Você está na página 1de 7

1 Milena Kirmse

Turma 100

SISTEMA RESPIRATÓRIO

 Funções
o Trocas gasosas
o Fonação(passagem de ar pela laringe)
o Percepção de odores(contribui para a percepção de sabor)
o Condução e filtração do ar
o Respostas imunes
o Secreção hormonal: células enteroendócrinas(função vestigial,
lembrar que o sistema respiratório originou-se a partir do sistema
digestório)
o Respiração: ventilação x respiração celular

 Constituintes
o Porção condutora: condução, filtração e aquecimento do
ar(condicionamento); não apresenta alvéolos
 Cavidade nasal
 Boca
 Nasofaringe
 Laringe
 Traqueia
 Brônquios primários, secundários(lobares) e
terciários(segmentares)
 Bronquíolos
 Bronquíolos terminais

o Porção respiratória: trocas gasosas; presença de alvéolos


 Bronquíolos respiratórios
 Ductos alveolares
 Sacos alveolares
 Alvéolos

CAVIDADE NASAL

1. Vestíbulo
o Epitélio estratificado pavimentoso não queratinizado
o Presença de pelos(vibrissas), glândulas sebáceas e sudoríparas

2. Área respiratória
o Corresponde à maior superfície da cavidade nasal
2 Milena Kirmse
Turma 100

o Plexo venoso: aquecimento do ar através do fluxo


contracorrente(quando líquido extravasa desse plexo o nariz
“escorre”)
o Epitélio respiratório: epitélio pseudoestratificado colunar
ciliado com células caliceformes
OBS¹: esse epitélio se continua para o tubo respiratório; porém,
como não é adaptado para receber atrito, nas áreas que entram
em contato com alimento o epitélio é estratificado pavimentoso

 Células basais: células tronco para renovação


 Células colunares altas/ciliadas: apresentam cílios com
batimento em direção à faringe
OBS²: cílios batem sempre em direção à faringe
 Células caliceformes: produção de mucina
 Células em escova: são células colunares mucosas com
microvilosidades, que apresentam receptores sensoriais
 Célula granular: seus grânulos basais constituem o sistema
neuroendócrino difuso

OBS³: glândulas seromucosas da LP e glândulas da submucosa


+ células caliceformes produzem muco que reveste o epitélio
respiratório da nasofaringe até início dos brônquios

3. Área olfatória
o Presente no teto da cavidade nasal,na parte superior do septo
nasal e na concha nasal superior
o Epitélio olfativo
 Células basais
 São células tronco para renovação
 Basófilas, baixas e piramidais
 Células de sustentação
 Colunares altas, com microvilosidades formando
borda estriada no polo apical
 Grânulos com pigmento amarelo no polo apical, o
que dá a coloração característica da mucosa olfativa
 Apresentam núcleos ovais mais próximos da
superfície
 Realizam isolamento elétrico, para que haja
melhor identificação dos estímulos olfatórios
 Células olfativas: comportam-se como neurônios
pseudounipolares(1 dendrito e 1 axônio)
3 Milena Kirmse
Turma 100

 O polo apical das células olfativas corresponde ao


seu prolongamento dendrítico e é modificado na
forma de um bulbo/botão olfativo, do qual partem
cílios imóveis(quimiorreceptores para partículas
odorantes)
 Para o contato entre esses cílios imóveis e as
partículas odorantes ocorrer, o ar deve estar
umedecido( para que as partículas odorantes se
dissolvam no fluido seroso); um potencial de ação é
disparado e a informação é transmitida
 Não apresenta células caliceformes

o Lâmina própria
 TC frouxo ou denso não modelado, muito vascularizado e
aderido ao periósteo
 Glândulas de Bowman : produzem secreção serosa que
“lava” os receptores, retirando as partículas odorantes para
que novos odores possam ser percebidos

FARINGE

 Nasofaringe: epitélio respiratório


 Orofaringe e laringofaringe: epitélio estratificado pavimentoso
 Lâmina própria
o TC frouxo ou denso não modelado, muito vascularizado e com
elementos linfoides(ex:tonsilas faríngeas)
o Presença de glândulas seromucosas

LARINGE

 Conduz ar até a traqueia


 Impede a entrada de alimentos nos pulmões
 Fonação
 Pregas vocais e epiglote: epitélio estratificado pavimentoso não
queratinizado
o As pregas vocais apresentam coloração esbranquiçada porque os
ligamentos vocais são constituídos de colágeno tipo l e o epitélio
estratificado não deixa aparecer o sangue
 Pregas vestibulares
o Epitélio respiratório
4 Milena Kirmse
Turma 100

o Lâmina própria: TC frouxo com glândulas seromucosas

OBS: todas as outras regiões da faringe também são constituídas por


epitélio respiratório

TRAQUEIA

 Anéis de cartilagem hialina: 10-12 anéis em forma de C, posteriormente


unidos por m.liso(m.traqueal)
 Mucosa
o Epitélio respiratório
o LP: TC frouxo fibroelástico com glândulas mucosas
o Não possui muscular da mucosa; a transição entre mucosa e
submucosa é demarcada por fibras elásticas(não aparece no MO)
 Submucosa: TC denso não modelado fibroelástico com glândulas
mucosas e seromucosas(submucosa possui mais glândulas que a
mucosa)
 Camada musculo-cartilaginosa
o Anéis de cartilagem em forma de C separadas por TC
fibroelástico nas paredes ventrais e laterais
o Parede posterior: espessa camada de m.liso
 Adventícia: TC fibroelástico. Pensar que os anéis de cartilagem estão
mergulhados na própria adventícia

