Você está na página 1de 50

Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Centro de Ciências Exatas e da Terra – CCET


Instituto de Química

Conceitos Gerais

Ricardo Fernandes

Natal, RN
Fevereiro , 2015
Conceitos Gerais 1
1.Introdução
Química Orgânica: é a química dos compostos de
carbono.

• DNA;
• Proteínas;
• Enzimas;
• Aminoácidos;
• Carboidratos;
• Lipídeos...etc

Conceitos Gerais 2
2. A teoria estrutural na Química
Orgânica
1. Os átomos dos compostos orgânicos podem
formar número fixo de ligações.

Valência: medida da habilidade de formar ligações


covalentes.

2. Um átomo de carbono pode usar uma ou mais de


suas valências para formar ligações com outros
átomos de carbono, podendo formar cadeias
carbônicas.

Conceitos Gerais 3
2.1 Importância das Fórmulas
Estruturais
Isomerismo: diferentes compostos com mesma
fórmula molecular, isômeros.
Quando dois compostos são isômeros um do outro
são chamados de compostos isoméricos.

A teoria estrutural fornece-nos diferentes estruturas e


diferentes fórmulas estruturais para compostos
isoméricos.

Conceitos Gerais 4
2.2 Ligaões Químicas: A Regra do
Octeto
Átomos sem configuração de um gás nobre
geralmente se ligam a outros átomos para produzir tal
configuração porque essas configurações são
altamente estáveis.

Regra do octeto: tendência de um átomo para


atingir uma configuração onde seu nível de valência
contém oito elétrons.

Conceitos Gerais 5
2.2.1 Ligações Iônicas

Ligação Iônica: ligação formada pela força de


atração entre íons de cargas opostas.

Eletronegatividade: é medida da habilidade de um


átomo em atrair um elétron.

Conceitos Gerais 6
2.2.1 Ligações Iônicas

Conceitos Gerais 7
2.2.1 Ligações Covalentes

Ligação Covalente: ligação formada por átomos de


eletronegatividade semelhante, onde ocorre o
compartilhamento de elétrons através do
emparelhamento de elétrons. H2, Cl2, CH4, NH3.

Conceitos Gerais 8
2.3 Estruturas de Lewis

Estruturas de Lewis: montamos a molécula ou íon a


partir dos átomos constituintes mostrando apenas os
elétrons de valência.

Fazendo com que os átomos compartilhem ou


transfiram elétrons, tentamos fornecer a cada átomo
a configuração eletrônica do gás nobre do mesmo
período horizontal da tabela periódica.

Conceitos Gerais 9
2.4 Exceções à Regra do Octeto

1. Os elementos do segundo período da tabela


periódica podem ter um máximo de 4 ligações,
pois possuem apenas um orbital 2s e três orbitais
2p disponíveis para ligação. Portanto, a regra do
octeto se aplica apenas a estes elementos.
2. Boro, pode formar compostos com menos de 8
elétrons na camada de valência. BF3
3. Os elementos do terceiro período em diante
podem acomodar mais do que oito elétrons em
seus níveis de valência por possuírem orbitais d.
PCl5, SF6.

Conceitos Gerais 10
2.5 Carga Formal

Carga formal de um átomo: é a carga que um átomo


teria se as ligações e uma estrutura de Lewis fosse
perfeitamente covalente. Leva em consideração o
número de elétrons que um átomo “possui”. NO3- ,
H2O.

Conceitos Gerais 11
2.6 Ressonância

Teoria de Ressonância:
Sempre que uma molécula ou íon puder ser
representado por duas ou mais estruturas de Lewis,
que diferem apenas nas posições dos elétrons, duas
coisas são verdadeiras:
1. Nenhuma das estruturas, que chamamos de
estruturas de ressonância ou contribuinte de
ressonância será uma representação correta para
a molécula ou íon.
2. A molécula ou íon real estará bem mais bem
representada por um híbrido dessas estruturas.

Conceitos Gerais 12
Regras:

1. As estruturas de ressonância existem apenas no


papel.
2. Ao escrever estruturas de ressonância só nos é
permitido mover elétrons.
3. Todas as estruturas devem ser estruturas de Lewis
apropriadas.
4. A energia da molécula real é mais baixa do que a
energia que pode ser prevista para qualquer
contribuinte.

