Você está na página 1de 21

Conteúdo bruto - Unidade 2 - 20 páginas de 80.

Bem-vindos à unidade 1 de nossos estudos. Vamos começar falando sobre


o tema SOCIOLOGIA, ANTROPOLOGIA E ADMINISTRAÇÃO.

As teorias sociológicas das administrações modernas.


O que é sociologia e como sua aplicação é importante para o mundo
dos negócios de hoje? Sociologia é o estudo científico da sociedade,
incluindo padrões de relações sociais, interação social e cultura. Os
sociólogos estudam todas as coisas humanas, desde as interações entre
duas pessoas até as complexas relações entre nações ou corporações
multinacionais.
Pelas declarações acima, escusado será dizer que a sociologia é uma
parte importante de qualquer negócio. Ter uma boa compreensão do
comportamento humano com base na visão da sociologia ajuda você a
expandir seus negócios de maneiras que outras pessoas não conseguem.
Em outras palavras, a sociologia pode ajudar os empresários,
profissionais de marketing e gerentes a desenvolver habilidades úteis
quando se está pesquisando as condições do mercado, tentando melhorar
seus produtos / serviços ou procurando aumentar o moral da sua equipe.
Sabemos que um funcionário feliz é um ativo valioso para ter ao seu
lado. Se você tem funcionários descontentes, não pode esperar um
desempenho excelente. Obviamente, a infelicidade no local de trabalho
gera todos os tipos de problemas; problemas que você pode evitar
facilmente com o auxílio da sociologia.
A sociologia ajuda você a entender os aspectos culturais e sociais que
moldam cada membro da sua equipe. Com esse conhecimento, você pode
evitar alienar os funcionários ou prejudicar a lealdade da empresa. A
sociologia oferece uma vantagem ao lidar com funcionários no local de
trabalho.
A sociologia ajuda a desenvolver ou aprimorar suas habilidades de
pensamento analítico. O estudo geralmente envolve a análise de dados

1
qualitativos e quantitativos para descobrir como vários fatores afetam
uma população.
Por esse motivo, você pode usar as habilidades analíticas aprendidas
em sociologia para entender melhor seu público-alvo. É a principal razão
pela qual os empregadores de hoje procuram pensadores críticos que são
versáteis em enfrentar desafios complexos e por que os sociólogos podem
trabalhar em uma variedade de ambientes.
De fato, os sociólogos encontraram um lugar crescente nas equipes
de marketing. Eles usam métodos de pensamento analítico para ajudar as
empresas a pesquisar dados de mercado e tirar conclusões benéficas a
partir desses dados.
As empresas enfrentam muita concorrência diariamente. Não é
nenhum segredo que a concorrência acirrada pode afastá-lo dos negócios.
Também não é segredo que as empresas que ajustam a estratégia de
acordo com dados viáveis do mercado superam desafios e avançam.
Mas o que isso tem a ver com sociologia?
Bem, a sociologia permite que você entenda que certas condições
influenciam grupos de pessoas de maneira diferente. Por exemplo, os
empresários com formação em sociologia reconhecerão facilmente as
oportunidades criadas dentro de uma população, mesmo no caso de
fenômenos como guerra, calamidades naturais ou doenças.
Proprietários de empresas sem formação em sociologia
provavelmente perderão as oportunidades que surgem em uma
determinada população, uma vez que não estão "em contato" com uma
leitura crítica da realidade social. Na maioria das vezes, esse tipo de
empresário possui um entendimento limitado de seus clientes, o que é
ruim para qualquer empresa.

A Sociologia e sua aplicabilidade nos negócios.


Para se destacar nos negócios, você precisa de mais do que uma
sólida compreensão de matemática e economia. Os negócios exigem uma
compreensão das pessoas - grandes populações em particular. A
sociologia fornece a compreensão necessária para os gerentes
entenderem seus funcionários e clientes. Os líderes empresariais que
2
entendem a sociologia são capazes de antecipar as necessidades dos
clientes e responder aos problemas dos funcionários de maneiras que
outros não conseguem.
A sociologia ajuda a desenvolver seu pensamento e capacidades
analíticas. Os sociólogos analisam dados qualitativos e quantitativos para
determinar os efeitos dos fenômenos em uma população. Por exemplo,
um sociólogo pode descobrir que um país existe uma diferença de idade
devido a uma epidemia não controlada que afeta a capacidade do país de
competir globalmente. Esse método analítico de raciocínio ajuda as
pessoas de negócios com a capacidade de pesquisar dados de mercado e,
eventualmente, tirar conclusões a partir desses dados.
O conhecimento em sociologia oferece aos líderes empresariais e
gerentes de recursos humanos uma vantagem ao lidar com funcionários
no local de trabalho. Os sociólogos estudam (e geralmente conhecem) os
aspectos culturais e sociais que moldam um indivíduo. Com esse histórico,
os que estão nos negócios podem evitar alienar os funcionários ou
prejudicar a lealdade da empresa. Por exemplo, a empresa pode ter um
grande número de funcionários que praticam uma religião específica. Se
essa religião afirma que seus seguidores devem observar um sábado nos
finais de semana, você não pode razoavelmente pedir que esses
funcionários trabalhem nos fins de semana.
Por exemplo, um líder de negócios pode olhar para um país que foi
anteriormente devastado por guerras ou doenças e saber que seu povo
exige ofertas básicas de infraestrutura e acesso a instalações médicas e de
educação. Se sua empresa é especializada em suprimentos médicos, esta
é uma oportunidade; se sua empresa vender veículos de luxo, você
procuraria em outro lugar e identificaria uma população que requer seus
serviços.

