Você está na página 1de 6

Ciência, segurança e saúde:

Estudos urbanos sobre mortalidade e morbidade

Objetivo: A vida nas metrópoles contemporâneas, as mudanças sociais, a


segurança, a saúde e os dados registrados cada uma desses quatro temas são
fatores essenciais para a gestão e o acesso aos serviços públicos que buscam
o enfrentamento de doenças e crimes e de crises sanitárias e segurança.
Diante disso, um curso voltado aos limites e às contribuições da Geografia,
Estatística, Geoinformação e Sociologia, para os estudos de abordam os
referidos fatores, mostra-se relevante no que diz respeito à capacitação de
alunos, professores, técnicos e servidores públicos - sobretudo, em um
contexto de (pós) pandemia. O curso objetiva apresentar e debater fontes de
informação e estudos baseados em registros oficiais de agentes da saúde e da
segurança pública, nas perspectivas da Estatística, da Geografia, da
Geoinformação e da Sociologia.

AULA 1 (22/07/2020). Saúde e Estatística: A importância da informação.


Nos estudos da situação de saúde de uma população é importante ter dados
que refletem a realidade dessa população. Esses dados se transformam em
informações sobre o quadro de saúde e doença dos indivíduos de uma
localidade. Tais informações também são necessárias para manter a
população informada sobre seu direito aos serviços disponíveis bem como,
para fornecer dados sobre a população ao Estado, para subsidiar processos de
planejamento, gestão e avaliação de políticas. A aula abordará as principais
fontes de informação em Saúde e seus usos e aplicações.

AULA 2 (24/07/2020). Saúde e Geografia: Uma abordagem multidisciplinar.


O raciocínio espacial é uma questão de sobrevivência para o ser humano.
Pensar como as doenças se distribuem no espaço geográfico e se associam
com fatores ambientais, socioeconômicos, políticos e com o acesso aos
serviços de saúde permite elaborar estratégias para otimização dos recursos e
para enfrentamento de doenças e crises sanitárias. Por meio de tais
associações também conseguimos inferir sobre as desigualdades na sociedade
que se refletem em desigualdades em saúde e decidir sobre meios para
diminuir suas causas estruturais. A aula vai abordar como a Geografia pode
contribuir para a melhor compreensão de doenças e desigualdades em saúde,
os limites de sua contribuição e como deve interagir de forma multidisciplinar
no esforço de contribuir para o bem-estar das populações.

AULA 3 (27/07/2020). Violência e Geoinformação: Análise espaço-temporal


de registros de crimes e mortalidade.
A sociedade é produzida por mudanças sociais, convergentes em certos
aspectos e divergentes em outros. Nos grandes centros urbanos essas formas
surgem, se desenvolvem, retrocedem ou desaparecem com grande velocidade.
Refletindo sobre esse contexto, a aula tem um duplo propósito: analisar os
registros oficiais de mortalidade violenta e a variabilidade espaço-temporal
desses registros empregando Sistemas de Informação Geográfica e técnicas
de geoestatísticas.

AULA 4 (29/07/2020). Conflitos sociais e Sociologia: Violência urbana,


conflito social e desfechos fatais.
A vida nas metrópoles contemporâneas é caracterizada pela intensidade e por
diferentes modalidades de conflitos sociais e interpessoais. Parte desses
conflitos converge para desfechos fatais, materializados em registros de
ocorrências policiais de homicídios. A partir de considerações de ordem teórica,
fundamentadas na sociologia dos conflitos sociais, a aula explora as
explicações sociológicas correntes na literatura especializada, enfatizando
tanto razões de ordem subjetiva quanto as de natureza objetiva.

Método
Utilização de metodologias ativas de aprendizagem para situações e
exposições dialogadas, envolvendo o professor e os alunos, apoiados por
recursos audiovisuais fotografias, ilustrações, vídeos, infográficos, charges etc.)
e dinâmicas participativas. Curso ministrado em Google Meet (hangout), para
aulas ao vivo transmitidas por vídeo em streaming.
Bibliografia

Adorno, S. "Violência e crime: sob o domínio do medo na sociedade brasileira"


in Cidadania, um projeto em construção. André Botelho e Lilia Moritz-Schwarcz
(orgs). São Paulo: Claro Enigma, 2012, 1.ed., p.70-81.

Anselin L, Syabri, YK. “GeoDa: an introduction to spatial data analysis”. Geogr


Anal. 2005, 38: 5-22.

Assunção RM. “Mapas de mortalidade”. São Paulo: Mimeo; 1996.

Assunção RM; Reis, EA.” A new proposal to adjust Moran's I for population
density”. Stat Med. 1999, 18: 2147-2162.

Bailey TC. “Review of statistical spatial analysis in GIS”. In: Fotheringham S,


Rogerson P, eds. Spatial analysis and GIS. London: Taylor & Francis; 1994: 13-
44.

Barcellos, C; Bastos, FI. “Geoprocessamento, ambiente e saúde: uma união


possível?” Cad. Saúde Públ., Rio de janeiro, 12(3):389-397, 1996.

Beato CCF; Assunção RM; Reis IA; Marinho FC; Bráulio FAZ; Almeida MC.
“Conglomerados de homicídios e o tráfico de drogas em Belo Horizonte”. Rio
de Janeiro: Cadernos de Saúde Pública. 2001, 17(5):1163-1171.

