Você está na página 1de 44

Arquitetura Hostil:

cuidados no lar e prevenção


de acidentes na 3ª. e 4ª. idade

Coleção
Sou Arquiteto,  
e agora? Número III   
                                 

dedicada ao público idoso,


arquitetos, e engenheiros  
 

Fabiana Cerato
Arquiteta & Livre pensadora
Arquitetura Hostil:
cuidados no lar e prevenção
de acidentes na 3ª. e 4ª. idade

Coleção
Sou Arquiteto,
e agora? Número III  

Fabiana Cerato
Arquiteta & Livre pensadora
 

1ª. Edição
Harmonia Arquitetura
Foz do Iguaçu/PR
2018
COPYRIGHT
 

Copyright:  Fabiana Cerato, 2018. 
Copyright:  Harmonia Arquitetura, 2018. 
 
 
 

Revisão Conteúdo: Bianca Cerato; Fabiana Cerato. 
Capa:  Matheus Nogueira Cardoso; Fabiana Cerato. 
Publicação: Amazon (www.amazon.com.br), formato e‐book 
A AUTORA

Fabiana Cerato nasceu em Porto Alegre em


fevereiro de 1964. É Arquiteta e Urbanista especialista
em Projeto e Construção; Docência do Ensino Superior;
Psicologia Positiva e Coaching; empresária, escritora,
livre pensadora.

É proprietária da Harmonia Arquitetura


(www.harmonia.arq.br)  , responsável técnica por mais
de 200 construções e projetos. Há 2 décadas vem
pesquisando Arquitetura Saudável, Esteticidade, Conví-
vio, Altas Habilidades Cognitivas, Comportamento,
Anticonflito, Essência consciencial, Macroética, Sere-
nismo.

Ministra cursos e palestras em instituições pú-


blicas e privadas nos temas: arquitetura saudável,
esteticidade, autoestima, autonomia afetiva, gestão e
projeto de vida, relações familiares, violência doméstica,
reeducação, processos reflexivos, qualificação do
pensamento, valores e princípios pessoais, altas
habilidades cognitivas e autoconhecimento.
nenhum vento sopra a favor
de quem não sabe
para onde ir
(Sêneca, 4 a.C - 65 d.C)
DEDICATÓRIA
- Este e-book número III é dedicado ao público idoso e a
todas as pessoas que já alcançaram a melhor idade: há muito
que viver.
- Aos colegas: arquitetos e engenheiros.
- Aos operários, pedreiros, serventes, marceneiros, artesões,
serralheiros, vidraceiros, mestres de obra, assentadores,
instaladores, pintores, metalúrgicos, equipes de obra, e
pessoas que dedicam a vida à construção de um mundo
melhor.
- Aos artistas e atores, animadores de rua, locutores de rádio,
apresentadores de televisão e cinema, diretores, cinegrafistas,
maquiadores, cenógrafos, criadores da alegria e
promulgadores da diversão.
- Aos profissionais da saúde, pela ajuda incansável e infinita
assistência dedicada aos seus pacientes.
- Às filhas Nicole e Bianca. Aos pais Nilo e Sonia, aos
irmãos Carlos e Marlise.
- Aos idealizadores do processo evolutivo.
- À Waldo Vieira.
SUMÁRIO
 Objetivos do e-book número III.
 Arquitetura saudável.
 Lar saudável.
 Cuidados na locação ou compra do imóvel.
 Arquitetura hostil.
 Prevenção e cuidados dentro e fora de casa.
 Antibagulhismo.
 Construção da casa nova.
 Regularização de construções ilegais.
 Estatística de acidentes no lar.
 Tabela de estatísticas de acidentes no lar.
 Sustentabilidade planetária.
 Argumentos conclusivos.
 Bibliografia.
 Webgrafia.
 Filmografia.
tome cuidado com o vazio de
uma vida ocupada demais
(Sócrates, 469 a.C - 399 a.C)
OBJETIVOS DO
E-BOOK NÚMERO III
O e-book número III: ARQUITETURA HOSTIL:
CUIDADOS NO LAR E A PREVENÇÃO DE ACIDENTES NA
3ª. e 4ª. IDADE pode significar a diferença entre vida e morte, são
vários os exemplos de uma arquitetura que pode tornar-se hostil –
senão forem atendidas as características específicas do perfil do
morador. Estes aspectos vão desde evitar a instalação de ar
condicionado na cabeceira da cama até a escolha do imóvel certo
para morar segundo o contexto do inquilino/morador.