Sociologia e relações públicas.


A sociologia é fundamental para o departamento de relações
públicas de qualquer grande empresa. O histórico de uma pessoa de RP
em sociologia diz a ela que certas ações da empresa afetarão seus clientes
com base em seus antecedentes culturais e econômicos. Por exemplo, se
sua empresa realiza negócios em outra parte do mundo, sua pessoa de RP

3
deve conhecer o histórico dessa área para adaptar a mensagem e a
imagem da empresa. A pessoa de RP, por exemplo, não criaria um
comunicado de imprensa que enfatizasse a natureza independente da
empresa em uma cultura que coloca um grande foco na família.
Se você começar um negócio com uma pessoa que afirma que a
realização de pesquisas e estudos sociológicos não é benéfica para os
negócios, faça um favor a si mesmo e saia antes que seja tarde demais.
Infelizmente, aqueles que não entendem a importância da sociologia para
os negócios, são as pessoas cujos negócios estão fadados ao fracasso.
Obviamente, não foi há uns vinte anos atrás quando essas eram as
empresas que ditavam as regras dos mercados. Atualmente, como esses
são os clientes que decidem qual empresa será bem-sucedida e que falirá
amanhã ou até hoje, o estudo das preferências, desejos e visão das
pessoas é extremamente importante.
Você sabia que todos os anúncios que você vê on-line e todos os e-
mails que você recebe com uma oferta para comprar uma determinada
mercadoria ou serviço de pedido não são enviados aleatoriamente? É isso
mesmo, essa é a ação de marketing sociológico. Seus comportamentos,
suas preferências e até as lojas que você visita (diga olá para o serviço de
localização em seu smartphone) são estudados, analisados e traduzidos
nas ofertas que podem lhe interessar.
A sociologia está no cerne dos negócios modernos, pois na verdade
define o que, onde, como e quem vender. Atualmente, todas as grandes
empresas do mundo estão usando a sociologia como base para definir os
principais mercados em que devem entrar.
Por exemplo, antes de entrar em um mercado externo, a corporação
envia para lá uma equipe de sociólogos ou contrata uma equipe local de
profissionais, para que eles possam realizar uma análise sociológica do
mercado. Assim, a corporação sabe se seria viável e, o que é mais,
lucrativo para entrar no mercado desse país. A sociologia pode
economizar bilhões e bilhões de dólares para empresas que não têm
medo de gastar milhares em pesquisas sociológicas.

4
Relação entre Gestão de Negócios e Sociologia.
O gerenciamento de negócios é o processo de gerenciamento de
diferentes atividades de negócios para administrar os negócios sem
problemas. A Sociologia é abrangente no estudo do comportamento
humano, estrutura, instituições e desenvolvimento da sociedade.
A sociologia fornece uma visão importante para entender seus
funcionários e clientes. Os líderes empresariais e empreendedores com
um bom conhecimento de sociologia são capazes de antecipar as
necessidades dos clientes e de responder aos problemas dos funcionários.
Ter um bom conhecimento de sociologia ajuda os gerentes de
negócios ou administradores a desenvolver seus pensamentos e
capacidades analíticas. O conhecimento sociológico ajuda os líderes
empresariais e vários gerentes de recursos humanos a lidar com seus
funcionários e clientes em seu local de trabalho. Se os líderes empresariais
e os gerentes de recursos humanos têm conhecimento de sociologia, isso
os torna conscientes dos aspectos culturais e sociais que moldam um
indivíduo, para que todos e cada funcionário sejam respeitados por
conhecerem seus antecedentes e ajudem a evitar mal-entendidos.
Um gerente de negócios com conhecimento sociológico entende que
determinado fenômeno cria condições que influenciam grupos de
pessoas. Portanto, o líder de negócios se lembra dos fatores e tenta
enriquecer seus negócios analisando sua sociedade. Por exemplo, se a
taxa de natalidade de um país cair, obviamente o país deve conter mais
pessoas idosas em um determinado período de tempo. A análise dessa
condição ajuda os gerentes de negócios a produzir mercadorias para os
idosos.
Uma boa relação com o público é mais importante para qualquer
gerente de negócios. A compreensão da sociologia ajuda todos os
gerentes de negócios a estabelecer e manter boas relações públicas. Ter
um bom conhecimento sociológico ajuda os gerentes de negócios a
entender quais ações da empresa afetarão seus clientes com base em
seus antecedentes culturais e econômicos. Portanto, o gerente de
negócios sempre se lembra do histórico cultural e econômico de seus

5
clientes e fabrica produtos ou toma decisões a favor de seus clientes. Isso
ajuda a manter uma boa relação pública.
Assim, ter um conhecimento adequado da sociologia desempenha
um papel vital na gestão de negócios. Isso os ajuda a obter conhecimento
sobre a cultura das pessoas, incluindo seus hábitos de compra, níveis de
renda ou sua qualidade de vida como um todo.

