Você está na página 1de 2

Docente: Prof.Dra. Fernanda Bengio.

Discentes: Brendo Calado, Hércules Oliveira.

Data: 18/11/2020

É de conhecimento geral, que os preceitos da inclusão é fundamental para a


elaboração de um ppp escolar. Pois, concentra-se na busca de um ensino de
qualidade, e sendo assim, deve ser construído de acordo com a realidade de
onde a escola está inserida, e principalmente dos sujeitos pertencentes a ela.
No contexto inclusivo, deve-se traçar metas e objetivos que contemplem as
necessidades dos alunos com deficiência, o projeto deve nortear as ações de
todos que fazem parte da escola envolvendo professores, direção, pais, alunos,
comunidade local, equipe pedagógica e demais funcionários. Portanto, dessa
forma, com a participação coletiva todos contribuirão para alcançar os objetivos
idealizados para o PPP escolar.

A inclusão é uma inovação educacional relacionada a uma escola aberta às


diferenças, porque somos diferentes, o que nos iguala é a diversidade. Partindo
desse ponto, é fundamental um atendimento educacional de qualidade,
principalmente em se tratando daqueles com necessidades especiais. De
acordo com o projeto político-pedagógico, é a expressão da autonomia e da
identidade escolar, uma referência importante na garantia do direito a uma
educação escolar diferenciada, devendo apresentar os princípios e objetivos da
Educação, portanto, na inclusão, a escola comum tradicional é modificada para
ser capaz de acolher qualquer aluno, indiferente de sua cor, raça religião,
aptidão física ou cognitiva, e de propiciar-lhe uma educação de qualidade. Na
inclusão, as pessoas com deficiência estudam na escola que estudariam se
não fossem deficientes.

Destacando-se um ponto fundamental no projeto político pedagógico a inclusão


é importante ter banheiros e rampas adaptados, possui a importância que o
espaço físico da escola, seja adequado para receber os alunos portadores de
necessidades especiais. Sendo a inclusão uma prática recente nas escolas, é
importante questionar sobre que ética ilumina as ações na direção de uma
escola para todos. Mais precisamente, é preciso verificar se as propostas e
políticas educacionais que proclamam a inclusão estão realmente
considerando as diferenças na escola no intuito de promover a educação para
todos, visando ainda à aprendizagem dos alunos especiais.

Se a educação e o processo de aprendizagem se efetuam tendo como


fundamento as diferenças individuais, o agrupamento das crianças tidas como
normais e o afastamento daquelas que não aprendem da mesma forma acaba
por privá-las de sua formação enquanto cidadãos capazes de viver em
sociedade.

É no projeto pedagógico que a escola se posiciona em relação ao seu


compromisso com uma educação de qualidade para todos os seus alunos,
especiais ou não. Sendo assim, a escola deve assumir o compromisso de
propiciar ações que favoreçam a aprendizagem dos educandos de modo geral
e aos portadores de necessidades educacionais especiais, fazer adaptações
curriculares optando por práticas heterogenias e inclusivas, elas são
estratégias para promover uma maior eficácia educativa, a fim de contribuir de
forma mais coerente, com o sistema de inclusão e com o atual estado dos
sistemas educacionais, que são, ainda, insuficientes para atender os alunos
das escolas regulares, especialmente os portadores de necessidades
especiais.

Elas são medidas pedagógicas adotadas em diversos âmbitos: no nível do


projeto pedagógico da escola, da sala de aula, das atividades e somente
quando necessário aplicam-se ao aluno individualmente, nesse sentido, essas
adaptações precisam ser avaliadas periodicamente, com quanto elas servem
para cumprir etapas do processo ensino aprendizagem não servindo, portanto,
para sempre, uma vez que a necessidade surgida hoje pode não ser a de
amanhã.

Portanto, conclui-se Para que a inclusão seja vivida na escola, é necessário


que a opção política do projeto político pedagógico, reúna um conjunto de
ações pedagógicas e seja a de uma educação voltada para a inclusão de todos
os integrantes da escola no movimento de transformação da realidade, para
que estes atuem no processo de forma consciente, rompendo paradigmas,
construindo assim uma escola democrática.

Referências:

POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL NA

PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO.