Você está na página 1de 32

Voluntariado Meta Exposição

O que nos motiva? Rede de cuidados Santas Casas


Voluntárias de Arganil continuados alcança na “Primitivos
respondem 5000 camas Portugueses”
Opinião Pág. 3 Saúde Págs. 22 e 23 Património Págs. 28 e 29

VOZDAS União das Misericórdias


Portuguesas

MISERICÓRDIAS
director: Paulo Moreira | ano: XXVII | janeiro 2011 | publicação mensal

‘Nosso motor principal


Toxicodependentes
Reinserção
em São João
é a rentabilidade social’ da Madeira
Prestes a terminar (Fevereiro de
2011), e sem garantia de continua-
ção por parte do Instituto da Droga e
da Toxicodependência (IDT) o pro-
Ao fim do primeiro ano do segundo Desenvolvimento em 2010. “O nosso motor principal librada e preparar as democracias de jecto Trapézia na Rede da Santa Casa
mandato à frente da União das Mise- harmonioso dos três é a rentabilidade social”, afirmou, futuro”. Os cuidados continuados, da Misericórdia de S. João da Ma-
ricórdias Portuguesas (UMP), o presi- sectores é fundamental destacando que “o desenvolvimento o Ano Europeu do Voluntariado e o deira tem um objectivo: reinserção
dente do Secretariado Nacional, Ma- para criar uma harmonioso dos três sectores – social, próximo congresso nacional também sócio-profissional de consumidores
nuel de Lemos, faz um balanço dos sociedade equilibrada público e privado - é fundamental foram tema de conversa. em processo de tratamento.
temas que marcaram as Santas Casas para criar uma sociedade mais equi- Destaque, 4 a 7 Em Acção, 10

Amadora Combater a solidão na cidade grande

No bairro do Casal da Mira, a


maior parte da população é cabo-
-verdiana e o equipamento da Mi-
sericórdia da Amadora naquela
localidade acaba por ser um local
onde as culturas se encontram e
entrosam. O isolamento é um dos
maiores problemas a combater. O
centro de apoio à terceira idade
foi construído há dois anos, na
mesma altura em que se cons-
truía, mesmo ali ao pé, o centro
comercial (CC) Dolce Vita Tejo.
A câmara municipal da Ama-
dora cedeu o espaço e o grupo
Chamartin, responsável pelo CC,
assegurou as obras necessárias
para que ali pudesse funcionar
o equipamento da Santa Casa da
Misericórdia da Amadora. Entre-
tanto, também se abriu ali uma
loja social. Em Acção, 8 e 9
2 vm janeiro 2011 www.ump.pt

panorama

A FOTOGRAFIA
espaço sénior

O Natal
na Academia
As comemorações festivas do Natal, na
Academia, começam a ser preparadas
com grande antecedência. Houve poesia,
cantigas e fado nas vozes de colegas
descontraídos que fizeram do nosso A subir
encontro uma grande festa Mais licenças
parentais em 2010

A
s comemorações festivas do São cada vez mais
os pais que decidem
Natal, na Academia, começam
ficar em casa após o
a ser preparadas com grande nascimento dos filhos.
antecedência. Pode dizer- Em 2010, 16 por cento
dos pais ficaram em
se que, logo no início do
casa para cuidar dos
primeiro período, os alunos dos grupos e filhos, uma percentagem
disciplinas que actuam na festa começam superior aos 12 por
cento que o fizeram em
a preparar a respectiva actuação. É
2009.
um trabalho em que os professores se
empenham bastante, preparando os
programas e cuidando dos ensaios - quem Crato Ministra da Cultura visita Casa Museu Padre Belo
sabe, às vezes com quanto sacrifício - para A ministra da Cultura visitou recentemente a Casa Museu Padre Belo, da Santa Casa da Misericórdia do Crato,
que tudo corra o melhor possível. distrito de Portalegre. Durante a visita, Gabriela Canavilhas destacou a forte carga simbólica e espiritual
Assim, no dia 15 de Dezembro, no daquela colecção composta por Meninos Jesus. Esta iniciativa inseriu-se numa série de actividades que a
Auditório da Junta de Freguesia de São Casa Museu tem vindo a desenvolver, onde se poderá destacar a cedência de peças ao Museu da Presidência
João de Brito, esses grupos e classes da República, o lançamento do Prémio Padre Belo - Mérito Académico, assim como a candidatura à Rede
mostraram como valeu a pena todo o Portuguesa de Museus. Foi a 10 de Janeiro.
esforço despendido. Apresentaram-se os
Grupos de Cantares, Cavaquinhos, Jograis
da Academia e Coro e os alunos de Flauta
O Número
e Viola. Todos muito empenhados nas

100
suas actuações, foram muito aplaudidos
pelos convidados e colegas presentes na mil nascimentos em 2010
sala. Segundo a Comissão Nacional do Diagnóstico Precoce e Geneticista do Instituto de
Houve então um momento especial: a A Descer Genética Médica Jacinto Magalhães, depois de em 2009 ter sido atingido um mínimo
Crédito
entrega de prémios do Concurso Literário histórico de nascimentos, em 2010 este número disparou para mais de 100 mil.
malparado
Eng. Quadros Martins, organizado pelo
nosso jornal “O Mocho”. Os colegas De acordo com os dados
provisórios do Banco de
contemplados receberam os seus prémios O Caso
Portugal (BdP), o peso
das mãos do Presidente do Conselho do crédito malparado
Directivo, Eng. Luís Aires, que os felicitou sobre o total de
empréstimos concedidos
e enalteceu a colaboração nesta iniciativa S. Brás do Alportel Ao longo do seu trabalho, Faus- Alportel versus monstros sagrados
atingiu em Novembro os
cultural da Academia. to Viana tece considerações sur- do traje europeu: um caso de su-
Foi então a vez do nosso Grupo Coral
3,04 por cento. É valor
mais alto desde 1998.
O pequeno preendentes acerca do Museu do cesso”, refere o autor.
apresentar algumas canções de Natal. A Golias do Trajo de São Brás de Alportel que O autor encontrou em São Brás de
terminar, o Fado na bela e apreciada voz Algarve considera “a grande surpresa da Alportel um modelo inovador de
da colega Ilda Maria. A Frase pesquisa e um ponto de viragem gestão, inspirado na Museologia
No dia 16 realizou-se, num hotel de Fausto Roberto Poço Viana é do- na sua própria forma de ver o Social, assente na contenção de
Lisboa, o almoço-convívio muito bem cente da Universidade de São mundo da museologia” referindo recursos e com elevados índices
Presidência da República

organizado e servido. Mas para além do Paulo (Brasil) e defendeu recente- ainda que este foi “fundamental na de intervenção social, que o levou
belíssimo menu, o que se viveu nessas mente a sua tese de doutoramen- elaboração do projecto” do Museu a considerar que “nenhuma das
horas foi extraordinário: convivência to na Universidade Lusófona em do Teatro da Cidade de São Paulo. instituições visitadas superou o
sadia, alegria contagiante e um espírito de Lisboa. A investigação pretendeu “O Museu do Traje de São Brás de pequeno Golias do Algarve”.
união que só podemos atribuir à magia do juntar argumentos de sustentação
Natal. Depois, em breves palavras, o nosso ao processo de criação do Museu
Aníbal Cavaco
Presidente, para além dos votos habituais, Silva
do Teatro da Cidade de São Paulo.
mostrou a sua preocupação devida à Presidente da Para tal o investigador percorreu
situação complicada no país e que atinge República reeleito alguns países europeus onde visi-
muitas instituições, incluindo aquela a tou os principais museus de moda,
“O povo português
que pertencemos. Houve poesia, cantigas teatro e indumentária: o Victoria
não se deixou
e fado nas vozes de colegas and Albert Museum de Londres,
enganar”
descontraídos que fizeram do o Museu del Traje de Madrid, o
nosso encontro uma grande Centre National du Costume de
FESTA. Scène em Moulins, França, o Palais
Galliera em Paris e os Museus Na-
cionais do Traje e do Teatro em Lis-
boa. A estes “monstros sagrados
do traje europeu”, Fausto Viana
juntou ainda os Museus do Traje
de Viana do Castelo e de São Brás
Isabel Rodeia
Academia de Cultura de Alportel, propriedade da Santa
e Cooperação da UMP Casa da Misericórdia daquela loca-
academiadecultura@ump.pt
lidade algarvia.
www.ump.pt janeiro 2010 vm 3

RADAR
ON-LINE
Opinião
Galp Energia
Lar Virgílio Lopes
Ser voluntário ganha esquentadores

O Lar Virgílio Lopes, da União das


Misericórdias Portuguesas (UMP), viu
a sua candidatura contemplada no âm-
Ser voluntário é ter disponibilidade interior
bito de uma acção de responsabilidade
para poder dar o melhor de si próprio a
quem precisa. O voluntário, que também é social da Galp Energia. Dois novos es-
humano, tem obrigação de deixar os seus quentadores foram instalados naquela
problemas à porta da Instituição onde resposta social. A iniciativa culminou
exerce o seu trabalho uma visita por parte dos responsáveis
da Galp Energia ao lar da UMP. A visita Voluntariado

N
a era da globalização que atravessamos, a foi acompanhada pela direcção do lar e Colaboradores da UMP
humanização, factor primordial da vivência humana, pelo membro do Secretariado Nacional, na campanha do AKI
começa cada vez mais a perder valores. Todos os Carlos Andrade. Foi a 21 de Janeiro.
dias somos confrontados com casos de violência Os colaboradores da União das Mi-
de todo o género (doméstica, atentados a crianças, sericórdias Portuguesas (UMP) se asso-
assassinatos… e o chocante abandono de idosos). São muitas ciaram à campanha de solidariedade,
vezes aqueles a quem os idosos tudo deram e por quem tanto promovida em parceria com o AKI para
se sacrificaram que os colocam em situações de verdadeira recolher roupas e mantas. Durante dois
humilhação. dias, os funcionários da UMP separaram
Perante o exposto, o voluntariado é cada vez mais necessário e organizaram roupas para distribuir
para minimizar estas e muitas outras situações. Ser voluntário junto das Santas Casas. Ao todo, a cam-
é ter disponibilidade interior para poder dar o melhor de panha recolheu 30 toneladas de roupas.
si próprio a quem precisa. O voluntário, que também é Em 2010, foram 14. A distribuição junto
humano, tem obrigação de deixar os seus problemas à porta das Misericórdias está para breve.
da Instituição onde exerce o seu trabalho. Na actual crise que
se atravessa, o voluntariado tem de ir muito para além do Cooperação Congresso
acompanhamento aos idosos; muitas vezes é necessário dar Esclarecimento sobre Misericórdias discutem
uma mão a todos aqueles que com a sua dedicação contribuem protocolo de 2010 intergeracionalidade
para o seu bem-estar.
A vida é feita de afectos e o voluntário tem que ter capacidade O Gabinete de Acção Social da “Intergeracionalidade: passado,
para saber ouvir as grandes lições de vida que os idosos lhe União das Misericórdias vai promover presente e futuro” é o tema do próximo
dão, rir quando muitas vezes se sente uma infinita vontade de sessões de esclarecimento sobre a apli- congresso nacional das Misericórdias.
chorar, saber agarrar na mão e suavemente dar um carinho, cabilidade do protocolo de cooperação O encontro já está marcado: vai ser em
saber ser forte quando um parte. de 2010, recentemente celebrado com o Coimbra, entre os dias 16 e 18 de Junho,
Ser voluntária na Santa Casa da Misericórdia de Arganil é um Ministério do Trabalho e da Solidarieda- com sessão de encerramento em Arga-
imenso prazer, sentimo-nos motivadas e é com muito amor de Social. Lisboa, Vila do Conde e Beja nil. O evento está a ser organizado pela
que desempenhamos as tarefas. Temos partilhado momentos receberão as sessões, respectivamente, União das Misericórdias Portuguesas,
inesquecíveis e vivido “estórias” que os nossos idosos na sua nos dias 26 e 27 de Janeiro e 3 de Feverei- numa parceria entre Secretariado Nacio-
nova meninice não se cansam de nos repetir. Mas, este contacto ro. Uma das novidades deste acordo é a nal e Secretariado Regional de Coimbra.
tão próximo, tão afectivo, também tem o lado mais triste alteração do valor de referência para lar O último congresso nacional foi na Ma-
quando, na roda de afectos que nos toca um dos nossos amigos de idosos. deira, em 2009.
parte; aceitamos como sendo a lei da Vida e com a consciência
tranquila de que algo se fez para suavizar o seu afastamento
familiar, todavia, há sempre uma lágrima que chora no nosso SLIDESHOW
coração.
Como voluntárias achamos que seria bom que houvesse cursos
de formação para nos ajudar a perspectivar um futuro melhor
para todos aqueles que se encontram na última etapa da sua
vida.
Não encontrámos dificuldades na nossa missão porque sempre
fomos muito bem recebidas e acarinhadas por todos os
elementos desta Instituição.

Vieira do Minho Fado para comemorar aniversários


A Santa Casa da Misericórdia de Vieira do Minho recebeu uma visita especial para
comemorar os aniversários de Dezembro e Janeiro dos utentes do Lar Nossa Senhora
da Conceição. Além de juntar amigos e familiares dos idosos aniversariantes, a
instituição convidou uma grande fadista da região. Mais conhecida como Professora
Zilda Henriques Ginha, “a fadista transformou uma tarde de inverno num dia brilhante, com a sua
Maria Inês Frias Martins voz fabulosa. A acompanhá-la, estiveram presentes os guitarristas da família Lima”,
contou a directora da Santa Casa, Eunice Noronha.
4 vm janeiro 2011 www.ump.pt

DESTAQUE entrevista
Nosso motor principal
é a rentabilidade social
Manuel de Lemos


Presidente da União das Misericórdias Portuguesas

Ao fim do primeiro cipação do Estado. Também não


convinha ao sector privado porque
competências. O desenvolvimento
harmonioso desses três sectores é
privadas de economia em Portugal,
ou vivemos como uma instituição
ano do segundo era a demonstração que era pos- fundamental para criar uma socie- social que não quer nada com o Es-
sível fazer mais barato, com igual dade mais equilibrada e preparar tado e temos de viver da caridade.
mandato à frente qualidade e eficiência e sem uma as democracias de futuro, nomea- Mas a caridade só por si não nos

da União das visão absoluta da remuneração do


capital. Acredito que quem arrisca
damente no sentido de resolver os
problemas das pessoas. Quando o
permite cumprir a missão e ajudar
as pessoas de forma permanente e
Misericórdias, o capitais tem de ser remunerado por ex-presidente Bill Clinton diz que
Acredito que quem
duradoura. Só conseguiremos ter
isso, mas não podemos reduzir o EUA há mais de um milhão de fun- actividades se formos fortes, coesos
presidente, Manuel mundo à dicotomia público/priva- dações – e estamos a falar da pátria arrisca capitais tem e independentes.

de Lemos, falou do. do capitalismo -, quando o parla-


mento europeu delibera por una-
de ser remunerado Em relação a essa necessidade
sobre temas que Qual é a vantagem nimidade uma recomendação aos por isso, mas não de alteração de mentalidades,
dessa terceira via? Estados-membros sobre o sector podemos reduzir o o IVA social foi um tema que
marcaram e Essa terceira via, onde muita gen- social é porque o nosso tempo che- mundo a dicotomia marcou o ano?

marcarão a vida te se sente bem e que é reguladora


de mercados e também do Estado.
gou. Foi com este espírito que nós
entramos na CASES e é com esse
público/privado O IVA social é um episódio desse
conjunto de mal entendidos. De
das Santas Casas Os modelos keynesianos de desen- espírito que temos andado a dizer um Estado que está desesperado
volvimento, e os que dele deriva- aos políticos de todos os partidos: para arranjar dinheiro e que não é
ram, falharam sempre no domínio olhem para a economia social não capaz de ter uma visão estratégica
da repartição. Por exemplo, se o como a panaceia que vai resolver acerca do papel das instituições da
Bethania Pagin
Estado não consegue responder a todos os problemas, mas como um
O papel da sociedade. Considero que se trata
A sociedade portuguesa uma coisa tão simples como as ci- parceiro imprescindível. economia social é de ignorância à volta da realidade
está preparada para rurgias às cataratas ou se o privado nobre na sociedade do sector social. A devolução do
a sociedade civil? faz isso a custos que remuneram Alguns dirigentes referem portuguesa e não IVA não é nenhum benefício fiscal,
Não é por acaso que a Europa - tam- o seu capital, então porque impe- que há uma divergência mas um instrumento de equidade
bém poderia falar de outros países dir a presença do sector social na entre o discurso e a prática
o aceitar é falta porque não podemos transferir o
desenvolvidos, nomeadamente do economia? Se nós fazemos com a no que se refere à economia de modernidade, IVA para os nossos utentes, ao con-
continente norte-americano - está mesma qualidade e mais barato. social. Concorda? de presença, trário do sector privado. Portanto,
inevitavelmente, neste momento Isso não faz sentido nenhum, no- É obvio que enquanto não houver de inteligência o que está causa é uma questão
de crise, a virar-se para a economia meadamente num país onde os um quadro legal e um quadro dou- de equidade e não de benefício.
recursos são escassos, mas onde trinário, os dirigentes que dizem
e de estratégia A circunstância de nos tirarem es-
social. O que fazemos nas Mise-
ricórdias há 500 anos é economia as pessoas têm direito à qualidade isso têm toda a razão. Foi o pró- ses 20% vai ter consequências a
social. Não tivemos a sorte desse de vida e à qualidade da prestação prio primeiro-ministro na reunião montante e a jusante. Vamos fazer
percurso ter sido reconhecido pe- de serviços. Nesse sentido, o papel inaugural do Conselho Nacional de menos obras e por isso vamos dar
los políticos. O nosso Estado social da economia social deve desempe- Economia Social a anunciar que é menos emprego às empreiteiras,
hoje não tem nada a ver com o de nhar um papel nobre na sociedade necessário um quadro legal espe-
Olhem para vamos empregar menos recursos
antes do 25 de Abril. Pode-se dizer portuguesa e não o aceitar é falta cífico. O Partido Social Democrata a economia social humanos, e vamos prestar menor
que é débil, mas houve uma preo- de modernidade, de presença, de também tem revelado preocupa- não como a apoio à comunidade que é a nos-
cupação de construir um modelo de inteligência e de estratégia. A eco- ções com a economia social. Essa panaceia que vai sa missão. É preciso perceber se o
Estado Social e nesse sentido foram nomia social corresponde a uma evolução gratifica-me muito porque desenvolvimento do Estado se faz
feitas coisas interessantes em prol abordagem empresarial diferente, me revejo noutras pessoas, como é
resolver todos os de uma maneira puramente econó-
dos cidadãos. Mas curiosamente o em que o motor principal não é a o caso de Vítor Melícias. Uma vez problemas, mas mico e financeira ou se há outros
modelo falhou no plano económico rentabilidade financeira. Nosso mo- um político disse que economia so- como um parceiro modelos.
e no plano da distribuição porque tor é a rentabilidade social, que se cial era a economia do padre Me- imprescindível
o Estado ficou muito seduzido, so- consubstancia numa economia de lícias. Hoje a economia social já é O Ministério das Finanças, por
bretudo nos últimos 20 anos, pelo
primado do privado, confundido re-
gras da gestão privada, como rigor,
competência, planeamento, visão
estratégica etc, com o seu objecto
maior – o lucro.

Sente que há obstáculos


ao sector social?
proximidade, sustentável, geradora
de riqueza e promotora de empre-
gos duradouros.

Mas muitos ainda vêem


o mundo dividido entre
o público e o privado…
Eu não contraponho a economia
social à economia pública, nem a
vista como um parceiro sério. Mas
falta legislar, falta mudar as menta-
lidades, falta mudar as atitudes. É
por isso que a nossa vida é muito
atribulada.

Há maneiras de diminuir
essas atribulações?
É uma luta constante. Por isso, o
“ várias razões, não foi capaz de
perceber isso…
Esta solução apesar de tudo foi uma
solução do meio. O Estado não mu-
dou as regras: quem tinha acordos
com o Estado mantém os acordos.
Também é verdade que o que está
no orçamento 2011 pode não estar
no orçamento de 2012. Quero dizer
O social, que era a terceira via pos- economia social à economia pri- nosso caminho deve ser de indepen- que a União das Misericórdias, em
sível e podia representar muito mais vada. Não tenho nenhuma visão dência. Ou nos transformamos num cooperação com as outras institui-
de 10% da economia, foi sempre maniqueísta do mundo. O que eu ramo frágil da economia pública e ções de economia social, tudo fará
amordaçado porque não convinha acho é que as três podem viver vivemos dependentes de subsídios, para que seja reposta a equidade
aos defensores da absoluta parti- segundo as suas especificidades e como vivem muitas instituições fiscal.
www.ump.pt janeiro 2010 vm 5

Dinamizar voluntariado
“Temos tradição de voluntários na direcção das instituições, mas precisamos
dinamizar o trabalho do terreno, com as pessoas”, afirmou o presidente
da UMP, Manuel de Lemos, sobre o Ano Europeu do Voluntariado.

Estado
precisa
confiar mais
nos cidadãos
Para uma sociedade mais
justa e coesa, Portugal que
precisa de confiar mais e
depender menos do Estado,
que precisa de confiar mais
nos cidadãos
Por que a intergeracionalidade
como tema do próximo
congresso?
Por um lado, é o Ano Europeu do
Voluntariado, mas também estare-
mos perante a evidência dos nossos
problemas. Temos uma sociedade
envelhecida e a envelhecer. O que
queremos é chamar a atenção para
a necessidade de diálogo de modo
a criar uma sociedade mais justa e
mais coesa. Nesse sentido, a soli-
dariedade e a intergeracionalidade
vão ser temas cada vez mais actu-
ais, nomeadamente num Portugal
que precisa de confiar mais e de-
pender menos do Estado, que pre-
cisa de confiar mais nos cidadãos.

É uma mensagem
de esperança?
As Misericórdias celebram a vida,
são optimistas e só os optimis-
tas podem resolver os problemas.
Revemo-nos na fase de João Paulo
II, quando disse que era necessário
ultrapassar o limiar da esperança.
Gostava que este congresso fosse
uma das contribuições das Miseri-
córdias para que Portugal ultrapas-
se o limiar da esperança.