As teorias antropológicas da cultura e das organizações


administrativas.
Antropologia é um campo de pesquisa científica que a maioria das
pessoas acha que não tem impacto em suas vidas diárias. Apesar dos
esforços de alguns antropólogos muito conhecidos, ainda entendemos
muito pouco do que esse tipo de investigador faz e menos sobre como
aplicar qualquer uma de suas ideais aos modelos de negócios.
De um modo geral, a antropologia é um estudo de seres humanos
que se baseia no conhecimento das ciências sociais e das ciências
biológicas. Um antropólogo pode até precisar de um entendimento das
ciências sociais e das humanidades para postular teorias e realizar
pesquisas. Sob esse amplo guarda-chuva, os campos de estudo individuais
podem incluir antropologia cultural, antropologia social, antropologia
física e linguística. Essas são as ferramentas usadas para entender uma
cultura e as maneiras como os membros interagem nela.
Um dos antropólogos culturais mais famosos foi Margaret Mead.
Sua pesquisa em Samoa levou a ideias surpreendentes sobre o papel da
cultura no desenvolvimento dos adolescentes. Ela passou a aplicar esses
entendimentos à luta pelos direitos das mulheres. Clifford Geertz era um
antropólogo cultural que se concentrou no significado que damos às
"coisas" em nossas vidas. Suas ideias são refletidas hoje no trabalho de
antropólogos que fornecem uma compreensão extraordinária de como
interagimos com nossos dispositivos digitais e tecnologias modernas.
Quando os profissionais de marketing entenderem esse relacionamento
de maneira mais completa, poderão capitalizá-lo melhor.
A etnografia é outro ramo da antropologia que lida com a descrição
científica de culturas individuais. O objetivo aqui é que o etnógrafo seja

6
completamente imerso em uma cultura específica, a fim de fornecer uma
descrição detalhada da vida cotidiana. Ele ou ela tentará entender e
explicar as construções culturais da sociedade do ponto de vista interno.
Esse campo de estudo pode ser particularmente útil para as empresas,
pois elas estão tentando desenvolver planos de marketing. Em vez de
tentar mudar o comportamento do consumidor para adotar um novo
produto ou serviço, o negócio que se baseia na etnografia joga nos
comportamentos existentes e se baseia neles. Esse efeito pode ser
observado em profissionais de marketing que incorporam com sucesso
influenciadores e advogados de mídia social como parte de sua estratégia
geral.
Desde a compreensão dos antecedentes culturais até a construção
de tribos, a antropologia pode ter um enorme impacto no mundo dos
negócios de hoje, mas você ouve surpreendentemente pouco sobre suas
aplicações na sala de reuniões. Por que a América corporativa
praticamente ignora um campo de estudo que poderia fornecer a eles
tantas ideias sobre como a mente do consumidor funciona? Talvez não
tenham tido tempo de vasculhar a pesquisa acadêmica para encontrar
antropólogos cujo trabalho pudesse ser aplicado aos seus negócios.

A ascensão da antropologia corporativa.


Antropólogos são cientistas sociais que estudam o comportamento
humano através da observação sistemática. Existem vários tipos de
antropólogos - físicos, arqueológicos e médicos. O foco principal aqui são
os antropólogos sociais e culturais, alguns dos quais estão interessados
em relações sociais no local de trabalho contemporâneo. Acredita-se que
sociólogos, psicólogos sociais e até alguns economistas de orientação
comportamental serão cada vez mais utilizados na vida corporativa, mas
sou particularmente otimista em relação à antropologia por causa de sua
ênfase na observação.
O que há de tão bom em observação sistemática? É a chave para
saber o que está funcionando e o que não está, como as pessoas estão
usando a tecnologia e outras ferramentas no decorrer do dia de trabalho,
como os trabalhadores extraem significado (ou não) do trabalho e assim
por diante. Todos fazemos generalizações abrangentes sobre esses e

