Você está na página 1de 86

Tema: O que todos os ministros de louvor precisam saber

Fontes: Bíblia de Estudo de Genebra (ARA);


Livro Decolando nas asas do louvor;
DVD Milagre - André Valadão;
Experiências pessoais
Principal finalidade do estudo
Transmitir experiências aos Sacerdotes
(músicos e cantores) contemporâneos, a
fim de ajudá-los na difícil tarefa de
conduzir o povo (igreja) no louvor
congregacional. Existe uma gama de
músicos e cantores que imitam uns aos
outros, desconhecendo o perigo do
louvor sem unção e sem sinceridade no
coração.
Os ingredientes (músicas) são os
mesmos, a receita (liberdade e
renovação) é a mesma, mas, se falta
o calor do forno (Espírito Santo) a
massa não cresce e não se torna
bolo (louvor que louva a Deus e
abençoa a igreja).
Músicos que eram bons artistas antes
de se converterem, sendo colocados
nos púlpitos para ministrar o louvor
congregacional ainda imaturos e sem
preparo espiritual. Nossos músicos,
cantores e operadores de som,
precisam aprender a tanger com arte
(técnica) e com júbilo (unção).
Eles não devem fazê-lo apenas com arte ou com
júbilo, evitando, assim, que caiam no pecado
de Nadabe e Abiú (filhos de Arão), que
levaram fogo estranho diante do Senhor e
morreram como citado em Lv10:1-3 (Alguns
historiadores supõem que a brasa usada era
de outro lugar e não do altar, ou que os dois
estivessem embriagados).

– Tanger com arte e júbilo (Ler Sl 33:3)


Definições
O louvor a Deus é bem semelhante ao
processo de decolagem, ao voar nas
alturas e ao descer e aterrissar de
um avião. Foram necessários muitos
séculos para que o homem
dominasse a arte de voar, que
continua a ser aperfeiçoada.
A igreja, igualmente, aprendeu e
continua se aperfeiçoando na
arte de louvar ao seu Criador.
Deus nos criou para o louvor de
sua glória (Ef 1:6).
A busca da perfeição deve ser mais
que uma idéia, deve ser um modo de
viver. Antes, porém, é importante
que certas definições sejam
conhecidas, discutidas e
memorizadas:
Louvor: Ato de louvar; elogio; glorificação;
exaltação; por aquilo que Deus faz (fez)
em nossa vida ou na dos outros. Paulo
escreveu aos Coríntios “Portanto, quer
comais, que bebais, ou façais outra coisa
qualquer, fazei tudo para a glória de
Deus” (1 Co 10:31).
Fundamentados nessa passagem,
entendemos que o louvor deve estar
presente na vida em tudo que
fizermos. Ele deve ser manifestado
no falar, pensar, vestir, trabalhar,
estudar, orar e cantar.
Porém nos cultos da igreja atual, a
forma mais popular de louvor é por
meio de cânticos. O louvor também
é um mandamento, quando
analisamos o Salmo 150:6, que diz:
“Tudo que tem fôlego louve ao
Senhor”.
Em algumas congregações, somando
os prelúdios, solos, cantos, canto
coral e louvor congregacional, a
música chega ocupar cerca de 50%,
ou mais, do tempo total destinado
ao culto.
Louvar: Elogiar, dirigir louvores a; glorificar;
aplaudir.
Adoração: Ato de adorar; culto; reverência,
veneração por aquilo que Deus é (santo, justo,
amoroso, onipotente...). Em João 4:24, Jesus
ensina que “Deus é espírito, e importa que os
que o adoram o adorem em espírito e em
verdade”.
Somente uma pessoa salva em Jesus, cheia do
Espírito Santo, consegui isso.
Está registrado em João 1:12: “Mas a todos que
o receberam, àqueles que creem no seu nome,
deu-lhes o poder de serem feitos filhos de
Deus”
Aqueles que creem não apenas louvam, eles
adoram, porque são filhos. Deixaram de
serem criaturas que apenas louvam, para
serem filhos que louvam e adoram.
Ministro de louvor: Todo aquele que está
envolvido direta ou indiretamente, na
ministração do louvor na Casa de Deus.

