Você está na página 1de 2

Mania e hipomania bipolar

Os transtornos bipolares são classificados como


• Transtorno bipolar I: definido como a presença de pelo menos um episódio maniáco
completo (comprometendo a função ocupacional e social normal) e, quase sempre,
episódios depressivos
• Transtorno bipolar II: definido pela presença de episódios depressivos maiores com pelo
menos um episódio hipomaníaco, mas sem episódios maníacos evidentes
• Transtorno bipolar inespecífico: transtornos com características bipolares claras, porém
que não preenchem os critérios específicos para outros transtornos bipolares

A mania é uma das fases do transtorno bipolar, distúrbio também conhecido como doença
maníaco-depressiva. Ela é caracterizada por um estado de intensa euforia, havendo
aumento de energia, agitação, inquietação, mania de grandeza, menor necessidade de
sono, podendo até causar agressividade, delírios e alucinações. 

Já a hipomania é um quadro mais leve de mania, com sintomas menos graves e que
interferem menos no dia-a-dia da pessoa, podendo haver tagarelice, maior disposição,
impaciência, mais sociabilidade, iniciativa e energia para realizar atividades diárias.

A pessoa com transtorno bipolar vive alternâncias de humor entre crises de mania
ou hipomania e depressão. Geralmente, quando alterna entre episódios de mania e
depressão, a doença é classificada com transtorno Bipolar tipo 1. Já quando alterna entre
hipomania e depressão, é classificada como Transtorno Bipolar tipo 2. 

A pessoa com transtorno bipolar vive alternâncias de humor entre crises de mania
ou hipomania e depressão. Geralmente, quando alterna entre episódios de mania e
depressão, a doença é classificada com transtorno Bipolar tipo 1. Já quando alterna entre
hipomania e depressão, é classificada como Transtorno Bipolar tipo 2. 

Principais sintomas
A mania e hipomania bipolar provocam sentimentos de euforia que são muito
desproporcionais em relação a qualquer evento positivo. Os principais sintomas incluem:
1. Mania Bipolar
O episódio maníaco apresenta sintomas que incluem:
•Euforia excessiva;
•Autoestima inflada ou mania de grandeza;
•Falar excessivamente;
•Pensamento acelerado, com fuga de ideias;
•Muita distração;
•Maior agitação ou energia para realizar atividades;
•Perda do controle sobre suas atitudes;
•Envolvimento em atividades arriscadas e que normalmente exigem cautela, como
investimentos financeiros insensatos, fazer compras desenfreadas ou apetite sexual
muito aumentado, por exemplo;
•Pode haver irritabilidade ou agressividade;
•Pode haver delírios ou alucinações.
Para o evento ser caracterizado como mania, é necessário haver pelo menos 3 sintomas,
que devem durar pelo menos 4 dias e persistir a maior parte do dia, ou nos casos em que
são tão graves a ponto de necessitar de internação hospitalar.
Estes sintomas são tão intensos que costumam atrapalhar as relações sociais e
profissionais da pessoa com a doença, sendo considerada uma emergência médica e
social, que deve ser tratada o mais breve possível.
2. Hipomania 
Os sinais e sintomas de um episódio de hipomania são semelhantes aos da mania, no
entanto, são mais leves. Os principais incluem:
•Euforia ou humor elevado;
•Maior criatividade;
•Redução da necessidade de sono, já estando descansado após dormir cerca de 3
horas, por exemplo;
•Falar mais que o normal ou tagarelar;
•Pensamento acelerado;
•Fácil distração;
•Agitação ou aumento da energia para realizar atividades;
•Realizar facilmente atividades que exigiriam maior cautela, como compras
desenfreadas, investimentos financeiros arriscados e aumento do apetite sexual.
Os sintomas de hipomania não costumam provocar prejuízos às relações sociais e
profissionais, e também não causam sintomas como delírios ou alucinações, além de
costumarem durar pouco tempo, cerca de 1 semana.
Além disso, eles não são graves o suficiente para necessitar de internação, e em alguns
casos, podem até passar despercebidos. Nesses casos, muitos pacientes acabam sendo
tratados como tendo apenas depressão, já que a alternância de humor pode não
ser detectada.