O idoso precisa necessita ser valorizado, e precisa de


cuidados especiais. Tais cuidados começam pela própria casa, seja
ela nova, reformada, ou alugada.

Orientar o idoso e oportunizar reflexões ao profissional


de arquitetura e engenharia que o atende é um dos principais
objetivos deste e-book.

A área da Arquitetura e Urbanismo é imensa. É difícil


saber onde atuar com tantas opções, desde cargos públicos à
projetos particulares, o profissional à medida que entra no mercado
vai se especialidade e tenderá a optar pelo que mais lhe completa.

Todo o profissional que adquire senso de humanização


tende a se relacionar melhor. Estimular analises versáteis, flexíveis
e próximas ao ser humanos é o que queremos com esta coletânea.
A coletânea: Sou arquiteto, e agora? surgiu a partir da
experiência adquirida em 2 décadas de atuação profissional
(www.harmonia.arq.br) unindo Arquitetura e autoconhecimento.

A trajetória do autoconhecimento iniciou-se em 1997, a


partir do contato com a Ciência Conscienciologia
(www. ceaec.org.br).
ARQUITETURA
SAUDÁVEL

A arquitetura saudável é a construção elaborada a partir


dos conceitos de funcionalidade, segurança, estética e conforto, os
quais são traduzidos no projeto arquitetônico, na escolha adequada
de materiais construtivos e no planejamento técnico.

A residência harmônica, e bem construída, torna-se o


ancoradouro do bem-estar - é lá que relaxamos, refletimos,
revigoramos e restabelecemos nossos pensamentos e emoções
diariamente.

A edificação saudável caracteriza-se pela adaptação às


necessidades do morador, sendo local agradável e funcional.

Os cuidados iniciam na escolha do terreno e na


elaboração do projeto. O resultado desta combinação irá trazer
satisfação e bem-estar ao morador.

Vamos abordar os cuidados que o idoso necessita na hora


de construir, reformar ou comprar sua casa ou apartamento.
LAR
SAUDÁVEL

O lar saudável deve considerar aspectos de conforto


térmico e acústico, higiene, estrutura, manutenção, disposição
funcional, disposição estética, saúde, estilo e necessidade do
morador.

O ambiente, se bem planejado/pensado, deve estimular a


harmonia do seu morador. A casa deve ser adaptada para evitar
acidentes ou intercorrências inesperadas.

A atenção na seleção do piso, na altura dos interruptores,


na disposição e altura do mobiliário, no cuidado com degraus e
quinas, e na definição das cores são alguns dos aspectos
relacionados à casa saudável.

A arquitetura é o planejamento dos espaços aliados à


beleza, funcionalidade e segurança estrutural. Eis, listados abaixo,
em ordem alfabética, 30 informações técnicas para facilitar o
manejo do espaço saudável do idoso.

1. Abastecimento: possuir despensa ou depósito, com


acesso facilitado, e prateleiras na altura da visão do morador.

2. Anti-insetos: instalar telas anti-insetos em janelas e


portas especialmente no verão.

3. Antimofos: utilizar no escritório, na sala, no


dormitório ou em ambientes de permanência prolongada e em dias
úmidos. Os aparelhos antimofo são desumidificadores e evitam o
acúmulo de água e a retração nas folhas de papel.

4. Aparelhos telefônicos: optar por aparelhos telefônicos


que possuam teclas e números grandes.

5. Áreas amplas: construir áreas e circulações amplas


para facilitar a mobilidade.

6. Áreas verdes: prever áreas de paisagismo e horta.


Essas áreas potencializam a saúde e constituem boa forma de
conexão a natureza. A organização mundial da saúde (OMS) prevê
9m2 de área verde por habitantes.

7. Aterramento elétrico: prever aterramento elétrico para


evitar choques ou queima de equipamentos. Recomenda-se a
instalação de para-raios.

8. Barras de apoio: instalar barras de apoio em toda a


casa: na circulação do banheiro, no box, atrás do vaso sanitário e
nas áreas de circulação da residência. As barras são feitas em
metal, ferro pintado, ou aço escovado. A extensão é variável:
desde 80 centímetros a 3 metros conforme o local da instalação.

