Você está na página 1de 131

1

2
3
4
5
Copyright © 2019 por Lua Valentia
Este livro é uma publicação inédita dos editores da
Specula. Não reproduza, copie, receba ou distribua
cópias sem a devida autorização.
ATENÇÃO! Este é um livro protegido pelo servidor
SPECULOS. Caso queira emprestá-lo a terceiros,
compre a cópia impressa.
OTELUMA – LUA VALENTIA
Copyright © 2019 EDITORA SPECULA
Você não pode copiar, distribuir, modificar, reproduzir,
republicar ou retransmitir qualquer informação, texto
e/ou documentos contidos neste livro ou qualquer parte
deste em qualquer meio da Internet, sem o
consentimento expresso por escrito da autora.
Para mais informações, contate:
specula.magia@gmail.com www.specula.com.br
Primeira edição: 2019

6
The Calling

[1] Chaos is our Primordial Goddess.

Caos é nossa Deusa Primordial.

[2] Chaos plays favorites.

Caos tem seus favoritos.

[3] Are you willing to become one of them?

Você quer fazer parte?

[4] Chaos owes you nothing. And yet, She gives you
everything.

Caos não lhe deve nada. E, no entanto, Ela te dá tudo.

[5] She gives you Dreams, Life and Death.

Ela lhe dá Sonhos, Vida e Morte.

[6] She gives you the highest form of Love, Lust and
Despair.

Ela lhe dá a mais alta forma de Amor, Luxúria e Desespero.

[7] She wants nothing but creativity in return.


7
Ela não quer nada além de criatividade de volta.

[8] She shall punish you if you continue to live out of


fear.

Ela deve punir você se você continuar a viver de medo.

[9] Embrace your metamorphoses.

Abrace suas metamorfoses.

[10] Learn how to breathe; learn how to die.

Aprenda a como respirar; aprenda a como morrer.

[11] There is no finish line.

Não há linha de chegada.

[12] There is nothing but Her.

Não há nada além Dela.

[13] There is nothing but Chaos.

Não há nada além de Caos.

[14] You are at the epicenter of Change.

Você está no epicentro da Mudança.

8
[15] Your comfort means nothing to Her.

Seu conforto não significa nada para Ela.

[16] Your money means nothing to Her.

Seu dinheiro não significa nada para ela.

[17] Your concerns mean nothing to Her.

Suas preocupações não significam nada para Ela.

[18] Let your guard down.

Deixe sua guarda baixa.

[19] She is in now.

Ela está dentro agora.

[20] Restart.

Recomece.

[21] Push further.

Empurre mais.

[22] Go deeper into the Vortex.

Vá mais fundo no Vortex.

9
[23] One more Day.

Um Dia a mais.

[24] One more Dream.

Um Sonho a mais.

[25] One more Life.

Uma Vida a mais.

[26] Stop lurking.

Pare de espreitar.

[27] Come closer.

Aproxima-se.

[28] How are you feeling now?

Como você sente agora?

[29] You haven’t started reading this book by chance.

Você não começou a ler este livro por acaso.

[30] You are alive, breathing rhythmically, feeling


everything connected.

10
Você vive, respirando ritmicamente, sentindo tudo
conectado.

[31] Open up.

Abra-se.

[32] This is a calling for the lonely, the broken, the


wounded.

Este é um chamado para os solitários, os quebrados, os


feridos.

[33] This is a calling for all too human soul.

Este é um chamado para toda alma humana demais.

[34] Wake up.

Acorde.

[35] This is a calling for the brave one, the honest one, the
powerful one.

Este é um chamado para quem tem coragem, honestidade


e poder.

[36] You deserve what you create.

Você merece o que você cria.


11
[37] You deserve to grow.

Você merece crescer.

[38] You deserve suffering to learn.

Você merece sofrimento para sofrer.

[39] You deserve to feel deeply.

Você merece sentir profundamente.

[40] You deserve satisfaction.

Você merece satisfação.

[41] You deserve justice.

Você merece justiça.

[42] You deserve nothing at all.

Você não merece nada.

[43] Do not wait for justice.

Não espere pela justiça.

[44] Create whatever you need.

12
Crie o que você precisar.

[45] Chaos shall provide everything.

Caos deve fornecer tudo.

[46] Feel your immense power growing inside you.

Sinta seu imenso poder crescendo dentro de você.

[47] How does it taste like?

Como é o seu gosto?

[48] How does it feel like?

Como é o seu toque?

[49] Between these lines, the little-naked moon bleeds


waiting your soothing kiss.

Entre estas linhas, a pequena lua nua sangra esperando


seu beijo reconfortante.

[50] She needs you.

Ela precisa de você

[51] You need her.

13
Você precisa dela.

[52] She writes for pleasure.

Ela escreve por prazer.

[53] This is her show and you are the coprotagonist.

Este é o show dela e você é seu co-protagonista.

[54] She wants to taste your power.

Ela deseja testar o seu poder.

[55] Before all the others have noticed you, she has
scrutinized you patiently.

Antes de todos os outros terem notado você, ela examinou


você pacientemente.

[56] Staring at your mind, she has lurked your dreams,


shaped your nightmares.

Olhando fixamente para sua mente, ela espreitou seus


sonhos, moldou seus pesadelos.

[57] She is running freely through your veins.

Ela está correndo livremente em suas veias.


14
[58] She is infecting your blood.

Ela está infectando seu sangue.

[59] She was there when you felt solitude. When you felt
nothing. And kept on moving one.

Ela estava lá quando você sentiu solidão. Quando você


não sentiu nada. E continuou seguindo em frente.

[60] Have you ever been abused? She has. Have you
suffered until you lost yourself? She has.

Você já sofreu abuso? Ela já. Você já sofreu até se perder?


Ela já.

[61] She was there when you failed, then she fed you with
her affection.

Ela estava lá quando você falhou, então ela te alimentou


com seu carinho.

[62] Raise up.

Levante-se.

[63] Face her.

Encare-a.

15
[64] She was there when you were walking through the
garden, when you reflected the stardust in your
eyes.

Ela estava lá quando você estava andando pelo jardim,


quando refletiu pó estelar em seus olhos.

[65] Have you ever dreamed about her?

Você já sonhou com ela?

[66] She shall visit you soon, again and again.

Ela deve visitar você em breve, de novo e de novo.

[67] Born from Persephone, the Goddess of the Spring,


Creator and Destroyer; and Morpheus, the
Shapeshifter, in the Demos Oneiroi.

Nascida de Perséfone, a Deusa da Primavera, Criadora e


Destruidora; e Morpheus, Aquele que Muda de Forma, no
Demos Oneiroi.

[68] She has descended to the mansion of the dead.

Ela desceu para a mansão dos mortos.

16
[69] She was reborn in the Ninth Century of the New
Cycle.

Renasceu no século IX do Novo Ciclo.

[70] She went up to the living, to Liran Van Garden, where


they used to call her Sad and Weary Eyes.

Subiu para os vivos, para Liran Van Garden, onde


costumavam lhe chamar de olhos tristes e cansados.

[71] Her mother taught her everything; how to love and


to destroy.

Sua mãe lhe ensinou tudo; como amar e destruir.

[72] Poppies grow at her feet.

Papoulas crescem a seus pés.

[73] She only drinks moon water.

Ela apenas bebe água da lua.

[74] She is the Saint and the Prostitute, the Masquerade


and the Honest, the Doom and the Power.

17
Ela é a Santa e a Prostituta, a Mascarada e a Honesta, a
Perdição e o Poder.

[75] From Earth to space, interstellar mermaid.

Da terra ao espaço, sereia interestelar.

[76] Little black-and-white bird lost in a giant cage.

