Você está na página 1de 16

DISCIPLINA DE PROJECTO DE SANEAMENTO

AULA 3 / SUMÁRIO

AULA 3

Caudais de dimensionamento.
Dimensionamento hidráulico de sistemas adutores.
Dimensionamento das condutas à pressão.
Características e materiais das tubagens.

PROJECTO DE SANEAMENTO / SETEMBRO 2012 1


SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA
SISTEMAS DE ADUÇÃO DE ÁGUA / DIMENSIONAMENTO HIDRÁULICO DE ADUTORAS

Duração do transporte:
Transporte por bombagem
A não ser em casos especiais, 16 h
diárias como período máximo diário de
adução (NP 837);
 A fiabilidade dos sistemas 16h- 20 h/dia
mecânicos permite 20 h/dia, com
segurança razoável.

Transporte gravítico 24 h/dia

Período máximo diário de adução de


24 h/dia.

PROJECTO DE SANEAMENTO / SETEMBRO 2012 2


SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA
SISTEMAS DE ADUÇÃO DE ÁGUA / DIMENSIONAMENTO HIDRÁULICO DE ADUTORAS

Caudais de dimensionamento

Dimensionamento para o dia de maior consumo


Qdim = Kt x Kp x f D x Qm

Dimensionamento para o mês de maior consumo

Qdim = Kt x Kp x fM.Qm
em que:

Kt – factor de duração de transporte = (24 h/nº de horas de transporte);

Kp – factor de perdas na adução (1,05 a 1,10

fM ; fD – factor de ponta mensal ou factor de ponta diário

Qm – caudal médio anual

PROJECTO DE SANEAMENTO / SETEMBRO 2012 3


SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA
SISTEMAS DE ADUÇÃO DE ÁGUA / DIMENSIONAMENTO HIDRÁULICO DE ADUTORAS

Limitações à velocidade do escoamento

Limitação da velocidade máxima

Sobrepressões provocadas pelo regime variável

Perdas de carga excessivas e anti-económicas

Limitação da velocidade mínima Custo de Energia (€)

8000

Qualidade da água nas condutas 7000


6000
5000
4000

Auto-limpeza e deposição de sólidos 3000


2000
1000
0

Velocidade do escoamento: 0 200 400 600 800

Troços em pressão por bombagem : 0,6 m/s ≤ V ≤ 1,5 m/s

Troços em pressão por gravidade : 0,3 m/s ≤ V ≤ 1,5 m/s

PROJECTO DE SANEAMENTO / SETEMBRO 2012 4


SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA
SISTEMAS DE ADUÇÃO DE ÁGUA / DIMENSIONAMENTO HIDRÁULICO DE ADUTORAS

Escolha dos diâmetros tecnicamente viáveis


Qdim (m3/s) => Q = V.S => Intervalo de Diâmetros
Vmax, Vmin (m/s) => S = pi.D2/4 => D (m) = (4 Q / pi.V)0.5

Gravítico (Qdim 40) Elevatório


(Qdim 20)
(Qdim 40)

Dmin Dmax
D1 D2 D3 Dmin Dmax
D1 D2
Di = diâmetros comerciais cujo diâmetro interior está no intervalo

PROJECTO DE SANEAMENTO / SETEMBRO 2012 5


SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA
SISTEMAS DE ADUÇÃO DE ÁGUA / DIMENSIONAMENTO HIDRÁULICO DE ADUTORAS
ESCOLHA DO DIÂMETRO

No sistema puramente gravítico (sem elevação)


A escolha dos diâmetros tecnicamente viáveis é função da energia disponível

 Cálculo de Jmáx = Dz / L | determinar Jmáx


 Pela fórmula de perda de carga (Colebrook-White ou Manning Strickler),
cálculo de Dmin’ |

Linha de energia dinâmica (LED)


Dmin’
Gravity flow D>Dmin’
Gravítico (Qdim 40) 1
Jmax
Dz
L Dmin’
Dmin Dmax
D1 D2 D3
D<Dmin’
Diâmetro mais económico é o diâmetro mínimo (ou a combinação de diâmetros) que
está dentro do intervalo Dmin e Dmax (verifica os dois critérios) e que permite transportar a
água para a cota pretendida.

