Você está na página 1de 377

O Dia da duquesa

: :
(Scandal & Scoundrel)
Livro 3
Sarah MacLean

Sinopse

A única mulher que ele nunca esquecerá ...


Malcolm Bevingstoke, Duque de Haven, viveu nos últimos três anos na
solidão que se impôs, pagando o preço por um erro que ele nunca pode
reverter e um amor que perdeu para sempre. O ducado não espera, no
entanto, e Haven requer um herdeiro, o que significa que ele deve
encontrar uma esposa até o final do verão. Há apenas um problema -
ele já possui uma.
O único homem que ela nunca perdoará ...
Depois de anos no exílio, Seraphina, Duquesa de Haven, retorna a
Londres com um único objetivo – o de recuperar a vida que ela perdeu
e encontrar a felicidade, livre do homem que quebrou seu coração.
Haven oferece-lhe um acordo: Sera pode ter sua liberdade, assim que
ela encontrar a sua substituta... – o que exige que ela passe o verão junto
com o marido que ela não quer, mas, que de alguma forma, não resiste.
Um amor que nem pode negar ...
O duque tem um único verão para curtir sua esposa e convencê-la de
que, apesar do passado quebrado, ele pode dar-lhe o felizes para sempre,
fazendo todos os dias o dia da duquesa.
Capítulo 1
: :
Duque Desertado Desapontado!

19 de agosto de 1836
Câmara dos Lordes, Parlamento.

Ela o deixou há exatamente dois anos e sete meses atrás.


Malcolm Marcus Bevingstoke, Duque de Haven, olhou para as
pequenas rodas de calendário de madeira embutidas no mancha em
sua mesa em seu escritório privado acima da Câmara dos Lordes.
19 de agosto de 1836. O último dia da sessão parlamentar, cheio de
pompa e ociosidade. E memória persistente. Ele girou a roda com os
seis em relevo sobre ela. Cinco. Quatro. Ele respirou fundo.
“Saia.” Ele ouviu suas próprias palavras, frias e irritadas com a traição,
ecoando com uma ameaça silenciosa. “Nunca volte.”
Ele tocou novamente a roda. Agosto se tornou julho. Maio. Março.
Janeiro do século XIX, 1834. O dia em que ela saiu.
Seus dedos se moveram sem pensar, encontrando conforto no clique
familiar das rodas.
17 de Abril de 1833.
“O jeito que eu me sinto sobre você...” Suas palavras agora - suaves e cheias
de tentação. “Nunca senti nada assim.”
Ele também não tinha. Como se a luz, a respiração e a esperança
tivessem inundado a sala, preenchendo todos os espaços escuros.
Preenchendo os pulmões e o coração. E tudo por causa dela.
Até que ele descobriu a verdade. A verdade, que tanto importava até
que não importasse. Onde ela tinha ido?

O relógio no canto da sala marcou e disparou, contando os segundos


até que Haven estivesse em seu assento especial da Câmara dos Lordes,
onde homens de maior propósito e paixão haviam se sentado antes dele
por gerações. Seus dedos tocaram o pequeno calendário como um
virtuoso, como se tivessem feito esta dança cem vezes antes. Mil.

E eles tinham.

1 de Março, 1833. O dia em que se conheceram.

Então, eles simplesmente deixaram alguém se tornar um duque, assim? Sem


consideração. Provocante, charme, beleza pura e não adulterada.

Se você acha que os duques são ruins, imagine o que eles aceitam das duquesas?

Aquele sorriso. Como se ela nunca conhecesse outro homem. Como se


ela nunca quisesse. Ele tinha sido dela no momento em que ele viu esse
sorriso. Antes disso. Pensou, na verdade.

E então ele havia se desmoronado. Ele perdeu tudo, e depois a perdeu.


Ou talvez tenha sido o contrário. Ou talvez fosse isso mesmo.

Alguma vez houve um momento em que ele parou de pensar nela?


Alguma vez, um encontro que não o lembrou? Do tempo que se parece
como uma eternidade desde que ela partiu?

Onde ela tinha ido?

O relógio atingiu onze, carrilhões pesados que soam na sala, ecoados


por uma dúzia de outros pelo longo corredor de carvalho para além,
convocando homens de longa data para o dever que tinha sido deles
antes de respirar.

Haven girou as rodas do calendário com força, deixando-as enquanto


se deitavam. Novembro, trigésimo sétimo, 3842. Uma data boa, na qual
ele não tinha absolutamente nenhuma chance de pensar nela.
Ele se levantou, indo para o lugar onde suas túnicas vermelhas
pendiam - seu grosso e pesado fardo significava ecoar o peso da
responsabilidade que representavam. Ele balançou a roupa sobre os
ombros, o calor do veludo vermelho o esmagando quase que
imediatamente, encolhendo e sufocando. Tudo isso antes que ele
alcançasse sua peruca em pó, fazendo uma careta quando ele atirou em
sua cabeça, a crina chicoteando seu pescoço antes de ficar deitada e
incômoda, como uma punição por pecados passados.

Ignorando a sensação, o Duque de Haven abriu a porta de seu escritório


e atravessou os agora tranquilos corredores até a entrada da câmara
principal da Câmara dos Lordes. Ao entrar, ele inalou profundamente,
imediatamente se arrependendo. Era agosto e quente como o inferno
no salão do Parlamento, o ar impregnado com suor e perfume. As
janelas estavam abertas para permitir uma brisa no ambiente – apenas
uma agitação que só exacerbava o fedor, acrescentando o cheiro do
Tamisa ao já horrível cheiro dentro.

Em casa, o rio corria fresco e puro, não sujeito pela imundície de


Londres. Em casa, o ar estava limpo, prometendo o idílio do verão e
sugerindo mais. No por vir. Pelo menos, tinha sido assim. Até que um
pedaço da casa se afastou e ele ficou sozinho, sem ela. Agora, não era
senão terra. A casa exigia mais do que um rio e colinas. A casa precisava
dela. E então ele faria neste verão o que ele havia feito a cada momento
que ele estava fora de Londres nos últimos dois anos e sete meses,
exatamente. Ele a procuraria.

Ela não estava na França ou na Espanha, onde passara o verão antes,


perseguindo inglesas em busca de excitação. Ela não tinha sido
nenhuma das viúvas falsas que ele havia encontrado na Escócia, nem a
governanta na mansão imponente do País de Gales, nem a mulher que
ele havia rastreado em Constantinopla no mês seguinte à sua partida,
que tinha sido uma charlatã, fingindo em ser uma aristocrata. E então
tinha havido a mulher em Boston - o que ele tinha tido tanta certeza - o
que eles chamaram de a Pomba.
Não Sera. Nunca Sera. Ela desapareceu, como se ela nunca existisse.
Estava lá num momento, e no próximo, cheia de dinheiro suficiente
para desaparecer. E foi assim que ele percebeu o quanto ele a queria.
Mas seu dinheiro acabaria, eventualmente, e ela não teria mais escolha
do que parar de fugir. Ele, por outro lado, era um homem com poder,
privilégio e riqueza exorbitante, suficiente para encontrá-la no
momento em que ela parasse.
E ele a encontraria.
Ele deslizou para um dos bancos longos que cercavam o piso do
falatório, onde o Lord Chanceler já havia começado.
— Meus senhores, se não houver mais negócios formais, fecharemos a
temporada parlamentar deste ano.
Um coro de aprovação – punhos batendo nas costas do assento – ecoou
através da câmara.
Haven exalou e resistiu o impulso de arranhar sua peruca, sabendo que,
se ele cedesse ao desejo, ele ficaria consumado com seu mal-estar.
— Meus senhores! — O Lord Chancellor chamou. — Existe, de fato,
algum negócio formal adicional para a sessão atual?
Um coro entusiasmado de "Não!" Surgiu no quarto. Pensaríamos que a
Casa dos Lordes estava cheia de estudantes desesperados por uma
tarde no buraco local, em vez de quase duzentos aristocratas pomposos
ansiosos para chegar às suas amantes.
O Lord Chancellor sorriu, seu rosto corado e reluzente de suor sob sua
peruca enquanto ele espalhava suas mãos largas sobre a sua ampla
circunferência. — Bem então! É a vontade e o prazer reais de Sua
Majestade...
As enormes portas para a câmara se abriram, o som ecoando pelo salão
silencioso, competindo com a voz do chanceler. Cabeças viradas, mas
não Haven; Ele estava muito ansioso para deixar Londres e sua peruca
para se preocupar com o que estava acontecendo além.
O Lord Chancellor recolheu-se, limpou a garganta e disse: — ...que este
Parlamento seja prorrogado até quinta-feira, no dia 7 de outubro
próximo...
Uma coleção de harrelhos desaprovadores começou quando a porta se
fechou com um poderoso estrondo. Haven olhou então, seguindo os
olhos dos homens reunidos para a porta agora fechada para as câmaras.
Ele não conseguiu ver nada mal.
— Ahem! — disse o Senhor Chanceler, o som cheio de desaprovação,
antes de redobrar seu compromisso de fechar a sessão. Agradeça a
Deus por isso. — ...Quinta-feira, no dia 7 de outubro próximo...
— Antes de terminar, meu Lord Chanceler?
Haven endureceu.
As palavras eram fortes e, de alguma forma, suaves e vibrante e
belamente feminina, tão fora de lugar na Casa dos Lordes, fora dos
limites para o sexo mais justo. Certamente foi por isso que sua
respiração travou. Certamente foi por isso que seu coração começou a
bater. Por que de repente estava de pé em meio a um coro de indignação
masculina.
Não foi por causa da própria voz.
— Qual é o significado disso? — O chanceler trovejou.
Haven podia ver então, a causa da agitação. Uma mulher. Mais alta do
que qualquer mulher que ele conhecesse, com o mais bonito vestido de
lavanda que ele já havia visto, perfeitamente concluiu, como se ela
tivesse entrado na sessão parlamentar regularmente. Como se ela
mesma fosse o primeiro ministro. Como se ela fosse mais do que isso.
Como se ela fosse a realeza.
A única mulher que ele já amou. A única mulher que ele já odiava.
A mesma, e de alguma forma totalmente diferente.
E Haven, congelado no seu lugar.
— Eu confesso — ela disse, movendo-se pelo salão da câmara com
facilidade, como se estivesse no chá das senhoras, — eu temia que eu
perdesse completamente a sessão. Mas eu estou muito feliz por poder
me esgueirar antes que todos escapem para onde quer que seja que
vocês se arriscam... prazer. — Ela sorriu para um velho conde, que
corou sob o calor de seu olhar e se virou. — No entanto, me disseram
que o que eu procuro requer uma lei do Parlamento. E você é... como
você sabe... Parlamento.
Seu olhar encontrou o dele, seus olhos exatamente como ele se
lembrava, azul como o mar de verão, mas agora, de alguma forma,
diferente. Onde eles eram abertos e honestos, eles agora estavam
fechados. Privado.
Cristo. Ela estava aqui.
Aqui. Quase três anos procurando por ela, e aqui estava ela, como se
tivesse sido poucas horas. Surpreso lutou com uma raiva que ele não
poderia ter imaginado, mas essas duas emoções não eram nada
comparadas à terceira. O prazer imenso e insuportável.
Ela estava aqui.
Finalmente.
Novamente.
Era tudo o que ele podia fazer para não se mudar. Para pegá-la e levá-
la embora. Para mantê-la próxima. Ganhar de volta. Começar de novo.
Exceto que ela não parecia estar aqui para isso.
Ela o observou por um longo momento, seu olhar sem piscar, antes de
declarar: — Eu sou Seraphina Bevingstoke, Duquesa de Haven. E eu
preciso de um divórcio.
Capítulo 2
: :
Duquesa Desaparecida, Duque Devastado!

Janeiro de 1834
Dois anos, sete meses antes. Menos cinco dias.
Highley Manor

Se ela não tocasse, ela morreria.

Ela não deveria ter vindo. Tinha sido irresponsável além da conta. Ela
tomou essa decisão em um ataque de emoção insuportável,
desesperada por algum tipo de controle nisso, o tempo mais fora de
controle de sua vida.

Se ela não estivesse tão gelada, nunca mais ela riria da louca ideia de
que ela poderia ter algum controle sobre seu mundo.

Mas a única coisa que Seraphina Bevingstoke, Duquesa de Haven,


conseguiu fazer foi ficar confusa com essa sua decisão idiota de
contratar um carro de aluguel, pagar uma fortuna para trazê-la numa
longa e aterrorizante viagem através da chuva gelada de uma noite fria
de janeiro e aterrissar aqui, em Highley, a casa senhorial de que ela era
- pelo nome - senhora. O nome não lhe concedeu direitos, no entanto.
Não é para mulheres. E por direitos, ela não era mais que uma visitante.
Nem mesmo uma convidada. Ainda não. Possivelmente nunca.

O carro de aluguel desapareceu na chuva que ameaçava se tornar


pesada e úmida, e Sera olhou para a porta maciça, considerando a
próxima jogada. Era a escuridão dos servos da noite há muito tempo,
mas não tinha mais escolha do que despertar alguém. Ela não podia
ficar lá fora. Se o fizesse, ela morreria antes da manhã.
Uma onda de dor aterrorizante a atravessou. Ela colocou uma mão em
sua barriga. Se dobrando e esperando a dor parar. Se ela não tocasse,
eles estariam mortos.
A dor desapareceu, e ela respirou mais uma vez, levantando o
elaborado ferro forjado B afixado na porta. Deixando cair com um
baque, o som é um machado de carrasco, escuro e sinistro, chegando a
uma inundação de preocupação. E se ninguém respondesse? E se ela
tivesse vindo por todo esse caminho, contra um melhor julgamento, em
uma casa vazia?
As preocupações eram infundadas. Highley era a casa do Duque de
Haven, e estava em perfeito funcionamento. A porta se abriu, um jovem
de pé com olhos cansados, sua curiosidade dando lugar imediatamente
ao choque quando a dor aumentou a Sera mais uma vez.
Antes que ele pudesse falar, antes que ele pudesse afastá-la, Sera entrou
pela porta, com uma mão na barriga e o outro no portal.
— Haven... — O nome era tudo o que ela podia falar antes de se dobrar.
— Ele... — O menino parou. — Sua Graça, isto é - ele não está em casa.
Ela olhou de alguma forma, seus olhos encontrando o dele na luz fraca.
— Você me conhece?
Seu olhar piscou para sua barriga inchada.
Sua mão se espalhou por toda a protuberância lá. — O herdeiro.
Ele assentiu, e o alívio a inundou, numa lavagem de calor. Ela assentiu
com ele mesmo quando seus olhos jovens se arregalaram, atraídos para
o chão debaixo deles.
Não foi um alívio. Sangue.
— Ah ... — ele começou, o restante de suas palavras roubadas por
choque.
Sera balançou na entrada, alcançando-o, essa criança virtual que teve
tanta sorte na sua publicação naquela noite.
Ele pegou sua mão. — Ele está aqui, — ele sussurrou. — Ele está lá em
cima.
Ele estava lá. Forte o suficiente para dobrar o sol à vontade dele.
Isso pode ter sido gratidão se não fosse pela dor. Poderia ter sido
felicidade se não fosse pelo medo. E pode ter sido vida se não fosse pelo
que de repente ela soube que viria.
“Saia!” Ela ouviu as palavras. Viu seu olhar frio em seus olhos quando
ele a expulsou meses antes. E então, de alguma forma...
“Venha aqui.” Esse olhar novamente, mas desta vez pesado.
Desesperado. Quente como o sol. E então seus sussurros suaves e
bonitos em sua orelha. “Você foi feita para mim. Nós fomos feitos um para o
outro.”
A dor a devolveu ao presente, afiada e picada, marcando algo
terrivelmente errado. Como se o sangue que cobria as saias e o chão de
mármore não fossem suficientes como arauto. Ela gritou. Mais alto do
que ela teria adivinhado, como havia de repente outra pessoa lá; uma
mulher.
Eles falaram, mas Sera não conseguiu ouvir as palavras. Então a mulher
se foi, e Sera foi deixada na escuridão, com seus erros e o menino, o
querido e doce garoto, que se agarrava a ela. Ou ela nele. — Ela foi
buscá-lo.
Era muito tarde, é claro. De muitas maneiras.
Ela não deveria ter vindo.
Sera caiu de joelhos, ofegante pela dor. Tristeza acima de tudo. Ela
nunca conheceria seu filho. De cabelos escuros e sorridente, e
inteligente como seu pai. Solitário como ele, também.
Se ao menos pudesse viver, poderia amá-los o suficiente.
Mas ela deveria morrer aqui, neste lugar. Pátio do único homem que
ela já adorou. Sem nunca ter dito a ele. Ela se perguntou se ele se
importaria quando morresse, e a resposta aterrorizou-a mais do que
todo o resto, porque sabia, sem dúvida, que a seguiria para a vida após
a morte.

Ela apertou a mão do menino. — Diga-me seu nome.

— Sua Graça?

Ela apertou sua mão. — Sera, — ela sussurrou. Ela ia morrer, e queria
que alguém dissesse seu nome e não seu título. Algo real. Algo que
parecia pertencer a ela. — Meu nome é Seraphina.

O querido menino agarrou-se a ela. Assentiu. O nó em sua garganta tão


estreita balançava com os nervos. — Daniel, — disse ele. — O que devo
fazer?

— Meu filho, — ela sussurrou. — Ele.

O menino assentiu, de repente sábio além de seus anos. — Há algo que


você deseja?

— Mal, — disse ela, incapaz de manter a verdade à distância. Incapaz


de evitar que ela engolisse todo. Apenas mais uma vez. Apenas o tempo
suficiente para colocar tudo de volta aos direitos. — Eu desejo por
Malcolm.

O Duque de Haven abriu a porta para o quarto onde Sera estava


deitada, silenciosa, imóvel, e pálida, a força da porta de carvalho
batendo na parede surpreendendo aqueles dentro. Uma jovem criada
deu um pequeno grito de surpresa, e a governanta levantou os olhos de
onde ela segurava um pano na testa de Sera.

Mas o Duque não queria nada com as duas mulheres. Ele estava muito
focado no cirurgião ao lado de sua esposa.
— Ela vive, — grunhiu Haven, as palavras preenchidas de emoção que
ele não sabia que ele podia sentir. Mas então, ela sempre o fazia sentir.
Mesmo quando ele estava desesperado por não fazê-lo.

O cirurgião assentiu. — Por um fio, Vossa Graça. Provavelmente ela


morrerá antes do anoitecer.

As palavras o percorriam, frio e simples, como se o médico estivesse


discutindo o clima ou as notícias da manhã, e Malcolm acalmou, o peso
total de seu ataque ameaçando derrubá-lo. Não fazia nem uma hora,
quando ele tinha mantido sua filha perdida nas mãos, tão pequeno que
nem as enchia, tão preciosa que não podia suportar devolvê-la à
empregada que a trouxera para ele.

Em vez disso, ele enviou a serva para longe, e sentou-se em silêncio,


segurando o corpo quase sem peso de sua filha, lamentando sua morte.
E a sua vida. E todas as coisas que ela poderia ter sido.

Sabendo disso, apesar de sua riqueza e força e posição praticamente


ilimitadas, ele não conseguiu trazê-la de volta. E quando ele conseguiu
pensar além do sofrimento, ele encontrou consolo com fúria.

Ele não perderia os dois.

O olhar de Malcolm se estreitou no cirurgião. — Você entende mal. —


Ele pegou o médico, incapaz de parar-se. Levando-o pelas lapelas de
seu casaco, o duque choveu trovejando no homem mais velho, mais
pequeno e mais fraco. — Você me ouve? Ela vive. — O cirurgião
gaguejou, e a raiva inundou Malcolm. Ele apertou novamente o
médico. — Minha esposa vive.

— Eu ... eu não posso salvá-la se ela não vai ser salva.

Malcolm o soltou, não se importando que o cirurgião tenha tropeçado


quando ele bateu no chão. Ele já se dirigia para Sera, se ajoelhou ao lado
de sua cama, pegando sua mão na dele, odiando como ela estava fria,
apertando-a, desejando-lhe calor. Ele tomou um momento para olhar
para ela - ela tinha ido embora por tanto tempo, e antes disso, ele a tinha
odiado demais. E antes disso, ele estava muito desesperado para
perceber exatamente o que ele desejava dela.
Como foi que demorou até agora - até que ela estivesse pálida e imóvel
e ainda à beira da morte – para ele perceber o quão bonita ela era? Suas
maçãs do rosto altas e seus lábios cheios, e aqueles cílios pretos sujos
de fuligem, incrivelmente longos, onde eles se debruçavam sobre sua
pele de porcelana.
O que ele daria para que ela levantasse esses cílios? Para olhar para ele
com aqueles olhos que nunca deixaram de roubar sua respiração, azul
como o céu do verão. Ele os tomou, porém eles vieram cheios de
felicidade. Com tristeza. Com o ódio.
Ele já havia dado tanto. Então, ela. O que mais ele teve? Que magro
sacrifício ele poderia oferecer? Nenhum. E assim, nisso, ele tomaria sem
pagamento. Ele fechou os olhos e apertou os lábios nos dedos gelados,
mole e imóvel. — Você deve viver, Sera. Nem que eu tenha que puxá-
la de volta do próprio céu. Você deve viver.
— Sua Graça.
Ele acalmou as palavras, claras e sem emoção, faladas da porta para a
câmara. Ele não se virou para encarar a mulher que estava ali; ele não
conseguiu encontrar a paciência para isso.
As saias de sua mãe incharam quando ela se aproximou. — Haven.
Fúria passou por ele pelo uso do título aqui, neste momento. Sempre
um duque, nunca um homem. Com que frequência ela havia lembrado
o lugar dele? Do seu propósito? Dos sacrifícios que ela fez para garantir
isso para ele? Sacrifícios que a tornaram uma das mulheres mais
temidas na Grã-Bretanha. Um corte da duquesa de Haven poderia
arruinar uma garota antes de ter tido uma chance.
Não duquesa. Viúva.
Malcolm levantou-se, virando-se para encarar sua mãe, bloqueando
sua visão de Seraphina. De repente, vivamente, querendo-a fora dessa
sala. Longe de sua esposa.
Ele pegou a mulher mais velha e o cirurgião, empurrando para o
corredor além, enviando empregadas espalhando-se de suas cabeças
dobradas e sussurros silenciosos. Ele engoliu o desejo de descer depois
deles. Para enfrentar décadas de treinamento em título e posição.
— Você está sendo dramático, — disse ela. — O maior de todos os
pecados.
Seu coração começou a bater. — Meu filho está morto. Minha esposa
quase morta. — Seu olhar não se aqueceu. Ele não deveria ter ficado
surpreso com o fato, e ainda assim ele queria que ele se enfurecesse.
Mas os duques não se enfureceram. Em vez disso, ele mirou seu olhar
azul frio e disse — Seu neto está morto.
— Uma menina.
O calor o atravessou. — Uma filha.
— Não é um herdeiro, — ela apontou, com aprovação legal. — E agora,
se tiver sorte, você pode começar de novo.
O calor se tornou fogo, provocando distúrbios por ele. Agarrando a
garganta. Sufocando. — Se eu tiver sorte?
— Se a garota Talbot morre. O médico diz que, se ela viver, ela será
estéril, e então ela não deve mais ser útil. Você pode encontrar outra.
Produzir um herdeiro. Um com melhor pedigree.
Seu olhar se estreitou, as palavras difíceis de entender sobre o rugido
em seus ouvidos. — Ela é a Duquesa de Haven.
— O título não significa nada se ela não pode produzir o próximo
duque. É por isso que você se casou com ela, não é? Ela e sua mãe
colocaram uma armadilha. Pegar você. Mantendo você com a promessa
de um herdeiro. E agora ele se foi. Eu seria menos mãe se não te
desejasse livre de uma mulher tão barata.
Ele escolheu suas palavras cuidadosamente. — Neste momento, você
não poderia ser menos mãe. Você é uma cadela fria e sem coração. E eu
quero que você tenha partido dessa casa quando eu voltar.
Ela levantou uma sobrancelha elegante. — A emoção não tornar-se
você.
Ele deixou sua mãe então, porque ele não confiava em si mesmo para
não libertar cada onça de suas emoções impetuosas sobre ela. Ele
deixou sua mãe e foi enterrar sua filha no frio em janeiro, enquanto
rezava para que sua esposa vivesse.

Quando ela acordou, Sera estava sozinha, numa sala cheia de luz cega.
Seu corpo doía em todos os lugares – nos ossos, nos músculos e em
lugares que não podia nomear. No lugar tão lindamente cheio de algo
mais que esperança, e agora estava tão devastadoramente vazio.
Ela moveu a mão no colchão, seus dedos rastreando a lã suavemente
trabalhada e intocada, linho imaculado no estômago, macio, inchado e
vazio. Uma lágrima derramou, correndo pelo seu templo, deixando
uma trilha de solidão enquanto escorria para dentro de seus cabelos e
desapareceu. Imaginou que carregava o último fragmento de sua
felicidade.
Além da janela, um brilhante céu azul brilhava, nublado por nada além
dos pesados painéis de vidros. Um ramo de árvore nu na distância
parecia mal formado, grandes manchas negras sobre ele.
Não há má-formação. Corvos.
Um para a tristeza. Dois por alegria.
Sua respiração enrolada em sua garganta.
— As lágrimas não vão trazer de volta.
Sera virou-se para a voz, temendo o que ela acharia. Não era seu
marido, mas sua sogra, que parecia praticar a habitação de salas em que
não era bem-vinda. Na verdade, a dupla da Havaí era regularmente
presente no pior dos quartos. Os que destruíram sonhos. A mulher era
um tomador de tristeza. Mesmo que Sera não soubesse em sua alma
que a criança tinha desaparecido, a presença da viúva provou isso.
Sera desviou o olhar para a janela, para o céu além, brilhante e cheio de
promessas roubadas. Para os corvos.
Três para um casamento. Quatro para um nascimento.
Ela não falou. Ela não conseguiu encontrar as palavras, e mesmo que
pudesse, não estava interessada em compartilhá-las com a outra
mulher.
A viúva encontrou palavras suficientes para ambos, no entanto,
aproximando-se, falando como se fosse o clima. — Você pode não
gostar de mim, Seraphina, mas você faria bem em ouvir.
Sera não se moveu.
— Nós não somos tão diferentes, você e eu, — disse a mulher mais
velha. — Nós duas cometemos um erro prendendo um homem em
casamento. A diferença é que meu filho sobreviveu. — Ela pausou, e
Sera desejou que ela deixasse a sala, de repente esgotada pela presença
da viúva. — Se ele não tivesse, eu teria corrido.
Correndo era um pensamento glorioso.
Ela poderia ultrapassar? A tristeza? A dor? Ela poderia ultrapassá-lo?
— Não houve amor perdido em nosso casamento. Assim como não há
nenhum perdido no seu.
Ela estava errada, é claro. O casamento de Sera foi todo amor perdido.
E agora, enquanto ela estava deitada sozinha nesta cama cegamente
branca, na sala cegamente branca, na casa opressivamente assustadora,
ela sabia que seu casamento nunca mais seria amor recuperado.
Porque nunca mais haveria amor de novo. Não é para Malcolm. Não
para o filho deles. Não para si mesma. Ela estava sozinha nesta sala e
nesta vida.
Se ao menos pudesse correr. Mas ele roubou sua liberdade tão bem
quanto ele roubou seu coração. E a felicidade dela. E seu futuro.
— Você é estéril.
Sera não sentiu nada nas palavras, que não tinham sentido no
momento. Ela não se importou com a notícia de futuro, crianças de
fantasia, apenas para a criança que ela havia perdido. A criança que
perderam.

— Ele vai precisar de um herdeiro.

Ele não queria um. Ele não deixou claro?

Sua mãe nem sabia, nem se importava. — Você não pode dar a ele.
Alguém mais pode.

Sera desviou o olhar.

— Se você desejasse, eu poderia ajudá-la.

Ela olhou para sua sogra, em olhos azul cinza frio como a alma da
mulher. Sera não fingiu entender mal. Ela sabia que seu
desaparecimento era tudo o que essa mulher odiosa sempre quis. A
viúva havia detestado Sera desde o início – odiou as circunstâncias de
seu nascimento, o pai dela, um plebeu que tinha comprado seu
caminho para a aristocracia e sua mãe, disposta a fazer qualquer coisa
para escalar, que tinha arrancado seu caminho, cantando a todos os que
ouviria que sua filha mais velho havia capturado um duque.

Claro, Sera acreditou que ela o tinha capturado. Acreditou nele.


Desejou isso além da medida.

Mas essa mulher – essa mulher fria e envelhecida – tinha se assegurado


de que nunca seria. Apesar da promessa de uma criança. Por causa
disso.

Até esse momento, Sera tinha planejado ficar. Para ganhar o perdão do
marido. Para desafiar a fúria da viúva. Mas isso foi antes. Foi quando
pensou que eles poderiam ser um dia uma família.

Quando ainda tinha sonhos de felicidade.

Agora, ela sabia melhor.


As grossas saias rufiam enquanto a outra mulher se aproximava. —
Você poderia fugir. Comece de novo. Deixe-o fazer o mesmo.
Foi uma loucura. E ainda assim, ela não conseguiu se impedir de dizer:
— E o nosso casamento?
Um músculo se contraiu na borda dos lábios da viúva. Ela sentiu
triunfo. — O dinheiro compra tudo. Incluindo anulação.
Sera olhou para os corvos lá fora. Cinco para prata. Seis por ouro.
A viúva continuou. — A ausência de crianças aliviará o caminho.
As palavras eram uma tortura fria e silenciosa.
A ausência de seu filho nunca seria fácil.
— Nomeie seu preço, — a viúva sussurrou.
Sera ficou em silêncio, observando a porta atrás da mulher mais velha,
desejando que ela se abrisse e seu marido voltasse, cheio com a tristeza
dolorida que a consumia. Desesperados por chorar seu filho. Seu
passado. Seu futuro.
Com vontade de perdoá-la.
Disposto a pedir perdão.
A porta de mogno permaneceu firmemente fechada.
Ele não queria, e então, por que deveria? Por que não deveria fechar
uma porta? Por que ela não deveria escolher um novo caminho?
Quanto pra fazer? Quanto para um futuro? Quanto para correr?
Quanto para uma vida, sozinha, pálida em comparação com a
prometida?
Um futuro sozinho, mas dela.
Ela sussurrou o número exorbitante. Dava para partir. Nunca o
suficiente para esquecer.
Sete para um segredo para nunca ser informado.
Capítulo 3
: :
Duquesa Difícil Exige Divórcio!

19 de agosto de 1836
Câmara dos Lordes, Parlamento.

Ele estava tão bonito quanto ele havia sido. Ela não sabia por que ela
esperava que ele estivesse de outra forma: havia se passado três anos,
e não trinta, mas ela tinha esperado. Ou talvez não esperado, mas
esperava. Ela criou um sonho, pequeno e secreto, de que ele seria
menos perfeito. Menos bonito. Menos, parada completa.
Mas ele não estava menos. Em todo caso, ele estava mais.
Seu rosto mais anguloso, seu olhar mais consumidor, ele era ainda mais
alto do que lembrou. E tão bonito, mesmo quando ele se aproximou
dela, vestido com velhas togas parlamentares e a peruca em pó inata
que deveria ter feito dele parecer uma criança brincando com um
vestido elegante e, em vez disso, fez com que ele parecesse como um
homem com um propósito.
Ou seja, removê-la do chão da Câmara dos Lordes.
Ele separou os membros do Parlamento como um martelo de veludo
vermelho, encorajados pelas barrigas e zombarias desses aristocratas
reunidos, cujo desdém ela sabia muito bem de sua vida anterior.
Homens que poderiam arruinar uma mulher em um batimento
cardíaco. Destruir uma família e um futuro. E fazer tudo sem pensar
duas vezes.
Ela odiava todos, e a ele mais ainda.
Mas não por muito tempo.
Ela planejava colocar a aversão atrás dela agora que ela voltou, pronta
para esquecê-lo. Imaginou esse momento há meses, já que, antes de
retornar à Grã-Bretanha, todo o plano pretendia afrontá-lo até o ponto
de concordar com a dissolução do casamento. Pois, se houvesse algo
que Haven detestasse mais no mundo, era ser feito de tolo.

Isso não foi seu desaparecimento no início?

Ele se aproximou, a enorme câmara caindo junto com os anos. Ela


estava assombrada pelos olhos dele. De alguma forma não marrom,
não verde, não dourado, não cinza, e de alguma forma todos eles ao
mesmo tempo. Fascinante e cheio de segredos. O tipo de olhos que
podem roubar a inteligência de uma mulher se ela não fosse cuidadosa.
Mas, Sera teve cuidado, agora.

Cuidadosa e inteligente. Ela resistiu ao desejo de afastar-se dele,


simultaneamente com medo do que poderia acontecer se ele a tocasse,
e determinou-se nunca mais se intimidar. Nunca mais fugir dele
novamente. Ela não era mais a mesma mulher que ela tinha sido
quando ela partiu. Ela voltou com uma única promessa para si mesma;
Quando ela o deixasse desta vez, ela faria isso com orgulho. Com
propósito. Com um futuro.

Ela tinha planos. E esses homens não os interromperiam.

E foi assim que o mais poderoso de Londres, reunido para o último dia
da sessão parlamentar, testemunhou Seraphina, o sorriso vencedor da
Duquesa de Haven enquanto enfrentava o duque do mesmo nome pela
primeira vez em dois anos e sete meses. Exatamente. — Marido.

Outra mulher talvez não tenha percebido o estreitamento ligeiro de


seus olhos, o pouco de seu nariz, o aperto quase imperceptível de seu
maxilar quadrado. Mas Sera já passara a melhor parte de um ano
fascinada pela forma como esse orgulhoso e imperturbável homem se
revelava no infinitesimal. Ele estava com raiva. Boa.
— Então você se lembra de mim. — As palavras eram silenciosas e
afiadas. Claro que ela se lembrava. Não importava o quão bem ela
tentasse, ela parecia incapaz de esquecer.
E ela tentou.
Ela levantou o queixo, agudamente consciente de sua audiência, e
colocou a flecha. — Não se preocupe, querido. Eu prevejo que não
precisamos nos lembrar um do outro por muito tempo.
— Você está fazendo um espetáculo de você mesma.
Ela permitiu que o sorriso dele se alargasse. — Você diz isso como se
fosse uma coisa ruim.
Uma sobrancelha rosa, levantada como sempre. — Você está fazendo
um espetáculo de mim.
Ela não vacilou. — Você diz isso como se você não merecesse isso.
Ela não esperava que ele a alcançasse, ou ela teria se preparado para o
que veio quando seus dedos se enrolaram em torno de seu cotovelo,
firme e quente e, de alguma forma, inesperadamente gentil. Teria se
esforçado para o assalto de memórias há muito tempo.
“Nunca senti nada assim.”
Ela resistiu à memória e deslizou o braço de seu aperto com uma força
graciosa que ele sentiria e ninguém observando nunca notaria. O duque
não teve escolha senão deixá-la ir, mesmo quando baixou a voz e falou,
as palavras mal lá. — Quem é você?
Foi sua testa que se levantou desta vez. — Você não me reconhece?
— Não nesta encarnação.
Encarnação. Não era a palavra errada, pois tinha sido reencarnada. Foi
o que aconteceu com aqueles que morreram e voltaram. Sentia-se como
a morte, assim como nesta manhã, neste lugar, em todo o seu calor e
ranço piorado pela assembleia de masculinidade pomposa, sentiu de
alguma forma, notavelmente, como se tivesse revivido uma vez mais.
— Eu não poderia provar a minha liberdade então.
Seus lábios achatados. Antes que ele pudesse responder, um homem
gritou da assembleia além. — Ei! Haven! A garota não é permitida no
salão!
Sera virou-se para o homem. — Meu Senhor Conde, eu creio que você
quisesse se dirigir a mim como Duquesa.
Os homens reunidos ralhavam e resmungavam quando o conde em
questão que agora aparenta as orelhas escarlates, falou para Haven. —
Controle sua fêmea.
Sera voltou sua atenção para o marido, mas não baixou a voz. — É
impressionante que ele acredite que você é capaz de fazer tal coisa.
Os olhos do marido se estreitaram e o coração de Sera começou a bater.
Ela reconheceu o olhar. Um animal, desafiado.
Deixe ele vir por ela. Ela também tinha dentes.
— Meu escritório. Agora.
— E se eu recusar? — Ela viu ele perceber seu poder. Quantas outras
esposas podem ficar aqui, diante de Deus e do marido e da Câmara dos
Lordes, e dominam sem medo de repercussões?
Esse era o segredo, é claro. Se alguém não temesse a ruína, não se podia
ameaçar. Como Sera viu a ruína em todas as suas formas, enfrentou-a
e sobreviveu, ela não temia, e então ele não podia prejudicá-la. Ela tinha
saído de Londres por quase três anos, sua reputação se esfarrapou
muito antes de colocar o pé na carruagem que a levara para longe da
propriedade de Haven naquele longo dia frio. Era notável, o poder que
se adquiria quando não havia nada a perder.
Pelo menos, quando se pensava que não haveria nada a perder.
E então, ela estava diante da assembleia mais poderosa da Grã-
Bretanha, frente-a-frente com seu marido, que sempre a tinha
dominado. Sobre seu coração, e sua mão, e seu corpo, e sua identidade.
Igual ao final. E esperou que ele fizesse sua jogada.
Ela não esperava que ele sorrisse. — Você não deve recusar.
— Por que não? — Ela perguntou, incômoda queimando, embora ela
fosse condenada se ela o mostrasse.
— Porque se você quiser um divórcio, você precisará da minha ajuda
para obtê-lo.
Seu coração começou a bater. Ele iria dar a ela? O divórcio? A
liberdade? Poderia ser tão simples? A emoção se acendeu. E triunfar. E
algo mais, algo sobre o qual ela não queria pensar. Em vez disso, ela
acenou com um braço em um florescimento exagerado. — Por todos os
meios, Sua Graça. Dirija o caminho.
Eles deixaram o salão principal da Câmara dos Lordes para uma
cacofonia de desgosto e julgamento. No corredor tranquilo, Haven
chegou até com ela e disse, suavemente: — Valeu a pena o
constrangimento? Essa cena?
— Você me julga mal se você acredita que tenho vergonha pelas
opiniões desses homens, — ela respondeu. — Eu os sofri antes e vou
sofrer novamente.
— E uma e outra vez, se você conseguir o que deseja.
Ele quis dizer o divórcio. Que ela nunca mais receberia aprovação
social. Ele não podia ver que não se importava. — Você quer dizer,
quando eu conseguir.
Ele parou em uma porta maciça, projetada para aparecer e
impressionar, e abriu, revelando o pacote extravagante além disso, um
reservado para o punhado de duques que optaram por manter espaço
na Casa dos Lordes. A sala era expansiva e esmagadora, mogno e couro
e dourado, cada superfície inscrita com privilégio e poder.
Ela entrou, incapaz de evitar roça-lo ao passar por ele, odiando o jeito
que o toque que mal se agitava através dela. E isso foi antes que as
memórias vieram. Pois, ela já esteve aqui antes. Escondida, camuflada
e misteriosa, para vê-lo. Para surpreendê-lo. Assim como ela o
surpreendeu hoje.
Não. Naquele dia não era nada como hoje. Tinha sido o oposto de hoje.
Naquele dia, ela veio por amor.
Ela ignorou o pensamento e girou para encará-lo, desconfortável
quando a porta se fechou, a risada tranquila como um tiro. Ele puxou a
peruca de sua cabeça, jogando-a em uma cadeira próxima com o
suficiente desrespeito para trair sua calma externa. Ele trabalhou no
aperto das túnicas pesadas, e ela se viu incapaz de desviar o olhar da
mão grande e segura, bronzeada e com graça e força. Quando sua tarefa
estava completa, ele tirou a roupa de seus ombros, a onda do tecido
escarlate profundo distraindo-a, puxando seu olhar para cima dele,
onde uma sobrancelha escura arqueava em um conhecimento
inquietante.
Quando as vestes caíram junto à porta, ele entrou mais na sala. — Onde
você esteve?
Ela se mudou para a enorme janela que dava vista para o leste, para
onde a cúpula de São Paulo brilhava ao longe. Cruzando os braços
sobre o peito com indiferença afetada, ela respondeu — Isso importa?
— Enquanto você fugia de mim, e metade de Londres acredita que eu
sou culpado de algum tipo de argumento nefasto, sim. É importante.
— Eles acham que eu estou morta?
— Eles não dizem isso, mas eu imagino que sim. Suas irmãs não
ajudam, olhando-me furtivamente quando cruzamos caminhos.
Ela inalou bruscamente, odiando a maneira como seu peito apertou a
referência a suas quatro irmãs mais novas. Mais amores perdidos. — E
a outra metade de Londres? O que eles pensam?
— Provavelmente o mesmo, mas eles não me culpam por isso.
— Eles pensam que eu merecia isso. Claro. — Ele não respondeu, mas
ela ouviu o motivo, no entanto. Ela mereceu por atrapalhar o pobre, o
duque elegível ao casamento, e nem ter a decência de dar-lhe um
herdeiro. Ignorando o sofrimento da injustiça que veio com o
pensamento, ela disse — E aqui estou eu, muito viva. Imagino que isso
impele as línguas.

— Onde você foi? — A pergunta era suave e, se ela não soubesse


melhor, Sera teria pensado que estava cheia de algo além da frustração.

Sua atenção caiu sobre uma fileira de corvos pretos empoleirados no


telhado da ala oposta do prédio, cintilando no calor de agosto. Ela
tomou um momento, contando-os antes de responder. Sete. — Longe.

— E essa é a resposta que vou receber? Eu... — A resposta foi cortada e


irritada, mas a hesitação foi aquilo que chamou a atenção dela.

Ela virou. — Você?

Por um momento, ele pareceu que ia dizer algo mais. Em vez disso, ele
balançou a cabeça. — Então. Você está de volta.

— Sempre problemática, não sou? — Ele se inclinou contra a sua grande


mesa de carvalho em mangas de camisa, colete e calças, longas e
musculosas pernas cruzadas nos tornozelos, um copo de cristal
pendurado nos dedos, como se ele não tivesse um cuidado no mundo.
Ela ignorou a forma como seu peito apertou o retrato que ele criou e
ergueu uma sobrancelha. — Você não oferece a sua esposa uma bebida?

Sua cabeça inclinada ligeiramente, a única evidência de sua surpresa


antes que ele se esticasse e se mudasse para uma mesa próxima
adornada com um decantador1 e três copos de cristal. Ela observou
enquanto ele serviu os dois dedos de líquido âmbar – ele se moveu da
mesma forma que ele sempre fazia, todos os privilégios e graça,
levantando o copo e entregando-o com um braço estendido.

Ela tomou um gole, e ficaram em silêncio pelo que parecia uma


eternidade, até que ela não aguentou mais. — Você deveria estar feliz
com o meu retorno.

— Eu deveria?

1 . Decantador - Recipiente que serve para decantar líquidos (ex.: decantador de vinho, de conhaque etc.)
Ela teria dado tudo o que ela tinha para saber o que ele estava
pensando. — O divórcio lhe dará tudo o que você sempre quis.
Ele bebeu. — Como você já adivinhou que eu desejava ser encurralado
nos jornais de Londres?
— Você se casou com uma irmã Talbot, Sua Graça. — Cinco meninas,
consideradas infames pelos tabloides de fofocas de Londres, que as
haviam nomeado “As Cinderelas Borralheiras” – ou “As Irmãs Perigosas”
– filhas do Conde de Wight, que era minerador de carvão perito em
encontrar lojas valiosas de combustível - habilidade suficiente para ter
comprado um título. Condado ou não, o resto da aristocracia não
poderia estender a família, odiando-os por sua notável habilidade de
escalar, rotulando-as de “celebridades” por causa das celebridades. A
ironia, é claro, era que seu pai havia trabalhado por seu dinheiro, não
nascido em prestígio.
Quão atrasado era o mundo.
— Meu destino, então, uma filha perigosa.
Sera reteve o encolhimento pelo uso do apelido – aquele herdado por
todas as irmãs Talbot.
“Você me aprisionou.”
“Eu fiz.”
“Saia.”
— Não é apenas uma qualquer, — disse ela, recusando-se a se encolher.
— A mais perigosa.
Ele a observou por um momento, como se ele pudesse ver seus
pensamentos. Ela resistiu ao desejo de se mexer. — Se você não quer
me dizer para onde você foi, então talvez você me diga por que você
voltou?
Ela bebeu, considerando a mentira que ela teria que contar. — Eu não
fui clara?
— Você acha que o divórcio é tão facilmente obtido?
— Eu sei que não é, mas você preferiria... isso?
Ele não desviou o olhar, seu olhar tão perturbador, parecendo ver tanto,
mesmo que escondeu tudo. — Nós não seríamos os primeiros a sofrer
um casamento sem amor.
Eles nem sempre foram tão sem amor.
— Já sofri o suficiente. — Ela abriu as mãos. — E, ao contrário do resto
da aristocracia, não tenho motivos para não acabar com nossa infeliz
união. Não tenho nada a perder.
Ele olhou para ela com um olhar. — Todo mundo tem algo a perder.
Ela combinou com um dos seus. — Você esquece, marido. Eu já perdi
tudo.
Ele desviou o olhar. — Eu não me esqueço. — Ele bebeu, e ela observou
os músculos em sua mão apertar e esticar contra o copo, uma pequena,
secreta e trancada parte dela imaginando.
Essa parte poderia permanecer bloqueada. Ela não se importava com o
que ele lembrasse.
Ela se preocupava apenas com o fato dele ser um homem muito
poderoso, com recursos notáveis, e que a dissolução de seu casamento
era essencial para a vida que ela havia escolhido. Aquela que ela tinha
construído em cima das cinzas da vida que ela tinha deixado. — Deixe-
me estar completamente clara, Haven, — disse ela, forçando a
formalidade. — Esta é a nossa única chance de nos livrarmos um do
outro. Para que possamos nos livrarmos do nosso passado. — Ela fez
uma pausa. — Ou você teve outro plano para exorcizar os demônios do
nosso casamento?
Ele exalou, dirigindo-se a mesa, como se tivesse terminado com a
conversa.
Ela o observou, considerando sua ação. Imaginando o que ele estava
pensando. — Você fez?
— Eu fiz, de fato.

Surpresa queimada. Havia apenas três maneiras de dissolver um


casamento. A dela e as outras — A anulação não é possível, — disse ela,
odiando o fio de tristeza que ameaçava as palavras. Na ideia de que ele
poderia ter empurrado para isso. Houve uma... Havia uma criança.

Ele conheceu seu olhar então. — Não anulação.

— Então você estava pensando em me declarar morta. — Ocorreu a ela,


é claro. À noite, pensou na possibilidade dele desejar um herdeiro. Para
que ele tenha mudado de ideia. Para que ele tenha decidido por outra
mulher e desejado formar outra família.

Havia apenas uma maneira de limpar o caminho para um novo


herdeiro. Com exceção do fato de que ela não estava morta. E uma outra
questão menor.

— Quatro anos depois? A lei exigia que sete anos se passassem antes
que uma pessoa pudesse ser declarada morta. — Ele desviou o olhar.

— Ah. Mas você tem os fundos e o poder de contornar uma pequena


coisa como a passagem do tempo, não é, Duque?

Seu olhar se estreitou. — Você diz isso como se você não pretendesse
usar esses mesmos fundos para convencer o Parlamento de nos
conceder um divórcio – algo tão exorbitantemente caro que houve, o
que, duzentos e cinquenta autorizado? Sempre? Na história?

— Trezentos e quatorze, — respondeu Sera. — E, pelo menos, no final


do meu plano, ambos estamos vivos. Eu deveria morrer em breve?
Tenho sorte de chegar antes do recesso de verão e não depois? Quando
o Parlamento retorna do idílio de verão, descansados e prontos para
desaparecer uma duquesa e abrir espaço para outra?

— Não importa mais, não é? — Ele disse, as palavras calmas o suficiente


para tentá-la a raiva.
Não deveria ter. Ela tinha um objetivo. The Singing Sparrow2, sua
taberna. E com isso fundos, liberdade e futuro. Nenhum dos quais era
dela até que ele cortasse as rédeas.
— Então, diga-me Sera. Qual é o motivo da dissolução da nossa única
união lendária? Existem argumentos limitados para o divórcio. Então,
qual é o nosso? Você deve dizer aos meus colegas que eu era
intoleravelmente cruel? Declarar a todos em Londres que eu sou um
lunático? Talvez você tenha sido forçada a se casar comigo? Não, — ele
zombou. — Todo mundo sabe que você veio de bom grado.
Tropeçando bastante pelo corredor para se enroscar comigo.
— Que garota tola eu era, — ela retrucou. — Isso foi antes de eu
conhecer a verdade.
Seu olhar se estreitou. — E o que é a verdade?
Que você nunca me quis. Que você se importou mais pelo seu título do que pelo
seu futuro. Que nunca seríamos mais do que um momento passageiro e fugaz.
Que você não se importou quando nossa família se tornou uma impossibilidade.
— Não importa.
— Eu nunca menti, — disse ele.
Foi um eco de anos antes. Você mentiu. Ela ainda podia ouvir as
palavras, como se ele tivesse dito ontem em vez de três anos atrás,
quando ele se recusou a ouvi-la. Quando ele se recusou a acreditar.
Porque ela não mentiu. Não quando era importante. Ela ergueu o
queixo, desafiador e defensivo. — Nisto, marido, você esquece.
Ele colocou o copo em sua mesa com um baque sinistro, pontuando seu
movimento quando ele veio até ela, um músculo torcendo em sua
bochecha a única indicação de sua irritação.
Sera desejava manter sua respiração firme, seu coração calmo. Ela tinha
a intenção de enfurecê-lo. Ela desejava colocá-lo no limite. Para fazê-lo
desejar que ela fosse embora. Para lhe dar o que ela queria. Para libertá-
2 The Singing Sparrow - O Pardal Cantante
la. Ela planejou vir aqui, com intenção de irritá-lo. Para deixá-lo para o
verão com o mais amargo rancor.
Ela simplesmente não esperava estar tão presa pela memória dele.
— Não me esqueço, Seraphina. Nenhum momento disso. E você
também não. — Ele se aproximou, e ela não conseguiu dar o passo que
ela levou para trás, em direção ao peitoril da janela, com vista para
Londres, a cidade que se curvou com ele como antes. Ela respirou
fundo, recusando-se a deixá-lo intimidá-la.
E ele não intimidou. Ele fez algo muito pior.
Ele a alcançou, seus dedos jogando suavemente pela linha do pescoço,
mal lá, um sussurro que ela deveria ter podido ignorar. — Você acha
que eu não lembro de você bem o suficiente para vê-la? Você acha que
não vi as memórias te assaltar quando você atravessou essa porta?
Nessa sala? Você acha que eu não me lembro dessas memórias? A
última vez que você esteve aqui? Nesta sala?
Ela engoliu em seco, não gostando da maneira como ele fechou sobre
ela. — Não me lembro de estar aqui.
— Pode mentir para o resto do mundo, Sera, — ele disse, seus dedos
provocando seus ombros. Ela não se afastava. Não permitiria que ele
ganhasse. — Mentir para mim, mesmo. Sobre seu passado e seus planos
para o futuro. Sobre onde você esteve e onde você planeja ir. Mas nunca
imagine que eu não conheço a verdade de suas memórias.
Seu toque se inverteu, voltando ao pescoço, desta vez comprando,
dedos curvos e seguros, seu polegar acariciando forte e familiar em sua
mandíbula, inclinando o rosto para o dele.
Marcando-a com o passado.
Com suas palavras, suave como seda. — Nunca mais, pense que eu não
sei que você me viu remover essas suas roupas pensando o tempo todo
na espessura delas. Da suavidade delas contra sua pele. Do jeito que
você já esteve nua neste mesmo lugar. Do jeito que eu deitei aqui com
você.
Ele estava tão perto agora, perto o suficiente para sentir seu cheiro –
couro e terra, como se ele tivesse vindo dos campos em vez das Casas
do Parlamento – intoxicando-a com sua proximidade mesmo enquanto
suas palavras picavam.

Mesmo quando disse a si mesma, que ela não se importava.

— Eu lembro, Sera. Lembro-me do seu gosto, como a luz do sol e a paz.


Lembro-me da sensação de ter você, calor e seda. Lembro-me da
maneira que você ofegou, roubando minha respiração por você.
Roubando-me. Quando você se ofereceu como um prêmio. Fazendo-
me acreditar em você. Em nós. Antes de eu cair e você triunfar.

A insinuação que ela arruinou e o que eles poderiam ter tido não
deveria ter surpreendido ela, e ainda assim, movendo-a para encontrar
suas palavras e golpear seu próprio golpe. — Nunca foi triunfo. Foi o
pior erro da minha vida.

Seu objetivo era verdadeiro. Ele a soltou. Graças aos céus. — Você
recebeu seu título, não foi? E suas irmãs, a compra que elas exigiram
para escalar os muros da aristocracia. E sua mãe, a voz para curtir seu
triunfo ao mundo. Sua filha mais velha aprisionou um duque.

Só porque nunca quis nada no mundo, como eu quis você.

Ela sacudiu a cabeça, odiando-o por estar tão perto. Odiando por
querer ele, mesmo que não quisesse nada com ele. — Eu não quero mais
isso.

Ele se aproximou, seus olhos trancados sobre ela, forçando-a a inclinar


a cabeça para trás para continuar sendo igual. — Você deveria ter
considerado isso antes de pegá-lo. — Mais perto ainda, até que ela
pudesse sentir o calor suave de sua respiração em sua pele. Em seus
lábios. — Você acha que você não arruinou este lugar para mim? Este
lugar é para homens de propósito? Para a história? Para pedido? Você
acha que eu não estou em constante lembrete de você? Do futuro que
possamos ter?
Era uma mentira, é claro. Ele não pensou em seu futuro. Se ele pensasse
nela, pensava com raiva e nada mais. Mas até agora ele brincava com
ela, procurando por emoção. Ela sempre foi seu brinquedo. Nunca foi
igual. Ela balançou a cabeça, recusando-se a ser influenciada por ele.
Recusando ser dissuadida de seu objetivo.
— Basta, — disse ela. — É passado antigo.
Ele deu um pouco de risada com isso, sem humor. — O passado é um
prólogo, Angel. Penso nisso todos os dias.
Os lábios de Sera se separaram de um suspiro silencioso. Ele estava
perto o suficiente para beijá-la, e de repente ela também se lembrava. A
sensação dele. O gosto dele. Do jeito que ele a fez doer com vontade.
Exceto que ela não era mais essa garota tola e estúpida. Ela colocou as
palmas das mãos contra seu peito, os nervos fortes e musculosos sob
sua camisa se acentuando no movimento, ondulando enquanto os
seguia até seus ombros, seus dedos provocando a pele quente do
pescoço, tentando ele.
Ele recuou um pouco, quase imperceptível. Detectado, no entanto. Sera
sentiu vitória. Seu próprio sussurro ecoou na sala. — Sua memória
falha, se você acha que eu tenho causado tal estrago sozinha, marido.
Havia dois de nós com essas roupas. Dois de nós em Highley no dia em
que eu o prendi. Dois de nós, em Londres, no dia em que implorei que
você me soltasse – o dia em que você jurou que você teria sua vingança
pelos meus pecados, recusando-me o único que eu sempre quis. — Ela
estava orgulhosa do aço em suas palavras. De como ela podia falar sem
que sua voz se quebrasse. Sem invocar a lembrança da criança que ela
havia perdido e a esperança que ela havia perdido no mesmo instante.
Orgulhosa o suficiente para manter seu propósito e levar seu ponto
para casa. — Mas talvez você não se lembre dos detalhes, bem como
você pensa. Certamente, é difícil lembrar-se de todos os tempos
comigo, quando tem tido tantas outras mulheres desde então.
Ela revelou em sua resposta, a maneira como a cabeça se aproximou,
seus olhos – esses olhos bonitos e misteriosos – encontrando os dela.
Ele a observou, sua raiva clara, e ela esperou pelo próximo passo.
Atingiu isso, mesmo quando se odiava por fazê-lo. Sempre foi assim.
Intenso e uniformemente combinado. Tentando além da medida,
mesmo quando doía.

— E assim chegamos a isso. Adultério. — Ele esfregou uma mão ao


longo de seu pescoço quando ele desviou o olhar, dando uma risada
suave. — Infelizmente, isso é Londres em 1836, e, embora você possa se
considerar uma verdadeira Boadicea3, esposa, a lei não. Minhas ações
além de nosso quarto não são fundamentos para o divórcio. Você deve
continuar procurando.

Ela pegou uma mancha invisível na manga, afetando o tédio. — Nunca


tenha medo, Duque. Há sempre impotência.

Seus lábios se abaixaram em uma linha fina e reta quando Sera passou
por ele, em direção à porta da câmara, seu coração batendo contra sua
proximidade, de memória e pânico e outra coisa que ela não quisesse
citar. Ela soltou a respiração que ela estava segurando em uma longa e
lenta exalação quando ela alcançou o punho da porta.

Ela voltou para descobrir que agora olhava pela janela, atravessava os
telhados de Londres, a luz solar dourada e líquida brilhando ao redor
dele como um halo, marcando os ombros largos, a coluna lisa, os braços
fortes e os quadris estreitos. Ela se odiava por notar cada parte disso.
Por lembrar da sensação disso. O calor dele.

— Malcolm, — ela disse, a alça já se virou para ela. Ele se acalmou pelo
uso de seu nome, mas não olhou para ela, nem mesmo quando ela disse,
orgulhosa e clara — Eu sinto que devo ressaltar que, enquanto as
infidelidades de um marido não podem ser motivo de divórcio, a da
esposa é uma coisa completamente diferente.

E com sua fala final, a duquesa de Haven deixou o Parlamento, um


escândalo em seu rastro.

3Boadicea foi a rainha dos Iceni, uma tribo celta que liderou uma enorme revolta contra as forças de ocupação do Império
Romano na Grã-Bretanha, nos anos 60 d.C. durante o reinado do imperador Nero.
Escândalo e um marido tão irado, ela imaginou que seu divórcio viria
rápido e sem hesitação.

Capítulo 4
: :
Muito bem, Serafina!
O Duque Doe-eyed encontra seu jogo

1 de março de 1833
Três anos, cinco meses e duas semanas antes
Mayfair, Londres

— Certamente não há nada pior no mundo todo do que o primeiro baile


da temporada. — Haven abriu caminho para uma pequena varanda da
House Worthington, agradecido pelo ar puro e frio de março, uma
pausa bem-vinda do calor enjoativo e fedor dentro das salas, cheio de
mais aristocratas do que ele poderia ter imaginado – todos
desesperados para retomar a vida da cidade depois de meses no
Campo, consumado com tédio.
— Não é tão ruim, — respondeu o marquês de Mayweather, fechando
a porta atrás dele.
Haven cortou seu amigo um olhar cético. — É impossível se mover com
todas as debutantes e casamenteiras ali dentro. Elas estão babando em
cima de nós, como se fôssemos carne.
Mayweather sorriu. — Há, o que, meia dúzia de títulos para ganhar
nesta temporada? Ou seja, títulos jovens e capazes. Um marquês e um
duque na cúspide da Idade Média são cortes principais, Haven.
— Trinta não é a meia idade.
O marquês mudou-se para a balaustrada da varanda, colocando a
bebida lá e olhando para os extensos jardins traseiros de Worthington
House. — É velho o suficiente para que o casamento esteja em nossas
mentes.
Metade dos homens da aristocracia esperou até os trinta para se casar.
Muitos até o final dos trinta. Haven não era um idiota – ele sabia que
sua despedida de solteiro estava em tempo emprestado. Ele exigiria um
casamento e um herdeiro em breve, mas o Senhor sabia que ele não
estava interessado em bailes e longas caminhadas por Hyde Park para
encontrá-lo.
A ideia era ridícula. Quantas vezes o Haven ouviu o próprio
Mayweather alegar que os herdeiros poderiam ser atacados a qualquer
momento? A menos que...
— Cristo, — disse Haven suavemente na escuridão. — Você foi pego.
— Isso era um rubor? — Alguém tem seus belos anzóis em você.
O marquês desviou o olhar. — Você não precisa fazer parecer tão
mercenário. Você disse que nossos títulos nos fazem carne.
— Ela não pensa nisso assim.
Haven apostaria tudo o que ele tinha que a mulher fizesse exatamente
isso. Ele ergueu uma sobrancelha. — Não, tenho certeza que não. Tenho
certeza de que o seu é um caso de amor.
Mayweather franziu o cenho. — Você não precisa fazê-lo parecer tão
improvável.
Não improvável. Impossível. Talvez fosse razoável que os outros
assumissem que suas esposas chegavam a eles com sentimento. Com
vontade. Com mais. Mas se isso fosse verdade, era para homens mais
afortunados. Para homens nascidos além do jugo de título e fortuna e
responsabilidade. Os motoristas de Hackney e os varredores de rua e
os marinheiros podiam se casar com paixão e até mesmo com o amor.
Mas homens como ele e Mayweather? Duques e marquises, jovens e
ricos e titulados? Não havia nada como o amor. Havia apenas dever,
que exigia o casamento, mas, se Haven soubesse alguma coisa, era isso:
que os homens deveriam entrar no casamento com os olhos bem
abertos, conscientes do desapontamento que a instituição certamente
colocaria sobre eles.
Malcolm, Duque de Haven, sabia sem dúvida, como ele era o produto
desse desapontamento. Quantas vezes seu pai olhou para ele, com
fracasso e algo pior em seu olhar? Não se arrependia, embora isso
também estivesse lá. Algo como uma aversão, como se ele alegremente
esquecesse seu filho de vez em quando, isso lhe devolvesse a vida que
ele já teve. Haven sempre imaginou que seu pai estava agradecido
quando a morte veio, e com isso, a liberdade da horrível realidade com
a qual ele tinha sido selado.
E então havia a mulher com quem o duque tinha sido selado. A mãe de
Haven. Nascida sem título ou fortuna, subiu ao mais alto nível da terra.
Duquesa. E a maneira como ela lidava com seu filho, friamente e
distante, com um pouco de orgulho – não pela criança que ela tinha
carregado ou pelo jeito que ele cresceu, mas para ela grande decepção,
em seu lendário triunfo. O título que ela tinha roubado.
Então não se enganaria. Haven conhecia bem a própria vida para
acreditar que outros poderiam ter isso de forma diferente. E ele se
preparou para seu futuro, sabendo que, se esperasse o
desapontamento, não se decepcionaria.
Ele se aproximou de seu amigo, colocando as costas para a balaustrada
e observando a luz dourada no edifício além. — Estou simplesmente
dizendo que o amor é uma grande falácia, — disse ele. — As mulheres
estão atrás da estabilidade e conforto e nada mais. E se alguém está
perseguindo você, ela está atrás do seu título, amigo. Não duvide.
Mayweather se virou para olhar para ele. — É verdade o que eles dizem
sobre você, você sabe.
— O que é isso?
— Você é um bastardo de coração frio.
Haven assentiu com a cabeça e bebeu fundo. — Não me faz mal.

— Não, mas isso faz de você um burro. — As palavras vieram da escada


de pedra escura que levava até os jardins, clara e certa, como se a
mulher que os falasse fizesse uma prática de mentir na espera de
homens aristocráticos para dizer algo para que ela pudesse castiga-los.

Mayweather não conseguiu conter sua risada surpresa. — Da


escuridão, a verdade.

Ela respondeu ao marquês. — Se um dos meus amigos me dissesse


essas coisas, meu senhor, eu deveria procurar outro amigo. Um com
melhores maneiras.

Mayweather sorriu para Haven. — Não é uma ideia terrível.

Haven apertou os olhos nas sombras, mal conseguindo distinguir a


forma feminina lá, parou a meio caminho pelas escadas, apoiando-se
no exterior da casa. Há quanto tempo ela estava ouvindo? —
Considerando que você está espreitando e escutando as conversas para
as quais você não está convidado, não tenho certeza de que sua
avaliação do estado dos meus costumes pode ser confiável.

— Eu não estava espiando.

— Não?

— Não. Eu estava escutando. E eu não espreitava. Eu estava de pé. O


fato de você ter selecionado esse momento preciso para se refugiar e
entregar a sua - não solicitada, eu posso acrescentar - palestra sobre a
maldade da mulher é uma questão de minha terrível sorte. Eu
asseguro-lhe, senhor, que sou testemunha de malignidade suficiente da
metade feminina da população em virtude de ser um ser humano vivo.
Eu não precisava escapar para isso.

Haven teve que trabalhar para evitar que o mandíbula caísse. Quando
foi a última vez que uma mulher falou com ele assim? Quando foi a
última vez que alguém falou com ele assim?
Mayweather riu. — Quem quer que você seja, você o deixou sem
palavras. E eu serei o primeiro a dizer que pensei que era uma
impossibilidade.
— Uma pena, — ela atirou das sombras. — Eu esperava que ele
continuasse sua dissertação edificante: Manipuladores do mercenário,
uma meditação sobre o papel das mulheres no mundo. É positivamente
Wollstonecraftian4.
Finalmente, Haven encontrou sua língua. — Os homens de Londres
estariam melhores se prestassem mais atenção aos meus pontos de vista
sobre esta questão em particular.
— Sem dúvida, isso é verdade, — ela provocou, e ele achou que gostava
do calor que o inundava com suas palavras. — Diga, bom senhor, como
é que você é um especialista em mulheres? Do que você chamou eles?
Belos anzóis?
Por um momento, ele considerou a ideia dos belos ganchos desta
mulher... de unhas na pele. Dentes nos lábios. Ele afastou os
pensamentos. Ele nem a tinha visto. Não tinha necessidade de fantasia
com uma mulher na escuridão. Ele atirou o olhar mais desdenhoso em
sua direção. — Experiência.
Ela riu, o som lambeu sobre ele como pecado. Ele se endireitou. Quem
era ela? — Você é tão desejado assim? Para que você possa ver um
ladrão de títulos a trinta passos?
Ela se moveu enquanto falava, subindo os degraus. Chegando mais
perto. Ela não estava a trinta passos de distância. Estava a dez passos
no máximo. Cinco, se ele alongasse o seu passo.
Seu coração correu.
E isso foi antes que ela entrou na luz, brilhando como uma maldita
deusa.

4
Wollstonecraftian – Especificamente, as alusões de Mary Shelley ao que os radicais acreditavam ser uma revolução
fracassada na França e as respostas de Godwinian, Wollstonecraftian e Burkean, desafiam" a fé do Iluminismo na
inevitabilidade do progresso através de esforços coletivos.
Ele saiu da balaustrada sem pensar, como um cão babado por uma
vantagem. Ele não a reconheceu, o que parecia impossível, já que ela
tinha cabelos escuros e pele clara, com os olhos como safiras. Era difícil
de acreditar que essa mulher tão perfeita – e esta boca-inteligente -
ficaria sob as normas da Sociedade.

A fêmea misteriosa pairava lá, na piscina dourada de luz de velas, seu


olhar caindo em Mayweather, fazendo Haven desejar que seu amigo
fosse embora. Fazendo ele ficar ciumento como o inferno.

— Meu senhor, se me permite opinar, você não deve ouvir seu amigo
insensível. Se a senhora diz que ela cuida de você, acredite nela.

Mayweather esqueceu seu conhaque na beira da varanda e se moveu


em direção a ela. — Ela diz isso.

— E você se importa com ela?

— Eu me importo, — ele disse com tanto fervor, que Haven se


perguntou se o amigo tinha ingerido algo venenoso.

Ela assentiu com convicção. — Muito bem então. O amor é tudo o que
é necessário. — E então ela sorriu e Haven teve problemas para
respirar.

Mayweather não parecia ter o mesmo problema com a respiração. Em


vez disso, ele exalou, longo, dramático e ridículo. — Isso é o que todos
dizem.

— Nem todos. Seu amigo acredita que as mulheres estão no mercado


para roubar um título.

Mayweather sorriu. — Ele tem um título particularmente desejável.

Esse olhar cerúleo caiu para Haven, curioso e sem reconhecimento, e


tão honesto que pareceu ter sido visto pela primeira vez. — Ele? Bem,
então será uma jovem pescadora afortunada aquela que o enlace tão
legalmente.
Com isso, ela virou as costas para ele, como se ele não existisse, e abriu
caminho para a porta, como se ela não se importasse nem um pouco
com ele. Como se ela não o reconhecesse.

Era obvio, é claro. Era um tipo de jogo que ela estava jogando, para
tentá-lo. E, apesar de conhecê-lo, ele se viu tentado, no entanto. — Eu
devo acreditar que você não me conhece?

Ela se acalmou e se virou, humor ressaltando suas palavras, deixando-


o fora de equilíbrio. — Com o risco de parecer grosseiro, meu senhor, eu
particularmente não me importo com o que você acredita. Como nunca
nos conhecemos, não sei como eu posso conhecê-lo.

Mayweather soltou uma risada, e Haven teve o desejo de empurrar o


amigo diretamente da varanda para o abrigo abaixo. — Ela tem você lá.

Ela não o tinha. Ele não deveria ser tido. — Sua Graça, — disse ele.

Ela piscou. — Peço desculpas?

— Você me chamou de "meu senhor". É "Sua Graça".

Ela sorriu. — Como você sabia o quanto as mulheres adoram ser


corrigidas pelos homens? E sobre formas de títulos, especialmente. É
uma grande maravilha que nenhuma de nós tenha se apaixonado por
você. — Ela se curvou um pouco curiosa, o movimento fazendo com
que ele se sentisse como uma bunda de cavalo. — Adeus, senhores.

E ainda assim, ele não conseguiu se deter. — Espere.

Ela se virou, linda e equilibrada. — Cuidado, Duque; Eu começarei a


pensar que você é o único que está tentando obter seus belos anzóis em
mim.

A ideia era absurda. Não era? — Seus amigos.

Ela levantou as sobrancelhas. — O que tem eles?

— Você nunca discutiu com eles? — Era honestamente possível que ela
não tivesse ideia de quem ele era?
Seus lábios se contraíram com diversão. Ela estava fazendo um tolo
dele. Não, ele estava fazendo um de si mesmo. Para ela. Como um
imbecil. — Eu não tenho amigos; Eu tenho irmãs. E eu não sei por que
elas devem saber ou se preocupar com você.
Mayweather bufou nisso, claramente desfrutando observando ele se
enganar. E ainda assim, Haven não conseguiu detê-lo. Ele abriu os
braços. — Eu sou Haven.
Ela riu então. — Bem, você certamente tem uma alta opinião sobre você,
o céu.
Mayweather riu e Malcolm ficou irritado. — Haven. Como em, o
Duque.
Não houve uma onça de reconhecimento em sua resposta. — Justo.
Então eu levo tudo de volta. Não há dúvida de que um espécime
masculino jovem e bastante bonito que leva um título apropriado, você
deve ter cuidado. As mulheres, elas devem reinar positivamente.
Lá. Ela finalmente entendeu. Espera! Ele piscou. Bastante bonito?
Quem era ela? Além de ser a única mulher mais irritante em toda a
cristandade, isso foi. Ela voltou sua atenção para Mayweather,
descartando Malcolm. — Boa noite, meu senhor. E posso dizer boa
sorte?
O marquês inclinou-se. — Obrigado senhorita... — Ele parou, e ocorreu
para Haven que Mayweather não era tão ruim depois de tudo – se ele
descobrisse o nome da menina, era isso.
Um amplo sorriso e bem-vindo em seu rosto, e Malcolm sentiu o calor
dele como o sol. — Que choque. Parece que você também não sabe
quem eu sou.
Ele piscou. — Nós deveríamos?
— Não, — ela respondeu: — Eu não sou o céu, afinal... — Exceto que
ela malditamente parecia um céu. Mas ela estava girando o punho da
porta. Ela estava deixando ele.
— Pare! — Ele disse, odiando o desespero em sua voz. Ele podia
praticamente ouvir a cabeça de Mayweather encostar-se para olhar
para ele, e de repente, Haven não se importava nem um pouco. Porque
ela parou, e isso era tudo o que importava. — Você não pode sair sem
nos dizer quem você é.

Seu olhar brilhava à luz das velas. — Oh, acho que posso.

— Você está errada, — ele insistiu. — De que outra forma o


Mayweather irá encontrar você se tudo for em forma de pêra com
Heloise?

— Helen, — interveio Mayweather.

Haven acenou com a mão. — Certo. Ela parece adorável. Muito bom
para este imbecil. Ele vai precisar do seu conselho se ele deve mantê-la.

— Peço desculpas! — Protestou o marquês, mas não importava. Porque


a mulher riu, brilhante e ousada e linda, e tudo o que Malcolm queria
fazer era aproveitar o som. No seu calor.

Em vez disso, ele lhe ofereceu o seu sorriso mais encantador e disse: —
Vamos começar de novo. Eu sou Malcolm.

Para a vida dele, ele não tinha ideia de por que achava necessário
oferecer seu nome, que ninguém havia usado em vinte anos.

Suas sobrancelhas se ergueram. — Eu não sei por que você deveria


pensar que eu me preocupo com o seu nome, Sua Graça, como eu sou
feminina, e, portanto, já estou na posse de todas as informações
relevantes relativas a você. — Ela trocou em um sussurro
impressionado. — Você é um duque.

A provocação estava de volta, e ele adorava. Ela era notável. — No


entanto, é costume que as mulheres se apresentem aos homens que
pretendem pousar.

Ela inclinou a cabeça. — Eu admito que nem sempre estive em círculos


tão altos, mas estou bastante certa de que não é costume que uma
mulher se apresentar a dois homens estranhos em uma varanda
abandonada.

— Não é estranho, — ele disse. — Bem, talvez Mayweather seja, com


sua obsessão com Hester.

— Helen! — Interveio Mayweather, desenhando outro pequeno sorriso


da beleza.

— Parece que temos um desinteresse igual em nomes dados, — disse


ela.

— Se você desejar, eu me lembrarei de tudo sobre ela, — ele respondeu.


— Mayweather, conte-me outra coisa sobre a sua Helen.

— Ela tem gatos.

Ele se virou para o amigo dele. — No plural?

Mayweather assentiu. — Seis deles.

— Bom Deus. Não imagino que vou esquecer isso.

— Eu gosto de gatos, — disse o anjo. — Eu acho eles inteligentes e


reconfortantes.

Mayweather sorriu. — Como Helen.

Ela combinava com a expressão de seu amigo. — Ela parece adorável.

— Ela é. De fato...

Não. Mais Helen. — Na verdade, você deve ir até ela e dizer-lhe isso,
— Haven interrompeu, agarrando a música que se deslocou do salão
de baile para a varanda privada. Apegado a ele. — E dançar com ela.
As mulheres gostam de dançar. — As sobrancelhas do anjo se
divertiram quando ele insistiu. — Vá, Mayweather.

Pela primeira vez em sua vida, o marquês de Mayweather entendeu o


subtexto. E deixou os dois sozinhos, finalmente. Encoberto na
escuridão e frio, e de alguma forma ela o fez aquecer como o sol.
Haven se moveu em direção a ela. Não querendo nada além de estar
perto dela. — Você está com frio? — Ele deixou sua voz baixa, querendo
tentá-la como ela tentou ele. Querendo que ela o desejasse tanto quanto
ele a desejava.
Mas principalmente, querendo que ela ficasse.
Ela engoliu em seco, e ele conseguiu ver o movimento em sua garganta,
com a boca úmida com vontade de pressionar os lábios lá, para sentir
seu pulso acelerava como o dele estava. Para saborear a pele, salgada e
doce. Quando ele ergueu o olhar para o dela, ele pôde ver que ela
poderia permitir isso. Que ela não estava impassível. — Está na hora de
minha partida, — ela sussurrou.
A ideia de que ela iria partir, e de que ele nunca mais voltasse a vê-la
novamente, de que ele nunca a conhecesse... fez ele sentir coisas que ele
não apreciava. Então, em vez disso, ele disse suavemente, — Você faz?
Ela inclinou a cabeça. — Se eu gosto de dançar?
— Sim.
— Eu gosto, de fato.
— Você gostaria de dançar? Comigo?
Dentes brancos perfeitos brilharam. É claro que seus dentes eram
perfeitos. Tudo sobre ela era perfeito. — Nós não podemos dançar. Nós
não fomos apresentados.
— Então dance comigo aqui. Em segredo.
— Não.
Isso era um jogo. Ele podia sentir isso em seu peito, a falta de ar dele.
— Por quê?
— Isso poderia me arruinar. Se nos encontrassem.
Ele se aproximou, perto o suficiente para poder puxá-la para seus
braços. — Eu nunca iria te arruinar.
Isso deveria ter sido um flerte. Uma bagunça vazia e provocadora. Algo
que os homens falavam às mulheres para atraí-las ao perigo. Mas não
era isso. Foi uma promessa. E mais do que isso, era a verdade. Ele nunca
a arruinaria. Não seria uma ruína quando ele se casasse com ela.
Ele se acalmou. Cristo. Ele se casaria com ela.
Ele se casaria com essa mulher.
Essa revelação deveria ter enchido ele de terror. Não fazia nem dez
minutos antes, ele havia criticado toda a instituição do casamento,
sugerindo que todas as mulheres eram partidárias e todos os homens
que pensavam que não tinham senso. Mas agora, ele não estava cheio
de terror. Ele estava cheio de algo completamente diferente. Algo como
alegria. Como esperança.
E, na sequência dessa realização, ele a puxou para dentro de seus
braços, essa mulher cujo nome ele ainda não sabia. Ela ofegou, e ele
aproveitou o prazer do som, que combinava com o dele, ao descobrir o
que era segurar a mulher para quem estava destinado.
Eles começaram a se mudar para a música, silenciosa e distante,
escondendo-os em privacidade. — Lembro-me de ter me recusado a
dançar, Duque.
— Malcolm, — ele disse, macio em sua orelha, amando seu arrepio ao
nome dele. — Diga-me novamente, agora que você está em meus
braços. Agora que estou no seu. E eu vou parar.
Ele não tinha certeza de como, mas ele faria.
Ela suspirou, seus lábios se curvando em um sorriso pequeno e
adorável — Você é muito difícil.
Ele poderia viver naquele sorriso. — Foi-me dito isso.
— Eu pensei que os aristocratas deveriam ser acomodados.
— Não os duques. Você não ouviu que somos o pior do lote?
— E eles deixam alguém tornar-se um duque hoje em dia, não é?
Ele a virou para a luz, revelando seu belo rosto. — Se você acha que os
duques são ruins, Angel, imagine o que eles aceitam das duquesas?

Seus olhos se aproximaram enquanto falava, seus lábios puxando um


sorriso, cheio e amável, todos os segredos e o pecado. — Imagine, de
fato. — E ele não conseguiu se conter. Ele não queria. Ele queria se casar
com ela, afinal. Eles passariam toda a vida se beijando, então por que
não começar agora? Apenas um gosto.

Ela suspirou quando ele fechou a distância, e ele ouviu seus


pensamentos em seus lábios. — Apenas um gosto.

Ela era perfeita.

Ele colocou os lábios sobre os dela, o fogo se espalhou por ele enquanto
ela respirava, então suspirou, baixinho e doce, enquanto ele lambia
suavemente aquele lábio inferior cheio, macio e doce o suficiente para
fazê-lo doer. — Apenas um gosto, — prometeu ele mesmo. Dela. —
Abra para mim, amor.

E ela fez, deixando-o entrar, seus lábios macios e sua boca calorosa e
bem-vinda, a língua encontrando o dele, provando, tentando,
provocando perfeitamente, como se estivessem destinados a isso.
Como se tivessem vivido suas vidas inteiras para se encontrarem aqui,
nesta varanda escura, e se incendiarem.

Não havia nada hesitante nessa bela mulher, nada tímida ou pequena.
Ela era selvagem e apaixonada, e quando ela chegou até os dedos dos
pés, uma mão enluvada que serpenteava e enrolava na parte de trás do
pescoço, alcançando, puxando-o para baixo, apertando-se, oferecendo-
se a ele, percebeu então, que não era ela quem estava arruinada.

Era ele.

Ele ergueu os lábios a esse pensamento, virando o rosto para a luz,


olhando os olhos fechados, os lábios separados, o rubor de suas
bochechas que se espalhavam mais baixo, sobre o pálido aumento de
seus seios. Ela era um retrato de prazer.
Seus cílios escuros levaram, e o que ele viu ali, misturado com desejo e
surpresa, era o futuro dele. A esposa dele.

Capítulo 5
: :
Seraphina - Plano Armado Com o Americano!

