Você está na página 1de 3

TESTE DE DIREITO FISCAL RESOLVIDO

Leia com atenção o teste e responda sempre que possível com recurso a normas legais.

1. Falar de Direito Tributário é o mesmo que falar de Direito Fiscal? Justifique. (3V)

R: Não, não é mesma coisa, falar de Direito fiscal é falar de um conjunto de normas
que visam regular as relações jurídicas fiscais que se traduzem nas posições jurídicas
do devedor e do credor dos impostos, são as normas que tem por objectivo assegurar a
capacidade funcional do Estado, proporcionando-lhe os meios financeiros que
suportam tanto a sua existência como o seu funcionamento, resumindo o direito fiscal
diz respeito única e exclusivamente aos impostos, enquanto o direito tributário vai ser
constituído pelo conjunto de normas reguladoras de todas as receitas coativas do
estado e que se designam de tributos, podem ser fiscais (impostos) e as taxas e todas
as outras contribuições financeiras a favor do estado. Ou seja, todo o direito fiscal é
direito tributário mas nem todo o direito tributário é direito fiscal.

2. Relativamente ao Direito Fiscal debruce-se quanto:

i. Objecto, (1V)
R: o objecto de estudo do Direito Fiscal reside no imposto, pese embora algumas
doutrinas alargam o seu objecto as demais espécies tributarias como as taxas e as
contribuições, destarte o imposto é definido como sendo numa obrigação
pecuniária, definitiva, unilateral, destinada a cobrir as despesas públicas, bem
como a promoção de uma melhor distribuição do rendimento e da riqueza, exigida
a detentores individuais e colectivos de capacidade contributiva, a favor de
entidades que desempenhem funções públicas, não tendo carácter de sanção.

ii. Natureza e, (1V)


O Direito fiscal insere-se no campo de direito Publico, isto caracteriza-se porque entre
o contribuinte e o Estado não existe uma relação de igualdade, o Estado detém o
poder de soberania sobre o contribuinte ou poder de autoridade típico de um Estado o
Iús Imperi
iii. Autonomia do Direito Fiscal. (1V)
O direito Fiscal é autónomo, tem Leis Próprias tem um conjunto de diplomas que lhe
conferem esta autonomia, entretanto isto não impede que subsidiariamente recorra a
outros direitos para regular certas situações

3. A integração da economia numa zona mais vasta do que o território nacional também
têm incidências no campo Fiscal. Esta circunstância levou ao estabelecimento de
relações jurídicas entre Estados para evitar que a mesma situação seja tributada em
mais de um deles ou em nenhum deles.
a) Refira-te ao fenómeno jurídico-fiscal subjacente nas frases em sublinhado. (2.5V)
b) Enuncie 5 países dos quais Moçambique celebrou determinado acordo com vista a
evitar a que se observe o fenómeno em sub-judice. (2.5V)
i) “Para satisfazer as necessidades públicas, a sociedade organizada como comunidade
política, tem de contribuir para a cobertura dos seus custos nos termos que são
impostos pelos orgãos políticos que a representam”.
a) A expressão em sublinhado refere-se à: (3V)

I – “Impostos” enquanto figura jurídica que preconiza o pagamento para o orçamento do


Estado, com natureza unilateral e obrigatória, incluindo encargos legais e juros previstos em
normas tributárias;

Ou,

II – “Impostos” enquanto figura que representa o sujeito activo na sua veste de ente-público
revestido de garantias e poderes situando-se num plano superior ao do outro sujeito.

II

1. Joãozinho vendedor ambulante, foi surpreendido na fronteira do seu país na posse de


150 cigarros, 45 charutos e 249 gramas de tabaco alegadamente, para seu tio
Chidácua que não consegue beber sem antes fumar.

b) Mariazinha, tia de Joãozinho quer saber de si (estudante de direito fiscal) se, há


lugar ao pagamento do Imposto Sobre Consumos Específicos, uma vez que os
agentes da alfândega conhecem Joãozinho como vendedor ambulante? (3V)
R: Segundo o disposto do Nº 4 alínea a) pontos i);iii) e iv) da Lei n˚17/2009, de 10 de
Setembro, referente ao tabaco, não haverá lugar para o pagamento do Imposto Sobre
Consumos específicos por as quantidades na posse de Joãozinho não excederem o
limite mínimo para produtos que se destinam os fins comerciais.

c) Teresinha irmã de Joãozinho, assistiu a um programa televisivo sobre “Pequenos


empreendedores e Empréstimo público” tema que lhe despertou interesse uma vez
que é mukherista e, com a covid 19, seu negócio não é mais o que era. Neste
momento pretende apostar à uma nova grelha de negócio mas não sabe se terá que
pagar algum imposto. Para tal, solicitou a si (estudante de direito fiscal), para
saber qual é a diferença entre imposto e empréstimo público? (3V)

Bom trabalho!