Referiu o Ano Europeu


do Voluntariado,
há iniciativas previstas?
A União das Misericórdias Portu-
guesas apoiará as iniciativas das
Misericórdias na medida das suas
Manuel de Lemos é o terceiro possibilidades, mas com entusias-
presidente da UMP mo. Temos tradição de voluntários
na direcção das instituições, mas
precisamos dinamizar o trabalho do
terreno, com as pessoas.
6 vm janeiro 2011 www.ump.pt

DESTAQUE entrevista
Só sobreviveremos se mantivermos
a nossa independência

Manuel de Lemos
Presidente da União das Misericórdias Portuguesas

Pela primeira vez, a


UMP tem um presidente
que não é padre

Não o fizemos porque o nosso ob- César o que é de César e a Deus o chega o tempo de uma ideia, nada a cabe a cada secretariado encontrar
Para Manuel de Lemos, as jectivo é encontrar uma plataforma que é de Deus”. pode parar”. E o tempo da ideia da co- a melhor forma de o fazer porque
Santas Casas vivem entre as de entendimento com a hierarquia operação e das instituições da socie- o país é diverso e as Misericórdias
actividades que tem a ver da Igreja Católica. Vamos a ver se Não há incompatibilidade entre dade civil portuguesa no século XXI também. Não há propriamente um
com a sua eclesialidade e as a hierarquia da Igreja é capaz de esses dois mundos? chegou. O Estado não a vai poder pa- padrão, não faz sentido haver um
respostas às necessidades encontrar essa plataforma connos- Há uma parte da nossa actividade rar e a hierarquia da igreja não deve padrão.
das pessoas co, mas isso obriga que a União, que tem a ver com essa eclesialida- entravar esse processo, sob pena de
as Misericórdias e a hierarquia se de, que preservamos, asseguramos e se desligar das comunidades, o que A articulação com os Secreta-
despojem. O dever do Secretariado defendemos. Mas há outra parte que eu, como católico, não quero. Não riados Regionais nota-se nos
Em que pé estão as conversa- Nacional é cumprir aquilo que os tem a ver com a resposta às necessi- tenho medo de ser católico, o que congressos. O próximo está a
ções com a Conferência Episco- provedores deliberaram. dades efectivas das pessoas, que, nos assumo com alegria e frontalidade. ser organizado em parceria com
pal Portuguesa sobre a nature- termos constitucionais da República Não estou vendido a nenhuma loja o de Coimbra…
za das Misericórdias? O decreto geral pode trazer Portuguesa, cabe ao Estado ou com eclesiástica ou não eclesiástica. Sei Fico muito contente com a circunstân-
A questão foi tratada da melhor ma- consequências no que diz res- quem o Estado entender cooperar. É que é mais fácil pregarem-me uma cia do Secretariado Regional de Coim-
neira possível, inclusive pelo jornal, peito às nossas relações com o verdade que vivemos um pouco di- etiqueta a dizer ele é isto ou aquilo. bra e o seu presidente, o professor
com a entrevista ao Dr. João Maria Estado? vididos e só sobreviveremos se man- Não me importo, porque nada disso Dias Coimbra, terem assumido a res-
Mendes. A natureza jurídica das As Misericórdias vivem entre um tivermos a nossa independência. Se me desvia do caminho que entendo ponsabilidade de organizar o congres-
Misericórdias não é um problema mundo de valores que mergulha as nos encostarmos, se ficarmos nas ser correcto. so em estreita cooperação connosco.
do Secretariado Nacional, mas da suas raízes nos valores da Igreja e mãos de uns ou de outros, o nosso
sociedade portuguesa. A posição onde está toda a nossa actividade caminho será inevitavelmente de me- Um dos objectivos do segundo Até ao fim do mandado o que é
das Misericórdias foi inequivoca- eclesial, manifestada nas igrejas, noridade. Somos instituições de fiéis mandato era dar mais poderes que ainda quer fazer?
mente tomada em dois momentos: nas alfaias religiosas, na noção de e temos por missão ajudar as pesso- aos Secretariados Regionais… Sobretudo continuar a reforçar o
na última Assembleia Geral e na irmandade, nas procissões etc. Mas as, pelo que temos também de cum- Os Secretariados Regionais têm papel da União junto das Miseri-
tomada de posição do Conselho também vivemos no mundo do Es- prir as regras do Estado português. vida própria e articulam-se bem córdias, para que elas consigam ser
Nacional. Estou certíssimo que tado que se manifesta nas respostas com o Secretariado Nacional. À me- cada vez mais eficazes e eficientes,
se os provedores quisessem levar sociais na área da segurança social, Manter essa independência não dida das nossas possibilidades, ten- no serviço às comunidades. Gosta-
esta matéria às suas assembleias da saúde, da educação, do patrimó- será uma tarefa fácil… tamos reforçar a União, trabalhan- va também de lançar as obras de
a reacção seria ainda mais aguda. nio etc. Por isso tenho dito “dar a Victor Hugo disse uma vez: “quando do mais perto das Misericórdias e Fátima e Borba.
www.ump.pt janeiro 2010 vm 7

Concluir obras em Fátima e Borba


Até ao fim do mandato, o presidente da União das Misericórdias, Manuel
de Lemos, quer lançar as empreitadas em Fátima e Borba: uma unidade
de cuidados continuados e um centro de apoio a pessoas com deficiência.


Nosso objectivo
é encontrar uma
plataforma de
entendimento com
a hierarquia da
Igreja. Vamos a ver
se a hierarquia
da Igreja é capaz
de encontrar
essa plataforma
connosco O gabinete
do presidente
na nova sede
O tempo da ideia
da cooperação e
das instituições
da sociedade civil
portuguesa no
século XXI chegou.
O Estado não vai
poder parar, nem
vai querer que pare,
e a hierarquia da
igreja não deve en-
travar esse Temos em relação à rede de cuidados
processo

Se nos encostar-
continuados um optimismo realista
-mos, se ficarmos que, embora sejam boas as relações pensamos estar numa fase final de Para esse combate, a União tem
nas mãos de uns Apesar de essencial para o com o Ministério da Saúde e com a negociação. Vamos ver se a propos- feito esforços no sentido de cer-
ou de outros, o sistema de saúde, a rede unidade de missão, é preciso apro- ta do ministério é segura ou não. tificar a qualidade em algumas
nosso caminho será de cuidados continuados fundar e melhorar esse relaciona- A minha sensibilidade aponta no unidades…
precisa de melhorar o mento, sob pena de podermos por sentido de que a participação das Estamos a fazer um esforço único
inevitavelmente relacionamento entre Estado em causa a própria rede. Misericórdias na saúde tem muito no que diz respeito à certificação da
um caminho e Misericórdias a ver com aquilo que disse antes. qualidade das nossas unidades da
de menoridade
“ O governo parece contar muito
com as Misericórdias para
a rede nacional de cuidados
continuados. É mesmo assim?
Os números do próprio Estado dão
conta que cerca de 70% da rede está
a ser gerida pelas Misericórdias. Em
Alguns provedores reclamaram
atrasos nos pagamentos?
Isso aconteceu sobretudo no Norte e
ainda temos alguns casos pontuais.
A senhora ministra disse-nos que ia
fazer um despacho para resolver es-
sas questões, o que, até ao momento,
não aconteceu, mas vai acontecer.
Na maioria das cirurgias e dos
atendimentos que preocupam as
pessoas, as Misericórdias podem
responder, e podem responder com
eficácia, com qualidade e mais ba-
rato. A máquina do Ministério tem
natural dificuldade em perceber
isso porque tem alguns pressupos-
tos ideológicos. Penso que é um
rede nacional de cuidados continu-
ados integrados e dos nossos hos-
pitais de agudos. No primeiro caso,
temos uma cooperação activa com
a Joint Comission e estamos a che-
gar à fase em que esperamos que
sete de unidades sejam certifica-
das. Pensamos que assim demons-
traremos ao Estado que não basta
relação à rede de cuidados continu- E os cuidados agudos de saúde? combate decisivo para a melhoria apenas dizer que somos bons. No
ados temos um optimismo realis- Temos feito tudo, mas não é fácil da prestação de cuidados da quali- segundo caso a nossa colaboração
ta. Consideramos que é uma rede fazer um acordo destes. Temos tido dade de saúde em Portugal. É um tem sido com a Entidade Regulado-
essencial no sistema nacional de uma boa relação com o secretário desafio importante que levaremos ra da Saúde e os resultados tem sido
saúde, mas consideramos também de Estado, o Dr. Manuel Pizarro, e a cabo. muito reconfortantes.
8 vm janeiro 2011 www.ump.pt

em acção

Combater
a solidão
na cidade
grande

No bairro do Casal da Mira, a maior


parte da população é cabo-verdiana
e o equipamento da Misericórdia da
Amadora naquela localidade acaba
por ser um local onde as culturas se
encontram e entrosam. O isolamento
é um dos maiores problemas
a combater
mesmo ali ao pé, o centro comercial muitos idosos têm autonomia re- ponderar a possibilidade de realizar
Bethania Pagin
(CC) Dolce Vita Tejo. A câmara mu- duzida e não conseguem sair de as análises aos idosos no gabinete Números
O bairro está praticamente deserto. nicipal da Amadora cedeu o espaço casa, recebendo, por isso, o apoio médico do centro de apoio.
Os sinais de que está habitado notam-
-se na roupa estendida a apanhar o
sol possível dos primeiros dias de
e o grupo Chamartin, responsável
pelo CC, assegurou as obras neces-
sárias para que ali pudesse funcionar
domiciliário. As más condições dos
apartamentos levaram ainda a que a
Misericórdia contemplasse, aquando
Actualmente o centro conta
com 12 funcionários, muitos deles
do próprio bairro. De acordo com a
90 O centro de apoio à terceira
idade do casal da Mira apoia 90
pessoas: 40 em centro de dia e 50 em
Janeiro. Os prédios têm as linhas da o equipamento da Misericórdia, con- da construção do centro, um espa- directora, a fase inicial da prestação apoio domiciliário.
arquitectura actual, as ruas são largas tou ao VM o director geral da Santa ço para banhos assistidos. Muitos dos serviços de apoio domiciliário
e arejadas. Estamos no bairro do Ca-
sal da Mira, no concelho da Amadora.
Ali, há cerca de cinco anos, foram
Casa da Amadora, Manuel Girão.
Ao todo, são apoiadas 90 pessoas:
40 em centro de dia e 50 em apoio
utentes do centro de dia aproveitam
porque nem sempre o esquentador
lá em casa funciona. E há ainda ca-
foi muito complicada porque a maior
parte das pessoas tinha medo de tra-
balhar naquela localidade. A solução
12 Actualmente, o centro da Santa
Casa da Misericórdia da Ama-
dora conta com 12 funcionários, muitos
realojadas centenas de famílias, mas domiciliário. sos em que a banheira constitui um foi contratar e preparar pessoas da deles do próprio bairro.
o processo de integração não correu No bairro do Casal da Mira, a obstáculo para os idosos, continua comunidade para o apoio domicili-
como se esperava e a localidade é
hoje um aglomerado de apartamentos
onde, até pouco tempo atrás, apenas
maior parte da população é cabo-
-verdiana e o espaço da Misericórdia
acaba por ser um local onde as cultu-
Rute Brás.
No bairro social do Casal da Mira
não funcionam estabelecimentos
ário, contou Rute Brás.

Loja social
760 O Casal da Mira é um dos
maiores bairros sociais da
Amadora, já no extremo do concelho,
a farmácia e o centro de apoio à tercei- ras se encontram e entrosam. Muitos de qualquer tipo e isso dificulta em O projecto inicial do bairro con- com 760 fogos habitacionais.
ra idade da Misericórdia da Amadora idosos vivenciaram a colonização e muito a vida dos idosos que, actu- templava lojas em todos os edifícios,
resistiam ao vandalismo. Isso porque
em Dezembro, poucos dias antes do
Natal, a Santa Casa inaugurou ali
chegam mesmo a comentar: “não
estava acostumado a ser tratado com
tanto respeito”.
almente, se deslocam, numa carri-
nha, a um centro clínico em outra
freguesia. A autarquia disponibiliza
mas isso nunca aconteceu e durante
muito tempo, contou ao VM o direc-
tor geral da Santa Casa da Amadora,
2800 Números da Câmara
Municipal indicam que
no casal da Mira vivem cerca de 2800
uma loja social. O isolamento é uma das maiores o transporte, mas o bairro permane- o que havia eram espaços abando- residentes, maioritariamente cabo-ver-
O centro de apoio à terceira ida- preocupações, revela a directora do ce abandonado. Por isso, a equipa nados e vandalizados, até que a dianos.
de foi construído há dois anos, na equipamento. Há prédios em que da Misericórdia, em parceria com autarquia decidiu fechar tudo com
mesma altura em que se construía, o elevador deixou de funcionar e a proprietária da farmácia, está a tijolo. Mas ali, entre as instalações
www.ump.pt janeiro 2010 vm 9

Papa dá bênção às redes sociais


No Dia Mundial das Comunicações, 24 de Janeiro, o Papa Bento XVI enviou uma
mensagem em que salienta as vantagens das redes sociais na Internet e apela a
que sejam usadas. Mas avisa que não podem substituir as relações pessoais.

Testemunho Internautas
José Inácio Teigão
propensos
para o
voluntariado
Segundo estudo recente,
os utilizadores da Internet,
em particular os que estão
nas redes sociais, são
pessoas mais activas para
voluntariado

A ideia de que o uso intensivo da In-


ternet pode criar pessoas anti-sociais
e fechadas sobre si próprias é contra-
Vida, luz e cor riada por um estudo realizado pelo
Pew Research Center No estudo agora
ao Casal da Mira divulgado os utilizadores da Internet,
e em particular os que estão nas redes
O Centro de Dia da Santa Casa sociais, aparecem como pessoas bas-
da Misericórdia da Amadora foi em tante activas em grupos de voluntaria-
boa hora criado. Ele funciona na per- do, mais do que quem não está online.
feição e comporta múltiplas activida- Segundo o estudo 80 por cento
des. Já não falando da alimentação dos utilizadores de Internet estão
que é servida diariamente a cerca presentes em acções de grupos que
de 40 utentes que, na realidade, na se dedicam ao voluntariado, contra
escala de 1 a 10 merece, sem favor, 56 por cento daqueles que não são
nota máxima. utilizadores habituais da web.
Falemos antes das actividades lúdi- Quando analisada a presença nas
cas, dos passeios tipo excursão que redes sociais, a percentagem daque-
se realizam periodicamente. Por les que estão presentes e que se dedi-
exemplo, ao jardim zoológico de Lis- cam ao voluntariado em grupo sobe,
boa, a Tomar, à cidade das 7 colinas, sendo que entre os utilizadores do
por ocasião das iluminações de Natal Twitter esse valor é de 85 por cento.
etc. Todos eles maravilhosos e que De entre os inquiridos 48 por
fazem com que nos sintamos “vivos”. cento dos voluntários tem uma con-
Inaugurado no dia 17 de Dezembro ta nas redes sociais, sendo que 30
de 2008, pelo presidente da Câmara por cento tem o seu próprio blogue.
Municipal da Amadora, Sr. Joaquim A comunicação entre os membros
Moreira Raposo, o centro de dia da dos grupos de voluntariado também
Loja social abriu poucos terceira idade veio dar vida, luz e cor decorre via redes sociais, com 16 por
dias antes do Natal ao bairro do Casal da Mira. cento a afirmar usar o Twitter para
Bem-haja por esta louvável iniciativa. falar com os seus parceiros de grupo.
P.S. Por hora convém dizer: a Dra. O trabalho do Pew Research
Rute Brás é o pilar do centro de apoio Center mostra ainda que os utiliza-
à terceira idade do Casal da Mira. dores de Internet costumam ser os
Destaque-se o seu profissionalismo, membros mais activos dos grupos
do centro de apoio da Santa Casa e euros. Naquele espaço, continuou o o estabelecimento. “Não consegui- a sua dedicação, a sua entrega ao de voluntariado em que participam.
da farmácia, havia até pouco tempo director-geral, os artigos são todos mos gerar mais-valias para ter cá um laboto de todos os dias, diz-se que Recorde-se que 2011 foi declarado,
atrás, uma loja vazia. A única que novos, provenientes de doações que a colaborador”, confidencia o director quem corre por gosto não cansa, e pelo Conselho de Ministros da União
ainda não havia sido emparedada Santa Casa recebe: restos de colecção geral da Santa Casa. ela é, efectivamente, incansável. Ho- Europeia, como o “Ano Europeu das
pela autarquia. ou stocks de lojas em processo de Zita Faria, de 63 anos, é uma des- nesta, laboriosa, uma espécie de re- Actividades Voluntárias que Promo-
O contacto com a câmara foi feito, falência. Além das roupas, os traba- sas voluntárias. Frequenta o centro ality show. Alma mater da instituição. vam uma Cidadania Activa” (AEV
as instalações foram cedidas à Miseri- lhos manuais realizados pelos idosos de dia desde a primeira hora e só Impecável, intocável. O verdadeiro 2011). Para a presidente o AEV 2011,
córdia, que colocou mãos a obra para também estão à venda. deixa a loja para rezar o terço junto pilar deste centro, que dirige supe- “quem quer fazer arranja maneira,
que ali pudesse funcionar o terceiro Por isso, quem lá entra depara- dos outros utentes. E foi entre os riormente. Trata-se de uma mulher quem não quer arranja desculpas.”
estabelecimento a ter as portas aber- -se com uma loja como as outras. A utentes que descobrimos José Iná- de verdadeiras virtudes. Lapso nosso, Durante o ano, também a União
tas na freguesia de Casal da Mira. montra está preparada para chamar cio, jornalista – esteve na equipa que mea culpa, sem utopias. É como a das Misericórdias Portuguesas irá pro-
A inauguração foi a 22 de De- a atenção de quem por lá passa e fundou o semanário Expresso. Com água que desliza mansos córregos mover uma série de iniciativas para
zembro e a adesão foi grande. No no interior os mostruários estão se- 68 anos, hoje divide o seu tempo da terra: límpida, cristalina, pura. Cla- dinamizar o voluntariado nas Santas
primeiro dia de funcionamento, as parados por tipo de peça. A única entre o convívio no centro de dia e ro: ela soube rodear-se de pessoal Casas. Em declarações ao VM, a res-
vendas chegaram aos 300 euros. Sim, diferença é que ali há um limite de os artigos que escreve para o jornal competente e dedicado. Bem-haja ponsável da UMP por este pelouro,
porque naquela loja os artigos são peças compradas, no máximo dez. da sua terra natal, o Diário do Sul, de Rute Brás. Infância Pamplona, afirmou que já
todos vendidos. A decisão, explicou A ideia inicial era manter o espa- Évora (ver texto de opinião). Bem-haja por esta louvável iniciativa. estão calendarizadas uma série de
Manuel Girão, tem a ver com o va- ço aberto apenas durante as manhãs. A hora do almoço aproxima-se e Utente do centro de apoio acções para as quais a “União con-
lor que cada um pode dar ou não Mas os voluntários que ali estão – já é possível ver algum movimento à terceira idade da Misericórdia tará com o apoio das suas associa-
àquilo que adquire, ou seja, para que todos utentes do centro de dia – têm nas ruas. Aos poucos, os idosos vão da Amadora das”. Recorde-se que a UMP integra
as pessoas levem apenas aquilo que assegurado, por vontade própria, chegando. Da carrinha da Santa Casa o Conselho Nacional para Promoção
realmente precisam. O preço é simbó- também as tardes. É mais uma acti- vão saindo as refeições. A ementa do Voluntariado e a Confederação
lico. Calças custam dois euros, cami- vidade para os idosos, porque estão não é a tradicional cachupa, reserva- Portuguesa de Voluntariado.
solas também. Os artigos mais caros sempre a entrar e a sair pessoas, e da para os dias de festa e preparada
são os casacos de inverno, a quatro a única maneira de manter aberto pelos próprios utentes do centro. Ver texto de opinião na página 3
10 vm janeiro 2011 www.ump.pt
em acção

Reinserir toxicodependentes
em São João da Madeira
expressão musical… Aqui, a inserção
Depois de dois anos em fez-se, não pela via profissional, uma
funcionamento, projecto vez que os indivíduos não reuniam
para reinserção de condições de empregabilidade, mas
toxicodependentes da pela social. “Verem-se inseridos na
Misericórdia de São João sociedade é-lhes muito importante. Ao
da Madeira chega ao fim darem-se a conhecer na comunidade
com algumas actividades, mudam
Vera Campos também a opinião das pessoas que
os vêem. Contrariamos o isolamento
“Não há Estrelas no Céu”, umas das elevando a auto-estima”, explicam.
mais populares canções de Rui Veloso, O espaço psicossocial seguiu a li-
de 1990, podia servir de banda sonora nha já desenvolvida pelo Trilho e cujo
para o projecto “Trapézio Com Rede”. objectivo é o de motivar para o trata-
“…Vou por aí às escondidas, mento, aqui também com acção junto
a espreitar às janelas/ Perdido nas da família do doente. “Esta é uma
avenidas e achado nas vielas/ Mãe, acção muito personalizada. Acom-
o meu primeiro amor foi um trapézio panhamos as pessoas à consulta, às
sem rede/Sai da frente por favor, unidades terapêuticas para desintoxi-
estou entre a espada e a parede.” cação. Esta personalização revelou-se
Prestes a terminar (Fevereiro de um factor favorável com repercussão
2011), e sem garantia de continuação Equipa espera poder dar
no sucesso do tratamento”.
por parte do Instituto da Droga e continuidade ao projecto A construção de um site onde se
da Toxicodependência (IDT) o pro- possa divulgar um Manual de Boas
jecto “Trapézio com Rede” surgiu Práticas de Intervenção Comunitá-
em 2009, no âmbito do Programa de ria está em fase avançada, estando
Respostas Integradas do IDT. A sua prevista a sua conclusão até ao final
implementação esteve a cargo do dade que o projecto deu de se aplica- técnicas, que possibilitou o contacto de Janeiro. “Uma forma de dissemi-
Trilho – Unidade de Apoio a Toxico- rem “novas e inovadoras metodolo- com contextos reais de trabalho. “Ul- Testemunho nar boas práticas entre outras insti-
dependentes e Seropositivos da San- gias”. Manter um acompanhamento trapassamos os números que o projec- Vítor Gonçalves tuições, para que não seja preciso
ta Casa da Misericórdia de S. João “personalizado” é, para ambas, um to propunha”, atesta a psicóloga Joana começar sempre do zero”, explicam
da Madeira. Objectivo: reinserção dos objectivos que gostariam de ver Martins. “Esta foi uma experiência “Valeu a pena por todos. Mes- as responsáveis.
sócio-profissional de consumidores garantido no futuro, ainda que o pro- muito positiva na vida destas pessoas. mo sem financiamento, teremos que Ao longo do projecto, o contacto
em processo de tratamento, e que de- jecto não tenha continuação. Nalguns casos, o primeiro contacto continuar a fazer funcionar algumas com o sector empresarial revelou-se
monstravam vontade de entrar num A execução do projecto dividiu- com o mercado de trabalho. Noutras actividades, como por exemplo, no “bastante positivo”. A verificar-se a
processo de aprendizagem e forma- -se em três espaços: pré-profissiona- situações, o renovar do contacto com espaço ocupacional”. Joana Martins, continuação, pretende-se alargar a
ção. Dados de Novembro de 2010 lizante, ocupacional e psicossocial. o contexto profissional”, acrescenta psicóloga acção a outras empresas. De forma
adiantam que o projecto interveio No pré-profissionalizante, dirigido a Branca Correia, assistente social. “Os ganhos podem, de algum modo, sucinta, estas responsáveis revelaram
com 83 consumidores de substâncias alcoólicos e toxicodependentes com O espaço ocupacional abrangeu ser avaliados pela experimentação que “após dois anos de experimenta-
psicoactivas, 37 famílias e 81 agentes potencial de empregabilidade, os 17 29 indivíduos, todos eles actualmente de novas práticas nesta população ção, o futuro serviria para a conso-
económicos e sociais. participantes foram sujeitos a forma- a merecerem acompanhamento em alvo, que não existiam, e pela relação lidação. Para potenciar tudo aquilo
O Voz das Misericórdias conver- ção em competências básicas e con- estruturas de saúde, com vista ao tra- interinstitucional que aproximou ac- que de positivo se alcançou”. Com
sou com duas das técnicas envol- seguiram definir um projecto pessoal tamento do seu problema de adição. tores que trabalham na área”. avaliações de mérito trimestrais fa-
vidas no projecto: Branca Correia, e profissional. Através do programa Com funcionamento todas as tardes, Director da Santa Casa voráveis ao projecto, a recomendação
assistente social e Joana Martins, Vida-Emprego, ou por iniciativa pró- neste espaço decorreram vários ateliês de continuação prevê-se positiva. No
psicóloga. Das experiências vivi- pria, mais de 50% conseguiram em- que foram sendo renovados: escultu- entanto, compete ao IDT a cabimen-
das durante dois anos, enaltecem a prego ou estágios sócio-profissionais. ra, fotografia, jardinagem, expressão tação orçamental, um valor na ordem
“aprendizagem diária” e a possibili- Uma mais-valia, evidenciada pelas corporal, teatro, pintura, carpintaria, dos 75 mil euros para dois anos.