22 de agosto de 1836
The Singing Sparrow
Covent Garden

— Então, para ser claro, você disse que estava tendo um caso.
Sera colocou a caixa de velas cônicas e olhou para o americano apoiado
no bar do Singing Sparrow, a mais nova taberna de Covent Garden. Ela
conheceu Caleb Calhoun em uma taberna similar em Boston,
Massachusetts, meio dia depois que seu navio de Londres atracou no
porto.
Ela estava em busca de comida real e quente – algo melhor do que a
carne curada e vegetais decapados que haviam desempenhado o papel
de sustento durante a viagem transatlântica de um mês – e ela tinha
sido apontada na direção de The Bell in Hand Taberna, a três portas das
salas que ela deixara enquanto considerava seu próximo movimento.
O americano tinha saído de sua cadeira quando entrou, aproximando-
se grande ao lado de um punhado de outros personagens menos
imponentes e mais perigosos, tornando-se seu protetor naquele dia. E
no próximo. E no próximo... E logo, ele não era simplesmente um
americano, mas seu empregador. Então, seu parceiro de negócios. E
então, o amigo mais querido que já teve. Logo, a única pessoa no
mundo que sabia tudo sobre ela, e o único que não exigia nada dela em
troca.
Que ele também era o único que a manteve sincera era um dos seus
pontos menores neste momento particular. Mesmo assim, ela
continuou. — Eu não disse isso a ele.
Sera não gostou do modo como Caleb a encarou com seus olhos verde
e franco, como se fosse uma pergunta perfeitamente simples e ela
tivesse fornecido uma resposta inaceitável. — Eu não fiz! — Ela insistiu.
— Na verdade não.
— Na verdade não, — repetiu Caleb. — Sera, eu não gosto da ideia de
ser assassinado por algum aristocrata sem aviso.
— Você acha que muitas pessoas gostam da ideia de seu próprio
assassinato?
Ele mudou o olhar – ela imaginou irmãos reservados para as irmãs mais
insuportáveis. — Há dias em que não me oponho à sua ideia.
Particularmente se o seu duque adorável vem depois atrás de mim.
— Eu asseguro-lhe. Ele não é adorável.
Ele viu o oposto três dias antes. Ele achou positivamente impassível
para que ela aparecesse.
Caleb grunhiu.
Sera ignorou o desacordo tácito. — Não é como se eu chamasse um
homem e fornecesse uma descrição física. Simplesmente sugeri que se
ele quisesse se divorciar de mim por motivos de adultério, não me
oporia a essa solução.
— Esse é o tipo de argumento significativo que uma inglesa usaria.
Ela deu uma olhada. — Eu sou uma inglesa.
— Ninguém nunca disse que não poderia tentar um pouco mais difícil
jogar o jugo, querida.
— Por favor. Todos sabem que a metade dos divórcios concedidos pelo
Parlamento é feita assim que os maridos e esposas concordam. Estou
mais do que feliz em jogar a adúltera se isso me ajudar a colocar esse
lugar em meu nome.
O que seria feito. No momento em que o casamento for dissolvido, The
Singing Sparrow seria dela, e ela poderia começar de novo. Sem o
passado e os fantasmas que a assombraram.
— Tudo o que eles têm a fazer é vê-la arder uma bebida ou duas, e todos
acreditarão que você está devidamente acabada, — respondeu Caleb.
— Uma menina pode sonhar. — Ela brindou e bebeu — Não sou uma
duquesa muito boa, sou?
— Eu não sei muito sobre duquesas, mas o que posso dizer é que você
não é nada como aquela que vagou na rua como um cordeiro perdido,
então há esperança para você ainda, — ele permitiu, cruzando o seu
braços sobre o amplo peito. — Mas, voltando ao tópico em questão,
você implicou que estávamos tendo um caso.
— Eu não fiz. Eu simplesmente disse um fato. Se ele inferisse tal coisa...
Caleb riu. — Então ele simplesmente agiu como você pretendia. E
quando ele descobrir quem atracou nas docas ao seu lado... Estou na
mira da ira do duque. E então teremos que lutar. E então... — Ele acenou
com uma mão dramática. — Não teremos escolha senão estar em guerra
novamente.
— Você percebe que você não é um embaixador de qualquer tipo, não
é? — Sera levantou a caixa de velas e andou entre as mesas espalhadas
pela taverna vazia, alisando as cadeiras. — Eu não posso ser
responsável pelo que o homem pensa, Caleb, — disse ela, as palavras
suficientemente altas para percorrer a sala vazia. — Mas eu posso dizer
que não imagino que ele se preocupe o suficiente com as minhas ações
nesses últimos três anos para ter muitos problemas.
Caleb deu um pequeno resmungo incrédulo. — Isso é uma besteira e
você sabe disso.
Sera ignorou o idioma grosseiro. — Se ele estiver com raiva, não terá
nada a ver com você, e tudo a ver com a forma como arruinei seu legado
precioso. Novamente. Eu não me preocuparia com seu rosto. O que não
é realmente tão bonito, — ela provocou. — Ninguém gosta de um nariz
quebrado.

— Toda mulher gosta de um nariz quebrado, gatinha. E, além disso,


posso tomar qualquer toff que venha no meu caminho. — Sera sorriu
para as palavras, e com a descrição de seu marido, que, apesar de ser o
homem mais aristocrático que ela já conheceu, era decididamente
desagradável. Caleb continuou enquanto subia os degraus para o
pequeno palco na extremidade da sala. — Na verdade, estou ansioso
para ver o bastardo. Eu gostaria de ensinar-lhe uma lição.

Sera estendeu a mão para remover os talões de velas de cera de abelha


em um dos enormes candelabros que o flanqueiam. — Infelizmente, Sr.
Calhoun, duvido muito que você tenha uma chance de conhecê-lo.

— Ele virá buscá-la.

— Cuidado com a aposta — Ela provocou. — Cinquenta dólares dizem


que ele deixou a cidade com o resto de Londres, e eu terei que procurá-
lo para pegar minha taberna.

— Eu acho que você quer dizer, com o resto do conjunto mimado e


malicioso de Londres. — Caleb abriu um pequeno compartimento
secreto no bar e levantou uma caixa de tabaco e papéis, e começou a
enrolar o tabaco no papel fazendo um charuto. — Os senhores da
mansão estarão em casa para verificar seus servos?

Sera riu suavemente. — Algo parecido. Apesar de escapar do cheiro de


Londres, é provável que seja uma descrição mais precisa do que
aconteceu.

— Bah, — Caleb zombou. — O cheiro de uma cidade é como você sabe


que está vivo.
Ela dirigiu-se para o candelabro correspondente no lado oposto do
palco, substituindo os castiçais com precisão. — Você faria um terrível
membro da aristocracia.
Sua risada surgiu pela sala. — Não tenho dúvidas sobre isso, amor.
Você ganhou uma aposta. Cinquenta dólares dizem que seu homem
atravessa essa porta no fim da semana.
Ela não gostou da certeza na voz de seu amigo. Como se ele já tivesse
ganhado a aposta. E ainda gostou do seu próximo ponto. — De
qualquer forma, duquesa, é hora de começar a trabalhar, você não
acha? Você precisa fazer esse homem concordar, e você precisa deste
lugar para ser o melhor Covent Garden que alguém já viu, então, no
momento em que for seu, será uma lenda. Então, como você começa
seu acordo?
Ela teria que vê-lo novamente, mesmo que ela não quisesse. Mesmo que
ela não quisesse encará-lo, bonito, como sempre, e de alguma forma
completamente mudado.
Caleb acrescentou: — Estamos aqui por sete semanas e já estou com
saudade, para voltar para o solo americano.
Ela olhou para cima, fixando os olhos para a escuridão. — Você poderia
ir, você sabe. Você não precisa...
Ela parou, sem saber como terminar. Caleb tinha feito tanto. Ele a
protegeu quando a encontrou, quebrada e sozinha em uma cidade – um
país – um continente – ela nada sabia. E ele a ajudou a encontrar os pés
novamente. Sua força. Ele havia dado a ela a razão para sorrir
novamente. E então ele tinha dado o seu propósito. E quando ela
decidiu que era hora de ela voltar para a Inglaterra e começar de novo,
ele arrumou as malas sem hesitação.
Sera sacudiu a cabeça e repetiu-se. — Você não precisa.
Ele acendeu o charuto, e a ponta laranja brilhava no espaço mal
iluminado. — E, no entanto, aqui estou eu. Um homem notável, você
não acha?
Ela ergueu uma sobrancelha. — Um modelo de modéstia, certamente.
— Então. Quando chutaremos o seu marido idiota, pelo traseiro?
Ela riu das palavras, falou com alegria sem adulteração. — Eu sinto que
você não pode ter essa oportunidade.
— Você não acha que ele vai lhe dar o divórcio? — Ela conseguiu ver
sua larga e franzida testa, mesmo que estivesse longe. — Então você
volta comigo e começa de novo em Boston.
Se fosse tão fácil. Se ao menos ela estivesse conectada à cidade do outro
lado do mar – agitada com a nova vitória e a promessa de um país
jovem. Ela adorava Boston por sua esperança, seu povo e Caleb. Mas
nunca foi Londres.
Nunca se sentiu como em casa.
Ela pegou no topo da vela redonda e pesada na mão, extraindo o pavio
e rolando entre o polegar e o indicador, observando a marca negra
manchar sua pele. — Ele vai me dar o divórcio, — ela disse, sabendo
que Malcolm provavelmente não queria nada além de se livrar dela. —
Mas eu imagino que ele fará isso com uma boa quantidade de castigo.
Caleb saiu do bar, então, movendo-se em direção a ela, ombros largos
e mandíbulas largas que marcaram sua educação áspera e colonial
muito antes de abrir a boca e revelar seu inculto sotaque. Ele era um
animal em uma gaiola aqui, neste mundo governado por regras, ele
achava, na melhor das hipóteses, inativo e, no pior, inconcebível.
— Você não merece nenhuma punição.
Ela levantou uma testa. — Eu o deixei, Caleb.
— Ele deixou você primeiro.
Ela sorriu para isso. — De qualquer maneira não importa.
— Em todos os aspectos importam, — ele zombou.
Ela suspirou. — Duquesas não vão embora, — explicou pela décima
vez. Ou centésima. — Certamente, não sem fornecer um herdeiro.
Nem mesmo quando um herdeiro era impossível.
— Eles deveriam importar quando seu marido os exilou, — ele
respondeu. — O resto que se dane.
— Não, é britânico.
Ele amaldiçoou e praguejou. — Mais uma razão, você muito merecia o
tratamento que lhe oferecemos.
— Você deve adquirir uma passagem no próximo navio para casa. Você
tem uma vida para voltar. — Ela tentou pelo humor. — Você não está
ficando mais jovem, amigo. É hora de encontrar uma mulher que vai
aguentar você.
— Como se isso fosse acontecer. — Claro, que seria possível. Caleb
Calhoun era um dos homens mais encantadores que Seraphina já
conhecera. Ele parou na beira do palco, olhando para ela, seus olhos
verdes sérios. — Eu cumpro minhas promessas, Dove. Eu vou estar
com você durante seu divórcio. Vou ver este lugar bem sucedido e o
seu sucesso. E então eu vou embora, e felizmente aceite meu produto
mensal.
Ela sorriu. — Eu vou dormir bem sabendo que meu dinheiro virá como
um conforto.
— Nosso dinheiro, parceira.
Dentro de um mês de reunião, Sera e Caleb compraram outro pub de
Boston e outro e outro. Entre seu instinto de localização e o dela para
fazer uma taberna impossível sair, eles colocariam vários
estabelecimentos mais antigos de Boston fora do mercado antes de
decidir que Londres seria sua próxima conquista.
Eles compraram o pub dentro de quarenta e oito horas de desembarque
nas margens do rio Tamisa, depois de terem visto o Covent Garden –
um bairro dominado por um par de irmãos e cheio de tabernas baixas
e escuras, ditas para hospedar um subterrâneo flutuante anel de luta.
Embora Sera e Caleb não tivessem interesse em competir com um clube
de luta, eles viram a oportunidade de um bom pub na área. Algo como
os pubs que estavam tomando Boston e Nova York pela tempestade.
Algo com entretenimento.
O Singing Sparrow foi a resposta óbvia. Uma parceria igual entre os
dois, ou tão igual como se poderia ser, enquanto Sera era casada. O que
na verdade, era uma parceria igualitária entre o marido de Sera e Caleb,
embora o Duque de Haven fosse felizmente ignorante dessa
participação em particular. De acordo com a lei britânica, no entanto,
as mulheres casadas não podiam possuir bens ou negócios. Seus
maridos possuíam tudo... incluindo eles.
O divórcio era a única maneira para que Sera possuísse esse negócio –
a única coisa em que ela se importara em quase três anos e a chave para
sua auto-suficiência. Para sua liberdade.
A única maneira que ela pegaria de vota a vida que ele tinha roubado.
A vida da qual ele a perseguiu.
“Saia.”
Chegou lágrimas, não contadas. Indesejadas. Quantas vezes ela se
lembrou de suas palavras –um cruel desrespeito nelas, o desprezo
distante, como se ela não fosse nada para ele – e tirou a força delas?
Com que frequência ela tinha prometido reivindicar seu futuro mesmo
quando ele possuía seu passado?
E de alguma forma, uma meia hora com ele apagou toda a força que ela
tinha trabalhado para construir. Ela respirou fundo e desviou o olhar,
em um canto escuro do bar. — Eu ficarei condenada se ele me tornar
mais fraca.
Caleb não hesitou. Ele nunca fez. Era um fracasso de ser americano. —
Ele só pode torná-la fraca se você permitir isso. — O olhar dela voltou
para o dele. — Você fica forte e lembre-se de porque você está aqui. E
se ele a castigar, você o castiga de volta. Mas eu vou lhe contar uma
coisa, se ele é tudo o que você descreveu, ele vai brigar com relação ao
divórcio.
Por tudo o que sabia sobre seu passado, ele nunca tinha testemunhado
isso. Ela balançou a cabeça. — Ele me odeia. — Essas eram palavras
honestas e reais que ela se agarrava a cada vez que ela duvidava nos
últimos três anos. O que era frequentemente.
— Isso não significa que ele não a quer.
A memória piscou, os dedos de Malcolm percorrendo sua pele no início
da semana, o arrepio de antecipação que acompanhava o toque, como
Sera tinha doído em se inclinar. À memória disso. Para a forma como
esses dedos uma vez a fizeram cantar.
À maneira como a fizeram sentir pela primeira vez em anos.
Não que ela estivesse interessada em sentir.
— E, além disso, quer não vale a pena o problema.
— Deus sabe que isso é verdade, — disse Caleb, seco como areia. —
Mas ninguém nunca disse que os homens se preocupavam com a
verdade. — Embora ele estivesse escondido, Caleb cuidava seu próprio
coração partido. Um amor perdido, para nunca ser recuperado. — Eu
não sei muito, querida, mas eu sei que você merece melhor do que
qualquer dandy que o aristocrata poderia ter lhe dado.
Que bom homem Caleb era. Decente e orgulhosa e com um coração
maior do que qualquer que tivesse conhecido. Ela suspirou. — Por que
não poderia ter sido você?
Ele encolheu os ombros e pegou outro longo sopro no seu charuto. —
Tempo.
Ela sorriu. — Se você estivesse aqui há três anos atrás.
Ele riu um pouco. — Eu poderia ter usado você há cinco anos atrás.
Sera alcançou o rosto de seu amigo, colocando a mão na sua bochecha
forte e barbada, inclinando o queixo até o olhar dele encontrar o dela.
— Se você pudesse apagar isso – tudo isso – toda ela – você faria?
Ele não hesitou. — Claro que sim. Você?
Sua mão veio para cobrir a dela em sua bochecha enquanto ela se
deixava considerar a questão. Ela perdeu tanto. Seu amor, sua vida, a
promessa de seu futuro. Tanta perda que seu coração doeu, mesmo com
a sensação de pensar nisso.
Se ela pudesse retomá-la, ela faria. Sem dúvida.
Caleb viu a resposta em seus olhos e apertou sua mão em
camaradagem. Ele ergueu o queixo na direção do centro do palco. —
Mostre-me como se sente sobre isso lá, Sparrow.
Ela virou um círculo lento no palco, tentando tirar os acontecimentos
do último dia de sua mente, querendo perder-se aqui. — Eu não estou
pintada. — Ela nunca cantou sem disfarce – mesmo em Covent Garden,
alguém pode reconhecer uma Irmã Perigosa.
— Não há plateia.
— Outra razão para não cantar.
— Pah, — disse ele. — Você não precisa de uma plateia.
Ela sorriu. — Isso ajuda.
— Cante para mim, então.
— Eu tenho uma excelente para você, de fato. — Ela colocou uma mão
na sua cintura e listando um lado, caindo um verso estridente de uma
música que ela tinha aprendido com os marinheiros do navio que a
tinham levado para Londres. — “Deixe cada homem aqui beber seu pára-
choque cheio. Deixe cada homem aqui beber o copo cheio.” Parou, mas Caleb
não riu. Em vez disso, ele esperou, os braços cruzados, para que ela
terminasse. Ela se endireitou. — “E sejamos felizes e afogamos melancolia,
bebamos uma saúde para cada menina bonita e de coração sincero.”
Ele assentiu. — Vocês devem ganhar os corações de Londres em poucas
semanas. O que mais você conseguiu?
Ela não tinha planejado cantar. Não honestamente. Não de seu coração.
Mas ela então, deslizando da favela para outra, melodia menos
brincalhão, mais devagar, cheia da melancolia que acabava de fingir
que se afogava. — “Na noite assombrada, antes que a cadeia do sono me
ligue, a memória divertida traz a luz de outros dias ao meu redor.”

A canção era o favorito de Caleb e também uma das dela: uma


homenagem à memória e à infância, amor e perda. E quando ela cantou,
era sempre sobre a vida que ela poderia ter tido, se as coisas fossem
diferentes. A vida que ela permitiu considerar apenas no sono.

Havia poucos lugares melhores do que uma taberna vazia e escura para
cantar, as notas claras no silêncio, sem obstáculos com óculos tingidos
e conversas curiosas e cadeiras raspantes, a melodia encontrando
compra nos cantos escuros da sala, desaparecendo aos sussurros,
fazendo lembranças nas paredes para ser lembrado por estranhos.

Ela fechou os olhos e deixou-se encher a sala. E por alguns momentos,


Sparrow foi livre.

Caleb não aplaudiu quando ela terminou. Ele simplesmente esperou


que ela voltasse ao momento, e então ele disse: — Os bastardos que
choram sobre isso merecem ser melhor ter amado e perdido a nunca
amarem ou nunca perderem.

Ela riu das palavras grosseiras e veio em direção a ele. — Devemos


beber para isso?

— Com prazer. — Ele deixou cair as mãos na cintura dela e a tirou do


palco.

Seus pés quase não tocavam o chão quando a porta principal da taberna
se abriu, deixando um dilúvio de luz solar do final da tarde. O olhar de
Caleb passou por ela até a imponente figura na entrada. — Você me
deve cinquenta dólares, Duquesa.

Ela prendeu a respiração enquanto a sombra iminente resmungava —


Tire suas mãos de cima da minha esposa.
Capítulo 6
: :
Calhoun Cronometrado;
Conservador Elegante Jogado de Taverna

Janeiro de 1835
Um ano, sete meses antes
Boston, Massachusetts.

O Duque de Haven mal havia encontrado o seu pé no solo americano


antes de dirigir-se para a linha de tabernas com vista para o cais. O sal
e o frio pendiam no ar noturno, agarrando-se à lã incômoda de seu
casaco, pesado e cheio do persistente cheiro de semanas no mar.
Houve um tempo em que ele teria feito uma pausa depois de noites
intermináveis a bordo de uma fragata em uma cama desconfortável,
incapaz de encontrar o sono ou uma polegada de ar seco, as noites
passadas passeando pelo convés do navio, olhando para o infinito mar
negro e o céu tornou-se brilhante com o frio amargo.
Houve um tempo em que ele teria deixado o navio e no mesmo instante
teria ido em busca de um banho morno, fogo e cama.
Mas isso foi antes que ele a procurasse.
Antes que ele passasse meses rastejando pelas cidades do norte da
Europa depois que ela partiu, certo de que ela fugira de Highley para a
passagem em um navio para Copenhague, acreditando em suas irmãs
quando elas ofereceram suas sugestões para onde ela teria ido. Oslo,
Amsterdã, Bruges.
Ele esqueceu que, por muito que sua esposa o detestava, suas cunhadas
o aborreciam muito mais. Ou seja, até que ele quase arruinou tudo e
elas tivesse tido piedade dele e lhe falado a verdade. — Ela pode ter nos
deixado, Duque, mas ela deixou você primeiro. E devemos honrar esse
desejo acima de tudo.

Malditas mulheres e sua lealdade. Elas não queriam que ela fosse
encontrada? Elas não viram que ela poderia estar em perigo? Elas não
viram o que poderia vir de sua partida? Ela poderia estar... Ele balançou
a cabeça e parou o pensamento. Ela não estava morta. Se ela estivesse
morta, ele saberia. Mesmo agora, depois de tudo o que tinham passado,
depois de toda a tristeza e o ódio, ele saberia se ela estivesse morta. Mas
foi quase o mesmo. Pior, talvez, por causa da promessa persistente,
cintilante, quase impossível. Por causa da memória que veio com ela,
impossível de esquecer. Ele não conseguiu esquecer um instante dela.
Não desde aquela noite, quando ele saiu de um salão de baile lotado
para uma varanda em busca de ar fresco, e lá estava ela. Como se
estivesse esperando por ele.

E então ela tinha estado.

Não era uma armadilha. Era tudo real.

Suas palavras ecoaram no vento frio. Ele não tinha acreditado nela. E
agora, ele não se importava se ela estivesse esperando por ele. Ele só
podia esperar que o esperasse agora. Aqui.

Fez um ano desde que ela partiu, quase ao dia, e ele descobriu que, com
o passar do tempo, ele só se tornou mais determinado em sua busca por
ela. Não ajudou que o aniversário de sua partida marcasse um
aniversário diferente – um que causasse dor no peito que não podia ser
aliviado. Uma dor que ele conhecia, ela também sentia. Ele não poderia
trazer de volta sua filha. Isso, Haven sabia, assim como ele sabia que
nunca haveria outra.

Mas ele poderia amá-la bem, e em voz alta. Ele poderia consertar o que
ele havia quebrado. E isso poderia ser suficiente.

Seria. Seria o suficiente.


Levou mais tempo do que deveria para encontrar a taberna que ele
procurava, The Bell in Hand, através das ruas torrenciais e giratórias
da cidade desconhecida. Não ajudou que seu sotaque e roupa
revelassem seu país de origem; Parecia que muitos americanos não
estavam interessados em ajudar um inglês - e assim Haven estava
agradecido por não terem identificado imediatamente seu título.

Ele viajou pela metade do mundo para seus países mais velhos, mais
veneráveis e mais poderosos. Ele não estava prestes a deixar que os
Estados Unidos o impedissem.

Ele empurrou para dentro da taberna esfumaçada, assaltada


imediatamente com luzes fracas e o barulho dos homens em seu
caminho em suas copas. Não só homens. Havia mulheres, também,
rindo e bebendo no fundo de suas jarras, e Haven os rastreava com
olhos ansiosos, procurando por uma mulher em particular. Sua mulher.
A esposa dele.

Era uma sala cheia e mal iluminada, e ele não podia estar seguro de que
não estava lá. Havia uma mulher, foi-lhe dito. Canta como um pássaro
do verão. Os cabelos escuros e um rosto tão perfeito que pelos rumores
achavam que ela era francesa - não eram belas mulheres francesas? -
mas era possível que ela fosse inglesa. Ela apareceu do nada três meses
depois de Sera o ter deixado. Eles a chamaram de The Dove.

Ele a imaginou apenas dentro desta porta, sozinha, congelada no tempo


e no espaço. Perto o suficiente para ele capturá-la pela cintura, jogá-la
sobre o ombro, levá-la de volta ao barco e passar toda a viagem para
casa se desculpando com ela. Ganhando suas costas. Amar a distração.

Mas os sonhos não eram realidade. Seraphina não estava nesta sala.
Haven comprou uma cerveja e, colocando as costas para o bar,
considerou a montagem. O tempo estava certo. Talvez ele estivesse
desesperado. Talvez ele estivesse louco. Mas o momento estava certo, e
pareceu certo. Ela era escura e linda, alta e elegante, e ela cantaa como
um anjo.
Seu olhar caiu em uma entrada na parte de trás da sala, sugerindo mais
espaço, prometendo mais pessoas. Prometendo-a. Ele se dirigiu para
isso. Poderia alcançá-lo, se não pela mão pesada que veio ao seu ombro.

— Parece que você perdeu o seu caminho, Toff.

Haven encolheu os ombros e se virou, um punho curvando-se ao seu


lado, pronto para uma briga. Um americano estava a poucos
centímetros de distância, uma polegada ou duas mais do que Haven,
mas uma polegada ou duas mais larga. Havia alguns anos que Haven
tinha derrubado alguém desse tamanho, mas ele tinha sido um lutador
de topo em Oxford, e tinha pouca preocupação com a habilidade que
retornava, se necessário.

Antes que ele pudesse falar, o americano acrescentou: — Você não é


bem-vindo aqui.

As sobrancelhas de Haven levantaram-se. — Você desaprova os


homens com fundos para beber?

Algo chamejou no olhar do americano. Algo parecido com o


reconhecimento, tingido com algo como odiar. — Eu desaprovo os
britânicos que não conhecem seu lugar. — O americano assentiu para a
porta. — Encontre outro lugar para beber.

Haven esvaziou sua jarra e colocou-a na barra, depois extraiu sua bolsa
e retirou várias moedas. Estendendo-os ao outro homem, ele disse: —
Me dê cinco minutos na outra sala. Eu não vou quebrar nada.

O americano olhou longamente para a moeda antes de levá-la. Haven


resistiu à vontade de sorrir. Todo homem tinha um preço, e parecia que
esse homem era bastante baixo. O americano piscou uma fileira de
dentes brancos e retos. — Bem, se você está pagando por isso. O que
você está procurando?

Haven olhou para a porta. — Uma mulher.

O americano grunhiu. — Nós não somos um bordel.


— Estou procurando uma mulher específica, — disse Haven. — Uma
cantora. Disseram-me que ela canta aqui.
O outro homem assentiu. — Você está falando sobre The Dove.
— Ela está aqui. — As palavras surgiram em uma onda de alívio. O
coração de Haven bateu mais forte e mais rápido. Era ela. Ele sabia sem
hesitação. Ele se virou para a porta, seu único pensamento chegando
até ela.
A mão de novo, no mesmo ombro. Esta vez mais firme.
Desta vez, Haven atirou com força, voltando-se novamente. — Toque-
me novamente e não vou hesitar em voltar a tocar.
— Com essa resposta, não vou deixar você chegar perto dela.
Malcolm respirou fundo. Venceu-se calma. Falha. — Onde ela está?
— O que você quer com ela?
— Quero ... — Ele parou. Para trazê-la para casa. Para começar de novo.
Para encontrar o que tinham uma vez. Para encontrar mais. — Para
falar.
— Quem é você?
Eu sou o marido dela. Há quanto tempo ele havia dito aquela palavra?
Sentia-se, de alguma forma, indesejável até que ela voltasse para ele.
Ele hesitou em sua resposta.
O americano não hesitou. — Gato conseguiu sua língua, vermelho?
Uma coleção de risadas seguiu as palavras, e Haven imaginou que ele
tinha sido insultado, como se não tivesse transcorrido meio século
desde que os Redcoats lutaram em Boston.
Sou um maldito duque! ele queria gritar, mas ele sabia que não o faria
bem. Havia poucas portas que tal afirmação não poderia abrir na Grã-
Bretanha, e ainda assim, isso provavelmente pioraria as coisas.
— Eu sou um amigo.
Os olhos verdes inquietantes do americano se estreitaram. — Isso é uma
mentira se eu já ouvi uma.

As palavras eram baixas o suficiente para não terem sido ouvidas por
ninguém, mas Haven, mas eles pareciam silenciar o quarto no entanto.

E foi quando ele a ouviu.

“Quando me lembro de todos os amigos, então liguei juntos, eu vi ao meu redor


cair, como folhas no tempo invernal; Eu me sinto como alguém que anda
sozinho.”

Ele conhecia aquela voz em qualquer lugar. A maneira como ele


ondulava como fumaça líquida através da sala, triste e com alma,
tocando mentes e corações e fazendo os homens se sentarem e
apertando. Ele lembrou-se de que cantara nos braços uma vez antes.
Antes que ela o traiu. Antes que ele a traiu.

Ele encontrou o olhar do americano, os olhos verdes do outro homem


brilhando no momento em que o conheceram. Passou-o. À porta da sala
dos fundos. Haven viu o nervosismo neles, mesmo que ele visse o mal
daqui a pouco.

Ela estava lá.

E ele rasgaria o lugar para encontrá-la se fosse necessário.

Curse em seus lábios, ele se virou e começou a entrar no quarto, a


multidão de repente mais espessa, menos fluida. Ele jogou ombros e
cotovelos para tirar os homens do caminho.

— Espere! — O americano gritou por trás, pegando-o pela manga,


depois o braço, deixando-lhe a escolha.

Haven virou, o soco já estava voando. Conectando-se com um bruxo


perverso, o nariz do outro homem caindo sob o punho.

— Cristo! — O outro homem curvou-se, com a mão voltando para o


nariz, o sangue cobrindo a mão imediatamente.
Haven o quebrou, e ele não se arrependeu. O americano poderia
pendurar, por tudo o que ele gostava. Sacudindo a picada de sua mão,
ele disse, alto o suficiente para que a sala ouvisse, — Qualquer um que
se colocar no meu caminho recebe o mesmo.
Ele girou o calcanhar, e o caminho para a sala de trás abriu, os corpos
ansiosos para limpar isto. Ele tinha que chegar até ela. Ele pediria
desculpa. Faria ela acreditar nele. Faria com que ela acreditasse que eles
poderiam começar de novo.
Mas ele tinha que chegar até ela.
Ele atravessou a porta, os olhos se ajustando à luz mais fraca,
encontrando o palco mal iluminado na extremidade da sala enquanto
aplausos e assobios tocavam nos ouvidos. Levei um momento para ver
a mulher de pé ali pelo que ela era - linda e escura, com um sorriso largo
e acolhedor.
Não era Sera.
A mulher acenou com a mão em direção a um homem com um violão
de um lado do palco, e ele começou a jogar uma espécie de entusiasmo,
altura em que ela ergueu as saias para mostrar seus tornozelos em
meias vermelhas, para o prazer da multidão reunida.
Haven observou o que parecia ser para sempre, não acreditando.
Ele poderia jurar que a tinha ouvido. Ele teria conhecido aquela voz em
qualquer lugar. Uma menina passou por ele, bandeja carregada de
cerveja. Ele manteve seu movimento com um toque. — Aquela mulher.
A dançarina. Quem é ela?
Seu olhar seguiu o dele. — The Dove.
As palavras, tão desinteressadas, tão diretas, eram uma faca para o
coração.
A Pomba não era Sera.
Nunca foi sua Sera.
Capítulo 7
: :
Sparrow Canta Para a Alma da Cidade

Ela estava em Boston.


Ele viajou metade do mundo para encontrá-la, o eco daquela música
curvando-se nela naquela taverna abandonada naquela cidade perdida
por Deus e um lembrete doloroso de seu fracasso.
Um arrependimento se abateu sobre ele.
Ele deveria ter procurado mais. Deveria rasgar o maldito lugar. Mas ele
sentiu o desapontamento tão intensamente, ficou tão aborrecido com a
inutilidade da busca, com sua raiva - pela Sera por ela se esconder tão
bem, para suas irmãs e sua própria mãe por ajudá-la tão
completamente. E em si mesmo, por sua incapacidade de encontrá-la.
Exceto que ele a encontrou.
Tinha sido ela, o tempo todo.
E também tinha sido esse maldito americano.
O olhar de Haven caiu no nariz agora curvado do outro, o prazer que
ele poderia ter encontrado ao ter sido o instrumento da morte do
personagem subjugado pela fúria que este homem estava tocando Sera.
Rindo, Sera feliz. Confortável em sua pele.
Quando foi a última vez que a viu assim?
Quantas vezes ele se lembrou dessa maneira?
Incontáveis vezes. Tantas vezes quanto ele se lembrava do jeito que ela
cantava, tão fora do lugar com a taberna escura e vazia em uma linda
linha de Covent Garden. Porque ela cantou como um anjo,
dolorosamente belo, cheio de tristeza, saudade e verdade. E enquanto
ele estava de pé na entrada, observando-a, a dor havia retornado,
embora nunca estivesse longe de começar.
Ele curtiu por ela há anos.
Ela o encheu, abafou-o, roubou a respiração, marcou o baú com sua
música melancólica e triste, com a certeza de que ela tinha extraído uma
lâmina e esculpiu ela mesma, desenhando sangue como uma sirene.
E então ela se afastou, dando toda essa beleza a outro homem, e riu,
sem som, sem luz e sem barulho - um golpe mais severo do que a
música. Ele lembrou cada vez que ela sempre rira com ele, fazendo-o
duas vezes o homem que ele era. Dez vezes. Fazendo dele um rei. Um
Deus.
Não havia nada no amplo mundo como a risada de sua esposa.
Ele odiava que ela entregasse a outra pessoa.
E então o americano colocou as mãos sobre ela. Levantou-a do palco
com tanta facilidade que não havia dúvida de que ele havia feito isso
antes. Que ele a tocou antes. Que ele tenha permitido o acesso a ela.
Os ciúmes atravessaram Haven, fúria em seu rastro.
Não havia como perdê-la para um americano.
Não havia como deixá-lo, parou, mas o americano acrescentou insulto
à lesão. Particularmente quando Haven considerou o fato de que o
outro homem era mais amplo, mais ousado e possivelmente mais
bonito do que Haven, o nariz quebrado estava de lado.
Não importava nada disso. Ela era sua esposa. E ele não aguentava
enquanto outro a tocava. De fato, se o maldito Yank não tirasse suas
patas com toda velocidade deliberada, Haven provavelmente
lembraria seu oponente de quão bem ele poderia quebrar o nariz.
Assim que ele navegou através das mesas e cadeiras para alcançá-los.
Como se ela ouvisse o pensamento, Sera se moveu em frente ao outro
homem, e Haven tentou não notar a forma como a ação picou, atraindo
inveja por ele - a visão de sua esposa protegendo outro homem. Um
homem que continuou tocando nela com certeza que poderia significar
apenas uma coisa. Posse.
Ele sabia que ela estava aqui, com um americano. Ele estava preparado
para a ideia de que eles eram amantes. Mas a visão foi um golpe
perverso.
— Ah, — disse o americano. — O duque chega.
— O marido chega, — Haven respondeu, incapaz de bancar a raiva em
seu tom. E então, para sua esposa: — Ainda estamos casados,
Seraphina.
Como ela estava tão calma? — Não é de qualquer maneira que seja
importante.
Em todas as fodidas coisas que importavam.
Ela acrescentou: — As leis tolas desta nação podem me tornar seu
mobiliário, Duque. Mas nunca vou desempenhar o papel. Eu deveria
pensar que os últimos três anos teriam deixado esse ponto bem claro.
Ele resistiu ao desejo de espiritualizá-la e mostrar-lhe o quão bem ele
poderia reivindicá-la. Para fazer amor com ela tão completamente que
ela gritaria para ser dele. Para bloqueá-la e mostrar-lhe o quão bem o
papel da esposa pode ser adequado.
Em vez disso, ele tomou o assento mais próximo, em uma mesa baixa
no canto escuro, sabendo que ela não seria capaz de vê-lo tão bem
quanto ele poderia vê-la. Desesperado por recuperar a vantagem, ele
quis sua voz calma. Seus músculos ainda. Mesmo que ele não queria
nada além de destruir a taverna. — Eu não vou ser corno, — ele disse.
Sua coluna se endireitou. — Se eu tivesse sido capaz de dizer o mesmo.
A vergonha veio, quente e desagradável. Ele resistiu, redobrou sua
convicção, dirigindo sua atenção para o americano. — Retire suas mãos.
Por um momento, ele não estava seguro de que o outro respondesse de
forma alguma, mas para nivelá-lo com um olhar longo e superior, que
Haven imaginava ter sido ensinado a todos os jovens das colônias com
um odiando o rei. Depois de vários segundos, no entanto, ele soltou
Sera, estendendo as mãos com uma risada muito alta. — Longe de mim
sofrer a fúria de um marido desprezado.

— Essa porta deveria estar trancada, — disse ela, liberada do toque de


seu amante. Sera dirigiu-se ao bar no final da taberna, aparentemente
desinteressada na postura masculina na qual Haven não podia deixar
de envolver. Como se ele fosse um homem muito mais jovem. Um
muito mais impressionante.

Não é tão grande.

Ele dirigiu seu desprezo ao outro homem, que tocou sua esposa com
um conforto tão casual que não havia dúvida de sua intimidade.

Ela tinha sido infiel. Ele não deveria se importar com isso. Não deveria
ter ficado surpreso com isso. Afinal, fazia anos.

E ele também foi infiel.

Uma vez. E não assim. Não com emoção.

Mentira.

Houve emoção. A ação estava cheia de raiva. Cheio de punição. Tudo


para Sera. Sera era a única mulher que já teve suas emoções. Não que
ela acreditasse nisso.

Não que ela se importasse.

— Não se preocupe, Caleb, — ela estava dizendo, — Malcolm não


acredita ser desprezado. Para que seja o caso, ele teria que ter querido
o casamento desde o início.

Ele queria isso. Ele a queria.

Ele ficou em silêncio enquanto se movia pela barra para colocar um


pequeno copo no balcão e derramar uma bebida saudável nele. —
Como você nos encontrou?
Malcolm o odiou pelo “nós”. Do jeito que ela a cortou para outro
homem. Em vez de respondê-la, ele fez uma pergunta sua. — O que
diabos você está fazendo aqui?
Ela ergueu uma sobrancelha. — Aqui, em Londres?
Houve um tempo em que ele gostou que ela jogasse a ingênua. Quando
o fez sentir dezenas de vezes o homem. Não mais. — Aqui, em um
barulhento pub.
— Nós preferimos a palavra taberna.
Nós. — Chame isso do que quiser, mas é um pub no coração de Covent
Garden, habitado por uma duquesa com habilidades novas em beber.
O americano riu, e Malcolm o odiava um pouco mais. — Deveria ter
chamado a Duquesa bêbada!
E então Sera estava rindo e Mal tinha o desejo distinto de queimar o
lugar. — Eu estou falando seriamente, Seraphina. Por que você está
aqui?
Ela recostou-se contra a parede distante, os braços cruzados sobre o
baú, vidro pendurado em uma mão. — Eu nasci aqui.
— Não, você não estava aqui.
Ela levantou um ombro. Deixou cair. — Eu nasci em uma cidade de
carvão no país do Norte e renasci em Boston. Covent Garden é um terço
adequado para o trio, você não acha?
Ele estreitou seu olhar sobre ela. — Você é filha de um conde.
Ela sorriu. — E você é o único que foi tão insistente em dizer que o título
do meu pai não contava, Sua Graça. Um título ganhado em cartas não
faz nenhum tipo de sangue azul, nem mesmo quando ele ganhou do
próprio Prinny.
As palavras picaram com a memória. — Eu nunca...
Ela parou a mentira voltando seu copo. — Mais importante, Haven, por
que você está aqui?
Para resgatá-la.

Outra mentira. Essa mulher não precisava dele. Sempre que ele a
procurara, ele a imaginava terrível. Fraca. Arruinada. Esta mulher não
era nenhuma dessas coisas. Não havia nada encolerizado por ela. Em
vez disso, ela era toda a força.

Ela não era nada como a mulher que conheceu naquela longa noite anos
atrás naquele baile de Worthington. Exceto... ela era. Essa mulher tinha
sido ousada e impetuosa. Ela levantou-se para ele. Ela o atraiu como
uma chama quente em uma noite fria. E durante semanas depois, sua
boca inteligente o tentou tanto quanto o corpo quente dela.

E então ele descobriu a verdade - que nenhum de seus namoros era real
- e ela mudou. Ela se acalmou. Ela se apagou. Ela empalideceu.

Ela se tornaria outra pessoa inteiramente. Por causa dele.

E agora, aqui, com a distância dos anos entre eles, aquela noiva calma
e silenciosa havia desaparecido, voltou para a mulher forte e ousada
que ela já havia sido. Mais forte. Mais clara.

Mais bonita.

Não por causa dele. Apesar dele.

Ali, na taberna escura, observando-a cantar, observando-a beber,


observando-a levantar-se a ele, a verdade sussurrou através dele. Ele
pode ter passado três anos tentando encontrá-la e salvá-la, mas ela não
precisava se salvar.

— Por que você está aqui?

A resposta foi simples o suficiente. — Nós não terminamos.

Suas sobrancelhas se ergueram, a surpresa lá em oposição direta a suas


palavras calmas. — Nós terminamos, de fato. Nós passamos dois anos
e sete meses atrás. Antes disso. Ou você não se lembra de virar as costas
para mim no momento em que nossos votos foram falados? Devo
lembrá-lo? Devo lembrá-lo da maneira como você fez isso novamente,
na frente de uma festa de jardim inteira? Do que você fez depois disso?
Com outra?
Claro que ele se lembrava.
Ele lembrou-se todas as noites, lutando para dormir, desesperado para
reverter o tempo e parar-se. Para lhe dizer a verdade, em vez da
mentira, o seu orgulho insistiu. Se ele tivesse, tudo teria sido diferente?
Se ele tivesse, eles estariam felizes agora?
— Como você sabia por onde me encontrar, Haven?
— Eu não sabia, — disse ele.
— Você está pesquisando todas as tabernas em Londres? E
simplesmente aconteceu?
— Você não pode imaginar que o mundo simplesmente ignorou o
espetáculo que você deu ao Parlamento. Você foi vista saindo da
Câmara dos Lordes em uma carruagem pertencente a um americano.
— Ele ficou de pé, afetando a calma que ele não sentiu em três dias, e
se aproximou, lançando um olhar para o homem em questão. — Caleb
Calhoun de Boston. Proprietário conhecido do bar, jogador e canalha
geral.
Como uma bunda, o americano se curvou. — Eu gosto de pensar em
mim como mais um tipo específico de canalha.
Malcolm ergueu uma sobrancelha. — E qual tipo seria?
— O que as senhoras adoram.
Os punhos de Mal apertaram, com carinho para encontrar uma vez
mais a compra no rosto do americano. — Cuidado, Calhoun, ou você
encontrará algo mais do que seu nariz quebrado.
O reconhecimento acentuou-se no olhar do outro homem, que cintilava
para Sera e de volta para ele. E Haven viu a verdade. Sera não sabia que
ele tinha ido lá por ela. O americano nunca tinha dito a ela. Se ele
tivesse, ela teria enfrentado ele? Ela teria deixado ele ganhar suas
costas?
Ele abriu a boca, preparado para contar a todos. Para conquistá-la aqui
e agora.
E então ela disse o nome do americano.
— Caleb. — O nome era suave, sua voz cheia do pior tipo de censura -
o tipo amarrado.
O arrependimento e a dúvida dispararam através de Mal. Ela não podia
amar esse homem. Não quando ela o amara uma vez. Ela o amara uma
vez, não era?
Ele empurrou o pensamento de sua cabeça, odiando e do jeito que ele
o deixou piscar. Mudou o tópico. — Calhoun possui duas propriedades
em Londres. Um é uma residência. Eu fui lá primeiro, só para ser dito
que a duquesa não estava em casa. — Ele olhou para o americano,
pegando seus braços cruzados e seu sorriso sujo. — Ela está vivendo
com outro homem, a propósito.
As sobrancelhas do americano se ergueram, seu olhar deslizando para
Sera, que sorveu calmamente a bebida. — Eu aproveito o fato de você
pensar que você ou Caleb tem uma palavra a dizer no que faço.
— O outro é uma nova taberna, com poucas semanas de idade, já
louvada pelo entretenimento noturno - seja o que for que isso
signifique. Gasta seus dias aqui, com uma mulher. Alta, escuro, bonita.
— Ele se aproximou, odiando-se por vir aqui. Desejando que ele
pudesse deixá-la. Desejando poder levá-la com ele. — Espero que você
use uma máscara.
— Por quê? Você tem medo de arruinar sua reputação? — Ela fez uma
pausa e disse: — Vá para casa, Duque. Não há motivo para você estar
aqui.
Sem motivo, mas que ele não respirou fundo por dois anos e sete meses,
e agora, o ar voltou, fresco e bem-vindo. E tudo o que ele queria era
respirar. — É natural que eu esteja preocupado.
Ela estreitou seu olhar sobre o dele. — Você naturalmente entenderá
por que não acredito que você realmente estava preocupado.
O americano ofereceu-lhe um pequeno grunhido de encorajamento, e o
conjunto de mandíbulas de Haven. Irritado com a audiência, ele se
aproximou ainda mais dela, quase tocando na barra estreita
protegendo-os um do outro. Ele repetiu, suavemente, — Nós não
terminamos, Sera.
Ela olhou por cima do ombro. — Caleb.
Ele detestou o nome do outro em sua língua, detestou a confiança na
palavra de respiração. A fé. Fé que ela nunca tinha dado a ele.
Fé que ele nunca ganhou.
Ele virou-se para enfrentar o americano, consciente de que os homens
poderiam estar dispostos a matar por Sera. Mas o outro homem não se
mudou. Ele ficou parado, com as mãos nos quadris, um soldado pronto
para atacar.
— Deixe-nos, — Serafina terminou.
Por um momento, Haven pensou que estava falando com ele.
Ele deveria sair. Era melhor para ambos.
Mas, de repente, ele estava pronto para lutar.
Não havia nenhuma batalha a ser tida, no entanto, porque ela estava
olhando para Calhoun, o americano calmo e quieto que parecia
disposto a dar-lhe tudo pelo que ela perguntou. Assim como Malcolm
já teve.
As sobrancelhas do americano levantaram-se.
Sera assentiu com a cabeça.
E isso foi o suficiente. Calhoun virou-se e deixou a sala como um idiota.
Não. Não é um tolo. Um rei. Porque nessa decisão de sair sem olhar
para trás, havia uma quantidade insondável de confiança, nascida do
conhecimento de que, quando ele voltasse, ela estaria lá, esperando por
ele.
Outra coisa que Malcolm já havia convencido a si mesmo.
Calhoun abriu caminho da sala, a cortina pela qual ele empurrou ainda
se balançando atrás dele quando Mal disse: — Então, o americano é o
seu cãozinho? Vai onde você diz a ele?
— Ele confia em mim, — disse ela. — É um luxo glorioso em um
homem.
As palavras imediatamente o envergonharam e o enfureceram.
— O que você quer? Covent Garden nunca foi seu assombro. E mesmo
que fosse, você sempre fez um esforço impressionante para evitar as
portas que eu poderia escurecer.
— Isso não é verdade, — ele disse, desejando que eles estivessem em
qualquer lugar, exceto aqui. — Lembro-me de algumas vezes que não
queria estar em lugar algum com você.
— Foi antes de você decidir que não queria nada comigo, — disse ela.
Você mentiu, ele queria dizer. Você mentiu e então você saiu. Mas não
foi tão simples. A verdade terminou, eu a afugentei.
Ele deveria deixá-la. Dê-lhes cada liberdade do outro. Quantas vezes
ele disse a si mesmo que deveria parar de procurá-la? Quantas vezes
ele não conseguiu fazer?
E agora que ele a encontrou, ele sabia que ele nunca seria capaz de
deixá-la.
— Por que você está aqui, Malcolm?
O nome estremeceu através dele. Ela era a única mulher que o chamara
pelo nome dele. Ele nem sequer foi Malcolm para sua mãe, para quem
ele não era mais que triunfo - o futuro duque. Mas Sera sempre pareceu
desinteressada no título.
Mesmo quando parecia que o título era tudo em que ela estava
interessada.
E agora, ouvindo seu nome em seus lábios pela primeira vez em anos,
ele estava imediatamente desesperado pelo som - pelo homem que ele
já tinha sido à sombra dele - e encheu-se de raiva pelo jeito que ela
exercia. Suaves e flexíveis e inteiramente pessoais demais.
Como se ela fosse sua esposa na verdade.
Ele apertou os dentes. Respondeu à pergunta dela. — Estou aqui para
buscá-la.
— Não tenho interesse em ser resgatada, — disse ela.
— Então você não deveria ter voltado.
— Voltei para nos libertar. — Ela bebeu novamente, terminando o
líquido âmbar no copo pequeno e pesado. — Eu tenho planos. Uma
vida para viver. Eu poderia ter desaparecido para sempre.
— Por que você não fez?
Por um momento, ele pensou que poderia responder. A verdade estava
lá, de repente, atravessou seu rosto. Mas ele não conseguiu lê-la do jeito
que ele já havia conseguido. E então ela disse: — Suponho que pensei
que você merecia melhor.
Era uma mentira.
Ele não merecia melhor; ele merecia muito, muito pior.
O que significava apenas uma coisa. Ela estava escondendo alguma
coisa.
Seu olhar se estreitou sobre ela. — Melhor, como na vergonha pública
como um corno? Melhor, como em uma esposa que tão me aborrece
que ela encontra o divórcio mais palatável do que um duque?
Ela sorriu. — Você diz isso como se eu tivesse alguma reivindicação no
duque. Você deixou muito claro que não era bem-vinda em seu mundo,
Sua Graça.
— Você saiu antes... — Ele se impediu de terminar o pensamento.
Um longo momento passou, emoção ausente em seu rosto. — Eu parti
antes que você pudesse me mandar embora, como propriedade
indesejada.
— Eu não teria...

— Claro que você teria. E eu não queria. Não queria a raiva. Eu tinha o
suficiente disso mesmo. E eu não queria o arrependimento. Eu também
tive o suficiente disso. E o que mais estava lá? Pena? Não, obrigado.
Desejei um futuro livre de tudo isso. E você também deveria.

As palavras se desencaminhavam por ele. Ele não queria mandá-la


embora. Ele queria mantê-la sempre. Ele estava triste por ela, droga.
Por anos. Ele estava triste pelo que eles poderiam ter sido. E quando ela
partiu - ele nunca admitiu isso a ninguém - ele se apaixonou por si
mesmo.

Ela levantou uma caixa de pederneira e veio ao redor do bar,


contornando o palco. — Ficamos por aqui, Duke. Vá em casa para sua
propriedade e planeje seu futuro brilhante. Deixe-me para o meu, e
pense em quão sortudo você é por estar sendo-lhe ofertado uma
segunda chance. Encontre uma nova duquesa! — Ela ofereceu, como se
a ideia fosse excelente. — E quando chegar em outubro, traga a petição
de divórcio para o salão. Me pinte como uma adúltera. E vamos fazer
esse negócio funcionar.

Caramba, ele não queria outro futuro. Ele queria aquele que o tentou
há tantos anos atrás. Seu futuro. O deles. Ele havia procurado, excitante,
em todo o mundo. Ele queria gritar a verdade para ela. Que ele esteve
em Boston. Que ele havia procurado o continente. Que ele não dormiu
em dois anos, sete meses. Que ele só a quis.

E ele poderia ter, se não tivesse parecido que ela não queria nada com
ele.

— Você deseja que seu adultério seja tornado público? — Ele foi
rebitado com a graça dela quando começou a acender as velas no palco.

— A Câmara dos Lordes certamente não permitirá que a dissolução do


nosso casamento esteja em suas ações, e eu não seria a primeira esposa
a ter um peso tão forte para obter o que ela deseja.
Mas não foi o que ele desejou. Ele desejou o contrário. Um casamento
na verdade.

— O poderoso Collude, Duque. Eles coniventes e eles planejam obter o


que eles querem. — Ela olhou para ele, inescrutável. — E a prova disso
é o quão bem eles suspeitam disso nos outros.

Ele não se importou se ela tivesse planejado. Não mais.

— Eu quero o meu divórcio, — disse ela. — Eu tenho um futuro antes


de mim.

— Com o seu americano?

Ela não respondeu, e ele a observou enquanto acendia as velas, luz


dourada se espalhando como luz das estrelas através de seus cachos de
mogno, suas palavras ecoando por ele.

Ele queria ser o futuro dela. O que significava que ele teria que ganhá-
la.

Encontre uma nova duquesa.

Ele se aproximou dela mais uma vez, atravessando as mesas.

Ela encontrou seu olhar, inabalável. Orgulhosa. — Saia, Haven. Caleb


não ficará feliz se abrimos as portas e você estiver aqui. Não há nada
pior para as empresas do que um duque.

Encontre uma nova duquesa.

— Eu irei em uma condição, — disse ele, as palavras chegando tão


rápido quanto os pensamentos se formaram.

Ela levantou uma sobrancelha.

— Venha comigo.

Ela riu, baixo e longo e, de alguma forma, cheia de conhecimento, como


se soubesse o que deveria fazer antes de se conhecer. Mas então, sempre
foi assim entre eles. — E o que então?
— Venha para o Campo. Você me dará seis semanas. Até o Parlamento
voltar a sessão.

Ela voltou para as velas. — O que é isso, algum grande plano para me
curar de novo? Como se estivéssemos em algum tipo de romance
romântico?

Sim. Mas, ele era inteligente o suficiente para ficar quieto.

— Nós não estamos em uma novela romântica, Haven. Esta não é uma
história de amor.

— Porque você está em uma com o seu americano?

— Porque eu não tenho vontade de estar em uma. Nunca mais.

Novamente. Ele pensaria nessa palavra outra vez. Apegue-se. — Tudo


bem, — ele respondeu. — Mas você está em um casamento comigo, e
você prometeu obedecer.

Ela olhou para ele com um olhar. — E você prometeu honrar.

— Esta é a minha oferta. Seis semanas, e você se divorcia. — Era uma


mentira, mas ele cruzava aquela ponte quando ele chegasse a isso.

Seu olhar se estreitou. — O que você pretende fazer com seis semanas
da minha companhia?

— Eu pretendo usá-la, — disse ele, a resposta chegando mesmo quando


ele falou. — Eu pretendo que você encontre sua substituta.

Ele ouviu sua respiração aguda, e era sua vez de sentir-se satisfeito.
Para sentir como se ele tivesse ganhado. Sua vez de sorrir.

— O que isso significa?

— Apenas o que eu disse, — ele respondeu. — Você vem para o campo


e passa seis semanas buscando sua substituta.

— Você quer que eu combine com você.


Ele gostava da descrença em suas palavras, da forma como o ajudava a
recuperar o equilíbrio. — Você deve admitir, isso me salvaria um
grande esforço.
Ela estreitou seu olhar. — Você não acha que tal acordo seria...
impraticável?
— Não é nada.
— Oh, não. Tenho certeza de que não seria nada estranho para os
pobres donzelas ansiosas para a atenção de um duque ser fechado em
uma casa de campo, jogando charadas com sua primeira esposa – a
quem ele está a ponto de se divorciar.
— Eu acho que seria muito mais provável que encontremos um alívio.
Afinal, se pudermos coexistir, talvez eu possa evitar o pior do divórcio.
Com uma elegante sobrancelha arqueada ela falou. — Você não acha
que seu ducado será um bálsamo para sua miserável reputação?
— Eu gostaria que elas tivessem a prova de que eu não a maltratava.
— O maltrato não é apenas externo — disse ela.
A culpa bateu por ele, pontuada pela lembrança do som da porta da
carruagem que fechou quando ele a mandou embora. Do som de suas
lágrimas no dia em que ela voltou. Do som do silêncio que caiu quando
ela o deixou para sempre.
Ainda não é bom.
Ela estava de volta.
Ele engoliu a emoção e encontrou seu olhar. — Você quer o seu
divórcio, não é?
Ela o observou enquanto parecia considerar suas palavras. Finalmente,
ela disse, toda calma, — eu quero.
— Encontre a sua substituta, Sera. E você terá.
Era um plano louco. Idiotice pura. E ele não teria sido surpreendido se
ela tivesse dito isso a ele. Ainda assim, ele prendeu a respiração,
esperando sua resposta, observando o modo como a luz das velas
cintilava sobre sua pele, lançando-a na luz e na sombra, uma beleza
notável.
Mas ela não lhe disse isso. Em vez disso, ela concordou com a cabeça.
— Agora vá embora.
Ele deu o que ela queria e saiu sem dizer uma palavra, fazendo
preparativos para curtir sua amada esposa.

Capítulo 8
: :
O Escândalo Mais Lento da Temporada: Marcas
do Tempo Para Tick Tock Talbot!

Abril de 1833
Três anos, quatro meses antes

— Beethoven?
Seraphina ergueu os olhos do pianoforte para encontrar sua irmã
Sophie no conservatório, uma música em uma mão, um olhar
expectante em seu rosto.
Sera enrugou o nariz. — Muito bombástica.
Sophie voltou para a pilha de música. — Hinos?
— Demasiado piedoso.
— Baladas infantis?
Sera sacudiu a cabeça.
— Mozart?

— Também... Mozart, — Sera suspirou.

Sophie deu uma olhada. — Ai sim. Ninguém gosta de Mozart.

Sera riu e tocou nas teclas do piano, tocando uma pequena música
improvisada. — Thomas Moore.

Sophie revirou os olhos. — É sempre Thomas Moore com você.


Honestamente, se eu não soubesse melhor, acho que queria casar com
ele. — Ela ergueu uma música bem usada e atravessou a sala,
apertando-se no pequeno banco de tufos onde Sera já estava sentada e
colocou a partitura no suporte de música ornamentado.

Sera estendeu a mão para amortizar o papel com carinho. — Se ele não
fosse o dobro da minha idade e casado com uma atriz, eu estaria
inclinado a fazer exatamente isso, honestamente. — Ela tocou as
chaves, encontrando as notas de abertura da música, amando a maneira
como a lavaram. Ela não precisava da partitura. Não por isso, nem por
nenhuma das outras peças de Thomas Moore.

Ela fechou os olhos e tocou na memória enquanto a irmã respondeu: —


Sem sentido. Você nunca desistiria de seu duque perfeito.

Sera ficou quente com as palavras e perdeu uma nota. — Ele não é meu
duque.

Exceto que ela pensava que era. Mesmo que ela não pensasse nele como
um duque. Ele não era um duque. Ele era Malcolm. Ela é Malcolm.
Todos os sorrisos e toques e beijos como uma promessa. E cada um
deles para ela. Eles se viram dezenas de vezes nas seis semanas desde
que se conheceram, em público e privado, e sempre sentiram como se
fossem os dois sozinhos. Como magia.

— Eu gostaria que ele fosse meu duque, — disse ela suavemente.

— Então ele deve ser. — Sophie virou a página da música, embora Sera
não precisasse, enquanto ela deixa a música assumir.
Ela cantou: “É a última rosa do verão, deixou florescendo sozinho; Todos os
seus adoráveis companheiros estão desbotados e desapareceram”. — A música
sempre a fez doer. "Nenhuma flor de sua parentela, nenhum rosebud está
perto, refletir de volta a sua rubor ou dar suspiro por suspiro.”

— Lady Seraphina Eleanor Talbot!

Ela parou de tocar.

Sophie olhou para ela. — Parece que você está com problemas.

E a porta do conservatório começou a abrir, voltando para se conectar


com o muro além, revelando a Condessa de Wight, anteriormente Mrs.
Talbot. A mãe delas.

A condessa brandiu um jornal em uma mão, segurando-o acima de sua


cabeça como uma bandeira heráldica, embora o pânico nos olhos
indicasse que a bandeira em questão não era de forma alguma
triunfante.

As três irmãs restantes de Sera seguiram perto dos calcanhares da


condessa, o aviso em seus respectivos olhos de olhos arregalados
mostra uma clara indicação de que algo aconteceu e não era uma boa
coisa. Sesily, a irmã mais próxima de Seraphina, estava tremendo a
cabeça dramaticamente pelo ombro direito de sua mãe, enquanto
Seleste e Seline, números três e quatro do quinteto, parecem apontar
para um olhar significativo.

Embora Sera não pudesse pela vida de seu divino o que significava que
esses pensamentos deveriam ter.

E então a condessa falou, indignação sacudindo as palavras dela. — Ele


tem você?

O maxilar de Sera caiu na pergunta grosseira. — O que?

Seline e Seleste arquejaram seu choque quando os olhos de Sesily se


abriram. Por sua parte, Sophie foi em frente, imediatamente alcançando
a mão de Sera. — Mãe!
A condessa não olhou para a filha mais nova, focada inteiramente em
sua filha mais velha. — Agora não há tempo para a propriedade.
Responda a pergunta.
Sera ficou sem palavras.
Sesily - querida, leal Sesily - saltou na briga. — Você ficou louca, mãe?
A quem você se refere?
A condessa não hesitou. — O Duque de Haven. E agora isso é claro,
deixe-me perguntar novamente, e você faria bem em me responder,
Seraphina. Ele já teve?
Sera fechou a boca. — Não.
A condessa a observou por um longo e interminável silêncio antes que
Sophie estivesse de pé. — Eles estão apaixonados.
A condessa riu, alta e estridente e desagradável. — Ele disse isso? — A
questão pousou como um golpe. Sera apertou seus lábios juntos, e sua
mãe leu a resposta sem ter que ser falada. — Claro que ele não disse.
A condessa se virou com um toque violento. — Caramba, Sera. O que é
que você fez?
Ela balançou a cabeça. — Nada!
Sua mãe olhou por cima do ombro, o sol da manhã caindo pela janela
destacando sua decepção. — Você acha que eu não fui jovem uma vez?
Você acha que não posso ver aquela mentira?
Sera levantou-se, os punhos em seus lados. — Ele cuida de mim.
— Ele se importa com o que você está dando a ele.
— Mãe. — Isso, de Seline. — Você não precisa ser cruel.
— Parece que sim, — disse a condessa. — Porque nunca pareceu a
nenhuma de vocês que você possa estar sendo aproveitada. — Ela
voltou para Sera, já atravessava o quarto, rápido e furiosa. — A metade
da temporada se foi, e ele não está cortejando você.
Ele estava, não era?
Antes que ela pudesse discutir o ponto, sua mãe pressionou. — Ele não
falou com seu pai.
Ela abriu a boca. — Ele vai.
— Não, Sera. Ele não vai. Ele teve seis semanas para fazer isso. Ele já
teve seis anos. Você espera que eu acredite que depois de seis anos de
estações, de ser desprezado por aristocratas pomposas com mais
dinheiro do que o próprio céu, de raspar por convites e pedir atenção,
o Duque de Haven tem gostado de uma Cinderela Borralheira?
Sim.
Não importava que todos tivessem lutado para encontrar pretendentes
que não estavam empobrecidos ou sem título. Não importava que ela e
Malcolm nunca tivessem discutido seu futuro. Ele prometeu que não a
arruinaria naquela primeira noite, naquela varanda.
Ele a queria. Ela sabia disso.
Ela o queria também.
— É verdade.
A condessa sacudiu a cabeça e, por um momento, Sera viu tristeza no
olhar de sua mãe. Tristeza, e algo como pena. — Não, Sera. Ninguém
tem tanta sorte. — Uma pausa. Então, — Os papéis dizem que você foi
indiscreta.
— Eu não tenho. Nós não temos feito nada de errado.
Exceto, eles tinham. Havia tempo na carruagem. E os momentos
roubados no Beaufetheringstone Ball. E o momento em que ela entrou
em seus escritórios no Parlamento - mas nada aconteceu.
Bem, nada de grave. Nada irreversível.
Sua mãe não acreditou nisso. — Deixe-me estar claro. Você ainda é
virgem?
Suas irmãs ofegaram quando ela disse: — Mama!
— Salve seu choque por outro, Seraphina. Você é?
— Sim.
— Mas ele chegou perto. — Sera hesitou, até que a condessa latiu, —
Seraphina.
— Sim! — Ela respondeu, ligando a mãe. — Sim. E eu gostaria que ele
tivesse feito. Eu queria não ser.
Os olhos de Lady Wight se afundaram quando as irmãs de Sera
rechaçaram. — Ele não vai se casar com você.
— Por que não?
— Porque todos vocês cinco estiveram fora por anos, e nenhuma de
vocês chegou perto de um duque. Eles nos acham baratos. Eles nos
acham indignos de seus nomes e seus títulos. — Ela acenou para as
irmãs dela. — Seleste pode se tornar condessa de Clare, mas apenas
porque o conde é praticamente um indigente e o dinheiro do seu pai
vale mais do que a vergonha que trazemos anos sobre um título. Mas
marque minhas palavras, nenhum deles encontrará casamento se você
se deixar arruinar por este duque.
O rosto de Seleste caiu com as palavras, e Sera odiava a mãe naquele
momento. Ainda mais, quando ela continuou. — Haven também pode
ser uma estrela no céu para tudo que você queira alcançá-la e não
buscá-la. A temporada tem seis semanas e você o viu, o quê, uma dúzia
de vezes?
Vinte e seis vezes. Mas Sera permaneceu quieta. Ela não precisava falar.
— Mais do que isso, provavelmente, o que com todo o furor sobre você,
as meninas estão fazendo enquanto eu estava olhando para o outro
lado. — A condessa brandiu o jornal alto. — Os tabloides de fofocas
não estavam olhando para o outro lado, Seraphina. Você sabe o que eles
dizem sobre você?
O coração de Sera estava batendo. — Eles não têm nada a dizer. Tenho
cuidado.
A condessa riu, o som sem humor. — Não é cuidadoso, Tick Tock
Talbot.
Ela colocou o papel no suporte de música, cobrindo a música lá.
Sonhos de duquesa condenados ao desapontamento... O tempo tropeça
timidamente apesar de dezenas de atribuições aristocráticas... Marque Tock
Talbot sem esperança para engatar Haven... apesar de um sabor tentador
(semelhante a uma torta, mesmo)!
As bochechas de Sera estavam brilhando.
Eles não tinham sido cuidadosos. Havia as centenas de olhares em
eventos lotados, suas perversas piscadelas e seus sorrisos suaves e
todos os segredos que contaram sem sequer falar. E havia dezenas de
pequenos toques, arrasou o cotovelo, os dedos no braço dele, como a
mão dele se demorou quando eles foram autorizados a cumprimentar-
se em público. O dia quente da semana anterior, quando eles entraram
em Hyde Park e ele a ajudou sobre cada pequena pedra e pau, seu toque
um deslizamento lento e pecaminoso.
Eles não tinham sido cuidadosos.
— Uma torta, — explicou sua mãe, como se Sera não pudesse ler o
insulto. — Eles chamam você de torta. E isso não é o pior.
Foi absolutamente o pior, Sera deveria ter dito. Mas ela não conseguiu
encontrar sua voz.
Não é assim, sua mãe continuou. — O pior é o horrível apelido.
— Irmã suja? — Sesily interveio de seu lugar na esquina. — Isso vem
de papai. Do carvão. Não tem nada a ver com Sera.
— Tudo tem a ver com ela agora, mas essa não é a que eu estou me
referindo. — As palavras de sua mãe vieram da distância, através do
som apressado nos ouvidos de Sera. Através de choque, raiva e
constrangimento. — Sera sabe a qual eu quero dizer.
Sera assentiu, então sussurrou, — Tick Tock.
— Eles estão zombando de você. O jeito que você espera por ele, o
tempo que você passa, outra temporada, e nem sequer olha para
homens elegíveis. Homens que podem ter você. Marque Tock Talbot.
— A condessa levantou os braços. — E eles sabem que você lhe deu
tudo.

Sera olhou para a mãe dela. — Não tudo.

— Oh, Seraphina, — a condessa disse, sua exasperação clara. — Não


importa se você fez isso. Eles acham que você fez. Você está arruinada,
garota. E ele é um dos duques mais ricos da Grã-Bretanha.

— Nós... — Ela engoliu em seco. — Ele me quer.

— Não tenho dúvidas disso. — Sua mãe balançou a cabeça, as palavras


eram suaves. — Mas se ele tivesse planos de se casar com você, querida,
ele teria vindo e visto seu pai. Em vez disso, ele se aproveitou de você.
Ele a selou com um nome horrível e ele selou suas irmãs com a ruína
por associação. — Ela fez uma pausa e dirigiu o ponto para casa. —
Você as selou com isso.

Sera olhou para as irmãs dela... as irmãs sujas, nunca são bem-vindas
na sociedade, sempre sujeitas de desprezo e especulação. Seleste e seu
conde empobrecido. Seline, muito inteligente para seu próprio bem.
Sesily, muito impetuoso de ser uma boa mulher aristocrática. E Sophie,
pobre e tranquila Sophie, a quem o mundo inteiro pensava. Quem
cuidaria delas?

A condessa entrou em seus pensamentos. — Há outro homem. Que está


disposto a se casar com você. Para tirá-la de sob essa fofoca horrível.
Talvez, se você se casar com ele rapidamente, Tick Tock Talbot será
esquecido. As Irmãs Sujas serão esquecidas. Talvez, se você se casar
com ele, você pode salvar suas irmãs seu constrangimento.

— Essa não pode ser a única maneira, — declarou Sesily.

— Não! — Disse Seline.

— Mãe... — Sophie falou. — Sera não deveria ter que se casar com a
gente.
A única que ficou em silêncio foi Seleste. Seleste, que estava sendo
cortejado por um conde empobrecido. O melhor título que as irmãs
Talbot poderiam esperar. Muito abaixo do de um duque rico e perfeito.

Um duque rico que nunca havia dito uma palavra sobre casamento.

Sua mãe falou novamente, fria e séria, para Sera sozinha. — Você vai
parar essa perseguição embaraçosa. Você encontrará um homem que
se casará com você. E você se casará para garantir o futuro de suas irmãs
e os seus. Esta temporada, antes que o moinho de fofocas a destrua para
sempre. Porque o casamento é como as mulheres ganham. — Ela se
virou para o resto de suas filhas. — É hora de você ver isso. O título de
seu pai nunca irá obter o respeito que você merece. E você não tem um
irmão para protegê-la. Algum dia, Papai se desviará, e terá de se afastar
por si mesmo e para fazer isso, você terá que se casar. E a única maneira
que você vai fazer bem é que sua irmã arrume a bagunça que ela fez.

Será que ela fez uma bagunça? Era verdade?

Ela olhou de uma irmã para a outra, cada uma com os olhos arregalados
com tristeza e outra coisa. Algo surpreendentemente como o medo.

Como ela detestava este mundo e a forma como ele atacava as


mulheres.

Chegaram lágrimas, gostosas e irritadas, e também as aborrecia por


causa da sua fraqueza. Por que a raiva dos homens surgiu em uma
porção de punhos, enquanto as mulheres chegaram a um dilúvio de
lágrimas?

A condessa a observou por um longo momento, sem olhar para as


outras filhas quando disse: — Agora, todas vocês. Deixe-nos.

Suas irmãs hesitaram, abençoe-os, cada um olhando para ela,


esperando que ela concordasse com sua partida. Ela assentiu, amando-
os, sabendo o que faria. Preparado para se afastar do homem que ela
amava por eles. Preparada para, como a mãe havia dito, limpar sua
bagunça.
Sophie fechou a porta atrás dela, deixando Sera e a condesa juntas.
Depois de um longo trecho de silêncio, Sera afastou suas lágrimas e
colocou uma mão no pianoforte, como se ela pudesse tirar força do
instrumento. Ela respirou fundo. — Quem é o homem com quem você
quer me casar?
O silêncio se estendeu entre elas antes que sua mãe se aproximasse,
alcançando sua filha e colocando uma mão em sua bochecha, a pele
infantil suave como uma promessa firme. — Desejo que você se case
com o homem que você deseja, Sera. Mas um duque...
Lágrimas voltaram, e Sera não conseguiu segurá-las. — Eu não me
importo que ele seja um duque. Isso nunca foi de interesse.
— Eu sei.
— Ele é Malcolm. Desejo Malcolm.
A condessa sacudiu a cabeça. — Mas Malcolm é Haven antes de tudo,
minha querida.
Sera fechou os olhos, tudo de repente, surpreendentemente,
dolorosamente claro. — Ele não vai se casar comigo, não é?
— Não, — disse a mãe e Sera abriu os olhos, encontrando o olhar
castanho escuro da mãe. — Não, ele não vai.
Quanto mais ela resistiu à verdade, mais ela colocou suas irmãs em
perigo. Sem casamento, todos estavam perdidos. Era seu dever como
filha mais velha garantir que nunca acontecesse.
E então, sua mãe disse calmamente: — A menos que...
O coração de Sera saltou. Ela faria isso. O que quer que fosse.
Se terminasse com suas irmãs seguras e Malcolm dela, ela faria
qualquer coisa.
Capítulo 9
: :
Cerco de Verão das Irmãs Sujas!

— Obrigada Senhor. Ela trouxe comida.

Seraphina se afastou da janela do treinador quando sua irmã mais nova,


Sophie, Marquesa de Eversley, anunciou sua chegada à sua casa de
infância. Ela sorriu para o pronunciamento – Sophie sempre gostava de
comida – e foi bom saber que algumas coisas não mudaram.

— São apenas duas horas para Highley, Sophie.

— Não se pode ter muito cuidado, — respondeu a irmã quando a porta


se abriu, revelando sua irmã do meio, Sesily, armada com uma cesta de
vime. — Você tem pasteis?

— Eu não, de fato, — disse Sesily, colocando a cesta no chão e


empurrando-a para a carruagem antes de levantar as saias e pisar o pé.
— Mova-se, garotas.

Sera se apertou mais perto do lado mais distante da maior carruagem


de Caleb, que ele alegremente cedeu para transportá-la junto com suas
irmãs para o campo. Para Haven.

Ela adiou a viagem por vários dias, imaginando, ela supôs, que ele
poderia esquecer seu acordo. Ela teria deixado isso mais tempo se
pudesse, mas Haven havia enviado uma mensagem para The Singing
Sparrow que, se ela não chegasse hoje - dez dias desde a apresentação
parlamentar, como ele se referiu a ele - então ele mesmo iria voltar para
buscá-la.

Havia muitas coisas que Seraphina Bevingstoke prometeu nunca mais


fazer, mas, certamente, ser chamada publicamente por um homem era
a principal entre elas. E então ela foi para Caleb e fez arranjos para estar
ausente do Sparrow por várias semanas. E então ela empacotou as
malas. Mas não antes de convocar reforços.
— Ow! — Sua irmã do meio, Seleste, jogou um cotovelo. — Não há
espaço, Sesily!
Parecia que mesmo a maior carruagem não conseguia mais fazer uma
passagem confortável. Mesmo com as janelas abertas para aliviar o
calor.
Sera suspirou. — Nós vamos ter que abrir espaço. Sesily tem que se
encaixar.
— Faça-a sentar-se no chão, — Seline, a quarta dos cinco, sugeriu do
banco oposto da carruagem, agitando um leque. — Tarde para treinar,
confortável como uma barata, não?
Sera riu das lembranças das regras de seu pai para as viagens na
infância. Era improvável que cinco crianças e dois pais fizessem uma
passagem confortável, mas eles tinham feito isso. — Há dois problemas
com essa linha de pensamento. Primeiro, somos consideravelmente
maiores do que era quando alguém conseguiu caber no chão. E...
— E o fundo de Sesily é consideravelmente maior do que era antes? —
Seleste tocou.
Todas riram quando Sesily piscou e disse: — Eu raramente ouço
queixas sobre o tamanho do meu fundo.
Tanto assim quanto Sera acreditava. Sesily era, de longe, a mais
voluptuosa das cinco irmãs Talbot, e de longe o mais cobiçada. Mas
Sesily abraçou o escândalo ainda mais do que o resto das irmãs, fez e
disse o que quisesse e permaneceu incomparável por causa disso -
apesar de ter rotineiramente os homens que escorreram depois dela.
— Sem dúvida, a metade masculina de Londres tem medo de estar
sentada. Sente-se lá, — Seleste respondeu, apontando para Sophie e
Seline.
— Não. Sophie precisa de espaço. Ela está aumentando.
— Eu sabia que eu escolhi bem, — Seline se gabou de seu assento.

— Ela não está aumentando nas próximas duas horas! — Seleste


protestou, mesmo quando ela empurrou, pressionando Sera mais perto
da porta.

— Nós não sabemos isso!

Sera inalou profundamente, tentando tornar-se menor, mas mesmo


assim, não conseguiu encontrar desconforto no momento. Se houvesse
algo no amplo mundo que pudesse impedir que ela pensasse nas
próximas seis semanas de sua vida, era o turbilhão de suas quatro irmãs
ligeiramente loucas, inteiramente enlouquecedoras e completamente
irmãs maravilhosas.

Com um impulso final, provocando um gemido frustrado de Seleste,


— Feche a porta, William! — Sesily chamou o lacaio além. —
Rapidamente, antes de explodir daqui e causar uma cena!

— Oh, sim, — disse Seline, seca como areia. — Ninguém esperaria isso
de nós.

Uma vez que isso aconteceu, todos na carruagem soltaram um longo


suspiro e Seleste disse: — É possível estar morta em duas horas?

— Oh, por favor. Você é tão amplo quanto um galho, — disse Sesily. —
É impossível espremer você. Pressione.

— Não. Há. Espaço! — Protestou Seleste.

Sesily suspirou. — Preciso lembrar o que acontece quando não estou


confortável em uma carruagem?

Um gemido coletivo surgiu do resto das ocupantes, e Sera riu. — Esse


foi o segundo motivo pelo qual ela não podia sentar no chão.

— Se você vomitar sobre mim... — Seleste advertiu.

— Estou simplesmente dizendo que você faria bem em lembrar que sua
bondade poderia significar a diferença na trajetória. E com Sophie com
criança. . . Nunca se sabe o que poderia simpaticamente seguir minha
própria e infeliz projeção.
Seline enrugou o nariz e olhou para Sophie. — Você não se atreve.
Sophie encolheu os ombros, um brilho nos olhos, seu leque voando pelo
ar.
— Ninguém nunca. — Seleste gemeu. — Lembre-me novamente por
que estamos todos nesta carruagem quando todas temos maridos e
carruagens nossas?
Quando Sophie, Seline e Sesily falaram, estava em uníssono. — Por
Sera.
Seleste assentiu e suspirou. — As coisas que fazemos para as irmãs.
Sera olhou para a janela, incapaz de falar pelo nó que se formou em sua
garganta com as palavras. Ela tinha partido há três anos. Ela partiu sem
dizer uma palavra, sem parar para contar a sua família - a quem ela
sempre amou além da razão - o que aconteceu. Ela lançou uma nota
através de suas lágrimas nas docas de Bristol, apenas falando para eles:
“Ela não viveu. Eu estou indo para a América.”
E uma vez em Boston, ela não escreveu, com muito medo do que a
caneta da fixação do papel pode liberar. Tristeza. Dor.
Arrependimento. Ela tinha ficado longe, e eles viveram suas vidas. Mas
quando ela voltou, eles não hesitaram. Eles retomaram sua devoção
leal, como se ela nunca tivesse saído.
Apesar de ter perdido tanto. Dois casamentos. Quatro crianças.
Aniversários, bailes e escândalos e tanto que pareciam menos
importantes e infinitamente mais. Seu peito apertado com emoção, Sera
inalou bruscamente na carruagem silenciosa, nada mais que as rodas
de barulho nas pedras para cobrir o som.
Sophie inclinou-se para a frente, cruzando a mão para colocar as mãos
nas saias de Sera. — Sera.
Sera sacudiu a cabeça, incapaz de encontrar palavras.
— Você não precisa dizer nada, — disse ela. — Estamos ao seu lado.
Sera olhou para a irmã, aquela que ela lembrava, segurando como bebê.
Querida Sophie, que sempre foi a pessoa tranquila. A despretensiosa.
Fora de lugar. Exceto nunca despretensiosa. Quando chegava a hora de
mostrar lealdade, Sophie estava sempre disposta a lutar.
Foi Sophie que tinha empurrado Haven diretamente em um tanque
com peixinhos quando elas se depararam com ele em uma festa de
jardim com outra mulher. Ele acreditando que Sera o traiu.
Acreditando que ela mentiu, e não apenas em omissão.
Foi Sophie quem a defendeu, mesmo que não se tivesse defendido.
As ações tinham arruinado a reputação de Sophie sumariamente.
Alguém não batia em um Duque sem repercussões – nem mesmo um
Duque a quem você era parente. E ainda assim, sua irmã não hesitou.
E, sinceramente, a imagem de Haven com a cintura afundada em um
viveiro de peixinhos não era indesejável nas noites mais sombrias de
Sera.
Mas Sophie estava errada. Sera teve que falar agora. Mesmo que apenas
para dizer: — Estou muito feliz por estar... — Ela parou, incerta do fim
da frase. Parecia possível que ela pudesse terminar com “em casa”.
Certamente, uma cena como essa, em uma carruagem lotada com suas
irmãs – que antes conhecera o seu melhor no mundo – estava em casa.
Mas as coisas mudaram. E então houve um tempo – fugaz e desastroso
– quando sua casa fora onde Haven estava. E então tinha havido a
esperança de voltar para casa, perdida com a criança que tinha sido tão
cheia de promessas. Agora, a verdade – lar era uma coisa estranha e
efêmera. Era possível que ninguém conhecesse honestamente seu
abraço?
Não. A casa não era o que a fazia feliz naquele momento.
Ela forçou um sorriso. Olhou para cada uma de suas irmãs por sua vez.
— Estou muito feliz por estar com vocês.
Isso era verdade. Mesmo enquanto caminhavam para Highley, onde
ela combinaria seu marido com outra. Como se fosse uma coisa
perfeitamente comum para uma esposa encontrar sua substituta. Como
se não estivesse falando que ele claramente estava planejando substituí-
la todo o tempo.

Não que isso valesse. E não. Na verdade não. Era apenas orgulho.

Era isso.

Ela voltou a olhar para a janela.

— Assim... — Começou Sesily, e Sera preparou-se para a pergunta,


sabendo que ela sem dúvida havia desbloqueado um dilúvio delas. E
foi justo, não foi? Elas estavam aqui, empilhados em uma carruagem
com praticamente nenhuma informação sobre por que e então,
simplesmente porque ela havia chamado. Certamente elas mereciam
algumas respostas.

Ela olhou para Sesily, que, claro, foi a primeira a pular a brecha. Sesily
nunca tinha ficado quieta em sua vida quando havia algo importante a
ser dito. — Sim?

— Caleb é muito bonito?

Houve uma batida à medida que a questão caiu na carruagem,


surpreendendo a todos. Seleste sorriu. — Você terminou com os
homens da Inglaterra, então? Para ficar com os americanos?

— Não estou disposta a considerar a possibilidade.

— Mamãe ficará louca se você se casar com um americano! — Disse


Sophie. — Lembra-se de como ela estava furiosa quando Seline se casou
com aquele criador de cavalos?