PROJECTO DE SANEAMENTO / SETEMBRO 2012 6


SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA
SISTEMAS DE ADUÇÃO DE ÁGUA / DIMENSIONAMENTO HIDRÁULICO DE ADUTORAS
ESCOLHA DO DIÂMETRO ECONÓMICO

Em sistemas elevatórios ou num sistema misto (em vale) | Conceito de diâmetro


económico Custo Total

Qdim 20 Custos exploração
Qdim 40
(energia)

Dmin Dmax
D1 D2

Dec DN
Custo condutas

Para determinar o Diâmetro mais económico é necessário contabilizar, para


além dos custos da instalação da tubagem, os custos com a energia.
Assim, retém-se todos os diâmetros tecnicamente viáveis (D1 e D2) e
contabiliza-se os encargos energéticos das diferentes soluções viáveis.

PROJECTO DE SANEAMENTO / SETEMBRO 2012 7


SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA
SISTEMAS DE ADUÇÃO DE ÁGUA / DIMENSIONAMENTO HIDRÁULICO DE ADUTORAS
CÁLCULO DAS LINHAS DE ENERGIA

 Fórmula de Colebrook- White


 Mais rigorosa +/-15% de erro
 Mais adequada para sistemas adutores (normalmente sistemas
longos e com muitas perdas de carga contínuas)
U2  k 2,51  (água20ºC) = 10-6 m2s-1
Jn1  2
log10   
8g D  3,7D D 2g D J 
 n 
kPE,PVC = 0,003-0,02 mm

kFFD,aço = 0,01-0,1 mm
2/5
 2Q   k 2,51 
Dn1    2/5
log10   
 π 2gJ   3,7D n D 2g D J  Quintela (1981), p.140
   n n 

 Fórmula de Manning Strickler


 Adequada para redes de distribuição e sistemas com superfície livre
(redes de drenagem ou canais/rios)
Ks PE,PVC = 100-120 m1/3s-1
Q  KS S R 2/3
J 1/ 2

Ks FFD,aço = 75 - 90 m1/3s-1
Quintela (1981), p.153

PROJECTO DE SANEAMENTO / SETEMBRO 2012 8


SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA
SISTEMAS DE ADUÇÃO DE ÁGUA / DIMENSIONAMENTO HIDRÁULICO DE ADUTORAS
DETERMINAÇÃO DAS PRESSÕES DE SERVIÇO DAS TUBAGENS

PN 6 E-2

Condutas adutoras gravíticas:


PN 10

Altura piezométrica estática


PN 16

P-3

PN 20
E-3

PN 6

PN 10

E-3

PN 16  Condutas adutoras por bombagem:


PN 20
Altura piezométrica dinâmica
E-2 E-1

PROJECTO DE SANEAMENTO / SETEMBRO 2012 9


SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA
TUBAGENS / POLICLORETO DE VINILO (PVC)

Características:
Duronil \ Tubagens
Tubagem em PVC (policloreto de vinilo) rígida
de parede compacta fabricada por extrusão.

As tubagens de Duronil são apresentadas nas classes de pressão:


 PN6 kgf/cm2 (0,6 MPa);
 PN10 kgf/cm2 (1,0 MPa);
 PN16 kgf/cm2 (1,6 MPa).

Diâmetros exteriores (mm):


63; 75; 90;110; 125; 140; 160; 200;
250; 315; 400; 500; 630

PROJECTO DE SANEAMENTO / SETEMBRO 2012 10


SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA
TUBAGENS / POLIETILENO DE ALTA DENSIDADE (PEAD)

Características:
PEAD \ Tubagens
A tubagem em PEAD de parede compacta é
fabricada por extrusão.

