Você está na página 1de 2

O CONTATO SOCIAL UMA HISTORIA A DISCUTIR

Simone Nobre de Lima Carvalho

Relato sobre Jean Jacques Rousseau, considerado um dos maiores filosofo do


iluminismo e dos mais importantes intelectuais da Revolução Francesa, movimento libertário
burguês ocorrido no século XVIII, em busca da queda do antigo regime absolutista da França,
propõe na essência de sua obra o contrato social, e a transformações do homem em um
momento de necessidade.

Essas transformações significar realizar uma previa sobre a politica e o social na


sociedade burguesa do seu tempo e desse modo, não seria diferente em sua obra. Nota-se que
o movimento iluminista, entre muitas aspirações, defendia a divulgação do conhecimento
critico entre os cidadãos, como forma de elevá-los nos pensamentos e instrui-los na
convivência em sociedade, evitando assim a propagação de um poder de tirania e opressão.

Defende Rousseau a criação de um contrato social como forma de possibilitar com o


surgimento das desigualdades trazidas pela propriedade privada e pelo poder daqueles que
possuíam a evocação, deu uma sociedade menos ambiciosa e descaracterizada. Sucederia
assim um pacto para a proteção do individuo em suas particularidades, na medida em que o
ser, ao caminhar do estado natural para o estado civil, usufruir em uma vivência coletiva.

Na teoria politica de Rousseau é sobre vários aspectos uma síntese do pensamento de


Hobbes e Locke. Eles concordavam que o homem teria alguns direito naturais como a vida, à
liberdade e a propriedade. No entanto, os interesses de um indivíduo perante o seu próximo
poderiam acabar ameaçando a garantia de tais direitos. Foi a partir de então que o Estado
surgiu como uma instituição social coletiva para garantir tais direitos. Além disso, ele era
adepto das ideias iluministas é partilhavam de ideias que o homem era naturalmente bom,
porém, era corrompido pela sociedade com o passar dos tempos eles acreditavam que se todos
fizessem parte de uma sociedade justa, com direitos iguais a todos, a felicidade comum seria
alcançada. Por essa razão eles eram contra as imposições de caráter religiosas, contra as
práticas mercantilistas, contrários ao absolutismo do rei, além do privilégio dado à nobreza e
ao clero. Os direitos naturais, o respeito à sociedade de ideia e justiça deveriam, trazer a
melhoria da condição humana.
Portanto observa-se que Rousseau sem dúvida nos faz pensar muito sobre o atual
estágio da sociedade, com suas desigualdades, violência, medos angústia, incertezas, miséria e
doenças. O que fizemos dos conceitos elaborados no passado.

Deveríamos ter aperfeiçoado, mas o que vê é a reincidência dos mesmos erros


cometidos no passado. Estamos regredindo, mesmo com todo o nosso desenvolvimento e a
nossa tecnologia, estamos regredindo como indivíduos. Ou seja, maior grau de fanatismo.

A propriedade continua cada vez mais privada e com um número cada vez menor de
proprietário, verdadeiro feudos. A religião, embora com múltiplas visões, ainda não conseguiu
solucionar os problemas existente do homem. Pergunta permanece sua resposta. Somente
uma certeza!

Mas mesmo diante dessas adversidades, ainda resta nós uma esperança, os jovem, a
nova geração, será que um dia chegaremos às respostas pretendidas por Rousseau sobre o
Homem Natural? Será que o Mundo Natural será melhor do que o que vivemos hoje? Será
que as desigualdades diminuirão ou quem sabe, deixarão de existir. Assim um desafio para os
que virão depois.