— Primeiro, — veio a resposta exasperada de Seline, — Mark não é


apenas um reprodutor de cavalos. Ele é mais rico que metade da
aristocracia.
— O que significa praticamente nada, — interveio Sesily. — Todo
mundo sabe que a metade da aristocracia são pobres como ratos de
igreja.

— Em segundo lugar... — Seline pressionou, — Mamãe sabe que é


melhor não se intrometer em outro casamento. Não foi terrivelmente
bem no passado. Nós estamos indo para o campo para garantir a Sera
um divórcio, pelo amor de Deus. — Foi difícil argumentar isso. — O
que me leva ao terceiro lugar, Mamãe ficará encantada além das
palavras para ver Sesily casada com qualquer um. Mesmo um garçon.
Da América. — O último foi dito da maneira como se poderia
pronunciar uma doença pavorosa. Praga. Ou lepra.

— Não é um garçon — Sera disse, suavemente.

Todos a ouviram, no entanto, o amplo sorriso de Sesily, a única


indicação de que elas estavam ansiosas por sua contribuição. — O que
me traz de volta à importante pergunta em questão.

Seline falou ao mesmo tempo. — Proprietário de pub, então.

— Nós preferimos taberna, — disse Sera.

Sophie voltou a se virar. — Nós. — Ela olhou para os outros. — Ela


disse “nós”.

— Bollocks5, — disse Sesily, alcançando a janela estreita no lado da


carruagem e empurrando-a o mais longe possível - infelizmente, não o
suficiente para mover o ar no meio de transporte. — Suponho que a
questão mais importante não é se o Sr. Calhoun é bonito, mas sim se ele
é reivindicado.

Sera sacudiu a cabeça. — Ele não é.

— Bonito? — Sesily provocou. — Pena.

5
Bollocks – é uma palavra de Inglês, significa " testículos". Frequentemente usada como substantivo para significar "absurdo",
um palavrão que segue um acidente menor ou infortúnio, ou um adjetivo para significar "má qualidade" ou "inútil".
— Reivindicado. — Sera riu, curtindo o sentimento, raro e bem-vindo.
— Ele é muito bonito, de fato.

Os olhos de Sesily ficaram iluminados. — Excelente!

— Você está certa de que ele não é reivindicado? — Seline perguntou


pensativa. — Você não...

Sera sacudiu a cabeça. — Eu não tenho feito isso.

— Em tudo? — Seline disse, cheia de descrença.


— Em tudo.

— Você sabe que nenhuma de nós poderia julgá-la se você tivesse, —


Seleste saltou para dizer.

— Claro que não. O que, com o horrível Haven, deve ter... — Seleste
disse, cortando-se antes que ela pudesse terminar a frase, resultado das
miradas combinadas e pontudas de suas irmãs. — Não importa.

Exceto que ele não tinha sido horrível.


Ela não disse as palavras. Odiava que ela sequer pensou nelas. Mas em
todos os anos que ela tinha estado longe dele, ela não tinha arrumado
um amante. E pensar nele tinha sido o motivo.
— Bem, — disse Sesily. — Ele é grande e brutal? Tamanho de Warnick6?
Eu não deveria afastar alguém de tamanho Warnick.

Os suspiros ofegantes indignados e as gargalhadas em torno da


carruagem tiraram Sera de seus pensamentos. — O duque de Warnick?
— Se ela se lembrava corretamente, o escocês havia herdado um
ducado anos antes e nunca vinha a Londres. — Ele está na sociedade
agora?
— Raramente. Ele é o amigo mais querido do King, — disse Sophie,
referindo-se ao marido com uma onda de mão. — E casado com uma
6Warnick – é um duque Escocês (Personagem de Amor Para Um Escocês - Escândalos e Canalhas #2 - Sarah MacLean), com
mais de dois metros, e pesando possivelmente uns 120 quilos, distribuídos pelo corpo largo e musculoso, sem um grama de
gordura. Aparentava ser mais selvagem que os cachorros e maior do que a casa. Assim era o Duque de Warnick
das nossas amigas mais queridas. Você encontrará Lily em breve. Ela
prometeu que eles estariam de volta à cidade no outono.
— Oh, — respondeu Sera, incapaz de encontrar outras palavras.
Odiando que uma familia inteira tivesse entrado em suas vidas
enquanto ela tinha ido embora. Foi um pensamento bobo, é claro. Sem
dúvida, dezenas de pessoas tinham feito exatamente isso. E além disso,
ela tinha Caleb, não é?
— Você vai adorá-la, — disse Sesily. — Todo mundo faz.
— Todos pensam que ela é um escândalo adequado, — disse Seline,
olhando para Sera. — Ela se sentou para uma pintura nua enquanto
você estava ausente. Isso deixa o drama de Sesily envergonhado.
— Bem. Nós amamos ela. Nós amamos alguém com um passado
escandaloso. — Ela sorriu. — É por isso que nós gostamos muito de
você, Sera. Agora. Ao ponto. Ele é muito grande?
Sera sorriu. — Muito.
Não tão alto como Haven. Ela ignorou em pensamento.
— Excelente.
— E muito impetuoso. Odeia os ingleses.
Sesily sorriu. — Então ele deve detestar Haven.
— Ele já faz. — Ela fez uma pausa, depois acrescentou: — Ele é um bom
amigo.
Sesily a observou por um longo momento. — Você merece um
daqueles.
Ela não tinha certeza de que ela merecia, honestamente.
— Todos nós devemos seguir perfeitamente, então, — disse Sesily. —
Ele está se juntando a nós?
— Não, — Sera respondeu, muito rapidamente, quase revelando a
mentira na verdade. Caleb não estava se juntando a eles. Ele deveria
ficar em Londres para manter o Sparrow em ordem. Mas isso não
significava que Sera deixasse a taberna inteiramente. — Ele não estará
aqui.
— Sera, nós acreditamos que você não arrumou alguém. — Sesily
ofereceu um movimento de mão extremamente claro, provocando
vários risos. — Mas é possível isso... você deseja?
Todo o mundo, tão interessado em suas façanhas sexuais. E nenhum
entendendo que ela não tinha nenhuma façanha. Que ela não os queria.
Nunca mais. — Não é possível. Caleb, ele não vai se juntar a mim. Você
vai. E é isso.
Uma pausa de novo. E então, — Haven sabe que estamos nos juntando
a você?
Sera hesitou, e o silêncio se esticou pela carruagem. — Não...
exatamente?
— Bem. Há isso, então, — Sophie disse, com naturalidade. — Eu me
perguntei por que ele estava tão disposto a abrir suas portas para mim.
Considerando...
Seline riu. — Considerando a última vez que ele te viu, onde você o
derrubou em seu traseiro dentro de um lago.
— Era uma lagoa, — apontou Sophie, primordialmente. — Um lago
coberto, tanque ou viveiro...
— Oh, sim. Isso é muito melhor, — disse Seleste.
Sophie afugentou os brincadeiras e olhou para Sera. — Então, podemos
estar andando ao redor uma vez que chegarmos lá?
— Eu não vou passar um minuto mais do que o necessário nessa
carruagem, — gemeu Sesily. — Está quente e miserável aqui.
Seleste apertou mais perto de Sera. — Oh, não.
— Estou começando a me sentir doente, — disse Sesily.
— Eu nem tenho que olhar pela janela para saber que deixamos a
cidade, então. É só questão de tempo antes de Sesily lançar suas contas.
— Seleste virou-se para Sera. — Alguém disse ao motorista que
provavelmente estaríamos parando e empurrando-a para fora da
porta?
— Eu não sou tão insensível para fazer isso, mas sim.
— Insensível. Ela é uma humana crescida e adulta, e ela não pode andar
em uma carruagem sem ficar doente.
Sesily gemeu, e Sera notou que ela parecia um pouco verde. — Eu não
sei como o seu conde fica com você Seleste.
Ela sorriu. — Ele gosta de um desafio.
— Não olhe pela janela, Sesily, — ofereceu Sera.
— Ugggh.
— Com toda a honestidade, Ses... — Sophie mudou o tópico,
alcançando o cesto que Sesily trouxe com ela. — Se não pasteis, o que
está na cesta?
— Não comida.
Sophie suspirou.
— Você não tomou café da manhã? — Disse Seline.
— Eu fiz. Mas certamente é hora do almoço agora.
— São nove e meia.
— Oh.
— Bom Deus. Seu estado está fazendo você ter mais ansiedade do que
o habitual, não é?
Sophie assentiu, pegando a cesta. — Comer por dois e tudo isso. Você
tem certeza de que não há tortas aqui? Fruta? Pão? Oooh. Existe queijo?
— Uuuughhh. Não diga queijo.
— Não importa. Eu vou olhar por mim mesma. — Ignorando o gemido
de Sesily, Sophie trabalhou no trinco na cesta.
Sesily sentou-se em linha reta. — Espera! Não...
Um uivo selvagem subiu da cesta, seguido imediatamente pelo grito de
surpresa de Sophie que saltou para trás e enquanto uma enorme bola
de pêlo branco disparou para o colo de Seleste, que também gritou, seus
braços vindo para proteger seu rosto, quando o animal subiu o tronco
para chegar na parte de trás do banco, arqueando as costas e agarrando-
se ao espaço estreito.
— O que é isso? O que é? — Seleste atravessou a carruagem, uma mão
bateu em seus olhos e se plantou entre Seline e Sophie, provocando um
refrão de desaprovação da dupla previamente confortável.
— Pelo amor de Deus, Seleste, — disse Seline. — Pare de gritar.
Seleste parou de gritar.
Sophie encontrou sua voz. — Isso não é queijo.
O gato soltou um grunhido baixo.
— Agora, nunca mais o devolveremos a cesta, — gemeu Sesily.
Sera começou a rir. A risada ficou longa e bem-vinda, em grandes
suspiros. Seline pegou o próximo, e depois Sophie. E logo, o trio não
conseguia parar, a maré de riso rapidamente ultrapassada por outro
maior, e outro, até que perderam o controle total de si mesmas.
— Não é engraçado! — Protestou Seleste. — O gato me atacou!
A coisa em questão sibilou.
A carruagem diminuiu, e uma torneira veio no telhado. — Minhas
senhoras? Está tudo bem?
— E agora o cocheiro acha que todas ficamos loucas!
Sera achou respiro o suficiente para chamar, — Tudo está bem,
obrigado! — Antes de Seline e Sophie voltarem a rir mais uma vez,
trazendo-a com eles.
Quando uma vez mais recuou, Sesily falou, uma mão sobre os olhos. —
Se eu não sentisse como se meu interior estivesse a ponto de vir para
fora, tenho certeza de que eu acharia todo esse cenário desviando
terrivelmente.
Sera engoliu um soluço de riso inapropriado. A doença de movimento
de Sesily não era divertida. — Sesily — disse ela, tentando
tranquilidade. — Por que você trouxe um — ela sorriu, incapaz de
parar o divertimento — gato?
— Por que não? As pessoas trazem animais para o campo, — disse ela
abanando a mão.
— De todos os loucos — Seleste interveio. — Animais como cavalos!
Cães de caça! Não gatos!
— Por que não os gatos? — Perguntou Sesily.
— Porque não é como se você pudesse alisar um gato e sair pela tarde,
ou domá-lo em uma vara. Eles são terrivelmente anti-sociais.
— Não Brummell. — Todos piscaram quando o enorme gato branco em
questão mexeu e bateu a cabeça contra o queixo de Sesily. — Brummell
é todo o encanto.
— Oh, sim. Essa é a primeira descrição que eu usaria.
Brummell estreitou seus olhos amarelos em Seleste e meou no que só
poderia ser descrito como uma afronta felina.
— Brummell, — disse Sera.
— Realmente.
— Eu, por um lado, acho que ele se orgulha de seu homônimo, — disse
Sophie.
— Obrigado, — disse Sesily. — Vendo que o resto de vocês estão
emparelhados, pensei que era justo que me fosse permitido um belo
pretendente cavalheiro para mim. — Ela fez uma pausa.
— Nenhuma de nós está emparelhada, — ressaltou Seleste.
— Não neste momento preciso, mas você é praticamente aves canoras
o resto do tempo. Como pombas gritantes.
— Doves coo, — apontou Sophie.
— O que quer que seja. — Sesily acenou uma mão. — Perfeitamente
emparelhado. Como uma maldita pintura a óleo.
— Soa uma pintura terrivelmente chata, — disse Seline.
— Suficiente. Você sabe o que quero dizer.
E Sera sabia disso. — Eu não estou emparelhada como uma pomba.
Sesily olhou para ela. — Então, por que nos dirigimos para o seu
marido?
— Porque ele está me forçando a ir lá.
— Assim como ele forçou você a voltar para Londres? Como ele forçou
você a tempestade do Parlamento e exigir um divórcio?
— Sesily... — O aviso ameno de Sophie foi ignorado.
— Assim como ele forçou você a partir?
Defensiva, Sera estreitou seu olhar para sua irmã. — O que você está
dizendo?
Por um momento, parecia que Sesily poderia responder a pergunta
honestamente. Como se ela pudesse dizer todas as coisas que ela
deveria estar pensando. Que todos devem ter pensado. Em vez disso,
ela suspirou e recostou a cabeça contra o assento. Brummell tomou esse
momento para descer do poleiro e se acomodar no seu colo. — Só que
parece que você está puxando um urso, Seraphina. Por que mais armar-
se aos dentes?
— Como eu me armei?
— De que outra maneira uma filha perigosa se arma? — Isso, de Sophie.
— Com o resto de nós.
Assim, o humor desapareceu, e Sera foi devolvida ao presente. Pelo fato
de que ela não estava simplesmente fora para um passeio de verão. Pelo
fato de que ela estava indo para o campo, para o lugar que ela já amou
tanto quanto amou seu mestre.
O lugar onde ela se perdeu. Ela mesma se perdeu. O lugar que ela fugira
para começar de novo.
Não de novo. Novamente.
— E um gato, ao que parece, — acrescentou Seleste.
Sera ignorou a tentativa de aliviar o humor. — Eu devo a todas tantas
respostas.
Sophie sacudiu a cabeça. — Você não nos deve nada. Mas se você quiser
nos dizer o que você deseja, estamos aqui para ajudá-la a obter.
Exceto que elas não poderiam dar o que ela desejava. Elas não
poderiam devolvê-la ao passado, ou catapultá-la para o futuro.
Elas não conseguiriam restaurar o que ela havia perdido, ou brindá-la
com a única coisa que ela poderia imaginar curar suas feridas. Ou fazer
com que ela esquecesse que ela já havia se casado um dia.
A única pessoa que poderia fazer isso era seu marido, ironicamente. E
então ela se dirigiu para ele. Para encontrar a sua substituta. E buscar
seu divórcio.
Ela ficaria com a liberdade. Ela seria proprietária do Sparrow. Ela
cantaria e viveria uma nova vida. E ela avançaria.
Ela não negou que parecia um pouco mais fácil com suas irmãs ao seu
lado, por causa de sua lealdade. E ali, naquela carruagem deslumbrante
e chocalhada, cheia de calor sufocante e de um gato nervoso, resolveu
dizer a verdade.
— Eu não estive com Caleb. — Deus sabia por que ela começou lá. Mas
pareceu um ponto importante. — Não estive com ninguém desde
então...
Suas irmãs assentiram com a cabeça. Compreensão.
Elas não entenderam, é claro. Mas ela agradeceu o esforço.
— Bem, — disse Seleste. — Uma vez que você receber seu divórcio,
você encontrará outro e criará uma vida. Marido, crianças, todo o lote.
Elas não sabiam. Este era o segredo que ela manteve. Aquele que ela
fugira e nunca esqueceria.

— Quando eu saí, o dia que eu saí... — Ela parou. Tentou novamente.


— Eu não posso ter filhos.

O silêncio na carruagem foi ensurdecedor, e Sera o odiava. Odiou que


suas irmãs, que nunca pareciam perder as palavras, não conseguiam
encontrá-las agora.

Ela olhou para cima, recusando-se a se acalmar. Os olhos de Sophie


brilharam. A boca de Seleste estava entreaberta, com o seu choque.
Mesmo Seline, o menos emocional de todos, parecia horrorizada com a
confissão. Sera assentiu com a cabeça. — Agora vocês sabem. Meu
futuro - não é uma família. — Ainda assim, reinou o silêncio. Sera olhou
para Sesily, querendo o confronto que só uma irmã poderia dar. — Fale
agora, Ses. Nem mesmo você pode encontrar algo para dizer?

Sesily encontrou seu olhar sem hesitação. — Você não mereceu nada
disso.

Seis palavras, e de alguma forma ninguém nunca as havia dito. Sera


nunca tinha pensado nelas. E agora, ali estavam, como uma ferida
perfeita e bem-vinda, roubando a respiração. Ela apertou os lábios
juntos, recuperando a compostura. — Ninguém merece.

Sesily assentiu. — Deus sabe que isso é verdade. Mas você não fez. E
você deve saber disso.

Sem uma resposta, Sera olhou pela janela, surpreendida, de alguma


forma, para ver as chaminés de Highley espreitando no horizonte. —
Estamos quase lá.

Seu coração começou a bater.

A última vez que ela esteve em uma carruagem se aproximando de


Highley, ela mal notou a casa, da maneira como ela se elevou com
magnificência deslumbrante e majestosa, falando com a venerabilidade
do duque ao qual pertencia. Era enorme, uma propriedade imobiliária
com terreno que se espalhava por centenas de hectares de exuberantes
paisagens verdes.
Foi projetada para impressionar. Para intimidar. Para separar os ricos e
os que não têm. De repente, ela o aborreceu e adorou, porque era este
lugar que havia engendrado seu marido, como se ele não fosse do
homem, mas da mansão.
Quando tentou Malcolm a sorrir aqui, sentiu-se mais poderosa do que
em qualquer outro momento da vida.
Ela levou seus dedos até a janela, inclinando-se, imaginando que ela
poderia pegar o doce cheiro da terra além. Imaginando que ela poderia
pegar o passado. O futuro que prometeu.
Ela balançou a cabeça.
Esse futuro não era possível. Mas isso não significava que um novo não
fosse.
Um novo, onde ela estava livre. Onde ela cuidava de si mesma. Onde
ela conseguia seu próprio mérito e não o capricho de seu marido
aristocrático. Não importava o quão diferente ele parecia. E ele parecia
diferente, embora não pudesse especificar como.
Ela supôs que ela também estava diferente.
Diferente o suficiente para saber que ela deve permanecer no curso.
A carruagem desacelerou para aumentar a movimentação de
quilômetros de distância, balançando poderosamente no terreno menos
percorrido, e Sera voltou sua atenção para suas irmãs, cada uma
observando-a, uma assembleia de soldados em espartilhos e anáguas.
Aguardando suas ordens.
Ela olhou de uma para a outra, cada uma orgulhosa e preparada. Ela
não podia ajudá-la a sorrir. — Ele ficará lívido quando todas
desembarcarmos.
— Bom, — Sophie disse, e Sera se maravilhou com sua irmã mais nova,
forte e orgulhosa. Na forma como ela cresceu e floresceu. — Eu
raramente fiz a vida do duque de Haven agradável, e não pretendo
começar agora. Ele tem uma dívida enorme a pagar.
A casa entrou em vista, e ela imediatamente percebeu o que estava,
sozinho no topo dos degraus que levavam à entrada principal. Ela
endureceu, e Sophie olhou pela janela. — Bom Deus. Ele está esperando
por você?
— Sem dúvida, ele estava com medo de não atender sua convocação.
— Ele é horrível, — disse Seline.
— Ainda há tempo para que nós voltemos a carruagem, — ofereceu
Seleste.
Por um momento, Sera o considerou.
— Você acha que ele esteve lá toda a manhã? — Sophie perguntou.
— Possivelmente, — gemeu Sesily. — Sem dúvida, ele fez um acordo
com o diabo para uma resistência infinita.
Seraphina poderia ter pensado em agradecer ao céu por suas irmãs
leais, cada uma mais disposta a espetar Haven do que a última vez. Mas
ela ficou paralisada pelo homem.
Parecia que era razoável que ele estivesse de pé em seus passos toda a
manhã, ainda e forte - perfeitamente transformado em casaco e calças
primitivos, botas polidas para brilhar, como se ele ficasse feliz até o
anoitecer. Mais longo, se necessário. Sera odiava a calma que parecia,
como se fosse perfeitamente normal que um duque se demorasse na
entrada de sua propriedade, esperando seus convidados.
Não convidados.
A esposa dele.
A senhora da casa.
Houve um tempo em que ele esperou lá por uma razão diferente.
Porque ele não podia suportar mais um minuto sem ela.
Ela não pôde evitar o pequeno suspiro de riso que surgiu no
pensamento.
A carruagem entrou na movimentação arredondada, e seu olhar
encontrou a dela através da janela pequena e manchada. Ela resistiu ao
instinto de desviar o olhar. Quando parou, ele se aproximou e as
sobrancelhas de Sera derrubaram. Qual era o jogo dele? Onde estava o
lacaio de papelinho necessário para correr e abrir a porta com um
floreio aristocrático? O Haven que ela conheceu nunca teria sonhado
fazer o trabalho de um servo.
Não é verdade. Ele realizou essa tarefa exata uma vez antes.
Suas sobrancelhas levantaram-se, e levantou uma sobrancelha
insolente, como se quisesse dizer: Você ousa me questionar?
Ela mudou de ideia. Esse homem não era tão diferente do Haven que
conhecia. Ela não podia esperar para ver sua resposta quando a porta
se abriu e ele enfrentou os cinco Irmãs Borralheiras. Não. Ele nunca
tinha chamado isso. Ele sempre as chamou de outro nome. O pior. As
Filhas Perigosas.
— Sera? — Sesily perguntou.
— Hmm? — Ela não desviou o olhar para ele. Ela não podia. Ele sempre
foi mais bonito no campo, droga.
Ela não gostava de estar fora de serviço. Não gostou da sensação de que
tudo isso estava prestes a ficar em forma de pêra.
— Haven gosta de gatos?
Ela olhou para Sesily, já chegando à beira de seu assento, Brummell em
armas, como se estivesse preparado para lutar. Sesily foi
frequentemente a primeira vez na briga, mesmo quando estava verde
nas brânquias. — Eu não sei. Mas duvido disso.
— Excelente, — disse ela.
Haven abriu a porta, e Sesily voou da carruagem, empurrando o gato
em pânico em seus braços. — Segure isso!
Surpreendentemente, ele fez, de alguma forma, controlando seu
próprio choque, porém, ele não conseguiu controlar o animal, que
imediatamente ficou selvagem, sibilando e arranhando agitando e se
debatendo para ser libertado.
Tudo isso, enquanto Sesily lançou vômito sobre as botas perfeitamente
polidas do duque. A mão de Sera voou para a boca, como se ela pudesse
capturar seu suspiro assustado. Como se ela pudesse esconder o prazer
que a atravessou. Ela não podia.
Sua cabeça agarrou-se ao som, e ele encontrou seus olhos, ao mesmo
tempo furioso e chocado além das palavras. Sera abaixou a mão,
revelando seu sorriso, largo com a percepção de que tudo, de fato, foi
em forma de pêra.
Para ele.

Capítulo 10
: :
A Filha Perigosa Derruba Duke!

Abril de 1833
Três anos, quatro meses antes
Highley Manor

Malcolm não podia acreditar na sua boa fortuna.


Ela viria. Ele pediu que ela viesse, e ela tinha vindo.
Ele dirigiu-se até a carruagem, ignorando o frio vento de abril, olhando
para o cocheiro quando ele abriu a porta e puxou os degraus. — Você
não foi seguida, não é?
Se ela tivesse sido seguida, ela seria arruinada. E ele não queria que ela
fosse arruinada. Ele só a desejou para ele. Pessoalmente. Não houve
privacidade em uma temporada de Londres.
— Não, sua graça, — disse o motorista, seu tom quase não entrou na
ofensiva. — Seguiu suas instruções para a carta.
Haven já estava olhando para o treinador, respirando como as saias
apareceram, uma baga vermelha profunda, a cor do desejo. E o pecado.
E amor. A cor do amor.
Ele pegou suas mãos, luvas com a mesma cor perversa, desaparecendo
em um manto de viagem cinzento perfeitamente adaptado, abotoado
no pescoço com total propriedade. Ele odiava aquele casaco e jurou
removê-lo assim que ela estava dentro desta casa. Assim que ela estava
firme, o terreno que em breve seria deles.
Assim que ele pedisse que ela se casasse com ele.
Ela sorriu para ele. — Espero que você entenda o quão bem eu confio
em você, Sua Graça. Alguns podem dizer que aceitar um passeio de
carro de uma hora para Deus sabe onde, sozinha, é uma ideia terrível.
Ele ergueu a mão em luva para os lábios, desejando o tecido
desaparecer. Desejando sua pele quente contra a dele. Em breve. — Sua
confiança é valorizada além da medida, minha senhora.
Seu olhar passou por ele até a casa senhorial. — Esta é uma casa de
campo impressionante.
Ele não se virou para olhar a estrutura maciça, nas pedras frias,
centenas de anos, que tinha visto gerações de duques antes dele. Ele
baixou a voz para um sussurro, apenas se reconhecendo quando disse:
— Eu queria que fosse uma casa de campo.
Seus olhos acesos com prazer provocador. — O que então? Você, um
pastor humilde? Eu, uma leiteira de bochecha rosada?
Colocando a mão no braço dele, a conduziu até os degraus de pedra
pela enorme entrada, vazia de criados. Ele lhes havia dado o dia de
folga, estava sozinho. Ele não teve que jogar o duque. Sem isso com
Seraphina. Ele falou baixinho no ouvido, no entanto. — É o que você
gostaria?
Ela olhou para ele. — Pastor, lenhador, açougueiro, coletor de ratos.
Tudo o que você escolher, é o que eu gostaria.
Ele acreditou nela. Alguma vez alguém já o queria primeiro e seu
segundo título? Nenhuma das mulheres que o perseguiram em bolas
em Londres... nenhum dos homens que angulavam sua amizade e seu
apoio financeiro... nem mesmo a mãe dele.
De fato, sua mãe sempre quis o título. A criança obrigada a garantir isso
tinha sido inconsequente de lado.
Mas Seraphina, ela o queria. Não ao título.
Ele a guiou em seu estudo particular – o único ambiente na casa onde
ele se sentia realmente confortável – onde um fogo queimava no
coração. — Coletor de rato? — Ele perguntou, virando-a para encará-lo
quando a porta se fechou atrás deles, sua proximidade relaxando,
aquecendo-o.
Ela sorriu. — Eles podem ser terrivelmente úteis.
— E você? — Ele a puxou para perto.
As mãos ergueram-se, em volta do pescoço, com os dedos deslizando
em seus cabelos e ele lutou o desejo de fechar os olhos e tocar o toque.
— O que você gostaria que eu fosse? — Ela perguntou, seus belos olhos
azuis se encontraram com ele, vendo nele.
Ele não queria uma versão de fantasia dela. Ele não precisava disso. Ela
era a fantasia. Com o coração batendo, ele balançou a cabeça. — O que
quer que você queira ser, — ele sussurrou. — Tudo o que faz você feliz.
— Uma costureira então, — ela sussurrou, seu olhar caindo no tecido
de sua capa superior, uma mão deslizando para derrubar o tecido. —
Conserto de roupas à luz de velas, cantando na janela, esperando que
você volte para casa.
Ele levaria essa vida. Trocava tudo por isso. Para qualquer vida que ela
lhe daria. Mas ele não precisaria.
— O que você cantaria?
Ela sorriu. Então, Deus o ajude, ela cantou. Como o céu. “Aqui está o
coração, o sorriso e o amor, aqui está o lobo, o anjo, a pomba. Ela colocou de
lado os sonhos e colocou os brinquedos, e ela nasceu naquele dia, no coração de
um menino.”
Ele a puxou para perto, incapaz de fazer qualquer outra coisa. Incapaz
de olhar para qualquer lugar além de seus lindos olhos azuis, incapaz
de pensar em nada além do som dela. O cheiro dela. A sensação dela.
— Eu não sabia que você poderia cantar.
Ela corou. — Todas as jovens senhoras bem-educadas são obrigadas a
fazê-lo.
Não era assim. Seus braços se apertaram ao redor dela. — Mas você não
é uma senhora. Você é uma costureira na janela. Com a voz mais bonita
que eu já ouvi.
Ela suspirou ao pensar. — Só em meus sonhos.
Ele balançou a cabeça. — Tente outro sonho.
Ela riu, o som enchendo-a com luz, como sempre aconteceu. — Eu sou
lixo neste jogo, parece.
— Não, — ele disse, colocando a mão no queixo, inclinando o rosto para
o dele. — Você é muito boa nisso. Mas eu tenho uma imagem melhor
para pintar.
Suas sobrancelhas se ergueram. — Você tem?
— Você é duquesa. — Seus olhos se aproximaram das palavras, e ele
viu o desejo lá. Não para o título. Para ele.
Ela o queria.
Ele continuou. — Você é perfeita e tão longe do meu alcance que eu
nem ouso nem olhar para você. — Ele olhou para ela, é claro. — Eu nem
penso em você. — O rubor voltou, e ele passou o polegar pela pele rosa
de suas bochechas. — Eu certamente não deveria tocar em você. — Seus
lábios se separaram, e ele não conseguiu resistir encostado, mais perto,
agradecendo ao céu que eles estavam sozinhos. — Definitivamente, não
deveria te beijar.
— Bobagem, — disse ela, subindo os dedos dos pés. — Qual é o ponto
de ser duquesa se não posso insistir em beijar? — Ela fechou a distância
entre eles, e ele gemeu seu prazer enquanto se entregava a ele, suave e
doce e perfeita, com gosto de hortelã. Ela sempre tinha sabor de hortelã,
como se estivesse pronta para ele.
Ele lambeu seus lábios, mergulhando em sua boca, deslizando,
acariciando, saboreando até que ela se entregou a ele, no momento, à
ilusão dele. E então ela estava combinando com ele, golpe de acidente
vascular cerebral, e suas mãos estavam no aperto de sua capa, fazendo
um rápido trabalho, empurrando-a sobre seus ombros e baixando os
braços. Ela não hesitou em ajudá-lo, e ele considerou que era um
milagre quando ele se afastou, deixando os dois ofegantes.
Ela piscou para ele. — Malcolm?
Ele fechou os olhos ao nome, com prazer que o atravessou quando
falou. Balançou a cabeça. — Eu não pretendia fazer isso...
Ela sorriu. — Eu fiz.
As palavras corajosas e impetuosas eram demais. Quem era essa
mulher? Como ela era tão corajosa? Tão certa? Como ele o controlou
tão bem? Como ele queria tanto?
E então ela sussurrou: — Não temos muito tempo.
Ela estava certa. Ela teria que retornar a Londres em poucas horas. Ele
a trouxe para passar um momento com ela, sem olhos curiosos e
causando fofocas. Não para levá-la, mas para pedi-la.
Ele deveria ter ido ao pai dela. Perguntado corretamente. Ele era um
duque, caramba. Havia um processo para pedir uma mão em
casamento.
Mas ele não queria outros nisso. Ele a queria, sozinha. Honesto. Seu,
não por títulos ou negócios ou finanças ou terra ou porque o pai o
decretou. Não importava o que um velho queria. Era importante
apenas o que queria. O que ela escolheu.
E ela estava escolhendo ele. Ela era a única pessoa que o escolheu.
Houve tempo suficiente para perguntar ao pai dela. Ele não disse não.
Ninguém afastou um ducado.
E se ela fizesse?
Seu coração bateu até quando sorriu, curioso, e alcançou ele, uma mão
com luva vermelha escorria pelo braço, deixando o fogo em seu rastro.
— Malcolm?
Ele capturou. — O que você contou a sua mãe? Suas irmãs? Como você
escapou deles?
Mais tarde, sua hesitação o consumiria. Mas no momento, ele mal
percebeu isso. — Eu disse a eles que eu estava visitando um amigo
doente. Que eu irei para a tarde.
Ele assentiu. Como as desculpas foram, não foi perfeito, mas não foi
horrível. Ele comprou uma hora. Duas, talvez. Tempo suficiente para
ele perguntar a ela. Tempo suficiente para ele fazê-la dizer sim.
E se ela não dissesse sim?
Ele passou a mão pelos cabelos, de repente inesquecível. A dúvida não
era uma emoção com a qual ele estava familiarizado.
— Você nunca esteve na minha casa, — disse ela, tirando-o de seus
pensamentos.
— Eu... — Ele parou, sem saber o que dizer.
Ela balançou a cabeça. — Não importa.
Mal tinha a impressão distinta de que o fazia. Ele não queria se sentar
em um sofá desconfortável e sofrer os sorrisos e olhares de sua mãe e
irmãs, os que o marcaram como nada mais do que um título. Os que ele
sofreu sempre que ele estava em público - um duque de solteiro, como
um touro para o mercado. Ele conheceu os olhos de Sera e disse a ela a
verdade. — Eu sou muito ganancioso por você, — disse ele. — Eu quero
você para mim, sozinho. Eu quero ser seu, sozinho.
Uma pausa, silenciosa e pensativa enquanto ela o considerava. Parecia
que podia ver nele. Ela respirou profundamente, deixando-a fora, como
se ela tivesse tomado uma decisão.
E ela tinha.
— Bem, — ela disse, macia, séria. — Eu estou aqui. Sem dama de
companhia. Como pediu.
Ele não tinha o direito de fazer tal pedido. Ela nunca deveria ter
concordado. Mas ela o queria exatamente como ele a queria. Ele sabia
que cada vez que ele olhava nos olhos dela, cada vez que ele olhava
através de um salão de baile, centenas de pessoas os mantinham um do
outro.
Ele sabia disso agora, quando ela pegou o rosto com a mão livre, o
tecido infantil que o bloqueava, fazendo-o desejar que ela não estivesse
usando as luvas. — Eu sou sua, — ela sussurrou. — Pastor, duque,
apanhador de ratos... — Ela balançou a cabeça com um sorriso. — O
que quer que você deseje ser.
Ele baixou a testa para a dela.
— O que fazer com você, como você deseja, — ela sussurrou.
Sua respiração veio em uma onda de prazer.
Ela dizia sim.
Mas se ele fizesse amor com ela, ela teria que dizer sim.
E então seus lábios estavam sobre os dela, e ela era dele. Em seus braços,
seus dedos trabalhavam nos apertos de seu corpete, dando espaço para
o seu toque, divertindo-se com os pequenos suspiros e suspiros que ela
oferecia - cada outro presente, apenas para ele. Privado.
Cristo, ele amava a privacidade disso. A ideia de que ninguém sabia
que ela era dele. Que ninguém imaginou esse momento. Que, mesmo
depois de hoje, quando todo o mundo soubesse que eles seriam
compatíveis, esta tarde era deles sozinho. Compartilhado com
ninguém.
E então seu corpete estava aberto, e ela foi descoberta para ele, e seus
dedos - esses malditos dedos em luva - estavam guiando-o, e ele estava
provando sua pele morna e lisa, seu nome em seus lábios como uma
oração.
Era assim que seria para sempre.
Sem títulos. Não há exigências. Nada além deles, juntos.
Feliz. Procurado.
Amado.
Ele deslizou a mão para a bainha de suas saias, alcançando e
encontrando a pele incrivelmente lisa da perna dela abaixo. Ela não
estava usando meias. Ela era magnífica. Ele correu os dentes sobre a
pele de seu peito, sabendo, de alguma forma, que a borda a incendiava.
Seu suspiro o colocou em movimento, movendo-se para baixo, mesmo
quando suas saias deslizaram, suas coxas se abriram sem hesitação,
como se ela soubesse o que planejava.
Como se quisesse ainda mais do que queria dar a ela.
E ela fez. Ele sabia disso - se deleitava enquanto se aproximava,
oferecendo-se a ele, cedendo a ele. E ele tomou sem hesitação. Sem
culpa ou vergonha.
Ela estava aqui, eles estavam sozinhos, e isso era para eles e para
ninguém mais. Não seus pais, que sem dúvida corromperiam seu
casamento com o mundo, nem os panos de fofocas que imediatamente
seguiriam todos os seus movimentos.
Ninguém sabia o que lhe permitia provar naquela tarde, em seu estudo
particular, com ninguém além das paredes para testemunhar.
Ninguém sabia o que lhe permitia tocar.
O que ela permitiu que ele fizesse.
Ninguém ouviu seu pequeno suspiro de dor, os suspiros de prazer que
vieram depois, do jeito que ela destruiu os batimentos cardíacos antes
de segui-la, estragando o prazer de seu amor secreto e perfeito.
Assim como ele não ouviu a porta ao estudo aberta.
Assim como ele não ouviu os murmúrios chocados das mulheres
reunidas além.
Assim como ele não percebeu o que tinha acontecido, até Seraphina
ficar rígida sob seu toque, empurrando-o para trás, lutando para trás,
tentando sem sucesso se cobrir.
Até que a Condessa de Wight abatera uma — Seraphina — horrorizada,
seguida de — Você é bruto! Retire suas mãos de sua pessoa
imediatamente!
Ele fez. Imediatamente. Ainda não sabia que era a última vez que ele a
tocava com total confiança. Ainda não compreendo o alcance total da
situação. — Minha senhora, — ele disse, imediatamente recuperando o
casaco para cobrir Seraphina - para protegê-la. Sera primeiro. Sempre.
— Você entende mal.
— Eu entendo que você é um limite, Haven. O pior tipo de canalha.
— Não é o pior tipo, — disse ele. — Eu pretendo me casar com sua filha.
Mesmo com os desastrosos acontecimentos da tarde, as palavras o
iluminaram. A condessa impetuosa certamente se instalaria quando
ouvisse isso. Não era o mais ideal das circunstâncias, e ele e Sera
provavelmente não seriam capazes de se ver em privado até o dia do
casamento, mas eles ririam sobre isso nos próximos anos, tarde da
noite, um passeio de crianças nas camas das câmaras no andar de cima.
Ele olhou para Sera. — Nós nos casaremos.
No entanto, não havia felicidade em seus olhos. Havia outra coisa. Algo
como... Culpa.
A confusão se acendeu e lançou um olhar sobre a sala, surpresa ao
encontrar outra mulher lá, na entrada. Outro conjunto de olhos, estes
cheios de arrependimento e desdém sempre presente. O olhar da mãe
dele. Sua mãe, que deveria estar em Londres.
— O que você está fazendo aqui?
Ela não respondeu, mas Haven não precisava ouvir. Ele sabia. Quando
olhou para a Condessa de Wight, confirmou. Não havia
arrependimento nos olhos da mulher. Nem culpa. Nem raiva.
Somente força.
Não demorou para juntar-se: era o conto mais antigo que havia. A
condessa havia recolhido sua mãe e seguiu sua filha aqui, para Highley.
Não por algum instinto maternal impressionante de perigo, mas
porque sabia o que estava por vir.
Porque elas conspiraram para prendê-lo. — Não. — Ele olhou para
Seraphina. Para a mulher que ele amava. Procurou que ela negasse isso.
— Não.
Ele resistiu à verdade mesmo que soubesse que fosse verdade.
E então ela assentiu e caiu ao redor dele.
Ele não era o coletor. Ele era o rato.

Capítulo 11
: :
Abertura de Talbot; Haven Horrorizado!

Ele deveria ter sabido que ela levaria reforços.


Ele até mesmo imaginou que ela iria trazer as irmãs. Mas não lhe
ocorreu que ela teria trazido todas elas.

Ela tinha, no entanto, e elas eram reforços da mais alta ordem, pois não
havia quatro pessoas no mundo que o aborrecessem mais do que suas
cunhadas.

Eventualmente, quando ele recuperou a inteligência, ele não poderia


culpá-la. Afinal, este era o lugar que lhe tinham prometido que seria o
seu santuário. O lugar que deveria ter sido sua casa, onde sua família
não era apenas bem-vinda, mas crescia. E, em vez disso, era um lugar
que a deixara com nada além de dor e raiva. Um lugar de onde ela
fugira.

Reforços devem ter se sentido necessário.

Ele a entenderia um pouco. Mas naquele momento, Haven não estava


satisfeito. E isso foi antes que a mais ultrajante depositasse o que
parecia ser um gato selvagem em seus braços e prontamente vomitou
sobre suas botas.

Ele era um homem inteligente, gostava de pensar, mas ele não tinha
uma única ideia de como proceder a partir desse curso exato, exceto
para estreitar o olhar para as quatro mulheres que permaneceram na
carruagem, cada uma obviamente resistindo ao desejo de rir.

Correção. Três resistiram ao desejo de rir. Pois sua esposa estava rindo.
Com o que parecia ser um imenso prazer, e maldito se ele não aquecesse
o som - um de seus favoritos. Mesmo que ele não se preocupasse com
a situação que a inspirou.

Haven ajustou seu controle sobre o animal selvagem em seus braços,


colocando uma mão na parte traseira da besta torcida com controle
firme e desejando ainda. — Basta, besta, — ele disse para o show,
enviando em silêncio, “vamos, gato, pelo menos, me permita isso, a
qualquer poder superior gerenciado felinos.”
Obviamente, abençoadamente, o poder em questão atendeu a seu
pedido, o que deixou Haven capaz de se dirigir para a dona do gato e
dizer: — Posso ser de alguma ajuda, Lady Sesily?
Sesily levantou-se e fez um olhar legal. — Um cavalheiro decente já
teria oferecido seu lenço.
Ela nunca gostou dele. Nenhuma delas tinha.
Não que ele merecesse isso naquela época.
— Eu não gostaria de lhe dar razões para me achar faltando, mas... —
Não havia muito que ele pudesse fazer com uma fera selvagem em seus
braços.
— Não precisa se preocupar, Haven, — disse Sesily, seus espíritos
foram claramente restaurados. — Eu acho que você imensamente deixa
faltar sem quaisquer razões adicionais.
Ele piscou. — Estou animado ao ver que você está se sentindo tão
reparada.
— Saber que arruinei suas botas ajuda as coisas.
— Vejo que você continua tão encantadora como sempre, — ele disse
secamente, levantando o animal em seus braços. — E com muito mais
gatos.
O gato protestou com um poderoso suspiro.
Tanto quanto satisfatório para os deuses felinos.
Sesily alcançou o animal. — Somente um monstro puniria um gato por
uma infração de proprietário inevitável.
— Oh, pelo amor de Deus, — ele disse, — eu não estou punindo o
maldito gato. Se você o tirar de cima de mim, eu vou encontrar um
lenço.
— Não. Ninguém está levando o gato. O gato volta para a cesta até
Sesily ter um quarto. — Sera desceu da carruagem, com a cesta na mão,
indo diretamente para eles. — E um banho.
Com isso, as outras mulheres pareciam desaparecer, pequenas e
diminuídas por Seraphina, alta e linda, olhos azuis claros e calmos,
mesmo que soubesse o que ela deveria estar pensando sobre as mesmas
coisas que ele pensava neste lugar. Ela parecia perfeição absoluta,
mesmo com a transpiração que cobria a ponta de seu nariz e a ampla
extensão da pele acima do corpete de seu vestido.
Não que ele estivesse percebendo a pele lá. A inclinação de seus seios.
Ele estava simplesmente percebendo que a carruagem devia estar
quente, e com a forma como a pele corada subia e caia. Esticando contra
o tecido cinza-urze do vestido. Era quase tão apertado para ela. Talvez
ela devesse retirá-lo.
Para o seu próprio conforto.
Ele limpou a garganta.
— Sua Graça.
Haven engoliu bruscamente, seu olhar imediatamente aproximando-se
dela. Ela parecia estar esperando por ele agir. Ela havia dito alguma
coisa? Ele abriu a boca, palavras dispostas para vir. O que aconteceu foi
"Er". O que não era uma palavra.
Uma rosa negra perfeita nas sobrancelhas.
Ele limpou a garganta novamente, mas se recusou a falar e, assim, fez
um idiota adicional de si mesmo. O silêncio não podia ser criticado.
A mais nova irmã Talbot, Sophie, riu de seu lugar a vários metros de
distância. Ela sempre foi considerada a calma. Ou seja, até três anos
atrás, quando ela o plantou no fundo de um lago de peixinhos e
arruinou suas melhores botas. Depois disso, ela encontrou um bastardo
de marido e sua própria voz, que ela não hesitou em usar no momento.
— Talvez o gato tenha sua língua?
Um lado da boca de Sera se contraiu. — Uma mulher pode sonhar.
Suas sobrancelhas se juntaram. — O que você quer?
Seus lábios vermelhos se curvaram. — O gato, Haven. — Ela estendeu
a cesta aberta para ele. — Eu quero o gato.
Claro que sim. Ela falou tanto.
Milagrosamente, o animal aceitou sua prisão sem argumento, após o
que Haven pegou seu lenço e ofereceu a Sesily, que tomou sem
hesitação. Foi só então, quando o silêncio caiu no lapso de um
batimento cardíaco ou dois, que Haven percebeu que seus melhores
planos haviam sido completamente desperdiçados.
Sera parecia notar isso também. — Onde elas estão?
Ele fingiu ignorância. — Quem?
Ela franziu a testa. — As meninas, Haven. Onde estão as minhas
substitutas?
Como se ela pudesse ser substituída.
Ele ignorou o pensamento. — É uma coisa boa que elas ainda não
estejam aqui, considerando que teremos que encontrar quatro câmaras
de cama adicionais para as convidadas inesperadas de hoje. Por quanto
tempo elas ficam?
— Onde está seu amor fraternal, Duque? — A casada com Conde Clare
perguntou.
Ele ignorou a questão. — Por quanto tempo, Seraphina?
Ela sorriu, toda serena, e acariciou sua bochecha. — Há trinta camadas
na monstruosidade de uma casa, — ela zombou. — Eu acho que você
poderá encontrar espaço para a família.
— Monstruosidade?
— Ninguém exige uma casa tão grande. — As palavras estavam cheias
de distração enquanto olhava para uma enorme e velha árvore, pesada
com o verão. Um único corvo estava sentado em um ramo baixo, e
parecia que Sera estava observando o pássaro preto.
— Houve um tempo em que você gostou, — disse ele.
Ela olhou para ele então e disse, suavemente, — Não mais.
Claro que não. Ele era um idiota ao fazê-la vir aqui e fazê-la lembrar-se
de tudo o que perderam.
Ela continuou, inconsciente da revolta de seus pensamentos. — Você
está dizendo que não tem os quartos?
— Claro que nós temos os quartos. — Ele se virou e começou a subir as
escadas, de repente percebendo que a última vez que Sera esteve aqui,
ela o deixou. E ele merecia isso. Ele resistiu ao desejo de voltar e agarrá-
la. Para evitar uma repetição dos acontecimentos do passado.
— Onde elas estão? — Sera repetiu sua pergunta. Ela o seguiu até a
entrada principal, flanqueada por suas irmãs – cada uma mais
selvagem e mais forte do que a próxima – e seus planos para a noite
foram repentinamente ultrajantes. Misguided. Impossível. — Por que
você me convocou com tanta insistência?
E se ele lhe dissesse a verdade?
— Elas estão aqui?
E se ele lhe dissesse que ele esperava que ela viesse sozinha?
— Haven?
E se ele lhe dissesse que tinha planejado ganhá-la de volta?
— E por que não há pessoal? — Ele virou-se para encará-la, preparado
para lhe dizer a verdade, mas quando ele encontrou seus olhos, viu que
ela já sabia a verdade. — Onde está a equipe?
— Eu dei-lhes a tarde de folga, — ele disse, injetando as palavras com
força ducal suficiente para inibir quaisquer outras questões.
Ele não lembrou que as irmãs Talbot nunca foram intimidadas pela
força ducal. Cinco pares de olhos conhecidos se aborreceram nele,
parecendo colocá-lo à nu.
— Por quê? — Lady Sesily disse, o lenço ainda em seus lábios.
Malcolm ignorou a questão e desviou o olhar para o corvo na árvore,
agora não está mais sozinho. Ainda havia pássaros pretos lá, parecendo
vê-lo em troca. Ele endireitou os ombros, canalizou a linha do ducal e,
concentrado, voltou sua atenção para Seraphina.
Erro.
O olhar de sua esposa era estreito e ela sabia. — Onde estão as meninas?
— Foi o tom dela que não trouxe nenhuma recusa no final, no entanto,
toda a duquesa, ironicamente.
— Elas chegam em três dias. — A casa estava preparada, cada cama
feita, todas as refeições planejadas.
Ela assentiu com a cabeça, e ele pôde ver a pergunta em seus olhos,
aquele que ela segurava. Por que estamos sozinhos?
Ele se perguntou por um momento o que ela poderia dizer se ele
respondesse honestamente. Se ele lhe dissesse a verdade que todos
pareciam suspeitar que já estavam. Se ele dissesse: “porque eu queria você
sozinha. Porque eu queria desfazer tudo para você.”
Parecia um plano ridículo agora.
E, em vez disso, ele encontrou sua resposta no momento, uma
fabricação que, uma vez falada em voz alta, felizmente parecia legítima.
— Nosso acordo era que você iria jogar anfitriã e casamenteira, não?
Com isso em mente, você não deveria estar aqui com antecedência?
Para fazer o que quer que sejam recepcionistas e casamenteiras?
Malcolm orgulhou-se do tom desdenhoso que ele de alguma forma
reuniu, um tom que parecia ranger suas cunhadas, mesmo que sua
esposa permanecesse impassível.
— Isso é loucura, Haven, você entende isso, não é? — Disse Sesily.
— Tê-la aqui só colocará as outras garotas no limite, — falou a
Marquesa de Eversley.
— Ninguém jamais se sentiu confortável em torno das irmãs Talbot – e
isso foi antes de uma de nós casar com o seu potencial pretendente. —
Isto, veio da esposa de Mark Landry. Ou talvez a condessa de Clare. Ele
nunca poderia separá-los.
— Bom Deus. Mesmo dizendo isso em voz alta parece insanidade, —
disse a outra. Ele havia esquecido o que poderia ser a mentira de suas
cunhadas. Mas qualquer um disse que o último bit não estava errado.
Todo o plano estava louco.
Ele não olhou para as mulheres reunidas, em vez disso se concentrou
completamente em sua esposa, que o observou por um longo momento
antes de dizer: — Bem, então. Eu imagino que há um ótimo negócio a
fazer.
Seraphina ergueu as saias em uma mão e, agarrando a cesta de gato na
outra com toda a graça que ela poderia ter se levando um cetro, subiu
os degraus da casa para a qual ela era senhora. Ele permaneceu no
carro, observando-a, paralisado por seus movimentos suaves e fluidos,
mesmo quando ela se acalmou no limiar, virando-se para olhar para
ele. — Por que sua mãe não está desempenhando esse papel?
Ele não hesitou. — A viúva está morta.
Seraphina não revelou nenhuma emoção. — Eu sinto muito.
— Você sente? — Ele não podia se ajudar.
— Não, na verdade não.
Suas irmãs deixaram uma pequena coleção de respiração surpreendida
com a franca resposta e, pela primeira vez desde que ele viu a
carruagem parar, Malcolm entendeu que mesmo elas não estavam
preocupadas com esta nova Seraphina forte.
Mas ele também mudou. Ele não estava mais com medo da verdade.
Ele assentiu uma vez. — Não, eu também não.
Ele não sabia o que ele esperava que ela dissesse. Ele não sabia o que
ele esperava de todas, ações, palavras, ambas. Ela não falou. Em vez
disso, ela tomou o que parecia ser uma respiração longa e cheia, e virou
as costas para ele, entrando na casa.
E Malcolm percebeu que talvez ela nunca mais fizesse o que esperava.
*****
Ela deveria ter escolhido um quarto diferente.
No momento, com suas irmãs tagarelando, tinha sido a coisa mais
natural no mundo escalar a ampla escadaria central de Highley e virar
à esquerda na enorme ala familiar, atribuindo-lhes cada uma das
câmaras mais luxuosas da casa senhorial, tão ricamente nomeada
quanto ela se lembrava.
Só que, uma vez terminada a tarefa, percebeu que a única sala deixada
no berço da segurança de suas irmãs era a câmara que lhe havia sido
atribuída anos antes, quando era duquesa.
Quando ela era duquesa. Sera sempre pensou no título no passado,
como fez tudo a ver com Haven. Afinal, faziam dois anos, sete meses
desde que se viram pela última vez, e mais de três, já que eles realmente
compartilharam conversas civis, e assim o passado parecia o melhor
lugar para eles.
Mesmo agora. Enquanto ela estava na janela dos quartos reservados
para a Duquesa de Haven, observando o sol arrasta-se sobre a borda
oriental da propriedade, perseguindo o céu negro para o cinza que
poderia ter sido lavanda, se alguém quisesse chamá-lo assim.
Seraphina preferia a segurança do cinza.
E a sala era cinzenta, afinal, com memórias, silenciadas e envelhecidas,
como se as décadas passassem em vez de anos e com elas prometessem.
Tinha sido um erro escolher esse quarto, porque já havia sido seu. E ela
não era mais aquela mulher. Na verdade, em poucas semanas, ela seria
livre, e essa sala pertenceria a outra.
A sala. A casa. O marido. A cama.
Mas três noites de sono agitado naquela cama tinham feito pouco para
dissuadi-la do fato de que ela deveria ter escolhido outra sala.
— Você está acordada.
Sera começou a girar em direção às palavras, faladas da porta de
conexão para o quarto ducal, onde Haven ficou como se ela o
convocasse com seus pensamentos, perfeitamente acabou, parecendo
que era meio da manhã em vez de amanhecer. Parecendo cor no cinza.
Ela estreitou seu olhar para ele. — Aquela porta estava fechada, Duque.
Você não está convidado a usá-la.
Ele ergueu uma sobrancelha e fez um elaborado show de alisar a manga
da camisa. — Eu não estava ciente de que eu precisava de um convite,
como é a minha porta.
— Como é a porta da minha câmara, eu prefiro que você pense nisso
como pertencente a mim.
Um lado de sua boca foi expulso, e ela odiava a maneira que ele olhou.
Bonito e jovem e completamente perigoso demais. — O que diz que nós
o compartilhamos?
Algo disparou através dela com as provocações nas palavras. Algo
como memória. O eco do que parecia ser um passado de eternidade,
quando ele era um homem e ela era uma mulher e isso era tudo que
parecia ser importante.
Qual era o jogo dele?
Ela endireitou os ombros. — Eu digo que você está fora de sua mente
se você acha que estou interessada em compartilhar qualquer coisa com
você. Bairros particularmente próximos.
— Você escolheu o quarto, Angel, — ele disse, sua voz baixa e ainda
tingida com o desuso do sono. — Você esqueceu que tinha a porta?
Seus lábios se fecharam em uma linha fina quando as palavras a
atravessaram com uma emoção indesejada e longa por não usar. — Não
me chame disso.
— Houve um tempo em que você gostou.
Há uma vida atrás. — Eu nunca gostei. É um nome tolo.
— Os serafins são a maior ordem dos anjos, — ele lembrou. — Você é
nomeado para eles.

— Você entende o suficiente de minha mãe para saber que ela nunca
teve a vida em seu pensamento espiritual, e você acha que ela me
chamou de anjo.

Ele se inclinou contra o quadro da porta, dobrando o seu braços sobre


o peito amplo, como se fosse perfeitamente normal conversar com a
primeira coisa de manhã. Casualmente. Como marido e mulher. Esse
meio sorriso pisou novamente. — Eu penso, no entanto.

Ela deu um pouco de risada e voltou sua atenção para a janela. — Eu


asseguro que o angélico não estava na mente da minha mãe quando ela
me chamou. Ela achou que soava aristocrática. Esse era o objetivo dela.
Sempre. — Ela parou, depois acrescentou: — Você conhece esse
objetivo intimamente.

O silêncio que caiu entre eles deveria ter ficado desconfortável, cheio
desse dia há muito tempo nesta mesma casa, quando ela e sua mãe
tinham pousado um duque. Mas não era desconfortável, nem mesmo
quando convocou a memória do horror em seu rosto quando percebeu
que eles colocariam uma armadilha para ele.

E o tinham preso. Ela o aprisionou. Porque ela nunca quis nada além
dele, e ela acreditava que ele não a teria sem ela. Que ele era muito alto
e ela muito baixa, e a felicidade não era para eles.

E a felicidade, ao que parece, não era para eles.

Eu teria casado com você.

Nós poderíamos ter estado.

As palavras haviam caído à sua volta, preenchidas com sua fúria e


traição. E o passado. Tudo com eles, sempre no passado. Coisas
efêmeras.

— Por que você está acordada?


A mudança de tópico não a perturbou. Tinha sido a marca de seu
relacionamento de curta duração, movimento rápido de pensamento,
raramente sem o outro facilmente seguindo. — Eu acordo mais cedo.
— Ou era isso, ou permanecia acamada se deixasse a memória chocar.
— E sua futura esposa chega hoje.
— Não por horas.
O céu atravessava cinza e rosa, uma cor profunda e magnífica que
parecia muito brilhante para ser natural. — Vai chover, — disse ela,
lamentando as palavras no momento em que ele se moveu, ficando
atrás dela e seguindo seu olhar para o céu.
— Não por horas, — ele repetiu.
Ele sentiu o mesmo. Como terra fresca e tempero escuro. Ela tentou não
respirar muito profundamente, com medo do que esse aroma familiar
poderia fazer com ela. — Logo.
O tempo. Eles discutiram o tempo.
— Venha andar comigo. — Eles nunca montaram juntos. Havia
conversa sobre isso, há cem anos, prometeu que passassem o verão
aqui, em Highley, a cavalo, descobrindo juntos. E então eles se casaram,
e eles não tinham sido capazes de se estressar um ao outro.
Ou, em vez disso, ele não tinha podido estressá-la. Ela não podia culpá-
lo por isso, ela supôs. Exceto, ela o culpou. Mesmo antes, ele se dirigia
para outro, a quem ele poderia estar melhor.
Ela olhou para ele. — Por quê?
Ele levantou um ombro. Deixou cair. — Porque você gosta de andar e
ainda não está chovendo.
Ela balançou a cabeça. — Que jogo você está jogando?
— Sem jogos, — disse ele. — Eu monto de manhã.
— Divirta-se, — disse ela. — Eu vou tomar café da manhã com minhas
irmãs e me preparar para suas pretendentes. — Ela fez uma pausa. —
Adeus? Adeptos? Há uma palavra para jovens mulheres disputando a
atenção de um duque?

— Wisteria7.

Ela ergueu uma sobrancelha na palavra, o mais amável dos nomes


sussurrados que ela e suas irmãs tinham sido chamadas. Bonita,
cheirava bem e muito bom em escalar. — Não tão depressa, Duque.
Ainda não as vimos ou as perfumamos.

Ele sorriu por isso, cheio e bonito, e ela odiava a pitada de prazer na
curva de seus lábios. Odiou que o fantasma passasse por ela, lá e fosse
tão rápido, que ela nunca teria percebido isso se ela não estivesse tão
consciente. E por que? Ele não era senão uma barreira entre ela e a
liberdade.

— Suas irmãs não podem protegê-la o tempo todo, você sabe. Devemos
ter que interagir em algum momento.

Ela se clausurou com elas depois de sua chegada no outro dia, tentando
esquecer que ele estava na casa mesmo enquanto elas se preparavam
para o que estava por vir. — Nós não precisamos estar sozinhos para
interagir.

Ele levantou uma testa. — Você está com medo de estar sozinha
comigo?

— Estar sozinha com você nunca funcionou da maneira que eu


imaginei, — disse ela, sabendo que as palavras seriam um golpe.

O golpe não aterrissou como esperado. — Eu acho que funcionou


bastante bem, uma ou duas vezes.

Quem era esse homem?

7Wisteria - é um gênero de plantas com flores na família das leguminosas, Fabaceae (Leguminosa), que inclui dez espécies de
videiras de escalada lenhosa nativas do leste dos Estados Unidos e da China, Coréia e Japão. Algumas espécies são plantas
ornamentais populares. Uma planta de florestação aquática com gengibre comum ou "glicínia de água" é de fato Hygrophila
difformis, na família Acanthaceae
Ela tentou novamente. — Oh, sim, Sua Graça, casar com você foi a
grande maravilha da minha existência.
Ele olhou pela janela. — Preciso lembrar que quatro mulheres querem
uma vida comigo tão mal que elas estão vindo aqui para competir por
isso?
Ela deu uma pequena risada. — Você acha que elas querem isso? Elas
não querem. Eles simplesmente pensam que não têm outra escolha
além de disputar sua atenção. — Ela hesitou, então: — Como você
selecionou as pobres garotas?
— Não é tão difícil encontrar mulheres solteiras com interesse em se
casar com um duque.
— Nem mesmo um duque que foi amarrado ao escândalo há anos?
— Não é assim, surpreendentemente.
No entanto, não foi surpreendente. Ele era bonito e jovem e rico e
intitulado e qualquer mulher de mente sadia o desejaria.
Não foi isso que ela fez. — E elas estavam dispostas a esperar até que
você me declarasse morta? A caça ao marido leva mais paciência do que
eu lembro.
— Você era uma caçadora superior.
Ele não quis dizer as palavras do jeito que elas vieram, ela sabia. Mas
eles pisaram, no entanto, o lembrete da armadilha que ela colocaria. O
erro que ela cometeu.
Ela desviou o olhar, de volta ao sol, atravessando os campos. — Pouco
sabem que, em questão de semanas, sua atenção vagará para outro
lado.
Ela se odiava pelo amargor nas palavras. Depois de tudo o que
aconteceu, como foi que tropeçá-lo com outra mulher era o único que
parecia importar?
Odiou ainda mais quando ele disse: — Você me deixou...
— Você me mandou embora! — Ela disse, incapaz de manter a voz
erguida. — Você ficou na casa onde nós poderíamos ter construído uma
casa, o café da manhã do nosso casamento quase acabou, e você me
disse para te deixar. — Quando ele abriu a boca para responder, ela
descobriu que ela não havia terminado. — E você sabe o que é a grande
ironia disso? O mundo inteiro pensa que você me arruinou antes de se
casar comigo, quando a verdade é que eu não estava arruinada até
depois do fato. Você arruinou minhas esperanças. Meus sonhos. Meu
futuro. Você arruinou minha vida. E eu já tive o suficiente disso. Estou
aqui apenas por uma razão, Sua Graça. Eu quero minha vida de volta.
Aquela que você roubou.

Ela estava respirando pesadamente, cheia de raiva que ela raramente


permitia a libertação.

E maldito se não se sentia bem.

Mesmo quando ela encontrou seu olhar e reconheceu sua frustração.


Sua raiva. Boa. Ela o preferia com raiva. Preferiu ver seu inimigo. E eles
eram inimigos, não eram?

— Se eu roubei sua vida, o que você fez com o minha? Você


desapareceu, deixando todo o mundo se perguntando onde você tinha
ido. Imaginando que eu poderia ter te afastado.

Ela se virou de novo. — Você me afastou. — Era uma mentira, mas ela
falou de qualquer jeito, esperando que isso o machucasse.

O silêncio caiu, e ela ignorou isso, recusando-se a olhar para ele, mesmo
quando ele disse: — Eu me preocupava que estivesses morta. Os
médicos me disseram que você poderia morrer. Você tem alguma ideia
de como me senti ao saber que você poderia ter morrido?

Ela não hesitou. — Eu só posso imaginar que você conheceu a


possibilidade com esperança, considerando que você já tinha um plano
tão claro para me substituir.
Ela esperava muitas respostas para a retorta inteligente: raiva,
sarcasmo, demissão. Ela recebeu honestidade pura e sem limites. — Eu
nunca desejei que você morresse.
As palavras enviaram um embaraço com ela antes que ela pudesse
detê-lo. Mesmo quando ela resistiu à ideia de permitir que ele a
constrangesse. — Não, — disse ela. — Só passou. Então, deixe-as
chegar. E eu darei o que você deseja. Com prazer.
Só então ela percebeu que uma pequena parte dela desejava reconhecê-
lo, o fato de ele suspirar aliviado no dia em que ela desapareceu. Ele
não fez.
— Depois que você saiu, eu... — Ele parou, então começou de novo. —
No último dia, quando... — Ele parou no momento em que Sera fechou
os olhos contra as palavras e a memória que vieram com elas. O agudo
senso de perda. A criança que ela não podia esquecer. O futuro que ela
havia perdido. O amor. Ela deveria agradecê-lo por ter parado, mas ele
não deu seu tempo, em vez de mudar de tachinha. Repetindo-se. — Eu
nunca desejei você morta.
Ela sabia disso, é claro. — Você me deixou com raiva. — Era o mais
íntimo que ela viria se desculpar por atacar ele.
Malcolm riu então, o som baixo e cheio de charme, assim como ela se
lembrava. — Eu sempre fiz bem assim.
Ela não podia ajudá-la a responder o sorriso. — Isso é verdade.
— Venha andar comigo, — ele se repetiu. — Antes que os outros
chegam.
Ele disse “os outros” como se fosse perfeitamente normal que um
passeio de jovens mulheres estivesse prestes a descer para disputar o
papel da duquesa - o papel que ela atualmente exercia. Ela balançou a
cabeça novamente. Ele era muito tentador, mesmo agora. Mesmo
quando ela conhecia a forma como isso terminou.
— Eu poderia insistir, — disse ele. — Torná-lo uma condição do
divórcio.
— Você poderia, — ela respondeu. — Mas você não deve.

— Como você sabe disso?

— Porque eu não quero. E você não vai forçar-me.

— Eu obriguei você a vir aqui e encontrar sua substituta.

— O que nos beneficia a ambos. Mas passar um tempo com você é uma
tarefa errada. Nós sempre gostamos muito nos momentos, Malcolm. E
eles nunca foram suficientes para compensar a forma como nos
machucamos.

Ele desviou o olhar, pela janela, e ela silenciosamente implorou para


que ele a deixasse. Ele não fez. Em vez disso, ele disse, tudo calmo, —
Nós não podemos andar de qualquer maneira.

Ela seguiu a direção de seu olhar até o local na distância onde uma
carruagem apareceu, maciça e negra como um besouro de verão,
puxada por quatro cavalos e um par de jeitos equivalentes. Seu coração
começou a bater. — A primeira chega.

As palavras estavam mal acabadas quando uma segunda carruagem se


transformou na longa viagem. — E a segunda.

Sete outros veículos apareceram, preto e sério, como lamentadores em


um enterro, e Sera virou-se para o marido. — Todas se conhecem? Ou
elas são extremamente pontuais?

Ele deu uma olhada. — Eu lhe asseguro que não tinha intenção que o
dia começasse às sete horas da manhã.

— Então elas se consultaram no horário de chegada.

Ele tomou as palavras. Quando ela levantou uma sobrancelha


inquisitiva, ele acrescentou: — Mais provável, as mães sabiam que o
pássaro adiantado pega o verme.

Sera não podia ajudá-la a sorrir. — Bem, Sua Graça, você deve admitir,
você é um verme terrivelmente gordo.
Ele a ignorou. — Mas por que oito carruagens? Eu apenas convidei
quatro. — Sua confusão ficou quase instantaneamente horrorizada. —
Querido Deus. Você não acha que elas trouxeram irmãs também, não
é?
— Elas não se atreveriam. As irmãs são minha arma. Essas meninas
precisam encontrar as suas próprias.
— É isso o que é então? Uma batalha?
Ela deu uma olhada. — É o casamento, Duque. Claro que é uma
batalha.
Um lado de sua boca foi lançado. — Sempre foi conosco.
Ela se virou para as palavras suaves. — Desde o início. — Ela observou
a linha de treinadores se aproximar. — As segundas carruagens vêm
com necessidades variadas. Nossos pertences também devem chegar
hoje.
Suas sobrancelhas se juntaram. — É a casa maior e melhor designada
na Grã-Bretanha. Eles têm medo de não alimentá-los?
— Não. Elas temem que você não tenha criadas de damas especialistas.
E que você não deve ter dezenas de vestidos de noite perfeitamente
adaptados. E sapatos. E as coisas submissas.
— Elas estão corretas sobre isso.
— Claro que sim. Você é solteiro. Esta casa requer... Feminização. Qual
é um dos meus testes para o seu... vamos nos contentar com as
palavrinhas por enquanto.
— Certamente, não exige feminização. — Ela nunca o ouviu tão
ofendido. — E você faz testes?
— Você me pediu para encontrar uma segunda esposa, Duque.
Considerando o que você fez com o primeiro, acho que você ficaria
grato pelos testes.
— O que, como as corridas a pé? E adestramento?
— Você não está longe, de fato. — Suas sobrancelhas se levantaram, e
ela recompensou sua curiosidade. — O gramado atrai, certamente.
Ele quase riu, e Sera ficou quase satisfeita. Quase se lembrou de como
ele era bonito. Quase se lembrou de como era maravilhoso ser o foco de
seu prazer.
Por pouco.
Uma batida firme soou na porta, seguida instantaneamente pelo berro
de Sesily. — Sera! O harém de Haven chegou!
Seus lábios se contraíram, e ela estava bastante orgulhosa de si mesma
pelo olhar sério que ela deu ao marido. O duque. Isso seria muito mais
fácil se ela parasse de pensar nele como seu marido. Ele não era, afinal.
Na verdade não. Não desde o casamento deles. Não desde antes.
Não que fosse difícil para ela, de qualquer maneira.
Ela estava apenas pensando nas outras mulheres. Nas suas substitutas.
Ela limpou a garganta e gritou: — Sim! Eu vejo elas!
— Bem, nós devemos ir e dar uma olhada, você não acha?
— Eu vou, sim, — Sera respondeu, curtindo o desconforto de Malcolm.
— Nesse momento! — Disse Sesily, alegremente. — Eu vou apenas
dizer a Sophie para espremer o que quer que ainda se encaixa em seu
meio em expansão.
— Oi! Estou aqui mesmo! Vestindo um vestido que se encaixa muito
bem, muito obrigada! E você é uma para falar, coberta de pelos de gato.
Você não está trazendo ele, não é?
— Claro que sim. Será o primeiro teste de seu valor! Além disso,
Brummell tem um gosto exigente.
— Como a fera gosta da sua companhia, não posso dizer que acredito
nisso. — Seline havia chegado ao corredor além. — Venha, Sera!
— Bom Deus, há muitas delas. E você acha que a casa não está feminina
o suficiente? — Haven perguntou.
Ela sorriu. — Não, quase não.
Ele resmungou a frustração, virando-se para a porta do quarto. — Não
as assuste.
— Minhas irmãs? — Perguntou, toda inocência. — Elas não se assustam
com facilidade.
— Você sabe com precisão a quem quero dizer. Se alguém pode
aterrorizar um grupo de debutantes, esse alguém é você.
— Elas não nos chamam de Filhas Perigosas por acaso, Sua Graça.
Ele não riu, e ela percebeu que a retorta não era engraçada. Não para
ele. Nem para ela também. Não quando ele se virou, o tempo esticando
com peso impressionante e disse: — Você nunca veio com essas coisas.
Ela se acalmou. Ela não tinha vindo com coisas. Nem com um enxoval,
nem com uma empregada, nem qualquer coisa, de verdade. Nada disso
importava quando ela se casou com ele. Mas ele estava muito bravo ao
notar. — Eu era diferente.
Ela esperava que ele deixasse a resposta sem resposta.
Ele não fez. — Porque você veio para mim.
Toda vez.
Ela poderia mentir, mas não queria. Ela não queria ser alguém que ela
nunca mais seria. — Sim.
Ele assentiu e atravessou o limiar, fechando a porta atrás dele.
Só então Sera disse o resto. — Eu vim por você. Assim que eu parti para
você.
Ela alisou as saias e foi encontrar as mulheres que esperavam se casar
com seu marido.
Capítulo 12
: :
Escândalo Delicioso!
Seraphina Seleciona Sucessora!

As irmãs Talbot conheceram as candidatas de Haven na entrada da


casa, junto com uma coleção de seus jogadores secundários - quatro
mães, um pai e três dachshunds8 em miniatura que não se
preocupavam com Brummell, que sibilou com fervor da segurança dos
braços de Sesily.
Além da coleção de convidados, no cenário frenético do pátio da casa
senhorial, criados de dentro e de fora já se apressavam, descarregando
baús e caixas de chapéus e selas e... isso era uma banheira? Por que eles
precisariam de uma banheira? Como o quarteto de garotas foi
encaminhado para a inspeção de Seraphina, cada uma com
aparentemente menos compreensão do protocolo necessário para a
situação.

Não que este cenário particular fosse comum o suficiente para receber
atenção no Livro das Mentes das Senhoras da Sra. Coswell. Na verdade,
Sera pensou que a Sra. Coswell poderia sumariamente perecer se ela
fosse informada sobre os acontecimentos em Highley.

Não havia nenhuma razão, então por que elas não poderiam fazer o
melhor de uma situação estranha. Se estas quatro fosse tudo o que
estava entre Seraphina e sua liberdade, ela certamente estava disposta
a desempenhar sua parte. Com um amplo sorriso e até braços mais
largos, ela disse — Bom dia, senhoras. — As garotas congelaram, os
8Dachshund - também apelidado de cachorro salsicha, é uma raça de cães oriunda da Alemanha. Esta raça está inserida em
grupo próprio da FCI devido a sua grande variedade de tamanho e pelagem: standard, miniatura e kaninchen; pelo longo, liso
e duro. É descrito como caçador de toca, de olfato bastante apurado, que lhe permite seguir pistas facilmente, o que o torna
eficaz em ataques surpresas a presas pequenas. É dito ainda um bom sabujo, capaz de perseguir animais maiores já que, apesar
das pernas curtas, é leve.
olhos arregalados, olhando uma para a outra e depois para as
respectivas mães, claramente não sabendo como responder. Sera
deixou o sorriso alcançar seus olhos. — Eu sou Lady Seraphina. — Ela
usou deliberadamente o nome que ela tinha tido antes de seu
casamento.

A mais pequena das quatro, uma morena diminuta deu um passo à


frente, vestida de rosa e com características tão pequenas e delicadas
que lembravam a Sera de um rato, embora não completamente
desagradável. — Nós a chamamos de Sua Graça?
Foi decidido. Ela gostou desta, que não teve problemas para chegar
direto ao ponto. — Eu confesso, preferiria que você não o fizesse.
Afinal, estamos todos aqui para garantir que eu não seja mais Sua Graça
por mais tempo do que é absolutamente necessário.
As mães e filhas reunidas são tituladas. — Isso é altamente irregular, —
comentou uma das mães. — Onde está o duque? É extremamente
inapropriado que ele mande todas vocês para nos cumprimentar.
— Peço desculpas? — Disse Sera. — Todas vocês?

A mulher mais velha ergueu o queixo e cheirou no ar. — Você entende


o que falo.

— Eu tenho receio de não entender.


Uma das outras mulheres fez uma careta na direção de suas irmãs. —
Você e suas irmãs não são exatamente boas toneladas9 hoje em dia.

— Eu sou uma condessa! — Seleste protestou antes de apontar para


Sophie. — E ela é Marquesa de Eversley e a futura duquesa de Lyne!
— Sim, — a mulher permitiu, como se estivesse falando com uma
criança. — Mas nenhuma de vocês veio por seus títulos...

9 Tonelada: é um termo comum usado para se referir a Alta Sociedade da Grã-Bretanha durante o final do período regencial e
o reinado de George IV, mais tarde. É um uso francês da palavra (neste sentido) "modos" ou "estilo" e é pronunciado como em
francês. A frase completa é “le bon ton” significado "boas maneiras" ou "boa forma" - características tidas como ideal pelos
britânicos beau monde. O Ton - Alta sociedade tinha fortemente a consciência de classe e da hierarquia social e era
incrivelmente rígida. Nascimento, riqueza, títulos e outros fatores classificavam as pessoas.
As sobrancelhas de Sesily juntaram-se. — Digo honestamente, que
volte em sua carruagem, megera.
As palavras foram pontuadas por uma brincadeira selvagem de
Brummell, e Sera resistiu ao desejo de sorrir para a eterna lealdade da
irmã, que tinha seu lugar, mas, neste caso, não era inteiramente útil. Ela
olhou para a mulher mais velha enquanto as sobrancelhas se erguiam,
a boca formando um O perfeito. Antes que a mãe furiosa pudesse falar,
Sera saltou, colocando-se entre as duas mulheres.
— Seus títulos não são de interesse, no entanto, eles são, minha
senhora? O meu é. Você faria melhor em lembrar o prêmio que você
está aqui para ganhar.
A mulher hesitou, então concordou.
Sera voltou-se para as jovens. — Bem. Como vocês sabem, eu estive fora
da cidade por várias estações. Devemos começar com as apresentações?
Outra mãe titulada, — Simplesmente não faremos.
Sera abaixou a voz e se inclinou para as garotas com conspiração. —
Você encontrará pouco interesse no que não é feito. Em vez disso, eu
prefiro fazer as coisas.
Quatro conjuntos de olhos voaram para encontrar o dela, uma miríade
de expressões perseguindo surpresa neles - choque, confusão, diversão
e, no último, admiração.
Sera fez uma nota mental para investigar a Admiração – a primeira
corajosa, a mais simples do grupo, e claramente não era.
Malcolm pode gostar dela.
O pensamento não trouxe a satisfação que ela poderia ter desejado.
Diversão - o rato minúsculo - foi a primeira a falar, dando um passo em
frente firme. — Eu sou a senhorita Lilith Ballard, filha mais nova do
Conde de Shropshire. — Ela apontou para a mulher com lábios
apertados que falou anteriormente. — Essa é a minha mãe, a condessa.
— Ela baixou a voz. — Bem feito com ela, a propósito.
Sera sorriu. Sim. Ela gostou muito disso. Ela assentiu com a cabeça, —
É um prazer. — Ela olhou para Admiração, que olhou com olhos
afiados, mas não mostrou nenhum interesse em se apresentar.

O que funcionou bem, porque o duque levou esse momento para


chegar. — Bem-vindas a Highley, senhoras. — Sua voz era profunda e
adorável, preenchendo o início da manhã com a aristocracia.

Sera endureceu quando a assembleia voltou sua atenção para ele, o


único pai do grupo que levou esse momento para se mover, avançando
com um clareamento de garganta demais. — Haven. Um pouco
estranho, não acha?

Malcolm apertou a mão do homem. — Brunswick. — Baron Brunswick,


pobre como um rato de igreja, lembrou Sera, mas com um título
apropriado e respeitável. — Alguma coisa sobre o meu passado recente
foi menos do que estranho? — Ele acenou para Sera. — Você conheceu
minha futura ex-esposa, eu vejo, e você deve conhecer suas irmãs.

O barão grunhiu seu acordo e apontou para Confusão, uma ruiva com
enormes olhos verdes. — Essa é minha garota.

Não escapou de Seraphina que a menina em questão permaneceu sem


nome. Como se uma garota fosse a mesma que a próxima, e por que se
preocupar em dar-lhes nomes únicos? Malcolm corrigiu a situação. —
Lady Emily, é um prazer conhecê-la.

Lady Emily, por sua vez, não parecia sentir a mesma coisa. Na verdade,
parecia que ela poderia irromper em lágrimas.

Ela foi salva do constrangimento, no entanto, pelo som, insistente, —


Mary, — de uma das outras mães. Choque parecia ganhar vida, então,
avançando e virtualmente acotovelando-se para ficar na frente de
Haven. Ela era loira e adorável como uma boneca de porcelana. E
parecia que ela era Maria.