Beato CCF. “Determinantes da criminalidade em Minas Gerais”. Revista


Brasileira de Ciências Sociais. 1998; 13(37):74-89.

Câmara, G; Carvalh,o MS; Cruz, OG; Correa, V. “Análise Espacial de Áreas”.


São José dos Campos: INPE; 2004.
Câmara G; Yi, JRL; Felgueiras, C, Moneiro, AA. “Análise espacial da
distribuição e dinâmica da violência na cidade de São Paulo entre os anos de
1996 e 1999”. São José dos Campos: INPE; 2000.
Carvalho, DM. “Epidemiologia: história e fundamentos”. In: MEDRONHO, R.A.
Epidemiologia. São Paulo: Ed. Atheneu, 2004. p. 3-13.

Collins, R. "Lo normal del delito". In Perspectiva sociológica. Una introducción a


la sociología no obvia. Bernal: Universidad Nacional de Quilmes, 2009, cap. 4,
p. 109-146.

Costa, MCN; Teixeira, MGLC. “A concepção de “espaço” na investigação


epidemiológica”. Cad. Saúde Públ., Rio de Janeiro, 15(2):271-279, 1999.

Dias, TL; Oliveira, MPG; Câmara, G; Carvalho, MS. “Problemas de escala e a


relação área-indivíduo em análise espacial de dados censitários”. Informática
Pública. 2002, 4(1): 89-104.

Elias, N. Os alemães. “A luta pelo poder e a evolução do habitus nos séculos


XIX e XX”. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1997, capítulo III ["Civilização e
violência", pp. 159-186].

Enriquez, E. "Matar sem culpa. Algumas reflexões sobre os assassinatos


coletivos". In Mutações: fontes passionais da violência. Adauto Novaes (org).
São Paulo: Edições SESC, 2015, p. 177-219.

Ferreira, MIC. “Violência na solidariedade. Um estudo sobre homicídios em


bairros da periferia da capital paulista”. São Paulo: Associação Editorial
Humanitas, 2006.

Gawryszewski, VP; Costa, LS. “Homicídios e desigualdades sociais no


Município de São Paulo”. Revista de Saúde Pública 2005; 39(2):191-197.

Gesler, W. “The uses of spatial analysis in medical geography: a review. Soc.


Sci. Med.”, 23(10): 963-73, 1986.
Hobsbawn, E. "A ordem pública em uma era de violência". In Globalização,
democracia e terrorismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2007, cap. 9, p.
138-151.

Laurenti, R et al. Estatísticas de Saúde. 2.ed. São Paulo: EPU, 2005.

Laurenti, R; Mello, Jorge MHP; Gotlieb, SLD. “O Sistema de Informações sobre


Mortalidade: passado, presente e futuro”. São Paulo: CBCD. No prelo 2006.

Lima, MLC; Ximenes, RAA; Souza, ER; Luna, CF; Albuquerque, MFPM.
“Spatial analysis of socioeconomic determinants of homicide in Brazil”. Rev.
Saúde Pública, 39(2): 176-182, 2005.

Mayer, JD. “The role of spatial analysis and geographic data in the detection of
disease causation”. Soc. Sci. Med, 17(16): 1213-1221, 1983.

Mesquita Neto, P. “Políticas sociais de segurança cidadã: problemas e


soluções. Série Análises e propostas”, n. 33. Fundação Friedrich Ebert,
dezembro de 2006. Disponível em: http://library.fes.de/pdf-
files/bueros/brasilien/05612.pdf. Acesso em 18/08/2012.

Nery, MB; SOUZA, AAL; ADORNO, S. “Os padrões urbano-demográficos da


capital paulista”. Estudos Avançados, v. 33, n. 97, p. 5-36, 2019.

Nery, MB et al. “Regimes espaciais: dinâmica dos homicídios dolosos na


cidade de São Paulo entre 2000 e 2008”. Revista Panamericana de Salud
Publica, v. 32, p. 405-412, 2012.

Nery, MB; Adorno, S. “O Movimento da criminalidade em São Paulo: um


recorte temático e bibliográfico”. BIB-Revista Brasileira de Informação
Bibliográfica em Ciências Sociais, n. 76, p. 5-32, 2015.
Peres, MFT; Vicentin, D; Nery, MB; Lima, RS; Souza, ER; Cerda, M, Cardia,
Nancy; Adorno, S. “Queda dos homicídios em São Paulo, Brasil: uma análise
descritiva”. Rev Panam Salud Publica. 2011;29(1):17–26.

Rede Interagencial de Informações para a Saúde – RIPSA. “Indicadores


Básicos para a Saúde no Brasil: conceitos e aplicações”. 2.ed. Brasília: OPAS,
2008.

Moraes Filho, E (org). “Simmel”. Grandes Cientistas Sociais, 34, São Paulo:
Ática, 1983 – capítulos: 8-10, p. 122-164.

Soares, GAD. "Algumas questões teóricas". In Não matarás. Desenvolvimento,


desigualdade e homicídios. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2008, 1.ed., cap. 5, p.
146-182.

Villaça F. “Espaço intra-urbano no Brasil”. São Paulo: FAPESP; 1998.

Waiselfisz, JJ. “Mapa da violência, 2010: anatomia dos homicídios no Brasil”.


São Paulo: Instituto Sangari, 2010.

Wieviorka, M. “O novo paradigma da violência”. Tempo Social. Revista de


Sociologia da USP, 9(1): 5-41, 1997, maio.