Você está na página 1de 5

Michael Fabiano Ferreira Lopes

COMO RENEGOCIAR
DÍVIDAS EM TEMPOS DE
CORONAVÍRUS?

Renegocie suas dívidas em tempos de crise com mais facilidade,


evitando a negativação, bloqueio de serviços e outras dores de cabeça.
Este e-book foi desenvolvido pelo Dr. Michael Fabiano Ferreira Lopes,
advogado especializado em Direito do Consumidor e Direito Bancário,
voltado, mais especificamente para negociação de dívidas, criador da
VAMOS NEGOCIAR.COM, plataforma de negociação de dívidas de
forma extrajudicial, ou seja, sem ser necessário entrar na justiça.

As experiências vivenciadas no dia-a-dia nesse segmento de atividade,


fizeram com que esse e-book fosse criado, principalmente, em tempos
de pandemia, onde a renegociação de dívidas se faz necessárias.

[Data]
SUMÁRIO

INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 1

I – Das medidas adotadas pelos grandes bancos para facilitar a vida dos seus clientes no período da pandemia

CAPÍTULO 2

I – DA NEGOCIAÇÃO DE DÍVIDA DO CONTRATO DE FINANCIAMENTO DE IMÓVEIS

II – REVISÃO DE CONTRATO ESTUDANTIL

III – DÍVIDA DE FINANCIAMENTO DE AUTOMÓVEIS

CAPÍTULO 3

I – RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS BANCÁRIAS (QUEQUE ESPECIAL, CARTÃO DE CRÉDITO E CHEQUE ESPECIAL)

II – PAGAMENTO ANTECIPADO

CAPÍTULO 4

I – DA NEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS EM ATRASO (ATRASO ANTES DA PANDEMIA)

I – SEUS DIREITOS NA RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS

III – TRÊS FORMAS DE UMA NEGOCIAÇÃO DE DÍVIDA EFICAZ.

CAPÍTULO 5

I - DA NEGOCIAÇÃO DE DÍVIDA SEM ENTRAR NA JUSTIÇA

II – A IMPORTÂNCIA DA PERÍCIA BANCÁRIA EXTRAJUDICIAL NO MOMENTO DA NEGOCIAÇÃO DAS DÍVIDAS

II – SE NECESSÁRIO A JUSTIÇA, COMO ENTRAR COM AÇÃO SEM ADVOGADO E DE FORMA RÁPIDA.
[Data]
INTRODUÇÃO

A estimativa é de que, aproximadamente, 61 milhões de brasileiros começaram o ano de 2020 com alguma conta
atrasada e com o CPF restrito nos órgãos de proteção ao crédito.

Ao encontro disso, estamos diante de um período de colapso na economia mundial, em decorrência da pandemia
Corona Vírus (Covid 19).

Uma das medidas de combate a esse vírus, adotadas pelos líderes mundiais, foi o isolamento social, como forma de
impedir o seu avanço e proliferação. O referido isolamento, faz com que as pessoas se recolham aos seus lares, de
modo a evitar aglomerações nas ruas, comércios, praças dentre outros.

Assim, no Brasil houve uma série de determinações e decretos dos governos Federal, Municipais e Federais para
que os comércios, empresas, academias dentre outros fossem fechado, como forma de restringir o acesso a esses
locais, bem como em locais públicos.

Tais medidas foram necessárias para obrigar a população em geral ficasse sob isolamento social, como forma de
combater mais firmemente essa pandemia.

Alguns estados, infelizmente, estão tendo que adotar, inclusive, o fechamento de suas fronteiras como necessidade
extrema.

Devido às recomendações da AMS ( Organização Mundial da Saúde) e Ministro da Saúde, muitas empresas estão
tendo que parar suas atividades, tais como lojas, restaurantes, fábricas, industrias e prestadores de serviços.

Inobstante a isso, os consumidores estão trancados dentro de casa em quarentena, suspendendo-se, assim, a
demanda por produtos e serviços, logo a economia é travada.

Com isso, as demissões começam a aparecer em massa e os consumidores começam a se desconfiar e sumir,
instaurando-se um ciclo vicioso.

Infelizmente, mesmo diante dessa triste realidade, os boletos não param de chegar, as dívidas vencem, pairando as
incertezas econômicas. E aí como será de agora em diante?

O momento, de fato, é turbulento, mas esse e-Book foi preparado, justamente, para lhe auxiliar nesse momentos
de incertezas, principalmente no campo da renegociação de dívidas que está afligindo a população nesse cenário
atual.

O intuito é orientar o leitor que, com toda certeza, é um consumidor, lhe mostrando os seus direitos em cada caso,
de acordo com a lei, no campo da renegociação de dívidas, de modo a evitar a abusividade de juros, dentre outros.

O momento é delicado, não só para quem possui uma dívida originada nesse período de pandemia, bem como as
dívidas que já estão em atraso, o que dificulta ainda mais a sua regularização.

Diante disso, o momento é de equilíbrio emocional, tendo cautela e sabedoria na tomada de decisões, e assim eu
[Data]

espero poder contribuir para que você tome a melhor decisão possível na hora de renegociar suas dívidas.
I – DAS MEDIDAS ADOTADAS PELOS GRANDES BANCOS PARA FACILITAR A VIDA DOS SEUS CLIENTES

No último dia 16 de março de 2020, o Conselho Monetário Nacional aprovou uma medida que visa facilitar a
renegociação de dívidas das famílias e empresas que são consideradas boas pagadoras.

O intuito é colaborar com a economia brasileira no período da pandemia, onde além de renegociar as dívidas, estão
liberando os bancos a concederem mais crédito, cabendo a eles aderirem ou não a esta medida.

Porém é bom que todos saibam que o nosso foco é fazer com que saiam das dívidas e não que as adquiram. É
sempre bom verificar as formas das quais esses créditos estão sendo concedidos, para não se livrar de uma dívida,
fazendo outra dívida.

Infelizmente estamos reféns de um sistema bancário, onde irão se aproveitar de todas as formas dessa crise,
praticando juros exorbitantes no ato da contratação de crédito, enganando, literalmente, seus clientes.

Sabemos que o momento é delicado, mas o equilíbrio emocional é fundamental nessa hora, onde o foco está
principalmente na economia de gastos e não em mais endividamento.

Assim que o Banco Central anunciou a referida medida, a Federação Brasileira de Bancos – Febraban anunciou que
os cinco maiores bancos do Brasil prorrogarão, por 60 dias, as dívidas de pessoa física , micro e pequenas empresas,
desde que estejam em dia com os contratos.

Os bancos participantes da medida são Caixa Econômica Federal, Banco Santander, Banco Itaú, Banco Bradesco e
Banco do Brasil. No entanto o cliente que fizer jus à prorrogação, deve solicitá-la perante o seu gerente ou utilizar
os canais de atendimento, normalmente existentes nesses bancos.

Convém frisar que a medida de prorrogação das dívidas não engloba dívidas voltadas para cartões de crédito e
cheque especial. A medida também não abrange os contratos de consumo geral, como água, luz telefone, dentre
outros, embora, alguns estados estejam proibindo o corte de água e energia.

Quanto aos empreendimentos menores, aos contratos de locação, contratos entre particulares, valerá nesse
momento o bom censo entre as partes contratantes, reajustando o negócio realizado entre elas.

Não há dúvidas de que toda obrigação contratual deve ser cumprida, no entanto, em situações com essa do Corona
Vírus, a situação é excepcional, admitindo-se a possibilidade de amenizar, revisar e até afastar alguns deveres
contratuais.
[Data]