Malcolm tomou o momento com força, todo cavalheiro. — Você deve


ser a Miss Mary Mayhew.
Sera inclinou a cabeça com surpresa. Senhorita. O duque de Haven,
considerando mesmo uma mulher sem sangue azul, foi um choque,
considerando o desprezo que ele e sua mãe tinham estado com as raízes
da mineração de carvão de seu pai. — Seu pai é um dos homens mais
poderosos da Câmara dos comuns — Sophie sussurrou em seu ouvido.
Um político. Pior ainda.
— Sua Graça, — disse a beleza, entrando em uma reverência profunda,
sua voz ofegante e vencendo e muito provavelmente a coisa mais
feminina que Seraphina já havia ouvido.
Ela não podia se ajudar. Seu olhar voou para o rosto de Haven, para
onde ele olhou para Choque com um interesse educado. Não havia
nada sobre isso que indicasse algo além da cortesia comum, mas Sera
não se importava com isso.
Não. Ela não se importava, ponto final.
Deixe ele apreciar a outra mulher. Não havia absolutamente nenhum
motivo que Sera se importasse se ele a achasse bonita. Nenhuma razão
para ela sequer notar.
Na verdade, ela não o notou olhando para nada.
Ela tirou o olhar para longe, o som distante do barulho das rodas a
distraíram quando outro treinador negro surgiu na estrada.
Aparentemente, uma das garotas não conseguiu acomodar todos os
seus pertences em dois meios de transporte e exigiu um terceiro.
Parecia um pouco desnecessário, mas Sera sabia melhor que todos que
conquistar um duque exigia compromisso.
Não que ela tivesse precisado de algo extravagante para fazê-lo.
Ela limpou a garganta e olhou para Admiração, imediatamente se
arrependendo de seu tom afiado e da maneira como ela insinuava seus
pensamentos indesejáveis. — E você é?
A menina não se encolheu. — Felicity Faircloth.
Sera piscou. — Peço seu perdão?
A admiração sorriu. — Ridículo, não é?
— Um pouco.
O sorriso se tornou um sorriso malicioso. — Isso ajuda se eu disser que
eu sou Lady Felicity Faircloth?
Sera deu uma pequena risada. A admiração era sua favorita. — Não.
— Que pena, — disse Felicity, sem mostrar absolutamente nenhuma
decepção. — E se eu lhe dissesse que meu pai era Marquês de Bumble?
Sera inclinou a cabeça. — Há um Marquês de Bumble?
— Na verdade, existe. Velho e venerável.
— Bem, desde que Haven te trouxe aqui, não estou surpreendida com
isso.
Felicity olhou para Sesily. — Isso é um gato adorável.
Brummell uivou e Sesily pregou. — Obrigado.
— É selvagem?
Sesily piscou. — Não.
— Pena. Eu esperava que ele pudesse cuidar dos cachorros da minha
mãe. — Os três xadrez estavam sob uma cerca cercada e, na ordem,
cavando um grande buraco, aliviando-se e ingerindo um galho. Felicity
seguiu o olhar de Sera. — Eles são horríveis.
— Então eu suponho que você não vem com cães?
— Bom Deus. Não, só minha mãe.
— Mas você vem com ela.
Felicity piscou. — Ela está tão desesperada por eu ser duquesa, que
pode ser negociável.
Sera riu. Esta garota tinha assegurado o primeiro lugar, e ela ainda não
estava nas paredes de Highley. Sera teria seu divórcio em breve. Ela
ignorou a forma como o pensamento se instalou, ligeiramente fora, em
vez de pensar no Sparrow, e seu futuro.
O divórcio significava sua liberdade.
Se Haven gostasse de Lady Felicity Faircloth, ou de qualquer uma das
damas, honestamente, a liberdade era dela.
Esse pensamento se estabeleceu um pouco melhor.
Ela olhou para Haven, que a observava atentamente. — Duque. Venha
conhecer o Lady Felicity Faircloth.
Quando ele fez, o treinador final chegou, parando logo após o grupo
reunido, e Sera virou-se para o resto da assembleia, de braços abertos,
tentando levá-los para a entrada da casa senhorial, fora de o caminho
do transporte. — Meu senhor e senhoras, e a Sra. e a senhorita Mayhew,
bem-vindos. Vamos fazer com que todos se estabeleçam, e devemos
planejar um almoço persistente durante o qual todos possamos nos
conhecer melhor. Deve haver jogos e, claro, bebida decente. — Ela teve
a atenção de Lord Brunswick então.
As palavras colocam o grupo em movimento, uma das mulheres que
disse num sussurro alto: — É um pouco de atrevimento para empacotar
três treinadores, você não acha?
A questão, destinada a minar os outros, colocou Sera na ponta, servindo
como um grande lembrete de que ela detestou essas pessoas e essa vida,
e que ela não podia esperar para se livrar dela, e do homem que a atou
a ela.
Ela não teria a maldição. Este grupo de escalada, os titulares de
professores podem morder em plena visão, ou ser civil. Seraphina
permaneceu senhora da casa e proprietária do título, e assim ela definiu
as regras.
— Na verdade, acho que a carruagem extra mostra uma preparação
marcada que é admirável em alguém que vai dirigir uma família de tão
grande alcance. — Ela olhou para Malcolm. — Você não acha, Sua
Graça?
Ele não hesitou em mentir, o que foi surpreendente, considerando o
fato de que minutos antes, ele expressou os sentimentos exatos opostos
sobre a massa de treinadores girando acima da movimentação. — De
fato. — As bochechas da Sra. Mayhew ficaram vermelhas quando o
duque olhou para a jovem. — E qual de vocês é tão minuciosa?

As meninas, por sua vez, se olharam com uma mistura de curiosidade


e arrependimento em seus vários rostos. Finalmente, Lady Lilith falou.
— Parece que nenhuma de nós passa este teste em particular, Sua
Graça.

E, como para provar o ponto da mulher, a porta da nona carruagem se


abriu, ricocheteando fora do carro e saltando para quase fechar-se antes
de ser pego e controlado, e uma perna grande, comprida, coberta de
pele de camurça veio para o chão.

— Oh céus.

— O que isso significa? — A pergunta de Malcolm veio dura e rápida.

Sera não teve tempo de elaborar quando uma cabeça escura apareceu
acima da porta do carro, seguido de ombros largos em um casaco azul
marinho perfeitamente adaptado.

Aqueles reunidos pareciam reter a respiração diante da aparência desse


intruso impetuoso. O que ele estava fazendo aqui?

— Ding-dong, — disse Sesily, em que ponto Sera estava bastante certa


de que ela ouviu Haven grunhir.

Este não era o plano. Algo deu errado.

— É melhor que não seja... — Haven deixou a frase inacabada quando


o homem se virou, revelando um rosto maltratado e machucado com o
que Sera só podia imaginar ser uma habilidade perversa. Caleb
Calhoun sorriu, revelando os dentes, de alguma forma ainda ileso, e
fechando a porta com um único movimento suave. Ele se aproximou
como se isso fosse tudo perfeitamente normal.

Ela já estava se movendo em direção a ele. — O que você está fazendo


aqui?
— Bom dia para você. — Removendo seu chapéu alto, ele disse: — Eu
digo, este lugar está mais ocupado que o mercado de peixe de Faneuil
Hall às cinco e meia.

As mulheres reunidas deram um pequeno suspiro as palavras.

Bem, a maioria das mulheres se reuniu.

Sesily deu um pequeno grito de alegria. — O americano está chegando!

Sera deslizou um olhar para Haven, apenas para descobrir que ele
estava olhando para ela, sem sequer uma tentativa de sutileza.

— Eu temo que não por muito tempo, querida. — Caleb varreu o


chapéu de sua cabeça e se curvou com um grande floreio. — Que belo
grupo de senhoras. Não tenho certeza de que eu possa escolher a mais
bonita entre vocês. — Ele olhou para Sera, os olhos cintilando mesmo
quando um deles estava preto e quase inchado e disse: — Bem, além da
duquesa, é claro.

Ela levantou uma sobrancelha.

Isso não facilitaria as coisas.

Capítulo 13
: :
Sparrow Voa da Gaiola!

— Se você nos desculpar por apenas um momento? — Sera disse muito


brilhantemente antes de abrir a porta mais próxima e empurrar Caleb
para uma das salas de recepção da Highley.
Murmúrios de – “tudo isso é altamente irregular” – e – “quem é esse
homem”? — Misturou-se com as tentativas de suas irmãs de rebanhar
todo o grupo para suas respectivas câmaras.

A voz de Sophie veio acima do resto. — Certamente vocês gostariam


de um momento para se refrescar após as primeiras viagens.

— Eu não quero me refrescar! — Uma das mães respondeu com uma


afronta. — Sua graça! Não irei ter minha filha tão mal influenciada pela
sua... esposa!

— Ugh, — disse Sesily de um alcance mais próximo do que Sera teria


esperado. — Podemos eliminar o jogo de Mayhew da competição o
mais rápido possível? A mãe dela faz objeção.

Sera girou para encarar sua irmã. — Sesily!

— O que? — Sesily fingiu inocência. — Pensei que você precisaria de


uma acompanhante. — Aplicando seu sorriso mais bonito, ela chamou
sua atenção para Caleb. — Nunca se sabe com os americanos.

Caleb lhe enviou uma aparência apreciativa. — Se alguém tiver sorte.

Sera resolveu seu descontentamento. — Ambos são insuportáveis. —


Ela girou sobre seu amigo — O que diabos você está fazendo aqui? E o
que aconteceu no inferno com sua cara?

— Você deveria ver os outros homens. — Caleb sorriu, então


estremeceu quando a expressão puxou o lábio. — Ow.

— Isso serve bem a você, por pensar que poderia encantar o sua
maneira de sair disto, — ela respondeu, as palavras sem ferrão. — O
que aconteceu? — Ela repetiu, levantando a mão para a forte e inchada
bochecha de seu amigo, olhando delicadamente sobre seus olhos.

Ele inalou bruscamente ao toque. — Você não pode voltar. Não agora.

Sesily ofegou. — Você planejou se esgueirar para Londres? Que


emocionante!
Sera olhou para o teto e pediu a seu criador paciência. Ela planejava
uma noite ou uma noite clandestina, apenas para entrar no Sparrow. —
Não é excitante, Sesily. É um negócio.
— Você diz, assim, que como ele também não parece emocionante, —
respondeu Sesily. — O que faz. Não é todos os dias que uma mulher
tem uma...
— Pare. — Ambos Caleb e Sera cortaram Sesily antes que ela pudesse
dizer taverna, Sera olhando para a porta para ter certeza de que
ninguém estava perto o suficiente para ouvir. Malcolm estava no
vestíbulo além, e ele conheceu seu olhar, mas a fúria em seus olhos
provavelmente teria mais a ver com o mordomo de mães que
reclamavam a manhã toda, e sem dúvida, muito mais. Como Sera, em
geral.
Ele não tinha ouvido, o que era tudo o que importava. Se ele soubesse
o que tinha, ele teria muito poder sobre ela.
Como se ele não tivesse o suficiente como marido.
— O ponto é, — Caleb continuou, — você deve ficar aqui.
Ela piscou. — Por quê?
Sesily sabia quando não era desejada. — Eu vou buscar algo para o olho
do americano.
— Eu tenho um nome, você sabe.
Sesily piscou. — Mas o americano parece muito mais ameaçador, você
não acha?
— Vá, — disse Sera.
Sesily fez e Caleb disse: — Esse é um problema.
— Eu terei muito mais problemas se você não me disser o que está
acontecendo.
— Não se preocupe com isso.
— Se apenas os homens entendessem o medo desenfreado de que um
quarteto particular de palavras instilava nos corações das mulheres. —
Ela bateu no braço. — Diga-me.
— Oof! — Ele gemeu, agarrando o ombro e ficou pálido.
— Agora ela bateu nele! — Veio um suspiro de pérolas do corredor
além. — Você deve enviá-la para longe, Sua Graça. Este não é um lugar
adequado para uma jovem senhora!
Sera ignorou as palavras, superou a preocupação com seu amigo. —
Caleb. O que aconteceu com você?
— Está bem. Foi um toque deslocado, mas encontrei um açougueiro
decente que o colocou de volta. Está apenas um pouco medonho agora.
Suas sobrancelhas se ergueram. — Quem te deslocou?
— Os Bastardos.
The Bareknuckle Bastards, o par de irmãos que dirigiam o Covent
Garden subterrâneo. Até agora, eles deixaram Caleb e Sera sozinhos,
mas não fazia muito tempo que o Sparrow estava funcionando, e Caleb
e Sera esperavam que seu sucesso logo fosse notado - e os Bastardos
não gostariam disso. — Alguma coisa aconteceu com o Sparrow?
— Nada que não possa ser consertado em um dia ou dois. — Ela não
gostou do som disso. — Eles queriam um comércio. Dinheiro para
proteção. Eu disse a eles que não precisava de proteção contra um
monte de peles vermelhas.
— E eles tentaram provar que você estava errado. — Ele tentou por
outro sorriso. — Eu consegui alguns bons socos.
Ela balançou a cabeça. — Você é uma criança.
— Não estamos pagando dinheiro com medo.
Ela estreitou seu olhar. — Claro que não estamos.
— Excelente. Em seguida, considere esta reunião de negócios suspensa.
Você fica aqui para obter o seu divórcio, e eu vou cuidar do resto. — A
frustração acendeu. Se não tivesse sido forçada ao campo, teria podido
ajudar em Londres. Ela teria sido capaz de proteger o Sparrow.
Ironicamente, ela não estava no clube para protegê-lo de seus inimigos
porque ela estava muito ocupada protegendo isso aqui. De um inimigo
diferente.
Se ela o perdesse, ela perderia a única razão de ter retornado à Grã-
Bretanha. Tudo o que ela estava lutando. Ela estava aqui para a
promessa de liberdade do Sparrow. Para o seu futuro. E para a dela.
Mas não era bom proteger a taberna em teoria se ela não pudesse
protegê-la na prática. — Como o inferno. Eu vou com você.
— Não.
Ela deu uma olhada. — Conte-me. O que, precisamente, faz você
acreditar que você pode me dizer o que fazer?
Ele suspirou. — Certamente, não história.
— Não, — ela concordou. — Certamente não.
— E se você retornar, então, o que?
— Algo! — Ela insistiu, frustração queimando. — O Sparrow não é
nada sem seu homônimo.
— Droga, — disse Caleb. — Você fica aqui. Eu cuidarei dos Bastardos.
Contratarei segurança, me certificarei para que vejam, não vou tolerar
que eles entrem no nosso caminho. Não se preocupe com sua linda
cabeça sobre os pedaços.
Ela estreitou seu olhar. — Eu vou te incluir na sua cabeça se você
continuar a me tratar como uma preciosa pomba. Estou voltando.
— Por quê?
— Porque é meu, — ela sussurrou. — Mantido em confiança por você.
— Até você conseguir seu divórcio, e é por isso que você está aqui.
— O que não significará nada se eu não tiver uma taberna no final.
Ele olhou para o teto e exalou sua frustração. — Você quer seu nariz no
negócio.
Ela assentiu. — Agora, mais do que nunca.
— Tudo bem. Então vou passar dias aqui.
Era uma ideia tão terrível que ela riu. — Não, você não vai.
— Por uma vez, nós concordamos, esposa. — Haven entrou na sala
como se ele fosse o dono. O que ela supôs que ele fosse. Homem
irritante.
— Agradeceria em não se intrometer em minhas conversas, — disse ela.
— Enquanto permanecermos casados, as conversas que você tem com
cavalheiros solteiros são meus negócios, pet.
Os homens eram insuportáveis. — Me chame de "animal de estimação”
novamente e veja o que acontece.
Ele não se encolheu. — O que? Você me faria o que seu canalha
americano fez com ele? — Ele olhou para Caleb. — Má sorte. Eu só
queria ter feito isso sozinho.
— Se fosse você, Duque, você ficaria com medo, não eu.
Haven sorriu para isso. Como se fosse engraçado. — A história
sugeriria o contrário, Yank.
Sera fez uma pausa. O que isso significava?
Isso não importava. — Haven, eu devo voltar para Londres.
— Não. — Ela imaginou que nem muito gostava de concordar com o
outro.
Ela não podia conter seu gemido de frustração. — Nenhum de vocês
tem poder sobre a minha decisão.
— Temos um acordo, Sera, — disse Haven. — E esse acordo não inclui
sua ida a Londres com algum americano.
— Eu vou onde e com quem eu quiser, — ela retrucou, de repente
incrivelmente irritada por tudo. — Você não é meu dono.
— Mas ele é, — disse Caleb.
Ela piscou. — Eu imploro seu perdão?
Haven também estava de volta aos calcanhares. — Peço desculpas?
O olhar de Caleb encontrou o dela, e ela odiava o significado nele. —
Ele te pertence, Duquesa. Você é sua esposa. Ele é dono de você e de
todos os seus pertences. Ele possui o seu próprio futuro.
A mensagem foi clara. Para manter o Sparrow seguro e dela, ela teria
que ficar aqui. Ela teria que garantir seu divórcio para garantir seu
futuro.
Ela franziu o cenho para seu amigo. — Você é um maldito traidor.
— Nós fazemos o que temos que fazer. Não se preocupe, Duque. Ela
não vai voltar para Londres. — Sera engoliu o desejo de fazer dano
adicional ao rosto de Caleb e ele acrescentou: — E eu vou passar mais
algum tempo aqui, parece. Todos nos tornaremos amigos rápidos,
tenho certeza.
Que absurdo. Eles tinham um plano, ela e Caleb. Ele não estava
hospedado aqui. Ela abriu a boca para dizer-lhe tanto, mas Haven
interveio, parecendo que ele poderia causar danos graves a Caleb. —
Eu lhe asseguro que não seremos assim. E você não é bem-vindo aqui.
Ela tinha certeza de que Caleb não estava pisando novamente em
Highley, até aquele momento. E então tornou-se um ponto de orgulho.
Assim como tudo entre ela e Malcolm sempre foi. — Ele permanece se
eu quiser.
— Você deseja bastante, Seraphina. Eu não tenho a intenção para
continuar com você se comportando como uma criança. Não há espaço
para ele.
— Como uma criança? — Para quem, precisamente, ele achava que ele
estava falando?
— Oh, agora você fez isso, Duque, — disse Caleb.
Sera virou-se sobre ele e levantou o dedo. — Você pisa com gelo muito
fino, Calhoun. — Caleb abriu as mãos e ela voltou sua atenção para
Malcolm. — Há uma dúzia de salas para ele.
— Elas estão em reforma, — disse ele.
Ela sorriu. — Então, ele pode compartilhar meu quarto.
Sera poderia ter considerado a contração na mandíbula de Haven
sinalizando sua fúria uma vitória adequada em sua batalha, mas ela
não conseguiu celebrá-la, porque foi pontuada por um suspiro coletivo
do corredor além. Quando ela se virou para o som, foi para descobrir
uma coleção de olhos arregalados olhando a vários metros de distância.
— Bem, isso já é a melhor festa de casa de campo que eu já compareci,
— disse Sesily, grande pedaço de carne na mão. Depois de entregar a
carne a Caleb com um sussurrado — Para seu olho, — ela se virou para
o resto das mulheres. — Vocês não concordam?
— Eu certamente não, — disse a Sra. Mayhew. Era sempre a Sra.
Mayhew, parecia. — Isso é totalmente impróprio.
— Oh, por favor, — disse Sera, exasperada pela pomposidade mal
colocada. — Então você pode partir, Sra. Mayhew. Mas você não vai,
você vai? Porque você quer um ducado tanto quanto qualquer outra
mãe em Londres. E este é o mais próximo que você chegará a um.
A Sra. Mayhew fechou a boca.
— Agora. Como eu ainda sou a Senhora de Highley até uma das suas
filhas assumir o cargo, devo insistir em encontrar suas câmaras e se
instalar. Estou ansiosa para vê-los para o almoço. Seline, querida?
Sua irmã imediatamente se lançou em ação.
Quando a assembleia entrou mais na casa senhorial, Sera virou-se e
olhou para o marido. — Ele permanece.
— Ele não é bem-vindo.
— Ele está parado aqui, — disse Caleb.
— Agora você prefere o "americano"? — Perguntou Sesily.
Caleb sorriu. — Você sabe, eu poderia. Estou feliz por ficar, Duquesa.
Mas quem vai lidar com seu homem? Não era o que eu não podia, —
apressou-se a adicionar. — Estou bem.
Haven não estava prestando atenção a ninguém além de Sera, no
entanto. Ele se aproximou, chegando perto o suficiente para perturbá-
la.
Mas ela não se sentiu inesgotável. Ela sentiu outra coisa, inteiramente.
Seu coração murmurou e ela encontrou seu olhar com orgulho antes de
responder a seu amigo. — Eu vou lidar com ele.
Haven a observou por um longo momento, fazendo-a sentir como se
ela fosse a única pessoa na terra. Finalmente, ele falou. — Isso vai te
custar muito.
— Claro que sim, — disse ela. — Esse é o jogo que jogamos.
Ela o surpreendeu, mas ele se recuperou quase imediatamente. Ele não
desviou o olhar quando falou com Caleb e Sesily. — Deixe-nos.
As palavras enviaram um pânico através de Sera.
Ou talvez tenha sido uma emoção.
— Uhh. — Sesily não parecia saber o que fazer.
— Duquesa? — Nem Caleb.
Sera não estava recuando. Sem olhar para eles, ela falou. — Sesily, por
favor, veja Caleb para um quarto na casa da família.
— Não, — Haven negociou, forte e firme, todo o poder ducal. — Quarto
andar. Ala oeste. No final.
Bem longe de suas câmaras quanto possível. Ela sorriu. — Eu sou capaz
de subir escadas e atravessar corredores, marido.
Ele ignorou as palavras, em vez de repetir-se. — Deixe-nos. — Sesily e
Caleb olharam para ela, e a irritação de Haven veio em um grunhido.
— Chame seus cães, esposa.
Ela assentiu, e eles seguiram a direção, fechando a porta atrás deles com
um silêncio. Sera inalou profundamente, desejando-se calma o
suficiente - forte o suficiente - para o que quer que fosse. — E agora
estamos sozinhos. Tenha cuidado, marido, ou você deve colocar as
línguas para abalar. A mãe da sua futura esposa não se importará com
a aparência que permanecemos... simpático.
— Não me importo com o que elas pensam.
Por um momento, ela acreditou nele. Mas ela sabia melhor. Era uma
mentira bonita, mas uma mentira da mesma maneira. Ela o enfrentou
com todas as forças que conseguiu reunir. — Absurdo. Você sempre se
importou com o que o mundo pensa.
Ele ergueu a mão e a respiração apanhou seu peito ante a antecipação
de seu toque. E então ele estava tocando nela, seus dedos quentes
encontraram compra em sua bochecha, como se eles pertencessem lá.
Ela exalou o calor dele. A força.
Ele também exalou. Longo e maravilhosamente esfarrapado, como se
estivesse tão devastado sentindo como ela estava.
Como se ele estivesse mais devastado.
Ela fechou os olhos, resistiu ao impulso de se inclinar para o berço
quente da palma da mão. Por favor, implorou em silêncio, para quem
pudesse estar ouvindo. Por favor, deixe-o ser mais devastado. Porque
mesmo agora, anos depois, após os acontecimentos irreparáveis em seu
passado, ela não podia deixar de ser atraída para ele, esse homem que
ela amara uma vez tão completamente.
— Eu me importava, — ele disse, e sua voz estava esfarrapada, como
rodas no cascalho. — Uma vez eu me importei muito com o que eles
pensavam. E agora, parece que me importo muito pouco. Parece me
importar apenas com o que você pensa.
Ela não conseguiu resistir a olhar para ele e, como sempre, estava
instantaneamente em sua escravidão. Ela apenas sacudiu a cabeça. O
suficiente para ele ver. — Mal, — ela sussurrou.
— O que é, Angel? — Seu sussurro tentou-a como nada que ela já
experimentou enquanto se aproximava. — Eu vou dar-lhe qualquer
coisa que você quiser. Nunca fui capaz de recusá-lo.
Não era verdade. Houve um tempo em que ela o implorou para perdoá-
la. Quando ela implorou para ele acreditar nela. E ele recusou.
Mas ela não era mais aquela garota, e ele não era aquele garoto. E agora,
ele prometeu não recusá-la, e ela descobriu que ela também não poderia
recusá-lo. Era sua vez de levantar a mão. Sua vez de colocar a palma da
mão em seu rosto. Sua vez de devastar.
E ela fez, sentindo-se mais poderosa do que nunca, quando ele expirou,
amando a respiração que atrapalhou os lábios como lembrança. Como
se o tivesse queimado. E ela pode ter. Sempre foram óleo e chama. Por
que não deixar acontecer? Só uma vez? Apenas por um momento?
Apenas para ver se a combustão permaneceu.
Ela se inclinou para ele. Ou ele se inclinou para baixo. Isso não
importava.
Ele estava sussurrando em seus lábios, e ela não sabia se ele falava com
ela ou com um poder superior. — Perdoe-me, — disse ele. A quem ele
estava perguntando? Para quê?
Ela descobriu que não se importava.
O beijo a destrancou, quebrando-a aberta, deixando a luz e o ar nos
lugares escuros e úmidos dela. Ele atacou a proteção que ela construiu
ao longo de meses e anos, expulsando-a e deixando-a sem nada para
mantê-lo afastado.
E ainda assim, ela não se importava.
Apenas enquanto ele não parasse. Ela não estava pronta para parar.
Passaram-se anos desde que ele a tocou, e ainda mais desde que ele a
tocou assim - com desejo e paixão e um compromisso com nada além
de prazer.

Ela suspirou no beijo, e ele também foi destrancado, movendo-se, sua


mão forte e quente deslizando para trás, os dedos enfiando em seus
cabelos, puxando-a mais perto quando ele pressionou a boca dela, de
alguma forma girando o relógio de volta para outra hora, quando tudo
isso que estava entre eles, era isto – nada.

Ele provou o mesmo, como um tempero misterioso e tentador, e ela não


conseguiu se impedir de envolver seus braços sobre o pescoço e apertar
mais de perto. Lambendo os lábios, corajoso e desesperado por revivê-
lo. Ele grunhiu com a sensação, o som baixo e perverso, e então seus
braços estavam ao redor de sua cintura e ele a estava levantando,
virando-a, pressionando-a contra a porta fechada. Graças a Deus estava
fechada, e ela era dele.

Como se os anos nunca passassem, e eles estavam aqui, apaixonados,


mais uma vez.

Querido Deus, como ela adorou isso. Ela acreditava que ela tinha sido
quebrada todos aqueles anos atrás, arruinada por dor e perda. E talvez
ela estivesse. Mas ela não estava mais. De alguma forma, em seus
braços encontrou tudo de novo.

Exceto que não foi uma surpresa. Ela sempre se completava com ele.

Ela arrancou a boca dele, alcançando o ar, e ele puxou para trás para
vê-la por um longo momento, seu olhar riscando seu rosto, levando-a.
— Meu Deus, — ele sussurrou. — Você é mais bonita agora do que você
já foi. — E então ele estava inclinando o queixo para expor seu pescoço
e colocando seus lábios em sua carne, antes que ela pudesse se
ruborizar ou se afastar.

Ela engasgou com a sensação, tão deliciosa e familiar, e foi


recompensada com outro rosnado profundo e animal, como se não
fosse capaz de manter seu desejo à distância. Seus dedos enfiaram seus
cabelos, apertando os cachos na nuca, acariciando círculos lentos e
encorajadores - assim como ele gostava. Outro rosnado.
Senhor, como ela amava aqueles grunhidos.
E então, suas mãos estavam em seu corpete, puxando os botões de sua
pelisse, espalhando-o de largura e encontrando a borda estilhada do
vestido, mais baixo do que poderia ser, e completamente apertado
quando ela lutou por respirar. Ao seu ouvido, ele disse coisas perversas
e maravilhosas. O tipo de coisas que ela não deixaria lembrar em noites
sombrias e solitárias.
— Lembro-me de como o prazer te encontra, Angel... — Longos dedos
hábeis entraram no corpete, deslizando como uma promessa deliciosa.
— Lembro-me de como você consegue isso. — Ele parou logo além de
um peitoral duro, fazendo-a querer gritar. — Lembro-me de como você
dobra e doente, fazendo tudo o que pode para evitar me dizer o que
você quer.
As palavras a atravessaram, lembrando-a da mulher que ela tinha sido,
enquanto ele levava o suave lóbulo de sua orelha entre os dentes e
gentilmente, ameaçando destruí-la com prazer.
Ele estava certo. Ela estava nervosa ao redor dele, com medo de contar-
lhe muito por medo de ser despreocupada. De o perder.
Mas ela o perdeu. E ele já fez sua vontade.
Ele já tinha feito.
Então, quando ela puxou de volta para encontrar seus olhos, selvagem
sob as pálpebras pesadas com o desejo que ela conhecia o percorrendo,
ela não corou. E ela não hesitou. Ela puxou o pequeno arco que manteve
seu vestido apertado em sua pele, afrouxando o tecido apenas o
suficiente. E então ela apertou sua mão para ela onde ficou imóvel e
cheia de promessa, e moveu-o. Pressionou-o para ela. Instou-o a tomar
o que queria dar.
Outro grunhido, enviando prazer inimaginável diretamente ao seu
núcleo.
— Sera, — disse ele, descrença e desejo em guerra na palavra.
Ela roçou os lábios sobre sua bochecha enquanto levantava um peito,
testando seu peso. — Lembro-me de como o prazer te encontra, Duque,
— ela repetiu suas palavras. — Lembro-me de como você consegue
isso. Devo dizer-lhe o que eu quero desta vez?
Ele amaldiçoou, baixinho e perverso, e ela tomou isso como um sim.
— Eu quero o seu toque. — Ele deu a ela, um longo e lento slide de seu
polegar. — Eu quero o seu beijo.
Ele não hesitou, inclinando-se e tomando a ponta de um peito na boca.
Trabalhando com lábios e língua até pensar que ela poderia perecer
com prazer. Sugando até que ela estivesse ofegante e se contorcendo
contra ele, uma perna enrolada ao redor dele enquanto a pressionava
na porta.
Quando sua mão chegou até o tornozelo e ele deslizou até os joelhos,
ela sabia que deveria detê-lo, mas tinha sido tão longo, tanto tempo
quanto ela havia sido tocada. Muito tempo desde que ele a tocou. E
então suas saias foram levantadas e sua perna estava sobre seu ombro,
e seus dedos estavam em seus cabelos e sua boca estava com ela com
gloriosa certeza.
Ela gritou ao toque, na força e prazer dele, na sua promessa, não apenas
no momento, mas por todos os momentos que viriam. Seu choro foi
pontuado por seu gemido lá, contra o centro macio e molhado dela,
onde ela estava tão macia, tão pronta, tão desesperada. Sua língua -
quantas vezes ela estava deitada no escuro e pensou em sua língua? —
Com certeza, firme e firme sobre ela, encontrando todos os lugares que
haviam doido por ele e seus dedos apertados em seus cabelos. —
Malcolm, — ela sussurrou. — Querido Deus. Sim. Lá.
— Eu sei, Angel, — ele disse contra ela. E ele fez. Ele sempre soube.
Nisto, nada foi alterado. Ele estava de volta, esse homem a quem ela
amava tão bem, esse homem que sempre fazia o prazer dele o mais
importante de seus namorados. Mesmo no final.
Ele se afastou disso, como se ele ouvisse o pensamento, virando o olhar
para ela, seus belos olhos encontrando-a, capturando-a enquanto um
dedo deslizava profundamente dentro dela, encontrando-a molhada e
disposta. Ambos gemeram com a sensação, e quando Malcolm
começou a se mover, para atrair o prazer de seus lugares mais secretos,
ela não conseguiu manter os olhos abertos.
Ele parou. — Não.
Ela abriu os olhos. Muito implorou. — Mal. Eu vou te dar tudo o que
você quer, amor. Mas você me dá o que eu quero.
Ele se moveu novamente, e ela se levantou em sua direção. — Sim.
— Você mantém seus olhos abertos, — disse ele. — Eu quero assistir.
Eu quero uma nova memória.
Ele estava perto o suficiente para sentir suas palavras sobre ela, onde
ela estava aberta e dolorida. Ela nem estava certa de que havia som para
combinar a sensação, mas ela o entendia.
Ela lhe daria qualquer coisa que quisesse enquanto ele não parasse.
E ele não fez. Ele soprou um longo fluxo de ar, onde ela o queria mais,
provocando e tentando e fazendo promessas sobre as quais sabia que
poderia entregar.
Deliciosamente.
Ele queria destruí-la com a tentação. Para puni-la com o prazer da
espera.
Mas esperava o tempo suficiente.
Ela deslizou os dedos nos cabelos novamente, deixando-os apertar
contra seu couro cabeludo até que ele olhou para ela novamente,
encontrou seu olhar. O universo lhe dava tal poder sobre ela além desse
quarto. Além desse momento.
Mas nisso, eles eram iguais.
Nisto, ela revelou-se em seu poder.
— Eu quero também, — disse ela.
Ela agradou-se.
Ele deu, sem hesitar, sabendo exatamente como fazê-la se contorcer e
chorar, lenta e rápida, flexionando os dedos e a língua até que ela
perdeu a força e ele a segurava com fortes mãos e ombros, torcendo
cada centímetro de prazer dela.
Era uma idade antes de retornar ao momento. Foi um instante.
Ele sentiu o momento, virando-se, pressionando os lábios para dentro
da coxa dela, permanecendo lá até o afastar, retirando a perna e
abaixando as saias, alisando-as com uma precisão cuidadosa enquanto
desejava que seu coração parasse de bater.
Procurou que ele parasse. Odiava-o ali, de joelhos, como se ele tivesse
penado.
Como se ele a desejasse.
Como se ela fosse por ter.
Como se estivesse.
— Sera...
— Não. — Ela o cortou. Incapaz de deixá-lo terminar.
Com medo do que ele poderia dizer.
— Não, — ela repetiu. Mais alto. Mais claro. — Não, Duque. Isso não
muda nada.
Capítulo 14
: :
Um Moderno "Duque de Encontros"!

Depois de fazê-lo desesperado por ela, sua esposa evitou-o por uma
semana inteira. Oh, sentou-se no café da manhã, almoços e jantares, e
ela pegou sua xerez e jogou croquet no gramado. Ela fez o seu dever
solicitado sem sinal de hesitação ou aversão.

Ela até viu dossiês entregues a ele com regularidade pontual - as


qualidades e interesses das damas delineadas com rigor
impressionante. Na verdade, uma vez que ela recebesse seu divórcio,
Sera poderia encontrar facilmente o trabalho como casamenteira
profissional.

Claro, ela não estava se divorciando.

Ele nunca planejou dar a ela, mas agora não havia como estar
acontecendo. Não quando ele a tocou novamente. Quantas vezes ele
tentou lembrar aquele som exato que ela fez quando achou seu prazer.
O gosto exato dela. A sensação exata de seus lábios contra o dele, os
dedos nos cabelos, o peso dela nos braços.

Era o mesmo, e de alguma forma, nada disso era. Ela era inteiramente
diferente.

“Isso não muda nada” - ela disse.

Ela estava certa. Não mudou nada.

Ele ainda a queria. Ele ainda a ganharia. A única diferença foi a


urgência de seu desejo de fazê-lo. Ele tinha sido paciente como Jó,
droga. Ele havia lhe dado uma semana para encontrá-lo novamente.
Para procurá-lo. Ele sentou-se nas refeições, o bom duque no final da
imensa mesa de jantar. Ele cumprimentou as procissões - eles teriam
que encontrar um melhor descritor - agradavelmente quando os passou
no corredor.

As vezes que ele tinha ido caçar por ela, ele tinha sido atrapalhado por
uma coleção de mães enjoativas, e uma vez requisitado para ir caçar
para uma presa mais fácil com Lord Brunswick, um homem que era
decente com um tiro, mas também muito alegre na perspectiva de
tiroteio.

Durante os últimos sete dias, Haven fez o seu melhor para tropeçar em
sua esposa acidentalmente. Ou, antes, para garantir que ela se
deparasse com ele.

E ela não tinha.

Era como se ela tivesse olhos e ouvidos em toda a casa, e talvez ela
tivesse, considerando que suas irmãs loucas pareciam estar em todos
os lugares. A marquesa de Eversley tinha residido em sua biblioteca, a
esposa de Landry não conseguia deixar de dizer ao seu mordomo como
fazer seu trabalho, e naquela manhã, quando Mal se vestiu, havia uma
estranha quantidade de pelos brancos nas calças do maldito gato de
Sesily. Para não mencionar o idiota Calhoun, rondando os terrenos
como um maldito pirata, inclinando o chapéu em qualquer coisa de
saias.

Calhoun.

Mesmo nas refeições, Sera e Haven estavam separados, regularmente


sentados em extremidades opostas da sala de jantar formal – uma sala
na qual ele não se lembrava da última vez que ele esteve – e ela
desaparecia imediatamente após o jantar.

Mal tinha vergonha de admitir que passara três noites ouvindo o


silêncio do outro lado da porta adjacente aos seus quartos antes de
desistir e interrogou os criados sobre as atividades noturnas de sua
esposa – desesperado por saber se ela estava, na verdade, gastando-os
com Calhoun, que se tornou tão escasso como a esposa dele à noite. Foi
só então que lhe disseram que o Sr. Calhoun deixou a casa depois da
refeição da noite, e voltou na manhã seguinte ao amanhecer, antes que
a maioria da casa tivesse tocado chá e torradas.
O que significava que Sera estava sozinha à noite.
No quarto ao lado.
O silêncio dele o deixava louco.
Ele tinha dado o seu espaço, droga, com certeza que ela voltaria para
ele. Claro que ela o procuraria – se não houvesse nada – prazer. Ela
deixou seus braços, dura e rápido com a mesma intensidade que o
trouxe com ela. Isso o deixou de joelhos enquanto ela se alisara e se
virou.
E estava girando a cauda.
Ela afastou-se daquele quarto como se o próprio Lucifer estivesse nos
calcanhares. Covarde.
Claro, ele não a perseguiu.
Resistindo ao pensamento, Haven levantou da mesa em seu estudo
particular e foi procurar por sua esposa. Desta vez, ele a encontraria. E
desta vez, ela não poderia evitá-lo.
Ela estava na cozinha, cercada por suas possíveis futuras esposas e suas
mães, como se as mulheres não fossem mendigos, mas sim passeando
em Bath.
— Agora, — ela estava dizendo. — Como senhora de Highley e
Duquesa de Haven, você deverá organizar refeições para o duque e
qualquer um de seus convidados.
Como Seraphina Bevingstoke nunca tinha jogado a duquesa, Malcolm
não conseguia conter o pequeno grunhido de surpresa que veio com as
palavras dela; O som era mais alto do que o esperado, claramente, pois
atraiu a atenção de toda a assembleia.
O rosto de Sera ficou calmo, mesmo quando Mal notou a forma como
seus olhos brilharam de raiva. — Sua graça? Você precisa de algo?
Sim. Você.
— Não, — disse ele. — Por favor. Continue.
Houve uma pausa, e ele pôde ver que queria discutir. Ele ergueu uma
sobrancelha em um convite. Deixe-a discutir. Se fosse o que ele poderia
ter dela, assim seja.
Seus lábios se pressionaram em aborrecimento, e ele queria beijá-la
novamente. Ele queria beijá-la sempre, honestamente, mas
particularmente quando estava irritada.
Ela começou de novo. — O duque gosta de jogo, cordeiro e pato.
Ele riu disso. Que peça ridícula em que todos eles participavam.
O aborrecimento de Sera tornou-se raiva, e ela ligou-o novamente. Ele
pegou de volta. Ele queria beijá-la particularmente quando estava com
raiva. Ela era muito bonita então. — Sua Graça, — disse ela, não
escondendo a desaprovação nas palavras. — Mais uma vez, podemos
ajudá-lo de alguma forma?
— Não, — ele disse, cruzando os braços e apoiando-se no batente da
porta. — Na verdade, estou achando isso supremamente edificante.
— Você está surpreso ao descobrir que você gosta de pato?
— Estou surpreso ao descobrir que você está ciente de que eu gosto de
pato.
Ela levantou as sobrancelhas. — Eu estou errada?
— Não, — ele disse. — Mas você nunca planejou uma refeição para
mim em sua vida.
Ele sabia que ele a atacava. Mas se isso fosse o que ele poderia ter dela,
ele iria levá-lo.
Ela sorriu. — Considerando que estamos em processo de divórcio, eu
acho que você ficaria feliz por não ter tentado envenená-lo.
Ele piscou. As meninas tituladas se reuniram. Diversão? Surpresa? Mal
não se importava. Tudo o que ele gostava era que Sera se movesse.
Movido o suficiente para desafiá-lo. Isso era familiar. E bem-vindo.
Deus, ela é bem-vinda como o sol na primavera inglesa.
Quando ela se aproximou, o coração de Mal começou a bater, as palmas
das mãos com coçando para levantá-la em seus braços e levá-la embora.
Encontrar uma cama e mantê-la lá até que ela concordasse em começar
de novo. Em vez disso, ele ainda a tentou, mesmo quando ela parou, a
poucos centímetros dele e disse, alto o suficiente para que a sala
ouvisse. — Devo dizer-lhe quais alimentos eu felizmente deixaria com
arsênico?
Ele levantou as sobrancelhas. — Você percebe que, se eu cair morto
agora, temos uma sala cheia de testemunhas.
— Uma pena, como eu percebi que eu deveria ter considerado esse
curso de ação antes. Uma viúva recebe um terço da propriedade, não
é?
Cristo, ele amou a maneira como eles brigavam.
Ela continuou. — Pato com cerejas azedas. Os vegetais viraram o estilo
português. Batatas novas com molho de creme salgado. Cordeiro com
geleia feito da menta de Highley.
Até aquele momento, nunca lhe ocorreu que seus alimentos favoritos
poderiam ser usados contra ele na batalha.
— Brotos assados com palha de pêra, figueira e porco. Alcachofras de
videira. Nem a carne bovina nem as aves de capoeira são de particular
interesse. Sua Graça não se importa com doces, mas se ele deve escolher
uma sobremesa, são framboesas com uma garoa de creme fresco. — Ela
ergueu uma sobrancelha. — Você tem alguma coisa para adicionar,
Duque?
Ele tinha recebido um ajuste culinário.
Ele limpou a garganta. — Eu gosto muito de aspargos.
Ela viu a mentira. Ele detestava os aspargos. Mas ela inclinou a cabeça
e disse: — Quão edificante. Ele gosta de aspargos. Lembre-se disso,
senhoras. — Ele notou que várias mães escreviam notas, como se
estivessem dando uma lição de anatomia grosseira ao invés de
planejamento de refeições. — Se você terminou, Sua Graça, estamos
com muita pressa, e você é uma distração.

Ela virou as costas para ele e ele foi demitido.

Como se ele não fosse mestre da casa e senhor da mansão.

Como se fosse uma distração menor, pequena e irritante.

Caramba. Eles eram a distração. Ele não tinha a intenção de se casar


com nenhuma das meninas, e Sera não estava apenas perdendo seu
tempo com discussões de alimentos e configurações de mesa e
tratamentos de linho e como o sabão Highley foi feito, mas também
desperdiçando seu tempo. Tempo que ele poderia estar gastando a
cortejar ela. Qual era o plano.

Embora o plano parecesse estar caindo aos pedaços, e tinha sido apenas
uma semana.

Era um plano idiota, obviamente.

Com uma reverência e um — Bom dia, — mais gracioso que pode, se


despediu das mulheres reunidas, e voltou ao seu estudo, sentindo-se
insultado e não uma pequena quantidade responsável por isso.

Ignorando o gato de sua cunhada, que havia tomado sua mesa como
cama, Malcolm tentou lançar-se na propriedade, o que ele fez a meio
caminho decentemente até que uma batida soou na porta e suas cunhas
entraram, prometendo piorar o mau dia.

— Há Brummell! — Sesily esbravejou para levantar o animal


descontente de seu poleiro e sufocá-lo com uma quantidade
embaraçosa de carinho. Uma vez que ela terminou, ela voltou o gato
para a mesa, onde começou a banhar-se sobre uma pilha de relatórios
agrícolas.

Mal franziu o cenho para o animal, sem sucesso.


— Oh, você parece estar mal-humorado. — Ninguém nunca acusou
Sesily Talbot de ter meias palavras.
Ele se sentou em sua cadeira. — Não é nada.
— Mmm, — disse ela. — Parece que sim, não é, Sophie?
Sophie, sua inimiga, sorriu e disse: — Eu não saberia, como ele parece
estar com uma briga perpétua em torno de mim.
Ele procurou uma resposta, mas tudo o que ele pode dizer foi: — Eu
me oponho à palavra maldito com o argumento de que isso me faz
parecer uma criança petulante. — Sophie deu-lhe um olhar que
facilitou a fé de que ele era, de fato, um filho petulante. Ele franziu o
cenho. — Eu não estou de mal humor.
Ela abriu as mãos, brandindo um quadrado bege. — Longe de mim
dizer o contrário.
O cenho se aprofundou. Ele acenou para o papel. — O que é isso?
Ela olhou para suas mãos, suas feições suavizando instantaneamente.
— Uma carta do meu marido. — Ela entregou para ele. — Para você.
— Por quê?
Ela fingiu ignorância. — Quem pode dizer?
Haven suspirou e aceitou a missiva, alcançando um abridor de cartas e
soltando-a para revelar a mensagem:
Haven
Por enquanto, não estou entusiasmado com o fato de minha esposa ter
decidido passar o verão com você e suas irmãs em vez de comigo, mas
não tenho vontade de discutir com ela quando ela está em sua
condição e o que ela deseja, ela recebe.
Haven olhou para cima para encontrar Sophie, passando a mão sobre a
sua barriga aumentada, com um sorriso sereno sobre o rosto. Ele voltou
à nota.
Então, eu vou me conformar com isso, sabendo que há pouco amor
perdido entre vocês. Mata-a, e você me responderá. Devo me divertir
nisso.
E então, abaixo, entre parênteses:
(Mata a tua esposa e responde a suas irmãs, que são - em massa - tão
temíveis como eu poderia ser.)
Eversley
— Ele faz um excelente ponto.
Malcolm ergueu os olhos da nota para encontrar Sesily no cotovelo,
lendo sobre seu ombro. Ele pegou o papel de volta. — Você é bastante
rude.
Ela sorriu. — Oh, e você sempre foi o retrato de boas maneiras? — Ela
voltou para Sophie. — O King te ama com loucura.
A marquesa de Eversley levantou um ombro como se quisesse dizer,
eu conheço esse pouco.
Sesily revirou os olhos e voltou-se para Malcolm. — Nós fomos
enviadas para lhe dizer que o jantar será às oito.
Ele olhou para o relógio. Haveria tempo suficiente para se barbear e se
vestir. Ele assentiu. — Obrigado. — Ele se levantou para sair da
escrivaninha, ciente, de forma incomumente, de que estava ansioso
para deixar essas mulheres. Não que elas o assustavam. Claro que não.
Eram mulheres, pelo amor de Deus. Ele mal chegou ao canto da mesa
de carvalho quando Sophie balançou a cabeça. — Você ainda não deve
sair.
— Primeiro, temos algo a dizer, — acrescentou Sesily.
Ele sentou de volta. Elas eram aterradores.
— É claro que você tem algum plano idiota ao vir aqui.
Mal balançou a cabeça. — Eu não sei o que você...
Sophie cortou uma mão no ar. — Não perca nosso tempo, Haven.
Suas sobrancelhas se ergueram. — Para saber, todos te chamaram de
tranquila.
Ela sorriu. — Bem, você tem um par de botas arruinadas que
comprovem o contrário, não é?
Ele realmente tinha. Na verdade, quando ele pensou cuidadosamente
nisso, ele ainda podia lembrar o embaraço que ele sentiu ao ser
colocado em sua bunda por essa mulher. Não que ele fosse lhe dizer
uma coisa dessas.
— De qualquer forma, — ela continuou, — todos nós estamos querendo
saber qual é o plano.
Ele não estava prestes a dizer, mas parecia que ele não precisava.
— Começamos um livro de apostas. — Sesily anunciou como se
estivesse discutindo o clima. — Você gostaria de ouvir sobre isso?
Ele se inclinou contra o lado da mesa, fingindo desinteresse. — Por
todos os meios.
— Seline pensa que você está querendo voltar para o dinheiro do Pai.
— Não fui, depois da primeira vez.
— Não, — disse Sophie. — Você estava atrás da sua ruína.
Ele não estava orgulhoso disso. Ele havia ficado cego com raiva e
frustração e traição, pensando que ela nunca se importara com ele.
Desesperado por ela cuidar dele. E ele tinha ido atrás de seu pai. Teria
empobrecido ele se não fosse Eversley, que entrou e o ajudou. — Eu
também não estou apaixonado, desta vez.
Sophie parecia não convencida, mas Sesily continuou. — Seleste pensa
que você é um espião.
Isso foi inesperado. — Para qual finalidade?
Deixou o papel e acenou com uma mão no ar. — Alguma coisa a ver
com o Sr. Calhoun e sua taberna. Isso não faz sentido. — Mais tarde, ele
se perguntaria sobre essa referência à taberna. Ele pensaria nisso. Mas
Sesily ainda estava falando. — Agora eu... — Ela fez uma pausa com
entusiasmo inquietante. — Me chame de romântica, mas acho que você
está tentando conquistá-la de volta.
Seu coração quase parou com isso. Ele fechou suas feições enquanto sua
cunhada lhe sondava, felizmente desconhecendo o efeito que isso teve
sobre ele. — Que é uma ideia terrível, eu sei. Quero dizer, não precisa
ter uma mente brilhante para ver que ela nunca vai te querer de volta.
As palavras eram tão importantes, ele não podia deixar de sentir sua
picada. E disse: — Mesmo que eu tenha mudado?
— Você não tem, — disse Sophie.
— Eu poderia ter, — ele se viu defendendo como um imbecil. — Faz
anos.
— O tempo é irrelevante, — disse Sophie. — Leopardos e manchas.
Ele abriu a boca para argumentar de novo, de alguma maneira incapaz
de parar-se da futilidade da ação, quando Sesily interrompeu. — Vale
a pena te dizer, neste ponto, que Sophie acha que está tentando vingar-
se mais dela.
Sophie assentiu e acenou na direção da carta agora aberta em sua mesa.
— Daí, a missiva do King.
Malcolm resistiu ao desejo de lembrá-la de que os maridos
ameaçadores eram menos representados quando faziam suas ameaças
por meio de postagem. — Não estou querendo vingança.
— É exatamente o que você diria, se você estivesse tomado pela
vingança, — declarou Sesily.
Realmente não era de admirar que ela permanecesse solteira. Ela era
direta na briga. Haven a ignorou e olhou firmemente para Sophie. —
Eu não estou.
Ela estreitou seu olhar. — Você esquece que eu testemunhei sua raiva,
Haven. Eu vi as coisas que você fez. Ouvi as coisas que você disse.
Ele daria qualquer coisa para retomar. — Eu estava...
— Você era um idiota absoluto.
Ele piscou. Sesily riu. E então ele concedeu o ponto. — Sim.
Sophie o observou por um longo tempo e depois disse: — Eu sinto que
eu deveria te dizer que eu odeio você. Mais do que elas.
Ele assentiu. Todas as irmãs de Sera eram francas, mas Sophie era a
mais honesta. Sempre foi. Ele também teria que ganha-la de volta. —
Você sabe do que me chamam agora, Sophie? Desde a nosso último
encontro?
Ela sorriu. — O Duque molhado. Estou bastante orgulhosa disso.
Ele inclinou a cabeça, incapaz de esquecer a maneira como ela o colocou
em sua bunda em um lago de peixinhos. Incapaz de esquecer o fato de
que ele merecia isso. — Além disso você deveria estar. Soa embaraçoso.
Essa avaliação longa novamente. E então, — Eu vejo o que você está
fazendo. Não vai funcionar. — Talvez não. Mas valeu a pena tentar. —
E além disso, não é comigo quem você deve se preocupar. Não odeio
mais do que Sera. Então, se Sesily está certa, e você está tentando
conquistá-la de volta, você vai precisar de um pouco de sorte.

Ele bateu bruscamente na porta adjacente ao quarto de sua esposa às


quinze para as oito daquela noite. Ela abriu-a instantaneamente, como
se estivesse esperando por ele do outro lado, puxando-o e recuando
para deixá-lo entrar. Mantendo sua distância, mesmo que ela facilitasse
a sua visão.
Por um momento, ele descobriu que não podia respirar.
Ela estava mais bonita do que nunca, com um vestido de ametista
deslumbrante, desprovido de mangas largas, frescas e cortadas que
agraciou cada vestido em existência nos dias de hoje. Em sua
simplicidade, o vestido devastou, traçando seu formato pelo seu tronco
até a cintura, onde caiu em linhas magníficas, e não um ressalto.
Ela sempre conseguiu roubar sua respiração. E agora não era diferente.
Ela encheu o silêncio que ele trouxe com ele.
— Eu vejo que minhas irmãs entregarem minha mensagem sobre o
jantar.
Por que ela não tinha falado, ela mesma?
As palavras de sua irmã ecoaram por ele. “Não odeio mais do que Sera.”
Ele afastou o pensamento. — Os seus, e os seus próprios.
Ela já estava do outro lado da sala em sua penteadeira, levantando um
gancho de botão. Foi então que ele percebeu que uma longa luva de
ametista estava desabotoada.
Estendeu um longo braço para a luz, revelando uma longa linha de
botões e começou a trabalhar para prendê-los.
— Ouvi dizer que havia uma mensagem do Rey, — disse ela, quase
distraidamente. Rey era o marquês de Eversley, um homem cuja infame
superioridade tinha sido instilada com o nome no nascimento.
Disse que usou o nome informal sem hesitação.
— Ele me ameaçou de morte se eu machucasse sua irmã.
Ela sorriu para isso, sem levantar a vista da luva. — Ele a ama
completamente.
As palavras eram suaves e cheias de satisfação calorosa. E ele odiava
seu cunhado naquele momento. Odiava ele porque queria essa
satisfação. Ele queria dar a ela.
Ele deu um passo em direção a ela. Ela endureceu, e ele se acalmou. —
Você não deveria ter uma empregada doméstica para isso?
— Estou compartilhando com a de Sesily. Não trouxe uma para mim.
Ela era a duquesa. Toda a casa estava à sua disposição e chamou. —
Você não precisa compartilhar; Há uma dúzia de garotas em casa de
quem...
— Eu não preciso de uma, — disse ela, habilmente abotoando a luva.
— Eu me tornei muito hábil em me vestir.
— Para o palco.
Ela assentiu. — Entre outras coisas.
Ele não gostou da referência ao passado sem ele. Não gostava do jeito
que o fazia querer fazer uma dúzia de perguntas, nenhuma das quais
responderia. Ele tentou por algo mais leve. — Você sabia que suas
irmãs estão apostando por que eu trouxe você aqui?
Ela não olhou para cima da tarefa dela. — Eu pensei que estava aqui
para te casar.
— Seleste pensa que eu sou um espião.
Ela deu uma pequena risada, e ele estava de repente mais quente do
que ele havia em anos. — Seleste lê uma grande quantidade de novelas
de aventura.
— É a melhor teoria do grupo.
— Quais são as outras?
De repente, pareceu que o tema era uma má escolha.
Sera ouviu sua hesitação. — Será que eu sei o que é?
Talvez ela os errasse. — Por todos os meios.
— Seline se preocupa muito com nosso pai, então eu espero que ela
pense que você está atrás do dinheiro de Papai. O que, claro, você não
está.
— Como você sabe?
— Porque você nunca precisou de seu dinheiro; você sempre foi rico
como um rei. Você estava atrás de mim, — ela disse, levemente, como
se estivessem discutindo qualquer coisa além da ruína de sua família
em suas mãos. — Sophie acha que você é mais do que a sujeira, então
ela provavelmente acredita que você está atrás de vingança.
Ele odiava o jeito que suas bochechas aqueceram de vergonha. E com
vergonha, pelo jeito que ela disse, como se fosse uma coisa
perfeitamente razoável para Sophie pensar. O que era. Mas droga, não
era razoável. Se ele pudesse levar tudo de volta, ele faria.

Ele limpou a garganta, mas antes que ele pudesse falar, ela disse: —
Claro, ela também está errada.

— Ela está? — Ele disse, sua voz uma oitava mais alta do que ele teria
gostado.

— Você não está tentando me punir. Você sabe que é impossível. — Ela
olhou então, olhos azuis encontrando os dele. — Você não pode punir
alguém que não tem nada a perder.

As palavras o atingiram. Elas tiveram esse poder quando as falou em


seu escritório no Parlamento, e elas o atingiu agora. Exceto que aqui,
ele estava mais perto dela. E ele estava olhando com mais cuidado. E
foi quando ele viu. A verdade. A mentira.

Ela tinha algo a perder.

Mas o que?

— Você está certa. Eu não estou atrás de vingança. — Ela desviou o


olhar, então, como se soubesse que ele pudesse vê-la, e ela queria se
proteger. Ele pressionou. — Você gostaria de saber o que Sesily pensa?

Ela perdeu o botão em que estava trabalhando. — Não.

Ele observou seu aperto no gancho com mais firmeza. Tentar


novamente. E de novo. Ele se aproximou, tirando o gancho de sua mão.
Virando-a para ele. Ela puxou o braço. — Eu não preciso de sua ajuda.

— Claro que você não, — disse ele. — Você nunca precisou de mim.

Sempre fui eu quem precisava de você.

Ele deixou essa parte de fora, em vez disso, estendendo a mão para ela.
— O jantar aguarda. — Não é que ele se importasse. Ele ficaria aqui ao
lado dela, respirando o mesmo ar, pelo resto do tempo, se ela o
deixasse.

Ela exalou com muita força e bateu o braço em sua mão estendida. —
Tudo bem.

Ele trabalhou o gancho do botão, ignorando a irritação em sua voz. —


Sesily pensa que eu quero você de volta.

Ela balançou a cabeça. — Sesily não sabe nada sobre o casamento.

Ele pensou que ela sabia um pouco. Ele terminou os botões e correu um
polegar através da seda macia. — Pronto. — Ele não a soltou, mas ele
também não a abraçou. Em vez disso, ele se deleitava com a sensação
dela, desta mulher por quem ele havia procurado por anos. Por quem
ansiava há anos.

Eu quero que você volte.

E se ele dissesse isso? O que ela faria?

Seus olhos se elevaram para os dele, suas pestanas pretas


impossivelmente longos. Por um momento, ele pensou que ela diria
algo. Alguma coisa importante. Algo que mudaria tudo. Mas ela não
fez. Em vez disso, ela tirou o braço de seu alcance e disse o menos
importante que poderia dizer. O que ele acabou de dizer a si mesmo.
— O jantar aguarda.

Eles nunca disseram as coisas que eram importantes.

Eles estavam descendo as grandes escadas centrais quando ela falou


novamente. — É hora de participar deste processo, Mal. Você tem uma
escolha a fazer.

Você, ele pensou. Eu escolho você.

Ele engoliu as palavras. — A competição começa, em sério, esta noite


então?

Ela assentiu. — Ela começa.


— Com o que? Esgrima? Combate? Charade de Cutthroat? — Seus
lábios se contraíram em um pequeno sorriso, e ele estava bastante
orgulhoso de si mesmo.
— Nada muito... na cara.
— Sem munição? Que pena.
Ela riu. — Começamos com a comida. Ela deve poder manter sua casa.
Ele não se importava com a comida, mas ele podia fingir. — Ah. Daí o
pato.
Eles foram para a sala de jantar. — Eu sei que você gosta de pato.
Ele examinou suas palavras insistentes. — Eu não deveria ter dito
aquilo, como fiz.
— Passei meses aprendendo o que você gostava. Antes de nos casarmos
e depois, mesmo quando não era bem-vinda em sua casa. — Ele não
podia desviar a atenção dela, mesmo quando olhou para frente,
recusando-se a encontrar seus olhos. — Eu tinha toda a intenção de
planejar suas refeições. De manter sua casa. De ser sua...
Ela parou, mas ele ouviu a palavra. Esposa.
E ele também ouviu o passado.
Por que eles estavam sempre no passado?
— Além disso, eu sei que você detesta os aspargos, — disse ela, e as
palavras foram injetadas com algo parecido com um triunfo soberbo.
— Eu sei, — disse ele.
— Você só queria me prejudicar.
— Você tem me evitado. — Não que fosse uma desculpa, mas era a
verdade.
— Você nunca disse que tínhamos que interagir. — Ele suspirou, e ela
entendeu mal por irritação. — Você sabe, você trouxe isso sobre você,
Haven. Você decidiu que queria uma nova esposa. Você decidiu que
queria que eu a selecionasse. Este é o processo. Imagine. Você pode até
gostar de uma delas.
Mas ele não amaria nenhuma delas.
— Eu não preciso gostar delas se casar com elas, — ele disse, sabendo
que ele soava como uma besta.
— Isso ajuda, você não acha?
— Eu não saberia, — ele respondeu. — Nós nunca nos agradamos.
— Bobagem, — ela disse enquanto se aproximavam da sala de jantar.
— Se não nos tivéssemos amado demais, talvez tudo não estivesse tão
errado. — Antes que ele pudesse responder, ela disse: — Eu o coloquei
com a senhorita Mary. Seja gentil, — e assentiu com a cabeça para o
lacaio que estava de guarda fora da sala de jantar. O menino abriu a
porta, revelando o grupo heterogêneo de pessoas da casa, que se
voltaram para ver o duque e a duquesa chegarem.
— Espere, — ele disse, e ela teve que voltar a censurar o risco de ignorá-
lo. Havia benefícios em ser um duque. Ele baixou a voz e disse: — O
que você acha, por que eu trouxe você aqui?
Eles discutiram as teorias de suas irmãs. Mas ele se importou apenas
com o dela.
Ela o observou por um longo momento antes de dizer, baixo o
suficiente para que ele pudesse ouvir: — Eu acho que estou aqui para
ser seu brinquedo.
— O que diabos isso significa?
— Você não me quer, mas você não quer que mais alguém me tenha,
também. Você nunca teve. — Isso não era verdade, mas as palavras
picavam com honestidade brutal, porque ela acreditava nelas. E então,
ela acrescentou: — Você não quer uma parte da sua vida comigo.
As palavras enviaram um arrepio através dele, evocando uma
lembrança que ele havia esquecido. Uma lembrança que ele queria
expulsar imediatamente. Cai no jantar e a todos. — Sera...
Ela balançou a cabeça. — Sua graça. Já estive nesta posição particular
antes. — Ela já estava voltando para a sala, onde uma coleção de
mulheres de rosto fresco estava esperando.
Em uma mesa carregada de aspargos.
Ele olhou para a esposa, sabendo o sorriso nos lábios.
Ela estava errada. Ele a queria. Ele queria a vida com ela.
E, desta vez, ele não pararia até ele ter.

Capítulo 15
: :
Tick Tock Talbot Triunfa!

Abril 1833
Haven House, Mayfair

Ele a ouviu no momento em que ela entrou na casa.


Se Haven fosse honesto, ele a ouviu no momento em que sua carruagem
parou na rua fora da porta. No momento em que ela saiu, como uma
maldita rainha. Ele não podia vê-la de seu estudio, mas ele podia senti-
la, mudando o ar na praça além. Lançando isso.
Ele a ouviu no bater afiado da aldrava na porta, e por um batimento
cardíaco, ele considerou dizer ao lacaio para não responder.
Mas nela se encontra o problema que sempre existiria entre ele e
Seraphina Talbot - ele sempre responderia a sua visita. Como um
maldito marinheiro para uma sirene. Passaram-se três dias desde que
foram apanhados, com mais uma semana para passar antes de serem
amarrados para sempre. E só pioraria após se casarem.
— Onde ele está? — A questão foi bastante trovejada, a frustração e a
raiva nas palavras que o atravessavam em uma inundação de emoções
semelhantes. E antecipação. E desejo.
A vergonha o inundou com o último. Ele não deveria querer ela. Ele
deveria querer se livrar dela. Ele deveria querer nunca mais vê-la. Ele
deveria querer que ela fosse punida por o que ela tinha feito - atraindo-
o para essa casinha de casamento, o que não era uma farsa porque a
aristocracia inteira e todos os trapos de fofocas na Grã-Bretanha
pareciam saber a verdade.
— Eu ficarei aqui o dia todo até que ele esteja recebendo, então você
também poderia me levar até ele. — Haven ficou com isso, dizendo a si
mesmo que ele estava indo para a porta do escritório, porque ele queria
proteger seu criado da ira dela e não porque ele estava amarrado a ela
como um cachorro em uma liderança.
— M-minha senhora, — o latim balbuciou além. — Eu vou ver se o
duque está em casa.
— Não há necessidade, — disse ela.
— Minha dama! Você não pode simplesmente...
Mas ninguém nunca disse com sucesso a Seraphina Talbot o que podia
e não podia fazer, e certamente não iria começar a seguir as instruções
de um lacaio quando não o aceitava do mestre do lacaio. — Oh, mas eu
posso! Você não lê os jornais? Nós devemos nos casar! — A raiva irritou
suas palavras e Mal colocou a mão no punho da porta do escritório,
preparando-se para sair sumariamente de sua propriedade.
Ele abriu a porta quando ela chegou. — Ainda não somos casados, Lady
Seraphina. Ainda tenho uma semana antes de usar minha licença
especial.
Uma sobrancelha de mogno subiu em um arco perfeito. — Eu asseguro-
lhe, eu estou bem ciente do meu jejum sempre apertado, Sua Graça.
Foi sua vez de parecer surpreso. — Sou eu quem limita sua liberdade,
então?

— Esse é o caminho de homens e mulheres, não é? — Ela bateu no peito


com um jornal. — Você me castiga o quanto quiser. Essa é a cama em
que eu deito. Mas você deixa minhas irmãs fora, seu bastardo.

Ele pegou o papel. — Tenho certeza de que estamos um tanto abatidos


com o fato de que eu não sou, de fato, um bastardo. Se fosse o caso, não
estaríamos em tal situação. — Quando ela não respondeu, olhou para
o jornal, instantaneamente sabendo do que estava se referindo. Ainda
assim, ele não conseguiu resistir irritando-a. — O rei está de férias em
Bath.

— Eu gostaria de mergulhar você em um banho, — disse ela, colocando


um dedo no papel. — Lá.

Ele havia lido a história no início do dia. Haven Enganchado por Caçadora!
A irritação acendeu quando ele foi devolvido. Irritação e vergonha
calorosa.

Ela não esperou que ele se recuperasse. — Devo recitá-lo da memória?


Homens! Avise aos editores claramente interessados na notícia.
“Cuidem-se! Senhoras baixas espreitam em toda Londres, saudosas de
generosidade!” — Mal fez uma careta com a aliteração. Ela percebeu. —
Oh, você não se importa com a linguagem exagerada? Deixe-me seguir
em frente, pois fica significativamente pior! “Preste atenção no terrível
conto do duque de Haven! Não seja vítima de Wisteria perversa e
desagradável... não importa o quão disposto! Estas são Filhas Perigosas,
todas!”

Ele olhou para Sera. — Você deseja que eu não esteja de acordo?

Parecia ter desejado que ele estivesse morto. — Você nem conhece
minhas irmãs. — Ela ergueu a voz. — Você nunca foi a minha casa para
tentar conhecê-las.
— Eu não conheço elas, — disse ele. — Mas como é meu nome que está
sendo arrastado pela lama e você que o está arrastando, não estou
predisposto a confiar nelas com homens solteiros.
— Oh, sim. Pobre homens solteiros, meninos fracos e macios, sem
controle nem inteligência. Tão facilmente marcado e arruinado pelas
mulheres - cada vez mais poderosas. Eu não ficaria surpreso se todos
nós tivéssemos descendência de bruxas.
Ele ergueu uma sobrancelha.
Ela continuou: “Homens pobres e tristes, tão gentis e irrepreensíveis, vagando
pelas ruas pela impotente impressionabilidade. Quão bem eles devem ser
protegidos contra as artimanhas das mulheres, que não querem nada além de
sua destruição”. — Ela fez uma pausa. — Esse é o nosso conto, não é?
Você, o herói tragicamente heroico, e eu, a tentadora, Delilah, roubando
seu poder?
O olhar de Malcolm se estreitou. — Diz-me tu. Delilah pegou dinheiro
e terra.
— Não tirei nada de você.
— Não, — disse ele. — Você fez pior. Não houve nenhum roubo
honrado em suas ações. Você fez uma troca por seus despojos.
Ela ofegou. — Você está me chamando de prostituta?
— Suas palavras, Sera. Não minhas.
Ele nunca deveria ter dito isso. Por um momento, ele pensou que
poderia golpeá-la. Ele teria tomado isso. Teria merecido isso, mesmo.
Mas ela não fez. Ela se endireitou, seus ombros ficando rígidos e
quadrados, e seus dedos se curvando nos punhos. Ele ficou parado,
preparado para o golpe. Sabendo que ele merecia e de alguma forma
incapaz de pedir desculpas pelo seu comportamento. Ele estava muito
orgulhoso e muito bravo.
Assim como ela estava. — Algum dia, você terá que ouvir quando falo,
Malcolm.
— Mas não hoje.
— Pedi desculpas.
— Perdoe-me se três dias não foram suficientes, para eu vir aos meus
sentidos, sobre minha futura esposa me atrapalhando em casamento.
Ela não desviou o olhar. — Você também estava lá, Sua Graça.
— Sim. Mas com diferentes intenções. — Ele se virou, não querendo
conversar novamente. Não querendo lembrar. Ele acenou para a porta.
— Você é bem-vindo para sair.
— Não precisamos nos casar. — Ela falou uma dúzia de vezes nas horas
que se seguiram à descoberta deles. Outra dúzia no dia seguinte. Claro
que eles tinham que se casar. — Eu cometi um erro, — ela acrescentou,
suavemente. — Eu nunca deveria ter concordado...
— Pare. — Ele não queria ouvir isso, a confirmação de que o tinha
preso. Ele não queria reviver aquele momento do ocorrido.
Ela não parou. — E se eu lhe dissesse que não era uma armadilha? Não
no início? Não em nenhum dos dias que antecederam o fim? Porque
não era uma armadilha, Malcolm. — Cristo, ele queria acreditar nela.
— Era tudo real. Eu era eu e você era você e todos disseram que não
poderia ser...
— Pare. — Ele mal podia conter sua raiva. — Ainda assim, você tece
seu lindo conto. Eu não me importo. — Ele respirou fundo, forçando-
se a calma. — Você conseguiu seu duque, como minha mãe aterrou meu
pai antes de mim. Eu pensei que você estivesse dentro por mim, e você
estava nele pelo título e eu deveria ter visto isso acontecer e é isso. — O
silêncio caiu, grosso e desagradável quando ela considerou as próximas
palavras e ele queria que fossem tudo menos outra mentira. Ele não
achou que ele poderia suportar outra mentira. Não dessa mulher que
parecia tanto a verdade por tanto tempo.
Finalmente, ela falou, algo como pânico em suas palavras. — Eu pensei
sobre isso; se eu partir – se eu desaparecer, darei às minhas irmãs uma
chance de futuros livres de meu escândalo.
— Você não pode limpar o escândalo delas, — disse ele. — Elas
possuem isso porque elas possuem seu nome. Elas serão, sempre, Filhas
Perigosas. Assim como eu sempre serei Hoodwinked10 Haven.
Ela engoliu em seco e desviou o olhar. — Eu nunca quis por isso.
Simplesmente pensei que nos encontrariam e nos casaríamos. E
ficaríamos felizes.
Ele não podia conter a risada sem humor com isso — Essa é a ironia,
não é? Que teríamos sido felizes.
Seus olhos se arregalaram. — E por que não podemos ser? Eu cometi
um erro! Eu amo...
— Não. — A palavra, fria e cheia de raiva, parou as palavras. Graças a
Deus. Há quanto tempo ele se disse que o amor não era uma coisa que
ele teria? Há quanto tempo ele acreditou que não era real? E então ele
conheceu Sera, e tudo mudou. Tudo e nada. Ele atravessou a sala e
serviu uma bebida no aparador. — Nunca diga isso. Não para mim.
Não há espaço para isso aqui. Não mais.
— Malcolm, — ela disse, macia e dolorosamente bonita, e ele se recusou
a encará-la por medo do que encontraria. Ele não teve que se virar. Ele
podia ouvir a tristeza, apesar do silêncio. Cristo, ele queria acreditar
nisso. Ele queria acreditar nela.
Ela inalou, um pouco resfriada a única sugestão de que ele poderia ter
perturbado ela. — Se você me deixar ir, você deve ter... — Ela fez uma
pausa, considerando o resto de suas palavras. Quando ela continuou a
falar, ele ouviu a verdade. — Eu também gostaria de lhe dar um futuro.
Um que pode ter felicidade. Certamente, você não pode desejar um
casamento para nos punir para sempre.
— Você não vê? — Ele disse. — Eu sou o produto de um desses
casamentos. Observei meus pais se castigarem por anos. Minha mãe, a
caçadora e meu pai, o que caçaram. E eu, o prêmio no equilíbrio, — ele
10 Hoodwinked – esconder os próprios verdadeiros motivos, especialmente se for elaboradamente fingindo boas intenções
assim como para ganhar um fim; influência por negligência; Enganar. ( https://www.thefreedictionary.com/hoodwinked)
acrescentou, ignorando a dor que o atravessou enquanto falava. — Isso
é casado comigo. E parece que também será casamento para mim.

— Então, por que escolher? — Perguntou, frustração e confusão em


suas palavras. — Por que não encontrar outro?

Não havia outro. Ela não viu isso? Foi assim que terminou, os pecados
do pai, revisitados sobre o filho. — Todo o casamento é infeliz, — disse
ele. — Isso é o que você me ensinou.

Seus olhos se arregalaram. — Como?

Não havia motivo para mentir para ela. — Quando conheci você, Sera,
tive esperança por algo diferente e novo. Eu tinha esperança de que
forjássemos nosso próprio caminho através do casamento e
destruíssemos o que meus pais haviam forjado. Confiei em você para
me ajudar a fazer isso. Deus sabe que não tenho ideia de como fazer um
casamento feliz. Meus pais não conseguiram ficar na mesma sala um
com o outro.

— Mal, — ela disse, suavemente, e ele detestou a simpatia nas palavras.


A pena nelas. Ele não queria sua gentileza. Ele queria lembrar de sua
traição. Era assim tão fácil. E então ela disse: — Eu não quero isso para
os meus filhos, — e não pareceu nada fácil.

— Não haverá filhos.

Ela ofegou. — O quê?

Crianças não estavam mais nos cartões. Eles não haviam estado desde
a tarde em Highley, quando o aprisionou. Ele não estava interessado
em trazer outra criança para a vida que ele tinha vivido. — Eu tenho
primos. Eles podem ter o título.

— Você não deseja um herdeiro?

Ele olhou para ela então, encontrando seus lindos olhos azuis, amplo e
honesto. Quantas vezes ele havia se perdido nesses olhos nas últimas
semanas? Quantas vezes ele acreditou no que ele viu neles? — Eu não
posso. Eu não estou interessado em uma criança que não é mais do que
um peão na partida de xadrez dos pais.
Ela ficou em silêncio por um longo momento, sua garganta trabalhando
enquanto procurava palavras. — É esta sua maneira de me punir?
Ele levantou uma sobrancelha. — Você deseja crianças?
— Claro. Eles são parte da vida.
Ele os imaginava, seus filhos - uma linha deles com cachos de mogno e
olhos brilhantes, azuis, quadros longos e sorrisos largos. Ela faria filhos
lindos. Eles iriam.
Exceto que não.
Ele se virou, em direção à janela que olhava para a área de laminação
além. — Eu não quero nenhuma parte dessa vida. — Três meses atrás,
tinha sido verdade. Três dias atrás, era uma mentira.
Ele não sabia o que era hoje.
— Comigo, — ela esclareceu. — Você não quer uma parte de uma vida
comigo.
— Não. — Sentia-se como uma mentira. Ele queria isso. Ele pretendia
se casar com ela - essa mulher vibrante, engraçada e linda que parecia
saber mais sobre alegria, amor e família do que nunca. E então ele
percebeu que ela não era real, e tampouco era o que eles tinham.
— Então por que não me deixar ir?
Porque eu ainda quero você. — Porque esta é a cama em que nos
deitamos.
Ela ficou em silêncio por um longo momento - o tempo suficiente que
ele pensou em olhar para ela, mesmo que ele se recusasse o presente. A
dor dela. Esta foi a batalha que eles lutaram.
— O que você deseja? Deseja que eu fique de joelhos? Para te implorar
por minha liberdade?
Ele voltou a isso. — Você faria isso?
Seus olhos, cerúleos e deslumbrantes, mataram-no com seu choque. Ela
quis dizer isso como hipérbole. E agora, de repente, pendia entre eles.
— É isso o que seria necessário para ganhar minha liberdade? Para
ganhar minhas irmãs?
— Se fosse? Você imploraria? — Ele se odiava pela pergunta.
E então ele a odiava, quando ela disse: — Eu faria. — Ela faria qualquer
coisa para se livrar dele. E ele não podia culpá-la.
— Saia, — disse ele, voltando para a janela.
— Eu poderia partir. Eu poderia fugir. — Ela cuspiu as palavras.
Ele voltou a acenar com a mão para a porta. — Por todos os meios.
Ela não podia correr, no entanto, não sem trazer suas irmãs, e ela sabia
disso. Ele também. Sera sempre foi o nobre. Mesmo em decepção.
As saias dela varreram o tapete e, por um momento, ele imaginou que
poderia ter feito isso, baixou os joelhos. Oferecia-lhe uma súplica como
um servo para um rei. Em vez disso, ela falou muito perto. — Nunca
imagine que eu não vejo o que você faz, — disse ela. — Você joga o
cachorro na manjedoura. Você não me quer. Mas você também não
quer que mais alguém me tenha. — Ele encarou ela, odiando a culpa
que o atravessou nas palavras. — Você está me castigando. E faz um
trabalho superior.
Ela estava certa. Era um ou outro. Pode ter sido ambos. Mas ele estava
tão cego pela traição e raiva que ele não poderia ter dito qual. Tudo o
que sabia era que ele não a deixava ir.
Mesmo que ele soubesse, ele o fez o pior tipo de homem.
Parecia vê-lo, respirando profundamente e se aproximando dele como
uma caçada, colocando um único dedo no peito, forte como aço. Assim
como sempre foi. — Justo. Você faz o que você precisa para mim,
Malcolm. Você me culpa pela minha traição e pelos restos destruídos
do que nos foi prometido.
— Eu a culpo, — disse ele, afastando-se dela. — Não se engane.
Ela o perseguiu. Nisso, não queria deixá-lo esconder. — Então, culpe-
me. Elas não têm nada a ver com isso. E espero que conserte isso.

Era um pedido impossível. Uma vez que os tabloides de fofocas


tiveram seus dentes em um conto, eles continuavam até que ele
estivesse morto. Ela sabia disso. Ela e suas irmãs tinham sido chamadas
de Irmãs Sujas desde que seu pai do barão de carvão havia descido de
Newcastle com cinco beldades no reboque. — Talvez você tenha
pensado nisso antes, Sera.

As palavras eram um erro.

Ela se virou para ele, e ele viu a raiva em seu rosto. — Antes? Antes do
que? Antes de tropeçar na varanda naquela noite? Antes que você me
exortasse a dançar? Antes de me beijar? Antes de enviar uma
carruagem para me buscar na sua casa de campo? Porque, como eu me
lembro, havia dois de nós no chão de seu estúdio, Duque. Não apenas
Delilah, com sua lâmina perversa.

Sua raiva também se elevou, juntamente com a culpa e a frustração e o


desejo maldito. E ele se aproximou dela, aproximando-a. — Você era
Delilah, — ele resmungou. — Delilah e Salomé e Diana... Deusa da
maldita caça. — Ele fez uma pausa. — E eu o touro cego e gordo.

— Que idiotice, — ela cuspiu de volta, encontrando-o sem medo. —


Você acha que eu não lembro? Como você abriu meu vestido? Como
você levantou minhas saias? Quem implorou então, Duque? — Ela riu,
o som uma picada perversa. — Eu gostaria de poder recuperar tudo.
Que erro eu fiz.

Ele a puxou para perto, e ela se curvou para trás, por seu braço, seus
lábios persistiram em sua pele, amando o calor, o cheiro e a sensação
dela, mesmo quando ele se odiava por estar atraído por ela. Por querer
ela tão desesperadamente. Por ser incapaz de desistir dela. Mesmo
quando ele a odiava por querer partir. — Você diz que cometeu um
erro.
As palavras eram ar em sua garganta, e ele imaginou que ele podia ver
o bater orgulhoso de seu pulso abaixo deles. — O pior deles.

— Diga-me exatamente qual erro era. Foi a armadilha que foi seu erro?
Ou o fato de você ter sido pega definindo? Você faria isso de novo se
pudesse ter certeza de que nunca saberia o que você planejou? Como
você orquestrou isso? Como você me atraiu?

Seu olhar voou para o dele e ele viu a dor em seus olhos no instante
antes de ela confessar. — É claro que sim.

Para o resto de sua vida, ele se perguntaria por que ele a beijou então,
esmagando sua boca debaixo dele até que ambos estavam ansiosos para
respirar. Até que seus braços estavam envolvidos em seu pescoço e ela
estava retribuindo cada toque, cada gemido, toda carícia. E ele se
perguntaria por que ela o beijou de volta em vez de empurrá-lo para
longe e deixá-lo para sempre. Talvez fosse por paixão, eles viram a
verdade - que eles estavam perfeitamente atraídos em força, poder e
desejo. Talvez fosse porque, nesses momentos, havia um pequeno fio
de esperança para que eles pudessem encontrar-se novamente, quando
a raiva passasse e haveria espaço para outra coisa.

Ou talvez fosse porque ele a amava, e ela o amava de também.

Capítulo 16
: :
Tigelas de Gramado? Ou Metas de Corte?

— Venha, Emily, jogue o gatinho!

— Oi! Não a apressem! Você toma o seu tempo, Lady E. Fique bem.
— Oh, pelo amor de Deus, é uma boliche no campo, não uma cirurgia,
Em.
— Tudo bem! — Lady Emily encontrou sua voz, e Sera não pôde deixar
de sorrir. — Estou jogando.
— Lançando, — corrigiu Seline, acrescentando rapidamente quando
toda a assembleia olhou para ela, — O quê? Isso é o que se chama. —
Ela acrescentou em voz baixa: — Não é minha culpa que eu seja casada
com um esportista.
A Sera resistiu à inclinação para sugerir que as tigelas de gramado não
eram precisamente esporte, e definitivamente não são tocadas por oito
mulheres os jardins de uma mansão Essex.
Um elogio surgiu quando Emily jogou a pequena bola aos dez jardas
necessárias para começar a próxima rodada de taças, pontuada por
uma cacofonia de latidos dos cachorros da Marquesa de Bumble e da
euforia de Sesily. — Esse é um braço bom, Emily!
Lady Emily corou lindamente e mergulhou a cabeça, incomoda com o
louvor. — Obrigado, — disse ela suavemente. — Foi um bom lance,
sim, não é mesmo?
— Ninguém gosta de uma senhora com confiança, Emily, — gritou sua
mãe, de onde as mulheres mais velhas estavam reunidas sob várias
grandes sombras nas proximidades, se fanando e observando o jogo
com foco frustrante. — Você nunca deve ganhar as atenções do duque
se ele pensa que você é orgulhosa.
O rosto de Emily caiu. — Sim mãe.
— Se alguma vez vemos o duque, quer dizer, — disse a Sra. Mayhew
antes de latir, — Os ombros de volta, Mary. Ele poderia chegar a
qualquer momento.
Sera não achava que Malcolm viesse perto de tigelas de gramado, mas
evitou dizer isso, virando as costas para as mães com um sorriso
brilhante para Lady Emily. — Eu achei que foi um lance fantástico.
— Lançar, — disse Seline novamente, seguindo os gemidos que se
seguiram, — eu concordo. Além disso, nunca ouça sua mãe, Emily.
Homens decentes como uma mulher que conhece seu valor. — Ela fez
uma pausa, depois disse: — Embora eu diga que não vimos nenhuma
evidência de que Haven é um homem decente.