Porto quer construir hotel social


ainda em fase de negociação com a criado em Março, a Sopa da Noite, Não está ainda definido onde de pré-autonomia para jovens ado-
Misericórdia do Porto quer Segurança Social. O anúncio foi feito serve mais de mil sopas por mês. poderá ser instalado o hotel social. lescentes no Colégio do Barão de
abrir um hotel social para no dia da tomada de posse dos novos Tal como a Sopa da Noite, espera- “Temos vários edifícios que podem Nova Sintra, o Centro de Dia para
complementar rede de corpos sociais, 4 de Janeiro. -se o hotel social traga mais qualida- servir para esse fim. Temos estado doentes com Alzheimer, no Centro
respostas sociais. Projecto “Há muita gente que está a ser de a uma necessidade de alojamento a conversar com a Segurança So- Hospitalar do Conde de Ferreira e
está em negociação com despejada. Recebemos todos os dias de emergência. cial porque não nos adianta ter esse os futuros apartamentos de apoio a
Segurança Social cartas com pedidos de ajuda”, disse “O hotel vai juntar-se ao nos- equipamento e depois a Câmara jovens deficientes com alguma auto-
o provedor da Santa Casa da Miseri- so complexo habitacional e é outra Municipal do Porto e a Segurança nomia ou a pessoas com problemas
córdia. A sua vontade é concretizar o forma de dar respostas sociais”, ob- Social estarem a realojar as pessoas do foro psíquico.
O provedor da Santa Casa da Mise- hotel social “ainda neste mandato”, servou. Além de lares e albergues, em pensões de qualidade duvidosa e O bispo do Porto, D. Manuel
ricórdia do Porto, António Tavares, referiu. a Santa Casa é proprietária de um pagas pelos nossos impostos”, disse Clemente, e o secretário de Estado
afirmou recentemente que a institui- António Tavares disse ainda ao complexo habitacional, conhecido o provedor. Adjunto e da Saúde, Manuel Pizarro,
ção pretende abrir um hotel social Jornal de Notícias ter aumentado o como bairro Daniel Constant, na Entre alguns projectos recentes foram algumas das personalidades
para complementar a sua rede de número de pedidos de ajuda à institui- zona oriental da cidade, com mais da Misericórdia do Porto, António a marcar presença na tomada de
respostas sociais. O projecto está ção, cujo programa de apoio alimentar de 130 habitações. Tavares destacou os apartamentos posse.
www.ump.pt janeiro 2010 vm 11
Abstenção com números históricos
As eleições para Presidente da República, a 23 de Janeiro, ficaram marcadas
por números históricos da democracia portuguesa. A abstenção atingiu
53,37%. Aníbal Cavaco Silva foi reeleito com 52,94% do total de votos.

Pernes emprega 50 pessoas Imigrantes


idosos não
Santa Casa de Pernes
Embora afirme que “não há
pessoas insubstituíveis”, todos re-
especializadas a muita gente”, exem-
plificou ao Voz das Misericórdias a di-
Maria dos Anjos Patusco foi elei-
ta a 08 de Janeiro para mais um man- conhecem
emprega mais de 50 pessoas.
Muitas das funcionárias
conhecem o trabalho ímpar que de-
senvolve em prol da comunidade,
rectora técnica Maria Alice Rodrigues.
“Estamos a trabalhar também na
dato na provedoria da Misericórdia
de Pernes, e o grande objectivo para direitos
asseguram o sustento dando ajuda a quem precisa, “tendo certificação das respostas sociais e os próximos três anos é consolidar o
da família, uma vez que sempre no horizonte as 14 obras de no âmbito da qualidade”, afirmou a trabalho desenvolvido, que se reflec-
encerraram empresas misericórdia”. responsável da instituição, que nas te no muito património recuperado e Alto Comissariado para
Maria dos Anjos Patusco é, des- suas diferentes respostas sociais posto à disposição da comunidade. a Imigração e Diálogo
Filipe Mendes de 1994, o coração desta casa onde acode a perto de duas centenas de Contudo, há ainda espaço para Intercultural vai apostar no
corre sangue novo. Apoiada por uma pessoas. projectos novos: já em Fevereiro, de- combate à vulnerabilidade
socioeconómica dos idosos


São horas roubadas à família e aos equipa com uma média de idades verá entrar em funcionamento um
afazeres pessoais, sem direito a des- baixa, é na juventude que deposita centro de convívio, instalado no Edifí- imigrantes
canso ou a férias. Há um trabalho uma grande esperança. cio Social e de Saúde situado na zona
imenso para garantir que tudo fun- Prova disso, está a aposta con- alta da Vila, perto da Igreja Matriz.
cione na perfeição, e essa exigência tínua na Residência de Estudantes Além disso, pretende também O II Plano para a Integração dos
é passada a todos os colaboradores. em Lisboa, que alberga 60 alunos, avançar com uma resposta de cre- Imigrantes vai apostar no combate
A provedora da Santa Casa da Mise- nos apoios ao associativismo e nas che, mas este projecto está limitado à vulnerabilidade socioeconómica
ricórdia de Pernes, Maria dos Anjos ajudas pecuniárias a estudantes do ao número de interessados, uma vez dos idosos imigrantes, divulgando
Patusco, é responsável por cerca de Ensino Superior. Somos uma Misericórdia que a natalidade tem vindo a decres- o apoio institucional disponível, re-
200 utentes e 50 colaboradores. Para uma Vila relativamente pe- aberta, virada para o de- cer na Vila. velou, em Coimbra a 19 de Janeiro,
A Santa Casa de Pernes emprega quena, esta Santa Casa parece estar so- senvolvimento. Vivem-se “Somos uma Misericórdia aber- a alta comissária para a Imigração e
directamente mais de 50 pessoas, bredimensionada. Mas um olhar mais tempos muito difíceis, mas ta, virada para o desenvolvimento. Diálogo Intercultural.
e outras tantas de forma indirecta atento mostra que não é o caso. Há somos um ponto de referên- Vivem-se tempos muito difíceis, mas “Estamos a fazer um levanta-
através de empresas de outsourcing, muitas carências que encontram aqui cia para todos. Seja em que somos um ponto de referência para mento. Há imigrantes idosos que
e verifica-se hoje que muitas destas uma resposta célere e uma porta aberta. situação for da sua vida, todos. Seja em que situação for da desconhecem por completo os seus
funcionárias são cabeças de casal, “Prestamos apoio gratuito a pes- estamos dispostos para sua vida, estamos dispostos para direitos ou as ajudas que o Estado
uma vez que recentemente encerra- soas carenciadas, mesmo ao nível do acolher quem precisar, e as acolher quem precisar, e as pessoas pode dar”, disse Rosário Farmhouse
ram muitas empresas da zona. apoio domiciliário, e damos ajudas pessoas sentem isso sentem isso”, afirma a provedora. à agência Lusa.
12 vm janeiro 2011 www.ump.pt
em acção

VOLTAAPORTUGAL

Organizações do sector social


vão acompanhar microcrédito Benemerência marca
Natal em Vale de Cambra
A Santa Casa da Misericórdia de
Vale de Cambra recebeu uma
prenda especial no dia em que re-
O Conselho Nacional para alizou o seu jantar de Natal. Dona
a Economia Social, cuja Felisbela Conceição teve mais um
presidência é do primeiro- gesto de benemerência para com
-ministro José Sócrates, a Instituição com a oferta de um
esteve reunido pela primeira cheque para pagamento do piso
vez desde a sua criação anti-choque que foi aplicado no
recreio exterior em Coelhosa. A
Bethania Pagin festa encerrou com o grupo “Sons
e Silêncios”.
O Conselho Nacional da Economia
Social (CNES) esteve reunido pela
primeira vez. A reunião que inaugu- Santo António da Lagoa
rou a actividade deste órgão consul- comemora 10 anos
tivo, cuja presidência é do primeiro- A Santa Casa da Misericórdia de
-ministro, teve lugar a 14 de Janeiro, Santo António da Lagoa come-
na Fundação Cidade de Lisboa. No Conselho Nacional para a morou recentemente dez anos de
final do encontro, José Sócrates não Economia Social reuniu-se existência. O presidente da União
falou aos jornalistas, mas a minis- pela primeira vez das Misericórdias Portuguesas fez
tra do Trabalho e da Solidariedade questão de marcar presença na
Social anunciou algumas novidades sessão comemorativa. A Misericór-
relacionadas com o sector. A partir dia possui actualmente um Lar de
de agora as entidades de economia institucionais poderão receber 25 mil ção, inovação e qualidade marcaram Idosos, um Lar de Jovens em Risco,
social vão poder acompanhar os pro- euros e os individuais 15 mil. Além Reforma legislativa o discurso da governante. O objectivo um ATL, um Centro de Dia e uma
cessos de microcrédito. das entidades, também o Instituto para sector social é incentivar novos investimentos, re- Loja Solidária. Foi a 13 de Janeiro.
De acordo com Helena André, de Emprego e Formação Profissional forçar a actividade em áreas existentes

20
os números relacionados com o poderá receber candidaturas. As entidades que compõem o Conselho ou em novas, modernizar os serviços
microcrédito revelam que muitos Outra novidade é a criação da Nacional da Economia Social vão criar prestados às comunidades e a gestão,
projectos não sobrevivem por falta linha de crédito Social Mais, que visa um grupo de trabalho para estudar a fortalecer o fundo de maneio e liquidar
de acompanhamento adequado. Daí “inovar a actividade e alavancar a legislação relacionada com o terceiro dívidas junto de instituições de crédito
a importância do papel que as enti- qualidade da gestão” das organiza- sector e ainda propor algumas altera- ou de fornecedores.  
dades de economia social vão a par- ções de economia social. ções. Durante a reunião inaugural, o Por último, a ministra anunciou Dias de salário
tir de agora poder desempenhar. A Esta iniciativa, explicou Helena primeiro-ministro José Sócrates ape- ainda a facilitação da criação de co- Ministra do Trabalho propôs
proximidade dessas instituições em André, representa um montante de lou à importância deste grupo, visto que operativas, com o processo Coope- aos parceiros sociais que as in-
relação à comunidade é determinan- 12 milhões e 500 mil euros e visa estão a ser preparadas propostas por rativa na Hora. demnizações de despedimento
te, referiu. Para o efeito, o governo apoiar as instituições nas respostas às diversos grupos parlamentares. Uma O CNES foi criado através da Re- passem a ter um regime igual
criou uma linha de crédito no valor exigências que a sua actividade hoje tomada de posição por parte daqueles solução do Conselho de Ministros ao espanhol.
de 20 milhões de euros.  Projectos representa. Palavras como moderniza- que estão no terreno será decisiva. n.º 55/2010, de 4 de Agosto de 2010.

Encontro cinegético
reúne uma centena

Empresas não querem São Sebastião é ‘exemplo O encontro cinegético promovi-


do recentemente pela Turicórdia

mães trabalhadoras de voluntariado’ reuniu perto de uma centena de


provedores. Segundo informação
daquele gabinete da União das
mães trabalhadoras tirarem licença Segundo o Correio do Norte, no Misericórdias Portuguesas, a inicia-
Apenas 28% das empresas de maternidade para terem outra Para secretária Regional do caso concreto da instituição que vi- tiva, além do seu carácter lúdico,
nacionais tem a intenção criança. No entanto, em geral, as Trabalho e Solidariedade sitou, a governante assumiu o com- visava chamar a atenção dos pro-
de contratar mães empresas portuguesas mostraram-se Social, a Santa Casa da promisso de apoiar o alargamento vedores para as inúmeras poten-
trabalhadoras em 2011, muito menos preocupadas com isto Misericórdia de São da pequena equipa de trabalhadores, cialidades de negócio das herdades
embora 43% planeie que a média global, diz o estudo. Sebastião, na Terceira, é de forma a melhorar e alargar aos que muitas Santas Casas possuem
contratar novo pessoal Por outro lado, a tendência para exemplo de voluntariado fins-de-semana o apoio ao domicílio. por herança.
não atribuir salários elevados a estas “Estamos a falar de uma institui-
mulheres é também ligeiramente in- ção que tem a seu cargo 50 pessoas
Apenas 28% das empresas nacionais ferior à média (55%). A secretária Regional do Trabalho e com apoio ao domicílio, com uma Atitude mais activa
tem a intenção de contratar mães Paulo Dias, da Regus para a Re- Solidariedade Social, disse recente- equipa muito modesta e com um perante a crise
trabalhadoras em 2011, embora 43% gião da Europa, Médio Oriente e da mente, em São Sebastião, ilha Ter- grupo de voluntários que se dedica O presidente da Conferência Epis-
planeie contratar novo pessoal. Se- África, afirma que, devido às restri- ceira, que a Misericórdia daquela também imenso à causa pública”, copal Portuguesa (CEP) defendeu
gundo um estudo internacional di- ções económicas, “não é surpreen- vila é “exemplo de voluntariado e disse Ana Paula Marques, o que jus- que as pessoas devem ter uma ati-
vulgado recentemente pela Regus, a dente ver que as atitudes preconcei- dedicação”. tifica o apoio das entidades públicas. tude «mais activa» perante a crise
proporção de empresas que pretende tuosas voltam a estar na ordem do Ana Paula Marques, que falava A secretária do governo regional que o país atravessa. D. Jorge Orti-
contratar mulheres com filhos dimi- dia e que algumas empresas conti- aos jornalistas no final de uma visita dos Açores analisou, ainda o pro- ga, que falava durante a tomada de
nuiu um quinto em relação ao ano nuam a mostrar receios obsoletos no que fez à instituição, acrescentou jecto para a construção de um cen- posse dos órgãos sociais da Miseri-
passado e a tendência é bastante ambiente de trabalho ”. A maioria que esse exemplo devia ser seguido tro de dia, tendo dito à direcção da córdia de Vila do Conde, frisou que
evidente em Portugal. das empresas receia que os com- em muitas instituições de solidarie- Santa Casa da Misericórdia de São «quem está a passar por determi-
Uma das principais preocupa- promissos familiares impeçam as dade social, onde, em alguns casos, Sebastião que, apesar das difíceis nadas carências, nomeadamente a
ções de 25% dos empregadores mulheres com filhos de se dedicarem “o voluntariado quase é substituído circunstâncias financeiras, a obra vai falta de emprego, não pode ficar à
portugueses é a possibilidade de as totalmente ao seu emprego. pela profissionalização”. ser calendarizada. espera”.
14 vm janeiro 2011 www.ump.pt
em acção

VOLTAAPORTUGAL

Paredes de Coura com


novos equipamentos Penela promove
certificação
A Santa Casa da Misericórdia de
Penela vai avançar com a cer-
“2011 vai ser um grande ano para a tificação de qualidade dos seus
Um centro de actividades Misericórdia de Paredes de Coura que equipamentos sociais. A garantia
ocupacionais para jovens vai criar estas estruturas de apoio aos foi dada pelo novo provedor, Fer-
portadores de deficiência mais idosos e aos menos válidos”. nando Antunes, durante a cerimó-
e uma unidade de cuidados As obras, segundo relata, vão nia de tomada de posse. Também
continuados de saúde são andar em paralelo, o que vai exigir a parte económica é algo que o
projectos da Misericórdia “um esforço financeiro considerá- novo provedor não quer descurar,
vel” à irmandade. mostrando-se preocupado que
Susana Ramos Martins São equipamentos que fazem fal- «quase todas as respostas sociais
ta à população de Paredes de Coura, dêem prejuízo.
Um centro de actividades ocupacio- descrita pelo provedor da Santa Casa
nais para jovens portadores de defi- como sendo cada vez mais idosa e
ciência e uma unidade de cuidados cada vez mais isolada. “Ficam as Barcelos promove
continuados (UCC) de saúde vão abrir pessoas mais velhas em casa, os sarau musical
portas no próximo ano em Paredes de mais novos têm de procurar a sua A Misericórdia de Barcelos pro-
Coura. Os projectos nascem pela mão sobrevivência noutras paragens”, ex- moveu, em parceria com a Real
da Santa Casa da Misericórdia local Cuidados continuados plica Pereira Júnior. E, assim, aquele Irmandade do Senhor Bom Jesus
que, no total, vai investir cerca de 2 mi- instalados no antigo hospital município do interior do Alto Minho da Cruz de Barcelos, o Sarau Musi-
lhões e 600 mil euros, co-financiados vai ficando cada vez mais envelhe- cal Dia de Reis. O Maestro António
por Fundos Comunitários. cido e, em proporção, as exigências Baptista dirigiu o Coro da Associa-
As duas empreitadas estão em dessa franja da população aumen- ção de Pais do Conservatório de
fase de concurso, pelo que as obras Os edifícios não vão ser constru- dade da Misericórdia e nos serviços tam. A unidade de cuidados conti- Música Calouste Gulbenkian de
deverão arrancar este ano, prevendo ídos de raiz. Vão ser aproveitadas que presta à população de Paredes nuados vai procurar dar respostas Braga e o Ensemble da Orquestra
o provedor que fiquem concluídas antigas estruturas da instituição, de Coura”, revela o provedor, que no ao cada vez maior número de idosos. de Câmara do Distrito de Braga,
em 2012. António Pereira Júnior que vão ser alvo de requalificação. final de 2010 foi eleito para mais um O centro de actividades ocupa- tendo conquistado convidados e
adianta que a UCC vai ter capacidade A unidade de cuidados continuados, mandato. E apesar de já ser provedor cionais vai procurar dar respostas barcalenses em geral.
para acolher 22 camas. Já o centro por exemplo, vai ser criada no antigo na Santa Casa há mais de duas déca- aos jovens portadores de deficiência

4000
de actividades ocupacionais vai ter hospital da Misericórdia local. das, Pereira Júnior parte com expec- que precisam de ser acompanhados
20 vagas. “É um passo gigante na activi- tativa para este novo desafio porque por técnicos especializados.

