar

O que foi descrito no capítulo anterior sobre os medos provocados pela ansiedade
excessiva, o temor de fracassar e a necessidade de não falhar nunca se aplica totalmente
aos problemas dessa idade cronológica na vida de um homem. Este limite de idade - até os
40 anos - é um longo período de aprendizado. Os leitores de 30 ou 35 anos podem se
sentir magoados ao ler isso, pois acreditam que sabem tudo. E, à força de ser sinceros,
muitos já sabem. Mas acontece que a sexualidade não está isolada de todo o contexto
emocional e vital de um homem. O impulso de gozar, próprio da juventude, impede, muitas
vezes, que se tome consciência da necessidade de cultivar as relações, de experimentar
para alcançar uma maior qualidade e não quantidade de encontros sexuais. O homem de
até 40 anos vive o dia-a-dia. E é até desejável que seja assim. Por isso, quando lhe ocorre
uma falha sexual ocasional, toda a sua estrutura psicológica se estremece, e a ansiedade
se estende mais além do indicado pelo senso comum. Habitualmente, a insegurança prévia,
a necessidade, em forma constante, de sinais de que é reconhecido e amado formam um
embasamento condicionante para a ansiedade exagerada ante a frustração.

Devemos destacar dois ou três elementos muito comuns nas disfunções dessa idade. Um
deles se refere à figura dos pais, extensível a todo o contexto emocional e de valores da
infância. Outro, ao tipo de educação recebida, incluindo a religiosa. Quando se pergunta a
um desses homens como foi sua iniciação sexual, respondem, em quase 95% dos casos:
com uma prostituta. Nesses homens que sofrem de ejaculação precoce, são constatados
antecedentes infantis e, sobretudo, adolescentes de masturbação com culpa e ansiedade
excessiva.

A seguir, apresentarei algumas frases que, à maneira de resumo muito condensado,


costumam ser ditas por alguns desses homens durante uma consulta sexológica. São
manifestações diversas de múltiplas emoções, todas muito intensas e capazes, ao afetar o
psiquismo, de causar falhas na ereção ou na ejaculação.

1.1 Manifestações de culpa1

. "O que estou fazendo não deveria ser com minha mulher. Deveria procurar uma prostituta.

. "Estou lhe fazendo um dano irreparável: é virgem."

. "Não devo fantasiar com outra mulher quando estou na cama com minha mulher. "

. "Mereço ser impotente: pensei em enganar minha mulher. "

1
Esclarecemos para o leitor que culpa quer dizer "necessidade de castigo", O indivíduo acredita ter
pensado ou feito algo capaz de transgredir ou estar em simples desacordo com uma norma ou
regra, obviamente imposta por uma autoridade.
. "Faz pouco tempo que meu pai morreu. Não devo ter prazer tendo relações sexuais com
minha mulher. Estou de luto. "

1.2 Manifestações de ansiedade, temor, medo

. "Posso me contagiar."

. "Posso engravidá-Ia. "

. "Posso machucar o bebê" (mulher grávida).

. "Não poderei penetrá-Ia."

. "Não conseguirei a ereção."

. "Ela deseja outro tipo de homem."

. "Eu quero tocá-Ia, mas não quero que ela me toque."

. "Nunca estive num lugar e em situação semelhantes. "

. "O que é que ela vai pensar de mim?"

. "Tenho medo de que ela me deixe."

. "Os homens anteriores lhe davam mais prazer do que eu”.

1.3 Manifestações de exigência excessiva

. "Tenho de fazer amor todos os dias, senão ela me deixará. "

. "Um homem deve comportar-se como tal."

. "Depois que ela gozar cinco ou seis vezes comigo, não vai olhar para outro homem, senão
eu."

. "Basta olhar para ela ou tocá-Ia e já tenho uma ereção."

. "Meus amigos dizem que nunca falharam. "

. "Tenho que ficar dentro dela pelo menos meia hora."

1.4 Manifestações de perseguição, indicadoras de inferioridade psicológica

. "Meu corpo não tem muitos músculos."

. "Meu pênis é pequeno; ela vai rir de mim."


. "Tenho nádegas muito grandes; pareço uma mulher."

. "Ela vai perceber que não tenho habilidade, que sou inexperiente. "

. "Sou um adulto, ela vai me rejeitar porque quero ter prazer e divertir-me. "

1.5 Manifestações de ira ou competência

. "Vou lhe mostrar quem sou eu."

. "Se ela quiser ter relações comigo hoje, vai ter de pedir de joelhos. "

. "A única coisa que me interessa nela é sexo. "

. "Ela só serve para isso. "

. "Vou mostrar a meus amigos quem é mais homem. "

1.6 Manifestações de insegurança, de falta de confiança em si mesmo

. "Como será fazer normalmente?"

. "Tá bom assim?"

. "Será que estou pecando?"

. "Será que eu gosto dela?"

. "Será que ela gosta de mim?"

. "Tenho certeza de que ela prefere outro. Nunca fui muito atraente. "

. "Sou um fracasso em tudo. Por que iria triunfar nisto? "

2. Superproteção (domínio) materna

Existem alguns mal-entendidos sobre a palavra dominação. Em primeiro lugar, ninguém


domina alguém apenas. Quer dizer: é preciso certo nível de cumplicidade; para a existência
de uma mãe dominadora, é preciso a complacência do pai. E o pai é complacente e deixa
rolar, quando não intervém, quando não põe os limites necessários, quando ele também
aceita ser mandado, ouvindo gritos, sendo dirigido, conduzido e/ou manipulado pela mulher.
A mãe é também dominadora quando o pai, por qualquer circunstância, está fisicamente
ausente.

No primeiro caso, o pai está fisicamente presente, mas ausente psicologicamente. Tudo
isso cria falhas importantes na construção da masculinidade. É necessário um balanço, um
equilíbrio sutil entre as funções maternas e paternas para criar um filho. Quando o pai falta,
ou a mãe ocupa excessivamente os lugares e os monopoliza, o homem pode ter diversas
vicissitudes psicológicas quando adulto:

a) Vai ter medo das mulheres.

b) Deixará que as mulheres tomem a iniciativa.

c) Não fará contato com mulheres. Será tímido e muito acanhado.

d) Pode ficar solteirão. Terá medo de reproduzir o quadro visto em sua casa.

e) Só vai se relacionar com homens. A mulher lhe parecerá "inalcançável".

Há um caso especial de dominação que merece um parágrafo à parte: a mãe


superprotetora. É muito difícil ver dominação numa mulher cuja única missão na vida é viver
para seus filhos, dar-Ihes toneladas de carinho, cozinhar para eles, ficar acordada até altas
horas da madrugada, enfim, ter apagada sua própria existência, em nome dos filhos.

Aparentemente, pode ser muito melhor que uma mãe ausente; é compreensível. Mas a
extrema solicitude e presença, o permanente repetir de recomendações sobre o cuidado
com o corpo, a saúde, o apetite, as companhias e a segurança pessoal fazem de um filho
um homem inseguro, inibido, com problemas com seu dinamismo e, às vezes, com seu
contato social.

É uma forma "doce" de dominação, mas dominação, de qualquer modo. O pai pode
colaborar, seja estando ausente, como no caso anterior, ou associando-se, em graduação
variável, ao exercício do cuidado quase obsessivo e persistente. Em tais casos, a situação
para o jovem é muito asfixiante. A insegurança vai liquidá-Io e o medo pode ser o principal
protagonista de sua vida sexual, em qualquer idade.

3. Pai autoritário

Normalmente, esse tipo de pai cria filhos com fortes exigências. O autoritário é um pai que
impõe respeito, estabelecendo o temor, embora sem recorrer à violência. É um pai que
aceita pouco as falhas, tanto as notas baixas no colégio como pequenas travessuras.
Confunde ética, ou princípios éticos, com respeito à sua pessoa, por isso qualquer
descumprimento das expectativas depositadas no filho é visto como uma transgressão dos
princípios éticos (ou religiosos, ou da comunidade, ou da raça, ou da ciência). O efeito
freqüente sobre os filhos é que estes se sentem incapazes de imitar o pai ou comparar-se a
ele. O "pai-que-nunca-fracassa" exige dos filhos, pelo menos, conduta semelhante. A vida
sexual desses homens costuma estar dominada pela ansiedade, pelo medo de fracassar no
"teste"; acreditam ver os olhos do pai, carregados de raiva, em cada uma das iniciativas de
sua vida. Mesmo que tenham 35/40 anos e o pai tenha falecido há 15.

Como contrapartida, a mãe desses homens, obviamente, foi esquecida em razão da


presença dominante do pai. Foi silenciada, submetida, e, se foi inteligente ou deu exemplos
de sabedoria ou bondade, o homem não se lembra: ela sofreu as mesmas vicissitudes que
ele.
4. Educação religiosa

Antes de tudo é necessário um esclarecimento. Não há nada, neste capítulo, 'contra


qualquer religião. Pelo contrário. Temos a sincera convicção de que a existência humana
depende de algum tipo de religiosidade construída no seio de sua própria cultura. E, além
disso, falamos de qualquer educação religiosa.

Todas as religiões têm aceitado - e aceitam - elementos valiosos para a convivência


humana. Proporcionam mecanismos de unificação e solidariedade, além de princípios
éticos e morais que serão os alicerces da visão orientadora da vida de um indivíduo. Mas a
atitude habitual que quase todas as religiões ocidentais tiveram e têm em relação ao sexo
está estreitamente ligada ao exercício da culpa. Hoje - felizmente - estamos distantes do
puritanismo e da hipocrisia social da época vitoriana de fins do século passado. Naquele
tempo, as mulheres "decentes" não tinham direito ao prazer sexual e exerciam o sexo
apenas como um "dever" para com seus maridos.

Ao contrário do que se acredita habitualmente, a sombra da culpa, a proibição e a


condenação da sexualidade foram muito anteriores ao advento do cristianismo. O próprio
Jesus Cristo falou muito pouco sobre o tema. A maioria das restrições sexuais "modernas"
surgiram, provavelmente, depois de São Paulo. Santo Agostinho, como todos os demais
teólogos, teve uma influência decisiva nas atitudes sexuais. A virgindade e a pureza foram
elevadas ao nível de glorificação. Sexo, impureza e pecado foram equiparados, foi instituído
o controle de grandes grupos, através da inoculação da culpa. Séculos de incorporação
desse tipo de idéias não são fáceis de apagar.

O próprio casamento - dentro do qual, embora seguindo determinadas regras, o sexo é


permitido - não livra ninguém desse conjunto de crendices, capazes de produzir angústias,
preocupação e culpa, como demonstram muitos casais com fortes problemas emocionais
ou disfunções sexuais. Muitos homens e mulheres, cheios de temor, recorrem à instituição
matrimonial, não apenas porque desejam viver juntos toda a vida e ter filhos legalmente -
desejo perfeitamente legítimo -, mas também como "tábua de salvação", garantia de
permissão e autorização social para ter relações sexuais. Os problemas se agravam por
causa da ignorância, da repressão, da intensa distorção dos conceitos e por uma educação
passada, carregada de culpa, que, embora já não mais presente, se faz sentir de forma
inexorável dentro do psiquismo. Se não houver abertura dentro do sistema matrimonial e se
não houver consulta, em busca de assessoramento, de orientação e, em muitos casos, de
terapia, a infelicidade pode se arrastar durante anos.

5. Educação autoritária, não necessariamente religiosa. A manipulação dos


desejos, dos gostos, da autonomia

Estão equivocados aqueles que pensam que os antecedentes de uma educação religiosa
são razão suficiente para provocar problemas na área sexual. Em primeiro lugar, é possível
que se tenha tido uma educação religiosa, mas sem sofrimentos nem opressão, transmitida
com ternura e, além disso, como fato importante, através de exemplos. Pode ter sido
passada através da transmissão de conceitos religiosos, preceitos éticos e morais, mas
com flexibilidade, e adequados às circunstâncias e ao estilo peculiar do indivíduo que a
recebe. De um modo geral, uma educação religiosa, incorporada dessa maneira, tem tantas
oportunidades de se converter em geradora de infelicidade sexual, como qualquer outro
fator alheio por completo às crenças teológicas.

Neste item, ocupamo-nos de um fato que é comprovado diariamente pelos que trabalham
com problemas da sexualidade humana. Trata-se de muitíssimos homens que padecem de
um problema do desejo, da ereção ou da ejaculação e do orgasmo, que têm arraigados
dentro de si preconceitos, rígidos pensamentos carregados de prejulgamentos muito pouco
flexíveis. Obviamente, a carga de ansiedade e de culpa gerada por esse tipo de estrutura
mental é, sem dúvida, a causa dos problemas sexuais em razão dos quais procura a ajuda
médica.

Mas qual é a origem desse tipo de pensamento? Nem todos os pais ou parentes desses
pacientes foram autoritários ou dominadores. Nem todos receberam educação religiosa.
Isso é efeito de um fato social indiscutível: o autoritarismo social. É preciso entender bem.
Não há pessoa ou grupo de pessoas ou instituições que os encarnem ou lhes sirvam de
modelo. O autoritarismo flutua na sociedade, no ar que se respira, na linguagem dos
homens e das mulheres que circulam pela vida de uma pessoa, desde que nasce até
tomar-se adulta.

Esse tipo de pensamento não tolera a diferença de opiniões, não suporta o


questionamento. Esse tipo de pensamento não admite diálogo, não se compartilha e muito
menos permite acordos. Impõe-se diretamente. E se impõe pela força. Violenta-se. De
qualquer forma e a qualquer preço. O mais importante é impor-se. É lógico que esse tipo de
pensamento se estende a todas as áreas do ser humano. Mas aqui vamos abordar apenas
a área sexual.

Esse tipo de pensamento acredita-se A Autoridade Máxima. A partir dessa posição, avalia e
dita a conduta sexual dos seres humanos. Claro que considera a própria opinião a única
válida. A Verdade. Tudo o que não corresponda a essa verdade é mentira, falsidade,
doutrina estapafúrdia. A opinião desse tipo de pensamento é que a sua é a opinião da
Normalidade. Os que assim pensam supõem que há uma única normalidade e só eles
podem dizer qual é. Qualquer um que não se ajuste a esse padrão de normalidade, a esse
modelo de homem e mulher, é considerado pervertido, louco, alheio ao sistema, perigoso,
condenável.

A esse tipo de pensamento autoritário não interessam os progressos científicos sobre a


fisiologia sexual, conseguidos nos centros mais avançados do mundo. Não só não lhes
interessam; não sabem de que se trata, na grande maioria dos casos, por incrível que
pareça. Assim, o cientista, diante desse tipo de pensamento, sente-se como um Galileu
moderno, murmurando, ante um tribunal anônimo: "E, contudo, ela se move."

Esse tipo de pensamento autoritário simplesmente espera que a mulher seja igual ao
homem, mas sem pênis. Ou seja, uma clara projeção do macho. A mulher só existe para a
procriação e, embora não se diga de viva voz, é um ser inferior. Qualquer técnica sexual é
boa, desde que satisfaça aos homens. O pensamento autoritário aceita, sem críticas, a
hipocrisia social da vida dupla, possível para os homens e condenada para as mulheres.
Obviamente, as mulheres devem chegar virgens ao casamento, enquanto o homem que
tome essa atitude é suspeito de homossexualidade. Para sustentar esse pensamento,
claro, é necessária a existência dicotômica de prostitutas e mulheres "decentes". Esse
mesmo tipo de pensamento diz que são muito mais condenáveis as mulheres que têm
filhos ilegítimos do que os homens que os geraram.

Quando se trata de sexo, o pensamento autoritário não permite nem a mais leve discussão.
A intolerância é a norma, a inflexibilidade sua conduta. Qualquer pessoa com senso comum
ou qualquer profissional da área da saúde pode constatar a extraordinária dificuldade que
significa definir o que é e o que não é normal. Contudo, o pensamento autoritário condena
qualquer atividade sexual fora do coito, como as carícias, a masturbação e os contatos
orogenitais.

Ignoram que a imensa maioria das mulheres prefere - e até necessita - estímulos diferentes
e intensos antes do coito e, além disso, como condição fundamental para chegar a ele.
Ninguém pode dizer - a não ser em casos em que o dano ou a violência é mais do que
evidente - o que é normal para cada lugar para cada idade, para cada grupo cultural. Para
responder a qualquer das perguntas que os jovens, as mães, os homens apresentam aos
profissionais, permanentemente, é preciso levar em consideração muitíssimos fatores. O
que é bom para um pode não o ser para outro. O que é bom num momento pode não o ser
em outro. A generalização é a especialidade da mente autoritária. A maturidade e o
crescimento humanos têm que ver com a tolerância, o respeito pelo que ocorre ao outro,
pela opinião do outro, pela conduta e pelos costumes do outro. Se não for assim, a palavra
democracia e a palavra amor tomam-se palavras vazias.
CAPÍTULO 11
1. A meia-idade masculina: 40-60 anos
"A mais perniciosa de todas as mentiras sexuais é a
crença, quase universalmente aceita, de que a
efetividade sexual desaparece, inevitavelmente, à
medida que o ser humano envelhece. Isso,
simplesmente, não é verdade."

WILLIAM H. MASTERS E VIRGlNIA E. JOHNSON

Como assinalamos no capítulo anterior, essa costuma ser a Idade da experiência no


homem. Portanto, as funções sexuais deverão ser diferentes quanto a elementos
desencadeadores e a características.

A imaginação popular costuma comparar os sentimentos de atração sexual e seu brusco


declínio com a química. A imagem é a de um fogo que, depois de alcançar sua máxima
incandescência, vai se enfraquecendo até apagar-se, deixando, quando muito, brasas
fumegantes, como lembrança do que aconteceu. E continua dizendo a sabedoria popular:
quanto mais intensa e forte a reação, mais rapidamente ela se acaba.

A analogia popular nos serve de introdução a um dos temas deste capítulo: os problemas
do casamento, a rotinização de sua vida e suas conseqüências específicas na vida sexual.
Entre os 40-45 anos, o homem passa por uma crise, chamada "crise da meia-idade".
Próximo dos 55-60 anos, chegam outras "tormentas": o medo de envelhecer e os diversos
tipos de personalidades que colorem, de forma peculiar, todas essas manifestações.

Abordaremos, um pouco mais amplamente, um fenômeno comum a qualquer idade, mas


mais freqüente entre os 40-60 anos: a depressão.

2. A chamada "crise da meia-idade"

2.1 Um mito: a menopausa* masculina

Quando nos referimos à meia-idade, estamos aludindo a um meio-termo, oscilante entre os


38 e os 50 anos de idade de um homem. Essa fase é também conhecida como a "crise dos
40".

Alguma coisa muda num homem quando chega a essa idade. A mudança pode variar em
suas manifestações, mas, em geral, há uma maturidade no estado anímico, dificuldades no
setor de trabalho e uma alteração em seu aspecto exterior. Nessa idade, é provável que o
homem comece a temer a velhice (alguns já se sentem velhos) e a morte, vista agora como
um fato (antes era uma suposição, uma fantasia pouco freqüente).

Alguém pode dizer a esse homem que, em realidade, ele está vivendo a "menopausa". O
termo soa pouco adequado; é usado com mais propriedade para o declínio da atividade do
ovário feminino e, portanto, de sua capacidade reprodutiva. Definitivamente, não cabe usar
esse termo para o homem. Não existe o declínio marcado da atividade hormonal como nas
mulheres e, se existe, é altamente gradual e não se faz sentir de nenhuma forma na
atividade sexual. O diagnóstico de "menopausa" aos 40-45 anos costuma ser usado pelas
mulheres (pelas casadas, é claro), numa brincadeira agressiva, numa tentativa de pensar
que a afecção está no marido (e não, supostamente, nela).

Em outras oportunidades, muitos homens aceitam de bom grado estar na "menopausa",


porque associam o termo a uma enfermidade, tirando partido dessa situação. Sentir-se
incapacitado proporciona uma desculpa válida para fugir à responsabilidade de enfrentar os
problemas cotidianos e poder fazer o que seu "status de enfermo" caprichosamente exija.

2.2 Que é a crise?

O termo crise, * dentro do tema que estamos tratando, pode ser tomado como sinônimo de
mudança, com características intensas e bruscas. Essa mudança - atenção - pode ser
favorável ou desfavorável. Literalmente, é um momento decisivo. A crise da meia-idade é
uma etapa considerada inexorável. Todo homem, de qualquer condição social, passa por
ela. Em alguns casos, antes dos 40, em outros, perto dos 50. Não tem relação com o
fracasso no trabalho ou no casamento.

Na realidade, a crise da meia-idade é uma modificação na vida de um homem; ele passa a


se comportar como se tivesse percebido que perdeu algo, e o manifesta com tristeza,
abatimento, ou ira e mau humor.

Obviamente, perguntamos a nós mesmos: Perdeu o quê? Muitas coisas - a maioria - não
concretas, inacessíveis, quase inexplicáveis. Diremos algumas: os anos da juventude, os
sonhos e objetivos juvenis, as energias postas a serviço de "conquistar o mundo", a melhor
mulher, o melhor prêmio, o mais alto salário, o mais ambicionado cargo. O certo é que a
crise, de uma forma ou de outra, é inevitável. Normalmente, todo homem é ambicioso,
estabelece uma ou várias metas para alcançar na vida. Essas metas, pensadas, sonhadas
e projetadas quando se tinha entre 20 e 30 anos, são confrontadas com o que se obteve,
realmente, quando se chega aos 40, 50 anos.

Embora possa parecer um paradoxo, a crise se apresenta de maneira igual no homem que
conseguiu, total ou parcialmente, seus objetivos e no que não os conseguiu. Como se
explica o primeiro caso? Porque o estímulo principal do homem, antes de alcançar seu
sonhado objetivo, é o esforço e a espera do resultado. Quando este chega, perdeu-se o
esforço. Já não há por que lutar.

A essa altura da vida e em qualquer circunstância, o homem se dá conta de que é mortal.

2.3 Crise, estresse e mudança

Lembremos que a própria mudança é uma fonte de estresse, de esforço. Esse estresse
produz modificações hormonais importantes, uma baixa na imunidade do indivíduo e,
logicamente, uma predisposição maior a contrair enfermidades.
Um homem de 40-45 anos, que se dá conta de suas limitações, que faz um balanço parcial
do que conseguiu até esse momento e tende a aborrecer-se e a deprimir-se, luta para
ocultar essa realidade de si mesmo. Luta, se desgasta e, finalmente, esgotado, pode ver -
nem sempre - essa verdade de frente. Essa luta e esse desgaste não são simples
expressões. O homem pode ocultar os limites a que chegou, através do álcool,
descuidando-se no vestir, ou saindo com outras mulheres. Geralmente, com mulheres
muito mais jovens, tentando uma "transfusão" de juventude. Pode chegar a engordar muitos
quilos, ou fumar em excesso e é a época em que a hipertensão, o colesterol, o diabetes e a
úlcera gastroduodenal aparecem com maior freqüência.

O medo de envelhecer, a sensação de não ter alcançado as metas propostas, a


necessidade de aferrar-se a uma realidade que se escapa fazem da crise desses homens o
prenúncio de uma turbulência depressiva que, em muitas oportunidades, precisa de ajuda
psicológica.

2.4 A crise da meia-idade e o casamento

Quando um homem sente que o "chão começa a se mover sob seus pés", em todos os
setores, é inevitável que a angústia afete a relação matrimonial. É difícil dizer de quais
fatores depende a estabilidade do casamento, nessas circunstâncias, mas a capacidade de
tolerância de uma mulher para administrar a crise do marido é um fator decisivo. Mas o
problema não é fácil. Crescemos com o pensamento de que o casamento é um vínculo
indissolúvel - e, para ser sinceros, digamos que seja desejável que ocorra assim. Mas, e
isto é comprovado diariamente, não é o que a realidade contemporânea mostra.

Fomos educados - embora o meio em que vivêssemos mostrasse o contrário - com os


ideais de crescimento sem problemas, do encontro com o amor eterno e sem altos e baixos
e de satisfação do dever cumprido. Mais ou menos como num conto de fadas. É óbvio que
não fomos advertidos, e muito menos preparados, para as insatisfações, decepções e
crises de toda índole, que pressionam dentro da vida matrimonial. Na realidade, há duas
grandes variantes nesse tema. Uma é a crise do casamento em si e a outra, a crise de
qualquer um dos cônjuges que, ao negar-se a admiti-Ia, tende a atribuí-Ia ao matrimônio,
como instituição.

Acontece que o homem, a essa altura da vida, começa a experimentar sensações e


necessidades emocionais que antes, se as tinha, passavam totalmente despercebidas. O
homem costuma sentir - a mulher também, diga-se de passagem - que o casamento e a
companheira escolhida, depois de 10-15 anos de vida em comum, perderam todo o halo
mágico.

O problema não é nada simples. Essa crise se inicia com o endeusamento da juventude,
processo estimulado e alardeado por nossa sociedade atual. Portanto, os sonhos, metas de
vida, ilusões, estabelecidas duas décadas atrás, costumam não servir agora. Descobrir - às
vezes muito subitamente - que os objetivos sonhados não foram alcançados pode causar
horror a muitos homens. O indivíduo tende a tomar-se mais rabugento do que de costume,
a reduzir o contato com a mulher e os filhos, a prender-se mais diante da televisão, ou a
chegar tarde em casa. Se pudéssemos perguntar, esse homem responderia que se sente
"insignificante, impotente, envelhecido".
O homem enfrenta esse período com muita dificuldade. Decididamente, a mulher costuma
ter maior docilidade e capacidade de adaptação. O homem descobre agora que a vida se
tornou uma rotina, enquanto a mulher, livre das ataduras lógicas impostas pela
maternidade, os filhos já adolescentes, sente-se muito mais livre e empreende uma
segunda parte da vida, com alegria e coragem. Há uma mulher diferente na vida desse
marido e ele deve, inevitavelmente, enfrentar essa realidade. Pode sentir-se mais
abandonado ainda, se sua mulher, já não tão dedicada a ele, decide trabalhar fora ou
continuar os estudos ou, simplesmente, divertir-se com as amigas.

Um aspecto interessante, pela freqüência e pela incidência que tem na estrutura do


casamento nessa idade, refere-se aos filhos já em franco crescimento e desprendimento
acelerado. Acontece um encontro-desencontro entre homens e f1lhos, de qualquer sexo,
realmente comovedor. Justamente quando o pai está passando por um período crítico,
além de altamente sensível, necessitado de compreensão, calor e ternura, os f1lhos, por
um processo natural, estão se distanciando.

O homem passa muitos anos "edificando o futuro": trabalhando de sol a sol, economizando
dinheiro ou bens, sonhando com a casa própria, ou com o carro novo, ou com o posto
máximo na hierarquia de sua profissão. Ao voltar - muitas vezes com seus objetivos
concretizados -, encontra seus filhos em franca rebeldia adolescente. Não obedecem,
seguem seus próprios gostos e lhes parece altamente chato estar com os pais muitas
horas, ou passando as férias em família.

A crise da meia-idade surpreende o homem em várias frentes simultâneas: quer encontrar


na esposa a mesma mulher do passado, sem perceber que ela também está mudando;
quer encontrar-se com seus filhos e eles não querem saber dele; quer encontrar uma fonte
de inspiração em seu trabalho ou profissão para sair da monotonia e do enfado, mas sente
que não tem idéias e que não lhe ocorre nada criativo. Sente-se velho e pensa que essa
crise é irreversível e que pode durar o resto de sua vida.

3. Crise da meia-idade e sexualidade

Supõe-se - erroneamente - que a vida sexual de um casal com 10, 15 ou 20 anos de vida
em comum desaparece gradualmente; fica apenas em ritmo rotineiro, apenas para
conservar o vínculo, nada mais. Essa crença muito comum baseia-se em outra,
fundamental: à medida que o homem vai avançando em idade, decresce sua vida sexual.
Embora existam alterações notáveis na vida do casal - vida corporal, vida em comum com
os filhos, vida profissional, vida de fim de semana, vida de lazer e de férias - e também o
declínio próprio do passar dos anos, isso não implica, de nenhum modo, o envelhecimento
sexual, a impotência ou a arteriosclerose incipiente.

A época da juventude - dos 20 aos 35 anos - significa ímpeto, rapidez, freqüência: a idade
dos 40-50 anos significa experiência, qualidade, desaceleração de todas as emoções e
reações, maior capacidade de autocontrole e, muito especialmente, um diferente nível de
prazer.

