Você está na página 1de 3

CASAR OU NÃO CASAR?

Sermão em 1 Coríntios 7:25-40

Muitas pessoas solteiras têm certeza de que seriam mais felizes se fossem
casadas. Muitas pessoas casadas se sentem convencidas de que seriam mais
felizes se fossem divorciadas. Outras, divorciadas sentem que seriam mais
felizes se nunca tivessem se casado.
Os coríntios expressaram algumas dúvidas ou solicitaram a opinião de
Paulo sobre determinados assuntos. Esses assuntos são respondidos pelo
apóstolo “quanto ao que me escrevestes... (1:1).
Nas questões iniciais Paulo se valeu do mandamento que o Senhor deixou
acerca da indissolubilidade do casamento e da concessão feita ao divórcio.
– Está casado no Senhor, permaneça casado. E dê atenção às suas
obrigações do casamento. Mas se vier a separar-se, não se case mais ou que
se reconcilie com seu cônjuge.
– Está casado com incrédulo, se há consentimento do incrédulo, permaneça
casado; caso contrário, se o incrédulo quiser separar, separe.
Contudo, por causa das circunstâncias, o apóstolo inclui a flexibilidade
dentro das devidas condições para outras circunstâncias, sobre as quais não
tem mandamento do Senhor. Isto por reconhecer que há mandamento claro
acerca do casamento, mas não quanto a vida de solteiro.

Estrutura do texto e argumento


No Bibleworks: 24, 25, 26, 27 | 28, 29-31, 32-34a, 34b, 35, 36 | 37, 38, 39 | 40

1 A opinião de Paulo:
A “opinião” de Paulo aparece no verso 25 e no verso 40 “γνωμην”. Ver a
mesma palavra em Atos 13:27 com a tradução no sentido de sugestão,
suposição; e Atos 20:3 onde a indicação é a uma determinação, uma ordem
estabelecida e firme.
A opinião de Paulo é a de alguém que em humildade reconhece ter sido
alcançado pela misericórdia de Deus para ser fiel. Além disso, ele enfatiza que
não pretende legislar onde o Senhor Jesus não deixou mandamento.
Quanto à situação de pessoas que nunca casaram (v. 25ss; virgens
παρθένος), Paulo já afirmou não ter um mandamento da parte do Senhor
Jesus. Dessa forma, ele prepara seus leitores quanto ao fato de que sua
opinião deve ser considerada como recomendação válida, digna de alguém
que recebeu a misericórdia de Deus para isso, em fidelidade.
E para fechar o assunto (v.40) ele deixa bem claro que tem o Espírito de
Deus, o que faz da sua humilde opinião um conselho digno do Senhor.
– Está viúvo, permaneça viúvo. Mas se não consegue se conter, melhor se
casar, mas somente no Senhor.
– Nunca casou, não procure casamento. Mas se não possui o dom do celibato,
melhor casar.
Então, Paulo dá o seu conselho sobre quatro circunstâncias para
aqueles que nunca casaram:
1) O casamento para tais pessoas é uma opção que não incorre em
pecado (v.28);
2) A solteirice é uma condição mais propícia para uma vida integralmente
consagrada (v.34);
3) Em um compromisso de noivado onde as circunstâncias exigem (débito),
é melhor casar, com isso ninguém peca (v.36);
4) Em situação onde não há nenhuma obrigação, interna ou externa, para
se manter na solteirice, bom será permanecer assim (v.37).

2 O intuito de Paulo:
O foco principal de Paulo é que cada pessoa viva com o dom que Deus
lhe deu, e que cada um permaneça na condição em que foi chamado (vs.7, 17,
20, 24, 26). Ele declara os seguintes desejos:
a) Que os cristãos sejam poupados de sofrer angústias (v. 28)
b) Que os crentes se vejam livres de preocupações (v.32);
c) Que os castos e os não casados se dediquem integralmente ao Senhor
(32-35).
Depois disso, o apóstolo elucida a base de seu intuito (v. 29-31). Nós
vivemos à luz dos últimos dias e da aproximação de uma nova era. Diante
disso todas as questões de circunstâncias terrenas não terão mais o lugar em
nossas vidas que hoje ocupam. O uso que se faz das coisas a nossa volta
deve ser com o entendimento de que o lugar delas é nesta vida. “Todo contato
com o mundo deveria ser o mais rápido e insignificante possível” pois a
aparência do mundo passa e isto está acontecendo nesse momento.
Diante do exposto, as experiências legítimas da vida, como o
casamento, não devem ser colocadas como um propósito final. Também nem
mesmo como o meio para a felicidade. Paulo reconhece até mesmo o
contrário, que que casa faz bem, mas quem não casa faz melhor. E a mulher
que se mantém viúva, em sua opinião, será mais bem-aventurada. Por mais
improvável que pareça, Paulo demonstra que ser solteiro é um estado de vida
completo, enquanto o estar casado divide a vida.
No entanto, não se está colocando o matrimônio como algo ruim ou pior
que a solteirice. O que Paulo busca é apenas colocá-lo no seu lugar: que é
uma realização da vida terrena, e sujeita a preocupações e aflições como tal.
Ordenada por Deus, mas para esta vida. Pois na regeneração não haverá mais
lugar para união matrimonial, como revelou o Senhor Jesus.
De forma que a CFW resume o papel do casamento ao afirmar: “O
matrimônio foi ordenado para o mútuo auxílio de marido e mulher; para a
propagação da raça humana por uma sucessão legítima e (propagação) da
igreja por uma semente santa; e para impedir a impureza (Cap. 24, § II).
3 Conclusão
Que ser solteiro é um dom de Deus já sabemos. Mas algo que os
pretendentes ao casamento e os já casados devem se aperceber é que casar
é bom, mas não constitui o maior propósito da vida. Casar é bênção de Deus,
mas o nosso fim principal continua sendo glorificar a Deus e gozá-lo para
sempre. O casamento propicia tanto gozos quanto aflições, mas servir a Deus
não traz pesar, e isso pode ser feito tanto por quem é solteiro quanto por que é
casado. Por que no final das contas, como filhos de Deus, todos estamos
sendo preparados para o grande momento das bodas do Cordeiro, quando a
Noiva, a Igreja imaculada final e definitivamente estará unida ao Noivo. É para
esse grande dia que estamos sendo preparados.
Aplicações
No sentido de qual importância isto tem para a igreja:
- Busque na Palavra de Deus iluminação para compreender que o propósito da
vida não é o casamento, embora seja algo bom e proveitoso.
- Jamais negligencie o casamento com a desculpa de serviço a Deus, mas
também jamais negligencie o serviço a Deus com a desculpa do casamento.
- Viva com seu cônjuge de maneira a se consagrarem mutuamente um ao
outro, mas principalmente ao Senhor.