Você está na página 1de 3

ETAPA: 03 / DIREITO PÚBLICO E PRIVADO / => Aula___ em: ___/__/____ [1]

DIREITO DO TRABALHO: Relação de Trabalho e Relação de Emprego


A Relação de Trabalho consiste em gênero, correspondente a todo e qualquer vínculo jurídico tendo como objeto o
trabalho humano, sendo uma de suas espécies a relação de emprego, relação jurídica-contratual com a qual se preocupa o Direito
do Trabalho. Assim, as normas protetivas do Direito do Trabalho têm como destinatário precípuo o trabalhador que exerce a
condição de empregado. Portanto, o vínculo empregatício tem como sujeitos o empregado e o empregador.
A Relação de Emprego é uma espécie de relação de trabalho, que se baseia no nexo entre empregador e empregado,
caracterizado pela prestação pessoal de serviços, de forma não eventual e subordinada, mediante o pagamento de salário.
A diferença entre relação de emprego e relação de trabalho está no fato de a primeira ser específica e a última ser
genérica, ou seja, como relação de trabalho podem ser consideradas todas as relações jurídicas fundadas em uma obrigação de
fazer consubstanciada no trabalho humano, enquanto somente existirá relação de emprego quando o trabalho humano se
desenvolver de forma não eventual e subordinada, sendo prestado com pessoalidade e mediante remuneração.
Todo empregado é trabalhador, mas nem todo trabalhador é empregado!!!
A caracterização da relação de emprego é essencial ao Direito do Trabalho, à medida que a identificação dela como
objeto deste ramo específico da Ciência do Direito permite a aplicação dos princípios, regras e institutos que lhe são próprios.
Existe relação de emprego sempre que os serviços prestados por uma pessoa física a outrem se revestirem de características
específicas que os diferenciem de outras formas de prestação de serviços. Não se distingue entre o trabalho realizado no
estabelecimento do empregador, o executado no domicílio do empregado e o realizado a distância, desde que estejam
caracterizados os pressupostos da relação de emprego (art. 6º, CLT).
RELAÇÃO DE EMPREGO:
Os elementos característicos da relação de emprego decorrem do disposto nos arts. 2º e 3º da CLT e são:
 Características que determinam a condição de Empregado:
 Pessoalidade: O empregado obriga-se a prestar pessoalmente os serviços contratados, não podendo, por sua iniciativa,
fazer-se substituir por terceiros. (art. 2º, caput).
 Não eventualidade: O trabalho prestado como decorrência da relação de emprego não é esporádico, não é eventual, não
ocorre de vez em quando, mas exige do trabalhador um comprometimento de execução contínua de atividades com as quais o
empregador pode certamente contar. Não é necessário que os serviços sejam prestados diariamente. O importante é que haja a
expectativa de retorno do empregado ao serviço, isto é, já se sabe que os serviços serão desenvolvidos em determinado dia, por
determinada pessoa, e sua ausência acarretará prejuízos. O que caracteriza a habitualidade não é a prestação diária de trabalho,
mas, sim, o sentido de permanência e de prolongamento no tempo que a prestação dos serviços tem.
 Subordinação: É a sujeição do empregado às ordens do empregador, é o estado de dependência do trabalhador em relação
ao seu empregador. A subordinação deriva da própria estrutura da relação jurídica de emprego, que se baseia na transferência pelo
empregado ao empregador do poder de direção sobre o seu trabalho.
Os avanços tecnológicos têm alterado substancialmente a rotina de muitos empregados, permitindo que executem suas
tarefas fora das dependências do empregador, como, por exemplo, na sua própria casa (home office). Com isso, instaurou-se
discussão a respeito de quais seriam os contornos da subordinação nesses casos. Alterando a redação do art. 6º da CLT, pela Lei
n. 12.551/2011, o legislador passou a reconhecer que não se distingue entre o trabalho realizado no estabelecimento do
empregador, o executado no domicílio do empregado e o realizado a distância, desde que estejam caracterizados os pressupostos
da relação de emprego, prevendo que os meios telemáticos e informatizados de comando, controle e supervisão se equiparam,
para fins de subordinação jurídica, aos meios pessoais e diretos de comando, controle e supervisão do trabalho alheio (art. 6º,
parágrafo único, CLT).
Regulamentando o trabalho à distância, denominado de teletrabalho, a Reforma Trabalhista, introduzida pela Lei n.
13.467/2017, acrescentou à CLT os arts. 75-A a 75-E. Nesse sentido, considera-se teletrabalho a prestação de serviços
preponderantemente fora das dependências do empregador, com a utilização de tecnologias de informação e de comunicação que,
por sua natureza, não se constituam como trabalho externo.
 Onerosidade: ■ a relação de emprego não é gratuita ou voluntária, ao contrário, haverá sempre uma prestação (serviços)
e uma contraprestação (remuneração). A onerosidade caracteriza-se pelo ajuste da troca de trabalho por salário. O que importa
não é o quantum a ser pago, mas, sim, o pacto, a promessa de prestação de serviço de um lado e a promessa de pagamento do
salário de outro lado. O fato de o empregador deixar de pagar o salário não afasta a existência de onerosidade e, portanto, não
descaracteriza o contrato de trabalho, pois a obrigação de pagar o salário existe, apenas não está sendo cumprida.
A existência de relação de emprego somente se verifica quando todas estas características estiverem presentes ao mesmo
tempo. A ausência de um ou de alguns destes elementos caracterizadores pode implicar na existência de uma relação de trabalho,
mas, jamais, de uma relação de emprego.
 SUJEITOS DA RELAÇÃO DE EMPREGO: Os sujeitos da relação de emprego são empregado e empregador. O conceito
legal de empregado está expresso no art. 3º da CLT:
 EMPREGADO => "Considera-se empregado toda pessoa física que prestar serviços de natureza não eventual a empregador,
sob a dependência deste e mediante salário. " A definição de empregado deve ser completada por mais um
requisito expresso no art. 2º da CLT, qual seja, a prestação pessoal de serviços.
 EMPREGADOR=> É “a empresa, individual ou coletiva, que, assumindo os riscos da atividade econômica, admite, assalaria
e dirige a prestação pessoal de serviços” (art. 2º, CLT).
Natureza Jurídica da Relação de Emprego - Em relação à posição adotada pelo legislador acerca da natureza jurídica da