Não há dúvida quanto à intimidade de fatores que influem nas desavenças conjugais, por
vezes, cotidianas. Problemas com os filhos, ou, diretamente, o reconhecimento de um erro
compartilhado, podem levar um casal à separação temporária ou ao divórcio definitivo. Mas
o caso mais comum não é esse. Existe uma enorme quantidade de homens desiludidos
com sua escolha matrimonial, o que repercute direta ou indiretamente em sua vida sexual.
E por quê? Parece que a responsabilidade dessa desilusão deve ser buscada nas
expectativas com que cada homem abordou o casamento e sua companheira, quando era
jovem.

Por outro lado, o homem que chega à idade madura vê desmoronar-se, como um castelo
de cartas, "o mito do macho" dentro do qual foi criado e moldado. Em que consiste? Em sua
juventude, inculcaram nesse homem que só o pênis ereto é sinônimo de potência, tanto
sexual como de qualquer outro tipo. Além disso, deve ficar muito tempo com o pênis ereto
antes de ejacular. Um homem deve ser de pênis, cabeça e coração duros, foi o que lhe
disseram repetidas vezes. Portanto, espera-se que ele seja agressivo e grosseiro, que
nunca falhe em nada, muito menos na cama, que seja um competidor, levando vantagens
sobretudo nas conversas de botequim - sobre qualquer outro homem. Formado nesse tipo
de pensamento durante anos, esse homem acha natural provar sua potência sexual com
sua companheira (às vezes com muitas outras mulheres) cada vez que entra "no campo de
luta" da cama. Na faixa dos 20 aos 30 anos, pode ter relações sexuais sem muito esforço,
em qualquer lugar, em qualquer posição, com qualquer mulher, em qualquer estado físico,
sob qualquer tipo de pressão.

Dentro desse raciocínio, ser homem é ser jovem e "ganhar troféus". A masculinidade é a
potência, e a potência é o poder. Às vezes, a masculinidade, a potência e o poder se
mantêm graças à máscara que oculta sentimentos, tensões e apreensões existentes.
Quanto mais se alardeie e se vanglorie, mais masculinidade pensa ter. Quando um homem
chega – supostamente - à maturidade dos 40-45 anos, não pode pretender ter o arranque,
a velocidade e a indiscriminação em suas relações, que tinha 10 ou 15 anos atrás.

Como ficou dito, o "culto do macho" leva um homem a supor que o tempo não passa, que a
juventude é eterna, que pode ficar sem dormir várias noites, que poderá ter, sem descanso,
duas ou três relações sexuais por dia, e que seu pênis terá a mesma capacidade de
enrijecer-se aos 45 ou 50 anos como quando era um jovem de 25.

Nessa meia-idade, os homens "descobrem", subitamente, que esse mito não é mais do que
isto: um mito. O pênis não se levanta tão rapidamente como antes e, por vezes - que horror!
-, simplesmente não se levanta. O "atleta" entrou - segundo acredita o supermacho - em
declínio; o medo da velhice e de estar "acabado" domina o panorama, agravando os
estados anímicos e as relações com a companheira e com a família. Se, até aquele
momento, o homem não tinha nenhum problema, é certo que passará a ter. Há um detalhe
agravante. Os homens estão, nessa idade, vivendo uma época em que tudo cresceu ao seu
redor. Não apenas os filhos, mas também a mulher e os parentes próximos.

E natural que, nesses anos, um parente - mãe ou pai adoeça e morra; ou que ocorram
alterações importantes na vida profissional ou no lar, como promoções, demissões, início
em novos empregos, ou mudanças de residência, etc. Todos esses fatores, por vezes,
atuam como desencadeadores de situações de estresse, que desembocam na crise da
meia-idade. O homem tenderá a atribuir a perda de sua capacidade de reação, ou a falha
ocasional na ereção ou na ejaculação, a qualquer desses fatores.
Como popularmente se acredita que, nessa época, começa a "menopausa masculina", *
não é surpresa que esse indivíduo consulte um especialista para que lhe sejam
administrados hormônios (testosterona). Repetiremos que o decréscimo intenso da
atividade testicular, nessa idade, é muito raro. E, além disso, não se trata de um
acontecimento natural, mas de uma enfermidade que tem manifestações hormonais em
outras partes do corpo, relativamente acessíveis a qualquer especialista.

Em conclusão, os problemas sexuais de um homem de 40-45 anos, não contando as


grandes causas orgânicas, como o diabetes, os problemas vasculares e renais ou alguma
afecção geral, são de origem psicológica. A terapia hormonal terá pouco efeito. É
conveniente explorar as fontes da angústia, causa direta das falhas sexuais. É provável que
um homem negue que tenha angústia. Recordemos que a angústia é um sentimento e,
como tal, está sujeito à política geral sustentada até esse momento pelos homens: dureza,
"os homens não choram", "quem confessa um sentimento ou um problema é um
efeminado", etc.

Mas, quando se conversa mais demoradamente com esses homens, eles podem revelar
circunstâncias ou acontecimentos produtores de angústia, que contribuíram, de forma
direta, para a crise da metade da vida e podem provocar falhas sexuais. Assim, eles podem
confessar como causas próximas da ansiedade:

. Hostilidade por parte da companheira.


. Deficiente manifestação de carinho por parte da companheira (não o acaricia, ou acaricia
pouco).
. Clima sexual tenso: as crianças estão sempre por perto, não há intimidade.

Mas o mais interessante são as causas indiretas ou distantes de angústia. Podem ter
ocorrido três ou quatro anos atrás:

. Preocupação profissional: medo de perder o cargo ou o emprego.


. Preocupações econômicas: apertos financeiros, medo de ser despejado.
. Episódios depressivos, mesmo que já estejam superados agora.
. Fadiga física, pouco descanso, insônia.
. Excessivo consumo de bebidas alcoólicas.
. Tensões conjugais por um longo período.

Qualquer dessas causas pode vir conjugada com muitas outras, potenciando sua
capacidade de gerar angústias. Além disso, a angústia prolongada pode, por si só, produzir
alterações hormonais, responsáveis circunstanciais indiretas das possíveis falhas na ereção
e na ejaculação.

3.1 O homem de 40-50 anos: um ser ignorante e sugestionável

Os pais da sexologia contemporânea, W. Masters e V. Johnson, afirmam: "É quase incrível


a suscetibilidade do macho humano ao poder da sugestão, no que se refere à sua
capacidade sexual".

Essa sensação, que flutua no ar respirado por qualquer homem dessa idade, como o medo
de perder a capacidade de ereção, ou de não poder mantê-Ia por muito tempo, de perder a
"virilidade", de ser chamado de "traste", é a causa principal, sem nenhuma dúvida, das
falhas sexuais, nessa fase de crise. A mais leve alusão à capacidade de ter uma ereção e
de sustentá-Ia toma o homem de 40-50 anos tão sensível e suscetível, que pode provocar-
lhe uma brusca inibição e uma perda total ou parcial da ereção. Esse homem ignora que,
com o tempo, seu período refratário se ampliou; já precisa de vários minutos e, por vezes,
de algumas horas de jogo erótico para obter a ereção. Antes, bastava olhar para a mulher e
já sentia a sensação característica.

O homem, além de ignorar tudo o que se refira à sua sexualidade, é teimoso e vaidoso.
Isso quer dizer: "Comigo, isso não acontece." Então, empenhará todas as suas forças na
luta contra si mesmo; acredita - ingenuamente - que quanto mais esforço' de vontade, mais
atenção e mais espaço lhe reserve em sua mente, acabará por solucionar o problema. O
resultado é a depressão: o processo natural e involuntário reside em não admitir os limites,
os sentimentos, as novas necessidades de prazer e satisfação.

Não há dúvida de que a maioria dos homens não comentará seus problemas com outros
homens. Esse é também um dos comportamentos do "macho". Se comentar, não vai obter
respostas honestas. A hipocrisia, a fanfarronice e a onipotência criam o clima mais comum
entre os "machos". O resultado é previsível: o homem se sente só, acreditando que é um
caso único, excepcional e, além disso, incurável. Não será surpresa se, para atenuar a
ansiedade e testar-se, o homem de 40-45 anos tenha aventuras com mulheres, por vezes,
muito mais jovens que ele. É fácil prever que esse "método de diagnóstico e/ou terapia" não
dá resultado. Por vezes, até agrava mais o problema: o "macho" conclui que "acabou", que
já não "funciona" e imagina que lhe está acontecendo alguma coisa muito grave.

Também há os que se transformam em dom-juans sedutores, para sentir segurança e


tranqüilidade, passando a assediar as amigas ou as mulheres dos amigos. No extremo
desses casos, estão os que freqüentam casas de massagens ou de prostituição, onde a
máquina do dinheiro substitui o afeto, as horas tranqüilas, as carícias com amor e,
sobretudo, a presença da companheira que o complementa, como um todo. É bem recente
a luta contra a ignorância. As boas coisas escritas sobre o assunto por profissionais sérios
e responsáveis se mesclam com publicações pomposas e vazias, com fins claramente
comerciais. A repressão a que fomos submetidos durante décadas faz com que, muitas
vezes, uma sala de massagens seja a única "fonte de consulta" de um homem angustiado.
Mas, a cada dia, aumenta o número de homens com a "coragem" de confessar seus
problemas a um urologista, do mesmo modo como as mulheres, há muito mais tempo, se
confessam com seus ginecologistas.

4. Um reexame evolutivo: o ciclo sexual masculino

Os estudos modernos, e aí se inclui a experiência clínica, demonstram que o homem chega


ao ápice de seu desenvolvimento sexual biológico aproximadamente aos 18 anos. O que
significa isso? Significa ter uma resposta rápida e em forma repetida aos estímulos eróticos.
É quase um ser infatigável. Em muitíssimos casos, o jovem de 18-20 anos é capaz de
chegar à ereção em questão de segundos, bastando imaginar uma cena erótica, e de ter
mais de uma ejaculação, sem perder totalmente a ereção. O chamado período refratário é
muito breve, talvez de cinco a dez minutos, e, portanto, é capaz não só de penetrar várias
vezes a companheira no transcurso de horas, mas também de ter mais de um orgasmo,
sem retirar o pênis da vagina.
Nossa sociedade nos educou, de modo predominante, na hipocrisia da dupla moralidade e
com verdadeiras mensagens paradoxais: "Você não deve fazer isso. Não. Faça. Você ia
acabar fazendo mesmo." Normalmente, os jovens buscam satisfazer sua sexualidade com
prostitutas, ou tomando a iniciativa de cortejar garotas de sua idade ou um pouco mais
novas. Alguns chegam a ter relações sexuais que, por estarem eles cheios de ansiedade e
de culpa, são fonte de ejaculações precoces e anorgasmias * femininas.

O papel da mulher, habitualmente, é o da jovenzinha seduzida contra sua vontade, ou da


vítima inocente de um "homem agressivo". Todo esse quadro, felizmente, se está
modificando bastante nos últimos anos. Provavelmente, nossos filhos não terão essas
preocupações com os seus. Entre os 20-30 anos, são submetidos a transformações que se
manifestam nos costumes sexuais. A responsabilidade de ganhar seu próprio sustento, de
formar seu próprio lar, vai moderando e selecionando, progressivamente, o ritmo sexual. As
etapas finais da adolescência vão dando lugar à calma social e ao exercício progressivo da
capacidade de criar e de procriar.

Quando se chega aos 30-35 anos, já não existem os "picos" biológicos dos 18 anos.
Raramente, o homem pode ter um orgasmo múltiplo. O chamado período refratário já é
bem mais amplo e a freqüência do coito fica em tomo de três por semana, numa vida
matrimonial regular. Em contrapartida, a vida sexual melhora quanto à qualidade e
aumenta, extraordinariamente, a segurança interior.

Contudo, embora tenha alcançado a maturidade sexual, o homem dessa idade começa a
ser muito sensível às transformações no meio exterior. Essas transformações podem se
fazer sentir direta ou indiretamente em sua vida sexual, a maior parte das vezes de forma
transitória. Começam a aparecer notáveis variações, que dependem do estilo de cada
homem e de cada casal.

A enorme quantidade de problemas cotidianos a que um casal se vê submetido faz com


que se tome inevitável que o homem, a mulher, ou ambos, tenham algum distúrbio na área
sexual. A ignorância, a falta de comunicação entre ambos, o desconhecimento de que
existem profissionais que devem ser consultados, os mitos, vão fazendo suas vítimas, em
muito maior número do que os possíveis problemas orgânicos. Estamos nos referindo às
idades entre 30 e 40 anos. A exigência mitológica de ter o pênis duro, e por muito tempo,
mesmo que não possa pagar as contas de casa no fim do mês, ou apesar de ter sido
demitido, continua fazendo estragos entre os homens dessa idade.

Muitos homens sentem falta de alguma novidade na relação sexual, sem mais nada que
descobrir, com todas as fases e cenas marcadas de antemão. Uma das manifestações
mais comuns, entre os 40 e os 50 anos, prende-se à indecisão sobre qual dos parceiros
deve ter a iniciativa num ato sexual. Em razão dos costumes "machistas" e da
"inferioridade" mitológica feminina (uma mulher deve esperar sempre; nunca deve avançar
primeiro), são os homens que buscam a companheira nos primeiros anos do casamento.
Esse tipo de interação, logicamente, tem suas exceções, mas, de um modo geral, é
aplicável a quase todos os casamentos em nossa cultura.

O homem acostumado a essa modalidade de comportamento pode ter problemas quando


chegar aos 40-45 anos. Por quê? Porque a mulher, mesmo depois de dez anos de vida em
comum, ainda que sinta necessidade da relação sexual, ou interessada num jogo amoroso
intenso, não vai tomar a iniciativa. Sua tendência é inibir-se, esperar por ele. Como de
costume. Um homem, dominado pela idéia do declínio sexual, por estar passando por
problemas profissionais ou afetivos, pode sentir, aos 40 anos, que sua mulher já não se
interessa por ele, que o abandona, que já não o excita, que já não se preocupa com sua
saúde ou com seu "envelhecimento prematuro".

Para o cúmulo dos males, a falta de iniciativa e a forte inibição dela podem agravar a
situação. Nessa idade, como já dissemos, os reflexos eréteis não são os mesmos de 15 ou
20 anos atrás. É preciso que haja uma integração afetiva, um intenso estímulo mútuo,
paciência e tolerância. O homem, cuja companheira tenha iniciativas que lhe proporcionem
tranqüilidade e confiança, não terá problemas. A inatividade sexual costuma ser transitória
e, como qualquer crise, evolui e passa.

Mas um grande número de homens tende a interpretar erroneamente essas reações e a


superdimensionar as atitudes passivas ou faltas de iniciativa de sua companhelra.
Acreditam que sua vida sexual está chegando ao fim. A habitual inibição da mulher soma-
se agora a angústia do marido. O resultado é só um: um espaçamento progressivo da
relação sexual, um medo progressivo de tentar ver "o que vai acontecer esta noite", uma
necessidade progressiva de consultar um especialista e um grande constrangimento de ter
que fazê-Io.

4.1 Dois fatores condicionantes na vida sexual da meia-idade: os filhos e o trabalho

Vamos examinar dois fatores externos, incidentes, em forma diversa, nos problemas
sexuais normais de um homem de 40-45 anos. Os filhos costumam, inocentemente,
interromper ou impedir o ato sexual, ou os momentos íntimos dos pais, com suas
brincadeiras ou necessidades. Quando são muito pequenos, as exigências transmitidas
com o choro ou os pedidos intempestivos são facilmente controláveis, mas o cansaço que
provocam é um fator negativo para um relacionamento agradável.

Quando são adolescentes, é fácil constatar a impossibilidade de encontrar espaços e tempo


para ficar a sós. E óbvio que, quando as crianças ou adolescentes se ligam mais ao que
acontece à sua volta, mais preocupados ficam os pais, com medo de que sejam
descobertos durante uma relação sexual. Em alguns casais, essa preocupação pode
chegar a ser patológica, levando-os a esquecer, por completo, o direito de desfrutar sua
capacidade de amar. Esses casais acreditam que a imagem que devem transmitir a seus
filhos é a de pais rígidos, austeros e sem intimidades. Depois de tantos medos e
prevenções, quando, por fim, o encontro pode concretizar-se, no silêncio da madrugada,
homem e mulher estarão cansados e, muitas vezes, sem motivação. E sobrevirá, então, a
constatação de que a ereção, a qualidade das carícias, o tempo dedicado aos estímulos e
ao prazer mútuos são insatisfatórios. O resultado é a deterioração progressiva do erotismo,
que cede lugar ao tédio e/ou à hostilidade.

Na realidade, os filhos querem que seus pais sejam carinhosos, inclusive entre eles.
Precisam saber que seus pais têm, entre eles, uma vida íntima, ainda que não possa ser
ostensiva, exibida nem comentada. O erotismo é uma experiência que deve ser concebida
e concretizada na intimidade, sem sofreguidão, rapidez, inibição ou silêncio absoluto. Os
filhos precisam saber que os pais têm vida sexual entre si, embora não em frente a
terceiros. Explicar isso, com palavras e exemplos adequados, costuma acalmar as crianças.
Colocar um trinco na porta do quarto é outra boa medida. Tudo isso faz parte de uma
educação sexual saudável, que provocará recordações benéficas para quando essas
crianças crescerem sem tabus* e sem hipocrisias.

O trabalho é o segundo grande tema preocupante na mente dos homens de meia-idade.


Quando falamos de trabalho, incluímos também atividades extralar: carreira, profissão,
deveres na comunidade, lazer, relação com amizades, etc. É desejável que um homem, a
essa altura da vida, cresça, se esforce para melhorar, lute e desfrute seus triunfos, embora,
aparentemente, sejam mínimos. Mas o que queremos destacar é o exagero dessas
atividades em detrimento da relação do casal. O argumento normal desse tipo de homem é
que, se não fizer isso agora, quando vai poder? Gente assim se dispõe a proporcionar bens
ou vida material à família, dando quase nada de si mesma. A mulher e os filhos o vêem, a
cada dia, mais preocupado com o trabalho ou com a profissão e acabam tendo pouco
contato com ele. É nessa idade que o homem precisa de mais apoio emocional da família.

4.2 Algumas deficiências da meia-idade que provocam dificuldades sexuais

4.2.1 Uma deficiência importante: a perda da capacidade de comunicação

Essa é uma das queixas mais comuns. Normalmente, num casal, é a mulher quem mais
reclama desse problema; o homem considera pouco masculino estar falando de suas
necessidades ou sentimentos. Nos primeiros anos, provavelmente, a comunicação era
suficiente, em volume e em importância, para superar os problemas cotidianos.
Definitivamente, quando o homem chega aos 40-45 anos, modifica-se o tipo de
necessidade e também os valores da relação íntima. Também começam a variar os
assuntos a serem discutidos em comum e, em muitos sentidos, precisam ser abordados de
maneira mais profunda. A necessidade de ambos os parceiros é um compromisso maior,
com ênfase no tema da relação do casal, nos gostos de ambos, nos sentimentos que os
envolvem. Não se trata de imposições, como: "Eu quero isso. Do contrário, não faço nada. "
Melhor seria: "Eu quero isso. E você?"

É lógico que, apesar dos longos anos de convivência, existam arestas de hostilidade e de
desconfiança, mas a experiência demonstra uma forte dose de fantasia nas atividades
defensivas dos cônjuges, acima das razões reais concretas. No que se refere ao
relacionamento sexual, é preciso que haja pedidos específicos de estímulos. É muito
comum que um casal, depois de 10-15 anos de boa relação íntima, tenha um problema
sexual, depois de algum acontecimento estressante ou de alguma perda afetiva. Então,
pode ocorrer uma falha na ereção ou na ejaculação e é preciso reiniciar o contato íntimo,
como se os' dois acabassem de se conhecer.

Aí, aparecerão a inibição, a vergonha e também a descoberta: os reflexos muito sensíveis


da ereção estão perturbados e o homem precisa que sua mulher seja paciente e lhe
proporcione estímulos durante muito mais tempo que antes. Dez anos atrás, a ereção vinha
sozinha, sem necessidade de muita participação da mulher. Agora, depois dos 40 anos, as
carícias ativas dela são quase imprescindíveis. O homem não tem nenhuma enfermidade
grave, não está "acabado", nem se tomou um "degenerado". Simplesmente, retomar a um
treinamento nessa idade exige um pouco mais de esforço e paciência. Agora, a
comunicação íntima das necessidades, dos medos, dos pensamentos que antes nunca
puderam ser mencionados, toma-se quase imperiosa.
Em muitas ocasiões, nem se tem o vocabulário para referir-se ao pênis ou à vagina, ou ao
clitóris. Há casais que se sentem melhor falando em linguagem culta, outros não. Isso não
tem importância. O essencial é que se comuniquem. Para a comunicação íntima, basta a
linguagem não verbal. O homem deve indicar a sua mulher onde e como quer ser
acariciado. O mesmo acontece com a mulher em relação ao companheiro. A comunicação
não verbal é importantíssima, mas é preciso que não substitua a comunicação falada dos
sentimentos, das necessidades e dos temores mútuos.

4.2.2 A falta de experimentos: o fantasma da rotina

Qualquer interação humana, passado algum tempo de desenvolvimento, tende a ser


rotineira. E, na vida em comum de um casal, esse processo é muito mais breve. Já são
conhecidos os passos que devem ser dados, são facilmente previsíveis os tipos de reação
e os sentimentos relacionados. Por fim, o interesse e o encanto vão desaparecendo. As
relações eróticas sofrem desse "mal de rotina", embora seu objetivo principal seja
proporcionar gozo e prazer.

Há alguns indicadores sobre os quais a rotina se instala: o horário, o local, a posição erótica
adotada, qual dos dois toma a iniciativa, o dia da semana escolhido, a roupa íntima a ser
usada, etc. Por outro lado, nenhum dos dois, homem ou mulher, se permite sugerir ou,
diretamente, inovar, provocar alguma mudança. Pouco a pouco, a rotina vai apagando a
capacidade criativa e alguns sentimentos vão, lentamente, adormecendo. Às vezes,
tomando por base um ou dois dos indicadores comentados, os homens conseguem
"milagres". As mulheres costumam ser muito sensíveis a isso. Poderia ser trocado o horário
da relação, ou o lugar, mesmo que seja dentro da mesma casa. Não é necessária uma
viagem ao melhor hotel das Bahamas.

Em resumo: o declínio sexual da meia-idade é um mito,* como muitos outros. Se for levado
em conta e adquirir caráter de obsessão, é muito possível que esse declínio venha
realmente a ocorrer. Mas a crise, inevitável, que acontece em tomo dos 40,50 anos, ou aos
10, 15 anos de casamento, tem muitas possibilidades de ser aproveitada. Ganhou-se
experiência, houve algumas dores, mas é possível aplicarem-se energias no
relacionamento cotidiano com a pessoa que escolhemos há muito tempo.
Se não for possível, ocorrerá uma alteração diferente, quase sempre mais dolorosa. O
homem terá de aprender, mesmo que seja por um curto período de tempo, a viver sozinho.
É disso que trata o próximo capítulo.
CAPÍTULO 12
1. Os problemas da solidão. Separação e viuvez. Alguns problemas especiais

No mundo ocidental, o casamento é uma instituição com muito prestígio e importância.


Seus fundamentos, desenvolvimentos e crises consomem vários volumes da literatura
científica e é comum, ainda hoje, depois de décadas de experimentação social, a crença de
que o casamento constitui a melhor maneira de o casal crescer e desenvolver-se. Quase
todos os homens e mulheres chegam à instituição matrimonial com a sadia expectativa de
ser felizes, adaptar-se à convivência, procriar e morrer juntos. Uma vida quase "eterna".
Lamentavelmente, não acontece sempre assim e isso faz parte das vicissitudes da própria
vida.

Nos países menos desenvolvidos, são escassas as estatísticas sérias sobre a quantidade
de divórcios em relação ao número de casamentos. Também não há estudos sobre casais
com distúrbios importantes de interação e convivência, desejosos de consumar uma
separação formal, que não podem conseguir. O certo é que, na vida de um casal, a
separação temporária ou o divórcio não são raros. Nos Estados Unidos, França, Dinamarca
e Suécia, de cada dez casamentos, três ou quatro acabam em divórcio. Não há cifras na
América do Sul, mas supomos que os números não podem estar muito distantes dos países
de maior desenvolvimento tecnológico e cultural.

Sem dúvida, o fator de solidão mais doloroso é o falecimento de qualquer um dos cônjuges.
Existe uma diferença, tanto psicológica como sociológica, entre um viúvo e uma viúva, que
vamos analisar mais adiante.

Como a passagem de um casamento à separação ou à viuvez implica uma perda


importante e dolorosa, é inevitável o surgimento de um período depressivo. Por tal razão,
dedicaremos alguns parágrafos ao estudo da depressão como causa importante de
disfunção sexual.

2. O problema da viuvez

Perder a companheira, às vezes de 10, 20 anos de vida em comum, é uma experiência


extremamente dolorosa para um homem. Uma perda súbita pode provocar um tipo de
reação de irrealidade, com conseqüências diferentes daqueles homens obrigados a dar
assistência a suas companheiras enfermas há longo tempo e que depois morrem.

No primeiro caso - o da morte súbita - a reação de surpresa e estupor pode assemelhar-se


a sensações de irrealidade e de estar vivendo como num sonho ou pesadelo impossível de
dominar. O homem se nega a acreditar no que aconteceu e esse tipo de sensação, muito
variável em intensidade, é o inexorável prelúdio de uma depressão intensa. É diferente a
situação psicológica de quem teve tempo de se acostumar à idéia da morte da mulher.
Embora a dor seja inevitável, a depressão posterior ao desenlace é mais leve e, até certo
ponto, tolerável.

Vamos abordar, num item posterior, as reações comuns, como o choro, o retraimento e a
culpa.
Alguns viúvos não se sentem apenas tristes. Também, às vezes, ficam dominados pela
raiva e pelo desencanto angustiante. A sensação de abandono é muito intensa e, além
disso, proporcional ao vínculo preexistente. Devemos recordar que, de todas as
experiências traumáticas, com maiores possibilidades de se transformar em estresse
disfuncional, a perda do cônjuge ocupa o primeiro lugar. A isso deveremos acrescentar
todas as situações a que se vê submetido o viúvo, também capazes de aumentar os
estímulos e sobrecarregar o aparelho psíquico. Há uma alteração na modalidade de vida,
surgem deveres impossíveis de compartilhar, como o cuidado e a responsabilidade pelos
filhos. Não é estranho que um viúvo, em meio à dor e à angústia da responsabilidade, tenha
condutas pouco comuns, como beber, ficar acordado ou descuidar-se de suas obrigações.

Muitos viúvos recorrem a um profissional em busca de ajuda. Isso indica que perceberam
os sinais indiretos de alarma e chegaram à conclusão de que não podem solucionar seus
problemas sozinhos. Outros viúvos buscam ajuda bem mais além, quando tentam reiniciar
sua vida sexual. Durante os primeiros meses posteriores à perda, o viúvo, provavelmente,
sofre um franco decréscimo no desejo. É lógico. Dentro do quadro de reação depressiva
aguda, às vezes não só não tem apetite sexual, como também outros apetites.

Em outros casos, o desejo sexual se manifesta francamente e o viúvo se sente


envergonhado ou culpável por ter desejos e ereções. Também é natural, faz parte da culpa
por continuar vivendo. A reação habitual é que, depois de enfrentar um doloroso período de
reacomodação, a vida segue seu curso e o viúvo terá, então, diante de si - ou melhor,
diante de sua solidão uma série de opções. Poderá recorrer à masturbação,* que acalmará
sua ansiedade e seu desejo sexual. Pode também optar por amigas eventuais, ou
prostitutas, ou contrair novo matrimônio.

As viúvas enfrentam uma situação bastante diferente. Por um lado, é muito maior o número
de mulheres que sobrevivem a seus companheiros. Acrescente-se a isso um decisivo fator
social: não é tão aceitável que uma viúva busque um companheiro, se não existe a
possibilidade "séria" de casamento. Em troca, o homem viúvo enfrenta uma "oferta" de
mulheres bem ampla e variada e, embora pareça estranho, isso pode intimidá-Io até a
inibição.

