Você está na página 1de 5

PIGMENTOLOGIA E ANESTESIOLOGIA

@thais.tebori

Para um resultado satisfatório no ramo da micropigmentação além da técnica


dos fios, peso de mão e indutor nós dependemos da colorimetria e pigmentologia. Tudo
é uma associação.

Nesse material espero poder clarear para você o assunto sobre pigmentos e
anestésicos, vamos lá? Conheça melhor os pigmentos:

Pigmento = pó + umectante
O pó é a carga pigmentária, a cor. O umectante é o que irá dissolver o pó, é o
molhante. O umectante pode ser: glicerina USP ou propileno glicol USP (USP = alto
grau de pureza).
Além do umectante o pigmento pode ter um conservante (TODOS os pigmentos
já passam pela radiação gama) mas algumas marcas utilizam na composição álcool
isopropílico, por exemplo, para auxiliar da conservação e menor propensão de
bactérias.
Os pigmentos podem ser orgânico e inorgânico.
Pigmentos orgânicos: advém do carvão (carbono), sintetizado em laboratório.
Através de reações químicas originando outros tons. A gama de pigmentos orgânicos é
maior que os inorgânicos. É uma cor fiel. Orgânicos são mais indicados para utilizar em
procedimentos de shadow, esfumada, para lábios devido ao formato da sua molécula.
Fácil de visualizar durante a implantação.
Pigmentos inorgânicos: é um pigmento mais opaco que advém do óxido de ferro.
Temos óxido de ferro vermelho, amarelo e preto. É mineral e seu desaparecimento
ocorre por completo da pele (micropigmentando a camada correta, ok?). A gama de
cores é menor. Mais indicado para procedimentos de pixel, fio a fio.
Existem metais pesados nos pigmentos utilizados para micropigmentação? Os
pigmentos são fabricados para serem induzidos na pele, sendo assim para sua
segurança sempre utilize pigmentos com autorização da ANVISA. A ANVISA controla
os limites de tolerância e para se sentir ainda mais seguro, consulte a RDC 44/2012 e
a tabela Color Index disponível aqui neste canal do Telegram.
Color Index = banco de dados para referência padrão das tonalidades de
pigmentos autorizadas para o uso. É como se fosse a identidade universal do
pigmento.
Fluído veicular = pode ser água, água + álcool, álcool. Sendo assim temos,
hidrofílicos, hidrofóbicos ou pseudohidrofóbicos com as características de:
Hidrofílico = maior presença de água como solvente na formulação tendo assim
afinidade por água, dispersa.
Hidrofóbico = menos presença de água na formulação (somente álcool ou
glicerina) são mais cremosas e não tem afinidade por água.
Pseudohidrofóbico = presença de água + glicerina ou ácool na formulação (uma
parte possui afinidade e outra não).

A maior parte dos pigmentos brasileiros são hidrofílicos.

Conheça seu pigmento fazendo o mesmo teste que fiz na live!

Agora, falaremos sobre ativos anestésicos.

Uma das maiores queixas das clientes durante a avaliação ou até mesmo
durante o procedimento de microblading é o medo da dor.

Cada cliente possui um limiar de dor diferente. No mais, você como


micropigmentadora deve fazer o possível para diminuir o desconforto causado pelo
procedimento.
Micropigmentadores podem utilizar anestésicos tópicos, ou seja,
anestésicos com formulação em gel, creme ou mousse que possam ser aplicados
sobre a pele. O uso de anestésicos injetáveis é de exclusividade médica e de
dentistas.

O anestésico possui ação de impedir a transmissão de impulsos nervosos, ou


seja, ele bloqueia o estímulo para que o cérebro não reconheça a sensação de dor.
Devido a isso, promove analgesia, que seria a sensação de não sentir estímulos no
local e não altera o grau de consciência da cliente. Você não deve colocar em risco a
saúde de seu cliente. Opte por utilizar anestésicos com procedência não dando valor
a anestésicos manipulados e vendidos em qualquer local na internet, conheça o
fornecedor.

Vou abordar sobre alguns ativos utilizados nas formulações de anestésicos:

Lidocaína: A lidocaína é um anestésico local que causa perda temporária de


sensação na área onde é aplicada. É efetiva quando aplicada em mucosas e em pele
danificada, mas não quando aplicada à pele intacta, ou seja, sua ação inicia a partir
da realização do esqueleto dos fios dentro de 5 minutos após a aplicação.

Prilocaína: A prilocaína é um anestésico local age bloqueando o impulso


nervoso, ao diminuir a permeabilidade da membrana neuronal causando
amortecimento do tecido.

Epinefrina: substância vasoconstritora diminuindo o extravasamento sanguíneo


e aumentando o tempo de duração de outros ativos anestésicos, ou seja,
preservando sua ação.

Benzocaína: anestésico local que atua bloqueando impulsos nervosos, ou


seja, não permite que estímulos de dor cheguem ao cérebro.
Os anestésicos devem ser utilizados com cuidado para que não ocorra o risco
de toxicidade da cliente.

A sua aplicação pode ser feita antes da marcação do design, ou depois com
batidinhas. Exemplos de anestésicos que você pode utilizar:
Espero que com todo esse conteúdo você consiga ter mais conhecimento
sobre esses assuntos. Se você gostou, não deixa de me enviar uma mensagem no
Instagram @thais.tebori contando sua experiência.

Um beijo, @thais.tebori