9. Chaves: desenvolver o hábito de colocar em local


próprio para deixar as chaves da casa e do carro próximo a
entrada principal. Este hábito deve ser acordado entre todos os
integrantes da família.

10. Closet ou sala de vestir: optar por ambiente


exclusivo, com janela e tela mosquiteiro e cores claras, o ideal é
que o dormitório seja livre de objetos ou roupas.
11. Conforto: durante o inverno pode-se optar pelo
aquecedor a óleo. O aparelho necessita ter tomada de 20 amperes
exclusiva.

12. Dormitório: evitar instalar guarda-roupa no


dormitório, o ideal é manter roupas e objetos de vestir em ambiente
exclusivo. Na suíte de dormir o ideal é ter somente a cama e as
mesinhas de cabeceira.

13. Elevadores e escadas: preferir morar em níveis mais


baixos, evitando subir escadas em eventual pane elétrica.

14. Esteira ergométrica: praticar exercícios até suar ajuda


o ritmo cardíaco. Opte por esteira ergométrica moderna e segura.

15. Home-office: construir escritório que favoreça o


estudo e a pesquisa tranquilia, com monitor de tela grande, dando
preferência a de 27 polegadas. A aposentadoria é ótima fase da vida
para a escrita e a produção de livros. O idoso dispõe de tempo livre
para o registro da sua experiência de vida.

16. Iluminação: instalar lâmpadas LED em ambientes de


estudo, optando pela cor branca.

17. Isolamento: isolar térmica e acusticamente a


residência garante maior conforto. O arquiteto poderá indicar as
melhores opções e materiais.

18. Lanternas: possuir lanternas espalhadas por toda a


casa evita acidente em caso de pane elétrica.

19. Maçanetas: evitar maçanetas redondas ou pequenas.


As maçanetas ideais possuem ergonometria.
20. Microondas: aquecer líquidos em temperaturas altas
pode fazer o líquido espirrar ao ser retirado. O ideal é deixar o
líquido repousando por 1 minuto antes de aproximar ao rosto.

21. Racionalizar: evitar acúmulo de objetos sem


utilidade. Recomendam-se doações anuais de objetos não
utilizados.

22. Radiação: ter atenção aos efeitos nocivos da


radiação. Evitar trabalhar ou permanecer próximo a celulares,
microondas, ou wifis. A internet pode ser utilizada via cabo e com
wifi distante da área de permanência prolongada.

23. Recheio: escolher móveis que sejam funcionais e de


cor clara. Tons escuros tendem a fechar o ambiente predispondo
incômodo.

24. Espaço-uso: evitar misturar funções. O ideal é


reforçar atividades relacionadas ao próprio espaço, por exemplo:
estudar no escritório, dormir no quarto, ver televisão na sala. Cada
atividade possui o espaço projetado para tal.

25. Segurança: instalar alarmes e grades na residência.


Não há necessidade de construir muros que escondam a casa. A
mescla entre gradil e vidro torna a fachada da residência leve e
segura.

26. Tapetes: cuidar na hora da seleção de tapetes, eles


podem ser responsáveis por acidentes domésticos. Evite tapetes
soltos, procure prende-los ao chão.

27. Ventilação: optar por ventilação cruzada, dispondo


de duas ou mais aberturas frente a frente em cada cômodo.
28. Quinas, pontas e degraus: cuidar com quinas, pontas
soltas ou degraus. Optar por rampas e paredes de cantos
arredondados sempre que possível.

29. Pé-direito (altura piso-teto): construir ou reformar


a residência tendo em mente a altura de 3 metros. Maior altura
predispõe melhor ventilação e conforto.

30. Pisos: selecionar ambientes de piso fosco,


antiderrapantes ou com pouco brilho. Pisos brilhosos e lisos tendem
a ser mais escorregadiços.
CUIDADOS NA LOCAÇÃO
OU COMPRA DO IMÓVEL

Nem sempre é possível construir a própria casa.


Quando o momento for de aluguel ou compra, a análise dos
detalhes se faz necessária. O imóvel ideal é aquele que cabe no
bolso do comprador. Além dos 30 itens descritos, o idoso
deve considerar a sustentabilidade, a mobilidade diária e os gastos
fixos mensais relacionados, por exemplo: financiamento,
condomínio, distância ao posto de saúde, hospital, e aos locais de
visita habitual.