O problema mais comum é a chamada" síndrome do viúvo" , * que consiste em ter sérias
dificuldades para reiniciar a vida sexual, depois de ter perdido a companheira. Apesar de ter
desejos, a vítima da síndrome costuma ter falhas na ereção ou algum tipo de ejaculação
precoce. Às vezes, ambas as coisas. Numa grande porcentagem dos casos, a causa é
mista, isto é, tanto física como psíquica. Em primeiro lugar, não é raro que muitos viúvos
tomem medicamentos nocivos para a sexualidade. Se estiveram deprimidos ou se são
hipertensos, a medicação correspondente (sejam ansiolíticos, antidepressivos, diuréticos,
sedativos) pode tê-los afetado.

Por vezes, mas muito raramente, constata-se uma queda da afluência sangüínea no pênis,
ou um diabetes preexistente, agora agravado ou desencadeado pelo processo psicológico.
Em todo caso, o componente psicológico está sempre presente. Existem os chamados
"lutos mal elaborados", em que o viúvo permanece fiel - não importa o tempo transcorrido -
à companheira falecida. Não esqueçamos que o prazer sexual é sinônimo de vida e, como
tal, pode ser sentido como "proibido" por alguns viúvos, inconscientemente ligados à morte
ou aos sentimentos da pessoa amada e falecida.
Contudo, o que parece mais evidente é uma falta de treinamento sexual. Devemos recordar
aqui o velho aforismo médico: "A função faz o órgão." Um jovem de 20-22 anos pode
interromper sua atividade sexual por bastante tempo, até mesmo sem masturbar-se.
Quando reiniciar sua vida sexual, talvez não tenha nenhum problema. Mas as artérias, a
reação do sistema nervoso e, logicamente, a fisiologia de um homem de 45-50 ou 60 anos,
não são as mesmas que na juventude. A perda dos reflexos funcionais e o endurecimento
arterial são uma base biológica que prejudica a reacomodação do contato sexual. Pode até
ocorrer a perda total das ereções noturnas, sem nenhuma lesão orgânica.

Simplesmente, é como estar "fora de forma". Portanto, a conclusão é simples. É preciso


não se encher de medicamentos, e muito menos de hormônios, se não for estritamente
necessário. Não existem afrodisíacos* mágicos, nem "dinamites" hormonais. A boa forma
volta, lenta mas progressivamente, com muita ternura e paciência.

Se a nova companheira do viúvo não tem ou não aplica a paciência e a ternura, será
necessário que ambos consultem um especialista em sexualidade. Normalmente, quando
se elimina a ansiedade sexual, isto é, a necessidade de estar sexualmente ativo como
antes, quando se readquire o erotismo perdido, quando o encontro íntimo não se limita
simplesmente a penetrar e a ejacular, é quando ressurge a confiança e, pouco a pouco, se
reinicia uma vida sexual satisfatória, depois de longo tempo de inatividade.

3. O problema da separação e do divórcio

A viuvez e a separação, ou o divórcio, parecem problemas distintos, mas, na realidade, têm


algo essencial em comum: a dor, a perda, a dificuldade de reiniciar a vida erótica. Por mais
que o divórcio seja uma maneira ativa e buscada de solucionar a incompatibilidade
matrimonial, a dor, a solidão e a depressão são inevitáveis. A sensação de fracasso fica
como uma sombra em toda experiência posterior ao divórcio e não surpreende a
necessidade de o divorciado afastar-se da realidade dos amigos e dos parentes, porque se
sente acusado ou pressionado a prestar conta de seus atos.

Assim como o luto pela mulher falecida, o prazo entre uma separação e o reinício da vida a
dois costuma estender-se a dois anos ou mais. Certamente, cheio de ressentimento e dor,
um homem pode compensar a experiência falida. Há novas responsabilidades diante dos
filhos e, muitas vezes, há mais contato com eles do que antes do divórcio. Pode se tomar
muito difícil estabelecer vínculos com outra pessoa. Há, ainda, muita desconfiança, receio,
e o medo de repetir o fracasso está sempre presente.

Uma nova experiência na relação amorosa pode ser ou muito boa ou muito decepcionante.
Todas as alternativas do temor ao novo, as expectativas de restabelecimento da
autoconfiança, através de um vínculo diferente, podem perturbar a sexualidade masculina.
Um homem facilmente sensível e vulnerável opta por iniciar uma nova vida, para satisfação
da sociedade. É muito freqüente que o homem divorciado tenha várias experiências
sexuais. Isso, embora lhe proporcione algum tipo de teste, pode ser fonte de preocupação
adicional. Nem sempre o homem funciona exatamente igual com todas as parceiras e isso
porque cada uma delas desperta coisas diferentes nele, adquirem variados significados e
são diferentes umas das outras. O mito subjacente aqui é que o homem deveria funcionar
bem com todas e em qualquer circunstância.
Nisso pode ver-se um desconhecimento e uma falta de respeito para consigo mesmo por
parte do homem divorciado que tenta, a todo custo e através do exercício intenso de seu
erotismo, atenuar a angústia da solidão. A mínima falha, a mais leve aceleração da
ejaculação ou mesmo a impossibilidade ocasional de ejacular fazem estremecer sua
segurança e auto-estima, já afetadas desde a separação matrimonial. Quando, depois de
um período variável, o homem decide reiniciar sua vida matrimonial com um segundo
vínculo, está dominado por uma nova esperança. Os homens - e isto está definitivamente
comprovado tomam a casar-se com mais rapidez do que as mulheres. A solidão os assusta
muito.

Mas um novo vínculo matrimonial, embora iniciado com alegria, não deixa de ser uma
alteração na vida de um homem e isso, como sabemos, é fonte de estresse. Não são raras
as disfunções, a maior parte transitórias, surgidas nos primeiros tempos da nova vida em
comum. Até a reacomodação das partes à interação diferente, a convivência com "novos
fllhos", até ser aceito por eles, as dificuldades da nova administração do lar, as mudanças
de residência e mil fatores mais vão pondo à prova a segurança e a confiança no psiquismo
do homem. Uma vez estabilizada a relação e à medida que se produza a abertura afetiva, a
sexualidade tende a retomar seus velhos padrões de eficácia.

4. Alguns problemas especiais: o homem, frente à menopausa de sua mulher. O


homem e a mulher mastectomizada ou histerectomizada

A menopausa, um fato biológico inexorável, tem fortes repercussões em muitos casais. Na


verdade, o homem pode, indiretamente, sofrer um impacto emocional e psicossexual do
que está acontecendo a sua mulher. As alterações hormonais da companheira determinam
não só o fim da menstruação, mas também uma série de mudanças psicofisicas que se
estendem, às vezes, por dez anos, habitualmente entre os 45, 48 anos e os 55, 58 anos de
idade da mulher. O fim da menstruação significa a perda da capacidade fértil da mulher, o
que pode ser recebido com alegria, com indiferença ou com intensas depressões, de
acordo com os casos. Não é estranho que, em algum momento desses anos, a mulher
deseje ter filhos novamente, numa tentativa de provar que" ainda pode", que ainda é jovem.
Na menopausa, a mulher apresenta sinais visíveis das alterações hormonais que está
sofrendo, como o fim da menstruação, abafamentos e ondas de calor. Mas, na realidade, as
alterações que podem afetar o homem são as mudanças de humor: depressão,
irritabilidade e impaciência extrema, ansiedade incontrolável e, mais raramente,
agressividade. Como as alterações afetam todo o sistema genitossexual, é preciso que o
homem os conheça, para levá-los em conta e passar a proceder adequadamente. A
redução na produção de alguns hormônios (estrogênio) altera o ritmo e a qualidade da
lubrificação* vaginal quando a mulher começa a excitar-se. Isso pode confundir muitos
homens e induzi-los a tirar conclusões errôneas sobre o grau ou nível de excitação de suas
companheiras, em especial depois dos 50 anos. Podem ficar impacientes e encontrar
resistência dolorosa quando tentam penetrar no conduto vaginal.

Habitualmente, a terapia hormonal aplicada por um ginecologista e o uso de um óleo


mineral (dos mesmos que são aplicados nos bebês) facilitam o jogo erótico e permitem a
introdução do pênis, sem problemas. O mesmo declínio hormonal pode afetar o
funcionamento do esfíncter do orifício uretral feminino, e, durante o coito, o músculo 'pode
relaxar-se e deixar escapar algumas gotas de urina. Pela mesma razão, é muito freqüente,
nessa idade, a inflamação da uretra (uretrite) e da bexiga (cistite). A dor pode inibir a
resposta sexual da mulher e dificultar o coito. E a penetração pode tomar-se dolorosa. A
consulta a um urologista ou ginecologista e a administração de hormônio solucionam o
problema. As alterações no desejo sexual da mulher, na menopausa, não são definitivas.
Algumas mulheres têm uma franca redução, mas a maioria delas, depois do primeiro
momento de impacto psicológico, entre os 45 e os 50 anos, voltam a ter o mesmo desejo
sexual ou até mais do que antes. Sem dúvida, um controle ginecológico e hormonal
periódico ajuda notavelmente, e proporciona segurança e confiança ao homem, de forma
indireta.

Não é estranho que, por qualquer das causas apresentadas acima, o companheiro de uma
mulher de cerca de 50 anos, com evidentes sinais de menopausa, sinta também declinar
seus próprios desejos sexuais ou tenha algum problema de ereção ou de ejaculação. Ir
juntos ao ginecologista de confiança, apresentar-lhe honestamente os temores e
ansiedades, pode não só solucionar o problema, mas também ser uma boa oportunidade
para se abrirem diante de uma terceira pessoa especializada. A busca de assessoramento
matrimonial ou sexológico, com um psicólogo ou sexólogo, em combinação com um
trabalho terapêutico com um especialista. em ginecologia ou endocrinologia, é muito efetiva
nesses casos.

Um caso especial requer a operação da glândula mamária (mastectomia), * em razão de


tumores no seio, e a extração do útero (histerectomia), * por tumores uterinos, hemorragias
incontroláveis, miomas e outros distúrbios. A tensão psicológica enfrentada por uma
mulher, em qualquer dessas situações, é muito grande e é inevitável que o homem sofra
um forte impacto, conseqüentemente. As repercussões na vida sexual do casal são
extremamente freqüentes. A decisão de extrair as mamas ou o útero pode ter de ser
tomada em questão de horas e é imperioso, para a saúde psíquica posterior do casal, que o
homem também participe dela. Também é importante que ele esteja ao lado dela, o maior
tempo possível, durante a internação.

Não devemos esquecer o impacto psicológico que toda intervenção cirúrgica implica e
muito mais em áreas tão sobrecarregadas emocionalmente como são as mamas e o útero.
O medo do que pode sobrevir, a série interminável de análises e biópsias, a aparente
"frieza profissional" dos médicos e enfermeiras e a própria estrutura "branca, desumanizada
e impessoal" do hospital contribuem para a solidão e o desamparo. A presença do
companheiro atenua, em parte, esse impacto. E, mais além dos efeitos "ansiolíticos" na
companheira, o fato de que seu companheiro a acompanha, durante esse transe, permite
compartilhar imediatamente os temores, as dúvidas, a vergonha, quando a vida sexual for
reiniciada.

Habitualmente, e seguindo o padrão de conduta exposto no capítulo correspondente ao


estresse, cabe ao homem o papel de "forte", sem demonstrar sentimentos e temores.
Passado o período inicial de impacto, o homem consome toda a reserva de energia
acumulada para esses casos e pode iniciar um período de falhas, na ereção e na
ejaculação, meses depois, precisamente quando tudo tendia a estabilizar-se e a fase aguda
do período já se tinha dissipado.

Como a sexualidade e o erotismo estão intimamente vinculados à psiconeurofisiologia das


emoções e da dor, não é estranho que apareça uma disfunção sexual masculina, meses
depois de uma intervenção cirúrgica dessa natureza em sua companheira. Ao tentar
reiniciar a vida sexual, o temor de machucar, de provocar dor ou incômodo pode incidir
sobre o desejo e/ou sobre a ereção. O propósito de agradar a companheira, de fazê-Ia
sentir "como se não tivesse acontecido nada", convencê-Ia de que a quer e a deseja
conspira contra uma boa resposta erótica. Como é muito raro que esses homens e
mulheres tenham sido advertidos para a possibilidade desse tipo de reações, a surpresa, a
angústia e a incerteza podem agravar ainda mais uma afecção que deveria ser passageira
e sem importância.

É preciso que o casal se informe sobre a vida sexual posterior a intervenções cirúrgicas,
tanto do homem como da mulher. No caso da mastectomia e da histerectomia, em
particular, é errônea a crença de que provocam um declínio no erotismo. Algumas vezes,
existe uma franca melhora da vida erótica e isso deve ser atribuído à melhora concomitante
do estado geral. Essas mulheres estavam sofrendo de dores ou hemorragias e sua vida
sexual estava, logicamente, afetada. Quando se consegue um alívio físico, ocorre um alívio
psicológico que repercute, por sua vez, beneficamente para o homem.

5. A depressão

Nenhuma pessoa pode considerar-se a salvo de vir a sofrer de depressão em algum


momento de sua vida. Os problemas depressivos são tão comuns que, hoje, todo médico
de qualquer especialidade encontrará numerosíssimos casos. É interessante saber que os
sintomas de depressão não se apresentam isoladamente; em geral, a tristeza, a dor, a
decepção e a desesperança se ocultam por trás de sintomas corporais diversos: urticárias,
reumatismo, taquicardias, dispnéias, cefaléias e perturbações sexuais.

Embora a depressão, como enfermidade, se apresente em qualquer idade, a possibilidade


de sofrê-Ia depois dos 40 anos é muito maior. Aqui nos ocuparemos dos distúrbios
depressivos corno antecedente das disfunções eréteis ou ejaculatórias. Deixamos de lado
as depressões produzidas pela disfunção sexual. A depressão, num homem de 40-45 anos,
pode apresentar-se como conseqüência de uma perda afetiva (morte da companheira ou
parente próximo); de uma perda social (demissão, separação matrimonial ou
aposentadoria); de uma mudança altamente significativa para o indivíduo (mudança de
casa, troca de emprego, mesmo com promoção, início ou fim de alguma carreira, troca de
hábitos ou estilo de vida); alterações na vida matrimonial ou familiar (enfermidades de um
ser querido, graves discussões conjugais, dificuldades de dinheiro na família, gravidez,
nascimento de um filho) e todas aquelas situações provocadoras de tensão e estresse.

Cada indivíduo é afetado, a seu modo, pelos problemas enumerados, mas pode-se falar de
dois tipos básicos de resposta diante de urna perda ou situação conflitiva desencadeadora
de uma depressão, que pode, por sua vez, desembocar numa disfunção sexual. O primeiro
tipo corresponde ao homem meticuloso em demasia, com um sentido de responsabilidade
exagerado, ambicioso, muitas vezes egocêntrico, com forte sentido ético e crítico e um
contínuo afã pela perfeição. Trata-se de um homem que tenta fazer tudo sozinho,
empenha-se, teimosamente, num objetivo e, por isso, é muito exigente consigo mesmo e
com as pessoas que o rodeiam. Costuma sobrecarregar-se de responsabilidades e atribuir-
se a culpa por qualquer defeito ou imprecisão. Seu vínculo mais estreito é com o trabalho
ou a profissão, em detrimento de sua família. Num momento determinado da vida, um fator
às vezes pequeno, às vezes de grande importância, é "a gota d'água", e o indivíduo, depois
de um período de luta, sucumbe a uma severa depressão; está como que "esgotado".
A outra base de depressão é a do indivíduo supersensível, com pouca confiança em si
mesmo, pouco comunicativo, que tem pouca resistência física ou se cansa facilmente, que
assume todas as preocupações dos outros, para as quais é altamente receptivo. A menor
contrariedade o desequilibra e o faz imergir em dúvidas. Absorve os conflitos,
predominantemente, com o organismo e, por isso, é freqüente a consulta ao médico, por
causa de diarréias, cólicas hepáticas, taquicardias, asma ou cefaléia. Um episódio
depressivo nem sempre se apresenta com tristeza ou choro. Se isso ocorresse, o
diagnóstico e o tratamento seriam muito mais fáceis. Habitualmente, existe um período sem
problemas aparentes. O organismo se defende, apela para todos os recursos, numa
tentativa de conservar as coisas como estão, como se nada tivesse acontecido. Contudo,
pode-se constatar uma suscetibilidade exagerada, irritabilidade extrema, tendência à fadiga
e, a seguir, uma progressiva dificuldade para dormir; ou seja, o homem começa a ter
insônia.

Não será surpresa se, por iniciativa própria ou induzido por estranhos, começar a tomar
sedativos ou soníferos, que produzem alívio instantâneo, mas emascaram mais o quadro.
Agora o processo depressivo pode ser acompanhado de dores no peito, alterações na
pressão sangüínea (hiper ou hipotensão), palpitações, dores de estômago ou intestinais e,
muitas vezes, problemas sexuais. Depois de algum tempo nesse estado, pode advir a
tristeza, acompanhada, habitualmente, por um estado de inquietude: é o sintoma mais
comum da angústia. O enfermo agora passa a ter medos. Medo generalizado ou específico.
É freqüente o medo de morrer ou de contrair uma enfermidade incurável.

Como o paciente se voltou para si mesmo, sua preocupação com o corpo, com a saúde
física ou com o estado do coração ou intestinos passa a dominar sua mente. Os problemas
sexuais - o mais freqüente é a falta de desejo - podem se apresentar desde o começo, junto
com a falta de apetite ou com a insônia. Mas o mais comum é que o indivíduo tenha
distúrbios na ereção e na ejaculação, depois de passado o período crítico depressivo e
depois de ter sido curado. A depressão funciona como uma enfermidade a mais, como um
acontecimento muito penoso, doloroso, que deixa marcas na vida do homem. Toda a sua
auto-estima, toda a sua segurança interior podem estar alojadas e refugiadas no
andamento de sua vida erótica. Os medicamentos antidepressivos e ansiolíticos constituem
um fator agravante.

É preciso, então, consultar um sexólogo e um urologista, que trabalharão em estreita


colaboração com o psiquiatra que receitou a medicação. Habitualmente, depois de
suspensa a medicação, passado o episódio depressivo e com um adequado
assessoramento matrimonial, a função se restabelece, sempre dependendo das causas
desencadeadoras, da idade e do estado físico do paciente e da colaboração de sua fanulia
e sua companheira em particular.

6. Relação neuroquímica entre a depressão e a disfunção sexual

Hoje se sabe, com toda a certeza, que a complexa transmissão de energia e informação,
através do sistema nervoso, se realiza por intermédio de elementos químicos chamados
"intermediários químicos". De modo bem esquemático, recordaremos que o sistema
nervoso autônomo é o encarregado de governar todo o sistema involuntário de vísceras,
órgãos, tecidos e glândulas. Divide-se em dois grandes grupos: o sistema simpático* e o
sistema parassimpático.
Ambos os sistemas têm mediadores químicos diferentes. Em forma muito simples:

Sistema parassimpático
Sistema simpático
Acetilcolina
Adrenalina e noradrenalina

Os medicamentos antidepressivos aumentam a concentração de substâncias ativadoras do


sistema simpático (adrenalina, noradrenalina, dopamina, etc.). Devemos assinalar que o
mecanismo normal da ereção, em particular a primeira fase da resposta sexual humana,
está governado pelo sistema parassimpático (acetilcolina); por sua vez, a segunda fase, a
da ejaculação, é predominantemente simpática (adrenalina, noradrenalina, dopamina). A
resposta sexual humana normal supõe um delicado equilíbrio entre os mediadores químicos
de um e outro sistema.

É muito provável uma vinculação entre os processos depressivos e a função sexual


humana, sendo os intermediários químicos a área seletiva de união de ambas as afecções.
Num futuro próximo, a química da intermediação nervosa poderá nos proporcionar
progressos significativos para que possamos não só explicar, como também aliviar os
pacientes que se queixem de depressão e distúrbios do erotismo.
CAPITULO 13

1. O homem da terceira idade. Possibilidade de disfunção sexual

Um dos mitos mais comuns é que os homens de mais de 60 anos não têm vida erótica. A
sociedade, em geral, considera o sexo sinônimo de juventude; isso simplesmente quer dizer
que as pessoas idosas devem ser assexuadas.

Contudo, já em 1948, o famoso pesquisador americano Albert Kinsey comprovou que 70%
dos homens de 70 anos conservavam sua potência sexual e sua capacidade orgástica. Só
os preconceitos profundamente arraigados permitiram acreditar na ausência de vida sexual
nas pessoas de mais de 60 anos. Se recordarmos que uma parte importante da
sexualidade é constituída pelas ativas manifestações de ternura e carinho, pelas carícias,
pelos beijos e pelo contato corporal, admitiremos o quanto essas manifestações são
valiosas nos extremos da vida: a primeira infância e a terceira idade.

Muitos jovens se surpreendem - e até se sentem envergonhados - com as ostensivas


manifestações de carinho por parte dos mais velhos. Serão diferentes os comentários para
um casal de 25 anos e outro de 60. Serão agressivos e irônicos para este último, como: "É
preciso comportar-se de acordo com a idade"; "Vocês já não estão mais em idade para
isso. "

2. Fatores que influem na persistência ou não da vida erótica ativa

Embora pareça estranho, o estado civil é um fator importantíssimo, muitas vezes


determinante da atividade da mulher idosa. O mesmo não acontece com o homem, devido
às discriminações a que, entre nós, recorre o preconceito social. A existência de uma moral
dupla toma mais fácil aceitar a vida sexual de um homem idoso separado ou viúvo do que a
de uma mulher nas mesmas condições. Contudo, o interesse sexual é praticamente o
mesmo em ambos os sexos, independentemente do estado civil. Há um fato que merece
ser destacado: os acontecimentos e vicissitudes das atividades eróticas na velhice
dependerão de como se tenha vivenciado o sexo na juventude.

Alguém que tenha vivido a sexualidade intensamente e com liberalidade, com saúde física
e intenso prazer, tem muito mais oportunidade de chegar à terceira idade com motivação,
sistema nervoso, artérias e pele capazes de ter uma tardia vida erótica satisfatória.
Recordemos, mais uma vez, que a função faz o órgão, quer dizer: quanto mais se pratica,
mais se desenvolve e enriquece. Como em todas as outras fases da vida, à medida que
nos aproximamos da sexta década da vida, a vida erótica tende a alterar-se em suas
formas, mas não em efetividade. Um homem de 60 anos ou mais pode (e deve) ser um
amante temo e carinhoso, capaz de desfrutar alegremente a atividade erótica.

3. Algumas alterações na fisiologia sexual: a ereção e a ejaculação na terceira idade

Nos anos da juventude, a rapidez da reação fisiológica é a regra geral. Para qualquer
atividade psíquica, corporal ou social, a velocidade - é fácil de entender - é facilitada pelo
estado arterial, pela condição de elasticidade dos músculos e tendões e pela natural avidez
e curiosidade dominantes. À medida que se envelhece, perde-se a presteza, mas se ganha
em qualidade e em experiência. Curiosamente, à medida que nos aproximarmos dos 60 ou
70 anos, a fisiologia de reação se parece à de um bebê. Os estímulos fantasiosos, visual e
auditivo, embora existam, cedem sua importância à sensibilidade tátil. A necessidade de
contato corporal é maior e esta é a principal razão pela qual, para manter a atividade
erótica, é preciso conservar a sensibilidade tátil, tocar, acariciar, massagear suavemente,
experimentar com distintas intensidades de tato e pressão.

A ereção se processa mais lentamente. Pouco importa em quantos minutos se toma


normal. Tudo depende de quanto e como era para cada homem 20 ou 30 anos atrás. Se,
antes, a reação se produzia com um simples imaginar de uma cena erótica, aos 60-65
anos, dificilmente isso acontece. Se, antes, a ereção se produzia depois de cinco minutos
de jogo erótico, hoje, com certeza, pode ser necessário o dobro ou triplo do tempo; se,
antes, praticamente não era preciso estímulo ativo da companheira, hoje, com toda a
segurança, este é necessário e a participação nada tem a ver com “estar acabado”, “já não
ter vigor e apetite sexual”, ou estar “ameaçado de morte certa”. Se esse tipo de
pensamento se cristalizar e o homem começar a prestar mais atenção a seu pênis do que
ao prazer que pode dar e receber, o círculo vicioso, conhecido como "não posso - me
preocupa não posso - me preocupa", tomará a disfunção inevitável.

Também ocorre uma ampliação do período refratário, que pode durar muitas horas e, às
vezes, dois ou três dias. Existe uma marcada preocupação pela consistência ou firmeza da
ereção nos homens de mais de 50 anos. Na realidade, há algumas alterações fisiológicas
nessa idade, responsáveis pela perda de firmeza. Obviamente, a pressão para o
enchimento dos corpos cavernosos diminui, mas é relativamente fácil se adaptar a ela e,
com a colaboração da companheira, é possível também um bom relacionamento sexual.

Se o homem não se preocupar tanto com a dureza de seu pênis e não se lamentar de tê-Ia
perdido, querendo recuperá-Ia "como antes", constatará, com surpresa, que, em pouco
tempo, ocorrerão algumas mudanças.As secreções prostáticas e de algumas pequenas
glândulas (glândula de Cowper) diminuem e, portanto, o escasso fluido que aparece
durante a ereção tende a desaparecer nessa idade. Por tal razão, alguns homens se
queixam de ardor ao ejacular. Também diminui a quantidade de líquido espermático
ejaculado e a força com que é expelido.

Não é de surpreender, nos homens de mais de 60 anos, uma maior freqüência de coitos
sem ejaculação. Embora a excitação e o estímulo continuem, muitos homens não chegam à
ejaculação e ao orgasmo (excluímos aqui o orgasmo sem ejaculação).

Isso também deve ser levado em conta, para que não se caia no desespero, o que só
agravaria o problema, dando-lhe uma conotação de gravidade que, realmente, não tem.
Pelo contrário, poderia até beneficiar alguns homens com ejaculação acelerada e que,
nessa idade, podem - ajudados pelo processo biológico controlá-Ia melhor.

4. O mito de que o sexo desgasta o homem de idade avançada

Essa crença é correlativa daquela outra: o homem e a mulher de idade avançada não têm
vida sexual. O envelhecimento em si mesmo é um processo fisiológico, não é uma
enfermidade. Quanto mais um indivíduo se cuidar na juventude, quanto menos beber, fumar
ou consumir medicamentos, quanto menos peso tiver e mais exercícios fizer, terá muito
mais possibilidades de um exercício gostoso, freqüente e intenso do erotismo e chegará à
terceira idade sem inconvenientes funcionais na área genitossexual. Repetimos: a melhor
maneira de ter uma velhice sexualmente potente e orgástica, no amplo sentido do termo, é
exercitar a sexualidade, deforma calma, saudável e gostosa. A elevada freqüência de coitos
na velhice não é nociva; podemos afirmar exatamente o contrário. Os homens que dizem
precisar de um "descanso" erótico, e suspendem voluntariamente sua atividade amorosa
por dois meses ou mais, terão dificuldades para reiniciar sua vida amorosa. Não existe um
estoque de orgasmos ou de ejaculações. A sexualidade é como uma bateria de automóvel:
quanto mais funciona, mais se carrega; quanto menos é usada, mais se deteriora.

5. Efeitos das enfermidades e cirurgias sobre a vida sexual do homem na terceira


idade

É muito lógico que, com o aumento da idade, aumentem também os riscos de contrair
enfermidades. Cada idade do homem tem suas possíveis afecções características e a
velhice não é uma exceção. Este período da vida - dos 60 em diante – está assinalado pela
incerteza. As interrogações se estendem desde quanto tempo resta por viver, até quem
sobreviverá a quem. De qualquer maneira, o ritmo e o modo de envelhecer acontecem
seguindo particularidades de cada pessoa. E isso toma bastante difícil diferenciar o que
corresponde ao envelhecimento fisiológico e o que é causado por uma patologia.

O fenômeno do envelhecimento afeta todos os órgãos e tecidos, todas as estruturas e


funções. Os mecanismos de adaptação e imunológicos diminuem, tomando o homem, por
certo, mais vulnerável. Para ilustrar com uma analogia experimental o declínio no processo
de reação numa pessoa de 60 anos (e, sobretudo, o que é que diminui) e sua correlação
com toda a presteza de reação erótica, digamos que um homem de 70 anos pode realizar
um moderado trabalho muscular, com a mesma eficácia mecânica de - um homem de 40
anos. Contudo, superando um pouco esse limite de esforço, o homem de 70 anos poderia
apenas realizar de 40 a 50% do trabalho, em comparação com o de 40 anos, pois o
organismo, com os anos, perde, em parte, a capacidade de adequar-se às necessidades
requeridas por um exercício fora do habitual.