Paulo César de Oliveira Gonçalves - Professor de Direito


E-mail: pcgoncalvesjus@yahoo.com.br / Site: www.procuroadvogado.com.br / Whatsapp: 53984136698 / Messenger/Facebook: Paulo César De Oliveira Gonçalves / Insta.:pc_advogado
ETAPA: 03 / DIREITO PÚBLICO E PRIVADO / => Aula___ em: ___/__/____ [2]

relação de emprego, como afirma Alice Monteiro de Barros, “prevalece no Brasil, como regra geral a forma livre de celebração
do contrato, que pode assumir o caráter expresso (verbal ou escrito) ou tácito (arts. 442 e 443 da CLT)”.
RELAÇÃO DE TRABALHO:
O trabalho desenvolvido com pessoalidade, com não eventualidade, com subordinação e mediante remuneração leva à
caracterização de uma relação de emprego (relação de trabalho stricto sensu), enquanto o trabalho prestado com ausência de uma
ou de algumas dessas características implica na existência de uma relação de trabalho. Entre as diversas espécies de relação de
trabalho, analisaremos as seguintes:
 Espécies de trabalhadores afins (não empregados):
 Autônomo: Considera-se autônomo o prestador de serviços que desenvolve sua atividade sem estar subordinado a horário,
livre de fiscalização do destinatário dos serviços e, eventualmente, com auxílio de terceiros. O autônomo tem ampla liberdade
quanto à forma e o modo de execução dos serviços, estabelece o preço dos serviços e, como decorrência da ausência de
subordinação, assume os riscos da própria atividade, diferentemente do empregado, que transfere os riscos ao empregador (art.
2º, CLT). Os trabalhadores autônomos mais típicos são os profissionais liberais (médicos, dentistas, advogados, engenheiros etc.).
No entanto, também profissionais técnicos (desenhistas, contadores, tradutores e intérpretes etc.) e trabalhadores que, mesmo sem
possuir diploma de nível superior ou técnico, exercem seu trabalho com autonomia (pedreiros, marceneiros, mecânicos etc.)
podem ser trabalhadores autônomos. Em qualquer caso, porém, é essencial a inexistência de subordinação na prestação dos
serviços para que seja caracterizado o trabalho autônomo.
 Eventual: O trabalhador eventual é aquele que exerce suas atividades de forma esporádica, descontínua, fortuita.
 Avulso & Portuário: prestação de serviços em caráter eventual, porém sendo a contratação intermediada por sindicato ou
órgão gestor de mão de obra. Exemplo típico desta modalidade de contratação corresponde aos trabalhadores portuários.
 Voluntário: É aquele prestado com ânimo e causa benevolentes, de cunho gratuito. O trabalho prestado de forma gratuita ou
voluntária caracteriza uma relação de trabalho, mas não uma relação de emprego.
 Sócio: figura no contrato social, não conta com subordinação e envolve o affectio societatis.
 Sócio-Cooperado: figura no contrato social de entidade cooperativa. Sendo lícita o funcionamento da entidade cooperativa,
não se confunde com empregado, na forma do art. 442, parágrafo único da CLT.
 Estagiário: É definido como o “ato educativo escolar supervisionado, desenvolvido no ambiente de trabalho, que visa à
preparação para o trabalho produtivo de educandos que estejam frequentando o ensino regular em instituições de educação
superior, de educação profissional, de ensino médio, da educação especial e dos anos finais do ensino fundamental, na
modalidade profissional da educação de jovens e adultos”.
 Pequeno Empreiteiro: Pequeno empreiteiro é a pessoa física que, como profissional autônomo, executa, só e pessoalmente
