COLÉGIO ESTADUAL CORONEL LUIZ JOSÉ DOS SANTOS ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR DE GEOGRAFIA ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

Professores: Sidnei Alves de Souza Eliete Aparecida Champam

APUCARANA 2010

As novas correntes de pensamento geográfico após a II Guerra Mundial. Nesse sentido. Esta opção teórica é coerente com a concepção de currículo e com a identidade que esta reformulação curricular quer atribuir á Educação Básica. Considerando que o campo das teorias críticas possibilita o ensino de Geografia com base na análise e na crítica das relações sócio-espaciais. nas escalas local. bem como sua composição conceitual. cultural e política. retornando ao local. o homem adquiriu saberes e ampliou seus conhecimentos sobre as relações nas sociedades e na natureza. Levando em consideração as diferentes formas de organização do espaço. Ao contrário. nas diversas escalas geográficas. Contribuíram muito com seus estudos: Ritter. participa dos movimentos promovidos por esta. a Geografia colabora . como disciplina escolar. Vidal de La Blache. o pensamento geográfico já era influenciado pela visão de mundo imposto pelo poder. deve contribuir para a formação e integração do cidadão que conhece o seu papel no interior da sociedade e que. pensadores que passaram a discutir questões relevantes sobre a Geografia. exigem esclarecimentos. Mais tarde. do local ao global. Porém a expressão Espaço Geográfico. sociedades. nacional e mundial A Geografia. agricultores e também na sua modernidade. assumem posições filosóficas e políticas distintas. E foi a partir desse conhecimento. regional. coletores. seja no período em que eram caçadores. Milton Santos. Ives Lacoste e no Brasil. navegadores. Ratzel. econômico. Assim promove uma análise espacial sob a abordagem natural histórica. Humboldt.I – Apresentação Geral da Disciplina Desde o início de sua origem o homem manteve um contato direto com a natureza com o objetivo de sobreviver. econômica. que no decorrer dos séculos. em função das mudanças impostas pelo sistema produtivo capitalista alteraram a ordem mundial dos pontos de vista político. não se auto-explicam. o conhecimento disciplinar da Geografia tornou-se preocupação de Estados. E uma das primeiras formas dessa sobrevivência era a observação direta da natureza e sua dinâmica. dependendo das correntes de pensamento à qual se vinculam. pois. Na Idade Média. social e cultural.

com o crescimento de problemas como os conflitos étnicos. subsidiar os alunos no enriquecimento e sistematização dos saberes para que sejam sujeitos capazes de interpretar. território. que previa. redes. até os internacionais e globais. com olhar crítico. da prostituição ou da segregação sócio-econômica. produz e sistematizamse conhecimentos. pode realizar generalizações mais elaboradas e consistentes tornando-se mais conscientes dos problemas e situações de vida pelo qual irá enfrentar. segundo as Diretrizes Curriculares que norteia essa Proposta Pedagógica Curricular. resultado da inter-relação entre objetos e ações. regional. nacional e mundial. com o objetivo de servir aos interesses políticos do estado. os chamados princípios da geografia. há muito. Para a compreensão desse espaço geográfico essa ciência/disciplina possui um quadro conceitual de referência: lugar. procurando formar um cidadão participativo e crítico. Mas. região. Cabe á escola. no Colégio Pedro II. bem como os interesses da sociedade em comum. Atualmente. Cabe hoje à Geografia e ao ensino de Geografia. valorizando a cidadania e a conquista do seu próprio espaço. como os territórios do tráfico. desde as que delimitam os micros espaços urbanos. depois de três décadas de renovação. paisagem. já possui uma capacidade de abstração maior e. pelo artigo 3 do decreto de 2 de dezembro de 1837. o mundo que os cercam. os movimentos terroristas. levando a conhecer o espaço local. portanto. A institucionalização da geografia no Brasil consolidou-se a partir da década de 1930.para a formação de um jovem que certamente. como um dos conteúdos contemplados. no Rio de Janeiro. etc. a Geografia deixou de ser somente uma mera inculcação do patriotismo. As idéias geográficas foram inseridas no currículo escolar brasileiro no século XIX. sociedade e natureza. cujo objetivo é desenvolver o raciocínio geográfico e formar uma consciência espacial. passando a oferecer subsídios para os educandos desvendar o mundo pelo método de análise e investigação. abordar as relações de poder que constituem territórios nas mais variadas escalas. A Geografia é uma ciência que tem por objeto de estudo o espaço geográfico e o modo dele ser produzido. as crises financeiras. como um dos lugares onde se analisa. consolida-se a certeza de que a . a questão ambiental.