Sera suspirou. — Ele é um homem decente.

— Acho que vocês deveriam exigir uma prova disso antes de concordar
em casar com ele, garotas, — disse Sophie de seu lugar perto de uma
pilha de tigelas azuis.

Suas irmãs eram perigosas, na verdade. Se elas não parassem com seus
comentários sarcásticos, Haven poderia muito bem estar sem uma
noiva no final, o que tornaria todo esse exercício discutível e deixaria
Sera sem o divórcio.

Ela seria condenada se ela estivesse passando semanas em Highley,


com suas lembranças ao redor de todos os cantos, para um exercício
sem motivo. — Ele é um homem decente, — disse ela, enviando avisos
de advertência às irmãs. — Você deve ter que aceitar minha palavra.

— Não seria o contrário, minha senhora, — Lady Lilith entrou, — já


que você o deixou?

— Lilith! — Lamentou a condessa Shropshire. — Isso é bastante.

— Você é a única que disse que eu deveria fazer o meu melhor para
entender o homem, — apontou Lilith.

— Não assim! — Protestou sua mãe. — Seja mais sutil!

Lilith sorriu na direção de Sera. — A sutileza nunca foi meu ponto forte.

— Não se preocupe, Lady Lilith, a duquesa não é muito sutil. — Caleb


chegou, parecendo recém-nascido e recém-lavado. Ele ergueu uma
sobrancelha na direção de Sera. — Afinal, ela quase derrubou o
Parlamento há várias semanas.
Sera cortou-lhe com um olhar e fez o seu melhor para mudar o assunto.
— Sr. Calhoun! Quão gentil de você se juntar a nós. Eu sei como você
gosta de jogos ao ar livre.
— Eu prefiro coisas onde há um pouco mais de ameaça de perigo.
— Você não jogou tigelas de gramado com os Irmãs Sujas, — Sophie
disse alegremente.
— Justo o suficiente. — Ele olhou para o campo. — Um excelente lance.
— Ele piscou para Lady Emily, que imediatamente corou.
— Emily! — A condessa Brunswick barrou novamente, e sua filha de
rosto vermelho mudou-se para se juntar a sua equipe.
— Pare com isso, — disse Sera, aproximando-se de seu amigo. — Você
vai persegui-las.
O orgulho masculino de Caleb era palpável. — Se você pensa que a
garota quer fugir de mim, você está perdendo sua compreensão sobre
as mulheres jovens na sua velhice.
— Peço desculpas, — disse ela. — Eu tenho apenas vinte e nove.
— Praticamente um pé no túmulo, — ele respondeu.
Ela aumentou sua irritação. — Como está a minha taberna?
Ele levantou uma testa. — Minha taberna está bem. Reparada. O
entretenimento é passável. — Ele estava indo para Londres todas as
noites para supervisionar o negócio do pub, para garantir que os
artistas estavam seguros e o licor bem abastecido.
Ela assentiu. — Mas?
Ele inclinou a cabeça. — Mas sem o pardal, é um aguaceiro.
Uma onda de arrependimento passou por ela. Ela perdeu o lugar, o
cheiro de madeira e licor recém-trabalhados, a fumaça das velas e do
tabaco e o som da música - o melhor em Londres, ela estava certa.
Mas na maior parte, sentiu falta dela. A maneira como ela se perdia na
música e se tornava ela mesma. O Sparrow. Livre.
— Como está seu divórcio?
— Se ele passasse tempo com as meninas, isso ajudaria.
— Talvez ele não queira as meninas.
— Eles são suas seleções.
— Talvez ele tenha escolhido apenas porque não pensou que fosse uma
opção.
Ela franziu o cenho. — Eu voltarei assim que ele escolher uma esposa.
Caleb grunhiu, e ela não gostou do significado imbuído no som. — O
quê?
Ele baixou os calcanhares, os dedos na cintura de suas calças. — Nada.
Só que não tenho certeza de que você está voltando se não puder
enfrentar o seu duque.
Ela estreitou o olhar com um sussurro irritado. — O que isso significa?
— Você acha que eu não sei o que acontece sempre que você está
sozinha? — Disse seu amigo, toda casualidade silenciosa, como se eles
discutissem o clima.
— Eu acho que você não sabe nada sobre isso, de fato.
— Sparrow, esse duque a teve desde o momento em que vocês se
encontram. E você o teve. E nem os anos separados nem o divórcio
mudarão a maneira como ele olha para você. Ou a maneira como você
não olha para ele.
— Você não sabe sobre o que você está falando, — ela disse, virando-se
e batendo palmas, marchando para o lugar onde a pequena bola branca
estava feliz na exuberante grama verde. — Qual equipe deve ir
primeiro?
A maneira como ele olha para você.
Ele não a olhou. Ele não a queria. Ele nunca quis. E se ela não o olhava,
era porque quase não o via desde que chegaram. Não porque não
queria vê-lo olhando para ela.
Como ele olhou para ela?

Não. Absurdo. Caleb não sabia nada sobre como procurar.

Felizmente, ela sempre pode confiar em Sesily para distrair. — Quando


ganhamos a última rodada... — Ela fez uma pausa triunfante – as
palavras marcadas por uma coleção de saudações das irmãs de Sera,
ridiculizando as quatro candidatas para a duquesa e latidos dos cães na
linha lateral. — Vamos primeiro! Prepare-se para ser derrubado!

Várias das mães se arrependeram do desempenho impetuoso de Sesily,


mas, como rapidamente aprenderam que se queixar da presença das
irmãs Talbot não causavam nada além da irritação de Sera e da maior
impropriedade das irmãs, elas permaneceram com os lábios apertados.

Isso não ajudou, ela imaginou, que as filhas pareciam gostar das Irmãs
Perigosas. Lady Lilith e Lady Felicity Faircloth - ninguém parecia poder
se referir a ela como qualquer coisa além de seu nome completo -
parecia mais do que gostar delas, mesmo. Pareciam-se influenciadas
por elas. Sesily inclinou-se para buscar uma tigela de gramado azul
pesado, e Lady Lilith gritou: — Eu, por um lado, já estou coberta por
aquele vestido, Lady Sesily.

Sesily levantou-se e inclinou um quadril no vestido que poderia ter sido


chamado demais por alguns, e certamente foi chamado por as mulheres
mais velhas reunidas. — Estou feliz em recomendá-la a minha
costureira, Lady Lilith.

— Talvez para o seu enxoval! — Sophie provocou.

— Ora, ora, — disse Sesily, depois que o riso morreu. — Todo mundo
sabe que Haven tem uma afinidade para as mulheres que podem
comandar um curso de tigela.

— Isso é verdade? — Miss Mary disse, com preocupação nas palavras.

— Muito, — disse Sesily. — Pergunte a Sera. Ela sabe tudo sobre seu
interesse... global.
Ouvia-se um som de sete mulheres rindo juntas, variando de
estrangulamento a gargalhada. Caleb piorou quando ele inclinou o
chapéu para Sesily dizendo — Estou certo. Você é um problema.
Sesily piscou. — Somente o melhor tipo, americano.
Ele riu, cheio e bem-vindo, e Sera não pôde deixar de se juntar a ele,
esquecendo, por um momento, o verdadeiro motivo de sua reunião.
Até que a Sra. Mayhew os lembrou a todos, batendo seu leque fechado
contra a coxa dela. — Realmente! Isso é muito inaceitável!
Sesily piscou a inocência de olhos arregalados para a mulher mais
velha. — Eu não sei o que você acha que eu estou me referindo, Sra.
Mayhew. Haven gosta de tigelas. — Ela olhou para Sera. — Ele não
gosta?
— Muito, de fato, — disse ela, bastante orgulhosa de sua habilidade de
acender sua expressão. Sesily Talbot não estava apenas à altura das
expectativas para as irmãs Talbot – ela as ultrapassou. E Sera sempre a
adorava por isso.
Talvez elas pudessem envelhecer juntas, parceiras em uma irmandade
ruinosa.
— E o que de fato é o de ela ser uma namorada má? — A Sra. Mayhew
cutucou a indignação.
— Não vejo nenhum motivo para que isso impeça um jogo de tigelas
de gramado, — Sera disse com um encolher de ombros.
— Excelente! — Disse Sesily. — Está decidido, então! Se eu ganhar,
ganharei o americano.
— E se alguém ganhar? — Caleb disse com uma risada: — Não que eu
não espere que você as vença, Lady Sesily.
Sesily sorriu de largura. — É claro que você acredita, futuro marido. Eu
não sei... Se alguém ganhar, elas podem ter Haven. Não é para isso que
todas elas estão aqui?
As irmãs de Sera riram, assim como Lady Lilith e Lady Felicity
Faircloth, enquanto a Sra. Mayhew e sua pobre filha pareciam estar
doentes. Lady Emily não respondeu nada. Sera tinha acabado de
decidir intervir e parar o desempenho da irmã quando Sesily colocou
os olhos em um ponto além do ombro de Sera, e ela sorriu largamente.
— Você não acha uma ideia de capital, Sua Graça?

— Isso certamente tornaria as coisas mais fáceis. — Ele parou atrás dela,
seu calor tudo o que ela podia sentir. — Boa tarde, senhoras. — As
procissões caíram em curtos em um bloco, e Haven acrescentou: —
Sinto que devo me desculpar pela minha distância desde que você
chegou. Uma propriedade desse tamanho exige mais do que uma
pequena atenção quando eu volto da cidade.

Era uma mentira apropriada. Haven teve o melhor administrador de


terra na Grã-Bretanha trabalhando para ele - um cavalheiro mais velho
com imensa habilidade e soberania virtual sobre a terra. Haven não se
importava com a arquitetura. Sera nunca tinha visto um homem tão
orgulhoso quanto quando falava das salas únicas da casa principal, da
casa dobrável, da loucura que estava nas pastagens orientais.

— De qualquer forma, eu deveria gostar de passar um pouco de idílio11


com vocês. As bolas de gramado são adoráveis. — Ele estava perto dela
- muito perto, considerando que ele estava falando com uma
assembleia de uma dúzia. E então ele se virou para ela, a pergunta que
ele pediu para escovar sua pele como uma carícia. — A duquesa está
jogando?

Os olhos de Sesily se iluminaram. — Você gostaria que ela estivesse?

“Sesily pensa que eu quero você de volta.”

Nada disso. Ela se afastou de Haven, tomando seu lugar atrás da bola
que Lady Emily jogou, fazendo o melhor para fingir que ele não estava
11
Idílio – Resultado de uma fantasia (sonho ou imaginação); devaneio ou utopia. Amor que está repleto de ternura e
delicadeza; amor suave e puro. Relações entre pessoas que namoram; colóquio de amor. Etimologia (origem da palavra idílio):
do grego eidúllion.ou/ pelo latim idyllium ou idyllium.ii.
lá, sem dúvida, parecia equilibrado e perfeito. — Eu não estou, — disse
ela. — Eu sou o árbitro.

Ele assentiu com a cabeça e fez um show de olhar sobre o campo. — E


os times? — Ele perguntou, alto o suficiente para que todos ouvissem,
e ela não conseguiu parar de se virar para olhar para ele. Ele parecia
um conteúdo. Como se estivesse procurando algo a ver com seu tempo,
e as tigelas de gramado pareciam uma opção perfeitamente razoável.

A suspeita surgiu, e não uma pequena quantidade de pânico.

O que estava acontecendo?

Seline saltou para responder. — Os não casados versus os casados. E


Sesily.

Sesily suspirou dramaticamente. — Sempre uma dama de honra. — Ela


olhou para Caleb. — Noiva americana?

Caleb riu alto e impetuoso, e a Sra. Mayhew arrebatou novamente da


linha lateral. Haven ignorou a interjeição, ao mesmo tempo que
endireitou a manga e considerou as equipes em questão, o que, para
qualquer espectador que estivesse junto, pareceria terrivelmente
incomparável.

À esquerda do campo de jogo estavam quatro mulheres de rosto fresco,


muito jovens em tons de pastel, cada uma com alguma combinação de
esperança, excitação e terror nos olhos, cada uma provavelmente mais
ansiosa do que a próxima para impressionar o Duque de Haven e fazer
uma boa partida aristocrática.

E à direita estavam os seus opostos. De toda forma. As irmãs Talbot


nunca haviam pintado em suas vidas - elas não seguiram a moda tanto
quanto inventaram elas mesmas. Elas usavam cores brilhantes e lindas
que pareciam capturadas nos jardins do verão nas proximidades, seus
cabelos em penteados elaborados – elas acreditavam em honestidade
impetuosa acima da polidez tranquila e, juntas, tinham a graça e o tato
de uma carruagem fugitiva, um fato ressaltado quando Sesily chamou
— Oi! Haven! Eu me moveria se eu fosse você – antes que meu pobre
objetivo envie uma tigela diretamente na sua canela.
— Aqui está para acidentes felizes! — Sophie gritou da mesa nas
proximidades, onde a limonada e o almoço foram servidos.
— Ela me odeia, — disse Haven calmamente.
— Na verdade, ela odeia, — Sera respondeu, e ela ficou surpresa com a
dor do desconforto que surgiu no pensamento.
— Alguém está morrendo de fome? — Acrescentou Sophie.
— Nós não estamos comendo, Sophie, — gemeu Sesily. — Nós estamos
jogando.
— Não pense que esta obsessão com o almoço é sobre gravidez, — disse
Seline às procissões. — Sophie ficou com fome por cada momento de
sua vida inteira.
— Verdade! — Sophie acrescentou, colocando um pedaço de torta em
sua boca. — Ninguém se importa se eu começar, certo?
As mães na lateral, não conseguiram decidir se ficaram mais ofendidas
pela referência de Seleste ao estado crescente de Sophie, ou para a
disposição de Sophie de começar a comer sem a permissão do duque
ou duquesa, um fato que só serviu para lembrar Sera do quanto ela
adorava suas irmãs.
— Eu farei o meu melhor para ser um cavalheiro e me juntarei a você,
— interveio Caleb. — Eu sou, afinal, um menino em crescimento.
— Ótimo! — Sophie respondeu. — Como é possível, estou crescendo
um menino, devemos ser uma boa partida.
As mães sussurraram atrás dos leques enquanto a Marquesa de
Eversley mais uma vez provava sua reputação como uma mulher com
uma inclinação para a impaciência.
Haven observou Sophie por um longo momento. — Ela pode ser
conquistada?
— Sophie? — Sera olhou para ele, chocado. — Por que você se importa?

Algo brilhou em seus olhos, algo que parecia extraordinariamente


verdade. — Você pode ser conquistada?

Seu coração começou a bater.

Ele estava fazendo isso novamente, tentando conquistá-la quando ele


não a queria. Tentando mantê-la quando ele não queria tê-la. Quando
ela não queria ser mantida. Tinha sido sua possessão uma vez antes. E
não terminou bem para nenhum deles.

Ela encontrou seu olhar. — Não. — A palavra fechou a abertura em seu


olhar, e ela ignorou o desapontamento que a chamou, dizendo para
todos ouvir: — Eu não me preocuparia tanto, Duque, Sesily é bastante
terrível neste jogo. É improvável que ela o atinja.

— Pelo menos, não de propósito! — Seleste apontou para fora do


campo.

Haven levantou uma sobrancelha. — Agora não sei com certeza para
onde ir.

Sesily respondeu sem hesitação. — Eu sempre poderia tentar acertar


você, Haven. Se isso pudesse fazer você se sentir melhor.

Sera sorriu e olhou para ele. — É sua decisão, qual equipe você gostaria,
é claro, como mestre do campo. — Ela acenou uma mão sobre a coleção
de tigelas.

— Basta jogar a bola, Sesily, — disse ele.

Sesily acenou com a cabeça uma vez e fez o que pediu, a bola caindo
pelo gramado e aterrando, muito lindamente, pelo pequeno gatinho
branco. Uma série de aplausos veio das provas de Haven, mas as irmãs
Talbot não eram tão educadas. — Oh! — Seleste ofegou.

Seline disse: — Querido Deus! Ela quase atingiu!

— Você já praticou? — Sophie cortou Sesily um olhar céptico.


— Eu não tenho! — Sesily cantou. — Mas eu vou ser condenada se eu
não sou natural neste jogo! — As mães voltaram a tremer, uma que só
aumentou quando Sesily acrescentou: — Eu disse que estávamos certas
em apostar em nós mesmas. Eu sou claramente sábia.

— Oh, claro, — Sophie disse secamente, quando Sera riu.

E então a Sra. Mayhew disse: — Peço desculpas, você disse apostar?


Certamente, você não está apostando no resultado das tigelas de
gramado de meninas inocentes.

— Certamente você não poderia ter imaginado que não teríamos feito
o que fosse necessário para tornar as tigelas de gramado de meninas
inocentes mais interessantes, você poderia, Sra. Mayhew? Além disso,
você ficará bastante feliz com os resultados se sua filha se aproximar da
gatinha.

Haven imediatamente suspeitou. — O que ela ganha?

Sera levantou um ombro e deixou cair.

— Não, — ele disse, e de repente sentiu como se estivessem sozinhos


nos jardins. — Não encolha os ombros. O que ela ganha?

— Bem, se as irmãs ganharem, aquele que se aproxima da gatinha


chega a Londres, — disse Sera.

— Não ficará sozinha? O melhor envia todo o lote para casa com ela. —
Ela franziu o cenho, e ele acrescentou: — E quanto às procissões que
ganham?

— Uma excursão privada.

— Com quem?

— Com você, é claro.

— Oh. — Sra. Mayhew falou por todas as mães e, pelo olhar em seu
rosto, por Haven também.
Sera pensou que ficaria com mais prazer de seu choque. Ela baixou a
voz. — Você deseja uma esposa, Sua Graça. É assim que você obtém
uma.
Ele a observou por um longo momento, e depois disse: — Você está
usando lavanda.
A mudança de tópico a jogou. — Eu estou? — As palavras saíram mais
como uma pergunta, como se ela não tivesse olhos em sua cabeça e uma
compreensão do espectro de cores.
— Ontem foi ametista. No dia anterior, um cinza como urze no inverno.
Ela ficou com frio. — Eu gosto de roxo.
Ele balançou a cabeça, seus olhos escuros com segredos. Ela sabia disso,
porque a dela tinha o mesmo. — Não, eu não penso assim.
Ela não quis discutir isso. Não agora. Não enquanto estavam parados
com o que parecia ser a metade das mulheres em Londres assistindo.
Ela não quis discutir isso. Nunca. E o odiava por apontar suas roupas.
Púrpura e cinzas. As cores do luto.
Malcolm não falou mais, voltando-se para enfrentar as meninas no
outro extremo do campo, e Sera teve a impressão distinta de que era
isso que os homens pareciam marchar para a batalha. — Então eu acho
que eu deveria permanecer nesse fim, e ter certeza de que você é
imparcial.
Ela forçou um sorriso. — Com medo de colocar o concurso para manter
minhas irmãs?
Ele baixou a voz. — Com medo de você montar o concurso para se
livrar de mim.
Ela se acalmou. Esse era o ponto, não era?
Ela tinha sido muito relaxada com as meninas e com ele. Ele tinha que
encontrar uma esposa. Uma dessas mulheres iria ocupar seu lugar. E
Sera restauraria sua própria liberdade. Ela conseguiria sua taberna e
seu futuro e se afastaria deste lugar e desse homem e de todas as
lembranças que tinha daqui. Ela olhou para ele. — Haven, — disse ela.
— Você deve ver...
Ele cortou-a, afastando-se. — Sra. Mayhew. Eu vejo que algo deve estar
te irritando se você saiu no sol.
— Na verdade, está, — disse a mulher irritada. — Sua graça! Devo
alegar! Estas... — ela acenou com a mão para as irmãs de Sera, —
mulheres – eu suponho que é preciso chamá-las assim – são influências
terríveis. Você ficou positivamente invisível por quase quinze dias e –
francamente – isso tudo parece ser uma terrível perda de tempo.
— Mãe. — Mary entrou na confusão agora, chamando-a de seu lugar
com as outras mulheres solteiras.
— Suponho que eu deveria pegar meu tiro, — disse lady Lilith.
Ela levantou a bola enquanto a Sra. Mayhew empurrou. — Meu marido
é bastante poderoso e Mary é muito procurada. Nós descartamos vários
convites para outros eventos com outros homens elegíveis que – você
terá que admitir – são muito mais elegíveis considerando suas
circunstâncias.
Sera teve que admitir, a Sra. Mayhew era uma excelente mãe. Ela sabia
o que ela desejava para a sua filha e não estava disposta a ficar de pé
quando pudesse agarrá-lo pelos chifres.
Era difícil não ver ecos de sua própria mãe na mulher.
E, nesses ecos, dicas do que seria um grande sucesso ou uma falha
absoluta.
— Sra. Mayhew, — disse Haven, — acho que talvez...
— Mãe, por favor! — Mary estava marchando pelo campo.
A Sra. Mayhew não estava tendo nada disso. — Eu deveria pensar que
não ficaria fora de linha para você encontrar tempo para caminhar com
minha filha, então você pode conhecê-la além de seu enorme dote!
A mulher era impressionante. E Sera estaria mentindo se dissesse que
não gostava de Haven tão caçado.
— Você está fora de sua mente? — Mary não estava mais tranquila. Na
verdade, parecia que a moça não se afastava da impressionante árvore.
Haven estava em um vínculo. E, instintivamente, ele tentou reverter
qualquer constrangimento que Mayhew mais velha poderia ter
causado a mais nova. — Eu lhe asseguro, senhorita Mayhew, seu dote
não tem nenhuma importância.
Mary pagou pouca atenção. — Mãe! Você não pode simplesmente se
irar contra um duque e esperar que ele termine no casamento que você
deseja para mim!
— Não é apenas um casamento que eu desejo para você, querida, um
casamento que você deseja por si mesma!
As outras mães haviam parado de se abater e de fingir não assistir. As
três senhoras aristocráticas estavam observando com os olhos
arregalados e as bocas abertas. Caleb, por sua vez, estava alimentando
um pedaço de ganso assado a um dos cães.
— Ei! Fora do caminho! — Chamou Sesily. — Lilith está jogando!
— Lançando! — Seline interveio.
— Senhoras, posso sugerir que removemos essa conversa para dentro?
— Perguntou Sera, tentando as calmar. — Ou, pelo menos, longe da
audiência reunida?
Sera ouviu o — Oh, não, — de Sophie, em concerto com o "Look out"
de Seline e virou-se a tempo de ver a bola em direção a eles. Ela saiu do
caminho, mas a Sra. Mayhew não teve tanta sorte. A bola caiu em seu
pé e ricocheou para a gatinha enquanto gritava com dor e quase caiu
em cima de Haven.
— Sinto muito! — Lady Lilith gritou de seu lugar no final do campo.
— Absurdo! Foi um excelente tiro! Olhe o quão perto você conseguiu!
— Ela bateu em uma mulher, Seline, — apontou Sophie.
— Oh, não é como se ela não tivesse merecido isso. Eu queria que
pudéssemos bater em todas as mulheres que se comportassem tão
abomináveis. Lady Lilith, é possível que seus serviços estejam a alugar?
Haven se engasgou – Sera olhou para ele. — Você está rindo?
Ele balançou a cabeça e tossiu. Muito obviamente. Ele estava rindo.
Sera alcançou a mulher castigada, dobrada em dor e constrangimento
óbvios. — Oh, meu, — ela disse, incapaz de manter o riso surpreso com
as palavras que ela fez para ajudar. — Sra. Mayhew, você está bem ...
A mulher levantou-se rapidamente. — Oh, cala a boca, — ela retrucou.
— Você é o escândalo aqui. Nós já deveríamos ter sabido que você o
derrubaria sobre todos nós. Você deveria ter ficado na América e
deixado o seu pobre marido para o futuro. Com uma mulher decente.
Uma com graça, honra e fidelidade.
O silêncio caiu quando a última palavra veio, um ataque afiado e
irritado, e Sera não conseguiu resistir ao impulso de olhar para
Malcolm, imaginando se ele também sentia a vergonha que ela sentia.
Odiando o que ela jogou sobre todas elas. Suas irmãs, as meninas e ele
- ele acima de tudo.
Exceto que não era uma vergonha que ela via em seus olhos, nem
mesmo uma pitada do riso que tinha estado lá antes. Foi uma raiva. Foi
proteção. Era lealdade.
Para ela.
E, antes que ela pudesse se fechar, antes que ela pudesse evitar sentir,
prazer e orgulho e algo muito mais aterrorizante dentro dela. Algo com
um eco de memória que Sera jurou não ressuscitar.
A lembrança do Malcolm que ela amava.
Mas antes que ele pudesse dar sua voz de fúria, a senhorita Mary falou,
sua própria ira deu renda livre. — Eu gostaria que observasse que você
arruinou isso, mãe, — ela disse, levantando a voz e um dedo longo no
nariz da mãe. — Eu estava disposta a jogar seu jogo bobo e vir aqui e
disputar o título deste homem porque sempre fiz o que você e o pai
pensam que eu deveria. Mas essas mulheres são diferentes e são
interessantes e são corajosas, e acho que eu deveria ser também. Eu não
vou me casar com o duque – embora eu não consiga imaginar que eu
estava correndo, porque não consigo imaginar por que um homem
como ele se amarraria a uma sogra, como você. Estou indo para casa.
Para me casar com Gerald.

Os olhos de Sera se abriram. — Gerald?

— Quem é Gerald? — Isto veio de Felicity Faircloth.

— Felicity! Nós não interferimos no negócio pessoal dos outros! — A


Marquesa de Bumble encontrou sua voz materna.

— Eu nunca entendi essa regra, você sabe, — disse lady Lilith a sua
amiga. — Quero dizer, esse negócio pessoal é muito público, não é?

Mary ignorou as outras meninas, em vez disso, voltando-se para o Sera.


— Sinto muito. Eu nunca deveria ter vindo aqui. Eu tenho um amor em
casa. Gerald. Ele é maravilhoso.

Sera não podia conter seu sorriso. Essa menina tinha tanta voz. Foi
notável. — Eu imagino que ele é se ele ganhou você.

— Ele é um advogado! — Gritou a Sra. Mayhew.

— Então, assim foi papai antes que ele estivesse no Parlamento! —


Mary apontou.

A Sra. Mayhew começou a martelar. — Mas agora... você poderia ter


um duque!

— Mas eu não quero um duque. — Ela sorriu para Malcolm então. —


Desculpe, Sua Graça.

Mal balançou a cabeça. — Sem ofensa.


— Eu tenho certeza que você não vai entender, mas não me importo
que você seja um duque. E eu não me importo que ele seja um
advogado. Eu o queria no entanto, ele veio.
O olhar de Malcolm passou por Mary até Sera. — Coletor de ratos.
Sera parou de respirar.
Mary sorriu. — Você entende.
— Eu sim, sim, — ele disse, e ainda viu Sera, parecendo entender como
ela lutava com o eco de seu passado. Quando ele finalmente olhou de
volta para Mary, ele disse: — Lamento que não tivéssemos mais chance
de conversar.
A jovem sorriu. — Eu acho que você não gostou de mim, mesmo assim.
— Você está enganada, Miss Mayhew. Devo ver os papéis para o
anúncio do seu casamento. E, em troca de você tirar a sua mãe da minha
terra, enviarei a você e a Gerald um presente muito generoso para
celebrar o seu casamento.
Diminuindo a cabeça para esconder o sorriso dela, Mary caiu em uma
pequena reviravolta. — Isso parece ser um excelente arranjo. Aceite
minhas desculpas, Sua Graça.
Não escapou de Sera que esse Sua Graça particular não foi dirigida a
Haven, mas a ela.
— Não há nada para se desculpar, — Sera disse, ansiosa para esquecer
o rasgo da verdade nas palavras da Sra. Mayhew. Para colocar o evento
inteiro atrás deles.
— Há tudo para se desculpar, — disse Haven, fúria fria aprofundando
a voz para um tenor que Sera sabia muito bem. Ela viu o medo se
espalhar pelo rosto da Sra. Mayhew. — Ninguém fala com minha
esposa do jeito que você fez, Sra. Mayhew. Você vai sair desta casa, e
você nunca mais voltará. Não se engane, você nunca será bem-vinda
sob o telhado de Haven novamente. — A mulher ficou branca como
uma folha quando ele terminou. — Houve um tempo em que eu teria
tentado arruinar você. Eu teria lutado por vingança. Você deve entrar
em sua carruagem e agradecer a Deus que o tempo seja passado, e que
eu acho que eu prefiro desfrutar da companhia de sua filha.

A mulher mais velha abriu a boca para falar – talvez para se defender,
mas Malcolm levantou uma mão e disse, — Não. Você desrespeitou
minha duquesa. Saia da minha casa.

E então ele estava virando as costas para as mulheres, e elas foram


demitidas, sumariamente. Tendo ficado no final daquela legal
demissão, Sera sabia que sua picada era melhor do que qualquer outra.

Particularmente quando ele se voltou para o grupo e disse — Lady


Lilith, devo dizer que a física do seu lance foi bastante notável.

Lilith sorriu e respondeu — Eu gostaria de poder dar crédito por eles,


Sua Graça. Foi uma boa sorte. — Foi uma mentira; todos podiam ver
Lilith tinha lutado por sua amiga.

Lilith era um bom partido. Ela teria sorte em ter Haven.

Ou seja, Haven teria sorte de tê-la.

E ainda, o eco de suas palavras consumia Sera. Minha duquesa.

Claro, ele quis dizer sua esposa nos termos mais vago e mais amplo. Ele
não quis dizer Sera. Quantas vezes ele deixou claro que ele não a
queria? Quantas vezes ela disse que não queria ele?

E ela não tinha dito. Nem uma vez sequer ela parou de querer ele.

Nem quando ela partiu.

Ela passou quase três anos sem o querer. Orgulhosamente não


querendo-o. Planejando orgulhosa um futuro desprovido dele. E
agora... com um punhado de palavras – palavras como minha duquesa
e apanhadora de ratos – ele estava lembrando-lhe os sonhos que ela já
possuía. As expectativas, não realistas no extremo.

As mulheres não ganhavam amor e felicidade.


Pelo menos, Sera não. Esses prêmios estavam bem fora de seu alcance.
O bastante longe de que ela se concentrou em outros objetivos mais
alcançáveis. Como a liberdade. E fundos. E futuro.
Deixe o amor para os outros.
Como se ela tivesse falado em voz alta, Malcolm atuou nas palavras. —
Lady Lilith, quase se sente como se você devesse ganhar o prêmio em
virtude de ter sucesso em uma missão tão valiosa. Não que eu seja um
tipo de prêmio, pois tenho certeza de que Lady Eversley irá atestar.
Sophie sorriu. — Com prazer, Duque.
Lilith deixou cair uma reverência. — Tenho certeza de que isso não é
verdade, Sua Graça.
Sera odiava a bela jovem então. A odiava por sua confiança e pelo
equilíbrio e por sua habilidade na bola de gramado. E ela odiava Haven
pelo jeito que ele levou para ela, como ele sorriu para ela com gentileza
aristocrática, como se ele não tivesse nada no mundo que ele gostaria
de fazer mais do que recomendar Lady Lilith Ballard em quase
quebrando o tornozelo de um velha terrível que merecia isso. Era
irrelevante que a própria Sera estivesse disposta a levantar Lilith em
seus ombros em glória triunfante quando acontecesse.
Mas na maior parte, Sera odiava-se, por importar se Malcolm gostava
de Lilith.
Da mesa do almoço, Caleb limpou a garganta, chamando a atenção de
Sera. Ele olhou para ela por um longo momento antes de jogar outro
pedaço de ganso para os cachorros de espera abaixo e levantar uma
sobrancelha arrogante em fanfarronice masculino, como se quisesse
dizer, eu vejo o que está acontecendo.
Ele estava errado, droga. Nada estava acontecendo. Sera tinha vindo
por seu divórcio, e ela iria buscá-lo. Ela estava indo apagar seu passado.
E escrever seu futuro.
Uma vida que Malcolm não podia dar a ela.
Uma vida que ela tinha que tomar para si mesma.

Capítulo 17
: :
As Artimanhas das Mulheres Esperam!
Cuidem-se, Homens!

— Você ama minha irmã?


Caleb Calhoun virou-se de onde verificou o guincho final ligando sua
carruagem aos quatro cavalos que, em minutos, o levariam para Covent
Garden. Sesily Talbot se inclinou contra o veículo, os braços cruzados
sobre o peito – um baú exibido com um impressionante vestido de ouro
que brilhava como fogo no pôr-do-sol.
Era provável que o vestido pensasse muito baixo e muito apertado, mas
Sesily Talbot não parecia o tipo de mulher que se importava com o que
se pensava. E não importava, honestamente, como não era o fogo no
tecido do vestido que fazia a garota perigosa, tanto quanto era o fogo
em seus olhos.
Não, perigoso não pareceu a palavra apropriada para Sesily. Perigoso
parecia muito gentil. Ela era positivamente ruinosa. Qual foi um
problema, porque Caleb sempre foi parcial para a ruína. E ser arruinado
pela irmã da amiga mais querida não era uma opção.
Ignorando o fio de prazer que o atravessou à sua vista, ele voltou a
atenção para o cavalo, fazendo um barulho sobre um arnês
perfeitamente preso. — Lady Sesily, posso ajudá-la?
— Você não está me respondendo porque você acha que vou julgá-lo
por isso? Eu não vou. As pessoas sempre amaram Sera. Ela é
eminentemente amável. A mais bela das Filhas Perigosas, com certeza.
— Caleb não tinha certeza, de fato. — Eu só pergunto porque se você a
ama, você tem um problema.
Ela estava certa sobre isso. Haven claramente desejava Sera com uma
intensidade que Caleb nunca tinha visto. Quando estavam perto um do
outro, o duque não conseguiu dirigir sua atenção a ninguém além de
sua esposa. E Sera... bem, ela nunca parou de amar o duque, por mais
horrível que fosse o seu passado e a sua impossibilidade.
E Caleb sabia sobre passados terríveis e futuros impossíveis.
Ele possuía um e estava falando com outro.
— É claro que eu a amo, — disse ele. — Mas não da maneira que você
quer dizer. Não tenho interesse em seduzi-la.
— Você ama outra, então?
Ninguém jamais ensinou o tato de Sesily Talbot, aparentemente. — Eu
não vejo como esse é o seu negócio.
— Ah, então é um “sim”.
— O amor é um engano. Só precisa olhar para Sera e seu duque para
vê-lo.
Ela parecia não o ouvir. — Não é correspondido?
Irritação acendeu, e Caleb virou-se para encontrar seu olhar, claro e
direto e - Cristo, ela tinha os olhos mais bonitos que ele já tinha visto,
azul com um magnífico anel de preto ao seu redor. Bela o suficiente
para tornar essencial que ele diga o próximo em voz alta. Para lembrar-
se de onde se encontra sua lealdade. — Sua irmã é a melhor amiga que
já tive. — Ele fez uma pausa. — O que significa que não tenho interesse
em seduzi-la também.
Ele quis dizer as palavras para ser como um ferrão, apenas o suficiente
para afastá-la, mas não pareciam tê-la afetado. Pareciam deslizar por
ela. Na verdade, ela sorriu. — Eu não acredito que pedi para ser
seduzida, Sr. Calhoun.
Ele era um touro, e ela era uma impressionante bandeira vermelha. Ele
não poderia ter se impedido de se aproximar dela por todo o mundo.
— É claro que você pediu, — disse ele. — Você pede todas as vezes que
você olha para mim.
— Você confunde-se flertar pelo desejo, senhor.
— Eu não confundo seu namoro arrojado por nada além do que é,
Sesily Talbot.
Ela ergueu o queixo, expondo um milímetro mais de pele. Tentando-o
com isso. — E o que é isso? Desvio?
Ele deixou passar uma batida enquanto observava aquela garota que
nunca tinha enfrentado a sua cara diante de um homem adequado. —
Disfarce.
Ele a chocou. Ela descruzou os braços e saiu do treinador, perturbada
por ele. Por sua capacidade de ver a verdade. — Eu não sei o que você
quer dizer.
— Quero dizer, você é uma namoradeira, Sesily e uma boa, também. A
maioria das pessoas não vê o que você é quando não está cheio de
alegria.
— E você faz?
— Eu sei como é, — disse ele. — Eu reconheço isso.
Ela piscou. Riu, corajosa o suficiente para um homem menor não ouvir
o nervosismo nela. — O que você reconhece, Caleb Calhoun? Uma falta
de vontade para se comprometer?
— Uma vontade de se arriscar.
Ela estreitou seu olhar. — Você não sabe muito sobre mim, se você acha
que eu não me arrisco. Não fiz nada além de risco desde a minha
primeira temporada. Eu sou um escândalo para as idades.
— Nah, você é apenas um escândalo porque eles não vêem que você é
a menos escandalosa do grupo.
Suas sobrancelhas aumentaram. — Nunca diga a uma irmã Talbot que
ela não é escandalosa, senhor. Você arrisca-nos a nos ofender.
Ele sorriu. — Eu passei três anos com Seraphina, amor. Eu sei a
verdade. Você usa suas belas roupas e fala sua conversa inteligente,
mas quando se trata disso, você quer uma coisa. E não é o que você quer
que eu pense.
Seus lábios pressionaram em uma linha reta. — Eu gosto disso quando
um homem me fala sobre mim. É positivamente afrodisíaco.
— Eu sou americano, minha senhora. Não me mexa com todas as suas
grandes palavras.
Os olhos dela brilharam com humor então. — Devo dizer-lhe o que
penso sobre você, então, Calhoun? Nunca tema. Devo usar pequenas
palavras para que você entenda.
Não.
Ele não queria que ela lhe contasse nada. Eles já levaram isso longe
demais. Sera teria suas bolas se ele até a tocasse. Ela queimaria o
Sparrow no chão apenas para evitar que ele tirasse o corte. E então ela
contrataria um navio para levá-la a Boston e fazer o mesmo com todas
as propriedades que ele possuía lá.
A coisa era, valia a pena.
Ele estava tão distraído por quão bem poderia valer a pena perder tudo
por um momento com Sesily Talbot que ele se esqueceu de dizer a ela
para parar de falar.
— Acho que você está aqui com minha irmã, no país, eu posso
acrescentar, que é positivamente maçante como a sujeira, que você
conhece, porque você foge para Londres todas as noites para respirar o
cheiro glorioso da aventura – porque estar com Sera mantém você
seguro.
Seu coração começou a bater. — Estar com sua irmã me mantém
ameaçado de ser manchado por seu cunhado.
— Isso pode ser verdade, — disse Sesily. — Mas melhor sentir alguns
punhos em seu rosto do que sentir algo realmente perigoso.
Ele tinha tido o suficiente dela. — E você é uma especialista no assunto?
— Ao evitar emoção? Eu sou, sim. — Ele não sabia o que dizer a isso.
— E no dia em que se despertar para descobrir que seu futuro está
definido.
— Por favor, — ele zombou. — Você é uma criança.
— Eu tenho vinte e sete anos de idade. Não negociável por muitas
razões, o menor dos quais é escândalo e a pior das coisas é a minha
trágica descendência para a velhice.
Se não fosse um absurdo britânico, ele não sabia o que era. Sesily Talbot
não podia dar um passo na rua de Boston sem meia dúzia de homens
olhando para ela. Mesmo o pensamento enviou Caleb a uma fúria.
Ele terminou com isso. — Bem. Isso tem sido divertido, Sesily, mas...
— Você e Sera fazem um excelente par. Ambos aterrorizados com o que
poderia vir se você realmente trabalhasse para algo.
Ele franziu o cenho. — Você não sabe nada sobre mim.
Ela ergueu uma sobrancelha. — Eu sei que você é um covarde,
americano.
Ela estava atrapalhando ele. Ele sabia disso, e ainda queria provar a si
mesmo. Ele queria fazer mais do que isso. Ele queria jogá-la na
carruagem e mostrar-lhe precisamente como falta de covardia que ele
era.
Em vez disso, ele abriu a porta do carro para jogar sua bolsa na
carruagem.
Apenas para ser atacado por um projétil branco violento.
— O que em... — Ele saltou para trás, o animal peludo aparentemente
não percebendo que ele tinha cedido a carruagem, enquanto se apegava
ao casaco com um poderoso garoto.
Foi quando ele percebeu que Sesily estava rindo. E isso soou como um
maldito pecado. Até aquele exato momento, Caleb não teria imaginado
que era possível simultaneamente ser atacado por um gato e ficar duro
como uma pedra.
Mas Sesily Talbot era o tipo de mulher que ensinava coisas a um
homem, o que estava claro. Incluindo quão enfurecido ele conseguiu.
Ele agarrou o animal quando começou a escalá-lo como um tronco de
árvore, e Sesily imediatamente ofegou: — Não! Não o machuque!
E então ela estava perto o suficiente para tocá-lo. E então ela estava
tocando nele. Se alguém pudesse reivindicar a remoção de garra como
um toque. O que Caleb estava achando que ele tinha que fazer,
considerando como os movimentos suaves e os toques calmantes que
ela ofereceu ao pequeno animal o fizeram querer agarrar algo ele
mesmo.
Ele teve que se afastar dela.
O que era difícil, pois ele tinha um gato agarrado a ele.
Finalmente, ela embalou o animal em seus braços e, além do limite de
seu ciúme da maldita criatura, Caleb ouviu o sorriso em sua voz. — Ele
gosta de você.
Ele encontrou seu olhar. Eu gosto de você.
Bem, ele certamente não iria dizer isso. Então ele se instalou, — Mmm.
E por que ele está na minha carruagem?
Ela ergueu um ombro e deixou cair, seus lábios se divertindo. — Nos
meus anos avançados, às vezes eu esqueço de onde deixo as coisas.
Essa mulher era um problema. O tipo para o qual ele não teve tempo
ou inclinação. — Então, esse foi o seu plano? Colocar seu gato sobre
mim e esperar o melhor?
Ela piscou, olhos azuis e largos fazendo com que ele quisesse beijá-la
sem consequências. No entanto, esse foi o problema. Definitivamente
haveria consequências. — Está funcionando?
— Não. — Muitas conseqüências. Ele colocou a mala na carruagem e
fechou a porta. — Velha empregada ou não, Lady Sesily, você quer
amor. E eu sei melhor do que chegar perto disso. Com ou sem o seu
gato de ataque.

Ele pensou que ela poderia negar, mas parecia que Sesily Talbot não
esperava nada, e certamente não quando se tratava de destruir os
homens. — Você sabe, Caleb, — ela disse suavemente, seu nome em
sua língua uma arma particular. — Se você decidiu me seduzir... — Ele
se afastou dela, incapaz de permanecer quieto enquanto falava, como
as palavras gravaram imagens sobre ele - imagens que ele sabia melhor
do que pensar e que ele não podia resistir. Quando terminou a frase, foi
com sabedoria nas palavras. — Bem, você vê isso assim como eu.

Ele se virou como se estivesse sob um feitiço, só para descobrir que ela
tinha retomado seu lugar preguiçoso contra sua carruagem.
Arrancando, para sempre, parecia. Porque ele nunca poderia olhar para
aquela porta sem pensar no momento em que Sesily Talbot, coberto
pelo pôr-do-sol, o abalou tão completamente, mesmo que ela
permaneça perfeitamente relaxada contra o lado do treinador, como se
não tivesse interesse em O momento que não seja para brincar com ele.
— Veja o quê?

E então ela sorriu, e não era assim que ela sorria enquanto coçava. Não
era assim que ela sorriu no jantar ou quando jogava taças de gramado.
Era privado. Pessoal. Como se ela nunca tivesse sorri por ele. Como se
fosse o seu próprio sol. E quando falou, foi com perfeita simplicidade.
— Você vê o quão bom seria.

Ele sentiu a queda da mandíbula, e não conseguiu detê-la, nem mesmo


quando, sem hesitar sobre o gato em suas mãos, ela caiu em uma
perfeita e pura reverência que o fez pensar pensamentos imperfeitos e
impuros. Quando voltou a sua altura, ela disse: — Viaje com segurança,
Sr. Calhoun, — e fez para a casa, seus passos longos, preguiçosos e sem
cuidados, como se ela não tivesse acabado de destruir um homem no
carro.
Cristo. Ele passaria o resto da noite a imaginar o quão bom seria. E ele
doía com um desejo que não iria ceder até que ele voltasse para ela e
tirou o inferno de seus pensamentos.

O que nunca aconteceu.

Haven encontrou Sera na varanda além da biblioteca naquela noite,


depois que o resto das mulheres haviam tomado suas câmaras. Ela
sentou-se no topo dos degraus de pedra que desciam para os jardins,
onde as tigelas de gramado e as revelações dramáticas possuíam o dia,
um copo em uma mão, uma lanterna e uma garrafa de whisky ao seu
lado.

A mulher que conheceu há anos bebia champanhe e felizmente


escandalizou a Sociedade com seus contos sobre o peito de Marie
Antoinette moldado em vidro. Ela bebia vinho e muitas vezes xerez,
embora ele pudesse se lembrar de mais de uma ocasião, quando ela
enrugou o nariz com a torrada.

Nunca foi whisky.

O uísque veio quando eles estavam separados. E de alguma forma


agora, enquanto ela brindava a escuridão, fazia sentido. Ela também foi
melhorada com os anos. Mais rico, mais escuro, mais completo. Mais
intoxicante.

Minutos estendidos em horas e Malcolm a observou, evitando a


tentação de se aproximar, escolhendo, em vez disso, levá-la, sua linda
esposa - a mulher mais linda que ele já havia visto - enquanto
enfrentava a escuridão do campo, vestindo uma Seda profunda de
berinjela que brilhou à luz das velas no jantar mais cedo e agora ficava
negra ao luar.

Seu peito doeu a visão dela, impressionante e imóvel, perdido em


pensamentos.
Houve um tempo em que ele poderia ter ido até ela e ela o teria
recebido. Um momento em que ele não hesitaria em interromper esses
pensamentos. Para tê-los para os seus. Mas agora, ele hesitou.
Ela falou sem olhar para trás. — Você tem um copo?
A pergunta não o puxa. Ele se aproximou, sentado ao lado dela nos
degraus da pedra, como se ele não estivesse em uma jaqueta. Como se
ela não estivesse com seda. — Eu não. — Ele observou seu perfil
iluminado pela lua. — Você deve compartilhar.
Ela olhou para o vidro pendurado em seus dedos longos e graciosos,
depois passou para ele. — Mantenha.
Ele bebeu, incapaz de conter o fio de prazer que veio com a
familiaridade do momento. — Eu não pensei que iria encontrá-lo
sozinho.
Ela olhou para ele por um instante, depois, voltando sua atenção para
o terreno sombrio além. — Eu não pensei que você viria me procurar.
— Ou você teria convocado seu americano para protegê-lo?
Ela riu um pouco, sem humor. — Meu americano está a caminho de
Londres.
Sem dúvida, se preocupar com sua taberna. Caleb Calhoun era muitas
coisas, mas ele não era um homem de negócios ruim. — Ele deveria
ficar lá.
Ela ficou em silêncio por tanto tempo que ele não achava que ela
respondesse. Mas ela fez. — Ele acha que eu não consigo gerenciar aqui.
Suas sobrancelhas se ergueram. — Gerenciar o quê?
— Você, eu imagino.
— Eu preciso de gerenciamento?
Ela sorriu um pouco com isso. — Eu nunca sonharia em tentar,
honestamente.
— Eu acho que você poderia, sem muita dificuldade.
Ela observou a escuridão por um longo trecho, e disse: — Caleb está
disposto a jogar o amante pela petição de divórcio, — acrescentou.

Mais tarde, ele se odiaria por dizer: — Ele é um bom amigo, — em vez
de dizer: não haverá um divórcio.

— Ele é, — ela respondeu. — Ele está disposto a fazer um grande


negócio por minha felicidade.

— Ele não está sozinho. — Ela olhou para ele então, encontrando seus
olhos, procurando por algo. Finalmente, ela desviou o olhar. — O que
você quer, Sua Graça?

Ele queria tanto, e tão bem que ele se chocou com sua resposta. — Eu
quero que você não me chame de sua graça.

Ela se virou para isso, seus olhos azuis cinza na escuridão. — Você
continua sendo um duque, não é?

— Você nunca me tratou como um.

Um lado de sua boca levantou-se em um pequeno sorriso. — Silly


Haven. Você não me deixou porque eu conhecia seu título muito bem?

Ele odiava as palavras. Odiado que, mesmo nesta escuridão silenciosa


e privada, eles estavam cobertos pelo passado. Mas acima de tudo, ele
odiava a verdade neles. Ele a deixara porque achava que ela cuidava de
seu duque mais do que ela cuidava dele.

Quando descobriu que não importava um pouco por que ela o tinha
desembarcado - só que ela o tinha desembarcado - ela tinha ido embora.

E com ela, seu futuro.

Ela finalmente falou, como se ela tivesse ouvido seus pensamentos. —


Eu não pretendia prendê-lo, você sabe. Não no começo. — Ela respirou
fundo, olhando para o céu. — Essa é a verdade, se isso importa.

Ele colocou o copo e pegou a lanterna enquanto ele estava de pé,


alcançando uma mão para ela. — Venha.
Sua resposta foi tão cautelosa quanto o olhar que ela deslizou na mão
dele. — Onde?
— Para uma caminhada.
— É a morte da noite.
— São dez horas.
— É o país, — ela retrucou. — Se é noite, é a morte disso.
Ele riu disso. — Eu pensei que você gostou do país.
— A cidade tem seus benefícios. Eu gosto de poder ver as coisas que
podem me matar no escuro, — disse ela com certeza seca.
Ele lembrou-se disso, do jeito que sentiu brincadeira com ela. Como se
nunca houvesse um homem e uma mulher tão bem combinados. — Há
algo que você tem medo de nos esconder no escuro?
— Poderia haver qualquer coisa.
— Por exemplo?
— Ursos.
Suas sobrancelhas franzidas. — Você passou muito tempo na América,
se você acha que os ursos estão vindo para você.
— Isso poderia acontecer.
Ele suspirou. — Não. Realmente não podia. Não em Essex. Nomeie
uma coisa que possa matá-lo no escuro em Essex.
— Uma raposa zangada.
A resposta veio tão rápido, ele não pôde evitar sua risada. — Eu acho
que você está seguro. Nós não tivemos uma raposa em vários anos.
— Isso não significa que as raposas não estão buscando vingança para
seus antepassados.
— As raposas são muito gordas com galo silvestre para provocar muita
ira. E se eles vierem por você, Sera, eu procuro protegê-lo.
— Seus votos não tiveram muita promessa no passado, — ela disse, e
ele ouviu a maneira como tentou evitar o fim da frase, como se ela não
queria dizer mais do que queria ouvir.
Claro, ele mereceu ouvi-lo. Ele ignorou a picada das palavras e
enfrentou-as de frente. — Esta noite, entrei uma nova folha. — Ele
estendeu sua mão para ela novamente, e ela a considerou por um trecho
antes de suspirar, recolher a garrafa e ficar de pé, chegando a sua altura
cheia e magnífica.
Ele abaixou a mão que não tomou.
— Eu não estou usando calçado apropriado.
— Eu não estava pensando em dar um passeio pelos pântanos, — ele
disse, descendo os degraus. — Não se preocupe. Eu devo protegê-lo de
criaturas nefastas.
— Quem me protegerá de você? — Ela perguntou com inteligência
antes de adicionar: — E onde você está me levando?
— Veja? Você não deveria ter sido tão rápido para malignar as raposas.
Eles podem ter sido sua única graça salvadora.
— Então é isso, então? — Ela perguntou enquanto caminhavam em
direção ao seu destino. — Será você quem me faz morrer na noite?
Ele ignorou o comentário, desacelerando para permitir-lhe uma chance
de alcançá-lo. — Nós vamos ao lago.
— No escuro?
Ele estendeu a mão para a garrafa que segurava. Ela renunciou e ele
bebeu fundo, limpando a mão na boca antes de dizer: — Eu estou
tomando o touro pelos chifres.
Ela pegou a garrafa de volta. — É um de nós ser um touro neste cenário?
— Você sabia que Lady Emily não come sopa?
Sera lhe lançou um olhar. — Desculpe?
Ele sorriu. Ele a tinha agora. Sera nunca tinha se interessado por outra
pessoa. — Você a sentou ao lado de mim no jantar. Havia uma sopa.
Isso proporcionou alguma conversa interessante.
Sera piscou. — Eu não posso imaginar como.
— Acredite, eu também fiquei surpreso. Eu pensei que eu poderia
perecer de uma estranha evitação do desaparecimento de Miss
Mayhew. Na verdade, os eventos da tarde não surgiram. Graças à sopa.
— Malcolm, me perdoe. Mas você está bem?
— Eu sou, de fato. É a senhora que parece um pouco. . . estranho.
— Porque ela não comeu a sopa?
— Não é a sopa. Qualquer sopa.
Ela parou. Ele a tinha. — Ela não come sopa?
— Isto é o que eu tenho tentado explicar. A mulher não come sopa.
— Não come? Ou não gosta? Ou ambos?
— Este é o pouco que eu não consigo entender. Ela não sabe se ela gosta,
Seraphina. Ela nunca teve isso.
Ela piscou. — Isso é algum tipo de brincadeira? Você pega meu uísque,
me arrasta para o escuro e me conta as histórias ridículas de pessoas
que nunca comeram sopa?
Ele ergueu a mão. — Sobre minha honra, Sera, o que você e suas irmãs
pensam ter deixado, Lady Emily nunca comeu sopa.
Houve uma pausa, e Sera disse: — Como isso é possível?
— Este é o meu ponto exato.
Uma batida. E então, magnificamente, ela riu. Como o céu veio à terra,
o som que se encadeia entre eles antes de se espalhar para a escuridão,
Malcolm meio esperando que ele convoce o sol.
Porque sentiu como o sol.
E tudo o que ele queria era descanse nela, mesmo quando o riso
morreu, desaparecendo em pequenas risadas. Ela começou a caminhar
de novo, e ele se juntou a ela, os dois em silêncio companheiro pela
primeira vez, possivelmente para sempre. E foi glorioso.

Talvez tenha havido esperança, afinal.

Eles escalaram uma pequena colina, Malcolm voltando para ajudá-la a


navegar em um remendo rochoso, Sera tomando sua mão como se fosse
a coisa mais natural do mundo, o calor o inundando ao toque, junto
com o desejo. E espero, uma promessa perigosa.

Ela o soltou no momento em que chegaram à crista, e o


desapontamento que veio com a ação estava interessado. Depois de um
longo momento, ela se virou para ele e ele prendeu a respiração,
perguntando o que ela poderia dizer.

— Você acha que é uma alimentação líquida que ela teme?

O retorno ao estranho traço de Lady Emily convocou sua própria


risada, alto e desconhecido. — Eu não sei.

— Você não perguntou? — Ela sacudiu a cabeça com uma decepção


simulada.

— Eu não fiz.

— Suponho que você pensou que seria grosseiro se abalar.

— Eu sei que teria sido grosseiro se mostrar.

Ela assentiu. — Você está certo, é claro. Mas realmente deve haver uma
circunstância especial permitida para isso.

Ele não sentiu isso livre em anos. Não desde a última vez que riram
juntos. Antes de terem sido desposadas. A culpa acendeu. Ele tirou
tanto dela - tanta vida. Não era de admirar que ela o deixasse. Não é de
admirar que ela não o desejasse de volta. Ele deveria deixá-la ir.

Claro, ele não faria.


Sem saber de seus pensamentos, Sera acrescentou: — Entre a sopa e as
tigelas de gramado, foi um dia ruim para seus solteiros, Duque.
— Você está certo, — ele disse, incapaz de esconder sua frustração. —
Vamos mandar todos para casa.
— Por que você faz parecer que sou responsável por essas meninas?
Você é quem planejou uma festa de casa para encontrar minha
substituição. Você os convocou sem mim. Você teria estado aqui de
qualquer jeito, escolhendo sua próxima esposa. Estou simplesmente
preso aqui ao lado deles.
Ele não podia dizer a ela que essas meninas haviam sido convocadas
em um período frenético de vinte e quatro horas imediatamente após
seu compromisso de ganhar suas costas. Ela não levaria bem a
revelação - tanto quanto ele sabia. — Eu posso ter cometido um erro de
julgamento.
Ela riu. — São mulheres adoráveis, Malcolm. Boa partida.
Ele olhou para ela. — Ninguém nunca comeu sopa.
Ela sorriu. — Pense em como você pode mudar sua visão de mundo!
Você nem sempre me desejou menos mundano?
Nunca. Não uma vez.
— Ah, sim, — disse ele, ignorando o pensamento. — O que uma base
encantadora para uma sopa de casamento pode ser.
Ela riu disso e depois disse: — Ela não é sua escolha, mesmo assim. Ela
nunca mais estaria.
Claro que não era. Nenhum deles seria. — Estou bastante certo de que
Felicity Faircloth preferiria ter seu americano além de mim.
Sera não hesitou. — Ele não é meu americano, e você sabe disso.
Ele fez. Sera nunca teria permitido que ele a tocasse se ela estivesse
empenhada em Calhoun. Mas isso não significava isso...
Antes que ele pudesse se parar, Malcolm perguntou: — Ele já esteve?
— Isso importa? — Perguntou, observando seus pés se movendo pela
grama. — Isso importa se houvesse uma dúzia? — Ela não deu tempo
para responder. — Claro que sim. Este é o mundo em que vivemos,
onde é obrigado a permanecer casto como freira e você... Você é bem-
vindo ao mundo todo. — Ela fez uma pausa, recuperando sua reserva.
Então, suavemente, "Ele nunca foi meu. Mesmo que eu pudesse amá-
lo, ele merece filhos.
Mal não hesitou. — Seu amor seria suficiente.
Ela ficou em silêncio por um longo tempo, enquanto ele procurava as
palavras certas, sem sucesso. E então, levantou a garrafa e bebeu. —
Não importa.
Isso importava. Era mais importante do que qualquer coisa, e de
alguma forma, como todas as coisas que importam muito, ele não
conseguiu encontrar as palavras para dizer isso.
— E você? — Ela perguntou. — Quantos americanos você teve?
Ele disse a ela a verdade. — Aquele que você testemunhou.
Ela riu então, oca e tão diferente de sua felicidade anterior que ele sentiu
o som como um golpe. — Eu vou acreditar nisso?
— Eu não espero que você seja, — disse ele. — Mas é a verdade.
— Esse é o problema com a verdade; tantas vezes você deve confiar na
fé para abraçá-lo.
— E você não tem fé em mim. — Ele se arrependeu das palavras no
momento em que estavam fora, desejando imediatamente que ele
pudesse levá-los de volta. Ele não queria que ela respondesse. O
silêncio que se estendia entre eles na sequência das palavras era
suficientemente claro sem a resposta. Para não mencionar sem
surpresa.
E então ela disse, tão suave que quase parecia que ela estava falando
com outra pessoa, — Deus sabe que eu quero.
— Foi uma vez, Sera. Uma só vez.
— Era para me punir, — ela respondeu, as palavras simples e vazias de
emoção enquanto ela olhava para o lago, se espalhavam como tinta
preta abaixo.

O arrependimento e a vergonha surgiram. Quantas vezes ele os sentiu?


Quantas vezes o haviam consumido na escuridão enquanto ele a
procurava? Mas eles nunca se sentiram assim. Sem ela, eles haviam sido
uma emoção vaga e emocionante, presente, mas nunca
verdadeiramente lá. E agora, confrontada com ela, com sua aceitação
tácita de seu passado, de suas ações, de seus erros, eles eram um golpe
perverso e irritado.

Que bicho maldito ele tinha sido.

— Eu não posso retomá-lo. Se houvesse algo no mundo, eu poderia


retomar...

A respiração a deixou em um fluxo de frustração então. — Diga-me, é


o ato pelo qual você não tem orgulho? Ou as consequências disso?

Ele se virou para ela então, incapaz de encontrar as palavras adequadas


para responder. — As consequências?

— Minha irmã colocou você na parte de trás na frente de Londres,


Malcolm. Você não se importou com isso. Você causou punição em toda
a família depois disso.

Vergonha novamente, quente e com raiva, junto com um instinto afiado


para se proteger. Para defender suas ações. Mas não houve defesa.
Nada digno do golpe que ele havia tratado. Nenhum que já demitiu seu
arrependimento por isso.

Eu sinto Muito. As palavras eram escandalosas. — Eu tomaria o ataque


de Sophie cem vezes. Mil. Se eu pudesse apagar o resto daquela tarde.

Sera ficou em silêncio, e Mal teria dado qualquer coisa para saber o que
estava passando por sua cabeça. E, finalmente, ela disse: — Como eu,
ironicamente.
Ele fechou os olhos na escuridão. Ele a magoara abominável. Eles
ficaram em silêncio por um longo tempo enquanto considerava suas
próximas palavras. Mas antes que ele pudesse encontrá-los, ela disse:
— E de todos os anos?
Ele olhou para ela, a escuridão libertando-o de alguma maneira.
Tornando-o honesto. — Eu também apagaria eles.
Ela se virou para encará-lo, lenta e simples, como se eles discutissem o
clima. — Eu não faria. — A dor que veio com a confissão era
esmagadora, negra como a água que se espalhava diante deles, esticada
para sempre como o silêncio que a acompanhava. Finalmente, Sera
olhou para o céu estrelado e disse: — Então, esse foi seu plano? Para
me levar à escuridão e rever o declínio do nosso casamento?
Ele exalou, olhando para a água, preta e brilhando à luz da lua. — Não
era, de fato. — Ele começou a descer em direção ao lago, chamando de
volta: — Eu planejava mostrar-lhe algo.
A curiosidade conseguiu o melhor dela - como sempre aconteceu. — O
quê?
Ele poderia tentá-la longe do passado? Para algo mais promissor? Valia
a pena tentar. — Venha ver.
Por longos momentos, ele não a ouviu, e ele se esforçou para o pior.
Pela possibilidade de que não havia esperança para eles.
E então, as saias dela explodiram na grama.
Capítulo 18
: :
Arquitetura Submersa:
Refúgio Secreto de Highley

— Isso é lindo.

Sera estava logo dentro de uma estrutura de pedra pequena e


deslumbrante, fixada com seis vidros manchados que representavam
uma série de mulheres em vários estados de celebração, as estrelas
embutidas no vidro ao redor deles, como se estivessem dançando no
céu noturno.

Malcolm ficou de um lado, uma lanterna alta em sua mão, revelando as


gloriosas estrelas de pedra e o céu que escalavam as paredes entre as
janelas e se espalhavam pelo teto abobadado do espaço. Sera voltou a
cabeça para pegar a lua e o sol em alívio total, como ele disse — As
janelas são mais bonitas à luz do dia, obviamente, — disse ele.

Ela olhou para ele. — Eu acredito nisso.

Ela não sabia o que esperar quando o seguiu, lanterna na mão, quando
ele desceu a ascensão até a beira do lago. Ela não deveria nem mesmo
segui-lo, para qual era o objetivo? Passar o tempo com ele apenas
ressuscitou o passado de maneiras que ela desejava nunca mais fazer.

Passar o tempo com ele apenas lembrou-lhe que uma vez queria passar
uma vida com ele.

E ainda, ela o seguiu na noite, desenhada como uma traça na sua


chama. E, assim como uma traça, o fogo dele ameaçou consumi-la.
Como sempre.
Ela nunca gastou tempo com os motivos de Highley; ele falou do lago
uma dúzia de vezes - ele ocupava um lugar poderoso em suas histórias
de infância - mas ela nunca teve a chance de vê-lo.

E agora, enquanto olhava de uma das mulheres para a outra - cada uma
tão lindamente desenhada que parecia que estavam presas de vidro -
Sera se perguntou por que ele não a trouxe até aqui, para este belo
quarto com vista para o lago além. Ela olhou para ele. — Quem são
eles?

Ele hesitou - apenas mal - nem mesmo o suficiente para que outro
perceba. — As Plêiades.

As Sete Irmãs, filhas do Atlas. Ela olhou para as janelas, contando. —


Há apenas seis.

Ele assentiu e se virou, em direção ao círculo de ferro forjado no centro


da sala. Abrindo um portão embutido no trilhos, acenou a lanterna para
o círculo escuro abaixo. — O sétimo está abaixo do lago.

Sera se moveu em direção a ele, com certeza que ela tinha mal
informado, seu olhar paralisado pelo escuro, girando a escada lá. Não
havia luzes abaixo, os primeiros passos dando lugar a uma imensa
neblina em nenhum momento. Ela olhou de volta para Malcolm. —
Não vou lá.

— Por que não?

— Bem, antes de tudo, porque as palavras abaixo do lago soam


devidamente sinistrais e, em segundo lugar, porque é mais negro do
que a meia-noite e não sou imbecil.

Seus lábios se contraíram em um pequeno sorriso. — Eu estava


planejando ir em frente de você.

Ela balançou a cabeça. — Não, obrigado. Eu vou estar bem aqui.

Ele a ignorou, virando-se para a parede e pegando uma tocha apagada,


abrindo a lanterna que ele carregava e iluminando-a com
impressionante habilidade. Sera deu um passo para trás quando ele
ergueu a cabeça, lançando o rosto em luz brilhante e sombras afiadas.
— Se você acha que um clube em chamas vai me fazer sentir melhor
sobre ir lá, você está muito equivocada, — disse ela.
Ele riu com isso. — Você não confia em mim?
— Não sei, de fato.
Ele ficou sério. Ou talvez fosse um truque da luz em seu rosto, fazendo-
o parecer que nunca mais era honesto do que naquele momento. — Eu
vou te manter seguro, Sera.
Antes que ela pudesse responder - antes que ela pudesse retardar o
instante, batendo em pânico de seu coração - ele se foi, descendo os
degraus na escuridão. Ela chegou ao limite da grade, observando
enquanto sua luz circundava os estreitos degraus. — Quão longe está
indo?
— Não se preocupe, Angel, eu não vou conduzi-lo para o inferno.
— Mesmo assim, eu prefiro não seguir, — ela ligou.
— Pense em você como Persephone.
— É verão, — ela retrucou quando um braseiro ganhou vida, revelando
o fundo da escada. — Perséfone está acima de setembro.
Ele olhou para cima, seus belos olhos ficaram pretos na escuridão, um
grande sorriso no rosto. — Você vai seguir.
Ela sorriu uma pequena risada. — Não tenho ideia por que você
pensaria tal coisa.
— Porque é isso que fazemos, — disse ele. — Nós seguimos um ao
outro na escuridão. — E então ele passou por uma porta escura e fora
de vista.
E maldito se ele não estivesse certo.
Ela seguiu, levantando as saias e avançando pela escada sinuosa,
resmungando as decisões ruins e os duques irritantes em todo o
caminho. No fundo, ela olhou para cima, a abertura circular no alto das
escadas a uma grande distância, as janelas de pedra e vitrais pareciam,
de repente, como se fossem um friso pintado no teto em vez de um
quarto inteiro acima.
Era uma bela arte - um domínio da perspectiva como nenhum que ela
já havia visto.
Air balbuciou as saias, um refúgio legal e bem-vindo do calor
emendado acima. Ele confortou Sera por um momento, antes de
perceber o motivo da confortável temperatura. Ela estava no subsolo.
O pensamento a fez olhar para a entrada em forma de lágrima onde
Haven tinha desaparecido, e onde ele estava parado, a poucos passos
de distância, tocha na mão, sorria o rosto bonito. — Eu lhe disse que
você viria.
Ela franziu o cenho. — Eu posso ir tão facilmente.
Ele balançou sua cabeça. — Não se você quiser vê-lo. — Ele acenou sua
luz mais fundo no espaço, revelando o que parecia ser um túnel
estreito, em forma de lágrima, pintado em todos os lados no mesmo
motivo que as janelas acima, céu escuro e uma paisagem de estrelas que
deu concorrência ao céu noturno além.
Seus olhos se arregalaram. — Até onde é que vai?
— Não longe, — disse ele. — Pegue minha mão.
Ela não deveria. — Não.
Ele olhou como se ele pudesse discutir com ela, mas em vez disso ele
acenou com a cabeça e seguiu em frente, iluminando outro braseiro, e
depois outro, cada um revelando alguns metros mais do túnel.
— Estamos sob o lago?
Outro braseiro. — Estamos tecnicamente dentro do lago, mas sim.
— Por quê?
E outro. — Você conhece a história das Plêiades?
Houve momentos em que ela poderia esquecer que Haven era um
duque, e momentos em que seu passado, sendo criado em constante
estado de capricho aristocrático, mostrava sem pausa. Invariavelmente,
esses momentos foram assim, quando ele ignorou questões e mudou de
assunto sem desculpas.

Ela não escondeu sua irritação. — Eu sei que eles eram irmãs. Eu sei
que eles eram filhas para o Atlas.

Outra luz acendeu a vida. — E uma vez que Atlas foi punido, forçado
a segurar os céus, ficaram sozinhos, sem ninguém para protegê-los de
deuses ou homens. Sete irmãs. Com apenas um ao outro.

Ela não gostou do fio de consciência que a atravessou nas palavras. A


familiaridade da história - seu pai, fez aristocrata sem aviso, ela e suas
irmãs penetraram no mundo da aristocracia londrina sem ajuda. Nunca
aceitou por seus baixos começos, nunca admirados pela maneira como
eles se levantaram.

Ela afetou uma falsa bravata. — As filhas perigosas devem permanecer


juntas.

— Mais do que o resto. — Um brilho de laranja, lançando seu rosto sério


em ângulos e sombras. Ele continuou, sua voz baixa e escura como o
corredor infinito de lágrimas. — As seis pereiras mais antigas eram
lindas, e cada tentava um deus. Cada um casou com os céus. Mas o mais
jovem, Merope - o mais bonito, o mais gracioso, o mais valorado - ela
chamou a atenção de um perigoso pretendente - aquele que era terrena.

— Esse não é sempre o caminho? Suas irmãs obtêm o desejo de seus


corações, e você recebe um mero mortal. — Outro braseiro. Este túnel
foi infinito. — Estamos atravessando todo o lago debaixo d'água?

Era como se ela não tivesse falado. — Não é um simples mortal. Orion
foi o maior caçador que o mundo já conheceu, e ele perseguiu Merope
implacavelmente. E ela estava tentada.

— Claro que sim. Tenho certeza de que ele era bonito como o diabo.
— Ele era, de fato. — Ah. Então ele estava ouvindo. — Ela fez tudo o
que pôde para se esconder dele, sabendo que não havia esperança para
eles.
Ela também estava ouvindo, as palavras sem esperança se sentindo
como uma dor em seu baú.
Ela se virou para as irmãs, que se juntaram, trabalhando como apenas
as irmãs podem fazer para proteger os mais jovens do caçador mortal
que nunca seria bom o suficiente. Começaram a ofuscar ele...
— E você pensou que minhas irmãs eram ruins. Ele acendeu uma
última chama, revelando outra porta escura, a sugestão de algo além.
Um lado de sua boca inclinou-se, mesmo quando ele estava
emoldurado na escuridão, observando-a. Ele parecia um tipo de deus -
um moderno. Alto e bonito, com um rosto cinzelado de mármore,
tornado ainda mais divino na luz cintilante da tocha que ele segurava,
como se ele pudesse chamar a chama à vontade. — Sua cegueira não
foi dissuasora. Ele era um caçador mestre, feito pelos próprios deuses.
E então ele perseguiu Merope, cada vez mais desesperado pelo que eles
poderiam ter juntos. Para a possibilidade de seu futuro.
— Você pensaria que ele teria renunciado a ela, o que com seu
desinteresse claro.
Suas palavras eram mais grunhidas que a fala. — Ah, mas não foi
desinteressado. Era medo. Medo do que poderia ter sido. E, como ele
era um mortal, medo do que certamente perderia se sucumbisse.
Seu coração. Ele.
Sera permaneceu em silêncio, e ele continuou, suas palavras suaves e
líquidas neste espaço privado e não transitado. Eles eram tão secretos
quanto o próprio lugar. — Orion não temeu a cegueira. Ele só temia
nunca encontrá-la. Nunca tendo a chance de convencê-la de que eram
um para o outro. Que mortal ou não, ele poderia lhe dar tudo. Sol, lua,
estrelas.
— Exceto que ele não podia, — ela sussurrou.
Ele hesitou nas palavras, e ela percebeu o aperto do punho ao redor da
alça da tocha, do jeito que a luz tremia ali, no corredor mal iluminado,
como se suas palavras pudessem manipulá-la.
— As irmãs foram para Artemis, a deusa dos caçadores, pensando que,
se ela chamasse Orion da busca, ele escutaria. Eles lhe garantiram sua
fidelidade. E ela foi até ele.
— Ele recusou, — disse ela, de repente conhecendo a história sem
nunca ter ouvido isso. Ela se aproximou dele, desesperada pelo final.
Saber que seria trágico.
Querendo que seja feliz.
— É claro que ele se recusou, — disse Malcolm, encontrando-a à
distância. — E esse foi o erro dele.
— Nunca cruze uma deusa, — ela sussurrou.
Ele riu um pouco e os anos desapareceram com as linhas voltadas para
os cantos dos olhos, o sorriso dele atraindo-a, fazendo-lhe admirar a
forma como esses olhos viram, sabiam e revelavam. — Como se eu
ainda não aprendesse essa lição.
Ela observou as palavras em seus lábios, a lembrança de sua suavidade
e força um assalto. E se ela o beijasse? Não como a última vez, com raiva
e frustração, mas com prazer? E se ela beijasse aquele sorriso? Ela
poderia conseguir isso? Mantenha-se por si mesma, por todos os
momentos que ela estava sozinha e desejou que ela pudesse lembrar?
Não me diga o resto.
Ele ergueu a mão, e a antecipação a consumiu quando seu olhar se
moveu para o lugar onde seus dedos pairavam acima de sua pele, uma
promessa insatisfeita. — Artemis foi para Zeus.
Isso não acabaria feliz.
Malcolm respirou fundo e exalou. Sera sentiu o ar quente em sua
têmpora. Acostou ao toque. — Ela foi a Zeus e pediu-lhe para esconder
Merope. Para punir o homem.
Para punir os dois.
— Como?
Seu olhar permaneceu paralisado em seus dedos, um fio de cabelo de
sua bochecha. — Primeiro, ele os transformou em pombas.
Sua respiração pegou, e ele a olhou então, como se ele soubesse o que
estava pensando. Ela também foi transformada em uma pomba. E não
foi o suficiente para se esconder dele. Mas ele não sabia que Sera tinha
sido uma pomba uma vez.
— Mas encontrar sua pomba não foi um desafio para Orion, nem
mesmo cego. Nem mesmo corajoso. Ele conhecia sua música.
Isso não significava nada. Foi uma história.
— Além disso, como uma pomba, Merope era uma grande angústia.
Pombas, você vê, mate para a vida. E assim, ao pedir que ela fosse salva
de uma vida com um mortal, Artemis havia submetido seu acólito ao
pior tipo de dor - a dor de saudade de sua partida. Orion sabia disso, e
ele não descansava, recusando-se a parar de procurá-la. Ele viajou até
os confins da terra para encontrá-la. Para amá-la. Ele a observou em
silêncio, e um longo momento passou antes de ele dizer: — E ele fez.
Sua respiração era superficial e desconfortável, Malcolm nunca a tinha
encontrado. Ele nunca a procurou. Ela o encontrou. Tinha sido ela no
chão do Parlamento, não mais uma pomba em busca de um
companheiro, mas um pardal em busca de sua liberdade.
— O que aconteceu? — Perguntou ela.
— Ele quase a teve. Eles estavam quase reunidos. — A tristeza a
atravessou. — Não basta.
Finalmente, seus dedos finalmente se estabeleceram como um beijo na
bochecha dela. Claro e perfeito e ido. — Nunca cruze uma deusa.
Artemis voltou para Zeus.
Sera exalou, odiando o jeito que sentiu aquela falta, apenas um toque.
— Maldito Zeus.
— Zeus deu a Artemis seu desejo.
— Mas não da maneira que alguém quis.
Ele se virou. — Não da maneira que eles queriam, certamente. — Ele
entrou no quarto escuro além, e Sera seguiu como se estivesse em uma
corda, desesperada pelo final da história. Ele atravessou a sala, a tocha
na mão, uma banca de luz seguindo-o, mantendo-o seguro da
escuridão além. A escuridão que a consumiu.
— Merope não estava destinado a se casar com um deus, mas Zeus a
colocou no céu, ao contrário de suas irmãs. — As palavras ecoaram na
sala, perturbando-a instantaneamente com seu grande e oco ecoando
contra as paredes. Ela virou um círculo completo, olhando para cima,
desconcertada por sua incapacidade de se colocar no espaço.
— Corrigido ao firmamento.
Ela olhou para ele e viu dois dele, suas costas para ela e seu reflexo na
parede da sala do outro lado. Era um enorme espelho. Uma cúpula de
espelhos. Ela olhou para cima. Ela o observou no espelho, seus olhos
pretos enquanto ele levantava sua chama para iluminar outra tocha no
outro lado da sala.
— E Orion, desesperado por estar perto dela, implorou para se juntar a
ela.
Ele acendeu uma outra tocha no outro lado da sala. Não são espelhos.
Vidro. Outro. E outro, até que ele finalmente colocou sua tocha no
banco de espera perto da porta do quarto, reflexos de luz refletidos de
um lado para outro ao redor da sala, banhando-os no brilho dourado
de cada pedaço de vidro temperado e cheio, quebrado por ferro gosta
de que a Sera nunca viu. No chão, a irmã desaparecida do gazebo acima
- Merope, maciça e gloriosa, contorcendo-se em um mosaico
deslumbrante.
E além do vidro, da água, feito de estrela com o fogo do marido.
As palavras de Haven atravessaram seu espanto. — Então é que Orion
a persegue. Para sempre.
Sera foi consumido naquele momento por todas as coisas que ela não
deveria fazer. Ela não deveria ter ficado, mas como não poderia? No
centro de um salão subaquático, como algo fora do mito, ele apenas
sussurrava para ela?
A permanência foi uma coisa, no entanto. Mover-se para ele era bem
outro. Ela também não deveria ter feito isso. Ela deveria ter ficado firme
em um extremo do magnífico espaço, convocou seu senso e disse-lhe,
categoricamente, que ele deveria convidar os candidatos restantes para
a sua substituição aqui, para ganhar seus corações e mentes. Porque,
certamente, este lugar era mágico o suficiente para fazer exatamente
isso para praticamente qualquer um.
O que era provável por que Sera se mudou para ele, convocado por esse
lugar que ela nunca imaginara. Que ela mal podia imaginar agora que
ela estava dentro dela, intoxicada por sua magnificência.
Ela resistiu à ideia de mostrar aos outros esse lugar, odiou a ideia de
compartilhá-lo com ele, odiou a ideia de que eles visse essa versão dele,
manipulando água e ar com sua força e propósito. Força e propósito
que a intoxicaram antes. Isso a intoxicou ainda.
Ela parou a poucos centímetros dele. Perto o suficiente que, se ele
quisesse, ele poderia estender a mão e levá-la aos braços. Se quisesse,
ela poderia chegar. Pegue-o. Não era isso que queria.
Mentiroso.
Ela balançou a cabeça. — Esse lugar...
Ela não tinha as palavras para o que este lugar lhe fazia. O que suas
palavras lhe fizeram. Este quarto era um mito feito carne, segurando-a
no firmamento com certeza como se ele fosse o próprio Zeus. Claro, ele
não estava.
— Eu construí isso para você. — A confissão era tão suave que quase
não estava lá, seguido de mais, uma onda de palavras que ele parecia
empurrar antes que ele pudesse se parar. — Eu construí isso, então
haveria algo para você quando você voltasse. Alguma coisa... nova.
Algo que não foi ponderado com o passado. Com o que havia perdido.
Seu filho. Seu futuro. A tristeza veio como um golpe e ela fechou os
olhos, deixando-o lavar por aqui antes de respirar profundamente e
olhou para a magnífica cúpula, centenas de quadrados pretos de vidro
refletindo-a. Transformando-a em luz das estrelas.
E ele, também, o topo de sua cabeça refletiu dúzias de vezes, seu mogno
ondulava o único vislumbre dele enquanto falava, as palavras
sussurradas ecoando em torno da perfeição acústica. — No dia em que
terminei, fiquei aqui, sozinho, pensando em você. — Ele olhou para o
espelho preto perfeito da cúpula, encontrando seus olhos
instantaneamente. Segurando sua atenção como ele disse — Eu sonhei
com você aqui. Na música.
Ela dirigiu o olhar para ele sem a segurança do espelho. — Você me
construiu um palco.
Ele levantou um ombro e deixou cair. — Você adorou cantar, — ele
disse, simplesmente, como se fosse o suficiente. — E adorei te ouvir.
Ela sabia o que queria. Poderia ouvir o eco da música em sua cabeça
que ela tinha cantado para ele há uma eternidade. Antes de suas mães
terem chegado e ele descobriu seu plano tolo - um que nunca tinha sido
tão nefasto como havia sido mal orientado.
E maldito se ela também não quisesse.
— Eu sinto falta.
— Me ouvir cantando?
Cantando para você.
O pensamento a chocou, e ela propôs uma resposta diferente. — O
desempenho torna-se um vício. Encontra-se cavando aplausos como
carinho. Canção, como o ar. — Seu coração começou a bater e ela
imediatamente se arrependeu das palavras. Ela conhecia bem o desejo
do último. Quanto ela tinha sonhado com esse homem?
— E o nascimento do Sparrow.
Ela assentiu. — Na música, a liberdade.
— Você está tão enjaulada? Você esteve aqui há três semanas.
Eu estive aqui há três anos.
Ela não deu voz às palavras, em vez disso, disse — Três semanas é uma
eternidade sem aprovação, Sua Graça.
Por um momento, ela pensou que iria lutar contra ela - empurrá-la para
a seriedade. Mas, em vez disso, ele deu um passo atrás dela. — Por
todos os meios, então, cante.
— E você deve aprovar?
— Nós veremos. — Ele era magnífico em sua arrogância - sempre
conseguiu conquistá-la com isso.
Ela sorriu e ergueu as saias, mostrando seus tornozelos enquanto fazia
um pequeno gabarito.
“Viva as senhoras, pernas adoráveis para o chão. Viva a duquesa, o Sparrow,
o...”
Ele fechou os olhos antes de chegar ao fim da cantiga, e ela parou, a
última palavra que pendia entre eles, primeiro brincadeira e depois
espetada, e ela se arrependeu de evocá-la, essa palavra que tinha
pendurado entre eles antes, muitas vezes.
Ela deixou cair as saias, e Malcolm abriu os olhos quando o eco se
acalmou ao redor deles. — E então? A magia do espaço?
Ele havia construído esse lugar para ela, afirmou. Para o futuro e não
para o passado. E mesmo que soubesse que era impossível esquecer o
passado que estava entre eles, ela se viu incapaz de tentar.
Ela assentiu. — É perfeito.
— Você cantaria para mim?
Ela sabia o que ele queria. — Eu não acho que seja uma boa ideia.
— Provavelmente não, — disse ele. — Mas isso não muda o desejo.
E assim, ela percebeu que ela também queria, como se cantar a música
que ela cantara para ele anos antes, de alguma forma, a libertaria.
Libertaria-os. Para algo novo e fresco. Ela não cantou para ele em três
anos. Não desde que ela o tinha cantado.