Trofa abriu loja de apoio social Euros por mês


Em Portugal, 4500 pensionis-
tas recebem mais de quatro mil
euros por mês. O número qua-
estarão acessíveis a qualquer um. momento são muitos, e em terceiro lu- druplicou nos últimos dez anos
Na loja social da Santa Casa da Trofa, é possível fazer Os produtos podem ser levados gar é criar um centro de aprendizagem
compras a preços simbólicos e participar em ateliês diversos pelas pessoas referenciadas pela Loja de costura e bordados”.
Social e terão um custo simbólico, Por ter conhecimento de que São Roque do Pico
mas todos podem fazer compras e “muitas pessoas vivem com dificul- com obras no ATL
Santa Casa da Misericórdia da Tro- vestuário para homem, senhora e aprender novas técnicas nos ateliês dades” no concelho, Amadeu Castro O governo regional dos Açores
fa inaugurou recentemente a loja criança e utensílios para o lar, será o desenvolvidos na Dona Sol. Pinheiro pensa que esta será uma apoiou a Santa Casa da Misericór-
Dona Sol. No espaço todos podem garante para muitas famílias que neste Para Amadeu Castro Pinheiro, pro- aposta certeira para “ajudar aqueles dia de São Roque do Pico com um
fazer compras a preços simbólicos e momento passam por algum tipo de vedor, esta loja tem três objectivos: “O que mais precisam”. E, para isso, o subsídio de cerca de 43 mil euros
aprender novas técnicas nos ateliês dificuldades, escreve o Notícias da Tro- primeiro é receber daqueles que têm e provedor conta ainda com a ajuda de para obras de recuperação do Ate-
desenvolvidos. O projecto visa, num fa. Assim, todos os artigos, novos ou que podem dar vestuário e artigos para todos. “As pessoas podem oferecer liê de Tempos Livres. Este apoio go-
só espaço, receber, dar e ajudar. usados, que foram doados por famílias o lar, o segundo é ceder esses materiais todo o tipo de coisas e nós vamos vernamental resulta de um acordo
Esta loja, que reúne peças de que já não necessitam e por empresas, àqueles que têm necessidade, e neste dar-lhe o melhor destino”, garantiu. de cooperação-investimento cele-
brado entre a Direcção Regional da
Solidariedade e Segurança Social
e a Santa Casa de São Roque do
Hora da crise o desafio da esperança Pico.

passar quase diariamente os olhos nem alterar nem esquecer, equivale Dr. Pinto de Castro - empenhando- Penafiel vai
As Misericórdias vão pelos jornais que nos chegam. Desta ao mais eloquente tratado sobre so- -se desde já no testemunho de “uma auditar contas
avançar para o seu décimo vez, destaco o Diário de Coimbra, lidariedade, cidadania no concreto caridade que seja o mais alto espírito O novo provedor da Santa Casa da
congresso nacional, o mais assíduo em dar notícias das programa traduzido em 14 modos de serviço”; e é o que mais falta faz Misericórdia de Penafiel, Júlio
anunciado precisamente nossas Santas Casas, as quais quanto de agir e de intervir naquele que se no mundo actual. Mesquita, prometeu avançar com
para Coimbra, mais em foco de discussão, mais pode definir como a melhor filosofia Com propósitos e intenções deste uma “rigorosa” auditoria às contas
em Junho de 2011 santas e generosas se afirmam na social da proximidade, bem como a teor podem as Misericórdias avançar da Santa Casa, já durante o mês
fidelidade a um estatuto, regra que melhor cultura da vizinhança. para o seu 10º Congresso Nacional, de Janeiro, sendo esta uma das
Manuel Ferreira da Silva tem tanto de histórico, como de sa- A esse propósito é de salientar anunciado precisamente para Coim- primeiras medidas que deverá ser
grado, uma vez que o projecto real a palavra compromisso com que o bra, em Junho de 2011. implementada pela nova Mesa
Por um dever de trabalho consagra- de dar corpo ao “amai-vos uns aos novo provedor de Coimbra Dr. Ar- “Intergeracionalidade: passado, Administrativa. A garantia foi dada
do ainda com a minha presença e outros” se traduz no compromisso, mando Lopes Porto, se compromete presente e futuro” é o tema do pró- durante a cerimónia de tomada de
colaboração nos quadros centrais que equacionado nas XIV obras de e até como continuação vivencial de ximo congresso nacional, entre os posse, que teve lugar a 4 de Ja-
da UMP, uma das minhas tarefas é misericórdias, que ninguém pode quem o precedeu, o saudoso Prof. dias 16 e 18 de Junho. neiro.
www.ump.pt janeiro 2010 vm 15
Criminalização a partir dos 16 anos
O secretário de Estado Adjunto e da Educação afirmou recentemente, em
Coimbra, que a proposta de lei do governo de criminalização da violência escolar
se aplica apenas a maiores de 16 anos e a situações de “grande violência”.

Receitas nas misericórdias


Jovens aprendem restauro
em Vila do Conde
Chanfana assada de Seia
do Grande Colégio da Póvoa de Varzim. todos quantos ajudaram a construir
O ateliê de restauro da Em virtude do interesse pedagó- uma instituição que está a comemo-
Santa Casa da Misericórdia gico associado à iniciativa da Mise- rar 500 anos de vida, de beneméritos
de Vila do Conde ricórdia de Vila do Conde, o ateliê de a provedores. Segundo, sensibilizar
tem entrada gratuita e os restauro tem em funcionamento dois os mais jovens e o público para a ne-
melhores trabalhos vão ser espaços para envolver os alunos nos cessidade de conservar o património
expostos durante o Verão trabalhos que estão a ser desenvol- histórico.
vidos pelos especialistas da empresa Entre o espólio conservado na
Signinum – Gestão de Património Casa do Despacho, estão dois qua-
Depois da intervenção feita na Igreja, Cultural -, entidade responsável pe- dros de um valor histórico incalcu-
reaberta ao público em Março de las obras de conservação realizadas lável: o do Rei D. Manuel, que os
2010, é agora a vez da Santa Casa na igreja quinhentista. técnicos presumem seja dos séculos
da Misericórdia de Vila do Conde O primeiro espaço é direccionado XVI ou XVII – o processo de restauro
inaugurar um ateliê com vista ao para a observação do trabalho executa- vai permitir estabelecer a data em que
restauro das mais de 100 peças, entre do nas peças, com visitas às bancadas foi pintado –, e o de Dona Leonor, a
retratos, nomeadamente do Rei D. de restauro. Já o segundo convida os rainha que, em 1510, mandou cons-
Manuel e da Rainha Dona Leonor, alunos, numa zona reservada, a de- truir a Misericórdia de Vila do Conde.
e de bandeiras, que fazem parte do senvolverem actividades como dese- Quando restauradas, daqui por
espólio da instituição. nho e pintura de alguns dos retratos sete meses, as mais de 100 obras
De 30 de Dezembro até Julho de objecto de recuperação. Os melhores vão permanecer expostas na Casa do
2011, as portas da Casa do Despacho da trabalhos feitos pelos alunos farão par- Despacho da igreja, mas, no futuro, a
Igreja da Misericórdia vão estar abertas te de uma exposição a inaugurar no Mesa Administrativa pretende expô-
a todos os que queiram ver de perto final da intervenção, na Casa do Des- -las num museu que irá construir.
os trabalhos de intervenção, levados a pacho, a realizar-se durante o Verão. O ateliê de restauro da Santa Casa
cabo por técnicos especializados. A pri- A abertura do ateliê tem um du- de Vila do Conde tem entrada gratuita
meira visita-guiada foi feita por alunos plo objectivo. Primeiro, homenagear e é aberto ao público em geral.

Fundação americana ajuda Chaves


também recebeu brinquedos para as
Fundação Abel Morais, sedeada nos Estados Unidos da crianças e jovens que acolhe, resulta-
América, apoiou festa de Natal da Santa Casa de Chaves do da campanha solidária “Partilha
Sorrisos e Ilusões”, promovida no
Ingredientes (6 Pess0as) MODO DE PREPARAção: âmbito do projecto “Eurocidade Cha-
Este ano a festa de Natal na Escola de instituições que acolham crianças. A ves-Verín”, o município de Chaves e
1,5 kg Carne de Cabra velha; De véspera limpa-se e corta-se a carne Artes e Ofícios Professor Nuno Ro- escolha foi a Misericórdia de Chaves Verín, a Associação de Empresários
0.75 dl de vinho tinto; de cabra, coloca-se o vinho, o alho com drigues contou com a generosidade e às crianças e jovens acolhidos no de Verín e a Associação para a Pro-
6 cabeças de alho; cascas e socado, o louro, o piri-piri, o da Fundação Abel Morais, instituição Lar de Jovens e no Centro de Aco- moção do Centro Urbano de Chaves.
Louro q.b.; sal e a pimenta e reserva-se de um dia humanitária sem fins lucrativos, se- lhimento Temporário (CAT) foram A campanha solidária “Partilha
Piri-piri q.b.; para o outro. deada nos Estados Unidos da Amé- oferecidos fatos de treino. Sorrisos e Ilusões”, que funcionou
Sal a gosto; Coloca-se na panela de pressão junta- rica mas com “raízes” portuguesas. A Fundação Abel Morais foi durante o mês de Dezembro, tinha
Pimenta preta q.b.; mente com a banha durante 1:30h a Criada com o objectivo de apoiar criada em 2001 pela comunidade como objectivo principal a recolha
2 colheres de sopa de banha de porco; 2:00h. Seguidamente coloca-se a car- doentes oncológicos, a Fundação portuguesa de Manassas, estado da de brinquedos e alimentos junto dos
1Kg de batatas ne numa travessa de barro e leva-se Abel Morais que também colabora Virgínia, e pelos familiares de Abel de municípios fronteiriços, para serem
ao forno a lenha até apurar muito bem. com outras organizações de cariz Morais, emigrante transmontano, na- distribuídos por Instituições de So-
Acompanha-se com batatas cozidas. social, propõe-se por altura do Natal, tural de Curalha, concelho de Chaves. lidariedade Social. Os alimentos fo-
reverter parte dos seus donativos a O CAT da Misericórdia de Chaves ram entregues aos idosos.

Mergulho solidário em Albufeira


informação nutricional:
calçado para cerca de 60 crianças ca- anos, começou como uma “brinca-
557,97 Kcal Um banho frio no mar renciadas do projecto “A Gaivota”, da deira de amigos”, contou à agência
42,91g Proteínas para comprar sapatos para Santa Casa da Misericórdia de Albufei- Lusa um dos seus mentores, David
31,21g Hidratos de carbono crianças pobres. Iniciativa ra. A campanha de solidariedade “Um Mossman, de 70 anos e a residir em
28,15g Gordura realizou-se na Praia de mergulho por sapatos” foi da iniciativa Messines, no Algarve, há cerca de 15.
Armação de Pêra, no do Hotel Holiday Inn. “As pessoas escolhem quanto
Preço: Algarve Apesar do frio e da chuva que se querem dar e assim podemos ajudar
fez sentir no Algarve durante a ma- dezenas de crianças da Santa Casa
€€€€€ nhã, cerca de 40 corajosos rumaram da Misericórdia de Albufeira”, refere
Um grupo composto sobretudo por à praia frente àquele hotel para um David Mossman, sublinhando que é
DIFICUDADE: idosos britânicos vestidos de Pai Natal mergulho solidário, tendo sido brin- raro haver portugueses a participar
enfrentou o frio do mar, na Praia de dados com o sol, que entretanto de- na iniciativa, que no ano passado
,,,,, Armação de Pêra, numa iniciativa que cidiu espreitar por entre as nuvens. permitiu angariar cerca de dois mil
visava angariar dinheiro para comprar A iniciativa, que já se repete há sete euros.
16 vm janeiro 2011 www.ump.pt
em acção

Impacto do Alargamento da Rede Pré-Escolar

11
69% 2%

9
20%
8 8

6 6
9%
5 5 5

4 4 4

3 3 3 3 3 3 3
2 2 2 2

1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1
Açores

Aveiro

Beja

Braga

Bragança

Castelo Branco

Coimbra

Évora

Faro

Guarda

Leiria

Lisboa

Portalegre

Porto

Santarém

Setúbal

Viana do Castelo

Vila Real

Viseu

Portalegre

Santarém

Beja

Bragança

Castelo Branco

Évora

Guarda

Portalegre

Porto

Santarém

Viana do Castelo

Vila Real

Viseu

Bragança

Castelo Branco

Évora

Lisboa

Portalegre

Vila Real

Viseu
Respostas
Encerramento Equip.
Encerramento Sala
103 2 Reconversão Sala
20 9

Menos 500 crianças nas Santas Casas


por cento tiveram mesmo de cessar apoio à família quase que de forma dado que a sua sustentabilidade está decorrendo daí a valorização da plu-
Desde que o governo iniciou actividade. A reconversão das salas gratuita, uma vez que, gerindo di- a ser posta em causa”. ralidade de oferta de serviços, de for-
o programa de alargamento de pré-escolar em creche apenas foi nheiros públicos poderão suportar “Na leitura do artigo 5º, ponto ma a adequar a oferta às necessida-
da rede pré-escolar, possível em nove salas. Os números prejuízos daí decorrentes.” 4, da Lei Bases do Sistema Educa- des das famílias dos utentes”. Além
cerca de 500 crianças são da Comissão de Acompanha- Contudo, a aposta na rede pú- tivo – Lei 5/97 de 10 de Fevereiro disso, “a experiência já comprovou
deixaram de frequentar mento do Pré-escolar da União das blica tem trazido “prejuízos insti- – “Incumbe ao estado assegurar a que as Misericórdias podem desem-
as Misericórdias Misericórdias Portuguesas (UMP). tucionais e humanos e conduzido a existência de uma rede de Educação penhar um papel importante na con-
O problema já foi apresentado ao um desaproveitamento dos investi- pré-escolar” – considera-se que tal solidação de práticas emancipatórias
Ministério da Educação que ainda mentos feitos nos equipamentos em incumbência não significa que seja devido á sua natureza jurídica, tendo
Bethania Pagin
não se pronunciou. funcionamento, investimento este o Estado a promover directamente a mais autonomia para adequarem as
Desde que o governo iniciou o pro- Segundo a comissão, apesar da que teve também o contributo de rede pré-escolar mas também outras suas práticas às necessidades das
grama de alargamento da rede pré- educação pré-escolar nas Misericór- todos os cidadãos”. entidades apoiadas por ele.” comunidades”.
-escolar, cerca de 500 crianças deixa- dias ser reconhecida pela comuni- “À medida que o Estado e autar- Por um lado, continuam os res- No documento enviado ao Mi-
ram de frequentar as Misericórdias. dade, essas instituições “não podem quias se expandem, menos as Mise- ponsáveis, “não se pode prescindir nistério da Educação, a Comissão de
Numa amostra de 103 equipamentos, nem querem competir com as autar- ricórdias podem aplicar os princípios do óbvio direito à liberdade de esco- Acompanhamento do Pré-escolar so-
19% tiveram salas encerradas e dois quias, que oferecem componente de que regem a sua missão solidária lha parental dos estabelecimentos, licitou algumas medidas (ver caixas).

Medidas para o pré-escolar


A criação de novos estabelecimentos quer sejam oriundas do pré-escolar da privilegiar nos estabelecimentos públi- os da rede solidária, deduzindo-se uma novos acordos.
para o alargamento deverá ser aprova- sociedade civil ou do Estado. cos a admissão de crianças de 5 anos, política de financiamento mais justa. De forma a não contrariar o espírito e
da em sede do Conselho Local de Acção Deve ser permitida a reconversão de é essencial que também se garanta a Para que os pontos desta proposta a letra do Pacto de Cooperação para a
Social, ficando formalizado no parecer salas de pré-escolar para salas de cre- possibilidade de concretizar nos estabe- possam ter efeitos reais, concretizá- Solidariedade Social, designadamente o
da mesma que está garantido que tal che quando existir uma diminuição do lecimentos do pré-escolar da sociedade veis e consequentes é necessário que n. 3 da Clausula II, os referidos Ministé-
estabelecimento (independentemente número de crianças do pré-escolar, civil, a possibilidade de haver apenas sa- os Ministérios envolvidos, e entre eles rios deixem de optar de ora em diante
da sua origem) não vai dar lugar ao en- permitindo uma melhor gestão dos es- las de 3 e 4 anos. também o Ministério da Educação, pela actualização do apoio financeiro
cerramento de nenhum outro estabele- paços já existentes com boas condições No actual estado de recessão económi- formalizem a garantia de que tais mediante Despacho Conjunto, e ou-
cimento já existente. e a funcionar com colaboradores devi- ca do país propõe-se a coragem de uma mudanças sejam uma modificação ou torguem em Protocolo de Cooperação
Impõe-se um plano de igualdade rela- damente qualificados. análise fidedigna comparativa de custos, adaptação dos acordos já existentes, conforme sucedeu até ao ano lectivo de
tivo à colocação de crianças do 1º ciclo, Com base na opção que o Estado fez de entre os estabelecimentos do Estado e não se vinculando estas medidas só a 2001/2002.
www.ump.pt janeiro 2010 vm 17

EM FOCO

Ambiente o mais NÚMEROS

familiar possível 46
Utentes
Com capacidade para 54 pessoas, neste
momento o lar recebe apenas 46 idosas
por motivos de obras de recuperação.

Aquele lar, cujo nome recorda-nos o fundador e primeiro presidente da UMP


- o padre Virgílio Lopes – tem capacidade para 54 pessoas
88
Anos
É a média etária das utentes do Lar Vir-
A média etária das utentes é ele- rias de Maria, que há 25 anos pres- ção, tendo-se despedido do padre gílio Lopes. Entre as 46, 23 têm mais de
Bethania Pagin
vada, contam-nos os responsáveis tam apoio naquele equipamento da João Marado, que ao longo de vá- 86 anos.Em Abril, uma delas celebrará o
Já falamos sobre a Academia de Cul- pela direcção do lar, lembrando que União das Misericórdias Portugue- rios anos se dedicou àquela resposta centenário.

10
tura e Cooperação, sobre o Centro ronda os 88 anos de idade. “Em Abril sas. São quatro irmãs que, incessan- social. Os novos responsáveis, que
João Paulo II e sobre a Escola de teremos uma centenária, a D. Móni- temente, apoiam as utentes. tomaram posse no primeiro dia de
Enfermagem S. Francisco das Mise- ca está quase a completar 100 anos Recentemente, o Lar Virgílio Lo- Junho de 2010, já estão a promover
ricórdias. Este mês escolhemos o Lar e lá chegará, se Deus quiser”. pes sofreu alterações na sua direc- algumas alterações. Uma delas foi
Virgílio Lopes, um equipamento da “Muitas já estão altamente de- a contratação de uma empresa de Anos
União das Misericórdias Portuguesas pendentes, cerca de 75 por cento, catering para assegurar as refeições Uma das voluntárias do Lar Virgílio Lopes
(UMP) que apoia a terceira idade mas fazemos esforços no sentido Voluntária das idosas. “São eles que tratam das já soma dez anos de dedicação às utentes
na cidade de Lisboa. Actualmente de contrariar a tendência para ficar há dez anos ementas, das compras, da confecção daquele equipamento social da União das
estão lá 46 mulheres, apoiadas por na cama. As nossas colaboradoras das refeições, das normas de quali- Misericórdias.

4
colaboradoras também do sexo femi- nisso são fantásticas”. Este esforço é No Lar Virgílio Lopes da União das Mi- dade e segurança etc”. No começo,
nino. Além das Irmãs Mercedárias depois revelado em números como, sericórdias Portuguesas encontramos as idosas ficaram reticentes, mas aos
de Maria, que já lá estão há 25 anos, por exemplo, a taxa de escaras, que um exemplo de voluntariado. Há mais poucos perceberam que a mudança
ajudantes e auxiliares são todas mu- ali é diminuta. de dez anos, Ana Maria vai todos os dias não alterou a qualidade das refei-
lheres. Não fosse a presença de al- Outro aspecto interessante é a visitar as utentes daquele equipamento ções ali servidas. A presença daquela Religiosas
guns senhores no conselho de admi- presença assídua dos familiares. e sempre que há algum momento de empresa foi possível através de um Há 25 anos que as irmãs Mercedárias
nistração e poderíamos dizer que se Contrariando a tendência na maior maior aflição, a voluntária não mede protocolo celebrado entre UMP e a apoiam o funcionamento do lar de idosos
trata da anexa “cor-de-rosa”da UMP. parte dos lares das Santas Casas pelo esforços para ajudar. Além de Ana Trivalor. da União das Misericórdias. Actualmente,
Aquele lar, cujo nome recorda- país, naquele equipamento da UMP Maria, o lar conta com outras duas vo- Outra medida tomada pela nova estão lá quatro religiosas.

30
-nos o fundador e primeiro presiden- apenas duas idosas não têm qual- luntárias assíduas. Pontualmente, há direcção foi a criação de uma co-
te da UMP - o padre Virgílio Lopes quer apoio familiar. “Uma das nossas outras acções de voluntariado, como, missão de utentes. Com reuniões
– tem capacidade para 54 pessoas. utentes recebe todos os dias a visita por exemplo, uma parceria que se está quinzenais, aquela comissão tem
Contudo, neste momento, estão lá do neto, um homem com cerca de a desenvolver com a Casa Pia de Lisboa, como objectivo conhecer o grau de
apenas 46 por causa das obras de 35 anos, que faz questão de vir dar no âmbito do Ano Europeu do Volunta- satisfação das idosas. “Nas reuniões À espera
remodelação em alguns apartamen- o almoço a avó”. Esse é apenas um riado. Contudo, a direcção de lar está elas fazem-nos chegar aspectos que Neste momento, o lar da União das Mi-
tos. Sim, apartamentos. O lar resi- exemplo, há muitos mais. apostada em reforçar parcerias. Junta estejam a funcionar menos bem no sericórdias Portuguesas tem cerca de 30
dencial está dividido em “pequenas Para o bem-estar das idosas, o de freguesia, centro de saúde, PSP, lar, mas as reuniões também funcio- pessoas em lista de espera.

2
casas” cujo objectivo é proporcionar Lar Virgílio Lopes conta com o apoio paróquia e a Escola de Enfermagem da nam como um espaço de diálogo,
às utentes um ambiente o mais fami- de um grupo de funcionárias, mas UMP são alguns exemplos de parcerias onde elas sentem que há abertura
liar possível. também estão lá as Irmãs Mercedá- mais actuais. por parte da direcção”.

Sem família
Apenas duas utentes, num total de 46
idosas, não têm qualquer apoio familiar.
Muitas idosas recebem visitas diárias da
família.