A distribuição espacial das atividades (re)organização do espaço geográfico. distribuição indicadores A mobilidade populacional e as manifestações socioespaciais da diversidade cultural. . As diversas regionalizações do espaço geográfico. Dinâmica da natureza e sua alteração pelo emprego de tecnologias de exploração e produção.Geografia é uma disciplina fundamental para compreensão do mundo contemporâneo nas escalas local. II – Conteúdos Estruturantes/básicos da disciplina Os conteúdos estruturantes são: • • • • Dimensão econômica do espaço geográfico Dimensão política do espaço geográfico Dimensão cultural e demográfica do espaço geográfico Dimensão socioambiental do espaço geográfico Conteúdo estruturante/básico por série: 5ª Série Conteúdo estruturante Conteúdo básico Formação e transformação das paisagens naturais e culturais. localização. Dimensão econômica do espaço geográfica Dimensão político do espaço geográfico Dimensão cultural e demográfica do espaço geográfico Dimensão socioambiental do espaço geográfica A formação. exploração e utilização dos recursos naturais. a espacial da população e os estatísticos. e a As relações entre campo e a cidade na sociedade capitalista. A transformação demográfica. nacional e mundial.

das mercadorias e das informações. a (re)organização do espaço geográfico. . Movimentos migratórios e suas motivações. As manifestações socioespaciais da diversidade cultural. a dinâmica dos espaços urbanos e a urbanização. As diversas regionalizações do espaço brasileiro. A distribuição espacial das atividades produtivas . A circulação de mão-de-obra. o crescimento das cidades. O espaço rural e a modernização da agricultura. sua distribuição espacial e indicadores estatísticos. mobilidade das fronteiras e a reconfiguração do território brasileiro. A dinâmica da natureza e sua alteração pelo emprego de tecnologias de exploração e produção. Dimensão econômica do espaço geográfica Dimensão político do espaço geográfico Dimensão cultural e demográfica do espaço geográfico Dimensão socioambiental do espaço geográfica A transformação demográfica da população. A formação.6ª Série Conteúdo estruturante Conteúdo básico A formação.

.7ª Série Conteúdo estruturante Conteúdo básico As diversas regionalizações do espaço geográfico. sua distribuição espacial e os indicadores estatísticos. A distribuição espacial das atividades produtivas. do capital das mercadorias e das informações. A formação. As manifestações socioespaciais da diversidade cultural. Os movimentos migratórios e suas motivações. os supranacionais e o papel do Estado. a (re)organização do espaço geográfico. A transformação demográfica da população. O espaço rural e a modernização da agricultura. A nova ordem mundial. localização. A circulação da mão-de-obra. Dimensão econômica do espaço geográfica Dimensão político do espaço geográfico Dimensão cultural e demográfica do espaço geográfico Dimensão socioambiental do espaço geográfica As relações entre o campo e a cidade na sociedade capitalista. territórios O comércio em suas implicações socioespaciais. mobilidade das fronteiras e a reconfiguração dos territórios do continente americano. exploração e utilização dos recursos naturais. Formação.

mobilidade das reconfiguração dos territórios . A nova ordem mundial. fronteiras e a Dimensão econômica do espaço geográfica Dimensão político do espaço geográfico Dimensão cultural e demográfica do espaço geográfico Dimensão socioambiental do espaço geográfica A transformação demográfica da população. sua distribuição espacial e os indicadores estatísticos. transporte e comunicações na atual configuração territorial. mundial e as implicações A formação. A dinâmica da natureza e sua alteração pelo emprego de tecnologias de exploração e produção. Os movimentos migratórios mundiais e suas motivações. .8ª Série Conteúdo estruturante Conteúdo básico As diversas regionalizações do espaço geográfico. A distribuição das atividades produtivas. territórios A revolução tecnico-científico-informacional e os novos arranjos no espaço da produção. os supranacionais e o papel do Estado. a transformação da paisagem e a (re)organização do espaço geográfico. O comércio socioespaciais. As manifestações socioespaciais da diversidade cultural. O espaço em rede: produção.

