Você está na página 1de 9

POR QUE INVESTIR?

O que é Renda Fixa e por que investir?

É o investimento realizado diretamente em Títulos Públicos e Privados de


Quando você compra um título de Renda
Renda Fixa.
Fixa, você está emprestando dinheiro ao emissor do
papel, que pode ser um banco, uma empresa ou
mesmo o Governo. Em troca, recebe uma
remuneração por um determinado prazo, na forma
de juros e/ou correção monetária, podendo receber,
ainda, parcelas chamadas amortizações.
A TIGER OVERSEAS desenvolveu uma exclusiva Plataforma de Renda Fixa
para você rentabilizar acima da operação de Títulos Públicos, CDBs, LCIs,
CRIs, LCAs, CRAs e Debêntures de maneira diferenciada. Com essa
operação, você vai poder atingir rendimentos superiores aos demais, e se
informar melhor a respeito dos produtos disponíveis. Sem precisar
comprar e vender títulos e depender de traders, ou aplicativos. Isso tudo
com autonomia, transparência e agilidade, além de ser auxiliado
diretamente nas aplicações, e no como utilizar seu dinheiro. Tudo isso sem
precisar pagar a um profissional ou coisa do tipo.

Se você está começando a investir, um dos investimentos mais simples e


populares do mercado é o CDB, o Certificado de Depósito Bancário. Este é
um investimento que, além de ser tão seguro quanto à poupança, tem
uma rentabilidade maior ainda. Mas o que exatamente é o CDB? Quais são
as vantagens da aplicação? Confira o guia sobre CDB e descubra tudo o
que você precisa saber antes de investir.

CAPÍTULO 01

O que é CDB

A sigla CDB vem de Certificado de Depósito Bancário, que é um título de


renda fixa emitido por bancos para captar dinheiro e financiar suas
atividades. Em troca deste empréstimo de recursos ao banco, o mesmo irá
devolver ao investidor a quantia aplicada mais o juro acordado no
momento do investimento.
Uma das vantagens de investir em CDB é que esses títulos possuem uma
rentabilidade maior que a poupança, podendo chegar até o dobro.

CAPÍTULO 02
Por que investir em um CDB?

Investir em títulos de CDB pode ser uma ótima escolha para você! Conheça
as vantagens:

1. Rentabilidade: maior que a poupança, uma das vantagens de

investir em CDB é a maior rentabilidade, que pode chegar até o dobro da

poupança.

2. Segurança: se o investimento for de até R$250 mil, seu título CDB

será segurado pelo Fundo Garantidor de Créditos (FGC) por CPF ou CNPJ*.

Esta garantia previne que o investidor perca o dinheiro aplicado, caso o

banco quebre ou não consiga devolver a quantia prometida no prazo.

3. Liquidez Diária: ao deixar o dinheiro rendendo num investimento

nem sempre é possível retirá-lo antes do prazo do vencimento. Se você

optar por um CDB de liquidez diária, o dinheiro aplicado poderá ser

recuperado no momento que julgar necessário.

4. Facilidade: é possível investir em um CDB através da Internet, basta

apenas abrir sua conta sem custo na XP Investimentos, depois disso o

investimento leva alguns minutos para ser realizado.

CAPÍTULO 03

Qual o rendimento e os tipos de CDB?

Existem três tipos de CDB: pré-fixado, pós-fixado e híbrido. A principal diferença entre
eles é como a rentabilidade do título é determinada. Veja em detalhes:

Pré-Fixado Nos CDBs pré-fixados, a


taxa de juros já é
definida no momento da
aplicação, sendo
possível determinar
quanto renderá o
investimento antes do
vencimento do prazo do
título. Para investir
neste tipo de CDB, é
bom observar a
situação atual do
mercado e avaliar os
indicadores econômicos
do país.

No caso dos CDBs pós-


fixados, a rentabilidade
é determinada através
de um percentual sobre
um índice, como o
Certificado de Depósito
Interbancário (CDI).
Assim, se seu CDB usar
a taxa CDI como
referência, o retorno
esperado poderia ser
110% do CDI no período
de investimento sobre o
Pós-Fixado
valor inicial aplicado. A
taxa CDI é o índice de
referência mais
utilizado

para aplicações em
CDB;

ela pode ser consultada


no site da Cetip.