Conceitos Gerais 13
5. Estruturas de ressonância equivalentes contribuem
igualmente para o híbrido.
6. Quanto mais estável uma estrutura, maior a
contribuição para o híbrido.

a. Quanto mais ligações covalentes mais estável é a


estrutura.
b. As estruturas nas quais todos os átomos tem um
nível de valência de elétrons completo, são mais
estáveis e contribuem muito para o híbrido.
c. Separação de cargas diminui estabilidade.
d. Os contribuintes de ressonância com carga
negativa em átomos altamente eletronegativos
são mais estáveis do que aqueles com carga
negativa em átomos menos eletronegativos.

Conceitos Gerais 14
3. Modelo VSEPR ( Repulsão dos pares de Elétrons da Camada de

Valência)
N.º de pares de electrões na Pares não ligantes Distribuição mais favorável Geometria Exemplos
camada de valência para os pares de electrões

2 0 180º B A B Linear CO2, BeCl2, CS2, HgCl2


A
B
3 0 Triangular plana BF3, BCl3, AlCl3
120º A
120º B B
A
3 1 Angular SO2, SnCl2, PbCl2
A
120º B B
4 0 B CH4, CCl4, SiF4
Tetraédrica
A
B
B
B
A
4 1 NH3, NF3, PH3
Pirâmide trigonal
A
B
B
B
4 2 ~109º H2O, H2S, OF2
A Angular
B
B

5 0 B PCl5, SbCl5
B
A B A Bipirâmide trigonal
B
B
B
6 0 B B SF6, SeF6
A
B B Octaédrica
B
A
6 2 B B XeF4
B
A
B
Quadrangular plana

Conceitos Gerais 15
4. TLV(Teoria da Ligação de Valência)

Orbital: é uma região do espaço onde a


probabilidade de encontrar um elétron é grande.

Orbitais s

Conceitos Gerais 16
Orbitais p

Conceitos Gerais 17
Orbitais d

Conceitos Gerais 18
Orbitais f

Conceitos Gerais 19
Ligação s

Orbital 1s Orbital 1s Ligação s


atómica atómica (sigma)

Orbital 2px Orbital 2px Ligação s (sigma)


atómica atómica

Da superposição de dois orbitais s ou px (considerando a aproximação


dos dois átomos ao longo do eixo dos xx), formar-se-á uma nuvem
electrônica de simetria cilíndrica em torno do eixo internuclear,
designando-se a ligação formada por ligação s (sigma).

Conceitos Gerais 20
Ligação p (pi).

Orbital 2p Orbital 2p LIgação p


atómica atómica (pi)

A superposição de dois orbitais py ou de dois pz, que se


superpõe lateralmente, originará uma ligação p (pi) que,
será constituída por dois lóbulos.

Conceitos Gerais 21
Uma ligação s é mais forte do que uma p, em virtude
da superposição de topo ser superior à superposição
lateral – critério da superposição máxima.

Ao somatório das ligações s e p que se estabelecem


entre dois átomos, chama-se multiplicidade da
ligação.

Conceitos Gerais 22
Hibridização sp3
C - 1s2 2s2 2p 1 2p 1 2p 0
6 x y z

Uma orbital s e três orbitais p, produzem uma hibridização


sp3

hibridação

s p sp3

Conceitos Gerais 23
z z z z

x x x x

y y y y
hibridação
z z z z

x x x x

y y y y

Conceitos Gerais 24
Hibridização sp3 - Metano

Estes orbitais fazem entre si ângulos de aproximadamente


109,5º, o que corresponde exatamente aos ângulos de ligação
observados na molécula de metano. Esta vai então formar-se
por superposição de cada um dos quatro orbitais híbridos com o
orbital 1s de um átomo de hidrogênio, resultando em quatro
ligações s.
Conceitos Gerais 25
Hibridização sp2
6C - 1s2 2s2 2px1 2py1 2pz0

Um orbital s e dois orbitais p, produzem a hibridização sp2

hibridização

s p sp2 p

z z

x x

y hibridação
y
z z
z z

x x x x

y y y y

Conceitos Gerais 26
Três orbitais sp2 + orbital p

Vista de lado Vista de topo

Conceitos Gerais 27
Hibridização sp2 –Eteno (ligação dupla)

A ligação dupla entre os dois átomos de carbono é, pois, formada por uma
ligação s e outra p, dizendo-se que tem multiplicidade dois. A superposição
lado a lado da ligação p impede a rotação da ligação C-C.