Esse exemplo ilustra bastante bem a necessidade de conservar o treinamento e os


reflexos, mediante um exercício mais ou menos continuado da sexualidade.
Excetuando-se alguns casos específicos, como intervenções cirúrgicas complexas na zona
perineal, * não há razões diretas para a interferência na vida erótica. As limitações
acontecem como ficou dito - em razão de uma queda geral nas defesas orgânicas e
psicológicas, sendo a função sexual muito vulnerável a essas alterações. Tanto é assim
que muitos casais dessa idade são propensos a abandonar a vida sexual, ante a alteração
produzida por uma enfermidade ou cirurgia; uin assessoramento paciente e oportuno pode
salvar o intercâmbio de intimidade, tão necessário para a continuação da vida saudável.

Os níveis hormonais da testosterona* podem diminuir, por causa do estresse, do


esgotamento e da tensão da enfermidade ou da cirurgia. Uma terapia adequada,
administrada pelo clínico ou pelo urologista, pode ajudar no restabelecimento do erotismo e
da comunicação amorosa. Talvez uma das preocupações mais importantes nos homens
dessa idade se refira às operações da próstata (prostatectomia). Insistimos na necessidade
de comunicar ao cirurgião detalhes sobre a vida sexual anterior ao fato cirúrgico. A grande
maioria dos homens com vida sexual boa e sem inconvenientes antes da cirurgia não tem
por que deixar de tê-Ia depois dela. Uma parceira sexual compreensiva e adaptada às
circunstâncias é o fator mais importante para que um homem conserve sua capacidade
sexual depois da cirurgia prostática.

6. Enfermidades do coração. Sua possível limitação no funcionamento sexual

Como as afecções cardiovasculares aumentam com a idade, pretendemos colocar neste


capítulo um ponto de extraordinária importância, não apenas médica, mas também
psicológica e social. Apesar dos grandes avanços na pesquisa sobre fisiologia,
farmacologia e patologia cardiovascular, não é muito freqüente tomar-se conhecimento da
readaptação à vida sexual de pacientes quê tenham sofrido angina do peito, infarto do
miocárdio ou insuficiência cardíaca.

As recomendações habituais para um enfermo cardiovascular incluem a dieta, o exercício


físico, a redução do trabalho e do consumo de bebidas alcoólicas, etc. Não se diz muito
sobre a atividade erótica e, então, o paciente fica à mercê de seus medos e incertezas. A
conseqüência mais comum é a redução da atividade sexual ou, pura e simplesmente, sua
eliminação, com todas as conseqüências psicológicas e na relação marital que possam
acarretar. Algumas pesquisas recentes levam a presumir que o coito normal não é um
exercício superior ao desenvolvido numa bicicleta em velocidade moderada.

O adestramento, mediante o exercício, é hoje uma prática corrente para o tratamento de um


paciente que tenha sofrido infarto do miocárdio. O aumento da circulação nas zonas antes
obstruídas, a melhora da freqüência cardíaca e o equilíbrio da pressão sangüínea são seus
mais importantes benefícios. Isso significa que uma atividade sexual moderada pode ser
reiniciada com toda a certeza e tranqüilidade. Muitos médicos preconizam que, se o
paciente pode subir dois lances de escadas sem ter sintomas, pode, perfeitamente,
desenvolver a atividade sexual. Embora alguns cardiologistas recomendem uma posição
determinada para a atividade sexual, para não aumentar o esforço cardíaco, a maioria dos
pesquisadores pensa, atualmente, que não existe relação entre o grau de esforço a que se
submete o coração e a posição durante o coito. Não existem dados significativos para
apoiar esses medos. Pelo contrário. Uma atividade sexual normalizada, com a companheira
de muitos anos de vida em comum, só pode ser relaxante, reasseguradora e aumentar a
confiança e a alegria de viver. Tudo o que for capaz de gerar ansiedade, então, será um
fator negativo que deve ser levado em conta. E tudo o que possa relaxar, criar uma
atmosfera de suave erotismo, beneficia notavelmente.
CAPÍTULO 14

Verdades e mentiras sobre os afrodisÍacos (estimulantes) e diversas ajudas sexuais

1. Antecedentes

Desde os tempos antigos, o homem vem buscando, com afã, drogas, alimentos,
substâncias diversas, com a finalidade de prolongar a vida sexual, de curar a ejaculação
precoce, de provocar a ereção e de controlar o impulso em relação ao sexo oposto. Num
livro sobre sexualidade masculina, não pode faltar um capítulo sobre o tema, embora nos
vejamos obrigados a antecipar que não há ainda nada mágico, nada espetacular, nada que
possa ser qualificado de fonte de rejuvenescimento erótico. Mas observe-se que dissemos
"não há nada ainda", o que implica esperanças sempre renovadas nesse campo.

2. Alimentos afrodisíacos

São denominadas afrodisíacos todas as substâncias que, supostamente, estimulam ou


intensificam o desejo sexual. Certos alimentos têm fama de afrodisíacos. Mas, para isso,
têm que reunir, pelo menos, duas condições: em primeiro lugar, ser estranho ou exótico
(assim aconteceu com a batata, na Inglaterra, pois era ali desconhecida). A segunda
condição é que tenha uma forma característica, que lembre a forma anatômica de algum
órgão sexual. Por exemplo, as bananas ou o pepino, porque parecem com o pênis, as
ostras ou as nozes, por lembrarem os testículos.

A história fala de substâncias estranhíssimas na antigüidade, tais como chifre moído de


rinoceronte, macerados de plantas com sangue menstrual, etc. Algumas regiões do Oriente
Médio e do Extremo Oriente têm fama de produzir ervas, sementes, óleos e produtos
diversos capazes de aumentar o apetite erótico e prolongá-Io. Essas crenças, que lembram
a forma do pensamento mágico primitivo, hoje parecem absurdas. Por que, então, ainda
hoje se confia no poder de alguns alimentos? Em primeiro lugar, poucos indivíduos são
especialistas em propriedades dos alimentos e muito menos os que podem opinar sobre os
efeitos na fisiologia e na química sexual.

Contudo, qualquer pessoa com muita confiança pode chegar a sentir efeitos benéficos
sobre sua saúde em geral e sobre sua vida erótica em particular. Pelo menos por algum
tempo. O comentário sobre o alimento que produziu tão maravilhoso efeito correrá, em
forma de lenda, de boca em boca, provocando emoções intensas, de acordo com a
credulidade e com a necessidade de cada um. No que se refere à comida, a única coisa
comprovada é que os indivíduos desnutridos (por causa da pobreza, ou de uma guerra) têm
um franco desinteresse erótico. As causas são complexíssimas e não apenas atribuíveis à
falta de proteínas na dieta. Apesar das advertências, o público continuará acreditando no
poder de algumas substâncias. Talvez não se consiga grande coisa, sob o ponto de vista
erótico, mas uma substanciosa comida, adornada com as delícias da ilusão.

3. Afrodisíacos farmacológicos

O mais famoso e antigo estimulante farmacológico (também, a rigor, poderia ser colocado
entre os alimentos) é o álcool. Já mencionamos sua ação de "dois gumes". Em pequenas
quantidades, afrouxa as inibições e pode, por via indireta, ser iniciador do desejo e facilitar
a ereção. Mas por um curtíssimo lapso de tempo, já que, depois, constitui um potente
depressor de todo o sistema nervoso, dificultando a comunicação e, por certo, o desejo e a
ereção. Com um agravante: para obter os mesmos efeitos de facilitação é necessária cada
vez maior ingestão de álcool.

Ultimamente apareceu um medicamento" mágico" para os problemas de disfunção sexual:


o ginseng. O ginseng provém do Extremo Oriente. Trata-se da raiz de uma planta, a Panax
ginseng. Pánax, em grego, quer dizer "cura-tudo". A raiz do ginseng se assemelha, em sua
forma, à vida - dizem os coreanos -, ou tem a forma do corpo humano, com pernas e braços
estendidos, afirmam os japoneses. É uma planta originária da China e da Coréia, sendo
muito cara no resto do mundo porque está escasseando em seu local de origem, o que
aumenta ainda mais as esperanças de que seu efeito seja o de uma "erva maravilhosa".

Os chineses a consideram rejuvenescedora, fortalecedora dos tecidos e afrodisíaca. Vem


em forma de estrato ou pó. É comercializada em forma de chá ou de comprimidos, pura ou
associada com diversas substâncias hormonais ou vitaminas. Lamentavelmente, e apesar
de sua popularidade crescente, não há evidências de que seu uso melhore
significativamente a vida erótica masculina. Também não é nocivo, ao que se saiba, a não
ser pelo preço e a desilusão que pode provocar.

3.1. Afrodisíacos farmacológicos irritantes

A cantaridina e a ioimbina atuam diretamente sobre o aparelho urinário inferior e são


consideradas excitantes sexuais. Na realidade, são mais tóxicas do que excitantes e
convém saber disso, por causa das possíveis conseqüências acarretadas por seu uso
continuado. A mais conhecida delas é a cantaridina, produto encontrado num escaravelho
denominado cantárida, ou mosca espanhola, natural do sul da Europa. A cantaridina
provoca intensa irritação na mucosa vesicular e uretral. Produz inflamação intensa e, por
certo, vasodilatação. Isso pode chegar a estimular a ereção, mas não por estímulo erótico,
e sim por forte reação inflamatória na zona genital. Pode, até mesmo, provocar a morte.

Outra droga muito comum é a ioimbina, que é extraída do ioimbé, uma árvore oriunda da
África Central. Provoca efeitos irritantes e vasodilatadores, parecidos com os produzidos
pela cantaridina, embora menos intensos. Há preparados nas farmácias, associados com
hormônio masculino. Não tem nenhum efeito comprovado sobre a sexualidade humana.

3.2. As vitaminas como afrodisíacos

As vitaminas são essenciais para o metabolismo, mas, até esta data, não há nenhuma
específica para o estímulo sexual. Só a vitamina E (Alfatocoferol) é usada como "vitamina
erótica". Na verdade, sua prescrição como medicamento se baseia no escasso
conhecimento que se tem sobre sua ação específica em seres humanos. Foram feitos
alguns experimentos com animais. Admite-se algum tipo de melhora no estado da pele e
das mucosas, e talvez tenha alguma ação sobre o metabolismo do colesterol, mas
nenhuma em relação à fisiologia erótica.

4. Drogas ilegais usadas como afrodisíacos


Tanto nos Estados Unidos como na Europa, afirma-se que o uso da maconha estimula a
sexualidade, com a mesma falta de fundamento com que se opina sobre qualquer outra
substância alimentícia ou farmacológica. Não existem evidências de que seja assim. Na
realidade, a droga pode desvirtuar o sentido de tempo, produzindo a ilusão de ter um
orgasmo prolongado. Como o álcool, para obter os mesmos efeitos, será necessário
consumir cada vez mais a droga. O resultado, a longo prazo, será uma disfunção erétil ou
ejaculatória.

As anfetaminas e a cocaína atuam como decididos estimulantes do sistema nervoso


central. Seus efeitos são parecidos com os do álcool, provocando desinibição inicial e,
posteriormente, depressão geral. O uso continuado produz graves vícios, com claros efeitos
de depressão erótica e disfunções erétil e ejaculatória.

5. Ajudas sexuais, meios mecânicos, aparelhos eróticos

Através da história, o homem tem recorrido a diversos meios para conseguir a ereção ou
incrementar o prazer sexual, incluídos os meios mecânicos artificiais. Atualmente, existem
pênis artificiais, quase sempre de borracha ou de outro material sintético, com a finalidade
de alongar e dar consistência ao pênis. Esses aparelhos, aparentemente inócuos, podem
ser fonte de irritação, quando não de compressão venosa, com as imagináveis
conseqüências perigosas.

Outro aparelho que é vendido, anunciado como capaz de dar mais grossura e comprimento
ao pênis, consiste numa bomba de vidro, com compressor de borracha, que cria um vácuo
ao redor do pênis, bombeando ar para fora. Há versões elétricas do mesmo mecanismo.
Sua utilidade ainda não está comprovadamente demonstrada. Também há à venda anéis
compressores da base do pênis. São de borracha e contêm um pedaço de material
semiduro e flexível. Adaptam-se à base do pênis, uma vez alcançada a ereção. Seu uso
provoca a redução do retomo sangüíneo e - só em alguns casos - pode prolongar a ereção.
Seu uso implica o risco de uma lesão nos tecidos penianos, por falta de sangue, que pode
chegar até à gangrena.

Resumindo: ainda não foi descoberto nem o alimento, nem o medicamento, nem a droga,
nem o aparelho capaz de proporcionar prazer intenso e duradouro. O único afrodisíaco
válido é o amor, a compreensão e a tolerância de uma companheira carinhosa, a
conservação e a preservação, com práticas saudáveis, do organismo, a prática regular e
contínua da sexualidade. Não há muito mistério nisso.
CAPÍTULO 15
1. O diagnóstico certo na disfunção sexual masculina. Psicológico ou orgânico?

Quando um paciente, com um problema erétil ou ejaculatório, consulta um médico, a


primeira coisa que o profissional deve determinar é a origem da disfunção. Até há pouco
tempo, pensava-se que a origem da imensa maioria das disfunções sexuais era psicológica.
Hoje, dá-se maior atenção à possibilidade de que a origem seja orgânica. A que se deve
essa mudança? Há várias razões. A primeira, a um maior conhecimento que os psiquiatras,
psicanalistas, urologistas e clínicos adquiriram sobre a sexualidade humana. Isso lhes
permitiu atuar em conjunto superando esforços individuais em benefício do paciente. Em
segundo lugar, a uma difusão maior desses tipos de transtornos, permitindo ao público
procurar os serviços especializados ou, diretamente, consultar um médico ou psicólogo com
maior sinceridade.

Em terceiro lugar, a um pico de consumo de medicamentos. Por certo, incluímos também


entre as disfunções orgânicas aquelas em que os medicamentos tiveram um efeito nocivo
relevante sobre a vida erótica. É claro que nenhuma espécie de disfunção sexual é
totalmente física ou totalmente psíquica, mas predominantemente psicológica ou
predominantemente orgânica.

2. O primeiro passo: uma história clínica e sexual detalhada e correta

Uma corrente de simpatia e confiança mútuas entre o paciente e o profissional consultado é


essencial para que o médico tenha acesso aos dados. O médico deve recordar que as
inibições e rodeios são lógicos, se o tema é uma afecção da sexualidade, e deverá ter a
paciência, o tato e a imparcialidade que o caso merece, para que a história clínica obtida
seja completa e verdadeira.

3. Perguntas fundamentais

Uma vez alcançada certa confiança na relação com o profissional - uma confiança absoluta
é impossível até mais adiante -, o paciente deve responder a certas perguntas que
orientarão o diagnóstico. A primeira coisa que o médico deve determinar é se o problema
de que se queixa o paciente é verdadeiramente sexual. Muitas vezes, o suposto paciente
pensa que seus "apenas dois coitos a cada três dias" são insuficientes e decide consultar.
Obviamente, aqui há um problema, mas, certamente, não é sexual.

Se, na verdade, existe um distúrbio, um interrogatório minucioso não só é essencial para a


diferenciação diagnóstica entre a disfunção sexual predominantemente psicológica ou
predominantemente orgânica, mas também para permitir o acesso a uma série de dados,
importantes para o tipo de ajuda a proporcionar e, sobretudo, conhecer o estilo de cada
homem ou de cada casal, seus valores, o jogo de ansiedades e as dificuldades possíveis
na comunicação.

4. O que são ereções noturnas ou matinais?


Todos os homens têm ereções noturnas, quer dizer, quando dormem. E isso acontece
durante toda a vida. O registro das ereções noturnas permite distinguir, com bastante
precisão, quando uma disfunção erétil é de origem psicológica e quando é orgânica.

Sabemos que, quando um indivíduo sonha, seus olhos se movimentam sob as pálpebras,
horizontal e verticalmente. Esses períodos são chamados de movimento ocular rápido, ou
REM (rapid eye movement). A grande maioria das ereções noturnas é produzida durante os
períodos REM.

Quando o homem tem um sonho erótico, não só pode ocorrer a ereção como também uma
ejaculação. Talvez surpreenda, mas um homem adulto normal pode chegar a ter até cinco
ereções por noite e cada uma delas de uma duração de aproximadamente 20 a 40 minutos.
A ereção matutina não tem nada que ver com o enchimento da bexiga, mas com o resto do
período dos sonhos com imagens (sonhos REM). Como, às vezes, coincide com ele e às
vezes não, há manhãs em que um homem pode observá-Ias, e em outras, não.

5. Investigações recentes sobre as ereções noturnas e a causa da disfunção erétil

Em 1970, o Dr. Ismet Karacan, da Universidade de Baylor, nos Estados Unidos, fez um
experimento sobre a aplicação do estudo e registro das ereções noturnas para diferenciar
os distúrbios eréteis psicógenos dos orgânicos. Demonstrou, claramente, que há uma
alteração evidente nos pacientes portadores de uma disfunção orgânica, enquanto, nos
predominantemente psicológicos, o registro é normal, quer dizer, conservam as ereções
noturnas, tanto em quantidade como em qualidade. Essa conclusão é importantíssima, até
para informar ao paciente que os estímulos psicológicos provocadores dos distúrbios
eréteis não atuam durante o sono. Enquanto está desperto, inconscientemente, o indivíduo
vê bloqueados os estímulos capazes de provocar uma ereção. Se a causa é orgânica, a
ausência de ereção se mantém, ainda que ele esteja dormindo. Não há dúvida de que essa
descoberta foi muito significativa. E continua sendo. Muitos homens, quando chegam à
conclusão de que sua mente bloqueia ou impede o estímulo por mecanismos que ele não
pode governar, ficam decepcionados, com raiva e tendem à rebelião. Não foi outra coisa
que Freud demonstrou há mais de 80 anos.

A exatidão do método, até o momento, embora não seja de 100%, está muito próxima
disso. Existem, é claro, casos em que o diagnóstico é duvidoso, como com qualquer outro
método.

6. O registro da ereção noturna. A Monitoração da Tumescência Peniana Noturna


(MTPN)

A rigor, a ereção se compõe de duas partes: uma delas é a tumescência (expansão dos
corpos cavernosos penianos) e a outra é a rigidez (firmeza do corpo cavernoso, por
retenção sangüínea). Por isso, foram projetados um pequeno aparelho, capaz de registrar a
expansão peniana (tumescência) e outro, capaz de constatar a rigidez.

Esse aparelho denomina-se" Monitor de Tumescência Peniana Noturna" e seu


funcionamento é simples. Consiste em ligar duas tiras bem finas de borracha, cheias de
mercúrio, chamadas transdutores. Uma é colocada na base do pênis e a outra, na ponta,
logo abaixo da glande. Ambos os transdutores, através de um cabo, dirigem-se ao monitor.
O aparelho é muito semelhante a um eletrocardiógrafo. Quando o aparelho funciona, uma
tira de papel de eletrocardiografia move-se muito lentamente. Uma agulha vai registrando,
em duas linhas paralelas, a atividade de ambos os transdutores, o da base e o da ponta.

Quando há uma ereção, o pênis, ao inchar-se, estica as tiras elásticas sensíveis, e isso é
refletido no registro, mediante uma elevação proporcional da agulha. Como o papel é
milimetrado, é possível medir o grau de ereção e a sua duração na inscrição deixada pela
agulha sobre o papel.

Normalmente, a técnica de monitoração exige que se durma duas noites consecutivas no


local em que está o aparelho. Pode ser no âmbito do consultório, adequado e preparado
para esse fim, ou no hospital. Durante essas noites, o pessoal treinado para essa finalidade
vigia o funcionamento do aparelho, enquanto o paciente dorme aproximadamente oito
horas. A razão pela qual são necessárias duas noites é que, na primeira, o paciente está
muito ansioso, não sabe o que vai acontecer e dorme pouco. Como o registro não implica
dor ou incômodo algum, na segunda noite o paciente dorme bem e profundamente.

Em qualquer das duas noites, é possível acordar o paciente durante a ereção máxima e
registrar seu grau de rigidez.

Um pequeno aparelho chamado rigidômetro,* desenhado pelo Dr. W. Furlow, da Clínica


Mayo, dos Estados Unidos, permite colocar o pênis numa pequena cavidade ligada a uma
seringa vazia, a qual, por sua vez, está ligada a um manômetro dos usados para medir a
pressão arterial. O pequeno aparelho é empurrado contra a ponta do pênis e se observa o
manômetro. Uma pressão superior a 100mm de mercúrio indica uma rigidez normal; menos
do que isso, que há um déficit na ereção. Nem disso, o paciente é acordado para observar,
visual e tatilmente, a qualidade da ereção.

7. Exames de rotina e hormonais

Nas primeiras entrevistas, o médico efetuará análise de rotina e exames físico e urogenital
correspondentes. Os exames de rotina compreendem o hemograma, a uremia, a glicemia e
um completo de urina. Quando os antecedentes diabéticos são acentuados, aconselha-se
efetuar uma curva de tolerância à glicose. As análises hormonais já estão entrando também
na rotina e, pelo menos, se solicita uma dosagem de testosterona e outra de prolactina no
sangue. Quando o senso clínico indicar, podem ser aplicadas outras dosagens hormonais.

Através do interrogatório, do exame físico e das análises de rotina e hormonais e, quando é


possível, algum método de medição da ereção noturna, aproximamo-nos bastante da
constatação sobre se o problema é predominantemente orgânico ou psicógeno. Faltará
ainda a avaliação do fluxo arterial que chega ao pênis, como também da corrente nervosa,
responsável por toda a enervação capaz de produzir a ereção e a ejaculação. Podem
também ser feitas arteriografias* e cavernografias, * e alguns testes como o urodinâmico
vesicular, do reflexo bulbocavemoso, da latência pudendo-pudendo. Embora os resultados
da pesquisa clínica não sejam completos, antes de tomar decisões terapêuticas o médico
recorrerá aos estudos que considere imprescindíveis. Um dos mais freqüentes é a tomada
da pressão sangüínea peniana. Na verdade, sendo o pênis uma parte do corpo por onde
circula o sangue, é possível determinar - até graficamente - a força que a onda sangüínea
exerce sobre as paredes arteriais penianas. Com esse estudo, pode-se deduzir se uma
artéria está total ou parcialmente bloqueada. Para efetuar a medição, existem os métodos
ultra-sônicos de efeito Doppler. Com um amplificador de sons, os movimentos da onda
arterial se tornam audíveis e revelados.
CAPÍTULO 16

Quando a falha é predominantemente psicológica

1. Resistências mais comuns

Como resultado da etapa de diagnóstico, chegou-se a saber, seguramente, se o transtorno


é predominantemente psicológico ou predominantemente orgânico. Quando o caso está
dentro do primeiro grupo, o paciente reage com rebeldia ao diagnóstico e costuma iniciar
um périplo por incontáveis profissionais, em busca de um comprimido ou de uma injeção
que lhe devolva a capacidade perdida. Às vezes, a ingestão de hormônios e sedativos
danifica o sistema endócrino e o metabolismo em geral e pode deixar uma seqüela
orgânica.

Os mecanismos neurológico, vascular e hormonal do paciente predominantemente


psicológico estão intactos; o paciente tem ereções noturnas e matinais e, em geral, tem
uma boa saúde física. Na realidade, o medo de fracassar, o considerar cada relação sexual
um teste (de masculinidade, de virilidade, de valor, de coragem), a convicção de que tem
"algum tumor, alguma obstrução", foram deteriorando cada vez mais seu erotismo, sua
espontaneidade e a alegria que deveria desfrutar na relação sexual. Todo tipo de terapia
deve ter por objetivo relaxar o homem que sofre de uma disfunção sexual. Se não for capaz
de se aproximar da companheira sem a tensão que faz supor que "tem de", muito pouco
será conseguido com esse homem. A terapia instituída tem maiores possibilidades de êxito,
à medida que a participação de sua companheira seja maior e mais ativa.

2. Quando a falha é recente

1. Tentar pensar que todo homem tem alguma falha erétil em sua vida, ou um transtorno
ejaculatório. Quem diz que nunca teve é excepcional ou está mentindo.
2. Quando falhar, não tentar mais nada, do ponto de vista erótico. Tentar falar com a
mulher. Talvez "o corpo seja sábio" e esteja dando sinais da necessidade de comunicar-se
com ela. Sobretudo, profundamente.
3. Tentar evitar a relação genital durante uma semana pelo menos. Falar sobre isso com a
companheira.
4. Aproveitar esse período para trocar carícias, "descobrir-se" um ao outro.
5. Não tomar nenhum medicamento.
6. Se sentir angústia, culpa ou mal-estar indefinido e se for religioso, procurar um sacerdote
compreensivo e confiável.
7. Procurar um urologista.
8. Fazer-se acompanhar pela parceira nos exames de laboratório e clínico. Se isso não for
possível, comunicar-lhe, ao fim do dia, tudo o que foi conversado com os médicos.
9. Não ter dúvida, quanto a solicitar a opinião de outros médicos, mas observar as
seguintes indicações:

a) Observar quanto tempo o profissional leva conversando, procurando saber detalhes da


afecção, registrando seus antecedentes.

b) Desconfiar do profissional que, rapidamente e sem tempo para uma avaliação clínica,
receite medicamentos.
c) Embora todos os indícios indiquem que se trata de um distúrbio funcional de origem
claramente psicológica, se continuar por algum tempo, não deixar de consultar um
urologista. * Ele poderá descartar, com toda segurança, o problema orgânico, contribuindo
para sua tranqüilidade.

2.1 Quando o problema da disfunção sexual de origem psicológica demora muito tempo

Consideramos muito tempo a um lapso de mais de 12 meses. Durante esse período, o


problema não apresentou variações notáveis ou, até, em algumas de suas manifestações,
agravou-se. É preciso, então, enfrentar uma terapia sexual.

3. O que é uma terapia sexual?

Trata-se de um enfoque terapêutico relativamente novo, com base científica comprovável e,


como todo tratamento, tem suas indicações específicas, suas porcentagens de êxito e de
fracasso.

O enfoque da terapia sexual é tratar os problemas de disfunções de homens e mulheres


sobre as causas atuais ou mais recentes. Esta é a diferença mais importante com relação à
terapia psicanalista e algumas outras terapias. A terapia sexual é uma combinação, em
graus variáveis segundo a situação e o problema a tratar, de métodos tradicionais e
altamente testados em psicoterapia, com indicações e exercícios para serem efetuados na
intimidade do lar, cuja experiência provém dos métodos das ciências do comportamento.
Na verdade, trata-se de uma especialidade muito complexa, que exige conhecimentos
profundos de teoria da personalidade, psicologia geral e genética, metodologia
psicoterapêutica e sexologia médica.

Os terapeutas sexuais podem ser psiquiatras, psicanalistas, psicólogos clínicos, urologistas


e ginecologistas. Nos Estados Unidos, também assistentes sociais e educacionais e
psicopedagogos são treinados nessa especialidade. Existem bons profissionais,
provenientes do campo terapêutico familiar, assessores matrimoniais e de instituições
religiosas de reconhecido prestígio. Trata-se de enfocar o distúrbio, tal como temos tentado
explicar resumidamente, como um transtorno do erotismo, como uma perda da capacidade
de obter e dar prazer. O enfoque é predominantemente centrado sobre o vínculo do casal,
seus conflitos e obstáculos na vida erótica, a produção de satisfações e alegria de viver.

É importante assinalar - embora vamos repeti-Io no capítulo seguinte - que a terapia sexual
tem aplicação não só nos transtornos disfuncionais de origem predominantemente
psicológica. Também se aplica, e com êxito, nos distúrbios orgânicos; mas não como
solucionador do problema, o que seria um absurdo, mas como acompanhante necessário,
como complemento indispensável dos tratamentos médicos e cirúrgicos, como terapia de
reabilitação no caso de pacientes que tenham sofrido cirurgia na zona genital, ou em
qualquer caso em que se tome imperiosa a necessidade de recuperar a função erótica
perdida, total ou parcialmente, por qualquer causa. Os iniciadores desse tipo moderno de
tratamento foram os pesquisadores americanos W. Masters e V. Johnson, em Saint Louis,
há duas décadas. Eles formaram numerosos discípulos, entre os quais, no momento, se
destaca a nova-iorquina Helen S. Kaplan, que adaptou modelos de tratamentos flexíveis e
adequados a cada disfunção e a cada caso.
Os pacientes costumam fazer perguntas, digamos, prototípicas. Respondamos a algumas
delas:

Quanto tempo demora uma terapia sexual?