CONTEÚDO ESTRUTURANTE/BÁSICO POR SÉRIE NO ENSINO MÉDIO: 1ª. Dimensão socioambiental do As relações entre o campo e a cidade na sociedade espaço geográfico capitalista. A transformação demográfica. . Dimensão econômica espaço geográfico do Dimensão política do espaço geográfico Dimensão demográfica geográfico cultural e do espaço Formação. das A formação. A revolução técnico-científica-informacional e os novos arranjos no espaço da produção. o crescimento das cidades. A circulação de mão-de-obra. a dinâmica dos espaços urbanos e a urbanização recente. A distribuição espacial das atividades produtivas. O espaço em rede: produção. mercadorias e das informações. A dinâmica da natureza e sua alteração pelo emprego de tecnologias de exploração e produção. e a (re)organização do espaço geográfico. transporte e comunicações na atual configuração territorial. 2ª e 3ª Série CONTEÚDOS ESTRUTURANTES CONTEÚDOS BÁSICOS Formação e transformação das paisagens. exploração e utilização dos recursos naturais. a distribuição espacial e os indicadores estatísticos da população. A formação. do capital. localização. mobilidade das fronteiras e a reconfiguração dos territórios. O espaço rural e a modernização da agricultura.

interligando teoria. ao ensino de Geografia. do local ao global e vice – versa. não se deve discutir em que ordem se trabalhará: se primeiro o meio físico e depois o humano ou inverso. Diante das ações metodológicas. abordar as relações de poder que constituem territórios nas mais variadas escalas. utilizando a Cartografia como ferramenta essencial. Outras estratégias poderão ser utilizadas na medida do possível de acordo com as necessidades surgidas no decorrer das aulas. III – Metodologia Os conteúdos específicos serão trabalhados de uma forma critica e dinâmica. pratica e realidade. Todo conteúdo. Devemos trabalhar. políticos e econômicas. da prostituição ou da segregação sócio-econômica. a natureza de forma articulada. fenômenos e conteúdos que lhes dizem respeito. Cabe hoje. a economia. os territórios supranacionais e o papel do Estado. deve levar em conta sua conexão. As manifestações socioespaciais da diversidade cultural. As implicações mundialização.Os movimentos migratórios e suas motivações. como os territórios do tráfico. que cada conceito geográfico se constitui em diferentes momentos históricos. possibilitando assim. ao ser trabalhado. em função das transformações sociais. a política. desde as que delimitam os micros espaços urbanos. a sociedade. até os internacionais e globais. . socioespaciais do processo de A nova ordem mundial. considerando. transitar em diferentes escalas. O comécio e as implicações socioespaciais. ou seja. na medida do possível. As diversas regionalizações do espaço geográfico. ligação com os outros fatos.

cartõespostais. buscando sempre fortalecer a relação entre teoria e prática na relação professor/aluno e garantindo uma melhor compreensão do tema abordado. Internet. ideológicas ou estereotipadas sobre os lugares e povos. O estudo da linguagem cartográfica deverá proporcionar que os estudantes sejam capazes de interpretações. dependendo da abordagem dada ao conteúdo. nas diversas escalas geográficas. charges. indo além das utilizações dos mesmos como meros instrumentos de localização dos eventos e acidentes geográficos. pois esta deve ser planejada e contextualizada antes.A aula de campo é um rico encaminhamento metodológico para que o aluno analise a área em estudo. ilustrações) para a contextualização dos conteúdos da Geografia dando dessa forma ao recurso áudio visual. Ressalta-se que a aula de campo não pode se limitar apenas à visita ao local desejado. o papel de problematizador. estimulador para pesquisas mais aprofundadas sobre os assuntos que. trechos de filmes. diferenciando paisagem de espaço e. retornando ao local. . bem delimitada para uma investigação de sua constituição histórica e das relações que estabelece com outros lugares próximos ou distantes. partindo de uma realidade local. território e lugar. culturais. sociais. Considerando que o campo das teorias críticas possibilita o ensino de Geografia com base na análise e na crítica das relações sócio-espaciais. pôsteres. desenvolverá os conceitos de região. Esta opção teórica é coerente com a concepção de currículo e com a identidade que esta reformulação curricular quer atribuir á Educação Básica. Para isso a imagem será ponto de partida para as atividades de observação e descrição detalhadas da mesma até abordar os aspectos históricos. vídeos/filmes. programas de reportagens e imagens em geral (fotografias. econômicos. do local ao global. O uso de imagens não animadas (fotografias. problematizações e análises críticas dos mapas e seus conteúdos. podem desvelar preconceitos e leituras rasas. naturais da paisagem em estudo. Os recursos utilizados serão: − − − Tv Multimídia. outdoors) auxiliarão o trabalho com a formação de conceitos geográficos. Serão utilizados filmes. durante e depois. slides.