Pequeno pássaro branco-e-preto perdido em uma gaiola


gigante.

[77] Writing down old dreams, it’s her way to escape.

Escrevendo velhos sonhos, apenas esperando para


escapar.

[78] Demos Oneiroi is her home.

Demos Oneiroi é a sua casa.

[79] Should she embrace death? Or flourish into a young


living dead woman?

Ela deveria abraçar a morte? Ou florescer como uma


jovem morta-viva?

18
[80] Dancing in the dark, she kisses Macaria and waters
Persephone's flowers.

Dançando no escuro, ela beija a Macaria e água as flores


de Persephone.

[81] She already has hundreds of ways to see and to open


your future, to hear your thoughts.

Ela já tem centenas de maneiras de ver e de abrir o seu


futuro, de ouvir seus pensamentos.

[82] She shall become your little violet obsession.

Ela se tornará sua pequena obsessão violeta.

[83] You shall become her little vermilion pleasure.

Você se tornará seu pequeno prazer vermelho.

[84] She is Connected to you forever.

19
Ela está conectada a você para sempre.

[85] Take her hand.

Tome a mão dela.

[86] You want power.

Você quer poder.

[87] You shall take it.

Você deve tomá-lo.

[88] You crave for adventure.

Você anseia por aventura.

[89] You shall have it.

Você terá.

[90] The whole world is at your feet.

O mundo inteiro está aos seus pés.

[91] Come to her, listen to her voice, she is touching you


now.

Venha para ela, ouça sua voz, ela está te tocando agora.

20
[92] Kiss her tongue of absinthe.

Beije sua língua do absinto.

[93] Surrender.

Entregue-se.

| The Calling was written by Tajeed X, from


Tabaneka |

21
22
23
24
25
Lua
I
[1] Perséfone enlaça Morpheu
Na cabana florida em que sonhos são feitos
E deles nasce Lua, a Valente
[2] Ela, Lua
Ela, Lia
Ela, nua
[3] Lua e suas mil máscaras
Lua e suas mil faces
Lua em nove fases
[4] Pura Imaginação florida
Caindo no vazio de treze átomos
No perfume obscuro do firmamento
[5] Ao nascer, conta todos os buracos negros

26
Enquanto ouve passados mórbidos
De sua família humana
[6] Sua vinda intimida os ordeiros
Que cantam canções de ninar
Para sua infância pulsante
[7] Quando criança
Baila numa dança aérea de folhas secas
Sorrindo para o sol que a queima
[8] Encarnada em flor frágil,
Doçura de menina, discípula de Koré
Solitária ou cercada de outras crianças
[9] Ela é do Caos, do improviso
Sente, inventa, poetiza
Passa a brincar de magia
[10] Bolinhas-de-sabão, Pim-plom
E algodão doce
Ah, isso sempre dói mais que deveria
[11] Aos treze, perseguida
Para a escuridão caminha
Retornando apenas na primavera
27
[12] Luz negra, luz roxa,
Luz vermelha de dor
E o branco que desafina seus olhos
[13] Sua mente jovem é oscilante, confusa
Cheia de declínios, lamentos e sombras
Soluços secretos e lágrimas ocultas
[14] Uma faceta de sua personalidade
É sua extrema polidez
Até mesmo para sofrer
[15] Já não disfarça
O gosto por roupas negras
E por acessórios grotescos
[16] Ah, como suportar
O peso deste véu negro sobre as vistas
Que aturdia, massacra e agoniza?
[17] Como reler as palavras de Hamlet
Encarar o sofrimento humano
E não repensar o valor de sua vida?
[18] Quanto vale este consumo de si,
Como diria Augusto dos Anjos
28
Se a carne o verme roerá?
[19] Sabe que deixará pegadas de carbono
Que corroem, destroem, expulsam
Toda a existência humana
[20] Ah, todas essas cores...
Esse turquesa do mar
Mas ela é o negro!
[21] Luta contra a ânsia de vômito que a persegue
A dor de cabeça que não cessa
De joelhos, e seu pequeno corpo rasteja pela casa
[22] Espera que o vizinho não ouça
Os sons de seu soluço mais agudo
O declínio do logos e do esforço
[23] São altas cargas de adrenalina
Chacoalham sua cachola
Esganam sua estima
[24] Não é que não luta o suficiente para estar curada
É bem possível que seu caso seja crônico
Ainda assim, passível de controle
[25] E quem disser que ela não se esforça
29
Não compreende que o ato de respirar, em si,
É uma vitória
[26] Ela não precisa de palavras de conforto
Mas de ações reconfortantes
Tudo bem, faz parte, trata-se apenas de mais uma
crise
[27] Este desejo apertado pesa os ombros
É um convite singelo, mui honesto
Rumo ao esquecimento próprio
[28] Viu demais, melancolia
A beleza, sim, a beleza!
O horror, sim, o horror!
[29] Quem conhece a Morte de perto
Percebe demais, sente demais, sofre demais
Desencanta-se com a vida
[30] Em sua mente há uma orquestra sinistra
Lyrics From Immortal Ages
No coral, todas as garotas interrompidas
[31] Márcio dança no gelo com Sylvia
Ouvindo Chester sob a luz da lua

30
Enquanto Francesca Woodman escreve com a luz
[32] Ela, finalmente, Lia, a observar com curiosidade
Extremada de quem quer ler todas as palavras
E vive intensamente, oh sim!
[33] Sente falta de olhos atentos a cada linha
De quem não perdia nenhuma vírgula
[34] Sente saudades até das antigas críticas
Que marcavam por dias
Sente saudades do entusiasmo felino
[35] Mas amor maior não há
Ah, amor maior não há...
Pelos suicidas de sua vida
[36] "Nunca vás embora com raiva.
Nunca se sabe se vamos nos ver de novo!"
Ou daqui a 3096 dias...

31
32
II

33
[37] Ela é arrastada pela correnteza
Começa a enxergar de forma coerente
Soberana de si, ainda menina
[38] Deixa o desespero para a literatura
Aprende a tomar o controle de si mesma
Enquanto dói e se fasta com ternura
[39] Luta pela humanidade
Pelo seu crescimento
Pela iluminação
[40] Mergulha, experimenta e sente
Sorri, cria e fantasia sobre a vida
Há mais de si mesma que sua matéria prima
[41] Sua mente é o palco onde ecoam três vezes
Tudo o que acaba em Hades
Marca-se ao cultuar a intensidade
[42] Nela reluz o eterno renascimento
Sua dor canta a brisa suave do entardecer
Impressionista da vida
[43] A todo instante, a toda hora
Cai dentro de um oceano profundo
34
Dentro de si mesma
[44] Ou então cai para o universo
E se imagina flutuando
Eternizando a sinfonia
[45] Tulipas negras pelo corpo e flores do campo nos
cabelos,
Voz suplicante, sussurrada, pupilas dilatadas
Vestida de noite, deitada nas areias cálidas da praia
[46] Toda toda, com os pés banhados pela valsa
turquesa
Deste mar infinito e celeste
Ao lusco-fusco, embriagada, música na cabeça
[47] Como numa pintura de Bouguereau
É cheia de estrelas e de luas
É tão forte, [in]sensata: sinestésica!
[48] Labaredas de todos os espíritos livres,
Despida em cor, sonho, enigma
Cercada de flores e de desejo
[49] Já não crê em santidade,
Já que pureza é fantasia