Algumas semanas. Tudo depende do tipo de afecção de que se trata, de há quanto tempo
ela existe e, sobretudo, do tipo de paciente, seu grau de flexibilidade, o grau de colaboração
da companheira, etc.

Que resultados podem ser obtidos?


Depende de quase todas as variáveis enunciadas no item anterior. Além disso, em nenhum
tratamento médico ou psicológico há resultados definidos ou seguros. No caso da
ejaculação precoce, os resultados são muito positivos, mas dependem do grau de
colaboração da companheira. Nos transtornos eréteis, depende do tempo de evolução. Não
são a mesma coisa um transtorno de seis meses, de toda uma vida ou de mais de 10, 15
anos.

Com que freqüência se deve ir ao consultório do profissional?


Habitualmente, uma vez por semana. Se se dispõe de tempo e de oportunidade, pode ser
duas vezes por semana e o tratamento será encurtado.

Em que consiste o tratamento?


Depois de um período de duas ou três semanas, para conhecer as normas gerais, registrar
a história clínica, estabelecer-se um acordo mútuo, etc., é apresentada uma série de
exercícios com a finalidade de sensibilizar ou, melhor dizendo, de ressensibilizar o paciente.
Esses exercícios são realizados em casa, com a companheira, que, na medida do possível,
também participa das entrevistas e recebe assistência e instrução adequadas. Nas
entrevistas seguintes, são relatadas as experiências com os exercícios, os êxitos, os
obstáculos, os fracassos; são discutidos e esclarecidos os temas obscuros ou nunca
mencionados, estimula-se a livre expressão das idéias e dos sentimentos e são
programados novos exercícios.

Fora dos temas sexuais, são mencionados ou tratados outros temas?


Sim, claro, sobretudo quando são relacionados com o problema. É comum o surgimento de
ira, hostilidade, angústia, à medida que avança o tratamento. A questão sexual não está, de
nenhuma forma, desligada da experiência cotidiana.

Que acontece quando, depois de meses, o tratamento não progride ou fracassa?


Discute-se isso, abertamente, com o profissional. Em certas ocasiões, é necessário mudar
o enfoque ou solicitar uma consulta a outro terapeuta. Os tratamentos não são tão
prolongados que possam ser considerados perda de tempo. Não é raro o surgimento de
transtornos de longa data, subjacentes aos problemas sexuais. Em tal caso, a terapia
sexual não é considerada um fracasso, mas apenas a primeira - e, além disso, necessária -
etapa de um tratamento que precisa ser de outro tipo, que não se relacione exclusivamente
com a questão sexual.

4. A dificuldade de encontrar terapeutas especializados


Embora se surpreenda, é muito provável que o leitor deste livro, ao terminar a leitura, saiba
bastante mais sobre sexualidade em geral e sexualidade masculina em particular que a
imensa maioria dos profissionais médicos e psicólogos dos países em desenvolvimento.
Mesmo nos Estados Unidos, onde há programas de educação sexual oficiais, nas escolas
primárias e secundárias, e muitas faculdades de Medicina tenham, em seus programas
regulares, matérias de sexologia, é difícil encontrar terapeutas adequados. A maior parte da
população não está bem informada e, sobretudo, existe resistência ao tema. Os
preconceitos sociais ganham a partida e a ignorância é a regra. Podemos imaginar,
facilmente, como é o panorama aqui mesmo, na América Latina.

Um bom conselho, quando um homem tem um problema sexual, é dirigir-se a seu médico
de confiança. Se não o tem, procurar um serviço de urologia hospitalar. Embora custe a
crer-se, um título não dá carta livre para tratar de qualquer coisa e muito menos de qualquer
maneira. Muitos médicos não tratam problemas sexuais. Atenção: não tratam problemas
sexuais como os relatados neste livro, tais como os problemas eréteis e ejaculatórios. É
importante esse esclarecimento, porque existem muitíssimos médicos e especialistas que
se anunciam como especializados em enfermidades sexuais, mas se referem a doenças
venéreas, como blenorragia ou sífilis, e que não têm nada que ver com as disfunções
sexuais.

Para garantir-se, o paciente tem todo o direito de perguntar ao médico se ele trata de
problemas sexuais, ou problemas de ereção e/ou ejaculação. Uma pergunta franca e
aberta, como esta, obriga o médico a responder da mesma maneira. Ambos se sentirão
bem. O médico poderá responder que não e o encaminhará a um especialista de sua
confiança. Ou, o que é uma opção, lhe fará todos os exames correspondentes, tratará de
chegar ao diagnóstico de disfunção sexual predominantemente orgânica ou
predominantemente psicológica e lhe indicará o caminho a seguir de forma correta. Aqui,
ninguém perdeu tempo e o vínculo foi honesto e sincero de ambas as partes.

Se o problema é depressivo, ou foi depressivo em sua origem, a busca de um serviço de


psiquiatria ou de psicopatologia pode beneficiar esse paciente. Se houver suspeita de que a
disfunção foi causada por alguma medicação, é conveniente procurar um serviço de
urologia que tenha o aparelho de Monitoração de Tumescência Peniana Noturna. Com esse
aparelho, haverá outro para avaliar corretamente toda a função sexual; ali, ele poderá ser
orientado adequadamente. De todos os modos, qualquer pessoa tem o direito de sentir-se à
vontade com o profissional a quem consulta. Os títulos são importantes, mas, de modo
algum, representam tudo. Os pacientes se relacionam com pessoas, não com o título
dessas pessoas. Uma terapia sexual tem uma boa possibilidade de êxito, sempre e quando
haja um positivo encontro entre duas pessoas. O encontro positivo pode demorar algumas
entrevistas, até consolidar-se, mas, de um modo geral, já na primeira entrevista, o paciente
pode ter uma idéia de quem é, o que propõe e, sobretudo, como propõe o profissional a
quem consulta sobre seu problema disfuncional.

Não existem "curas milagrosas". Normalmente, introduzir-se nos meandros da terapia


sexual implica comprometer-se a fazer mudanças. Não esperar mudanças revolucionárias,
mas pequenas, em acordo com as possibilidades atuais, que tenham sentido comum e não
sonhos muito difíceis de concretizar.
5. Tratamentos alternativos não convencionais: acupuntura e homeopatia

5.1 A acupuntura

Prática curativa de mais de cinco mil anos, originária da China e difundida no Ocidente,
muito lentamente, há pouco mais de um século.
Há muito poucos modos de correlacionar os mecanismos de ação da acupuntura com a
fisiologia e a patologia ocidentais. O certo é que, em muitíssimos casos, em particular os
funcionais, alivia os sintomas rebeldes de um paciente. O campo de aplicação e utilização
clínica é vasto e não cabe aqui analisá-lo. Diremos, simplesmente, que conseguiu êxito em
dores crônicas, como as reumáticas, como calmante e relaxante nos quadros de ansiedade
e tensão, em cefaléias e enxaquecas.

Em certa ocasião, havia muitas expectativas sobre sua utilização nas disfunções sexuais.
De fato, muitas melhoram, por serem de origem psicológica, e a maioria por ação sedativa
e ansiolítica do método. Sua prática exige paciência, capacidade de estudar muito
detidamente o paciente e de estudar uma matéria alheia ao modo de pensar tradicional
ocidental, o que não é suficiente para invalidá-Ia. Assim como a homeopatia, recebe
permanentes ataques por parte de alguns médicos, que ignoram totalmente de que se trata.
Na pior das hipóteses, a acupuntura é inócua, não melhora, não faz nada, mas não intoxica,
o que já é bastante.

5.2 Homeopatia

Com uma tradição de mais de 300 anos, e iniciada na Alemanha com Hahnemann, essa
prática, muito arraigada entre os povos de nossos países latino-americanos, tem seus
principais detratores não só na medicina tradicional, empenhada em ignorá-Ia, mas também
entre alguns médicos que a praticam, a serviço da comercialização de seus produtos, que
têm de homeopatas apenas o nome. A homeopatia segue, em tudo, a tradição hipocrática:
"Não há enfermidades, mas enfermos." Destina-se, através dos sintomas, especialmente
psíquicos, do paciente, a identificar, do modo mais preciso possível, um ou dois
medicamentos adequados para esse caso em particular.

Enquanto a medicina tradicional cura os pacientes mediante medicação em altas doses e


tratando de atenuar os sintomas (por exemplo, as dores de cabeça requerem analgésicos,
as altas febres, antitérmicos, etc.), a homeopatia se dirige aos sintomas com doses
ultrapequenas, com a finalidade de estimular o organismo a responder por seus próprios
meios. Atua de maneira muito similar a uma vacina, que é um germe, um vírus, mas
reduzido a doses muito pequenas. A finalidade: incentivar a formação de anticorpos para
lutar contra a enfermidade. A busca do medicamento homeopático específico exige tempo,
dedicação e paciência. Na realidade, tanto a acupuntura como a homeopatia são disciplinas
de outra época, em que a busca mínima dos sintomas levava o médico à beira do trabalho
artístico. Hoje, isso foi substituído pelo consumo rápido e incrementado de medicamentos.
Não sobra tempo e se prefere usar em exames de laboratório e radiografias o que antes era
empregado em ouvir as confidências do enfermo.

A homeopatia tem um campo de ação mais amplo do que a acupuntura, mas como ela, no
que se refere à disfunção sexual, os resultados são incertos. Alguns transtornos, em
particular os de origem psicológica e não todos, se beneficiam com o tratamento
homeopático. Sua ação se deve a uma melhora do estado geral, ao poder de relaxamento
evidente da maioria dos produtos vegetais e minerais de que se nutre a farmacopéia
homeopática e, sobretudo, à sua clara ação desintoxicante.

É preciso saber que tipo de homeopatia é conveniente ou não. Uma visita a um verdadeiro
homeopata não pode durar menos de 30 a 45 minutos; às vezes, muito mais. Examinar a
íris e diagnosticar por ela não tem nada que ver com a prática homeopática. Praticar
homeopatia, por outro lado, implica dar alta importância ao interrogatório/detalhado, mas
isso não quer dizer não examinar o paciente, não tomar-lhe a pressão arterial ou não
recomendar-Ihe alguma análise de sangue ou de urina ou alguma radiografia, se
necessário. E, por último, consultar um médico homeopata não significa sair da consulta
com uma receita em que há seis ou sete frascos para tomar em gotas, acompanhados de
uma ou duas caixas de nome estranho cheias de comprimidos, pois tudo isso custa, em
dinheiro, o mesmo que dois medicamentos comuns, do tipo antibiótico.

A verdadeira homeopatia ouve e interroga o paciente durante um considerável período,


examina detalhadamente seu corpo e indica, se necessário, todas as análises que precisam
ser feitas. Quando medica, o faz com um ou, quando muito, com dois remédios. A forma
farmacêutica (gotas, pós, comprimidos) para a homeopatia não tem nenhuma importância,
porque, dependendo da ordem receitada pelo médico, o produto deve ser elaborado na
farmácia, pois não está embalado, pronto' para ser vendido. No que se refere às disfunções
sexuais, a prescrição de algum produto homeopático não exclui a investigação hormonal, a
Monitoração de Tumescência Peniana Noturna nem a indicação, eventual, de terapia
sexual.
CAPÍTULO 17
Se a falha é predominantemente física
Os modernos métodos físicos para o tratamento das disfunções sexuais:
as próteses penianas
1. Antecedentes

O ser humano tem buscado de todas as maneiras, desde os tempos antigos, solucionar os
transtornos sexuais. Não apenas com drogas diversas, ervas e chifres de rinoceronte, como
foi explicado no capítulo correspondente; a história da medicina registra também tentativas
cirúrgicas de dar uma solução definitiva - e, como veremos, às vezes única - no tratamento
da ausência de ereção. Os problemas ejaculatórios são mais simples e têm tratamentos
muito menos complicados.

No início do século, uma das teorias mais importantes foi a que supunha que quase todos
os distúrbios eréteis eram produzidos pela má circulação sangüínea venosa. Por isso,
durante algum tempo se ligaram, cirurgicamente, algumas veias testiculares. Por certo,
pouco depois, as esperanças se desvaneceram. A partir dos anos 20, anunciavam-se
"curas espetaculares" com implantes de testículos bovinos sob a pele do abdome, que,
segundo se dizia, também prolongavam a juventude. Uma nova decepção aguardava os
pesquisadores.

Outras numerosas tentativas de diversas índoles foram realizadas a partir da Segunda


Guerra Mundial. Isso iria proporcionar, por um lado, uma sólida experiência cirúrgica e, por
outro, o surgimento de novos materiais sintéticos, prontos para a reconstrução plástica e
estética de algumas partes do corpo humano.

2. As próteses penianas

A prótese (do grego próthesis, "substituição") peniana é um objeto sólido ou semi-oco,


intlável, que se coloca, cirurgicamente, dentro do pênis, com o objetivo de permitir-lhe a
dureza suficiente para penetrar na vagina. O método se converteu numa alternativa válida
para muitíssimas afecções que não podem ser curadas com outros recursos. A experiência
se tem ampliado e hoje são realizadas em vários países dezenas de implantes cirúrgicos
(como são também chamados). Não é estranho, na natureza, encontrar elementos sólidos
formando parte do órgão peniano. Muitos mamíferos têm um pênis constituído de osso - por
exemplo, a baleia.

Em tal sentido, devemos dizer que o primeiro objeto implantado foi um pedaço de costela
humana. Só muito poucas intervenções deram resultado funcional satisfatório. E isso foi
antes dos anos 40.

2.1 Próteses rígidas e semiflexíveis

Com o surgimento do material sintético, como já dissemos, a pesquisa se reiniciou e


ganhou maior impulso. As próteses tiveram de reunir duas condições indispensáveis: a
primeira, serem feitas de material compatível com os tecidos biológicos e não provocarem
rejeição; a segunda, terem, simultaneamente, a rigidez e a flexibilidade suficientes para
penetrarem na vagina. Além disso, era preciso obedecer a certas regras básicas, para que,
visualmente, não pudesse distinguir-se de um pênis natural rígido.

Em 1952, dois pesquisadores, Goodwin e Scott, usaram implantes de acrílico na


reconstrução de vários pênis que tinham sofrido graves feridas mutilantes. Também foi
testada a borracha siliconada, mas provocava irritação e edema inflamatório. Em 1966, G.
E. Beheri anunciava o implante diretamente nos corpos cavernosos, pela primeira vez. O
mesmo pesquisador anunciou, depois, o uso e implante, em 700 casos, de próteses de
polietileno, com muito bom resultado, tanto cirúrgico e clínico como estético.

Seguindo essas experiências, M. P. Small e H. M. Carrion, em 1975, introduziram o


tratamento com prótese um tanto mais complexo: por fora, borracha siliconada e, por
dentro, um centro de silicone esponjoso. O desenho foi sendo alterado com o passar do
tempo e o número de colocações foi crescendo. Alguns outros desenhos foram efetuados
posteriormente, tanto nos Estados Unidos, como na Europa e no Japão.

Em 1977, o urologista R.P. Finney anunciou uma prótese a que chamou Flexi- Rod, a qual
possui a interessante variável de ser dobrável, parcialmente, em seu terço próximo ao
abdome, como se tivesse uma dobradiça, o que significou um avançQ notável em
comodidade de uso. Além disso, pode ser dirigida em qualquer direção desejada.
Posteriormente, apareceu no mercado um produto com novos progressos da engenharia
médica, a chamada prótese de borracha, com tecnologia alemã, fabricada com silastic e em
cujo centro corre um fio flexível de prata. Na Argentina, usa-se uma variação interessante,
posta no mercado por uma representante da firma fabricante nos Estados Unidos. Trata-se
de cilindros semiflexíveis de material sintético, recobertos por uma película de silicone,
removível na sala cirúrgica. Permite acrescentar-lhe uma ponta cônica, do mesmo material,
numa das extremidades, para adequar o tamanho a cada caso.

Para reduzir os custos, também na Argentina já se fabrica um produto próprio, cujas


vantagens lhe permitem competir com os estrangeiros.

3. Técnica de implante cirúrgico e uso de próteses semiflexíveis

A esta altura da década, já existe uma considerável experiência no que se refere à


colocação de próteses semiflexíveis ou semi-rígidas. Por outro lado, para um cirurgião de
experiência mediana, a técnica é muito simples e a intervenção não tem complicações na
maior parte dos casos.

Como já dissemos, a prótese semiflexível - qualquer modelo - consiste em dois tubos


pequenos de silicone ou material similar, que são introduzidos em cada um dos corpos
cavernosos, substituindo-os de fato.

O uso dessa prótese é muito confortável. Instalando-a no ângulo adequado, pode ser usada
sob a roupa e passa despercebida na grande maioria dos casos. Quando se vai ter uma
relação sexual, ela é dirigida com a mão e colocada em posição reta, podendo ser
introduzida no conduto vaginal sem inconvenientes.

3.1 Complicações da operação de prótese


Para receber uma prótese peniana, o paciente deve ser submetido a uma intervenção
cirúrgica com anestesia geral. Isso supõe que, como qualquer intervenção cirúrgica similar,
pode ter seus acidentes ou complicações. Um bom exame pré-operatório clínico e de
laboratório informará das probabilidades de risco cirúrgico. Quanto à prótese em si, a
complicação mais freqüente é o incômodo ou a dor. Um tipo de intervenção como essa
implica cortar a pele, introduzir elementos estranhos dentro do organismo, manipular e
suturar. A dor não é maior do que uma intervenção abdominal comum e costuma
desaparecer depois de alguns dias. Às vezes, o tecido epidérmico se incha. e, muito
raramente, se infecciona.

Quando o estado geral do paciente não é bom, ou a disfunção já existe há muito tempo, os
tecidos não se distendem o suficiente e os incômodos tendem a aumentar. Os analgésicos
comuns e a lenta adaptação à função recuperada fazem o resto.

4. Em quem pode ser colocada uma prótese

Não é qualquer paciente que pode receber uma prótese. Como todo ato médico-cirúrgico,
tem suas indicações precisas, que devem ser respeitadas se se deseja ter êxito em sua
aplicação.

Em primeiro lugar, qualquer disfunção erétil orgânica irreversível pode ser solucionada
mediante a aplicação de uma prótese. Mas, como mencionaremos mais adiante, é preciso
avaliar corretamente se o indivíduo está em condições psicológicas de recebê-Ia, ou se não
tem conflitos graves com sua parceira. A segunda grande indicação é na disfunção de
origem psicológica, mas somente quando as tentativas com outros meios, como a terapia
sexual, tenham fracassado, depois de um período de aplicação e espera. Em qualquer
caso, é preciso um período prévio de aS5essoramento psicossexual especializado, tanto
para o paciente como para sua parceira.

5. Avaliação médico-psicológica anterior à implantação cirúrgica

Quanto mais tempo seja empregado para avaliar corretamente um paciente, maior será a
probabilidade de evitar complicações de todo tipo, posteriores à colocação de uma prótese.
As implicações psicológicas e em relação ao casal são tais que não é possível decidir nm
implante protético sem tomar todos os cuidados. A operação em si é relativamente simples:
a decisão de efetuá-Ia, não. Para chegar à possibilidade de colocar uma prótese de pênis é
preciso que haja alguma das afecções descritas no capítulo 4: um problema diabético num
homem de mais de 40 anos, uma enfermidade de La Peyronie, * ou uma ferida ou
traumatismo na pélvis ou no aparelho genital. Algumas vezes, trata-se de problemas
circulatórios por arteriosclerose ou problemas nervosos por enfermidades da medula
espinhal.

Isso implica um cuidadoso exame urogenital, depois de detalhada história clínica


psicossexual. Devem ser realizadas análises de laboratório de rotina e hormonais e, quase
sempre, também a Monitoração de Tumescência Peniana Noturna, além de um registro da
pressão arterial peniana.

As entrevistas de avaliação e assessoramento psicossexológicos são imprescindíveis.


Efetuadas por pessoal especializado, permitem avaliar o estado psíquico do candidato à
colocação, seu pensamento atual, a presença ou não de estados depressivos graves e,
além disso, o estado de estabilidade da interação de sua relação conjugal. Existem
pacientes que não têm idéia aproximada sobre o tema prótese. Pensam, por exemplo, que
é um aparelho de borracha ou látex, para pôr e retirar na parte externa dos genitais.
Ignoram que vai por dentro e que exige, para isso, uma intervenção cirúrgica. Outros
supõem que é questão de minutos, com anestesia local no consultório do urologista.

É preciso instruir o paciente tanto sobre os benefícios do implante como sobre algumas
conseqüências inevitáveis. Por exemplo: o paciente já não terá mais corpos cavernosos.
Isso quer dizer que não terá ereções espontâneas, porque a locação dos dois pequenos
cilindros de silicone semiflexíveis ocupam o lugar dos corpos cavernosos, normalmente
vazios, ou cheios de sangue. É possível, posteriormente, extrair-se, também
cirurgicamente, a prótese, mas o pênis, em tal caso, ficará flácido. * Se se deseja uma nova
colocação, outro tipo de prótese, por exemplo, pode ser feita sem nenhum inconveniente,
mediante outro ato cirúrgico. As próteses penianas foram uma revolução no campo da
sexologia, não há dúvida; além disso, possibilitaram a continuidade da vida sexual de
homens e casais antes condenados a viver sem ela. Mas isso não significa que pode ser
indicada de modo indiscriminado e maciço.

Os pacientes costumam consultar profissionais que se promovem com anúncios que falam
de "solução total", que não é nada mais do que a colocação de uma prótese. Se forem
respeitadas as indicações precisas, tanto médicas como cirúrgicas, para sua aplicação, e
tomados todos os cuidados médicos, psicológicos e matrimoniais, a solução será, na
verdade, a mais próxima do máximo que a atualidade científica permite.

6. Perguntas e respostas mais comuns sobre a prótese peniana

A experiência indica que vários questionamentos habituais preocupam os pacientes. Eis


aqui alguns:

A prótese proporciona a ereção, mas, e a ejaculação?


A ejaculação se conserva intacta. Recordemos que o mecanismo ejaculatório é totalmente
independente da ereção. Tem centros nervosos diferentes e pequenos aparelhos de
emissão que atuam de forma separada. A ejaculação e seus mecanismos, depois de uma
intervenção cirúrgica, continuam seu funcionamento como sempre.

O paciente, depois da colocação da prótese, goza?


Claro. O desejo e a sensibilidade têm receptores na pele genital. A prótese é colocada nos
corpos cavernosos e só restaura a ereção. O resto dos mecanismos eróticos não são
afetados de forma direta.

Então, não é mais necessário tocar uma mulher ou ser tocado por ela?
Pelo contrário. Se a pergunta se refere à necessidade de ser tocado para ter uma ereção,
isso não é necessário, porque, ao sair da sala de operação, o pênis estará rígido, com ou
sem toque. Mas, como ficou estabelecido ao longo deste livro, sexualidade, erotismo, não
significa pênis duro. E o assessoramento sexológico também se destina a esclarecer esse
tipo de coisa. Homem e mulher, garantida a ereção, têm agora a liberdade de dedicar-se
intensamente às carícias, a incrementar o prazer 'e o orgasmo. Dentro de todo esse jogo
amoroso, a penetração pode ocorrer em qualquer momento, mas não pode haver
penetração sem erotismo, sem desejo, sem uma participação entusiasmada e ativa da
mulher. Pelo contrário, o que se tenta evitar é o uso mecânico e agressivo do pênis.

A penetração vaginal é dolorosa?


Não. Nem para o homem, nem para a mulher. Funciona exatamente como um pênis
natural, entrando no conduto que, como dissemos, deve estar suficientemente lubrificado
pelos processos eróticos normais.

Quanto tempo depois da operação é possível ter a primeira relação sexual?


Depois dos primeiros curativos e, se não houver infecção, dores ou nenhum outro
transtorno, é possível ter as primeiras relações sexuais quatro ou seis semanas após a
intervenção.

Essas primeiras relações têm algum inconveniente?


Têm. Mas, normalmente, não por causa da prótese, mas por causa da situação psíquica do
casal. Não nos esqueçamos que se trata de um casal desacostumado, há algum tempo, ao
gozo regular do erotismo e à vida sexual ativa. Por isso, impõe-se o assessoramento
sexológico posterior. Comumente, depois de algum tempo, variável para cada caso, a vida
sexual se normaliza e se restabelece o equilíbrio perdido.

É preciso, com o tempo, trocar de prótese?


Se não houver inconvenientes, não. Uma prótese pode durar toda a vida.

Existe a possibilidade de rejeição?


Se, por rejeição, se entende uma complicada reação imunológica, parecida com a das
intervenções cardíacas e renais, categoricamente, não. Nesses casos, a "rejeição" se
produz quando órgãos vivos são introduzidos em outros organismos. No caso da prótese do
pênis, trata-se de um elemento artificial que ocupa um lugar relativamente pequeno, fora do
"circuito vital", como o coração e os rins. Se houver algum inconveniente, serão os já
comentados, como dores, inchações, incômodos e, raramente, algum ponto infeccionado.

É inconveniente ter o pênis ereto todo o tempo?


Com as mais recentes próteses semiflexíveis, não. O paciente pode acomodar o ângulo
mais adequado e dobrar a prótese, que não se avolumará sob a roupa. Talvez, algum
inconveniente seja usar um mictório público, pois pode haver o constrangimento de ser
visto por outros homens. Aí, é melhor usar um sanitário com compartimentos individuais.

As funções urinárias são perturbadas?


De modo algum. A uretra - conduto que comunica a bexiga com o exterior - corre pelo meio
de ambos os cilindros de silicone e de nenhuma maneira é tocada ou afetada. Mesmo com
a prótese, é possível colocar uma sonda ou fazer algum exame urológico, através da uretra,
se o paciente precisar, por causa de algum outro distúrbio.

Uma mulher que não tenha sido informada de que o homem tem uma prótese peniana será
capaz de perceber que ela existe?
Na maioria dos casos, não. Sua adequação e adaptação são tão perfeitas que,
esteticamente, é muito difícil distinguir-se um pênis, ereto naturalmente, de outro em que se
tenha instalado a prótese. Mas devemos assinalar que essa pergunta é muito relativa,
porque já dissemos que a companheira deve participar de todas as etapas que compõem o
processo de implante e também do assessoramento pós-implante.

A prótese aumenta o pênis?


De modo algum. O tamanho da prótese respeita o tamanho natural. Se se pretende
aumentar o pênis através da prótese, logo se verá que isso não é possível.

É possível a fecundação?
Sim. O aparelho genital, no que se refere a todas as suas
propriedades reprodutoras, não é tocado por ocasião da colocação de uma prótese.

7. A prótese inflável

É um tipo de prótese que representa um progresso mecânico de alta significação no campo


sexológico-cirúrgico, Consiste também em dois tubos, mas ocos, cheios de um líquido
esterilizado, introduzido em lugar dos corpos cavernosos, conectado, por um pequeno
sistema hidráulico, a uma bomba capaz de ser inflada com dois ou três movimentos. Desse
modo, o pênis flácido fica rígido, simulando a função natural. O sistema é de pequeno
tamanho e a bombinha de plástico é instalada ao lado do testículo, numa "bolsa" sob a
pele.

O sistema é o mais próximo possível da normalidade, mas tem alguns inconvenientes.


Embora a técnica cirúrgica seja tão simples como no caso das próteses semiflexíveis,
existem riscos de maiores complicações mecânicas, como a possível perda do líquido, que,
necessariamente, deve ser reposto. Sua capacidade inflável depende dele. Outro
inconveniente, também importante, é o custo, quase o dobro do da prótese semiflexível.

8. A Previdência Social pagaria uma prótese?

Muitos pacientes que precisam de uma prótese não podem fazê-Ia porque seu custo é
elevado. Mas é possível conseguir que a Previdência Social e associações sindicais
paguem as despesas.

Para isso, normalmente, é preciso apresentar o histórico clínico e urológico, com os exames
correspondentes, que justifiquem o implante. Quanto mais completa essa documentação,
mais provável será a obtenção do benefício.

9. Os tratamentos da disfunção erétil por revascularização

Os distúrbios de vascularização, em particular os causados pela arteriosclerose, podem


provocar disfunções. Quando o transtorno ocorre nas grandes artérias, como a aorta, deve-
se realizar uma intervenção cirúrgica pélvico-abdominal, com o objetivo de desobstruir o
canal sangüíneo. São feitas operações de by-pass* - pontes - ou seja, pequenos condutos
sintéticos são suturados na aorta natural.