Mas ela se lembrou de cada nota, cada palavra, como se fosse uma
oração. E talvez fosse. Talvez ela pudesse exorcizar o passado com ele.

Ela fechou os olhos e cantou, cheia e livre, a dome perfeita enviando o


som de volta para eles.

“Aqui está o coração, o sorriso, o amor, aqui está o lobo, o anjo, a pomba. Ela
colocou de lado os sonhos e ela colocou os brinquedos, e ela nasceu naquele dia,
no coração de um menino.”

Quando ela abriu os olhos, ele a observava com um prazer reluzente,


cor nas bochechas e respirava com força. Ele se aproximou dela, as
últimas notas girando ao redor deles e a alcançaram, empurrando um
cacho solto atrás de uma orelha. Ela deveria ter se afastado dele, mas
encontrou-se rebitada por ele, tão perto. Então, presente. — Diga-me,
Seraphina. Se não houvesse ninguém - nenhuma irmã ou deus ou deusa
para protegê-lo, nenhum americano, nenhuma aristocracia para assistir
e julgar. O que você faria se eu perseguisse você?

Seus olhos escureceram com suas palavras e ela não podia desviar o
olhar. Quantas vezes ele falou com ela assim? Em poesia líquida e
lânguida? Quantas vezes ela sonhou?

Ele pressionou. — Se te prometesse sol, lua, estrelas? Se eu prometesse


sempre caçar você, você faria vôo? Ou você escolheria ser pega?

Ele estava perto o suficiente para que ela pudesse ceder. Para que ela
pudesse se aproximar e pressionar seus lábios contra os dele. Que ela
poderia dar cautela ao vento e tomar o que ele ofereceu. Que ele poderia
pegá-la.

Mas ele não o faria, não sem o consentimento dela.


— E se pudéssemos voltar, Sera? — O sussurro a destruiu, a dor nas
palavras combinando a dor em seu baú. — E se pudéssemos começar
de novo?
Ela balançou a cabeça. — Você nunca deveria ter me trazido aqui.
Ele deu um passo em direção a ela. Ignorando as palavras. — Você
aceitaria?
Ela engoliu em seco, sabendo que não deveria.
Ele viu a hesitação. Inclinada, a força de vontade sozinha impedindo-o
de beijá-la. Como ele se deteve quando tudo o que queria era se deixar
ir?
Ele parou por ela. — Pegue, anjo.
Uma vez. Esta vez, e então ela acabaria com isso. Passa-o. Deixe-o
encontrar uma nova esposa. Deixe-se perseguir a liberdade.
Mas, essa única vez, ela tomaria o que ele ofereceu. O que ela desejava.
Ela iria tirá-lo da mente para sempre.
Um tempo.
Ela subiu os dedos dos pés, fechando a distância entre eles enquanto
sussurrava - mais respiração do que som - uma única e devastadora
palavra, uma palavra ecoada em seu coração.
— Por favor.
Capítulo 19
: :
Haven Laçado Por Caçadora

Não havia nada de suave sobre a forma como eles se juntaram, nada
silencioso ou tentativo. Eles se estremeceram como se a cúpula ao seu
redor pudesse implodi-los e lavá-los, e se fosse o último momento
deles, por que não deixá-lo ser de poder e paixão e sem
arrependimento?

Por que não ter um único momento em que não havia nada entre eles –
sem conspiração ou raiva ou frustração ou clamando por algo mais –
nada entre eles, exceto o desejo que sempre os consumiu? O prazer que
eles sempre tiveram?

As mãos de Sera estavam instantaneamente no cabelo de Mal,


estendendo-se, puxando-o para ela, seus lábios já se abrindo para ele
quando ele enviou seus pinos de cabelo voando, trazendo o cabelo dela
em torno de seus ombros antes que seus braços a rodeassem,
levantando-a contra ele enquanto ele roubava sua respiração.

Como ela roubou a dele, como ela o reclamou.

Houve um tempo, há muito tempo, quando ela o seguiu, onde ele


liderou. Mas não agora, não quando sonhava com ele há tanto tempo e
mudou tanto. Agora, ela era igual. Cada um conduziu, cada um seguiu.

E foi glorioso.

Suas mãos estavam nos laços de seu corpete, destravando-a mesmo


quando ela se pôs a trabalhar no casaco, deslizando-a sobre seus
ombros. Ele parou em seu trabalho com seu vestido, jogando a roupa
no quarto, mesmo quando ele se recusou a libertá-la de seu beijo. Suas
mãos perseguiram o gramado de sua camisa, divertindo-se com o
músculo duro e quente enquanto ele puxava os cordões de seda que o
impediam.
Depois de um longo momento, ele levantou os lábios dela. Ela abriu os
olhos, intoxicada pelo beijo dele e desesperada por ele tocar de novo.
Era sua vez de implorar. Para sentir seu desejo estremecer-se quando
ele fez.
Com uma maldição perversa, ele agarrou a borda do tecido onde os
laços pareciam fazê-lo atrapalhar, e ele puxou, duro e rápido, tornando
os cordões de seda desnecessários quando o tecido se separou em dois,
colocando-a contra ele.
Outra maldição. Dele. Talvez dela, perdida em seus gemidos enquanto
seu amplo calor lhe pressionava e eles se beijavam novamente, longos
e ásperos e cheios de tudo o que haviam passado anos negando.
E então ele roçou os lábios dela e desceu pela mandíbula, bochecha,
orelha, na sua linha do pescoço, dando-lhe todas as palavras que ela já
sonhou, perversas e maravilhosas. — Eu tenho sofrido por você por
tanto tempo, — ele confessou sua pele, seus lábios tocando nos lugares
secretos para os quais apenas ele tinha tido acesso. — Sempre foi você,
todas as noites, Anjo.
Sua língua saiu, girando um pequeno círculo no lugar onde seu pescoço
encontrou seu ombro, e quando ela ofegou, ele disse — Eu fiquei
acordado todas as noites, visões de você me assombrando até eu não
ter escolha...
Ele parou, os lábios deslizando para baixo em direção ao peito até onde
seus seios se esticavam no topo do espartilho. — Visões de sua pele –
milhas de perfeição - dos seus belos lábios. Dos seus olhos, como o
pecado. De seus seios, — e então ele estava lá, livrando-os de seu
espartilho, deslizando seus lábios sobre sua pele delicada e
desesperada deles, desenhando pequenos círculos provocando em
torno de seus mamilos. — Você costumava adorar quando eu te tocava
aqui, — ele sussurrou, as palavras sujas enviando calor e desejo pesado
correndo através dela.
— Faça, — ela sussurrou.
— Tudo o que quiser, — ele sussurrou, sua língua encontrando a ponta
do seu mamilo. — Tudo o que você desejar, amor.
Amor. O carinho a atravessou, e ela o empurrou, em vez disso,
colocando as mãos em seus cachos incrivelmente macios e mostrando-
o exatamente onde ela o queria. — Eu desejo isso, — ela disse, seus
lábios chegando para pegar seu mamilo em sua boca quente e gloriosa.
Ele estremeceu sob seu toque - ou talvez fosse ela que tremia. Ela se
acalmou até dizer a palavra suja. — Sugue.
Ele fez, dando-lhe tudo o que tinha curtido em suas próprias noites. Em
sua própria escuridão. O prazer a percorreu por seu toque, primeiro
um seio e depois o outro, até que seus joelhos estavam fracos e ele a
pegava, abaixando-a para o chão de azulejos.
Ele fez um rápido trabalho com as cintas de seu espartilho, enquanto
ela tirava a camisa da cintura, suas mãos achavam a pele morna e cheia
de cabelos abaixo, e as lágrimas ameaçavam a sensação dele embaixo
da ponta dos dedos.
Ela tinha esquecido. Tinha sido uma eternidade, e ela o desejava tão
bem, e tão completamente, e ainda assim, ela havia esquecido a
sensação dele. E agora, as memórias retornaram e ela não conseguiu
segurar a glória e a dor e a emoção na baía.
Ela não queria.
Nem ele. — Com que frequência eu sonhei com isso, — ele sussurrou,
puxando sua camisa sobre sua cabeça e enviando para o chão onde seu
casaco já estava deitado, antes de espalhar seu espartilho de largura e
colocar beijos entre seus seios, descendo a pele macia cobrindo suas
costelas, falando ao seu corpo de uma maneira que ele nunca poderia
ter falado com o rosto dela. — Quantas noites eu tomei na mão,
pensando nisso, — ele prosseguiu, as palavras ecoando em torno deles
na cúpula estrelada, o choque de sua verdade incendiando-se. —
Quantos tenho gasto sozinho, envergonhado, desesperado por você?
— Não mais do que eu, — ela sussurrou, imediatamente se
arrependendo da confissão.
Sua cabeça disparou, seus olhos achando o dela na escuridão.
Recusando deixá-la ir. — Você sonhou comigo?
Foi uma noite. Uma noite de verdade. Uma noite para exorcizar o
passado e pavimentar o caminho para um futuro livre de seus
demônios. Sua mão deslizou para seu rosto, à sombra de sua barba em
seu maxilar forte e firme. — Todos os dias.
Seus olhos se fecharam na confissão, como se o golpeasse com um soco
— Sera — ele sussurrou.
— Você me assombra, — disse ela, as palavras desbloqueadas. — Você
me assombrou todos os dias desde que eu sai.
— Eu queria ter, — disse ele. — Gostaria de ter sido criado espírito para
cuidar de você. Cristo, eu sofri por você. Eu sofri por isso.
Ele empurrou seu vestido sobre seus quadris, seguindo com seus beijos,
e ela lembrou as marcas lá, no lugar que antes tinha sido esticado, suave
e ideal. Ela cobriu o inchamento suave e redondo de sua barriga com as
mãos.
Silenciosamente, ele beijou as costas de suas mãos, passando a língua
ao longo de seus dedos, onde ele se escondeu da vista, fazendo cócegas
lá, apenas o suficiente para ela se mover, para ele conseguir acesso
nesse lugar privado e secreto. E então ele disse — Você é tão bonita
aqui, mais do que nunca.
As lágrimas ameaçaram novamente ao lembrar de como ela de alguma
forma pertencia a ele lá, de como ela nunca seria livre dele, onde ela
estava marcada por linhas brancas e enrugadas pelo passado.
Ele parou e ela olhou para ele, encontrando seus olhos, preenchidos
com as mesmas emoções que a consumiam – demais para nomear, ela
estava totalmente dominada por uma intensa compreensão de que ela
nunca tinha pensado encontrar em outra pessoa. Mas, claro, encontrou-
o nele. Sempre foi ele.
Ele ergueu-se sobre ela, braços fortes segurando-a, músculo cordado
em seus ombros, lembrando-lhe de sua força imensa. E ele a beijou de
novo, longa e macia e linda, até que sua respiração foi pega na garganta
e ela estava esfarrapada com agonia e prazer.
Ela levantou as mãos em seu rosto, seu toque suave terminou seu beijo,
empurrando-o de volta para olhar para ele, olhos escuros e cheios de
pecado. — Você é perfeita.
Ela fechou os olhos para a picada das palavras. — Estou
profundamente falho.
Ele ficou quieto e silencioso até abri-los novamente. — Suas falhas são
perfeitas. Um mapa de onde fomos. — Ela prendeu o fôlego por suas
palavras. Como ela queria que fosse verdade. Ele continuou — Eu
sonhei com você aqui. Olhe para cima. Olhe para nós. Veja o quão
bonita você é. Veja como eu adoro você.
O olhar dela passou por seu ombro até o teto abobadado, preto e
brilhante com a imagem deles, quando ele voltou para seu culto – a sua
adoração – o remendo de seus dentes e a seda de sua língua ao longo
desse lugar defeituoso, enviando calor através dela, agonia e prazer,
arrependimento e promessa, as emoções passaram por ela enquanto o
observava no teto abobadado, consumido pelo reflexo, os cabelos
espalhados por ela, seus seios e o corpo nu, uma mão espalhada por
suas costelas, segurando-a enquanto Ele se moveu para baixo, suas
costas largas e musculosas, escondendo o estômago, depois as coxas
dela.
— Você vê, Sera? — Ele perguntou, baixinho e pesaroso. — Você vê
como estamos juntos?
Ela respirou profundamente, o ar estremeceu através dela. Mordeu o
lábio. Suas palavras prometiam tanto – elas a tentariam para sempre.
Mas isso não era para sempre. Esta noite era.
Ele beliscou a pele macia de seu estômago e ele acalmou a mordida com
a língua quando ela ofegou. — Você vê? — Ele repetiu.
— Sim, — ela sussurrou.
Ele se moveu mais baixo, falando com os cabelos escuros que cobriam
o lugar que nunca tinha sido dele. — O que você vê?
— Mal. — A palavra saiu como ela estava implorando. E talvez ela
estivesse. Ela simplesmente não sabia o que estava implorando.
Ele, no entanto, separou as coxas e se instalou entre elas. — O que você
vê, Angel?
— Eu vejo... — Seus dedos chegaram ao seu núcleo, quentes e firmes, e
ela ofegou novamente. — Mal.
Ele parou. — Diga-me.
Ela olhou para o teto. — Entendo... Eu vejo você.
Ele espalhou as dobras suaves de seu sexo, então, como uma
recompensa por sua honestidade. — Sim, — ele disse, a palavra
lambendo como uma chama contra ela. Ela não conseguiu evitar que se
levantasse para ele. — E o que mais?
Desejo combinado, grosso e desesperado. — E eu. — Ele colocou dois
dedos no centro dela, deslizando-os para cima e para baixo em seu sexo,
para cima e para baixo, repetidas vezes, até que ela pensou que poderia
morrer de tanto prazer. Da provocação. Ela se contorceu contra seu
toque, desesperada por ele achar posição – para ficar em um lugar -
para lhe dar o que queria.
O que ela precisava.
— Mal...
Ele tirou a mão. — Diga-me o que você vê.
— Eu já lhe disse, droga.
Ele riu disso, o bastardo. A sensação de que quase a fez implorar. —
Diga-me mais.
— Eu vejo você, — ela disse bruscamente, irritação e desejo em suas
palavras. — Eu vejo você me tocar.
E, como mágica, ele a tocou. Um dedo, circundando aquele magnífico
lugar onde ela estava desesperada por ele. Ela ofegou seu prazer. —
Querido Deus.

O dedo desacelerou, e ela imediatamente falou, desesperada por ele


continuar. — Eu vejo você me tocar, — ela repetiu. — Explorando-me.
Encontrando todos os lugares que eu quero você.

E ele fez, deslizando um dedo para o núcleo quente e úmido dela, a


sensação enviando-a para dentro dele mesmo quando seus olhos se
arregalaram, rebitados para a imagem perversa e desleixada acima.

Foi aí que viu o que estava fazendo. — Merope, — ela suspirou.

Seu grunhido pontuou outro longo e lânguido slide, este com um


segundo dedo, o som profundo e escuro e exigindo que ela diz mais.

— Eu também a vejo, — Sera bastante ofegante. — Você planejou isso.

— Eu fiz, — ele disse, e ele estava tão perto dela, sussurrando as


palavras no lugar que mais precisava dele. — Eu queria você aqui. Tão
linda como ela é.

— Você queria que eu estivesse nua com ela.

— Eu sempre quero você nua, amor.

As palavras enviaram o calor se curvando através dela, reunindo-se


profundamente. — Eu vejo isso, — ela disse, seu olhar deslizando sobre
a ninfa de mosaico, seios curtos como seus, torcendo e girando no
trabalho de azulejos, como se Malcolm as tocasse, em ambas. Como se
trazendo prazer a Sera, ele também agradava a Merope.

Sera acreditava que seus dedos trabalhavam sua magia... que ele
poderia ser suficiente para agradar a uma deusa.

— Mal, — ela sussurrou, incapaz de evitar que ele levante seu toque
enquanto acariciava uma vez, duas vezes, pela terceira vez. Incapaz de
evitar que ela dê mais. De fazer tudo o que ele ofereceu. — Vejo você
me olhar, — ela disse, e ele se acalmou, puxando para trás e olhando
para ela, encontrando seu olhar instantaneamente, esperando que ela
falasse mais.

A emoção do momento era inegável. Seu poder, inconfundível. Ela


poderia pedir-lhe tudo, e ele iria dar a ela. — Vejo você me querer, —
ela sussurrou.

Sem romper o contato com os olhos, pressionou um beijo em cachos


escuros. — Mais do que sempre quis alguma coisa.

Ela entendeu isso – sentiu o mesmo querer percorrer seu próprio corpo,
doendo por ele. Ela inclinou os quadris para ele, e ele ainda esperava,
como se estivesse esperando uma eternidade para ela pedir-lhe para
tocá-la. Para que ela lhe dê permissão para levá-la. Ela sussurrou seu
nome, e ainda assim ele ficou congelado, preso em atenção, esperando
seu comando. — Eu vejo você me beijar, — disse ela, as palavras
chegando mais firmemente do que teria imaginado.

Esse baixo gemido novamente, como se ela tivesse dado a ele o único
que ele queria. E então ele moveu sua mão, espalhando-a de largura,
revelando o coração inchado e cor-de-rosa dela. Ela parou de respirar,
a antecipação era insuportável.

— Me fale novamente, — disse ele. — Eu quero que você tenha certeza.

Seu corpo inteiro ficou tenso nas palavras. Na promessa neles. Com o
significado neles, ele nunca tomaria o que não dera. Que ele a seguisse,
Orion depois de Merope, mas só enquanto desejava ser perseguida. A
realização era como nenhuma liberdade que já conhecera.

Ela não hesitou. — Beije-me.

Ele recompensou-a com sua gloriosa boca, espalhando suas coxas de


largura e levantando-a para ele, seus lábios e língua levando-a com
total certeza e sem hesitação. Ela gritou com a sensação dele, a maneira
como ele descobriu cada curva dela, sua língua explorando enquanto
seus dedos acariciavam e ela se abriu, ampliou-se, ofereceu-se a ele sem
pausa.
Ele pegou sua oferenda, fechando os lábios ao redor de seu lugar mais
sensível e sugou, puxando-a para ele com habilidade magnífica, até que
seu nome ecoou através do espaço enquanto ela cedia ao prazer,
contorcendo-se contra ele, roçando nele, seus dedos deslizando em seus
cabelos para segurá-lo para ela, para mostrar-lhe onde ela mais
precisava dele.
Sua língua girou contra ela, dando-lhe tudo pelo que ela perguntou, e
ela fechou os olhos, quase sem saber das lágrimas que vieram com o
puro e selvagem prazer que ele causou. Todo o seu corpo se curvou e
se contorceu contra ele quando ele entregou sua adoração implacável,
e ela ofegou, uma e outra vez, a emoção que a atravessou até ela se
deitar debaixo dele e chorou com ele, não querendo deixá-lo ir.
Este homem, que ela amara um tanto, que sempre soube como curtir
prazer dela.
Este homem, que deu seu poder além de seu alcance.
E mesmo através de suas lágrimas, ele não parou, círculos lentos
tornando-se mais rápidos, a língua trabalhando contra ela, lambendo e
sugando movimentos exuberantes enquanto ele deslizava as mãos
debaixo dela e a elevou até ele como se ela fosse uma festa. Reduziu
seus esforços. Reivindicou-a.
Ela ofegou quando o sentimento se encolheu para ela, endurecendo-se,
quase com medo do que estava por vir – de como ele poderia possuí-la
se ela deixasse isso vir. Ainda assim, ele persistiu, dando-lhe nenhuma
escolha, adorando no lugar pulsante e magnífico onde mais o queria,
fazendo amor com ela até que ela chorasse seu prazer em seu nome – a
única palavra que ela poderia encontrar a capacidade de dizer.
Ele a segurou quando voltou ao momento, para o magnífico espaço, a
cúpula subaquática que se aproximava deles como o céu. E quando ele
levantou a cabeça, o rosto corado e os belos olhos selvagens, a vontade
afiada e insuportável que ela mantinha, ameaçava consumi-la.
Não. Ela não o quereria.
Ela não poderia tê-lo.

Ela bem sabia disso.

Ela revirou-se debaixo dele, empurrando-o para longe, e ele saiu dela
instantaneamente, soltando-a como se ele tivesse existido apenas para
fazer sua oferta. A realização ameaçou destruí-la, assim como o seu
toque tinha.

Então, Seraphina fez o que pôde, alcançando seu vestido, revirando o


chão com ele agarrado a ela. — Não podemos ir mais longe.

Ele não se moveu de onde se sentou, nu da cintura para cima, com um


braço apoiado em uma perna dobrada, vestido de pele escura e macia.
— Eu não pedi para ir mais longe.

— Mas você deseja.

— Eu sou um homem adulto, Sera, e eu espero por isso – por você – por
anos. Claro que a desejo. — Seu olhar era quente e honesto. — Mas eu
espero por você. Até que esteja pronta.

Ela odiava as palavras. Odiando a maneira que tentavam ela. Do jeito


que eles sussurraram uma promessa que ele entendeu. Claro, ela não
podia. — Eu nunca vou estar pronta.

— Talvez não. Mas talvez você faça. E quando você estiver, eu estarei
aqui. — Ele disse que ele não tinha mais que deixar de morrer aqui, em
sua cova subaquática, esperando que ela vagasse e pedisse que ele
fizesse amor com ela.

E algo sobre isso, sobre a certeza em suas palavras, como se ele a


esperasse para sempre, a perturbava mais do que qualquer outra coisa
poderia. — Esse ato particular nunca nos serviu bem, — disse ela
calmamente. — Ou você não se lembra? — Ela odiava as palavras,
detestando que ela deu voz - mesmo de maneira vaga e pequena - ao
passado. Para a criança que não tinham planejado. Que ele não queria.
E para todos os outros, que eles nunca teriam.
Ela ficou parada, desnuda e revelada para permanecer quieta, e virou
as costas para ele, puxando seu vestido sobre sua cabeça e arruinando
as duas metades de seu corpete em uma tentativa infrutífera de apagar
a última hora de sua vida.
— Pegue isso.
Ela quase saltou de sua pele. Ele estava atrás dela, perto o suficiente
para tocar, segurando o casaco dela, como se tudo fosse perfeitamente
normal. Ela pegou o casaco e ficou calma enquanto o puxava, nos
ombros. Ela atravessou o tecido sobre o peito, e os braços sobre isso,
como armadura. Ele recuou, as mãos esticadas, como para mostrar a ela
que ele estava desarmado. Claro, não era verdade.
Eles sempre foram armados um com o outro.
— Eu lembro, Sera, — ele disse, e as palavras também pareciam
arrancadas dele, impossivelmente. Ela ainda podia ouvir seu voto de
nunca ter um filho. Ela ainda podia sentir a picada agora, anos depois,
e a dor depois de descobrir que ele teria um, no entanto.
Assim como ela ainda podia sentir a calma felicidade que a consumira
quando soube que nunca estaria sozinha, mesmo que nunca o tivesse
feito.
E então, a devastação quando percebeu que só era tudo o que jamais
seria.
— Deixe-me ir, — ela sussurrou, as palavras esfarrapadas, dispararam
com medo de resistir a elas. Para que ele pudesse tentar mantê-la lá.
Para que ela pudesse escolher ficar.
Ele deu outro passo para trás. E outro, até que o caminho para a saída
fosse claro para ela. — Você é livre, — disse ele.
— Nós não somos livres de nós mesmos, — disse ela. — Mas nós
podemos ser.
Mentira.
Ele a observou, imutável, o seu lindo e amplo peito de ouro na luz do
fogo, o rosto todo luz e sombras. E então ele jogou sua arma. — Eu
nunca pedi para ser.
Seu objetivo era verdadeiro, felizmente, empurrando tristeza dela e
enchendo-a de raiva, lembrando-a de seus planos. Do Sparrow. Do seu
futuro. Sem ele. Sem o passado. Sem as lembranças de que não podia
escapar aqui.
— Que mentira é tudo isso. — Ela estreitou seu olhar sobre ele e deixou
sua raiva voar. — Foi você quem nos destruiu, Duque. Não eu.
Antes que ele pudesse responder, ela escapou.

Capítulo 20
: :
Surpresa Chocante de Haven Enganado

Três anos antes


Londres

Ele a sentiu antes de vê-la.


Ele deveria ter esperado que a Condessa de Liverpool os convidasse
para a famosa festa de verão. Deveria ter assumido que as Irmãs
Perigosas seriam bem-vindas na festa de jardim louca da mulher com
sua decoração temática da China e a anfitriã ela mesma vestida como
um dos peixes em seu famoso lago de peixinhos. Lady Liverpool nunca
se esquivou do dramático, e as irmãs Talbot não eram nada, senão
dramáticas.
Não Sera.
Ele não se virou para encará-la, sabendo que todo o mundo assistiu e
sussurrou embaixo de rimas rígidas e atrás de leques vibrantes. Em vez
disso, ele resistiu ao impulso de puxar sua gravata, muito apertada em
seu pescoço na brisa quente e úmida de verão, sabendo que ele era o
foco de atenção como era.

Hoodwinked Haven capturado por uma filha perigosa, ele era o riso
dos tabloides de fofocas, era um exemplo para o resto dos homens
elegíveis da tonelada. Nunca seja cegado pela beleza.

Deus sabia que ele estava cego. Como o maldito Orion. E condenado.

Passaram-se mais de dois meses desde que a viu, deixando-a,


sumariamente, apenas poucos minutos, após seu casamento e se jogou
no seu trabalho, fazendo tudo o que pôde para esquecer o fato de ter
uma mulher.

Uma esposa cuja proximidade quebrou sua calma, e quem ele sabia que
ele iria encontrar mais bonita do que nunca, se ele se virasse para
encará-la.

Covarde.

O pensamento o estimulou a agir e, acentuando suas emoções, ele se


virou, seu olhar a encontrando, imediatamente, como sempre. Ela
estava a vários metros de distância, em um vestido vermelho ornado
com fios de ouro. Suas irmãs se reuniram em torno dela como um
escudo protetor. Claro que ela estava de vermelho. Não havia nada no
mundo mais desejável que Seraphina Talbot - não, Seraphina
Bevingstoke, Duquesa de Haven, sua esposa, sua duquesa - em
vermelho.

Não importava que ele daria nada para não desejá-la.

Ele venderia sua alma maldita para esquecê-la.

E então, as galinhas balbuciando sobre ela se separaram, e ele viu o


vestido completo, perseguindo as linhas de seus seios e quadris, caindo
em ondas exuberantes para a grama verde abaixo. Ele passou o olhar
por ela, respirando-a, uma brisa fresca no dia de verão. E foi quando
veio o golpe, perverso e inesperado.

Ela estava com criança.

Ela estava com criança, e ela não tinha dito a ele.

As emoções que o atravessavam eram miríades. Descrença. Prazer.


Esperança. E fúria. Uma raiva afiada e inflexível que ela mais uma vez
escondeu a verdade dele.

Ele deveria ser um pai. Ele deveria ter um filho.

E ela o escondeu, como pena por pecados passados.

Ele acariciou seu semblante, recusando-se a mostrar-lhe como a


verdade o consumia. Como atingiu como um golpe. Um castigo
devastador. E então ele virou o calcanhar e foi encontrar uma maneira
de puni-la também.

Setembro de 1836

Na manhã seguinte, Malcolm recebeu a palavra de sua esposa


casamenteira de que ele iria montar com Lady Lilith e Lady Felicity
Faircloth. Sem dúvida, Seraphina pensou que era hora de conhecer as
duas candidatas restantes para a futura Duquesa de Haven – como Miss
Mary tinha partido para os calorosos braços de Gerald, e a aversão de
Lady Emily era muito esmagadora.

Não que ele tivesse a intenção de casar com nenhuma daquelas


mulheres. Na verdade, o aviso de sua esposa, superficial e sem a menor
referência à noite anterior, o fez imediatamente considerar atacar a sala
de café da manhã e despedir sumariamente todos os hospedes da casa,
finalmente descartando o estúpido plano que ele inventou para manter
Seraphina à mão enquanto ele a cortejava mais uma vez.

Ele terminou com esquemas. Ele estava pronto para que sua esposa
voltasse. Ele estava pronto para conquistá-la com seriedade. E isso
exigia estar sozinho com ela, droga. Ele precisava de tempo e espaço e
honestidade para fazê-la acreditar nele. Para fazê-la acreditar neles.

Essas mulheres estavam simplesmente no caminho. Não havia dúvida


de que, do quarteto original de fêmeas não casadas que ele convocara
para convencê-la, que ele estava interessado em outra esposa, Lady
Lilith e Lady Felicity eram mais adequadas para ele. Lilith era
inteligente e chata, com paixão pela viagem, e Felicity tinha um cérebro
na cabeça e tornaria qualquer aristocrata inteligente um companheiro
decente. Mas Haven não queria uma companheira decente. Ele queria
a esposa dele. A mulher que ele quis desde o momento em que a
conheceu naquela varanda há uma vida atrás. E isso era simplesmente
como era.

E, no entanto, ele não podia se livrar delas – não sem que ele tornasse
claro que todo o artifício tinha sido exatamente isso, um ardil
desagradável que irritaria a metade da aristocracia de Londres e
incorreria na ira da esposa no equilíbrio quando percebesse as
intenções por trás disso, ou falta dela, já que ele não tinha a intenção de
lhe dar o divórcio que tanto desejava publicamente.

Um divórcio que ela logo veria que não queria, se ele pudesse lhe
provar que seu passado não tinha nada a ver com seu futuro.

E assim, a única coisa que ele poderia fazer quando ele recebeu a nota
de Seraphina sobre suas companheiras para o passeio da manhã, foi
insistir que ela atuasse como acompanhante.

Ele pensou por um momento que ela não concordaria. Na verdade, ele
esperava ter que ir buscá-la – uma eventualidade que teve seu coração
correndo com prazer antecipado - o que provavelmente era por que ela
não discutiu com sua insistência.

Quando ela saiu da casa senhorial às cinco para as onze, vestida com
um belo traje de montar berinjela, o chapéu perfeitamente colocado em
sua cabeça e - Senhor, salve-o - chicote na mão, ele perdeu a respiração
pelo retrato que ela fazia, forte e poderosa, como se a noite anterior não
tivesse acontecido, ou, antes, como se a noite anterior a impregnasse
com mais propósito.

Ele podia ver a determinação em seu lindo olhar azul, e ele


imediatamente percebeu esse propósito; ela queria que ele fosse
compatível. E assim por diante.

Ele resistiu ao desejo de rir do plano infrutífero.

E então a risada desapareceu, porque seu trio de companheiras


chegaram, apesar de não serem convidadas. Claro. Seraphina veio
armada até os dentes, com seu batalhão privado de mulheres
guerreiras. Menos uma, porque Sophie, a marquesa de Eversley, estava
aumentando e, portanto, não montava.

Graças a Deus por pequenos favores.

Ele se recusou a mostrar sua frustração, em vez disso, virando as costas


para o lado de irmãs, mudando-se para ajudar a primeira Lady Lilith e
Lady Felicity em suas selas. Nem parecia exigir a sua assistência, as
duas eram claramente excelentes amazonas, e ocorreu-lhe que ele
poderia ter um dia agradável com elas.

Em vez disso, ele temia o que estava por vir.

Depois de assistir suas convidadas, ele se virou para ajudar sua esposa,
que, claro – já encontrou seu assento. Ele não perdeu o fato de que ela
tinha escolhido uma das suas mais prezadas éguas – uma montaria que
ele tinha selado especificamente para ela.

Ele olhou para ela, com os dedos picantes para tocá-la, deslizar-se sob
a bainha de seu traje e encontrar a pele macia acima de suas botas de
equitação. — Seu cão de guarda americano não se junta a você hoje?

Ela ergueu uma sobrancelha e deu uma olhada. — Sr. Calhoun voltou
para Londres definitivamente, — disse ela. — Eu só posso assumir que
ele fez isso por sua insistência.
Surpresa, seguida de um rápido alívio, que o protetor de sua esposa
havia desaparecido. — De fato, não tive nada a ver com isso, embora
Deus sabe que eu sou muito grato por isso.

— Maldito covarde, — interveio Sesily, e todos se viraram para encará-


la. — O que? Ele é.

Haven ignorou sua cunhada louca e se dirigiu para o cavalo, sentando-


se. — Nós estamos indo para a loucura oriental.

— Não é isso que as pessoas chamam de seu casamento, Sera? — Disse


uma de suas irmãs secamente, sorriso silenciosamente em seguindo a
pergunta.

Sera respondeu secamente — Não se preocupe, minhas senhoras –


Haven certamente vai preferir um casamento com uma de vocês do que
ele tinha comigo, e eu imagino que ele será realmente um bom marido.

Os dentes de Malcolm apertaram com as palavras que vieram tanta


facilmente quando ontem à noite ele se desnudou e ela se derreteu em
seus braços. Em frustração, ele empurrou seu cavalo para a frente, o
grupo ficando para trás, o suficiente para que ele evitasse ouvi-los. Ele
levaria as mulheres para o seu passeio, as devolveriam e, em seguida,
encontraria uma maneira de tirar as garotas daqui.

Depois de uma meia hora de equitação, ele desacelerou na grande


loucura de pedra na lateral do Extremo Oriente da propriedade - uma
torre medieval que havia sido construída várias gerações antes.
Desmontando, ele se moveu para ajudar as senhoras de seus
respectivos cavalos. Não Sera, no entanto. Sera desmontou por conta
própria, afastando-se rapidamente do grupo, puxando suas irmãs com
ela como se elas estivessem atadas em cordas.

Deixando-o sozinho com Lady Lilith e Lady Felicity, ambas com uma
cor bonita nas suas faces, o resultado do passeio. Ocorreu que elas
poderiam ser consideradas bonitas se ele se importasse de notar, o que
ele não fez. Ele estava muito ocupado observando sua esposa.
No entanto, ele não era um monstro, nem estava interessado em
navegar pelo comando de suas cunhadas e, portanto, ele guiou as
outras jovens para a entrada da torre, indicando que elas deveriam
entrar. Quando o fizeram, ele apontou para a escada de pedra sinuosa
que levava a torre. — Há uma visão notável de toda a propriedade na
parte superior, se não se importarem com a subida.

Lady Lilith já estava subindo os degraus, e Lady Felicity seguiu


rapidamente, Haven atrás. Quando chegaram ao topo da torre, saindo
à luz do sol, ambas se dirigiram imediatamente para que os parapeitos
de pedra se inclinando e examinando a terra que se estendia em milhas
em todas as direções.

Haven tomou a extremidade da torre, olhando para direção onde se


encontravam Sera e suas irmãs abaixo, concentradas em profundas
conversas. Ele ficou de pé, observando-as, desejando que ele pudesse
ouvir suas palavras enquanto suas acompanhantes narraram a visão,
em grande parte uma para a outra.

— Oh, isso é lindo, — disse Lady Felicity depois de um longo suspiro.

— O melhor pedaço de toda a festa da casa, você não acha? — Lilith


respondeu, excitação em sua voz.

— Foi construído na década de 1750, — ele interveio, dizendo a si


mesmo que, se ele estava participando da conversa das meninas, ele
não estaria se comportando como um menino atingido pelas atitudes
de sua esposa, que estava a três andar abaixo. — Um presente do meu
bisavô para a mulher que ele amava.

Lilith virou. — Não é sua bisavó, estou adivinhando?

Ele sorriu sem humor para isso. — Não.

Os duques de Haven não se casaram por amor.

Não até ele.

E, mesmo assim, ele o estragou.


As senhoras voltaram a olhar para a propriedade. — Há uma casa da
viúva! Você sabia que havia uma casa secundária?
— Eu não sabia! E olhe para o lago. É lindo. — Uma pausa. — Deus,
isso é uma estátua no centro? Que curioso! Simplesmente subindo da
água! É Orion, sua graça? — Felicity Faircloth olhou para ele por uma
resposta.
Malcolm ignorou a decepção por essas mulheres terem descoberto a
estátua que marcava o salão subaquático antes de Sera ter feito isso. Seu
olhar seguiu sua esposa muito abaixo, e ele respondeu à pergunta. — É
sim.
Se eu jurasse sempre caçá-la, você tomaria o vôo?
Ela tomou vôo na noite passada e fez isso ainda, muito abaixo, com a
terra, parecendo poder fazê-lo seriamente a qualquer momento –
transformar-se em uma pomba e deixá-lo para sempre.
E se ela não quisesse ele? E se ele nunca pudesse tê-la?
Ele odiava as perguntas que acompanhavam a dura memória da noite
anterior, quando ela se demorou no passado, invocando sem palavras
a criança que perderam. A história que eles nunca conseguiram fazer.
No entanto, eles poderiam fazer um futuro. Ele acreditava.
Eles teriam uma chance, eles não teriam?
Por favor, deixe-nos ter uma chance.
Ela olhou para cima, então, como se tivesse ouvido o pensamento tácito
de três andares abaixo. Ele encontrou seu olhar e segurou, não
querendo deixá-la ir.
Ela desviou o olhar.
Lady Felicity apontou para uma mansão à distância. — E o que há por
ai?
Ele olhou para cima de sua esposa e seguiu sua linha de visão. — É o
assento do duque de Montcliff.
Felicity assentiu. — Eu nunca gostei desse homem.
Suas sobrancelhas se levantaram em sua franca avaliação de seu
vizinho recluso. — Não, nem muitos fazem.
— Muitas pessoas também não gostam de você, — disse Lilith.
As palavras honestas o assustaram, e ele se virou para encarar as
meninas - Lilith, com um sorriso sábio em seus lábios, e Felicity, de
olhos arregalados no que só poderia ser descrito como um choque
alegre. Ele deixou o silêncio reinar por um momento antes de
mergulhar a cabeça. — Isso, também, é verdadeiro.
— Por quê? — Felicity perguntou.
— Vocês duas estão juntas? — Eles olharam um para o outro e
compartilharam um sorriso, e Haven decidiu que ele gostava delas. —
É este o ponto em que eu sou julgado?
— É uma pergunta justa, você não acha? — Apontou Lilith. — Devemos
saber exatamente o tipo de peixe que estamos comprando.
— Se desejarmos ter peixes.
Ignorando a metáfora estranha, Haven abriu as mãos. — Por todos os
meios, então. Pergunte.
Ele nunca tinha visto tanta alegria. Lady Lilith realmente esfregou as
mãos.
Felicity levantou-se para sentar-se no baixo muro de pedra, no espaço
entre os parapeitos, então se inclinou para frente com os cotovelos nas
coxas, postura ao vento, como se eles tivessem sido amigos durante
toda a vida. — Eles dizem que você é um marido terrível.
Ele levantou o queixo na afirmação chocante.
— Bom Deus, Felicity, — disse Lilith, baixo e cheio de maravilhas. —
Sua mãe pereceria no local se ela soubesse isso.
— Minha mãe não precisa se casar com ele, — disse Felicity, não
desviando o olhar de Malcolm.
— Parece que estamos pulando diretamente, — disse Lilith, secamente.

Ninguém diria que Felicity Faircloth não era uma oponente digna. Ele
se recostou contra o parapeito e confessou, as palavras chegando
chocantemente fáceis. — Não fui o melhor dos maridos.

— Eles dizem que você é infiel. — Seus lábios se abaixaram em uma


linha longa e fina, mas ele não assustou essa jovem e valente mulher.
Em vez disso, Felicity Faircloth continuou. — E é por isso que Lady
Eversley te derrubou em um lago de peixinho.

— Eles estão corretos. — O nariz de Lilith enrugou, e ele não podia


culpá-la. — Foi uma única vez. Acabei de descobrir aquele dia que
Sera... — Ele parou. Não era do seu jeito. — Eu estava com raiva. Nunca
mais fiz isso.

Eles ficaram em silêncio por muito tempo, e Lilith disse — Você sabe,
acho que eu acredito nele.

Felicity assentiu. — Como eu, estranhamente.

Milagroso. Agora, se pudessem convencer Seraphina a fazer o mesmo.

Felicity pressionou. — Devo contar o que eu gosto da sua esposa?

Ele não precisava ouvir uma lista das qualidades de Sera. Ele os
conhecia bem. Ele os listou mais de uma vez. Mais de mil vezes. E
ainda, ele queria ouvi-las. Ele queria falar dela com outra pessoa, como
se a invocação aqui pudesse convocá-la. — Eu não imagino que eu
poderia te impedir, minha senhora.

Ela sorriu. — Isso provavelmente é verdade. Eu sou terrível em manter


a calma. É por isso que minha mãe estava tão emocionada em receber
seu convite. Você é sua última grande esperança.

— Não tenho interesse em ser mimado, — disse ele. — Os duques


ganham muito disso.

Felicity assentiu. — Muito bem, eu vou te dizer. Eu gosto que Seraphina


sabe o que ela quer. E eu gosto que não tenha medo de perseguir para
obtê-lo. Mesmo quando definitivamente não está pronto. — O divórcio
era aquele. Ele assentiu. — Ela sempre foi assim.
— As mulheres nem sempre são capazes de ter o que queremos, —
disse ela, e havia uma qualidade melancólica em seu tom. — Muitas
vezes somos julgadas por buscar.
As palavras o fizeram passar por ele. Ele tinha feito isso. Ele a puniu
por perseguição. E, finalmente, ele a puniu por se recusar a persegui-
lo.
— Ela perseguiu você? — Lilith, desta vez.
— Ela fez, — ele disse, odiando o punho que o apunhalou essas
palavras. Do jeito que torceu em seu intestino.
— Eles dizem que ela o pegou desatento. Hoodwinked Haven e tudo
isso.
Essas mulheres careciam de medo, e Haven não podia deixar de
admirar isso. — Isso é o que eles dizem.
— Mas não poderia ter sido pelo título, — afirmou Felicity. — Por outro
lado, por que fugir? Por que não ficar e exibir isso?
Quantas vezes ele tinha feito a mesma pergunta?
— Por toda aquela busca, ela não parece gostar muito de você, Sua
Graça, — acrescentou Lilith.
— Não, ela não gosta, — disse ele. Isso ficou claro para todos.
— Eu gosto disso sobre ela, — disse Felicity calmamente. — Eu gosto
disso quando ficou claro que você não a queria, ela não ficou.
Exceto que ele a queria.
Ele ainda a queria.
Não que ele nunca tivesse falado com ela. Em vez disso, ele a tinha
envergonhado por sua paixão. Por ficar sozinho. Para alcançar o que
queria. Ele a impediu. De ambos.
— Eu gosto que ela conheça a si mesma. Que ela acredita em si mesma.
Que ela não se permitiu ser menor do que ela merecia, — acrescentou
Felicity. — Eu gostaria de ser mais como ela do que não.
— Então talvez você não devesse se casar com o Duque de Haven, —
disse Lilith, secamente. — A história sugeriria que ele não é o homem
mais atento quando se trata de ajudar sua esposa a alcançar seus
objetivos.
As palavras não eram para ele. E ainda ardiam como urtigas. — Mmm,
— disse Felicity, pensativa. — Eu acho que esse poderia ser o caso.
Cristo. Por que levou duas mulheres solteiras para ensinar-lhe o que ele
deveria ter visto anos atrás?
— E isso foi antes do outro problema, — Lilith continuou, retornando
Mal ao momento.
— Qual outro problema? — Ele perguntou, a questão mais contundente
do que ele planejou.
As mulheres continuaram, como se ele não estivesse lá. Como se
estivessem ainda discutindo a propriedade. Ou o clima. E não suas
falhas pessoais. — Oh, certamente, essa parte é clara como cristal.
— Que parte? — Ele exigiu.
Lilith se virou para ele, considerando-o por um longo momento. —
Como esse cenário inteiro é incomum ao extremo, Sua Graça, eu me
pergunto se você pode se encontrar disposto a responder uma pergunta
bastante inapropriada?
Ele não conseguiu evitar o choque que jogou em seu rosto. — Mais
inapropriado que o resto dessa conversa?
Ambas as senhoras riram, e Lilith sorriu. — Provavelmente não, de fato.
— Ele esperou que ela encontrasse as palavras apropriadas. — Você
deseja uma nova esposa?
E lá estava, sua saída desse debate. — Eu não desejo, de fato.
Ela assentiu e olhou para Felicity. — Bem, é isso, então.
— Na verdade. — Felicity saltou de seu assento no parapeito. — Muito
obrigado, sua graça. Esta é uma loucura encantadora. A melhor que eu
já vi.
— E a propriedade, — Lilith saltou para adicionar, educadamente. —
Essa estátua de Orion no lago é particularmente bonita.
Confusão incendiada, e nem um pouco de esperança. Todas as
mulheres eram tão perturbadoras? Ou era específico para as mulheres
com quem ele entrou em contato?
— Você está indo embora? — Ele perguntou, bastante ansioso.
— Nós estamos, — disse Felicity, mergulhando uma rápida reviravolta.
— Eu tenho certeza que você entende.
— Eu não, de fato, — ele apontou. — Nunca na minha vida conheci
mulheres tão dispostas a falar tal verdade.
Lilith sorriu. — Talvez você deva conhecer mais mulheres. Não somos
tão incomuns.
— Certamente, não aqui. Há outras cinco mulheres nesta propriedade
que também não parecem ter problemas para lhe falar a verdade Sua
Graça, — disse Felicity. — E isso não inclui a senhorita Mary Mayhew,
que falou tal verdade e acabou com ela indo encontrar seu Gerald.
Lilith sorriu. — Eu me pergunto que tipo de homem Gerald é?
E assim, ele foi esquecido, as duas deixando a conversa feliz, saias
esfregando suavemente contra o chão de pedra enquanto eles seguiam
para a escada. — Espere, — ele chamou, toda a tarde parecendo escapar
dele.
Elas se viraram. — Não precisa se preocupar, Sua Graça, — disse Lilith.
— Devemos nos ver lá fora. Você fica aqui e faz o que quer que seja que
um homem faz quando eles não são obrigados a jogar de pretendente
disposto.
— Você não me disse o outro problema. — Elas voltaram para trás,
curiosos sorrisos gêmeos em seus rostos muito diferentes. Ele
esclareceu. — O que é claro como cristal.
— Ah, — disse Lilith.
— Hmm, — acrescentou Felicity.
— Senhoras. — A palavra ficou mais ameaçadora do que pretendia. —
Eu imagino que é algo como o fato de ser um marido terrível?
— Você sabe, eu não tenho certeza de que você seria um marido
terrível, — disse Lilith pensativo.
— Ah não. Ele não deve ser, — Felicity correu para responder. — Quero
dizer, não assim que ele descobre o quanto ele a ama.
Ele poderia estar envergonhado. Ele poderia ter sido defensivo. Mas,
em vez disso, as palavras de Felicity, cheias de verdade, o aliviaram.
Finalmente, ele pensou. Finalmente, alguém viu isso. Alguém que
acreditou nisso. Dois outros. Dois outros, que ouviram quando disse —
Eu sei o quanto eu a amo. Eu sabia disso há anos.
Elas se olharam, então para ele, o juízo de julgamento. Elas achavam
que ele era um imbecil. — Você deveria dizer a ela, então.
A frustração acendeu. Elas acreditavam honestamente que ele não
queria fazer exatamente isso? Elas acreditavam que era tão simples?
Um raio de cor veio atrás delas, uma berinjela profunda e rica.
Sera.
Maldita, ele faria isso agora se achasse que isso mudaria as coisas.
Ele se acalmou. Isso mudaria as coisas?
Seu coração começou a bater enquanto atravessava a porta, o interesse
em seus olhos e a curiosidade em seu rosto. — Esta é uma loucura
encantadora, — disse ela.
Ele faria isso agora. Aqui, neste lugar que seu antepassado havia
construído para uma mulher amada além da razão. Ele faria isso diante
dessas mulheres e terminaria esse esquema idiota. Se ele não se tivesse
dito esta manhã que ele passou por esquemas?
Consciência, prazer, excitação e desejo puxavam as palavras dele, como
se ele fosse um estudante muito ansioso. — Eu devo fazê-lo agora.
Ele não viu a surpresa instantânea e clara dúvida nos olhos de Lilith e
Felicity. Ele estava muito ocupado olhando para sua esposa, que
atravessou a entrada da porta, na conversa, um retrato de interesse.
Ele não viu Lilith sacudir a cabeça.
Ele não viu Felicity abrir a boca para falar ou ver o caminho em que sua
sobrancelha franziu quando Sera perguntou — Você fará o quê?
Se ele tivesse visto algo disso, ele pode não ter dito o que ele disse na
frente do que imediatamente parecia todo o mundo.
Ele talvez não a tivesse olhado nos olhos e dito, sem pensar no que
poderia acontecer, como se fosse a coisa mais comum do mundo —
Dizer-lhe que eu amo você.

Capítulo 21
: :
Corrija o Seu Namoro: Lições de Amor
De Senhoras Legítimas

Para ser justo, ele percebeu imediatamente que cometeu um erro.


E, surpreendentemente, não foi quando sua esposa virou a cauda e
desceu as escadas de onde ela veio.
Nem foi quando Lady Lilith soltou um pouco — Oh, não.
Nem ele admitiu quando Lady Felicity Faircloth foi bastante franco, —
Bem. Isso foi mal feito.

Ele percebeu que ele cometeu um erro no momento em que ele se ouviu
falar as palavras – tão desconhecido – e descobriu que ele nunca tinha
falado antes. Claro, ele os disse mil vezes na cabeça dele. Na escuridão,
ele ansiava por ela tarde da noite.

Mas nunca em sua cara.

E agora, enquanto ele a seguia pelas pastagens orientais de Highley, ele


se arrependeu de dizer-lhes na frente de Lilith e Felicity, a pé de Sesily,
a quem Sera quase caíra da escada enquanto passava, e Seleste, que se
pressionava para na parede do piso térreo da torre, enquanto Haven
rasgava depois de sua esposa. E de Seline, cujo alto, — Oi! Haven, o que
você fez de errado agora? — Foi pontuado pelo salto de Sera para a sela,
antes de dar ao cavalo um — Hyah! — Poderoso e deixar a besta
controlar.

— Maldita, Sera, — Malcolm a chamou. — Espere!

Claro, ela não parou, e ele estava indo para seu próprio cavalo, quase
lá quando um objeto pesado o pegou diretamente entre os ombros. Ele
se virou para encarar sua cunhada, que estava endireitando, testando o
peso de outro projétil.

— O que diabos? Você apenas me lançou uma rocha?

Seline parecia estar calculando a distância entre eles. — Eu não sei se


eu usaria a palavra rocha.

— Pedra, mais parecido! — Sesily Talbot chamou do topo da torre, onde


três cabeças de boa aparência atravessavam o parapeito.

— Apenas um cascalho. — Seleste apareceu na entrada da torre, com


as mãos nos quadris, pronta para lutar como uma maldita Amazônia.

Ele balançou a cabeça para a cunhada que estava armada. — Você


percebe que jogar pedras é inseguro.
Seline jogou sua pedra atual no ar e pegou. — Não para mim, — disse
ela. — Eu tenho um bom braço.

Ele balançou a cabeça. — Você está brava.

— Não, sou leal. O que é uma coisa que você nunca foi.

Uma recusa instintiva pegou sua garganta enquanto a Condessa Clare


chamava de seu lugar, — E amém com isso! Acerte-o na cabeça desta
vez!

Por um momento, ele se perguntou se Seline poderia realmente fazê-lo.


Ele abriu as mãos. — Você está agitada. E eu vou atrás de sua irmã.

— Ainda não, você não está saindo. — Seleste apareceu ao lado de sua
irmã armada. — Parece-me que você a deixou muito infeliz. Infeliz o
suficiente para que ela não deseje vê-lo.

— Ele disse para ela que ele a amava! — Anunciou Sesily de seu lugar
muito acima, no mesmo tom que poderia usar se alguém estivesse
discutindo encontrar um rato em um dreno em algum lugar da
propriedade.

Todas as outras mulheres fizeram uma careta. — Você merece outra


pedra por isso, — ressaltou Seline. — E mais quatro para as jovens que
você tem dançado quando você tentou torcer nossa irmã de volta.

— Não é problema, Duque! — Lady Lilith chamou.

— É claro que é um problema! Você está apenas no mercado há tanto


tempo! — Disse Sesily. — E agora vocês duas foram enganadas por
Haven.

— O que não é exatamente o pior do mundo, — ressaltou Seleste. —


Como ele é terrível.

— E prestes a pegar uma pedra na cabeça, — acrescentou Seline.

Malcolm apertou os dentes. — Eu amo sua irmã, — disse ele. — Talvez


eu não devesse ter dito isso, embora Deus soubesse por que não, porque
é a verdade. E eu sou condenado, se eu vou deixar que as megeras me
impeçam de dizer a ela corretamente.

— Ha! Você percebe que isso significa que eu ganho, você não vê? —
Sesily cantou de onde ela se inclinou sobre a parede da torre. Ocorreu
a Mal que talvez ela estivesse inclinada demais sobre a parede da torre,
de fato, mas achou que não conseguia achar a energia nem a inclinação
para dizer a ela que fosse cuidadosa.

— Nós sabemos, Sesily.

— Dez libras cada uma! — Ela chamou. — Sophie ficará lívida.

— Havia uma aposta? — Felicity perguntou.

— Claro! Sempre há apostas. Você deve nos ver na temporada! — Sesily


fez uma pausa, depois se virou para Lilith e Felicity. — Você deve nos
ver na temporada, em breve! Nosso livro de apostas rivaliza com o
White's! E é muito mais interessante.

— Estou feliz que todos vocês estão fazendo amizade e fundos


enquanto me impedem de estar com minha esposa, mas acabo com isso
agora. — Ele olhou para Seline. — Eu confio que você não me deixará
inconsciente no meu caminho para buscar sua irmã.

— Eu não devo, — Seline permitiu, — porque se você usar a palavra


buscar com ela, Duque, ela vai te deixar inconsciente, ela mesma. Ela
não quer você, não importa o quanto ela tenha ganhado. — As palavras
de Seleste eram legais e sem emoção, e perturbadoras com a forma
como eles choveram a verdade ao redor deles. — Você arruinou tudo
há anos atrás, quando se recusou a reconhecer que ela existia além de
você.

Ele acalmou isso. — Eu nunca recusei isso.

— Oh? — Chamou Sesily de muito acima. — Nós devemos ter perdido


todas as vezes que você veio ao almoço e ao chá.

— E o tempo que você pediu ao nosso pai por sua mão, — disse Seleste.
— E as vezes que você fez seu namoro público, — acrescentou Sesily.
— E aqui estávamos, pensando que você estava com vergonha do seu
brinquedo.

O sangue rugiu em seus ouvidos. — Ela nunca foi meu brinquedo. —


Mas as palavras de Sera ecoaram por ele. “Você não me quer, mas você
também não quer que mais alguém me tenha. Você nunca me terá.”

Cristo. O que ele fez?

Ele olhou para as irmãs de sua esposa. — Eu só a amei.

— Mas nem toda ela, — disse Seleste.

— Não é suficiente, — acrescentou Seline.

Em outra vida, Malcolm teria argumentado esse ponto. Ele teria


deixado sua raiva e sua frustração obter o melhor dele. Em vez disso,
naquele momento, ele olhou de uma de suas irmãs para a próxima, e a
seguir, e depois disse com firmeza — Eu a amo. Toda ela. Duquesa ou
Pomba. Com ou sem vocês megeras.

Seline observou-o por um incômodo período de tempo antes de jogar a


pedra no chão. — Por todos os meios, então. Vá convencê-la.

Malcolm não perdeu o significado nas palavras, a clara descrença de


que ele conseguiria convencer sua esposa de qualquer tipo.

E ainda assim, ele tomou a sela e seguiu-a a uma velocidade


vertiginosa, seu coração correndo quando ele percebeu a direção em
que ela se dirigia, desesperada por chegar até ela antes de descobrir...

Ela estava fora de seu cavalo e se dirigiu para o pequeno círculo de


árvores que marcava o centro da borda do norte da propriedade, e ele
estava gritando seu nome no vento, dirigindo sua própria frente para a
frente enquanto ela o encarava, os ombros endireitados, a alça da
coluna vertebral. Ela se acalmou, esperando por ele, a brisa do verão
tirando as saias de um longo movimento lânguido, enquanto ela
permanecia congelada na grama verdejante.
Seu cavalo trovejou em direção a ela, e ela não se moveu,
permanecendo em perfeita pausa, como se mil libras de carne de cavalo
não estivessem sobre ela. O medo o atravessou enquanto ele empurrava
as rédeas, o cavalo parando a poucos metros dela como se ela tivesse
ficado com a mera força de vontade.
Ele desceu da sela antes que o cavalo parasse, não se importando com
o chapéu derrubado de sua cabeça e ele fechou a distância entre eles,
querendo alcançá-la e tocá-la e, caramba, amá-la. Ele era um cão de caça
atrás de uma raposa, e ele totalmente esperava que ela fosse ao chão.
Exceto que não. Em vez disso, ela o deixou vir por ela. E ocorreu que
ele poderia, de fato, ser a raposa. Porque quando ele a alcançou, seus
dedos alcançando ela, curvando a parte de trás de sua cabeça, inclinou
o rosto para o dele, atingindo a mão dele. Seus dedos se curvaram. E,
Deus do céu, seus lábios estavam sobre os dela e... era dele – respiração,
toque, beijo longo e glorioso.
Ele não conseguiu detê-la, nem mesmo quando sabia que deveria.
Porque ele deveria. Porque este não era nem o tempo nem o lugar para
beijá-la, não quando ela fugiu dele e ele correu para ela e eles não
precisavam de nada além de falar.
Era hora de que tivessem isso.
Ela se afastou, apenas o suficiente para sussurrar seu nome, e aquele
pequeno e suave Mal, foi o suficiente para matá-lo, tentá-lo e trazê-lo
novamente. Apenas por um momento. Até que ele a provou e a tocou.
Apenas até que ele voltou a ser forte por sua presença.
Fazia muito tempo que ele tinha sido forte.
E então, ela o afastou, a cor alta em suas bochechas, os lábios picados
de vermelho com o beijo e ela estava colocando distância entre eles. Ela
balançou a cabeça, e ele abriu a boca para dizer as palavras - uma vez,
apenas uma vez, sozinho com ela. Aqui.
Sera não lhe deu uma chance de ter a primeira palavra. Nem pretendia
que ele tivesse o último. Ela levantou o queixo. — O que, então, eu
deveria ter caído de joelhos e te agradecido por condescendência para
me oferecer seu amor?

Ele congelou, sua boca aberta, as palavras perdidas. Ele nunca parecia
ter os direitos com ela. Muitas vezes eram mentiras, e quando eram
verdadeiras - nunca eram suficientes.

— Ou, o que? — Ela cutucou. — Para professar meus próprios


sentimentos?

— Isso não teria sido indesejável. E eu posso lembrá-la que segundos


atrás, seu beijo fez uma profissão própria.

— Os beijos nunca foram nossa falha.

— O que então? — Ele a empurrou. Sabendo que não deveria. Sabendo


que ele deveria. — O que foi nosso fracasso?

— O que não foi? — Ela abriu os braços. — Honestidade? Confiança?


— As palavras eram uma queimadura fria, aterrando com uma picada
adequada. E ainda assim ela veio até ele. — Quando você os convidou
aqui? — Sua hesitação foi suficiente para ela conhecer a verdade, e
ainda assim ela o empurrou. — Quando, Malcolm?

— O dia em que você veio ao Parlamento.

Ela desviou o olhar, em direção à casa senhorial, subindo como uma


mentira à distância. — Você nunca quis me dar o meu divórcio, não é?

Claro que ele não queria. Ele a perseguiu por todo o mundo. Ele nunca
na vida esteve tão emocionado como quando ela invadiu o Parlamento
e colocou o lugar em chamas. Ela era dele. — Não.

— Por que mentiu? Para mim? Para essas mulheres? Para suas famílias?
— Antes que ele pudesse responder, ela continuou. — Foi castigo?

— Não.

— Claro que sim, — disse ela. — Você continua sendo o gato e eu o


rato. E tudo o que você pode fazer é brincar comigo.
— Não, — ele disse, aproximando-se dela, um braço estendido como se
ele pudesse pegá-la.
Ela voltou atrás, recuando do seu toque, envolvendo os braços sobre a
cintura como se ela pudesse se proteger dele - como se ela tivesse que
se proteger dele - e Mal deixou cair a mão como se tivesse sido cantado,
nunca desejando para lhe dar qualquer coisa que ela não desejasse. Ele
propugnou as palavras certas - as que mudariam tudo. Simplesmente.
Perfeitamente.
Claro, nada entre eles foi simples.
— Devo dizer-lhe como me sinto, Malcolm? — Ele esperou, e ela
continuou. — Eu sinto raiva. Eu me sinto traída. Eu me sinto lesada e
enganado. Você se lembra dessas emoções com intensidade, não é?
Você certamente lançou-os para mim o suficiente.
Ele caminhou em direção a ela. — Não mais.
Ela levantou uma mão, permanecendo sua defesa. — Suponho que seja
irônico, não é? Aqui estamos, na situação precisa em que começamos -
um de nós preso em um casamento que não desejamos. — Não era
verdade. Na verdade não. Não poderia ser. Exceto que ela continuou,
seu passado se aproximando como flechas. — Exceto desta vez, não é
você quem questiona minha honestidade, mas o contrário.
— Quanto mais honesto posso ser? — Ele perguntou, a frustração
entrando em seu tom. — Eu amo você.
Ela fechou os olhos e desviou o olhar. — Eu suponho que você também
me amou.
— Eu fiz, — ele confessou. — Eu te amei desde o início, e você nunca
acreditou nisso.
— Quando é isso? Quando você roubou beijos e ameaçou meus pés de
reputação do resto de Londres?
Um punho aninhou em seu intestino. — Sim, — disse ele.
— E quando você me fez amor aqui? Em Highley?
— Sim. Sera...
— E quando eu forcei sua mão?
Ele estava tão furioso então. Mas não mudou nada. Na verdade não. —
Sim.
— Você não acreditou em mim então. Que eu amei você. Que eu tive
medo por minhas irmãs e por mim mesma. Tudo o que você e eu já
fizemos tinha sido tão clandestino. E eu adorava isso. Mas o que
aconteceria na luz? — Ela balançou a cabeça. — Eu lamentei o momento
em que eu fiz. Uma vez eu disse-lhe que eu faria novamente se tivesse
a chance. Eu não faria. Se eu pudesse levar um dia da minha vida de
volta, seria nesse dia, aqui. Em Highley. — Ela desviou o olhar, para os
cavalos, o prado, a propriedade na perfeição do final do verão. — Eu
me arrependo.
Ele assentiu. — Eu sei.
Ela voltou seu olhar para ele, claro e honesto. — Eu disse a mim mesma
que fiz isso por minhas irmãs. Foi assim que eu me mantive sã. Mas eu
também fiz isso por mim. Eu fiz isso por mim mesma, totalmente.
Porque eu te amei e tinha medo de nunca ser o suficiente para você.
— Você era, — ele disse, procurando por ela de novo, passando as mãos
pelos braços, pegando as mãos nas dele. — Você era mais do que eu
jamais poderia sonhar. Eu passava a maior parte da minha vida
acreditando que o amor era impossível, quando eu tive isso na mão -
eu queria tudo por mim sozinho. E essa ganância foi minha queda. —
Ele balançou a cabeça. — Eu te amei. Eu nunca parei de te amar.
Ela desviou o olhar, na brisa do verão que rebentava o prado além. —
Então, parece que o amor não é suficiente.
Ele detestou as palavras, porque ele podia ver aonde estava indo. Um
carro fugitivo que não pararia. — É sim.
Sera deu um pequeno suspiro de riso sem humor e olhou para a casa
senhorial ao longe, levantando-se no horizonte como uma mentira. —
No entanto, não é. Você ainda não me conhece bem o suficiente para
ver a verdade, Mal. Você ainda vê a mesma menina há mais de mil anos.
Aquela que pensou que ela te amava o suficiente para ganhar você.
Quem pensou que poderia convencê-lo a perdoá-la.
— Eu perdoei você, — disse ele.
— Não, você me castigou, — disse ela. — Você me castigou por
atrapalhá-lo e nunca acreditei que eu te atrapalhei, maldito, e nunca foi
pelo título, o maldito título que paira como um maldito jugo sobre meu
pescoço. — A maldição o quebrou com a prova da vida ela tinha tido
sem ele. Nos anos que tinha sido livre. — Você se recusou a me libertar,
mesmo quando eu vim até você, oferecendo-lhe liberdade também.
Oferecendo-lhe um futuro. Mesmo quando eu ofereci me ajoelhar e
implorar por você.
De todas as coisas que ele já havia feito com ela, esse ainda era o mais
vergonhoso.
— E tudo isso antes de você estimar o pior dos seus castigos.
Ele nunca se perdoaria por esse momento - por levar outra mulher a se
vingar de sua esposa. — Eu não posso retomá-lo. Só posso dizer-lhe
que eu...
— Eu sei. — Ela o cortou. — Você estava com raiva.
— Eu estava mais do que com raiva. — Ele a alcançou, tentando se
explicar. Ela recuou para as árvores, e ele se acalmou. Se ela não
desejasse seu toque, ele não daria. — Eu estava destruído. Você não me
disse - Cristo, Sera. Eu devia ser um pai.
Ela balançou a cabeça. — Você não a quis.
As palavras roubaram a respiração. — Eu nunca disse isso.
— Você disse! — A acusação veio em uma onda de angústia. — Você
disse que não queria uma vida comigo. Você não queria uma família.
Você não queria filhos.
— Eu estava errado. Fiquei com raiva e eu estava errado. — Ele correu
para corrigi-la. — Eu queria essa vida. Eu queria essa criança.
Cristo, como eles se arruinaram.
Ele pressionou. — Eu queria essa criança, e eu queria você. Mas eu
estava muito irritado, muito covarde, também tímido para vê-lo. Eu
nunca quis machucar tanto o que fiz naquele dia. Eu pensei que era
uma mentira - tudo entre nós.
Ela assentiu. — Não foi.
— Não. Não foi.
— Ela também não era uma mentira.
— Não. Ela não era. — Ele passou a mão pelos cabelos, o único que ele
podia fazer para evitar que ele a tocasse. — Sera, se eu pudesse
recuperar tudo...
Ela balançou a cabeça. — Não. Você não pode retomá-lo, e mesmo se
você pudesse... Se tivéssemos ficado juntos, outra coisa teria nos
afastado. Você não viu?
Não. Ele não viu, droga.
— Esse é o ponto, — ela continuou. — Eu nunca quis te beijar, Mal.
Nunca estive disposta a implorar pelo seu toque. E nunca foi suficiente.
Ele nunca saberia por que ele escolheu esse momento para contar tudo
a ela. — Eu fui para Boston.
As palavras eram tão inesperadas que a moviam fisicamente para trás,
em direção às árvores. — O quê?
— Eu fui atrás de você, — disse ele.
Ela balançou a cabeça. — Quando?
— Imediatamente, — ele disse, as palavras chegando rápido e cortadas,
como se ele tivesse vergonha delas. — O dia da sua partida. Mas você
sumiu sem deixar rastro.
Ela não concordou, mas ele sabia que era verdade, no entanto. Ela não
voltou para Londres. Nem mesmo se despediu de suas irmãs. — Eu fui
para Bristol.
Ele assentiu. — E depois para a América.
A descrença e a incerteza passaram por sua resposta. — Se você
soubesse - se você veio para Boston - por que você não me encontrou?
— Eu fiz, maldição. — Ele desviou o olhar, sua garganta movendo-se
com frustração e raiva e anos de arrependimento. — Eu encontrei você.
Levei um ano para chegar lá. Comecei na Europa. Passaram meses
perseguindo sugestões loucas - muitas das quais vieram de suas irmãs
megeras - que você estava em meia dúzia de lugares. Fui todo o
caminho até Constantinopla antes de me virar e voltar. E quando
desembarquei em Londres, mergulhado na imundície e exaustão, ouvi
a história de uma bela inglesa em Boston. Uma cantora. The Dove.
Seus lábios se abriram e ele viu sua surpresa - a confirmação final de
que o americano tinha mantido sua chegada dela.
— Eu sabia antes de reservar uma passagem no maldito navio que era
você. E eu encontrei você no momento em que desembarquei - fui para
a taberna estridente de Calhoun e me enganei procurando por você. Eu
ouvi você, droga. Ouvi você cantar, e eu sabia que era você. E ainda,
havia decepção suficiente de que você fugira de mim e da nossa vida,
que eu acreditei quando eles me disseram que não era você, eu acreditei
neles. — Ele desviou o olhar novamente. — Não foi decepção. Era
medo. Temia que você não voltasse. Medo que você não pode querer.
Medo de onde estamos, agora.
O silêncio caiu, e então, — Caleb sabia quem você era?
— Ele sabia que eu estava atrás de você. Ele te escondeu de mim... Não
antes de eu quebrar o nariz dele, — acrescentou, evocando um
momento de luz na escuridão.
Seus olhos se arregalaram. — Você era o Toff.
— Ele nunca disse.
— Não. — Ela balançou a cabeça, e ele pôde ver o choque em seus olhos
quando ela acrescentou, suavemente, — Nunca soube que fosse você.
Eu tinha... admiradores. Nós mantivemos um sinal. — Ela fez uma
pausa, perdida em pensamento. — Eu deixava o palco quando os
homens também se tornaram... interessado com força.
Ele queria matar alguém com isso, mas ele engoliu a raiva. — Você não
sabia que era eu.
Ela balançou a cabeça. — Ele nunca me disse. Se eu soubesse, eu teria...
Seu olhar encontrou o dela nas palavras desvanecidas. — O que você
teria feito?
A brisa do verão era o único movimento ao redor deles, suas saias
chicotando sobre suas pernas, agarrando-se a elas. Para ele, como se
suas roupas conhecessem a verdade, ela negava. Ele tomou o toque, um
pedaço dela que ele conseguiu.
— Eu não sei o que eu teria feito, — disse ela, e ele se apegou a essa
incerteza sincera. Ela não disse que o teria ignorado. Não disse que o
teria enviado. — Você era o passado, e eu não queria nada com isso.
— Você me deixou, — ele disse, afastando as mãos. — Você me deixou
aqui, para viver no passado, congelado no tempo, cheio de
arrependimento, e você se levou para o futuro.
— Cheio de arrependimento porque você não poderia me ganhar, —
disse ela suavemente. — Eu sempre fui um prêmio, Mal. Mesmo
quando eu era castigo.
Isso era verdade. Ele tomaria uma vida de dor com ela por um
momento de prazer. Ele pressionou. — Mas você não encontrou o
futuro, não é?
— Porque eu não estou liberada para isso! — Ela argumentou.
Talvez tenha sido a lembrança do passado que o fez dizer. Talvez
estivesse lembrando da maneira como ele curtiu por ela. O desespero
que ele sentiu. O desejo de encontrá-la. Para conquistá-la novamente.
Isso não importava. — Por cada momento que eu não o liberto, Sera, há
um igual em você que não quer ser livre. Você acha que eu não o vejo?
Eu sempre vi você. Você sempre esteve em cores vivas para mim. Uma
safira brilhante na primeira noite, você me encontrou. Esmeraldas e
ouro e prata e vermelho – Cristo, que vermelho. Estou obcecado com
esse vermelho. O vermelho da tarde veio aqui. O vermelho na festa do
jardim do Liverpool, quando você ficou como uma régua e me viu me
arruinar como um idiota. — Ele parou, amaldiçoando o vento enquanto
inclinava a cabeça para trás com a lembrança.

— Nós não fomos arruinados então, — disse ela.

— Não, nós não estávamos. Nós fomos arruinados muito antes.

— Antes mesmo de nos encontrarmos.

Um músculo bateu no maxilar enquanto ele a observava, enquanto ele


considerava o que dizer a seguir. — Não pense por um segundo que
não tenha visto você desde que você voltou - que eu não a vi em cores
igualmente vívidas. Em ardósia e ametista e lavanda e hoje, na
berinjela.

Seu suspiro pegou sua garganta. — Não.

— Ontem à noite, você me disse que eu a consumi. Você acha que eu


também não estou consumado? Pelo nosso passado? Você acha que não
vejo que você sofre por isso? Pelo que fomos prometidos uma vez? —
Ele fez uma pausa e olhou para as árvores, e então, suave como seda,
— Você acha que eu também não choro?

Ele a alcançou, então, levando-a pela mão com uma determinação firme
e inflexível e puxando-a para dentro das árvores. Na limpeza que
cercaram, onde um lindo jardim pequeno estava escondido em uma
piscina de luz dourada.

Ele a deixou ir, observando como se mudou para o monumento no


centro da clareira. Para o anjo de pedra, sentado em uma plataforma
gravada com duas palavras simples. Amada Filha.

O silêncio esticou-se para sempre, até que ele não podia mais suportar
isso. Ela se agachou, colocando os dedos nas letras. — Você fez isso.
— Eu vim até você depois que terminou, — disse ele. — Minhas mãos
ainda congeladas do frio. Minhas botas cobertas de neve e sujeira. Vim
dizer-lhe que queria começar de novo. Você estava dormindo, mas não
estava mais em risco. Eu disse a mim mesmo que seria hora de ganhar
você. Para te amar.
Ela olhou por cima do ombro, pedindo que continuasse.
— Você dormiu a maior parte do dia seguinte. E no seguinte, você se
foi.
Ela assentiu, lágrimas roubando suas palavras, aproveitando-as na
parte de trás da garganta. — Eu tive que partir.
— Eu sei, — disse ele. — Eu acho que eu esperava que você fosse
embora quando eu voltei. Mas quando descobri – que minha mãe lhe
deu dinheiro para correr – fiquei selvagem. Eu a bani de casa; Nunca
mais a vi. — Ele se aproximou, se ajoelhando ao lado dela. — Pode ter
sido melhor não te encontrar naqueles dias. Não tenho certeza de que
eu poderia ter vencido você então. Suas irmãs viram isso em mim. Elas
me enviaram para o leste quando eu deveria ter ido para o oeste.
Calhoun, também, escondeu você de mim como um osso de um
cachorro. E todos eles poderiam ter estado certos. — Ele pegou a mão
dela, uma mão grande e quente encontrando compras em seu maxilar.
— Eu queria você. Desesperadamente. Eu queria isso.
Suas lágrimas vinham seriamente agora. Ela fechou os olhos, a dor das
lembranças e o momento gravado sobre ela como pedra. — Estou
assombrada por Janeiro.
— Eu sei, — disse ele. Ele também estava.
— Eu tive que partir. — Ela doeu, mulher linda. E ele não queria nada
além de pará-la.
Ele a puxou para perto. — Eu sei.
— Eu nunca a terei. E nunca mais terei filhos.
As palavras o devastaram. — Eu sei.
Sera ficou rígida em seu abraço por uma idade, sua bochecha
pressionada em seu ombro, suas mãos ao seu lado, seus únicos
movimentos, as pequenas respirações que pareciam arrancadas dela.
Arranjado dele também.
E então ela se entregou a ele, entrando em colapso contra ele, dando-
lhe o peso e a dor, a força e a dor dele. E ele a pegou e segurou-a, e
deixou-a chorar pelo passado - o passado pelo qual ele também doera.
Pelo passado, que juntos, eles finalmente lamentaram.
As suas lágrimas vieram como as dela, de um lugar profundo e
silencioso, cheias de arrependimento e frustração e uma compreensão
de que não havia como apagar o passado. Que a única possibilidade
para o seu futuro está no perdão.
Se ela pudesse nunca perdoá-lo.
Se ele pudesse se perdoar a si mesmo.
E então, ele fez o que podia fazer, segurando-a por longos minutos
cheios de tristeza, até que ela se acalmou, e suas lágrimas diminuíram,
e eles não ficaram com nada além do sol, da brisa e do passado. Ele se
afastou o suficiente para olhar para ela, o suficiente para admirar o
rosto dela - mais bonito do que ele já tinha visto, com lágrimas e repleto
de tristeza - e olhou profundamente nos olhos dela.
— Eu estava atrasado, Angel, — ele disse, as palavras chegando em um
implante próximo, sem vergonha. — Eu sempre fui tão tarde. Eu
sempre senti sua falta. Não tinha planos de ir ao Highley para o verão.
Eu estava indo para procurá-la novamente. Eu nunca vou deixar de
sentir sua falta. — Ele pegou seus lábios, o beijo suave e persistente,
uma pomada.
Ela sempre foi sua pomada.
Ele quebrou o beijo e pressionou sua testa contra a dela, amando a longa
expiração de sua respiração, como se estivesse esperando anos por esse
momento. E ele também não esperava?
— Não me faça sentir falta de você hoje, — ele sussurrou.
Ela fechou os olhos para as palavras, e por um momento ele pensou que
não sentia isso. A necessidade afiada e insuportável, como se houvesse
ar, comida e eles, agora. Aqui.
E então ela abriu os olhos, e ele viu lá. Ela também precisava dele.
Eles precisavam um do outro.
Ele a levantou em seus braços e a levou para casa.

Capítulo 22
: :
Casamento Consertado? Talvez!

Eles não falaram na viagem para casa, e Sera ficou grata por isso, grata
pela chance de ficar no colo de Malcolm, o cheiro dele consumindo-a,
terra fresca e especiarias, cercando-a junto com seus braços fortes, como
uma promessa. Ela sabia que não havia nenhuma maneira possível de
que ele pudesse cumprir essa promessa.
Promessas nunca foram suas para oferecer.
Nem agora, envolvidos um no outro, o movimento de seu cavalo
embaixo deles o único lembrete do mundo além.
Ela virou o rosto para o peito dele, adorando a força quente dele,
amorosa, da maneira como ele a puxou para mais perto e pressionou
seus lábios no templo, sussurrando palavras que estavam perdidas
para o vento.
Ela não se importaria de que estivessem perdidas - estavam melhores
lá, porque se as tivesse ouvido, poderia ter amado. E ela poderia ter
amado ele. Mas não havia espaço para isso. Tudo o que ela já amou foi
arruinado. Então ela sabia melhor do que se deixar cair na emoção
novamente. Eles se amaram no início, e foi uma batalha no entanto.
Sempre seria uma batalha entre eles. Sempre um jogo. E nunca o
suficiente.
Mas naquela tarde, quando desbloquearam seu passado e confessaram
seus pecados e seus arrependimentos, não parecia importar que o amor
não fosse seu futuro. Em vez disso, tudo o que importava era que cada
um de alguma forma entendia o outro.
Foi essa compreensão que os estimulou para Highley, Malcolm
escolhendo a entrada de trás para a casa senhorial, ajudando-a a descer
do cavalo e seguindo-a sem falar e sem hesitação, tomando sua mão e
conduzindo-a através das cozinhas, ignorando os servos fingindo não
notá-los enquanto eles pegavam as escadas traseiras e descendo o
longo, largo e escuro corredor para seus quartos. Para os seus quartos.
Tudo sem falar, como se dê voz às palavras daria voz ao resto - a dúvida
e o medo, a luta e o mundo além. Mas lá, em silêncio, quando ela entrou
em seu quarto e ele fechou a porta atrás dela, havia apenas os dois.
Sozinho, finalmente. Juntos, finalmente.
Só uma vez.
Ela caminhou até o centro da sala, seu coração batendo, sabendo que
deveria falar. Sabendo que deveria lembrá-los, quem e onde estavam e
o que o futuro realizava.
Exceto quando ela se virou para encará-lo, suas costas pressionadas
para a porta fechada, seu olhar inabalável, ela não queria falar. Ela só
queria tocar. Ela só queria amar.
Só uma vez.
E então ela o alcançou.
Ele já estava vindo para ela, mas ele não fez o que esperava. Ele não
assumiu a liderança, não a incendiou com seus beijos e roubou a
respiração com a paixão que muitas vezes os consumia. Em vez disso,
ele se ajoelhou, inclinando a cabeça para as mãos juntas - um cavaleiro
que prometeu fidelidade à sua rainha.

E, de joelhos, apertou beijos em seus dedos entrelaçados e sussurrou o


nome dela até que ela não mais aguentou, e ela tomou o rosto em suas
mãos, inclinando-o para encará-la, olhando-o profundamente nos olhos
antes de se juntar a ele, ajoelhado diante dele.

Ele a beijou então, seus dedos subindo em seus cabelos, espalhando


grampos de cabelo enquanto ele choveu beijos sobre sua bochecha,
mandíbula e lábios, ansiosos por ela, seguindo um beijo com outro,
outro, até que ela o conhecesse, atraída e morrendo de fome por ele.