Lar Virgílio Lopes


apoia 46 idosas
18 vm janeiro 2011 www.ump.pt

terceira idade
Desporto
e bem-dispostos”, acrescenta. ria dos idosos, que recordam as mú-
Teresa Batista
Nas primeiras aulas na piscina, o sicas do tempo da sua mocidade. As-
O bem-estar e a saúde dos idosos é contacto com a água causou alguns sunção Pereira, de 88 anos, não perde
uma prioridade para a Santa Casa constrangimentos aos idosos, mas uma sessão no Lar de S. João de Deus.

e animação
da Misericórdia de Mogadouro, que ultrapassada a fase de adaptação ao “Eu gosto muito de cantarolar, porque
tem vindo a alargar o leque de ac- meio aquático, a maioria deles não me deixa bem-disposta e faz-me sentir
tividades oferecidas aos utentes. A falta a uma única sessão de hidro- muito bem”, graceja a idosa.
hidroginástica é uma das modalida- ginástica. “Os primeiros idosos que As novas tecnologias são, igual-

dão saúde
des que tem mais adeptos, dados os participaram nestas aulas contagia- mente, um meio novo que fascina os
benefícios deste exercício físico para ram os colegas com a sua alegria”, seniores de Mogadouro. As tardes de
quem tem problemas de ossos, como recorda a animadora. muitos idosos são passadas a jogar
osteoporose ou artroses. O exercício físico contribui para consola Wii e a falar com os fami-
António Janeiro tem 69 anos e é o bem-estar e para a auto-estima dos liares através do Messenger. Trata-se

aos idosos


fã das aulas de ginástica e de hidro- seniores, que estão cada vez mais de um mundo novo para os utentes,
ginástica. “Desde que iniciei estas disponíveis para participar nas acti-
actividades sinto as minhas pernas vidades oferecidas pelas instituições
menos pesadas e mais ágeis”, enfati- particulares de solidariedade social.
za o utente do Lar de S. João de Deus. Em Mogadouro, a ginástica é outra
A animadora sócio-cultural da das aulas que conta com um grande
Santa Casa, Sónia Graça, realça que a número de idosos, que procuram con-
hidroginástica tem vindo a cativar um trariar as limitações físicas que surgem
maior número de idosos, devido aos com os anos de vida que vão contan- Desde que iniciei estas
benefícios que tem ao nível da saúde do. “As pessoas que praticam ginástica actividades sinto as minhas
pernas menos pesadas e
Santa Casa da Misericórdia de física e mental. “Notam melhorias ao
nível das articulações e movimentos
tendem a ser mais optimistas e menos
deprimidas”, enaltece Sónia Graça. mais ágeis
Mogadouro proporciona um vasto musculares. Além disso, é uma forma
de quebrar a rotina do dia-a-dia, o que
As actividades lúdicas também
fascinam os utentes da Misericórdia. O
António Janeiro
leque de actividades aos utentes deixa os nossos utentes mais alegres “Karaoke” é uma alegria para a maio-
69 anos e é fã das aulas de ginástica
e de hidroginástica

‘Estas aulas dão vida’


da Misericórdia de Pernes que acaba utente que trabalhou na lavoura até dades habituais, embora haja mui- Um dos objectivos das aulas
Misericórdia de Pernes de participar numa aula de ginástica. poder. Hoje, já não semeia nada, tas outras a decorrer”, refere aquela de ginástica é manter a
promove sessões de “Há sempre coisas para fazer”, mas colhe os frutos de dias passados especialista em Terapia da Dança e mobilidade, mas também
ginástica para seniores. refere esta antiga Regente Escolar “com muita alegria”. Movimento. oferecer algo um pouco
É uma oportunidade para natural da freguesia de Covão do Estes elogios rasgados são di- “É uma oportunidade para de- diferente das actividades
fazer rir e, ao memo tempo, Coelho, Fátima, que se reformou rigidos à animadora sociocultural senvolver algumas brincadeiras e habituais, embora haja
cuidar da saúde aos 70 anos, precisamente no dia de Ana Jorge, que prepara um conjunto fazer as pessoas rir, ao memo tempo muitas outras a decorrer
aniversário, a 27 de Junho. alargado de actividades diárias para que são trabalhados os aspectos de
“Estas aulas dão vida”, abrevia estes utentes, e também à professora socialização”, explica, acrescentan-
Filipe Mendes
com desenvoltura, e o mesmo sen- de ginástica Ulla Janatuinen, respon- do que este projecto é uma “mistura
“Julguei que vinha para um lar para timento é partilhado por Eugénia sável desde Setembro de 2010 pelo de ginástica com movimento criativo
estar descansadinha. Afinal, não é do Rosário Vicente, com 86 anos de projecto “Dar Vida ao Corpo”. e dança”.
nada disso”. A frase, dita entre sor- experiência acumulada. “Um dos objectivos é manter a Os exercícios visam descontrair
risos, é de Mariana Martiniano, 86 “O convívio é muito grande, es- mobilidade, mas também oferecer e escoar tensões físicas acumuladas:
anos, uma das utentes da Santa Casa tou muito satisfeita”, garante esta algo um pouco diferente das activi- “quando movimentamos o corpo
www.ump.pt janeiro 2010 vm 19
Violência silenciosa contra idosos
A violência contra os idosos “é a mais silenciosa que há em Portugal”, afirmou
recentemente o procurador-geral da República, Pinto Monteiro. “O que é
preciso é a denúncia. O grande problema é a falta de queixas”, afirmou.

Cidadãos auscultados Tecnologia


que se têm empenhado em aprender
as funcionalidades da internet, para
conseguirem uma aproximação com
de apoio
sobre envelhecimento
os familiares e amigos que estão mais
distantes, muitos deles emigrados na
Europa. a seniores
na Europa
Os jogos tradicionais, as viagens a
diversos pontos do País e a expressão
dramática completam o leque de ac-
tividades oferecido pela Misericórdia
de Mogadouro aos seus utentes. Os Comissão Europeia quer Investigadores da República
idosos já tiveram oportunidade de en- conhecer as opiniões dos Checa, da Alemanha, de
cenar peças de teatro, que são aplau- cidadãos sobre a maneira Portugal, da Espanha e
didas em todos os lares da Santa Casa. para responder aos desafios da Suécia desenvolveram
Carolino Alves tem 81 anos e é um do envelhecimento da solução tecnológica
dos actores seniores que não dispensa população para idosos
a alegria proporcionada por esta activi-
dade, que também tem benefícios para
os idosos. “Os idosos desenvolvem a A Comissão Europeia quer conhecer Com um financiamento da UE de 2,7
expressão vocal, facial e a orientação as opiniões das organizações públi- milhões de euros, investigadores da
espacial”, acrescenta Sónia Graça. cas e privadas, das empresas e dos ci- República Checa, da Alemanha, de
O provedor, João Henriques, enal- dadãos sobre a maneira de a Europa Portugal, da Espanha e da Suécia
tece que dá gosto às pessoas que tra- expandir a inovação, para responder desenvolveram uma solução que
balham na instituição ver a felicidade aos desafios do envelhecimento da permite aos idosos e aos deficientes
estampada no rosto dos idosos, daí a população. comandarem mais facilmente os vá-
aposta da instituição em alargar o leque O projecto está a ser desenvolvido rios aparelhos e serviços electrónicos
de actividades que tornam a vida destes no âmbito de uma parceria-piloto euro- União Europeia nas suas casas utilizando o telemó-
idosos mais preenchida e animada. peia (PEI) para a inovação no domínio ausculta cidadãos vel ou outros dispositivos.
do envelhecimento activo e saudável, O projecto “I2HOME” desenvol-
como previsto na iniciativa emblemá- veu uma interface URC (Universal
tica “Uma União da Inovação”. mente a saúde pública, a investigação, A parceria europeia para a inova- Remote Console – consola remota
De 2010 a 2030, o número de eu- o sector das tecnologias digitais e a ção no domínio do envelhecimento universal) personalizada e simpli-
ropeus com mais de 65 anos aumen- indústria em geral”. activo e saudável tem como objectivo ficada, baseada em normas abertas
tará quase 40%, o que levanta gran- Com esta consulta, convidam-se central acrescentar, até 2020, dois anos actuais e na sua evolução.
des desafios, mas cria também boas as partes interessadas, designada- ao tempo médio de vida saudável na Esta interface pode estar instalada
oportunidades para a sociedade e a mente as organizações que repre- UE. Procura melhorar a qualidade de num telecomando universal, num
economia europeias. A PEI, proposta sentam os idosos e os doentes, os vida dos idosos e proporcionar solu- telefone móvel, num computador ou
pela Comissão, deve ser lançada em hospitais e os prestadores de serviços ções de cuidados mais eficientes. Irá noutros dispositivos e ser utilizada
2011 e visa três objectivos: melhorar de saúde, os profissionais de saúde centrar-se na utilização da inovação
a saúde e a qualidade de vida dos e assistência social, as seguradoras, a uma escala maior do que a actual Esta interface pode estar
idosos, permitindo-lhes viver de for- as empresas ligadas às tecnologias em áreas como a promoção da saúde, instalada num telecomando
ma activa e independente; contribuir da informação e das comunicações a prevenção, o diagnóstico e o trata- universal, num telefone
para a sustentabilidade e a eficiência (TIC) e à saúde, as administrações mento precoces, sistemas integrados móvel, num computador
dos sistemas de saúde e assistência públicas e os cidadãos, a contri- e colaborativos de saúde e assistência ou noutros dispositivos
social; promover a competitividade e buírem para um levantamento dos social, vida autónoma e tecnologias de
as oportunidades de negócio. actuais obstáculos à inovação e assistência para os idosos. para, por exemplo, ligar e programar
John Dalli, comissário europeu das oportunidades no domínio do A Comissão analisará as respos- máquinas de lavar, luzes, aqueci-
para a Saúde e a Defesa do Consumi- envelhecimento activo e saudável. tas recebidas no âmbito da consulta mento, ar condicionado, televisões,
dor, declarou: “A Europa deve prepa- Os participantes podem igualmente para ter uma ideia clara do potencial leitores / gravadores de DVD e outros
rar-se para o futuro envelhecimento da partilhar iniciativas actuais e futuras e das capacidades de inovação nas aparelhos domésticos. A tecnologia
sua sociedade e o recurso à inovação susceptíveis de realização a nível múltiplas áreas hoje ligadas ao en- pode igualmente ser aplicada fora de
é um dos instrumentos de que dispõe. europeu e desenvolvimento em co- velhecimento. As respostas ajudarão casa. Pôr as tecnologias da informa-
Fico muito satisfeito pelo facto de a laboração. Essas iniciativas devem a Comissão a planear os próximos ção e das comunicações ao serviço
Mogadouro tem aulas primeira destas parcerias incidir no centrar-se no modo como as solu- passos no que respeita à PEI. dos idosos, dos deficientes visuais ou
de hidroginástica envelhecimento activo e saudável, o  A promoção da saúde em enve-
ções inovadoras podem traduzir-se das pessoas com incapacidade cogni-
para os seniores
que implica a estreita cooperação em em resultados promissores e tangí- lhecimento foi escolhida como um tiva permitindo-lhes uma vida digna,
diversos domínios políticos, nomeada- veis em benefício dos idosos. dos eixos de desenvolvimento. autónoma e de alta qualidade é um
dos principais objectivos da Agenda
Digital para a Europa, adoptada pela
Comissão Europeia em Maio de 2010.

Ordem cria enfermagem do idoso Investigadores de universidades,


institutos e empresas da República
Checa, da Alemanha, de Portugal, da
estamos a promover bem-estar”, e Espanha e da Suécia adaptaram as
para as pessoas com idades maiores, em simultâneo com um processo de tecnologias de acesso, como os teleco-
os efeitos são “extremamente bené- Ordem dos Enfermeiros vai criar três novas especialidades reconhecimento de competências, mandos, às necessidades dos invisu-
ficos”, considera a docente. adaptadas às necessidades de cuidados em saúde também de ordem prática. “Estamos ais, das pessoas com problemas cog-
Muita da energia que se sente agora a trabalhar nos critérios para a nitivos, dos doentes com Alzheimer
nesta Santa Casa de Pernes emana da certificação dos serviços no âmbito e dos idosos. A tecnologia ajuda, por
provedora, Maria dos Anjos Patusco, A Ordem dos Enfermeiros vai criar das as competências e os programas da idoneidade formativa”. exemplo, as pessoas com deficiências
recentemente reeleita para mais um mais três novas especialidades adap- formativos, bem como as formas de Recorde-se que a Escola Supe- cognitivas a serem mais independen-
mandato. Com uma disponibilidade tadas às necessidades de cuidados avaliar os enfermeiros. “Neste mo- rior de Enfermagem S. Francisco das tes, simplificando-lhes a execução de
foram do comum, administra esta em saúde. A bastonária Maria Au- mento só é possível obter a especia- Misericórdias, da União das Miseri- tarefas como a mudança de canal de
Misericórdia e, por inerência do car- gusta Sousa diz que “já está defi- lidade através de pós-graduações, córdias Portuguesas, tem diversos televisão ou lembrando-lhes activi-
go, a Fundação Comendador José nida a especialidade de enfermeiro mas pretendemos alterar isso”, pos- cursos de especialização nessas áre- dades quotidianas obrigatórias. Para
Gonçalves Pereira. de família, do idoso e dos cuidados sibilitando que mais profissionais se as. Prevenção e tratamento de feri- as pessoas com deficiência visual, os
paliativos”. especializem. Uma das soluções será das e cuidados paliativos são alguns comandos visuais são substituídos por
ver página 11 Até Abril, deverão estar defini- através de formação, formal ou não, exemplos. uma interface de voz.
20 vm janeiro 2011 www.ump.pt
terceira idade

VOLTAAPORTUGAL

Lar sem acordo em Gáfete


estimado na ordem de 1,4 milhões de Envelhecimento activo
euros, valor a que acresce ainda todo em Bragança
o equipamento. Sem esconder que Os agricultores transmontanos são
“o edifício demorou cerca de dois um exemplo de envelhecimento
anos a entrar em funcionamento”, activo e há muito tempo aplicam
José Manuel Vinagre refere que hou- a fórmula com que se pretende
ve desde logo uma tentativa de fazer salvar as reformas das gerações
os acordos com a Segurança Social, futuras, segundo as conclusões de
o que não foi possível e por isso a um estudo divulgado recentemen-
Santa Casa decidiu abrir as portas do te, em Bragança. A autora, Sílvia
lar mesmo sem esse apoio. Nobre, do Instituto Politécnico de
Apesar de lhe ter sido explicado, Bragança, estudou meia centena
pelo director Regional da Segurança de casais de agricultores idosos da
Social, Arménio Toscano, que o lar de Terra Fria Transmontana.
Gáfete não obteve qualquer acordo
“por falta de verbas”, o provedor diz
perceber que o país enfrenta grandes Conflito entre
dificuldades, mas não se conforma utentes no Fundão
com a situação: “por muito bem gerido Uma idosa de 85 anos foi agredida
que seja, os utentes acabam sempre no lar da Santa Casa da Misericór-
por pagar mais do que deveriam, e dia do Fundão, onde se encontra-
Lar de idosos poucos são os que têm capacidade va internada há cerca de três anos.
tem capacidade para suportar a mensalidade”. A agressão foi protagonizada por
para 20 pessoas
“É muito complicado lidar com uma outra utente da instituição,
esta situação porque nos exige uma de 62 anos, sem razão aparente
gestão muito rigorosa, onde os cus- e sem provocação. Jorge Gaspar,
sericórdia de Gáfete, no concelho de o provedor, José Manuel Vinagre, re- tos são bastantes e não podemos provedor, afirmou que a idosa tinha
O lar da Misericórdia de Crato, é um edifício que nasceu da sulta “numa grande injustiça para descurar os cuidados dos utentes”, “um comportamento muito afectu-
Gáfete abriu recentemente remodelação e ampliação do antigo os nossos utentes”, pois “estão a ser sublinha. oso com toda a gente e não tinha
as suas portas para receber Quartel da GNR. Projectado pelo ar- prejudicados ao terem que suportar Para José Manuel Vinagre, o lar qualquer atrito com a vítima”.
20 idosos, mas ainda quitecto Sequeira Mendes, o imóvel os custos por inteiro”, revela. de Gáfete não pode ser visto como
não tem acordo com a

4,7
acolhe 20 utentes. José Manuel Vinagre recorda que um privado, visto que “normalmente
Segurança Social. Dando emprego a 20 funcioná- a primeira pedra do lar foi lançada os privados procuram ter lucro e esse
rias, a Misericórdia de Gáfete enca- em 2005 pelo então Presidente da não é o nosso objectivo. Nós apenas
Patrícia Leitão rou a construção deste equipamento República, Jorge Sampaio, e que “a 7 queremos acolher com toda a dig-
com um grande espírito de missão, e de Abril de 2005 deu-se início à cons- nidade os nossos utentes”, garante.
O lar da Santa Casa da Misericór- mesmo com as dificuldades que fo- trução, que foi relativamente rápida, O provedor sabe que se tivesse Milhões com mais de 65 anos
dia de Gáfete abriu recentemente as ram surgindo e que atrasaram a obra mas por situações que ocorreram conseguido abrir o lar há cerca de De acordo Instituto Nacional
suas portas e pretende dar resposta em vários anos, conseguiu finalmen- devido a alteração de regulamentos dois ou três anos teria conseguido os de Estatística, daqui a 50 anos,
às necessidades dos idosos da re- te concluí-la. Inaugurada ainda não relacionados com a segurança, foi acordos, mas como tal não aconteceu pessoas com 65 ou mais anos
gião. Uma infra-estrutura que tem foi, mas está a funcionar, e é isso o necessário fazer modificações no resta-lhe ter esperança de que a situa- vão ser metade da população.
capacidade para acolher 20 utentes, mais importante para a instituição. edifício”, explica, revelando que isso ção seja alterada e que “os idosos não
mas que luta diariamente luta por No entanto, nem tudo corre como levou a um atraso na obra. deixem de vir para a nossa instituição”.
manter as portas abertas, pois até ao o esperado, e a Misericórdia de Gáfete Segundo o provedor, a câmara “Só queremos que os nossos Anexas da UMP
momento não foram criados acordos enfrenta agora uma nova batalha, a suportou valores na ordem dos 706 utentes tenham os mesmos direitos pelos idosos
com a Segurança Social. de gerir o equipamento sem acordo mil euros e a Segurança Social 600 dos utentes de outras instituições”, A Escola de Enfermagem São Fran-
O novo lar da Santa Casa da Mi- com a Segurança Social, o que para mil euros, sendo o investimento total é este o desejo do provedor. cisco das Misericórdias e o Lar Virgí-
lio Lopes, anexas da União das Mi-
sericórdias Portuguesas, iniciaram
uma parceria em prol do bem-estar
Todos podemos Almeirim investe em dos idosos daquele equipamento.
Em causa está uma formação, mi-

fazer música obras de requalificação nistrada pela escola, às colabora-


doras do lar. Os principais temas de
interesse já estão definidos. Activi-
Anabela Carvalho, da Misericórdia, rinense, o principal objectivo das dades ocupacionais e terapêuticas
Os idosos da Santa Casa “os idosos tiveram a oportunidade A Santa Casa da Misericórdia obras era garantir o melhoramento são alguns exemplos.
de Oliveira do Bairro foram de escutar alguns dos cerca de 200 de Almeirim investiu real e efectivo da rotina diária dos
presenteados com uma alunos daquele estabelecimento de recentemente cerca utentes através da substituição de
tarde musical, levada a ensino, representando diferentes de meio milhão de euros alguns materiais e equipamentos. 125 inquéritos sobre
cabo pela Escola de Artes classes, como piano, guitarra, ins- em obras de requalificação Contudo, durante a primeira fase violência contra idosos
da Bairrada trumentos de sopro e instrumentos do Lar Residencial São José das obras, foram detectados alguns O Ministério Público abriu num ano
de percussão. As intervenções foram problemas que obrigaram a Miseri- e meio 125 inquéritos sobre vio-
intercaladas por explicações dadas córdia a investir ainda mais. lência contra idosos só no distrito
Os idosos da Santa Casa de Oliveira pelo professor Nuno Caçote”. A Santa Casa da Misericórdia de As primeiras obras tinham um judicial de Lisboa, segundo dados
do Bairro tiveram uma tarde especial “Na segunda parte, o professor Almeirim investiu cerca de meio valor estimado de 250 mil euros, com revelados hoje pela Procuradoria-
a 12 de Janeiro. Juntamente com Bruno Estima transmitiu aos idosos milhão de euros em obras de requa- financiamento público de 189 mil. Os -Geral da República. “A violência
utentes de outros equipamentos para a mensagem de que todos podem ser lificação do Lar Residencial São José. problemas encontrados posteriormen- contra os idosos é a mais silenciosa
terceira idade do concelho, os senio- válidos para fazer música – desde que A empreitada contou com financia- te tiveram de ser assumidos na íntegra que há em Portugal. É grave, es-
res foram presenteados com uma tenham interesse. A mensagem foi mento de 75 por cento através do pela Santa Casa. No total, a instituição condida, porque os idosos não se
tarde musical, levada a cabo pela transmitida através de jogos rítmicos e MASES – Medida de Apoio à Segu- teve de gastar mais 155 mil euros. queixam”, declarou recentemente
Escola de Artes da Bairrada. por meio de estímulos físicos, sempre rança dos Equipamentos Sociais. As obras decorreram ao longo o procurador-geral da República,
Na primeira parte, contou-nos com a componente musical presente.” De acordo com o jornal O Alme- de 2010. Pinto Monteiro.
22 vm janeiro 2011 www.ump.pt

saúde

Rede nacional Filipe Mendes e Bethania Pagin camas disponíveis, 2335. Daí que
as Santas Casas de Entroncamento,
Portugal está a ficar com cabelos Santiago do Cacém, Santo Tirso e
brancos. As projecções do Instituto Vila de Rei tenham inaugurado os

atingiu cinco
Nacional de Estatística (INE) indi- seus equipamentos no dia em que
cam que em 2046 haverá 238 idosos o Ministério da Saúde assinalou a
por cada 100 jovens, o dobro dos conquista da meta de 5000 camas
valores actuais. na rede nacional.