A sugestão é optar por casas ou apartamentos térreos.


Para comprar ou alugar dê preferência por prédios com 3 andares
ou com elevador e, dentro do possível, com gerador elétrico
próprio.

Vale considerar que os corredores e circulações são


percorridos diariamente. Imóveis antigos possuem corredores
longos e escuros. Ao considerar a seleção do imóvel, imagine-se
percorrendo o corredor diariamente. Analise o quanto esse percurso
lhe tomará de tempo.

Áreas de lazer devem ser pesquisadas evitando a


arquitetura hostil. É bastante comum encontrar pedras pontiagudas
próximas a piscinas, torneiras mal-acabadas, fiação desencapada.
Vale conferir o ralo da piscina, observando o seu funcionamento,
para evitar possíveis acidentes. Da mesma forma, verifique motores
ou bombas de piscina, pois possuem durabilidade curta. Certifique-
se da data da última manutenção.
Que ninguém passe em
vão ao nosso lado
(interagir sem cobrar: este é
o grande desafio)
ARQUITETURA
HOSTIL

A arquitetura hostil é a construção nova ou antiga sem


maiores cuidados arquitetônicos ou funcionais. São estruturas
arcaicas de manutenção precária ou insuficiente.

Chamamos arquitetura hostil qualquer obstáculo público,


físico, que interfira no bem-estar do ser humano, por exemplo:
buracos na calçada e objetos públicos mal posicionados.

Eis 8 itens que caracterizam a arquitetura hostil,


analisando objetos instalados em locais comprometedores ou com
manutenção precária:

1. Ar-condicionado: quando instalado sobre a cabeceira


da cama.

2. Buracos: no meio da rua, da calçada ou da circulação.

3. Elevadores: antigos ou sem manutenção.

4. Escadas: com degraus - espelho ou patamar - em


diferentes alturas ou com pouco espaço para apoiar os pés.

5. Fiação elétrica: solta ou desencapada.

6. Filtros de ar: sujos ou velhos.


7. Pedras: no meio da circulação, do caminho ou da
passagem.

8. Portas e janelas: soltas ou com risco de queda.


PREVENÇÃO E CUIDADOS
DENTRO E FORA DE CASA

Morando sozinho ou não, alguns cuidados são


essenciais no dia a dia. A vigilância e a reeducação auxiliam o
idoso a tornar-se autoconsciente em relação a si e aos demais.

No seu dia a dia, o idoso deve ter atenção e cuidado,


verificando 12 itens listados:

01. Gás: verificar se está desligado.

02. Porta: chavear a porta.

03. Funcionamento: evitar sair de perto do fogão quando


em funcionamento.

04. Prateleiras: evitar prateleiras sobre a cabeceira.

05. Filtros: limpar regularmente filtros de ar e água.

06. Objetos: não deixar objetos espalhados em locais de


passagem.

07. Uso/Adequação: Jamais usar objetos, em especial


cortantes para uso inadequado ou contaminados, por exemplo no
preparo de suas refeições diárias.

08. Desorganizar/Organizar: ligar-desligar; abrir-fechar;


acender-apagar; sujar-limpar.
09. Iluminação: evitar ambientes com pouca iluminação.

10. Ruídos: evitar ambientes ruidosos, se possível com


proteção nos vidros.

11. Ruas: ter cuidado ao atravessar ruas e avenidas,


mesmo com a sinaleira marcando sinal verde.

12. Janelas: ao sair de casa manter as janelas fechadas.


ANTIBAGULHISMO

O bagulho é tudo que não necessitamos. São objetos que


acumulamos ao longo da vida: móveis, roupas, acessórios de vestir,
objetos recebidos de herança familiar que não utilizamos e que
acumulam sujeira.

Vale a pena você, caro leitor, revisitar a sua casa com


olhos de pesquisador, pensando da seguinte maneira: “o que eu não
utilizo mais?”

O passado foi importante, mas não vivemos dele e sim de


boas lembranças. Doar objetos que não utilizamos ajuda o ser
humano a sentir-se livre e seguro. A decisão é intransferível
e o momento ideal da doação é aquele que a pessoa escolher.