Existem intervenções para desviar algumas artérias pélvicas importantes ou provocar


desvios pequenos, através da inclusão de condutos artificiais muito delgados. Os resultados
não são muito convincentes, já que um grande número de pacientes volta a ter
inconvenientes depois de um curto período de tempo. O êxito, a longo prazo, não se
compara, de nenhum modo, com o da prótese. O conceito da revascularização é excelente,
mas, na prática, ainda precisa de muita pesquisa científica.
CAPÍTULO 18
A mulher e a disfunção sexual masculina. O pênis como símbolo

Embora, ao longo deste livro, se tenha dado um papel relevante à companheira de um


homem afetado por uma disfunção sexual, achamos conveniente aprofundar alguns
aspectos. Nem sempre uma mulher entende o que significa para o homem a perda da
ereção ou um distúrbio ejaculatório.

Desde tempos muito primitivos, os genitais foram tão valorizados em relação a qualquer
outra parte do corpo, que foram elevados à categoria de símbolo. O pênis representa a
virilidade, o poder, o êxito, a fecundidade; qualquer afecção se converte, para o paciente,
em uma redução notável dos atributos que ele simboliza historicamente. A perda da
capacidade erétil significa, para um homem, muito mais que a simples aparência. Na
ereção, o homem põe seu orgulho, sua ostentação de macho, sua confiança, sua
segurança... É totalmente equivalente aos seios de uma mulher ou até a seu útero, ambos
símbolos da maternidade. E apenas símbolos, porque uma mulher sem seios pode,
perfeitamente, ser mãe, ou até sem útero, como demonstram centenas de mulheres, mães
exemplares de filhos adotados.

Pensemos, além disso, que a função erétil é também símbolo de vínculo, de relação, já que
o pênis ereto é o que permite e facilita o mais importante (não o único) meio de união
corporal profunda do casal, além de possibilitar a fecundação e garantir a descendência.

Tudo isso permitirá a uma mulher entender, facilmente, as bruscas mudanças de humor e,
provavelmente, o desespero de um homem que falha ocasional ou definitivamente. Os
comentários agressivos só acentuarão a depressão e a angústia. Contudo, o que mais
constrange uma mulher não é a falha erétil em si, mas o fato de ser utilizada como um
instrumento de experimentação. Nesses casos, a mulher sente que o pênis tem muito mais
importância do que ela, portanto não será surpresa se tiver má vontade em colaborar para
que funcione.

Mas, se uma mulher adota uma conduta agressiva ou exigente, aprofundará mais a
incomunicação e, por certo, não contribuirá para a recuperação da função erétil perdida. O
homem, por sua parte, embora recuperado parcialmente, mostra-se hipersensível. Vai
interpretar como um possível sinal de desaprovação qualquer comentário, sorriso ou gesto
de sua mulher. Isso pode causar mais de uma falha prolongada por muito tempo. Daí a
importância de incluir a companheira em todo tipo de tratamento que for realizado.

Há também mulheres altamente temerosas de contribuir para agravar o problema. Isso


também é pernicioso. Estas são as que precisam mais de assessoramento sexual e, talvez,
as que, por sorte, mais contribuem para uma ajuda efetiva. Muitas mulheres são altamente
compreensivas e pressionam, carinhosamente, seus companheiros a solicitarem ajuda,
consultam um clínico ou um urologista, enquanto eles resistem, porque não querem expor
seu caso ao que supõem ser uma "ridícula afronta à sua virilidade".

Com o tempo, esse tipo de relação se deteriora e depois é muito difícil recompô-lo. Uma
mulher pode e deve, chegado o momento em que o desespero do marido é evidente,
solicitar-lhe carinho erótico capaz de satisfazê-Ia plenamente, com orgasmo incluído. Não
são poucas as vezes em que o companheiro descobre a existência do erotismo
extrapeniano. O resultado pode chegar a ser espetacular: a função se recupera, para
surpresa dele". Mesmo que isso não aconteça, esse tipo de satisfação chega a tranqüilizar
o homem o suficiente para aprofundar a comunicação com sua parceira. Isso só pode
beneficiar a ambos em todos os sentidos.

Não é fácil superar os obstáculos de vergonha e anos de repressão educacional. Ler a dois
publicações sobre o tema, inclusive este livro.. pode chegar a ser o começo da luz num
túnel escuro.

Em todos os casos, consultar a tempo a pessoa ou profissional adequado é a ajuda mais


valiosa. A intimidade, a relação humana entre os sexos e, principalmente, o amor,
merecem.
APÊNDICE

O PROBLEMA DA AIDS
Conhecida por diversos e alarmantes nomes, "A Peste do Século", "O problema n. o 1 de
saúde", "O complô virótico", e outros mais, a AIDS (Síndrome de Deficiência Imunológica
Adquirida), transformou-se num problema sem precedentes.

Afecção de causa identificada, mas conhecida há muito pouco tempo, apenas seis ou sete
anos, já provocou muitas mortes, sobretudo em indivíduos jovens ou de meia-idade.

Pelas características epidemiológicas, a AIDS constituiu-se numa verdadeira "bomba-


relógio", pois se sabe hoje que há uma epidemia calada, silenciosa, apenas detectável em
laboratório, mas pronta a explodir nos próximos meses ou anos.

Por essa razão fundamental se estabeleceu uma corrida científica contra o tempo. Há
milhões de dólares investidos na identificação e isolamento dos vírus produtores da AIDS,
estudo experimental e clínico de sua transmissão, mecanismos de ação dentro das
pessoas, estudo de drogas eficazes e, principalmente, a pesquisa de uma vacina capaz de
imunizar a população.

Em contrapartida, o problema-AIDS não é somente de ordem médica. Trata-se de uma


situação complexa que atingiu áreas sanitárias, psicossociais, educacionais, sexuais e até
ético-religiosas.

Embora existam grupos de pessoas com maiores probabilidades de contrair a infecção


(homossexuais, hemofílicos, viciados em drogas endovenosas), hoje o risco se estendeu e
ninguém está isento.

Como qualquer outra doença contagiosa, a AIDS não respeita idade, condição social, ou
raça. Tem, contudo - até agora - um sinal diferencial de outras afecções similares: o doente
é quase um condenado à morte.

Entretanto, há alguns elementos - poucos - alentadores. Nem todos os indivíduos expostos


aos vírus da AIDS chegam a desenvolver a afecção e a morrer. O fator individual, genético
imunológico, encerra, com toda a probabilidade, a chave da salvação.

Os próximos anos serão de febril atividade para os cientistas: será destacada a importância
daqueles que se dedicam ao estudo do sistema imunológico humano e sua aplicação
clínica.

Os vírus da AIDS, em um jogo de "pingue-pongue dialético", provocarão o soerguimento


das estruturas defensivas de todos os tipos: intelectuais, sanitárias, de anticorpos, de
vacinas, de medicamentos... No momento, a vantagem é da enfermidade.

1. Surgimento da AIDS e evolução


A AIDS surgiu pela A AIDS surgiu, pela primeira vez, na primavera européia de 1981, ainda
que dois anos antes se tenham detectado alguns sinais difusos, não identificados, nem
esclarecidos.

"Síndrome" é um conjunto de sinais e sintomas agrupados em torno de uma ou várias


causas comuns, neste caso os vírus específicos produtores dessa enfermidade.

" Deficiência imunológica", implica uma diminuição total ou parcial dos mecanismos de
defesa habituais contra as doenças infecciosas.

"Adquirida" significa algo contraído após o nascimento, em oposição a hereditário.

Desde as primeiras comunicações científicas feitas até o momento, o número de casos


aumentou em proporção geométrica. Só nos Estados Unidos, em julho-agosto de 1985, os
casos superavam amplamente os 13 mil. Mas o número de contaminados nos quais a
enfermidade não se desenvolveu por completo é superior a um milhão e meio de pessoas.
Note-se que são portadores da enfermidade, sem sintomas.

Na Europa, até a presente data, o índice de crescimento da AIDS é semelhante ao dos


Estados Unidos.

No Brasil, os primeiros casos foram detectados em 1982 e, com números seguros e


confirmados até 1985, havia em todo o território brasileiro 250 casos diagnosticados com
certeza: o número de mortes era de 118.

2. Quem pode contrair AIDS?

É muito importante assinalar que atualmente qualquer pessoa pode ser infectada pelos
vírus da AIDS. No entanto, há determinados grupos de pessoas que, por suas
características de vida, pelo uso de determinadas substâncias, ou por já sofrerem de
afecções específicas, estão mais expostos que outros. Conhecemos esses grupos como
grupos de risco.

3. Grupos de risco

1) Homens homossexuais ou bissexuais.


2) Toxicômanos que usam seringas já utilizadas e com partículas de sangue.
3) Pacientes hemofilicos de ambos os sexos que, por sua enfermidade, precisam receber
transfusões freqüentes.
4) Pacientes que receberam ou recebem transfusão com sangue contaminado.
5) Homens ou mulheres que tenham atividade sexual regular ou ocasional com portadores
de AIDS.
6) Lactentes de pais com AIDS.
7) Pessoas que, direta ou indiretamente, tenham tido relação sexual ou contato sangüíneo
(transfusão ou injeção) na África Central ou com pessoas provenientes dessas áreas.
8) Haitianos.

A cuidadosa observação dos grupos de risco detectados com maior precisão até o presente
sugere que a AIDS se transmite por:
a) Transfusão de sangue de uma pessoa contaminada a outra sadia.
b) Passagem do sangue de mãe contaminada, através de vias placentárias, ao filho no
útero.
c) Saliva. Embora a presença ativa dos vírus na saliva seja pouco expressiva, não se
conhece o mecanismo de ação patogênica, isto é, em tal condição, pode ou não ser capaz
de infectar.

O maior risco são as relações anais entre homossexuais. O sêmen contaminado, em


contato com o sangue da mucosa anal, e a presença de fezes, produz uma combinação
infalível para a infecção de AIDS.

O risco toma-se maior se o relacionamento sexual não for constante, isto é, se for
promíscuo, com vários parceiros.

A introdução direta de sangue contaminado dentro da corrente sangüínea, como no caso


das transfusões, produz uma infecção quase certa.

4. O agente virótico produtor, os anticorpos, os métodos de detecção

Em fins do ano de 1983, uma equipe de pesquisadores franceses do Instituto Pasteur,


dirigida pelos professores Montaigner, Barre-Sinoussi e Cherman, tomaram público o
isolamento de um vírus associado a afecções linfáticas e ganglionares: Linfo-Adeno- Vírus
(L.A. V.).

Já em 1984, outro importante grupo de pesquisadores, dirigido pelo Dr. Robert Gallo. do
laboratório celular do National Cancer Institute, em Bethesda, Maryland, Estados Unidos,
comunicam a "clonagem" do vírus responsável pela AIDS. "Clonar", em linguagem de
laboratório, é quase sinônimo de identificar, fazendo porém uma espécie de retrato
minucioso de sua íntima estrutura genética. A denominação técnica do vírus produtor da
AIDS é HTL V-III: Vírus Leucêmico de células T humanas, e o número III indica a série,
visto que dois já tinham sido pesquisados anteriormente.

A disputa entre franceses e norte-americanos continua até hoje. Graças a ela, foi possível
descobrir os mecanismos complexos e íntimos da ação do vírus, a que se deu o nome de
"retrovírus". Um retrovírus (e o HTLV-III o é) é um agente virótico capaz de penetrar na
chave genética das células, integrando-se à. sua própria estrutura. A parasitose é total.

Atualmente é possível detectar a presença do vírus no sangue de qualquer pessoa. O teste


de detecção, através de técnicas imunológicas de laboratório, começou a ser usado em
1983 e é conhecido com o nome de Western-Block.

O Instituto Pasteur desenvolve o método ELISA (Enzyme Linked lmmunoabsorbent Assay),


aprovado a partir de 1985 nos Estados Unidos, que consiste em descobrir os anticorpos
desenvolvidos como defesa diante da introdução do vírus no corpo de um indivíduo.

É importante assinalar que nem toda pessoa com teste de anticorpos positivo será passível
de desenvolver a AIDS.
Por falar em anticorpos, o fenômeno da AIDS leva os cientistas a refletirem sobre um certo
erro histórico cometido por eles. Algo como um excessivo otimismo, baseado nas
descobertas efetuadas a partir de fins do século XIX.

Desde Pasteur, tem sido contínuo o progresso em tomo dos agentes causadores de
infecções. O aparecimento dos desinfetantes, as normas de assepsia cirúrgica e o
surgimento do microscópio eletrônico permitiram consideráveis avanços. Apareceram
vacinas para agentes viróticos, produtores de verdadeiras calamidades.

O progresso foi aumentando, e a descoberta das sulfamidas e antibióticos fez pensar que a
batalha tinha sido ganha e, mesmo que a guerra não tivesse acabado, seus perigos
maiores estavam afastados.

Julgou-se que as enfermidades infecciosas fossem já um capítulo quase histórico na


história da medicina. Foi um erro.

O cuidado com os fatores individuais e com as condições meio-ambientais que permitem


que bactérias e vírus habitem o organismo, fazendo verdadeiros estragos, é tão importante
quanto o isolamento, pesquisa e destruição do próprio agente causal.

Os antibióticos mais potentes destroem os germes, embora por outro lado produzam
desequilíbrios "ecológicos" no sistema orgânico. Tudo isso permite a emergência de novas
enfermidades, exigindo não somente o aperfeiçoamento de armas de ataque ao agente,
mas também a pesquisa sobre "quem", "onde" e "quando" esses agentes atacam. A
pesquisa moderna no campo da imunologia está ciente disso.

5. O sistema defensivo

Com finalidade didática, diremos que quando um vírus entra no corpo de uma pessoa é
detectado por uma espécie particular de glóbulos brancos chamados" macrófagos", que
vivem normalmente no fígado e nos pulmões. Os macrófagos atuam como receptores e
informam a outros glóbulos brancos, denominados Linfócitos T, glóbulos brancos
superespecializados que, atuando como mensageiros intermediários, estimulam a produção
de Linfócitos B.

Esses linfócitos (glóbulos brancos) são altamente especializados na formação de anticorpos


contra o vírus. Esta é a principal linha de defesa orgânica. A presença de anticorpos
específicos contra o vírus da AIDS indica que existe infecção. Não enfermidade. Indica
também que o vírus entrou e estimulou defesas (anticorpos) contra ele. Se os anticorpos
são suficientes para conter e manter o vírus a distância, a pessoa infectada não desenvolve
a enfermidade. Mas pode suceder que as barreiras defensivas sejam diminuídas com a
introdução de outras infecções viróticas ou por diminuição das defesas devido a diversas
situações (subalimentação, estresse, depressão, cansaço excessivo, etc.). Em tais casos o
vírus da AIDS ocupa os Linfócitos T, bloqueando o desempenho de sua função de
mensageiros. O vírus parasita o Linfócito T e cresce e se desenvolve à custa deste. Os
Linfócitos B não podem ser ativados e o organismo fica à mercê não só do vírus HTL V-III,
mas também de outros vírus e germes chamados "oportunistas", porque se aproveitam da
queda total do sistema defensivo.
6. Como a enfermidade se apresenta?

Se foi bem compreendido o modo como atua o agente agressor, será possível entender que
esses vírus em geral se alojam nos gânglios do sistema linfático, que é onde habitam os
linfócitos especializados.

A permanência do vírus nos gânglios de uma pessoa infectada (ou enferma) pode ser muito
prolongada: meses ou anos, talvez cinco ou seis. Ignora-se o número exato de pessoas
infectadas e que exata porcentagem delas irá desenvolver ou não li enfermidade nos
próximos anos. Daí a importância de se detectar a infecção, a fim de evitar, pelo menos,
que a pessoa com o vírus em seu sistema defensivo linfático se converta em transmissora
da enfermidade.

Por isso, descreveram-se três maneiras de manifestação da AIDS:.


1) Assintomática;
2) Menor ou C.R.S. (Complexo Clínico Relacionado à AIDS);
3) Maior ou quadro grave de Deficiência Imunológica Adquirida.

1) A AIDS assintomática é um quadro muito incipiente da enfermidade virótica. A luta entre


o vírus e os linfócitos é silenciosa e pouco se manifesta na forma de sintomas.

Esta etapa é somente detectável através de provas de laboratório. Observa-se aqui uma
anemia persistente, diminuição de glóbulos brancos, aumento de substâncias do sistema
imunológico, como as gamaglobulinas.
Em muitos casos, encontram-se gânglios inflamados e pouquíssimos outros sintomas
transitórios e de pouca importância. Na grande maioria dos casos, a AIDS as sintomática
evolui de maneira favorável, e em outros, lamentavelmente, apresenta a seguinte evolução:

2) Fase de AIDS menor ou C.R.S. (Complexo Clínico Relacionado com a AIDS).

A enfermidade está declarada, embora em estado leve e moderado. Os sintomas não


chegam a ser específicos, mas existem:
- Fadiga intensa. Sensação de cansaço em esforços não muito fortes. Cansaço no fim do
dia. Diminuição progressiva no rendimento intelectual e muscular da pessoa.
- Sudoração excessiva, particularmente à noite.
- Febre prolongada, sem causa aparente, uma febre caprichosa que vai e vem.
- Infecções intestinais repetidas e prolongadas, com diarréias, perda de líquidos que
agravam o cansaço e causam febre.
- Infecções respiratórias freqüentes com dispnéia (sufocação).
- Perda de peso, às vezes 10 kg ou mais. - Aparecimento de gânglios nas axilas, na região
inguinal e no pescoço.
- Sintomas e sinais na pele: urticárias, herpes, manchas hemorrágicas, etc.
- Aumento do tempo de cicatrização das feridas.

3) A AIDS maior ou quadro grave de deficiência imunológica adquirida.

Deve-se observar que um grupo mínimo de pacientes infectados chega a este quadro grave
e que, além de tudo, para tal demoram alguns meses ou vários anos.
Os sintomas descritos na fase anterior (C.R.S.) se agravam e tomam-se mais intensos.
Agregam-se novos grupos de gânglios inflamados (linfoadenopatias) e várias infecções por
germes e fungos. O sistema defensivo foi superado e surgem tumores na pele e em outros
órgãos (sarcoma de Kaposi).

São extremamente freqüentes hemorragias internas e cutâneas, assim como crises


pulmonares com sensação de asfixia e tosse persistente.

O quadro neurológico e psicológico é grave, existindo lesões cerebrais com falta de


memória, depressões intensas, idéias de suicídio, etc.

7. Algumas drogas ativas usadas contra a AIDS

Os medicamentos produzidos pela biotecnologia nos últimos vinte anos foram


experimentados com diversos e variados resultados.

O H P A - 23, droga produzida originariamente na França, e que foi aplicada no ator Rock
Hudson. Este remédio impede a adaptação do vírus ao Linfócito T e impede a expansão da
enfermidade. Suspendendo-se a droga, o vírus se reativa e torna a atuar.

Há medicamentos que estimulam o sistema defensivo, como a Isoprinosina, o Azimexon, a


Cimetidina, a Indometacina.

O interferon é uma proteína natural, produzida pelo organismo, que impede a multiplicação
dos vírus, aumenta a produção de Linfócitos T e ajuda na ação das outras drogas. Existem
vários tipos de interferons agindo de forma inespecífica.

Têm sido utilizados hormônios do timo, inclusive transplantes deste órgão, e estimulantes
específicos dos Linfócitos T, como a interlenuína 2.

Centros especializados têm experimentado a plasmaférese, que consiste na eliminação do


plasma do sangue, reintroduzindo células novas no paciente. De igual modo, tenta-se o
transplante de medula óssea. Seus resultados ainda são incertos e em fase de
experimentação.

8. Medidas preventivas gerais contra a AIDS

É de suma importância consignar que as pessoas não correm nenhum risco de se infectar
com o vírus da AIDS através de contatos sociais comuns e/ou casuais. Pode-se
cumprimentar, dar a mão ou acariciar uma pessoa com AIDS, andar com ela em um
elevador ou em transporte público. O contágio não existe nestes casos.

O contágio somente se produz pela inoculação de líquidos corporais de uma pessoa


infectada em outra que não esteja contaminada. Assim sendo, o maior perigo reside na
introdução de sêmen no ânus (esta é uma cavidade em contato direto com a corrente
sangüínea) ou de material infectado (agulhas e seringas no sangue, como nas transfusões,
ou nas aplicações de drogas).
Por tudo isso, o contato sexual mais seguro é o "mais informado". Quanto mais informadas
estão as pessoas, quanto mais dialoguem ou troquem informações, tanto gerais como
particulares, tanto mais seguro será o contato sexual.

É preciso saber que o risco de contágio aumenta com a multiplicidade de parceiros


(promiscuidade), mas se reduz acentuadamente com o uso de preservativos tanto com
parceiros fixos quanto com ocasionais.

As relações anais ainda podem ser mantidas, se houver a precaução de usar preservativo.
Ninguém está livre de ter um pequeno corte na gengiva ou nos lábios ou de sofrer de uma
infecção simples e comum no tecido mole dentário (paradentose); por isso, ejacular na boca
de uma pessoa sã pode constituir risco de infecção, quando se desconhece o estado físico
do parceiro.

O uso de preservativos, ainda que não proteja 100%, é considerado um modo muito seguro
de se evitar a infecção, além de ser barato e bastante acessível. É sempre recomendável o
uso de preservativos novos e, se possível, guardados e protegidos da umidade e do calor.
Deve ser colocado quando o pênis está em ereção, desenrolando totalmente o
preservativo.

Terminado o ato sexual, ao retirar o pênis da vagina deve-se comprimir sua base, onde se
encontra o preservativo, evitando que este se solte e permaneça agarrado no conduto
vaginal. O preservativo deve ser imediatamente jogado fora. É bom evitar relações sexuais
com pessoas incluídas nos denominados "grupos de risco": homossexuais, bissexuais,
toxicômanos, hemofílicos. Quando isso não é possível, é preciso tomar medidas de
prevenção e usar preservativos. É importante também jamais utilizar agulhas ou seringas
usadas.

Não usar escovas de dentes ou outros objetos que possam implicar contato sangüíneo.

No caso de transfusão de sangue, deve-se exigir que sejam previamente efetuadas


análises imunológicas para a.detecção do vírus. Se isso não for possível, então que o
sangue seja de algum conhecido ou alguém do grupo familiar.

9. Conseqüências psicossociais

Parece um tanto paradoxal que em um livro dedicado à sexualidade feliz, seja abordado um
tema tão angustiante. Entretanto devemos ser realistas. A felicidade não é uma aspiração
utópica mas um compromisso com a possível realidade.

A sexualidade desta época precisa ser, indubitavelmente, exercida, mas de forma


responsável e levando-se em conta todos os fatores presentes.

Trata-se de pôr os conhecimentos científicos a serviço da saúde sexual do homem e da


mulher e não a serviço de interesses repressivos, que desestimulam a solidariedade e
agitam bandeiras medievais com ameaças de terrores apocalípticos. A racionalidade deve
predominar sempre.
No momento, a simples menção de alguém que possa ter AIDS torna-o um pária social.
Logicamente, é compreensível que os comportamentos sociais das pessoas se modifiquem
e, em quase todos os casos, é desejável que assim aconteça; contudo o desconhecimento
da ação do vírus e dos mecanismos de transmissão podem tomar sinônimos sexualidade e
morte. E isto não é assim, de maneira alguma.

É importantíssimo fazer um controle do sangue a ser doado, usar seringas e agulhas


descartáveis, promover campanhas de educação preventiva e atualizar controles
adequados em serviços de transfusão sangüínea. Daí, entretanto, a se negar a doar
sangue ou recebê-Io há uma grande distância.

Torna-se necessário instruir ou prevenir sem estardalhaços e acompanhar as campanhas


publicitárias de prevenção que, por indicação de organismos internacionais, são efetuadas
nos diversos países, com medidas de educação sexual encaradas de frente e sem
hipocrisias. Não basta simplesmente recomendar por televisão o uso de preservativos à
população, quando não se disse a essas pessoas uma palavra sequer sobre o exercício da
sexualidade, noções adequadas de convivência adulta e sem preconceitos com os fIlhos,
ou instruções sobre planificação familiar. . .

Por que prevenir a AIDS pela televisão e não promover erotismo, sexualidade responsável
e sadia, além de informações psicofisiológicas e sexuais?

Parece contra-senso falar, sugerir e publicar maciçamente comportamentos sexuais para


evitar graves transtornos, quando não se fala abertamente da sexualidade cotidiana ou se
sustentam preconceitos absurdos e sem fundamento.

Como aconselhar o uso de preservativos nas relações sexuais, se a AIDS é uma


conseqüência da promiscuidade? Isso não seria o mesmo que admitir a existência de
relações sexuais pré-matrimoniais e extraconjugais? Será que para nos prevenirmos contra
esta epidemia não teremos antes que derrubar tabus e a hipócrita duplicidade moral,
sustentados à custa da ignorância?

Enquanto prosseguirem as campanhas maciças contra a AIDS, e os meios de informação


pública só publicarem estatísticas alarmantes e declarações de conceituadas
personalidades científicas, estaremos impondo uma mensagem unilateral: o sexo mata.
Todos nós sabemos a quem estas mensagens beneficiam.
GLOSSÁRIO

ABSTINÊNCIA SEXUAL: Inatividade coital, habitualmente voluntária e prolongada. A


inatividade refere-se apenas ao coito com penetração vaginal, porque a abstinência
absoluta é impossível. Há sempre atividade erótica imaginada, sonhos, vivências ou
pensamentos desejados ou não.

AFRODISÍACO: Nome que se dá às substâncias contidas em medicamentos, ervas ou


qualquer outro elemento sólido ou líquido, suscetível de ser inalado ou ingerido, com o
efeito de estimular a capacidade de excitação erótica. Em geral, os pretensos afrodisíacos
provocam irritação ou dano intenso na mucosa dos órgãos em que atuam. A existência de
afrodisíacos sempre esteve cercada de mitos (ver).

ANEDONIA EJACULATÓRIA: Ausência de prazer (ver) ao ejacular. Ou seja, ausência do


componente psicofísico do orgasmo (ver), estando presente a emissão ou ejaculação (ver).
Distúrbio pouco freqüente, mas compatível com depressão psíquica ou seqüelas de um
estresse (ver) de qualquer origem.

ANGÚSTIA: Sinônimo de ansiedade (ver).

ANORGASMIA: Ausência da culminação psicofisiológica chamada orgasmo (ver). Pouco


freqüente nos homens, mas presente em boa parcela da população feminina. Pode ser total
ou parcial; neste último caso, é de prognóstico muito mais favorável; costuma ser
denominada pré-orgásmica, porque estão presentes a afetividade, a sensibilidade e a
excitação características, mas falta a culminação orgástica de prazer (ver).
Inadequadamente designada como frigidez.

ANSIEDADE: Sinônimo de angústia. Sensação desagradável de inquietude e opressão. É


uma das causas mais freqüentes de disfunção sexual, tanto no homem como na mulher.

ANSIOLÍTICO: Tudo aquilo que desfaz ou elimina a ansiedade. Pode ser um medicamento,
ou qualquer outro procedimento: uma palavra, uma ação determinada.

ANTIDEPRESSIVOS: Medicamentos da família dos psicofármacos (ver), utilizados


isoladamente ou associados a sedativos ou ansiolíticos (ver) para o tratamento da
depressão.
Sua aplicação, efetuada por médicos especializados em sua administração, foi responsável
por uma acentuada melhoria no prognóstico de algumas afecções mentais e em vários
distúrbios psicossomáticos. Usados de maneira prolongada, podem causar disfunções
sexuais.

ANTI-HIPERTENSIVOS: Medicamentos usados no tratamento da hipertensão arterial. Sua


utilização representou um notável progresso no tratamento e no prognóstico de algumas
enfermidades cardiovasculares. Esses medicamentos devem ser usados com cautela e ser
controlados e administrados por médicos clínicos ou cardiologistas. Seu uso prolongado
pode provocar disfunção sexual.
ANTROPOLOGIA: (do grego ánthropo: homem, e lógos: discurso, conhecimento). Ciência
que trata do homem. Tradicionalmente, ocupa-se de estudar o lugar, o habitat dos
diferentes povos e culturas, seus costumes, ritos, mitos (ver) e legislações. A transmissão
histórica dos conhecimentos humanos, a linguagem e seus códigos, seus tabus (ver) e
religiões, bem como a comparação dos comportamentos sexuais nos diferentes povos
através da história, também são estudados pelo antropólogo.