O CDB híbrido nada


mais é que uma união
do CDB pré-fixado com
o pós-fixado: uma parte
da rentabilidade é
estabelecida no
momento da aplicação e
Híbrido a outra parte é atrelada
a um índice econômico,
como o IPCA. Por
exemplo, o rendimento
do título seria calculado
da seguinte forma: IPCA
+ 5% ao ano.

TÍTULOS PRIVADOS

LCI (Letra de Crédito Imobiliário)

Instrumento de captação que pode ser emitido por instituições autorizadas pelo
Banco Central, com objetivo de financiar o setor imobiliário que tem como lastro
financiamentos imobiliários garantidos por hipoteca ou alienação fiduciária do
imóvel.

Características

 A remuneração pode ser em % do CDI, CDI + spread, Índices de preços (ex:


IGP-M, IPCA) ou Taxa Prefixada;
 Aplicação garantida pelo Fundo Garantidor de Créditos (FGC) para valores
até o limite de R$ 250mil por CPF ou CNPJ, por conjunto de depósitos e
investimentos em cada instituição ou conglomerado financeiro, limitado a R$
1.000.000,00 a cada período de quatro anos, para garantias pagas para cada CPF
ou CNPJ. Para mais informações, acesse o site do FGC .
 Isenção de IR para pessoa física no rendimento e no ganho de capital;
 Produto registrado na CETIP em nome do cliente (CPF/CNPJ);
 IR via tabela regressiva para investidores PJ.
¹ Cobertura engloba principal e juros.

TÍTULOS PRIVADOS

LCA (Letra de Crédito do Agronegócio)

Título emitido por instituições financeiras públicas e privadas, vinculado a direitos


creditórios originários do agronegócio.

Características

 A remuneração pode ser em % do CDI, CDI + spread, Índices de preços (ex:


IGP-M, IPCA) ou Taxa Prefixada;
 Aplicação garantida pelo Fundo Garantidor de Créditos (FGC) para valores
até o limite de R$ 250mil por CPF ou CNPJ, por conjunto de depósitos e
investimentos em cada instituição ou conglomerado financeiro, limitado a R$
1.000.000,00 a cada período de quatro anos, para garantias pagas para cada CPF
ou CNPJ. Para mais informações, acesse o site do FGC .
 Isenção de IR para pessoa física no rendimento e no ganho de capital;
 Produto registrado na CETIP em nome do cliente (CPF/CNPJ);
 IR via tabela regressiva para investidores PJ.
¹ Cobertura engloba principal e juros
Mas, independente do modelo de investimento de renda fixa que
seja escolhido, temos a certeza absoluta de que nada se compara
ao investimento feito com a cessão de crédito.
Seja pela rentabilidade, solidez, ou segurança da operação de curto
prazo.
Vamos entender a operação?!

A Cessão de Crédito é uma atividade 100% lícita, Prevista nos


artigos 286 a 298 do Código Civil.
A cessão de crédito é o negócio jurídico pelo qual o credor de
uma obrigação, chamado cedente, transfere a um terceiro,
chamado cessionário, sua posição ativa na relação
obrigacional, independentemente da autorização do devedor,
que se chama cedida. É uma forma de transmissão das
obrigações, e a transferência pode ser onerosa ou gratuita.
A cessão de crédito pode ser pro soluto ou pro solvendo. Na
cessão pro soluto o cedente responde pela existência e
legalidade do crédito, mas não responde pela solvência do
devedor; já na cessão pro solvendo, responde também pela
solvência do devedor.
Interpretando sistematicamente os artigos 295 a 297, a regra
geral é a de que o cedente garante apenas a existência do
crédito cedido; todavia, se, por norma expressa, além de
garantir a existência do crédito, também garantir a solvência
do devedor, a cessão é pro soluto. Quando a cessão é onerosa, o
cedente sempre responde pro soluto. E o mesmo ocorre se a
cessão foi gratuita e o cedente agiu de má-fé.