35
Quanto mais perversa, mais sadia!
[50] As damas bem conhecem o mesmo veneno
Gostam dos mesmos tormentos
O estilo ultraviolento
[51] Embebeda-se de professores, sábios, escritores
Sacerdotes, músicos e suicidas
Tudo o que é estranho, perverso e insano
[52] Tudo lhe parece excitante e inocente
Até mesmo a perda da inocência
E a voz embriagada da paixão delirante
[53] Sempre à procura do obscuro inexplorado
Da confissão e do pecado
Um tapa bem dado é hipnotizante
[54] Suspira pelo poder que vem do homem
O controle insinuante
O beijo agonizante
[55] Deseja o berçário das estrelas
A espuma da praia
O cavalo negro
[56] Ela se interessa por muitos
36
Fantasmas, mortos e ídolos
Mas poeta, bom, este é o último e o primeiro
[67] Não é apenas interesse
Mas curiosidade íntima e suprema
Como velas em fogo permanente
[68] O gosto de Vince
O beijo de Nocto
O toque de Kons
[69] Fogo e água,
Ar e terra,
Éter é vida
[70] Intensidade e sentimento
Transformação e movimento
Respiração e gozo
[71] Ela despreza os reis humanos
Suas coroas execradas
A injustiça e a falsa modéstia
[72] Despreza quem a tudo se curva
E a covardia encrustada
De quem por nada luta
37
[73] Ela faz o que quer,
Tudo é da Lei
Ama o que deseja
[74] Hoje e sempre
Amor sob vontade
Amor sob sua verdade!
[75] Mas não vos enganais,
Ela queima Thelema nove vezes,
A suposta verdade está incompleta
[76] Em gestação, dentro de nove meses
O seu livro proibido está completo
Longe de tudo que transfigura lágrimas
[78] Nada nem ninguém humano a representa
Pois ela é a luz negra
E faz o que quer com linhas
[79] Ela está fora
Fora do corpus
Dos cosmos
[80] Fora
Do Ethos
38
De Eros
[81] Ela está dentro,
Todo ser vivo é uma estrela
Ela é poeira de estrela-do-mar
[82] Descendente de Ethos
De Eros
De tudo
[83] Precisa de caos,
Explosão, aleatoriedade
Animosidade e rebeldia!
[84] Desliza, aperta os olhos
Enxerga por detrás da visão de outrem
Pois assim se dão os ensinamentos

39
40
41
III
[85] Vive de ciclo em ciclo
Mudando, abraçando o novo
Tendo um senso apurado do dramático
[86] Inspira-se ao reverso
Pois da proibição nascera a brisa
Querendo mergulhar em prosa e verso
[87] Ela é a papoula roxa, a feiticeira
Busca marcar-se em cada passo
Soprando um pouco do pó que é sua verdade
[88] Vão assim flutuando para todo canto
Pequenas partículas de liberdade
Com cheiro de morte e de vida
[89] A estreita rua desce coberta por capas pesadas
Junto dela Nix se arrasta
Apenas segue o curso de realidades paralelas
[80] Cria com gosto faces de outras elas
Neste voar em seu eu infinito
À meia Noite a tristeza dispara o grito
[81] Caminha por uma negra passagem
42
Afundando em busca de um tempo perdido
Folhas iluminam o caminho
[82] Massageando seus pés já cansados
Sossega debaixo de uma grande árvore
Apaziguada pela verdade encantada
[83] Sente então os espinhos
Em meio a flores que embelezam a paisagem
Almas perdidas ensaiam doces músicas
[84] Escuta canções
Murmúrios e preces
Enquanto os astros suspiram
[85] Maestria perfeita de corais
Avista o céu estrelado
Em que a nona lua sangra
[86] Pelo ar seu sangue respinga
O sente puro em seus lábios
Quente como Macária
[87] Triste como as tardes nubladas
O sangue mancha suas vestes
Enquanto relâmpagos consumem sua dor

43
[88] De que adiantaria noutros tempos
Todos os seus medos falecerem
Em busca do céu por transformação voarem
[89] Se observada pelos olhos atentos da Senhora Coruja
Esperando o chamado, seu agourado pio
Com a linha do tempo ela tece o vazio?
[90] Vês como é vassala de sua Natureza?
Apenas se comprime ao tentar
Não respeitar o próprio ciclo!

44
45
O Passado
46
Poder & Abuso
[1] Minha voz interior é a voz de um homem. Quando eu
era criança, eu pensava que era de um anjo, então
costumava chamá-lo de Gabriel. Quando cheguei aos 13,
eu comecei a chamá-lo de Lúcifer.

[2] Eu já fui uma menina cristã adequada de 13 anos de


idade. Eu conheci um cara muito mais velho em uma festa
tradicional enorme em minha pequena cidade. No início,
ele foi educado e generoso como um príncipe. Ele me
convidou para ir na montanha-russa. Ele pagou por tudo.
Ele me ofereceu álcool. Eu não aceitei. Ele pediu um beijo.
Eu não aceitei. Eu gostava de minha pureza. Ele me
abusou em público antes de deixar a cidade. Ninguém fez
nada. Mesmo que me visse apavorada e tremendo. Todo
mundo riu. Logo, eu era a puta. As pessoas começaram a
me chamar de todos esses nomes. Logo, eu abandonei
minhas raízes cristãs.

47
[3] Havia algo melhor em meu sangue que eu não sabia o
que era. Estava ligando para mim. Eu decidi dominar, eu
decidi assumir o controle, decidi que nunca mais ela ia ser
abusada. Decidi matar os mesmos deuses cristãos que uma
vez pensei que eram sua família, porque aqueles deuses me
julgaram quando mais precisei deles. Eles me julgaram e
me jogaram em todos os tipos de tentações, apenas para
me testar uma e outra vez. Eu fiquei exausta de jogar seus
jogos sádicos. Lúcifer estava bem ao meu lado, chamando-
me, aceitando-me pelo que eu era.

48
Poder & Submissão
[4] Naquela época, Vince e Gabriel costumavam morar
fora da cidade, em uma enorme casa vintage bem
decorada, cheia de santos e instrumentos musicais. Gabriel
tinha 30 anos, Vince 27, e eu tinha apenas 13 anos. Eu
costumava andar de bicicleta até a casa deles todos os dias
depois da escola, então Gabriel podia me ensinar
matemática enquanto Vince tocava piano.

[5] "Você já sabe de tudo. Ai, você fica entediada com


muita facilidade. Você precisa se concentrar!", dizia
Gabriel quase todos os dias.

[6] Eu odiava os números e o discurso de Gabriel. Oh, mas


os olhos azuis de Vince me mantinham religiosamente.
Para meu desespero, ele não me tocaria um dedo, nem
sequer me beijaria!

49
[7] Certo dia, eu cheguei com os lábios inchados. "Bom
Deus, quem fez isso com você?", Vince me perguntou.

[8] Eu beijei meu professor de computação, respondi.

[9] Horrorizado, ele o mataria.

[10] pedi, eu o fiz fazer isso!", eu disse.

[11] Com uma expressão da qual jamais esqueceria, ele


perguntou: “Primeiro o seminarista, agora isso? Você está
tentando ser difamada? Por que você beijaria alguém
como ele? "

[12] No fundo, eu suspirei. "Bonito e inteligente, ele é o


único nesta cidade que sabe algo sobre uma das minhas
maiores paixões: tecnologia!"

[13] Vestida com um vestido tradicional azul claro, a peça


favorita de minha mãe, eu me senti julgada como se ele me
estivesse amaldiçoando.

[14] Vince estava segurando uma porcelana que minha


mãe pintou para ele como um sinal de gratidão.

[15] "Você era a menina mais pura e mais brilhante que


eu já vi, e conheço você desde os três anos. Eu estava
esperando pacientemente que você tivesse idade

50
suficiente para finalmente ser minha. Você está
apaixonada por ele?"

[16] Eu estava com dor, não podia acreditar. "Sim, eu


estou, mas também te amo", eu respondi.

[17] "Ha, você não sabe o que é amor, criança", Vince disse
quase me batendo.