Para qualificarmos a maneira de enxergar a casa


precisamos reciclar posturas pessoais que reforçam apegos afetivos
antigos. A residência saudável favorece o bem-estar do morador e
predispõe a posturas proativas, autossustentáveis.
CONSTRUÇÃO DA
NOVA CASA

O imóvel próprio garante ao idoso investir sem


preocupações futuras. Ao pensar em construir a nova casa,
comprar ou alugar, o idoso deve considerar, além dos 30
itens mencionados na Arquitetura Saudável, a facilidade de
limpeza, a localização e a possibilidade de hospedar amigos e
familiares.

Para construir a nova casa vale a pena conhecer 20 etapas


listadas em ordem funcional:

1. Terreno: a seleção e aquisição do terreno.

2. Profissional: a seleção do profissional responsável,


arquiteto.

3. Escritura: a escritura do terreno deve estar registrada


no nome do futuro morador.

4. Registro: o lote necessita ser averbado.

5. Contrato: a conformidade ao contrato de projeto.

6. Projeto: no projeto arquitetônico os detalhamentos


técnicos precisam ser especificados.
7. Complementares: a solicitação dos projetos
complementares.

8. Cronograma: a elaboração de cronograma de obras.

9. Planilhas: a elaboração de planilhas financeiras para


conseguir o financiamento.

10. Aprovação: o deferimento pelo órgão competente do


projeto arquitetônico.

11. Alvará: a emissão do alvará de construção pela


Prefeitura municipal.

12. Construção: a contratação da empreiteira ou


construtora.

13. Acompanhamento: a seleção do profissional,


arquiteto ou engenheiro civil, para acompanhamento da construção
no canteiro de obras.

14. Materiais: a aquisição dos materiais construtivos


adequados.

15. Acompanhamento: o follow up das etapas


construtivas.

16. Fotografias: a criação e organização de álbum de


fotografia.

17. Taxas: o pagamento das taxas públicas.

18. Habite-se: a solicitação da Carta de Habitação.


19. Averbação: o registro da obra no lote.

20. Arquivamento: o banco de dados de todos os


profissionais que participaram da construção.
REGULARIZAÇÃO DE
CONSTRUÇÕES ILEGAIS

Infelizmente neste planeta ainda existem muitas


construções irregulares. Viver em uma moradia irregular é bastante
complexo principalmente do ponto de vista da herança familiar.

Construções irregulares não possuem nenhum valor legal


e não podem ser transmitidas de pai para filho e nem vendidas.

O processo de regularização consiste na contratação


do profissional que irá tramitar a documentação do proprietário
e interconectá-la ao lote onde se encontra construída. As etapas da
regularização são detalhadas nos 10 itens especificados:

1. Contrato: contratar o arquiteto.

2. Diagnóstico: diagnosticar o local.

3. Medição: medir o local onde será feita a construção.

4. Projeto: elaborar o projeto arquitetônico da construção.

5. Alvará: protocolar o processo de regularização na


prefeitura do município para receber o Alvará de Construção.

6. Habitação: protocolar na prefeitura a Carta de


Habitação.
7. Registro: emitir o Registro de Responsabilidade
Técnica (RRT).

8. Taxas: pagar as taxas municipais.

9. Prefeitura: retirar o projeto oficializado pela prefeitura.

10. Averbação: averbar a casa na matrícula do lote.

Eventualmente, durante o processo de regularização,


algumas obras serão necessárias buscando a adequação do local ao
código de obras do município.

Caso exista essa necessidade o profissional contratado irá


se encarregar de transmitir a informação.
ESTATÍSTICA DE
ACIDENTES NO LAR

A queda pode ser um evento devastador em idosos. Quanto


mais idoso maior a probabilidade de cair, principalmente ser for do
gênero feminino. Torções, ferimentos leves, arranhões,
traumatismos cranianos, fraturas, especialmente na região do
quadril, são algumas conseqüências das quedas.
Cerca de 30% dos idosos caem ao menos uma vez por ano,
destes, metade sofre duas ou mais quedas.
A etiologia das quedas em idosos é multifatorial, envolvendo
fatores decorrentes das alterações fisiológicas relacionadas à idade,
associação de doenças, problemas físicos e psicológicos e fatores
extrínsecos relacionados ao ambiente domiciliar ou em espaços
públicos.
Para prevenir a queda no ambiente domiciliar o idoso deve
utilizar o corrimão descendo ou subindo as escadas - e caso não
exista corrimão é necessário providenciar.
Não devemos deixar objetos, fios ou tacos soltos espalhados
pelo chão.
É preciso ter atenção redobrada em pisos molhados e não
ande no escuro a sonolência provocada ou não por remédios, pode
interferir na visão e equilíbrio levando a uma queda.
TABELA DE ESTATÍSTICA
DE ACIDENTES NO LAR
SUSTENTABILIDADE
PLANETÁRIA

Fala-se muito em sustentabilidade planetária. Esse


conceito vincula-se à pegada ecológica do planeta, isto é, à
capacidade de lidar com os recursos do planeta de maneira
conscientizada, responsável, sem desperdícios.