ÁRVORE BRÔNQUICA

 Brônquios principais(primários): possuem estrutura histológica idêntica à


da traqueia. Quando se compara brônquio com traqueia, refere-se a
brônquios intrapulmonares

 Brônquios intrapulmonares
o Brônquios lobares(secundários)
o Brônquios segmentares(terciários)
o Mucosa
 Epitélio respiratório(torna-se prismático simples ciliado nos
ramos menores)
 LP com fibras elásticas e glândulas seromucosas
 Camada muscular: m. liso enovelado ao redor da árvore
brônquica
5 Milena Kirmse
Turma 100

 Submucosa
 Adventícia com placas de cartilagem(não é mais anel)

OBS: há uma transição gradual de epitélios, sendo epitélio respiratório até o fim
dos brônquios e epitélio prismático simples nos bronquíolos. Além disso, dos
brônquios para os bronquíolos ocorre aumento relativo de m. liso e tecido
fibroelástico, e redução de:

 Calibre
 Cartilagem
 Células caliciformes
 Células ciliadas
 Altura das células epiteliais

 Bronquíolos/ Bronquíolos primários


o Ausência de glândulas, cartilagem e nódulos linfoides
o Camada muscular relativamente espessa
o Mucosa pregueada
 Epitélio ciíndrico ou cúbico ciliado ou não, sem células
caliceformes nos bronquíolos menores
o Não tem submucosa

 Bronquíolo terminal e respiratório


o A transição se dá quando começam a aparecer os alvéolos, nos
bronquíolos respiratórios(aparecem como interrupções nas
paredes dos bronquíolos respiratórios)
o Paredes mais claras
o Epitélio: Células de clara
 Colunares com porção apical arredondada
 Microvilosidades grossas e curtas
 Grânulos de secreção com glicoproteínas
 Degradação de toxinas(enzimas do citocromo P-450 no
REL)
 Produção de surfactante: evita o colabamento dos
alvéolos(lembrar que pneumócitos tipo ll também
produzem)
 Regenera e renova o epitélio dos bronquíolos
o Lâmina própria sem glândulas, envolvida por camadas helicoidais
de m.liso
6 Milena Kirmse
Turma 100

 Os ductos alveolares não possuem paredes próprias; eles são


simplesmente arranjos lineares de alvéolos. Um ducto alveolar, que se
origina de um bronquíolo respiratório, se ramifica, e cada um dos ductos
alveolares resultantes geralmente termina em uma bolsa em fundo cego
com dois ou mais pequenos grupos de alvéolos, cada grupo sendo
denominado saco alveolar. Estes sacos alveolares abrem-se, portanto,
em um espaço comum, que alguns pesquisadores denominam átrio

 Alvéolos pulmonares
o Bronquíolos respiratórios, ductos e sacos alveolares
o Estrutura esponjosa do parênquima pulmonar
o Ausência de m.liso
o Parede alveolar(septo interalveolar): região entre dois alvéolos
adjacentes
 Células endoteliais- epitélio alveolar
 Pneumócito tipo l
 Constituem o epitélio simples pavimentoso da
superfície alveolar
 Formam junções de oclusão uns com os outros
impedindo o extravasamento de fluido extracelular
para a luz do alvéolo
 A borda de cada poro alveolar é formada pela fusão
das membranas celulares, intimamente apostas, de
dois pneumócitos tipo I pertencentes a dois alvéolos
distintos
 Pneumócito tipo ll
 São mais numerosos que os do tipo l, mas ocupam
menor superfície
 Aspecto cuboide com ápice arredondado e núcleo
central
 Formam junções de oclusão com pneumócitos tipo l
 Presença de corpos lamelares envolvidos por
membrana, que contêm surfactante pulmonar, o
produto dessas células
 Macrófago de poeira(no septo ou na luz): fagocitose de
poeira e microbactérias; presença de grânulos
 Poro de Kohn: equalizar a quantidade de ar(pressão) nos
alvéolos
7 Milena Kirmse
Turma 100

 Capilares contínuos
 TC rico em fibras elásticas e colágeno tipo lll

OBS: Barreira Hematoaérea - é a região do septo interalveolar que é


cruzada por O2 e por CO2 quando estes gases vão do sangue para a
luz do alvéolo e vice-versa

Barreira hematoaérea
surfactante – PI – LB do PI – LB células endoteliais –
células endoteliais – sangue