Saindo dos parâmetros discriminatórios da lei e o código civil,


encontramos a prática da cessão de crédito sendo muito
comum nos grandes centros na forma de captação de fundos
que podem ser oriundos do crédito novo em operações de
empréstimo consignado, ou cdc, uma vez o titular do crédito
estando de acordo com a operação denominada cessão de
crédito, o mesmo transfere por meio de TED o valor bruto para
a empresa captadora, chamada cessionária.
Outra forma de realizar a cessão de crédito é através do mútuo,
onde o cedente se utiliza de recursos próprios, como por
exemplo, fundos investidos, ou qualquer outro tipo de valor
que tenha a sua disposição, e realize o mesmo tipo de
transferência, e tal operação será rentabilizada ao cedente,
tendo no fim da operação, todos os seus recursos devolvidos de
forma integral.

Se comparados os rendimentos de qualquer um dos investimentos de renda fixa


com o norteador mínimo de rentabilidade da cessão de credito, percebemos o
quanto essa operação é lucrativa para todas as partes.
Ex:

Esses são os rendimentos para investimentos tradicionais no valor de R$50.000,00,


com prazo de 12 meses, sem aportes mensais.
CESSÃO DE CRÉDITO DE: R$50.000,00
12 MESES R$5.000,00 10%
15 MESES R$7.500,00 15%
24 MESES R$10.000,00 20%

TRATA-SE DE UMA DIFERENÇA MÉDIA APROXIMADA DE:


MAIOR RENDIMENTO ATUAL
CESSÃO DE CRÉDITO DE: R$50.000,00 LCI PRÉ
DIFERENÇA
% DIFERENÇA VALOR
R$53.075,0
12 MESES R$5.000,00 10% R$55.000,00 0 3,6 R$1.925,00
R$54.876,0
15 MESES R$7.500,00 15% R$57.500,00 0 4.781 R$2.624,00
R$57.016,3
24 MESES R$10.000,00 24% R$60.000,00 1 5,23 R$2.983,69

PODEM SER UTILIZADOS COMO CAPITAL PARA INVESTIMENTO EM CESSÃO, TANTO


UM VALOR MONTANTE LÍQUIDO QUE JÁ EXISTA EM PROPRIEDADE DO CLIENTE,
COMO TAMBÉM VALORES ORIUNDOS DE CRÉDITO NOVO, COMO EMPRÉSTIMOS
CONSIGNADOS, OU CRÉDITO DIRETO AO CONSUMIDOR.

Tais operações de crédito, apesar de ainda não serem tão comuns com fins para
investimentos, tendo em vista a cultura popular do brasileiro de utilizar sua
margem, ou crédito apenas para criar novas dívidas, pois só o fazem quando estão
apertados financeiramente, já começa a dominar o mercado, pois nem todos tem
em mãos valores para investir, ou simplesmente poder usufruir do norteador
mínimo que é o benefício da cessão. Vários são os casos onde nossos clientes que
estavam precisando de valores líquidos em mãos, para quitar outras dívidas, ou
para realizar algum sonho ou desejo, conseguirem realizar seus intentos através de
uma simples cessão de crédito.

Mas agora, vejamos como a empresa e o cliente ganham com essa operação.

CLIENTE TEM MARGEM CONSIGNÁVEL DE R$5.400,00. SABEMOS BEM QUE ESSE


VALOR É A PARCELA MÁXIMA NA QUAL ESSE CLIENTE PODE ADQUIR UMA NOVA
DÍVIDA NO CONSIGNADO, E TAL ÍNDICE IRÁ LIBERAR VALORES LÍQUIDOS NA
OPERAÇÃO, DE ACORDO COM A QUANTIDADE DE PARCELAS. E A MATEMÁTICA É
SIMPLES, QUANTO MAIOR O NÚMERO DE PARCELAS, MAIOR O VALOR LIBERADO NA
OPERAÇÃO, E TAMBÉM É MAIOR A INSIDÊNCIA DE JUROS.

