Você está na página 1de 1

Aprovar_02V.

qxp 4/3/2008 18:33 Page 8

Assim: tuamente exclusivos, isto é, A ∩ B = ∅, P(A ∩


n(E) 6 1 B) = 0, a fórmula acima se reduz a:
P(A ∪ B) = P(A) + P(B)
P(E)= ––––– = ––––– = ––––
n(U) 36 6
Propriedades das probabilidades Aplicação:
• A probabilidade do evento impossível é 0. De um baralho comum de 52 cartas, uma carta
(P (∅) =0) é retirada aleatoriamente. Qual a probabilidade
n(∅) 0 de sair um valete ou uma carta de paus?
P(∅)= –––– = ––––– = 0 Resolução:
n(u) n(u)
• A probabilidade do evento certo é 1.(P(U)=1) Sendo:
n(u) Evento A: “a carta é um valete”
P(u)= –––– = 1
n(u) 4
• Sendo A um evento de um espaço amostral
P (A) = ––––
01. (Mackenzie) Dois rapazes e duas moças 52
U, a probabilidade de A é um número racional
ocupam ao acaso os quatro lugares de
entre 0 e 1, inclusive. (0 ≤ P(A) ≤ 1).
Evento B: “a carta é de paus”
um banco. A probabilidade de não fica- 0 n(A) n(U) 13
rem lado a lado duas pessoas do mesmo 0 ≤ n (A) ≤ n(U) ⇒ –––– ≤ ––––– ≤ ––––– P (B) = ––––
n(U) n(U) n(U) 52
sexo é: n(A)
Como P(A) = –––––, temos: 0 ≤ P(A) ≤ 1 Evento A ∩ B: “a carta é um valete de paus”
a) 1/3. b) 2/3. n(U)

P (A ∩ B) = –––––
Sendo A um evento e seu complementar, então: 1
c) 1/2. d) 3/4. – 52
P(A) + P(A ) = 1.
e) 1/4. Aplicação: Evento A ∪ B: “a carta é um valete ou é de paus”
Os 900 números de três algarismos estão colo- P(A ∪ B) = P(A) + P(B) – P(A ∩ B)
02. (Mackenzie) Num grupo de 12 profes-
cados em 900 envelopes iguais. Um dos envelo-
P(A ∪ B) = –––– + –––– – –––– = –––– = ––––
4 13 1 16 4
sores, somente 5 são de matemática. pes é sorteado. Qual a probabilidade de ele con-
52 52 52 52 13
Escolhidos ao acaso 3 professores do ter um número que tenha, pelo menos, dois al-
garismos iguais? Aplicação (Arapuca)
grupo, a probabilidade de no máximo
Consideremos um experimento com espaço
um deles ser de matemática é: Resolução:
amostral U = {a, b, c}, sendo p(a), p(b) e p(c)
Sendo A o evento “ocorrer um número com pelo
a) 3/11. b) 5/11. as possibilidades dos resultados a, b e c de mo-
menos dois algarismos iguais”, é mais fácil cal-
– do que p (a) = 1/3 e p (b) = 1/2. Calcule:
c) 7/11. d) 8/11 cular P(A ), a probabilidade do evento comple-
a) p(c)
mentar de A. Assim,
e) 9/11. b) a probabilidade do evento A = {a, c}
Resolução:
03. (Puccamp) O número de fichas de certa a) p(a) + p(b) + p(c) = 1
urna é igual ao número de anagramas 1 1
––– + ––– + p (c) = 1
da palavra VESTIBULAR. Se em cada 3 2
ficha escrevermos apenas um dos
1 1 6–2–3 1
anagramas, a probabilidade de A → Número com pelo menos dois algaritmos repetidos. p (c) = 1 – ––– – ––– = ––––––––– = ––––
3 2 6 6