Ministrar: Prestar, oferecer, fornecer,


apresentar, administrar.
Ministros de Louvor
Quem são eles?
Considerando-se que a ministração na Casa de
Deus não é algo realizado individualmente,
consideramos ministros de louvor todos
aqueles que estão envolvidos, direta ou
indiretamente, na ministração do louvor.
Entretanto, sabe-se que em muitas
congregações há somente uma pessoa
responsável por tal ofício.
Evidentemente essa pessoa não
trabalha sozinha, ou, pelo menos,
não deveria. Se ela não trabalha
sozinha, isto implica que os que
estão com ela também realizam o
mesmo trabalho, sendo, portanto,
ministros de louvor.
De igual modo, os outros participantes do
ministério têm um só objetivo: ministrar
o louvor na Casa de Deus.
São considerados ministros de louvor

Os que estão envolvidos na ministração do


louvor e são considerados ministros de louvor,
exercem as seguintes funções:
• Instrumentistas
• Cantores
• Técnicos de áudio e vídeo (Sonoplastia)
Os ministros de louvor devem ser pessoas
reconhecidamente cristãs e preparadas
para a tarefa de conduzir o povo na
adoração, da mesma forma que o pastor.
Normalmente essas pessoas se revezam
na condução do culto. Pastores e
ministros de louvor devem estar sempre
em perfeita sintonia.
Geralmente os pastores são líderes que se
preparam muitos anos para tal função e
constantemente reciclam seus
conhecimentos. Mesmo preparados, há
os que ainda apresentam deficiências.
Imagine então as deficiências que
existem entre os ministros de louvor.
O ideal seria que todos os ministros de
louvor também fossem pessoas bem
preparadas, porém, não é isso que
sempre ocorre. Infelizmente uma
verdade assola as igrejas desde o tempo
do velho testamento: “O meu povo é
destruído porque lhe falta conhecimento”
(Os 4:6).
Em muitos lugares, tanto o povo (demais
irmãos da igreja) quanto os ministros de
louvor são despreparados para louvar ao
Senhor. É preciso também doutrinar a
igreja ao modo mais apropriado possível
de louvar ao Senhor, como por exemplo,
se “soltarem” se entregando a adoração
livre e sincera.
Existem muitas igrejas que nem se quer
levantam no momento do louvor
congregacional, deixando assim, uma
aparência de que os irmãos que estão
ministrando o louvor naquele momento
estão apenas se apresentando enquanto
o restante da igreja observa tal ato.
Não é incomum ver também locais onde a hora
da ministração de louvor é anunciada do
seguinte modo: “Vamos ouvir o grupo de
louvor, louvando ao Senhor com um hino sem
perda de tempo”. As conclusões que podemos
tirar disso é que em tal igreja o louvor não é
visto como um ministério, por isso chamado
de “grupo” e também nota-se a falta de
importância dada ao louvor ordenado a ser
realizado “sem perda de tempo”.
Muita gente tem conceitos errados da
igreja, de Deus e do louvor. Portanto, se
a maioria dos músicos, cantores,
operadores de áudio e vídeo (os
ministros de louvor) não são pessoas
preparadas bíblica e especificamente
para atuarem em suas áreas, como
poderão servir à Igreja com um bom
trabalho?
Muitos se julgam preparados porque
realizam um trabalho semelhante fora
do reino, ou porque julgam ser uma
tarefa descomplicada. Porém, no reino
de Deus não podemos nos enganar com
as “tarefas fáceis”.
Observe a seguinte história:
Davi estava transportando a Arca da
Aliança de um local para outro,
utilizando-se de um carro puxado por
bois. Num determinado trecho da
viagem, os bois tropeçaram. Uzá, um dos
cocheiros, estendeu a mão para impedir
que a Arca caísse. Deus reprovou essa
“atitude simples” de Uzá, e o matou:
“Então a ira do Senhor se acendeu contra
Uzá, e Deus o feriu ali por esta
irreverência; e morreu ali junto a Arca de
Deus” (2Sm 6:7). A tarefa era fácil,
porém não autorizada a ele.
Vida de sacerdote (antigos levitas) não é
fácil. No deserto, durante os quarenta
anos de peregrinação, eles estudavam e
ensinavam a Lei, carregavam os
utensílios do Tabernáculo, montando-o e
desmontando-o a cada parada.
Imolavam e esquartejavam centenas de
animais.
Nos dias Salomão eles se revezavam em
turnos, durante as 24 horas do dia. Leia
(Nm 3, 4) e (1Cr 25, 26:20-32). Vida de
sacerdotes ou músicos, (antigo levita)
sempre foi e sempre será de abnegação,
de luta e de sacrifício.
Por isso, aos músicos que valentemente se
propuseram em fazer este estudo,
demonstrando a vontade de crescer em
seu ministério, dedico as palavras de
Paulo aos Coríntios: “Portanto, meus
amados irmãos, sede firmes, e
constantes, e sempre abundantes na
obra do Senhor, sabendo que, no Senhor,
o vosso trabalho não é vão” (1Co 15:58).
Quando estiverem aperfeiçoados e
dominando suas áreas, os ministros
de louvor não precisarão se
“desligar” do culto para exercer suas
funções. (ou seja, podem tocar e
adorar ao mesmo tempo).
Estar ministrando na Casa de Deus deve
ser visto como um serviço prestado à
igreja (irmãos). Os ministros de louvor
servem à igreja com seu talento de
conduzir a adoração, que foi dado por
Deus.
Em 1Co 9:16-19,
Paulo escreve: “Contudo, quando anuncio o
evangelho, não tenho do que me gloriar, pois
me é imposta essa obrigação. Ai de mim, se
não anunciar o evangelho! Se o faço de boa
vontade, terei recompensa: mas se de má
vontade, apenas desempenho um cargo que
me foi confiado. Embora eu seja livre para
com todos, fiz-me servir de todos, para ganhar
ainda mais”.
Se estivermos conscientes dessa
verdade em nosso ministério,
certamente seremos bem sucedidos.
Você foi escolhido e designado por
Deus, e isto exige temor e
responsabilidade.
Obrigações e características desejáveis aos
ministros de louvor

