Você está na página 1de 1

ISECENSA – Institutos Superiores de Ensino do CENSA

Instituto Superior de Educação do CENSA

Instituto Tecnológico e das Ciências Sociais Aplicadas e da Saúde do CENSA

Graduação de Psicologia

Disciplina: Estágio Básico em Psicologia Social e


Professor(a): Victor Tinoco Delgado
Comunitária

Período: 7º Data: 09/06/2020

Aluno(a): Matrícula:

1 – Lurdes Oberg (2008), afirma que a psicologia social comunitária é marcada por um profundo interesse e
discussão acerca do conceito de comunidade como questão central e incontornável. Como poderíamos
definir esse conceito?

2 – Sabemos que a década de 70 foi crucial no sentido da tomada de um novo rumo dado a psicologia social
e comunitária, inaugurando um movimento de ruptura paradigmática das práticas assistencialistas para o
paradigma de direitos. Desenvolva uma síntese sobre o assunto.

3 – De que forma poderíamos diferenciar comunidade de sociedade no seio do cenário globalizado, tal como
observado a partir das considerações feitas por Bauman (2003)?

4 – A partir dos comentários de Oberg (2008), o quê o sociólogo Manuel Castells (2003) compreende e
define por comunidades virtuais? Como se ajustam as relações humanas nesse tipo de comunidade?

5 – Segundo Ana Bock (2008), a psicologia como disciplina científica revela como marca no seu passado
histórico momentos de desinteresse e descompromisso com a realidade econômica, histórica e social,
cenário que apresenta alterações a partir do séc. XXI com o surgimento da psicologia comunitária. Faça uma
síntese sobre o assunto.

6 – “O ser humano precisa ser pensado a partir de outra perspectiva que tenha a historicidade como uma
de suas principais características” (Bock, 2008, p.4). Comente a citação a partir das considerações tecidas
por Bock e pelo movimento da psicologia comunitária.

7 – A partir da leitura de Gaulejac, (2004), Teresa Carreteiro (2003) à luz do problema da exclusão, nos
informa que as sociedades contemporâneas revelam o compasso de duas principais formas imaginárias: o da
excelência e o da inutilidade. Comente sobre cada uma dessas formas e seus efeitos do ponto de vista do
indivíduo.

8 – O sociólogo francês Robert Castel (2001) identifica e analisa duas principais formas contemporâneas de
ser indivíduo: o indivíduo por falta e o indivíduo por excesso. Para quais direções apontam essas definições?

9 – Vimos que o cenário da vida pública e social na contemporaneidade também tem se revelado como
importante matriz de sofrimentos provocados pelas injustiças sociais, que em geral, os grupos mais
subalternizados experimentam sua versão mais acentuada. A partir da afirmação acima, comente sobre as
lógicas de invalidação e de depreciação.

10 – À luz do problema da violência, da exclusão social e das múltiplas formas de humilhação, como
podemos pensar sobre o impacto da lógica da virilidade e dos ingredientes sociais que reforçam esse
comportamento. Faça um breve resumo sobre essa questão.