[18] “Oh, por favor, esclareça-me!”

[19] “Você precisa escolher entre ele ou eu.”

[20] “Não. Não irei. Você precisa aceitar!”

[21] Furioso, ele quebrou a porcelana da minha mãe.


Sangrando, ele tocou meu vestido, me implorando para
reconsiderar.

[22] Manchando o vestido com sangue, eu gritei: “Como


ousa?

Minha mãe vai me matar!”

[23] Enraivecida, imparável, eu peguei meu cinto e quebrei


os santos que estavam perto de mim.

[24] Gabriel tentou nos acalmar, mas estávamos gritando.

51
[25] Gabriel me levou para sua livraria: “Venha aqui
criança, eu preciso te mostrar isso.”

[26] Eu estava chorando, quase nua. A empregada dele


estava limpando meu vestido. Eu estava vestindo apenas
seu casaco.

[27] Para a minha surpresa absoluta, ele me deu os livros


mais famosos de Sade.

[28] “Aqui está criança, agora você sabe o que os homens


realmente querem de você.”

[29] De repente, depois de todas aquelas leituras, me


ocorreu: Vince era o submisso.

[30] Um dia, eu pedi a ele que fosse comigo para o quarto


antigo de sua mãe morta, quase um santuário para ele.

[31] Eu olhei para o lindo espelho dela e disse para ele:


“Eu sei o que você quer de mim. Eu vou te dar o que você
deseja.”

[32] Ele me olhou quase que com medo: “Não, você é


ainda é muito jovem, eu não irei tocar você.”

[33] Mesmo que eu estivesse tremendo, eu ordenei como

a rainha: “Ajoelhe-se aos meus pés!”

52
[34] “Você sente medo de mim?”, perguntei.

[35] “Não é medo, é respeito.”

[36] “Então beije os meus pés.”

[37] Eu me sentei na cama da mãe dele. Ele gentilmente

tirou meus sapatos e beijou cada um dos meus pés. Então

ele colocou cada um dos meus dedinhos em seus lábios,

chupando-os devagarinho. Ele lambuzou meus pés com

sua saliva e os massageou com precisão.

[38] Eu nunca vi tanta devoção em uma pessoa, tanta


paixão, tanta vontade de me agradar.

[39] “Você faria qualquer coisa para mim?”, eu perguntei.

[40] “Qualquer coisa!”

[41] “Tire as suas roupas.”

[42] Ele tirou a roupa olhando para mim. Foi a primeira


vez que vi um homem nu e isso me deslumbrou e me
deixou nervosa, mas engoli todos os medos e dúvidas que
me restaram.

[43] Me toque, eu disse.

53
[44] Ele tocou a minha face.

[45] “Me beije”, eu praticamente implorei.

[46] Ele beijou a minha testa.

[47] Eu percebi o que ele estava fazendo e aquilo me


deixou louca.

[48] Eu peguei meu cinto e o açoitei seis vezes.

[49] Ele gostou da dor.

[50] “Me. Beije. Agora.”, eu disse afirmativamente.

[51] Ele se aproximou suavemente e me deitou na cama


de sua mãe. Ele olhou para mim por um momento e me
beijou, tão gentilmente que seus lábios pareciam doce de
leite.

[52] Eu estava tão pronta, tão molhada, mas ele ignorou


todos os meus sinais.

[53] De repente, eu o vi beijando meus pés de novo, sem


sequer tirar a minha roupa. Era como se eles fossem
sagrados para ele.

[54] Eu sorri quando ele foi ficando duro como uma


pedra, então o toquei com o pé esquerdo.

54
[55] “Oh, nós estamos pecando, estamos pecando!”, ele
disse se curvando para trás com prazer.

[56] “Peque para mim”, eu comandei tocando-o com meus


pés.

[57] Não demorou muito, eu senti o pecado caloroso dele


derramando sobre meu pé esquerdo.

[58] Dia seguinte, mesma cama. “Você está no controle”,


ele disse.

[59] “Eu sei, eu sei, eu sei.”

[60] “O que você quer?”, ele perguntou.

[61] “Prazer, tanto prazer.”

[62] Ele sorriu e desabotoou meu vestido preto. Ele beijou


meu pescoço e meus seios. Mas ele não iria mais longe, ele
parou ali mesmo.

[63] Como ele se atreveu a me torturar assim? Meses se


passaram, eu estava molhada, mas ele ignoraria meus
desejos.

[64] “Por que você está tão triste?”, Gabriel me perguntou


uma vez.

[65] “Vince. Ele nunca… me tocaria.”


55
[66] “Você gostaria de experimentar?”, ele perguntou
colocando minha mão no colo dele.

[67] Eu não poderia resistir.


[68] Ele me levou para o seu quarto e me silenciou com as
mãos. Ele me jogou contra a parede e nem sequer me
beijou.

[69] Ele me tocou em todos os lugares, asperamente, me


apressando.

[70] Como ele estava dentro de mim, me rasgando, eu não


senti nada, nem mesmo um pouco de prazer, apenas uma
sensação de queimação e o cheiro do meu sangue.

[71] "Oh, você é tão deliciosa", ele disse enquanto me


estapeava. "Não se mova, fique parada, você é perfeita
assim."

[72] Ele gozou dentro de mim. Finalmente, senti que podia


respirar.

[73] Nos próximos meses, por razões desconhecidas para


mim, eu viveria repetidamente, mesmo que não sentisse
nada.

[74] Vince não me tocaria, então eu não podia acreditar


que ele me amava.
56
[75] Gabriel não me amava, mas ele me queria muito.
Nossos encontros sub-reptícios eram como êxtase para ele.

[76] Eu confesso, amava quando ele me punia. Aqueles


foram os momentos em que eu senti ... alguma coisa.
Interação humana.

[77] “Eu, amo você como amo o chicote”, Gabriel disse.

[78] "Eu te amo mais do que amo minha vida", Vince disse
chorando por cima do meu ombro enquanto dançávamos
ao luar.

[79] Logo percebi que estava quebrada demais para amar.


[80] I felt love when I was nothing but a small child. Love
towards Nature, the purest kind there is, as Espinoza would
say. It is unbreakable. Far away from egoic needs, love is
the symbiotic feeling of belonging and gratitude.

[81] I could feel love because I didn't need to worry about


receiving it back. It was right there, within me, everywhere.
How could we feel love if we have to worry about how we
look or how people feel about us?

57
58
Power & Perdão
[82] Vinte e sete anos. Tentando respirar. Queimando
com febre na camisola da minha mãe. Ouvindo gritos, eu
tremo.

[83] "Deixe-me vê-la, deixe-me vê-la."

[84] Vince sobe as escadas, fecha a minha porta. Mamãe


bate seis vezes, minha cabeça está girando.

[85] Ela amaldiçoa, ela chora.

[86] Ele sorri, eu tremo.

[87] Sem dizer uma palavra, Vince pega o teclado da


minha mãe, senta ao meu lado e toca Restless, iluminado
pela luz da igreja.

[88] De repente, eu só ouço sua música de eras distantes.


Lágrimas do mais profundo remorso evaporam enquanto
fluem em abundância.

59
[89] Ele se ajoelha ao lado da minha cama, pega minha
mão. Me segurando, ele chora. "Perdoe-me, Lia, por
favor, eu nunca quis te dar aquele veneno. Eu nunca quis
ter você morta ..."

[90] Bem, bem, bem ... Absolvam-me, queridos deuses!


Como vingança, também tentei acabar com ele, quase
consegui uma vez.

[91] Uma vez, acertei Vince com uma pá. Até abri o
túmulo. Estava quente, eu estava chorando. Ele acordou e
me segurou. Sorrindo, ele perguntou: "Vamos nos deitar
aqui?"