mil camas
Perante este facto, Estado, Insti- No Entroncamento, a ministra
tuições Particulares de Solidariedade Ana Jorge descerrou a placa da uni-
Social (IPSS) e Misericórdias estão a dade da Santa Casa da Misericórdia
desenvolver esforços para encontrar local, um equipamento construído de
soluções que consigam responder, raiz no âmbito do Programa Modelar
por um lado, ao tratamento de pa- I, tendo sido financiado com 750 mil
tologias e por outro, ao aumento da euros de investimento público, para
qualidade de vida e envelhecimento um valor total de 4,3 milhões.
activo da população. No final da cerimónia, a tutelar
Neste sentido, a principal linha da pasta da Saúde admitiu aos jorna-
política do governo para a área da listas que poderão existir problemas
geriatria passa pela criação de uma na concretização da rede: “alguns
rede de unidades de cuidados conti- dos parceiros estão com dificuldades
nuados integrados com capacidade em encontrar financiamento junto
para 15 mil utentes até 2015. da banca que se está a retrair neste
Por isso, o Ministério da Saúde momento”, afirmou.
decidiu marcar o dia 22 de Dezembro Contudo, os objectivos fixados
como a data simbólica em que se são para manter: “aquilo que temos
atingiu, no País, o número de cinco de fazer é gerir bem”, considerou
Ministério da Saúde celebrou cinco mil camas mil camas disponíveis nestas unida- Ana Jorge, destacando “a grande

de cuidados continuados. Misericórdias do des, com uma série de inaugurações


por todo o território, 22 ao todo.
capacidade de iniciativa” que as
Misericórdias têm demonstrado na
Entroncamento, Santiago do Cacém, Santo Tirso Muitos destes equipamentos são
da responsabilidade das Misericór-
implementação deste projecto.
Segundo a governante, “há cada
e Vila de Rei integraram programa de inaugurações dias: cerca de metade do total das vez mais pessoas idosas, com do-
www.ump.pt janeiro 2010 vm 23
Misericórdias continuarão disponíveis
As Santas Casas continuarão a estar disponíveis para ser parceiras neste


“desígnio nacional” que são os cuidados continuados, garantiu o presidente
do Conselho de Gestão do Grupo Misericórdias Saúde, Salazar Coimbra.

a instituição, mas principalmente


para os doentes”. Testemunhos Rede
“Estamos todos de parabéns”,
resumiu o provedor da instituição. alterou
As projecções do
Instituto Nacional de
Ao Voz das Misericórdias, o res-
ponsável destacou a “enorme quali- serviços
de saúde
dade” do edifício, que inclui também
Estatística (INE) in- uma sala para fisioterapia e terapia
Jorge Nunes
dicam que em 2046 ocupacional, de forma a promover Provedor
da Misericórdia
nos utentes “a autonomia necessária
haverá 238 idosos para o regresso às suas casas”.
de Santiago do
Cacém Por todo o território nacional,
por cada 100 jovens, Para Jaime Ramos, presidente da responsáveis do Ministério
o dobro dos valores câmara do Entroncamento, entidade Segundo o provedor da Santa da Saúde lembraram a
actuais que cedeu o terreno e acompanhou Casa da Misericórdia de Santiago do  importância da rede
todo o decurso da obra, trata-se de Cacém, Jorge Nunes, é uma realiza- nacional de cuidados
um “salto qualitativo” para a região. ção perceber que “muitos dos utentes continuados integrados
Com cinco mil camas “Estamos a falar também de mais entram de cadeira de rodas e passa-
em 2011, governo emprego directo para 30 pessoas e dos oito dias já estão de pé”. A uni-
espera que a rede de de uma resposta social em termos de dade está no edifício onde funcionou O dia 22 de Dezembro foi de grande
internamento: isto é muito positivo o antigo Hospital Conde do Bracial agitação nas unidades de cuidados
unidades de cuidados para o desenvolvimento do conce- e tem capacidade para 40 pessoas. continuados espalhadas pelo país.
continuados integra- lho”, afirmou. O investimento na construção deste Foram 22 inaugurações e as Miseri-
dos tenha capacidade Para o autarca, estas parcerias equipamento atingiu os 2,7 milhões córdias de Santiago do Cacém, Santo
para 15 mil utentes com a Misericórdia “são para man- de euros. Tirso e Vila de Rei também integra-
ter”, uma vez que “há uma aposta ram a iniciativa que visava celebrar
até 2015 clara da autarquia na área social, em a meta conquistada no âmbito da
detrimento de outros sectores”. rede nacional, que já tem cinco mil
Segundo Ana Jorge, A Rede Nacional de Cuidados camas a funcionar.
alguns parceiros es- Continuados Integrados (RNCCI), da Em Santo Tirso, a unidade foi
iniciativa dos Ministérios do Trabalho inaugurada pelo secretário de Estado
tão com dificuldades e da Solidariedade Social e da Saúde
Irene Barata
Provedora Adjunto e da Saúde. À margem da
em encontrar finan- representa um investimento global
da Misericórdia
de Vila de Rei inauguração, Manuel Pizarro garan-
ciamento junto da de 147 milhões de euros, dos quais tiu à Lusa que unidades como aquela
banca, mas a meta de 65 são provenientes do erário público. A provedora da Santa Casa da são a prioridade do governo, a ní-
A Santa Casa do Entroncamen- Misericórdia de Vila de Rei, realçou “a vel da  saúde. “O que mais faz falta
15 mil camas é para to presta assistência diária a mais importância que esta obra tem para na saúde em Portugal é uma rede
cumprir 1500 pessoas nos seus diferentes o concelho, tendo já criado 51 pos- sólida de cuidados continuados”,
equipamentos: hospital com urgên- tos de trabalho. A construção desta afirmou. “Os hospitais servem para
Ministra da Saúde inaugurou
unidade da Misericórdia
As Santas Casas são cia a funcionar 24 horas, dois lares, infra-estrutura no nosso município
centro de dia, apoio domiciliário e vem contribuir para tornar o País O dia 22 de Dezembro foi de
do Entroncamento responsáveis por 66% agora também com uma unidade mais equilibrado, dotando o Interior grande agitação nas unida-
da rede nacional. São de cuidados continuados integrados. com mais uma obra moderna e com des de cuidados continuados
2335 camas em 118 Conta com 318 colaboradores nos elevada utilidade para a população”. espalhadas pelo país.


unidades que estão seus quadros, sendo um dos maiores Foram 22 inaugurações
empregadores da região.
enças crónicas e um tempo de so-
sob a responsabilida- No mesmo dia, além da unidade tratar problemas de saúde agudos e
brevivência maior e, portanto, mais de de 17 Misericórdias do Entroncamento, também as Mi- graves. Manter doentes internados
dependentes e com necessidades de sericórdias de Santiago do Cacém, para recuperação não é viável, nem
apoios mais prolongados”. A Rede Nacional de Vila de Rei e Santo Tirso receberam é, acima de  tudo, o melhor para o
Logo, estas unidades represen- visitas oficiais do governo para inau- doente”, explicou.
Cuidados Continuados
tam “um apoio transitório entre os
hospitais e o regresso a casa e res-
pondem a situações de muita depen-
dência”, referiu.
Salazar Coimbra, presidente
do Conselho de Gestão do Grupo
Misericórdias Saúde, esteve no En-
troncamento e destacou ao Voz das
Misericórdias que se trata de “uma re-

Integrados represen-
ta um investimento
global de 147 milhões
de euros, dos quais 65
são provenientes do
erário público
gurar equipamentos.
Em Santo Tirso, a unidade foi
inaugurada pelo secretário de Estado
Adjunto e da Saúde, Manuel Pizarro.
A obra de quase 2,5 milhões de euros
tem a particularidade de um dos seus
maiores financiadores ter sido uma
utente, que doou 830 mil euros para
sua construção, fazendo par com os
Unidade de cuidados
continuados da Santa
Casa de Vila de Rei criou
51 postos de trabalho
Em Vila de Rei, foi o secretário
de Estado da Saúde, Óscar Gaspar, a
fazer as honras da inauguração. Para
aquele responsável, as unidades de
cuidados continuados são a “prova”
de que o Serviço Nacional de Saúde
é uma “realidade viva que se adapta
aos novos tempos” e também a res-
posta adequada ao “envelhecimento
forma extremamente importante para 750 mil euros financiados pelo Es- populacional e uma maior prevalên-
o Serviço Nacional de Saúde (SNS)”, tado e os restantes capitais próprios cia de doenças graves” em Portugal
garantindo que as Santas Casas con- da Santa Casa.
Alberto que “alterou o perfil e paradigma na
Machado
tinuarão a estar disponíveis para ser Em Vila de Rei, foi o secretário de Ferreira prestação de serviços”.
parceiras neste “desígnio nacional”. Estado da Saúde, Óscar Gaspar, a fazer Provedor Por sua vez, a Misericórdia de
da Misericórdia
Esta unidade de cuidados con- as honras da inauguração. Correspon- de Santo Tirso Santiago do Cacém recebeu a visita
tinuados da Santa Casa do Entron- dendo a um investimento global de 4 da presidente da Administração Re-
camento, que já se encontra em milhões de euros, aquela unidade tem O provedor da Santa Casa da gional de Saúde do Alentejo, Rosa
funcionamento desde o dia 20 de 64 camas e permitiu a criação de 51 Misericórdia, Alberto Machado Ferrei- Matos. Com 40 camas, 20 para in-
Setembro, tem a virtude de “fazer o novos postos de trabalho. ra, afirmou que se dúvidas houvesse ternamento de média duração e a
pleno”, como considerou Ana Jorge. Com um total de 40 camas, 20 quanto à importância desta a unidade outra metade para internamento de
É composta por 20 camas de conva- para internamento de média duração o facto “de as camas já estarem todas longa duração, o novo equipamento
lescença no primeiro piso, outras e a outra metade para internamen- ocupadas, é sinal que é isto tem gran- representou um investimento de 2,7
20 para média duração no segundo to de longa duração, a unidade de de interesse para a região”. A obra de milhões de euros, tendo o Ministério
andar e tem ainda capacidade para Santiago do Cacém representou um quase 2,5 milhões de euros tem a da Saúde apoiado a obra com cerca
acolher 30 pessoas que precisem de investimento de 2,7 milhões de euros particularidade de um dos seus maio- de 800 mil euros. A unidade está no
cuidados de longa duração. res financiadores ser uma utente, que edifício onde funcionou o antigo Hos-
Para Fanha Vieira, provedor, tra- Ver mais sobre essas doou 830 mil euros. pital Conde do Bracial e dispõe ainda
ta-se de “uma obra importante para inaugurações no texto ao lado de um ginásio e fisioterapia.
24 vm janeiro 2011 www.ump.pt
Saúde

VOLTAAPORTUGAL
Seia
integra Preparar Santas Casas
rede
nacional
para acções de controlo SAP de Valpaços
vai encerrar
O Serviço de Atendimento Perma-
nente de Valpaços, vulgarmente
até mesmo à rescisão dos contratos conhecido por serviço de urgên-
A Santa Casa da Misericórdia celebrados, conforme disposto nos cia, e que funcionava no Hospital
de Seia iniciou actividade na regulamentos nacionais e comunitá- de Valpaços, 24 horas por dia, vai
Rede Nacional de Cuidados rios em vigor”. Por isso, continuam encerrar, segundo garantiu recen-
Continuados Integrados. aqueles responsáveis, é indispensá- temente a Misericórdia. “Vai acabar
Utentes começaram a vel que as Misericórdias com pro- como noutros locais onde existiam.
chegar a 17 de Janeiro jectos aprovados se assegurem da O Governo não quer SAP”, garantiu
conformidade dos procedimentos o advogado da Misericórdia, Telmo
que implementaram e da optimiza- Moreira.
A Santa Casa da Misericórdia de Seia ção dos recursos financeiros, tendo
iniciou actividade na Rede Nacional em conta o quadro de obrigações
de Cuidados Continuados Integrados estabelecido nos regulamentos dos Despesa abaixo
a 17 de Janeiro. A instituição presta programas. do esperado
agora cuidados de média e longa As acções de acompanhamen- O secretário de Estado da Saúde,
duração à comunidade. to e as auditorias externas tiveram Óscar Gaspar, disse recentemente
De acordo com o provedor da- já o seu início nalgumas regiões, que a taxa anual de despesa com
quela Misericórdia, a unidade de UMP quer apoiar prevendo-se, a curto prazo, a sua medicamentos nos grandes hospi-
média duração e reabilitação é cons- Misericórdias com dinamização e alargamento a todas tais ficou abaixo do esperado em
tituída por 18 quartos, 12 duplos e auditorias internas as Instituições envolvidas. “É fun- 2010, situando-se na ordem dos
seis individuais, com um total de 30 damental que as Misericórdias com três por cento. Óscar Gaspar falava
camas. Por sua vez, a unidade de candidaturas aprovadas no âmbito aos jornalistas no final da VII Confe-
longa duração e manutenção dispõe de programas com financiamentos rência Indústria Farmacêutica, su-
de oito quartos, seis duplos e dois públicos validem antecipadamente bordinada ao tema “Os Desafios da
individuais, no total de 12 camas. a conformidade dos procedimentos Inovação nos Sistemas de Saúde”,
Com três mil metros quadrados de que têm vindo a implementar, de organizada pelo Diário Económico.
área útil, o edifício não tem uma única forma a minimizarem ou mesmo

9,3%
escada e elevadores e possui muita luz eliminarem a possibilidade de so-
natural, tendo uma vista privilegiada frer penalizações, que venham a
sobre a Serra da Estrela. O edifício, ções Regionais de Saúde, no caso do comprometer a continuidade dos
construído na Folgosa do Salvador, A União das Misericórdias Programa Modelar, e do reforço das projectos ou mesmo a sua susten-
Santiago, junto ao Lar Senhora da Mise- Assinou recentemente um acções de controlo dos apoios do PO tabilidade”.
ricórdia, representou um investimento protocolo para apoiar as Norte/QREN. Através do protocolo estão pre- Médicos estrangeiros
de cerca de 3.250 milhões de euros, ten- Santas Casas na realização Segundo o Gabinete de Apoio vistos dois tipos de acções, que po- O número de clínicos estrangei-
do recebido um financiamento de 750 de auditorias internas Técnico do Grupo Misericórdias Saú- dem ser desenvolvidas de forma in- ros registados em Portugal pas-
na área da saúde de, “a gestão de projectos apoiados tegrada ou isolada, de acordo com as sou de 3.736 em 2008 para
As unidades de média e longa por financiamentos públicos exige necessidades identificadas e opções 3.937 em 2010, representan-
duração da Misericórdia de Bethania Pagin a observância do maior rigor nos efectuadas por cada uma das Mi- do 9,3 por cento da totalidade.
Seia têm, respectivamente, seus procedimentos administrativos sericórdias aderentes. Em primeiro
capacidade para receber 30 A União das Misericórdias Portugue- e financeiros e na correspondente lugar, poderão ser efectuadas visitas
e 12 pessoas sas assinou recentemente um proto- organização dos respectivos dossi- de acompanhamento, com carácter Cuidados continuados
colo para apoiar as Santas Casas na ês. A não existência dessa atitude de auditoria interna no sentido de em Oeiras
mil euros por parte do Estado, através realização de auditorias internas. de rigor, para além de causar uma se detectarem eventuais irregulari- A segunda unidade de cuidados
do Programa Modelar. O objectivo é dar mais um passo perda de eficiência, comprometendo dades e antecipar inelegibilidades na comunidade (UCC) do agru-
Actualmente já estão ao servi- no sentido de assegurar a qualidade o sucesso da gestão, pode sujeitar as apuráveis pelas instâncias de contro- pamento dos Centros de Saúde
ço 20 técnicos, desde médicos, fi- nas unidades de saúde dessas insti- entidades beneficiárias a um quadro lo nacionais em sede de auditoria. A de Oeiras inaugurada, a “Cuidar
sioterapeutas, auxiliares de acção tuições e preparar as Misericórdias de penalidades, que poderá ir da não segunda etapa contempla acções de +”, vai disponibilizar uma equipa
médica, nutricionistas, enfermeiros, para as acções de acompanhamento elegibilidade das despesas efectu- formação acção sobre procedimen- multidisciplinar liderada por nove
podendo vir a atingir o dobro quan- e controlo por parte das Administra- adas, à suspensão dos apoios ou tos administrativos e financeiros. enfermeiros para prestar apoio a
do a lotação estiver esgotada, “o que cerca de 40 mil utentes. A inaugu-
pode vir a acontecer dentro de um ração teve lugar a 24 de Janeiro
mês”, atendendo aos indicadores e vai abranger cinco freguesias -
que a Misericórdia possui, revelou
o provedor. Portugueses estão a viver mais tempo Queijas, Carnaxide, Linda-a-Velha,
Cruz Quebrada-Dafundo e Linda-
A unidade da Santa Casa da Mi- -a-Velha.
sericórdia vai dispor ainda de uma
unidade de dia e de promoção de vista para 2010.
autonomia e de uma clínica de me- Últimos indicadores do Plano Nacional de Saúde Também as cesarianas não param São João da Madeira
dicina física e reabilitação. 2004-2010 revelam que há cada vez menos enfartes de aumentar. A meta prevista não será aumenta capacidade
Recentemente a Rede Nacional atingida e há cada vez mais prematu- A Misericórdia de São João da
de Cuidados Continuados alcançou ros e bebés com pouco peso. Madeira vai ampliar unidade de
a meta das cinco mil camas. Para Nos últimos cinco anos, o consu- AVC. “A esperança de vida aumentou No entanto, a Alta Comissária da cuidados continuados (UCC). Re-
celebrar, o governo promoveu, no mo de ansiolíticos e antidepressivos em todas as idades. Outro aspecto im- Saúde sublinhou, em declarações à centemente foi aprovada a candi-
mesmo dia, 22 inaugurações. En- aumentou 25%. Mas a avaliação do portante foi a queda da mortalidade TSF, que apesar das evoluções nega- datura ao Programa Modelar 2 que
tre elas, quatro Misericórdias: Santo Plano Nacional de Saúde revela que os por doenças cardiovasculares, nome- tivas, os portugueses vivem cada vez permitirá aumentar a capacidade
Tirso, Santiago do Cacém, Entronca- portugueses estão a viver mais tempo. adamente enfarte agudo do miocárdio mais tempo e avaliam de forma cada de 19 para 29 camas. Segundo o
mento e Vila de Rei. Actualmente, as A avaliação dos últimos indicado- e Acidente Vascular Cerebral”, indicou vez mais positiva o próprio estado de director da Santa Casa, Vitor Gon-
Santas Casas são responsáveis por 66 res do Plano Nacional de Saúde 2004- Maria do Céu Machado. Em relação saúde. Há mais médicos especialistas, çalves, o alargamento vai potenciar
por cento do total de camas da rede 2010 revela que há cada vez menos ao cancro, os números de 2009 são mas em 2009 diminuíram os médicos a criação de áreas funcionais como
nacional de cuidados continuados. portugueses a morrer com enfartes e negativos e afastam-se da meta pre- de família. fisioterapia e terapia.
26 vm janeiro 2011 www.ump.pt

educação
Escola profissional de
compreensão de todos e um grande
trabalho de equipa que passa pelo
director, pela direcção pedagógica,
direcção financeira, funcionários e

Faro em risco de fechar


alunos.

Porta aberta para o mercado
A Escola Profissional D. Fran-
cisco Gomes de Avelar é uma das
muitas respostas da Santa Casa de
Faro, que se orgulha de ser a única
Misericórdia no Algarve que con-
templa esta vertente educativa, pro-
O contrato entre a Escola Profissional D. Francisco Gomes de Avelar da porcionando formação às dezenas
de jovens que todos os anos ali in-
Misericórdia de Faro e o Ministério da Educação ainda não foi assinado gressam.
É certo que a procura tem vindo
a diminuir, devido à existência de um
maior número de escolas habilitadas
para ministrar os cursos profissio-
nais, permitindo aos jovens entrar
mais cedo no mercado de trabalho.
Mas, ainda assim, a coordenadora
pedagógica mostra-se satisfeita com
a procura. Neste momento noventa
e seis alunos frequentam a escola
profissional, sendo cinco turmas de
cursos profissionais e uma do curso
de educação e formação (CEF).
Os cursos profissionais são os
mais requisitados pois ali os estu-
dantes encontram uma porta aberta
para o emprego. Para além de con-
cluído o 12º ano, saem ainda como
técnicos de qualificação nível 3.
O ano lectivo arrancou com 76
alunos, com idades entre os 15 e os
23 anos, a optarem pelos dois cur-
sos profissionais: técnico de apoio
à infância e animador sociocultural.
“Muitos destes alunos acabam por
fazer o estágio e, muitas vezes, a
sua inserção profissional na Miseri-
córdia, entidade promotora de em-
prego”. Esta é uma mais-valia para
Escola profissional os formandos e para a instituição.
tem 96 alunos inscritos Durante os três anos que ali estão,
os jovens recebem, para além da
formação em sala de aula, também
formação em contexto de trabalho.
“Os alunos desenvolvem projectos
ao nível das várias disciplinas e in-
lhança do que acontecia com todas subsídio e nem sabem se, de acordo teragem com outros projectos que
Nélia Sousa
as escolas profissionais do Algar- Números com o novo modelo, irão receber estejam a ser promovidos por outras
O contrato entre a Escola Profissional ve. Porém, este ano, os modelos de na íntegra. Para além do transpor- entidades, nomeadamente a Câmara
D. Francisco Gomes de Avelar da financiamento alteraram-se e cabe te, os estudantes, que diariamente Municipal de Faro ou o Instituto Por-
Misericórdia de Faro e o Ministério
da Educação ainda não foi assinado,
o que pode pôr em causa a conti-
agora ao Ministério da Educação
disponibilizar as verbas necessárias
para que as escolas funcionem. Mas
90% taxa de emprego no últi-
mo ciclo de formação, na
turma de técnico de apoio à infância, 16
frequentam a instituição, têm tam-
bém disponível uma verba para a
alimentação. Sem esses subsídios,
tuguês da Juventude”.
Esta parceria com outras institui-
ções é, na opinião de Nélia Viegas,
nuidade da formação dos noventa para que o dinheiro chegue é funda- em 18 alunos da Escola Profissional D. os alunos estão, neste momento, a “uma mais-valia para o currículo dos
e seis alunos. Sem os subsídios de mental a assinatura de um contrato- Francisco Gomes de Avelar conseguiram enfrentar algumas dificuldades. alunos”. Quando têm de enfrentar o
transporte e alimentação acrescem -programa que ainda não se realizou. emprego. De forma a minimizar os encar- mercado de trabalho os alunos vão
as dificuldades para os estudantes E é essa a grande preocupação gos é a Santa Casa da Misericórdia bem preparados. Para além disso são
que, neste momento, recebem o
apoio da Santa Casa. Mas este é um
encargo difícil de suportar a longo
do momento, segundo nos conta
Nélia Viegas. “A Direcção Regional
de Educação do Algarve antecipou
15 anos idade mínima o ano lectivo
arrancou com alunos com idades
entre os 15 e os 23 anos, a optarem pe-
que, desde Setembro do ano passa-
do, está a assegurar as refeições dos
alunos, professores e funcionários
acompanhados por um Gabinete de
Inserção Profissional que em par-
ceria com o Instituto de Emprego e
prazo, e que está a causar grande as verbas para a escola poder gerir los dois cursos profissionais: técnico de até que a situação se resolva. Mas Formação Profissional disponibiliza
preocupação à instituição de ensino, e sustentar-se e já nos pagou a pri- apoio à infância e animador sociocultural. “se até Abril não houver um contrato um psicólogo para os acompanhar
que começa a ver os recursos finan- meira tranche, mas não sabemos assinado as coisas ficam muito difí- e lhes prestar apoio ao nível da in-
ceiros escassearem.
“Neste momento estamos a atra-
vessar uma situação bastante difícil
quais os procedimentos que temos
de tomar para movimentar esse di-
nheiro. Só no contrato é que virá o
96 alunos inscritos o actual ano
lectivo da escola profissional da
Santa Casa da Misericórdia de Faro conta
ceis”, refere Nélia Viegas.
Para além dos alunos, também
a classe docente está a ser afectada
serção no mercado de trabalho. E a
grande maioria consegue emprego.
Nélia Viegas esclarece que a taxa de
a nível de financiamento”. É assim plano de financiamento que estipula com noventa e seis alunos inscritos. com os atrasos de pagamento. De sucesso é superior a 90%. “No últi-
que Nélia Viegas, coordenadora para onde se destinam as verbas”, Setembro a Novembro os professores mo ciclo de formação tivemos uma
pedagógica, traça o perfil actual da explica a coordenadora pedagógica. e formadores não receberam o ven- turma de técnico de apoio à infância
instituição. Até ao último ano lectivo A somar a todas estas preocupa- cimento, pago apenas em Dezembro com 18 alunos, 16 dos quais estão
a escola profissional era financiada ções está o financiamento dos alunos quando houve verba para pagar. Para empregados na área. Isso é muito
pelo Fundo Social Europeu, à seme- que, este ano, ainda não receberam o a coordenadora pedagógica vale a bom”, conclui.
www.ump.pt janeiro 2010 vm 27
Escolas privadas a encerrar
Pelo menos 50 escolas com contrato de associação já confirmaram
que vão fechar até ao fim de Janeiro. Os dados foram recentemente
revelados pelo movimento SOS Educação.

