Você está na página 1de 6

ROTEIRO 1

Falar sobre o que vem a ser GESTÃO PÚBLICA:

Gerir o que é de todos, gerenciar bens públicos, trazer para si uma


responsabilidade de administrar ou auxiliar a administrar o que pertence à
comunidade. Todo esse modelo que temos foi inspirado da REPÚBLICA
ROMANA.

Funcionava assim: ROMA DOMINAVA AS CIDADES PELA FORÇA DOS


SEUS EXÉRCITOS. Após a dominação, dava alguns privilégios para as
cidades desde que elas obedecessem o Senado e as leis Romanas.

Os “privilégios” eram: eleger os governantes e dirigir as próprias cidades.


As cidades que se organizavam desta maneira eram consideradas
MUNICÍPIOS. MUNICÍPIO = COMUNA

Além dos governantes eleitos administração destas cidades era feita


BASICAMENTE por duas classes:

1- A JUSTIÇA LOCAL: formada por um colégio de dois a quatro juízes ( a


quem incumbia a administração da Justiça, ou seja, JULGAR).

2- ARRECADAÇÃO DE TRIBUTOS: A quem competia angariar recursos


públicos através de impostos. TRIBUTOS = MONERA

Atrás desses administradores, ficavam um grande número de pessoas que


eram incumbidos da tarefa de auxiliar o funcionamento destes departamentos.
Assim se organizou a gestão pública.

( Claro que tudo naquela época era ditado por Roma, pelas Leis do Senado
Romano, e muitas vezes, alguns governantes eram tirados quando não se
organizavam dentro dos padrões ditados pelo Império Romano).
EXEMPLO:

Um exemplo disso é a Judéia. Quem julgou Jesus, naquela época, foram os


próprios judeus, ou seja, as pessoas nascidas na Judéia, que era uma região
dominada pelo Império Romano. A Instância Superior foi formada pelos
Juízes Romanos, que mantiveram a decisão.

Ao governador, que representava ROMA, era concedido o poder da


CLEMÊNCIA. Alguém sabe quem era o Governador daquela região onde
Jesus viveu? PÔNCIO PILATOS.
ROTEIRO 2:

Então era assim: O Poder Central (ROMA) tentava organizar pacificamente


as cidades, com a condição de que as cidades conquistadas ficassem sob a sua
subordinação.

O referencial que temos de Município, como unidade político-administrativa


veio com a República Romana. ( ler a origem da palavra município)

Toda essa organização veio servindo de modelo para o mundo civilizado. É


muito mais fácil dividir o Estado em vários segmentos do que centralizar tudo
e correr o risco de se perder o controle dos diversos fatos e situações que
poderão surgir.

POR ISSO É QUE OS PAÍSES, EM SUA MAIORIA, SE DIVIDEM EM


ESTADOS INDEPENDENTES, MAS HARMÔNICOS COM O PODER
CENTRAL – REPRESENTADO PELO GOVERNO FEDERAL, ATRAVÉS
DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL.

A INDEPENDÊNCIA DÁ AOS ESTADOS O PODER DE CRIAR SUA


PRÓPRIA CONSTITUIÇÀO, SEMPRE EM HARMONIA COM A
CONSTITUIÇÀO FEDERAL.

DA MESMA FORMA, OS MUNICÍPIOS TEM A SUA AUTONOMIA; O


PODER DE GERIR SEU PRÓPRIO DESTINO, SEMPRE EM HARMONIA
COM O ESTADO E COM A UNIÃO. ATRAVÉS DISSO, O MUNICÍPIO
PODE CRIAR SUA LEI MÁXIMA. ( LEI ORGÂNICA MUNICIPAL).
ROTEIRO 3

Todo este sistema de hierarquia de poderes, é formado por pessoas. Fala-se


muito em máquina administrativa, mas na realidade mesmo, a verdadeira
máquina é o ser humano. Por isso é que nós estamos aqui neste momento.
Somos parte desta dita máquina, ou melhor, somos quem fazemos a máquina
funcionar. OS SERVIDORES PÚBLICOS. ( Ler o conceito de servidor
público).

Os Municípios, Estados e união são livres para organizar seu pessoal. Sempre
seguindo três regras básicas:

*ORGANIZAÇÃO LEGAL – Todo cargo público somente pode existir se


criado por lei. ( art 37, I). O executivo cria ( ou modifica) o cargo e manda
para o legislativo apreciar. A partir daí, a responsabilidade de regulamentar o
exercício, ( nomear, exonerar, demitir, punir, conceder férias, licenças e etc) é
do Poder Executivo.

CARGO = É UM LUGAR NA ORGANIZAÇÃO DO SERVIÇO PÚBLICO


( com atribuições, requisitos e etc) FUNÇÃO é a atribuição exercida.

TODO CARGO TEM FUNÇÃO, MAS PODE TER FUNÇÃO SEM CARGO.

CLASSE: É O AGRUPAMENTO DE CARGOS DA MESMA PROFISSÃO.

LOTAÇÃO é o número de servidores que devem ter exercício em cada


repartição ou secretaria.
ROTEIRO 4

Via de regra, o servidor público ingressa no serviço público através de


concurso. (CF. Art. 37 II) Ler e comentar a constituição.

CONFRONTO DO BRASIL COM OUTROS PAÍSES

Hoje em dia, o regime municipal que mais se assemelha com o nosso é o dos
Estados Unidos, mas com algumas ressalvas.

A Constituição Americana é mínima de regras indispensáveis à coexist6encia,


dando destaque às liberdades individuais. FALAR DO RESPEITO QUE O
AMERICANO TEM PELA CONSTITUIÇÀO E PELA FACILIDADE QUE
SE TEM DE ASSIMILAR O CONTEÚDO DA CONSTITUIÇÃO.

Diversas formas de administração podem ser apontadas:

Certas regiões predomina o COUNTY ( EQUIVALE AO Município


Brasileiro) Estado de Nova York;

Outras regiões prevalece a CITY ( área urbana inferior ao county, mas não
subordinada a esta)

Algumas regiões predomina a TOWNSHIP ( confunde-se com a county)

Quando preenche alguns requisitos ( normalmente a população) a autonomia


municipal exterioriza-se com um tipo de Lei Orgânica chamada Carta.

FORMAS DE ADMINISTRAÇÀO MUNICIPAL AMERICANA:

 GOVERNO POR UM CONSELHO ( decisões colegiadas);


 GOVERNO POR UMA COMISSÃO ( cada membro cuida de uma
atividade);
 GOVERNO POR UM INDIVÍDUO ( MAYOR) assessorado por um
conselho;
 GOVERNO FEITO POR UM SISTEMA CHAMADO ANALOGIA
FEDERAL ( semelhante ao nosso);

 GOVERNO ATRAVÉS DE UM GERENTE ( MANAGER),


CONTRATADO PARA ADMINISTRAR A CIDADE POR UM
DETERMINADO PERÍODO.

É a mais notável evolução de administração, pois o manager pode desenvolver


qualquer tipo de governo acima citados. Hoje em dia é o que há de mais
moderno em administração pública. O melhor centro de formação de
managers é Universidade de Harvard nos Estados Unidos.

FAZER PARÂMETRO ENTRE O GESTOR PÚBLICO E O MANAGER.


GESTOR – LATIN: GESTORE = gerente

Talvez o que diferencie o sucesso de alguns países ditos desenvolvidos é o


sistema fiscal. Os impostos são em sua grande maioria destinados ao
Município, o que faz com que haja um equilíbrio de qualidade de vida entre
todos os municípios.