EXEMPLO.
FATOR EX:
MARGEM 0,027 PRAZO
R$5.400,00 R$200.000,00 72 MESES

VALOR REAL SOLICITADO: R$200.000,00


VALOR REAL DEVIDO
TOTAL: R$388.800,00

DIFERENÇA: R$188.800,00
94,4% A MAIS EM JUROS

A EMPRESA SE COMPROMETE POR MEIO DE CONTRATO A PAGAR AS PARCELAS


MENSAIS, POIS AFINAL DE CONTAS, NOSSO CLIENTE NOS CEDEU SEU CRÉDITO POR
MEIO DE ACORDO PRÉVIAMENTE FIRMADO, E COM O VALOR MONTANTE, SÃO
FEITOS DIVERSOS INVESTIMENTOS, DOS MAIS VARIADOS, INDO DA RENDA FIXA,
COM JUROS PRÉ E PÓS-FIXADOS, COMO TAMBÉM MERCADOS VOLÁTEIS, QUE
APESAR DE APRESENTAREM MAIOR RISCO, SÃO MUITO MAIS RENTÁVEIS, E OS
VALORES CAPTADOS PODEM CHEGAR A SE TRIPLICAR EM CADA OPERAÇÃO.
E quando se chega ao final do contrato, que nesse exemplo ficou em 12 meses, é
solicitado o boleto de quitação, onde iremos obter desconto proporcional a 60
meses de antecipação, ou seja, o valor quitado será praticamente o mesmo valor
montante gerado na operação. Sendo que ele rendeu três vezes mais enquanto era
movimentado.
Seja na cessão de valores líquidos já existentes (MÚTUO), ou com operação
realizada em cima de crédito novo, a cessão de crédito é a solução para quem quer
aumentar sua renda, ou simplesmente obter valores sem precisar se preocupar com
novas dívidas.
O cliente só precisa confiar que há um contrato que o ampara juridicamente (e
realmente o ampara), e desfrutar dos benefícios de ter valores líquidos, mensais, ou
em montante, ultrapassando qualquer tipo de investimento tradicional, e com
recebimento no ato, ao invés de aguardar período pré-estipulado que vão de 12
meses para frente.
Por mais que o cliente possa ter dúvidas sobre a liquidez da operação, e se a
empresa irá cumprir seus compromissos, há a necessidade de se entender que:
*Toda e qualquer operação financeira, consiste em riscos, e sim, a nossa operação
não foge a essa verdade, porém, o cliente se ampara em contrato com efeito legal,
e a legislação brasileira protege o investidor.
***CONSIDERAÇÕES FINAIS***

Vivemos uma realidade de mercado, onde vários países atravessam crises


financeiras, e o poder de criação de renda e de compra está diminuindo a cada dia,
mas graças à engenharia financeira de vários especialistas de mercado, a cessão de
crédito já existente e regulamentada em nosso país, pôde ser adaptada para
fomentar mercado, aquecendo a economia e trazendo renda, sem oneração, aos
clientes que a identificam como solução.
Quando se pensa na cessão de crédito como um dinheiro rápido e sem dívida, sim,
é uma verdade! Mas, o ideal é pensar na cessão de crédito como utilização da
margem que na verdade poderia ser nocivo a sua saúde financeira, como uma
solução que restaure, ou amplie seu poder aquisitivo.
Temos os melhores profissionais do mercado, e precisamos apenas da sua
oportunidade para apresentar um leque de opções que com certeza irá de encontro
com seus anseios.

Venha realizar seus sonhos, venha ampliar seus sonhos, venha fazer parte do
quadro de clientes satisfeitos em conhecer essa operação que vem livrando vários
brasileiros de dívidas e aumentando o seu poder aquisitivo.

LINKS NA INTERNET PARA VERIFICAÇÃO DAS INFORMAÇÕES:

SIMULADOR DE INVESTIMENTOS: https://daycovalinveste.com.br/home/simulador/?


utm_source=google&utm_medium=search&utm_campaign=rendafixa&campanha=921073098&grupo=48371224730&palavra=kw
d-423227933678-simulador%20daycoval&gclid=CjwKCAjwq-
TmBRBdEiwAaO1en2CfVbWgRxdLDoBddXF_ZSDcfZ2s2wbmCkvNC1muRXUVzfj2sgpUzBoCfv8QAvD_BwE

SIMULADOR DE QUITAÇÃO ANTECIPADA DE CONSIGNADOS:


https://www.mpsc.mp.br/calculadora-de-antecipacao-seleciona

CÓDIGO CÍVIL: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10406.htm

Entre em contato e agende atendimento presencial, ou por telefone, de um de nossos consultores.

Wanderson Azevedo
Geerente Comercial
Tel:(21) 9 8119-9420
(21) 9 8290-0226