Ser sustentável é possuir atitudes de cuidado e zelo pelos


recursos utilizados diariamente.

Evitar deixar a luz acesa, em locais em que não estamos


utilizando, não deixar a torneira de água aberta ao escovar os dentes
ou fazer a barba, não ficar muito tempo no banho.

Ser sustentável é ser cidadão, é trazer benefícios para o


bairro, para a cidade e para todos.

O outro lado da sustentabilidade planetária é a entropia


ou o desequilíbrio energético. Todo o ambiente que não seja bem
cuidado ou valorizado tende a acumular energias entrópicas não
saudáveis.

A casa malcuidada acumula lixo, e os objetos


descuidados ou não utilizados com frequência tornam-se bagulhos
energéticos, predispõe a arquitetura hostil.
Ao optar por cuidar da casa, do bairro, da cidade
ajudamos a dar exemplo e nos tornamos autossustentáveis. A
autossustentabilidade estimula a saúde e a vida plena, contribuindo
para a melhoria do Planeta.

O equilíbrio entre as expressões compostas:


autosuperação de doenças e vícios, a alimentação adequada e
desempenho físico e energético compõem o trinômio essencial à
todas as faixas etárias objetivando a saúde interveicular, isto é,
física, energética, emocional e mental estendendo-se a saúde
planetária.
ARGUMENTOS

CONCLUSIVOS
ARGUMENTOS
CONCLUSIVOS

Ser um profissional de arquitetura consciente é o grande


desafio na nossa área, até porque nossos clientes possuem
referencias como a televisão que alimenta a estrutura de
pensamento diário, de maneira distorcida, fantasiosa, e superficial.

Até certo ponto, a profissão de arquiteto, pode ser comparada


à profissão do publicitário, que necessita vender ou disseminar,
produtos falsos para ganhar o sustento.

O desafio do arquiteto é sair dos extremos, sair do abstrato


para chegar na reflexão. Sair do concreto - para alcançar a
valorização do ser humano, da família, dos amigos.

Por isto devemos projetar - e ser conscientes, procurando


fazer o melhor para auxiliar o cliente a refletir sem ser ludibriado
pela sociedade Romântica e fantasiosa.
O arquiteto deve atuar com responsabilidade,
profissionalismo e esmero, dando o exemplo necessário para
reeducar a sociedade.
se o interior estiver em paz,
o exterior tanto faz
BIBLIOGRAFIA.

01. Albrecht, Karl; Inteligência Social: A Nova Ciência do Sucesso;


pref. Warren Bennis; 262 p.; 11 caps.;42 refs.; 24 x 17 cm; br.; M. Books; São
Paulo, SP; 2006.

02. Bueno, Mariano; O Grande Livro da Casa Saudável (El Gran


Libro de la Casa Sana); trad. José Luiz da Silva; 280 p.; 4 seções; 18 caps.; 37
enus.; 2 fotos; 165 ilus.; 10 tabs; 206 refs.; 23 x 17 cm; br.; Roca; São Paulo,
SP; 1995.

03. Campbell, Linda C.; Campbell, Bruce; & Dickinson, Dee;


Ensino e Aprendizagem por Meio das Inteligências Múltiplas (Teaching and
Learning through Multiple Intelligences); revisor Magda França Lopes; trad.
Maria da Graça Gomes Paiva; 308 p.; 32 enus.; 5 notas; 23 x 16 cm; br.; 2ª
Ed.; Artes Médicas Sul; Porto Alegre, RS; 2000.

04. Freitas, Juarez; Sustentabilidade: Direito ao Futuro; revisor


Marcelo Belico; 346 p.; 10 caps.; 1 E-mail; 38 enus.; 1 microbiografia; 1
website; 452 refs.; 23 x 17 cm; br.; 2ª Ed.; Editora Fórum; Belo Horizonte,
MG; 2012.

