Você está na página 1de 1

https://www.ncbi.nlm.nih.

gov/pubmed/21351158

Caracterização fisiológica e anatômica da barreira glial da


superfície do cérebro de Drosophila.
DeSalvo MK 1 , Mayer N , Mayer F , Bainton RJ .
Informação sobre o autor
Abstrato
A fisiologia do sistema nervoso central (CNS) requer privilégios químicos, metabólicos e celulares especiais
para a função normal, e as estruturas da barreira hematoencefálica (BHE) são os construtos anatômicos e
fisiológicos que arbitram a comunicação entre o cérebro e o corpo. No BBB dos vertebrados, dois tipos de
células primárias criam biologia de exclusão do SNC, um endotélio vascular polarizado (VE) e uma camada
única de glia astrocitária (AG) fortemente associada. Exemplos de ação direta do BBB na doença do SNC estão
em constante expansão, incluindo os principais papéis fisiopatológicos na esclerose múltipla, acidente vascular
cerebral e câncer. Além disso, seu papel como um obstáculo ao tratamento farmacológico do cérebro é de
longa data; portanto, sistemas de modelos moleculares que podem analisar funções de BBB e entender a
complexa integração de anatomia celular sofisticada e fisiologia de proteção química altamente polarizada são
desesperadamente necessárias. Estruturas de barreira compostas que usam dois tipos de células primárias
(isto é, bicelularidade funcional) são comuns a outras estruturas de barreira humoral / SNC. Por exemplo, os
invertebrados usam duas camadas celulares de glia, perineurial e subperineurial, para controlar o acesso
químico ao cérebro, e camadas gliais análogas, fenestradas e pseudo-cartuchos, para manter a barreira
hemato-ocular. Neste artigo, resumimos nossa compreensão atual da anatomia glial da barreira cerebral em
Drosophila, demonstramos o poder da geração de imagens ao vivo como uma metodologia de rastreamento
para identificar características fisiológicas da glia de BBB, e comparar as fisiologias das camadas de barreira de
Drosophila com a interface VE / AG de vertebrados. Concluímos que muitas fisiologias únicas do BBB são
conservadas em todos os filos e sugerem novos métodos para modelar a fisiologia e a doença do SNC.