a) Buscam ao Senhor através da oração e


leitura da Bíblia
“Bem aventurados os que trilham caminhos
retos, e andam na lei do Senhor. Bem
aventurados os que guardam os seus
estatutos, e o buscam de todo coração. De
todo o meu coração te busco; não me deixes
desviar dos teus mandamentos” (Sl 119: 1-2 e
10).
  b) São humildes
“Bem aventurados os humildes de espírito,
porque deles é o reino dos céus. Deus resiste
aos soberbos, mas dá graça aos humildes” (Mt
5:3/ Tg 4:6). Paulo foi incisivo em 1Co 4:7:
“Pois, quem te faz diferente? E que tens tu que
não tenhas recebido? E se recebeste, porque
te glorias, como se não houveras recebido?”
O músico muitas vezes tem uma tendência de
querer se mostrar, e creio que qualquer
pessoa que estivesse no lugar dele, também
seria atingido por esse desejo. Isso é perigoso
porque, agindo assim, ele estará tentando
ficar com a glória que pertence a Deus. Desta
forma agiu o maligno (Ez 28:16) e também
Herodes (At 12:22-33);
c) São habilidosos para trabalhar
“Canta-lhe um cântico novo, tocai bem e com
júbilo” (Sl 33:3). Leia também (1Sm 16:18);
d) Procuram ser pessoas segundo o coração de
Deus
“Achei a Davi, filho de Jessé, homem segundo o
meu coração, que executará toda minha
vontade” (At 13:22);
e) Procuram sempre aprender e se aperfeiçoar
cada vez mais
“...o entendido adquira habilidade” (Pv 1:5)
f) Possuem unção de Deus para exercer suas
respectivas atividades
“Mas estabelece os levitas sobre o tabernáculo
do Testemunho, sobre todos os seus utensílios,
e sobre o que lhe pertence. Eles transportarão
o tabernáculo e todos os seus utensílios; eles o
administrarão, e se acamparão ao redor dele”
(Nm 1:50);
g) Possuem consciência de que dependem de
Deus para tudo que fizerem
“Todas as minhas fontes estão em Ti” (Sl 87:7)
h) São fiéis no dízimo
“E, por assim dizer, por meio de Abraão, até
Levi, que recebe dízimos, pagou dízimos” (Hb
7:9)
i) São responsáveis em tudo
(Horário, ensaios, não faltam cultos, em casa, no
trabalho, na escola etc...);
“Maldito aquele que fizer a obra do Senhor
relaxadamente” (Jr 48:10)
j) São íntegros, retos e tementes a Deus
k) São entusiasmados
A palavra entusiasmo, significa entre outros,
“exaltação ou arrebatamento extraordinário
daquele que está sob inspiração divina” ou seja,
estar entusiasmado, é estar “cheio de inspiração
divina”. Em outras palavras, é estar cheio do
Espírito Santo;
l) Procuram ser atraentes no falar, no vestir,
sem ferirem a ética, a disciplina, o pudor e os
preceitos bíblicos
m) São prudentes
Moderados, comedidos, cautelosos, sensatos e
ponderados;
n) São quebrantados
“Perto está o Senhor dos que têm o coração
quebrantado...” (Sl 34:18)
o) Não fazem acepção de pessoas
p) Por estarem investidos de autoridade,
exercendo como que um ministério pastoral,
devem preencher os requisitos de (Tt 1:6-9):
“...irrepreensível, marido de uma só mulher, que
tenha filhos fiéis, que não possam ser acusados
de dissolução, nem são desobedientes...nem
irascível, nem dado ao vinho, nem espancador,
nem cobiçoso de torpe ganância. Deve ser
hospitaleiro, amigo do bem, sóbrio, justo,
piedoso, temperante. Deve reter firme a fiel
palavra”. O versículo 6, adaptado para os
solteiros, conclama-os a não serem pessoas que
namoram desordenadamente, tornando-se
malvistos pela congregação;
q) Vivem o papel de líderes da congregação,
juntos com os outros líderes
Visitam, oram pelas pessoas, participam de
mutirões, festas, vigílias, conversam com
todos, indiscriminadamente. São ministros de
louvor 24h por dia.
r) São submissos à liderança da congregação
s) São cumpridores exemplares das normas
particulares da congregação
t) São reverentes
Mesmo em meio às danças, palmas, brados de
louvor e alegria. Não tem atitudes levianas
diante do Senhor, pois honram a sua presença
majestosa;
u) Participam, sempre que possível, de todas as
atividades da congregação
E não somente daquelas em que atuam
v) Aprendem a trabalhar em equipe
w) São santos
(Separados) e vivem exclusivamente para Deus.
O Senhor não pode agir por intermédio de
uma pessoa contaminada pelo mundanismo.
“Sede santos porque eu, o Senhor vosso Deus,
sou santo” (Lv 19:2) O ministro deve dizer com
prazer, “sou santo, não porque não peco, mas
sim por não aceitar o pecado”.
Impedimentos ao louvor
O que tem impedido o louvor da igreja?