7
muitos outros tópicos, mas na verdade não sabemos. A antropologia
corporativa oferece a possibilidade de realmente saber o que está
acontecendo e o porquê nas organizações.
Claro, não é fácil. Antropólogos vão querer assistir por um longo
tempo antes de chegar a uma conclusão - mais do que você julgará
razoável. Eles vão questionar suas suposições fundamentais. Eles insistirão
em interpretar tudo. Eles podem até resistir ao seu desejo de intervir no
processo de trabalho que estudaram, principalmente se isso significar
piores condições de trabalho para os trabalhadores envolvidos.
No fundo, a antropologia corporativa é sobre adaptação. Tanto
interna quanto externamente, o mundo dos negócios está mudando. Seja
o início da inteligência artificial, a ascensão do comércio eletrônico, a
expansão de processos de negócios automatizados ou o fluxo de
trabalhadores, as operações de negócios estão sendo forçadas a mudar a
maneira como fazem as coisas. Do lado de fora, os compradores estão
respondendo de maneira diferente, forçando as empresas a repensar suas
estratégias de marketing, propostas de valor e seu envolvimento com o
mundo em geral.
Enquanto o estudo antropológico é tipicamente concebido como
uma análise das sociedades humanas passadas e presentes, as empresas
são essencialmente microcosmos da sociedade. Cada empresa possui uma
cultura e sua própria maneira de interagir com o mundo exterior. Ao
estudar os hábitos, políticas e procedimentos dentro de uma empresa, e
como eles mudaram ao longo do tempo, os antropólogos obtêm as
mesmas ideais que obteriam ao estudar grupos sociais maiores.
Um antropólogo corporativo basicamente combina antropologia
tradicional com negócios. Em outras palavras, eles estudam clientes e
produtos, e como os produtos, trabalhadores e clientes são reunidos.
É sabido que o marketing desempenha um papel importante em
saber o que os clientes desejam, o que permite que as empresas
desenvolvam o produto ideal e mais procurado. Um antropólogo
corporativo conversa com os clientes e faz perguntas detalhadas que
ajudam a esclarecer que tipo de consumidor eles são, onde compram,
como pagam pelos produtos e quais são os fatores em sua decisão de
comprar.

8
Antropologia é "o estudo dos seres humanos". Os antropólogos
corporativos ajudam as empresas a entender seus clientes, diferentes
culturas e diferentes departamentos que compõem a empresa.

Antropologia corporativa.
A antropologia corporativa é um subcampo extremamente
importante dos negócios, bem como a antropologia. A antropologia
corporativa aplica teorias antropológicas e as práticas das organizações
para melhorar a necessidade e o desejo do cliente.
Uma empresa pode contratar um antropólogo por vários motivos
diferentes, mas o motivo mais comum é o marketing e o comportamento
do consumidor. Se você é novo no mundo corporativo e tem uma ideia do
que deseja fazer, mas não sabe exatamente como colocar a empresa onde
deseja, o público-alvo da sua empresa e como alcançá-la. público, os
antropólogos corporativos podem ajudá-lo a alcançar esses objetivos.
Um antropólogo corporativo observa o ambiente da sua empresa,
incluindo aqueles que compõem a população do negócio, e determina
como tudo isso funciona em conjunto. Eles não vão apenas falar com as
pessoas; eles prestarão atenção à aparência da sua empresa e como as
pessoas trabalham lá. Eles usarão a observação do participante para
coletar informações valiosas, a fim de determinar o que a organização
precisa para desenvolver relacionamentos com seus funcionários e com os
clientes que eles servem.
O objetivo da antropologia corporativa é entender as categorias de
classificação, significados e representações de diferentes grupos,
interpretando as informações coletadas para entender o que as pessoas
pensam e o que querem em última análise.
Conhecer seus consumidores e entender o que eles fazem e pensam
enquanto estão consumindo ajuda a desenvolver estratégias de marketing
eficazes. A antropologia corporativa concentra-se no consumo moderno,
como se relaciona com a sua produção e como pode ser melhorada.
A capacidade de ter uma base de consumidores dedicada permitirá
que você direcione seu produto a consumidores específicos. A longo
prazo, isso pode ajudar sua empresa a ser mais produtiva e,

9
possivelmente, economizar dinheiro durante o processo. Em vez de dividir
seus focos, você está direcionando as necessidades específicas de seus
consumidores.

Se você estiver na vanguarda, considere as aplicações da sua


organização e como evitar que ela seja cortada antes de começar. Ao
examinar essas normas culturais e reavaliar o que funciona no ambiente
empresarial moderno e o que não funciona, as empresas podem
aproveitar as lições da antropologia para se tornarem mais ágeis e, como
resultado, mais competitivas. Ao conceber mercados e empresas como
grupos humanos com suas próprias culturas e conjuntos de normas, é
mais fácil ver como a antropologia pode informar uma estratégia de
negócios eficaz.

Antropologia cultural como uma ferramenta de negócios.


As empresas que operam internacionalmente devem desenvolver
uma compreensão de múltiplas culturas e valores. Eles também devem
entender o contexto social em que planejam operar. Por exemplo, o
multiculturalismo é um fato da vida agora para todos os negócios.
Se o objetivo é fornecer ao cliente uma compreensão rica e
preditiva de uma cultura, estude o grupo de pessoas apropriado. Por
exemplo, para um cliente que deseja lançar um novo produto em uma loja
de conveniência, ele pode assistir de perto os adolescentes fazendo
compras nesses espaços. Ou, em nome de uma empresa farmacêutica que
lança um novo medicamento, eles podem observar médicos prescrevendo
aos pacientes. A pesquisa também pode envolver "observação naturalista
e discreta", entrevistas profundas conduzidas por entrevistados e
participação.
Mas uma abordagem antropológica também pode ser usada no
escritório. A gestão de recursos humanos e o desenvolvimento
organizacional podem se beneficiar dessa abordagem. Os empregadores
podem desenvolver uma compreensão do gerenciamento entre gerações,
como um caso em que a pesquisa antropológica apoiou a implementação
do plano de benefícios atualizado de um cliente.