05. Goleman, Daniel; Inteligência Emocional: A Teoria


Revolucionária que redefine o que é Ser Inteligente (Emotional Intelligence);
revisores Fátima Tereza Jorge Fadel; Isabel Cristina Aleixo; & Domício
Antônio dos Santos; trad. Fabiano Morais; 384 p.; 5 partes; 16 caps.; 156
enus.; 1 ilus.; 411 notas; 6 apênds.; alf.; 23 x 16 cm; br.; 10ª Ed.; Objetiva; Rio
de Janeiro, RJ; 2007.

06. Portella, Mônica; Estratégias de THS: Treinamento em


Habilidades Sociais; pref. Paula Fortuna; & Va-nessa Karan; revisora Hebe
Goldfeld; 254 p.; 6 caps.; 43 enus.; 2 gráfs.; 12 ilus.; 27 tabs.; 166 refs.; 21 x
14 cm; br.; Centro de Psicologia Aplicada e Formação do Rio de Janeiro
(CPAF); Rio de Janeiro, RJ; 2011.
07. Idem; Teoria da Potencialização da Qualidade de Vida:
Propostas e Técnicas da Psicologia Positiva; revisoras Ivia Machado; & Hebe
Goldfeld; 302 p.; 9 caps.; 64 enus.; 75 ilus.; 55 tabs; 99 refs.; 3 anexos; 21 x 14
cm; br.; Centro de Psicologia Aplicada e Formação do Rio de Janeiro
(CPAF); Rio de Janeiro, RJ; 2013.

08. Seligman, Martin E. P.; Felicidada Autêntica: Usando a Nova


Psicologia Positiva para Realização Permanente (Authentic Happiness);
revisores Alice Dias; & Raquel Corrêa; trad. Neuza Capelo; 460 p.; 3 partes;
14 caps.; 51 enus.; 12 x 16 cm; br.; Ponto de Leitura; Rio de Janeiro, RJ; 2002.

09. Idem; Florescer: Uma Nova Compreensão sobre a Natureza da


Felicidade e do Bem-estar (Flourish); revisor Fernanda Hamann de Oliveira;
trad. Cristina Paixão Lopes; 362 p.; 10 caps.; 87 enus.; 10 gráfs.; 17 tabs.; 1
web-site; 261 notas; 315 refs.; alf.; 23 x 16 cm; br.; Objetiva; Rio de Janeiro,
RJ; 2011.

10. Shenk, David; O Gênio em todos nós: Por que tudo que você
ouviu Falar sobre Genética, Talento e QI está errado (The Genius in all of
us: Why everything you’ve been told about Genetics, Talent, and IQ is wrong);
trad. Fabiano Morais; 360 p.; 10 caps.; 23 ilus.; 23 x 16 cm; br.; Zahar; Rio de
Janeiro, RJ; 2011.

11. Vieira, Waldo; 700 Experimentos da Conscienciologia; 1.058 p.;


40 seções; 100 subseções; 700 caps.; 147 abrevs.; 1 cronologia; 100 datas; 1 E-
mail; 600 enus.; 272 estrangeirismos; 2 tabs.; 300 testes; glos. 280 termos;
5.116 refs.; alf.; geo.; ono.; 28,5 x 21,5 x 7 cm; enc.; Instituto Internacional de
Projeciologia; Rio de Janeiro, RJ; 1994.

12. Vieira, Waldo; Homo sapiens pacificus; revisores Equipe de


Revisores do Holociclo; 584 p.; 24 seções; 413 caps.; 403 abrevs.; 38 E-mails;
434 enus.; 484 estrangeirismos; 1 foto; 37 ilus.; 168 megapensenes
trivocabulares; 1 microbiografia; 36 tabs.; 15 websites; glos. 241 termos; 25
pinacografias; 103 musicografias; 24 discografias; Enciclopédia da
Conscienciologia 11 grafias; 240 filmes; 9.625 refs.; alf.; geo.; ono.; 29 x 21,5
x 7 cm; enc.; 3ª Ed.; Gratuita; Associação Internacional do Centro de Altos
Estudos da Conscienciologia (CEAEC); & Associação Internacional Editares;
Foz do Iguaçu, PR; 2007.
13. Vieira, Waldo; Manual dos Megapensenes Trivocabulares;
revisores Adriana Lopes; Antonio Pitaguari; & Lourdes Pinheiro; 378 p.; 3
seções; 49 citações; 85 elementos linguísticos; 18 E-mails; 110 enus.; 200
fórmulas; 2 fotos; 14 ilus.; 1 microbiografia; 2 pontoações; 1 técnica; 4.672
temas; 53 variáveis; 1 verbete enciclopédico; 16 web-sites; glos. 12.576 termos
(megapensenes trivocabulares); 9 refs.; 1 anexo; 27,5 x 21 cm; enc.;
Associação Internacional Editares; Foz do Iguaçu, PR; 2009.