O ministro de louvor e os demais integrantes do


ministério devem estar conscientes de que não
apenas os fatores naturais (temperatura,
iluminação, ventilação) são os responsáveis pelo
resultado do louvor.
Fatores espirituais devem ser levados mais a sério
que os naturais, pelo simples fato de o louvor ser
dirigido a um ser espiritual, que é Deus.
Conforme (Jo10:10), o ladrão (diabo) vem para
roubar, matar e destruir.
Dentre as várias coisas que ele quer
destruir, o louvor tem um lugar especial,
porque é dirigido a Deus, seu
arquinimigo. Nunca se esqueça de que
“O vosso adversário, o diabo, anda em
derredor, rugindo como leão, buscando a
quem possa tragar” (1Pe 5:8).
Infelizmente, em várias congregações, o inimigo
tem logrado êxito e o louvor tem se
desenvolvido com as seguintes características:

• Músicos e cantores despreparados e mal


ensaiados;
• Equipamentos inadequados e técnicos
inabilitados;
• Músicas mal escolhidas;
• Ambiente impróprio (Calor, frio,
abafamento...).
*IMPORTANTE - Quando o louvor é realizado
com músicos e cantores despreparados e mal
ensaiados, cantando músicas impróprias para
o momento, num ambiente impróprio,
utilizando equipamento inadequado, sendo
operado por técnicos inabilitados, o diabo
nem precisa aparecer para atrapalhar.
Músicos e cantores despreparados