10
Antropologia e cultura organizacional.
A cultura corporativa é determinada pelos comportamentos
humanos. Ele reflete os valores compartilhados pelas pessoas que
interagem com uma organização, afeta as escolhas que as pessoas fazem
e afeta as operações diárias do processo de negócios. Essas influências
ajudam as empresas a tomar consciência dos diferentes hábitos de uma
variedade de pessoas (funcionários e consumidores), permitindo que elas
criem uma cultura mais sustentável e positiva.
A frase "é assim que fazemos as coisas por aqui" não é apenas um
denominador-chave do comportamento, mas quando aplicada aos hábitos
diários dos funcionários, revela a quão forte ou fraca é a cultura de uma
empresa. Por exemplo, se um antropólogo observa a equipe executando
tarefas para cumprir prazos específicos, o foco principal dos trabalhadores
(e, portanto, da empresa) está na velocidade da produção, não
necessariamente na qualidade. Poderia ser de qualidade se os processos
rápidos tiverem maneiras de reduzir erros. Mas, como você pode ver,
quando o foco está em uma coisa, pode estar perdendo outras. Basta sair
e assistir sua própria equipe passar o dia e ver o que é importante para
eles.
Talvez seja assim que eles lidam com os clientes também. O que
acontece dentro da sua empresa geralmente é aplicado fora da empresa.
De fato, muitas vezes você se orgulha de como sua equipe está "vivendo a
marca".
Aqui está outro exemplo: em 2013, o antropólogo interno da Intel,
Dr. Genevieve Bell, foi encarregado de determinar o comportamento do
motorista durante a colaboração da empresa com a Jaguar Land Rover.
Após a descoberta da Dra. Bell de que os motoristas usam dispositivos
inteligentes, apesar dos sistemas de comando de voz, ela aconselhou as
duas empresas a desenvolver um sistema de sincronização de carro para
dispositivo quando os motoristas entram em seus veículos. Por fim, isso
levou a uma melhor experiência de direção para os motoristas da Jaguar,
e a Intel foi contratada pela Toyota em um projeto semelhante logo em
seguida.

11
Esses dois exemplos ilustram como os padrões de comportamento
fornecem informações sobre quais hábitos podem beneficiar um negócio
e como a incorporação de positivos pode melhorar o ambiente do local de
trabalho e a experiência do cliente. Informações relacionadas ao
comportamento também podem influenciar outros aspectos de uma
empresa e ajudar proprietários e executivos a criar a cultura ideal dentro e
fora da empresa.
Quando um líder deseja melhorar a cultura de sua empresa, recorre
instintivamente aos especialistas e às melhores práticas. Mas há uma
questão importante com essa tendência de deixar de lado o que todo
mundo está fazendo: cada cultura de empresa é diferente. O que
funcionou para uma organização pode muito bem prejudicar outra.
O primeiro passo para fazer mudanças na cultura deve ser dar uma
olhada longa e detalhada no que define sua organização. As culturas da
empresa surgem da mesma maneira que as culturas da sociedade. Isso
significa que examinar sua empresa pelos olhos de um antropólogo é a
melhor maneira de garantir que sua cultura prospere.
Como líder de negócios, é improvável que você esteja familiarizado
com o modo como os antropólogos pesquisam e examinam as culturas.
Cultura é definida por comportamentos. Ele reflete valores e como eles
influenciam as escolhas das pessoas e os processos do dia-a-dia. No
entanto, a maioria das pessoas não pensa em seus hábitos diários. Como
resultado, os líderes ficam cegos quando a cultura de uma empresa se
torna tóxica. Veja como os funcionários seguem sua rotina diária e faça
anotações. Concentre-se em adjetivos que descrevem suas ações. Eles
parecem estressados ou comprometidos?
Em seguida, pense nas conotações de cada palavra que você
anotou. Isso mostrará se esse aspecto da sua cultura é ou não uma força
ou uma fraqueza. Por exemplo, se muitos funcionários parecem se
apressar nas tarefas, isso pode mostrar que a empresa está priorizando o
trabalho rapidamente, em vez de ser completa.
Como as pessoas interagem é uma grande parte da cultura da
empresa. Passar tempo com seus funcionários em situações formais e
informais mostra quais são as regras da organização. Ele revela quais
características são respeitadas e valorizadas pela equipe. Preste atenção

12
aos extremos das relações no local de trabalho. Quais funcionários são
elogiados e admirados? Quais são estranhos?
Considere as habilidades e qualidades dos funcionários envolvidos.
Se essas características não estiverem alinhadas com os valores
declarados da empresa, haverá problemas com a cultura da empresa.
Quando a cultura de uma empresa começa a se tornar tóxica,
muitas vezes as pessoas se apegam a uma história mais feliz. Eles
descrevem as coisas de uma maneira que reflete o que os líderes
gostariam de ouvir. Isso acaba distraindo você de inconsistências dentro
da organização.
Como muitos fatores contribuem para a cultura, é importante
passar dos pequenos detalhes para o quadro geral. Se você fizer
julgamentos rápidos depois de ver uma bandeira vermelha fora de
contexto, isso poderá piorar a situação.
Em vez disso, aguarde até ter todos os dados e procure tendências
abrangentes. Quais valores e comportamentos foram observados em
diferentes situações? Pense no que isso diz sobre a empresa.
Considere as consequências se os clientes descobrirem a verdadeira
cultura e valores da empresa. Se há uma alta probabilidade de que eles
levem seus negócios para outro lugar, é hora de fazer alterações.
Comece pensando em quais comportamentos refletiriam melhor
sua visão para sua organização. Em seguida, comunique aos funcionários
como essas mudanças serão benéficas para todos.
As pessoas geralmente são resistentes à mudança, então você
precisa investir toda a sua equipe na nova maneira de fazer as coisas.
Concentre-se em como eles serão reconhecidos ou recompensados por
integrar a nova cultura da empresa.