As tubagens de PEAD são apresentadas nas


classes de pressão de:
PN4 kgf/cm2 (0,4 MPa) a PN16 kgf/cm2 (1,6 MPa)

Diâmetros exteriores (mm):


63; 75; 90;110; 125; 140; 160; 200;
250; 315; 400; 500; 630

PROJECTO DE SANEAMENTO / SETEMBRO 2012 11


SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA
TUBAGENS / POLIESTER REFORÇADO COM FIBRA DE VIDRO (PRFV)

Características:
PRFV \ Tubagens
As tubagens de PRFV são fabricadas através de um
processo de centrifugação automático.
A tubagem é formada por diversas camadas, variando as
quantidades de matérias primas usadas em cada uma.
No fabrico da tubagem entram quatro componentes:
 Resina de poliester: actua como ligante e é formada por uma
resina de poliester não saturada e não dissolvente;

 Filler (cabornato de sódio): mistura-se com a resina para


melhorar a carga estrutural;
 Areia de sílica: como carga estrutural para melhorar as suas
propriedades mecânicas;
 Fibra de vidro: como reforço da resina de poliester utilizam-
se fibras de vidro de alta qualidade.
As tubagens de PRFV são apresentadas nas classes de
pressão de 0,2 MPa a 2,5 MPa
Diâmetros interiores (mm):
150; 200; 250; 300; 350; 400; 450; 500; 600; 700; 800; 900;
1000; 1100;…; 2400 PROJECTO DE SANEAMENTO / SETEMBRO 2012 12
SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA
TUBAGENS / FERRO FUNDIDO DÚCTIL (FFD)

FFD \ Tubagens Características:

As tubagens de ferro fundido dúctil (FF)


caracterizam-se por serem tubagens de grande
longevidade.
Podem ter vários revestimentos interiores.
As tubagens de FF são apresentadas nas classes
de pressão de:
3,2 MPa a 4,0 Mpa

Diâmetros interiores (mm):


150; 200; 250; 300; 350; 400; 450; 500; 600; 700; 800;
900; 1000; …

PROJECTO DE SANEAMENTO / SETEMBRO 2012 13


SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA
TUBAGENS / AÇO

Características:
Aço \ Tubagens
As tubagens de aço podem ser dimensionadas
com várias espessuras e são normalmente
utilizadas para trechos com elevadas pressões e
em trechos em que a tubagem não esteja
enterrada.
Podem ter vários revestimentos interiores.
As tubagens de aço são apresentadas nas classes
de pressão de:
3,2 MPa a 4,0 Mpa

Diâmetros interiores (mm):

150; 200; 250; 300; 350; 400; 450; 500; 600; 700;
800; 900; 1000; …

PROJECTO DE SANEAMENTO / SETEMBRO 2012 14


SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA
TUBAGENS / OUTROS TIPOS

Outros tipos \ Tubagens

Fibrocimento
É um material em desuso, mas do qual existem
extensões significativas nas redes mais antigas.
Classes de pressão: CL6, CL12; CL18; CL24; CL30

Betão armado (pré-esforçado ou com alma de aço)


É um material competitivo nos grandes diâmetros
com o ferro fundido dúctil.

Outras tubagens plásticas:

Polipropileno
Resiste a altas pressões (20 kgf/cm2) e permite o
escoamento e fluidos a altas temperaturas.

PROJECTO DE SANEAMENTO / SETEMBRO 2012 15


DISCIPLINA DE SANEAMENTO
PROJECTO 1: ESTUDO PRÉVIO DE UM SISTEMA ADUTOR
MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA DO PROJECTO

Proposta de índice (proposta indicativa)

1. INTRODUÇÃO
2. DADOS DE BASE
2.1 Considerações gerais
2.2 Evolução populacional prevista
2.3 Caudais de Projecto
3. SOLUÇÕES ALTERNATIVAS PARA O SISTEMA ADUTOR
3.1 Apresentação geral das soluções alternativas
3.2 Selecção de diâmetros tecnicamente viáveis
3.3 Dimensionamento em termos de pressão das soluções
3.4 Dimensionamento de reservatórios
4. ANÁLISE TÉCNICO-ECONÓMICA E ESCOLHA DA SOLUÇÃO
4.1 Análise económica comparativa das soluções estudadas
4.2 Escolha da solução recomendada
5. SOLUÇÃO RECOMENDADA
5.1 Descrição da solução
5.2 Localização dos principais acessórios
6. CONCLUSÕES E CONSIDERAÇÕES FINAIS

Referências bibliográficas
Índice de desenhos

PROJECTO DE SANEAMENTO / SETEMBRO 2012 16