No texto de (Lv 10:1-3), vemos Nadabe e Abiú,


filhos de Arão, sacerdotes de Israel, morreram
porque “trouxeram fogo estranho” ao altar do
Senhor. Comparando com nossos cultos
contemporâneos, observe que o altar, o Deus, os
homens e o desejo de ofertar ainda são os
mesmos. “O fogo estranho” nada mais é que a
oferta não sincera. A oferta sincera e a não
sincera coexistem desde os dias de Caim e Abel,
passando por Nabade e Abiu, depois Ananias e
Safira e, finalmente, chegando até os nossos dias.
Muitos ministros de louvor contemporâneos,
em diversos lugares, são a própria tipificação
de Nadabe e Abiu e de Ananias e Safira. Eles
têm “caído mortos no altar”, espiritualmente
falando, de maneira imperceptível à igreja,
mas não ao Senhor. Eles deveriam procurar
inspirar-se na nobreza e na sinceridade
expressas pela pessoa de Davi, de quem Deus
disse ser “homem segundo o meu coração”
(At 13:22)
Testemunho

Aprendi música em dezembro de 1995, em uma igreja que eu


congregava.
Meu aprendizado foi extremamente básico, mas eu queria algo a
mais.
Através de livros sobre harmonia, improvisação, métodos
rítmicos etc..., fui aprimorando meus conhecimentos na área.
No ano de 2005 aproximadamente, já congregando em outra
igreja, conheci através de um amigo o dono de uma banda de
“samba rock”.
Comecei a freqüentar os ensaios da tal banda, para no caso de
falta do trompetista eu poder cobrí-lo, os que chamamos no
meio musical de “sub” ou “free lance”. Após algumas
semanas, fui convidado a fazer parte dessa banda como
músico efetivo e não mais “free lance”.
Por diversas vezes, eu saía do culto onde
tocara, regia o coral, e me dirigia aos
bares, casas de shows espalhados pela
cidade. Participei de programa de
televisão, fiz gravações, o dinheiro
rápido me dava uma sensação de
“segurança”. Mas na verdade, a cada dia,
eu assinava meu “contrato” com o
inferno.
Com o mesmo trompete que havia usado na
igreja, executava músicas que não edificavam
a ninguém, nem mesmo a mim. Muitas dessas
músicas, falavam em suas letras nomes de
“santos” ligados ao espiritismo. Aprendi a
beber e farrear com os “amigos” em uma
dessas noites experimentei o cigarro,
comprovando as palavras de Paulo em (1Co
15:33), que diz que “as más companhias
corrompem os bons costumes”.
Meu trompete, minha vida, minhas músicas, não eram
consagrados a exclusivos para o Senhor. No dia
seguinte, eu estava de novo tocando e regendo em
minha congregação. Evidentemente, me sentia
frustrado em tudo que fazia, mas não havia ninguém
que se arriscasse a me orientar, afinal, eu era útil ali
(igreja) como trompetista e regente. Dentro de mim
eu pensava que estava enganando a todos, pois
quando chegava a igreja, colocava uma “capa” de
espiritualidade e “encarnava” a face de um cristão,
encaixando-me completamente no que diz em (Mt
23:27) “...porque sois semelhantes aos sepulcros
caiados, que, por fora, se mostram belos, mas
interiormente estão cheios de ossos de mortos e de
toda a imundícia.”
Decolando nas asas do louvor