Articulações teóricas e práticas entre sociologia, antropologia e


administração.
Antropologia é uma ciência interpretativa com mais de 150 anos de
teoria e análise e contém seu próprio conjunto de subcampos,
movimentos e ramos filosóficos. Por meio de seu treinamento, os
13
antropólogos entram em campo conscientes do que não sabem e são
equipados com um kit de ferramentas analíticas que cobre as perspectivas
de investigação da disciplina em:
1. Antropologia Cultural - Uma análise da cultura como sistemas
compartilhados e negociados de significado informados pelo
conhecimento que as pessoas aprendem e colocam em prática
interpretando a experiência e gerando comportamento. Embora
existam muitos aspectos dos sistemas culturais além do que pode
ser articulado em um nível consciente ou observado em uma
investigação no nível superficial, a ênfase é colocada no ponto de
vista dos nativos.
2. Antropologia Linguística - Uma análise da organização e
classificação das línguas humanas como sistemas distintos de sinais
interconectados que influenciam os pensamentos e percepções
humanas, bem como como a linguagem reflete visões de mundo
baseadas na cultura e as maneiras pelas quais medeia a realidade.
3. Arqueologia / Cultura Material - A análise de artefatos, como
ferramentas, utensílios domésticos, arte, objetos religiosos e
estruturas arquitetônicas, e seu lugar organizacional e simbólico nas
culturas que os utilizam.
4. Antropologia Física - Uma análise da evolução dos seres humanos e
seus sistemas culturais, com foco em fatores biológicos e
ecológicos.
A antropologia aplicada utiliza essa amplitude de conhecimento e
traduz descobertas em insights acionáveis para aplicações do mundo real.
A antropologia comercial e seus muitos subcampos emergentes ajudam as
empresas a entender seus clientes, usuários e funcionários, a fim de criar
melhores produtos, serviços e sistemas.

Antropologia dos negócios.


Os negócios de hoje têm dimensões internacionais e interculturais.
A complexidade do mercado, o clima e a cultura organizacional e a gestão
de recursos humanos exigem uma abordagem interdisciplinar e
intercultural, disponível em pesquisas e métodos antropológicos. O

14
mundo do consumidor tem seus próprios desenvolvimentos,
diversificações e fermentação psicocultural.
Essas mudanças colocam novos desafios para os projetistas e
fornecedores de produtos, serviços, sistemas e processos. Muitas
mudanças nas esferas econômica e social estão além do alcance da análise
e planejamento linear convencional, liderada por números. As rápidas
mudanças descontínuas desafiam todas as previsões lineares e
planejamentos convencionais. Pesquisas qualitativas e abertas,
planejamento de cenários e sessões de brainstorming, que os
antropólogos qualificados são capazes de fornecer.
Os negócios referem-se a um campo institucional composto por
empresas privadas e públicas, entidades públicas de organização (por
exemplo, órgãos reguladores) e outros atores (por exemplo,
consumidores) que se envolvem em interações orientadas para o
mercado, resultando em influência mútua. No sentido mais amplo, a
antropologia dos negócios abrange investigação ou prática relacionada a
algum aspecto do domínio comercial que se baseia na epistemologia
antropológica, na metodologia ou no conhecimento substantivo.
No início do século XX, a antropologia, como disciplina, foi
incentivada pelos interesses comerciais americanos a se desenvolver
como uma ciência social de base empírica que poderia fornecer uma base
científica para o bem-estar social. Parcialmente como resultado dessa
influência, Escola de Relações Humanas, uma teoria da gestão
organizacional. Após a Segunda Guerra Mundial, a pesquisa antropológica
sobre a indústria se tornou mais independente intelectualmente e
fragmentada em várias correntes de literatura, incluindo abordagens
neomarxistas e estudos de industrialização em sociedades não ocidentais.
Desde o final da Guerra Fria, os estudos antropológicos dos
negócios foram revigorados, à medida que um número crescente de
antropólogos acadêmicos reconheceu o mercado e suas atividades
relacionadas como objetos de estudo dignos. Ao mesmo tempo, a
epistemologia e métodos antropológicos foram assimilados em locais
corporativos à medida que mais antropólogos se envolvem em pesquisas
ou se tornam profissionais do setor privado, estimulando a autorreflexão
sobre a relação da disciplina com os negócios. Como resultado, o campo