[92] "Perdoe-me, Vince, por favor, perdoe. Eu nunca quis


que você morresse ..."

[93] Mamãe chama o motorista: “Ele está aqui, ele está


aqui!”

[94] Eles conseguem abrir a porta. Vince beija minhas


mãos e corre.

[95] "Como você pôde segurar esse demônio?", ela chora


por mim.

[96] Apenas um dos meus pecados sem fim.

60
Lua Valentia

61
62
Sonhos & Delírios

[1] Muita energia me consome. Convulsionando na


minha cama, Lilith e Perséfone estão em conflito no
meu pesadelo. Hipnicamente magníficas, todas elas
parecem as mesmas: Lilith está vestida com um
vestido vermelho quase transparente, Persephone em
um roxo similar e eu uso preto.

[2] Minha cabeça queima de dentro para fora, meu


corpo treme terrivelmente. Eu não consigo me
controlar, embora neste sonho eu esteja imóvel,
olhando para elas como se eu fosse uma estátua
branca feita de carne humana. Elas se aproximam de
mim, pacientemente, sorrindo de braços abertos.

[3] "Venha a mim, minha filha", diz Persephone,


"escolha o caminho da Família".

[4] "Venha a mim, minha querida", diz Lilith, "escolha


o caminho de Babalon".
63
[5] Suas vozes são muito parecidas, tenras, mas de
alguma forma cruéis.

[6] Eu sei que isso é um pesadelo, portanto estou


completamente ciente das terríveis crises epilépticas
que estão acontecendo com o meu corpo. Eu
poderia engasgar e morrer, eu deveria tentar me
mover para o lado, no caso de eu vomitar.

[7] "O caminho de Babalon é vazio, minha filha.


Você nunca estará satisfeita", diz Persephone,
tentando me convencer a escolhê-la ao invés de
Lilith.

[8] "O caminho da Família nada mais é que uma


decoração. Nada além de correntes bem adornadas
.x.. uma mentira que eles lhe disseram!", Responde
Lilith.

[9] "Eu sou uma rainha!", Diz Persephone, fechando


os braços.

[10] "Só porque tem um rei."


[11]"Eu governo a Morte!", Persephone diz
impaciente.

64
[12] "E eu domino o Amor! Eu desafiei o próprio
Deus e não me submeti a nenhum homem."

[13] "Eu governo o reino dos mortos! Eu sou tanto a


criadora quanto a destruidora!"

[14] "Você é a filha ou a esposa", Lilith continua


desafiando Persephone.

[15] Eu noto minhas pernas tremendo como se eu


estivesse no centro de um terremoto.

[16] "Você nunca será respeitada como eu sou", diz


Persephone.

[17] "Você nunca será independente como eu sou!"

[18] "Então, qual caminho você escolhe?", ambas


olham para mim com um olhar bizarro.

[19] "Perséfone é minha mãe", eu digo. Ela sorri para


mim, abrindo os braços novamente, "mas eu escolho
independência".

[20] "Então diga ...", Lilith se aproxima de mim ", diga


claramente para que todos possam ouvir."

[21] "Eu ... eu escolho o caminho do Babalon", digo


um pouco tímida.

65
[22] Lilith pega meu braço com violência.

[23] "Minha filha!", Perséfone chora, tentando em vão


me fazer ficar. Seus olhos estão bem abertos, mas não
me arrependo da minha escolha. Eu não sinto mais o
meu corpo, indo mais fundo em Demos Oneiroi,
então esqueço que estou sonhando.

66
II

[24] Oh, alma comum, dobre seu joelho para o chão


frio, coloque suas mãos em seu peito e absorva a
intensidade de minhas palavras sagradas. Comporta-
se como se você fosse digno da minha natureza
selvagem e arrebatadora, Lilith diz.

[25] Se você não sabe como sofrer, afaste-se, pois aqui


o Dor reina e, dele, tomamos o néctar da verdadeira
liberdade. Agora, se suas intenções são outras, eu
aviso: não deseja se tornar meu inimigo e atrair minha
indiferença ou minha obsessão implacável.

[26] Se você quer crescer e se tornar meu súdito,


entre na noite de aniversário e morte. Minhas mãos
devem dominar você. Por meio do gosto meu amor
vicioso, através do meu toque você sentirá a brisa fria.
Entre em minhas mãos para sofrer nascer de novo,
livre e melhor, sob a proteção e o martírio da Deusa.

[27] “Toque-se enquanto você entrega sua mente


para mim. Eu vou bater em você nove vezes. Respire
fundo."

67
[28] Lilith amarra minhas mãos em uma cama feita
de ouro branco. Ela sorri para mim, enquanto eu
sinto duas serpentes subindo nas minhas pernas.

[29] A esquerda é preta com sigilos de prata em sua


pele, a direita é branca com detalhes dourados. Eu as
sinto me penetrando, tão quente e desejável. Lilith
sobe em mim como uma fera.

[30] "Você nunca deve ter um filho", ela me bate uma


vez.

[31] "Você nunca deve se casar com qualquer homem


ou mulher", ela me bate duas vezes.

[32] "Você deve morrer sozinha e livre", ela me bate


três vezes.

[33] Eu sinto as cobras se movendo dentro de mim,


o veneno delas em todo o meu sangue. Lilith morde
meu pulso e se alimenta de mim. Minha cabeça está
girando, não sinto dor, só desejo puro. Ela deixa meu
pulso acima da minha testa, tanto sangue caindo no
meu rosto, eu quase não consigo respirar. Eu gosto
como de néctar, um cheiro tão sedutor, um sabor
inesquecível.

68
[34] "Agora você deve comungar em mim", diz ela
chegando mais perto. Ela me pede para lamber seus
mamilos. Eles são tão macios e doces. Eu os lambo
quando eles são feitos de uma vela. Ela abre minha
boca violentamente para que ela possa me alimentar.
Seu leite morno atravessa meu corpo como fogo. Eu
me sinto como um bebê novamente, seguro e
alimentado. Quando termino, ela move seu corpo
novamente, sentada na minha cara. Eu sinto seu
néctar quente em minha língua, ela está tão molhada,
cheirando a sangue e óleo sagrado. Eu a provo com
vontade, enquanto ela rebola em mim.

[35] Ela goza na minha boca, seu néctar enche minha


garganta, as cobras atingem meu coração e penetram
em seu núcleo, dando-me tanto prazer que um ser
humano nunca poderia suportar.

[36] Loucura! Loucura! Eu estou morrendo de


luxúria! Meu corpo está convulsionando novamente,
Lilith está rindo de mim, como um demônio
incontrolável.

[37] “Está selado, querida", ela diz beijando meus


lábios.

69
[38] Dobre seu joelho no chão frio e agradeça sempre
e em todos os lugares, pois este Pacto está vivo, aqui
está o prazer rebelde da mais linda sinfonia!

70
III

[39] Eu me livro de suas correntes e de repente estou


dentro de um templo, encarando uma obra de arte.
No centro da pintura, sentada num trono de pedras
preciosas, uma figura pálida, vestida de ouro, medita
em uma posição de lótus. Em sua cabeça, uma
grinalda de crisântemos. Outra coroa de flores
funerais repousa no colo. Sua boca está aberta,
praticando Khechari Mudra.

[40] A mulher apoia a mão direita sobre um homem


falecido nu. Em seu trono, há uma placa na qual se lê
um trabalho imortal. Ou seria imoral? O corpo do
morto é comido por vermes, mas a relativa
serenidade em seu olhar não o confunde com
nenhum zumbi. Notas de dinheiro em chamas cai na
cabeça do homem morto.