Os músicos, cantores e operadores de áudio e vídeo


(sonoplasta) precisam ser pessoas convertidas e
integradas na igreja. Tudo o que é natural precisa
passar pela cruz. Já tive a oportunidade de participar
de um culto onde o operador da mesa de som era um
incrédulo. Quem dava as “dicas” no seu ouvido era o
inimigo. O louvor não fluía. O som não se acertava. Na
sua equalização, ele sempre dava mais ênfase aos
instrumentos, ao passo que, para os cristãos, o mais
importante é a letra. Isto tem ocorrido principalmente
nos grandes eventos, quando se faz necessário a
locação de equipamento mais potentes. Muitas das
empresas que prestam esse serviço normalmente não
são evangélicas, nem seus técnicos.
Os ministros de louvor fazem as vezes de pastores e
precisam aprender muito antes de assumir
responsabilidades na Casa de Deus. Podem até
ser pessoas salvas, porém, por serem mal
orientadas, jamais conseguirão orientar qualquer
pessoa. Muitos acham que estão perfeitamente
certos. Um homem que prega, canta e toca bem
um instrumento pode levar a platéia às lágrimas.
Contudo, se isso não ocorrer pelo poder do
Espírito Santo, não são lágrimas de louvor, mas
de emoção. É só emoção, pois música e palavras
envolventes são irresistíveis.
Os ministros de louvor devem estar
preparados para substituir o pastor em
qualquer momento do culto. Inúmeras
vezes, forçado pelas circunstâncias, ou
orientado pelo Espírito Santo, fui
obrigado a pregar, descer da plataforma
para orar pelas pessoas e aconselhar. Os
músicos são muitas vezes procurados
para isso. O que acontecerá se nada
tiverem para oferecer?
Os ministros de louvor, assim como os
pastores, quando saem ao encontro do
povo e participam da ministração a Deus,
passam a ser mais queridos pelas
pessoas. Além de comunhão, o resultado
é, ministrações mais proveitosas em
outras ocasiões. Robert Murray
Mccheyne escreveu algo tremendo e
verdadeiro: “Deus abençoa muito mais a
grande semelhança com Jesus do que os
grandes talentos”.
Os ministros de louvor também estão incluídos
entre aqueles que creem e têm missão de
estarem sendo seguidos pelos sinais que Jesus
cita em (Mc 16:17-18): “E estes sinais hão de
seguir aqueles que crerem: Em meu nome
expulsarão demônios; falarão novas línguas;
pegarão em serpentes; e quando beberem
alguma coisa mortífera, não lhes fará mal
algum; imporão as mãos sobre enfermos, e os
curarão”.
Equipamentos inadequados e técnicos
inabilitados
Outro grande problema que tem impedido
o fluir do louvor é o equipamento de som
inadequado, sem manutenção e mal
equalizado. Convém que os ministros de
louvor aprendam a operar o equipamento
de som. Não somente os encarregados,
mas todos que participam do ministério.
Evidentemente que deverá ser nomeado um
responsável, para evitar que todos mexer
desordenadamente. Porém, quanto mais
pessoas souberem manusear o equipamento,
melhor será para a igreja. Pode ocorrer que,
em alguns dias, o equipamento seja
necessário e os operadores não estejam
presentes, obrigando os músicos e cantores a
“se virarem”.
Resultados da utilização de equipamentos
inadequados:
 
O pecador não entende a palavra pregada;
O cantor não abençoa a igreja com seu cântico;
O pregador não se faz entender;
Os avisos são mal interpretados;
Os músicos não se entrosam;
Outras consequências que favorecem a atuação
do inimigo.
Músicas mal escolhidas
Discuti-se muito entre colocar essa ou aquela
música, dentro da sequência das escolhidas
para o louvor congregacional. Porém,
consideramos alguns detalhes importantes
neste item. Às vezes, o problema não é “qual 
a música certa”, mas é “em que momento ela 
entrará”. Uma música boa encaixada no
momento errado não surte o efeito que se
espera.
Cantar música de adoração no momento em
que convém música de testemunho, e vice-
versa, nem sempre edifica. Constantemente
os ministros de louvor terão de encaixar
músicas adequadas nos diversos momentos
da liturgia. Para isso, devem possuir arquivos
de hinos, cânticos e corinhos sempre
atualizado e ensaiado, organizado por
assunto, permitindo um fácil acesso.
Ligando os motores

O que os ministros de louvor devem observar antes


de começar o culto?

Antes de começar o culto, os ministros de louvor


devem observar muitos itens, assim como faz o
piloto de um avião, porque ambos estarão 
transportando vidas, inclusive as deles mesmos.
Transportar vidas é algo muito sério. Se o avião
cair, os prejuízos serão incalculáveis. No louvor
congregacional também estaremos trabalhando
com vidas.
As observações abaixo podem até parecer
uma “receita de bolo”, porém não se
trata disso. O objetivo é que os ministros
de louvor tenham noção de itens básicos
a observar e possam percebê-los com
nitidez suficiente, a fim de evitarem
erros, bem como tornar permanentes os
acertos.
Em qual direção a bússola está apontando?