15
se tornou cada vez mais complexo, com ligações a várias outras disciplinas
e tradições.
Outra consequência é que as perspectivas antropológicas mudaram
gradualmente da visão dos negócios em meados do século XX como um
"outro" externo e potencialmente hostil para visões mais variadas e
diferenciadas, incluindo a perspectiva de que os negócios são um campo
em que os antropólogos podem ocupar posições engajadas. Devido a essa
situação em evolução, os mundos dos negócios são reconhecidos como
merecedores de nossa compreensão, interpretação e avaliação crítica;
todavia, essa consciência que desperta traz seus próprios dilemas com
relação à posicionalidade e ética. Nesse sentido, itens foram selecionados
para inclusão aqui com base em três critérios: compreender o contexto
para o desenvolvimento histórico da antropologia empresarial como uma
das antropologias institucionais; obter uma visão geral e uma perspectiva
aprofundada sobre as principais dimensões do campo; e / ou fornecer
acesso à literatura que reflita pesquisas empíricas, práticas e / ou reflexão
teórica e crítica em relação ao domínio comercial.
A Antropologia de negócios ou empresarial é uma das maneiras
mais recentes pelas quais a antropologia se afirma no cenário global. Os
antropólogos de negócios contribuem para o desenvolvimento econômico
em todo o mundo, orientam organizações com melhor desempenho e
ajudam as empresas a melhorar sua compreensão dos consumidores,
levando a inovações de produtos e comunicação de marcas que
respondem às necessidades e desejos dos consumidores. Os antropólogos
de negócios normalmente trabalham com ou dentro de organizações
públicas, privadas e sem fins lucrativos.
No nível educacional, os estudiosos de antropologia empresarial
contribuem para uma compreensão da cultura e do comércio. A
antropologia empresarial ensina os alunos dos departamentos de
antropologia e escolas de negócios sobre a cultura do trabalho, ética e
intercâmbio, incluindo os valores e o respeito aos atores em escala global,
promovendo o entendimento intercultural.
As empresas são atraídas especialmente para o principal método de
pesquisa da antropologia, a etnografia, porque permite que as empresas
entendam melhor seus clientes, parceiros, fornecedores e suas próprias
organizações. Grandes empresas como Google, Intel e IBM reconhecem as

16
contribuições dos antropólogos da equipe; empresas como Procter &
Gamble, Campbell Soup, Nissan, Mars e Coca Cola, entre outras,
contratam antropólogos como consultores; inúmeras agências de
publicidade e empresas de design empregam antropólogos; e muitas
empresas de pesquisa de marketing são especializadas em antropologia
comercial. As oportunidades de negócios para recém-formados e outras
pessoas com sensibilidade e ferramentas antropológicas nunca foram
melhores.
O antropólogo de negócios fornece experiência em quatro níveis,
críticos para o desenvolvimento da estratégia de negócios. São eles:
1) Compreender o comportamento e as tendências humanas cotidianas
para produzir insights.
A etnografia é fundamental para o modo como os antropólogos
desenvolvem ideais e insights. É para os antropólogos que palavras e
romances são para autores ou que números e equações são para
matemáticos. Ele fornece uma infraestrutura metodológica e teórica que
permite ao antropólogo entender e desafiar as percepções que temos
sobre um determinado assunto. Fundamentalmente, gira em torno de
observações e interações com as pessoas em suas vidas cotidianas. A base
da metodologia está em um século de teoria sociocultural que guia a
análise e o desenvolvimento de "paisagens culturais de significado". Tais
paisagens ajudam a explicar qualquer aspecto da vida humana. No mundo
dos negócios, isso pode estar relacionado a como e por que as pessoas
consomem, como percebem e interagem com tecnologia, serviços
financeiros, saúde, mídia, educação, economia e política, para citar apenas
alguns.

2)    Focar nos fatores culturais que informam como as pessoas se


comportam e pensam.
Isso significa que eles veem as pessoas e os grupos como não lineares e
orgânicos em seus comportamentos e tomadas de decisão, contrastando
com as suposições predominantes, porém imperfeitas, sobre a
racionalidade inerente das pessoas. Eles também tentam construir uma
imagem completa e holística da vida das pessoas, reconhecendo que
muitos fatores sublinham o comportamento. Essa abordagem é crítica

17
para os negócios, pois expõe como suas marcas, produtos, serviços e
políticas existem dentro da complexidade da vida cotidiana das pessoas. É
entendendo a complexidade da cultura que novas oportunidades de
negócios e inovação podem ser descobertas que, de outra forma, ficam
invisíveis às abordagens convencionais da geração de insights.

3) Desenvolver ideais culturais baseadas em observações e teoria.


É importante ressaltar que as ideais não se baseiam em fatos, mas em
uma combinação de histórias e experiências vividas de qualquer
comunidade com modelos teóricos e interpretativos existentes nas
ciências sociais. Isso produz dados ricos que trabalham para desafiar
construtivamente as percepções dos clientes sobre seu mercado.