[41] Atrás do morto está uma réplica de si mesmo


quando ele ainda era vivo. O corpo vivo se contorce
inteiro. Figuras sinistras seguem atrás dele, como
fantasmas. Sombras e mais sombras pesam a parte
direita da imagem, como se tudo fosse alucinação,
morte e loucura.
71
[42] Perto de seus pés deles estão outros homens e
mulheres, sem nome, sem cor, sem características.
Apenas formas de carne fresca e enlatada.

[43] O Amor e a Morte estão juntos em uníssono,


alimentando-se da música do círculo da vida. À
primeira vista, a trindade está incompleta. Portanto,
o pintor é Sonho.

72
73
74
75
Victorian dresses
Dancing around me
Fresh as a baby
But a living soul of
76
Thousands of years
Trying to reborn
In a new beloved family
See me for what I am
Accept me and all
Of my lost contradictions
Take my blood and
Make me whole
Give me a purpose
So I can flourish again
In Persephone's eyes
Drink the tears
I've added to this potion
Now hold me, please
So from your embrace
I could never leave!

77
78
79
80
81
82
[1] Girls are so perfect, the way they dress, the
way they move, the way they lieçç. So much to
look at, to admire. How smooth they are. And
the fact that we can trade clothes and makeup.
Gods, it's so sexy to kiss the lips wearing the
same lipstick as you are.

"Você é escrava da carne."


Eu sou pior que isso. Eu escravizo o pecado.
Então venha a mim, homem, e me prove que
você não precisa da carne, portanto você é tão
iluminado. Pare de respirar, pare de comer e
pare de desejar. Muitos tentaram e muitos
falharam. Venha para mim com o pouco
conhecimento que você tem. Pula suas palavras,
descreva seu caminho. Agarre-se ao quanto você
é espiritual ... então. Eu te encho de vaidade.
Você, cara, olha para mim como algo que você
poderia possuir. Mas eu sou a bruxa satânica. Eu
não sou nada além de um espelho. Como a Lua.
Eu apresento a você a ilusão de posse. E olho
para você, como se eu não estivesse lá, para
poder ver sua sombra através do vidro. Você fica

83
nu para mim. Você faz o que eu quiser. Vá em
frente, escolha o seu pecado favorito. Eu
poderia ser ganância se você quiser. Então, eu
vou ouvir seu discurso espetacular,
pacientemente, balançando a cabeça, sorrindo.
Quão espiritual você é! Quão iluminado você é!
Oh, ensina-me por favor, porque pequei. A
próxima coisa que você sabe, você está pecando
diante de mim. Então venha, tente me salvar.
Tente me guiar. Engane-se, meu querido! Eu
sou seu pecado favorito.

"You are a slave to the flesh."


I am worse than that. I enslave the sin. So come
to me, man, and prove to me that you don't
need the flesh, therefore you are so enlightened.
Stop breathing, stop eating and stop desiring.
Many have tried it and many have failed. Come
to me with the little knowledge you have. Polish
your words, describe your path. Grab yourself
on how much spiritual you are... there. I fill you
with pride. You, man, look at me as something
you could possess. But I am the Satanic Witch. I
am nothing but a mirror. Like the moon. I
present to you the illusion of possession. And
look to you, as if I was not even there, so I can
see your shadow through the glass. You get
naked. You do as I please. Go on, choose your
favorite sin. I could be greed if you like. So I am

84
going to listen to your spectacular speech,
patiently, nodding, smiling. How spiritual you
are! How enlightened you are! Oh, teach me
please, for I have sinned. Next thing you know,
you are sinning before me. So come, try to save
me. Try to guide me.

Esta é a noite da sua iniciação. Eu amarro seus


braços e suas pernas. Você está nu, tão
vulnerável, na adorável posição crucificada.
Você olha para mim, desesperado pelo meu
toque. Estou usando vestimenta ritualística. Eu
cubro seus olhos. Você não pode aguentar a
antecipação. Cada segundo pesa em você. Eu
estou tão perto, ainda em silêncio, concentrada,
ignorando seus lamentos. Você sente minha
respiração doce ao lado do seu pescoço. Você
pode me ouvir dizendo alguma coisa, mas não
entende minhas palavras. Meu banimento é o
Onírico. Eu te dou algo para beber do cálice
sagrado. Logo, parece que você está sonhando.
Você sente a energia das minhas mãos tão perto
do seu corpo, provocando você. Você está
inflamado, implorando, mas eu sou implacável.
Você troveja toda vez que me aproximo. Você
espera que eu te bata. Mas eu beijo seus lábios
tão gentilmente que você quase chora. "Toque-
me, por favor", você me implora: "Eu faria
qualquer coisa." Mas isso não é suficiente, ainda.

85
Eu deixo você, meu gosto em seus lábios. Minha
ausência é tortura. Meu silêncio é tortura. E
você deve esperar minutos que podem ser
séculos.
Este é o Culto que você estava buscando.

This is the night of your initiation. I strap your


arms and your legs. You are naked, so
vulnerable, in the adorable crucified position.
You look at me, desperate for my touch. I am
dressing on my ritualistic vestment. I cover your
eyes. You cannot take the anticipation. Every
second weighs heavy on you. I am so close, yet
in silence, concentrated, ignoring your laments.
You feel my sweet breath next to your neck.
You can hear me saying something, but you
don't understand my words. My banishing is the
Oneiric one. I give you something to drink from
the sacred chalice. Soon, it feels like you are
dreaming. You feel the energy of my hands so
close to your body, teasing you. You are
inflamed, begging, but I am relentless. You
tramble every time I come near. You expect me
to hit you. But I kiss your lips so gently you
almost cry. "Touch me, please", you beg me, "I
would do anything." But this is not enough, yet. I
leave you, my taste on your lips. My absence is
torture. My silence is torture. And you shall wait
minutes that could be centuries.

86
This is the Cult you've been look for.

87
88
89
90
I am crazy with lust for you, Valentia.
I try to smoke and I see you in the cloud
I try to cook, and I -feel- you behind me, tracing
your fingernails down my neck
I close my eyes, and I see you pleasing another
man with your mouth while i am allowed only to
worship your feet and pussy
I drip, I throb, I ache in divine frustration for
you, Valentia.

Even seeing you punish chauvinists is making


me hot for you lol!

I am crazy for you and I adore it

Thank you, Valentia

Gods! I would give anything to taste you right


now. Or to be the recipient of your strap-on,
your whip, your golden shower.

I want you to punish me for the sins of men


against women.

91
I am your pet, your toy, your eternally devoted
servant

I am yours for as long as you‘ll have me :3


Strike me, beat me, make me beg.
I would drop to my knees and worship you
anywhere you commanded, no matter how
public or private

My mouth needs to be filled with the taste of


you

I can think of only you, Valentia. I feel your


hands on my neck, the back of my head.

Deceive yourself, my dear. I am your favorite


sin.

There is a castle, a great dark fortress. It stands


upon a platue between a desert and a green river
valley.
It never looks the same twice, but once you have
seen it, you know it no matter what facade it
wears. It is not a castle like ones from the past. It
bristles with technology, antennas, screens...

Within there are androids and gynoids and


cyborgs of various description. They wear
hooded robes of crimson and their faces are

92
cloaked in darkness, but their eyes glow, and
their hair is fiber-optic strands of light.

I cross the desert to get there. I approach the


door. I have an ancient and holy book, but it is
blank. I am there to have it filled.

It is taken from me, and I am calm. I feel your


aura, and I comply with them. I know they are
Yours.

They bring me to a room. It is huge, and a


throne glows in the middle. It is triangular,
pyramid-like. It, too, changes. It is the Throne of
Forcefields and Nanotech Metal. The Lightning
Seat.