O beijo era lindo e honesto - nada frenético ou irritado. Um encontro de


lábios, um suspiro de sono silencioso. O nome dela. Dele. Seu suspiro.
Dele. Ele levantou os lábios dela, apenas o suficiente para sussurrar: —
Eu amo você.

E, pela primeira vez desde o início do tempo juntos, ela deixou que ele
a tivesse, deixou-o envolvê-la. Eles compartilhavam as dores gêmeas
de sua tristeza e prazer, passado e presente, e ela tomava tudo o que
jamais imaginara. E ele deu a ela, como se nunca tivessem
compartilhado outra vida.

E foi glorioso.

Seus dedos apertaram sua cintura, puxando-a para ele. Ou talvez ela
estivesse puxando-o para ela. Durante todos os dias e semanas de
perseguição, de batalha, de fingir não quere-lo, dele fingindo não
quere-la, era um presente se encontrarem, aqui, de joelhos, em seus
aposentos.

Só uma vez.

Ele inclinou o queixo para cima e colocou os lábios na bochecha, até a


orelha e seguiu o cume de sua mandíbula até a coluna do pescoço,
seguindo-o até o lugar onde encontrou seu ombro, deixando beijos
macios e bem-vindos no dele despertar. Sua língua girou lá até ela
suspirar, sua mão virando a cabeça, encontrando o cabelo macio lá,
segurando-o para ela.
Ele ergueu a cabeça e retomou os lábios, longos, lentos e pecaminosos,
como se tivessem passado uma vida de beijos e tivessem outra vida a
oferecer. Ela o conheceu beijando-se para se beijar, respirou fundo, até
que ele sugou o lábio inferior entre os dentes, mordendo gentilmente
antes de seguir a pequena picada de dor com uma devastação de
prazer.
Ela ofegou a sensação e ele a soltou, beijando sua bochecha até a orelha,
onde ele pegou o lóbulo entre seus dentes, enviando uma emoção
através dela. — Mal, — ela sussurrou, a primeira palavra desde que ele
a levou para seu cavalo e trouxe-a aqui, em casa. Ele acalmou-se, então
- Deus querido - ele tremia, como se seu nome naquele momento, em
seus lábios, lhe oferecesse um prazer imensurável.
O que era possível, é claro, já que lhe dava o mesmo.
— Diga novamente, — disse ele.
Ela fez, sussurrando seu nome contra seus lábios antes que ele estivesse
perdido em outro beijo selvagem, este acompanhado por suas mãos
trabalhando na parte dianteira de seu hábito de andar, deslizando para
o chão enquanto ele a consumia com a carícia. Ele a levantou com ele
quando ele se levantou, girando-a em um movimento fluido, soltando
seus lábios apenas para acomodar a sua na parte de trás do pescoço,
enviando arrepios através dela enquanto seus dedos encontraram a
longa linha de botões na parte de trás do vestido.
Ele começou a despi-la, seu nome uma ladainha em seus lábios,
enquanto afrouxava o vestido com movimentos rápidos e eficientes, até
que ele partiu em uma libertação gloriosa, caindo no chão em uma
piscina de linho e gramado. Ele começou a trabalhar em seu espartilho,
então, puxando as cordas com longos movimentos fluidos enquanto
sua língua girava padrões em sua pele, e então, também, desapareceu,
seguido de gavetas, até que ela fosse deixada em suas meias e nada
mais.
Ela deveria ter ficado com vergonha quando ela se virou para encará-
lo, mas o prazer supremo em seu rosto era como nada que ela já havia
testemunhado, e tudo o que ela queria era descontrair. Para aproveitar
dele.
Ele a alcançou, sua mão soltando um suspiro de sua pele, seu olhar
paralisado em seu corpo nu para o que parecia uma eternidade.
Finalmente, ela sussurrou seu nome, incapaz de manter o prazer, o
orgulho e a auto-satisfação de suas palavras.
Seus olhos dispararam contra os dela.
Ela sorriu. — Você está planejando me tocar?
Ele jurou, impróprio e perverso na sala silenciosa, e se moveu com uma
velocidade impressionante, levantando-a, levando-a até a cama e
colocando-a sobre ela, olhando para suas intenções desleixadas e
desleixadas enquanto ele se apressou em liberar casaco e a gravata e
puxar a camisa da calça, enviando-a voando pela sala.
Ele a seguiu para baixo, pressionando-a no colchão macio, seu peito
quente e maravilhoso contra o dela, a esteira de cabelo nítida,
provocando-a em todos os lugares que foram apertados por um dia.
Por toda a vida.
Ela abriu as pernas de largura, ansioso para o sentir entre as coxas dela
novamente. Já faz tanto tempo. Ele encontrou espaço lá, duro e perfeito
no entalhe de suas coxas, e ele ofegou com a sensação, seus olhos
deslizando para o prazer lá. Sera, também, fechou, e ela levantou os
quadris para encontrá-lo, seu corpo doendo por ele. Pedindo-o. Como
se soubesse de onde ele pertencia.
Ele se deixou conhecer seus movimentos. Deixe-se combiná-los por um
batimento cardíaco. Uma vez. Duas vezes. Eles pulsaram juntos. Eles
derrubaram. A palavra, imunda e erótica, sussurrou o passado quando
o movimento a fez doer com necessidade, e ela descobriu que não
conseguia impedir que ela abrisse as pernas mais abertas. — Por favor,
— ela sussurrou, — Mal.
Ele pegou as palavras com seus lábios. — Tudo o que quiser. Pergunte.
Ela inclinou os quadris para ele.
Ele entendeu. Pressionando-a. Avançando. O cume duro dele fazendo
promessas maravilhosas.
Ela não conseguiu se impedir de se inclinar e agarrar o lábio inferior
nos dentes, sugando-o até que ele gemeu prazer. Ela o soltou e puxou
para trás, tanto quanto a sua proximidade permitiria, e pediu-lhe o
único que queria desde o momento em que se conheceram. — Eu quero
a minha noite de casamento.
As palavras saíram antes que ela pudesse imaginar seu impacto, nesses
dois. Ele congelou acima dela, a verdade da declaração, a promessa do
momento, a memória do passado, tudo ali estava, entre eles, pairando.
Ela não conseguiu evitar que continuasse. — Nós nos casamos, mas
nunca fui sua noiva, Mal.
Era muito tarde para isso, é claro. Ela não era uma virgem corada e
também não tinha saído daquela noite. Mas ela o queria, no entanto.
Ela queria a noite, com a esperança e a promessa e tudo o que nunca
teria.
Ela queria a fantasia.
Ele abriu a boca para falar, e ela ficou instantaneamente aterrorizada
com o que ele poderia dizer. Então, ao invés de permitir isso, ela passou
uma mão em seus cabelos, jogando na nuca enquanto ela levava seus
quadris para o dele, balançando contra ele uma vez, duas vezes, pela
terceira vez antes que ele grunhisse seu desejo.
— Me dê naquela noite, — ela sussurrou.
Talvez, se tivesse aquilo, pudesse encontrar a coragem de sair.
Ela tirou o pensamento de sua mente enquanto ela tomava seus lábios
novamente, refletindo seus beijos longos e lentos, aqueles que a faziam
querer fazer qualquer coisa por ele. Era um sentimento glorioso e
inebriante, sabendo que ele logo faria o mesmo por ela... até que ele se
afastou e empurrou-a, movendo-se para a beirada da cama e sentado,
de costas para ela, costelas arfando com esforço.

Não.

Ele não a deixaria. Não depois da tarde. Não depois de suas confissões.
Não depois de despi-la e espalhá-la através da poltrona, fazendo com
que ela doesse por ele. Ela se ajoelhou atrás dele. — Mal?

Ele curvou a cabeça, segurando-o nas mãos enquanto ele lutava para
respirar.

— Mal...

— Isso vai acontecer?

Ele não estava olhando para ela quando perguntou, e por um momento
ela não entendeu o significado dele. — Eu não...

Ele voltou, seus belos olhos quase negros com emoção. — Eu não quero
apenas fodê-la. Eu quero te amar.

Seus lábios se separaram da palavra, do jeito que ela passou por eles. A
maneira como ele enviou prazer perverso se juntando a ela. Isso deveria
ter chocado com ela, não a agitou.

Mas isso só fez com que ela o desejasse mais.

— Não sou capaz de ter os dois? — Perguntou ela.

— Deus me ajude, eu não acho que eu poderia me parar, — ele disse, e


ela ouviu o auto-aversão em sua palavra. — Eu acho que você poderia
me dizer que não importava. Eu acho que você poderia me dizer que
isso não significava nada, e eu faria isso de qualquer maneira. Nunca
fui capaz de resistir a você.

Ela balançou a cabeça. — Você não precisa.

Ela deixou o resto não dito. Você importa. Isso importa.

Nada disso estava em questão.


Por um longo momento, ela pensou que ele poderia parar, afinal. E
então ele se moveu, curvando-se para remover as botas antes de ele se
levantar, suas mãos indo para as quedas de suas calças, botões
desabafados e tecido deslizante nas pernas, voltando-se para ela, dura
e perfeita.

O prazer a atravessava como seda no retrato que ele fazia. — Você é


lindo, — disse ela. — Você sempre foi. Desde o momento em que te vi
pela primeira vez.

Cor corou-se nas bochechas com as palavras, como se alguém nunca


tivesse dito ao duque de Haven que ele era bonito. Ele fez para alcançá-
la e ela balançou a cabeça, querendo vê-lo mais, querendo explorar.

Querendo dar de si mesma.

— Espere, — ela sussurrou, e o homem magnífico o fez, um músculo


tilintando como louco em sua bochecha, as cordas de seus braços e
coxas esticadas quando ela se sentou sobre os calcanhares e espalhou
suas coxas, testando sua determinação, amando o jeito que ele O olhar
caiu no lugar que ela revelou tão descaradamente.

Ele tirou a atenção dele instantaneamente, como se estivesse


envergonhado de ter sido pego olhando, mas viu o jeito que ele ficou
tenso. Sabia o que queria.

Ele quase saltou de sua pele quando ela o tocou, passando os dedos
sobre os músculos de seu peito, explorando os mergulhos e os
aumentos de seu corpo quente, deleitando-se com a forma como ele
trabalhou para respirar sob seu toque.

Ela deixou os dedos dela escorrer pelos cumes do tronco e ele pegou a
mão dela antes que pudesse tocá-lo onde ele se esforçava, orgulhoso e
deslumbrante. — Não, — disse ele.

Ela olhou para ele, torcendo a mão do alcance dele. — Sim.

Ele balançou a cabeça, algo como dor perseguindo ela.


Ela se ajoelhou e beijou-o, longa e lenta e exuberante. — Você disse que
você me daria qualquer coisa que eu pedisse.
Ele gemeu. — Você é muito boa no nosso jogo.
Era sua vez de balançar a cabeça. — Não é nosso jogo, Mal. Este é nosso
devido. — Sua mão deslizou mais baixo, encontrando-o quente como
fogo e dura como pecado, e ambos suspiraram ao toque. — Mostre-me,
— ela sussurrou.
E ele fez, sem vergonha, envolver a mão dele, mostrando-lhe como ele
gostava de ser tocado. Ela se inclinou para frente, seus lábios
balançavam o peito, suas mãos aprendendo seu prazer. Revelando-o
até que ele a soltou com um gemido. — Não mais.
Ela não parou, ao invés de olhar para ele, capturando seu olhar. — Você
não deseja isso?
Ele riu, o som puxou-o com incredulidade. — Eu desejei por três anos,
amor. Por mais tempo.
Ela acariciou, longa e exuberante, amando a maneira como ele
respondeu, do jeito que ela o controlava. — Como eu. — Ela olhou sua
mão trabalhando sobre ele, rebitada para a bela força dele, para a
suavidade, ao modo como ela podia controlar a respiração. — Eu
desejei mais do que isso.
Ela se inclinou e pressionou um beijo para a coroa dele, nunca se
sentindo tão poderoso como fez quando jurou, áspero e bravo e cheio
de vontade, suas mãos viram tocá-la, para deslizar no cabelo dela. —
Você não deveria...
Mas ele não a impediu, e se ele tentasse, ela nunca teria permitido. É
claro que ela tinha que fazer isso. Se fosse essa a única vez que ela
poderia aproveitar esse prazer com ele - esse poder - é claro que ela
queria.
Ela não conseguia parar de si mesma, lamber sobre ele, respirá-lo, e ele
estava apertado como um tambor, com as mãos trêmulas enquanto eles
pairavam, mal a tocando, como se ele tivesse medo de se deixar ir.
Ela adorava o limite de seu controle, se deleitava, tocava nela com a
mão, a respiração, os lábios, deslizando sobre ele com um toque leve,
reivindicando seu tamanho e força e seu desejo. Marcando-o como o
dela.

Tanto assim que ela sussurrou lá, — Meu.

— Sempre, — ele respondeu sem hesitação. — Para sempre.

Ela ignorou o último, sabendo que não era verdade, mas querendo
acreditar no momento. Ela lambeu-o, testando o sal e o doce dele, de
repente selvagem para ele, para ele, e ele gemeu, suas mãos viram
segurá-la com mais firmeza, mesmo quando ele se recusou a movê-la,
para levar o que queria.

Ela sorriu contra ele. — Mostre-me o que você gosta, marido.

E a palavra desfez-se dele, como ele fez, enviando um prazer reunindo-


se quente e pesado em seu núcleo enquanto ela abriu os lábios e o
demorou longamente, devagar e profundo, duro e quente como ele
perdeu o controle de suas palavras, amaldiçoando e rezando na mesma
medida que ela lambeu e sugou e puxou-o profundamente, sem querer
nada além de lhe dar prazer e tirar o seu próprio.

Tinha havido momentos em que imaginara estar com ele assim,


imaginando o que seria irritá-lo, para mandá-lo ao longo da borda.
Imaginou como eles teriam encontrado todas as maneiras de afastar um
ao outro e depois se juntarem juntos. Noite após noite. Assim como ele
havia dito. Para sempre.

Mas ela não tinha para sempre. Ela tinha agora.

Suas mãos apertaram seus cabelos enquanto soltava outro gemido,


mais alto e mais selvagem do que antes, e um tremor de prazer a
percorreu. — Sera, Angel... Eu não posso... — Ele fez uma pausa,
respirou profundamente enquanto suavizava, lamber sobre ele,
provando-o. arranhando com paixão. — Amor, esperei muito tempo.
Quero estar com você quando isso acontecer.
As palavras, honestas e lindas, a tocaram, e ela o soltou, olhando sobre
sua forte, magra beleza, bebendo-o, desejando se lembrar de cada
centímetro dele. — Eu também quero estar com você, — ela sussurrou,
se levantando e beijando-o longas e profundamente. — Eu quero cada
centavo de você em cada centímetro de mim. Sem hesitação. Sem medo.
Sem tristeza.
— Sim. — Ele a pegou, agarrando seus peitos, tocando nas difíceis dicas
até ela suspirar e balançou contra ele, fazendo-o gemer. — Deus, sim.
Tudo o que você quiser.
Essas palavras, novamente. Tão diferente do que ele havia oferecido há
muito tempo. Tão diferente do que pediu. — Eu quero você.
Suas mãos levantaram-se, acariciando seu rosto, segurando-a para que
ele pudesse vê-la. — Você me tem. — Então, claro. Tão honesto. Tão
tarde.
Lágrimas puxadas pelo passado. Com o sussurro suave e inquietante
de uma pergunta - e se ele se oferecesse a ela há anos? E se tivessem
outra chance?
— Eu amo você, — ele sussurrou.
E se tivessem um agora?
Mas eles não o fizeram. Não havia como superar o passado. Para afastar
a maneira como eles haviam enganado um ao outro. E não havia como
apagar as verdades mais básicas - a vida que nunca poderiam ter,
porque a única chance dela havia desaparecido na neve fria de janeiro
três anos antes.
Ela o beijou, porque não conseguiu encontrar outra resposta.
Porque ela não queria pensar em uma.
Ele se afastou quase que instantaneamente, seus lábios se agarrando até
os dela mesmo quando ele a afastou, como se soubesse o que estava
pensando e quis discutir. — Sera, — ele disse, e ela ouviu a intenção em
seu nome.
Ela balançou a cabeça. — Não agora, Mal. Aqui não. Não quando
aguento tanto tempo. E você também.
E então ela se deitou, espalhando-se na cama, um joelho dobrado, os
braços amplo, acolhedor. Querendo.
Seus olhos brilharam com desejo e seus lábios achatados. — Depois.
Ela assentiu. — Depois.
Ela teria prometido a ele qualquer coisa então. Qualquer coisa para
garantir que ele faria bem em sua promessa.
Gloriosamente, ele estava nela então, assim como ela havia perguntado.
Cada centímetro dele por cada centímetro dela, o comprimento
glorioso e tenso dele entalhado contra o calor molhado dela, apertando
perfeitamente, provocando-a. Seus braços vieram para entrelaçá-la
entre eles, suas mãos acariciando seus lindos ombros largos enquanto
ele se aproximava dela, contra o lugar que ela queria dele mais do que
qualquer coisa. O prazer disparou através dela e ela ofegou com isso e
a dor repentina e desesperada que veio disso.
Ela o queria. Imediatamente.
Ele repetiu o movimento, provocando-a, a cabeça dele forte e firme
contra o lugar onde ele sempre foi capaz de deixá-la selvagem. — Você
gosta, não é, Angel?
— Eu gosto. — As palavras surgiram num gemido sobre o qual ela se
recusou a se envergonhar.
Ele a beijou profundamente e fez de novo. Uma recompensa por sua
honestidade.
— Diga-me como, — ele sussurrou. — Diga-me o que você deseja.
E ela fez. — Mais difícil, — ela insistiu. — Novamente.
Ele fez isso, e foi perfeito.
— Mal.
Ele balançou contra ela, pressionando firmemente até encontrarem sua
borda, e ele jogou lá, demorando, empurrando-a quase e depois
puxando-a para trás, até que ela estava mordendo o lábio e batendo na
cama, implorando por lançamento.
— Mal. Dentro de mim.
Ele não obedeceu. — Não. Eu quero assistir.
Ela abriu os olhos, encontrando seu olhar. — Você pode assistir
enquanto você está dentro de mim, caramba.
O bastardo riu, lutando contra ela, grosseiro e perfeito, como se não
estivesse morrendo de necessidade de tê-lo onde desejasse.
Imediatamente. — Agora... — Ela ofegou. — Mal, você não quer me ter
ao seu redor?
Ele fechou os olhos e se inclinou sobre ela. — Cristo, sim.
Ela espalhou as coxas mais largas e disse — Eu também desejo. Eu vou.
E o homem glorioso e maravilhoso fez isso, pressionando-a lentamente,
perfeitamente, um espesso deslize de prazer que os dois suspirando
antes de se acalmar. — Sera?
A preocupação na palavra era sua destruição. Ela virou os lábios para
encontrar o dele, deslizando a língua profundamente, raspando as
unhas nas suas costas, levantando os quadris para ele, forçando-o mais
fundo. Ele gemeu pelo movimento e adotou o ritmo mesmo quando ele
assumiu o beijo, reivindicando-a de todas as formas possíveis,
balançando cada vez mais profundamente até que ela não se encheu de
prazer e prazer.
Ela arrancou os lábios dele. — Todo o tempo estávamos separados...
Ele assentiu. — Eu sei.
Ele não fez, no entanto. — Tudo o que eu já imaginei poderia ser...
— Eu sei. — Ele a beijou novamente, alcançando entre eles,
encontrando o local logo acima do lugar onde eles se juntaram.
Ela saiu da cama como um arco, e ele a pegou, puxando-os para uma
posição sentada, dando-se mais acesso ao seu corpo. Ele se inclinou,
pegando a ponta de um peito na boca, sugando longas e lentas
enquanto seus dedos trabalhavam magia, tudo de acordo com o ritmo
que estava provando ser sua destruição lenta e perfeita.

E então ela estava empurrando, movendo-se contra ele, aproximando-


se para apertar o pulso e mostrar-lhe todas as maneiras como ele
poderia tocá-la, todos os caminhos para seu prazer. — Mais rápido, —
ela sussurrou. — Mais difícil. — Embora ela não soubesse se ela estava
falando com ele ou para si mesma, porque ela também estava se
movendo mais rápido. Ela também estava vindo sobre ele com mais
força e força, como se ela pudesse imprimir esse momento em suas
memórias.

Para sempre.

E então ela olhou nos olhos, desesperada pela libertação, e reconheceu


a vantagem nele, viu a maneira como eles se dirigiram para ele. — Mal,
— ela sussurrou. — Eu amo você.

As palavras destruíram os dois, derrubando-os sobre aquela borda


magnífica, profunda, rápida e poderosa. Ela alcançou ele, seus dedos
deslizando em seus cabelos. — Olhe para mim, — ela sussurrou. —
Mostre-me.

Ele fez, e ela observou como ele achou o prazer dele antes de tomar o
seu próprio, jogando-se nela, sem se importar se ela voltasse, porque
não havia nada no mundo que ela sempre quisesse tanto quanto isso
magnífico, lançamento insuportável e aterrorizante.

E pela primeira vez desde que o deixou, Sera encontrou a paz.

Eles entraram em colapso um contra o outro, as respirações surgiram


em grandes suspiros que tornaram impossível saber onde ela terminou
e ele começou, e talvez não fosse importante. Isso não importava. Sera
não conseguiu parar de aproveitar, neste único momento, quando não
eram simplesmente as dores do passado e a promessa imperfeita do
presente, mas todos os magníficos momentos entre eles.
Longos minutos passaram quando sua respiração voltou ao normal e
Sera voltou para a sala e o dia e a vida que eles construíram. E a
promessa que ela fez para ela mesma - que depois disso, ela iria embora.
Porque nada mudou.
Ela ficou muito sobrecarregada por ele, pela sensação dele, pelas
promessas não ditas dele. Mesmo agora, enquanto se agarraram um ao
outro como parceiros, como amantes, como se o futuro fosse deles para
a tomada, ela lutou para se encontrar nela.
Eu te amo.
Ele se desenrolou dela, puxando-a para a cama com ele, beijando-a,
longa e exuberante antes de colocá-la no braço dele e sussurrando em
seu cabelo: — Eu quero você no meu quarto. Eu quero você para
sempre. E, maldição, eu tenho você. Eu tive você o tempo todo. Nunca
deveria ter hesitado. Eu deveria ter lhe dado tudo. O título, o
casamento, tudo isso. Eu queria. Eu quero, ainda. Quero voltar e
começar de novo.
Ela nunca imaginou que ela poderia amar e odiar algo tanto quanto ela
amava e odiava essas palavras. Ao mesmo tempo, ela queria tudo o que
ele ofereceu, sem hesitação. Ela queria a promessa de algo novo e fresco
e imaculado pelo passado. E ainda assim, ela não podia confiar nisso.
Nada bonito já tinha ficado assim por ela.
Não havia como começar de novo. Eles não podiam apagar o passado,
e eles não podiam mudar o futuro. Não podiam ter a promessa que os
provocara. Mas ela podia fechar a porta. E dar a ambos uma chance de
algo novo.
Ela poderia ter o Sparrow, e a liberdade que vinha com ele. E ele
poderia ter uma família - que o amava tanto quanto ele merecia.
Lágrimas puxaram atrás de seus olhos, e ela não teve escolha senão
colocar seu rosto em seu peito e se esconder dele.
Como sempre, ela se escondeu dele.
Porque ele sempre conseguiu vê-la.
Ele suspirou, longamente na luz de escurecimento rápido da sala, e
ocorreu a Sera que eles haviam pulado o jantar. Que as mães e as filhas
que haviam sido parte de seu elaborado ardil seriam mais uma vez
desprezadas.
Ela pressionou a orelha no peito, ouvindo enquanto sua respiração se
acalmava. Normalizava. Até que ele dormiu.
E, ela ainda deitou-se lá, balançada pelo amor dela por ele. Pelo
caminho, ela a reivindicou, como aconteceu anos antes. Com a
lembrança do que aconteceu então. Por medo do que poderia acontecer
se ela se permitisse amá-lo.
À tentação disso.
Foi só então que ela respondeu-lhe, sussurrando para sua pele quente
e bem-vinda, em seu braço, embrulhado sobre ela, mesmo no sono.
Para esta cama que deveria ter sido dela na casa que deveria ter sido
sua casa com uma família que nunca teria. — Não me ame, Mal. Não
há futuro para nós.
A compreensão afiada dessa verdade a levou através de um oceano e
no chão do Parlamento. Ela perdeu tudo o que ela já adorou antes: sua
filha, sua família, sua vida. Ele.
Primeiro, perseguindo-o, e depois fugindo dele. E talvez houvesse
covardia na espera dela até que ele dormisse para expressar a verdade.
Não, talvez. Havia covardia. Irritada e insuportável. Mas quem era ela,
se não, a soma total de suas falhas?
Pelo menos se ela corresse, ambos teriam a chance de serem livres.
Capítulo 23
: :
Déjà Vu? Duquesa Desaparece (Parte Dois)

Mal acordou com uma forte batida na porta de seu quarto de dormir.
Ele sentou-se, perturbado pela escuridão - inconsciente do tempo ou da
data ou de qualquer coisa, exceto o sono profundo e drogado que o
consumiu. Tinha sido idade desde que dormiu tão profundamente.
Três anos. Mais longo.
Ele talvez nunca tenha dormido tão bem, como ele nunca tinha
dormido com ela.
Ele chegou instintivamente a Sera, desagradou descobrir que ele estava
sozinho mais uma vez em sua cama, os lençóis frios ao toque.
Com um pequeno rosnado, ele olhou para as janelas, a escuridão
pesada além de indicar que ele estava dormindo por várias horas. Ele
balançou as pernas até o limite da cama, querendo se levantar por um
motivo apenas - buscá-la e arrastá-la para a cama. Para fazer amor com
ela novamente, e voltar a dormir com ela em seus braços até aquecer o
sol. Daqui a uma semana, se ele pudesse gerenciá-lo.
As batidas vieram novamente, rápidas e urgentes.
Se meteu em um roupão, Mal dirigiu-se para a porta. Ele a trancou
quando entraram, não quis arriscar-se a ser interrompido, e Sera
provavelmente escapou pela porta adjacente para seus aposentos. Ele
estava a meio caminho da sala quando o som começou de novo.
— Sim. Tudo bem! — Ele veio em um ponto baixo, um que ele tentou
conter, sabendo que sua irritação com o despertar sozinho e fora do
tempo não era culpa de quem estava do outro lado da porta.
E eles claramente tinham negócios urgentes, maldição.
Ele abriu a porta, — O que é isso? — Morrendo na garganta quando ele
entrou na realidade um tanto estranha no corredor além. As três
candidatas restantes para a mão não disponível no casamento estavam
abatidas no corredor pouco iluminado, cada uma com uma aparência
mais mortificada do que o próximo estar lá. Não é assim, suas
respectivas mães, que pareciam comprometidas com qualquer plano
que estivesse em andamento, o que aparentemente envolvia Lord
Brunswick, dois dos cachorros de Lady Bumble e, de alguma forma, o
gato de Sesily.

Quando um Mal parcialmente vestido entrou em vista, a assembleia


ofereceu uma miríade de resposta: duas mães imediatamente se
moveram para proteger os olhos de suas filhas do estado de
desnudamento de Mal; as filhas em questão estão fazendo o melhor
para fingir inocência e ter uma boa aparência; e a última menina, Lady
Felicity Faircloth, observando-se com uma diversão descarada, apesar
de sua mãe estar dizendo: — Bom céu, Felicity, desvia o olhar!

Felicity não desviou o olhar, e Mal percebeu que estava segurando o


gato, que piscou para ele e ofereceu um pouco de carinho.

Nunca se tornariam civis, ele e aquele gato.

Barão Brunswick, por sua vez, parecia ter sido enviado para fazer a
batida, mas tinha pouco interesse em tudo o que deveria acontecer uma
vez que a porta foi aberta. O outro homem piscou, deu um passo para
trás, olhou Mal para cima e para baixo e depois disse: — Tudo bem,
Haven? Nós o perturbamos?

— Você tem, sim.

Ocorreu a Mal que grande parte do trabalho feito pela aristocracia


estava em mentir para as pessoas sobre como se sentia, tanto assim, que
agora, quando ele respondeu diretamente a uma pergunta, Ninguém
no grupo sabia exatamente o que fazer a respeito. Bem, quase ninguém.
Depois de uma batida de silêncio, Lady Lilith e Lady Felicity riram.
Mal fez uma nota para fazer o seu melhor para conseguir as garotas
bem combinadas assim que eles estavam de volta à cidade. Ele e Sera
as hospedariam para jantar. Eles as apresentariam a todos os
aristocratas ricos da cidade.
Ele ficou perdido por um momento na domesticidade do pensamento.
A ideia de passar o resto de suas vidas na cidade e no campo,
construindo uma gloriosa vida de riso e felicidade, entretendo seus
convidados antes de se retirarem para seu quarto para fazer amor até o
amanhecer.
O que lembrou que ele tinha que se livrar dessa coleção de pessoas.
— Bem, — disse o barão, como se tudo estivesse perfeitamente em
ordem. — Você poderia, se desejar, colocar algumas calças?
Mal não se moveu. — Como eu imagino que tudo o que traria um grupo
de amigos para a porta do mestre da casa deve ser extremamente
importante, — disse ele, — eu não ousaria adiar o que fosse.
Por um momento, parecia que embora ninguém lhe falasse ou
reconhecesse suas palavras. E então, a mãe de Felicity deu um passo à
frente, claramente disposta a sacrificar sua própria boa vontade para a
da filha. — Já acabou?
Mal piscou. — Meu sono? Sim.
A assembleia arrasou, mas a Marquesa de Bumble não foi intimida. Na
verdade, não era difícil ver de onde veio língua franca da filha. — A
competição. Você selecionou uma esposa.
— Eu tenho, de fato. — Não que ele pudesse ver por que a situação era
tão urgente. Ele só podia assumir que Lilith e Felicity haviam
informado o resto da assembleia do que aconteceu entre ele e Sera com
a loucura.
Lady Brunswick sorriu seu desagrado. — Entende? Eu disse que estava
pronto, — ela respondeu à filha. — Eu lhe disse que ele esfriou para
você. Você poderia ter trabalhado com mais força.
Mal não se importava com as palavras da baronesa, nem gostava da
maneira como ela parecia induzir Lady Emily no fato de que Mal
escolheu amar sua esposa e renunciar a encontrar um substituto por
completo. Claro, era estranho que a menina não comesse sopa, mas não
era motivo de crueldade. Eles a convidariam para o jantar com Lilith e
Felicity. Ele podia encontrar um homem que não gostava de sopa, ele
estava certo.
— Eu lhe asseguro, senhora Emily, foi um prazer conhecê-la.
Lady Brunswick continuou como se ele não tivesse falado. — Não é de
admirar que as irmãs sujas partiram tão rapidamente, mas você poderia
ter pensado em nos dizer que você escolheu sua substituta, então não
estávamos todos sozinhos na refeição da noite, esperando que sua
decisão fosse anunciada.
Ele se acalmou mesmo quando ela pressionou.
— Em vez disso, você levou sua cama no meio do dia! Muito bom para
você e para as Filhas Perigosas. Nossa família merece melhor. — Ela
segurou o braço de Emily. — Venha, Emily.
Emily olhou como se quisesse que o chão a engolisse, mas essa não era
a preocupação de Haven. Ele levantou as mãos para manter a conversa.
— O que você disse? Os outros partiram?
— Como ladrões! Espreitadinhas na calada da noite! — A baronesa
cortou.
As palavras desbloquearam as outras mães. — Uma hora atrás. As
irmãs Talbot entraram em seu treinador e se afastaram.
— Sesily deixou seu gato, — acrescentou Lady Felicity, como se fosse
importante.
Por um momento, não foi. Mas então, Lilith acrescentou, suave e séria,
como se ela entendesse as implicações de suas palavras: — Elas
estavam com pressa.
Eles tinham ido embora.
Certamente não Sera. Não depois de tudo o que tinham experimentado
naquela tarde. Não depois de prometer que iriam discutir isso.
“Depois,” ela disse.

Ele balançou a cabeça, olhando de Felicity para Lilith e de volta. —


Todas elas?

— É claro que todas elas! — A baronesa gritou. — Afinal, elas


conseguiram o que queriam, as loucas! — Ela se virou para a filha. —
Venha, Emily, nós também devemos dormir, já que amanhã nossa
busca começa de novo. — Ela bateu o marido no ombro. — Você
também, Barão.

Brunswick fez uma careta com a convocação, mas seguiu-a; pelo


menos, Mal assumiu que ele a seguisse. Ele não se demorou na entrada,
virando o calcanhar e dirigindo-se para a porta que ligava seus quartos
ao de Sera.

Ele passou por isso, meio esperando que ela estivesse lá, na cama,
adormecida. Na mesa de vestir, mexendo com um gancho de botão. Na
cadeira pela lareira vazia, lendo. Rindo com suas irmãs. Alguma coisa.

Mas ela não estava mais lá. A sala estava escura e vazia, sem ela.

Ela o deixou.

Ele se mudou para inspecionar o guarda-roupa, encontrando-o cheio


de suas coisas, vestidos em uma dúzia de tons roxos, calçados
empilhados abaixo. Na mesa de vestir, pó e escovas de cabelo, alfinetes
e bugigangas, uma pulseira que usava nas tigelas de gramado. Brincos
que ele reconheceu a partir de um jantar à noite.

Ela o deixou e rapidamente.

Maldita seja, ela tinha dito que ela o amava, e ela tinha corrido da casa
como se o próprio inferno a perseguisse. Como Merope e as Plêiades,
levantando vôo como pombas. E Malcolm, cego e desesperado como
Orion, forçado a caçá-la novamente. Como um idiota.
Ele murmurou o grito de raiva que ameaçava perder-se no quarto
escuro e foi até a janela, abri-la para deixar a brisa da noite do verão
entrar. A vista dava para o caminho, um caminho longo e prolongado
que levava à estrada principal e depois à estrada de Londres.
Não havia nenhum sinal da carruagem, nenhuma luz da lanterna
cintilando na distância, sem indicação de que ela alguma vez estivesse
aqui.
Ele colocou as mãos no peitoril da janela, apertando-o até que a pedra
e a madeira penetraram em suas palmas, e sussurrou seu nome com
toda a raiva, desespero e amor que ele conseguiu encontrar.
Ela o deixou, como uma maldita covarde.
E então surgiu o pensamento, frio, áspero e aterrador. E se ela tivesse
corrido de novo?
Ele ficou na mão reta. Ela não correria novamente. Não da maneira que
ela tinha feito antes. Ela saiu com suas irmãs desta vez. Elas não a
deixariam ir, não é?
As palavras ecoavam, a lembrança do dia em que ela apareceu no
Parlamento e pediu o divórcio que ele nunca pretendia dar a ela.
“Não tenho motivos para não acabar com nossa infeliz união. Eu não tenho
nada a perder.”
Sem motivo para não correr. Nada a perder.
E ela não tinha nada a perder. Ela se certificou disso. Ela voltou para
Londres no braço do americano, com quem ela tinha amizade e nada
mais. Ela cantou em uma taberna. Bebia whisky como uma garçonete?
Ela tinha dinheiro - do pai e da mãe - e nada para amarrá-la a Londres.
Mas ela o tinha, droga.
— Ela disse que me amava! — Seu sussurro áspero e quebrado
atravessou a escuridão, e ele fechou os olhos, os punhos apertados em
seus lados. — Como ela poderia me deixar?
O amor não é suficiente.
— Sua Graça?
Ele girou, coração em sua garganta, para enfrentar Lady Felicity
Faircloth, parada na entrada, uma lanterna em uma mão e o maldito
gato de Sesily na outra. Ele balançou a cabeça para limpá-la. Ele não
tinha tempo para essas garotas. — Nunca foi real, Lady Felicity, — disse
ele. — Você era uma artimanha.
Ela assentiu. — Eu sei. Qualquer um com os olhos na cabeça poderia
ver que você e a duquesa eram um para o outro e ninguém mais.
— Qualquer um, exceto a duquesa, poderia vê-lo, acho que você quer
dizer. — Ele não conseguiu evitar a frustração de seu tom.
— Eu acho que ela também vê, você sabe, — disse ela. — Mas longe de
mim me envolver.
— Você está de pé no meu quarto segurando o gato da irmã da minha
esposa, então eu acho que você já está bastante envolvida, — ele
apontou.
Ela assentiu, um sorriso brincando sobre seus lábios. — Isso pode ser
verdade.
— Na verdade, não consigo pensar em um local menos apropriado para
você do que no meu quarto de dormir segurando o gato da minha
esposa.
O sorriso se ampliou. — Você está planejando me debilitar de alguma
forma?
— Eu não estou.
— Bem, então eu acho que estou perfeitamente segura. Além disso, o
gato parece não gostar de você.
Mal olhou para o animal branco, que apareceu perfeitamente contente
nos braços de Felicity Faircloth. — Eu pensei que tínhamos chegado a
uma conclusão, honestamente.
O gato fez um gemido.
— Oh, sim, parece ser assim. — Ela fez uma pausa. — O ponto é, eu
acho que minha pessoa está bem segura com você.
— Houve um tempo em que eu teria me decepcionado com essa
avaliação.
Felicity sorriu. — Eu imagino que você era mais jovem então. E menos
incomodado com sua esposa, o que prejudica consideravelmente o
perigo de um homem.
— Definitivamente mais jovem, provavelmente não muito menos
atormentado com minha esposa.
— Isso parece ser um problema para você.
— Considerando que eu regularmente a perdi, eu teria que concordar,
— ele respondeu, incapaz de encontrar humor na situação.
Felicity Faircloth teve piedade dele então. — Eu tenho medo de ter algo
para lhe dizer, sua graça, e eu não acho que você vai gostar de ouvi-lo.
Ele se moveu para a prateleira baixa pela janela e pegou uma caixa de
pederneira, acendendo a lanterna lá, tornando a sala mais acolhedora
para a jovem e mais devastadora para ele. Havia uma caixa de chapéu
no pé da cama de Sera, aberta e vazia, como se ela não tivesse tempo
nem inclinação para preenchê-la e levá-la com ela.
E ao lado, um pedaço de papel. Dobrado ao acaso, um rabiscado M é o
único adorno. Ele abriu, seu coração batendo.

M,
Eu não posso ficar.
Aguardo notícias do Parlamento.
S

Ele praguejou, áspero e desagradável, e esmagou o papel na mão.


Ele olhou para Felicity. — É mais ou menos agradável que ouvir que
minha esposa me deixou... novamente?
A pausa da jovem não conseguiu, ele tinha que admitir. E então, —
Bem, para ser honesta, é menos agradável, eu imagino. Considerando
os acontecimentos da manhã. — Ela pausou, apressando-se para
esclarecer, — Os que eu testemunhei, isto é.
O estômago de Mal torceu. — Continue então.
Ela suspirou e agachou-se, abaixando o gato para o chão. Sem
hesitação, o animal saltou para a caixa de chapéu e sentou-se
cuidadosamente dentro, observando os dois com olhos sérios e
inabaláveis.
Mal fez o seu melhor para ignorar a criatura, virando-se, em vez disso,
para enfrentar Felicity, que havia pegado um pedaço de papel de algum
lugar, e agora estava se desdobrando.
— Você preparou um discurso de algum tipo? — Ele disse, sabendo
que ele estava sendo intencionalmente difícil.
Ela deu uma olhada, mas ignorou a questão. — Isso chegou pela
empregada da minha senhora há uma hora.
Mal não gostou do som disso. O olhar dele escorregou para o
escrivaninha no canto, onde um borrão e uma caneta foram deixados
em desordem, como se sua esposa tivesse esboçado uma carta antes de
fugir.
Uma carta a esta mulher, por algum motivo. — Continue.
Felicity assentiu e procedeu a ler em voz alta.

“Cara Senhora Felicity, você deve saber que eu gosto muito de você.
Você é inteligente e direta e, acima de tudo, forte. Você tem uma mente
própria e não tem medo de falar, todas as coisas que o servirão bem.”
Todas essas coisas servirão bem Malcolm, também
Ela fez uma pausa e olhou para Mal, e ele leu o nervosismo em seu
rosto. Reconheceu isso. Senti-lo ele mesmo, odiando a antecipação das
palavras que vieram. Desconsiderando as próprias palavras mesmo
antes de a senhora as ler. Querendo detê-la. Saber que tudo o que ela
tinha a dizer deve ser dito.
Ela persistiu.

“Todas essas coisas servirão bem ao Malcolm, também”

— Não, — ele disse, incapaz de impedir que a palavra explodisse de


seu peito.
Felicity Faircloth olhou para ele, com uma clara afronta. — Claro que
não.
— Então por quê...?
Ela levantou um ombro e deixou cair. Então, simplesmente, — Ela não
parece se importar com o que sentimos sobre isso, Sua Graça.
Isso pareceu ser verdade. Felicity continuou:

“Ele é um bom homem, Lady Felicity - um que sabe sobre a vida e


sobre o amor. Aquele que mostrou uma lealdade notável a sua
esposa.”
“...Para suas esposas.”

Felicity parou. — Então ela se corrige:

“...Para suas esposas.”


— Maldita.
— Meus pensamentos, precisamente, — respondeu Felicity.
“Ele fará de você um bom marido...”
“Algumas coisas que você deve saber: primeiro, ele odeia os
espargos.”

A frustração virou a descrença. — Ela me dá um presente?


Felicity levantou as sobrancelhas enquanto considerava a carta na mão.
— Não está claro, honestamente, porque prefiro temer que ela me dê
um presente. — Ela fez uma pausa, respirando profundamente, como
se ela tivesse que cingir os lombos para falar o resto.

“Algumas coisas que você deve saber: primeiro, ele odeia os


espargos.”

Ela parou. — Sua Graça, tenho certeza que você vai entender se eu digo
que não tenho uma ideia terrena porque sua afinidade ou falta de
espargos é relevante de qualquer maneira para um casamento - muito
menos relevante o suficiente para ser o ponto número um em uma lista
de pontos importantes.
— Não é, — disse ele.
— Bem, os outros são tão estranhos, então... — Felicity voltou sua
atenção para a carta.

“Ele está fascinado pelos mitos gregos. Leia e aprenda-os. Ele ficará
grato por alguém com quem discuti-los.”

As palavras sentiram-se como uma traição de confiança. Mal


permaneceu em silêncio.
Felicity continuou: — E este é o mais estranho
“Encontre-se com um vestido vermelho e faça o seu melhor para
deixá-lo sozinho, uma vez que você está vestindo. Se você pode fazer
isso em seu estudo particular, tudo melhor.”

Foi aí que veio a raiva. Ele se moveu para a carta, como se ele pudesse
de alguma forma usá-la para voltar o relógio e detê-la da loucura que a
consumira claramente. — O que no inferno?
Felicity levantou os olhos, arregalados em sua proximidade. — Eu
concordo, — disse ela. — Não entendo o que ela está tentando fazer.
— Eu sei, — disse ele, a lembrança da última vez que ela vestiu
vermelho nesta casa - em seu estudo particular - gravou
profundamente. Quantas vezes ele recriou esse momento em sua
mente? Quantas vezes ele tirou o corpete? Tirou as saias? Fez amor com
ela? Quantas vezes ele imaginou fazê-lo novamente?
Ele pegou a carta da mão de Felicity Faircloth, curtindo a libertação de
raiva que veio quando ele a dobrou e começou a arruiná-la. — Ela quer
que você me seduza.
Ela piscou. — Bem, eu não desejo.
— O que funciona bem, como eu não tenho intenção de ser seduzido
por ninguém além de minha esposa. — Assim que ele deixasse de estar
enfurecido por ela.
Felicity assentiu com a cabeça. — Isso parece eminentemente razoável.
No entanto, se eu puder...
Ele assentiu. — Por favor.
— Parece que sua esposa permanece desinteressada em ser sua esposa,
Sua Graça.
As palavras não deveriam ter caído sobre ele. Não deveria ter feito um
ponto tão poderoso. E ainda assim elas fizeram. Mal se afastou de
Felicity Faircloth então, odiando que ela entendeu a interação de seu
casamento ainda melhor do que ele.
Não. Ela não entendeu melhor. Ela estava simplesmente mais disposta
a aceitá-lo. Mas Felicity Faircloth não estava casada com Sera.
Ele não conseguiu parar de caminhar até a cama onde ele ficou há quase
três anos, e queria que sua esposa vivesse. Onde ele a afastou da morte.
Onde ele havia vindo, jurando lutar por ela. Para amá-la. Para persegui-
la, no céu, se necessário...
Só para encontrá-la já fugindo.
Foi então que Malcolm percebeu que ela sempre fugiria dele. Longe do
amor. Longe da promessa de um futuro. E ele sempre a perseguiria.
Cegos e quebrados. Seria seu castigo por nunca ser digno dela.
Ele seria condenado se ela se divorciasse.

Capítulo 24
: :
Sucessor Selecionado? Filhas Perigosas
Aparecem na Cidade!

As irmãs Talbot haviam sido espremidas na carruagem por mais de


duas horas, as estradas da noite exigindo mais tempo do que o habitual
para levá-los de volta a Londres. Mas não era o enchimento das irmãs
que era digno de nota. Afinal, eles gastaram a maior parte de suas vidas
viajando juntas.
Era o silêncio delas. As cinco irmãs nunca haviam passado nenhum
tempo sem falar. Nem mesmo os cultos eram sagrados.
E assim foi quando Seleste finalmente quebrou o silêncio com uma
franca e simples: — Bem então, — as irmãs ficaram mais silenciosas do
que nunca em suas vidas - algo que Seraphina apreciou, mesmo quando
terminou.
— Foi interessante, não foi? — Isso foi de Sesily.
— Eu, por exemplo, não esperava, — respondeu Seleste. — Eu teria
pensado que Haven tinha um tiro melhor para convencê-la a ficar.
— Ele estava disposto a levar uma pedra para a cabeça por ela, —
afirmou Seline.
Se ela não estivesse tão desesperada para sair da carruagem, Sera
poderia ter encontrado a energia para procurar isso. Mas, em vez disso,
ela permaneceu concentrada em seus dedos, estreitamente entrelaçada
em seu colo, sem gatos, ainda manchada de tinta da nota que ela havia
criticado por Lady Felicity.
A nota destinada a encorajar a próxima esposa de Mal.
Se ao menos pudesse ver que seu casamento estava condenado, ele
poderia estar feliz com outra. O pensamento enviou uma onda de dor
através dela, apertando seu coração e dificultando sua respiração. Ela
se sentiu calma, inalando profundamente e voltando sua atenção para
as irmãs.
— É uma coisa boa que a aposta estava nas intenções de Haven, Ses, e
não as ações de Sera, senão você devesse o resto de nós um pouco
contundente, — ressaltou Seleste.
Sesily sacudiu a cabeça. — Oh, eu nunca teria apostado em Sera
querendo devolvê-lo.
— Eu teria.
Sera estalou a cabeça para cima, seu olhar instantaneamente
encontrando Sophie. Ela, que a observava desde que entraram na
carruagem, preocupação e interesse em seu rosto bonito. — O que você
disse?
— Eu nunca teria apostado que você não queria Haven.
— Por que não? — Perguntou Sera.

Sophie levantou um ombro e deixou cair. — Não foi há muito tempo


que você me ensinou uma lição sobre amor, irmã.

A memória veio de longe. Sera, carregada de criança na fronteira


escocesa, sentada com Sophie, amada e desesperada pelo homem que
eventualmente se tornaria seu marido. Mas naquela noite, o marquês
de Eversley tinha sido uma captura impossível - até Sophie ter ido até
ele e lhe dizer a verdade. Na proposta da Sera.

Sophie também tinha a memória. — Você contou a ele?

— Contou-lhe o quê? — Sesily interveio, mas ninguém respondeu.

Nunca disse a Haven que o amei, disse Sera, tentando convencer Sophie
a fazer o mesmo. E olhe para a bagunça que fiz.

Ela olhou pela janela, até a escuridão cheia de tinta.

Sophie não permitia o silêncio. — Sera, — ela alertou. — Você disse a


ele?

Eu amo você.

Ela assentiu, e a irmã mais nova a alcançou, tomando a mão com força,
sem hesitação. Sera olhou para ela. — E?

Sera sacudiu a cabeça. Não importava. Não mudou nada. Tudo era uma
bagunça. Ela tirou a mão de Sophie. Acentuando sua emoção. — E o
amor não é suficiente.

Silêncio caiu no auge das palavras, até Seleste soltou um pequeno


suspiro e disse: — Pode não ser suficiente, mas é algo, de fato, se todos
nós tivéssemos que correr para casa na Calada da Noite. — Ela acenou
com uma mão no ar. — Eu gasto a metade do meu casamento lutando
com Clare. Isso torna as coisas interessantes.

Seline revirou os olhos. — Você e Clare não são uma comparação


adequada para os outros, você sabe.
— E você e seu cavaleiro são? — Seleste defendeu seu casamento. —
Não há duas pessoas no mundo que devem compartilhar interesses
semelhantes da maneira que você faz. É terrivelmente aborrecido.
Seline deu um encolher de ombros. — Não é aborrecido para nós. —
Ela inclinou-se para a frente para olhar pela janela. — Quase em casa.
— Sera não perdeu a excitação na voz de sua irmã. Ela estava feliz por
estar voltando para seu casamento aborrecido e seu marido
semelhante. — Mark deve estar tão surpreso.
Seleste suspirou alegremente e recostou a cabeça contra sua bochecha.
— Clare também, — disse ela. — É melhor não estar no seu clube.
Tenho um uso para ele esta noite.
As irmãs gemeram com as palavras, Sesily dando uma risada a Seleste
sorridente. — Por favor. Não enquanto estou ocupada tentando segurar
minhas contas.
— O quê? — Seleste riu. — Você está surpreso com o fato de que estou
ansioso por uma noite com meu marido?
— Não, — declarou Sesily. — Mas você poderia ser um toque mais
discreto sobre isso.
— Pah, — disse Seleste. — As mulheres estão presentes durante o ato,
Sesily. É justo que a gente aproveite.
— Maldição, certo, — acrescentou Seline.
— Todos sabemos que você gosta, Seline. Lembro-me de uma ópera
que todos tivemos que sair porque Mãe descobriu você e Mark em
flagrante atrás de uma cortina.
Seline sorriu com satisfação. — Pelo menos estávamos atrás disso. E,
além disso, você é quem fala - todos sabem o que acontece dentro da
sua livraria quando o Rey chegou e você bloqueiou a porta durante
horas e horas do almoço do meio dia.
As bochechas de Sophie flamejaram em vermelho, e Sera não pôde
evitar o pequeno sorriso que encontrou o caminho para seus lábios. Era
por isso que ela voltou para Londres. Não para Malcolm, nem para a
família que alguma vez tinham sido prometidas, ou para o título ou a
vida que ela já liderara. Mas para essas mulheres, leais, queridas,
ousadas e melhores do que todas as outras. E por ela.
E então ela insistiria em seu divórcio. E ela ficaria livre de seu passado
e Mal poderia se casar com Felicity – que era uma excelente escolha. Ela
seria um bom companheiro e criariam filhos bonitos.
Toda a ideia não a fez sentir doente.
O enjoo era do passeio de carruagem. A doença de Sesily estava
obviamente atraindo.
De fato, esse enjoo não surgiu em uma onda de anseio por seu marido.
Ela não demorou para ele. Ela tinha um plano, e ela continuaria com
isso. Ela teria sua taberna. Ela cantaria. E seria suficiente.
Teria que ser.
Algo na vida dela tinha que ser suficiente.
— Não parece justo que todos nós estejamos fora do campo por um
mês, e a Sera foi a única permitida... você sabe, — disse Seline.
Quatro conjuntos de olhos procuraram Sera na escuridão, e ela fez o
melhor para manter sua atenção pela janela, de repente
desesperadamente rebitada para os edifícios que passavam.
— Bem, nós não sabemos se ela teve isso, — ressaltou Seleste.
— Não? — Veio a resposta. — O que mais poderia acontecer para enviá-
la fugindo dele na noite passada?
— Eu nunca quis fugir, você quis? — Perguntou Seline.
— Bem, — disse Seleste, sorriu em seu tom. — Então nós retornamos à
teoria original em Haven.
— O que é isso? — Sera não conseguiu parar a pergunta.
— Que ele é terrível nisso.
Todas riram. Todas, exceto Sera, que se aproximaram e desenharam um
círculo lento e proposital na janela. — Ele não é terrível nisso.
A carruagem ficou quieta antes de Sophie suspirar e dizer: — Sera, por
que estamos aqui?
A irritação foi forte, quente e irracional, mas Sera não se importava. —
Porque, contrariamente ao resto de suas crenças, o fato de meu marido
ser um amante superior não faz um casamento perfeito. — Quatro
conjuntos de sobrancelhas atingiram os cabelos e a resposta tornou Sera
ainda mais irritada. — Você não precisa ficar tão chocada. Nenhuma de
vocês tem ideia do que é estar na minha situação.
— Você gostaria de nos contar? — Sophie sempre ficou tão calma. Tão
imperturbável.
E ela nunca tinha sido mais irritante do que era então. — O que você
gostaria de dizer? Não há nada a dizer! — Ela disse, sua voz elevando-
se para um passo de febre. — Suas vidas são perfeitas. Seus
casamentos? Perfeito. Seus filhos... — Sua voz pegou, seu coração
estreitando, e ela engoliu em seco, passando por ela. Recusando-se a
permitir que a tristeza venha. — Eles são perfeitos. E nunca mais terei
nada disso.
— Sera... — Era o mais gentil que já ouviu Seline.
— Não. — Ela girou em sua irmã, um dedo levantado. — Você não ousa
sentir pena por mim. Eu fiz minhas escolhas. Talvez eu tenha corrido
então, mas eu voltei, mais forte do que nunca. Não preciso da sua pena.
— Você tem certeza? — Sophie respondeu, e todos se viraram para
olhar para a irmã mais jovem e silenciosa de Talbot - a quem todos
chamavam de menos interessante. Todos que não conheciam Sophie,
era isso.
Sera inclinou-se para a irmã. — O que isso significa?
— Somente que você parece exigir nosso apoio - nossa proteção -
quando é conveniente. E nós o demos. Nossa eterna lealdade. Porque
as irmãs perigosas se junta. Mas você nunca nos ofereceu sua
honestidade. Então, minha pergunta é essa: — A carruagem começou a
diminuir, acalmando-se quando chegou a Eversley House, onde Sophie
desembarcava. Mas não antes de dirigir seu ponto para casa. — É
simplesmente por que você se recusa a ser sincera conosco? Ou por que
você se recusa a ser honesta consigo mesma?
Havia coisas que só as irmãs podiam dizer. Formas que apenas as irmãs
poderiam fazer uma raiva da mulher. — Eu nunca fui sincera com você.
— Que lavagem completa, — Sophie zombou. — Você nos deixou. Sem
uma palavra. O que foi honesto nisso? Você se perdeu, Sera. Você
estava de luto pelo homem que você amava e pela criança que você
perdeu. E você jogou tudo fora. Incluindo nós. E eu estava inclinado a
ser compreensiva. Mas agora – é hora de você ver que você se faz um
desserviço. Deus sabe que nunca tive muito amor por Haven, mas o
homem adora você, e ele está disposto a lhe dar qualquer coisa que
desejares. Qualquer coisa que você precise. Embora no momento não
consigo imaginar o porquê. — Sera sentou-se em seu assento.
— Oof. Isso foi um pouco duro — disse Seline calmamente.
— Bem, talvez ela precisasse ouvir isso, — disse Sophie.
— Eu não precisava, na verdade. Porque não é verdade. — Sophie
levantou uma sobrancelha enquanto Sera continuava. — Eu pedi uma
coisa para ele. Um divórcio. Minha liberdade. Ele também pode
acrescentar, e ele não me deu isso.
— Talvez ele não o dê porque você tem uma espécie de fantasia bizarra
do que é a liberdade.
Sera estreitou seu olhar em sua irmã. — E eu suponho que você sabe?
— Eu sei, de fato, — disse Sophie enquanto a carruagem parou. Ela
suavizou as saias e o cabelo dela enquanto um lacaiinho de libré se
aproximava para abrir a porta. Ela olhou para Sera antes de pegar sua
mão e desceu as escadas.
Voltando-se, ela disse: — Eu amo você, você sabe. — As lágrimas
vieram, instantâneas e indesejadas, e Sera desviou o olhar, o que era
melhor porque elas derramaram quando Sophie acrescentou,
suavemente — Eu só queria que você pudesse encontrar uma maneira
de amar-se no equilíbrio. — Consumida pela raiva, tristeza e frustração,
ela não conseguia falar, Sera não olhou para a irmã, até que a porta do
carro fechou com uma risada suave.

Com uma mão baixa nas costas, Sophie dirigiu-se lentamente para a
porta da casa da cidade, que estava aberta, um brilho laranja e
acolhedor dando-lhe as boas-vindas. A culpa acendeu-se no intestino
de Sera. Sua irmã estava com criança e provavelmente teria ficado mais
feliz em uma cama do que abarrotada em uma carruagem no meio da
noite.

Mas Sophie estava em casa agora, e seu marido logo ficou a vista na
entrada dourada, parando o momento mais curto antes de ir buscar sua
esposa, levantando-a nos braços e beijando-a completamente. Os
criados que se encontravam nas proximidades estavam
impecavelmente treinados, ou estavam tão acostumados com o carinho
que mostrava entre o marquês e sua esposa que eles eram imunes ao
escândalo. Sera imaginou que era o último.

E então, King estava levando Sophie sobre o limiar e entrando na casa,


parando apenas para chutar a porta fechada atrás deles.

A carruagem entrou em movimento, e Sera colocou a cabeça no banco


de trás de seu assento com uma frustração, — Maldita.

Suas irmãs não responderam, e ela sabia o porquê.

Elas concordavam com Sophie.

Sera abriu os olhos e olhou para elas. — Eu suponho que você também
deseja desculpas. — Ela sabia que ela estava sendo difícil.

— Eu não me importo muito, honestamente, — respondeu Seline. —


Mas se tiver a escolha entre você estar aqui e você não estar, eu prefiro
você em Londres. Então, se está planejando repetir suas ações passadas
e minha opinião é importante, por favor, evite fazer isso.
— Você está? Planejando partir? — Sesily perguntou de seu lugar no
canto mais distante da carruagem.

Sera ficou quieta por um longo momento. Ela balançou a cabeça. — Eu


não sei. Estava planejando a minha vida. Meu negócio. — Ela desviou
o olhar e disse ao lado da janela. — Isso é tudo o que eu queria.

Seleste e Seline não responderam, e Sera tomou seu silêncio como uma
aprovação tácita. Talvez fosse apenas lealdade, mas ela tomaria o
silêncio. Foi melhor do que a verdade. Mas uma vez que a carruagem
os havia depositado em seus respectivos lares, aos seus respectivos
maridos, deixando-a sozinha com Sesily mais uma vez, Sera ficou
nervosa.

Sesily era a mais direta de todas as irmãs Talbot e, à luz dos


acontecimentos da viagem de carruagem, isso poderia ser uma verdade
particularmente inquietante.

— Eu preferiria que você não partisse, — disse Sesily, enquanto a


escuridão do carro se fechava ao redor delas, as rodas batiam os
pedregulhos enquanto a carruagem atravessava Mayfair em direção ao
Covent Garden.

Sera respirou profundamente. — Eu não tinha a intenção de fazer.

— E então, Haven?

Ela assentiu. — Ele não deseja um divórcio.

— Você quer?

Sim. Não. Ela ignorou a questão, odiando a resposta estranha e


imprecisa que veio com ela.

— Se me é permitido? Eu não acho que eu poderia pará-lo.

— Não, provavelmente não, — disse Sesily, impassível pela resposta


aguda. — Mas Sophie não está errada, Sera. A liberdade vem em várias
formas. E mesmo os pardais devem descansar.
Sera olhou pela janela. — A carruagem irá levá-lo para casa para a mãe
e o pai quando ele me deixar.
— Você deseja se juntar a nós? A mãe ficará encantada de vê-la.
O tópico deveria ter sido seguro e fácil. Mas, em vez disso, trouxe
memória de sua mãe que, apesar de seus terríveis esquemas, amou suas
filhas para além da razão.
Ela balançou a cabeça.
— Ela aprendeu sua lição, você sabe, — disse Sesily. — Quase nunca
olha para mim com piedade decepcionada. Suponho que eu deveria
agradecer por isso.
Sera forçou um sorriso. — Seja bem-vinda. Eu irei vê-las outro dia, mas
esta noite devo retornar à minha casa.
Para ela mesma.
Para a mulher que ela tinha sido desde que chegou em Londres
semanas atrás, antes de Malcolm ter mudado tudo. Antes de tentá-la
com um futuro diferente do que estava comprometida.
E então ela iria até a taberna, e ela teria suas bebidas e ela cantaria suas
músicas e ela esperaria que a noite abaixasse o dia.
— Eu vou me juntar a você, — disse Sesily.
Sera olhou para a irmã. — Não, você não vai.
Estava muito escuro para ver o rosto de sua irmã, mas Sera sabia que
nada iria impedir que Sesily obtivesse o que queria. — Por que, porque
você está planejando sair, afinal? Você não quer uma testemunha? Ou
você não quer alguém para quem você terá que dizer adeus?
— Eu não vou embora, Sesily. Não esta noite.
— Não tenho certeza de que eu acredite em você, — respondeu Sesily.
— Correr de Highley parece estar pegando.
Sera percebeu a irritação nas palavras. — Correndo de Highley?
— Esta semana, tem sido uma espécie de divertimento.
Os olhos de Sera se arregalaram na escuridão. — Você quer dizer
Caleb?
Sesily cheirou seu desdém.
Bom Deus. O que ela perdeu? — Ses, algo aconteceu?
— Não, — disse Sesily. — Eu simplesmente gostaria de ver esta
lendária taverna.
Era uma mentira, obviamente. — Você sabe que Caleb possui isso.
— Oh, — Sesily disse vagamente, — isso significa que ele estará lá?
Sera não pôde evitar sua pequena risada com a terrível performance. —
Você não vem comigo.
— Por que não?
— Bem, em grande parte porque você é uma senhora solteira e
reconhecível.
Sera podia ouvir a faneca na voz de sua irmã quando ela respondeu: —
Há grandes faixas de Londres que não concordaria com a parte da
senhora dessa frase. Eu sou a última das irmãs perigosas, Sera. A ex-
amante do ator mais notório de Drury Lane.
— No entanto, não vou deixar você se arruinar. Nem mesmo por Caleb.
— Isso não tem nada a ver com Caleb.
— Você está falando com alguém que sofre por um homem há anos.
Percebi-lhe uma olhada na luz fraca dos pubs e dos teatros que
passavam. — E então? Você teria permitido que ele a destruísse sem
questionar?
— Na verdade, foi exatamente isso que eu fiz. — E esta tarde,
novamente. Ela deixou o último pedaço.
— Não tenho intenção de ser arruinada.
— Isso é excelente, já que não tenho a intenção de permitir que isso
aconteça.
— Você não pode simplesmente voltar para Londres e assumir o papel
de guardiã adequada.
Sera perdeu a paciência. — Pelo amor de Deus, Sesily. Uma de nós terá
uma vida feliz!
— Sim, e a esse ritmo, será você, pelo menos você tem um homem
disposto a dar uma queda!
As palavras vieram voando da boca de Sesily, Sera chocante em uma
resposta inesperada. — Você sabe, as quedas não são sempre a solução.
O silêncio caiu, e Sera foi consumido com curiosidade. Ela esperou,
sabendo que Sesily não seria capaz de deixá-la. Ela estava certa.
Finalmente, sua irmã disse, cheia de honestidade, — Tenho planos.
— Envolvendo Caleb?
— Sim.
— Ele arranjou algum tipo de atribuição? — Era difícil para Sera evitar
parecer chocada.
— Não. Pior.
Bom Deus. Ela o mataria. — O que ele fez? — Sera de repente ficou
desconfortável com o homem que ela chamou de amigo por tanto
tempo. Era uma coisa se intrometer em sua vida, mas outra coisa inteira
diferente era seduzir sua irmã.
— Nada. — Um pequeno suspiro. — Esse é o problema. Ele fugiu de
Highley quando eu pedi que ele fizesse alguma coisa.
Bom Deus. — Sesily, ele é...
— Você disse que nunca tinha se envolvido com ele. Você disse que não
estava interessada.
— E isso é tudo verdade. Eu ia dizer que ele é velho.
Sesily sorriu. — Não é tão velho.
— Não é velho no corpo. Antigo em espírito. E ele é um bastardo. —
Alguém que merecia um belo golpe no nariz, aparentemente.
— Sim, senti o último pedaço.
— E assim?
Sesily sentou-se no banco, o flash de seu sorriso branco mal lá na luz
fraca. — E então eu acho que ele merece uma bastarda em troca, não é?
Pendure todos os homens para fazer as mulheres se sentirem.
Sera apreciou a vingança simples e ideal do momento... e o castigo que
levaria para a interferência de Caleb em sua própria vida, mantendo a
presença de Mal em Boston em segredo. Ele merecia uma bastarda, e
Sesily era mulher mais do que suficiente para desempenhar o papel.
Mas sua irmã não merecia um homem que tivesse uma visão tão fria do
amor. — Caleb... Sesily, Caleb não é o tipo de homem que é para
sempre.
Sesily olhou para a escuridão além da carruagem por um longo período
de tempo suficiente para que Sera imaginasse que sua irmã não poderia
falar. Ela finalmente fez. — Ninguém é eterno até eles serem.
A declaração simples afetou Sera mais do que imaginava. E
permaneceu no ar entre elas, causando estragos silenciosos, até Sesily
olhar para ela e dizer — Você é para sempre? É Haven?
As perguntas a destruíram e ela se viu incapaz de responder.
Aterrorizada do que a resposta poderia ser.
Em vez disso, ela olhou para a irmã, aquela que tinha levado Londres
por tempestade e se levantou, corajosa, alta e linda e ousada, disposta
a aceitar a vida que surgiu, desde que ela a escolhesse. Uma heroína
entre as mulheres.
Sesily merecia uma fenda na vida que desejava, o escândalo fosse
condenado.
Não foram todos?
Sera pode não ter o futuro do qual ela já sonhou, mas ela poderia ajudar
suas irmãs a terem. Se esse fosse seu papel - ajudando-as a ter o futuro
que elas queriam - então seria suficiente.
Teria que ser.
— Então para o Sparrow.
Alguém deveria encontrar seu futuro lá.

Capítulo 25
: :
Taberna Mais Quente da Cidade!

— Americano, há senhoras...
Caleb não olhou para cima do uísque que estava derramando. — Diga-
lhes para encontrar outro lugar. Nós não somos um bordel.
O guarda que contratara para dirigir a porta do Singing Sparrow há
várias semanas tentou novamente. — Elas não parecem prostitutas,
americano.
Caleb apertou os dentes contra o apelido, o que ele parecia incapaz de
impedir. Na verdade, ele parecia incapaz de convencer qualquer um
nesse país para chamá-lo de qualquer coisa, exceto o americano –
incluindo o homem em questão, um samoano contratado fora de seu
gancho de carga nas docas de Londres, juntamente com uma meia
dúzia de outros homens, decente e forte. — Bem, então deixe-as entrar,
— disse ele. — O dinheiro das mulheres vale tanto quanto os dos
homens.
Fetu sorriu e os dentes brancos ficaram brilhantes nas sombras. — Elas
já estão dentro. Eu não pensei que eu poderia afastar a própria Sparrow.

As palavras chamaram sua atenção. Caleb olhou para a porta, incapaz


de ver muito na paixão de corpos empilhados profundamente, sem se
importar com o calor do verão - não quando havia entretenimento e
bebidas. Em vez disso, ele colocou a garrafa e inclinou-se sobre a barra.
— Ela está de volta?

— Bonita, alta e zangada como raposa quando questionei sua


identidade.

Ele não tinha dúvidas disso. O que diabos ela estava fazendo de volta
em Londres? O duque escolheu uma esposa? Foi quando o outro meio
afundou. Elas. Sera não teria feito isso. Não teria arriscado a reputação
de suas irmãs.

A reputação de sua irmã.

Ele bateu a mão no bar. — Você disse elas.

Droga. Sera não a trouxe até aqui.

— Há duas delas.

— Como é a outra? Liso e inteligente? — Talvez fosse Sophie. — Alto


como uma árvore? — Ou Seleste. — Gotejando em joias? — Seline,
talvez.

— Fêmea...

— O que isso significa?

O sorriso de Fetu novamente, desta vez, reforçado por mãos enormes


traçando uma figura escandalosamente curvada no ar. — Feminina.

Caleb agarrou a camisa de Fetu no punho, empurrando-o o bastante


para ver a tinta na tatuagem cobrindo a coroa da cabeça calva do
homem. — Você não percebe isso. Ela não é uma mulher para você.
As sobrancelhas do outro levantaram a cabeça calva, mas ele foi
interrompido antes que ele pudesse responder. — Eu sou feminina para
você?

Caleb lançou Fetu e girou para as palavras. Para a mulher.

Droga, ele não queria que ela fosse feminina.

— Não. Você é um incômodo.

Ela riu. O som do pecado e do sexo, e bem-vinda como o maldito sol.

Mas ela não era bem-vinda. Ele não a queria aqui.

Mesmo que ela fosse como uma brisa fresca na sala quente e
esfumaçada, cabelos em pinos que haviam trabalhado muito tempo por
dia, deixando longos cachos errantes torcer e se agarrar ao pescoço e
ombro, a ponta de um se esgueirando para dentro linha de seu vestido.
Havia uma cor cheia em suas bochechas, um brilho úmido sobre a linda
e lisa pele lá, e aqueles lábios, rosa e cheios e perfeitos.

Ela ergueu uma sobrancelha. — Você não pode escapar. Não, a menos
que você esteja disposto a saltar sobre o bar e atravessar algumas dúzias
de pessoas clamando para obter um local decente para assistir o
Sparrow executar.

Ele apontou para Fetu. — Volte para a porta.

Fetu executou um arco curto na direção de Sesily. — Um prazer em


conhecê-la, a irmã de Sparrow.

Ela sorriu para ele e mergulhou um pouco curiosa. — E você, protetor


americano.

Caleb queria quebrar algo. — Ele não é meu protetor, — ele disse,
odiando que ele sentiu a necessidade de dizer qualquer coisa. Ele não
se importava com o que pensasse. Seus pensamentos não eram para ele
se importar. — Eu não preciso de um protetor.

Ela se virou para ele. — Oh? Então, por que você o emprega?
— Porque ele precisa de um protetor, — disse Fetu com um sorriso
malicioso.

— Volte para a porta, — disse Caleb, pegando uma garrafa e fingindo


derramar whisky para homens que não estavam esperando por beber.
Uma vez que Fetu se afastou, tentou por casualidade, olhando para
Sesily mais uma vez. Não foi fácil, pois era muito linda de olhar sem
temer as repercussões. — Você não deveria estar aqui.

— Eu não teria que vir se você tivesse sido menos covarde.

Ele ficou quente com frustração — Um homem sentiria o peso de meus


punhos por tal sugestão.

Ela sorriu. — Bem, como já estabelecemos, não sou homem. Então eu


acho que vou tomar minhas chances.

Com um rosnado próximo, ele jogou a garrafa em uma mesa baixa e


saiu de trás do bar, levando-a pelo braço e guiando-a através da
multidão de pessoas, na sala de trás do pub, onde não havia nada além
de whisky e ganho para testemunhar. Ele a soltou e fechou a porta atrás
dele.

Sesily estava muito segura, já dando um longo passo em sua direção, e


Caleb teve que trabalhar para não se afastar. Ela era um perigo
destilado. E isso foi antes que ela dissesse, baixinho e sensual, como se
estivesse testando as profundezas de sua selvageria, — Talvez não seja
mesmo um covarde, afinal. O que você pretende fazer comigo aqui?

A questão produziu tantas respostas vívidas, deslumbrantes,


devastadoramente desleixadas, que ele precisava de um momento para
envolver sua mente sobre elas. Claro, ele não pretendia agir sobre uma
dessas respostas, mesmo que desejasse desesperadamente.

Ele era, afinal, um homem com pulso.

Limpando a cabeça, ele procurou um tópico seguro. Obrigado. — Onde


está sua irmã?
Ela se aproximou, suas saias azul profundas agora escovando contra
suas pernas. Não que ele os sentisse. Não que ele ansiasse por elas. —
Ela saiu no momento em que chegamos. Discutiu com o Sr. Fetu, depois
seguiu para entrada da sala principal, e saiu para o palco, murmurando
algo sobre entretenimento.
— Ela não deveria ter trazido você.
— Você tem medo de ser arruinado?
— Alguém deveria estar.
Ela inclinou a cabeça. — A Sera não disse que minhas irmãs e eu
estamos arruinadas antes de começar? Nós somos as Filhas Perigosas.
As Irmas Sujas. Curiosamente, estamos tão arruinadas que não
podemos surpreender a Sociedade. Nós podemos fugir de nossos
maridos. Lançar duques em tanques de peixes. Corrida de cavalos.
Partir para a Escócia em carruagens com homens que não conhecemos.
E tudo o que fazemos é provar o ponto do mundo. Uma das minhas
irmãs é uma duquesa. Outra marquise. Outra condessa. E a última mais
rica do que as outras três juntas. A ruína nos serviu muito bem.
Ele estreitou seu olhar. — Não a você, porém.
Algo piscou naqueles olhos, azul como o tecido cintilante de seu
vestido. Algo que ele teria chamado de tristeza se ele estivesse disposto
a prestar atenção. O que ele não estava.
— Não eu. Mas talvez eu simplesmente não tenha dado tudo o que eu
tenho.
E então ela colocou as mãos sobre ele, uma palma no peito, plana contra
o colete de linho com abotoadura que ele usava camisa de mangas
quando ele trabalhava. O toque era como fogo. Ele alcançou aquela mão
criminosa e gloriosa, certo de que ele iria tirá-la de cima dele. Ela era
uma namoradeira - o pior tipo - o tipo que faz um homem querer se
ajoelhar e implorar.
Ele não moveu a mão. Em vez disso, ele apertou-a com mais força.
Aqueles olhos azuis capturaram os dele. — Seu coração está batendo,
americano.
— Incidental, — disse ele. — Eu pensei que deixei claro que não sou
para lidar.
— Diga-me por que, e eu farei isso.
Ele não conseguiu evitar um pouco de risada com isso. Como se o
mundo inteiro se inclinasse a seu capricho. Como se ela e seu tipo
governassem como rainhas. E talvez o fizessem. — Porque eu
comprometo mulheres como você.
Sua voz ficou macia e suave. — Que tipo de mulher eu sou?
— O tipo perigosa. — Ele estava inclinando-se para ela?
— Isso não é tudo sobre nós? — Talvez ela estivesse se aproximando
dele.
— Deus sabe que a maioria de vocês é perigosa. — Ela estava ali, os
lábios se separaram como uma promessa. Como um segredo.
— Você parece um homem que gosta de um pouco de perigo. — As
palavras eram uma respiração contra sua pele, aquela mão deslizando
até seu ombro, até o pescoço. Ele colocou as mãos nos lados.
— Não é o tipo que me deixa casado.
Ela o observou, um lindo desafio em seus olhos. — Eu nunca disse que
queria casar com você.
Ele merecia uma medalha por não beijá-la. Por não aceitar a oferta tácita
que ela expressou - o beijo. O toque. E tudo o que desejava, Sesily
Talbot, a mais perigosa das filhas perigosas
Ele mereceu ter o presidente Jackson entrando na maldita sala e
apresentá-lo com um cargo no gabinete. Ele mereceu ser cavaleiro pelo
maldito rei. Riquezas e poder além de seus sonhos. Tudo isso. Porque,
certamente, afastar-se dela era o único ato mais nobre que alguém já
havia realizado. Arthur em mira.
Fez ainda mais nobre quando disse: — Vá para casa, para seu gato,
gatinha.
Os lábios de Sesily achataram algo como desapontamento, e então ela
suspirou. — Meu gato ainda está em Highley.
— Por quê? Decidiu que não exigia um companheiro feroz?
Ela respondeu, seca como areia. — Brummell se escondeu depois que
você se esquivou.
— Eu não espreitava.
Ela o ignorou. — Ele ansiava por seu poste de arranhões americano.
Ele franziu o cenho. — Talvez você deva buscá-lo, então. Eu não me
importo muito com o que você faz, francamente, contanto que você
encontre outra árvore para ele arranhar.
— Sua habilidade em misturar metáforas verdadeiramente é
incomparável, — disse ela.
— Parece um motivo suficiente para encontrar outro homem com quem
brincar, Sesily, — disse ele, acentuando seu tom. — Eu não sou novo o
suficiente para ser tentado no jogo.
Ele a irritou, se a cor que inundasse suas bochechas era qualquer
indicação. Mas antes que ela pudesse responder, o ar mudou. Pelo que
parecia uma distância imensa, no quarto além, silêncio caiu, suave e
pesado de antecipação.
Sesily olhou para a porta, ouvindo o silêncio. — O que está
acontecendo?
— Sua irmã está prestes a cantar.
Ela se virou para ele. — Não vou sair sem ouvi-la.
— Fique se quiser, — disse ele, afetando o desinteresse. Esperando por
isso. — Mas não espere que eu fique com você.
Ela levantou uma sobrancelha e endireitou os ombros. — E então eu
estava certa.
— Você estava errada. Eu não sou outro homem para ser fascinado por
você. — Talvez se ele dissesse isso, ela acreditaria. Talvez ele faria.

Ela não acreditava. Na verdade, ela parecia totalmente impassível com


suas palavras. Pelo insulto que ele pretendia com elas. Em vez de virar
a boca e sair, ela sorriu, corajosa como sempre. — Não, Caleb, eu estava
certa. Você é um covarde. Não querendo ver a verdade.

Ela havia dito as palavras antes. No campo. Ele não precisava pedir a
ela para esclarecer, como elas permaneceram gravadas em sua
memória.

Quão bom seria.

Ele balançou sua cabeça. — Vá para casa, pequena, antes de se meter


em problemas.

Ela o observou por tempo suficiente para perturbá-lo antes que ela
sorriu. — Eu não acho que estou em perigo de entrar em problemas,
americano.

— O mundo pensará que eu a arruinei se você não tiver cuidado.

— E eles não devem pensar em tudo se você é Cuidadoso.

Ele odiava o jeito que ele respondeu de forma corajosa e imprevista.


Para suas palavras, tão chocante e tão bem-vinda. Ele não se sentiu
assim - este desperto, este em chamas, esses anos difíceis. Tentando
ignorar tudo isso, ele falou, acendendo sua voz. — O que você quer,
Sesily? Devo voltar para a taberna.

— Eu quero que você me beije.

Ele balançou a cabeça. — Não.

Ela se moveu em direção a ele. — Por que não?

— Porque eu não beijo garotas.

— Como eu disse, não sou uma garota.


Ele se agarrou à emoção, na esperança de afastá-la, o suficiente para
que ela nunca tivesse Retorna. — Mas você é jovem e mimada, não é?
Sempre foi.
— Então eu deveria obter o que eu desejo, não?
— Eu não estou interessado.
— Em mimar-me?
— Em beijar você.
As palavras pousaram e picado. Ele viu em seus lindos olhos azuis por
um momento quase impossível antes de fechar a emoção e assentiu. —
Então eu vou encontrar outra pessoa.
— Para mimar você? Esse é um excelente plano. — Ele não se
importava. Ela não era seu problema.
Ela se virou sem dizer uma palavra e dirigiu-se para a porta, abrindo-a
e voltando antes de responder. — Não. Para me beijar. — Ela estava na
multidão de pessoas além antes que ele pudesse pegá-la.
Ele a encarou por um longo tempo, muito depois de ter desaparecido
na multidão. Ela estava segura e não era sua preocupação.
Ela não partiria sem Sera. Na verdade, ela provavelmente faria o
caminho do palco para encontrá-la. Ela estava segura e não era sua
preocupação.
Havia meia dúzia de homens naquele quarto que haviam sido
contratados para manter a paz. Ela estava segura e não era sua
preocupação.
Ele acabou de se convencer desse fato quando a briga começou.