Óbidos inaugura creche para 33 Oliveira


do Bairro
O novo equipamento da
provedores do distrito de Leiria e da
representante do Secretariado Na- ensina pais
Santa Casa da Misericórdia de
Óbidos tem capacidade para
cional da União das Misericórdias
Portuguesas, Infância Pamplona, a dizer não
33 crianças e foi construído entre outras personalidades locais.
junto às instalações do lar Seguiu-se um porto de honra, acom-
de idosos panhado por bolo de chocolate, hoje Santa Casa da Misericórdia
uma mas marcas daquela localidade. de Oliveira do Bairro realizou
Bethania Pagin As comemorações dos 500 anos palestra para alertar
da Misericórdia de Óbidos tiveram para a importância das
O Programa de Alargamento da Rede início com uma eucaristia celebrada regras e dos limites na
de Equipamentos Sociais (PARES) pelo cardeal patriarca de Lisboa, D. educação das crianças
criou dez mil postos de trabalho. O José Policarpo. O provedor Carlos
número foi avançado pelo secretário Orlando contou ao VM que estão or-
de Estado da Segurança Social, Pedro ganizadas outras iniciativas ao longo A Santa Casa da Misericórdia de
Marques, durante a inauguração da do ano. Está previsto o lançamento Oliveira do Bairro realizou, a 17 de
creche da Santa Casa da Misericórdia Nova creche custou de dois livros: um sobre o arquivo e Janeiro, uma palestra intitulada: “Di-
de Óbidos. A cerimónia teve lugar a cerca de 500 mil euros outro sobre o património da Santa zer Não… Porque Sim!”. A iniciativa,
18 de Janeiro e está integrada nas Casa. Segundo aquele responsável, o gratuita, destinou-se a pais, encarre-
comemorações dos 500 anos da ins- espólio artístico da instituição é com- gados de educação, profissionais da
tituição. posto por pinturas de alguns pintores área da educação e a todos os que
Segundo o governante, no âm- veis pela criação de 14 mil empregos. nicipal de Óbidos, cujo presidente de renome, como Baltazar Gomes estivessem interessados no tema.
bito daquele programa foram aber- O novo equipamento da Misericór- também se associou à cerimónia de Figueira, Josefa de Óbidos e Belchior O objectivo da palestra, lê-se em
tas mais de 400 creches em todo dia de Óbidos tem capacidade para 33 inauguração. Telmo Faria destacou de Matos, entre outros. Além disso, comunicado de imprensa daquela
o território nacional. Este número crianças, com idades entre os quatro que apenas através das parcerias a igreja da Misericórdia, de 1596, instituição, era desmistificar a ideia
representa o apoio a cerca de 16 mil meses e os três anos, e foi construído entre entidades públicas e sociais foi o primeiro templo barroco a ser de que proferir a palavra “não”
crianças. Pedro Marques recordou junto às instalações do lar de idosos. é possível construir uma verdadeira construído no país. “traumatiza as crianças” e alertar
ainda que o PARES representou um Para Carlos Orlando, provedor, a in- rede social. Para o autarca, a melhor As festividades religiosas da Se- para a importância das regras e dos
investimento público de 700 milhões tenção da proximidade é promover maneira de se atrair investimento é mana Santa também vão ser espe- limites na educação das crianças,
de euros que deu origem a dez mil uma política de intergeracionalidade com uma boa rede social que garanta ciais em 2011. O provedor contou ao de forma a contribuir para o seu de-
novos postos de trabalho. entre idosos e crianças. Actualmente, um desenvolvimento sustentável e VM que vão ser convidadas outras senvolvimento saudável e para a sua
Ao PARES veio juntar-se, poste- a Santa casa cuida de 48 seniores em integrado. A autarquia de Óbidos Misericórdias para integrar a pro- adequação social.
riormente, o Programa Operacional lar e 42 em apoio domiciliário. apoiou a construção da nova cre- cissão que, naquela localidade, tem A palestra que reuniu pais e en-
Potencial Humano. As duas iniciati- Com um custo aproximado de che da Misericórdia com cerca de lugar no Dia de Ramos (13 de Março) carregados de educação teve lugar
vas juntas representam mais de 840 500 mil euros, a nova creche contou 60 mil euros. A cerimónia contou e é conhecida como a procissão da no salão polivalente da Santa Casa
candidaturas, tendo sido responsá- ainda com o apoio da Câmara Mu- ainda com a participação de alguns Rapaziada. da Misericórdia de Oliveira do Bairro.

VOLTAAPORTUGAL

The English Centre oferece prendas à Caldas da Rainha


A escola de línguas The English Centre angariou mais de duas centenas
de presentes para as crianças e adolescentes do Centro de Acolhimento
Temporário e Lar Interno Feminino, da Santa Casa da Misericórdia de
Caldas da Rainha. À semelhança de anos anteriores a “Operation Christ-
mas Present” levada a cabo pela escola voltou a contar com o apoio dos
alunos, encarregados de educação e público em geral, que entre 29 de
Novembro e 17 de Dezembro, doaram roupas e brinquedos a quem mais
precisa. A responsável pelos serviços da Misericórdia, Teresa Roque, disse
que “os presentes fizeram a alegria dos mais pequenos, tendo surpreen-
dido pela quantidade de artigos novos”.

680
Bolseiros devolvem dinheiro
Penela vai continuar
a apoiar crianças
O novo provedor da Santa Casa
da Misericórdia de Penela lembrou
ainda a necessidade de continuar
Os alunos bolseiros do Instituto a apoiar as crianças, «porque, afi-
Politécnico de Coimbra vão ter nal, elas são quem nos faz sorrir»,
de devolver os valores da bolsa e lembrou aos funcionários que, é
que lhes foi atribuída nos me- a elas e aos idosos «que devem o
ses de Outubro e Novembro. posto de trabalho». Em termos de
Ao todo são 680 os alunos que objectivos mais próximos, Fernan-
vão ter de devolver o dinheiro do Antunes adiantou que «avança-
devido à aplicação das novas remos rapidamente com processo
regras de atribuição de bolsas. de certificação e faremos da ava-
Cada aluno terá de devolver liação permanente do serviço que
cerca de 200 euros prestamos uma forma de melho-
rarmos cada vez mais».
28 vm janeiro 2011 www.ump.pt

património

ARTE NAS MISERICÓRDIAS


Quatro Misericórdias
participam na
exposição Primitivos
Bancada de mesários
Portugueses
SCMFA 0006
1863
Santa Casa da Misericórdia de Faro

Bancada de mesários constituída por


Capela tumular dois bancos corridos, cada um com
SCMPF 0196 cinco lugares diferenciados ao nível do
Século XVII espaldar, que é vazado, apresentando responsável, cujo património está
Santa Casa da Misericórdia de Penafiel cada módulo uma tabela vazada na As Santas Casas de depositado no Museu de Setúbal,
base da qual pontifica elemento rele- Abrantes, Lourinhã, Setúbal não é possível participar em todas
Capela tumular em forma de arcossó- vado e dourado semelhante a par de e Tomar fazem parte da as manifestações artísticas. “Todas
lio, inserida na parede lateral do lado da folhas unidas pelo caule, sendo o topo exposição “Os Primitivos as requisições que nos chegam para
Epístola da capela-mor. É fechada por ocupado por óculo. O cachaço, com Portugueses (1460-1560): iniciativas de divulgação são devi-
arco de volta perfeita, o qual é enqua- cimalha dourada, é uma sequência de O Século de Nuno Gonçalves” damente autorizadas. Infelizmente,
drado por pilastras que suportam en- arcos que contornam os óculos, apre- muito do nosso património artístico
tablamento. Este é percorrido por friso sentando pináculos colocados na di- Vera Campos não pode constar em outras mani-
preenchido por cinco triglífos, sendo recção dos montantes traseiros. Os re- festações do género devido aos altos
rematado por frontão triangular, inter- mates do cachaço, relevados, vazados No âmbito das Comemorações Na- custos de restauro necessários para a
rompido no topo pela pedra de armas e dourados, assemelham-se a folhas cionais do Centenário da República, sua vantajosa exposição”. Sublinha,
de D. Francisco de Azevedo Ataíde e largas ladeadas por decoração con- o Museu de Arte Antiga, em colabo- no entanto, que os esforços de res-
Brito, nobre que se encontra sepultado cheada. Os braços curvam para baixo ração com o Museu de Évora, realiza tauro e preservação deste espólio são
no túmulo que a capela acolhe. O tú- e terminam em macetas de voluta, a exposição “Primitivos Portugueses de importância indiscutível.
mulo tem a forma de arca de formato sendo que os apoios também curvos. (1460-1560): O Século de Nuno Gon- “Por um lado, quer através do res-
paralelepipédico rectangular, sendo O aro apresenta na frente elemento çalves”. As Santas Casas de Abran- tauro quer através da sua conservação,
ornamentado com molduras salientes relevado e dourado composto por flor tes, Lourinhã, Setúbal e Tomar fazem as obras podem ser conhecidas e es-
e molduradas, assentando em patins inscrita em reserva elíptica rematada parte do certame que teve início a tudadas, e consequentemente, criar
com a forma de leões de concepção lateralmente por enrolamentos. As 11 de Novembro e estará aberto ao proveitosas dinâmicas académicas.
algo tosca. A tampa é igualmente pernas são galbadas, apresentando público até 27 de Fevereiro. Por outro, principalmente, são tam-
moldurada, possuindo na superfície folha relevada e dourada nos joelhos, O Voz das Misericórdias ouviu a bém a memória física, de uma insti-
superior a representação esculpida do e terminando em pés espatulados. O opinião dos provedores das Santas tuição centenária, que merece o seu
defunto. Este é representado deitado travejamento é formado por travessas Casas envolvidas nesta exposição lugar na história reconhecido”. Sobre
de costas, com as duas mãos postas e ondeadas. A cadeira apresenta pintura de nível nacional. A Santa Casa de a participação na exposição Primitivos
com a cabeça sobre duas almofadas simulando madeira exótica e contornos Abrantes está presente na exposi- Portugueses, o provedor é peremptório
sobrepostas. Trata-se de um homem a dourado. ção com três tábuas quinhentistas. ao afirmar que “é fundamental que se
de barba e cabelo compridos, usando Seguradas, cada uma, em 500 mil historie o monumento para o enten-
armadura. A parede do fundo da capela euros, o provedor Horácio Mourão dermos enquanto tal. A arte é fruto do
é forrada com os mesmos azulejos que de Sousa sublinha a importância da
guarnecem a parede da capela-mor e divulgação. “Sempre que nos solici-
apresenta ao centro uma lápide con- tam a participação, aderimos com
tendo inscrição esculpida. muito gosto. É uma oportunidade
de mostrarmos o nosso património,
que de outro modo temos fechado”. A
Misericórdia de Abrantes é detentora
de espólio único no país. O provedor
lamenta, contudo, a dificuldade de
preservação de tal legado, dado exigir
“manutenção muito dispendiosa”.
Sem capacidade económica para pro-
mover o restauro, a participação, nes-
te tipo de certame, permite, sempre,
alguma beneficiação das obras. “O
nosso espólio regressa requalificado, seu tempo assim como o homem que
fruto da intervenção levada a cabo a produz. É através dela que de certa
para a exposição em causa”, afirma forma, nos é dada a oportunidade de
Horácio de Sousa, destacando que conhecermos o nosso passado, e no
se trata de uma oportunidade “de caso da Misericórdia de Setúbal de
extrema importância a divulgação das Primitivos Portugueses pôr finalmente em evidência, a sua
nossas obras e a sua manutenção”. (1460-1560): O Século importância ao nível da história local
À semelhança da congénere de Nuno Gonçalves na sociedade do passado e presente”.
de Abrantes, o provedor Fernando Vários autores “As Misericórdias são também
Cardoso Ferreira, da Misericórdia Museu Nacional de Arte Antiga, Lisboa monumentos da sociedade portugue-
Apontamentos do inventário promovido pela UMP, de Setúbal, acentua as dificuldades 2010 sa, com uma grande componente his-
Ver mais em http://matriz.softlimits.com/ump/ de restauro do património. Para este tórico artística, pelo que, estas mani-
www.ump.pt janeiro 2010 vm 29

Lista de livros

Deus Existe, Eu Encontrei-O Criatividade e Inovação


André Frossard Vários autores
Esfera dos Livros, Lisboa, 2010 MTSS, Julho 2010

“Tendo entrado às dezassete horas e A decisão do Parlamento Europeu e do


dez numa capela do Quartier Latin em Conselho relativa ao Ano Europeu da
busca de um amigo, saí de lá às de- Criatividade e Inovação (AECI – 2009)
zassete horas e quinze na companhia associa de forma extensiva, nos seus
de uma amizade que não era terrena.” considerandos e objectivos, a capacida-
As peças das quatro
André Frossard tinha 20 anos, era um de de inovação e a criatividade pessoal
Misericórdias envolvidas
céptico ateu de extrema-esquerda, de a uma abordagem de política baseada
origens judaicas, quando encontrou na aprendizagem ao longo da vida. Esta
bruscamente, de forma fortuita, mas perspectiva de abordagem afigura-
instantânea, a verdade cristã “numa -se estimulante para os domínios de
silenciosa e serena explosão de luz”. intervenção temática dos Cadernos
Sem qualquer tipo de evolução inte- Sociedade e Trabalho (e de interven-
lectual, de inquietação, sem percorrer ção política do Ministério do Trabalho e
um longo caminho para chegar até ela, Solidariedade Social), tendo motivado
sem procurar nada. Deus Existe, Eu a organização deste número, o qual
Encontrei-O é um testemunho pessoal mobiliza uma diversidade de contri-
e emocionante da forma como André butos que, por ângulos particulares de
Frossard encontrou a sua fé. Num tom aproximação ao tema, evidenciam a
intimista, o autor, membro da pres- complexidade (mas também a rique-
tigiada Academia Francesa, traz-nos za) das relações que se tecem entre
um relato raro e único que se tornou, as actividades e iniciativas da esfera da
em todo o mundo, num clássico da es- criatividade e inovação e as qualifica-
piritualidade. ções escolares e profissionais.

Misericórdia de Braga Livro Mestre


Vários Autores Prefácio de Mário Rui Silvestre
Misericórdia de Braga, Braga, 2010 Misericórdia de Pernes, Pernes, 2003

“Evolução na continuidade” é uma ex- O “Livro Mestre” que ora se dá a conhe-


pressão comum e utilizável no discurso cer tinha como objectivo, consoante o
político e historiográfico sobre política, seu organizador em 1813, o padre
mas que se aplica apropriadamente Joaquim Duarte Botelho, coadjutor
ao número 6 da revista Misericórdia da Matriz de Pernes e à época prove-
de Braga, projecto editorial lançado e dor da Misericórdia, lançar “todas as
acarinhado fortemente pelo provedor propriedades que esta Santa Casa da
Bernardo Reis, merecedor de rasgados Misericórdia deste lugar de Pernes é
elogios por tão singular e qualificada directa senhora, e todos os capitais a
iniciativa. Nesta edição, há artigos de juros de lei, e leva no fim encerramen-
festações proporcionam a sua legítima mais escassos, não se coíbe de apon- contactar o provedor da Misericór- cariz científico e analítico sobre a Es- to. Pernes, em mesa, 2 de Fevereiro
visibilidade nesse sentido”, concluiu. tar as dificuldades de manutenção dia da Tomar, mas até ao fecho desta cola de Enfermagem de Braga e suas de 1813”, abrangendo um período
Por sua vez, a Santa Casa da Lou- deste e de outro espólio. “Muitos edição ainda não havia sido possível. ligações ao Hospital de São Marcos, que vai desde essa data até cerca de
rinhã está presente naquela exposição pensam que a Santa Casa de Lisboa A Santa Casa emprestou duas peças assim como textos sobre ocorrências 1880, sendo uma fonte incontornável
com dois quadros de pintura seis- nos subsidia com os jogos, mas não à exposição: “Milagre Eucarístico de significativas tanto para a Santa Casa para se compreender e estrutura eco-
centista. O provedor Francisco Anjo é verdade. Somos autónomos. O úl- Santo António Continuador”, de Gre- de Braga como para o movimento nómica, social e religiosa, da Irman-
Tavares recusa falar de património da timo restauro que levamos a cabo gório Lopes (1540 -1550) e a “Última geral das Misericórdias no país, como dade da Misericórdia de Pernes, nos
Misericórdia, mas antes “património nos quadros aconteceu há 15 anos, Ceia”, do mesmo artista (1540). o I Congresso do Grupo Misericórdias últimos duzentos anos, mas outrossim
de todos nós”. Ao Voz das Misericór- através de uma empresa que nos A exposição é acompanhada por Saúde, em Vila do Conde. Este número da mentalidade da época, da história
dias revelou estar, sempre, disponível prestou esse serviço gratuitamente”, um catálogo composto por textos de traz ainda um espaço de crónica assi- da vila e dá de uma imensidão de terras
para divulgar “o que é nosso”. comentou aquele dirigente. investigação e pelas fichas de todas nado pelo Monsenhor Silva Araújo e ao redor dela que então integravam o
Com meios financeiros cada vez O Voz das Misericórdia tentou as peças. intitulado “Ao ritmo dos dias…”. Julgado de Pernes.
30 vm janeiro 2011 www.ump.pt

voz activa

Editorial VM Opinião
Voz das
Misericórdias
Ousamos sublinhar “o crescimento” a multiplicar-se em intervenções, e
Órgão noticioso como uma crise, nas Misericórdias sem qualquer forma de calculismos
das Misericórdias
em Portugal Italianas, uma vez que, sendo as ou conveniências pessoais.
e no mundo mais antigas, e que, por isso, foram E o crescimento não se deu
Propriedade: o protótipo das demais Misericór- apenas em sempre novas áreas de
Paulo Moreira União das Misericórdias Manuel Ferreira da Silva dias no mundo, desde que em 1244 intervenção e préstimo de serviços
paulo.moreira@ump.pt
Portuguesas foi criada a de Florença, já a contar de toda a ordem, mas também um
Contribuinte: VIII séculos de vida, generosa acção crescimento em número de inscri-
501 295 097
Pequeno mas Redacção
e Administração:
Misericórdias e polivalente intervenção.
Uma vez que o terem-se mul-
ções para membros - irmãos de uma
Instituição – Cruzada para o nosso
decidido passo Rua de Entrecampos, 9,
1000-151 Lisboa
em ‘crise’ de tiplicado, como grão de semente
que cresceu em seara, não só lhes
tempo, e como que já a desafiar e a
prevenir o futuro.
Tels:
218 110 540
crescimento mereceu um diploma de crédito, Daí que, registando-se que e
Torna-se imperioso e urgente descobrirmos que, diremos, é de “mais-valia”, como só a Misericórdia de Prato,
218 103 016
o que cada um de nós pode efectivamente Fax: como também lhes trouxe o que para uma iniciativa institucional
fazer para mudar este estado de coisas, 218 110 545 vulgarmente se pode designar como em jeito e com propósitos de mero
sabendo que a maior das caminhadas e-mail: uma “crise de crescimento”. estudo e análise dos problemas, já
começa sempre por um pequeno mas jornal@ump.pt
decidido passo O que – e visto pelo lado mais chegou a contar com um programa
Tiragem
positivo - é uma verdadeira bênção de 27 sessões e com 40 mil inscritos.
do n.º anterior:
do céu e uma resposta ao apelo e Daí que os problemas surjam