ARTERIOGRAFIA: Radiografia das artérias, logo após a introdução nelas de um meio de


contraste opaco. Utiliza-se a arteriografia pélvica e peniana para estudar as possíveis
obstruções à passagem do fluxo arterial que impeça a função erétil.

ARTERIOSCLEROSE: Enfermidade vascular crônica, caracterizada pelo endurecimento


das artérias e, portanto, por sua ausência de elasticidade. Afeta todo o organismo, mas o
interesse da sua localização ao nível pélvico e genital deve-se ao fato de ser uma das
causas orgânicas de disfunção sexual.

ATO SEXUAL: Sinônimo de coito (ver).

AUTO-ESTIMA: Determinada valoração que o indivíduo concede a si mesmo. É um tipo de


pensamento complexo, que depende das valorações que dele fazem desde pequeno os
pais e os avós e dos resultados de seu contato experimental ao longo da vida.

BALANITE: Inflamação da glande ou cabeça do pênis.


Pode ser causada por falta de higiene local, por infecção venérea ou por diabetes. Costuma
estar acompanhada de inflamação no prepúcio: balanopostite.

BALANOPOSTITE: Inflamação da glande e do prepúcio.

BISSEXUALIDADE: Condição que têm todos os seres vivos sexuados de possuir, em


proporção muito variável, características tanto anatômicas como fisiológicas, psicológicas e
comportamentais, do sexo diverso do que lhes corresponde geneticamente. Todos os
varões têm uma pequena porcentagem de feminilidade, inclusive hormonal. O mesmo
acontece com as mulheres, que apresentam uma porcentagem de condições orgânicas e
psicológicas do sexo oposto.
Não confundir com hermafroditismo (ver).

BY-PASS (PONTE): Expressão inglesa que significa desvio, derivação, e é o nome


genérico que se dá à operação arterial para evitar uma obstrução, colocando-se um pedaço
de artéria sintética para restabelecer a circulação sangüínea.
C

CARDIOLOGISTA: Médico especializado em distúrbios do coração, artérias e veias.

CASAL: Há casais legalizados, como os unidos pelos vínculos do matrimônio, e casais


não-legais, mas que respeitam as leis e os adequados costumes de convivência, como
ocorre com aqueles homens e mulheres impossibilitados de se unir matrimonialmente por
residirem num país que não reconhece o divórcio; e há também casais de circunstância,
como as uniões de viagem ou veraneio.

CASTRAÇÃO: Sob o ponto de vista psicológico, designa-se por este termo um complexo
totalmente imaginário, sem existência real-concreta, mediante o qual o menino varão teme
perder seus genitais, porque vê uma menina (que pode ser sua irmãzinha, uma amiguinha
ou, em última análise, qualquer mulher ou fêmea) a quem falta um pênis, enquanto ele, é
claro, o possui.
Na menina, acontece um processo similar. Ao ver uma criança do sexo masculino, ela
acredita que perdeu o pênis e deseja que o reponham. A castração constitui-se assim no
símbolo (ver) de toda perda.

CAVERNOSOGRAFIA: Radiografia dos corpos cavernosos (ver) efetuada após a


introdução de substância opaca, por meio de uma agulha na base do pênis.

CAVERNOSOS, CORPOS: Constituem dois componentes (um de cada lado) da estrutura


do pênis. Trata-se de mecanismos eréteis por excelência. É um tecido esponjoso que, ao
encher-se de sangue, tende a ficar rígido.

CIO, PERÍODO DE: Desejo sexual ou reprodutivo nos animais. Refere-se a urna época ou
período, em geral na primavera, no qual as diferentes espécies se acasalam. Dependendo
da duração da prenhez, as crias nascem em bom clima: final da primavera ou pleno verão.

CIRCUNCISÃO: (do latim circum: em tomo e caedere: cortar).


Ato de extirpação total ou parcial do prepúcio, prega dupla da pele que, normalmente,
recobre a glande ou cabeça do pênis. Prática cirúrgica necessária quando existe fimose
(ver) ou parafimose (ver).
Foi ritualmente praticado entre os antigos egípcios, com quem a teriam aprendido os judeus
e outros povos semíticos. Corno prática simbólica, os judeus a efetuam no sétimo dia após
o nascimento do varão, e implica um pacto entre Deus e seu Povo.

CIRURGIÃO VASCULAR: Médico especializado em intervenções cirúrgicas nos "grandes"


(aorta, ilíacas) ou "pequenos vasos" (ramificações das branquiais ou ilíacas). Os cirurgiões
vasculares devem intervir quando, num problema erétil, se chegou à conclusão diagnóstica
de que é de origem vascular obstrutiva. Incumbe-Ihes realizar as operações denominadas
by-pass (ver).

CISTITE: Inflamação aguda ou crônica da bexiga urinária. Os sintomas habituais são


ardência ou dor ao urinar, desejos freqüentes de urinar e, em certas ocasiões, emissão de
sangue ou pus pela urina. Exige investigação especializada e tratamento adequado.
CLÍNICO GERAL: Ao longo desta obra, referimo-nos ao clínico geral como sendo o médico
que se ocupa de uma forma ampla de todo o estado geral do paciente. Extremamente
valorizado - ou melhor, revalorizado - nos últimos tempos, em que o auge da tecnologia
impede urna abordagem demorada, minuciosa e pessoal do paciente.

CLITÓRIS: Órgão do aparelho genital feminino, pequeno, localizado na parte superior e


imediatamente acima da entrada do conduto vaginal. Apresenta em sua estrutura a mesma
composição que os corpos cavernosos (ver) penianos. Está recoberto por um pequeno
capuz e é o principal órgão erótico feminino.

COITO: Ato psicobiológico mediante o qual o homem, introduzindo o pênis na vagina de


sua companheira, pode, após um espaço de tempo variável, ejacular (ver) dentro dela e
desse modo depositar o sêmen no fundo da vagina (ver).
Nas espécies superiores, corno o homem, o coito não apenas se realiza com finalidades
reprodutivas mas também para alcançar o prazer (ver). Por extensão, pode-se chamar de
coito o ato do jogo amoroso, sem necessidade de penetração e/ou ejaculação. O coito
recebe numerosas denominações, vulgares ou não. As mais comuns são ato sexual (ver)
ou "fazer amor", denominação genérica utilizada com grande freqüência.

CÓLON: Segunda porção do intestino grosso. Para a sexologia (ver), oferece interesse a
sua última parte, o chamado cólon descendente ou ileopélvico, com a última porção, o
cólon sigmóide. Algumas intervenções cirúrgicas praticadas nessa porção do cólon podem
lesar os nervos destinados à ereção (ver) e causar urna disfunção sexual erétil.

CONDUTO VAGINAL: Ver vagina.

COXAL: Osso da bacia. É também denominado osso iliaco. Sendo dois, os ossos coxais
unem-se na parte anterior, chamada sínfise ou união púbica (ver), por meio de um forte
ligamento. No homem, por baixo da região púbica, passam a uretra e o pênis (ver), e na
mulher a vagina.

CRISE: É um momento de comoção e transformação que pode ser favorável ou


desfavorável. Em relação à vida humana adulta, é um momento decisivo, caracterizado por
dor psíquica, revisão profunda dos objetivos e valores, e que causa perturbações não
somente ao indivíduo afetado, mas também aos que o rodeiam.

CULPA: Sentimento que se expressa como a necessidade de castigo, ou por haver


transgredido alguma norma instituída por uma autoridade significativa ou apenas por tentar
transgredi-Ia. Em geral, a Autoridade máxima é o Pai ou seus representantes: professores,
a lei, Deus, etc.

D
DEPRESSÃO: Distúrbio da afetividade, caracterizado por tristeza, cansaço e abatimento
geral. Pode ser acompanhada de ansiedade (ver). É uma das causas mais freqüentes de
disfunção sexual (ver).
DESEJO (SEXUAL): É um impulso, semelhante a uma necessidade imperiosa, que põe em
ação processos mentais complexos de nível consciente e, em proporção muito maior,
inconsciente. Os desejos sexuais têm uma raiz ou fonte biológica, uma meta ou finalidade
que é a satisfação, e um objeto que é o lugar ou o fragmento de pessoa ou corpo por meio
do qual o desejo se realiza ou se satisfaz.
O desejo humano aspira apenas a libertar-se de uma tensão interior que, ao procurar
alcançar essa libertação, chega ao gozo ou prazer (ver).

DESSENSIBILIZAÇÃO SISTEMÁTICA: Método de tratamento progressivo, utilizado


freqüentemente em sexologia clínica (ver) com o propósito de ir identificando o(s)
estímulo(s) erótico(s) adequado(s) a cada indivíduo ou casal, de maneira fracionada, lenta e
progressiva. É usado sobretudo no tratamento da ejaculação precoce (ver).

DETUMESCÊNCIA: Processo fisiológico oposto à tumescência (ver). Significa retrocesso


de uma congestão sangüínea. O termo aplica-se ao fenômeno de esvaziamento dos corpos
cavernosos (ver) do pênis, simultâneo ou imediatamente posterior ao orgasmo. Em geral a
detumescência se produz após o orgasmo (ver), mas não necessariamente, porquanto
pode ocorrer esvaziamento sangüíneo após as ereções (ver) reflexas em qualquer
momento do dia ou da noite, com ou sem motivação erótica.

DIABETES: Distúrbio do metabolismo dos açúcares (glicose) e das gorduras. É produzido


por um déficit da insulina segregada pelo pâncreas. Pode provocar distúrbios na ereção.

DIABETÓLOGO: Médico clínico especializado em diabetes e, geralmente, em nutrição.

DIÁLISE RENAL: Método efetuado por meio de um aparelho complexo, cuja função é
depurar o sangue de indivíduos que sofrem de nefrite renal crônica (ver). Faz as vezes de
um rim e por isso é também denominada "rim artificial"; também se lhe dá o nome de
hemodiálise.

DISFUNÇÃO CIRCUNSTANCIAL: Distúrbio da função sexual que se verifica em relação a


uma ou várias particularidades que cercam o ato. Pode ser uma circunstância de lugar, de
pessoa ou de características sensoriais, depois de determinada ação, etc.

DISFUNÇÃO SEXUAL: Alteração do funcionamento sexual. Designam-se também com


esse nome algumas afecções cujos sintomas denunciam uma alteração ou mau
funcionamento da psiconeurofisiologia sexual: distúrbios na ereção, na ejaculação, no
desejo e no orgasmo.

DISFUNÇÃO SEXUAL PRIMÁRIA: Distúrbio sexual que sempre foi assim e nunca
apresentou melhoria.

DISFUNÇÃO SEXUAL SECUNDÁRIA: Distúrbio sexual que se manifesta depois de um


certo tempo de exercío da função, sem inconvenientes.

DOPPLER, EFEITO: Transmissão da onda cardíaca que percute sobre as paredes das
artérias e é registrada por um aparelho especial de ultra-sons. É utilizado, entre outras
coisas, para medir a pressão arterial do pênis (ver).
E

EIXO HIPOTÁLAMO-HIPOFISÁRIO-TESTICULAR: também denominado, de forma


abreviada, "eixo hipófiso-gonadal". É uma linha funcional que expressa a íntima vinculação
recíproca entre as glândulas de secreção interna e o "cérebro vegetativo" ou hipotálamo
(ver).

EJACULAÇÃO: Processo mediante o qual se esvaziam de sêmen as vesículas seminais.


Efetua-se através de contrações espasmódicas rápidas, emitindo líquidos do interior dos
testículos para o exterior. A ejaculação pode produzir-se meio de masturbação (ver), de
relação sexual (ver) ou por polução noturna (ver).

EJACULAÇÃO ACELERADA: É um distúrbio da ejaculação por falta de controle, mas que


se dá dentro da vagina, ao contrário da ejaculação precoce (ver), que é extravaginal. A
ejaculação acelerada é de tratamento mais fácil do que a ejaculação precoce.

EJACULAÇÃO PRECOCÍSSIMA: Ejaculação que se produz instantaneamente; às vezes,


simplesmente ao tocar numa mulher.

EJACULAÇÃO PRECOCE: Distúrbio disfuncional, caracterizado pela incapacidade de


controlar o processo ejaculatório, de modo que este se produz antes da penetração vaginal.

EJACULAÇÃO RÁPIDA: Sinônimo de ejaculação precoce.

EJACULAÇÃO RETARDADA: Distúrbio disfuncional caracterizado pela impossibilidade de


ejacular, a despeito de os estímulos serem adequados. Em geral, essa dificuldade se
produz dentro da vagina e não com autocarícias.

EJACULAÇÃO RETRÓGRADA: Também chamada de "ejaculação seca". Em virtude de


um problema no fechamento do esfíncter que comunica a bexiga com a uretra e as
vesículas seminais (ver), produz-se a emissão da ejaculação na bexiga e não no exterior.
Convém frisar que na ejaculação retrógrada o orgasmo (ver) não é afetado. O único
inconveniente é o não aparecimento do sêmen, e portanto a impossibilidade de fecundar. É
comum o distúrbio produzir-se após certas intervenções cirúrgicas na pelve baixa e/ou
grandes cirurgias da próstata (ver).

EMISSÃO: Termo freqüentemente empregado como sinônimo de ejaculação (ver). A rigor,


convém distinguir entre emissão seminal, correspondente à expulsão de esperma, e
emissão noturna como sinônimo de polução (ver).

EPIDÍDIMO: Pequeno órgão situado na parte superior do testículo, formado pela reunião de
pequenos cilindros, canais que transportam os espermatozóides desde o testículo até as
vesículas seminais e destas à uretra. Pode inflamar-se (epididimite) (ver).

EPIDIDIMITE: Inflamação do epidídimo (ver).

EREÇÃO: Processo pelo qual o pênis se eleva e fica rígido, duro, apto para a penetração
vaginal (ver). A ereção é um reflexo (ver) e, internamente, consiste em os corpos
cavernosos (ver) se encherem de sangue. o estado oposto é a flacidez (ver).
EREÇÃO MATINAL OU MATUTINA: Ereção que o homem constata certas manhãs ao
despertar. Crê-se erroneamente que é de origem mecânica, devida ao acúmulo de urina na
bexiga. Na realidade, é produzida por mecanismos .cerebrais. "Ereção matinal" é um
sinônimo perfeito de "ereção noturna" (ver).

EREÇÃO NOTURNA: Ereção que se produz quando o homem está dormindo. Produz-se
por ação cerebral cujo movimento nervoso é cíclico, com períodos de sono com imagens
(períodos REM) e períodos de sono sem imagens (não-REM). A ereção noturna é atribuída
aos períodos E.EM cerebrais.

ERETO: Diz-se do pênis que alcança um certo grau de ereção.

EROTISMO: Disposição e gozo na união afetivo-sensual com outra pessoa. Contudo, o


erotismo é também a capacidade de gozo em geral, com referência a si mesmo (auto-
erotismo) e ligada: a elementos não-humanos (a natureza, os ideais, as fantasias, etc.). A
excitação erótica é essencial para a união sexual do casal humano. A maior parte dos
distúrbios da sexualidade é provocada por perturbações eróticas, seja por carência total ou
por diminuição progressiva.
O erotismo - nos casos de disfuncionalidade - é substituído pelo controle consciente, pela
ansiedade (ver) expectante ou pela indiferença afetiva.

ESCLEROSE MÚLTIPLA ou EM PLACAS: Enfermidade progressiva do sistema nervoso


central (ver). Caracteriza-se por apresentar "placas" disseminadas no cérebro, bulbo e
medula espinhal. Pode afetar os centros da ejaculação e a ereção, produzindo uma
disfunção sexual de origem orgânica. Costuma exigir a colocação de uma prótese (ver).

ESPECTADOR; PAPEL DE: Colocação psicológica especial em que se situa o indivíduo


preocupado com seu funcionamento sexual, quando vai realizar o ato sexual.
Com esse papel "de espectador", o homem contempla de "fora" a atividade que, nesse
momento, é desenvolvida por ele mesmo e por sua companheira. Isso provoca uma falta de
espontaneidade e de sensibilidade afetiva, agravando ainda mais o problema disfuncional.

ESTERILIDADE: Incapacidade de conceber ou fecundar. Em ginecologia, distingue-se


esterilidade de infertilidade, isto é, quando a mulher pode conceber mas não conservar e
levar a bom termo a gravidez.

ESTRESSE: Significa aproximadamente "tensão". Caracteriza-se por ser uma reação


psicobiológica complexa, composta por um primeiro momento de alarma frente a um
estímulo forte ou traumático, um segundo momento de adaptação, no qual o estímulo
transmitido é neutralizado, pelo menos temporariamente, por parte das defesas do
organismo, e, se o dano aumenta e as defesas não se refazem, produz-se uma fase final de
esgotamento, na qual se perde a capacidade de luta do organismo.

EXCITAÇÃO, FASE DE: Ver desejo.


F

FANTASIAS: Imaginação ou vivência imaginativa que ocupa um lugar de destaque na


psicologia de cada indivíduo. A presença de fantasias constitui parte indiscutível de toda e
qualquer atividade sexual, seja como prelúdio e componente da relação sexual (ver), seja
como atividade exclusiva, sem terminar no ato em si.

FERTILIDADE: Literalmente, capacidade de produzir frutos. Em ginecologia, usa-se


"fecundidade" como sinônimo de fertilidade, a capacidade de ser fecundado e de chegar a
produzir frutos maduros.

FIMOSE: O prepúcio, que é uma dobra da pele do pênis que normalmente cobre a glande,
estica-se ou corre para trás, pondo-a a descoberto. Quando há uma fimose, esse
deslizamento não se pode efetuar com comodidade, seja de forma total ou parcial por ter
abertura muito estreita, ou por ser excessivamente curto. Esse quadro pode provocar
moléstias nos bebês e dificultar o ato sexual nos adultos. Uma das possibilidades é a
produção de parafunose (ver). A fimose e a parafunose são eliminadas cirurgicamente,
praticando-se a circuncisão (ver).

FLACIDEZ: Estado de um órgão que perdeu sua consistência e tonicidade, tomando-se


frouxo. Em relação ao pênis (ver), é o estado oposto a rigidez.

GENITAIS: De maneira genérica, o aparelho destinado à função reprodutora. No homem,


os componentes anatomofuncionais mais importantes são o pênis e os testículos. O ato
genital é, stricto sensu, a introdução do pênis na vagina, se bem que apenas isto não
constitua a sexualidade.

GINECOLOGISTA: Médico especializado nos distúrbios dos genitais (ver) femininos. Pode
ser um cirurgião, especializado ou não em sexologia; indiscutivelmente, é um dos
especialistas mais consultados pelas mulheres para resolver seus distúrbios sexuais ou
eróticos.

GLANDE: Extremidade do pênis, também denominada cabeça peniana.

GLÂNDULA PROSTÁTlCA: Ver próstata.

GLÂNDULA TIREÓIDE: Glândula situada na região anterior do pescoço. Derrama sua


produção de honnônio (ver) no sangue, atuando basicamente sobre o metabolismo,
ativando-o, sobre o crescimento em geral e o sistema nervoso central (ver). Tem influência
sobre a vida sexual, adquirindo importância em áreas onde há carência de iodo, por
exemplo nas regiôes montanhosas. Sua exploração especializada realiza-se através de
metabolismos basais, determinações radiativas, tomografias computadorizadas e dosagens
de iodo e hormônios no sangue.
GONADOTROFINAS: Hormônios produzidos pela hipófise (ver) e que se destinam a
estimular os ovários na mulher e os testículos no homem. Uma gonadotrofina é chamada
de FSH e, no homem, estimulando os tubos seminíferos do testículo, é a responsável pela
produção de espermatozóides.
Outra gonadotrofma, denominada LH, tem por função estimular no testículo as células de
Leydig, responsáveis pela secreção de testosterona (ver). A terceira gonadotrofina é o
hormônio denominado prolactina.

HERMAFRODITlSMO: Significa, literalmente, a coexistência num mesmo indivíduo de


órgãos reprodutores masculinos e femininos. É muito rara a sua presença no ser humano,
razão pela qual, nos livros especializados, se enfatiza tratar-se de hermafroditismo
verdadeiro". O que se encontra algumas vezes na clínica endocrinológica é o
pseudohermafroditismo (ver) ou falso hermafroditismo. O paciente possui geneticamente
um sexo bem defmido, mas com defeitos anatômicos visíveis, onde há mistura de órgãos
de ambos os sexos. Não se deve confundir hermafroditismo com bis sexualidade (ver),
normal em todos os indivíduos.

HETEROSSEXUAL, RELAÇÂO: Coito (ver) com uma pessoa do sexo oposto. É o oposto
de relação homossexual (ver).

HIPERTIREOIDISMO: Aumento da concentração de hormônio tireóideo. Da mesma forma


que o hipotireoidismo (ver), pode causar disfunção sexual.

HIPOTIREOIDISMO: Diminuição da concentração de hormônio tireóideo. Um de seus


sintomas pode ser uma disfunção sexual.

HIPÓFISE: Pequena glândula situada na base do crânio, centro principal da fisiologia


neuroormonal. Funciona em conjunto com o hipotálamo (ver) e as demais glândulas do
organismo. A hipófise segrega gonadotropinas que se destinam a estimular os testículos e
os ovários; e elas, por sua vez, são reguladas por estes.

HIPOSPADIA: Abertura da uretra, canal excretor da urina, na face anterior do pênis, em


vez de na glande. Trata-se de uma malformação congênita que ocorre com alguma
freqüência e pode ser corrigida cirurgicamente.

HIPOTÁLAMO: Parte da base cerebral onde se alojam numerosos centros ou


agrupamentos de células, constituindo um "pequeno cérebro" em si mesmo, o qual governa
quase todas as funções neurovegetativas, em estreita relação com o sistema límbico (ver) e
a hipófise (ver). O hipotálamo tem fundamental importância na regulação de todas as
funções sexuais, tanto no que se refere à estimulação, quanto na periodicidade cíclica,
especialmente nas mulheres (menstruação).

HISTERECTOMIA: Ato cirúrgico de extração do útero. Pode ser total ou parcial.


HOMOSSEXUAL, RELAÇÃO: União entre indivíduos do mesmo sexo. Opõe-se a relação
heterossexual (ver).

HORMÔNIOS: Substâncias químicas segregadas pelas glândulas de secreção interna e


lançadas no sangue. Têm ação lenta, se comparadas com a ação desenvolvida pelo
sistema nervoso central (ver). Atuam estimulando os órgãos ou os tecidos, ou entram em
interação com outros hormônios e glândulas.

IDENTIDADE: Fenômeno psicológico complexo, por meio do qual o sujeito humano


reconhece a si mesmo – sabe quem é - e é reconhecido pelos outros - os outros sabem
quem ele é. Desenvolve-se ao longo dos primeiros anos da vida por meio de identificações:
a criança procura identificar-se, parecer-se, em alguns de seus atributos, com os pais e/ou
qualquer pessoa significativa e importante em sua vida: irmãos, professores, companheiros,
parentes mais velhos, etc.
Embora as matrizes biológicas da identidade sejam herdadas - bipedestação, capacidade
de comunicar-se por meio da linguagem oral, etc. -, não há dúvida de que a identidade é,
essencialmente, um fenômeno psicossocial. O ambiente, a cultura em que a criança é
criada, proporciona os elementos básicos, a "matéria-prima" capaz de construir o edifício da
identidade pessoal, fazê-Io perdurar e ser constante, até a vida adulta.

INSULINA: Hormônio segregado pelo pâncreas, cuja falta produz o diabetes (ver). Sua
presença é vital para o metabolismo dos açúcares e das gorduras. Pode ser injetada por via
subcutânea ou intramuscular.

INTERMEDIÁRIOS NEUROQUÍMICOS: Substâncias como a acetilcolina ou a adrenalina


constituem mediadores químicos capazes de conduzir, ativar ou frear a atividade nervosa.
Têm um papel importantíssimo no controle dos estados anímicos e, provavelmente, na
função sexual.

INTROVERSÃO: Tendência a isolar-se do mundo exterior. Há predominância do mundo


interior. O indivíduo costuma estar preocupado com seu corpo e com o funcionamento de
seus órgãos. Tem a tendência de falar pouco. É o oposto de extroversão.

IRA: Sinônimo de raiva (ver) ou inquietação afetiva intensa. Juntamente com a raiva, é uma
das causas psicológicas mais freqüentes de disfunção sexual, tanto nos homens como nas
mulheres.

K
KINSEY, RELATÓRIO: Nome pelo qual se conhecem os estudos realizados e publicados
por Alfred Ch. Kinsey (1894-1956) e colaboradores da Universidade de Indiana, Estados
Unidos, em 1948 e 1953.
Esses relatórios derrubaram cientificamente, pela primeira vez, muitos mitos (ver) sexuais.
Demonstrou-se que o que se qualificava como "perversão", e que se supunha praticado por
uma reduzida porcentagem da população, não era realmente assim. Esses estudos
representaram uma verdadeira revolução no conhecimento científico da sexualidade e
continuam sendo de consulta indispensável para os estudiosos.

LEIGO: Termo que nesta obra é empregado na acepção de alguém que desconhece
alguma coisa.

LÍMBICO, SISTEMA: Organização de neurônios, fibrilas nervosas e intermediários


químicos (ver) situados na intimidade do cérebro, muito próximo da hipófise (ver) e do
hipotálamo (ver). Esse sistema é considerado o "coração" das emoções. É ele que governa,
de forma automática e involuntária, todas as funções digestivas, de secreção, do
metabolismo hídrico, de pressão arterial e venosa, bem como a ira, o ódio, a agressividade
em geral.
Existem centros límbicos que, excitados experimentalmente, provocam desejo (ver) sexual
e diferentes reações vinculadas ao erotismo.

LUBRIFICAÇÃO VAGINAL: Na primeira fase da resposta sexual feminina, quando se


produz a excitação, aparece um líquido transparente característico, segregado pelas
paredes vaginais e cuja função é facilitar a penetração. É o indício equivalente à ereção
(ver) masculina.

LUTEÍNICOS: Designam-se com este nome os hormônios tais como a progesterona,


produzidos no ovário depois do fenômeno da ovulação. Favorece a nidação ou implantação
do óvulo fecundado pelo espermatozóide, e é o antecedente hormonal mais importante até
a formação da placenta, que se incumbirá de nutrir o feto durante quase nove meses
completos.

MASTECTOMIA: Ato cirúrgico de extração de uma ou ambas as glândulas mamárias. Pode


ser total ou parcial.

MASTURBAÇÃO: Consiste em estimular com a mão a zona genital - própria ou do parceiro


- com ou sem orgasmo (ver). Em tomo da masturbação desenvolveram-se numerosos mitos
(ver), sem qualquer comprovação científica. A condenação da atividade masturbatória, sua
reprovação ou castigo contribuíram ainda mais para o desenvolvimento desses mitos e para
perpetuar na mente humana a ignorância relativa ao campo sexual. Se passássemos a
chamá-Ia de auto-erotismo, poríamos termo a alguns dos problemas criados por esses
preconceitos.
MÉDICO: Pessoa com diploma outorgado por uma Faculdade de Medicina e que está,
portanto, habilitada ao exercício da atividade médica. Pode ser um clínico geral (ver) ou um
especialista em urologia (ver), ginecologia (ver), psiquiatria (ver) ou psicanálise (ver).
Qualquer um desses especialistas pode, após estudos especializados, dedicar-se à
sexologia clínica (ver).

MEDULA ESPINHAL: Parte integrante do sistema nervoso central (ver), cuja importância
reside, entre outras coisas, em ser a sede dos centros reflexos da ejaculação (ver) e da
ereção (ver).

MENOPAUSA MASCULINA: A menopausa é, na mulher, a fase caracterizada pela


ausência definitiva de menstruação. A utilização desse termo aplicado ao homem carece de
sentido. O homem não tem menopausa ou climatério, e além disso a diminuição hormonal
de testosterona (ver) está cercada de mitos (ver).
A atividade sexual do homem pode prolongar-se até depois de completados os 70 anos de
idade. Na realidade, costuma-se dar o nome de "menopausa ou climatério masculino"
a um período de crise (ver) que se inicia aos 40 anos (crise da meia-idade), de profunda
origem psicológica, durante o qual o homem acredita ter chegado a época do
envelhecimento e do declínio; depressão e sentimentos de fracasso costumam estar
presentes.