Mal cavalgava direto para o Covent Garden, inventando muito o início


da Sera, chegando ao lado do Singing Sparrow para encontrar lanternas
em chamas, multidões de brincadeiras estridentes bloqueando a rua
além, maldizendo e gritando de prazer e bebida.
Empurrando o seu monte para fora e jogando uma moeda para um
garoto perto para garantir a proteção da besta, ele se dirigiu para a
porta, desesperado para chegar a Sera, a quem ele sabia sem dúvida
estava dentro. Mal passou pelo grande porteiro, grato pelo bom senso
do americano, pelo menos no que diz respeito à contratação do sujeito
para a segurança, como poucos arriscariam a ira de tal armadilha - e na
sala, escura e esfumaçada e se classificam com o cheiro de Londres no
verão. O quarto era estranhamente silencioso, antecipação e excitação
no ar. Seu olhar foi imediatamente ao palco, vazio, mas perfeitamente
iluminado, as velas longas e cintilantes, como se eles também
tremessem com a excitação da sala.
— Eu ouvi que ela está de volta, — um homem anunciou a um grupo
sentado na mesa imediatamente à sua esquerda.
— Oh, — veio a resposta zombeteira. — Eles estão dizendo isso todas
as noites desde que ela saiu. Ouvi dizer que ela voltou para a América.
Sparrow não gostou das colheitas daqui.
Outro falou. — Sim, eles dizem que ela veio olhando para assinar como
amante de um toff rico, e nenhum deles a quer.
— Você quer ficar com ela? Não é como se ela fosse uma senhora.
Haven apertou os dentes, odiando esses homens e este lugar e tudo o
que representava - a vida que ela escolheu sobre ele. Como ela deve ter
odiado ele, a escolher essa vida. Ele tinha que chegar até ela.
Antes que pudesse, o primeiro homem falou novamente, pontuando
suas palavras com um movimento de mão rude. — Mais uma razão
para tê-la. Chit sabe como fazer.
Os homens riram com tanta alegria quando Haven se virou para eles,
tomando nota das grandes jarras de cerveja na mesa quando ele se
agachou e pegou um ombro na mão. — Diga novamente.
As palavras eram baixas e ameaçadoras, e os homens apenas bebiam o
suficiente para não ver o perigo à frente. — O que, que o Sparrow
parece um bom arado?
Foram as horas de frustração, andando sozinhos no escuro,
desesperados por ela. Foram as semanas de frustração, desejando-a
com ele, mesmo quando ela estava a pouquinho de distância,
impossível de alcançar. Foram os anos de frustração, sabendo que ele
cometeu todos os erros possíveis. Temendo que ele nunca a
encontrasse.
Sem tudo isso, talvez ele não tenha virado a mesa, enviando o quarteto
voltando para trás, fora do caminho da mobília e da fúria.
Talvez ele não tenha pegado uma jarra de cerveja praticamente do ar e
quebrou os mais vocais do lado da cabeça, desfrutando o poderoso
baque que veio com o golpe mais do que deveria.
O homem aterrissou no chão com uma maldição selvagem, as
multidões que pareciam uma dispersão densa e imóvel para limpar um
amplo espaço, alguém chamando — Briga!
O quarto explodiu com a atividade, a expectativa da vantagem da
performance de retorno de Sera se traduzindo em uma curiosidade
selvagem sobre a luta que havia explodido. As mulheres gritaram e
tiraram suas saias do caminho quando os homens começaram a chamar
as apostas.
Mal, porém, não fez uma pausa para ouvir o excesso de excesso em seu
sucesso. Ele estava muito ocupado lutando, seus punhos se conectando
rápido e poderosamente, punindo os três membros restantes do grupo
de boca cheia com sua fúria. — Você não fala assim dela, — disse ele,
sentindo o nariz de um homem antes de virar-se para bloquear uma
cadeira com outro.
O mobiliário caiu sobre o braço, e ele se afastou do banco de madeira
quebrada antes de dar um enorme golpe ao maxilar do atacante. —
Você não fala de mulheres desse jeito, — ele rugiu.
— Sai fora! — Veio a retorta do primeiro homem para baixo, agora mais
uma vez em seus pés, sangue em sua bochecha. — Vou dizer o que eu
gosto, onde eu gosto!
Mal foi buscá-lo novamente, levando-o pela camisa suja e jogando-o,
corporalmente, em direção ao enorme guarda, que parecia menos
interessado no desperdício nojento de um humano a seus pés e mais
interessado em chegar a Mal, sem dúvida para parar sua fúria.
Mal levantou as mãos na rendição. Ele não estava atrás dos homens que
protegiam os Sera. — Eu não estou aqui para...
Ele não conseguiu terminar o pensamento, no entanto, quando um grito
feminino soou atrás dele. Ele virou, sem saber o que esperar.
Ele certamente não esperava encontrar seu inimigo final a poucas
centímetros dele, as armas tremendo, os punhos desviados de seu
caminho original pela mulher que atacou o cretino por trás. Sesily. Sua
cunhada, que olhou diretamente para ele e disse — Vá em frente, pegue
seu tiro!
Ele fez. Deu um golpe perverso que teria feito seu instrutor de boxe em
Eton imensamente orgulhoso. O homem caiu como uma árvore, Sesily
em cima dele.
Ela se sentou notavelmente rapidamente, e com um floreio
impressionante, como se fossem bestas no chão, enquanto as saias eram
um talento particular. Ela sorriu para ele. — Estamos com um pouco de
problema, eu pensaria.
Sesily era, como sempre, superior em subavaliação.
O quarto era cruel, chateando e irritando, torcendo e sibilando
consumindo o grupo, mudando de dinheiro e um aposentado
apontando: — Como ninguém apostou que uma garota entraria na
briga, ninguém ganhara!
Basta dizer, aqueles montados para os seus ganhos estavam
insatisfeitos.
Ao travar a guerra entre si, vários homens grandes emergiram da
madeira para remover os quatro homens ofensivos. Mal aproximou-se,
oferecendo a sua cunhada uma mão, ajudando-a a se levantar.
Ela sorriu. — Eu sabia que você viria, mas não esperava uma entrada
tão impressionante, eu confesso.
Ele franziu o cenho. — Eu não sei se ela vai se sentir da mesma maneira.
Ela balançou a cabeça. — Não seja bobo. As mulheres adoram um
grande gesto.
Mal não estava certo de que destruir uma taberna e sangrar quatro
homens era bastante parecido com uma sala de rosas de estufa, mas o
guarda chegou até ele para discutir o ponto, mãos maciças chegando
aos ombros de Mal e puxando-o de volta para a entrada. — Hora de ir,
Toff.
— Espere! — Disse Sesily, vindo para frente. — Ele é...
— O que em um inferno amoroso você estava pensando? — Mal tinha
de alguma forma esquecido o americano, que estava em choque,
honestamente, considerando o trovão do homem nesse momento
particular, girando Sesily para encará-lo. — Você acabou de se atirar
em uma maldita luta no bar?
Não havia nem uma sugestão de um encolher-se em Sesily. Na verdade,
parecia que sua cunhada ficou satisfeita além da medida com a raiva
de Caleb Calhoun. A compreensão surgiu quando ela se virou com
absoluta calma. — O que é o negócio de vocês?
Parecia que as irmãs Talbot haviam atingido novamente, e pela
primeira vez desde que ele acordou horas antes e percebeu que Sera se
foi, Mal encontrou-se pensando em algo além de ganhar a esposa.
Calhoun arredondou-se sobre ele. — O que você está sorrindo,
Vermelho?
Mal sorriu. — Só que é bom vê-lo caído por uma delas também.
— Saia, — disse Caleb, puxando um dedo na direção de Mal antes de
acenou na frente do nariz de Sesily. — E leve essa com você.
Seus olhos se arregalaram. — Esta?
— Você destruiu minha taberna, megera!
— Eu não fiz isso. Há apenas um arranhão. — Mal lançou um olhar
sobre seus destroços. — E, além disso, — ela disse, — não é sua taberna.
É a de Sera.
Mal ficou quieto. — O que você disse?
Caleb amaldiçoou, e os olhos de Sesily se arregalaram, como se ela
tivesse acabado de perceber o que ela havia dito. As implicações disso.
Ela recuou imediatamente. — Uh... isso é...
— Não é de Sera, — disse Caleb.
— Não é, — pensou Sesily. Muito rápido.
Mal lutou para entender o momento através dos acontecimentos dos
últimos dez minutos, nas últimas doze horas, nas últimas quatro
semanas. Através da dor em seu braço onde ele tinha sido atingido com
uma cadeira e o de sua mandíbula, onde ele tinha sido atingido com
um punho, e aquele em seu estômago, onde ele tinha sido atingido pela
verdade.
E então o quarto ficou em silêncio, impossivelmente, considerando a
luta e a bebida, o calor e a pura massa da humanidade, todos os olhos
sobre a mulher agora no centro do palco pequeno e brilhante,
mascarados e bonitos. A luta foi esquecida.
Ela ficou em perfeita calma, como se ela simplesmente tivesse se
materializado lá, em uma lâmpada de luz dourada, como uma deusa.
— É ela, — alguém respirou, adorando as palavras.
Adoração Mal entendia, porque lá, no palco, era a mulher que amava.
Ele a conhecia, mascarada ou não, coberta de tinta ou não. Ele teria
conhecido as longas filas dela, a forma curva dela, a respiração dela.
Como luz e ar, pecado e amor.
Ela usava um vestido deslumbrante no roxo mais profundo, de alguma
forma incrivelmente vibrante em vermelho e azul, brilhando como o
metal de sua máscara, delicada filigrana torcida em um padrão
elaborado e impossível, um eco das penas de seu homônimo, baixo
sobre o nariz, deixando quase nenhum espaço entre a borda da máscara
e os lábios perfeitamente pintados, cheios e deslumbrantes.
O vestido estava muito apertado no corpete, muito baixo no pescoço e
perfeição.
E então ela ergueu os braços no silêncio, virando as mãos para a
audiência, com toda a graça, como se as convidasse, para que ela
pudesse lhes contar seus segredos mais confidenciais, para que ela as
amasse como eles mereciam.
Então eles podem admirá-la, como ele fez.
Toda a sala parecia inclinar-se, inclinando-se sobre ela, e Mal com ela,
puxou uma corda. Não havia nada que pudesse afastá-lo daquele salão
naquele momento. Nada que pudesse levá-lo a essa mulher.
Ela era magnífica.
— Bem-vindo ama, — ela disse, seus lábios curvando as palavras cheias
e orgulhosas, sua voz baixa e lânguida. Familiar e, de alguma forma,
inteiramente estrangeira. — É adorável estar livre com você esta noite.
E foi quando Mal percebeu a verdade.
Isso pode ser uma parte que ela jogou, sim. E pode ser algo que ele
nunca viu e nunca soube, mas era ela. Uma parte dela. E não foi por
exigência. Ela tomou conta disso. Ela foi elevada por isso. E então,
quando ela abriu a boca e começou a cantar, ele percebeu que eles
estavam todos elevados por ela.
Não foi surpresa o que ela cantou. Mesmo lá, no escuro, onde sabia que
não podia vê-lo, sabia que ela iria cantar para ele, aquela música que
havia ecoado em sua memória há anos.
“Aqui está o coração, o sorriso e o amor; aqui está o lobo, o anjo, a
pomba. Ela deixou de sonhar e colocou brinquedos de lado; e ela
nasceu naquele dia, no coração de um menino.”
Mas ele não sabia que havia mais, versos adicionais que eram
melancólicos e bonitos, e isso o fazia doer.
“Foi a flor e foi o corvo; O futuro é o futuro que prometeu crescer.
Despedir o passado, o presente, o agora; adeus o navio, a âncora, o
arco.”
E então, ela o encontrou no salão escuro, virando-se para ele, conectado
a ele agora, como sempre. Como tinham sido naquela primeira noite,
cem anos antes, mil, na varanda na escuridão, destinadas um para o
outro. Para esta noite. Para sempre.
“Então nos deitamos e travamos nossas cabeças; então nos deitamos
no frio de nossas camas. Deixamos de lado os sonhos, e colocamos de
lado os brinquedos; e lembre-se dos nossos dias no coração de um
menino.”
A taberna estava imóvel e silenciosa como a queda de neve, as notas
preenchendo todos os cantos da sala, toda a assembleia enrugada pela
linda voz. Mas apenas Mal foi devastado pela música.
Porque ele finalmente entendeu.
O Sparrow não era um pardal. Ela era uma fênix. Ressuscitada da cinza
do passado. Do seu passado. Nenhuma das coisas que eles haviam
quebrado estava aqui. Nenhuma das coisas que eles perderam. Com
que frequência ela falou de liberdade? Aqui, nesta sala, ela estava livre.
Ele finalmente entendeu.
Quando a música terminou e ela se curvou, a sala entrou em erupção
em aplausos ensurdecedores e aplausos de aprovação que faziam
tremer as paredes. No entanto, ela não ficou no brilho do aplauso. Em
vez disso, ela se virou e atravessou uma pequena cortina ao lado do
palco, quase imperceptível se não se interessasse.
É claro que todos os homens reunidos - e várias das mulheres - estavam
interessados. Ele se moveu para impedir que eles a seguissem quando
uma mão o deteve. — Há segurança, — disse Calhoun. — Ela está
segura.
Dois homens macios tomaram seu lugar na cortina, preparados para
lutar pelo Sparrow, sua Rainha.

Ele não se importava. Ele queria protegê-la.

— Talvez você devesse esperar, — acrescentou Sesily.

Mal ouviu o significado nas palavras. Ela não quer você.

Ele ligou a dupla. — Esta não é sua taberna, ainda. Foi o que você quis
dizer.

— Eu não queria dizer nada. — O americano franziu o cenho em Sesily.

Sesily levantou um ombro e deixou cair. — Você me deixou com raiva.


E além disso, é hora de alguém importuná-los junto.

— Junto, onde? — Caleb grunhiu.

— Ele não está se divorciando dela, americano, — disse Sesily. — Ele a


ama completamente.

Ela não estava errada, mas nada na conversa estava ajudando. Mal
resistiu ao desejo de dizer a ambos que se calassem e dissessem: —
Estou certo, não estou? A taberna deve ser dela.

A resposta foi arrancada do americano. — É dela quando poder ser


aceita.

Mal sacudiu a cabeça. Mulheres casadas não podiam possuir


propriedade. E elas não podiam possuir negócios. — O que nunca pode
acontecer. Não contanto que ela esteja casada comigo.

O americano não teve que responder.

Para ter seu futuro, ela teve que esquecer seu passado. O que era
impossível, se ele estivesse com ela. Ele olhou para Sesily, a única irmã
que parecia remotamente disposta a perdoá-lo. — Por que ela não me
contou? — Calhoun também não teve que responder a isso. Mal
respondeu por ele. — Ela não confiava em não fazer jogos com ela. —
Ela não confiava nele, certamente. E ele não tinha feito nada além de
provar seu direito, intrigar e planejar e atirar uma festa da casa para
atraí-la para ele, em vez de lhe dizer a verdade. E arriscar tudo.
Tudo o que ele havia perdido de qualquer maneira.
Ele nunca deu razão para ela confiar nele.
Suas palavras daquela manhã - só que aquela manhã? Cristo, sentiu-se
como uma era-ecoada por ele como sua canção, doce, honesta e
melancólica. Final.
Amor não é suficiente.
Houve um tempo em que teria acontecido. Quando ele tinha sido tudo
o que ela desejara. Tudo o que ela já precisava. Mas ele estava muito
cego para ver que tudo o que tinha feito era para ele. Para a família
deles. Para o seu futuro. E quando ele entendeu, ela já havia sido
consertada no firmamento.
Ele assentiu, sabendo o que havia de vir depois. Sabendo que, se não
funcionasse, ele a perderia para sempre. E sabendo que ele não tinha
outra escolha.
Ele se virou para sair e Sesily o deteve. — Espera! Haven! O que nós
dizemos a ela?
Ele respondeu sem olhar para trás. — Diga a ela que não vou me casar
com Felicity Faircloth.
Ele atravessou a rua para fora, precisando de ar e um momento para
pensar. Virando as costas para a parede de paralelepípedos curvado,
ele fechou os olhos e respirou fundo, a dor apertada no peito
ameaçando consumi-lo.
Quando os abriu, foi encontrar dois homens brutais de pé na frente
dele, um alto e se inclinar com uma cicatriz perversa por sua bochecha
e uma bengala que parecia que não era mais projetado para ajudar no
equilíbrio do que era ajudar em vôo, e o outro mais curto, mais amplo
e com um rosto que evocaria escultura romana, se ele não visse um
retrato de crueldade.
Eles pareciam também virados para carteiristas ou lâminas de bêbado,
mas era Covent Garden, então ele disse: — Se você está procurando
uma briga, senhor, eu deveria avisar você que estou mais do que
disposto a dar isso. Encontre outro urso para picar.
O homem alto não hesitou em sua resposta. — Nós não estamos aqui
para brigar com você, Duque. — Mal não estava surpreso que o
conhecessem. Pareciam o tipo de homens que conheciam uma
quantidade razoável. — Pelo menos, não viemos por você. Mas agora
que vimos a maneira como você luta... — O homem assustado tentou
sua aprovação. — Não suponha que você estaria interessado em lutar
por nós. Bom.
— Eu não estou. — O outro - aquele com o rosto bonito e cruel - falou
então, sua voz baixa e gravada com o que parecia ser desuso. — Não.
Você seria um lixo nisso.
— Por que é isso?
O alto de novo. — Meu irmão, significa que existem dois tipos de
lutadores; aqueles que se destacam na luta, não importa o que, e
aqueles que só se destacam quando algo que eles amam está na linha.
Você é o último.
Assim, ele sabia quem eram. — Você é o par que surrou Calhoun.
O alto inclinou a gola, o sorriso largo no rosto. — Apenas um pouco,
como foi, bem-vindo ao bairro. Calhoun lutou de volta, e bem. Nós
somos amigos, agora.
Mal assentiu, mesmo que duvidava de cada palavra. Ele fez uma pausa,
considerando os dois homens e todas as maneiras pelas quais ele
poderia arruiná-los se eles ousassem olhar sua esposa. Finalmente, ele
deu um pequeno grunhido e se inclinou. — Você está certo, você sabe.
Eu sou sincero quando algo que eu amo está na linha. E eu suponho
que você pode dizer isso porque você é cortado de um pano
semelhante.
Os homens o observaram com atenção, mas não disseram nada.
Mal manteve sua fúria e frustração em controle rígido. — Você me
ouça. Tudo o que eu amo está dentro desse lugar. Se alguma coisa
acontecer, eu venho por você.

Houve uma batida de silêncio, após o que o homem silencioso


resmungou e o homem alto disse — Cristo, eu gostaria que pudéssemos
levá-lo em um anel. Pense no dinheiro que ele nos faria!

— Ele tem outras lutas em mente.

Deus sabia que estava certo. Até aquele momento, Mal lutou por si
mesmo.

Era hora de ele começar a lutar por ela.

Capítulo 26
: :
Divorcio Ducal: Dia da Decisão!

12 de outubro de 1836,
Câmara dos Lordes, Parlamento

— Eu não o vejo.

Sesily inclinou-se sobre a grade da galeria de observação e olhou para


a procissão dos membros parlamentares que entraram na Casa dos
Lordes, e Sera ignorou o sofrimento de desapontamento no
pronunciamento, que foi validado com um olhar mais longo e
pendurado. — Não, eu não acho que ele esteja lá.
— Bem, todos podem te ver, então é o que importa, — Seline apontou
secamente quando Sesily se endireitou e virou as costas para o lugar do
falante.
— Eu não estou inclinado a mostrar deferência a um passel de homens
antigos e veneráveis, você sabe. Não, a não ser que eles ofereçam a Sera
o que ela quer.
— O que não acontecerá, — respondeu Seleste, colocando o fundo
perfeito na grade e cruzando os braços sobre o peito. A posição colocou
sua posterior na visão completa abaixo, não que ela parecesse se
importar. — Clare diz que ele tem uma boa autoridade que você não
tem os votos, Sera, que você conhece. Embora, é claro, você tem o de
Clare.
— E do King — Sophie falou.
Sera sabia que não estava se divorciando. Na verdade, ela ainda estava
surpresa de que houvesse um voto sobre o assunto. Afinal, Mal tinha
passado semanas jogando em planos para a dissolução de seu
casamento, arruinando também os verões de meia dúzia de mulheres e
de Sera.
Mentira.
Ela ignorou o sussurro e a verdade que veio com ele. Era mais fácil se
ela imaginava o verão arruinado. Se fingisse que não se importava com
ele. Então, talvez, não faria muito mal quando ele fez o que ele sempre
prometeu, manteve o casamento e ficou longe.
Durante três semanas, ele ficou ausente, sem contato e sem outra
mensagem além do que ele deu a Sesily no Sparrow depois de quase
destruir o lugar. Ele não estava casando com Felicity Faircloth.
Parecia que ele também não se casaria com Lady Lilith, considerando
que ambas as mulheres foram devolvidas a Londres e o casamento com
a nova sessão do Parlamento, junto com Lady Emily.
Surpreendentemente, a notícia da coluna de fofocas de Londres já havia
reivindicado três das mais brilhantes joias da temporada.
Então, ao que parece, Mal não se casaria com outra e, portanto, não
tinha intenção de divorciar-se

Três dias depois que Mal deixou The Singing Sparrow sem uma
palavra, Sera recebeu uma palavra do Lord Chancellor, indicando que
"a questão da dissolução do seu casamento com o Duque de Haven, por
divórcio" deveria ser ocupada no salão de Câmara dos Lordes. Ela não
foi convidada a fazer uma declaração sobre o pedido dela nem foi
autorizada a contratar um advogado para o processo. As esposas não
eram entidades legais, e então ela simplesmente recebeu uma data e
hora.

12 de Outubro, 1836, às onze e meia da manhã.

— Bem, — Seline havia declarado quando Sera havia dito a suas irmãs
da missiva. — Pelo menos não devemos perder a nossa viagem
matutina.

E assim, aqui estavam elas, cada uma das Filhas Perigosas tendo sido
admitida na galeria de observação para sentar-se ao lado de sua irmã
como seu destino foi decidido abaixo, por quase duzentos homens
nascidos em pompa e privilégio. Bem, quase duzentos e seu pai, que
ganhara seu título em cartas, o que, se alguém pensasse demais sobre a
situação atual, poderia ter sido a razão pela qual eles estavam todos
sentados lá, na situação atual.

Os homens abaixo se aproximavam, aparentemente inconscientes dos


futuros que pendiam no equilíbrio de seu trabalho legislativo,
arquivando dentro e fora de duas portas, uma de cada lado da câmara.
A porta à esquerda conduzia ao Lobby do Conteúdo, onde os senhores
a favor do duque e do duque da dupla de Haven emitiram seus votos
para "Conteúdo". À direita, o Lobby sem conteúdo, onde ocorreu o
contrário.

— Você tem, no mínimo, dois votos a favor do divórcio, — ressaltou


Seleste. — King e Clare estão de pé ao seu lado. O problema é que
nenhum desses antigos e titulados homens estão interessados em
esposas infelizes, podendo simplesmente implorar o casamento.
Nossos maridos, no entanto, são leais a uma falha.
— Eu nunca pensei em uma culpa. — Sophie sorriu, examinando a
galeria de observação. — E, além disso, não tenho interesse em
implorar o casamento. — Ela fez uma pausa, depois sem fôlego: — Eu
nunca vi o King em sua peruca. É bastante...
— Agitando? — Ofereceu Sesily.
— Eu ia dizer curioso. Mas mexer é uma opção interessante. — Ela
inclinou a cabeça. — Estou agitada? É possível.
— Perucas vão fazer isso, — disse Seline, secamente. — Crina de cavalo
em pó passou pelas gerações. Muito bonita. E perfumada.
As irmãs se dissolveram em gargalhadas. Todas as irmãs, ou seja, Sera,
que não podiam ignorar a questão premente do dia. O que fazia
sentido, considerando a questão era impactar diretamente seu futuro e
liberdade.
Não importava de repente, com Mal desapareceu de todos os lugares,
exceto de seus pensamentos, ela estava muito mais interessada em um
daqueles do que o outro. — Você tem certeza de que ele não está lá
embaixo?
Sesily virou-se e considerou os homens abaixo uma vez mais. — É
difícil dizer, o que com todas as perucas e roupões, mas eu não acho. —
Ela olhou de volta para Sera. — Você não acha que ele olharia para cá?
Ou melhor ainda, viria buscá-la? Quero dizer, todo esse procedimento
parece projetado para colocá-lo em exibição. Ele não está lhe dando o
divórcio, então, qual é o objetivo disso?
— Ele me prometeu um voto.
— Ele prometeu amor e honra também, e isso não funcionou tão bem.
— Seline, — disse Sophie bruscamente. — Ela não precisa de
lembranças de seu passado.
— Eu também prometi essas coisas, — Sera apontou.
— Pah, — Seleste acenou uma mão. — Nós prometemos obediência,
também, e alguma de nós seguiram aquele na letra? A questão é que
isso é humilhante. Se ele insiste em mantê-la como esposa, então ele
deveria ter cancelado a votação em vez de fazer todo o mundo assistir
enquanto você a perde. — A Sera não podia discordar da declaração,
mas era pouco se ele quisesse passar o dia regozijando-se sobre sua
vitória, se ele não se manifestasse em sua vitória.
— Bem, em qualquer evento, você pensaria que ele estaria aqui, —
Seleste respondeu, juntando-se a Sesily para olhar para o chão do
Parlamento. — Surpreendentemente, Sera, você parece ter recebido
mais votos do que simplesmente nossos estimados cunhados - Oh!
Existe o pai vindo do lobby de conteúdo. Bom trabalho, Papai! — Ela
chamou com uma onda, chamando a atenção e desaprovação clara da
parte do leão da Câmara dos Lordes. — Papai votou para você, Sera.
Sesily adicionou ao espetáculo, chamando, — Vote Seraphina! — Ela
voltou — Nós deveríamos ter feito chapéus. Sinais realizados. Casada.
Sera resistiu o desejo de esconder o rosto nas mãos quando Seline
acrescentou — Eu não acho que uma marcha teria ajudado.
— Nunca se sabe, — Sophie disse, esperançosamente.
— todos sabem — disse Seline, voz seca como areia. — Ninguém gosta
de uma mulher destemida.
— Bem, há nossa reputação jogada pela janela e no Tâmisa, então, —
disse Sesily, seca e perniciosa, sentando-se ao lado de Sera e
acrescentando sem graça — No que quer que façamos.
As Filhas Perigosas riram em massa.
— Por todas as mãos agarradas, você pensaria que ele seria um pouco
mais a favor de um divórcio, — disse Seleste, um toque muito alto,
desenhando uma coleção de “hamham” de baixo para sua avaliação
inadequada e extremamente apta de Lord Grabeham. Ela também
piscou e sorriu para seu lindo marido. — Oh, sim, eu gosto dessa
peruca.
— Seleste!
Seleste baixou a voz para um sussurro. — Bem, é verdade.
— Que parte? — Perguntou Sera.
As quatro de suas irmãs viram os olhos surpresos por uma batida antes
que Seleste respondeu, cheia de honestidade, — Ambos.
Sua risada coletiva ecoou pelo corredor, e Sera descobriu que não se
importava. Se Malcolm não pudesse achar isso em si mesmo para virar
o amaldiçoado, ela poderia passar a manhã se divertindo. Afinal, ele
ainda ganharia no final, não ganharia?
Você também pode ganhar.
Ela engoliu o pensamento, não gostou da maneira como ele enviou
inquietação contra ela.
— Meu Lord Chanceler!
— Oh! Veja! Lord Heiferbetter tem algo a dizer! — Sesily falou,
baixando a voz. — Odioso. — A Sera não estava de acordo com a
avaliação.
— O chanceler reconhece o senhor Hoffenbetten, — declarou o homem
que presidia os procedimentos.
— Eu humildemente solicito que aqueles na galeria de observação
sejam lembrados de que estamos em um lugar de grande importância,
decidindo sobre uma questão que afeta um dos nossos membros
gravemente, e pode muito bem influenciar o resto de nós de uma
maneira que só pode ser descrita como...
— Grave? — Seline perguntou, a palavra carregando no chão como
chumbo.
Lord Hoffenbetten olhou para Seline com pura irritação e disse: —
Sério.
O senhor chanceler respondeu com todo o tédio: — Silêncio por favor,
da galeria.
O quarteto de irmãs fez o que lhes foi dito, notavelmente, sentando-se
em uma linha de mulheres surpreendentemente silenciosas e coloridas,
observando os membros da Câmara dos Lordes entrar e sair através de
suas respectivas portas para votar e, eventualmente, acabar com suas
esperanças da irmã ter um futuro que não seria vivido na sombra do
passado.
Depois de longos minutos de silêncio de observação, Sesily disse
calmamente: — Sera, há muito mais homens votando conteúdo do que
eu esperava.
Seleste inclinou-se e sussurrou: — Eu tenho contado e... Bem, não quero
dar-lhe falsas esperanças... Mas acho que você pode ter uma chance de
luta, Sera.
Sera assentiu com a cabeça, incapaz de afastar sua atenção da porta do
Lobby de Conteúdo, onde um fluxo aparentemente interminável de
colegas - o mais jovem o suficiente para ela se lembrar de suas primeiras
temporadas - retornava ao chão da casa depois de ter votado a favor de
seu divórcio.
Seu coração começou a bater. — Pode acontecer, — ela disse
suavemente, mais para si mesma do que para os outros, mas as irmãs
Talbot sempre foram conectadas por algum tipo de vínculo inquebrável
em tempos como este.
Sophie pegou sua mão, apertando-a com força. — Sera.
E foi quando ela viu o Marquês de Mayweather. A memória caiu
através dela - tão degradada que pareceu ter acontecido décadas antes
e não apenas três anos antes. Na noite em que conheceu Mal, na
varanda de Worthington House, ele estava com Mayweather,
lamentando o estado de missões de mentes de casamento,
repreendendo o marquês por se apaixonar.
Ela olhou para as irmãs dela. — O Marquês de Mayweather se casou?
A confusão floresceu em seus rostos antes que Sesily dissesse, tão
delicadamente quanto Sesily poderia dizer qualquer coisa: — Talvez
você deva esperar até que você esteja realmente divorciada antes, — ele
acenou uma mão no ar — antes de escolher pretendentes?
Sera balançou a cabeça. — Eu não quero me casar com ele, Sesily. Eu só
estou curiosa.
— Oh. Bom então.
— Ele é casado, — Sophie ofereceu. — A marquesa frequenta a livraria.
— Helen, — disse Sera. — O nome dela é Helen.
— Bem, eu só me dirigi a ela como Lady Mayweather, mas sim, acho
que é. Você a conheceu antes?
Ela balançou a cabeça, apenas falando acima de um sussurro, distraído
pelo homem muito abaixo. — Eu sabia dela. Eu sabia que ele estava
entediado. — Ela ficou distraída pelo fato de ele entrar no Lobby
Conteúdo. O marquês de Mayweather votou em favor do divórcio. Por
quê? Ele não ficaria com o amigo? — Ela gosta de gatos, — ela disse,
vagamente. Quase desconhecendo o que ela estava dizendo.
Se Malcolm queria um divórcio, ele não pediria a seus amigos para
votar com ele?
— Eu também gosto de gatos, — disse Sesily. — Alguém viu Lady
Felicity desde que ela voltou para a cidade? Fiquei tão feliz que ela
trouxe Brummell. Alguém deveria tê-la para jantar.
— Você poderia tê-la para jantar, — disse Seleste.
Sesily sacudiu a cabeça. — Ninguém vai deixar sua filha solteira fazer
amizade comigo. — Depois dos acontecimentos no Sparrow, o nome de
Sesily tinha sido espalhado por todos os jornais, e seus pais estavam
ameaçando mandá-la para fora de Londres para restaurar sua
reputação. Como se tal coisa fosse possível.
— Sophie deveria hospedá-la. Ela é a mais respeitável do seu lote.
— Oh, sim, — sorriu Seleste. — Ela nunca fez nada de escandaloso.
— Bem, seu escândalo terminou em um marquesado.
Quando Sera observou, outro homem saiu do Lobby de Contexto muito
abaixo, parando para falar com vários outros em um grupo bem
apertado. Ela não podia colocá-los, mas eles eram terrivelmente
familiares.

— Sera? — Sophie disse calmamente, como se ela pudesse sentir que


Sera estava pensando.

— Quem é esse homem?

Sophie virou-se para olhar. — O grande é o Duque de Lamont. O


gengibre alto é o Conde de Arlesley. E o belo é o Marquês de Bourne.
Possuem um clube.

Não apenas qualquer clube. Eles possuíram o Clube Paraiso.

E eles estavam votando pelo divórcio.

Algo estava acontecendo. Sua respiração veio rapidamente em seu


estômago. Algo estava em andamento, e ela não conseguiu resolver.
Onde estava Mal? Ele não votaria? Por que não? Por que a deixou sentar
na galeria e aguardar os resultados como se estivesse esperando pela
guilhotina?

Faziam três semanas que o deixara, dormindo em Highley, e ele a


deixara no Sparrow. Ela o viu lá, na audiência. Tinha sido impossível
não vê-lo, e não só porque ele e sua irmã haviam conspirado para
destruir uma mesa e várias cadeiras no Sparrow, e enviaram quatro
homens batendo e machucando no chão.

Ela o viu no momento em que ele entrou.

Mas Mal havia desaparecido, como se a noite nunca tivesse acontecido.


O que era, supunha Sera, o que ela sempre esperara que ele fizesse.
Exceto, que uma vez que aconteceu, ela parecia não querer mais isso.
Ele havia desaparecido e, de alguma forma, tudo o que queria era vê-
lo.

Por que ele não estava aqui?


— Sera, — Sophie disse seu nome pela terceira vez. Quando Sera olhou,
foi para descobrir a irmã mais nova, observando-a cuidadosamente. —
Você ainda quer isso?

A questão era quase demais. Claro que queria, não é? Ela quis isso por
anos. Foi o que ela prometeu nos anos que não tinha tido nada. Depois
de ter perdido tudo - o casamento do qual ela sonhou, o marido que ela
amava, a criança que nascera, o futuro que ela imaginara. E quando ela
correu, ela até perdeu essas mulheres, suas irmãs.

O divórcio era fechar a porta para toda a perda e dar-lhe uma chance
de começar de novo. — Tudo o que eu já amei se transformou em lixo.
Tudo menos o Sparrow.

Por quase três anos, a única vez em que Sera já estive feliz estava no
palco, primeiro, em Boston como o Dove e depois aqui, como o
Sparrow. Na música, ela sempre se encontrava.

E se não tivesse mais nada, ela tinha pelo menos isso.

— Eu não posso ser o pardal e a duquesa. Eu nunca quis ser. Mas


agora... — Ela deixou as palavras se afastarem.

— Mas agora... — Sophie sempre viu a verdade diante do resto deles.

Sera olhou para o chão muito abaixo, ausente de Mal. Pensou nas
últimas três semanas, ausente de Mal. Onde ele estava? Ele decidiu não
estar aqui? Não persegui-la? Ele passou os últimos três anos
perseguindo-a. Ele viajou pelo continente. Ele partiu para Boston. Ele a
procurou.

Ele a amava.

Mesmo quando acreditava que ela tinha perdido tudo, ele a amava.

E agora, ele se foi.

E sentia, de alguma forma, como se ela estivesse perdendo tudo de


novo, e desta vez, ela não tinha certeza de que o Sparrow a salvaria.
— Meus senhores, os votos foram contabilizados, — o Lord Chancellor
surgiu de seu lugar na extremidade do chão. — E eu estou surpreso e
não um pouco espantado que o resultado seja um empate. Oitenta de
meus senhores emitiram um voto de Conteúdo e oitenta votos de não-
conteúdo.
Sera reprimiu o choque quando os aristocratas recolhidos se curvaram
e torciam, e vários reclamaram seu descontentamento vocal pelo
cenário.
— Um laço demoníaco?
— Como se não fosse suficiente que nós desperdiçássemos um dia
votando em um divórcio tateado!
— O homem deveria levar sua esposa na mão é o que ele deveria fazer!
— Quem disse isso? — Seline inclinou-se sobre a borda da grade. — Eu
quero ter certeza de convidar sua pobre esposa para o bolo - talvez
possamos convencê-la de que a dissolução conjugal é um objetivo
digno!
Os homens abaixo batiam e berravam, desprezando as mulheres de
bronze acima. — Alguém se pergunta por que Haven gostaria muito de
fazer qualquer coisa com você! Como qualquer homem jogaria o seu
lote com um grupo tão horrível!
O marido de Sophie pulou na briga, o marquês de Eversley se levantou,
com sua capa e peruca e com um pouco de intimidação. — Diga
novamente! — Ele trovejou.
Surgiram gritos, a sala ficou selvagem com a loucura restritiva que vem
apenas de travessuras parlamentares.
E durante todo o tempo, Sera foi consumida pela votação. — Como é
um empate? — Ela olhou para as irmãs dela. — Nós fomos assegurados
que eu não tinha os votos! — Seu olhar caiu para o marquês de
Mayweather, que parecia perfeitamente calmo. Assim como os
proprietários do Clube Paraiso e vários outros membros do Conteúdo
Lobby.
No entanto, Sesily Talbot não estava satisfeita. Ela levantou-se,
agarrando a grade, protegendo-a de cair na multidão de senhores
abaixo. — Oh, pelo amor de Deus, Lord Chancellor. Chega logo com
isso! O que acontece agora?

O que falta agora é que Mal chegue.

E, como se Sera o convocasse com seus pensamentos, as enormes portas


na extremidade da sala se abriram, o som ecoando pelo salão silencioso,
acalmando a conversa. Havia Malcolm, calmo e imperturbável, como
se fosse um dia perfeitamente comum, e sua esposa não estivesse
sentada na galeria esperando saber de seu futuro.

— Se me permite, Lorde Chanceler?

Sera o bebeu, admirando como ela poderia ter passado anos sem vê-lo
e agora, três semanas a deixaram desesperada por ele.

— Você está atrasado, Duque Haven, — o presidente falou. — O que


não é nada estranho, considerando o negócio do dia. Além disso, seu
traje inapropriado insulta a circunstância da Câmara dos Lordes.

Ele não estava usando suas vestes. Ou sua peruca.

— Eu me desculpo, — disse ele. — Eu estava chicotando votos.

Sera ficou fria com as palavras, então ardente.

— Bem, você fez um trabalho pobre nisso, como o contagem é um


empate.

Isso foi um sorriso nos lábios? Ela não podia desviar o olhar dessa
expressão - não feliz e triste. O que estava acontecendo? — Ah. Bem.
Talvez, como estou aqui, agora, eu poderia ser capaz de votar
verbalmente?

O Presidente fez uma pausa. — Isso é pouco ortodoxo.

A sala entrou em erupção em um coro de punhos e silvo. — Deixe o


homem falar, — veio um grito de algum lugar abaixo dela.
E Mayweather falou. — Ele tem o direito de votar em seu próprio
casamento, não é?
— Ele faz, — disse ela suavemente.
Suas irmãs a ouviram. Sophie virou-se para olhar para ela. — Você quer
que ele vote.
Se ele votasse, seria para manter seu casamento intacto.
Sim.
Surpresa a percorreu, e ela assentiu com a cabeça, o movimento mal lá,
tão pequeno que ninguém deveria ter visto. É claro que suas irmãs
viram isso, e elas se puseram a zombar e gritar, batendo as mãos na
grade de observação e atraindo a atenção de Mal para o nível superior
do Parlamento. Quando ele a encontrou, ele encontrou seu olhar sem
hesitação, e ela viu tudo lá. Amor. Paixão. Convicção.
Ele a queria, e ele faria qualquer coisa para tê-la.
E naquele momento, ela percebeu, sentiu o mesmo.
— Eu não acho que você está se divorciando agora, — Sophie disse,
apertando sua mão.
— Mas parece que você pode estar recebendo um grande gesto, — disse
Sesily alegremente. — Eu disse a ele que gostamos de um grande gesto.
— Tudo bem, então, Haven, continue com isso, — disse o Lord
Chancellor com mais do que um fio de irritação em seu tom. Parecia ter
evitado a formalidade parlamentar.
Haven moveu-se para o centro do chão, seu olhar se aproximou dela e,
de alguma forma, todo o Parlamento caiu, como se fossem os dois em
algum lugar privado e perfeito. O salão subaquático em Highley. O
palco do Sparrow no início da manhã. Em algum lugar, o mundo não
podia vê-los.
Ela prendeu sua respiração, esperando que ele falasse.
— Eu te amo.
Um coro de irritados “hamham” soaram ao redor da sala enquanto
colegas de toda a Grã-Bretanha perceberam o que estavam fazendo,
mas Sera descobriu que não se importava um pouco. Ela ficou de pé,
agarrando o trilho da galeria de observação para apoio, querendo estar
o mais perto possível dele para o que estava prestes a vir.

Especialmente quando ele pressionou. — Eu sabia que queria me casar


com você desde o momento em que te conheci, quando você me ralhou
por insultar os motivos das mulheres quererem o casamento. Você
estava magnífica. — Ele apontou. — Mayweather estava ali. Ele
também pensaria assim, exceto que ele já estava apaixonado por Helen.

Suas irmãs ofereceram pequenos suspiros de prazer, então Sera


assumiu que o marquês fez algo adorável nisso, mas estava muito
ocupada observando seu marido, que estava se movendo em direção a
ela, como se ela não estivesse a dez pés no ar. — Você se lembra do que
eu disse a você naquela noite?

— Você disse que o amor é uma grande falácia.

Vários dos homens reunidos pareciam concordar.

Mal assentiu. — Foi, eu disse. E dez minutos depois, eu tinha caído


nisso.

Seu coração bateu. Ela também. Ela estava planejando buscá-lo, este
lendário duque elegível, e então ela tropeçou nele, e ele tinha sido
perfeito. E ela quase estava desapontada com o fato de ele ser o mesmo
homem que ela pensava pegar.

— Você se lembra da primeira música que você já cantou para mim?

Claro que sim. E ele sabia disso. Ela a cantou na noite passada no
Sparrow. — Eu lembro.

Mal havia alcançado o primeiro de várias filas de assentos que os


separavam, todos povoados por senhores vestidos e com perucas. —
Cuidado, Haven, — um deles resmungou.
Ele não pareceu ouvir. — Ela nasceu naquele dia no coração de um menino.
Eu sempre pensei que era sobre você. Que você se encontrou em mim.
— As lágrimas puxaram seus olhos. — Mas, com o passar dos anos,
percebi que era um pensamento tolo. Por que ele? E o menino, nascido
no mesmo dia, no coração de uma menina?
As palavras estavam cheias de emoção, e as juntas de Sera ficaram
brancas com a força que ela usava para apertar o trilhos. — E o menino
que não viu o sol até a ter visto? A lua? As estrelas? — Ele se acalmou,
olhando para ela, seu olhar rastreando cada centímetro de seu rosto
enquanto ela fazia o mesmo, desejando que ele estivesse mais perto.
Ele deve ter desejado o mesmo, porque ele se mudou, subindo para os
bancos pesados abaixo, não se importando com o mobiliário venerável,
nem os aristocratas venerados que tinham que se inclinar para fora ou
encontrar-se pisoteados pelo Duque de Haven. Ele parecia se importar
apenas por se aproximar dela.
— Aqui vem, — sussurrou Sesily.
Sera inclinou-se para vê-lo enquanto alcançava os pilares embutidos na
parede embaixo e, sem hesitação, começou a escalar a parede.
O quarto ofegou em choque coletivo, uma dúzia de homens no chão
invadiram a censura irritada, e dois diretamente abaixo de alcançá-lo,
como se pudessem detê-lo.
Eles não podiam. Ele era muito rápido e muito forte, e tão malditamente
perfeito, jogando uma perna sobre o trilho enquanto Seleste e Sophie
recuaram para abrir espaço para ele enquanto Sesily gritava sua
excitação a vários metros de distância.
Pelo menos, Sera estava bastante certa de que era Sesily. Ela não estava
prestes a desviar o olhar de Mal para ter certeza. E então ele estava de
pé na frente dela, a respiração vindo dura do esforço de subir. Ele
escalara uma parede.
Ele a alcançou, seus dedos tremendo quando ele empurrou um cacho
atrás de sua orelha, deixando uma fuga de fogo na sequência de seu
toque. Quando ele falou, sua voz estava cheia de emoção. — E o menino
que não podia deixá-la ir?
Chegaram lágrimas, quentes e inesperadas. — Esse foi sempre o
problema, — ela disse para ele. — Você não me deixaria ir. — Ou talvez
fosse que ele não a manteria perto. Nada mais fazia sentido. Exceto isto.
Ele, aqui, tocando nela.
Ele balançou sua cabeça. — Eu era um bastardo. Eu não vi que quanto
mais perto eu o segurei, mais longe você voaria. Eu não percebi que
você poderia levantar vôo. E eu era jovem e estúpido, e Deus sabia que
eu fazia coisas jovens e estúpidas, e nem o menor de tudo quando
prometi nunca deixá-la ir.
Ele fez uma pausa, e ela sofria pelas pessoas que tinham sido, pelas
pessoas jovens, lindas e inquietas que haviam feito tudo errado. —
Mesmo quando você voltou, eu jurei que nunca deixaria você ir, Sera,
porque eu nunca deixei de desejar que você tivesse ficado.
Mas ela tinha que ir. Ela arruinou tanto.
Era como se ele pudesse ouvir seus pensamentos. — Eu sei que você
achou que falhamos, meu amor, mas não o fizemos. Eu falhei. Eu falhei
com você.
Ela balançou a cabeça, lágrimas chegando duro e rápido. — Não.
Não era verdade, é claro. Ambos falharam, e ambos tiveram sucesso.
Eles eram melhores por suas perdas, por seus riscos, pelo mundo que
tinham deixado para trás e para os novos que eles construíram.
Eles não falharam.
Eles adoraram.
O amor.
Ele levantou a outra mão, segurando seu rosto firmemente em seu
alcance, falando como se o mundo inteiro não estivesse observando. —
Eu pensei que se eu a perseguisse o tempo suficiente, e a segurasse o
suficiente, eu poderia convencê-la de que eu havia mudado. Que
poderíamos começar de novo. Mas eu não posso fazer isso e dar-lhe a
sua liberdade, que é tudo o que você sempre me pediu, e tudo o que eu
sempre recusei. Porque eu tenho sido um bastardo desde o início.
Nunca uma vez sequer merecedor de você.

— Não, Mal.

— Sim amor. Cansei de te perseguir. Eu terei que ser feliz quando


encontrá-la nas estrelas, à noite. — Ele fez uma pausa, e ela ofegou,
percebendo o que ele estava prestes a fazer. — Nunca haverá outra para
mim. Mas não é minha escolha que importa; é a sua. E se você não quer
isso, então prefiro que você seja livre, como você desejou desde o início.
Para começar de novo. Para escolher a sua felicidade em outro lugar.
Com... — Ele fez uma pausa, começou de novo. — ...com outra pessoa.
Alguém em quem você possa confiar. Alguém que você acredita.

Ele roubou a respiração; suas lágrimas estavam começando a zerar


agora, caindo pelas bochechas, e ela não conseguia detê-las mais do que
podia parar de dizer seu nome.

Eu acredito em você.

Isto é suficiente. Tu es.

— Ainda estamos casados, — ele sussurrou, e ele a beijou, diante de


suas irmãs e do Parlamento, em meio a saudações e gritos de
desaprovação que desapareceram na carícia, longas e persistentes e
lindamente suaves. E triste. Porque parecia um último beijo.

Sentia-se como adeus.

Quando acabou, ele pressionou a testa contra a dela. — Eu só queria


que você fosse livre, amor. Eu sempre quis que você fosse feliz. Eu só
quero que você escolha o seu caminho e saiba que eu vou te amar
melhor por isso, — ele disse, suavemente, como se ele pudesse liberá-
la, como um pássaro, no céu. — Eu vou te amar.

O que ele estava fazendo?


E então ele a soltou, virando-se com absoluta convicção e elevando a
voz para a Câmara dos Lordes. — Meu Lord Chanceler, eu voto
conteúdo.
E, assim, eles estavam divorciados.

Capítulo 27
: :
Toda Duquesa Tem Seu Dia

Duas horas depois, Mal entrou em seus escritórios parlamentares para


descobrir que sua ex-esposa acampou dentro.
Ele parou apenas dentro da porta aberta, puxador na mão e olhou-a,
empoleirada no assento embutido na janela com vista para St. Paul's,
os joelhos puxados para o peito, linda à luz do dia perfeito de outubro.
E aqui.
Graças a Deus, ela estava aqui.
Ela não desviou os olhos da cidade quando falou, o rosto em perfil
perfeito e dourado. — Eu imagino que os membros da Câmara dos
Lordes não estão emocionados com você hoje, Duque.
Ele fechou a porta e apertou as costas, com medo de que, se ele fosse
mais perto, ela desaparecesse, e ele ficaria sozinho novamente. Ela não
estava mais ligada a ele, afinal. Ela poderia sair e nunca mais voltar.
— Não, muitos deles não estão. — Mal passou as duas últimas horas
navegando na raiva e desaprovação dos oitenta membros da
aristocracia que votaram contra a dissolução de seu casamento. — Eles
pensam que desrespeitamos a instituição.
— A instituição do casamento? Ou a instituição do Parlamento?
— Um pouco de ambos.
Sua pequena expiração poderia ter sido uma risada. — Somente um
pouco? Você estava vergonhosamente, mal vestido para o ambiente da
Casa dos Lordes, Sua Graça.
— Curiosamente, ninguém parecia interessado nessa parte.
— Eu suponho que eles estavam mais preocupados com o fato de você
escalar a parede e me beijar.
— Sim, — ele respondeu. — Mas você era minha esposa naquela
ocasião, então eu acho que eles ficaram mais irritados que quando as
notícias saíram, todos teriam que fazer algo semelhante para seus
próprios cônjuges.
— Eu não recomendaria isso, — disse ela... — Tais grandes gestos
frequentemente terminam em divórcio.
— Muitas vezes? — Ele daria qualquer coisa para ela olhar para ele.
Para virar e encará-lo e contar-lhe cada coisa do que estava pensando.
E então ela olhou para ele, capturando-o. Como ela já havia feito. —
Cem por cento do tempo.
Demorou todas as suas forças para não ir até ela. Ele prometeu parar
de persegui-la. Ele votou para deixá-la fazer suas próprias escolhas. —
Coisas terríveis.
Ela sorriu então, pequena e perfeita. — Você é um louco.
— Você não é a primeira a fazer essa avaliação hoje.
Ela se virou, levantando uma mão para a janela, traçando um círculo
no vidro lá. Ela ficou em silêncio por tanto tempo que não tinha certeza
se falaria novamente, e percebeu que não se importava se eles vivessem
aqui, para sempre, em silêncio, enquanto viviam aqui juntos.
E então, — Os marinheiros no navio para Boston me chamaram de
Dove. — Ele inalou bruscamente as palavras, macio e adorável,
nebuloso com memória. Ela sorriu, melancólica à luz do sol. — Eles
gostaram de mim.

— Não tenho dúvida, — disse ele, odiando aqueles homens por tê-la no
momento em que ele estava tão ansiosamente procurando por ela.

Ela balançou a cabeça. — Não é assim. Eu fui... — Ela parou,


procurando o acabamento certo. Então falou, — eu estava triste.

Ele não poderia ter parado de se mover para ela, e nem se tivesse tido
a força de dez homens. Mas, milagrosamente, quando chegou à janela,
encontrou uma maneira de resistir a tocá-la, em vez de sentar-se na
cadeira ao lado dela, querendo reivindicá-la, sabendo que não deveria.
Sabendo que, se o fizesse, ela poderia parar, e disposta a fazer qualquer
coisa para evitar isso.

Ela não desviou a vista da cidade além da janela. — Eu estava triste, e


mal dormi, então andei. As primeiras noites, eles me disseram que eu
não poderia estar no convés, que era muito perigoso.

— Foi uma travessia do Atlântico em fevereiro. — Mesmo dizendo que


as palavras o deixavam nervoso. Ela poderia ter ficado horrivelmente
doente. Pior. Ele detestou a ideia dela naquela viagem terrível, jogada
pelo mar, ameaçada pelos elementos. Sozinha.

Ele deveria estar com ela.

Ela nunca deveria ter estado lá para começar.

Se ao menos ele tivesse sido menos tolo.

— Você soa como eles. — Ela sorriu. — Eu não sou tão frágil.

— Não, — ele concordou. — Você é beleza e aço.

Ela retomou seu conto. — Principalmente, eles não me queriam porque


eu era uma mulher, e as mulheres são má sorte perto das velas.

— Eu imagino que você não estava tendo nenhuma dessas superstições.


Ela riu então, baixinho e suave, e ele sentiu o som no intestino. — Na
verdade eu não estava. Eu queria estar no ar. Eu gostei do
entorpecimento frio. E então, eu insisti.
O prazer o atravessou nas palavras. Claro que sim. Bravo e forte, como
sempre. — Eu também não tenho dúvidas sobre isso.
— E eu cantei.
— The Dove. — O nome que os marinheiros deram.
— Eles disseram que era porque eu só cantava de luto.
Ele fechou os olhos, odiando as palavras e o conhecimento que veio
com eles. Conhecimento e memória e arrependimento. Ele deveria estar
lá para segurá-la enquanto ela lamentava. Para amá-la através dele.
Eles deveriam ter se amado através dele.
Ela prosseguiu. — Quando eu desembarquei em Boston... quando
encontrei Caleb - com a insistência de alguns dos marinheiros, que o
conheciam e sabiam que ele e eu faríamos uma boa equipe. — Ele abriu
os olhos e achou seu olhar preso ao dele, deslumbrante e azul,
brilhando com conhecimento e algo mais. Algo como promessa. —
Você gostaria de saber por que eu mantive o nome?
— Sim. — Mais do que tudo.
— Porque as palmeiras se acasalavam para a vida, e eu sabia que nunca
haveria outra para mim.
As palavras o enfraqueceram, enviando-o para a frente, em direção a
ela, desesperado por estar mais perto dela, e ainda com medo de tocá-
la. Com medo de apressá-la. Suas mãos apertadas, apenas o suficiente
para esticar os músculos em seus dedos. Ele poderia esperar. Ele
esperaria toda a vida se fosse necessário.
Ela não desviou o olhar, parecendo tirar força da verdade. Liberar-se
disso. — No momento em que fizemos a viagem de regresso, de volta
a Londres, fiquei mais feliz. Mais confiante. Mais poderosa. E quando
eu andei naquele convés – ignorando a superstição mais uma vez – e
cantei, minhas músicas não eram tão melancólicas. Aqueles
marinheiros me ensinaram suas canções marítimas, quanto mais
salgada, melhor.
— Eu gostaria de ouvi-las. — Verdade. Ele queria se deitar na grama
em Highley e deixar a brisa do verão lavá-los e levar suas canções
lamacentas para os cantos da terra.
— Eu conheço uma sobre um rapaz de Glasgow que o fará corar. — Ela
sorriu melancolicamente e olhou pela janela. Depois de uma pausa, ela
disse: — Eles também me deram um nome no navio de retorno.
— The Sparrow.
— Eles disseram que os fiz sonhar com as garotas em casa. Mas o lar
não é tudo o que o pardal representa. — Ela olhou para ele. — Jovens
marinheiros costumam pintar pardais em seus braços. Para a liberdade.
— Sua respiração pegou sua garganta. — Liberdade para ir aonde você
escolhe ir e onde você escolher. Liberar, fechando uma porta e abrindo
uma nova, e fazendo sua casa onde você pousar. — Ela fez uma pausa.
Então, suavemente, — Liberdade para esquecer.
Ele esperou, mordendo a língua, recusando falar, desesperado por ela
continuar.
Finalmente, ela fez. — Bom Senhor, Mal. Você não vê? Eu não escolhi o
Sparrow sobre você. Ou a América, ou Caleb, ou qualquer outra coisa.
Eu escolhi tudo porque eu não tinha você. Porque eu pensei que eu
nunca mais teria você. — Ele ouviu as lágrimas na voz quando ela
acrescentou — Porque eu pensei que você nunca me perdoaria, então
eu tentei esquecer. — Ela suspirou, por muito tempo e tremendo,
enquanto lutava contra a memória. — Tentei tanto esquecer tudo. E
tudo que eu poderia lembrar era você. Eu disse a mim mesma que a
Pomba era o vestígio do meu passado. E prometi a mim mesma que o
Sparrow seria a promessa do meu futuro.
Ela olhou para ele, então, olhos brilhando com lágrimas não
derramadas. — Quando o tempo todo, eu era ambos.
Ele não aguentou mais. Ele a alcançou, colocando-a em seu colo, em
seus braços. E ela veio, sem hesitação.
— Mal, — ela sussurrou em seu peito enquanto ele a aproximava,
apertando beijos em seus cabelos. — Sinto muito, — disse ela. — Por
tudo.
Ela estava chorando e ele não podia suportar isso, inclinando seu rosto
para ele, beijando suas bochechas, sorvendo as lágrimas enquanto ele
sussurrou: — Não, Angel. A tristeza é minha. O arrependimento. Eu
nunca te contei o quanto te amava. Eu nunca te mostrei como me doía
conhecê-la. Eu nunca sequer lanchei com suas irmãs - que eu gosto mais
do que eu provavelmente deveria, por sinal.
Ela riu através das lágrimas com isso. — Elas cresceram como pessoa.
Ele se afastou e encontrou seu olhar, sério. — Havia tanto que nunca
disse. Tanto que eu quero dizer agora. Para sempre. — Ele disse a ela
então, sussurrando todas as coisas que ele queria dizer a ela. Quão linda
ela era, quão perfeita, como ele a amava. Ele a beijou entre as palavras,
suave e doce, escovando suas lágrimas com lábios e polegares,
cobrindo-a em beijos, até encontrar os lábios novamente, suave e doce
e perfeito.
Ele permaneceu lá, pressionando longos e doces beijos em seus lábios
entre os votos que o inundaram. — Eu amo você, — ele sussurrou como
uma oração. Um beijo. — Eu preciso de você. — Outro. — Fique. —
Outro, e outro, e outro, até que as lágrimas de Sera se foram e ela estava
agarrando-se a ele, forçando os beijos para pressionar mais forte, durar
mais tempo, queimar mais quente.
Antes que pudessem consumi-los, Sera o deteve, respirou
pesadamente, afastando-se, até onde ele a deixaria ir. — Você se
divorciou de mim.
Ele assentiu. — Eu queria...
Ela parou suas palavras com um beijo. — Eu sei o que você queria. Você
queria me dar minha liberdade. Você queria me dar minha escolha.
— E agora, eu quero me curvar e pedir-lhe que me escolha.
Ela olhou nos seus olhos e sorriu, pura e honesta, e enviando alegria e
prazer por ele. — Essa é uma linda e tentadora oferta. Mas eu tenho
medo de não querer escolher. Eu quero tudo.
— Você pode ter o Sparrow, Sera. É seu agora. Calhoun tem os papéis.
Tudo o que você precisa é assiná-los.
Ela balançou a cabeça. — E quanto a você?
— Você não precisa de papéis para me possuir. Eu pertenço a você em
absoluto. — Ele a beijou de novo, longa e persistente, até que seus lábios
se separaram e se apegassem aos dele. — você tem a mim. Aqui. Agora.
Sempre. Como quiser.
— Você torna muito difícil para uma garota persegui-lo.
As palavras - sua implicação - passaram por ele. — Você quer me
perseguir?
— Se você não se importa muito, Duque.
— De modo nenhum, Duquesa.
Ela se afastou instantaneamente, tentando falsas desaprovações. —
Antiga duquesa. Agora, uma mera senhora. E mesmo isso é um apelido
questionável. — Ela baixou a voz para um sussurro. — Você vê, eu sou
divorciada agora. E eu possuo uma taberna.
— Ah, — ele disse, seguindo atrás dela, mordiscando a mandíbula
enquanto ela envolvia seus braços em seu pescoço. — Isso soa
terrivelmente escandaloso.
— Oh, absolutamente. Por que, nesta manhã, escandalizei a Câmara
dos Lordes.
— Que coincidência, eu também fiz isso.
Ela sorriu. — Você ficaria chocado com o que o divórcio faz com uma
pessoa leal e justa.
— Eu tenho certeza que ficaria, — ele provocou, amando o sorriso nos
lábios. — Por que você não me mostra agora?
— No devido tempo. Mas primeiro, devo dizer-lhe que tenho lido um
pouco desde que você me deixou.
— Você me deixou primeiro, — disse ele.
— Sim, mas você destruiu minha taberna e depois me deixou.
— Eu tive que convencer os oitenta membros do Parlamento a votar do
lado de uma duquesa no processo de seu divórcio. Essa não é a tarefa
mais fácil. O número de cachorros que eu descartei é assombroso.
Ela riu. — E devemos discutir tudo isso mais tarde. Mas em primeiro
lugar, gostaria de lhe dizer o que aprendi.
Enquanto ela permanecesse em seus braços, ela podia ler os minutos da
sessão parlamentar da última temporada era tudo o que ele gostava. —
Faça, por favor.
— Eu tenho me torturado lendo sobre as Plêiades. — E, assim, ele ficou
fascinado. Seus dedos tocaram seus cabelos enquanto ela continuava.
— Você vê, Merope é a única das sete irmãs que não pode ser vista sem
um telescópio. Você sabia disso?
Seu coração começou a bater. — Eu sei.
— Claro que você sabe. E primeiro lugar, eu gostaria muito de pegar
um telescópio e dar uma olhada nela. — Ele compraria um telescópio
naquele mesmo dia. Ele criaria um maldito observatório. — Eles dizem
que ela está escondendo seu rosto com vergonha porque todas as suas
irmãs se casaram com deuses e ela amava um mortal.
Ele assentiu. — Sim.
— Eu acho que eles estão errados. Acho que ela é desviada porque ela
olha na direção errada para sua felicidade. Eu acho que ela está
procurando o céu, esperando que ele a encontre. E... — Ela fez uma
pausa, as palavras pegando. — ...se ao menos ela se virasse, ela veria
que Orion estava lá, esperando para fazê-la feliz, o tempo todo.
Ele assentiu com as palavras grossas em sua garganta. — Ele só quer
sua felicidade.
Seu olhar azul encontrou o dele. Segurei. — E seu amor, eu espero.
— Cristo, sim. Seu amor.
Lágrimas brilhavam em seus olhos. — Devo dizer-lhe que estou aqui
para mais do que isso.
Qualquer coisa. Ele lhe daria qualquer coisa.
Ela saiu do colo e ele lamentou o movimento, até que ela estava diante
dele, e ele percebeu o que estava vestindo. Suas vestes. Como ele não
percebeu isso antes? E como foi que agora que ele tinha, ele estava certo
de que ele nunca tinha visto nada tão deslumbrante em sua vida?
— Eu não queria ir para casa para encontrar algo para vestir.
— Eu lembro de você usando um vestido perfeitamente respeitável
antes, — ele disse, inclinando a cabeça. O que ela estava fazendo?
Um sorriso pequeno e tímido tocou seus lábios enquanto ela tocava o
aperto das vestes. — Sim, mas achei que o vermelho seria mais
apropriado.
E assim, Mal estava desesperado por ela, virando-se para encará-la,
alcançando-a, levando-a pela cintura e puxando-a perto, entre suas
pernas e roubando-a lábios uma vez mais enquanto procurava a
abertura das vestes. E então, grunhindo: — Lembro-me de estar com
muita raiva que você contou a outra mulher sobre o meu amor por
vermelho. Você terá que se desculpar por isso, mais tarde.
Ela ofegou as palavras. Ou talvez fosse a sensação de suas mãos,
acariciando o veludo de suas vestes, puxando-a para ele. — Me
desculpe, — ela sussurrou. As mãos dela chegaram ao queixo e ela
inclinou o rosto para o dela, beijando-o. Ele tomou sua recompensa,
pontuando-a com um longo e lento deslizamento sobre o suave veludo
de suas vestes. — Isso ajuda que eu queira ser a única mulher que
alguma vez tenha vermelho para você novamente?
Sua respiração pegou. — sim, ajuda.
— É verdade, — disse ela. — Eu quero ser a única mulher. Para sempre.
As palavras rugiram em seus ouvidos. — Para sempre, como?
— Para sempre, como um parceiro. Para sempre, como iguais. — Ela
fez uma pausa. — para sempre, apaixonado. Para sempre, casado.
Ele não conseguiu parar de si mesmo. — Você tem certeza?
— Eu tenho, — ela disse com uma pequena risada. — Eu estava certa
disso nesta manhã, mas então você se divorciou de mim antes que eu
pudesse te dizer. Mas... Tudo funciona bem. Se você me tiver.
Ele também riu, incapaz de parar-se. A ideia de que ele poderia não tê-
la era ridícula. — Eu devo, eu acho.
Ela sorriu, lá e foi antes que ele pudesse aproveitar o calor dela. — Você
está certo? Você não vai... não devemos... — Ela respirou
profundamente e soltou-o, e ele ouviu as lágrimas no som. — Você não
deve ter um herdeiro.
Ele colocou as mãos no rosto dela então. — Eu vou ter você. Eu vou te
amar. E envelhecer em seus braços.
Ela fechou os olhos e uma lágrima escapou. Mal perseguiu-o com o
polegar. Eles se beijaram, lentos e perfeitos, e ele queria que ela
acreditasse nele. Para entender que ele não era nada sem ela, e ela era
tudo o que ele jamais desejara.
Ela deve ter acreditado, porque quando acabou, ela se afastou dele, os
dedos chegando ao aperto do manto de veludo vermelho. Ela afrouxou
o laço, e o veludo se juntou ao redor de seus pés, roubando a respiração.
Ela estava nua abaixo.
Ela estava nua e instantaneamente em seus braços.
Ele a puxou para o seu colo, sem hesitação, amando a maneira como ela
o empurrava, amando a sensação de sua pele e o som de seu suspiro de
prazer. Amando ela. — Senhora Seraphina, você escandaliza esse lugar.
— O que você me disse na última vez que estávamos aqui? Que este era
um lugar para os homens de propósito?
Ele estava beijando seu pescoço, fazendo pequenos círculos com a
língua no lugar onde ele conhecia seu ombro, onde ela era sensível o
suficiente para poder fazer seu suspiro com um mero toque. Ele sorriu
lá, contra aquela pele incrivelmente macia, com as mãos encontrando a
inchaço redonda do fundo dela enquanto tirava o casaco de seus
ombros. — Parece lembrar uma descrição dessas.
O casaco caiu, sua mão roubou a seu peito, colocando-o, testando seu
peso pesado, e ela gemeu suavemente ao toque. — E o que você tem a
dizer sobre isso?
Seus lábios rastrearam a inclinação desse peito. — Eu tenho um objetivo
agora mesmo, você não acha?
Ela explodiu rindo, o som trazendo os salões veneráveis do Parlamento,
fora de lugar e perfeito. E Mal começou a fazê-la rir repetidas vezes, até
que ela estava fazendo sons completamente diferentes.
E então ele estava fazendo eles também.
Quando eles voltaram para a terra, no chão de seu escritório, envoltos
em suas roupas de veludo pesado, vestes que ele nunca mais poderia
usar sem convocar sua esposa para seus escritórios para ajudá-lo a
removê-los – ele apertou um beijo em sua cabeça e disse suavemente:
— Suponho que tenho que dar uma volta para às notícias hoje.
Ela ergueu a cabeça, a confusão abriu a testa. — Por quê?
Ele sorriu para sua ex e futura esposa. — Devemos anunciar o nosso
noivado, você não acha? O duque de Haven e o pardal cantante?
Essa risada de novo, linda e perfeita e dele. — Definitivamente. Nós
não queremos que as pessoas falem.
Epílogo
Amor Bevingstoke: Haven Não Pode Esperar!

Seis anos depois

— Sua graça, simplesmente não é feito!


Mal ignorou a parteira quando ele empurrou para dentro da sala,
puxando as luvas para o chão e enviando seu casaco depois dele, olhos
apenas para sua esposa enquanto ele subia na cama.
Sua esposa, que parecia inteiramente tão serena, considerando que ela
estava a minutos de dar à luz. — Você dará a parteira os vapores.
— Ela vai ficar bem, — ele respondeu, pegando sua mão e levando a
boca para um beijo firme. — Eu nunca vou tocar em você novamente.
Ela riu, como se eles estivessem fora de um passeio. — Foi o que você
disse nos outros tempos.
— Desta vez, quero dizer.
— Você disse na última vez.
Ele não se lembrou, mas ele imaginou que ele fez. Três meses depois do
segundo casamento - um espetáculo glorioso atendido pela metade de
Londres com a insistência de suas cunhadas - Sera e Mal descobriram
que Sera estava aumentando, para medidas iguais de surpresa, prazer
e terror.
Milagrosamente, um nascimento fácil produziu um filho saudável,
Oliver, agora com cinco anos e selvagem sobre cavalos e tintas. Dois
anos depois, eles receberam Amélia, tão brilhante quanto sua mãe, e
cheia de opiniões. Naquela manhã, no café da manhã, ela olhou para
Mal morto nos olhos e declarou: — Se você e a mamãe podem ter um
bebê, é justo que Oliver e eu temos um gatinho.
Mal tinha passado a manhã nos estábulos, selecionando o par perfeito
de gatos para viver na casa senhorial. Afinal, Amélia havia apontado, o
bebê deveria receber um presente aquando da chegada. Isso foi apenas
educado.
Escusado será dizer que o médico que pronunciou Sera estéril após o
nascimento de seu primeiro filho estava errado. E a vida feliz em que
Sera e Mal se estabeleceram, tornou-se um caos igualmente feliz.
— Alguma palavra do Sparrow? — Perguntou Sera, como se estivesse
nos jardins jogando tigelas de gramado e não se preparando para dar à
luz um filho.
— Caleb chegou ontem, — respondeu Mal. — Sua taverna está em boas
mãos enquanto você atende a outros negócios.
A família viveu a maior parte do ano em Londres, perto do The Singing
Sparrow, que a Sera poderia gerenciar as operações diárias e que a
própria Sparrow poderia encontrar tempo para cantar ocasiões raras e
maravilhosas, sempre com o duque de Haven no comparecimento.
Mas todos os seus filhos nasceram em Highley, e este não seria
diferente.
Uma onda de desconforto atingiu Sera e ela ofegou. — Está na hora.
Mal enrolou as mangas e se moveu atrás de sua esposa. Enquanto ele
estava devidamente atormentado por seus filhos, e agradeceu a Deus
acima deles por todos os dias de sua vida de sorte, não mudou o fato
de que ele não tinha amor por recebê-los. — Lembro-me de que não
gosto de nada disso.
— Você gosta das partes que levaram a isso um pouco, marido, — ela
disse secamente. — Como eu.
A parteira tentou sua desaprovação, e Mal levantou uma sobrancelha.
— Você sabe que eles dizem que eu sou o escândalo, agora, não é? E
aqui está você, escandalizando a sala com sua conversa sobre as partes
que levam.
Ela sorriu. — Considerando meu estado atual, Mad Malcolm, estou
bastante certa de que a sala está ciente das partes que levam.
Ele riu, selvagem por sua esposa, como sempre beleza e aço.
Uma onda de dor a atingiu, e Mal fez o melhor para manter sua
compostura enquanto a parteira olhava para Sera. — O bebê está vindo,
Sua Graça. — Ela olhou para Mal então. — Você está certo de que deseja
permanecer?
Sera apertou sua mão. — Ele está certo.
Como se houvesse qualquer outro lugar, em que ele estaria.
Ele ofereceu a sua esposa suas mãos e suas forças enquanto fazia o
imenso e magnífico trabalho de levar seu filho ao mundo. Não que ela
precisasse dele.
Na verdade, foi Mal quem exigiu a força de Sera quando, minutos
depois - os gritos saudáveis de seu segundo filho que encheu a sala e o
coração de Mal - ela entregou sua terceira filha.
Horas mais tarde, quando o sol se pôs à distância, transformando a sala
em um tom rico e dourado, Mal entrou nos aposentos Ducais para
encontrar sua esposa abed, olhando cada bit um anjo, cabelo sobre seus
ombros, cercado por seus filhos.
Ela segurou um dos gêmeos, o segundo adormecido ao seu lado, ambos
felizmente inconscientes das inspeções minuciosas que receberam de
seus irmãos mais velhos. O olhar de Sera o encontrou, azul e cheio de
amor, um sorriso brincando sobre seus lábios antes que ela dissesse,
diversão restritiva em seu tom: — Estamos considerando nossas
opções.
Ele se aproximou, sentindo como se seu coração pudesse explodir de
seu peito no imagem que eles fizeram, essas crianças, essa mulher. Seus
amores.
Amélia estava de mãos dadas e joelhos, considerando o bebê na cama.
— Eu prefiro esse.
Oliver sacudiu a cabeça, toda a seriedade. — Eu não. As irmãs podem
ser muito problemáticas.
— Isso é verdade, — Sera concordou, falando de uma vasta experiência.
— Mas elas também podem ser terrivelmente leais.
— E excelente na batalha, — acrescentou Mal, piscando para sua
esposa.
— No entanto, — Oliver disse: — Eu preferiria manter o menino.
As sobrancelhas de Mal se aproximaram. — Eu imploro seu perdão?
Sera sorriu. — Parece que eles só tinham um nome selecionado, e então
devemos escolher o que manter.
Ele combinou com o sorriso de sua esposa. — O nome ajuda com a
decisão?
Ela balançou a cabeça. — Eu tenho medo, não.
Ele olhou para seus filhos mais velhos. — O que é isso?
— Frango, — disse Amélia, simplesmente.
Mal riu alto e longo, antes de tomar seu lugar na cabeceira da cama, do
outro lado de sua filha mais nova. — Bem, acho que vamos mantê-los
ambos, se você não se importar.
Oliver suspirou. — Se precisamos.
Mal inclinou-se para beijar sua esposa, suave e persistente. — Você é
magnífica.
— Eu sou, sim, não sou? — Disse ela felizmente.
Ele riu e se inclinou para colocar um beijo na testa do garoto em seus
braços e outro na menina adormecida na cama.
— E eu!" Amélia chorou, lançando-se em seu abraço. Ele abraçou ela
contra seu peito e beijou sua testa, também, quando Oliver correu para
o braço livre de Sera.
A família permaneceu até que o último sol dourado ter se dissolvido
em raias vermelhas e roxas e desbotado para estrelas negras,
reveladoras e uma lâmina de lua no céu noturno além. Mal carregava
seus filhos para as câmaras respectivas, estabelecendo os bebês no
quarto ao lado – os quartos reservados para a duquesa de Haven
tinham sido transformados em berçário, pois nem Sera nem Mal tinham
vontade de dormir.
Uma vez que as crianças foram cuidadas, Mal voltou a encontrar sua
esposa na janela aberta em seu quarto de dormir, um rouxinhol
cantando na escuridão além. Por trás, ele apertou um beijo na pele
macia que espreitava acima de seu trilho noturno, envolvendo seus
braços sobre ela.
Ela se inclinou para a carícia, entregando-se por longos e longínquos
minutos. "Você vai pegar frio nesta janela, esposa.
— Você vê? — Ela apontou. — Ele está aqui.
Ele seguiu sua direção. — Orion. Pobre cara, sempre perseguindo.
— Eu acho que você quer dizer má menina, nunca pegou. — Sera se
virou para ele então, inclinando o rosto para ele, deslizando sua mão
para puxá-lo para um beijo, profundo e lento, cheio de amor. Quando
se separaram, ela acrescentou: — Ela deveria tomar as coisas em suas
próprias mãos. Ele nunca saberia o que o atingiu.
— Sem sentido. — Ele ergueu a cabeça em seus braços e a levou de volta
para a cama. — Se ela o perseguisse, ele faria tudo o que podia para ser
pego. E bem.
Ela sorriu para isso, colocando-se contra ele. — E o que acontece depois
que ela o pega?
Ele a beijou suavemente, maravilhando-se com essa vida que eles
compartilhavam. — Feliz sempre, é claro.
Ela sorriu, os olhos fechados, dormiu rapidamente. — Finalmente. Bem
merecido.

Fim
Nota do autor

A história de Haven e Sera me assombrou por mais tempo do que posso dizer - desde muito
antes de terem nomes e assumiram o centro do palco em The Rogue Not Taken como o
catalisador da história de amor de Sophie e King. O Dia da Duquesa é uma história de encontrar
a esperança da tristeza - de um casamento que pode nunca funcionar e uma perda que nunca
pode ser superada - e quando me sentei para escrever, não tinha idéia de que se tornaria a
história de tantas mulheres que conheci, mulheres que me surpreenderam com a força e a
capacidade de enfrentar um futuro incerto. Eu não poderia ter previsto que, ao longo da escrita
deste livro, eu ficaria tão inspirado por tantos amigos, familiares, leitores, estranhos, todos
feitos de beleza e aço. Sera é para todos vocês.

Embora possa parecer que o divórcio de Sera e Haven foi facilmente obtido, os eventos na
história são um reflexo surpreendentemente próximo dos processos de divórcio na Câmara dos
Lordes no início do século XIX. Até 1857, as mulheres eram largamente excluídas da petição de
divórcio, já que as esposas não tinham personagem legal. Além disso, as esposas não podiam
testemunhar em seu próprio nome no Parlamento, o que fez o divórcio com base em qualquer
outra coisa que não fosse o adulterio feminino complicado. No final de 1700, no entanto, uma
mudança ocorreu na forma como o Parlamento e a sociedade viram o casamento - como menos
exigência de propriedade e mais uma possibilidade de felicidade - e as petições de divórcio
aumentaram significativamente. . . juntamente com a colusão do cônjuge. Essencialmente,
Homens e mulheres presos em casamentos infelizes trabalhavam em conjunto para alcançar
seu objetivo comum - geralmente com um espectador inocente sendo arrastado para o ardil
como testemunha do adultério de uma esposa. Um voto parlamentar rápido (embora caro)
resultou na dissolução do casamento e todos foram livres para se casar com seus amantes.
Fiquei chocado com a facilidade com que um casal rico e poderoso pode obter um divórcio - e
fascinado com a idéia de que maridos e esposas possam trabalhar juntos para fazer isso. Para
uma história rica e fascinante de divórcio na Inglaterra, eu recomendo Lawrence Stone's Road
to Divorce, que era um companheiro constante enquanto eu escrevi - muito para a apreensão
de meu próprio marido. As extensas coleções parlamentares na Biblioteca Britânica também
foram essenciais para esta parte da história. Um voto parlamentar rápido (embora caro)
resultou na dissolução do casamento e todos foram livres para se casar com seus amantes.
Fiquei chocado com a facilidade com que um casal rico e poderoso pode obter um divórcio - e
fascinado com a idéia de que maridos e esposas possam trabalhar juntos para fazer isso. Para
uma história rica e fascinante de divórcio na Inglaterra, eu recomendo Lawrence Stone's Road
to Divorce, que era um companheiro constante enquanto eu escrevi - muito para a apreensão
de meu próprio marido. As extensas coleções parlamentares na Biblioteca Britânica também
foram essenciais para esta parte da história. Um voto parlamentar rápido (embora caro)
resultou na dissolução do casamento e todos foram livres para se casar com seus amantes.
Fiquei chocado com a facilidade com que um casal rico e poderoso pode obter um divórcio - e
fascinado com a idéia de que maridos e esposas possam trabalhar juntos para fazer isso. Para
uma história rica e fascinante de divórcio na Inglaterra, eu recomendo Lawrence Stone's Road
to Divorce, que era um companheiro constante enquanto eu escrevi - muito para a apreensão
de meu próprio marido. As extensas coleções parlamentares na Biblioteca Britânica também
foram essenciais para esta parte da história. Fiquei chocado com a facilidade com que um casal
rico e poderoso pode obter um divórcio - e fascinado com a idéia de que maridos e esposas
possam trabalhar juntos para fazer isso. Para uma história rica e fascinante de divórcio na
Inglaterra, eu recomendo Lawrence Stone's Road to Divorce, que era um companheiro
constante enquanto eu escrevi - muito para a apreensão de meu próprio marido. As extensas
coleções parlamentares na Biblioteca Britânica também foram essenciais para esta parte da
história. Fiquei chocado com a facilidade com que um casal rico e poderoso pode obter um
divórcio - e fascinado com a idéia de que maridos e esposas possam trabalhar juntos para fazer
isso. Para uma história rica e fascinante de divórcio na Inglaterra, eu recomendo Lawrence
Stone's Road to Divorce, que era um companheiro constante enquanto eu escrevi - muito para
a apreensão de meu próprio marido. As extensas coleções parlamentares na Biblioteca Britânica
também foram essenciais para esta parte da história.

Uma nota sobre a música de Sera: "As senhoras espanholas" é uma antiga favela, anterior à
década de 1700, quando finalmente foi escrita; Eu também usei o "Oft in the Stilly Night" de
Thomas Moore e "The Last Rose of Summer". "Ela nasceu naquele dia no coração de um
menino" é minha, com muitos agradecimentos a uma antiga barraca francesa do café para a
inspiração titular.

Às vezes, um pedaço de história segura você e não vai deixar. Por vários anos (e vários livros),
procurei uma maneira de colocar um salão subaquático em uma história. O salão de baile é
real! Há um salão de baile subaquático quase idêntico no Witley Park, em Surrey, uma
propriedade maciça construída no final do século XIX por Whitaker Wright, um canalha
excêntrica milionária. Enquanto o salão subaquático de Witley foi construído na década de
1890, não havia razão para não ter existido na década de 1830 às mãos de um homem
desesperado por um monumento ao seu amor, já que os submarinos de metal e vidro já existiam
há mais de um século. Embora troquei o Netuno de Witley pelo Orion de Highley, peguei
emprestado liberalmente de fotos e contas de primeira pessoa de visitas ao salão de baile de
Witley, que, notavelmente, permanece intacto.

Como sempre, agradeço sem cessar a Carrie Feron, Carolyn Coons, e a excelente equipe da
Avon Books, incluindo Liate Stehlik, Shawn Nicholls, Pam Jaffee, Libby Collins, Tobly
McSmith, Carla Parker, Brian Grogan, Frank Albanese, Eileen DeWald, e Eleanor Mikucki.
Obrigado, também, a Steve Axelrod, que tem todas as melhores histórias.

Tenho a sorte de ter um marido que nunca me fez desejar torcer o Parlamento e os amigos que
são os melhores. Obrigado a Eric por uma calma imperturbável; para Lily Everett, Carrie Ryan
e Sophie Jordan para uma amizade inabalável; e para Bob, Tom, Felicity e todos no Krupa
Grocery para manter uma mesa livre para mim.

E para você, leitores maravilhosos, obrigado por confiar em mim, por me ler e por compartilhar
muito com vocês. Estes livros não são nada sem você. Espero que você se junte a mim em 2018
para a minha próxima série, com os Bastardos Bareknuckle e algumas mulheres jovens que
você encontrará familiar.

Ah, e quanto a Sesily e seu americano, fique atento.