Conceitos Gerais 28
Hibridização sp
2 2 1 1 0
6C - 1s 2s 2px 2py 2pz

Uma orbital s e um orbital p, produzem a hibridização sp

hibridização

s p sp p

z z z z

hibridação
x x x x

y y y y

Conceitos Gerais 29
Conceitos Gerais 30
Hibridização sp –Etino (ligação tripla)

A ligação tripla entre os dois átomos de carbono é, pois, formada por uma ligação s
e duas p, dizendo-se que tem multiplicidade três. A superposição lado a lado das
ligações p impede a rotação da ligação C-C, o que não condiciona a geometria dado
que as ligações s fazem ângulos de 180º, pelo que a molécula é linear.

Conceitos Gerais 31
Comprimento das Ligações do Etino, Eteno e Etano.

Princípio Geral: As ligações mais curtas estão


associadas com aqueles orbitais com o maior caráter
s.

Conceitos Gerais 32
5. TOM(Teoria do Orbital Molecular)
Segundo a Teoria dos Orbitais Moleculares, a
sobreposição de dois orbitais atômicos leva à formação de
dois orbitais moleculares: uma orbital molecular ligante
(s ou p), de menor energia, e um orbital molecular
antiligante (s* ou p*), de maior energia.

Quando os orbitais que se combinam são s ou px


(considerando a aproximação dos átomos segundo o eixo
xx), os orbitais moleculares obtidas designam-se sigma
(s), enquanto que da combinação dos orbitais atômicos py
e pz, resulta a formação de orbitais moleculares p.

Conceitos Gerais 33
Formação de Orbitais Moleculares s1s e s*1s

Átomo Molécula Átomo

s*1s
Energia

1s 1s

s1s

Conceitos Gerais 34
Para os orbitais 2s teremos um diagrama e formas semelhantes,
simplesmente os valores de energia serão mais elevados.

Conceitos Gerais 35
Molécula H2

H H2 H

s*1s

Energia

1s 1s

s1s

Conceitos Gerais 36
Formação de Orbitais Moleculares s2px e s*2px

Átomo Molécula Átomo

s*2px

s*2px
Energia

2px 2px

s2px s2px

Conceitos Gerais 37
Formação de Orbitais Moleculares p2py e p*2py

Átomo Molécula Átomo

p*2py
Energia

p*2py

2py 2py

p2py

p2py

Os Orbitais Moleculares p2pz e p*2pz são idênticos em energia, mas


espacialmente perpendiculares.
Conceitos Gerais 38
Formação de Orbitais Moleculares p2py e p*2py

kdh

Conceitos Gerais 39
Átomo Molécula Átomo

s*2px

p*2py p*2pz

s2px
2px 2py 2pz 2px 2py 2pz
Energia relativa dos Orbitais
Moleculares para elementos
dos 1.º e 2.º Períodos
p2py p2pz

s*2s

Energia 2s 2s

s2s

s*1s

1s 1s

s1s
Conceitos Gerais 40
Preenchimento de orbitais moleculares de valência em moléculas diatómicas de
elementos do 2.º Período
Li2 B2 C2 N2 O2 F2

s*2px

p*2py  p*2pz

s2px

p2py  p2pz

s*2s

s2s

CONFIGURAÇÕES ELECTRÔNICAS
Li2: (s1s)2 (s*1s)2 (s2s)2
B2: (s1s)2 (s*1s)2 (s2s)2 (s*2s)2 (p2py)1 (p2pz)1
C2: (s1s)2 (s*1s)2 (s2s)2 (s*2s)2 (p2py)2 (p2pz)2
N2: (s1s)2 (s*1s)2 (s2s)2 (s*2s)2 (p2py)2 (p2pz)2 (s2px)2
O2: (s1s)2 (s*1s)2 (s2s)2 (s*2s)2 (s2px)2 (p2py)2 (p2pz)2 (p* 2py)
1
(p*2pz)1
F2: (s1s)2 (s* 1s)2 (s2s)2 (s*2s)2 (s2px)2 (p2py)2 (p2pz)2 (p* 2
2py) (p* 2pz)
2

Conceitos Gerais 41
Ordem de Ligação

nº elétrons ligantes - nº elétrons antiligantes


O.L. 
2

Conceitos Gerais 42
Estabilidade de Dienos Conjugados

Calor de hidrogenação para alguns alcenos e dienos

Conceitos Gerais 43
Conceitos Gerais 44
Conceitos Gerais 45
Conceitos Gerais 46
Conceitos Gerais 47
Estrutura e Estabilidade do Benzeno

Conceitos Gerais 48
Comprimento das ligações:
Simples (C-C): 154 pm
Dupla (C=C): 133 pm
Benzeno: 139 pm (todas iguais)

Todos os ângulos de ligação são 120°

Conceitos Gerais 49
Conceitos Gerais 50