MESETA, FASE DE: Expressão utilizada, a partir das investigações de W. Masters e V.


Johnson, para denominar a segunda fase da relação sexual, posterior à de desejo (ver) e
anterior ao orgasmo (ver). A excitação, apesar de estar em ascensão, se mantém. É a fase
característica do jogo erótico e está ausente nos casos de ejaculação precoce.

MITO: Relato do gênero lenda, tradicional, criado anonimamente no seio do povo e,


portanto, expressão do seu sentimento coletivo.
É uma narração construída e transmitida através de gerações.
Nesta obra, utilizamos a expressão mito para nos referirmos às falsidades existentes em
relação ao sexual. Nesse sentido, o pensamento mítico opõe-se ao pensamento científico.

MONITOR DE TUMESCÊNCIA PENIANA NOTURNA: Aparelho destinado a comprovar e


medir a capacidade erétil (ver) noturna do pênis. É utilizado no diagnóstico diferencial entre
disfunção orgânica e disfunção sexual de origem psicológica. É necessário fazer o registro
duas noites seguidas, num consultório particular ou num hospital. O aparelho é semelhante
a um eletrocardiógrafo. Dois cabos muito finos são ligados em tomo do pênis, um na base e
outro na glande; são eles que transmitem a informação do aumento peniano a uma fita,
sobre a qual uma agulha vai inscrevendo, em duas linhas paralelas, a constância das
ereções verificadas. Utiliza-se acoplado a outro pequeno aparelho denominado rigidômetro
(ver).

MULTIORGÁSMICA: Assim se denomina a capacidade das mulheres de alcançarem vários


orgasmos num espaço de tempo relativamente curto de um mesmo coito. Isso se deve ao
fato de que a resposta sexual feminina não possui período refratário (ver), ao contrário do
homem.
N
NEURITE CRÔNICA: Inflamação crônica difusa de ambos os rins, que conduz à
insuficiência renal progressiva. Até duas décadas atrás, o seu prognóstico era fatal. A
introdução da diálise renal (ver) e os transplantes de órgãos modificaram completamente o
prognóstico de vida dos pacientes.

NEUROTRANSMISSORES: Substâncias químicas indispensáveis à condução do impulso


nervoso. São encontradas em grau apreciável no sistema nervoso central, mas
demonstrou-se a sua presença em qualquer órgão onde existam terminações nervosas.
Neurotransmissores típicos são a adrenalina e a acetilcolina.

NINFOMANIA: Nome que se dá a uma espécie de neurose sexual feminina, caracterizada


por um desejo (ver) insaciável e incontrolável. O mito (ver) popular costuma chamá-Ia
incorretamente de "febre uterina".
É fácil entender que os quadros ninfomaníacos pertencem muito mais à mitologia do que à
realidade médica. Em geral, o homem, assustado com a capacidade multiorgásmica
feminina e ignorante da sua existência, costuma rotular a mulher de "louca" ou atribuir-lhe
uma "febre". Trata-se de mais uma versão do mito machista denegridor da mulher.

ORGASMO: Consiste numa reação psicofísica complexa, culminação do prazer durante o


coito (ver) e fase subseqüente à de meseta (ver) e anterior à de resolução (ver).

PARAFIMOSE: Estrangulamento da cabeça do pênis ou glande, provocado por um


prepúcio muito ajustado, que impede um deslizamento cômodo. Ver fimose. Exige
tratamento cirúrgico de urgência e prática da circuncisão (ver).

PARASSIMPÁTICO: Parte do sistema nervoso autônomo (ver) cujo intermediário químico


(ver) é a acetilcolina, responsável entre outras coisas pela abertura das válvulas (ver) que
dão acesso às artérias dos corpos cavernosos (ver) responsáveis pela ereção.

PARATIREÓIDEO, HORMÔNIO: Hormônio segregado pelas glândulas paratireóideas (ao


lado das tireóides, no pescoço) e regulador do metabolismo do cálcio e do fósforo.

PARCEIRO: Termo que designa uma pessoa, geralmente do sexo oposto, a quem se
escolheu para conviver afetiva e corporalmente.

PATOLÓGICO: Oposto a normal. Sinônimo de enfermo.


PÊNIS: Órgão masculino por excelência, destinado ao coito (ver); penetrando no canal
vaginal feminino, conduz o sêmen, que contém os espermatozóides.
Como símbolo (ver), tem conotações de poder, virilidade, machismo, agressividade e
grande força misteriosa.
PERÍNEO: Superfície externa da base pélvica, que vai desde a base do aparelho genital
externo do homem ou da mulher até o ânus.

PEYRONIE (DE LA), ENFERMIDADE: Afecção caracterizada pelo endurecimento em


placas pequenas ou medianas dos corpos cavernosos (ver) do pênis. Causa deformidade
do membro masculino e, às vezes, moléstias e dores. Pode dificultar a ereção (ver) e
requer tratamento cirúrgico. Em certos casos, faz-se necessário o implante de uma prótese
(ver).

POLUÇÃO: Ejaculação espontânea produzida durante o sono profundo ou em estado de


leve sonolência. Pode ou não ser acompanhada de orgasmo (ver).
É normal durante a adolescência e nos adultos cuja atividade sexual é insuficiente.

POSTITE: Inflamação do prepúcio, geralmente acompanhada de inflamação da glande


(balanopostite, ver).

POTENCIAIS EVOCADOS: Teste que se efetua por meio de um aparelho especial, para
medir o tempo que o estímulo nervoso leva para percorrer os nervos que governam a
ereção e a ejaculação.
Permite a descoberta de lesões, particularmente provocadas por diabetes (ver) ou por
distúrbios da medula espinhal (ver).

PRAZER: Sentimento de satisfação de uma necessidade ou do desejo que, ao


descarregar-se, se libera, gerando gozo. Já houve quem afirmasse ser o prazer o princípio
que rege a matéria viva humana. É moldado, capturado, administrado e experimentado de
maneira diversa segundo as culturas e os indivíduos.

PREPÚCIO: Pequena dobra de pele que cobre a glande ou cabeça do pênis. Tem
normalmente a capacidade de retrair-se deslizando para trás, descobrindo a glande.
Quando sua extremidade é muito apertada, o deslizamento se faz de maneira imperfeita,
dando lugar à fimose (ver). Quando se infecciona (postite, ver), toma necessária uma
pequena intervenção cirúrgica, denominada circuncisão (ver).

PRIAPISMO: Ereção prolongada, quase sempre dolorosa, não acompanhada de desejo


(ver) sexual. O paciente costuma ter angústia, porque o quadro dura muitas horas e, não
raro, dias. Produz-se uma congestão local intensa, uma detenção do sangue no interior dos
corpos Cavernosos (ver).
É necessária uma intervenção cirúrgica por parte de um urologista (ver) e, muitas vezes, a
colocação de uma prótese peniana (ver).

PROLACTINA: Hormônio hipofisário (ver) de função estimulante do desenvolvimento e de


ação específica mamária, daí sua denominação. É um hormônio que adquiriu notável
relevância nos últimos anos, porquanto sua presença elevada no sangue é indício de uma
tumoração do hipotálamo (ver) ou da hipófise (ver), ou de um excesso de medicação
antihipertensiva ou antiulcerosa.
O excesso de prolactina no sangue (hiperprolactinemia) produz freqüentemente disfunção
sexual no homem.
PRÓSTATA: Órgão relativamente pequeno, situado na parte anterior e baixa da pelve,
composto por tecidos glandular e muscular. Segrega um líquido fluido que é evacuado
através da uretra pelo sêmen, em cada ejaculação (ver). A dilatação da próstata é
comandada pela testosterona (ver). Depois de certa idade, pode agravar-se, gerando
sintomas. É acessível à exploração por toque retal.

PROSTATECTOMIA: Operação cirúrgica destinada a extrai, a próstata (ver). Procede-se,


habitualmente, a uma extração parcial quando ela se dilata ou hipertrofia, e essa extração
pode ser feita por via externa ou endoscópica, isto é, através da uretra, por meio da
introdução de um aparelho especial relativamente estreito.

PROSTATlTE: Inflamação da próstata (ver). Costuma ocorrer como complicação da uretrite


(ver). Produz sintomas de irritação e compressão baixa, com dificuldades para urinar e dor.
Pode, em decorrência da dor, causar disfunção sexual. Impõe-se a consulta a um
urologista.

PRÓTESE PENIANA: Pequeno aparelho de material sintético (esponja siliconada,


silicones) que se introduz no interior dos corpos cavernosos para substituí-los, visando a
obter ereções. Com determinados tipos de próteses como as semiflexíveis ou semi-rígidas -
por outro lado, as mais freqüentemente usadas em nosso meio -, a ereção se mantém
durante todo o tempo, e pode ser controlada com a mão. O mesmo acontece com a micção
e o uso corrente, por ser constituída de um material flexível, e o dispositivo para endireitar
ou dobrar o pênis assemelha-se a uma dobradiça. A implantação de uma prótese peniana
exige uma intervenção cirúrgica e portanto avaliação física e psicossexual profunda. Aplica-
se, de preferência, nas disfunções sexuais de origem orgânica.

PSEUDO-HERMAFRODITISMO; Também denominado falso hermafroditismo, em oposição


ao verdadeiro hermafroditismo (ver). Trata-se de pessoas com um sexo geneticamente bem
definido - homem ou mulher -, mas que apresentam uma mistura de genitais de ambos os
sexos. Trata-se de falhas congênitas que suscitam problemas clínicos, endocrinológicos,
urológicos, sexuais, sociais e legais, quase sempre de difícil solução.

PSICANALISTA: Especialista em uma forma particular de psicoterapia (ver), a qual requer


estudos de pós-graduação muito intensos. Essa especialidade tem como base fundamental
a obra de Freud, enriquecida pela contribuição de seus continuadores. Não há apenas uma
psicanálise, mas muitas. A especialidade tem-se dividido em numerosas escolas e grupos.
Basicamente, consiste em tratar as perturbações neuróticas, psicóticas e fronteiriças, em
crianças, adolescentes ou adultos, pretendendo explorar sua raiz histórica infantil e sua
repetição atual.
Para que alguém mereça o título de psicanalista, não basta receber pacientes várias vezes
por semana em seu consultório ou deitá-Ios no divã. O mais importante é a profundidade
de sua formação e a estrutura de seu pensamento científico. Os psicanalistas podem ser
médicos ou psicólogos.
PSICOFÁRMACOS: Diversos componentes químicos sintéticos, com ação clara sobre o
sistema nervoso central (ver) e seus intermediários químicos (ver). Têm aplicação
específica nas perturbações graves da personalidade como são as psicoses (psicofármacos
maiores ou tranqüilizantes maiores) e nas perturbações neuróticas ou psicossomáticas
(psicofármacos ou tranqüilizantes menores).
Sua utilização representou uma verdadeira revolução na psiquiatria moderna e na clínica
médica autorizada, mas, por sua vez, trouxe alguns inconvenientes, como a elevação da
prolactina (ver) por utilização excessiva e continuada.

PSICÓLOGO: Pessoa com diploma que a habilita a exercer a psicologia, ciência que se
ocupa de tudo o que se refere ao pensar, ao sentir e ao agir de cada indivíduo humano.
Pode praticar a psicoterapia, a psicanálise e a terapia sexual. Todas essas atividades - e
cada uma delas em particular exige, por sua vez, uma especialização posterior.

PSICOPATOLOGIA: Estudo das afecções psicológicas anormais, ou de desvio do que se


considera como psicologia normal. Estuda todos os processos neuróticos, psicóticos ou
pervertidos. Seu conhecimento exige um exame profundo da psicologia normal e um
avançado domínio da relação com o paciente.

PSICOTERAPEUTA: Pode ser um psicólogo (ver), médico (ver), psiquiatra (ver) ou


psicanalista (ver) que, por sua vez, pratica a psicoterapia.
O termo, muito abrangente e amplo, refere-se a qualquer terapeuta que emprega métodos
psicológicos para aliviar ou curar um paciente. Os métodos psicológicos incluem escutar
com atenção, persuadir, convencer, sugerir, informar seletivamente e interpretar.

PSIQUIATRA: Médico especializado no estudo e tratamento de todas as espécies de


doenças mentais. O público acredita, mitologicamente (ver), que um psiquiatra só se ocupa
do tratamento de doentes mentais graves (psicóticos ou dementes, por exemplo), mas, na
realidade, ele também se ocupa de qualquer espécie de doença de nível mental
predominante. Costuma praticar a psicoterapia (ver), embora, para exercer a psicanálise
(ver), tenha de se submeter a um prolongado treinamento em alguma instituição de
reconhecido prestígio.

PÚBIS: Área anterior e baixa da pelve, limite inferior onde termina o abdome. Sobre o
púbis, acumula-se uma pequena almofada de gordura, que é o lugar onde, na penetração
profunda durante o coito (ver), ambas as regiões (púbicas) se põem em intenso contato.

RADIAÇÕES: Entende-se por este termo genérico uma série de ações de ordem física
(raios X, cobalto, radioisótopos, etc.) produzida por diversos agentes radiantes, destinados
a impedir o desenvolvimento de determinados processos patológicos no organismo. São
utilizadas como tratamento exclusivo ou complementar de algumas cirurgias e,
lamentavelmente, muitas vezes responsáveis pelo aparecimento de disfunções sexuais.

RAIVA: Termo geralmente usado no sentido de furor, cólera ou ódio intenso.


REFLEXO: Resposta automática - por isso, totalmente invoIuntária - de um organismo vivo
a um estímulo. Um exemplo de reflexo físico é a ereção (ver), em que uma série complexa
de estímulos, variáveis para cada indivíduo, desencadeia ações neuroormonais
determinadas, que conduzem ao afluxo de sangue nos corpos cavernosos (ver), produzindo
o levantamento do pênis e sua sustentação.
Os reflexos costumam ser débeis e delicados, e por isso muito sensíveis a toda uma gama
de estímulos psicológicos, químicos ou orgânicos, que o desestabilizam, impedindo sua
produção.

REFRATÁRIO, PERÍODO: Fase imediatamente posterior ao orgasmo (ver). Consiste num


importante declínio da capacidade de excitação sexual. Sua duração, de alguns minutos no
jovem, vai se ampliando a lapsos de horas no homem maduro, até alguns dias no ancião.
Em geral, a mulher não tem período refratário. Vale dizer, a mulher possui a capacidade -
nem sempre exercida - de ter mais de um orgasmo, se adequadamente excitada. O limite
costuma ser a falta de motivação ou o cansaço.

REPRESENTAÇÃO: Também denominada "papel". A representação é "uma função" que


um indivíduo desempenha em seu grupo social. Assim, uma pessoa pode ser o pai de uma
criança, biologicamente falando, mas, pelas circunstâncias em que tem de atuar,
desempenha funções de mãe: dar de comer ao bebê, preparar-lhe a comida, etc. As
representações são muito permutáveis e, por conseguinte, múltiplas. Na atividade sexual,
as representações podem ser ativas ou passivas, masculinas ou femininas, independentes
ou dependentes, iniciadoras ou seguidoras, solicitantes ou inertes, atacantes ou
defensoras, etc., etc. As representações podem cristalizar-se, repetindo-se sempre,
sistematicamente, ou ser muito fluidas e permutáveis.

RESOLUÇÃO, FASE DE: Última fase da resposta sexual, tanto masculina (ver) como
feminina (ver). Caracteriza-se por um relaxamento intenso, pois é a fase posterior ao
orgasmo (ver).

RESPOSTA SEXUAL FEMININA OU MASCULINA: Conjunto de reações de ordem


psíquica, comportamental, fisiológica e social próprias do ser humano diante de estímulos
determinados e que induzem a uma aproximação pulsional com o sexo oposto. Está
condicionada pela biologia, mas a reatividade específica da forma particular dessa resposta
- depende da complexíssima rede de eventos culturais incorporados nos anos da infância e
da adolescência.

REVASCULARIZAÇÃO: Uma das técnicas cirúrgicas empregadas como tratamento da


disfunção sexual erétil de origem orgânica e, especialmente, por obstrução arterial. Seus
resultados ainda são incertos. Prefere-se a aplicação de uma prótese peniana (ver).

RIGIDEZ: Firmeza e dureza adquirida pelo pênis, logo após a tumescência (ver). Juntas,
tumescência e rigidez constituem a ereção peniana (ver). Isso quer dizer que um pênis
pode ter tumescência, sem apresentar rigidez.

RIGIDÔMETRO: Pequeno aparelho desenhado pelo Dr. W. Furlow, da Clínica Mayo, dos
Estados Unidos, para medir a rigidez peniana (ver). Usa-se em combinação com o Monitor
de Tumescência Peniana Nortuna (ver) e permite detectar as falhas eréteis de origem
orgânica.
S
SEDATIVOS MAIORES: Psicofármacos (ver) utilizados no tratamento de determinadas
doenças, particularmente as alterações profundas da personalidade: psicoses, estados
maníacos, delírios, etc. Alguns deles, utilizados de forma prolongada, podem provocar
disfunção sexual.

SENIL, IDADE: É sinônimo de velhice.

SEXO: Designa-se habitualmente com este nome a diferença entre indivíduos da mesma
espécie, quanto às diferentes maneiras de participar do fenômeno da reprodução.
Curiosamente, o sexo aparece tarde na história da vida. As primeiras centenas de milhões
de anos da evolução foram assexuadas com as formas vivas inferiores. Considera-se que
existe sexo quando duas unidades vivas se conjugam para combinar o material genético
que cada uma leva consigo. A palavra sexo costuma ser também utilizada para designar o
aparelho sexual que cada indivíduo possui, ou seja, os seus genitais.
A palavra sexo pode também ser utilizada em outras acepções: sexo genético, sexo civil,
sexo psicológico, sexo social, etc.

SEXOLOGIA: Ramo do conhecimento que estuda todas as questões relativas ao amplo


campo da sexualidade (ver). Tem importantes conexões com as ciências médicas,
psicológicas. sociais e antropológicas. Estuda as diferentes e diversificadas formas de
contato com as diferentes realidades em que se desenvolve a sexualidade humana, e as
suas diversas expressões artísticas.

SEXÓLOGO: Trata-se de um profissional - pode ser médico ou psicólogo, e como


especialista - relativamente recente. De fato, como conseqüência dos progressos no
conhecimento da fisiologia, da sociologia e da antropologia sexual, uma série de médicos e
psicólogos foram se especializando para poderem tratar os distúrbios das disfunções
sexuais de maneira mais adequada.
Os sexólogos tratam as disfunções sexuais por meio de terapia sexual (ver). Podem ser
psiquiatras, psicoterapeutas, psicanalistas ou médicos endocrinologistas, urologistas ou
ginecologistas. Em geral, os sexólogos integram ou coordenam equipes multidisciplinares
de que participam profissionais que trocam seus diversos pontos de vista, com o propósito
de chegar a um diagnóstico correto e tratar os pacientes da maneira mais adequada e
eficaz possível.

SEXUALIDADE HUMANA: A sexualidade ou função sexual é uma função única. É própria


da vida; a tal ponto, que pode ser sinônimo desta. É uma função complexa cuja história é a
história natural dos seres vivos e, além disso, é a história da interação dos seres vivos entre
si. Ainda que a sexualidade humana inclua - obviamente - a função reprodutora, com ela
não se confunde. Sendo uma função erótica e portanto capaz de ser excitada e de excitar,
está indiretamente vinculada à comunicação e se desenvolve desde o início da vida extra-
uterina, quando o bebê se une ao peito da mãe. Envolve todo o desenvolvimento infantil e
adolescente, alcançando seu ápice e transcendência durante a idade adulta e em idades
avançadas. A sexualidade só desaparece quando desaparece a vida, ou seja, com a morte.

SÍMBOLO: Condensação de uma idéia ou grupo complexo de idéias numa figura. É um


processo de tipo psicossocial complexo, culturalmente transmitido. Assim, o pênis converte-
se em símbolo (isto é, uma figura sintética e condensada) do valor, a força, a virilidade, etc.
Por isso, perder a força, a virilidade, é símbolo de perder o pênis, ou seja, ser castrado
(ver).
SIMPÁTICO: Parte do sistema nervoso autônomo (ver) cujo principal intermediário químico
(ver) é a adrenalina e seus derivados. Responsável, entre muitas outras coisas, pela
constrição (fechamento) arterial geral e, especificamente, das artérias penianas.

SIMULTÂNEO: Nome que se dá ao orgasmo (ver) conjunto e coincidente de um homem e


uma mulher. É um dos mitos (ver) mais comuns. A exigência de obter um orgasmo
simultâneo pode produzir disfunção sexual em qualquer dos parceiros.

SÍNDROME DO VIÚVO: Conjunto de situações num homem que, tendo perdido a esposa
há algum tempo, ao querer reiniciar a vida sexual ativa, vê-se às voltas com um problema
de disfunção sexual, de natureza erétil ou ejaculatória. Essa síndrome ocorre geralmente
após o período depressivo habitual pela perda da companheira e o homem experimenta
uma grande surpresa e preocupação, porquanto já não se sente deprimido. À parte os
problemas orgânicos concomitantes que o indivíduo possa ter - diabetes, arteriosclerose,
etc. -, o distúrbio disfuncional aparece mais como uma falha decorrente da "falta de uso" da
função sexual. Impõe-se uma investigação urológica e sexual profunda.

SISTEMA HORMONAL: Juntamente com o sistema nervoso autônomo, é o outro grande


sistema que governa as funções dos órgãos, as vísceras, etc. É um sistema "lento" em
comparação com o nervoso. Está estruturado com glândulas capazes de segregar
hormônios; vertidas nos líquidos circulantes, regulam os diferentes órgãos ou funções a que
estão destinadas. Na função sexual, os hormônios cumprem relevante papel. O mais
importante hormônio masculino é a testosterona (ver).

SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO: Um dos dois grandes sistemas em que se divide o


sistema nervoso. Como seu nome indica, é autônomo, porque se destina a governar os
órgãos, as vísceras, as glândulas e os músculos responsáveis pelas funções mais
elementares: respiração, digestão, troca de líquidos internos, circulação sangüínea, pressão
arterial e tudo o que diz respeito à função sexual.

SISTEMA NERVOSO CENTRAL: Às vezes designado simplesmente como sistema


nervoso. É um conjunto complexo e altamente organizado, constituído por unidades
anatomofuncionais denominadas neurônios. Essas células têm a capacidade de se excitar
e de transmitir muito rapidamente a excitação.

SOCIOLOGIA: Estudo científico e objetivo dos fatos e fenômenos sociais, dos grupos
pequenos, grandes e compactos, das instituições e das relações entre si e das diferentes
formas de incidência no deslocamento de comunidades e nas estruturas que as compõem.

SOMATlZAÇÃO: Termo oriundo da psicologia (ver) e da psicanálise (ver). Um indivíduo,


atormentado pelos conflitos (ver) e/ou pelo estresse (ver) em qualquer de suas fases, pode
governar seus problemas preferencialmente na área corporal. Habitualmente aparecem
dores, moléstias ou distúrbios funcionais em qualquer parte do corpo, que podem ser
confundidos com sintomas de uma enfermidade grave. Nesses casos, é como se o sujeito
preferisse, inconscientemente, ter uma enfermidade física, por não poder reconhecer a
angústia, a tensão ou a depressão provocada pelos conflitos psicológicos. Assim sendo, o
distúrbio físico leva-o a consultar com muito maior freqüência um médico do que um
especialista da área psicológica. Como não se trata de distúrbios simples, mas de natureza
vária e complexa, sempre se aconselha um exame físico exaustivo, para depois enviar o
paciente a uma assistência psicológica adequada. O ideal é uma equipe médico-
psicológica, na qual o paciente possa ser assistido, entendido e aliviado convenientemente,
sem perda de tempo, sem ficar andando de especialista em especialista, perpetuando
assim a sua enfermidade.

TABU: Vocábulo de origem polinésia, muito utilizado em antropologia (ver) e psicologia


(ver). Significa proibição. A violação de um tabu é algo mais do que a violação de alguma
coisa proibida. Implica também o castigo quase certo por parte de alguma divindade ou
autoridade mágica.
Os tabus são as leis primitivas dos povos cujas culturas ainda se encontram num período
de desenvolvimento não avançado em alguns aspectos. Os tabus sexuais são numerosos e
estão estreitamente ligados aos mitos (ver) ou às crenças.

TERAPIA SEXUAL: Tipo especial de terapêutica científica, empregada inicialmente por W.


Masters e V. Johnson e seguida e sistematizada por H. Kaplan, da Universidade de Cornell
(Nova Iorque), a qual consiste numa mistura, em proporções variáveis, de assistência,
apoio e persuasão com psicoterapia psicanalítica. Sua característica mais importante é a
administração, por parte do terapeuta, de "deveres de casa" que devem ser feitos
habitualmente a dois.
Recentemente formalizada, a terapia sexual é administrada por urologistas, psicólogos,
psiquiatras, psicanalistas ou ginecologistas. É em geral administrada e controlada por um
sexólogo.

TESTOSTERONA: É um hormônio produzido pelos testículos. Hormônio masculino típico.


Logrou-se sintetizá-Ia quimicamente e pode, por isso, ser administrada por via oral ou
intramuscular no tratamento dos distúrbios correspondentes. Sua ação é essencial para o
desejo (ver). Sua carência éindício de alguma afecção importante no eixo hipofisogonadaI,
mas precisa ser comprovada por exames bioquímicos correspondentes.
Costuma ser abusivamente empregada no tratamento de qualquer falha ou disfunção
sexual masculina.

TOQUE RETAL: Exame digital de uma cavidade, no caso, do reto. Indispensável como
parte do exame urológico e essencial para determinar o tamanho e a consistência da
glândula prostática (ver).

TRANQÜILIZANTES, MAIORES E MENORES: Ver Psicofármacos.

TRANSPLANTE: Ato cirúrgico que consiste em colocar um órgão (mais comumente um


rim, o coração ou uma córnea) são em outro corpo, com a finalidade de substituir esse
mesmo órgão que se encontra enfermo. A cirurgia e a clínica de transplantes revolucionou
o campo médico e é hoje uma realidade que prolongou a vida de numerosos pacientes,
particularmente das vítimas de nefrite crônica (ver) e que, por isso, necessitam de diálise
renal (ver).

TUMESCÊNCIA: Inchação do pênis no homem e do clitóris (ver) na mulher, graças ao


afluxo de sangue através das artérias nos corpos cavernosos (ver). Em alguns círculos
médicos, é sinônimo de ereção, mas, na realidade, é uma fase dela; falta, para ser
considerada ereção, além da tumescência, a rigidez (ver).

URETRA: Canal membranoso que comunica a bexiga com o exterior. Mede cerca de 15 ou
16 cm no homem adulto e apenas 4 ou 5 cm na mulher adulta. Desemboca na extremidade
da glande (ver).

URETRITE: Inflamação da uretra, que é o canal que liga a bexiga ao exterior. Pode estar
associada a uma cistite (ver) e apresentar quase os mesmos sintomas.

URODINÂMICA, TESTE DE: Procedimento realizado com um aparelho especial, para


medir as pressões vesicais e uretrais, bem como o funcionamento dos esfíncteres que
permitem a passagem da urina para o exterior.

UROLOGISTA: Médico especializado em distúrbios das vias urinárias. É quase sempre um


cirurgião e, apesar de não haver nenhum tipo de especificação em sua formação, é sempre
consultado no caso de distúrbios funcionais de natureza sexual, provavelmente por ocupar-
se dos órgãos genitais: pênis, testículos, etc.

VAGINA: Espécie de canal elástico, aplanado quando em repouso, capaz de receber o


pênis (ver) durante o coito (ver). É também por ele que sai o sangue menstrual e o bebê já
formado, durante o trabalho de parto.

VÁLVULA: Dobra num vaso sangüíneo ou num canal, que impede o refluxo dos líquidos
em circulação. Funciona como uma comporta, acionada pelo sistema nervoso autônomo
(ver). Sua existência nas artérias penianas é, por enquanto, hipotética.

VERGONHA: Sentimento relacionado com o auto-apreço, mais especificamente com a


perda ou declínio da auto-estima (ver). Produz-se quando outros têm acesso à intimidade
pessoal, comumente ligada ao genital ou quando se toma brusca consciência de uma falta
grave.

VESÍCULAS SEMINAIS: São duas pequenas glândulas, situadas por trás e acima da
próstata (ver). São glândulas secretoras, que contribuem com quase 80% do líquido
seminal.