N
13.550 ex.
Neste início de ano, Registo: mandato de Deus quando determi- quase como o resultado ou teste-
chegam-nos de todo o lado 110636 nou aos primeiros seres que foram munho de uma “ crise de cresci-
indicadores que são muito Depósito legal n.º: criados: “ crescei e multiplicai-vos mento”, a pontos de o próprio Papa
55200/92
preocupantes e que nos e enchei a terra”. Bento XVI já ter referido e louvado
Assinatura Anual:
devem fazer pensar. Quer os Normal - €10 As Misericórdias não só cresce- as Misericórdias pela sua “sempre
indicadores económicos que apontam Benemérita – €20 ram e se multiplicaram em número, generosa e fecunda imaginação
para dias muito difíceis, quer os Fundador: como também se têm afirmado fe- para inventarem novas obras de
indicadores que resultam de inquéritos Dr. Manuel Ferreira cundamente generosas em sempre misericórdia”.
da Silva
que diversos organismos nacionais e novas áreas de intervenção, as quais É de louvar a Deus!
Director:
europeus têm levado a cabo, revelam- Paulo Moreira abrangem não só os pobres e os
nos um País descrente, deprimido e Editor: doentes, como também prestam
sem rumo. Bethania Pagin serviços de protecção civil, campa-
Poucas são as vozes que se ouvem Design e Composição: nhas de doação de sangue, culto dos
Mário Henriques
a contrariar de forma realista e com mortos, e tudo quanto seja qualquer
Publicidade:
propostas sérias, estruturadas e Paulo Lemos forma de socorro público.
exequíveis, este estado de coisas que Colaboradores: O que equivale de algum modo,
vai lentamente minando o ânimo e a Filipe Mendes àquilo que em Portugal diremos:
vontade dos portugueses. Nélia Sousa Papa Bento XVI já Caridade Social em Cristão, acu-
Patrícia Leitão
Parece, ao ouvir as conclusões
Susana Martins
referiu e louvou as dindo à pobreza e à doença até à
dos mais diversos estudos e Teresa Batista Misericórdias pela sua morte; protecção civil, bombeiros
amostras de opinião, que estamos Vera Campos “sempre generosa e sempre de serviço, acções e inter-
irremediavelmente condenados e Assinantes: fecunda imaginação venções de emergência médica e
resignados a um quotidiano triste Sofia Oliveira para inventarem novas primeiros socorros, e tudo quanto
Impressão:
e cinzento sem qualquer réstia de
Diário do Minho
obras de misericórdia” seja ser um voluntário sem horas,
esperança. – Rua de Santa
Descrentes nas Instituições do Estado Margarida, 4 A
e nos seus servidores, conformados e 4710-306 Braga
angustiados com a falta de uma ideia Tel.: 253 609 460
para o País, temos uma manifesta
incapacidade de reagir, de nos
Correio VM
indignarmos e de participarmos, activa
e empenhadamente, na construção de
um novo paradigma. Vitórias alcançadas Com tanta informação que nos tadores de boas notícias no pano-
Demitimo-nos da nossa cidadania, chega através dos meios de rama geral do país. Só técnica e
esperando que um qualquer D. Sou leitor do Voz das Miseri- comunicação eu questiono-me se voluntária de uma IPSS e é com
Sebastião venha, com ou sem nevoeiro, córdias desde o ano de 1994 e as instituições de solidariedade enorme revolta que se continua a
apresentar a solução pronta e completa sempre foi com especial agrado social não possuem o mesmo ter incertezas em relação ao IVA
para os nossos problemas. que li o jornal. Apesar de nunca direito? Será que a Igreja ainda social. É notório que não se pode
Já sabemos muito bem o que vos ter escrito uma carta, acho não percebeu que os tempos ganhar tudo sem se perder nada,
não queremos, aquilo de que não que esta é a altura certa. Quero mudaram e que hoje já não é de- mas será que também não é
gostamos, aquilo que nos deprime e antes de mais felicitar-vos pela tentora do monopólio que exercia notório que o Estado se aperceba
angustia. Torna-se imperioso e urgente vossa coragem e empenho que sobre tudo e todos no início dos que perante as dificuldades que
descobrirmos o que cada um de nós continuam a demonstrar edição tempos? o país atravessa são os utentes
pode efectivamente fazer para mudar após edição em dar a conhecer as Espero que continuem sempre a destas instituições as pessoas que
este estado de coisas, sabendo que a vitórias alcançadas, assim como lutar por aquilo que acreditam. mais vão sofrer directamente com
maior das caminhadas começa sempre os desafios que são colocados às Paulo Santos estas penalizações?
por um pequeno mas decidido passo. nossas Santas Casas. Ramada Quando escolhi ser técnica sem-
Um dos princípios que o indiví- pre pensei que chegado o final do
duo possui é o poder de poder Ano europeu meu dia de trabalho conseguiria
ser livre e feliz, através de um do voluntariado deixar os problemas na institui-
estilo de vida próprio e inesgotá- ção, mas na prática tal situação
União das Misericórdias
Portuguesas vel e não procurar a inserção de Apesar da passagem de ano os não se verifica. Este ano, que é
rótulos. ventos continuam a não ser por- o ano europeu do voluntariado,
www.ump.pt janeiro 2010 vm 31

reflexão

Li há pouco que uma das palavras É a hora da verdade para o País Nomeadamente em áreas como Para isso, contam com a colabo-
mais utilizadas pelos portugueses, e para a generalidade dos cidadãos. o Apoio Domiciliário, Lares Re- ração directa e indirecta de dezenas
nos últimos tempos, é a palavra crise. As cerca de quatrocentas Mise- sidenciais para a terceira idade e de milhares de trabalhadores, bem
Contudo, será que já interiori- ricórdias nacionais, muitas delas para idoso dependentes, Centros de como de voluntários e dirigentes sem
zámos, na realidade, a dimensão da multicentenárias, têm respondido, Dia, Refeitórios Sociais, Infantários, remuneração que têm contribuído de
Fernando Cardoso Ferreira crise económica e financeira com em larga escala e de forma notável, ATL, Clínicas de Medicina Física e forma determinante para o sucesso
Provedor da Misericórdia de Setúbal e pre-
sidente do Conselho Nacional da UMP que o País se debate e as suas impli- às necessidades básicas de muitos de Recuperação e Hospitais, as Mi- destas Instituições.
cações actuais e futuras? Portugueses, especialmente dos mais sericórdias prestam, anualmente, As Misericórdias, apesar do seu
Ao longo dos anos, especialmen- carenciados e excluídos, social e fi- serviços a centenas de milhares de fim não lucrativo, são empresas e
A hora te nos últimos dez, o Estado gastou nanceiramente. Portugueses. agora, mais do que nunca, devem
significativamente mais do que pro- utilizar na sua gestão os métodos
da verdade duzia e os cidadãos, aproveitando o empresariais que não ponham em
crédito barato, diga-se em abono da causa nem a sua missão social, nem
verdade, encorajados pelos presta- a manutenção de postos de trabalho.
mistas, seguiram o mesmo caminho. Face à escassez de recursos do
Há muito portanto que o País Estado disponíveis para o sector so-
vivia em crise, camuflada com en- cial, à quebra previsível das com-
genharias financeiras e truques de participações familiares, à redução
comunicação. de receitas próprias, ao aumento
E os economistas, que nos úl- significativo dos custos de bens e
timos tempos alertavam para a ne- serviços, e a crescente procura dos
cessidade de rapidamente controlar seus serviços, a sustentabilidade das
e reduzir a despesa pública, foram Misericórdias requer uma atenção
apelidados de alarmistas, catastro- especial por parte de todos os seus
fistas, antipatriotas e imolados na dirigentes e trabalhadores.
praça pública. Controlo e redução da despesa,
Só há cerca de sete ou oito me- eliminação de desperdícios, aquisi-
ses, por imposição comunitária, fo- ções aos melhores preços de merca-
mos brutalmente confrontados com do, são alguns princípios básicos de
o estado calamitoso das finanças gestão rigorosa cuja utilização se tor-
públicas e da economia nacional. na essencial nos tempos que correm.
Por isso penso, que chocados com As Misericórdias Portuguesas so-
As Misericórdias, as inevitáveis medidas draconianas breviveram, a maior parte delas ao
apesar do seu fim não que nos vão aos bolsos, sente-se a longo de séculos, a grandes provações.
lucrativo, são empresas crise na pele, mas talvez a esmaga- Crises sociais, guerras, pestes,
e agora, mais do que dora maioria dos portugueses não mudanças de regime, a tudo isto re-
nunca, devem utilizar se tenha ainda apercebido, que face sistiram.
na sua gestão os à dimensão do “buraco”, a estamos Estou certo que também agora as
métodos empresariais meramente a adiar e não a resolver. Misericórdias, com o empenho de to-
que não ponham Significa isto que muito prova- dos os que com elas generosamente
em causa nem a sua velmente, apesar das grandes dificul- colaboram, continuarão a proporcio-
missão social, nem a dades com que já nos confrontamos, nar aos Portugueses os serviços de
manutenção de postos vamos ter de nos preparar para dias que em muitos casos, infelizmente,
de trabalho ainda piores. cada vez mais precisam.

Como Contactar-nos
Correio Rua de Entre campos, As cartas devem ser identificadas com morada e número
9, 1000-151 Lisboa de telefone. O Voz das Misericórdias reserva-se o direito
Fax 218 110 545 de seleccionar as partes que considera mais importantes.
email jornal@ump.pt Os originais não solicitados não serão devolvidos

parece que o nosso governo esco- informação para continuar a dar Desde a edição de Abril, se não Voluntários Trabalhos manuais
lheu colocar um novo desafio aos força às pessoas que participam me falha a memória mencionaram
técnicos e voluntários, para ver até do lado de cá, saberem ou não as Santas Casas das Misericórdias Uma vez que 2011 vai ser o ano Gosto bastante de ler o VM, pelos
que ponto vai a nossa coragem e se o seu esforço valeu a pena. espalhadas pelo mundo, mas até europeu do voluntariado, gosta- temas abordados, pois conseguem
determinação. Desde já abracei o Continuem com este tipo de cam- então só referiram um artigo da ria de deixar desde já expressa sempre escrever o jornal com
desafio com alguma revolta mas panhas, porque ainda há muitas Misericórdia de Paris. As outras a minha vontade de poder vir a ética, profissionalismo e deter-
com a certeza que conseguiremos pessoas que continuam a precisar Santas Casas estão inactivas? Será participar em futuras campanhas minação em mostrar o que se
dar a volta à situação que nos e certamente nunca é demais a que também não era importante ao lado da UMP. Até á data ainda faz nas Misericórdias, mas se me
estar a ser colocada. ajuda. ir escrevendo o que se passa por não se encontram inscrições permitem, gostaria de lançar duas
Sempre que posso gosto de par- Rita Joana lá? Gostava muito de ler artigos no abertas no vosso site. Vão existir? possíveis ideias. Por um lado, uma
ticipar nas vossas campanhas de Ericeira Voz das Misericórdias referentes Já existe mais alguma campanha/ vez que as páginas aumentaram,
solidariedade social. No entanto a instituições de outros países, iniciativa com data marcada? Não será que não era oportuno inseri-
se me permitem gostaria de vos Misericórdias se me permitem principalmente seria importante irem já divulgan- rem um pequeno espaço de ideias
deixar uma crítica construtiva. na diáspora nesta primeira fase do Brasil, uma do isso no VM? Julgo que seria ou sugestões de trabalhos manuais
Publicam sempre no site e no Voz vez que o país tem sido defronta- pertinente. Pois hoje são uns que que sejam feitos nas Misericórdias
das Misericórdias o início das Quero em primeiro lugar felicitar- do com várias desgraças e deverá precisam, mas do dia de amanhã como o que já existe de gastrono-
campanhas, mas nos tempos de -vos pelo vosso trabalho de dar in- certamente haver pessoas a passar não sabemos. mia? Penso que seria uma ideia
crise não seria também importante formações actualizadas do que de por situações bastante complica- Sónia Leite recebida com bastante interesse
mencionarem qual foi a adesão melhor se faz nas Misericórdias, das. Águeda por parte dos vossos leitores.
das pessoas? Penso que é impor- mas não posso deixar de expressar Sérgio Fonseca Luís de Sousa
tante também transmitirem essa meu descontentamento convosco. Massamá Alpedrinha
Economia social Bem-estar Pré-escolar
Conselho Nacional Ginástica em Menos 500
reuniu pela Mogadouro e crianças nas
primeira vez Pernes Santas Casas
Em Acção Pág. 12 Terceira Idade Pág. 18 Em Acção Pág. 16

ÚLTIMAHORA
www.ump.pt
01 11
Governador do Rotary
visitou Vila do Conde
O governador do Distrito 1970 do
União das Misericórdias vai
Rotary visitou a Santa Casa da Mi-
sericórdia de Vila do Conde. Como-
vido com a representação da peça
inventariar património edificado
“A Origem das Misericórdias”, e
cenada por pessoas portadoras -privada vai permitir que o trabalho
de deficiência , Armindo Carolino A novidade surge no se desenvolva de forma sustentada.
referiu: “Posso fazer muitas visitas âmbito do protocolo A questão da parceria foi igual-
e assistir a muita coisa, mas jamais assinado entre UMP e mente destacada pelo presidente do
esquecerei esta representação te- Instituto da Habitação e IHRU. Para António José Mendes
atral”. A visita teve lugar a 24 de da Reabilitação Urbana Baptista, a preservação do patrimó-
Janeiro. (IHRU), a 25 de Janeiro nio não pode prescindir da partici-
pação activa de todas as entidades
Voluntariado activo em Bethania Pagin envolvidas. Segundo aquele respon-
Vila Real de S. António sável, a participação da UMP nas
Os utentes da unidade de cuidados A equipa do Gabinete do Património actividades desenvolvidas no âmbito
continuados integrados da Santa Cultural da União das Misericórdias do protocolo com a extinta DGMEN
Casa da Misericórdia de Vila Real de Portuguesas (UMP) vai também in- limitava-se apenas à disponibiliza-
Santo António, na sua maioria idosos, ventariar o património edificado das ção de elementos, ao passo que ago-
recebem diariamente a visita das vo- Santas Casas. A novidade surge no ra a participação será “qualificada”.
luntárias do Grupo de Voluntariado âmbito do protocolo assinado entre Serão os técnicos da UMP a proceder
da Junta de Freguesia daquela locali- UMP e Instituto da Habitação e da ao tratamento da informação sobre o
dade. São 15 mulheres que abdicam Reabilitação Urbana (IHRU). A par- património imóvel das Santas Casas.
de algum do seu tempo livre para ceria que dá continuidade ao proto- Para o efeito, o IHRU vai assegurar
ajudar quem mais precisa. colo assinado em 1999 com a extinta Protocolo dá continuidade formação, assim como acompanha-
Direcção-geral dos Monumentos e à parceria com a DGMEN mento técnico e posterior carrega-
Dádiva semanal de Edifícios Nacionais (DGMEN) foi mento da informação na base de
alimentos frescos celebrada, na sede da UMP, a 25 de dados nacional.
Um grupo de 24 pessoas está a Janeiro. Para o responsável do Instituto
apoiar seis famílias acompanhadas Através da iniciativa, vai ser pos- nossas instituições. Queremos igual- vés deste acordo de colaboração e da Habitação e da Reabilitação Ur-
pela Santa Casa da Misericórdia de sível determinar com maior precisão mente afirmar a contemporaneidade em simultâneo com o trabalho que bana, “aumentar o conhecimento e
Oliveira do Bairro. Semanalmente “a marca e a malha das Misericórdias das nossas Misericórdias e os mais está a desenvolver com o inventário difundir a informação são elementos
são entregues alimentos frescos em Portugal”, referiu o presidente recentes projectos arquitectónicos, dos bens móveis, vai concretizando o essenciais para a preservação do pa-
numa iniciativa denominada “A Mi- do Secretariado Nacional da UMP muito especialmente as unidades de grande objectivo de conhecer, preser- trimónio”.
galha”. Para a instituição, trata-se de durante a cerimónia. cuidados continuados, são um exce- var e divulgar um património único A assinatura deste protocolo con-
“um pequeno esforço para este gru- “Temos edifícios que represen- lente testemunho dessa inovação e de especificidades muito próprias”. tou ainda com a presença de altos
po de particulares, mas uma dádiva tam a nossa actividade ao longo de criatividade.” Para Manuel de Lemos, “o elen- dirigentes e técnicos do IHRU e do
enorme para as famílias carenciadas séculos. É através deles que pode- Além disso, continuou, “a União car do património imóvel já é uma SIPA - Sistema de Informação para o
que recebem apoio”. mos e devemos fazer a história das das Misericórdias Portuguesas atra- mais-valia”, mas a parceria público- Património Arquitectónico.

Descubra a Misericórdia na sua terra


Abrantes Águeda Aguiar da Beira Alandroal Albergaria-a-Velha Albufeira Alcácer do Sal Alcáçovas Alcafozes Alcanede Alcantarilha Alcobaça Alcochete Alcoutim Aldeia Galega da Merceana Alegrete Alenquer Alfaiates Alfândega da Fé Alfeizerão Algoso Alhandra
Alhos Vedros Alijó Aljezur Aljubarrota Aljustrel Almada Almeida Almeirim Almodovar Alpalhão Alpedrinha Altares Alter do Chão Alvaiázere Álvaro Alverca da Beira Alverca Alvito Alvor Alvorge Amadora Amarante Amares Amieira do Tejo Anadia Angra do Heroísmo
Ansião Arcos de Valdevez Arez Arganil Armação de Pera Armamar Arouca Arraiolos Arronches Arruda dos Vinhos Atouguia da Baleia Aveiro Avis Azambuja Azaruja Azeitão Azinhaga Azinhoso Azurara Baião Barcelos Barreiro Batalha Beja Belmonte Benavente Be-
nedita Boliqueime Bombarral Borba Boticas Braga Bragança Buarcos CabeçãoCabeço de Vide Cabrela Cadaval Caldas da Rainha Calheta/Açores Calheta/Madeira Caminha Campo Maior Canas de Senhorim Canha Cano Cantanhede Cardigos Carrazeda de Ansiães
Carregal do Sal Cartaxo Cascais Castanheira de Pera Castelo Branco Castelo de Paiva Castelo de Vide Castro Daire Castro Marim Celorico da Beira Cerva Chamusca Chaves Cinfães Coimbra Condeixa-a-Nova Constância Coruche Corvo Covilhã Crato Cuba Elvas
Entradas Entroncamento Ericeira Espinho Esposende Estarreja Estombar Estremoz Évora Évoramonte Fafe Fão Faro Fátima/Ourém Felgueiras Ferreira do Alentejo Ferreira do Zêzere Figueira de Castelo Rodrigo Figueiró dos Vinhos Fornos de Algodres Freamunde
Freixo de Espada à Cinta Fronteira Funchal Fundão Gáfete Galizes Gavião Góis Golegã Gondomar Gouveia Grândola Guarda Guimarães Horta Idanha-a-Nova Ílhavo Ladoeiro Lages das Flores Lages do Pico Lagoa Lagoa/Açores Lagos Lamego LavreLeiria Linhares
da Beira Loulé Loures Louriçal Lourinhã Lousã Lousada Mação Macedo de Cavaleiros Machico Madalena Mafra Maia/Açores Maia/Porto Mangualde Manteigas Marco de Canaveses Marinha Grande Marteleira Marvão Matosinhos Mealhada Meda Medelim Melgaço
Melo Mértola Mesão Frio Messejana Mexilhoeira Grande Miranda do Corvo Miranda do Douro Mirandela Mogadouro Moimenta da Beira Monção Moncarapacho Monchique Mondim de Basto Monforte
Monsanto Monsaraz Montalegre Montalvão Montargil Montemor-o-Novo Montemor-o-Velho Montijo Mora Mortágua Moscavide Moura Mourão Murça Murtosa Nazaré Nisa Nordeste Obra da Figueira
Odemira Oeiras Oleiros Olhão Oliveira de Azeméis Oliveira de Frades Oliveira do Bairro Ourique Ovar Paços de Ferreira Palmela Pampilhosa da Serra Paredes de Coura Paredes Pavia Pedrogão Grande Onde mora a solidariedade
Pedrogão Pequeno Penacova Penafiel Penalva do Castelo Penamacor Penela da Beira Penela Peniche Pernes Peso da Régua Pinhel Pombal Ponta Delgada Ponte da Barca Ponte de Lima Ponte de Sor
Portalegre Portel Portimão Porto de Mós Porto Santo Porto Póvoa de Lanhoso Póvoa de Santo Adrião Póvoa de Varzim Povoação Praia da Vitória Proença-a-Nova Proença-a-Velha Redinha Redondo Reguengos de Monsaraz Resende Riba de Ave Ribeira de Pena
Ribeira Grande Rio Maior Rosmaninhal S. Bento Arnóia/Celorico de Basto S. Brás de Alportel S. João da Madeira S. João da Pesqueira S. Mateus do Botão S. Miguel de Refojos/Cabeceiras de Basto S. Pedro do Sul S. Roque de Lisboa S. Roque do Pico S. Sebastião
S. Vicente da Beira Sabrosa Sabugal Salvaterra de Magos Salvaterra do Extremo SangalhosSanta Clara-a-Velha Santa Comba Dão Santa Cruz/Madeira Santa Cruz da Graciosa Santa Cruz das Flores Santa Maria da Feira Santar Santarém Santiago do Cacém Santo
Tirso Santulhão Sardoal Sarzedas Segura Seia Seixal Semide Sernancelhe Serpa Sertã Sesimbra Setúbal Sever do Vouga Silves Sines Sintra Soalheira Sobral de Monte Agraço Sobreira Formosa Soure Sousel Souto Tábua Tabuaço Tarouca Tavira Tentúgal Terena
Tomar Tondela Torrão Torre de Moncorvo Torres Novas Torres Vedras Trancoso Trofa Unhão Vagos Vale de Besteiros Vale de Cambra Valença Valongo Valpaços Veiros Venda do Pinheiro Vendas Novas Viana do Alentejo Viana do Castelo Vidigueira Vieira do Minho
Vila Alva Vila Cova de Alva Vila de Cucujães Vila de Frades Vila de Óbidos Vila de Pereira Vila de Rei Vila de Velas Vila do Bispo Vila do Conde Vila do Porto Vila Flor Vila Franca de Xira Vila Franca do Campo Vila Nova da Barquinha Vila Nova de Cerveira Vila
Nova de Famalicão Vila Nova de Foz Côa Vila Nova de Gaia Vila Nova de Poiares Vila Pouca de Aguiar Vila Praia da Graciosa Vila Real de Santo António Vila Real Vila Velha de Rodão Vila Verde Vila Viçosa Vimeiro Vimieiro Vimioso Vinhais Viseu Vizela Vouzela