murais. mapas. elaboração de relatórios. E outros. a relação sociedade-natureza e as relações de poder. Política nacional de Educação ambiental. os conceitos geográficos. documentários. a linguagem cartográfica. A avaliação é um processo que deve estar articulado com os conteúdos estruturantes. para que ambos percebam seu grau de envolvimento no processo e o acompanhamento de sua dinâmica. aula de campo. serão incorporados aos conteúdos planejados à medida que se fizerem necessários e que surgirem oportunidades para os mesmos. dessa forma apontará as dificuldades e possibilitará que a intervenção pedagógica aconteça a . Cidadania e Direitos Humanos.− − − − − − − − − − − − músicas. V – Avaliação A avaliação é uma das etapas mais importantes do processo de ensino-aprendizagem. contemplado a escala local e global e vice-versa. História e Cultura Afrobrasileira (Lei 9795/99). Enfrentamento à Violência na Escola. o objeto de estudo. maquetes. Os Desafios Educacionais contemporâneos que contemplam a História e cultura dos Povos indígenas (Lei 11645/08). livros de apoio. Ela deve acompanhar a aprendizagem dos alunos e o trabalho pedagógico do professor. Prevenção ao Uso Indevido de Drogas e Gênero Sexual. jornais. Deve ser diagnóstica e contínua. globos. laboratório de informática. as categorias espaço-tempo. jogos lúdicos. pois se considera que os alunos possuem ritmos e processos de aprendizagens diferentes. revistas. Educação Fiscal.

equivalerá de 0 a 100% de apreensão e retomada dos conteúdos. A Recuperação de Estudos é direito dos alunos. ou seja.0 (cinco vírgula zero) referente a atividades diversificadas especificadas no art. Em lugar de avaliar apenas por meio de provas. O peso da recuperação de estudos deverá ser proporcional as avaliações como um todo. Por tudo que foi exposto. tais como: leitura e interpretação de fotos. dissertações. independentemente do nível de apropriação dos conhecimentos básicos e esta ocorrerá de duas formas: a) com a retomada do conteúdo a partir do diagnóstico oferecido pelos instrumentos de avaliação. Além disso. imagens. totalizando nota final de 10. A recuperação de estudos dar-se-á de forma permanente e concomitante ao processo ensino e aprendizagem e será organizada com atividades significativas. O sistema de avaliação adotado pelo Estabelecimento de ensino é trimestral e será composto da nota 5. não devendo incidir sobre cada instrumento e sim sobre os conteúdos não apropriados. sínteses). atividades escritas (provas. que saibam como eles serão avaliados em cada atividade proposta. b) com a reavaliação do conteúdo "já reexplicado” em sala de aula.0 (dez vírgula zero). vídeos. destaca-se ainda. relatórios. pesquisas bibliográficas. que a proposta avaliativa deve estar bem clara para os alunos. 102 do regimento. palestras). o professor deverá utilizar instrumentos de avaliação que contemplem diferentes práticas pedagógicas. diferentes tipos de mapas. trabalho em grupo e/ou individual e deve constar no Plano de Trabalho Docente. assentando na interação e na relação dialógica que acontece entre os sujeitos do processo professor e alunos. por meio de procedimentos didático-metodológicos diversificados. ou seja. aulas de campo ou laboratório.todo o tempo. deve ser um processo não-linear de construções e reconstruções. construção de maquetes. projeto. relatórios. . atividades orais (provas. seminários.0 (cinco vírgula zero) proveniente de provas escritas e/ou orais. mais a nota 5. debates.

Diretrizes Curriculares de Geografia para o Ensino Fundamental. Cadernos Temáticos. Superintendência da Educação. Diretrizes Curriculares de Geografia para Ensino Médio.008. Julho/2008 SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO.Curitiba.IV – Bibliografia BRASIL. PR. . 2.Secretaria de Estado da Educação. ______Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnicoraciais e para o Ensino de História da Cultura Afro-Brasileira e Africana – Lei 10639/03. SEED.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful