Você está na página 1de 5

CENTRO DE ENSINO UNIVERSITÁRIO DO MARANHÃO - CEUMA

SERGIO ROBERTO PINTO


BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS

ELIÚ CRISTIAN RIBEIRO DE SOUZA – CPD:88402

ESTUDO DE CASO: LEGALIDADE NA COBRAÇA DE IPTU PELAS


PREFETUIRAS DE PAÇO DE LUMIAR E RAPOSA EM PROPRIEDA-
DES REGULAMENTADAS PELO ESTADO DO MARANHÃO

BACABAL-MA
2019
ESTUDO DE CASO: LEGALIDADE NA COBRAÇA DE IPTU PELAS
PREFETUIRAS DE PAÇO DO LUMIAR E RAPOSA EM PROPRIEDA-
DES REGULAMENTADAS PELO ESTADO DO MARANHÃO

ELIÚ CRISTIAN RIBEIRO DE SOUZA – CPD:88402

Atividade Discursiva apresentada ao Curso de


Bacharelado em Ciências Contábeis da Univer-
sidade CEUMA, como requisito parcial para
obtenção de nota para a disciplina Legislação
Tributária - LETRI-64060120192.
Professor: Sérgio Roberto Pinto.

BACABAL-MA
2019
3

IMPOSTO PREDIAL E TERRITORIAL URBANO - IPTU

Este referido imposto, de competência dos Municípios, o Imposto Predial e Territorial


Urbano é instituído no Artigo 156 da Constituição da República Federativa do Brasil de 1988,
cobrado anualmente sobre o valor venal do imóvel, e recai sobre a propriedade predial e terri-
torial urbana tem como fato gerador a propriedade, o domínio útil ou a posse de bem imóvel
por natureza ou por acessão física, como definido na lei civil, localizado na zona urbana do
Município. Entretanto a lei municipal pode sinalizar que urbanas são áreas urbanizáveis, ou de
expansão urbana, presentes nos loteamentos aprovados pelos órgãos competentes, destinados à
moradia, à indústria ou ao comércio, mesmo que localizados fora das zonas definidas nos ter-
mos especificados acima. O Código Tributário Nacional - CTN (Lei 5.172, de 25.10.1966) rege
o IPTU em seus artigos 32 a 34. Verifica-se então que a Carta Magna apenas apresentou a
competência tributária para instituição do IPTU cabendo ao CTN estabelecer as normas gerais
que delimitarão a cobrança do imposto pelos municípios. Sobre o critério topográfico não pode
ser utilizado isoladamente para definir qual tributo deve incidir sobre o bem imóvel, ou seja,
por esse critério apenas se o imóvel estivesse localizado em zona urbana incidiria o IPTU e se
localizado fora da área urbana incidiria o ITR, mas conforme prevê o próprio parágrafo 2º do
artigo 32 do CTN existem áreas urbanizáveis ou de expansão urbana que podem ser inseridas
no conceito de zona urbana pelos municípios

Logo, é feliz e precisa a conceituação do imposto por AIRES F. BARRETO


(2009:180), ao prelecionar que ‘‘o imposto predial e territorial urbano grava, pois, a proprie-
dade, ou seja, recai sobre esse gozo jurídico de uso, fruição e disposição do bem imóvel’’.
Independentemente da posição ocupada pelo instituto do usufruto nos conceitos de domínio útil
ou posse, podendo, inclusive, ser considerado inserido em qualquer um deles, fato é que incidirá
o IPTU sobre o bem objeto do usufruto, sendo o usufrutuário considerado contribuinte do tri-
buto.

Isto posto para efetiva cobrança deste imposto, entende-se como zona urbana a defi-
nida em lei municipal, observando o requisito mínimo da existência de melhoramentos indica-
dos em pelo menos dois dos itens seguintes, construídos ou mantidos pelo Poder Público:

I – meio-fio ou calçamento, com canalização de águas pluviais;


II – abastecimento de água;
III – sistema de esgotos sanitários;
4

IV – rede de iluminação pública, com ou sem posteamento para distribuição domiciliar;


V – escola primária ou posto de saúde a uma distância máxima de 3 (três) quilômetros do imóvel
considerado.

Tomando como base o estudo de caso apresentado na análise em uma situação hipoté-
tica de um fato ocorrido nos municípios de Raposa e Paço do Lumiar onde o Governo do Ma-
ranhão, através da Regularização Fundiária que “Em linhas gerais, é o processo de intervenção
pública, sob aspectos jurídicos, físicos e sociais, com o objetivo de legalizar a permanência da
população moradora em áreas urbanas e rurais pertencentes ao Estado, notamos que em con-
formidade com a legislação tributária vigente, os municípios aqui tratados neste estudo estão
amparados por Lei para efetuar a cobrança de tal tributo. Entretanto devem atentar-se ao CTN
- Lei nº 5.172 de 25 de Outubro de 1966, onde percebe-se a necessidade de que haja a regulação
da vinculação do IPTU com os requisitos mínimos que constam no § 1º do art. 32 do CTN,
dentre eles os três primeiros que são relacionados ao Saneamento Básico, quanto à aplicação
dos recursos oriundos da cobrança do referido imposto, bem como outras necessidades de forma
a proporcionar, no mínimo, a vida digna à sociedade. Neste sentido, o principal objetivo do
desenvolvimento urbano é promover a dignidade da pessoa humana, prevista no art. 1, III, da
CF/88, garantido o direito à moradia, saneamento básico, infraestrutura urbana, transporte, tra-
balho, lazer etc. (RAMOS, 2011, p. 30).

A partir dessa divisão constitucional, verifica-se que o Estado tem o poder de criar e
exigir tributos dos contribuintes, desde que não viole os princípios constitucionais e as limita-
ções desse poder de tributar, exercendo dessa forma o seu poder fiscal. E, em que pese nos
últimos tempos os impostos em geral possuírem características fiscais e extrafiscais, a progres-
sividade verificada de forma expressa constitucionalmente no IPTU evidencia o pretendido pelo
constituinte, isto é, realizar os princípios da isonomia, da igualdade, da proporcionalidade, da
capacidade contributiva, servindo o referido imposto, quando instituído desta forma, como ins-
trumento constitucional de realização da justiça social.
5

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BALEEIRO, Aliomar. Direito Tributário Brasileiro. Atualizadora Misabel Abreu Machado


Derzi.12ª ed. rev. atual e amp. Forense, 2012.

BARRETO, Aires Fernandino. Curso de Direito Tributário Municipal, São Paulo: Saraiva,
2009..

http://www.saf.ma.gov.br/governador-flavio-dino-entrega-280-titulos-de-posse-de-terra-em-
paco-do-lumiar/- Acesso em 05/09/2019.

https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2017/05/31/senado-aprova-mp-com-novas-re-
gras-para-regularizacao-fundiaria-rural-e-urbana - Acesso em 05/09/2019

BRASIL. Constituição da República Federativa do. 1988. Disponível em http://www.pla-


nalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm.- Acesso em 06/09/2019

_____. Lei 5.172 de 25 de outubro de 1966. Dispõe sobre o Sistema Tributário Nacional e
institui normas gerias de direito tributário aplicáveis à União, Estados e Municípios. Disponível
em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L5172.htm.- Acesso em 06/09/2019.

______. Lei 10.257 de 10 de julho de 2001. Regulamenta os arts. 182 e 183da Constituição
Federal, estabelece diretrizes gerais da política urbana e dá outras providências. Disponível em
http://www.planalto.gov.br/CCivil_03/leis/LEIS_2001/L10257.htm.- Acesso em 07/09/2019

.______. Lei 10.406 de 10 de janeiro de 2002. Institui o Código Civil. Disponível em


http://www.planalto.gov.br/CCivil_03/leis/2002/L10406.htm - Acesso em 07/09/2019.