Você está na página 1de 1

Equação de Goldman

Equação de Nerst
Mostra a dependência do potencial de membrana em relação
à permeabilidade relativa para cada íon e concentração iônica. Calcula o potencial de equilíbrio para cada íon

Potencial de repouso: -75 mV Baseado apenas no K+


Equilíbrio estacionário é alterado quando a membrana
é despolarizada em direção ao limiar do PA
Maioria dos canais permeáveis somente a K+
Células da glia
K+ é mais abundante internamente, então tende a difundir para fora da
célula. Quanto maior o fluxo, mais carga é separada e maior é a ddp
Limiar: canais de Na dependentes se abrem; permeabilidade relativa
favorece o influxo de Na em relação ao fluxo de K

Período refratário absoluto: aumento de K e inativação dos canais de


Na --> impossível gerar outro PA
Semipermeável: membrana seleciona elementos
Potencial de ação que poderão entrar em equilíbrio
Ultrapassagem: potencial de membrana atinge ponto próximo de Ena,
maior que 0mV

Membrana Canais iônicos seletividade


Fase descendente: canais de Na dependentes são inativados; canais de
K são abertos Modelo Hodgkin-Huxley
Elementos
Enzimas que usam a energia liberada da quebra de
Hiperpolarização pós potencial: canais de K aumentam ainda mais a Bombas iônicas ATP para transportar certos íons pela membrana
permeabilidade; Junto com a pequena permeabilidade de Na, o potencial
da membrana se aproxima de Ek causando hiperpolarização

Fase ascendente: meio interno tem potencial elétrico negativo de forma Cargas positivas na parte extracelular e negativas internamente
que Na tem influxo ainda maior; rápida despolarização

Período refratário relativo: canais de K começam a fechar e canais de Potencial de membrana --> Vm Vm = Vi - Ve
Na se recuperam da inativação --> PA é possível com um alto estímulo
Canais de vazamento

Potencial de repouso da membrana Determinado por canais iônicos Canais com portão

Potencial de repouso é resultado do


fluxo passivo entre estes dois canais
Proteínas dos canais se reunem em quatro
subunidades que formam um poro
Medição: insere-se um microeletrodo no citosol

Segmento S4 sente
alterações elétricas Ativação
Separação de cargas através da membrana deve ser constante A cada influxo de carga + deve haver um fluxo de carga -

Canais de potássio Bioeletrogênese - PR e PA Dissipação dos gradientes iônicos é prevenida pela bomba sódio-
voltagem dependentes potássio --> move Na e K contra seu gradiente eletroquímico

No potencial de repouso a célula não está em


equilíbrio, mas em um estado estacionário Garante que haja maior concentração
Estágios Estágios Bomba de sódio e potássio de K dentro da célula e Na fora

Gradientes eletroquímicos Bomba --> utiliza energia da hidrólise de ATP para o transporte
Na está presente no formato íon-água, diferente do K, e assim é selecionado Seleção de Na Transporta ativamente Ca
Bomba de cálcio para fora do citosol

Fluxo desigual de Na e K geram uma corrente iônica resultante para fora

Possui quatro domínios (I a IV) que se Bomba pode ser inibida por alcaloides -->
unem formando um poro entre eles importante no tratamento de insuficiência cardíaca

Apresentam alças entre S5 e S6 que


formam um filtro seletivo

Fluxo iônico (Força motriz elétrica + força motriz química) * condutância da membrana

Força motriz química gradiente de concentração


Alteração na voltagem é sentida por Movimento dos íons
S4. Nesse segmento, resíduos de Canais de sódio Potencial elétrico (ddp)
aminoácidos carregados + estão dependente de voltagem
posicionados ao longo de voltas alfa- Força motriz elétrica Quanta corrente fluirá?
Habilidade relativa de uma carga
hélice. O segmento interno move-se
Condutância migrar de um ponto a outro
para cima, fazendo o “portão” abrir Ativação

Etapas

TTX bloqueia todos os PA dependentes de sódio Bloqueadores