O Espírito Santo é a bússola. O que deseja o Espírito


Santo nesse dia?
Aonde o Senhor quer nos levar? O mover de Deus
poderá ser para libertação, cura, renovação de
alianças, restauração de laços, ensino, salvação
etc... Obteremos essa informação por meio da
oração. Os ministros de louvor devem se reunir
antes do período do louvor, para que tenham um
tempo de oração juntos, a fim de saber qual a
direção do vento do Espírito Santo e a palavra
específica de Deus para aquele culto...
O Espírito Santo tem objetivos a cumprir, através
do louvor, em cada culto. Louvor não é para
“preencher tempo”, “tapar buraco”, “esquentar
o povo”, “animar os irmãos” ou coisas
semelhantes a estas, que sempre ouvimos todos
os dias, até mesmo de pessoas conceituadas.
Cantar e pregar são atividades que devem ser
feitas com objetivo, sabedoria, unção e
preparação, pois o importante é o resultado.
E temos de admitir que algumas vezes,
dependendo do assunto, conseguimos transmitir
muito mais por meio da musica do que pela
pregação.
Os instrumentos e o motor estão funcionando?
Muitos grupos utilizam o período antes do culto para
ensaiar, testar e afinar instrumentos, escolher as
músicas, exibir os diferentes recursos de teclados e
percussões, tempo esse ideal para um suave
prelúdio. Convém aos ministros de louvor, sempre
chegar ao local de reunião com antecedência
suficiente para montar o equipamento, afinar
instrumentos, fazer manutenção, testá-lo e ter um
período de oração. Muitas vezes os técnicos de som
e músicos não se acertam porque chegam em cima
da hora ou até mesmo atrasados e não tem tempo
para equalizar o equipamento. Ter zelo, conservar o
equipamento e instrumentos, e sempre chegar no
horário é uma prova de amor a Deus.
(Jr 48.10).
Existe combustível suficiente para o voo?
O combustível é aquele que arde, ou seja,
inflama-se no motor, para que o avião se
locomova. O motor depende do combustível
para funcionar. Os ministros de louvor devem
possuir unção para todo o período de louvor,
por isso devem orar a Deus dizendo que
dependem totalmente do Espírito Santo para
ministrar. Cada ministro deve conferir em
oração a sua santidade, antes de iniciar o
culto.
A comunicação com a torre está perfeita?
A comunicação com o Senhor deve estar livre e
desobstruída. Antes de qualquer coisa, os
ministros de louvor devem pedir perdão a Deus
pelos seus pecados e levar a congregação a fazer
o mesmo, para que a comunicação com o céu se
torne perfeita. “Mas as vossas iniquidades fazem 
divisão entre vós e o vosso Deus...” (Is 59:8). 
“Bem aventurados os puros (limpos) de coração, 
porque eles verão a Deus.” (Mt 5:8). Quem quer
ver a Deus tem que estar como coração limpo.
Enquanto louvamos, JESUS passeia no meio da igreja, trazendo:
• Cura (da alma e do corpo);
• Libertação (de opressão demoníaca);
• Restauração (da comunhão entre os irmãos e das alianças
com Deus);
• Paz (às almas dos aflitos e ansiosos);
• Alegria (àqueles que choram);
• Amor (ao Senhor e à igreja)
• Perdão (de pecados e de uns para com os outros)
• Salvação (aos incrédulos);
• Sinais (aos incrédulos)
• Comunhão (entre os irmãos e entre Deus e a igreja);
• Bênçãos materiais (Deus aumenta a fé para recebê-las)
• Edificação espiritual (ensinamentos e doutrinas)
• Renovação (da mente, do corpo e da alma).
Agora veremos, um trecho do DVD
Milagres de André Valadão onde
durante o espontâneo de um música
chamada “Nada se compara” é
observado claramente uma
abençoada ministração com total
interação entre músicos (banda) e
cantor.
Tanto nos quesitos volume, dinâmica,
livre adoração (como já falamos 
anteriormente) que é quando o
músico se sente livre para se
entregar a adoração enquanto toca.
Tente observar também a disciplina
que existe e o controle do líder do
ministério com os músicos.
Geralmente o que acontece muito
comumente nestes momentos de
“espontâneo”, é uma competição
entre os músicos para ver quem toca
mais alto a fim de expor seus
conhecimentos musicais.

Vamos observar o trecho:


Espontâneo “Nada se compara” 
DVD Milagre – André Valadão (Parte I)
Espontâneo “Nada se compara” 
DVD Milagre – André Valadão (Parte II)
Espontâneo “Nada se compara” 
DVD Milagre – André Valadão (Parte III)
Em (2Cr 20:22) vemos como o Senhor
trabalhava enquanto o povo louvava:
“Quando começaram a cantar e dar 
louvores, o Senhor pôs emboscadas 
contra os homens de Amom, de Moabe e 
do monte Seir, que tinha vindo contra 
Judá e foram desbaratados”.
“Todo ser que 
respira louve ao 
Senhor” (Sl 150:6)