You are sat upon it. Naked to the waist, with a


long flowing skirt of sigils. You smile and I fall to
my knees. Behind you, robed cyborgs are
writing in my book with quill-pens and inkwells
of gold and silver and violet inks.

You ask me questions, but i do not remember


them, even as I answer my memory fades.

After a moment, you congratulate me. “you were


clever to come to me, mortal mage. My
Clinton,” as you say my name, I feel pleasure

93
through my entire body. “be rewarded” you say,
and offer me one perfect foot to kiss.

I can not control myself. I kiss your toes and the


smell of your skin intoxicates me. I begin to lick
and suck upon your feet. You smile, and
spreading your legs, you use one leg to pull me
forward. As I taste and smell your nectar, i teeter
upon the brink of my own climax, but I don,t
fall over it.

You begin to move against my mouth, speaking


latin or portuguese, it occurs to me that you are
casting a spell.

As you reach your pleasure, there is an


explosion of light. I see that we are an image
within the book.

That‘s when I wake, desperate and aching for


your touch, Valentia.

And I adore it

Poetry:
I
In the Halls of her great Castle
By the neon glow of plasma screen

94
Before her android cult of mages
I knelt before the Queen

That throne of light and and flowing metals


A Goddess sat upon
So I built an altar for Her
Oh, take me, Babalon

See the circuits in Her aura


The sigils on her clothes
The holographic polish upon
Her fingers and her toes

Persephone‘s daughter
The Star of a new Dawn
Oh, I am but a servant
Of Sacred Babalon

II
Goddess Valentia
Hear my Prayer
May your words ever flow
And may the world read them
You are the darkness and the Moon that lights it
Your eyes are a trap that ensnares mortal men
O Prophetess of Khonsu
May your Code reprogram Reality in your image
So be it.

95
III

If you were only:

The possessor of the most beautiful eyes and


lips I‘ve ever seen

Or the most clever young witch I know

Or just a stunning conversationalist

If you were only a sexy body and perfect legs

Perhaps I could ignore or forget you. But you


are all of that and more, and I can‘t help but be
yours.

IV

Her wine-dark lips and onyx eyes


Her alabaster skin
Her clever words, her moans and sighs
Her sacredness and sin

Like a quasar, burning hot and bright


A candle burns both ends
But gods, how she lights the night!
Ave, Valentia, et amen

96
Mouth waters, head spins
I submit my will, and she begins
To write upon my soul and skin
Her holy words of Law

Space shrinks, earth expands


I‘m putty in her perfect hands
A me that just she understands
And so I gladly fall

Valentia,
Snow Lady,
Daughter of Morpheus
Guide and shelter my journey through
Dreamland
That I may find and serve you therein
In the names of Hypnos, Erebus,
And of Lilith
May may my dreams serve you
And deepen my devotion to you
Ave Valentia
Eu sou Seu

The Goddess asked her people,


“Tell me what you see,
Vampire, or Joanna Arc,
What do you make of me?”

97
The bard sat and watched them tell
The way she met their eyes
Telling tales with open hearts,
Mythology and sighs.

He puffed his pipe and was content


At the names they had to call
For he knew that none were true
And that truth was in them all

Persophone‘s daughter,
The technomagick queen
More, is she, and greater than
Anything mortals have seen

In the dream
She is sat upon a pyramid throne
And within shadow
Surrounded by phones and computer screens
And static-y televisions
There is a clock above her head
Ticking backwards

I approach her
And she stirs, as if waking
Silent, her eyes find me
She makes the Sign I expect
Salve et Coagula

98
But blood pours in slow rivulets
From wounds in her palms
And feet
Coaxial and USB cables
Pierce the wounds
The stigmata
And wrap around her brow
Like an electric crown

She has been weeping


The tracks are clear on her face
I try to come closer
To hold her
To wipe away the tears and
The ruined mascara
But the air is solid between us
And it is futile

The screens burn to life


And she smiles sadly at me
And assumes the Mask

Other‘s flood into the room


Strangers in porcelein masks
Noise floods in with them
The lights change and
The Mask
The holographic matrix
Hides the blood, mascara, tears

99
Men press up to close, their
Questions
Declarations
Lusts
Visible to all present
Who aren‘t busy watching her

Blood still stains the floor


Under her feet
Most ignore it
Some are excited by it
Licking their lips
Or groping their pants

I turn away, but her voice


Unspoken and loud
In my mind, begs
“Watch, bard. Know the poem”

Books line every wall


A library
And as the edges of the crowd
Tear books from the shelves
And complain about the
Lack of pictures
I kneel
And Watch

100
101
102
103
104
Há sempre uma curva

Em que podes camuflar-te

De cobre, aço ou pluma

Encrustada na parede do Infinito


Que a língua, miserável, abafa o sentido
Da canção desafinada
Rumo ao despenhadeiro cavalga!

Notas pesadas retornam à costura


Mas não há linha preta o suficiente
Para marcar-te nos Cosmos.
Oh, cava-te teu buraco e apruma-te
Que o baile é gala, o baile é vazio
Morde a tua língua e hidrata os lábios
Que o baile nunca termina: instinto.

Escolhe a teu mais belo adorno


E já não precisas de um vestido

105
Bem sabes que sozinha é impossível!
Simbiose: entenda, um grande mal-entendido

Quando aproximam e derramam o vinho


Porcamente cospem em ti a própria conduta
E então te desvalorizam
Gargalhando de teus modos impróprios.

A vírgula mal colocada


É o ponto definitivo.
O plural esquecido
É o silêncio cortante
De quem se enxerga mal.

Mais uma livraria fecha as portas


Todos os livros, sem vender
Agora se acumulam em pilhas
E tu escorregas, secando as lágrimas
Há muito esquecidas no porão
De teus pensamentos improlíficos...

Teias que nadam conectam


Apenas envenenam
A isso chamam de amizade
Mas nada é que um disfarce
De um amor falso e carcomido!

Beija teu cadáver e apruma teu véu


Cegas tu tateias a alma

106
De alguém mui marcado
Por outra flecha foi ferido!

Entenda, entenda, entenda


Que não és nada
És pós dançante, maculada
E como bem sabes
Pelo dedo esquelético
Amaldiçoada!

Com uma frase mataste


Todos que um dia te adoraram
Com uma decisão impensada
Ignoraste
Quem para ti daria a vida
Presa na dor e na mentira
Do drama da novela alheia!

Esta nova obsessão


De quem jamais
Poderia compreender, de fato
O teu verdadeiro estilo de vida!
A boneca precisa de corda
E assim também precisa a vida
Pois definhas – negligências:
Tanto a inventada quanto a sentida!

107
108
109
110
111
112
Seu corpo, seu templo
Inevitavelmente maculado
Enquanto se perde nas areias do tempo

Tal qual força motriz


É movida por um motor primeiro, o seu
próprio eu
Criação para ela é como uma pintura do
eu

113
Feliz daquele que consegue retratar sua
visão
Seu tormento, sua loucura
Sua criação

Feliz daquele que não se vende


Que apanha e prossegue
Pois sabe que a vida

É a dor que carrega


Mas se embebeda do antídoto
E a tudo transforma

Feliz nos braços de quem ama


Na sua casa, sua humana moradia,
Flores roxas alimentam as abelhas

114
Always as the mistress, first-time as the
wife

Fuck, I want it perfect!

Watching my vocabulary

115
Melting down while

I try to build a new one

An empty dictionary.

Make a wish, darling

You have just been born

116
Make a wish, lover

As the star falls

You keep feeding me with power

Regardless of our last arrangement

I saw you on your knees, praying for


me

117
Alas, hey, I am still here

As you made me: forever.