14. Wilmot, William W.; & Hocker, Joyce L.; Interpersonal Conflict;
364 p.; 11 caps.; 85 enus.; 194 ilus.; 5 tabs.; 726 refs.; 23 x 18,5 cm; br.; 7ª
Ed.; Mc Graw-Hill; New York, NY; 2007.
WEBGRAFIA.

1. Price, Lisa E.; & Byers, Sandra E.; The Attitudes towards Dating
Violence Scales: Development and Initial Validation; Artigo; Journal of
Family Violence; 1 enus; 4 tabs.; 36 refs.; disponível em:
<http://www.ncdsv.org/ images/ JFV_Attitudes-towards dating-violence-
scales-development-and initialvalidation_1999.pdf>; acesso em: 23.12.13.

2. World Health Organization; 1 foto; disponível em:


<http://www.who.int/en>; acesso em: 13.03.15.
FILMOGRAFIA.
1. A Origem das Coisas. Título Original: The story of stuff. País:
Estados Unidos. Data: 2011. Duração: 21 min. Gênero: Drama. Idade
(censura): Livre. Idioma: Ingles. Cor: Colorido. Legendado: Português (em
DVD). Vídeo-aula retrata a trajetória e a origem do ciclo de produção e
consumo.

2. Pai Patrão. Título Original: Padre Padrone. País: Itália. Data: 1977.
Duração: 114 min. Gênero: Drama. Idade (censura): Livre. Idioma: Italiano.
Cor: Colorido. Legendado: Inglês; & Português (em DVD). Direção: Paolo e
Vittorio Taviani Roteiro: Paolo e Vittorio Taviani. Elenco: Omero Antonutti;
Saverio Marconi; Marcella Michelangeli; Fabrizio Forte; Pierluigi Alvau;
Fabio Angioni; Giuseppino Angioni; Giuseppe Brandino; Nanni Moretti.
Sinopse: Baseado em história real, o filme mostra a trajetória de Gavino,
menino obrigado pelo pai a abandonar os estudos para trabalhar no campo,
cuidando de ovelhas na Sardenha, sul da Itália. Todas as tentativas de mudar de
vida são frustradas pela ignorância e pela violência do patriarca. Com o tempo
Gavino descobre a única saída: estudar. Ter a arma faltante ao pai a cultura.

3. Shine (Brilhante). Título Original: Shine. País: Austrália. Data:


1996. Direção: Scott Hicks. Roteiro: Scott Hicks; Jan Sardi. Gênero: Drama /
Musical / Romance. Duração: 105 minutos. Tipo: Longa-metragem Elenco:
Geoffrey Rush; Noah Taylor; Armin Mueller-Stahl; Lynn Redgrave; John
Justin; Braine Gielgud; Alex Rafalowicz; Sonia Todd; Chris Haywood.
Sinopse: Baseado na verdadeira história de pianista australiano David Helfgott,
este filme mostra a paixão de David (Geoffrey Rush) pela música clássica.
Porém, a rejeição familiar e a pressão para realizar concertos perfeitos o levam
ao desequilíbrio mental. O amor de uma mulher o ajuda a compartilhar o
talento musical com o resto do mundo.
1. ÁREAS DE PESQUISA
ESTE LIVRO PESQUISA
ARQUITETURA, GERONTOLOGIA E SAÚDE.

2. PRINCÍPIO DA DESCRENÇA
NÃO ACREDITE EM NADA, NEM MESMO
NAS INFORMAÇÕES EXPOSTAS NESTE
LIVRO, O INTELIGENTE É REFLETIR
E FAZER PESQUISAS.