Você está na página 1de 3

ARTIGO TRADUZIDO SOBRE O LIVRO A HISTORIA TRANSNACIONAL DA CLASSE MEDIA

A formação da classe média: em direção a uma história transnacional surgiu de dois painéis
sobre a classe média nas reuniões da American Historical Association em 2004 e uma
conferência relacionada na Universidade de Maryland em 2006. Juntos, os 16 artigos e três
comentários incluídos neste livro, tem a sensação de um grande encontro acadêmico.
Inevitavelmente, os papéis são de qualidade variável. Eles são combinados em painéis de
seção de coerência incerta. Os comentaristas-debatedores são generosos, às vezes detectando
percepções que iludiam os colaboradores, estendendo-se para encontrar temas comuns.

A referência do título a Making of the English Working Class, de E. P. Thompson, sinaliza a


convicção dos editores de que a classe não é uma estrutura ou categoria, mas um processo
histórico vinculado às formas como as pessoas definem suas vidas. Como o subtítulo sugere,
eles consideram este processo como "transnacional", na medida em que ocorreu de forma
mais ou menos independente em diversos contextos nacionais. Eles rejeitam fortemente a
noção de um processo "global" pelo qual o desenvolvimento da classe média se espalha de
algum centro de poder "hegemônico" ocidental para sociedades na periferia. Seu título pode
ter sido estendido para incluir um terceiro conceito, "modernidade", que é central para suas
preocupações. "[Este] volume", eles escrevem, "pretende compreender os projetos de política
de classe por meio dos quais homens e mulheres de classe média moldaram - e foram
moldados - pela modernidade desde meados do século XIX" (p. 4).

Classe

Como muitos antes deles, os editores e colaboradores deste volume consideram a classe
média um conceito problemático. Karl Marx ficou intrigado com a expansão da horda de
lacaios da sociedade burguesa, soldados, marinheiros, policiais, funcionários inferiores ...
amantes, cavalariços, palhaços e malabaristas ... artistas mal pagos, músicos, advogados,
médicos, acadêmicos, professores e inventores, etc. ”(1) Seus escritos estão repletos de
referências vagas às classes médias, burguesias médias, camadas intermediárias e
semelhantes, cujo crescimento foi inexplicável dentro dos limites de sua teoria.

Talvez, os editores admitem, a noção de classe média seja muito "confusa" para ser uma
categoria útil de análise histórica. Mas eles, como vários dos contribuintes, desprezam os
esforços para definir o significado do conceito com o que eles descrevem como uma
'abordagem de ciência social positivista que mede [s] a classe média por meio de categorias
ocupacionais, níveis de renda ou padrões de consumo '. ‘[A] questão importante’, eles
insistem, ‘[é] como uma classe média é representada e falada na linguagem’. A coleção incidirá
sobre "o poder formativo da linguagem ou do discurso, enquanto questiona as diferentes
práticas materiais históricas da subjetividade da classe média" (pp. 19-20).

Pode muito bem ser que classe média seja um conceito nebuloso e incoerente de uma forma
que a classe alta ou a classe trabalhadora não é, mas, novamente, a diferença pode ser de
percepção. Os extremos são mais salientes, mais facilmente concebidos, especialmente da
perspectiva do meio, onde reside a maioria dos estudiosos. Mas esta coleção é assombrada
por uma questão mais ampla que se repete em passagens breves, às vezes ansiosas: Do que
estamos (analistas) falando quando falamos sobre aula? Como o anterior sugere, esses
historiadores preferem pensar em classe em termos "construtivistas". A aula está em nossas
cabeças e em nossas línguas.
Não há muito levantamento teórico pesado acontecendo nesta coleção de pequenos ensaios
empíricos. Se os autores estivessem inclinados a considerar a questão da classe com mais
profundidade, eles fariam bem em começar relendo o prefácio do livro de Thompson. Aqui,
Thompson insiste que a classe não é uma coisa, mas um "fenômeno histórico" que "acontece"
ao longo do tempo, é impulsionado por relações materiais e se expressa em formas culturais.

[C] lass acontece quando alguns homens, como resultado de experiências comuns (herdadas
ou compartilhadas), sentem e articulam a identidade de seus interesses entre si e em relação a
outros homens, cujos interesses são diferentes (e geralmente opostos) deles. A experiência de
classe é amplamente determinada pelas relações produtivas nas quais os homens nascem - ou
entram involuntariamente. A consciência de classe é a maneira pela qual essas experiências
são tratadas em termos culturais: incorporadas em tradições, sistemas de valores e formas
institucionais.

Existe, ele prossegue, sugerindo uma "lógica" na maneira como as pessoas passam a entender
sua experiência, mas não uma "lei" inevitável. Fazer uma aula "deve tanto ao arbítrio quanto
ao condicionamento". (2)

O que a maioria dos historiadores representados nesta coleção absorveu de Thompson é sua
ênfase no processo histórico e na cultura. O que eles resistem - e às vezes parecem
envergonhados - é a base material desse processo. Isso os coloca na posição impossível de se
recusar a reconhecer a base econômica de classe e dos processos econômicos que levaram ao
fenômeno cultural que eles chamam de "classe média". Apenas identificar os assuntos para
estudo torna-se problemático. Na pra

Traduções de a

ArtigoFrequência

the

os, o, as, a

Preposição

to

para, a, de, ao, à, até

at

em, no, a, junto a, por meio de

in

em, de, a, para, por, dentro

with

com, de, a, em, por, por meio de

Pronome

you
você, lhe, vós, vocês, te, a

it

ele, ela, o, a, isto, lhe

ye

vós, vos, o, os, a, as

Enviar feedback

Histórico

Salvas

Comunidade