A → Números com algoritmos distintos.
sortearmos uma ficha dessa urna e no b) P(A) = p(a) + p(c)
Centena Dezena Milhar
anagrama marcado as vogais estarem n( ) = 9 9 8 =648 1 1 2+1 3
1ª 2ª 3ª p (A) = ––– + ––– = ––––––– = ––––
juntas é 3 2 6 6
– 648
P(A ) = –––––
a) 1/5040. b) 1/1260. 900 1
Assim, P (A) = –––
648 252
Como P(A) + –––– =1 ⇒ P(A) –––– =0,28=28%
c) 1/60. d) 1/30. 2
900 900 Aplicações:
e) 1/15. –
Como P(A) + P(A ) = 1 01. (UEA 2003) Numa urna existem 10 bolas co-
04. (Pucsp) Uma urna contém apenas Aplicação: loridas. As brancas estão numeradas de 1 a
cartões marcados com números de três 01. Três moedas são lançadas simultaneamen- 6 e as vermelhas de 7 a 10. Retirando-se
te; descreva o espaço amostral. uma bola, qual a probabilidade de ela ser
algarismos distintos, escolhidos de 1 a
Resolução: branca ou de seu número ser par?
9. Se, nessa urna, não há cartões com Resolução:
U = {(Ca, Ca, Ca), (Ca, Ca, Co), (Ca, Co,
números repetidos, a probabilidade de Ca), (Co, Ca, Ca), (Ca, Co, Co), (Co, Ca, Evento A: a bola é branca.
ser sorteado um cartão com um número Co), (Co, Co, Ca), (Co, Co, Co)} Evento B: a bola tem número par.
menor que 500 é: Probabilidade do evento união
P(A) = –––– ; P(B) = ––––; P(A ∩ B) = ––––
6 5 10
Dados dois eventos A e B de um espaço amos- 10 10 10
a) 3/4. b) 1/2. c) 8/21.
d) 4/9. e) 1/3.
tral U, dizemos que ocorrer o evento A B (evento P(A ∪ B) = P(A) + P(B) – P(A ∩ B)
união) é ocorrer pelo menos um dos eventos A
P(A ∪ B) = ––– + ––– – ––– = ––– = –––
ou B. 6 5 3 8 4
05. (Uel) Num baralho comum, de 52 cartas, 10 10 10 10 5
existem quatro cartas “oito”. Retirando-se
02. Um número inteiro é escolhido ao acaso
duas cartas desse baralho, sem dentre os números (1, 2, 3, …, 60). Calcule
reposição, qual a probabilidade de se a probabilidade de o número ser divisível
obter um par de “oitos”? por 2 ou por 5.
Resolução:
a) 1/2704 b) 1/2652 Evento A: o número é divisível por 2 ⇒ n(A) = 30
n (A ∪ B) = n(A) + n(B) – n(A ∩ B) Evento B: o número é divisível por 5 ⇒ n(A) = 12
c) 1/1352 d) 1/221
Assim: 30 1
n (A ∪ B) n(B) n(A ∩ B)
e) 1/442 P (A) = –––– = ––––
n(A) 60 2
––––––––– = –––– + –––– – –––––––– 12 1
n(U) n(U) n(U) n(U) P (B) = –––– = ––––
06. (Uel) Dois dados não viciados são lan- Ou seja: 60 5
P (A ∪ B) = P(A) + P(B) – P(A ∩ B)
6 1
çados. A probabilidade de obter-se a P (A ∩ B) = –––– = ––––
60 10
P(A ∪ B) = P(A) + P(B) – P(A ∩ B)
soma de seus pontos maior ou igual a 5 Podemos enunciar essa conclusão assim:
A probabilidade de ocorrer o evento A ou o 1 1 1
é
evento B é dada pela soma da probabilidade P (A ∪ B) = ––– + ––– – ––––
2 5 10
a) 5/6 b) 13/18 15 + 6 – 3 18
P (A ∪ B) = ––––––––––– = ––––
de ocorrer A com a probabilidade de ocorrer
c) 2/3 d) 5/12 B, menos a probabilidade de ocorrer os dois 30 30
3
e) 1/2
eventos (A e B). P (A ∪ B) = –––
Caso particular – Se os eventos A e B são mu- 5