(ou, no máximo, com algum auxiliar), a empreitada, de valor econômico não elevado.
 Terceirização: é a contratação de trabalhadores por interposta pessoa, ou seja, o serviço é prestado por meio de uma relação
triangular da qual fazem parte o trabalhador, a empresa terceirizante (prestadora de serviços) e a tomadora dos serviços. O
trabalhador presta serviços para a tomadora, mas sempre por intermédio da empresa terceirizante, não havendo contratação direta
neste caso. Trata-se, portanto, de uma subcontratação de mão de obra. O trabalho não é prestado por meio de uma relação
bilateral, como tradicionalmente ocorre na relação de emprego.
 Parceria na Área de Beleza: A Lei n. 12.592/2012, com as alterações da Lei n. 13.352/2016, dispõe sobre o contrato de
parceria entre os profissionais que exercem as atividades de cabeleireiro, barbeiro, esteticista, manicure, pedicure, depilador e
maquiador (denominados profissionais- parceiros) e pessoas jurídicas registradas como salão de beleza (denominado salão-
parceiro). O contrato de parceria será firmado por escrito, devendo ser homologado pelo sindicato da categoria profissional e
laboral e, na ausência desses, pelo órgão local competente do Ministério do Trabalho, perante duas testemunhas (art. 1º-A, § 8º,
Lei n. 12.592/2012).
 Servidor Público Estatutário: profissional que estabelece vínculo de natureza institucional-estatutária com a Administração
Pública, por meio da ocupação de cargo público, em provimento efetivo ou comissionado.
 Servidor Público Temporário: trabalhador contratado pela Administração Pública, em caráter temporário, para atender
necessidade temporária de excepcional interesse público, na forma art. 37, IX, da CF/88. Conforme a tese firmada pelo STF na
ADI 3395, tal relação não tem natureza empregatícia.
_______________________________________________________________________________________________
Atividades: Prezado(a) Aluno(a), leia atentamente o texto acima (3x) e responda individualmente as seguintes perguntas identificando a
folha individual de respostas com o seu #nome completo, #nome da turma, #nome da disciplina, #data & o # título do trabalho:

Paulo César de Oliveira Gonçalves - Professor de Direito


E-mail: pcgoncalvesjus@yahoo.com.br / Site: www.procuroadvogado.com.br / Whatsapp: 53984136698 / Messenger/Facebook: Paulo César De Oliveira Gonçalves / Insta.:pc_advogado
ETAPA: 03 / DIREITO PÚBLICO E PRIVADO / => Aula___ em: ___/__/____ [3]

1. Conceitue Relação de
Trabalho!
2. Conceitue Relação de
Emprego!
3. Diferencie Relação de
Emprego e Relação de
Trabalho!
4. Por que a Relação de
Emprego é importante
para o Direito do
Trabalho?
5. Cite os Elementos
Característicos da
Relação de Trabalho!
6. Explique
"Pessoalidade", "Não
Eventualidade" &
"Onerosidade"!
7. Conceitue
"Empregado" !
8. Conceitue
"Empregador"!
9. Fale da Natureza
Jurídica da Relação
de Emprego!
10. Cite os tipos de
trabalhadores que não
são considerados
empregados !
11. Fale sobre o
trabalhador
autônomo!
12. Fale sobre o
trabalhador
voluntário!
13. Fale sobre Parceria
na Área da Beleza!
14. Fale sobre
Terceirização!

Paulo César de Oliveira Gonçalves - Professor de Direito


E-mail: pcgoncalvesjus@yahoo.com.br / Site: www.procuroadvogado.com.br / Whatsapp: 53984136698 / Messenger/Facebook: Paulo César De Oliveira Gonçalves / Insta.:pc_advogado