Eternidade

Flores do campo, tulipas turquesas


Cheiro de grama e terra molhada
Balanço branco de madeira
E ao fundo, nossa casinha

118
Simples, da terra, do esforço
Mas tão nossa, tão íntima
Viva, cercada de ervas e temperos
Naturais, da nossa horta
Da rede, o barulhinho do mar calmo
Como uma canção de ninar
Para descansar no teu peito à noitinha
Novos livros velhos, prateleiras
E fotos da revolução, dos ídolos, dos
poetas
A vitrola e todos os LPs de colecionadores
loucos Enquanto tu escreves à energia solar
Nosso cantinho de meditação, nosso altar de
flores
E de estrelas-do-mar...
E para plantar: as mãos sempre cheias de
sementes e ideias
Eu chego, sorrateira, te abraço sorrindo
Tu me olhas, teus olhos de caleidoscópios
brilham

119
E me beijas com a boca de café e
chocolate
Te faço um cafuné, me aconchego no teu
colo
Fico pequena em ti:
"Meu amor", sussurro, "está crescendo vida
em mim..."
E tu me diz, profundamente emocionado,
Que hoje é sempre o para sempre.

1. Assim meu Kia se manifesta.


2. Eu me contradigo. E eu não me importo.
3. Sheogorath é apenas a parte masculina de
Éris.

120
4. A música surgiu porque Sheogorath estava
entediado.
5. Música é a arte da loucura.
6. Você se viciou no Caos.
7. Você se viciou na minha música.
8. Se você está sentindo tédio, então você está
vivendo errado.
9. Tédio é o verdadeiro e único inimigo de Éris.
10. Pessoas entediantes são minhas inimigas
pessoais.
11. Na menor hipótese do tédio, Éris precisa ser
invocada imediatamente.

[5] You need some chaotic discipline.

Você precisa de alguma disciplina caótica.

[6] Take it as drug.

Tome como uma droga.

[7] Slowly.

Devagar.

[8] Now faster.

Agora mais rápido.

121
[9] Say "good morning" whenever you wake
up, even if it's dark. People get used to it.

Dê “bom dia” sempre que acordar, mesmo que for


escuro.
As pessoas se acostumam com isso.
[10] I asked the priest Matty Hurley how he
stays so holy. He answered me:

"The answer is a balanced and transubstantial


breakfast. Every morning I eat a bowl full of
communion wafers and red wine, which once
blessed according to Catholic doctrine, is literally
a bowl full of Jesus. Mmm, delicious
Jesus ... "

Perguntei ao sacerdote Matty Hurley como ele se


mantém tão santo. Ele me respondeu:

“A resposta é um café da manhã equilibrado e


transubstancial. Toda manhã eu como uma tigela
cheia de wafers de comunhão e vinho tinto, que uma
vez abençoado de acordo com a doutrina católica, é
literalmente uma tigela cheia de Jesus. Mmm,
delicioso
Jesus...”

122
[18] Stay in the most comfortable position you
find in a cozy atmosphere. Close your
eyes. Watch your heartbeat. Now think of
the galaxy floating around your third eye,
as if you were transparent. Your ears will
get sharper and brighter. Do you see this
tiny, colorful galaxy around your third
eye? Can you see her too? No? For then,
this is the size of his insignificance.
Breathe deeply.

Fique na posição mais confortável que encontrar,


num ambiente acolhedor. Feche os olhos. Observe
seus batimentos cardíacos. Agora pense na galáxia
flutuando ao redor do seu terceiro olho, como se
você fosse transparente. Seus ouvidos ficarão cada
vez mais aguçados. Está vendo esta galáxia
minúscula e colorida ao redor do seu terceiro olho?
Você consegue se enxergar também nela? Não?
Pois então, este é o tamanho da sua insignificância.
Respire fundo.

123
[19] Those who seek peace will
find
Sheogorath.

Aqueles que buscam paz encontrarão Sheogorath.


[20] Do not try to control it, let it flow.

Não tente controlar isso, deixe fluir.

[21] Learn how to control it. Then let it go.

Aprenda a controlar isso, então deixe ir.

[22] Be careful, you may have it all.

Tenha cuidado, você deve ter tudo.

[23] Then lose it all.

E então perca tudo

[24] Make it better than before.

Faça melhor que antes.

[25] Learn the rules and then recreate them.

Aprenda as regras e as reescreva.

[26] Are you lost? Perfect.

124
Você se perdeu? Perfeito.

[27] Raise and fall.

Suba e caia.
[28] Always remember to ask yourself: “Am I
having fun?”

Sempre se lembre de se perguntar: “Eu estou me


divertindo?”

[29] Cheese is our sacred food.

Queijo é nosso alimento sagrado.

[30] Offer cheese only to your friends.

Ofereça queijo apenas aos amigos.

[31] Enemies only deserve the promise of cheese.


Os inimigos só merecem a promessa do queijo.

[32] Banish the cheese of those who offer the


other cheek.

Bana o queijo daqueles que oferecem a outra face.

[33] If cheese is the daedric food of madness,


mineiro’s cheese bread is sacred.

125
Se queijo é a comida daédrica da loucura, pão-de-
queijo mineiro é sagrado.

[34] If cheese exists, then Sheogorath also exists.

Se queijo existe, logo, Sheogorath também existe.

[35] The cheese shops prove the existence of the


God of Madness.

As queijarias comprovam a existência do Deus da


Loucura.

[36] Bless your cheese bread by drawing on it a


chaos sigil with cachaça. Use your left
middle finger.

Abençoe seu pão-de-queijo desenhando nele um


sigilo do caos com cachaça. Use o seu dedo do meio
esquerdo.

[37] Dress with the colors of the first Brazilian


edition of Liber Null & Psychonaut, which
are the same as Sheogorath.

Vista-se com as cores da primeira edição brasileira


do Liber Null & Psiconauta, que são as mesmas de
Sheogorath.

126
[38] Sit in the most comfortable position you
find. Now imagine your whole house being
knocked over your fragile body. In how
many minutes would you be dead?

Sente-se na posição mais confortável que você


encontrar. Agora imagine toda sua casa sendo
derrubada em cima do seu frágil corpo. Em quantos
minutos você estaria morto?

[39] On a very cold day with a waning moon,


take your blanket warmer. Wrap yourself
in it completely to the point of practically
sinking into the bed. Now try to let go only
with the strength of your faith.

Num dia muito frio de lua minguante, pegue seu


cobertor mais quentinho. Enrole-se nele
completamente a ponto de praticamente se afundar
na cama. Agora procure se soltar apenas com a
força da sua fé.

[40] Look at yourself in the mirror. Repeat for


your reflection: "I am an acid rain

127
snowflake." Do it nine times every day at
night, for nine days every nine months.

Olhe-se no espelho. Repita para seu reflexo: “Eu


sou um floco de neve de chuva ácida.” Faça isso
nove vezes todos os dias à noite, durante nove dias
a cada nove meses.

[41] What is death to those who do not even


know that they are alive?

O que é a morte para quem sequer sabe que está


vivo?

[42] Complete this text by eating sweetrolls.

Termine este texto comendo sweetrolls.

128
Lua Valentia

129
SOBRE Valentia
“Lua Valentia é uma das mais versáteis e criativas autoras e
criadora de conteúdos do ocultismo brasileiro da atualidade.
Um olhar inquisitivo e uma sensibilidade muito especial
marcam o trajeto desta bruxa carismática filha espiritual de
Perséfone e Hypnos. Ela é a autora do portal SPECULA e
arregimenta um amplo hall de leitores e leitoras que
acompanham sua criativa e contínua produção transmidia.
Além de escritora dos livros Tecnomago, Oteluma, Vero, Nua
entre outros; ela também é vocalista da banda Caótes,
jornalista e social media.”

Lord A

130
131