Em resumo, o antropólogo de negócios está posicionado dentro de


um espaço conectado que eu chamo de 3 C's da Cultura. São eles: 1) A
cultura de pessoas e grupos (consumidores, público, pacientes, etc.); 2) Os
códigos culturais que moldam qualquer categoria de mercado; 3) A cultura
do cliente em relação à forma como ele percebe suas marcas, produtos,
serviços. ou prática de trabalho.
Os antropólogos que trabalham nos negócios podem estar
envolvidos em pesquisas de mercado que analisam o design de produtos,
tendências sociais e marketing intercultural. Eles também podem estar
envolvidos na análise do comportamento do consumidor, na pesquisa de
tendências de compras e na identificação de respostas culturais à
publicidade. Como alternativa, os antropólogos podem atuar como
consultores organizacionais, investigando procedimentos organizacionais
e avaliando o desempenho dos locais de trabalho.

Comunicação interna e a interação.


A interação é um aspecto significativo da cultura corporativa. Com
base no trabalho fundamental de Bronisław Malinowski na década de
1920, os antropólogos ainda usam o trabalho de campo e a participação
para passar tempo com funcionários e clientes para determinar como as
pessoas interagem com as marcas. Isso ajuda as empresas a revelar as
18
várias características do produto que as pessoas têm em alta
consideração.
A participação também permite que os especialistas descubram as
regras formais e informais que governam a interação individual e os
princípios comuns que orientam as estruturas sociais superiores. Um
antropólogo corporativo ouvirá conversas para observar padrões no uso
da comunicação e da linguagem. Isso leva a uma melhor compreensão de
como os relacionamentos são formados dentro da cultura corporativa e se
as qualidades exibidas em situações reais estão alinhadas com os valores
desejados da empresa.
No início dos anos 2000, a Adidas queria descobrir por que os
clientes levavam um estilo de vida ativo, apesar de não participar de
competições esportivas. Eles contrataram a empresa ReD Associates, uma
empresa de consultoria de estratégia, que treinou a equipe de design da
empresa para conduzir pesquisas antropológicas. Depois de passar 24
horas com vários clientes, os pesquisadores da Adidas chegaram à
conclusão de que 85% das mulheres simplesmente queriam se encaixar
em seu "vestidinho preto".
Essas descobertas ajudaram a Adidas a determinar o
relacionamento real que as pessoas têm com seus produtos e como as
usam para solucionar os principais problemas. Ao entrar em contato com
seus clientes, a empresa mudou toda a sua perspectiva de como os
consumidores interagem com a marca.

Desenvolvimento de uma melhor compreensão do mercado.


Cada vez mais, as empresas estão empregando antropólogos
corporativos para entender o comportamento do consumidor e a tomada
de decisões. Além disso, a experiência observacional de um antropólogo
permite que os profissionais de marketing alinhem melhor as mensagens
promocionais com seu público-alvo e aumentem o desempenho,
adaptando o significado semântico para melhorar a comunicação e a
compreensão cultural.
Na pesquisa de mercado tradicional, os profissionais de marketing
dependem de dados - geralmente números e decisões passadas - para

19
formar uma opinião sobre seus clientes. No entanto, a abordagem
holística da antropologia emprega métodos críticos para entender todo o
processo do consumidor, não apenas a decisão.
Essa abordagem é amplamente adotada por corporações e negócios
globais que têm um público culturalmente diversificado. Essas empresas
usam a etnografia (uma subdivisão da antropologia) para ajudá-las a criar
publicidade que afetará as decisões dos consumidores com base em
normas culturalmente aceitas e, além disso, melhorar a compreensão da
mensagem de marketing.
Caso em questão: em 2015, a Coca-Cola queria celebrar o 75º
aniversário do refrigerante Fanta, mas, ao fazê-lo, ignorou uma referência
culturalmente significativa. O anúncio explicava como a Fanta foi
inventada durante o regime nazista na década de 1940, mas a Coca-Cola
negligenciou a visão de que o público consideraria essa referência
extremamente ofensiva. Que erro cultural isso foi!
Uma publicidade ruim como essa é um excelente exemplo de como
a ignorância cultural e a pesquisa de mercado tradicional podem levar à
falta de comunicação e afetar negativamente o comportamento do
consumidor. Por outro lado, a observação etnográfica eficaz do
comportamento, práticas e tomada de decisão do consumidor pode
produzir anúncios que não são apenas eficazes para atingir as metas de
marketing (vendas), mas que são culturalmente tão perspicazes que
podem mudar o comportamento social.

Bibliografia
AMARAL, Felipe. Fundamentos em Ciências Sociais. Curitiba: Intersaberes,
2018.
CHIAVENATO, Idalberto. Iniciação à Teoria das Organizações. São Paulo:
Manole 2013.
DIAS, Reinaldo. Introdução à Sociologia - 2ª edição. São Paulo: Pearson,
2013.
KIELING, Francisco. Ciências Sociais nas Organizações. Curitiba:
Intersaberes, 2012.

20
MARCELLINO, Nelson. Introdução às Ciências Sociais. Campinas: Papirus,
2013.
MARTINS, José Ricardo. Introdução à sociologia do trabalho. Curitiba:
Intersaberes, 2017.
MATTOS, Regiane Augusto de. História e Cultura Afro-Brasileira. Rio de
Janeiro: Contexto, 2013.
SINGER, Paul. Globalização e Desemprego: diagnóstico e alternativas. Rio
de Janeiro: Contexto, 2013.

21